UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA. Adriana de Souza Oliveira. Cassio Veilander Santos Aguiar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA. Adriana de Souza Oliveira. Cassio Veilander Santos Aguiar"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA Adriana de Souza Oliveira Cassio Veilander Santos Aguiar Flávia Nataly Lima Costa A ANÁLISE DA FUNÇÃO SEXUAL NA GRAVIDEZ EM MULHERES ATENDIDAS NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ, BRASIL Belém 2010

2 2 Adriana de Souza Oliveira Cassio Veilander Santos Aguiar Flávia Nataly Lima Costa A ANÁLISE DA FUNÇÃO SEXUAL NA GRAVIDEZ EM MULHERES ATENDIDAS NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ, BRASIL Trabalho de conclusão de curso apresentado à Universidade da Amazônia para obtenção do grau de bacharel em Fisioterapia. Orientadora: Profª.Msc. Cibele Nazaré da Silva Câmara. Belém 2010

3 3 Adriana de Souza Oliveira Cassio Veilander Santos Aguiar Flávia Nataly Lima Costa A ANÁLISE DA FUNÇÃO SEXUAL NA GRAVIDEZ EM MULHERES ATENDIDAS NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ, BRASIL Trabalho de conclusão de curso apresentado à Universidade da Amazônia para obtenção do grau de bacharel em Fisioterapia. Orientadora: Profª.Msc. Cibele Nazaré da Silva Câmara. Banca Examinadora Profª. Nazete dos Santos Araujo Profª. Iranete Corpes Oliveira França Apresentado em: / / Conceito: Belém 2010

4 4 Aos meus pais, Francisca Luciana e Pedro Tavares, pessoas maravilhosas que tanto amo e sempre estiveram ao meu lado em todos os momentos. A minha família pelo carinho, compreensão e apoio constante. A todos meus amigos, especialmente uma grande amiga, Leidian Coelho por ter me proporcionado a realização desse sonho. Adriana Oliveira

5 5 Aos meus Pais, Raimundo Cesar de Aguiar e Vera Lucia dos Santos Aguiar pelo apoio incondicional durante toda a minha trajetória acadêmica, pelo carinho e incentivo, e compreensão depositados em mim. E a minha linda irmã Claire Taynara amor da minha vida. Cassio Veilander

6 6 A meus pais, Fernando Costa e Nazaré Lima, pelo constante apoio e imensa dedicação. A meus irmãos Fernanda e Fernando Junior e a minha saudosa Tia Iná, cujo sua partida não a distanciou da minha vida. Flávia Nataly

7 7 AGRADECIMENTOS A Deus por me conduzir pelos caminhos difíceis e nunca me fazer perder a vontade de lutar pela vida. A minha família maravilhosa, meu grande alicerce, por acreditarem sempre que poderia ser alguém na vida e superar qualquer desafio. Aos amigos que contribuíram com a sabedoria de cada um para meu crescimento como ser humano. Aos meus amigos Cassio Veilander e Flávia Nataly pela paciência, compreensão, dedicação e a concretização de mais uma fase tão importante. Aos amigos de estágio Maria da Conceição, João Bosco, Isabel Barbosa, Karla Patrícia, Alceu Murilo e Rodrigo Silva, pelas tardes de conhecimento, descontração e a demonstração de uma amizade verdadeira. A professora Cibele Câmara pela orientação, amizade e apoio nessa pesquisa Aos professores que me ensinaram uma nova forma de vê a vida. Aos colegas de turma, onde muitos tornaram-se amigos para toda vida, pela convivência, momentos de alegrias, de tristezas, companheirismo e por fazerem parte de um momentos mais felizes da minha vida. Adriana Oliveira

8 8 AGRADECIMENTOS Agradeço aos professores não somente por terem ensinado, mas por me terem feito aprender, a vocês meu eterno agradecimento!!! A Minha Família, que nos momentos de minha ausência dedicados aos estudos, souberam compreender que o futuro, é feito a partir da constante dedicação no presente. A querida professora Cibele Câmara pela orientação e trocas de conhecimentos. As minhas amigas Adriana Souza e Flávia Nataly, pelos momentos de dedicação e companheiros para desenvolver o nosso grandioso projeto. Aos meus amigos Alceu Murilo, Rodrigo Silva, João Bosco, Karla Patrícia, Maria da Conceição Isabel Barbosa,que foram a minha segunda família, e toda a turma de fisioterapia 2006/02 que me proporcionaram tardes maravilhosas de estudos, num ambiente fraterno e respeitoso Jamais lhes esquecerei!!! Por final, ao grandioso que me permitiu tudo isso, ao longo de toda a minha vida, e, não somente nestes anos como universitário, ao senhor meu DEUS, obrigado, reconheço cada vez mais em todos os meus momentos, que você é o maior mestre, que uma pessoa pode conhecer e reconhecer!! Cassio Veilander

9 9 AGRADECIMENTOS Agradeço a DEUS por todas as oportunidades que me concedeu. A meus pais exemplos de determinação e razão de todo meu empenho. A meus irmãos pelo apoio. A meu amor Adilon Leite que me acompanhou e incentivou em grande parte dessa caminhada. A minha família que em todos os momentos estiveram presentes e prontos para ajudar. Em especial minha querida Tia Iná (in memoriam), onde o tempo é o único responsável em acalmar tanta saudade... A meus amigos que dividiram comigo esse trabalho Cassio Aguiar e Adriana Oliveira. A meus amigos de horas incertas Mariana Magalhães e Wille Faustino. A todos os professores que contribuíram para minha formação profissional, em especial a Profª. Msc. Cibele Nazaré da Silva Câmara por ter nos guiado na construção desse trabalho. Flávia Nataly

10 10 Mantenha seus pensamentos positivos, porque seus pensamentos tornam-se suas palavras. Mantenha suas palavras positivas, porque suas palavras tornam-se suas atitudes. Mantenha suas atitudes positivas, porque suas atitudes tornam-se seus hábitos. Mantenha seus hábitos positivos, porque seus hábitos tornam-se seus valores. Mantenha seus valores positivos, porque seus valores... Tornam-se seu destino." Mahatma Gandhi

11 11 RESUMO Durante a gravidez, para o desenvolvimento do feto, o organismo materno sofre diversas alterações a nível morfofisiológico, psicológico e sexual. O objetivo deste estudo foi avaliar a função sexual feminina através dos domínios do questionário FSFI (Female Sexual Function Index) e do questionário escolha de parceiro. Foram selecionadas 102 grávidas com idade entre 18 e 38 anos, as quais foram submetidas aos questionários. Foi realizada a estatística descritiva e inferencial pelo programa SPSS 13.0 (Statistical package for social sciences). A análise da função sexual revelou um declínio na freqüência, desejo sexual e orgasmo durante o período gestacional, no entanto foi observado que a afetividade e intimidade entre o casal tornou-se um fator essencial para a manutenção da sexualidade. Palavras-Chaves: Gravidez, sexualidade, FSFI.

12 12 ABSTRACT During pregnancy, the development of the fetus, the maternal organism undergoes several updates and morfophysiologic, and sexual psychology. This study was to evaluate the female sexual Function across the domains of the FSFI ( Female Sexual Function Index) questionnaire and mate choice patner questionnaire. We selected 102 pregnant women aged between 18 and 38 years, which were submitted to the questionnaires. We performed descriptive and inferential statistics using SPSS 13.0 (Statistical package for social sciences). Function analysis revealed a decline in sexual frequency, sexual desire and orgasm during pregnancy, however it was observed that the affection and intimacy between the couple became an essential factor for the maintenance of sexuality. Key Words: Pregnancy, sexuality, FSFI.

13 13 LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 1: Média, desvio padrão da idade das informantes (N=102) GRÁFICO 2: Média, desvio padrão da renda das informantes (N= 71) GRÁFICO 3: Média, desvio padrão da idade do parceiro (N= 102)

14 14 LISTAS DE TABELAS TABELA 1- Escores dos domínios do FSFI TABELA 2- Tempo de relacionamento TABELA 3- Grau de instrução da informante TABELA 4- Grau de instrução do parceiro TABELA 5- Freqüência do desejo sexual TABELA 6- Grau de desejo ou interesse sexual TABELA 7- Freqüência em atingir orgasmos TABELA 8- Grau de dificuldade em atingir orgasmos TABELA 9- Grau de satisfação em atingir orgasmos

15 15 SUMÁRIO 1.0 INTRODUÇÃO OBJETIVOS OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS REFERENCIAL TEÓRICO ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DURANTE GRAVIDEZ ALTERAÇÕES PSICOLÓGICAS DURANTE A GRAVIDEZ ALTERAÇÕES SEXUAIS DURANTE A GRAVIDEZ PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS DELINEAMENTO DA PESQUISA AMOSTRA LOCAL DA PESQUISA PERÍODO DA PESQUISA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO ASPÉCTOS ÉTICOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO MÉTODOS ESTATISTICO RESULTADOS RESULTADOS DO QUESTIONÁRIO DE ESCOLHA DE PARCEIROS (PERFIL SOCIO-ECONÔMICO) RESULTADOS DO QUESTIONÁRIO FSFI RESULTADOS DAS CORRELAÇÕES ENTRE O QUESTIONÁRIO DE ESCOLHA DE PARCEIROS E O QUESTIONÁRIO FSFI... 34

16 DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES ANEXOS... 51

17 INTRODUÇÃO Dentre os sinais físicos e sintomas que não comprovam a gravidez o primeiro a se destacar é a cessação da menstruação que logo levanta a hipótese de uma possível gestação, isto é, quando a mulher é saudável e apresenta ciclos menstruais regulares. (NETTINA, 2003). Segundo BARACHO (2007), A gestação pode ser diagnosticada através de sinais pressupostos como amenorréia, congestão e hiperestesia mamária, vascularização mais evidente da mama (rede venosa de Haller), hiperpigmentação da aréola primitiva com halo mais claro ao seu redor (sinal de Hunter), alterações cutâneas com hipertrofia das glândulas sebáceas na aréola secundária (tubérculo de Montgomery), pigmentação da linha Alba (linha nigra), náuseas e vômitos, polaciúria, fadiga e também através dos sinais de probabilidade: crescimento e volume uterino (início 50g a 1000g no final da gestação), amolecimento do istmo uterino (sinal de Hegar), cianose vaginal e cervical (sinal de chadwick), testes de gravidez (HCG na urina e β- HCG). Durante a gestação, ocorrem modificações contínuas no organismo materno, que proporcionam ambiente estável para o crescimento fetal. A gestante está sujeita a uma série de transformações bioquímicas, funcionais e anatômicas, com adaptações que envolvem todo o seu organismo. Torna-se necessário entender o mecanismo dessas mudanças para distinguir doença de adaptação fisiológica e, logo, poder tratar, prevenir ou contornar os incômodos gestacionais (CORRÊA, 2004). Essas transformações fisiológicas envolvem todos os sistemas temporariamente, mas o suficiente para criar situações biológicas, corporais, mentais e sociais que devem ser diferenciadas entre achados normais e patológicos que necessitam ser diagnosticados e tratados durante a gravidez (BARACHO, 2007). Possivelmente, em nenhuma outra fase do ciclo vital exista maior mudança no funcionamento e forma do corpo humano em tão curto espaço de tempo. Grandes partes dessas mudanças iniciam-se desde o momento da nidação e se estendem por todo o período gestacional até o término da lactação (BARACHO, 2007).

18 18 A partir do momento em que a mulher entra no período gestacional, terá inicio a um processo de desenvolvimento que conduzirá a várias transformações orgânicas e significativas mudanças a nível bio-psico-social, emocionalmente a mulher pode não se sentir atraente ou feminina, diminuindo com isto sua auto-estima e ainda pode ser conflitante estar num momento culturalmente considerado divino e, ao mesmo tempo, não estar gostando de si mesma (NICÁCIO, 2006). O autor ainda discorre, "A sexualidade da mulher na gravidez dependerá, entre outros motivos, de como ela se percebe, se avalia e se valoriza, nessa fase. Enfim, dependerá grandemente de sua autoestima. Sentir-se amada e atraente, além da realidade dos fatos de estar sendo, de fato amada e de ser, de fato atraente, além dos esforços de seu companheiro em deixar claro seu sentimento por ela, depende decisivamente de sua auto-estima e, conseqüentemente, de sua afetividade". "Do ponto de vista psicológico, a partir do terceiro trimestre acentuam-se ainda mais os movimentos fetais, os quais já podem ser percebidos no contato corporal ou até visíveis. Esses movimentos representam, do ponto de vista psicológico, presença viva do filho, a interpor-se entre o casal. Estes movimentos também podem inibir as manifestações da sexualidade". De acordo com Ballone (2004), para o casal a gestação é um período de constantes adaptações. Ocorre em todos os sentidos; adaptações físicas, emocionais, existenciais e também sexuais. É importante ressaltar que a necessidade de adaptação não afeta só a mulher, nessa fase, mas também o homem. Os homens não passam por alterações orgânicas, porem podem ser afetados por questões emocionais, tais como a ansiedade em relação ao parto, à criação do filho, à responsabilidade de ser pai, etc. (BALLONE, 2004).

19 OBJETIVOS 2.1 OBJETIVOS GERAIS Analisar a função sexual em grávidas através dos domínios do questionário FSFI (Índice da Função Sexual Feminina) e correlacionar com os domínios do questionário escolha de parceiros, na Fundação da Santa Casa de Misericórdia de Belém. 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Fazer correlações entre: Escore de desejo e orgasmo; Escore de desejo e a quantidade de relações sexuais que dependiam da vontade da informante; Escore de orgasmo com a satisfação com o relacionamento; Escore de orgasmo e a quantidade de relações sexuais que dependiam da vontade da informante; Intimidade com parceiro e relacionamento com afeto; Interesse do parceiro e relacionamento com afeto.

20 REFERENCIAL TEÓRICO 3.1 ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DURANTE GRAVIDEZ Para que aconteça uma gravidez saudável, diversas adaptações físicas, são necessárias para o perfeito crescimento e desenvolvimento fetal. Porém, essas alterações, em algumas mulheres, trazem conseqüências que podem resultar em dor e limitações em suas atividades diárias (BARACHO, 2007). Durante a gestação ocorre várias alterações morfo-fisiológicas como útero(hipertrofia, dilatação, mudança de posição, contratilidade, alterações na cérvice), vagina (aumento das secreções vaginais, hiperemia, mudança no tamanho), períneo (aumento de vascularização e hiperemia), paredes e pele do abdome (estrias, pigmentação-linha nigra, cloasma, alterações vasculares cutâneas), mamas (dor, aumento do tamanho, mamilos maiores e mais pigmentados, colostro), alterações metabólicas (ganho ponderal de peso), sistema cardiovascular (aumento da freqüência do pulso,coagulação sanguínea, hipotensão em decúbito dorsal), trato respiratório (aumento da quantidade de oxigênio e hemoglobina), entre outras (NUNES, 2007). Segundo REZENDE (2005) e CRANLEY (1980), algumas dessas modificações ocorrem no esqueleto, onde há maior mobilidade das articulações sacro-ilíacas, sacrococcígea e da sínfise pubiana; com amolecimentos das cartilagens pélvicas, para facilitar a disfunção sinfisária e os movimentos de nutação do sacro. Esse evidente relaxamento dos ligamentos, provavelmente é resultante da ação dos hormônios estrogênio e relaxina. Essa crescente mobilidade das articulações; transforma a postura materna e ocasiona desconforto nos segmentos inferiores da coluna vertebral. No sistema genital ocorrem alterações bioquímicas, funcionais e anatômicas, observadas logo após a fecundação, as quais permanecerão durante toda a gravidez (BARACHO, 2007). No sistema reprodutor, as principais alterações ocorrem especialmente no útero e mamas. Os altos níveis de hormônio como estrógeno e progesterona fazem com que haja o crescimento uterino no primeiro trimestre, isso porque o útero dá início às suas modificações juntamente com a concepção, estas relacionadas à consistência, volume, peso, forma, posição e coloração. (BARROS, 2006)

21 21 Durante a gravidez, as mudanças são principalmente o resultado direto da interação de quatro fatores: as mudanças hormonalmente mediadas no colágeno e no músculo involuntário; o volume total do sangue aumentado com fluxo de sangue aumentado para o útero e os rins; o crescimento do feto resultando na conseqüente ampliação e deslocamento do útero; e finalmente o aumento do peso do corpo e mudanças adaptáveis no centro de gravidade e postura. (POLDEN, 2000) Nessa etapa é comumente necessário para a mulher adaptar sua postura para compensar a mudança de seu centro de gravidade. Essa mudança é principalmente tornada pelo abdômen dilatado; a forma como as paredes abdominais se adapta ao grau requerido de distensão é de significante consideração. As fibras musculares permitem estiramento, mas os componentes de colágeno a aponeurose, as bainhas fibrosas e as intersecções, e a linha alba provavelmente sofrem mudança estrutural hormonalmente mediada para prover extensibilidade extra temporariamente necessária. A distância entre os dois músculos retos abdominais pode ser vista dilatando-se do começo ao fim da gravidez e a linha alba pode até dividir-se sob o esforço diástase dos retos abdominais (POLDEN, 2000). Ocorrem no útero modificações de hipertrofia e dilatação, requerendo um aumento da vascularização pela necessidade de maior perfusão sangüínea, enquanto na placenta, devido o aumento progressivo, há um incremento correlato do fluxo sangüíneo uteroplacentário com a evolução da gestação, o que demanda, também, um aumento do número de vasos sangüíneos (BARACHO, 2007). Alteração no colo o deixa, mais macio e vascularizado, mas permanece firme até o início do parto. O segmento inferior do útero, região que se forma entre o corpo e colo, tornar-se-á funcionalmente contrátil e participará do mecanismo de dilatação do colo (BARACHO, 2007). A vulva e vagina tumefazem-se, ocorre o amolecimento e têm alterada sua coloração. A vulva pigmenta-se e o sítio lindeiro à extremidade inferior da vagina perde o róseo característico, tomando a cor vermelho-vinhosa, entreabertos ninfas e grandes lábios. Há o aumento do tamanho dos ovários e das trompas por conta da embebição gravídica e do aumento da vascularização (REZENDE, 2005).

22 22 Há estimativas de que 80% das gestantes têm dilatação significante de ambos os ureteres e pelves renais, que se inicia precocemente (10 semanas) e por esses motivos filiados à atonia decorrente de estímulos hormonais, progesterona. O fluxo de urina está retardado, causa da maior predisposição à infecção urinária que têm as grávidas (MONTENEGRO, 2006). No sistema cardiovascular o volume sanguíneo aumenta em 40% ou mais para suprir as necessidades crescentes da parede uterina servindo a placenta e as outras demandas localizadas no corpo, a exemplo, aumento do peso ambos fornecendo o maior volume e o movendo (POLDEN, 2000). No sistema respiratório, há uma maior demanda para o organismo de oxigênio materno em resposta à aceleração do metabolismo e à hipertrofia dos tecidos uterinos e mamários, uma vez que o feto necessita receber oxigênio e eliminar gás carbônico através da mãe. (BARROS, 2006). Smeltzer e Bare (2006), afirmam que, o gradil torácico expande seu diâmetro ânteroposterior, provocando o batimento das costelas decorrente da maior mobilidade das articulações costais. A respiração é mais diafragmática que costal. As modificações ocorridas nas mamas são quase sempre um dos sinais mais precoces da gravidez. De um modo geral, ocorre uma sensação de formigamento com aumento de sensibilidade. O aumento de volume geralmente é notado na 8ª semana, quando o suprimento venoso para as mamas aumenta. A auréola escurece e forma pequenas pápulas palpáveis; e após a 10ª semana, o colostro (uma substância transparente) pode ser expelido (STEPHENSON, 2004). A pigmentação das aréolas é mais evidente nas morenas, e a pigmentação é também vista na linha alba, na vulva e na face. Estrias ou marcas de alongamento podem se desenvolver sobre a região das nádegas, abdômen e mamas, e podem se tornar pigmentadas (POLDEN, 2000). As alterações gastrintestinais acontecem devido às alterações hormonais e adaptações estruturais ao feto (STEPHENSON, 2004). No nível do sistema nervoso ocorrem alterações constantes de humor, ansiedade, insônia, pesadelos, manias e aversões à comida, leves reduções na habilidade cognitiva e amnésia são todas bem substanciais e acompanhamentos comuns da gravidez. Não se sabe como estas

23 23 alterações nas funções emocional, cognitiva e sensual são realizadas, mas elas são presumivelmente um fenômeno hormonalmente mediado (POLDEN, 2000). 3.2 ALTERAÇÕES PSICOLÓGICAS DURANTE A GRAVIDEZ A gravidez surge como uma fase de grande tensão, pois a expectativa gerada antes e durante esse período é enorme. Trata-se de um evento que apresenta implicações psicodinâmicas inclusive para os parentes da gestante (FLORES, 2007). É na gravidez que ocorre uma série de modificações na mulher, tanto físicas como psíquicas, que começam na primeira semana de gestação e continuam durante todo o período gestacional. Embora sejam normais e necessárias, essas modificações fornecem certo desconforto, ainda mais acentuado nas mulheres que estão passando por essa experiência pela primeira vez e, assim, enfrentando muitas novidades em relação ao seu corpo. Contudo, estas alterações fazem com que as gestantes se adaptem às modificações tanto fisiológicas como psicológicas para o enfrentamento do processo de gravidez, do parto, e especialmente, da maternidade (HAMERSKI, 2003). Contudo, a experiência de estar grávida, parir e cuidar de filha(o), pode dar à mulher uma nova dimensão de vida e contribuir para o seu crescimento pessoal e emocional, assumindo com tranqüilidade novos papéis bem como mudanças em sua identidade. Logo, podem ocasionar conflitos e desarranjos internos, quebra de vínculos e de papéis, resultando em quadros de intensa depressão pós-parto. (MERIGHI, 2000). Com isso, o nascimento de uma criança, principalmente o primogênito tem sido considerado como um momento propício ao surgimento de problemas emocionais nos pais, especialmente nas mães como, depressões, psicoses pós-parto e manifestações psicossomáticas (MOREIRA, 2006). É importante lembrar que a gravidez não é um tema exclusivo para o ser feminino, porque ela transforma a identidade tanto das mulheres como dos homens, exigindo adaptações de ambos para uma nova situação de vida. Portanto, deve-se lembrar que o pré-natal deve estar direcionado para a família grávida, colaborando para que o casal vivencie da melhor forma a gravidez (SARTORI, 2004).

24 ALTERAÇÕES SEXUAIS DURANTE A GRAVIDEZ O tema da sexualidade humana é cada, vez mais abordado em nosso cotidiano. E com isso, o número de pessoas que se dedicam aos estudos do comportamento sexual humano é maior a cada dia. Novos costumes sexuais da população neste século XX, a união dos conhecimentos da psicologia à medicina e as mudanças dos paradigmas conservadores para os evolucionistas, tornaram a observação da sexualidade um grande desafio, uma vez que existem uma série de mitos, crenças e valores morais e culturais envolvidos (CARVALHO, 2007). As dificuldades sexuais do homem e da mulher também têm sua origem em fatores culturais, religiosos e familiares que são os preconceitos, os mitos, as crendices e os tabus, criados em determinada época da história da humanidade com fins específicos e repassados através das gerações até os dias de hoje (FLORES, 2007). Pela influência da educação dos pais, da religião, escola e sociedade, a mulher, mais do que o homem, sofre com a ignorância acerca do seu papel sexual. Reprime-se, esquecendo até do conhecimento de si e do seu corpo. Para que consiga superar seus medos é necessária uma nova aprendizagem (FLORES, 2007). A gravidez se configura como um período de várias mudanças físicas, emocionais, existenciais e também sexuais que, é vivenciado, por cada ser, de forma singular. Essas mudanças podem gerar dúvidas, medos, angústias e fantasias. Com isso, uma educação sexual adequada pode contribuir para que a mulher e o seu cônjuge lidem melhor com tantas alterações, medos e dúvidas, vivenciando o momento com a tranqüilidade e satisfação de direito (MOREIRA, 2006). A sexualidade muitas vezes foi vista de maneira imprópria, no qual a mulher direcionava sua libido sexual para cuidar da criança e o parceiro, muitas vezes, passava a ver a maternidade de maneira santificada, excluindo o sexo de sua vida (CAVALCANTI 1993). Segundo Suplicy (1993), à medida que a gravidez avança, e a barriga da mãe cresce, o casal tem que experimentar posições mais confortáveis. Adaptando as novas posições, podendo tornar gratificante o sexo. Cabe à mulher, procurar essa posição, pois é ela que está com o corpo modificado. Muitas vezes, o tamanho avantajado da barriga na gravidez avançada torna mais difícil ainda esta ou aquela posição. Fatores que influenciam o desempenho sexual do homem. A falta de libido pode ocorrer no primeiro trimestre da gestação, pois no corpo da mulher estão ocorrendo inúmeras modificações. Tal alteração muitas vezes ocorre em virtude da preocupação de machucar o bebê, sendo, pois, fundamental que o casal mantenha um diálogo

25 25 acerca do assunto, para juntos decidirem a melhor forma de lidarem com a sexualidade nesse período de suas vidas, cabendo esclarecer que nesse período a mulher pode sentir-se insegura, necessitar de mais carinho, aconchego, afeto e sentir que o companheiro está do seu lado, apoiando e compartilhando essa fase nova da vida. Segundo Flores (2007), algumas mulheres permanecem com a libido normal; outras se referem a uma diminuição na freqüência das atividades sexuais no início e no final da gravidez em decorrência de desconfortos. Desse modo, há acordo em que a freqüência coital diminui no primeiro trimestre, mantém-se praticamente no mesmo nível durante o segundo e diminui mais no terceiro, no entanto, pouco mais da metade das grávidas mantém relacionamento sexual duas a três vezes por semana até o início do terceiro trimestre, e mais da metade abstém-se três a seis semanas antes do parto.

26 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 4.1 DELINEAMENTO DA PESQUISA A pesquisa teve por intermédio de um estudo descritivo, de corte transversal, com base em uma amostra intencional, onde foi analisada a atividade sexual em mulheres grávidas atendidas no ambulatório da mulher na Santa casa de Misericórdia da Pará. 4.2 AMOSTRA Foram informantes da pesquisa 102 grávidas com idade entre 18 e 38 anos, atendidas no ambulatório da mulher da Santa Casa de Misericórdia do Pará. Que se enquadraram nos critérios de inclusão e após terem assinado o termo de consentimento livre e esclarecido. 4.3 LOCAL DA PESQUISA O presente estudo foi realizado na Santa Casa de Misericórdia do Pará, situada na rua Oliveira Belo n PERÍODO DA PESQUISA O presente estudo ocorreu no período matutino e vespertino, compreendido entre março a maio de 2010, após o aceite do comitê de ética e pesquisa da Santa Casa de Misericórdia do Pará, da qualificação do projeto e consentimento das grávidas. 4.5 CRITÉRIOS DE INCLUSÃO Mulheres que estejam em período gestacional, idade entre 18 a 38 anos que tiveram atividade sexual nas ultimas quatro semanas, e que aceitassem participar da pesquisa após assinar o termo de consentimento livre e esclarecido. 4.6 CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO Mulheres que não apresentavam quadro gestacional, menores de 18 anos e maiores de 38 anos, gravidez de alto risco com restrições ao ato sexual, não alfabetizada, sem atividade sexual nas ultimas quatro semanas, e as que não aceitaram participar da presente pesquisa.

27 ASPÉCTOS ÉTICOS O estudo teve seu projeto de pesquisa submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Santa Casa de Misericórdia do Pará. Após aprovação do CEP, sob o protocolo nº 006/2010/CEP (APÊNDICE III), e pela banca de pré-qualificação, com aprovação da orientadora Cibele Câmara (APÊNDICE II). De acordo com a Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde (2000), foi aplicado às participantes da pesquisa o Termo de Consentimento Livre Esclarecido TCLE (APENDICE I), para que assim todas as informações pertinentes à clientela em questão sejam preservadas no processo de análise, garantindo-se o sigilo absoluto assim como será mantida fidelidade dos dados coletados. 4.8 INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO No primeiro momento foi aplicado o questionário para a investigação das características socioeconômicas, incluindo a idade, o estado civil, a escolaridade, a ocupação, a história reprodutiva e escolha de parceiros (Anexo I) e quanto ao número de relações sexuais (CRUZ Marilu, 2009). O próximo instrumento que foi utilizado na pesquisa é o questionário Female Sexual Function Index (FSFI) (Anexo II) validado por Hentschel et al., (2007) é uma escala breve para avaliar a função sexual em mulheres. A escala tem avaliação psicométrica, incluindo estudos de confiabilidade, validade de convergência e de discriminação sendo um questionário desenvolvido para ser auto-aplicado, e que se propõe avaliar a resposta sexual feminina nos domínios (fases ou componentes da resposta sexual): desejo sexual, excitação sexual, lubrificação vaginal, orgasmo, satisfação sexual e dor. Para isso, são apresentadas dezenove questões que avaliam a função sexual nas últimas quatro semanas e apresentam escores em cada componente. Para cada questão existe um padrão de resposta. As opções de respostas recebem pontuação entre 0 a 5 de forma crescente em relação à presença da função questionada. Apenas nas questões sobre dor a pontuação é definida de forma invertida.

28 28 Tabela 1 Escores dos domínios do FSFI. Domínio Questão Variação do escore Fator Escore mínimo Escore máximo Desejo 1, 2, 1 5 0,6 1,2 6,0 Excitação 3, 4, 5, ,3 0 6,0 Lubrificação 7, 8, 9, ,3 0 6,0 Orgasmo 11, 12, ,4 0 6,0 Satisfação 14, 15, 16 0 (ou 1) 5* 0,4 0,8 6,0 Dor 17, 18, ,4 0 6,0 Escore total 2,0 36 *Variação para o item 14 = 0 5; variação para os itens 15 e 16 = MÉTODOS ESTATISTICO Os dados dos questionários foram processados em banco de dados, por meio do programa Microsoft Office Excel, versão 2007, da Microsoft Corporation e pelo programa SPSS 13.0 (Statistical package for social sciences). As variáveis de Idade da informante, Idade do parceiro e a Renda da informante, foram descritas através de medidas de mediana e desvio padrão. As variáveis de Tempo de relacionamento, Grau de instrução da informante, grau de instrução do parceiro, Freqüência do desejo sexual, Grau de desejo ou interesse sexual, Freqüência em atingir o orgasmo, Grau dificuldade em atingir o orgasmo, Grau de satisfação em atingir o orgasmo foram descritas através de medidas de freqüência, percentual, percentual válido e percentual cumulativo. Para avaliar as correlações dos escores do questionário FSFI com as questões do questionário Escolha de parceiros, foram utilizados os testes de correlação de Pearson e de Spearman com variáveis r = valor do escore de correlação(0 0,3), P = valor de significância(0,05), r 2 = quantidade da amostra que é explicada através da correlação.

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA GESTAÇÃO Cristina Bertochi 1 Alcy Aparecida Leite Souza 2 Daiane Morilha Rodrigues 3 INTRODUÇÃO A gravidez é um período de mudanças físicas e emocionais, que cada mulher vivência

Leia mais

Minha filha está ficando uma moça!

Minha filha está ficando uma moça! Minha filha está ficando uma moça! A UU L AL A O que faz as meninas se transformarem em mulheres? O que acontece com seu corpo? Em geral, todos nós, homens e mulheres, somos capazes de lembrar muito bem

Leia mais

CARTILHA DA GRÁVIDA 1

CARTILHA DA GRÁVIDA 1 CARTILHA DA GRÁVIDA 1 2 SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 PRIMEIROS SINTOMAS 5 ETAPAS DA GESTAÇÃO 6 IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL 8 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO À MÃE 9 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO AO BEBÊ 10 OBJETIVOS

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

A EXPRESSÃO DA SEXUALIDADE NO PERIODO GESTACIONAL¹

A EXPRESSÃO DA SEXUALIDADE NO PERIODO GESTACIONAL¹ A EXPRESSÃO DA SEXUALIDADE NO PERIODO GESTACIONAL¹ SOUTO, Danielle da Costa2; BRANDOLT, Catheline Rubim3; KRUEL, Cristina Saling4;TAVARES, Suyane Oliveira5; BITELBRON, Elaine Ramos6 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

CORPOMENTE E MOVIMENTO: A PRÁTICA DA FISIOTERAPIA E DA YOGA COMO PROMOÇÃO DE BEM-ESTAR EM GESTANTES

CORPOMENTE E MOVIMENTO: A PRÁTICA DA FISIOTERAPIA E DA YOGA COMO PROMOÇÃO DE BEM-ESTAR EM GESTANTES CORPOMENTE E MOVIMENTO: A PRÁTICA DA FISIOTERAPIA E DA YOGA COMO PROMOÇÃO DE BEM-ESTAR EM GESTANTES DUARTE 1, Myrna Deirdre Bezerra LEITE 2, Nathaly Santiago LIMA 3, Vânia Cristina Lucena MONTEIRO 4, Sthefany

Leia mais

SENSUALIDADE E SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA. Sexualidade X Sensualidade

SENSUALIDADE E SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA. Sexualidade X Sensualidade SENSUALIDADE E SEXUALIDADE NA ADOLESCÊNCIA A adolescência é uma fase de transição, mudança da infância para a vida adulta. Nesse momento acontecem várias modificações no corpo, surgem várias dúvidas, medo,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

12 e 13 semanas. Dia de ultrassom é sempre bom!

12 e 13 semanas. Dia de ultrassom é sempre bom! 12 e 13 semanas Dia de ultrassom é sempre bom! Agora com 12 semanas de gestação faremos um exame de ultrassonografia. Ver o bebê na barriga através da imagem me dá uma sensação de proximidade com ele.

Leia mais

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version

Create PDF with PDF4U. If you wish to remove this line, please click here to purchase the full version O CUIDAR DE ENFERMAGEM A PUERPERA APRESENTANDO DEPRESSÃO PÓS-PARTO HOLANDA, Eliane Rolim de ARAUJO, Tereza Lourença Matias de RIBEIRO, Francica Sanches Tavares SANTOS, Kamila Késsia Gomes dos SILVA, Gerson

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: Fisioterapia Uroginecológica e Obstetrica SÉRIE: 4º. Ano PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

REPERCUSSÕES DA GRAVIDEZ NO ORGANISMO MATERNO

REPERCUSSÕES DA GRAVIDEZ NO ORGANISMO MATERNO REPERCUSSÕES DA GRAVIDEZ NO ORGANISMO MATERNO São as alterações decorrentes da gravidez que ocorrem no organismo da mulher e que desaparecem após o parto. São alterações fisiológicas inevitáveis, temporárias

Leia mais

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS MÉTODOS CONTRACEPTIVOS 1. MÉTODOS COMPORTAMENTAIS Os métodos contraceptivos são utilizados por pessoas que têm vida sexual ativa e querem evitar uma gravidez. Além disso, alguns

Leia mais

Será que estou grávida?

Será que estou grávida? A UU L AL A Será que estou grávida? - Alzira tá diferente... Tá com a cara redonda, inchada. Está com cara de grávida! - Não sei o que eu tenho. Toda manhã acordo enjoada e vomitando. - A Neide engordou

Leia mais

O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO

O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO O QUE É SER MÃE ADOLESCENTE PELA PRIMEIRA VEZ? INTRODUÇÃO Esta investigação tem como enfoque o atendimento às gestantes adolescentes primigestas nas equipes de ESF. Visa conhecer o universo destas gestantes

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF- 213 CH

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: Uroginecologia e Obstetrícia SÉRIE: 3º. Ano PROFESSOR RESPONSÁVEL: Prof. Esp.

Leia mais

FAZER EXERCÍCIOS NA GRAVIDEZ PREJUDICA O BEBÊ? QUAIS TIPOS DE EXERCÍCIO SÃO INDICADOS?

FAZER EXERCÍCIOS NA GRAVIDEZ PREJUDICA O BEBÊ? QUAIS TIPOS DE EXERCÍCIO SÃO INDICADOS? A gestação é um período em que a mulher passa por diversas emoções e é natural surgirem dúvidas principalmente quando se trata do primeiro filho. Segundo o Ginecologista e Obstetra do Hospital e Maternidade

Leia mais

Saúde. Karina Fusco Especial para Metrópole especial.metropole@rac.com.br

Saúde. Karina Fusco Especial para Metrópole especial.metropole@rac.com.br Saúde Grávida de nada Problema real: ainda hoje existem mulheres que vivenciam uma gestação imaginária, inclusive com as transformações esperadas do corpo Karina Fusco Especial para Metrópole especial.metropole@rac.com.br

Leia mais

EESMO Carla de Medeiros EESMO Sandra Vilela Consulta de Obstetrícia

EESMO Carla de Medeiros EESMO Sandra Vilela Consulta de Obstetrícia Menina Grávida Gravidez na Adolescência EESMO Carla de Medeiros EESMO Sandra Vilela Consulta de Obstetrícia Conteúdos Breve caraterização da consulta O EESMO na Consulta Ser grávida adolescente Fatores

Leia mais

Abstinência sexual: acto de privar-se temporária ou permanentemente da actividade sexual.

Abstinência sexual: acto de privar-se temporária ou permanentemente da actividade sexual. Glossário A Abstinência sexual: acto de privar-se temporária ou permanentemente da actividade sexual. Afrodisíaco: substância que se acredita excitar o desejo sexual e aumentar a capacidade para a actividade

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DA HIDROTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DA GESTANTE RESUMO

A IMPORTÃNCIA DA HIDROTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DA GESTANTE RESUMO A IMPORTÃNCIA DA HIDROTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DA GESTANTE Bruna Raphaela Marques dos Santos - b_raphaela@hotmail.com Caroline Rossinoli - carolinerossinoli@hotmail.com Ana Claudia de Souza Costa -

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa?

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Menopausa é a parada de funcionamento dos ovários, ou seja, os ovários deixam

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO PERFIL GESTACIONAL DE PUERPERAS, PARA APLICAÇÃO ADEQUADA DA FISIOTERAPIA EM OBSTETRÍCIA

IMPORTÂNCIA DO PERFIL GESTACIONAL DE PUERPERAS, PARA APLICAÇÃO ADEQUADA DA FISIOTERAPIA EM OBSTETRÍCIA IMPORTÂNCIA DO PERFIL GESTACIONAL DE PUERPERAS, PARA APLICAÇÃO ADEQUADA DA FISIOTERAPIA EM OBSTETRÍCIA Introdução: KARINA OLIVEIRA MARTINHO, FERNANDA SILVA FRANCO, MEIRELE RODRIGUES GONÇALVES, ADELSON

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

CUIDADOS ESTÉTICOS PARA A GESTANTE

CUIDADOS ESTÉTICOS PARA A GESTANTE CUIDADOS ESTÉTICOS PARA A GESTANTE INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonati Hormônios da gravidez ESTROGÊNIO PROGESTERONA GONADOTROPINA CORIÔNICA PROLACTINA OCITOCINA PROSTAGLANDINA HORMÔNIO

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Enfermagem Professores: Aires Roberta Brandalise e Wanderléia Tragancin Período/ Fase: 6º Semestre:

Leia mais

VISÃO DO PAI FRENTE À AMAMENTAÇÃO: SEIO EROTICO OU SEIO MATERNAL

VISÃO DO PAI FRENTE À AMAMENTAÇÃO: SEIO EROTICO OU SEIO MATERNAL V Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 VISÃO DO PAI FRENTE À AMAMENTAÇÃO: SEIO EROTICO OU SEIO MATERNAL Janete Giuliane Tavares 1 ; Laís

Leia mais

O MITO DA VELHICE ASSEXUADA: A LIBIDO NA MULHER IDOSA

O MITO DA VELHICE ASSEXUADA: A LIBIDO NA MULHER IDOSA O MITO DA VELHICE ASSEXUADA: A LIBIDO NA MULHER IDOSA Amanda de Castro Menezes Dourado de Oliveira 1 Gabrielle Ferraz Rodrigues 2 Ana Paula Chancharulo 3 INTRODUÇÃO De acordo com a Organização Mundial

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin REPRODUÇÃO HUMANA Profª Fernanda Biazin Puberdade: período de transição do desenvolvimento humano, correspondente à passagem da fase da infância para adolescência. Alterações morfológicas e fisiológicas

Leia mais

Olivia Bernardes. Um guia prático para os primeiros cuidados com o bebê

Olivia Bernardes. Um guia prático para os primeiros cuidados com o bebê Olivia Bernardes Um guia prático para os primeiros cuidados com o bebê parte 1. Antes de o bebê nascer 1. Estou grávida. O que fazer agora? Quando você descobre que está grávida, a primeira reação é de

Leia mais

Perpetuando a vida - 1

Perpetuando a vida - 1 A U A UL LA Perpetuando a vida - 1 Atenção Exercícios Lineu chegou radiante à lanchonete. Finalmente tinha recebido a notícia do médico, a notícia que tanto esperava. Em vez do tradicional suco de laranja,

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (X

Leia mais

Motivações para se Tornar Sexualmente Ativo

Motivações para se Tornar Sexualmente Ativo Motivações para se Tornar Sexualmente Ativo Atividade Sexual Desejo de engravidar Sentir-se mulher ou homem Sentir-se desejável Intimidade / Cumplicidade Desejo de ter filho Expressão/ Afirmação Excitação/

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem à Saúde da Mulher Professor: Renata Fernandes do Nascimento Pré-requisito(s): ------ Carga

Leia mais

ENTENDENDO A. A adolescência é a fase da vida onde acontecem as maiores modificações no corpo, nos sentimentos e na forma de perceber as coisas.

ENTENDENDO A. A adolescência é a fase da vida onde acontecem as maiores modificações no corpo, nos sentimentos e na forma de perceber as coisas. ENTENDENDO A ADOLESCÊNCIA A adolescência é a fase da vida onde acontecem as maiores modificações no corpo, nos sentimentos e na forma de perceber as coisas. Ao mesmo tempo, aumentam as responsabilidades

Leia mais

DESVELANDO O CONHECIMENTO DAS GESTANTES PRIMIGESTAS SOBRE O PROCESSO GESTACIONAL

DESVELANDO O CONHECIMENTO DAS GESTANTES PRIMIGESTAS SOBRE O PROCESSO GESTACIONAL DESVELANDO O CONHECIMENTO DAS GESTANTES PRIMIGESTAS SOBRE O PROCESSO GESTACIONAL RESUMO Jéssica Pricila Zanon 1 Marlei Fátima Cezarotto Fiewski 2 Os cuidados profissionais têm reduzido a morbimortalidade

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Professor: João Paulo SISTEMA REPRODUTOR FEMININO É constituído por: uma vulva (genitália externa), uma vagina, um útero, duas tubas uterinas (ovidutos ou trompas de Falópio),

Leia mais

TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS

TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS TÍTULO: EFICÁCIA DO KINESIO-TAPING NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA EM GESTANTES: ESTUDO DE CASOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10

7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10 7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10 Tipos de reprodução Reprodução é a capacidade que os seres vivos têm de gerar descendentes da mesma espécie. A união dos gametas é chamada fecundação, ou fertilização,

Leia mais

Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA

Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA Olhar fisiológico, patológico e funcional da SEXOLOGIA CLÍNICA FEMININA E MASCULINA SEXOLOGIA CLÍNICA Rafaela Prado M. Fleury Fisioterapeuta em Urologia, Ginecologia, Obstetrícia e recuperação pós retirada

Leia mais

MENOPAUSA TERAPIA HORMONAL - TRH UMA CONQUISTA DA MULHER MODERNA - CONHEÇA UM POUCO MAIS!

MENOPAUSA TERAPIA HORMONAL - TRH UMA CONQUISTA DA MULHER MODERNA - CONHEÇA UM POUCO MAIS! MENOPAUSA TERAPIA HORMONAL - TRH UMA CONQUISTA DA MULHER MODERNA - CONHEÇA UM POUCO MAIS! A expectativa de vida de homens e mulheres está aumentando por diversos fatores, principalmente aos avanços da

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM I Código: ENF - 209 Pré-requisito:

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF- 213 CH

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo

Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo Promoção da qualidade de vida através de psicoterapia breve de grupo PSICOTERAPIA Categoria: GRUPO Categoria: Custos administrativos e operacionais Área: Medicina Preventiva - Programa Viver Bem Responsáveis:

Leia mais

A Resiliência e a Imagem Corporal de Adolescentes e Adultos com Mielomeningocele

A Resiliência e a Imagem Corporal de Adolescentes e Adultos com Mielomeningocele A Resiliência e a Imagem Corporal de Adolescentes e Adultos com Mielomeningocele Catusso, R, Campana, ANNB, Tavares, MCGCF A mielomeningocele (MM) é uma má formação congênita aberta do tudo neural, sendo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA PROGRAMA DE INTERNATO EM GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA - 10º Período Corpo docente: Coordenação Obstetrícia: Glaucio

Leia mais

PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM

PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM PARTO NORMAL: A NATUREZA SE ENCARREGA, MAMÃE E BEBÊ AGRADECEM Hospital Materno Infantil Público Tia Dedé *Merielle Barbosa Lobo São nove meses de expectativa e durante a gestação a barriga cresce e a mãe

Leia mais

AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL!

AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL! AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL! Um guia para usar o Método de Ovulação AMAMENTAÇÃO Billings durante QUE a amamentação COISA NATURAL DE SE FAZER! Julyanne White, SRN AMAMENTAÇÃO A ESCOLHA NATURAL! Amamentação

Leia mais

Sexualidade e Câncer de Mama

Sexualidade e Câncer de Mama Sexualidade e Câncer de Mama LÚCIO FLAVO DALRI GINECOLOGIA MASTOLOGIA CIRURGIA PÉLVICA MÉDICO EM RIO DO SUL - SC PRESIDENTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MASTOLOGIA REGIONAL DE SC CHEFE DO SERVIÇO DE MASTOLOGIA

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF- 213 CH

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I

RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I Lorenna Martins da Silva 1 ; José Gerley Díaz Castro 2 ; Renata Junqueira

Leia mais

PLANO DE CURSO 2. EMENTA:

PLANO DE CURSO 2. EMENTA: PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Enfermagem Disciplina: ENFERMAGEM OBSTÉTRICA E NEONATAL Professor: Renata Fernandes do Nascimento Código: Carga Horária: 80 H Créditos: 05 Preceptoria: 20H

Leia mais

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE).

REGRA PARA CÁLCULO DE DPP ( REGRA DE NAGELE). PRIMEIRA CONSULTA DE PRÉ NATAL. HISTÓRIA: Entrevista (nome, idade, procedência, estado civil, endereço e profissão) História familiar de problemas de saúde. História clínica da gestante. História obstétrica.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO PSICO-SÓCIO-DEMOGRÁFICA DA PREVALÊNCIA DE GESTANTES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS

CARACTERIZAÇÃO PSICO-SÓCIO-DEMOGRÁFICA DA PREVALÊNCIA DE GESTANTES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 CARACTERIZAÇÃO PSICO-SÓCIO-DEMOGRÁFICA DA PREVALÊNCIA DE GESTANTES COM SINTOMAS DEPRESSIVOS Eliane

Leia mais

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS.

AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO DE OCORRÊNCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. Ângela Mari Rauth 1, Arlinda Jesus Sampaio¹,

Leia mais

AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com.

AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com. MESA 4 AS TRANSIÇÕES FEMININAS DA PUBERDADE E DA MENOPAUSA: ASPECTOS CLÍNICOS E DE PESQUISA Coordenadora: Carmen Lúcia Souza (USP) clucia@uol.com.br Relatores: Carmen Lúcia Souza Izilda Malta Torres Ruth

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 001/CT/2014 Assunto: Solicitação de parecer sobre a legalidade da realização por profissional Enfermeiro de administração da medicação Misoprostol via vaginal. I - Do Fato Trata-se

Leia mais

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS CARACTERÍSTICAS DA AMOSTRA DIFERENÇAS NAS PONTUAÇÕES DE OTIMISMO CORRELATOS DE OTIMISMO PREDITORES DE QVRS DISCUSSÃO

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA UM RISCO À SAÚDE

GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA UM RISCO À SAÚDE GRAVIDEZ NA ADOLESCENCIA UM RISCO À SAÚDE Adriane Ortiz Condé Kreozer 1 Ana Maria Martins 2 Cleonice Cristina Candido 3 Ética e Direitos Humanos INTRODUÇÃO A adolescência é um período de muitas mudanças

Leia mais

ORIENTAÇÃO NA GESTAÇÃO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA DEPRESSÃO PÓS-PARTO

ORIENTAÇÃO NA GESTAÇÃO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA DEPRESSÃO PÓS-PARTO ORIENTAÇÃO NA GESTAÇÃO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PREVENÇÃO DA DEPRESSÃO PÓS-PARTO Ana Paula Fernandes de Lima Juliana Bianchi Neida Garcia Marizete Pollnow Rodrigues Cláudia Galvão Mazoni RESUMO Pesquisas

Leia mais

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004)

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Flikweert S, Wieringa-de Waard M, Meijer LJ, De Jonge A, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

2. METODOLOGIA. Este é um estudo quantitativo, descritivo-explicativo, analítico, de corte transversal.

2. METODOLOGIA. Este é um estudo quantitativo, descritivo-explicativo, analítico, de corte transversal. 2. METODOLOGIA 2.1 TIPO DE PESQUISA Este é um estudo quantitativo, descritivo-explicativo, analítico, de corte transversal. 2.2 CÁLCULO DA AMOSTRA Para o cálculo do tamanho amostral considerou-se uma proporção

Leia mais

Conteúdo: - Puberdade e adolescência: A maturidade sexual - Os sistemas genitais masculinos e femininos - O que é menstruação CIÊNCIAS DA NATUREZA

Conteúdo: - Puberdade e adolescência: A maturidade sexual - Os sistemas genitais masculinos e femininos - O que é menstruação CIÊNCIAS DA NATUREZA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo: - Puberdade e adolescência: A maturidade sexual - Os sistemas genitais masculinos e femininos - O que é menstruação 2 CONTEÚDO E HABILIDADES

Leia mais

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO O método pilates é um trabalho que se baseia em exercícios de força e mobilidade utilizando para tal técnicas e exercícios específicos. Este método permite

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Enfermagem Obstétrica e Neonatal Professor: Renata Fernandes do Nascimento Código: SAU57 Carga Horária: 100h (Teoria:

Leia mais

PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL

PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL NIKKEL, FRANCIELLE TAMARA 1 GEHRING, LETÍCIA BARROS 2 LEMOS,

Leia mais

MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE A Fertilidade é o termo empregado para categorizar a capacidade de produzir vida. Ao longo do tempo o Homem tem vindo a demonstrar interesse em controlá-la, arranjando para isso

Leia mais

24 Afecções do útero, Trompas e Ovários: 25 - Cervites. 26 - Câncer. 27 - Endometriose. 28 - Metropatias não infecciosas. 29 - Fibroma.

24 Afecções do útero, Trompas e Ovários: 25 - Cervites. 26 - Câncer. 27 - Endometriose. 28 - Metropatias não infecciosas. 29 - Fibroma. SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesu@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NA ATENÇÃO AO CÂNCER: DESAFIOS PARA OS TÉCNICOS DE ENFERMAGEM ESPECIALIZAÇÃO DO TÉCNICO

Leia mais

Olá a todos! Atenciosamente, Justus. Ter visão e não agir é sonhar acordado. Agir sem ter visão é um pesadelo.

Olá a todos! Atenciosamente, Justus. Ter visão e não agir é sonhar acordado. Agir sem ter visão é um pesadelo. Olá a todos! Envio uma apresentação a que assisti em Nova Iorque no mês passado feita por Katie Douglas e Gal Mayer do Callen-Lorde Community Health Center (Centro Comunitário de Saúde Callen-Lorde). Acredito

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Graduação em Enfermagem Disciplina: Cuidar de Enfermagem em Saúde da Mulher Carga Horária: Teórica: 75h Pratica: 60 h Total: 135 h Semestre: 2013.1 Professor:

Leia mais

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/ XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br/ CASO CLÍNICO IDENTIFICAÇÃO: S.A.B. Sexo feminino. 28 anos. CASO CLÍNICO ENTRADA

Leia mais

Questionário de Dados Sociais Demográficos e Obstétricos

Questionário de Dados Sociais Demográficos e Obstétricos Nome: Questionário de Dados Sociais Demográficos e Obstétricos I. Dados Demográficos 1 Idade: 2 Profissão: 3 - Profissão do Companheiro 4 Está empregada Desempregada 5 - O seu companheiro está empregado

Leia mais

A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO RESUMO

A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO RESUMO A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO Bruna de Moraes Perseguim - bruna_kimi@yahoo.com.br Fernanda Aline de Alencar - fernandinha24_aline@hotmail.com Ana Cláudia

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA: FECUNDAÇÃO

REPRODUÇÃO HUMANA: FECUNDAÇÃO Autores: Priscila Mayumi Kashiwabara Ana Beatriz Vitiritti Débora Frigi Rodrigues Dimitson Ferreira de Oliveira Elisama Silva de Oliveira Márcio Moreno REPRODUÇÃO HUMANA: FECUNDAÇÃO Contexto: Esta aula

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃOCARLOS Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:: Sem

Leia mais

ALTERAÇÕES POSTURAIS EM GESTANTES E SUAS INFLUÊNCIAS NA BIOMECÂNICA DA COLUNA

ALTERAÇÕES POSTURAIS EM GESTANTES E SUAS INFLUÊNCIAS NA BIOMECÂNICA DA COLUNA ALTERAÇÕES POSTURAIS EM GESTANTES E SUAS INFLUÊNCIAS NA BIOMECÂNICA DA COLUNA DALLA NORA, Daniel; PETTER, Gustavo do Nascimento; SANTOS, Tarciso Silva dos; PIVETTA; Hedioneia Maria Foletto; BRAZ, Melissa

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

A gerente de marketing Luna Weyel, 28, realizou automassagem durante a gestação de seu filho Davi, que nasceu no último dia 5

A gerente de marketing Luna Weyel, 28, realizou automassagem durante a gestação de seu filho Davi, que nasceu no último dia 5 Page 1 of 5! IARA BIDERMAN colaboração para a Folha de S.Paulo A gravidez é, sem dúvida, um momento muito especial, mas tem lá os seus desconfortos. Mesmo quando tudo está dentro do programa, em termos

Leia mais

DA MULHER Manual prático para viver com saúde os melhores anos da vida

DA MULHER Manual prático para viver com saúde os melhores anos da vida Dr. JOSÉ BENTO Médico ginecologista e obstetra A MELHOR IDADE DA MULHER Manual prático para viver com saúde os melhores anos da vida Sumário Apresentação... 7 Introdução... 11 Capítulo 1 Um corpo de mudanças...

Leia mais

ANAMNESE. Você tem uma Religião? SIM NÃO

ANAMNESE. Você tem uma Religião? SIM NÃO ANAMNESE INFORMAÇÕES GERAIS Nome: Data de Nascimento: Altura: m. Peso: Kg. Seu peso varia? SIM NÃO Caso sim, em quanto? Você tem um médico da família? SIM NÃO Se sim, qual o seu nome e como contatá-lo?

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

Os princípios gerais são os mesmo da Semiologia, embora, sob o ponto de vista obstétrico, inúmero particularidades são evidenciadas.

Os princípios gerais são os mesmo da Semiologia, embora, sob o ponto de vista obstétrico, inúmero particularidades são evidenciadas. PROPEDÊUTICA DA GRAVIDEZ. ANAMNESE E EXAME FÍSICO. Os princípios gerais são os mesmo da Semiologia, embora, sob o ponto de vista obstétrico, inúmero particularidades são evidenciadas. Identificação. -

Leia mais

Exercícios e bem estar na gestação

Exercícios e bem estar na gestação na gestação Sete motivos para você exercitar-se durante a gravidez. Aumente sua energia. Melhore a qualidade do seu sono. Reduza o desconforto. Prepare-se para a chegada do bebe. Reduza a ansiedade. Melhore

Leia mais

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br Hipogonadismo O que é Hipogonadismo? Hipogonadismo é uma doença na qual as gônadas (testículos nos homens e ovários nas mulheres) não produzem quantidades adequadas de hormônios sexuais, como a testosterona

Leia mais

Urgência Psicológica em Gestantes com Hiperêmese Gravídica que Desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov i

Urgência Psicológica em Gestantes com Hiperêmese Gravídica que Desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov i Urgência Psicológica em Gestantes com Hiperêmese Gravídica que Desenvolveram Síndrome de Wernicke-Korsakov i Marcia Ferreira Amendola Patrícia Mara Danan ii OBJETIVO O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM URGÊNCIA E

Leia mais

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ - CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ No início de cada ciclo menstrual (primeiro dia do fluxo menstrual), a hipófise anterior lança no sangue feminino o FSH (hormônio folículo-estimulante),

Leia mais

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno 1 Ter uma política de aleitamento materno escrita, que seja rotineiramente transmitida a toda a equipe de cuidados da saúde. 2 Capacitar toda equipe de

Leia mais

CAMPANHA PARTO NORMAL. Parto Normal. Deixe a vida acontecer naturalmente.

CAMPANHA PARTO NORMAL. Parto Normal. Deixe a vida acontecer naturalmente. CAMPANHA PARTO NORMAL Parto Normal. Deixe a vida acontecer naturalmente. Cenário Dados fornecidos à ANS pelas empresas que comercializam planos de assistência à saúde demonstram que a proporção de cesarianas

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

Atividade Física Adaptada à Gestação

Atividade Física Adaptada à Gestação Atividade Física Adaptada à Gestação Atividade Física Adaptada à Gestação A única certeza que se tem é a de que nós, profissionais que vamos trabalhar com gestantes, devemos proporcionar a elas uma atividade

Leia mais