ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA"

Transcrição

1 Revista da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA ISSN VOL 23 Jan / Jul 2007 NESTA CASA ESTUDA-SE O DESTINO DO BRASIL

2 REVISTA DA ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA VOL 23 1º Semestre 2007 EdESG ISSN Rio de Janeiro 2007 Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p , jan/jul

3 Revista da Escola Superior de Guerra / v.23, n. 47 (jan/jul. 2007) Rio de Janeiro : ESG, Semestral ISSN Ciência Militar - Periódicos. 2. Política - Periódicos. I. Escola Superior de Guerra (Brasil). II. Título. CDD Revista da Escola Superior de Guerra A Revista é uma publicação semestral da ESCOLA SUPERIOR DE GUERRA, do Rio de Janeiro. Com tiragem de exemplares, circula em âmbito nacional e internacional. Comandante e Diretor de Estudos Almirante-de-Esquadra José Antonio de Castro Leal Subcomandante e Subdiretor de Estudos Major-Brigadeiro-do-Ar Nilson Prado Godoy Chefe do Departamento de Estudos General-de-Brigada José Luís Gonçalves Menin Padronização Bibliográfica Cleide Santos Souza (CRB-7/3381) Projeto, Produção Gráfica e Impressão Gráfica da Escola Superior de Guerra Diagramação e Arte Final Anério Ferreira Matos 2 Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p , jan/jul. 2007

4 SUMÁRIO Apresentação 5 O Futuro do Planejamento Estratégico e os Desafios do Planejamento Estratégico Governamental 7 Washington Rodrigues Lima O Estado Brasileiro e a Soberania na Amazônia 19 Renato Luiz Scariot Ações Subsidiárias das Forças Armadas na Amazônia e seus Reflexos na Segurança e no Desenvolvimento 41 José Luis Gonçalves Menin Tecnologia Espacial e a Integração Sul-Americana 57 Marcos Dias da Silva Desafios e Questões de Segurança nas Relações do Brasil com os Paises Andinos 69 Edson de Oliveira Barroso Inteligencia Competitiva e Proteção do Conhecimento 85 Marcos Aurélio Silveira de Oliveira A Política de Cotas nas Universidades Públicas e seus Reflexos na Educação 103 Ivo Costa de Lima Utilização dos Embriões Humanos para Fins de Pesquisa e Terapia Aspectos Éticos e Jurídicos 119 Célia Vidal Pessoa Direito Digital e Infoguerra. Regulamentação do Ciberespaço: Realidade ou Utopia? 135 Jorge Roberto da Silva Revista da Escola Superior de Guerra Rio de Janeiro V. 23 n. 47 p jan/jul Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p , jan/jul

5 Memória Discurso proferido pelo Exmo. Sr. Presidente da República, Juscelino Kubitschek, por ocasião da abertura dos cursos da ESG, em Lista detrabalhos Guia para Colaboradores Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p , jan/jul. 2007

6 Apresentação Almirante-de-Esquadra José Antonio de Castro Leal Comandante e Diretor de Estudos da Escola Superior de Guerra Ao longo de quase seis décadas de existência, a atuação da ESG sempre decorreu de uma dedicação peculiar aos estudos dos destinos do Brasil. Para tal, concebeu o interesse nacional a partir de objetivos fundamentais e, por intermédio da análise de opções estratégicas, estabeleceu um modelo próprio de planejamento e uma sólida base conceitual. Em passado recente, foi questionado se não deveria a ESG passar a constituir-se em centro de excelência de ensino, pesquisa e extensão, dedicado apenas ao campo dos estudos de defesa, com propósito tanto de embasar o pensamento sobre o assunto como o de formar recursos humanos. Em outra análise, foi considerado que a ESG deveria continuar a ser um centro de inteligência, com visão global, autonomia acadêmica e liberdade intelectual, ainda visando estudar os rumos do Brasil para uma posição de destaque em um mundo globalizado. Na realidade, o papel da ESG está na junção dessas idéias, dentro de um projeto pedagógico que privilegie a abordagem relacionada com os estudos e as metodologias de planejamento estratégico e gestão conseqüente, com vistas à compreensão de todos os aspectos dos problemas nacionais que, direta ou indiretamente, afetem a Política Nacional de Defesa. Dessa forma, a ESG manterá seu vigor na contribuição para o aperfeiçoamento da sociedade brasileira, hoje bem consciente do valor da pesquisa científica e do debate construtivo de opções político-estratégicas como fonte de subsídios para o equacionamento dos problemas nacionais, desde a inserção social do cidadão brasileiro até a defesa, no seu sentido mais amplo, do Estado Nacional. Revendo fundamentos do passado da Instituição, verifica-se que, por ocasião da abertura dos cursos no ano de 1958, o então Presidente Juscelino Kubitschek evocava o espírito que provocou o nascimento desta Escola, destacando a necessidade de se estudar o Brasil em profundidade e o dever imperativo da Nação de manter-se na vanguarda dos acontecimentos mundiais. O discurso presidencial de há cinqüenta anos prima pela permanente atualidade, ao reconhecer a segurança nacional como verdadeira condição determinante da vida do país em todos os campos, ao defender a criação de um sentimento de união sul-americana e ao destacar a necessidade de formar lideranças capazes de defender, interna e externamente, os interesses nacionais. Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p , jan/jul

7 Ao pretender levar para além dos portões da Fortaleza de São João a produção intelectual contributiva para atingir esses objetivos, a partir do corrente ano seguir-se-á uma linha editorial apoiada em duas vertentes: publicação, nos Cadernos de Estudos Estratégicos, dos estudos e pesquisas sobre temas de interesse, produzidos pelo Centro de Estudos Estratégicos; e publicação, na Revista da Escola Superior de Guerra, de trabalhos acadêmicos produzidos pelos corpos docente e discente. Nesse contexto, o ano de 2006 foi especialmente profícuo em relação às atividades dos estagiários dos Cursos de Altos Estudos de Política e Estratégia, de Inteligência Estratégica e de Logística e Mobilização Nacional, como pode ser visto na listagem detalhada dos estudos desenvolvidos, todos disponíveis para consulta na Biblioteca da ESG. Por isso, o presente volume da Revista da ESG contempla apenas alguns desses trabalhos, selecionados pela oportunidade e alcance dos respectivos temas, buscando proporcionar o intercâmbio de idéias e contribuindo, também, para a ampliação dos conhecimentos sobre os interesses nacionais. 6 Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p , jan/jul. 2007

8 O futuro do planejamento estratégico e os desafios do planejamento estratégico governamental Washington Rodrigues Lima Tenente-Coronel Bombeiro Militar do Distrito Federal, estagiário do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia da Escola Superior de Guerra no ano de Introdução Num mundo sob o paradigma de intensa competitividade e, consequentemente, de constantes mudanças, resultando num ambiente complexo, imprevisível e de profundas incertezas, onde a concepção de cenários futuros é cada vez mais para muitos um exercício de adivinhação, quais seriam então as perspectivas da filosofia do planejamento estratégico e especialmente do planejamento estratégico governamental? Esse questionamento tem sido objeto de muitas reuniões de gestores de alto nível, de organizações privadas e também de instituições públicas. Inclusive, as discussões não têm poupado fóruns que, ao longo de muitos anos, vêm utilizando da metodologia de planejamento estratégico para definir os rumos dos negócios. A polêmica toma volume à medida que os casos de fracasso, sempre de maior repercussão, não foram evitados pela adoção sistemática do planejamento estratégico. Já se fala que o planejamento estratégico é apenas mais um modismo, alavancado pelas empresas de consultoria para garantir seu portifólio de serviços. Se modismo ou não, hoje, e mais acentuadamente nos últimos 10 anos, uma empresa que não embarcou na onda do planejamento estratégico é vista com maus olhos no seu segmento de mercado e, também, por seus clientes mais exigentes. Falar que na empresa se adotam as melhores práticas do planejamento estratégico soa como sinal de modernidade, quando não de sofisticação. O contrário pode até ser interpretado como sinal de deterioração empresarial. Isso a despeito do quanto efetivamente o planejamento estratégico tem colaborado para o sucesso do negócio, o que fica mais evidente pela recorrente ausência de métricas confiáveis de avaliação. Não é incomum ver organizações e instituições que adotaram o planejamento estratégico não conseguirem tangibilizar os benefícios decorrentes ou, ao menos, associá-los aos esforços de planejamento. Num esforço de trazer mais luz sobre o tema pretendemos, ao longo desse artigo, analisar o futuro do planejamento estratégico e os desafios do Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p , 9, jan/jul

9 planejamento estratégico governamental diante da abordagem do americano Henry Minstzberg, um dos gurus da atualidade do planejamento estratégico, no seu recente livro Ascensão e queda do planejamento estratégico e de Carlos Matus, chileno, pós-graduado em Harvard, ex-ministro e ex-presidente do Banco Central do Chile, apresentada na obra O método PES Planejamento Estratégico Situacional, de Franco Huertas. Não é o escopo dessa iniciativa uma abordagem conceitual do planejamento estratégico ou mesmo a apresentação de metodologias. O esforço é no sentido de desmistificar o planejamento estratégico como um todo e potencializar as suas possibilidades, destacadamente na vertente do planejamento estratégico governamental, um dos temas de preocupação da Escola Superior de Guerra na sua incansável busca de se estudar os destinos do Brasil, e com a qual pretendemos colaborar. Contudo, apenas preliminarmente, cabe esclarecer que o método PES de paternidade de Matus é... um método e uma teoria do Planejamento Estratégico Público... uma vertente boa do planejamento estratégico corporativo... onde os atores são partidos políticos, governantes ou dirigentes de organizações públicas, empresariais e sindicais... atores sociais. (HUERTAS, 1996) e dadas as suas peculiaridades difere considerável, mas não essencialmente, do planejamento estratégico tradicional. Assim, entendo que o método PES poderia se inserir nos estudos da Escola Superior de Guerra. Inicialmente, embora já no começo de ambos os textos citados, os autores declaram explicitamente que existe forte ceticismo em relação aos efetivos resultados do planejamento estratégico, também deixam claro que essa sensação é mais resultado de problemas na implementação do planejamento e na avaliação dos resultados. Quanto às questões que envolvem a implementação, as dificuldades já começam no entendimento do que é realmente o planejamento para as instituições. Logo, é previsível que os demais aspectos sejam prejudicados. No que diz respeito à avaliação dos resultados obtidos a dificuldade gira em torno das métricas adotadas que, mormente remetem a parâmetros financeiros que, via de regra, não são os indicadores mais recomendáveis para avaliação de iniciativas públicas cujos objetivos são o interesse público e o bem comum, valores perceptíveis, mas intangíveis do ponto de vista quantitativo. Somente diante dessas considerações preliminares alguém precocemente poderia relegar o planejamento estratégico à decadência. Mas, veremos que não é o caso que se verifica ao término da leitura das duas obras de referência. 2 - O método PES Planejamento Estratégico Situacional O livro de Huertas sobre o Método PES é uma compilação de uma entrevista que concedeu após uma palestra de Carlos Matus, o autor deste método com que trabalha há 25 anos, numa universidade. 8 Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p. p , -39, jan/jul. 2007

10 Ao longo de todo o livro podemos perceber que existem significativas diferenças entre o planejamento estratégico tradicional e o Método PES, proposto por Matus. Mas a diferença marcante que, inclusive, é evidenciada no nome do método - Planejamento Estratégico Situacional envolve uma outra abordagem do que seja o diagnóstico, ou análise ambiental (CERTO, 1993), fase inicial do planejamento estratégico tradicional, como vemos a seguir. O planejador tradicional vale-se do conceito de diagnóstico para explicar a realidade. Até meados dos anos 70 eu também aceitava esse conceito...o analista que diagnostica deve ser objetivo, científico e rigoroso; deve descobrir a verdade no singular e, a partir dela, construir o plano para mudá-la. O diagnóstico, nesse caso, deve ser único e válido para todos. Essas idéias parecem evidentes e imbatíveis....até aqui tudo parece ir muito bem, mas na verdade já está tudo muito mal. Para descobrir o que há de errado no conceito de diagnóstico, é preciso tentar aplicá-lo a um jogo com dois ou mais adversários. A aplicação do conceito, nesse caso, é o único modo de descobrir que, em um jogo real, as explicações dos jogadores adversários nunca são iguais, e que não se resolve o problema ao dizer que uma dessa explicações é verdadeira e que as que forem diferentes dessa são falsas. Há várias explicações verdadeiras sobre uma mesma realidade? O que significa verdadeira? Esse é o ponto de partida para a teoria das situações. (Matus apud Huertas, 1997) Essa ótica, embora preliminarmente pareça sutil, impacta de forma significativa o processo de concepção do planejamento estratégico, como é desenvolvido na maioria das organizações. Matus, inclusive, comenta que, dado o quanto a maneira tradicional de conceber o planejamento estratégico esteja já arraigada nas práticas gerenciais da empresa, muitos gestores não conseguem perceber as conseqüências dessa abordagem. Ele continua: O planejamento tradicional só reconhece um ator o governo do Estado e todos os demais são agentes com condutas predizíveis. O planejamento tradicional,..., estabelece uma relação entre um sujeito que planeja e um sistema planificado, na qual não há sujeitos e que se pode auto-explicar. Só haverá uma explicação se houver um ator interessado em explicar. Ao contrário, para PES, o que há é um jogo entre vários atores, em conseqüência, surge a pergunta: como esses atores explicam a realidade do jogo? Cada jogador tem a sua realidade? Qual é o fundamento explicativo a partir do qual cada jogador faz seus planos para ganhar o jogo? (Matus apud Huertas, 1997) Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p , 9, jan/jul

11 Esse é o ponto de partida para a teoria das situações (Matus apud Huertas, 1997) que Matus propõe, a partir da qual ele estabelece um método para captar melhor a realidade ou situações. A teoria tenta minimizar a miopia natural dos gestores em suas particulares visões de mundo - o mercado com as quais fundamentam os planos estratégicos de sua organização. Logo, a partir de visões particulares construímos um futuro muito particular onde queremos que o nosso planejamento nos leve. È como se numa viagem marítima nos guiássemos pelas impressões visuais do clima ao nosso redor e desprezássemos a experiência do timoneiro, de outros navegantes na mesma rota, as informações climatológicas dos especialistas, etc.....a categoria situação permite compreender a assimetria das explicações em um jogo, conceito teórico da maior importância na análise estratégica. Explicações diferentes sobre uma mesma realidade não são apenas respostas diferentes para perguntas iguais: são respostas diferentes a perguntas diferentes. Por exemplo, em uma situação de inflação, uma pergunta-chave, para os sindicalistas, é: de quanto é a perda em salários reais? Para uma empresa, a pergunta-chave, crítica, é: de quanto é minha descapitalização? As perguntas relevantes são diferente para diferentes atores....o planejador tradicional omite a mediação da apreciação situacional porque as subjetividades o incomodam e estabelece uma relação direta que não existe na realidade entre diagnóstico e o plano. Nenhum plano real é formulado com base em diagnósticos: fazemse planos reais a partir de análises de situações. (Matus apud Huertas, 1997) De fato, à medida que a sociedade, de maneira geral, se sofistica, as interações entre os seus diversos atores são cada vez mais complexas e, dificilmente, podem ser materializadas por intermédio de uma abordagem particular. O irrealismo do planejamento tradicional baseia-se em uma só coisa que contamina toda a sua teoria com uma grande falta de rigor: ignora que o outro existe, ignora os adversários, ignora a metáfora do jogo e ignora os atores sociais. (Matus apud Huertas, 1997) Muitas organizações não entendem o porquê dos seus planejamentos estratégicos não aderirem à realidade ou mesmo resultarem em baixa efetividade. Como Matus vê, a explicação está na falta de uma percepção mais consistente da própria realidade. Essa percepção será tanto mais consistente na medida em que mais atores em torno do negócio participem do processo de percepção da situação. 10 Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p. p , -39, jan/jul. 2007

12 No caso do planejamento estratégico governamental essa abordagem é mais crucial, dado que o governo mais adiante se confunde com a própria sociedade que representa. Assim, as visões dos diversos atores sociais são fundamentais para nortear as políticas de governo. Diante do que Matus coloca, percebe-se o porquê de muitas políticas públicas materializadas em planejamentos estratégicos tipicamente de gabinete e de autoria de gestores com pouca representatividade não comporem a realidade. Normalmente, disso decorre o grande ceticismo existente em torno das iniciativas de planejamento estratégico e, por outro lado, um reforço nas práticas de improvisação. As fraquezas do planejamento tradicional dão valiosíssimas vantagens à improvisação. A improvisação tem quatro qualidades essenciais em relação ao planejamento tradicional: (1) é flexível e adaptável à realidade, já que não se apresenta com uma proposta formal e é feita a cada momento; (2) é oportuna, porque age sem formalismos e em alta velocidade, enquanto um plano demora um ou dois anos para ser produzido e quase nunca pode ser revisto; a improvisação está sempre presente quando é necessária, com suas propostas; (3) é variada, porque suas fontes de produção estão dispersas em muitos lugares do aparelho e do sistema social, enquanto o planejamento tem suas fontes concentradas nos escritórios de planejamento; e (4) e predominantemente situacional, ainda que muitas vezes também possa ser tecnocrática, já que o improvisador não age, em geral, movido por uma teoria ou técnica, mas com base em uma experiência matizada por uma grande variedade de critérios. (Matus apud Huertas, 1997) Assim, após a ascensão e queda do planejamento estratégico tradicional a alternativa é planejamento estratégico situacional? Como explicitamos inicialmente, se o planejamento estratégico tradicional é ainda um modismo objeto de grandes projetos de consultoria será que de fato estamos vendo o final de um ciclo? 3 - Ascensão e queda do planejamento estratégico Minstzberg, autor de umas das referências no estudo da evolução da filosofia do planejamento, a obra Safári de Estratégias, em seu mais recente trabalho, Ascensão e Queda do Planejamento Estratégico, desmistifica o planejamento estratégico por intermédio do que chama de armadilhas e falácias que estão de modo geral, mais relacionadas com os problemas de implementação, como citamos na introdução. Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p , 9, jan/jul

13 Embora diante da preponderância dos problemas relacionados com a implementação das estratégias, Minstzberg traça um paralelo entre as armadilhas e falácias e a ascensão e queda do planejamento estratégico. Vemos em suas próprias palavras que:... as duas principais armadilhas do planejamento... que não somente erram o alvo, mas que podem ser o oposto do que sustentavam...o planejamento pode impedir a si mesmo de funcionar como os proponentes afirmaram que devia. Certamente, o planejamento não pode funcionar de maneira efetiva sem o apoio das pessoas que ocupam cargos seniores nas organizações, nem sobreviver em climas hostis à sua prática. Entretanto, as verdadeiras perguntas são por que, afinal, esse apoio é negado com tanta freqüência e por que esses climas aparecem? Ao sugerirmos algumas respostas, introduzimos várias características problemáticas do planejamento. Essas incluem um afastamento do objetivo que muitas vezes abala o comprometimento e suscita a política, bem como uma tendência para o conservadorismo e uma obsessão pelo controle que pode provocar um clima de conformidade e inflexibilidade, o qual prefere a mudança incremental, genérica, focada no curto prazo. Essas podem ser as verdadeiras armadilhas do planejamento. (MINTZBERG, 2004) Podemos perceber que as armadilhas que Minstzberg destaca, o comprometimento, no caso a falta do comprometimento e a obsessão por controle da alta administração, determinam o fracasso do planejamento estratégico na medida em que limita o seu impacto no curto prazo, como resultado de mudanças meramente reativas ou incrementais, e inespecíficas ou genéricas. De fato, se o escopo do planejamento estratégico é estabelecer um contexto organizacional com atenção no futuro, e quanto mais distante for este futuro, melhor, como forma de antecipar cenários e, a partir daí, reposicionar o negócio. Uma postura imediatista, de curto prazo, desvirtua essencialmente o planejamento estratégico. No que tange às falácias Minstzberg coloca que a falácia da predeterminação e a do desligamento leva a essência do problema ou das falácias, a formalização do planejamento estratégico. Assim lemos: O planejamento assume a predeterminação em vários aspectos: o prognóstico por meio da previsão... a incerteza é o calcanhar de Aquiles do planejamento estratégico... as previsões de longo prazo (dois anos ou mais) são notoriamente imprecisas.... uma das principais suposições em planejamento é a de 12 Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p. p , -39, jan/jul. 2007

14 desligamento... a verdadeira direção do planejamento tornase possível exclusivamente porque a gerência não está mais inteiramente imersa nos detalhes da própria tarefa...em vez disso, ela pode se concentrar nos assuntos estratégicos realmente importantes, de longo prazo.... Também não há dúvida de que os bons pensadores estratégicos são reflexivos, o tipo de gente que, na metáfora popular, consegue se elevar acima das árvores para ver a floresta consegue ter a perspectiva ampla, de longo prazo. Ainda assim, afirmar que a resposta estratégica efetiva depende de esse tipo de gente ficar permanentemente empoleirado no ar (presume-se que na plataforma de um sistema formal) é, em nossa opinião, uma falácia que se revelou terrivelmente dispendiosa para muitas organizações. (MINTZBERG, 2004) Minstzberg, embora faça distinção entre as falácias, estabelece que a predeterminação e o desligamento deságüem na formalização, entendida como a materialização do planejamento estratégico concebido pela alta administração da organização. Para ele o planejamento estratégico formal ou formalizado é uma tênue imagem da perspectiva que a alta administração realmente entende como planejamento estratégico. Gradualmente, estamos convergindo para a essência do problema, a grande falácia do planejamento. Mais próxima de seu núcleo, realmente um compêndio dos pontos considerados até agora, está a falácia de que o processo de formação de estratégia pode ser formalizado...assim não temos evidências de qualquer dos sistemas de planejamento estratégico independentemente de sua elaboração, ou fama tenha dado certo...alguma coisa claramente deu errado com a formalização. (MINTZBERG, 2004) Pelo que foi mostrado, o planejamento estratégico deve ser descartado das práticas gerenciais? Se diante do planejamento estratégico nos confrontamos com armadilhas e falácias, como podemos ainda empregá-lo como ferramenta gerencial e assim apropriar as organizações de condições para acompanhar o dinamismo das mudanças do mercado e comunidades? Na realidade, a didática de concepção da obra Ascensão e Queda do Planejamento e Estratégico é, propositadamente, revelada somente no seu fim, descortinando onde o autor pretendia chegar com suas observações desconcertantes. Fomos altamente críticos durante esta discussão, afirmando que, ao tentar ser tudo, o planejamento arriscou-se a ser rejeitado Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p , 9, jan/jul

15 como sendo nada. Na verdade, nunca tivemos qualquer intenção de rejeitar o planejamento, embora o tom de nossa discussão possa ter dado esta impressão. Ao contrário, exageramos nossas críticas, longe da conclusão de que o planejamento pode fazer tudo ou nada. Para levar de um extremo (onde acreditamos que o planejamento sempre esteve) para o meio, é preciso se afastar do extremo oposto (como, ao tentar equilibrar uma gangorra com todo o peso em um extremo, deve-se por o peso no outro, não no meio). Tendo (esperamos) conseguido atrair o leitor para esse meio, agora podemos nos posicionar aí também, para considerar os papéis viáveis que o planejamento, assim como os planos e os planejadores, podem desempenhar nas organizações. Por isso, o tom de nossa discussão muda neste ponto, de crítico para construtivo. (MINTZBERG, 2004) O grande esforço de Minstzberg é...atrair o leitor... e assim levá-lo, depois de perceber as idiossincrasias do planejamento estratégico, a considerar os papéis viáveis que o planejamento, assim como os planos e os planejadores, podem desempenhar nas organizações. E somente então,...o tom de nossa discussão muda neste ponto, de crítico para construtivo. Entendido o artifício de Minstzberg ao tratar da Ascensão e Queda do Planejamento Estratégico e diante da alternativa proposta por Matus como o PES, passamos a considerar as duas perspectivas com vistas ao futuro do planejamento estratégico e aos desafios do planejamento estratégico governamental. 4 - O futuro do planejamento estratégico e os desafios do planejamento estratégico governamental Neste ponto, percebemos que, embora a partir de abordagens estanques, Mintzberg e Matus fazem considerações convergentes. Dessa convergência, podemos identificar uma nova forma de se desenvolver o planejamento estratégico que, entendemos, seja o futuro do planejamento. Essa nova forma é especialmente mais importante à medida que é mais aderente às demandas da complexidade das corporações multinacionais ou globais e aos governos e sociedades. Quando o autor de Ascensão e Queda do Planejamento Estratégico se refere às armadilhas e falácias do planejamento estratégico, por intermédio da falta de comprometimento, da obsessão por controle, da filosofia da predeterminação, e do desligamento, tudo em torno da alta administração, o que resulta numa formalização míope de um plano estratégico, ele está questionando a filosofia do planejamento na raiz, nos primórdios da fase de análise ambiental, no diagnóstico. 14 Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p. p , -39, jan/jul. 2007

16 Numa outra abordagem, Matus também questiona a doutrina do planejamento já no seu começo, quando declara que a ausência da percepção da realidade situacional, do modo como a vêem os muitos atores envolvidos, compromete o diagnóstico a partir do qual se vai elaborar qualquer planejamento. Embora aqui apresentadas sumariamente, fica evidente que as duas posturas levam à invalidação da formalização do planejamento estratégico. E aqui aparece uma incongruência: como podemos atribuir a maioria dos fracassos de muitos projetos de planejamento estratégico a problemas com a implementação, se existem dúvidas anteriores quanto ao processo de formalização do planejamento? Vemos que o futuro do planejamento estratégico e notadamente os desafios do planejamento estratégico governamental, dependem dos esforços dos estudiosos e administradores em resolver a questão da validação do plano estratégico formalizado ao final do processo. Somente então, seria razoável responsabilizar a fase de implementação pelos insucessos! Por outro lado, se a formalização está sendo encarada com ponto sensível é, também, uma oportunidade para o amadurecimento de iniciativas, embora ainda isoladas, de agregar valor ao processo de concepção do plano estratégico, com o uso das possibilidades da tecnologia da informação. Essas possibilidades não se restringem ao uso de aplicativos, mas a concepção de um sistema de informação focado nas demandas do processo de concepção do plano estratégico. Na realidade, alguns aplicativos voltados especificamente para a concepção do plano estratégico, já tentam reduzir a miopia das visões restritas ao nível gerencial pelo uso do Método Delphi, que se propõem a confrontar a opinião de vários atores. Esses aplicativos também apresentam maior flexibilidade para acompanhar a evolução da conjuntura e, portanto, absorver as mudanças que podem impactar o plano, tornando-o mais dinâmico. Uma categoria de aplicativos chamada Enterprise Planning Managment (EPM), voltada, de modo geral, para gerência de projetos, começa a apresentar modelos de planejamento estratégico, justamente para integrar e gerenciar os diversos projetos em curso na organização. Mas o quê entendemos possuir maior vocação para potencializar as possibilidades de um planejamento estratégico e, especificamente, minimizar os problemas em sua concepção, ensejando a colaboração de vários atores, e a participação mais madura dos gestores de alto nível, é o Data Warehouse (DW), um sistema de informação utilizado para armazenar informações relativas às atividades de uma organização em bancos de dados, de forma consolidada, favorecendo a produção de relatórios, a análise de grandes volumes de dados e a obtenção de informações estratégicas, que podem facilitar a tomada de decisão. Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p , 9, jan/jul

17 Diante do exposto, identificamos alguns desafios do planejamento estratégico mais emergentes, talvez, até mesmo, que assumam o papel de fatores críticos de sucesso (FCS). O primeiro desafio é a despeito das correntes que pregam a improvisação e o reativismo devemos continuar acreditando nas virtudes do planejamento estratégico, mas de forma centrada, absorvendo a didática do equilíbrio de Mintzberg. O segundo desafio é engajarmos todas as possibilidades da tecnologia da informação para poder resolver as idiossincrasias do processo de formalização do planejamento estratégico. Esse esforço requer a busca daquelas soluções mais maduras e consolidadas e que sejam aderentes à realidade da organização o planejamento situacional de Matus. Isso como o próprio planejamento estratégico não é trivial. O planejamento estratégico governamental, dada a complexidade de interações com a sociedade, e entre os vários órgãos do governo e as outras nações, não pode prescindir do uso de potente sistema de informação para formulação de suas estratégias. Sem o paradigma da informática, o planejamento estratégico governamental é superficial, setorizado e sem substância, já que não consegue enxergar a Nação e o Estado com um todo, sem prejudicar a autonomia dos poderes e das esferas do governo. 5 - Conclusões A revisão de Ascensão e queda do planejamento estratégico e O método PES com o propósito de confrontar essas duas abordagens e, a partir daí, estabelecer o futuro do planejamento estratégico como disciplina ou filosofia administrativa e os desafios do planejamento estratégico governamental, resulta numa ênfase na tecnologia da informação como instrumento para resolver os problemas de formulação do plano estratégico. Naturalmente, os saltos tecnológicos da informática são orientados às demandas do mercado. Assim, cremos que à medida que as organizações entendam os benefícios do uso da tecnologia da informação no planejamento estratégico e comecem a requerer soluções mais competentes, o mercado vai reagir exponencialmente. Podemos até concluir que já estamos entrando na segunda geração de tecnologias com recursos para apoiar o planejamento estratégico. Essa conclusão leva-nos a perceber que ainda há muitos espaços para ocupar e passos para dar. Para o planejamento estratégico governamental, o suporte da tecnologia da informação possibilita o acesso aos conteúdos de valor estratégico dos diversos segmentos do governo, o tratamento desse imenso volume de informação, a produção de conhecimento a partir de então, a submissão à análise interativa 16 Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p. p , -39, jan/jul. 2007

18 dos vários atores do governo, o uso de um modelo de formalização dos planos estratégicos em níveis gerenciais, o controle da implementação de medidas decorrentes, a retro-alimentação dinâmica da evolução da conjuntura, etc. Somente nessa perspectivas de tratamento das informações governamentais fica evidente o papel crucial da tecnologia da informação diante da complexidade que reveste o planejamento estratégico governamental. Portanto, a decisão de se investir na concepção de uma solução informacional capaz pode ser a diferença entre as verdadeiras possibilidades do uso da filosofia do planejamento estratégico e o uso apenas acadêmico quando não meramente teórico. REFERÊNCIAS CERTO, Samuel C. Administração Estratégica. São Paulo: Person Education do Brasil Ltda, HUERTAS, Franco. O método PES: entrevista com Matus. São Paulo: FUNDAP, MINTZBERG, Henry. Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, Ascensão e queda do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p , 9, jan/jul

19 18 Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p , -39, jan/jul. 2007

20 O Estado Brasileiro e a soberania na Amazônia Cel Av Renato Luiz Scariot Coronel-Aviador, estagiário do Curso de Altos Estudos de Política e Estratégia da Escola Superior de Guerra no ano de Introdução Dificilmente se encontrará alguém na América do Norte ou na Europa que não tenha ouvido falar da Amazônia. É unânime o entendimento de que a Amazônia brasileira necessita ser preservada. Pessoas que, muitas vezes, não se deram a oportunidade ou mostraram o interesse de conhecer os seus países encontram-se envolvidas numa cruzada que visa manter intocada a última área de floresta virgem do mundo. O pulmão do mundo, como ficou conhecida a região, precisa, a todo custo, ser transformada numa área onde a comunidade internacional tenha o poder de mando. Sob esta nota orquestrada pelos países mais ricos do mundo buscase o direito de conservação da Amazônia para as gerações futuras. Neste caso, ao invés do desenvolvimento econômico propõem-se a preservação do meio ambiente e do solo. Dentro desse espírito, estas nações desejam que a Amazônia permaneça como uma reserva ecológica e biológica, pouco povoada e sem desenvolvimento. Temas como a globalização, neoliberalismo e terrorismo, tão atuais no cotidiano brasileiro, serão contemplados neste trabalho na intenção de correlacioná-los com as dificuldades encontradas pela Nação Brasileira para promover desenvolvimento e incorporar a Amazônia ao ciclo de crescimento do país. Enquanto isso, questões envolvendo terras indígenas, biopirataria, biodiversidade, narcotráfico, contrabando, exploração de riquezas e muitas outras protagonizadas por influentes ONGs, impõe ao Brasil um difícil caminho na escalada para o crescimento. Sob este cenário de dificuldades e ameaças de perder a soberania, o leitor será convidado a encontrar possíveis soluções que visem incutir no subconsciente nacional a necessidade de valorizar a Amazônia e sobrepujar a cobiça que se propagou pelo mundo afora como palavra de ordem para salvar a região. Ações de comunicação social como uma das maneiras de cooperar com o esforço de integrar a Amazônia ao país, por meio do reforço da vontade do povo brasileiro, e como importante ferramenta na formação da opinião pública nas demais regiões do país serão a seguir tratadas. O sucesso dessa empreitada Revista da Escola Superior de Guerra, v.23, n.47, p , -3 9, jan/jul

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional REGIÃO NORTE REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional GRANDE ÁREA COM PEQUENA POPULAÇÃO, O QUE RESULTA EM UMA BAIXA DENSIDADE DEMOGRÁFICA (habitantes por quilômetro

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências

A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências A AMAZÔNIA NA INTEGRAÇÃO SUL-AMERICANA Convergências e Divergências Principais Biomas Sul-Americanos Amazônia: mais de 40% da América do Sul Vegetação da Grandeá Regiões Amazônicas dos países sul-americanos

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

III ENCONTRO Economia Ecológica e a Gestão Ambiental: elementos para o Desenvolvimento Sustentável GESTÃO AMBIENTAL: ESTADO, EMPRESAS E ONG.

III ENCONTRO Economia Ecológica e a Gestão Ambiental: elementos para o Desenvolvimento Sustentável GESTÃO AMBIENTAL: ESTADO, EMPRESAS E ONG. III ENCONTRO Economia Ecológica e a Gestão Ambiental: elementos para o Desenvolvimento Sustentável Pedro Bara Neto 1 GESTÃO AMBIENTAL: ESTADO, EMPRESAS E ONG. CASO SIPAM Enseja a proposta temática a discussão

Leia mais

Exercícios Amazônia. Geografia Professor: Claudio Hansen. Material de apoio do Extensivo

Exercícios Amazônia. Geografia Professor: Claudio Hansen. Material de apoio do Extensivo Exercícios Amazônia 1. As florestas contribuem com a fixação de parte do carbono atmosférico do planeta, amenizando o processo do aquecimento global. As queimadas realizadas nessas formações vegetais,

Leia mais

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra Greenpeace/Daniel Beltra www.desmatamentozero.org.br Chega de desmatamento no Brasil As florestas são fundamentais para assegurar o equilíbrio do clima, a conservação da biodiversidade e o sustento de

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

CP/CAEM/2004 1ª PROVA FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2004 1ª PROVA FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/20 1ª PROVA FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA 1ª QUESTÃO ( 6,0 ) Analisar os fatores fisiográficos da América do Sul, concluindo sobre a influências destes fatores na distribuição

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise e

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

A ESTRATÉGIA MILITAR DO EXÉRCITO BRASILEIRO PARA A AMAZÔNIA. FUNDAMENTOS E IMPLICAÇÕES PARA A COOPERAÇÃO

A ESTRATÉGIA MILITAR DO EXÉRCITO BRASILEIRO PARA A AMAZÔNIA. FUNDAMENTOS E IMPLICAÇÕES PARA A COOPERAÇÃO A ESTRATÉGIA MILITAR DO EXÉRCITO BRASILEIRO PARA A AMAZÔNIA. FUNDAMENTOS E IMPLICAÇÕES PARA A COOPERAÇÃO MILITAR NO SUL DA AMÉRICA LATINA i ADRIANA A. MARQUES PPG-USP Dois processos são fundamentais para

Leia mais

Região Norte e Amazônia não são sinônimos

Região Norte e Amazônia não são sinônimos REGIÃO NORTE Região Norte e Amazônia não são sinônimos Não existe uma Amazônia, e, sim, várias. Amazônia Internacional: região natural coberta pela floresta Amazônica, que se estende por alguns países

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas.

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER CONTEÚDO E HABILIDADES GEOGRAFIA. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas. Aula 10.2 Conteúdo: Guianas. 2 Habilidades: Observar as limitações das Guianas e suas ligações com o Brasil. 3 Colômbia 4 Maior população da América Andina. Possui duas saídas marítimas: Para o Atlântico

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Projetos de desenvolvimento sustentável no Brasil : o caso do Programa Piloto

Projetos de desenvolvimento sustentável no Brasil : o caso do Programa Piloto Projetos de desenvolvimento sustentável no Brasil : o caso do Programa Piloto Desde 1987, após a publicação do relatório da Comissão das Nações Unidas para o Me i o Ambiente e o Desenvolvimento, o termo

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Oficina de planejamento estratégico

Oficina de planejamento estratégico Oficina de planejamento estratégico Objetivo Avaliar o momento atual do planejamento estratégico no tce. Levantar elementos de continuidade do processo. Metodologia O Planejamento Estratégico Situacional,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca r f Considerei particularmente oportuno

Leia mais

Eduardo Stranz Mariana Boff Barreto Rosângela Ribeiro Virna Limongi

Eduardo Stranz Mariana Boff Barreto Rosângela Ribeiro Virna Limongi O Crack na Fronteira Brasileira Eduardo Stranz Mariana Boff Barreto Rosângela Ribeiro Virna Limongi Resumo: O Observatório do Crack, projeto elaborado e mantido pela Confederação Nacional de Municípios

Leia mais

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS

EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS EDITAL Nº 003/2009/BRA/06/032 CÓDIGO ARRANJOS PRODUTIVOS O Projeto BRA/06/032 comunica aos interessados que estará procedendo à contratação de consultoria individual, na modalidade produto, para prestar

Leia mais

COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA

COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA Ocupa mais de 5 milhões de km ²; Abrange quase toda a região Norte, centro-norte do Mato Grosso e oeste do Maranhão; É marcada pela presença da Floresta Amazônica; A Floresta

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

GEOGRAFIA. Estão corretos apenas os itens. A) I e III. B) I e IV. C) II e IV. D) I, II e III. E) II, III e IV.

GEOGRAFIA. Estão corretos apenas os itens. A) I e III. B) I e IV. C) II e IV. D) I, II e III. E) II, III e IV. GEOGRAFIA 11) Ao ler o mapa do estado do Rio Grande do Sul, podese reconhecer diferentes paisagens que se configuram por apresentarem significativas relações entre os elementos que as compõem. Dentre os

Leia mais

América Latina: quadro natural e exploração dos recursos naturais

América Latina: quadro natural e exploração dos recursos naturais Yiannos1/ Dreamstime.com América Latina: quadro natural e exploração dos recursos naturais Imagem de satélite do continente americano. Allmaps Allmaps Divisão Política (por localização) América do Norte

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009.

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4 a CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MEIO AMBIENTE E PATRIMÔNIO CULTURAL RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Subprocuradora

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO LEONID GARNITSKIY

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO LEONID GARNITSKIY UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO LEONID GARNITSKIY DESAFIOS GEOPOLÍTICOS DA AMAZÔNIA BRASILEIRA NO PÓS- GUERRA FRIA RIO DE JANEIRO 2013 SUMÁRIO 1. Introdução. 2. Análise do espaço amazônico. 3. Análise

Leia mais

RESOLUÇÃO: O QUE É GEOGRAFIA

RESOLUÇÃO: O QUE É GEOGRAFIA O QUE É GEOGRAFIA 01. (Ufpe) Vamos supor que um determinado pesquisador escreveu o seguinte texto sobre a Amazônia brasileira. "A Amazônia brasileira, uma das principais regiões do País, está fadada ao

Leia mais

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria.

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Edson José Duarte 1 Universidade Federal de Goiás/Campos catalão Email: edsonduartte@hotmail.com

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

GEOGRAFIA. transformadas

GEOGRAFIA. transformadas GEOGRAFIA Disciplina A (currículo atual 2008) Disciplina B (currículos extintos) 1ª período 59480 Cartografia Geral 68 Geografia Cartografia B 136 37230 Geografia Contida Ementa: Aborda os fundamentos

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA. Zig Koch DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Zig Koch O Programa E-CONS, Empreendedores da Conservação, é uma iniciativa idealizada pela SPVS - Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental e implementada em

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis.

É uma contribuição do grupo sul-americano, participante da Aliança Internacional de Responsabilidades para Sociedades Sustentáveis. Apresentação O Manifesto de Lima a Paris foi apresentado no encontro denominado Que Responsabilidades o mundo necessita frente às mudanças climáticas? Por uma nova governança ambiental. O evento foi realizado

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS

REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS REGIONALIZAÇÃO GLOBALIZAÇÃO DAS CONTAS DE VIAGENS CORPORATIVAS 3 A pesquisa sobre Regionalização e Globalização de viagens corporativas, encomendada pelo Instituto Alatur e HRG Brasil foi realizada em

Leia mais

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central.

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 2) Considere a tabela para responder à questão: TAXA DE CRESCIMENTO URBANO (em %) África 4,3 Ásia 3,2 América Lat./Caribe

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

8º ANO ATIVIDADES ONLINE

8º ANO ATIVIDADES ONLINE 8º ANO ATIVIDADES ONLINE 1) Analise a tabela e responda. a) Entre os países andinos, qual apresenta maior desenvolvimento, de acordo com o IDH? E menor desenvolvimento? b)que tipo de produto predomina

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

Declaração de Adelaide sobre Cuidados

Declaração de Adelaide sobre Cuidados Declaração de Adelaide sobre Cuidados Declaração de Adelaide sobre Cuidados Primários A adoção da Declaração de Alma Ata, há década atrás, foi o marco mais importante do movimento da "Saúde Para Todos

Leia mais

E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a E E L

E s c o l a d e E n g e n h a r i a d e L o r e n a E E L : Diagnóstico A realidade é como ela é e não como gostaríamos que ela fosse. (Maquiavel) INTRODUÇÃO O Diagnóstico Estratégico de uma organização, também chamado por muitos autores de Análise do Ambiente,

Leia mais

Casa Publicadora Brasileira Editora dos Adventistas do Sétimo Dia

Casa Publicadora Brasileira Editora dos Adventistas do Sétimo Dia TE QUERO VERDE Autoria: Ieda Martins de Oliveira Editora: Casa Publicadora Brasileira Turmas: 3º ao 7º ano Temas: Arte, Geografia, História, Ciências, Língua Portuguesa, Meio Ambiente, Pluralidade Cultural,

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas

TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas 1. APRESENTAÇÃO A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos que

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

Padrão de respostas às questões discursivas

Padrão de respostas às questões discursivas Padrão de respostas às questões discursivas A seguir encontram-se as questões das provas discursivas da 2ª ETAPA do Vestibular UFF 2011, acompanhadas das respostas esperadas pelas bancas. GEOGRAFIA - Grupos

Leia mais

DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ

DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ Segue um relato de uma pessoa conhecida e séria, que passou recentemente em um concurso público federal e foi trabalhar em Roraima: Trata-se de um Brasil que a gente não conhece.

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca ENCERRAMENTO DO CONGRESSO «NECESSIDADES,

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1

Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1 Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1 Termo até então desconhecido, Comunicação Pública agora é nome de curso de pós-graduação, título de livros, de artigos e pesquisas. Nós, na Secretaria

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial

Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial Projeto OTCA-BID: Marco Estratégico para elaborar uma agenda regional de proteção de povos indígenas em isolamento voluntário e contato inicial Subsídios à participação brasileira no evento e considerações

Leia mais

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972. (tradução livre)

Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972. (tradução livre) Declaração da Conferência de ONU no Ambiente Humano, Estocolmo, 5-16 de junho de 1972 (tradução livre) A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, reunida em Estocolmo de 5 a 16 de junho

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a exclusão social tornou-se assunto de importância mundial nos debates sobre planejamento e direcionamento de políticas públicas (Teague & Wilson, 1995). A persistência

Leia mais

RESPEITAR O MEIO AMBIENTE É COISA DE GENTE INTELIGENTE DUARTE, Inaraline (FINAN/G) SILVA,Alves Sueli (FINAN/G) NUNES, JÉSSICA (FINAN/G)

RESPEITAR O MEIO AMBIENTE É COISA DE GENTE INTELIGENTE DUARTE, Inaraline (FINAN/G) SILVA,Alves Sueli (FINAN/G) NUNES, JÉSSICA (FINAN/G) RESPEITAR O MEIO AMBIENTE É COISA DE GENTE INTELIGENTE DUARTE, Inaraline (FINAN/G) SILVA,Alves Sueli (FINAN/G) NUNES, JÉSSICA (FINAN/G) Resumo: Este artigo aborda a proposta de trabalhar o meio ambiente

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável Capítulo III. As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável

Desenvolvimento Sustentável Capítulo III. As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Capítulo III As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a Humanidade

Leia mais

Carta da Sustentabilidade das Cidades Européias (Carta de Aalborg)

Carta da Sustentabilidade das Cidades Européias (Carta de Aalborg) Carta da Sustentabilidade das Cidades Européias (Carta de Aalborg) (aprovada pelos participantes na Conferência Européia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994)

Leia mais

Comportamento do leitor e hábitos de leitura: comparativo de resultados em alguns países da América Latina 1

Comportamento do leitor e hábitos de leitura: comparativo de resultados em alguns países da América Latina 1 Comportamento do leitor e hábitos de leitura: comparativo de resultados em alguns países da América Latina 1 Março de 2012 Introdução Para aqueles que no dia-a-dia atuam no mundo do livro, na leitura e/ou

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais 1. Observe o mapa a seguir. As partes destacadas no mapa indicam: a) Áreas de clima desértico. b) Áreas de conflito. c) Áreas

Leia mais

Fortalecimento do Sistema de Graduação e de Pós- Graduação Stricto Sensu para o Paraná

Fortalecimento do Sistema de Graduação e de Pós- Graduação Stricto Sensu para o Paraná 1 Fortalecimento do Sistema de Graduação e de Pós- Graduação Stricto Sensu para o Paraná Clóvis Pereira UFPR Introdução A sociedade paranaense está sendo solidamente construída por meio de planos, planejamentos,

Leia mais

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente José Antonio Sena do Nascimento Jorge Kleber Teixeira Silva 1 O trabalho em questão faz parte de uma linha de pesquisa desenvolvida

Leia mais

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE UFMG, BELO HORIZONTE, BRASIL 16 a 19 de setembro de 2007.

Leia mais

4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC

4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC 45 4 O Projeto: Estudo de caso LED / IBC A tecnologia ligada à acessibilidade ajuda a minimizar as dificuldades encontradas entre pessoas com deficiências ao acesso a diversos formatos de informação. Do

Leia mais