Instituto Evandro Chagas Relatório de Gestão Mai/2003 a Jan/2006 RELATÓRIO GESTÃO. ASPLAN 1 de 242

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto Evandro Chagas Relatório de Gestão Mai/2003 a Jan/2006 RELATÓRIO GESTÃO. ASPLAN 1 de 242"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE GESTÃO Maio/2003 a Jan/2006 ASPLAN 1 de 242

2 Governo do Brasil Presidente da República Luís Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde Saraiva Felipe Secretaria de Vigilância em Saúde Secretário-Executivo Dr. Jarbas Barbosa da Silva Júnior Instituto Evandro Chagas Diretor Dr. Edvaldo Carlos Brito Loureiro Organização Assessoria de Planejamento Benedita Maria Diniz da Silva Maria do Perpétuo Socorro Gonçalves dos Santos Colaboração Chefes de Serviços e Seções: Adevaldo da Silva Elleres SEBIO Alexandre da Costa Linhares SEVIR Cláudia Maria Regis Vargas Nascimento SERH Elizabeth Conceição de Oliveira Santos - SEMAM Francisco Lúzio de Paula Ramos - SEBAC Gilberta Bensabath SEVEP José Augusto Miranda Cardoso - SEOFI Manoel do Carmo Pereira Soares SEHEP Manoel Gomes da Silva Filho SEAP Maria da Conceição Mendes Chagas - SEADM Marinete Marins Povoa SEPAR Pedro Fernando da Costa Vasconcelos SEARB Assessores: José Paulo Nascimento Cruz DIR Rui Leonardo Vasconcelos de Almeida ASCOM ASPLAN 2 de 242

3 APRESENTAÇÃO...4. MISSÃO HISTÓRICO DADOS GERAIS DA UNIDADE DESCRIÇÃO DOS OBJETIVOS E METAS Execução Física da Ação do PPA prevista para o IEC Plano Anual de Trabalho Avaliação dos Resultados Obtidos das Ações Administrativas Descrição dos Objetivos e Metas Financeiras DESCRIÇÃO DOS INDICADORES MEDIDAS IMPLANTADAS E A IMPLEMENTAR PESQUISA Produção Científica Grupos de Pesquisa Pesquisa e Desenvolvimento Regional Parceiros Programa de Desenvolvimento Científico Regional (DCR) Pesquisadores, Mestres e Doutores Iniciação Científica Eventos de Iniciação Científica Atuação das Seções Técnico-científicas Meio Ambiente Parasitologia Bacteriologia e Micologia Virologia Hepatologia Patologia Arbovirologia e Febres Hemorrágicas Epidemiologia Criação e Reprodução de Animais de Laboratório Pólo Avançado de Pesquisa INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO A Prestação de Informação Técnico-científica Comunicação Social Intra e Interinstitucional GESTÃO Integração Interinstitucional Programa de Qualidade Gestão Administrativa Gestão de Pessoas Ações Gerais do IEC PERSPECTIVAS PARA ANEXOS I - Regimento Interno da SVS Portaria II - Plano Anual de Trabalho - PAT/2005 III - Avaliação do Plano Anual de Trabalho IV - Produção Científica ASPLAN 3 de 242

4 Apresentação Este relatório tem o objetivo de apresentar um balanço e uma prestação de contas da nossa administração no Instituto Evandro Chagas, de maio de 2003 a janeiro de 2006, cumprindo-se o dever de prestar contas da gestão ao público interno e externo, mantendo-se a transparência que caracterizou nossas ações órgão, nesse período. Durante o período em questão, o IEC cresceu, ampliou a sua qualidade e aproximou-se, definitivamente, da comunidade científica e da sociedade paraense. Realizamos um esforço muito grande para garantir a qualidade da pesquisa realizada e, ao mesmo tempo, atender as demandas dos laboratórios da Rede de Saúde Pública, visando responder às necessidades da população, porque entendemos que não pode existir um Instituto de Pesquisa desvinculado de um projeto de sociedade. A manutenção do IEC como instituição pública de qualidade é hoje o principal objetivo de todos os que fazem o Instituto Evandro Chagas. Além dos avanços significativos nas ações, computamos como uma vitória importante, o apoio recebido dos diversos setores da Secretaria de Vigilância em Saúde. Entendemos que o IEC é uma Instituição cuja construção é o resultado de um trabalho coletivo que vem sendo realizado ao longo de gerações. Por esse motivo, o presente documento inicia com um breve histórico do IEC com o qual esperamos contextualizar as vitórias conseguidas pela comunidade técnico-científica durante nossa gestão. ASPLAN 4 de 242

5 Em seguida apresentamos os avanços conquistados na área da pesquisa e, finalmente, as ações desenvolvidas nas áreas de administração e de recursos humanos, os quais encontram-se consolidados no item referente à realização de cada Unidade Técnico-administrativa do órgão. Espero que os sucessos registrados neste relatório sirvam de estímulo para que o nosso Instituto possa continuar crescendo, ampliando sua qualidade e seu vínculo com a comunidade científica e a sociedade paraense. Belém, 05 de fevereiro de Edvaldo Carlos Brito Loureiro Diretor do IEC/SVS/MS ASPLAN 5 de 242

6 MISSÃO Realizar pesquisas científicas no âmbito das ciências biológicas, do meio ambiente e da medicina tropical, que visem, primordialmente, à identificação e ao manejo dos problemas médico-sanitários; e Desenvolver ações de vigilância em saúde, principalmente as epidemiológicas e ambientais, nos âmbitos nacional e regional, em apoio às organizações oficiais da Amazônia responsáveis pela implementação dessas atividades. ASPLAN 6 de 242

7 1. HISTÓRICO O Instituto Evandro Chagas (IEC) foi instituído pela Lei nº. 59, de 11 de novembro de 1936, com a designação Instituto de Patologia Experimental do Norte (IPEN). À época, sob a liderança do cientista Evandro Serafim Lobo Chagas, o IPEN dirigia as suas ações particularmente, ao estudo do Calazar e outras endemias prevalentes na região amazônica. Com o desaparecimento prematuro do seu fundador, em 8 de dezembro de 1940, o IPEN passou a designar-se Instituto Evandro Chagas, nome até hoje ostentado. Até 08 de junho de 2003, encontrava-se vinculado à Fundação Nacional de Saúde Ministério da Saúde e a partir do dia 09 daquele mês passou a integrar a estrutura do Ministério da Saúde, subordinado à Secretaria de Vigilância em Saúde, conforme Decreto nº 4.726, de Suas finalidades institucionais são: I - desenvolver pesquisas científicas no âmbito das ciências biológicas, do meio ambiente e da medicina tropical que visem, primordialmente, à identificação e ao manejo dos problemas médicosanitários, com ênfase na Amazônia brasileira; II - realizar estudos, pesquisas e investigação científica nas áreas de epidemiologia e controle de doenças e vigilância ambiental em saúde; III - planejar e executar administrativamente todas as atividades necessárias ao desenvolvimento técnico-científico institucional; IV - exercer as atividades de laboratório de referência nacional e regional que lhe forem atribuídas; ASPLAN 7 de 242

8 V - disseminar a produção dos conhecimentos técnico e científico para subsidiar as ações de vigilância em saúde; e VI - coordenar a produção e o fornecimento de insumos biológicos para o diagnóstico laboratorial em apoio às demandas da rede nacional de laboratórios de saúde pública em sua área de competência. O Instituto operacionaliza suas missões e responsabilidades através dos seus múltiplos Serviços e Seções de natureza especializada, onde se integram (e interagem) procedimentos voltados à: (a) pesquisa; (b) vigilância em saúde; (c) capacitação de recursos humanos; e (d) prestação de serviços. Essas unidades institucionalizadas no âmbito do Ministério da Saúde, atuam sistematicamente na busca de inovações tecnológicas, que permitam o cumprimento das políticas públicas da área, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida das populações. No que concerne às suas bases físicas, identificam-se presentemente dois campi. O campus de Belém compreende as seções de Parasitologia (especificamente os laboratórios de Malária e Leishmanioses), Arbovirologia e Hepatologia. Também aí se situam as assessorias de Comunicação Social, Desenvolvimento Científico-Acadêmico e Planejamento, bem como a Biblioteca e os serviços de Administração e Epidemiologia. O campus de Ananindeua, por sua vez, reúne as Seções de Parasitologia, Virologia, Bacteriologia e Micologia, Meio Ambiente, Patologia e Criação e Reprodução de Animais de Laboratório. A interação homem-floresta (ou meio-ambiente, em sentido amplo) sempre permeou as múltiplas linhas de pesquisa do IEC, desde os mais remotos empreendimentos institucionais, principiando, efetivamente, com o próprio fundador. Em outros termos, o trabalho-de-campo representa característica marcante e indissociável da imagem institucional, seja no cenário ASPLAN 8 de 242

9 da investigação científica propriamente dita, seja no cumprimento das ações inerentes à saúde pública. Em quase sete décadas de existência, o Instituto Evandro Chagas IEC, MS, contribuiu diretamente para o avanço das pesquisas médicas na Amazônia. A prova disso são as inúmeras descobertas nos campos da Parasitologia, Virologia e Bacteriologia, que lhe deram destaque nacional e internacional. Ao longo desse tempo, com o apoio de organizações brasileiras e estrangeiras, dezenas de pesquisas foram implementadas com sucesso. Dentre as pesquisas que tiveram repercussão mundial estão: a descoberta, pela primeira vez na América do Sul, de um hemoproteídeo novo em morcegos; a incriminação do Anopheles darlingi e do Anopheles aquasalis como os principais transmissores de malária em Belém; a demonstração, na filariose, da periodicidade noturna das microfilárias no sangue periférico e seu transmissor, o Culex quinquefasciatus; a revelação de novos hospedeiros silvestres do Trypanosoma cruzii, (a irara e a mucura-xixica); o estudo da biologia do Anopheles gambiae, transmissor da malária; amostra da freqüência de infecção do T. cruzi no Pará em mamíferos silvestres; descrição de duas novas espécies de anofelinos, o Anopheles galvaoi e o Anopheles dunhami; amostra da freqüência da filariose bancroftiana em Belém e a elucidação do meio de transmissão da doença; o primeiro diagnóstico no Brasil, em material oriundo de Manaus, da Mansonella ozzardi; a descoberta da infecção natural de uma espécie de barbeiro - Panstrongylus lignarius - pelo T. cruzi; a constatação, pela primeira vez na Amazônia, da infecção de ratos pela Leptospira e de pessoas e vacas por brucelas. Na área da Parasitologia o IEC fez um completo estudo sobre a ecologia e a epidemiologia da leishmaniose tegumentar. O resultado foi a caracterização específica das Leishmanias humanas encontradas no Norte do Brasil e uma nova classificação das Leishmanias do Novo Mundo, atualmente utilizada pela OMS. ASPLAN 9 de 242

10 As conquistas sobre a doença de Chagas incluem o registro dos primeiros casos autóctones na Amazônia brasileira; a caracterização bioquímica das cepas de Trypanosoma cruzi e a conseqüente identificação dos zimodemos 1, 2 e 3; a identificação de 12 espécies de triatomíneos e a incriminação de nove dessas espécies como possíveis vetores da doença na Amazônia. As pesquisas sobre Malária resultaram na caracterização enzimática, antigênica e biológica de cepas de Plasmodium vivax na Amazônia, e o estudo da resistência do P. falciparum a drogas antimaláricas, como cloroquina, mefloquina, quinino e amodiaquina, in vitro e in vivo. Os estudos sobre Esquistossomose comprovaram, pela primeira vez, a infecção natural de Biomphalaria glabrata por Schistosoma mansoni em Belém, e conseguiram isolar, também pela primeira vez, uma cepa de S. mansoni de um caso autóctone no Pará. Na área da Virologia, a principal conquista do IEC, foi o isolamento e caracterização de 196 tipos diferentes de arbovírus, um recorde mundial que deu à instituição renome nacional e internacional. A pesquisa sobre Papilomavírus humano com mulheres da zona urbana de Belém e de aldeias indígenas, comprovando a associação deste vírus com o câncer de colo de útero. No estudo das hepatites, de relevância cabem a identificação e caracterização da Febre negra de Lábrea e o registro, pela primeira vez no Brasil, da presença do vírus Delta, em colaboração com o CDC (EUA). Sua estrutura organizacional atual foi aprovada pela Portaria 2.123, de , publicada no Diário Oficial da União nº 196, de , constante do Anexo I e representada através do Organograma a seguir. ASPLAN 10 de 242

11 ORGANOGRAMA DO INSTITUTO EVANDRO CHAGAS DIRETORIA ASSESSORIA CTC SEADM SERH SEEPI SERV. TEC. CENTIFICO SEOFI SDRH SEARB SEALM SECAD SEBAC SECOM SEPAG SEHEP SEMAP SEMAM CTC Conselho Técnico Científico SEADM - Serviço de Administração SEOFI Seção de Execução Orçamentária e Financeira SEALM Setor de Almoxarifado SECOP Setor de Compras SEMAP Setor de Material e Patrimônio SERH Serviço de Recursos Humanos SDRH Setor de Desenvolvimento de Recursos Humanos SECAD Setor de Cadastro SEPAG Setor de Pagamento SEEPI Serviço de Epidemiologia SETEC Serviço Técnico Científico SEARB Seção de Arbovirologia e Fébres Hemorrágicas SEBAC Seção de Bacteriologia e Micologia SEHEP Seção de Hepatologia SEMAM Seção de Meio Ambiente SEPAR Seção de Parasitologia SEPAT Seção de Patologia SEVIR Seção de Virologia SCPAL Seção de Criação e Produção de Animais de Laboratório SEPAR SEPAT SEVIR SCPAL ASPLAN 11 de 242

12 2. Descrição dos Objetivos e Metas 2.1. Execução Física da Ação do PPA prevista para o IEC Minha gestão teve início em maio de 2003 e nessa época, o Instituto constituía-se em uma Unidade Gestora da Fundação Nacional de Saúde FUNASA, órgão da administração indireta, portanto executava ações pré-estabelecidas no Plano Anual de Trabalho da FUNASA, o que foi modificado pelo Decreto nº 4.726, de , que o transformou em um órgão da Administração Direta do Poder Executivo Federal, subordinado à Secretaria de Vigilância em Saúde, Ministério da Saúde. Com a transferência do órgão para a administração direta, coubelhe apenas nos anos de 2004 e 2005 a execução, de acordo com a Lei Orçamentária de uma meta e uma ação no Programa 1201 Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde do Ministério da Saúde, integrantes do PPA , conforme discriminado abaixo: Ação 4386 Pesquisas e Inovações Tecnológicas em Medicina Tropical e Meio Ambiente no Instituto Evandro Chagas Meta Pesquisa publicada Finalidade Obter e difundir conhecimentos científicos e técnicos no âmbito da vigilância em saúde, das ciências biológicas, do meio ambiente e da medicina tropical em atuação nacional e com ênfase na Amazônia Legal. Essa meta e ação nortearam o funcionamento do Instituto, nos anos supra referidos, permitindo que se buscasse de todas as formas executálas, visto que o Plano Plurianual reflete as políticas governamentais para a área da saúde pública, e, em especial, da vigilância em saúde, na qual o IEC se ASPLAN 12 de 242

13 insere através da realização de pesquisas em medicina tropical e meio ambiente. Para o PPA , a meta física programada para este Instituto é Pesquisa Publicada, cujos resultados demonstra-se na tabela a abaixo: Tabela 1 - Execução da Meta Física Programada para o PPA PESQUISA PUBLICADA Ano Unidade de Medida Programada Executada % 2004 Unidade Unidade Portanto, pode-se observar que nos anos de 2004 e 2005, este Instituto atingiu a meta, excedendo ao programado em 50% e 81%, respectivamente. A discriminação das publicações está contida na tabela a seguir: Tabela 2 - Pesquisas Publicadas do IEC em 2004 e 2005 PRODUÇÃO CIENTIFICA Artigos Científicos Resumos e pôster s publicados em Eventos Capítulos de Livros 1 5 Conferências e/ou Palestras em eventos científicos 14 - Organização e/ou Coordenação de Cursos 3 - TOTAL ASPLAN 13 de 242

14 2.2. Plano Anual de Trabalho Este Instituto utiliza-se de um importante instrumento estratégico de gestão, o Plano Anual de Trabalho PAT, onde são elencados todos os Programas, Ações e Metas, de acordo com o que foi estabelecido no Plano Plurianual. Nesse contexto, reafirma-se o papel do Instituto como suporte ao Ministério da Saúde, na sua interface com a Vigilância Sanitária e Ciência e Tecnologia. Detecta-se, também, o incremento das contribuições da Instituição para o SUS apoiando os Laboratórios da Rede de Saúde Pública. O PAT do IEC vem abrir caminhos para a constituição de um amplo Programa de Desenvolvimento e Gestão Institucional, capacitando-o para os constantes e novos desafios. Identificando esta necessidade ao assumirmos a gestão do Instituto em maio de 2003, realizamos a 1ª Oficina de Planejamento, no Hotel Sagres em junho/2003, que teve como tema A elaboração dos objetivos estratégicos e do PPA-2004/2007, visando a construção, de forma participativa, do Plano Anual de Trabalho, ação que contou com a contribuição de todas as chefias e de representantes das seções técnicas e administrativas do IEC. O Plano é a base do processo de planejamento institucional e, dessa forma se faz imprescindível o apoio e o efetivo envolvimento de todos os servidores no enfrentamento dos desafios pactuados no próprio Plano, inclusive quanto à compreensão do papel de cada um dos dirigentes e dos servidores. As atividades desenvolvidas pelo Instituto Evandro Chagas durante o ano de 2003 foram agrupadas em 10 ações distintas, sendo 06 (seis) de caráter finalístico e 04 (quatro) voltadas para o campo da gestão institucional e foram desempenhadas por uma força de trabalho da ordem de 551 ASPLAN 14 de 242

15 profissionais, distribuídos em 04 (quatro) serviços, 09 (nove) seções, 06 (seis) setores, com a seguinte composição: Tabela 3 Perfil da Força de Trabalho do IEC Ano 2003 Força de Trabalho Quantidade % Servidores ,82 Bolsistas 74 13,43 Requisitados 09 1,63 Comissionados 01 0,18 Temporários 0 0 Terceirizados ,94 Total Apresenta-se abaixo as Ações e Metas Institucionais do Instituto Evandro Chagas, relativas as áreas de: pesquisa, desenvolvimento tecnológico, formação de recursos humanos, prestação de serviços de atenção à saúde e disseminação de informações: 1ª Ação: Desenvolvimento de pesquisas aplicadas em epidemiologia e controle de doenças. Metas: - Iniciar 20 projetos de pesquisa científica e investigação de campo; - Manter 60 projetos de pesquisa iniciados em anos anteriores; - Divulgar 50 resultados da produção científica. 2ª Ação: Fortalecimento de pesquisa básica e ensaios clínicos. Metas: - Realizar pesquisa para avaliar metodologia de mensuração da resposta imunológica de vacina contra hepatite B; - Estudo da vacina contra rotavírus pessoa vacinada ASPLAN 15 de 242

16 3ª Ação: Fortalecimento do Serviço de Epidemiologia Metas: - Implementar o controle de material biológico; - Coordenar 2 estudos multidisciplinares de surtos. 4ª Ação: Implantação de pólos avançados de pesquisa na Amazônia. Metas: - Legalizar e transferir o terreno de Boca do Acre para União; - Elaborar 5 projetos básico e estruturais do pólo avançado de pesquisa; - Iniciar a fase de construção do pólo. 5ª Ação: Construção de laboratório com nível de biossegurança 3. Metas: - A elaborar o projeto do laboratório NAB3. 6ª Ação: Conclusão das obras e transferência das unidades técnicas e científicas para o campus Ananindeua. - Concluir a obra do prédio administrativo em Ananindeua; - Implementar infra-estrutura do prédio administrativo em Ananindeua; e - Elaborar doze projetos básicos, estruturais e complementares dos prédios : insetário e biotério (Parasitologia), biblioteca e auditório, setor de transporte e estacionamento; - Concluir o prédio da Central de Atendimento e do serviço de Epidemiologia. 7ª Ação: Produção e a distribuição de insumos laboratoriais e biológicos - Produzir ml de antígenos para dengue e febre amarela ; e - Distribuir 95,5 ml de antígenos para febre amarela; - Distribuir 1321,5 ml de antígenos para dengue (D-1, D-2 e D-3). ASPLAN 16 de 242

17 8ª Ação: Confirmação e complementação de diagnóstico de exames realizados pelos laboratórios da Rede de Saúde Pública - Examinar 800 amostras de soro de HIV-1; - Examinar 200 amostras de HTLV-1; - Sequenciar 30 amostras de plasmas de HIV -1; - Detectar e genotipar 110 amostras de HBV e HCV. 9ª Ação: Desenvolvimento de recursos humanos na área técnicocientífica e administrativa. - Realizar 3 curso em técnicas de laboratório e entomologia de malária para profissionais dos níveis federal, estadual e municipal; - Capacitar 168 servidores do IEC em todos os níveis de atuação. 10ª Ação: Fortalecimento da infra-estrutura do Instituto Evandro Chagas - Projeto para contratação de pessoal; - Implantação da Assessoria de Desenvolvimento Cinetífico e Acadêmico; - Ampliação e adequação da estrutura necessária à formação de técnicos de laboratório; - Dar continuidade ao resgate de dois volumes da produção científica Memórias do Instituto; - Implementar e manter a Biblioteca Virtual em Saúde do IEC; - Manter atendimentos a usuários interno e externo (material biológico, comutação, artigos on-line, doações de publicações editadas no IEC, multi mídia, etc). A execução física das Ações do PAT-2003, merecem as seguintes considerações sobre seus resultados: ASPLAN 17 de 242

18 a) meta Implementar controle de material biológico, sistema informatizado, que controla o recebimento de material biológico enviado pelas Secretarias Municipais de Saúde ao IEC para diagnóstico (raiva, meningite, etc), o índice não foi alcançado, porque será feita nova licitação para incluir no sistema o controle de saída (resposta) das solicitações; b) Com relação a implantação do polo avançado de pesquisa, deve-se levar em consideração que o não atingimento do índice proposto para essa ação ocorreu devido a morosidade no processo de doação do terreno pela Prefeitura Municipal de Boca do Acre-AM, só efetivada em dezembro/2003, causando assim o comprometimento no atingimento das outras metas como a legalização dos terrenos e construção do polo; c) A construção do Laboratório com nível de biossegurança 3, apesar de ser uma ação do IEC, a elaboração do projeto é de responsabilidade da empresa Karman, visto que trata-se de recurso do VIGISUS, estando portanto, fora da governabilidade do IEC; d) A meta Implementar a infra-estrutura do prédio administrativo do IEC no campus de Ananindeua só atingiu 50% do índice proposto, porque até o encerramento do exercício, a despesa não havia sido liquidada; e) A conclusão do prédio da Central de Atendimento e do Serviço de Epidemiologia não foi executada, devido o processo encontrar-se na CONJUR/MS para parecer jurídico; f) Em relação a distribuição de antígenos para dengue (D-1, D-2 e D-3) deve-se levar em conta que o índice proposto não foi atingido porque ASPLAN 18 de 242

19 os laboratórios de referência estão se utilizando dos kits disponíveis no mercado; g) A meta Examinar amostras de soro HTLV-1, não atingiu o índice proposto, porque esta diretamente ligada a demanda dos laboratórios; h) A capacitação dos servidores só atingiu 85,12% do índice proposto devido a inexistência de uma política de Recursos Humanos; i) A meta Dar continuidade ao resgate da produção científica Memórias do Instituto, não atingiu o índice proposto (2 volumes), porque a despesa só foi empenhada no final do exercício, mas já encontra-se em fase de liquidação; j) Implementar e manter a biblioteca virtual em saúde do IEC só atingiu 80% do índice proposto, em decorrência da carência de RH para a atualização dos bancos de dados. ESTRATÉGIAS DE AÇÃO: Em 2003, alguns eixos de ação destacaram-se na estratégia de gestão do IEC. Dentre eles, merecem destaque: a) Implantação da ADCA Assessoria de Desenvolvimento Científico e Acadêmico; b) Reativação do Conselho Técnico Científico; c) Implantação do Colegiado; d) Efetivação da doação de dois terrenos em Boca do Acre-AM, através da Lei nº 031/2003-PMBA, de , onde será construído o Polo Avançado de Pesquisa; ASPLAN 19 de 242

20 e) Consolidação do Plano Diretor para construção do Laboratório NB3 e NAB3; f) Consolidação da capacidade instalada do laboratório de biologia molecular para genotipagem e sequenciamento do HIV -1, HTLV, HBV e HCV; g) Conclusão da construção de local apropriado para realização dos cursos de formação de laboratoristas; h) Conclusão do projeto para contratação de pessoal, através da FIDESA; i) Implantação de 32 novos projetos de pesquisa e investigações de campo; j) Continuidade de 91 projetos de pesquisa iniciados em anos anteriores; k) Implementação do SEREC Sistema de Recebimento de Material Biológico advindo das Secretarais Municipais de Saúde dos diversos municípios da Amazônia Legal; l) Concurso público; Por outro lado, é intenção da instituição aprofundar em 2004 alguns processos em curso. Notadamente, pode-se destacar: a continuidade ao estímulo, em todos os níveis do Planejamento Estratégico do IEC bem como de sua efetiva implantação; a criação de condições de, sem cercear a liberdade criativa de desenvolvimento científico das Seções técnico-científicas, desenvolver sistemas de indução à pesquisa aplicada e ao desenvolvimento tecnológico, em sintonia com os objetivos da Diretoria do IEC, visando conferir maior sinergia e complementaridade às suas ações institucionais; e a implantação de programas intensivos de capacitação e treinamento de recursos humanos. PRINCIPAIS AVANÇOS 1ª Ação: Desenvolvimento de pesquisas aplicadas em epidemiologia e controle de doenças. 2ª Ação: Fortalecimento de pesquisa básica e ensaios clínicos. ASPLAN 20 de 242

21 - Implantação de técnica de caracterização biomolecular para definir mutantes do HBV com potencial para escape da vacina contra hepatite B e - Estudo da vacina contra rotavírus em crianças que é imunogênica, eficaz, segura e não causa reação adversa 3ª Ação: Fortalecimento do Serviço de Epidemiologia - O controle do recebimento de material biológico encaminhado pelas coordenações de vigilância epidemiológica das Secretarias Municipais de Saúde dos diversos municípios da Amazônia Legal; e - Execução de quatro estudos multidisciplinares de surtos. 4ª Ação: Implantação de pólos avançados de pesquisa na Amazônia - Efetivação da doação ao IEC dos terrenos em Boca do Acre, através da Lei nº 031/2003-PMBA, de e - Conclusão dos projetos básicos e estruturais para a construção do prédio. 5ª Ação: Construção de laboratório com nível de biossegurança 3 - A elaboração de um plano diretor e - A inclusão do NAB3. 6ª Ação: Conclusão das obras e transferência das unidades técnicas e científicas para o campus Ananindeua. - A obra do prédio administrativo já foi concluída; - A aquisição dos móveis já foi empenhada e - Os projetos dos prédios: insetário e biotério (Parasitologia), biblioteca e auditório, setor de transporte e estacionamento já foram concluídos. 7ªAção: Produção e a distribuição de insumos laboratoriais e biológicos - A aquisição de um liofilizador e - A capacitação de recursos humanos. 8ª Ação: Confirmação e complementação de diagnóstico de exames realizados pelos laboratórios da Rede de Saúde Pública - A consolidação da capacidade instalada do laboratório de biologia mole cular para genotipagem e sequenciamento do HIV-1, HTLV, HCV e HBV. 9ª Ação: Desenvolvimento de recursos humanos na área técnicocientífica e administrativa. - A desburocratização dos fluxos e decisões; - A descentralização de recursos financeiros e orçamentários. 10ª Ação: Fortalecimento da infra-estrutura do Instituto Evandro Chagas - A conclusão do projeto para contratação de pessoal, através da FIDESA; - A Implantação da Assessoria de Desenvolvimento Científico e Acadêmico ADCA; - A Reativação do CTC; - A Implantação do Colegiado e - A Conclusão de estrutura física para à realização dos cursos de formação de técnicos em Laboratório. ASPLAN 21 de 242

22 Em 2004, o Plano Anual de Trabalho do IEC foi elaborado levando-se em conta as prioridades do atual governo definidos no Plano Plurianual PPA/ , composto de 16 ações distintas, sendo 12 (doze) de caráter finalístico e 04 (quatro) voltadas para o campo da gestão Institucional. Apresenta-se abaixo as Ações e Metas Institucionais do Instituto Evandro Chagas, para o exercício de 2004: 1) Implantação de pólos avançados de pesquisa na Amazônia; 2) Construção de laboratório com nível de biossegurança 3; 3) Produção de distribuição de insumos laboratoriais e biológicos; 4) Desenvolvimento de pesquisa básica e aplicadas no âmbito das ciências biológicas do meio ambiente e da medicina tropical; 5) Fortalecimento de pesquisas básicas e ensaios clínicos; 6) Elaboração e implantação de política de intercâmbio entre IEC e outras Instituições de ensino e pesquisa; 7) Fortalecimento do derviço de Epidemiologia; 8) Implantação de um programa de qualidade envolvendo as áreas administrativas e técnico-científica; 9) Fortalecimento das atividades de informação e documentação; 10) Fortalecimento das atividades de informação, educação e comunicação na área de ciência e tecnologia; 11) Desenvolvimento de Recursos Humanos nas áreas técnico-científica e adminsitrativa do IEC e das demandas oriundas das esferas federal, estadual e municipal; 12) Organização do acervo de coleções biológicas, entomológicas e ambientais; 13) Descentralização de exames realizados pelo IEC para os LACEN's; 14) Criação do Museu Evandro Chagas; ASPLAN 22 de 242

23 15) Confirmação e complementação de diagnóstico de exames realizados pelos laboratórios da rede de Saúde pública; 16) Conclusão das obras e transferência das unidades técnicas e científicas para o campus de Ananindeua. As atividades desenvolvidas pelo IEC foram desempenhadas por uma força de trabalho de 617 profissionais. Tabela 4 Perfil da Força de Trabalho do IEC em 2004 Força de Trabalho Campus Belém/Ananindeua Servidores 276 Comissionados e Requisitados 02 Bolsistas 20 Estagiários 42 Terceirizados 184 * Contratados FIDESA 40 Total 617. * 44 da Segurança Patrimonial (Campi Belém 16 e Ananindeua 28); 66 da Conservação e Limpeza ( Campi Belém 18 e Ananindeua 48); 14 da Manutenção de Rede Fria e Elétrica; 07 do Serviço de Informática (Campi Belém 4 e Ananindeua 3) e 53 de Pessoal Administrativo Terceirizado (Campi Belém 38 e Ananindeua 73). Curso de Laboratório O curso Técnico de Laboratório reveste-se de grande importância na formação de profissionais de nível médio para a área laboratorial do Sistema Único de Saúde no âmbito federal, estadual e municipal, suprindo ASPLAN 23 de 242

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

2006, 70 anos do Instituto Evandro Chagas

2006, 70 anos do Instituto Evandro Chagas 2006, 70 anos do Instituto Evandro Chagas "A Sociedade tem o direito de exigir contas a qualquer agente público de sua Administração" Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão, 1789. ASPLAN

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

Construção da Nova Sede Administrativa do Centro de Pesquisas René Rachou, em Belo Horizonte/MG

Construção da Nova Sede Administrativa do Centro de Pesquisas René Rachou, em Belo Horizonte/MG Programa 1201 Ciência, Tecnologia e Inovação no Complexo da Saúde Ações Orçamentárias Número de Ações 21 1M360000 Produto: Sede construída Construção da Sede da Diretoria Regional da em Brasília Construir

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS RESOLUÇÃO nº 009/CUn/2006, de 13 de junho de 2006. DISPÕE SOBRE A PROPOSIÇÃO, O ACOMPANHAMENTO E A AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE PESQUISA NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Esfera: 20 Função: 10 - Saúde Subfunção: 302 - Assistência Hospitalar e Ambulatorial UO: 36901 - Fundo Nacional de Saúde

Esfera: 20 Função: 10 - Saúde Subfunção: 302 - Assistência Hospitalar e Ambulatorial UO: 36901 - Fundo Nacional de Saúde Programa 1444 Vigilância, Prevenção e Controle de Doenças e Agravos Numero de Ações 24 Ações Orçamentárias 20AC Incentivo Financeiro a Estados, Distrito Federal e Municípios para Ações de Prevenção e Qualificação

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

PUBLICADO DOC 26/07/2011, p. 1-2 c. 2-2

PUBLICADO DOC 26/07/2011, p. 1-2 c. 2-2 PUBLICADO DOC 26/07/2011, p. 1-2 c. 2-2 DECRETO Nº 52.514, DE 25 DE JULHO DE 2011 Dispõe sobre a reorganização da, antigo Centro de Formação e Desenvolvimento dos Trabalhadores da Saúde - CEFOR, da Secretaria

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE Ministério da Educação Novembro de 2013 1 SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Introdução 1.2 Base Legal 1.3 Justificativa 2.

Leia mais

Novo Sistema de Gestão do IFAM

Novo Sistema de Gestão do IFAM Novo Sistema de Gestão do IFAM Os módulos serão implantados atendendo aos critérios: Sistema/Módulo Entrega Prazo de Entrega Módulo Administrativo Integração SIAFI Módulo de Recursos Humanos Protocolo

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 03/CUn/09, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 03/CUn/09, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2009. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ÓRGÃOS DELIBERATIVOS CENTRAIS CAMPUS UNIVERSITÁRIO - TRINDADE CEP: 88040-900 - FLORIANÓPOLIS - SC TELEFONE (048) 3721-9661 - FAX (048) 234-4069

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010)

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) Aprova Regimento Interno da Pró-Reitoria de Administração PROAD. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS DE SAÚDE DO INSTITUTO MÁRIO PENNA (CEPDe/IMP)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS DE SAÚDE DO INSTITUTO MÁRIO PENNA (CEPDe/IMP) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISAS E DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS DE SAÚDE DO INSTITUTO MÁRIO PENNA (CEPDe/IMP) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Vinculação Artigo 1 - O Centro de Pesquisas,

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Estratégico. FUNDAÇÃO CENTRO DE HEMOTERAPIA E HEMATOLOGIA DO PARÁ Trav. Pe. Eutíquio, 2109 - Batista Campos - 66033-000 - Belém - PA - Brasil

Estratégico. FUNDAÇÃO CENTRO DE HEMOTERAPIA E HEMATOLOGIA DO PARÁ Trav. Pe. Eutíquio, 2109 - Batista Campos - 66033-000 - Belém - PA - Brasil Estratégico 2008 2011 FUNDAÇÃO CENTRO DE HEMOTERAPIA E HEMATOLOGIA DO PARÁ Trav. Pe. Eutíquio, 2109 - Batista Campos - 66033-000 - Belém - PA - Brasil PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA FUNDAÇÃO HEMOPA 2008 2011

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ Cristiane Quental Analista de C&T da Fiocruz 17/outubro/2006 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ Conselho Deliberativo Congresso Interno Presidência Chefe de Gabinete Comité

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011

RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CONSUNI Nº 06/2011 Disciplina o relacionamento entre a Universidade Federal de Goiás e as Fundações de Apoio à UFG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações entre a Universidade Federal de Santa Catarina e as suas fundações de apoio. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Assessoria de Imprensa e Comunicação

Assessoria de Imprensa e Comunicação PORTARIA 74/06 - SMG Assessoria de Imprensa e Comunicação Dispõe sobre os critérios e procedimentos para valoração e apuração dos pontos relativos à capacitação e participação em atividades realizadas

Leia mais

1936 -------------2004

1936 -------------2004 O Instituto Evandro Chagas, SVS, MS, no contexto da Ciência, Tecnologia e Inovação em Saúde na Região Amazônica 1936 -------------2004 Primórdios Instituto de Patologia Experimental do Norte Decreto 2.346

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES, no uso das atribuições conferidas pelo art. 26, inciso IX, do Decreto nº 6.316,

Leia mais

Política Nacional de Educação Permanente em Saúde

Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Portaria GM/MS nº 1.996, de 20 de agosto de 2007 substitui a Portaria GM/MS nº 198, de 13 de fevereiro de 2004 e Proposta de Alteração Pesquisa de Avaliação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2010-2015 - EIXO X EIXO X

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2010-2015 - EIXO X EIXO X UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO X CONSIDERAÇÕES E ASPECTOS PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL EIXO X - CONSIDERAÇÕES E ASPECTOS PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 10. Considerações e Aspectos

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014

RELATÓRIO SÍNTESE DA CPA (COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO) - 2014 A CPA (Comissão Própria De Avaliação) apresentou ao MEC, em março de 2015, o relatório da avaliação realizada no ano de 2014. A avaliação institucional, realizada anualmente, aborda as dimensões definidas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

Detalhamento por Localizador

Detalhamento por Localizador Programa 2015 - Aperfeiçoamento do Sistema Único de Saúde (SUS) 20QI - Implantação e Manutenção da Força Nacional de Saúde Número de Ações 3 Esfera: 20 - Orçamento da Seguridade Social Função: 10 - Saúde

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL

ANEXO I DEMOSTRATIVO DE VAGAS POR CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO, PERFIL, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. N O. DE VAGAS POR PERFIL PERFIL ANEXO I DEMOSTRATIVO DE CARGO, ÁREA DE ATUAÇÃO,, ESCOLARIDADE EXIGIDA E LOCALIZAÇÃO. CARGO: TECNOLOGISTA JUNIOR Cód. ÁREA DE ATUAÇÃO N O DE ÁREA 32 Arquitetura 12 Conservação e restauração de conjuntos

Leia mais

LEI ORGÂNICA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS FEDERAIS

LEI ORGÂNICA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS FEDERAIS LEI ORGÂNICA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS FEDERAIS Proposta de um anteprojeto de lei Rio de Janeiro, agosto de 2002 1 Sumário Capítulo I Capítulo II Capítulo III Seção I Seção II Seção III Capítulo IV Seção

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS

CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CED REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES E DOS OBJETIVOS RESOLUÇÃO CONSU Nº. 06/2015, DE 24 DE MARÇO DE 2015 O Vice-Reitor, no exercício da Presidência do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva

Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva 1 Universidade Federal do Maranhão Reitor Dr. Natalino Salgado Filho Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitor Dr. Fernando Carvalho Silva Diretora do Departamento de Pós-Graduação Dra. Maria

Leia mais

ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS

ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS ( Decreto nº 24.202, de 07 de janeiro de 2013 Anexo Único Publicado no Diário Oficial do Estado de 08 de janeiro

Leia mais

LEI Nº 15.608, DE 28 DE JUNHO DE

LEI Nº 15.608, DE 28 DE JUNHO DE PUBLICADO DOC 29/06/2012, p. 1, 3 c. 3-4, todas LEI Nº 15.608, DE 28 DE JUNHO DE 2012 (Projeto de Lei nº 595/11, do Executivo) Dispõe sobre a criação do Arquivo Histórico de São Paulo, na Secretaria Municipal

Leia mais

PLANO DE RECURSOS HUMANOS DA COORDENAÇÃO DE SAÚDE DO TRABALHADOR HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Simone Titiry

PLANO DE RECURSOS HUMANOS DA COORDENAÇÃO DE SAÚDE DO TRABALHADOR HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Simone Titiry HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão Elaborado por: Revisado por: Aprovado por: 00 Emissão Inicial Kelly Galvão Fátima Rangel 10/06/2013 01 Documento revisado sem alteração Simone Titiry

Leia mais

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração Anexo T Projetos Estratégicos Institucionais 1 Projetos Estratégicos da UnB 1 O processo de modernização da gestão universitária contempla projetos estratégicos relacionados à reestruturação organizacional

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991.

ESTADO DO ACRE PREFEITURA MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. LEI Nº 19/091 MÂNCIO LIMA ACRE, 06 DE NOVEMBRO DE 1991. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUIS HELOSMAN DE FIGUEIREDO, PREFEITO MUNICIPAL DE MÂNCIO LIMA, ESTADO

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

PROEP como instrumento de avaliação de pesquisa

PROEP como instrumento de avaliação de pesquisa PROEP como instrumento de avaliação de pesquisa 2011: Missão e Visão de Futuro Visão de futuro Ser um Instituto de excelência em Pesquisa, Ensino, Tecnologia e Inovação, estratégico para o Estado, reconhecido

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Estatuto da UFPB. Parte II

Estatuto da UFPB. Parte II Estatuto da UFPB Parte II ESTATUTO - UFPB REGIME DIDÁTICO-CIENTÍFICO Indissociabilidade do ensino pesquisa extensão ENSINO Modalidades de Cursos e Programas Sequenciais por campo do saber, de diferentes

Leia mais

ESTUDO DAS FONTES DE RECURSOS E DESPESAS POR CATEGORIAS ECONÔMICAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS

ESTUDO DAS FONTES DE RECURSOS E DESPESAS POR CATEGORIAS ECONÔMICAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS ESTUDO DAS FONTES DE RECURSOS E DESPESAS POR CATEGORIAS ECONÔMICAS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS BRASILEIRAS Claudia Mª de Freitas Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Kita_mg@yahoo.com Grasiely

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e da moralidade, com que se pratica do

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008 Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Subsecretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011)

RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) RESOLUÇÃO N o 012, de 27 de março de 2008. 1 (Modificado o Regimento pela Res. 022/2011 e 061/2011) Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Fundação Oswaldo Cruz. Ministério da Saúde

Fundação Oswaldo Cruz. Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Ministério da Saúde Missão A Fundação Oswaldo Cruz é um centro polivalente e multidisciplinar na área da saúde, que exerce um papel social de grande relevância para o país. Realiza

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 19/2014-CONSUNIV Dispõe da aprovação do Regimento Geral de Pós- Graduação Lato Sensu. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE DO

Leia mais

As Categorias Comparadas

As Categorias Comparadas Capítulo 2 As Categorias Comparadas Ao aplicar e analisar as respostas aos instrumentos do Diagnóstico da Extensão Universitária Brasileira 2005, a CPAE concluiu pela viabilidade de realizar um estudo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 396, de 25 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Fundo Municipal de Defesa Civil e dá outras providências. PEDRO FERRONATO, Prefeito Municipal

Leia mais

Sistema Único de Saúde. 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação.

Sistema Único de Saúde. 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação. Sistema Único de Saúde 15 anos de implantação: Desafios e propostas para sua consolidação. 2003 Sistema Único de Saúde! Saúde como direito de cidadania e dever do Estado, resultante de políticas públicas

Leia mais

SiMec Sistema Integrado de Monitoramento do Ministério da Educação

SiMec Sistema Integrado de Monitoramento do Ministério da Educação SiMec Sistema Integrado de Monitoramento do Ministério da Educação O SiMec é uma ferramenta gerencial cuja função é instrumentalizar o processo de planejamento, auxiliar as equipes executoras de Programas

Leia mais

As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu.

As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu. As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu. Nosso Compromisso é trabalhar, junto à Reitoria, Discentes, Docentes

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.051, DE 23 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 23.10.2015 N. 3.759 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Gestão Semad, suas finalidades

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA

DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE SANTA CATARINA EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Fortalecer o Direito à Saúde, a Garantia de Acesso e a Atenção de Qualidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO E DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO PROGRAMA

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL E A QUALIDADE DOS GASTOS PÚBLICOS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL E A QUALIDADE DOS GASTOS PÚBLICOS PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL E A QUALIDADE DOS GASTOS PÚBLICOS Ceres Alves Prates II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 31: Qualidade do Gasto Público I PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

Leia mais

Editais da FIOCRUZ com oportunidades que incluem Enfermeiros divulgados no Diário Oficial da União

Editais da FIOCRUZ com oportunidades que incluem Enfermeiros divulgados no Diário Oficial da União Editais da FIOCRUZ com oportunidades que incluem Enfermeiros divulgados no Diário Oficial da União Classificação dos Cargos Tecnologista Requisito: Graduação ou Graduação com Especialização, Residência

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 51/2014 UNIFESSPA, DE 21 DE JULHO DE 2014 ANEXO I

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 700, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a relação entre a UFPA e as Fundações de Apoio ao Ensino, Pesquisa,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA

SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA LEGISLAÇÃO: Lei Municipal nº 8.834 de 01/07/2002 e Decreto 550 de 19/09/2007. ATRIBUIÇÕES: 10 - SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA 10.010 - COORDENAÇÃO GERAL

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS Secretário Executivo Carga horária 40 h/sanais Cargo Provimento cinco R$ 16.000,00 Assessoria ao liberações

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4011 EDITAL Nº 01/2010 1. Perfil: Iphan Central 15 3. Qualificação educacional: - Graduação concluída em Arquitetura e Urbanismo, desejável Pósgraduação

Leia mais

Experiência: Programa de Valorização e Reconhecimento ALGO+ INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER

Experiência: Programa de Valorização e Reconhecimento ALGO+ INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Experiência: Programa de Valorização e Reconhecimento ALGO+ INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Responsável: YEDDA SOARES DE OLIVEIRA Divisão de Desenvolvimento de RH / CRH Rua dos Inválidos, / 0º andar RJ Tel.:

Leia mais