GERALDO JOSÉ SOUZA COSTA MARIA CÉLIA RIBEIRO CAMPOS NILTON JOSÉ COSTA FERREIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERALDO JOSÉ SOUZA COSTA MARIA CÉLIA RIBEIRO CAMPOS NILTON JOSÉ COSTA FERREIRA"

Transcrição

1 GERALDO JOSÉ SOUZA COSTA MARIA CÉLIA RIBEIRO CAMPOS NILTON JOSÉ COSTA FERREIRA ESTUDO SOBRE MARKETING NA ORGANIZAÇÃO POLICIAL CIVIL DO ESTADO DA BAHIA Monografia apresentada à banca examinadora da Universidade do Estado da Bahia UNEB / Academia da Polícia Militar APM, como exigência parcial para conclusão do Curso de Especialização em Gestão Estratégica em Segurança Pública CEGESP, sob orientação do Cap. PM Stanley Gladston de Azevedo Menezes e a Profª Ivanê Dantas Coimbra.. Salvador Dezembro

2 C198e C837e CAMPOS, Maria Célia Ribeiro COSTA, Geraldo José Souza F385e FERREIRA, Nilton José Costa Estudo sobre Marketing na Organização Policial Civil do Estado da Bahia. Salvador: Academia de Polícia Militar/Núcleo de Estudos Superiores e Extensão, p. Trabalho Técnico Profissional apresentado à Academia de Polícia Militar, como requisito para aprovação no Curso de Especialização em Gestão Estratégica em Segurança Pública, sob a orientação metodológica da Profª. Ivanê Dantas Coimbra e de conteúdo do Cap/PM/BA Stanley Gladston de Azevedo Menezes. 1. Polícia Civil Marketing 2. Força policial imagem I. Título II. Autores 2

3 Como é confortante ter a certeza de encontrar um porto seguro nos momentos de dúvidas, inseguranças. Como é bom saber que temos pessoas verdadeiras nos momentos de vitórias... Dedicamos este trabalho às nossas famílias, fonte de inspiração nas horas mais áridas, incentivo no desânimo, força propulsora no cansaço. 3

4 Agradecemos a DEUS, pois sem Ele a vida não teria sentido. Agradecemos também à Secretaria da Segurança Pública, a nossa Polícia Civil, a Academia de Polícia Militar e a Universidade do Estado da Bahia, que através de seus dirigentes nos oportunizou a busca do saber de forma compartilhada com integrantes de vários organismos do Sistema de Defesa Social, na esperança de novo horizonte para as questões da Segurança Pública no Estado. Aos orientadores Profª. Ivanê Dantas Coimbra e o Cap/PM/BA Stanley Gladston de Azevedo Menezes, pelo apoio na consecução deste estudo. Aos servidores policiais civis, que de forma respeitosa, acolhedora e esperançosa nos receberam em suas unidades de serviço, possibilitando que as entrevistas fossem realizadas. Enfim, ao público externo, mesclado por vários segmentos sociais que se permitiu entrevistar. 4

5 EPÍGRAFE Não importa a sua função profissional, se você quer ser diferente dos outros, tem que sentir as coisas diferentemente. Com outros olhos. O segredo está no jeito de olhar as coisas. O caminho é trabalhar com amor e dedicação, criando novas estratégias e diferenciais. INOVAÇÃO é a palavra mágica que transforma pessoas comuns em reis do mercado. Invista pesado no treinamento e na motivação de seu pessoal. (CLÓVIS TAVARES) 5

6 RESUMO Estudo monográfico que tem por objetivo geral investigar as características que vêm assumindo a imagem da Organização Policial Civil do Estado da Bahia, diante da comunidade interna e externa, bem como fatores influenciadores. Buscou então, trazer a tona à imagem da Instituição Policial Civil em razão direta da sua aceitação perante a sociedade, ao crescimento da violência urbana e a sua forma de atuação. Portanto, questionou-se: A Instituição Policial Civil do Estado da Bahia conhece realmente o seu público? De que forma reconhece o valor dos seus policiais? Por outro lado, os policiais sabem o valor real do serviço que prestam à comunidade? Que característica vem assumindo a imagem institucional da organização policial civil baiana e que fatores vêm contribuindo para que isto ocorra? Para tanto, realizou-se pesquisa de campo, utilizando a técnica de multicasos, através de entrevistas com o publico interno e com o público externo em três Delegacias de Polícia situadas em Salvador. Na fundamentação teórica do problema, foi procedida a análise epistemológica dos seguintes temas: Instituições e Marketing; História, doutrina, legislação peculiar e dogmas da Polícia Civil do Estado da Bahia; A Marca; Marketing Institucional; Conceitos e Ferramentas do Marketing, com aplicação direta na atual conjuntura da referida organização. 6

7 Nas considerações finais, consta uma avaliação do atual quadro da imagem da instituição, sua aceitação perante seus clientes e as conseqüências do atual estágio no contexto da produtividade corporativa. Finaliza, pela aplicabilidade de uma correta, clara e transparente política de marketing institucional, colocando da utilização de ferramentas próprias, visando a elaboração e manutenção da imagem institucional com a consolidação e confiabilidade da marca pelo seu público alvo. O estudo coloca a disposição da Instituição, material doutrinário e didático, em linguagem e metodologia acessível a todos os níveis funcionais da corporação, para implementação global de uma nova e consagrada imagem institucional, onde façam parte o respeito à cidadania, à interação do quadro funcional, integração comunitária e uma conseqüente produtividade eficiente e eficaz. Palavras-chave: Marketing Institucional Público Interno Público Externo Polícia Civil. 7

8 LISTA DE TABELAS, GRÁFICOS E ILUSTRAÇÕES Figura 1 Marketing Institucional e Marketing Social... Figura 2 Mapa do Diagnóstico Estratégico... Figura 3 Pirâmide de Maslow Figura 4 Curva de Investimentos Tabela 1 Cargo/função, unidade de trabalho e tempo de serviço dos entrevistados - público externo... Gráfico 1 Cargo/função dos entrevistados - público interno... Gráfico 2 Unidade de trabalho dos entrevistados - público interno... Gráfico 3 Tempo de serviço dos entrevistados - público interno... Tabela 2 e Gráfico 4 Grau de satisfação dos entrevistados - público interno... Tabela 3 Reconhecimento funcional dos entrevistados - público interno... Gráfico 5 - Reconhecimento funcional dos entrevistados - público interno... Tabela 4 e Gráfico 6 Avaliação do atual sistema de comunicação interna - público interno... Tabela 5 Canal de comunicação da Instituição com os entrevistados - público interno... Gráfico 7 Canal de comunicação da Instituição com os entrevistados - público interno... Tabela 6 Eventos de podem ser realizados pela Instituição para a interação com os entrevistados - público interno... Tabela 7 e Gráfico 8 Avaliação do atual sistema de comunicação da Polícia Civil com a comunidade, na ótica dos entrevistados - público interno... Tabela 8 e Gráfico 9 Avaliação da qualidade do serviço prestado pela Polícia Civil, na ótica dos entrevistados - público interno... Tabela 9 e Gráfico 10 Avaliação da qualidade do serviço prestado pela Polícia Civil ao seu público externo, na ótica dos entrevistados - público interno... Tabela 10 e Gráfico 11 Promoção de cursos pela Polícia Civil para os entrevistados - público interno... Tabela 11 e Gráfico 12 Avaliação da percepção dos entrevistados em relação à imagem da Polícia Civil no âmbito interno - público interno... Tabela 12 e Gráfico 13 Percepção em relação à imagem da Polícia Civil perante a comunidade, na ótica dos entrevistados - público interno... Tabela 13 Fatores que contribuem para a formação da imagem social da Polícia Civil, na ótica dos entrevistados - público interno... Tabela 14 Conhecimento dos serviços oferecidos pela Polícia Civil, na ótica do público externo... Gráfico 14 Conhecimento dos serviços oferecidos pela Polícia Civil, na 8

9 ótica do público externo... Tabela 15 Avaliação da comunicação entre a Polícia Civil e a comunidade, na ótica do público externo... Gráfico 15 Avaliação da comunicação entre a Polícia Civil e a comunidade, na ótica do público externo... Tabela 16 e Gráfico 16 Avaliação da qualidade do atendimento Policial Civil, na ótica do público externo... Tabela 17 Como gostaria de ser atendido, na ótica do público externo... Tabela 18 A percepção sobre o relacionamento da Polícia Civil com a comunidade, sob a ótica do público externo... Tabela 19 A melhoria dos serviços policiais, na ótica do público externo... Tabela 20 Pontos Positivos na Polícia Civil da Bahia, na ótica do público externo... Tabela 21 Ações ou eventos para melhorar a imagem da Polícia Civil da Bahia, na ótica do público externo... 9

10 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ABNT CEGESP DELTUR DTE PC PM RMS SAP SISAP UNEB Associação Brasileira de Normas Técnicas Curso de Especialização em Gestão Estratégica em Segurança Pública Delegacia de Proteção ao Turista Delegacia de Tóxicos e Entorpecentes Polícia Civil / Policial Civil Polícia Militar / Policial Militar Região Metropolitana de Salvador Serviço de Atendimento Policial Sistema Integrado de Serviço de Atendimento Policial Universidade do Estado da Bahia 10

11 SUMÁRIO INTRODUÇÃO O Problema Justificativa do Estudo Objetivos Questões de Estudo Capítulo I. INSTITUIÇÕES E MARKETING... Conceitos e Condições do Endomarketing Institucional II. INSTITUIÇÃO POLICIAL CIVIL NA BAHIA... Resumo Histórico A Organização Policial Civil Contexto Atual da Polícia Civil III. METODOLOGIA... IV. MARCA... Marca e Sociedade Instituições Visionárias Transição da Sociedade Industrial para a Sociedade do Conhecimento Necessidades de Maslow V. MARKETING INSTITUCIONAL... 11

12 O que é melhor: Institucional ou Corporativa? Natureza da propaganda Institucional Distinção entre Propaganda Institucional e Propaganda de Marketing Vasos Comunicantes entre a imagem de Marca e a Imagem Institucional Limites ao Uso da propaganda Institucional Quanto Você Deve Confiar na Propaganda Imagem Corporativa Imagens e Instituição Discurso da Comunicação Empresarial Estratégias da comunicação para a imagem corporativa VI. CONCEITOS E FERRAMENTAS DO MARKETING INSTITUCIONAL... Relacionamento Assessor /Assessorado O Assessorado A Informação Culturas Institucionais O Mundo do Jornalista O Mundo do Assessor O Que se Espera do Jornalista O Que se Espera do Assessor Relacionamento com a Imprensa Release A Internet como Ferramenta Institucional Como Fazer um House Organ Como Administrar as Crises VII. O MARKETING DA POLÍCIA CIVIL NA ÓTICA DO CLIENTE... Interno e Externo A Pesquisa de Campo Entrevista com o Público Interno Entrevista com o Público Externo VIII. CONSIDERAÇÕES FINAIS... REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... GLOSSÁRIO 12

13 INTRODUÇÃO O Problema A necessidade de maior eficácia no combate à violência e às violações aos direitos humanos levou, recentemente, o Governo Federal à criação da Secretaria Nacional de Segurança Pública, órgão estratégico de abrangência nacional para a operacionalização do Programa Nacional de Segurança Pública e Prevenção ao Crime. O Estado da Bahia aderiu ao programa proposto, sinalizando, dessa forma, a disposição de oferecer um apoio mais efetivo aos profissionais que, diariamente, assumem a pesada responsabilidade de prevenir e reprimir crimes e atividades anti-sociais. A procedência desta iniciativa pelo Governo Estadual justifica-se pelo fato de que as Instituições Policiais do Estado da Bahia, na atual conjuntura, são portadoras de uma imagem negativa perante a comunidade, sobretudo em razão da freqüente divulgação de fatos que chocam a sociedade, a exemplo de cenas de violência policial e de violação dos Direitos Humanos e do Cidadão, sobretudo quando a condição da vítima é ser pobre e negro, embora seja perceptível a miscigenação da população baiana. Dessa forma, vale a pena, portanto, indagar: A Instituição Policial Civil baiana conhece realmente o seu público? De que forma reconhece o valor dos seus policiais? Por outro lado, os policiais sabem o valor real do serviço que prestam à comunidade? Que característica vem assumindo a imagem social da organização policial civil baiana e que fatores vêm contribuindo para que isto ocorra? 13

14 Essas questões parecem ser fundamentais, porque nenhuma ação voltada essencialmente para o cliente externo funciona de forma satisfatória sem uma adequada estratégia de marketing interno. Isto porque é o funcionário que, afinal, incorpora e dá visibilidade à instituição através da sua atuação externa. A imagem pública de uma instituição tem que ser criada, portanto, em seu interior e divulgada externamente por ela mesma. Nessa perspectiva, o endomarketing parece constituir-se numa estratégia eficaz de tratamento da imagem institucional e significa implementação de ações coletivas internas, mudanças de posturas que buscam melhorar a imagem das instituições perante o público. Utilizando as ferramentas comuns de marketing, como a pesquisa de opinião, por exemplo, a instituição pode orientar-se dentro da atmosfera social na qual atua. Identificadas às necessidades públicas, é preciso traduzi-las em estratégias que melhor possibilitem o seu atendimento. É importante, por isso, disseminar as estratégias de ação por todos os órgãos da instituição, a fim de manter uma área interna de marketing fortemente estruturada. Para tanto, é indispensável a qualificação e profissionalização de todos os servidores do menos ao mais graduado. Todos os integrantes da instituição devem conhecer as suas qualidades e defeitos e, ao mesmo tempo, estar informados das metas, objetivos e estratégias das campanhas para melhorar a sua imagem pública. O endomarketing, assim, se fundamenta em processos rápidos e eficazes de comunicação, permanente e integrada, de cima para baixo e de baixo para cima, em constante feedback, sobretudo com o público, procurando auscultá-lo sobre os efeitos alcançados pelas estratégias empregadas. Tudo isso, porém, será inútil se a instituição não adotar, como pressuposto básico, o fato de que o foco maior de sua ação é a excelência no atendimento ao público, pois ele é a razão máxima de sua existência. As pessoas, em geral, não somente gostam, como têm 14

15 o direito a um atendimento de excelência. A boa comunicação, nesse sentido, é essencial e deve ser objeto de destaque em qualquer plano de treinamento de endomarketing. A pretensão das ações do marketing interno é a de criar uma estratégia em que o foco é o acréscimo de qualidade aos seus serviços. Por outro lado, a implantação repentina de um programa desse tipo pode gerar, a depender da cultura da instituição, resistências, pois o Homem é naturalmente avesso às mudanças. Por isso, é indispensável na sua implantação uma comunicação transparente e objetiva, em todos os níveis, acerca das metas visadas com a nova estratégia: quais os passos intermediários e quais as atribuições e limites de competência de cada participante. Além disso, para que tudo funcione bem, para que se possa ter uma visão total do processo, todos os caminhos da comunicação informal devem estar desobstruídos, o que significa manter os relacionamentos interpessoais completamente desembaraçados. A visão do futuro, nessas condições, pode ser construída pela visão de muitas pessoas: a integração das várias perspectivas individuais, em seu conjunto, pode anular-se em alguns aspectos e reforçar-se em outros, resultando numa visão mais real na consciência coletiva. Justificativa ao Estudo Na atual conjuntura do Estado Brasileiro, a criminalidade assume proporções avassaladoras. Em particular, o Estado da Bahia vem, na última década, atingindo índices elevados, colocando-se no centro das preocupações do Governo e dirigentes dos organismos da Segurança Pública a identificação de políticas e formas de atuação eficazes para não apenas conter como diminuir tais índices. 15

16 Sabe-se, por outro lado, que o combate à criminalidade não se fará apenas com obtenção de recursos materiais a exemplo de viaturas, armamento, comunicação e aumento do efetivo policial. É necessário que toda a comunidade social colabore. Para tanto, é imperioso que as Instituições Policiais obtenham a simpatia, o respeito e a colaboração da comunidade na implantação de uma nova política de segurança pública, e, para isso, é necessária uma imagem positiva do corpo policial frente à sociedade e dentro da própria instituição. A necessidade de recuperação de tal imagem é o que subjaz os propósitos deste estudo, que tem o sentido de contribuir para uma melhor compreensão acerca do funcionamento da Organização Policial Civil do Estado da Bahia no que tange às ações de marketing institucional. Objetivos Partindo do pressuposto de que a comunidade representa o principal cliente da organização policial, que a matéria-prima dos serviços policiais é a informação, que os freqüentes atos de corrupção e violência atribuídos a policiais divulgados na mídia, têm contribuído para formação de uma imagem negativa, o propósito da presente pesquisa é identificar os pontos fracos existentes na instituição policial civil, relativos à sua imagem social visando amenizar ameaças, otimizar os pontos fortes e explorar as oportunidades perante a comunidade. Destina-se sobretudo contribuir para a produção de normas e métodos que versem a retomada da credibilidade das instituições policiais, perante a sociedade. Infelizmente, os problemas da imagem organizacional das polícias, não se detêm apenas ao público externo. No publico interno, o conceito da instituição, 16

17 sua produtividade, política de RH e sinergia constituem-se uma séria desmotivação funcional. Portanto, avaliar o grau de satisfação do público interno e externo resultando na apresentação de uma proposta de política de marketing, é o objetivo que se impõe. Objetivo Geral Investigar as características que vêm assumindo a imagem da Organização Policial Civil do Estado da Bahia, diante da comunidade interna e social, bem como fatores influenciadores. Objetivos Específicos Verificar as características e os efeitos da divulgação das ações policiais civis no âmbito da sociedade e na própria corporação. Analisar a influência da qualidade dos serviços policiais na imagem social da Polícia Civil. Identificar as percepções da Polícia Civil quanto às condições de aceitação social dos serviços prestados. Identificar as concepções existentes no âmbito interno e externo sobre a necessidade de novas estratégias de ação policial que recuperem a imagem da instituição diante da sociedade. Questões de Estudo 17

18 Existe relação entre a imagem da Polícia com as formas de divulgação na mídia sobre fatos de natureza policial? Como se caracterizam as formas e tipos de divulgação? Como estão as condições de aparelhamento e treinamento dos policiais que prestam atendimento direto à comunidade? Existem meios de avaliação institucional da satisfação do cliente dos serviços policiais? Como se dá o processo avaliativo? Quais são as representações do público interno acerca das reações da comunidade aos serviços prestados? Como os integrantes da instituição policial civil consideram que esta aceitação poderia ser melhorada? Como são avaliadas internamente as estratégias de ação policial quanto aos seus efeitos na imagem social da polícia? O que é necessário transformar? Como é percebida a viabilidade da implantação de uma política de marketing na instituição policial? 18

19 CAPÍTULO I INSTITUIÇÕES E MARKETING A reconhecida existência de segmentação num ambiente que se julgava único, conduziu os profissionais de marketing a tomar conhecimento de um fato que os sociólogos já haviam definido há tempos: os segmentos de mercado não são mais do que as diferentes instituições que compõem a sociedade. O conceito de instituição aparece em sociologia como o sistema de práticas e funções sociais desenvolvidos em torno de um valor ou uma série de valores, bem como o mecanismo de regular as práticas e governar as regras. Subentende-se, nesta definição, que o conjunto de práticas ou de idéias os indivíduos já encontram estabelecidas ao nascer e, cuja obediência se impõe a eles com maior ou menor rigor através da coerção social. Nesse sentido, a cultura humana é entendida como um conglomerado de instituições correspondentes às diferentes práticas sociais, sendo que o número de instituições e o seu grau de especialização variam. As grandes sociedades industriais, por exemplo, apresentam inúmeras instituições especializadas, organizadas em torno de problemas delimitados. Cada instituição, considerada como um sistema, pode conter dentro de si outras menores, os subsistemas. A sociedade como um todo, constitui, assim, o sistema abrangente. Os subsistemas institucionais são principalmente três: as instituições políticas, as instituições econômicas e as instituições expressivas e integradoras. As políticas referem-se ao exercício do poder do Estado; as econômicas tratam das organizações ligadas à produção e distribuição de bens e serviços da 19

20 sociedade; as expressivas e integradoras abrangem as artes, a recreação e incluem, ainda, as instituições que lidam com as idéias e com a conservação e transmissão de valores herdados, como sejam, as organizações científicas, religiosas, educacionais, etc. Assim, uma empresa comercial, industrial ou de serviço, possui fins lucrativos, enquanto outras, exemplificadas pelas empresas governamentais, prestam serviços sem visarem lucros. Ambas, porém, podem lançar mão de recursos de marketing, seja para incrementar negócios, para fornecer informações ou enaltecer a sua imagem perante o público. As instituições com fins lucrativos têm por objetivo a divulgação de um produto, procurando persuadir os consumidores a adquiri-lo, sendo as técnicas e táticas empregadas, nesse caso, pertencentes ao chamado marketing de produtos ou marketing empresarial. Essas técnicas e táticas diferem quando se trata de instituições sem fins lucrativos, cujo campo mercadológico é o do propriamente chamado Marketing Institucional. Portanto, para buscar a adesão de segmentos da sociedade às causas que defendem e para aceitação e reconhecimento dos benefícios que oferecem, as instituições sem fins lucrativos utilizam técnicas específicas de divulgação. O que se entende por técnicas específicas no marketing institucional são as que se referem à pregação dominantemente ideológica, intangível, em contraste com as técnicas de empresas com fins lucrativos centradas na promoção de vendas de bens materiais e intelectuais. O mercado de idéias, se assim é lícito chamá-lo, funciona de modo semelhante ao mercado de bens materiais, mas difere na técnica de divulgação, vez que o objetivo é a divulgação de atitudes, através de mensagens que beneficiem tanto o emissor, quanto o receptor. 20

21 O Bem tangível, concreto, é o produto econômico vendável, e o intangível, muitas vezes abstrato, caracteriza o produto institucional. No campo empresarial, o que se busca é a apropriação ou incentivo para o domínio pleno do produto. No campo institucional típico, não se promete domínio, o que se procura é a apreciação de uma idéia ou de uma imagem que gere satisfações subjetivas. Discutindo a conceituação do produto institucional e econômico, escreve Vaz (1995, p. 38): É evidente que, na origem de cada produto, seja ele material ou imaterial está uma idéia que se manifesta no produto [...] [...] Mas a idéia em si, sem a manifestação tangível através de um bem material, também pode ser entendida como um produto. O ato de fazer um pronunciamento, expor um raciocínio ou simplesmente comunicar um fato, tudo isso pode ser compreendido como propostas de situações que venham gerar benefícios às pessoas, de modo a satisfazer necessidades e desejos. Assim, no marketing de produtos a idéia de benefício está embutida no produto, enquanto que no marketing institucional a idéia é que sugere o benefício. Idéia, imagem, ideologia e mito, são palavras-chave muito usadas em marketing, mas nem sempre satisfatoriamente definidas. Normalmente o marketing é visto como a tarefa de criar, promover e fornecer bens e serviços a clientes, sejam estes pessoas físicas ou jurídicas. Na verdade, a adoção de uma política de marketing envolve bens, serviços, experiências, eventos, pessoas, lugares, propriedades, organizações informações e idéias. (KOTLER, 2000). Segundo Vaz (1995, p. 280): O marketing surgiu da necessidade de se construir uma filosofia de negócios que fomentasse a força de vendas das empresas. Focalizando os produtos e os serviços, isoladamente, o marketing evoluiu para uma administração vocacionada para as necessidades do consumidor. 21

22 Nesse contexto do marketing empresarial, grande ditador das vendas, surgiu a vertente do marketing institucional, na busca de comportamentos e atitudes, nos diversos públicos-alvos, favoráveis à instituição/organização, visando à divulgação e ao fortalecimento da imagem institucional. E complementa o mesmo autor: Marketing social é a modalidade de ação mercadológica institucional que tem como objetivo principal atenuar ou eliminar os problemas sociais, as carências da sociedade relacionadas principalmente às questões de higiene e saúde pública, de trabalho, educação, habitação, transportes e nutrição. (Ibidem, op.cit, p. 280). No Marketing de produtos a idéia de benefício está embutida no produto, no marketing institucional a idéia é que sugere o benefício. Assim, o marketing aplicado às Instituições se fundamenta sobre uma idéia que se revela pela imagem que os meios de comunicação fixam como positiva, associando-a a valores consagrados. Isto é: Os programas baseados no marketing social são trabalhos cuidadosos de pesquisa, que procuram encontrar a raiz do problema social, identificando-se os focos de resistência a uma mudança (comportamental) e, então, definindo um planejamento de apresentação das idéias, de formulação das propostas e de preparação da estrutura necessária para dar sustentação à campanha. (ibidem, op.cit., p. 281). Vale ratificar que embora haja diferença de objetivos, ambos utilizam as mesmas técnicas, princípios, estratégias e táticas do marketing de produtos. Uma imagem bem concebida se transforma na marca do produto ou do benefício que uma instituição pública oferece. Kotler, Roberto (1992, p. 25), ao se referir ao marketing social, descreveo da seguinte forma: O termo marketing social apareceu pela primeira em 1971, para descrever o uso de princípios e técnicas de marketing para a promoção de uma causa, idéia ou comportamento social. Desde então, passou a significar uma 22

23 tecnologia de gestão da mudança social, associada ao projeto, implantação e controle de programas voltados para o aumento da disposição de aceitação de uma idéia ou prática social em um ou mais grupos de adotantes escolhidos como alvo. Diante dessa definição, então pode-se concluir que o marketing social cria e administra todo o processo, cujas ações e resultados passam a construir valores que se agregam aos produtos. Assim é que Kozel Júnior (1997, p. 214), complementa que: O assistencialismo, mesmo se efetuado de forma sistemática, pouco agrega ao conceito da empresa, pois ela não gerencia nem detém a autoria e o controle do processo. Ou seja, o marketing social é uma estratégia de mudança de comportamento. Ele combina os melhores elementos das abordagens tradicionais da mudança social num esquema integrado de planejamento e ação, além de aproveitar os avanços na tecnologia das comunicações e na capacidade do marketing. Vale lembrar que neste cenário a comunicação social é um grande veículo, quando o assunto é marketing institucional, voltado para a organização policial. Levando-se em consideração o exposto anteriormente, pode-se, ainda dizer que a idéia de marketing social como influenciadora de comportamentos, liga-se diretamente a uma relação forte com o marketing institucional. Isto é, ambos referem-se a influenciar atitudes e comportamentos. No marketing institucional, o objetivo é a imagem da empresa e no marketing social os objetivos referem-se a questões de interesse público, ou de impacto social. A relação entre os conceitos se dá também por outro aspecto. Embora o objetivo último do marketing social seja o de contribuir para a transformação social, sua aplicação também promove um impacto na imagem da instituição 23

24 que o utiliza. Então, impacta as atitudes e comportamentos do público em relação à organização em si e não somente ao comportamento social que visa influenciar. Impactando a imagem da organização e as atitudes em relação a ela, pode ser encarado como marketing institucional. Por outro lado, ao adotar estratégias de marketing institucional, em muitos casos a organização influencia comportamentos com impacto social, podendo gerar transformações. Relacionando-se, portanto, com o conceito de marketing social. Pode-se dizer, então, que há uma inter-relação entre os conceitos de marketing social e marketing institucional, conforme a figura a seguir: Figura 1 Marketing Institucional e Marketing Social Fonte: elaborado pelos autores, A concepção de marketing social como um instrumento da transformação social, porém, é questionável, especialmente quando refere-se a sua utilização por empresas privadas com fins de lucro. Pode-se perguntar: até que ponto uma empresa age de acordo com uma visão de longo prazo, preocupada com o interesse público? Exemplos recentes de fusões e demissões em massa em nome da competitividade fundamentam essa reflexão. Por outro lado, segundo Kozel Júnior (1997, p. 217): 24

25 Mesmo quando utilizado por organizações com objetivos públicos, sejam do Estado ou do terceiro setor, as estratégias de marketing social, por mais amplas e desenvolvidas que sejam, não são suficientes para promover transformações profundas. E ainda: Para alterar o status quo e tentar solucionar alguns dos paradoxos com os quais a sociedade se depara é necessário bem mais que apenas estratégias de marketing, mas, também, políticas públicas consistentes e coordenadas, o fortalecimento da cidadania e da democracia em vários âmbitos, e, principalmente, a redução das desigualdades econômicas e sociais. (Ibidem, op.cit., p.219). O que se observa na argumentação de muitos autores que escrevem sobre marketing é uma concepção totalizadora dessa função nas organizações, envolvendo todas as suas estratégias. Em concepções de marketing social também constata-se uma expansão demasiada do conceito, colocando-o como um elemento de transformação social em si. Conceitos e Condições do Endomarketing Institucional Uma instituição é um grupo social formado por pessoas, com psicologias individuais diferentes, anseios específicos, formações intelectuais distintas, organizadas de forma singular e que constroem uma cultura organizacional única. Para Grönroos (1995, p. 218) afirma que: Toda organização tem um mercado interno, composto de empregados, que deve receber a primeira atenção, e, a não ser que isso seja feito adequadamente, o sucesso das operações da empresa em seus mercados externos finais será colocado em risco. 25

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra

LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra LIDERANÇA NO CONTEXTO CONTEMPORÂNEO Prof. Joel Dutra INTRODUÇÃO As organizações vivem em um ambiente em constante transformação que exige respostas rápidas e efetivas, respostas dadas em função das especificidades

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL SEGURANÇA PÚBLICA ARTIGOS 42 E 144 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Segurança Pública, no entendimento do professor Orlando Soares (in Comentários à Constituição da República Federativa do Brasil), traduz o estado

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012

IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 IV Encontro Nacional de Escolas de Servidores e Gestores de Pessoas do Poder Judiciário Rio de Janeiro set/2012 Rosely Vieira Consultora Organizacional Mestranda em Adm. Pública Presidente do FECJUS Educação

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli

Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os Valores e o Código ético do Grupo Pirelli Os valores éticos como base da ação. Aidentidade de nosso Grupo assenta-se historicamente num conjunto de valores que foram ao longo dos anos visados e tutelados

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização

O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização O desenvolvimento do Terceiro Setor e a profissionalização Cristiane dos Santos Schleiniger * Lise Mari Nitsche Ortiz * O Terceiro Setor é o setor da sociedade que emprega aproximadamente 1 milhão de pessoas.

Leia mais

O turismo e os recursos humanos

O turismo e os recursos humanos Introdução O turismo e os recursos humanos Belíssimas praias, dunas, cachoeiras, cavernas, montanhas, florestas, falésias, rios, lagos, manguezais etc.: sem dúvida, o principal destaque do Brasil no setor

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

5 Conclusão e discussões

5 Conclusão e discussões 5 Conclusão e discussões O presente estudo procurou entender melhor o universo dos projetos de patrocínio de eventos, principalmente com o objetivo de responder a seguinte questão: quais são as principais

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL Autor: Adalberto de Carvalho Júnior CPFL Paulista, uma empresa do Grupo CPFL Energia RESUMO A promoção do entendimento do indivíduo com relação a sua

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

atual 8.500. meta: 6.300, cortar: 25%

atual 8.500. meta: 6.300, cortar: 25% atual 8.500. meta: 6.300, cortar: 25% Este artigo foi encomendado, originalmente, para tratar de assessoria de imprensa para Prefeituras Municipais revelando uma dificuldade, muito comum entre os jornalistas,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

A Área de Marketing no Brasil

A Área de Marketing no Brasil A Área de Marketing no Brasil Relatório consolidado das etapas qualitativa e quantitativa Job 701/08 Fevereiro/ 2009 Background e Objetivos A ABMN Associação Brasileira de Marketing & Negócios deseja

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO

SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO SUBCOMISSÃO PERMANENTE DE SEGURANÇA PÚBLICA Comissão de Constituição e Justiça - SENADO FEDERAL PLANO DE TRABALHO 1. Contextualização e finalidades A violência, a falta de segurança e o medo da criminalidade

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais