Matosinhos Câmara Municipal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Matosinhos Câmara Municipal"

Transcrição

1 Matosinhos Câmara Municipal RESPOSTAS SOCIAIS

2

3 O que é: Resposta social, desenvolvida em equipamento, de apoio a actividades sócio-recreativas e culturais, organizadas e dinamizadas com participação activa das pessoas idosas de uma comunidade. Objectivos: - Prevenir a solidão e o isolamento; - Incentivar a participação e potenciar a inclusão social; - Fomentar as relações interpessoais e intergeracionais; - Contribuir para retardar ou evitar a institucionalização. CENTRO DE CONVÍVIO Destinatários: - Pessoas residentes numa determinada comunidade, prioritariamente com 65 e mais anos. Localização aproximada CUSTÓIAS Centro Social e Cultural de Custóias GUIFÕES ASDG - Associação Social e de Desenvolvimento de Guifões CCSSG - Centro Cultural de Solidariedade Social de Guifões LAVRA Centro Social Padre Ramos LEÇA DA PALMEIRA ATI - Amigos da Terceira Idade de Leça da Palmeira Associação de Amigos Aposentados de Leça da Palmeira LEÇA DO BALIO APAM - Associação de Pescadores Aposentados de Matosinhos Centro de Convívio da Terceira Idade de Matosinhos Irmandade da Santa Casa da Misericórdia do Bom Jesus de Matosinhos PERAFITA Centro Social Paroquial Padre Ângelo Ferreira Pinto SANTA CRUZ DO BISPO Centro de Convívio de Dia da Terceira Idade de Santa Cruz do Bispo Centro Social Paroquial de Santa Cruz do Bispo SÃO MAMEDE DE INFESTA CATI - Centro de Apoio à Terceira Idade de São Mamede de Infesta CIVAS - Centro de Infância Velhice e Acção Social da Senhora da Hora

4 O que é: Resposta social, desenvolvida em equipamento, que presta um conjunto de serviços que contribuem para a manutenção das pessoas idosas no seu meio sócio-familiar. CENTRO DE DIA Objectivos: - Proporcionar serviços adequados à satisfação das necessidades dos utentes - Contribuir para a estabilização ou retardamento das consequências nefastas do envelhecimento; - Prestar apoio psicossocial; - Fomentar relações interpessoais e intergeracionais; - Favorecer a permanência da pessoa idosa no seu meio habitual de vida; - Retardar ou evitar a institucionalização - Contribuir para a prevenção de situações de dependência, promovendo a autonomia. Destinatários: - Pessoas que necessitem dos serviços prestados pelo Centro de Dia, prioritariamente pessoas com 65 e mais anos. CUSTÓIAS Centro Social e Cultural de Custóias GUIFÕES ASDG - Associação Social e de Desenvolvimento de Guifões CCSSG - Centro Cultural de Solidariedade Social de Guifões LAVRA Centro Social Padre Ramos LEÇA DA PALMEIRA ATI - Amigos da Terceira Idade de Leça da Palmeira LEÇA DO BALIO Centro Social Paroquial do Padrão da Légua O Lar do Comércio Associação Baptista Ágape APAM - Associação de Pescadores Aposentados de Matosinhos PERAFITA AASP - Associação de Apoio Social de Perafita Centro Social Paroquial Padre Ângelo Ferreira Pinto SANTA CRUZ DO BISPO Centro Social Paroquial de Santa Cruz do Bispo SÃO MAMEDE DE INFESTA CATI - Centro de Apoio à Terceira Idade de São Mamede de Infesta Localização aproximada CIVAS - Centro de Infância Velhice e Acção Social da Senhora da Hora

5 SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO O que é: Resposta social, desenvolvida a partir de um equipamento, que consiste na prestação de cuidados individualizados e personalizados, no domicílio, a indivíduos e famílias quando, por motivo de doença, deficiência ou outro impedimento, não possam assegurar temporária ou permanentemente, a satisfação das necessidades básicas e/ou as actividades da vida diária. Objectivos: - Contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos indivíduos e famílias; - Garantir a prestação de cuidados de ordem física e apoio psicossocial a indivíduos e famílias, de modo a contribuir para seu equilíbrio e bemestar; - Apoiar os indivíduos e famílias na satisfação das necessidades básicas e actividades da vida diária; - Criar condições que permitam preservar e incentivar as relações interfamiliares; - Colaborar e/ou assegurar o acesso à prestação de cuidados de saúde; Localização aproximada - Contribuir para retardar ou evitar a institucionalização; - Prevenir situações de dependência, promovendo a autonomia. Destinatários: - Indivíduos e famílias, prioritariamente, pessoas idosas, pessoas com deficiência, pessoas em situação de dependência. CUSTÓIAS Centro Social e Cultural de Custóias GUIFÕES ASDG - Associação Social e de Desenvolvimento de Guifões LAVRA Centro Social Padre Ramos LEÇA DO BALIO Centro Social Paroquial do Padrão da Légua O Lar do Comércio Associação Baptista Ágape APAM - Associação de Pescadores Aposentados de Matosinhos Cruz Vermelha Portuguesa Núcleo de Matosinhos PERAFITA AASP - Associação de Apoio Social de Perafita SANTA CRUZ DO BISPO Centro Social Paroquial de Santa Cruz do Bispo SÃO MAMEDE DE INFESTA CATI - Centro de Apoio à Terceira Idade de São Mamede de Infesta CIVAS - Centro de Infância Velhice e Acção Social da Senhora da Hora

6 APOIO DOMICILIÁRIO INTEGRADO O que é: Resposta que se concretiza através de um conjunto de acções e cuidados pluridisciplinares, flexíveis, abrangentes, acessíveis e articulados, de apoio social e de saúde, a prestar no domicílio, durante vinte e quatro horas por dia e sete dias por semana. Resposta de intervenção integrada - Segurança Social / Saúde, a adequar em função da rede de cuidados continuados integrados. Objectivos: - Contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos indivíduos e famílias; - Garantir a prestação de cuidados de ordem física e apoio psicossocial a indivíduos e famílias, de modo a contribuir para seu equilíbrio e bem-estar; - Apoiar os indivíduos e famílias na satisfação das necessidades básicas e actividades da vida diária; - Criar condições que permitam preservar e incentivar as relações inter-familiares; - Colaborar e/ou assegurar o acesso à prestação de cuidados de saúde; - Contribuir para retardar ou evitar a institucionalização; - Prevenir situações de dependência, promovendo a autonomia. Localização aproximada Destinatários: - Pessoas em situação de dependência e suas famílias. LEÇA DO BALIO Associação Baptista Ágape PERAFITA AASP - Associação de Apoio Social de Perafita CIVAS - Centro de Infância Velhice e Acção Social da Senhora da Hora

7 LAR DE IDOSOS O que é: Resposta social, desenvolvida em equipamento, destinada a alojamento colectivo, de utilização temporária ou permanente, para pessoas idosas ou outras em situação de maior risco de perda de independência e/ou de autonomia. Objectivos: - Acolher pessoas idosas, ou outras, cuja situação social, familiar, económica e /ou de saúde, não lhes permite permanecer no seu meio habitual de vida; - Assegurar a prestação dos cuidados adequados à satisfação das necessidades, tendo em vista a manutenção da autonomia e independência; - Proporcionar alojamento temporário, como forma de apoio à família; - Criar condições que permitam preservar e incentivar a relação inter-familiar; - Encaminhar e acompanhar as pessoas idosas para soluções adequadas à sua situação. Localização aproximada Destinatários: - Pessoas de 65 e mais anos ou de idade inferior em condições excepcionais, a considerar caso a caso. LAVRA Centro Social Padre Ramos LEÇA DO BALIO Centro Social Paroquial do Padrão da Légua O Lar do Comércio APAM - Associação de Pescadores Aposentados de Matosinhos Lar de Sant Ana SANTA CRUZ DO BISPO Centro Social Paroquial de Santa Cruz do Bispo SÃO MAMEDE DE INFESTA CATI - Centro de Apoio à Terceira Idade de São Mamede de Infesta Associação de Solidariedade Social Betesda Esperança e Vida

8 PERAFITACONTACTOS DAS INSTITUIÇÕES CUSTÓIAS Centro Social e Cultural de Custóias Morada Rua de Teixeira Lopes, 1015 cave Código Postal Custóias Telefone Fax GUIFÕES ASDG - Associação Social e de Desenvolvimento de Guifões Morada Avenida do Doutor Joaquim Neves dos Santos, 1143 Código Postal Guifões Telefone Fax CCSSG - Centro Cultural de Solidariedade Social de Guifões Morada Rua da Lomba, Código Postal Guifões Telefone Fax LAVRA Centro Social Padre Ramos Morada Largo do Doutor Fernando Hora Aroso, Código Postal Lavra Telefone Fax LEÇA DA PALMEIRA ATI - Amigos da Terceira Idade de Leça da Palmeira Morada Avenida do Doutor Fernando Aroso, 355 Apartado 74 Código Postal Leça da Palmeira Telefone Fax Associação de Amigos Aposentados de Leça da Palmeira Morada Rua do Corpo Santo, 60 Código Postal Leça da Palmeira LEÇA Telefone DA PALMEIRA Fax

9 LEÇA DO BALIO Morada Rua do Padre Velho Barbosa, s/ n.º Código Postal Leça do Balio Telefone Fax Centro Social Paroquial do Padrão da Légua Morada Travessa do Padre Manuel Bernardes Código Postal Leça do Balio Telefone Fax O Lar do Comércio Morada Rua do Catassol - Apartado 2055 Código Postal Leça do Balio Telefone Fax Associação Baptista Ágape Morada Rua das Austrálias, 174 Código Postal Matosinhos Telefone Fax APAM - Associação de Pescadores Aposentados de Matosinhos Morada Rua do Doutor Filipe Coelho, 44 Código Postal Matosinhos Telefone Fax Centro de Convívio da Terceira Idade de Matosinhos Morada Rua de Augusto Gomes, 313 Código Postal Matosinhos Telefone Fax Cruz Vermelha Portuguesa Núcleo de Matosinhos Morada Rua do Conde de Alto Mearim, 385-2º Código Postal Matosinhos Telefone Fax nmatosinhosruzvermelha.org.pt Irmandade da Santa Casa da Misericórdia do Bom Jesus de Matosinhos Morada Avenida de D. Afonso Henriques, 365 Código Postal Matosinhos Telefone Fax Lar de Sant Ana Morada Avenida de D. Afonso Henriques, 443 Código Postal Matosinhos Telefone Fax

10 PERAFITA AASP - Associação de Apoio Social de Perafita Morada Praceta das Farrapas, 250 Código Postal Perafita Telefone Fax Centro Social Paroquial Padre Ângelo Ferreira Pinto Morada Largo da Igreja Código Postal Perafita Telefone Fax SANTA CRUZ DO BISPO Centro de Convívio de Dia da Terceira Idade de Santa Cruz do Bispo Morada Rua de Gonçalves Zarco Vila Lia Código Postal Santa Cruz do Bispo Telefone Fax Centro Social Paroquial de Santa Cruz do Bispo Morada Rua do Padre António Rocha Reis, 95 Código Postal Santa Cruz do Bispo Telefone Fax SÃO MAMEDE DE INFESTA CATI - Centro de Apoio à Terceira Idade de São Mamede de Infesta Morada Rua da Igreja Velha (Parque Público) Código Postal São Mamede de Infesta Telefone Fax CIVAS - Centro de Infância Velhice e Acção Social da Senhora da Hora Morada Avenida da Empresa Fabril do Norte, 717 Código Postal Senhora da Hora Telefone Fax Associação de Solidariedade Social Betesda Esperança e Vida Morada Rua do Senhor, 688 Código Postal Senhora da Hora Telefone Fax

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO

APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO CENTRO SOCIAL DE GUARDIZELA GUIMARÃES CONCURSO SISTEMA DE IDENTIDADE CENTRO SOCIAL DE GUARDIZELA APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO GUARDIZELA MARÇO 2012 Pag.1 1 QÊM SOMOS O Centro Social de Guardizela é uma

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário Porto, 2015 Índice Introdução 2 Serviço de Apoio Domiciliário SAD 3 Princípios/regras

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A "CASA DE REPOUSO JARDIM DO ÉDEN" 1. Preâmbulo

PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A CASA DE REPOUSO JARDIM DO ÉDEN 1. Preâmbulo PROTOCOLO ENTRE O EXÉRCITO PORTUGUÊS E A "CASA DE REPOUSO JARDIM DO ÉDEN" 1. Preâmbulo A celebração do presente protocolo tem como objectivo assegurar aos militares e aos trabalhadores do mapa de pessoal

Leia mais

Respostas Sociais. Nomenclaturas e Conceitos

Respostas Sociais. Nomenclaturas e Conceitos Respostas ociais Nomenclaturas e Conceitos 2014 Ficha Técnica Título: Respostas ociais Nomenclaturas e Conceitos Editor: ecretaria Regional da olidariedade ocial Direção Regional da olidariedade ocial

Leia mais

Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS)/Entidades sem fins lucrativos, segundo as valências

Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS)/Entidades sem fins lucrativos, segundo as valências Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS)/Entidades sem fins lucrativos, segundo as valências Valência Instituição Freguesia Creche Jardim-de-infância Centro de Dia Lar de Idosos Serviço

Leia mais

Comissão de Proteção de Crianças e Jovens Matosinhos

Comissão de Proteção de Crianças e Jovens Matosinhos Comissão de Proteção de Crianças e Jovens Matosinhos Relatório Anual de Atividades 2013 1. Caracterização Processual Tabela 1: Volume Processual Global - Ano 2013 Volume Processual Global Instaurados 580

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1.1: Equipamentos Sociais no Contexto Distrital Parte 6.1.1 Equipamentos sociais no contexto distrital (Carta social / Reapn - Bragança) Apresentam-se seguidamente

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas com Deficiência

Leia mais

ANEXO 1 Análise educacional por Agrupamento e por freguesia

ANEXO 1 Análise educacional por Agrupamento e por freguesia ANEXOS Página 1 ANEXO 1 Análise educacional por Agrupamento e por freguesia Como já foi afirmado anteriormente, a actual gestão do sistema público de educação pré-escolar e do ensino básico tem como unidade

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições O que é uma instituição? Estabelecimento de utilidade pública, organização ou fundação Organização

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

guia de recursos I equipamentos sociais

guia de recursos I equipamentos sociais I santo tirso câmara municipal santo tirso câmara municipal O trabalho em rede que o tecido institucional do nosso concelho tem vindo a preconizar implica um conhecimento profundo da realidade social.

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas Idosas (N35J V4.10) PROPRIEDADE

Leia mais

Guia de Recursos Sociais do Município da Maia

Guia de Recursos Sociais do Município da Maia GUIA DE RECURSOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DA MAIA Atualizado em março de 2016 Estimado(a) Maiato(a), O GUIA DE RECURSOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DA MAIA pretende ser um instrumento fundamental ao dispor de todos

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Natureza) Art.º - 1º - O Centro de Infância, Velhice e Acção Social da Senhora da Hora (CIVAS) é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Respostas Sociais. nomenclaturas/conceitos

Respostas Sociais. nomenclaturas/conceitos SEGURANÇA SOCIAL Respostas Sociais Lisboa, 2006 Ficha Técnica Título: Respostas Sociais - Nomenclaturas/Conceitos Grupo de Trabalho: DGSSFC Ana Maria Chichorro (coordenação) Cesarina Marques Sofia Palacin

Leia mais

Serviços de Apoio Domiciliário

Serviços de Apoio Domiciliário Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Catarina de Jesus Bonfim Sofia Mercês Veiga Serviços de Apoio Domiciliário (Condições de implantação, localização, instalação

Leia mais

Cap. I Disposições Gerais

Cap. I Disposições Gerais 1 Cap. I Disposições Gerais Art.º 1 Âmbito de Aplicação 1. A Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim é uma Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos, cujos estatutos se encontram

Leia mais

PROTOCOLO CELEBRADO ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE MATOSINHOS E A MATOSINHOSHABIT - MH

PROTOCOLO CELEBRADO ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE MATOSINHOS E A MATOSINHOSHABIT - MH PROTOCOLO CELEBRADO ENTRE A CÂMARA MUNICIPAL DE MATOSINHOS E A MATOSINHOSHABIT - MH Considerando que na sequência das deliberações da Câmara Municipal e Assembleia Municipal, de acordo com o n.º1 do artº

Leia mais

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Casa Nossa Senhora de Fátima Regulamento Interno APOIO DOMICILIÁRIO 2013 Regulamento Interno HISTÓRIA: Assistência Paroquial de Santos-o-Velho é uma Instituição

Leia mais

Centro de Dia. Direcção-Geral da Acção Social. Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação. Catarina Bonfim Maria Eugénia Saraiva

Centro de Dia. Direcção-Geral da Acção Social. Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação. Catarina Bonfim Maria Eugénia Saraiva Direcção-Geral da Acção Social Núcleo de Documentação Técnica e Divulgação Catarina Bonfim Maria Eugénia Saraiva Centro de Dia (Condições de localização, instalação e funcionamento) Lisboa, Dezembro de

Leia mais

CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL

CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL CONSTRANGIMENTOS DOS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS NA ADMISSÃO DE PESSOAS IDOSAS DO FORO MENTAL Associação Amigos da Grande Idade Inovação e Desenvolvimento Posição Institucional 1 LARES DE IDOSOS Desde inicio

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

Rácios de pessoal para Estrutura Residencial para Pessoas Idosas

Rácios de pessoal para Estrutura Residencial para Pessoas Idosas Área dos Idosos Rácios de pessoal para Serviço de Apoio Domiciliário Portaria nº38/2013, 30 de janeiro Número de Percentagem de Diretor técnico a) 1 50% 60 a) Diretor técnico pode ser comum às restantes

Leia mais

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2010

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2010 72 Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP), Ministério da Solidariedade e da Segurança Social (MSSS) CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS 2010 Coordenação do GEP / MSSS E-mail: cartasocial@gep.msss.gov.pt

Leia mais

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carla Ribeirinho Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Lisboa, 10 de Maio de 2012 Desafios e oportunidades Crescimento em massa da população idosa. Adopção de medidas que visem minorar situações

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO):

GRUPO DE TRABALHO: GRUPO DE TRABALHO (ALTERAÇÃO): GRUPO DE TRABALHO: ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE VALE DA PEDRA PAULA FERREIRA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL ANA OLIVEIRA ASSOCIAÇÃO OPERAÇÃO SAMARITANO CARINA CRENA CÂMARA MUNICIPAL DO CARTAXO

Leia mais

Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO

Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO ARTº 1º (Natureza) A resposta social Serviço de Apoio Domiciliário é uma resposta social desenvolvida

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia Parte 6.1 Equipamentos sociais e respostas da acção por freguesia Acção Social A acção social é um

Leia mais

Classificação e Cadastro dos Caminhos Públicos do Município de Oliveira de Azeméis

Classificação e Cadastro dos Caminhos Públicos do Município de Oliveira de Azeméis Classificação e Cadastro dos Caminhos Públicos do Município de Oliveira de Azeméis Freguesia de Fajões Maio 2011 Índice Capa Listagem Planta da Freguesia. Listagem dos Caminhos 1 Listagem dos arruamentos

Leia mais

CARTA ABERTA DO VOLUNTARIADO OURIQUE 2012

CARTA ABERTA DO VOLUNTARIADO OURIQUE 2012 CARTA ABERTA DO VOLUNTARIADO OURIQUE 2012 Vindos a Ourique no passado dia 14 de Abril de 2012, no âmbito do Encontro Distrital de Voluntariado, promovido pelo ORIKA-TE Contrato Local de Desenvolvimento

Leia mais

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL

Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL Lar, Centro Dia, SAD, Centro Convívio, Creche, Jardim Infância, ATL 1 Sendo uma IPSS, que: Não tem fins lucrativos; Fornece serviços para melhorar a qualidade de vida dos clientes; Os lucros, se houverem,

Leia mais

associ@ar Directório das Associações do Concelho de Matosinhos www.cm-matosinhos.pt/associar

associ@ar Directório das Associações do Concelho de Matosinhos www.cm-matosinhos.pt/associar associ@ar Directório das Associações do Concelho de Matosinhos www.cm-matosinhos.pt/associar 2 Chegou ao Directório de Associações do concelho de Matosinhos. Ao folhear estas páginas, encontrará todas

Leia mais

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção

Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010. Conselho Local de Acção Social de Monção. Conselho Local de Acção Social de Monção Plano de Acção de 2011 Plano de Acção de 2010 Conselho Local de Acção Social de Monção Conselho Local de Acção Social de Monção CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE MONÇÃO Actualmente a Rede Social de Monção

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

CONCELHO DE VILA DO CONDE FREGUESIAS Arcos Árvore Aveleda Azurara Bagunte Canidelo Fajozes Ferreiró Fornelo Gião Guilhabreu Junqueira Labruge Macieira da Maia Malta Mindelo Modivas Mosteiró Outeiro Maior

Leia mais

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO Entidade Actividade a Desenvolver Freguesia Público Alvo Santa Casa da Misericórdia de - Elaboração de cabazes e distribuição dos bens do Banco Alimentar (no armazém da Santa Casa). População em geral

Leia mais

Misericórdia em Movimento Distribuição Gratuita

Misericórdia em Movimento Distribuição Gratuita EDIÇÃO Nº 01 Julho Agosto Setembro 2012 Boletim Informativo Distribuição Gratuita FICHA TÉCNICA Redação: Mesa Administrativa e colaboradores Periodicidade: Trimestral Impressão: Gráfica Santiago Lda Tiragem:

Leia mais

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL

ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL ENVELHECIMENTO SAUDÁVEL 1. ENVELHECIMENTO ACTIVO A Organização Mundial da Saúde e a Comissão da União Europeia consideram de grande importância todas as medidas, políticas e práticas, que contribuam para

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO PREÂMBULO A Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere possui acordo de cooperação para a resposta social de Serviço de Apoio Domiciliário, celebrado

Leia mais

APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Porto 30-01-2008

APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Porto 30-01-2008 APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS Porto 30-01-2008 AGENDA AS MARCAS DO POPH I INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS CANDIDATURAS II III I AS MARCAS DO POPH AS MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE CASTELO DE VIDE ACTA Nº. 4 Ao dia nove de Setembro do ano dois mil e nove, nesta Vila de Castelo de Vide, reuniu na Biblioteca Municipal pelas 10,00 horas, o Conselho

Leia mais

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS Artigo 1º 1. A Associação Pomba da Paz I.P.S.S. é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, registada na Direcção de Acção Social da Segurança Social, cujos

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO Artigo 1º CAPÍTULO I Disposições Gerais Âmbito O Centro Social Paroquial de Oeiras é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com cariz

Leia mais

Processo de insolvência n.º 380/12.5 TYVNG 1º Juízo Insolvente: COOPERATIVA DE CONSTRUÇÃO REALIDADE, C.R.L. Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia

Processo de insolvência n.º 380/12.5 TYVNG 1º Juízo Insolvente: COOPERATIVA DE CONSTRUÇÃO REALIDADE, C.R.L. Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia Processo de insolvência n.º 380/12.5 TYVNG 1º Juízo Insolvente: COOPERATIVA DE CONSTRUÇÃO REALIDADE, C.R.L. Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia AUTO DE RECEPÇÃO E ABERTURA DE PROPOSTAS ------No seguimento

Leia mais

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE 2014 Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE MANIFESTO E COMPROMISSO DA CNIS IPSS AMIGAS DO ENVELHECIMENTO ATIVO As modificações significativas

Leia mais

A PENSAR EM SI. MONTEPIO RESIDÊNCIAS. Serviços de Saúde

A PENSAR EM SI. MONTEPIO RESIDÊNCIAS. Serviços de Saúde A PENSAR EM SI. MONTEPIO RESIDÊNCIAS Serviços de Saúde Residência Montepio Breiner, cidade do Porto. COMO SOU ASSOCIADA DO MONTEPIO TENHO CONDIÇÕES ESPECIAIS. MAS, QUALQUER PESSOA PODE ESCOLHER VIVER NO

Leia mais

Mais seguro, mais futuro!

Mais seguro, mais futuro! LISTA B PROGRAMA DA LISTA B MAIS PARTICIPAÇÃO, MELHOR DEMOCRACIA Mais seguro, mais futuro! A presente lista de candidatos aos órgãos do sindicato, quer pela sua constituição, quer pela sua filosofia de

Leia mais

GUIA PRÁTICO CONSTITUIÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL

GUIA PRÁTICO CONSTITUIÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL GUIA PRÁTICO CONSTITUIÇÃO DE INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Constituição

Leia mais

Freguesia da Luz. NOME INÍCIO FIM FREGUESIA AVENIDA DOS PESCADORES Rua da Praia Largo da República Luz

Freguesia da Luz. NOME INÍCIO FIM FREGUESIA AVENIDA DOS PESCADORES Rua da Praia Largo da República Luz NOME INÍCIO FIM FREGUESIA AVENIDA DOS PESCADORES Rua da Praia Largo da República AVENIDA INFANTE D. HENRIQUE Rotunda da Estrada Municipal nº 105 Estrada Municipal nº 135 BECO ANÍBAL LÚCIO DE AZEVEDO Rua

Leia mais

CARTA SOCIAL CONCELHO DE VILA DO PORTO LEVANTAMENTO DA REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS EXISTENTES NO CONCELHO DE VILA DO PORTO

CARTA SOCIAL CONCELHO DE VILA DO PORTO LEVANTAMENTO DA REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS EXISTENTES NO CONCELHO DE VILA DO PORTO CARTA SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO PORTO LEVANTAMENTO DA REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS EXISTENTES NO CONCELHO DE VILA DO PORTO ILHA DE SANTA MARIA, AÇORES MUNICÍPIO DE VILA DO PORTO Serviço

Leia mais

Castelo de Vide ACTA Nº. 1/2009

Castelo de Vide ACTA Nº. 1/2009 ACTA Nº. 1/2009 Reunião do Núcleo Executivo do Conselho Local de Acção Social de Castelo de Vide, realizada no dia três de Fevereiro de dois mil e nove - - - - Aos três dias do mês de Fevereiro do ano

Leia mais

beneficiando da localização privilegiada do equipamento. Número de utentes: Lar 30 utentes Número de postos de trabalho a criar: 22

beneficiando da localização privilegiada do equipamento. Número de utentes: Lar 30 utentes Número de postos de trabalho a criar: 22 CASA DE SARRAZOLA Caracterização do imóvel: Edificação datada dos anos sessenta do séc. XIX, com cerca de 313 m2 de área coberta e 1638 m2 de quintal, doada a esta Misericórdia pela senhora drª Glória

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I NATUREZA E FINS ARTIGO 1º Definição 1. O Centro de Dia, situado na Quinta das Acácias, é uma das respostas sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira

Leia mais

Projecto de Apoio ao

Projecto de Apoio ao Projecto de Apoio ao O Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro presta serviços dedicados a crianças e idosos, promovendo igualmente o apoio ao emprego e o auxílio a famílias carenciadas. O Centro

Leia mais

Entidades Promotoras de Voluntariado Lourinhã

Entidades Promotoras de Voluntariado Lourinhã Entidades Promotoras de Voluntariado Câmara Municipal da Casa do Povo da Casa Pia de Lisboa Centro Social e Paroquial da ADAPECIL Associação Juvenil Tá a Mexer GEAL Junta de Freguesia de Ribamar LOURAMBI

Leia mais

Empreendedorismo Social: estudo de caso da Delegação da Cruz Vermelha de Valença. Prof. Dra. Helena Santos-Rodrigues (PhD)

Empreendedorismo Social: estudo de caso da Delegação da Cruz Vermelha de Valença. Prof. Dra. Helena Santos-Rodrigues (PhD) Empreendedorismo Social: estudo de caso da Delegação da Cruz Vermelha de Valença Prof. Dra. Helena Santos-Rodrigues (PhD) EMPREENDEDORISMO SOCIAL Segundo o Instituto de Empreendedorismo Social (2011) é:

Leia mais

Anexos. Anexos. Plano de Desenvolvimento Social do Concelho do Sabugal

Anexos. Anexos. Plano de Desenvolvimento Social do Concelho do Sabugal Anexos Plano de Desenvolvimento Social do Concelho do 110 ANEXO I CLAS do - Associação A. S. C. os Vilaboenses (Vila Boa) - Associação Cristã Paz e Bem - Associação Cultural, Desportiva e Humanitária de

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

ORDEM DO DIA. ------- A Câmara Municipal deliberou, por unanimidade, aprovar as actas apresentadas. ---------------------------

ORDEM DO DIA. ------- A Câmara Municipal deliberou, por unanimidade, aprovar as actas apresentadas. --------------------------- ------------------------------------------------------------------- ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA --------------------------------------------------------------------MUNICIPAL REALIZADA A ONZE DE

Leia mais

GUIA DE RECURSOS DO CONCELHO

GUIA DE RECURSOS DO CONCELHO GUIA DE RECURSOS DO CONCELHO Câmara Municipal do Peso da Régua Telefone: 254 320230 E-mail: cmregua@cmpr.pt Site: www.cm-pesoregua.pt Departamento de Acção Social e Cultural Telefone: 254 320230 E-mail:

Leia mais

FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO. Instituto da Segurança Social I.P. e Câmara Municipal competente.

FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO. Instituto da Segurança Social I.P. e Câmara Municipal competente. O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 88101/88102 SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO

Leia mais

Rede Social Plano de Ação 2015

Rede Social Plano de Ação 2015 Rede Social Plano de Ação 2015 1 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do Bispo PLANO DE AÇÃO 2015 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA

Leia mais

Técnicas de Animação em Geriatria Valor I Pessoas, Consultoria Empresarial, Lda. Rigor nos compromissos. Excelência nos processos.

Técnicas de Animação em Geriatria Valor I Pessoas, Consultoria Empresarial, Lda. Rigor nos compromissos. Excelência nos processos. Técnicas de Animação em Geriatria Valor I Pessoas, Consultoria Empresarial, Lda Rigor nos compromissos. Excelência nos processos. Técnicas de Animação em Geriatria Envelhecer é melhor se feito com mais

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO»

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» JULHO 2015 ÍNDICE ÍNDICE... 2 CAPÍTULO I... 3 Disposições Gerais... 3 Artigo 1º (Definição Legal)... 3 Artigo 2º (Objectivos do Lar de Sant ana - Matosinhos)...

Leia mais

PROGRAMA INTEGRADO DE REGENERAÇÃO DA CIDADE DE ÁGUEDA REGENERAÇÃO URBANA DA CIDADE DE ÁGUEDA OS PROJECTOS QUE VÃO MARCAR A TRANSFORMAÇÃO DA CIDADE

PROGRAMA INTEGRADO DE REGENERAÇÃO DA CIDADE DE ÁGUEDA REGENERAÇÃO URBANA DA CIDADE DE ÁGUEDA OS PROJECTOS QUE VÃO MARCAR A TRANSFORMAÇÃO DA CIDADE PROGRAMA INTEGRADO DE REGENERAÇÃO DA CIDADE DE ÁGUEDA REGENERAÇÃO URBANA DA CIDADE DE ÁGUEDA OS PROJECTOS QUE VÃO MARCAR A TRANSFORMAÇÃO DA CIDADE ÁGUEDA: A INDÚSTRIA E A CIDADE AO SERVIÇO DA INOVAÇÃO

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se à resposta social Equipa de Intervenção Directa (EID) resposta social dirigida à população toxicodependente, da Unidade de Apoio a Toxicodependentes e Seropositivos

Leia mais

Palmela Rede Social. Recursos da Rede Social Palmela

Palmela Rede Social. Recursos da Rede Social Palmela Palmela Rede Social Recursos da Rede Social Palmela Junho de 2011 1 I Nota introdutória A Rede Social Palmela é actualmente composta por associações, escolas, juntas de freguesia, instituições particulares

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

NORMAS DO CONCURSO CONCELHIO EM MATOSINHOS, ESTUDAR É ACERTAR

NORMAS DO CONCURSO CONCELHIO EM MATOSINHOS, ESTUDAR É ACERTAR NORMAS DO CONCURSO CONCELHIO EM MATOSINHOS, ESTUDAR É ACERTAR O concurso Em Matosinhos, estudar é acertar está integrado no projeto concelhio Em terra de Mar, alunos a criar que resulta do trabalho colaborativo

Leia mais

Instituições Particulares de Solidariedade Social ou equiparadas, respetivas valências, capacidade e frequência, por ilha e concelho - Açores - 2011

Instituições Particulares de Solidariedade Social ou equiparadas, respetivas valências, capacidade e frequência, por ilha e concelho - Açores - 2011 Instituições Particulares de Solidariedade Social ou equiparadas, respetivas valências, capacidade e frequência, por ilha e concelho - Açores - 2011 IlHA CONCELHO INSTITUIÇÃO SERVIÇO/EQUIPAMENTO CAP. FREQ.

Leia mais

Regulamento Interno Para lar de Idosos

Regulamento Interno Para lar de Idosos Regulamento Interno Para lar de Idosos CAPITULO I DA NATUREZA/FINS E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo Iº O Lar da Associação Humanitária de Salreu é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, cujos

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO IRMANDADE DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO Regulamento Interno para o Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA O VOLUNTARIADO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2012

PLANO DE ATIVIDADES 2012 PROMOÇÃO DA CIDADANIA SÉNIOR Grupo de trabalho pessoas idosas, envelhecimento e intergeracionalidade PLANO DE ATIVIDADES 2012 Peniche Certos de que estamos perante um dos desafios mais relevantes do século

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se:

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se: I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397 Assim, determina-se: 1. A taxa a que se refere o n.º 2 da cláusula 5.ª dos anexos I, II e III do Despacho Normativo n.º 89/98, de 26 de Março bem como do Anexo I do Despacho

Leia mais

Regulamento Apoio Domiciliário. Serviço de Apoio Domiciliário. Centro Social e Paroquial de Santa Eufémia

Regulamento Apoio Domiciliário. Serviço de Apoio Domiciliário. Centro Social e Paroquial de Santa Eufémia Serviço de Apoio Domiciliário Capitulo I Natureza e conceito Art.º 1º O Apoio Domiciliário é uma resposta social, que consiste na prestação, de um conjunto de serviços personalizados no domicilio das pessoas

Leia mais

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL Medida 3.1 - Diversificação da economia e criação de emprego Objectivos : - Promover

Leia mais

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO

BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO 1/5 BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SINTRA APRESENTAÇÃO DE PROJECTO POR ORGANIZAÇÃO REGº SM Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra Solicito a inserção do presente projecto no Banco Local de Voluntariado

Leia mais

Regulamento Interno da Resposta Social de Centro de Dia

Regulamento Interno da Resposta Social de Centro de Dia Regulamento Interno da Resposta Data: 6 de Maio de 2014 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. O Centro Social Paroquial de S. Domingos de Rana, designado por CSPSDR é uma Instituição

Leia mais

1 Apresentação... 3. 2 - Resenha Histórica... 4. 3 - Objetivos... 5. 4 - Entidades envolvidas... 5. 5 - Planificação das atividades...

1 Apresentação... 3. 2 - Resenha Histórica... 4. 3 - Objetivos... 5. 4 - Entidades envolvidas... 5. 5 - Planificação das atividades... Projeto ÁGUA É VIDA Índice 1 Apresentação... 3 2 - Resenha Histórica... 4 3 - Objetivos... 5 4 - Entidades envolvidas... 5 5 - Planificação das atividades... 5 6 - Orçamento... 6 7 - Conclusão... 6 Página

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE CADAVAL 75 Anos ao Serviço da Comunidade 1930-2005

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE CADAVAL 75 Anos ao Serviço da Comunidade 1930-2005 INDICE Introdução.....2 CAPÍTULO I Descrição, localização e Admissão...4 CAPÍTULO II Serviços...5 CAPÍTULO III Funcionamento...6 CAPÍTULO IV Comparticipações, Pagamentos e Cessação...6 CAPÍTULO V Direitos

Leia mais

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO

PAREDES DE COURA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Após a elaboração do Plano de Desenvolvimento Social, definindo as linhas orientadoras de intervenção social até ao final de 2009, procedemos agora à formulação de um Plano de Acção para esse

Leia mais

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições.

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições. 1. No dia 4 de Dezembro, a União Distrital de Santarém em parceria com Segurança Social, levou a efeito o ultimo dos 5 encontros realizados em várias zonas do distrito, sobre o tema "Encontros de Partilha",

Leia mais

Decreto Regulamentar n.º 1/2006de 25 de Janeiro

Decreto Regulamentar n.º 1/2006de 25 de Janeiro Decreto Regulamentar n.º 1/2006de 25 de Janeiro A actual fase de desenvolvimento da rede pública de casas de apoio para mulheres vítimas de violência, criada pela Lei n.º 107/99, de 3 de Agosto, e os cinco

Leia mais

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos 1.º Congresso Nacional da Ordem dos Psicólogos 18 a 21 abril 2012 Luísa Ribeiro Trigo*,

Leia mais

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Trajectórias de envelhecimento Após os 65 anos de idade a estimulação cognitiva diminui significativamente. A diminuição da estimulação desencadeia/agrava o declínio

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

Índice. Sub-Capa...3 Plano de Atividades...4 Conta de Exploração Previsional. 8 Orçamento de Ivestimentos... 9 Memória Justificativa...

Índice. Sub-Capa...3 Plano de Atividades...4 Conta de Exploração Previsional. 8 Orçamento de Ivestimentos... 9 Memória Justificativa... CONTA DE EXPLORAÇÃO PREVISIONAL E ORÇAMENTO DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO SOCIAL DE 2015 Índice Sub-Capa.....3 Plano de Atividades...4 Conta de Exploração Previsional. 8 Orçamento de Ivestimentos... 9 Memória

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais