Desenvolvimento de uma Rede de Protecção Social em São Tomé e Príncipe Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento de uma Rede de Protecção Social em São Tomé e Príncipe Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe"

Transcrição

1 Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Desenvolvimento de uma Rede de Protecção Social em São Tomé e Príncipe Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe Sede da Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe Parceria Acordo de Parceiros de Entidade Coordenadora São Tomé e Príncipe Gabinete para a Cooperação do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal Instituto Nacional de Segurança Social do Ministério do Trabalho, Emprego, Solidariedade, Mulher e Família de São Tomé e Príncipe Gabinete de Estudos, Cooperação e Solidariedade do Ministério do Trabalho, Emprego, Solidariedade, Mulher e Família de São Tomé e Príncipe Centro de Formação Profissional de São Tomé e Príncipe Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição Cruz Vermelha de São Tomé e Príncipe Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria (Claretianos) Leigos para o Desenvolvimento Associação para a Reinserção de Crianças Abandonadas e em Situação de Risco - ARCAR Diocese de São Tomé e Príncipe Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe 1

2 Este Projecto desenvolve-se através de 6 Subprojectos e tem por objectivo contribuir para a criação e para o fortalecimento de uma Rede Social alargada, apoiando e dignificando as populações mais carenciadas de São Tomé e Príncipe e usufruindo da Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe como parceiro estratégico no terreno. População carenciada de São Tomé e Príncipe Data de início Setembro de 1999 Subprojecto 1 Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe São Tomé e Príncipe Entidade executora Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe Para além dos objectivos directamente relacionados com as diferentes componentes que integra, o Subprojecto visa contribuir para o reforço institucional da Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe, quer melhorando a sua capacidade organizativa, quer apoiando o desenvolvimento de processos de criação de receitas que garantam a sustentabilidade da Instituição e do Subprojecto. Componente 1 Lar D. Simoa Godinho (Cidade de S.Tomé) Lar D. Simoa Godinho Pavilhão de Acamados Artesanato produzido pelos Beneficiários 2

3 Cidade de São Tomé O Lar tem como objectivo o atendimento e acolhimento de idosos cuja situação bio-psico-social se encontra degradada e que não conseguem encontrar resposta aos seus problemas dentro do seu meio familiar e social. Idosos carenciados Inaugurado em 1972, encontra-se sob a gestão da Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe desde Novembro de A partir do ano 1999 passou a ser financiado pelo Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal. Actualmente, o Lar tem capacidade para albergar 91 idosos em regime de internato, entre eles 16 acamados, e dispõe de um serviço de atendimento nocturno. Em 2005, foi concluída a construção de três armazéns, com o objectivo de armazenar os produtos necessários para o funcionamento de todos os Projectos sob a gestão da Santa Casa da Misericórdia, destacando-se o armazém do frio que permite a conservação dos produtos alimentares. Foram instalados termoacumuladores nas residências dos idosos, permitindo-lhes melhores condições de higiene. A área sociocultural foi dinamizada através do apoio prestado por uma educadora social e implementaram-se novas actividades, tais como a realização de vários tipos de produtos artesanais (vassouras, mantas de retalhos, tapetes..etc) que são comercializados na Componente 14 Ossobô EcoSocial. Através de um Protocolo estabelecido entre a Santa Casa da Misericórdia e o Hospital Aires de Meneses, contou-se com a colaboração de uma nutricionista na implementação de novas ementas e na execução de um programa informatizado de gestão de stocks. Este protocolo visa, ainda, a isenção do pagamento de consultas e exames aos idosos, a redução de 30% nos exames e consultas dos funcionários e a utilização da ambulância, morgue e câmara frigorífica com redução de preços. As casas de banho foram remodeladas, com a instalação de equipamento de segurança, e adquiriram-se ventoínhas para o refeitório e gabinete do director. No âmbito da parceria estabelecida com o Centro de Formação Profissional de São Tomé e Príncipe (Budo Budo), merece especial destaque a finalização da frequência dos cursos de Geriatria (medida qualificação para emprego), de Acção Educativa (medida aperfeiçoamento profissional) e de Jardinagem. Data início

4 Componente 2 Lar de São Francisco (Cidade das Neves) Cidade das Neves Dotar um Distrito afastado da Capital e sem qualquer estrutura de apoio à terceira idade com um Equipamento vocacionado para a terceira idade. Idosos carenciados Lar de S. Francisco (Neves) Este Equipamento, que é gerido pelas Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição, tem capacidade para 20 idosos residentes e 20 em regime de Centro de Dia. São ainda distribuídos mensalmente bens alimentares (cabazes) a cerca de 50 idosos, contando esta acção com o apoio dos idosos e da Componente 15 Juvecórdia. Este ano foram implementadas novas actividades socioculturais, tais como a confecção de produtos artesanais (vassouras e croché) e trabalhos de costura, este últimos confeccionados no Centro de Costura Mãe Clara. Todos estes produtos são comercializados na Componente 14 Ossobô EcoSocial. No âmbito da parceria estabelecida com o Centro de Formação Profissional de São Tomé e Príncipe (Budo Budo), dois funcionários do Lar concluíram o curso de formação profissional na área da Geriatria (medida de qualificação para o emprego). Adquiriu-se ainda um gerador para colmatar as constantes falhas de energia e uma máquina de lavar semi-industrial e fizeram-se algumas obras de melhoramento do Lar (arranjo do refeitório e infiltrações no telhado, reparação e construção de alguns equipamentos). Data início Agosto de

5 Componente 3 Reabilitação de Residências para Idosos (Já concluída) Componente 4 Carta Social de São Tomé e Príncipe (Já concluída) Componente 5 Ajudas Técnicas na área da saúde Desenvolver um programa de concessão de ajudas técnicas à população portadora de deficiências físicas nomeadamente, cadeiras de rodas e canadianas. População portadora de deficiências físicas Em 2006 foram financiados os encargos com um contentor, contendo equipamento diverso para apoio a deficientes (cadeiras de rodas e canadianas). Após um contacto prévio com o Departamento da Acção Social do Instituto Nacional de Segurança Social, onde foram fornecidas listagens das necessidades sentidas nos vários distritos, seleccionaram-se, para se proceder à distribuição deste material, os distritos de Cauê (Sul) e de Pague (Príncipe). Priorizaram-se também as Componentes e Sub-Projectos apoiados pela Santa Casa bem como o Hospital Dr. Aires de Meneses por se tratar de uma entidade parceira com grandes necessidades nesta área. Data início 2002 Componente 6 Sede da Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe Sede da Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe (Vista parcial) Cidade de São Tomé 5

6 Visa o apoio ao funcionamento e reforço institucional da Santa Casa da Misericórdia, essenciais numa óptica de sustentabilidade futura do Projecto. A Sede da Santa Casa da Misericórdia foi inaugurada em 2004, após reabilitação de um edifício emblemático da cidade, cedido pelo Governo Santomense para o efeito. Aquela estrutura deve permitir à Santa Casa da Misericórdia criar receitas, através do arrendamento dos 5 espaços de escritório, sendo que quatro estão arrendados ao Banco Internacional de São Tomé e Príncipe (BISTP) e um está afecto à Componente 14 Ossobô EcoSocial. A taxa de ocupação dos 3 apartamentos existentes neste edifício também aumentou, verificando-se uma boa frequência de ocupantes que vão desde parceiros da instituição, voluntários, colaboradores e apoiantes. A Santa Casa contou com o apoio de 11 voluntários estrangeiros que desenvolveram durante o ano os seus programas de voluntariado nos projectos apoiados pela Santa Casa, em áreas como a psicologia, educação de infância e farmacologia. Data início Outubro de 2002 Componente 7 Centro de Dia Padre Silva (Ribeira Afonso) Centro de Dia Padre Silva (Ribeira Afonso) Ribeira Afonso Este Equipamento da Santa Casa da Misericórdia, situado em Ribeira Afonso e gerido em parceria com a Diocese de São Tomé e Príncipe, através da Paróquia local, foi construído com o objectivo de assegurar a alimentação diária, acompanhamento médico e lazer, a cerca de 50 idosos carentes da zona sul do país. 6

7 Idosos carentes da Zona Sul do país Centro de Dia Padre Silva - Beneficiários O Centro de Dia iniciou, a título experimental, as suas actividades no dia 10 de Julho de 2003, tendo sido inaugurado no dia 6 de Novembro do mesmo ano. Este equipamento proporciona aos utentes que frequentam o Centro de Dia duas refeições diárias, pequeno almoço e almoço, bem como aos idosos que se encontram acamados em casa (cerca de 10). Dispõe ainda de uma distribuição mensal de bens alimentares ao domicílio a cerca de 36 idosos do distrito de Cantagalo. Quinzenalmente são realizadas consultas médicas aos beneficiários, incluindo os acamados. Implementaram-se novas actividades socioculturais através da criação de um grupo de danças e cantares que actua em convívios e festas populares e da realização de produtos artesanais que são comercializados na Componente 14 Ossobô EcoSocial. No âmbito da colaboração com o Centro de Formação Profissional de São Tomé e Príncipe (Budo Budo), o Centro recebeu este ano uma estagiária do curso Apoio à Família e à Comunidade, tendo o estágio terminado em Junho. Os dois funcionários que integraram o curso de Geriatria (medida Qualificação para o emprego) e Acção Educativa (medida aperfeiçoamento profissional) também terminaram este ano as respectivas formações. Adquiriu-se um gerador para colmatar as constantes falhas de energia e material informático que permitiu uma maior organização documental. Data início

8 Componente 8 Centro de Dia de Santo António do Príncipe Cidade de Santo António do Príncipe Esta Componente apresenta como objectivo a construção de uma valência para a terceira idade na cidade de Santo António, na Região Autónoma do Príncipe e de um Pólo do Centro de Formação Profissional de São Tomé e Príncipe (Budo Budo). Idosos carenciados da Região Autónoma do Príncipe Jovens da Região Autónoma do Príncipe Terreno do Príncipe Foi elaborado o Projecto de Arquitectura e Especialidades do Centro de Dia e adjudicada a obra à empresa CONSTEP. Foi estabelecido um acordo entre a Santa Casa da Misericórdia e o Governo Regional da Ilha do Príncipe, para remoção da sucata existente no terreno. A 1ª fase dos trabalhos de construção (Centro de Dia) encontrase na fase de conclusão, estando previsto: (i) a organização e estruturação do modelo de funcionamento e gestão do Centro de Dia; (ii) a assinatura de um Protocolo de colaboração entre a Santa Casa da Misericórdia e Ministério do Trabalho, Solidariedade, Mulher e Família de STP; (iii) a assinatura de um Protocolo de parceria com o Governo Regional da Ilha do Príncipe; (iv) a realização do Projecto de Arquitectura e Especialidades do Pólo do Centro de Formação de São Tomé e Príncipe (Budo Budo); (v) a celebração de um Acordo de Gestão entre a Santa Casa da Misericórdia e o Centro de Formação Profissional de São Tomé e Príncipe. Data início

9 Componente 9 Formação em Oficinas Tradicionais Ribeira Afonso O objectivo desta Componente é apoiar a melhoria das condições de trabalho em determinadas oficinas, nas quais os Mestres tradicionais transmitem parte do seu saber a jovens aprendizes, esperando-se, desta forma, melhorar o processo de capacitação destes. Jovens aprendizes de Ribeira Afonso No primeiro ano, a oficina seleccionada foi a do Senhor Augusto Trajano. Mestre com longa tradição na formação de carpinteiros da localidade de Ribeira Afonso, acolhe na sua oficina cerca de 19 jovens de famílias muito carenciadas. No âmbito deste apoio, as condições da oficina foram melhoradas através da aquisição de alguns equipamentos específicos, sendo também fornecidos kits de ferramentas a cada formando. Para melhorar as condições de trabalho, construíram-se 10 novas bancadas e uma cobertura de modo a que os jovens possam trabalhar mesmo quando as condições climatéricas não forem favoráveis. Como se verificou que os formandos não sabiam efectuar cálculos e medições, contratou-se um professor que periodicamente lhes vai dar aulas, elevando assim o nível de escolaridade e qualificação e, consequentemente, a qualidade dos produtos e a rapidez nas entregas. Data início 2004 Componente 10 Unidade de exploração agrícola - Palmar Cidade de São Tomé Através do desenvolvimento de uma pequena exploração agrícola, com cerca de 4 hectares, visa-se contribuir para o abastecimento de produtos alimentares dos Equipamentos da Santa Casa da Misericórdia. Por outro lado, pretende ser um espaço de lazer e de convívio para todos os beneficiários desta instituição. População beneficiária dos Equipamentos da Santa Casa da Misericórdia Implementou-se o modelo de funcionamento, tendo havido este ano uma alteração a nível dos recursos humanos: contratouse um técnico agrícola possibilitando um apoio mais especializado, uma maior supervisão das actividades e a 9

10 existência de um elemento que fizesse a mediação entre a Sede e os trabalhadores. Por outro lado, contrataram-se 4 novos funcionários a tempo integral (3 trabalhadores agrícolas e 1 guarda nocturno). Relativamente à área agrícola, foi realizado um novo investimento com a plantação de uma maior quantidade e diversidade de culturas (malagueta, tomate, maracujá, pimentão, beringela, chá, etc.) e árvores de fruto (mamoeiros, bananeiras, anoneiras, mandioqueiras, etc.). A criação de animais (aves, porcos, cabras, ovelhas e galinhas) foi outra das actividades realizadas, agora com a colaboração de uma técnica da Direcção da Pecuária. Toda a produção é vendida para a Componente 1 Lar D.Simoa Godinho que a absorve internamente na sua totalidade. As obras realizadas consistiram na construção de um novo galinheiro, um estábulo para cabras e ovelhas, uma canoa para fazer óleo de palma e no melhoramento de uma cozinha externa. Prevê-se a construção de um tanque de água e a instalação de luz eléctrica na exploração. Culturas agrícolas - PALMAR Data início 2004 Componente 11 Fundo de Medicamentos da Polícia Nacional O Protocolo assinado entre a Santa Casa da Misericórdia e a Polícia Nacional de São Tomé e Príncipe tem como objectivo a assistência na área da saúde à Polícia Nacional, através do fornecimento de medicamentos, consumíveis de laboratório e equipamentos. Agentes do Corpo da Polícia Nacional e seus familiares Tem decorrido com a periodicidade prevista (bimensal) a entrega de medicamentos. 10

11 No âmbito da parceria e após a saída da empresa de segurança que prestava serviço na Sede da Santa Casa, a Policia Nacional assegurou este serviço até ser encontrada uma nova resposta. Data início 2004 Componente 12 Desenvolvimento Sociocomunitário de Mé-Zochi Distrito de Mé-Zochi Esta Componente visa contribuir para a criação e fortalecimento de uma rede social alargada com vista ao apoio e dignificação da comunidade. As principais actividades são: apoio à rede de saúde básica infantil, promoção do sector educacional, apoio à inserção comunitária juvenil e promoção de emprego/inserção na vida activa. Beneficiários (Mé-Zochi) Crianças e jovens Relativamente à comunidade infanto-juvenil, em 2006 as actividades de promoção no sector sócio-educativo (animação lúdico-pedagógicas, estimulação cognitiva e desenvolvimento pessoal) passaram a ser desenvolvidas semanalmente nas localidades de São Nicolau, Novo Destino, Monte Macaco e Nova Moca. Estas actividades contaram com a participação de dois grupos de jovens animadores orientados por uma educadora social: jovens da Madalena Juvelena (São Nicolau, Novo Destino); jovens da Madre de Deus (Monte Macaco e Nova Moca). Foi inaugurado, em 2006, o Centro Juvenil na Madalena, essencialmente destinado a crianças e jovens desta vila. Este pretende ser um espaço de ocupação de tempos livres e de formação/sensibilização dos jovens e da comunidade. Neste Centro foi também inaugurado um Ciberespaço, com 5 computadores ligados à Internet, combatendo desta forma a 11

12 infoexclusão. Esta actividade teve a colaboração da CST (Companhia Sãotomense de Telecomunicações), que disponibilizou gratuitamente as linhas de Internet. Relativamente à biblioteca, já criada anteriormente, esta continuou com as suas actividades: criação de hábitos de leitura, realização de jogos lúdico-pedagógicos. Esta Componente apoiou, ainda, um grupo de 35 estudantes do sistema nocturno, assegurando o transporte da cidade para as suas residências (Trindade, Monte Café e Madalena) uma vez que a falta de transporte constitui um grande bloqueio no acesso à educação. No âmbito da saúde básica infantil, realizaram-se visitas regulares de uma equipa constituída por um médico e um enfermeiro às comunidades carenciadas localizadas nas roças visadas nesta Componente (incluindo fornecimento gratuito de medicamentos). Foram ainda efectuadas acções de sensibilização aos pais sobre cuidados básicos de limpeza/higiene e prevenção de doenças (paludismo, cólera, diarreias, etc.). Tendo como preocupação capacitar, melhorar as intervenções e aumentar a qualidade do trabalho, 6 animadores frequentaram um curso de Animadores Socioculturais, promovido pelo Centro de Formação Profissional de São Tomé e Príncipe (Budo-Budo). O Projecto Mé-Zochi, aproveitando as deslocações diárias a S. Tomé, Trindade e Madalena, continuou a realizar a recolha semanal de vidros, em parceria com a Componente 14 Ossobô EcoSocial, estreitando a parceria e rentabilizando os recursos existentes. Data início Outubro de 2002 Componente 13 Centro de Desenvolvimento Comunitário Quinta de Santo António Cidade de São Tomé No âmbito desta Componente encontra-se previsto o apoio à construção, equipamento e funcionamento de um Centro de Dia, pretendendo dar apoio à população mais carenciada da cidade de São Tomé. Idosos carenciados de São Tomé Foi efectuado o Projecto de Arquitectura e Especialidades do Centro de Dia. Logo que possível, irá iniciar-se o processo de lançamento de concurso para a adjudicação da empreitada. Prevê-se ainda a celebração de um Protocolo de Parceria entre a Santa Casa da Misericórdia e os Missionários Claretianos, definindo as responsabilidades de cada parte no funcionamento e na gestão do Equipamento. Data início

13 Componente 14 Ossobô EcoSocial (Promoção de actividades locais) Esta Componente apresenta-se como uma unidade de inserção económica, associada à Santa Casa da Misericórdia, que visa a criação de emprego, a comercialização de produtos da terra, a melhoria da qualidade desses produtos e dos níveis de educação e preservação ambiental. A realização destes objectivos assenta num conjunto variado de actividades como a criação da marca Ossobô EcoSocial, a aposta na publicidade e no marketing, a organização de canais de distribuição, a criação de uma unidade de embalagem e confecção de produtos alimentares, bem como numa unidade de reciclagem e tratamento de resíduos. Artesãos locais, jovens Este projecto continuou a sua acção com a venda ao público, através da loja Ossobô e dos espaços de venda exteriores (Hotel Club Santana, Pestana Equador). Realizou-se, em 2006, uma formação em Design e Inovação para os artesãos que colaboram com o Ossobô, a que se deu o nome de Projecto SEED2006 e teve como principais objectivos: criação de peças inovadoras, aumento da qualidade dos produtos, extensão do artesanato a novas aplicações, criação de mais emprego, contextualização do artesanato sãotomense no mercado internacional. No fim da formação realizou-se uma exposição no Centro Cultural Português e posteriormente iniciou-se a comercialização dos novos produtos oriundos das oficinas de formação. De realçar que a maioria dos artesãos que usufruíram desta formação foram contemplados na Componente 19 Fundo de Microcrédito. A recolha de vidro é realizada semanalmente em articulação com a Componente 12 Desenvolvimento Integrado de Mé- Zochi e com o Subprojecto 2 Centro Comunitário da Trindade, em 8 locais. O produto tem sido escoado nas obras de construção e melhoramento das oficinas da Componente 19 Fundo de Microcrédito e na comercialização de garrafas para a empresa de cerveja Rosema. Relativamente à limpeza das praias, esta acção continuou a visar a limpeza das 10 praias seleccionadas, com especial destaque para a limpeza da praia na Baía Ana Chaves, a qual teve grande visibilidade pública. Realce-se a participação positiva das Forças Armadas de STP, disponibilizando recursos humanos e apoio logístico para a concretização desta acção. A unidade de produção de embalagens e confecção de produtos alimentares continuou a funcionar, sendo os produtos vendidos na loja Ossobô. O Ossobô procedeu ao desenho e construção de um sítio na Internet cujo endereço é: 13

14 Artigos comercializados no Ossobô EcoSocial Componente 15 Juvecórdia A Componente visou criar e apoiar uma Associação Juvenil, dentro da Santa Casa da Misericórdia, com vista a dinamizar acções que promovam a aproximação da Santa Casa da Misericórdia à juventude local, nomeadamente através da realização de actividades culturais e desportivas, bem como de acções de voluntariado juvenil socialmente útil. Jovens Foi já criada a Associação Juvenil a Juvecórdia como forma de promover o voluntariado socialmente útil. A Associação é formada por 7 Núcleos (Madre Deus, Bombom Trindade, Madalena, Guadalupe, Neves e Conceição) e integra 220 membros. Este ano verificou-se uma maior consolidação dos objectivos propostos. A Direcção tornou-se mais presente e próxima dos núcleos (re-estruturação dos órgãos directivos), houve uma melhoria na coesão do grupo e na implementação de regras bem como na própria estruturação do trabalho. Foi, ainda, ultimado o Regulamento Interno da Associação e introduzido um novo modelo de funcionamento. Com o objectivo de reunir esforços e adaptar a intervenção à realidade e às verdadeiras necessidades, a Santa Casa sugeriu que se realizassem reuniões periódicas entre os Projectos apoiados por esta instituição e a Juvecórdia. Assim, a Associação deverá agir tendo por base este levantamento, proporcionando uma intervenção mais dirigida e eficaz. Doze membros da Juvecórdia foram também sujeitos a uma formação no âmbito da prevenção da cólera (surto que assolou o país no início do ano), acção desenvolvida em conjunto com a ONG Médicos do Mundo. Após esta formação realizaram-se acções de sensibilização nas comunidades de Almeirim, O quê Del Rei, Pantufo e Mercado Municipal. 14

15 No quadro da parceria com o Centro de Formação Profissional de São Tomé e Príncipe (Budo Budo), foram encaminhados 3 jovens para a frequência de um curso de Animadores Socioculturais. Este grupo de jovens voluntários foi, ainda, responsável pela área da animação nas várias festas preconizadas pelos projectos apoiados pela Santa Casa. Equipa de Voleibol (Juvecórdia) Data início Janeiro 2005 Componente 16 Melhoria Habitacional Cidade da Trindade, Cidade das Neves e Ribeira Afonso Prevê a construção de residências para a população desfavorecida em diversos pontos do país, de modo a possibilitar a (re)construção de um projecto de vida pessoal e profissional bem como uma melhoria das suas condições de vida. Famílias carenciadas Com o objectivo de oferecer condições condignas às pessoas que moram no Bairro Mãe Clara, inaugurou-se na cidade das Neves um complexo sanitário (composto por tanques de lavar roupa, balneários, latrinas e lavatórios) e cozinhas individuais para cada casa. Como não existia água no bairro, a Santa Casa apoiou a sua canalização desde uma Roça vizinha até às casas. Esta acção contou com o apoio da Câmara Distrital de Lembá, que contribuiu com alguns sacos de cimento e mão-de-obra. Conseguiu-se, ainda, colocar energia no bairro, ficando assim completa a criação de infra-estruturas e condições condignas de habitabilidade e higiene. 15

16 Em Ribeira Afonso inaugurou-se o Bairro Irmã Angelina, com 4 casas geminadas (num total de 8 casas) e 1 de apoio. Esta última tem como objectivo albergar uma família que supervisione e preste os cuidados necessários à população idosa e que faça a gestão do bairro e da comunidade. O modelo de funcionamento do bairro visa o apoio ao domicílio em 5 níveis: apoio na higiene do idoso, higiene da casa, alimentação, tratamento de roupas e saúde. Estes cinco apoios são da responsabilidade do casal de apoio e do Centro de Dia Padre Silva. O casal responsabiliza-se pela higiene do idoso, da casa e alguma alimentação (jantar), assim como a higiene do bairro. O Centro de Dia Padre Silva responsabiliza-se pela alimentação (pequeno almoço e almoço), tratamento de roupas e saúde. Foi também necessário iniciar-se a construção de uma cozinha comunitária, a qual irá ser gerida pelo casal, e tem como objectivo a confecção de refeições (jantar e refeições ao fim de semana) para toda a comunidade do bairro. Por fim, construíram-se latrinas e criou-se uma pequena horta para abastecer a cozinha comunitária. Perspectiva-se para o próximo ano a colocação de luz e água no bairro. Habitações da cidade das Neves Data início 2005 Componente 17 Centro Social de Apoio à Infância Ribeira Afonso - Contribuir, através do Jardim de Infância, para o crescimento, desenvolvimento e valorização integral das crianças (de 3 a 5 anos) mais carenciadas de Ribeira Afonso, desenvolvendo actividades de animação sociocultural, e proceder ao fornecimento de refeições. - Prestar os cuidados básicos de saúde, através do Posto Médico existente, às famílias carenciadas da zona e de 8 roças do distrito de Cantagalo. 16

17 Crianças carenciadas O Centro Social serve diariamente refeições a cerca de 65 crianças da pré-primária (3 a 5 anos) e desenvolve actividades de animação sociocultural (comemoração das festas tradicionais e de dias festivos, realização de peças de teatro, danças, canções desenhos, passeios e jogos tradicionais). Relativamente aos conteúdos pedagógicos, este Centro rege-se pelas directrizes do Ministério da Educação de STP. No fim da pré-primária as crianças são sujeitas a um exame, integrando a escola mediante os resultados. Os educadores, por sua vez, têm encontros quinzenais com os serviços do Ministério da Educação, para a planificação das actividades. Data início Janeiro de Centro Social de Apoio à Infância Ribeira Afonso Na área da saúde o posto médico presta serviço de atendimento às crianças (0 aos 5 anos), adolescentes e mulheres grávidas (pré e pós-parto), assim como cuidados de enfermagem (vacinas, curativos, etc.) e venda de medicamentos à população, evacuação dos doentes para o Hospital Dr. Aires de Meneses. Faz-se ainda sessões de sensibilização sobre o tema da educação sanitária à população. A equipa de apoio do posto médico realiza, por sua vez, visitas a algumas roças do distrito de Cantagalo (Colónia Açoriana, Caridade, Santa Cecília, Micondó, Angra Toldo, Cavalete e Amparo), prestando o mesmo tipo de apoio que à população que frequenta o Centro. Inaugurou-se uma cozinha e uma cobertura de lazer para dar resposta às necessidades do Centro, nomeadamente no melhoramento das refeições e na criação de um espaço coberto onde as crianças possam brincar sem estarem condicionadas pelas condições climatéricas. 17

18 Componente 18 Fundo de Medicamentos das Forças Armadas São Tomé A Santa Casa da Misericórdia assinou um Protocolo com as Forças Armadas, visando a assistência na área da saúde às Forças Armadas da República Democrática de São Tomé e Príncipe (FASTP), através do fornecimento de medicamentos, consumíveis de laboratório e equipamentos Agentes das Forças Armadas e seus familiares Foi assinado o Protocolo de Colaboração, iniciando-se a entrega bimensal de medicamentos. No âmbito da colaboração, as FASTP deram apoio: à Componente 1 - Lar D. Simôa Godinho na área da agricultura, limpeza do espaço e pequenas reparações; ao Sub-Projecto 5 - ARCAR na área da construção civil; e à Componente 14 - Ossobô Ecosocial no projecto da limpeza de praias. Com o objectivo de criar um espaço na área da fisioterapia na Componente 1 Lar D. Simôa Godinho, iniciou-se o levantamento de materiais, equipamentos e recursos humanos, contando a Santa Casa com o apoio das FASTP visto esta entidade ter um projecto idêntico a ser implementado na enfermaria do quartel. O objectivo é que o Lar de idosos possa usufruir do apoio técnico das FASTP, uma vez que têm mão-de-obra qualificada nesta área, e que ambas as entidades possam partilhar os equipamentos e materiais adquiridos. Data início Janeiro de 2006 Componente 19 Fundo de Microcrédito São Tomé Concessão de microcrédito a artesãos, em particular àqueles que colocam produtos para vender na loja da Componente 14 - Ossobô EcoSocial, tendo em vista melhorar as suas condições de trabalho e a qualidade dos produtos e criando canais de comercialização e distribuição com vista à sustentabilidade das microempresas (promoção do auto-emprego); adequação às necessidades das populações locais levando a uma participação activa; capacitação dos beneficiários; responsabilização dos beneficiários no processo de desenvolvimento participativo; e desenvolvimento local e humano. Artesãos 18

19 Neste período procedeu-se à assinatura dos contratos com os 4 beneficiários do Microcrédito Orana (produção de peças para uso doméstico e decoração em troncos mortos de coqueiro, jaqueira, amoreira e cidrela), BambuSTP (produção de mobiliário e peças de decoração em bambu e palha), Oficina- Escola Centro Artesanal Os Duros (produção de peças de artesanato e decoração em coco, bambu, folha de bananeira e cabaça), Ataíde Soares (produção de artigos de uso doméstico e decoração em embutidos de madeira). Estes candidatos fazem parte da bolsa de artesãos que trabalham directamente como o Ossobô Ecosocial. Este projecto tem algumas especificidades: os empréstimos são atribuídos a oficinas que já atingiram uma certa estabilidade, autonomia e auto-sustentabilidade, e a devolução do empréstimo (pagamento de prestações) poderá ser feita através da entrega de peças de artesanato a serem comercializadas na rede comercial Ossobô, o que minimiza os riscos de perda de fundos. As fases do processo foram: selecção, estudo de viabilidade, formação profissional em Inovação e Design (Projecto SEED2006), implementação do projecto, acompanhamento. Data início Novembro de 2005 Subprojecto 2 Centro Comunitário da Trindade Cidade da Trindade Britador Entidade executora Cidade da Trindade Congregação dos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria (Claretianos) O Subprojecto visa apoiar idosos carenciados da cidade da Trindade e, paralelamente, prestar apoio a jovens, através da realização de actividades lúdicas e pedagógicas. 19

20 Jovens e idosos Este Centro desenvolve acções dirigidas à terceira idade, através da cozinha social (armazenamento, confecção e distribuição de alimentos a cerca de 30 idosos) e da entrega domiciliária de refeições a cerca de 55 idosos. Na área da saúde, uma equipa médica desloca-se semanalmente ao Centro bem como ao domicílio dos idosos, efectuando consultas médicas com fornecimento gratuito de medicamentos. Para este público-alvo, o Centro desenvolve ainda actividades lúdico-recreativas e psicomotoras. No âmbito do apoio à infância e comunidade juvenil, o Centro promoveu já uma acção de formação sobre o tema Educação para a Cidadania, apoiou o funcionamento da Biblioteca e do Ciberespaço instalados no Centro, apoia um grupo de estudantes do regime nocturno de diversas localidades no transporte para a Capital, e disponibiliza a viatura para a recolha semanal de vidros em articulação com a Componente 14 Ossobô EcoSocial. Data início 1999 Centro Comunitário da Trindade - Biblioteca No mês de Junho, a Biblioteca contou com a aquisição de novos equipamentos: 6 computadores e 2 impressoras, respondendo de forma eficaz às necessidades e possibilitando as pesquisas na Internet por um período de tempo mais longo. Esta actividade teve o apoio da CST que instalou gratuitamente o sistema de ADSL. 20

Apoio a crianças e jovens em situação de risco

Apoio a crianças e jovens em situação de risco Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Parceria Acordo de Parceiros de 20.12.05 Gabinete para a Cooperação do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal Gabinete do Ministro do Trabalho,

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

Coordenação do projecto: Delícia Maquengo Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe

Coordenação do projecto: Delícia Maquengo Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe Coordenação do projecto: Delícia Maquengo Santa Casa da Misericórdia de São Tomé e Príncipe ARTESÃOS E ARTISTAS AMÍLCAR CONCEIÇÃO Especialização: Madeira esculpida Localização: Atrás do cemitério, São

Leia mais

Gabinete para a Cooperação do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal

Gabinete para a Cooperação do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social de Portugal Ficha de Projecto Março/2007 Designação Localização Parceria Acordo de Parceiros inicial de 16-12-04, revisto e assinado em 31-01-07 Deliberação tomada na reunião do Conselho de Parceiros em 16-08-06 Deliberação

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis

PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015. Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis PROGRAMA DE AÇÃO E ORÇAMENTO 2015 Servir a comunidade; educar para a cidadania e incluir os mais vulneráveis CAPÍTULO I AETP: A INSTITUIÇÃO 1. Introdução No decorrer do ano de 2015 prevê-se que a AETP

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Entidades Promotoras de Voluntariado Lourinhã

Entidades Promotoras de Voluntariado Lourinhã Entidades Promotoras de Voluntariado Câmara Municipal da Casa do Povo da Casa Pia de Lisboa Centro Social e Paroquial da ADAPECIL Associação Juvenil Tá a Mexer GEAL Junta de Freguesia de Ribamar LOURAMBI

Leia mais

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS lano de Activida e es Orçamento PPI 2012 À INTRODUCÃO Para cumprimento do disposto na alínea a) do n 2 do artigo 34 da lei n 169/99 de 18 de Setembro, na redacção que lhe

Leia mais

Designação Projecto Integrado de Desenvolvimento Sociocomunitário nos Distritos de Baucau, Lautém, Manatuto e Viqueque

Designação Projecto Integrado de Desenvolvimento Sociocomunitário nos Distritos de Baucau, Lautém, Manatuto e Viqueque Ficha de Projecto Abril/2007 Designação Projecto Integrado de Desenvolvimento Sociocomunitário nos Distritos de Baucau, Lautém, Manatuto e Viqueque Localização Parceria Acordo de Parceiros de 16/12/2005,

Leia mais

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social

Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Direcção-Geral da Solidariedade e Segurança Social Janeiro/2004 INTRODUÇÃO A experiência da acção social no âmbito da intervenção e acompanhamento das famílias em situação de grande vulnerabilidade social,

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto. Viver Saudável

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto. Viver Saudável Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto Viver Saudável 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Viver Saudável Promotor(es): Médicos do Mundo Sigla Viver Saudável Morada Avenida de Ceuta (Sul),

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):.

(n.º/lote), (andar), (localidade) (cód. Postal), Freguesia de, com o telefone n.º, telemóvel n.º fax n.º e-mail Site (WWW):. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA Ano a que respeita a candidatura I. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE GESTORA (Designação da Entidade/Organização) n.º de contribuinte, com sede na (Rua, Av.) (n.º/lote), (andar), (localidade)

Leia mais

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se Mais informações em www.cm-odemira.pt, através do email banco.voluntariado@cm-odemira.pt ou nos serviços de ação social do Município de Odemira

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

Santa Casa da Misericórdia de Lisboa Santa Casa da Misericórdia de Lisboa Gabinete de Promoção do Voluntariado Diretora Luísa Godinho EVOLUÇÃO HISTÓRICA VOLUNTARIADO na SCML 1498 Fundação Compromisso assumido por 100 homens bons 1998 Publicação

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO Artigo 1º CAPÍTULO I Disposições Gerais Âmbito O Centro Social Paroquial de Oeiras é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com cariz

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

1 DONATIVO = 1 POSTAL ELECTRÓNICO

1 DONATIVO = 1 POSTAL ELECTRÓNICO A campanha Prenda AMIga tem como objectivo angariar fundos para os projectos nacionais, internacionais e ambientais da AMI. Pretende-se sensibilizar e incentivar o espírito solidário das empresas e da

Leia mais

Teatro com Teias e Histórias

Teatro com Teias e Histórias Teatro com Teias e Histórias 3 em Pipa Associação de Criação Teatral e Animação Cultural Organização de um grupo de voluntários que, integrados num projecto comunitário de vertente artística, actuam junto

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto

Ficha de Caracterização de Projecto Ficha de Caracterização de Projecto Projecto +Skillz E5G Programa Escolhas Promotor: Associação Mais Cidadania 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto Projecto +Skillz E5G Promotor: Associação Mais

Leia mais

Casa do Povo de Porto Judeu Instituição Particular de Solidariedade Social Contribuinte n.º 512 007 136

Casa do Povo de Porto Judeu Instituição Particular de Solidariedade Social Contribuinte n.º 512 007 136 Contribuinte n.º 512 007 136 PLANO DE ACTIVIDADES ANO DE 2009 I INTRODUÇÃO A Casa do Povo de Porto Judeu, como instituição de solidariedade social, e com algum peso no desenvolvimento desta freguesia no

Leia mais

Eventos. Eixo I Emprego, Formação e Qualificação. Acção: Bom Porto

Eventos. Eixo I Emprego, Formação e Qualificação. Acção: Bom Porto Eventos Eixo I Emprego, Formação e Qualificação Acção: Bom Porto - Gabinete de Empregabilidade e Empreendedorismo: Uma das acções do projecto consiste na criação de um Gabinete de atendimento na área da

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

ARAGÃOPINTO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL VAMOS AJUDAR QUEM PRECISA!

ARAGÃOPINTO FUNDAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL VAMOS AJUDAR QUEM PRECISA! A ESSENCIALIDADE DE CUIDAR DAS NOSSAS CRIANÇAS INVESTIR A TEMPO PARA EVITAR... E PERSISTIRMOS NA BUSCA DE FAZER SEMPRE MELHOR PARA NÓS A PREVENÇÃO NÃO É UMA OPÇÃO... É UMA OBRIGATORIEDADE MISSÃO A Fundação

Leia mais

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014

TORs da Avaliação do CCF Julho, 2014 1. CONTEXTO AVALIAÇÃO DO CENTRO CRIANÇA FELIZ Termos de Referência O projecto Centro Criança Feliz é uma iniciativa da IBIS Moçambique, concebida e por si implementada desde 2008. O projecto surgiu no

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA

CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA CENTRO SOCIAL DE S. FÉLIX DA MARINHA Instituição Particular de Solidariedade Social Pessoa Colectiva de Utilidade Pública Fundada a 8 de Agosto de 1995 FUNDAÇÃO A ideia nasce através de um grupo de amigos

Leia mais

beneficiando da localização privilegiada do equipamento. Número de utentes: Lar 30 utentes Número de postos de trabalho a criar: 22

beneficiando da localização privilegiada do equipamento. Número de utentes: Lar 30 utentes Número de postos de trabalho a criar: 22 CASA DE SARRAZOLA Caracterização do imóvel: Edificação datada dos anos sessenta do séc. XIX, com cerca de 313 m2 de área coberta e 1638 m2 de quintal, doada a esta Misericórdia pela senhora drª Glória

Leia mais

plano anual de educação ambiental

plano anual de educação ambiental plano anual de educação ambiental 2009/2010 complexo de educação ambiental da quinta da gruta PROGRAMA FAMÍLIAS Grelha Resumo por Sector Sector Rios/Espaços Verdes Animais Dias comemorativos Férias Datas

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário

Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Responsabilidade Social Como estratégia de Sustentabilidade a Responsabilidade Social das Organizações, tornou-se de vital importância para o Terceiro Sector,

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas

PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016. Associação Sénior de Odivelas PLANO DE ATIVIDADES 2015/2016 Associação Sénior de Odivelas A Universidade Sénior de Odivelas é um projecto inovador que tem por base a promoção da qualidade de vida dos seniores de Odivelas, fomentando

Leia mais

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto AEIPS - CASAS PRIMEIRO

Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto AEIPS - CASAS PRIMEIRO Ficha de Caracterização de Entidade/Projecto AEIPS - CASAS PRIMEIRO 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Casas Primeiro Promotor(es) : Sigla AEIPS - Associação para o Estudo e Integração Psicossocial

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

FICHA DE PRÉ-INSCRIÇÃO MOD.092/1

FICHA DE PRÉ-INSCRIÇÃO MOD.092/1 DATA DE PRÉ-INSCRIÇÃO:. / /20 DATA PREVISTA DE ENTRADA:. / /20 DATA EFECTIVA DE ENTRADA:. / /20 1. IDENTIFICAÇÃO PESSOAL Nome Morada Código-postal N.º Telefone Idade BI/CC N.º Beneficiário SS Email Data

Leia mais

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo

Plano de Acção. Conselho Local de Acção Social de Redondo CLASRedondo Plano de Acção Conselho Local de Acção Social de CLAS 2014-2015 2 EIXO 1 - PROMOVER A EMPREGABILIDADE E QUALIFICAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL E INTEGRAÇÃO DE GRUPOS SOCIAIS (PRÉ-) DESFAVORECIDOS Combate

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação DEPARTAMENTO: Pré-Escolar PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES - PROPOSTA DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO - 2010 / 2011 Coordenador(a):

Leia mais

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA

II ENCONTRO DA CPCJ SERPA II ENCONTRO DA CPCJ SERPA Ninguém nasce ensinado!? A família, a Escola e a Comunidade no Desenvolvimento da criança Workshop: Treino de Competências com famílias um exemplo de intervenção e de instrumentos

Leia mais

PROJECTO CRIANÇASDEANGOLA PRAIA DO BISPO (LUANDA, ANGOLA) VIANA (ARREDORES DE LUANDA)

PROJECTO CRIANÇASDEANGOLA PRAIA DO BISPO (LUANDA, ANGOLA) VIANA (ARREDORES DE LUANDA) PRAIA DO BISPO (LUANDA, ANGOLA) VIANA (ARREDORES DE LUANDA) Entidade Responsável Lar Consoladora dos Aflitos (Luanda Angola) Parceiro : Atlas Associação de Cooperação para o Desenvolvimento (Coimbra Portugal)

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

Projecto Integrado da Baixa da Banheira

Projecto Integrado da Baixa da Banheira Projecto Integrado da Baixa da Banheira 1. INTRODUÇÃO O Projecto Integrado da Baixa da Banheira nasce de uma parceria entre a Câmara Municipal da Moita e o ICE tendo em vista induzir as Associações da

Leia mais

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO

VOLUNTARIADO REGULAR NO BLVO Entidade Actividade a Desenvolver Freguesia Público Alvo Santa Casa da Misericórdia de - Elaboração de cabazes e distribuição dos bens do Banco Alimentar (no armazém da Santa Casa). População em geral

Leia mais

Educação e Saúde 2014

Educação e Saúde 2014 Educação e Saúde 2014 A ONG SIM organizou mais uma missão a Moçambique, orientada para os temas da Educação e da Saúde, em Agosto. Para além da Presidente de direcção, Carmo Jardim, e da coordenadora,

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Designação Projecto Integrado de Desenvolvimento Sociocomunitário em Cabo Verde (PIDS CV)

Designação Projecto Integrado de Desenvolvimento Sociocomunitário em Cabo Verde (PIDS CV) Ficha de Projecto Dezembro/2006 Designação Projecto Integrado de Desenvolvimento Sociocomunitário em Cabo Verde (PIDS CV) Subprojecto 2.1 Desenvolvimento Sociocomunitário em Cabo Verde Ilha de Santiago

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL 2014 Aprovado na reunião do Plenário de 11.06.2014 16 de janeiro Workshop e assinatura de protocolo com CIG Público-alvo: comunidade no geral Local: Edifício Paço dos Concelho

Leia mais

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EMPRESAS INOV.POINT REGULAMENTO INTERNO I Introdução 1.1 O presente Regulamento destina-se a estabelecer as regras de acesso e de funcionamento do INOV.POINT Centro

Leia mais

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março EXPLORAÇÃO DE JOGOS SOCIAIS (DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS LÍQUIDOS) (LOTARIAS - TOTOBOLA TOTOLOTO TOTOGOLO LOTO 2 JOKER - EUROMILHÕES) A afectação das receitas dos

Leia mais

Junta de Freguesia da Misericórdia PRIMEIRA INFORMAÇÃO ESCRITA DA PRESIDENTE DA JUNTA

Junta de Freguesia da Misericórdia PRIMEIRA INFORMAÇÃO ESCRITA DA PRESIDENTE DA JUNTA PRIMEIRA INFORMAÇÃO ESCRITA DA PRESIDENTE DA JUNTA ÍNDICE pág. PREÂMBULO 3 HABITAÇÃO E OBRAS, ESPAÇO PÚBLICO, TRÂNSITO, ESTACIONAMENTO E SEGURANÇA 3 Habitação e Obras 3 Espaço Público, Trânsito, Estacionamento

Leia mais

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd Energias Renováveis e o Desenvolvimento Social 1. Apresentação da Instituição 2. Projectos da Área das Energias Renováveis e Impactes

Leia mais

1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO

1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO 1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO 1.1- Enquadramento territorial e contexto físico O Concelho da Moita onde se localiza o Agrupamento de escolas Fragata do Tejo está situado na região de

Leia mais

c u r r i c u l u m v i t a e

c u r r i c u l u m v i t a e c u r r i c u l u m v i t a e Informação pessoal Nome Morada Telefone 912079346 Fax Sousa, Cláudia Cristina Assunção Rua Miguel Bombarda, n.º 3, 4ºDto Viseu Correio electrónico floresdelivro@gmail.com

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA Junta de Freguesia de A-Dos-Negros 2º Trimestre 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA Exmos. Senhores: Presidente da Assembleia Senhores Deputados Senhores Munícipes Começo por, em nome do Executivo,

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

CASA PIA DE LISBOA, I.P. Gabinete da Presidente do Conselho Directivo

CASA PIA DE LISBOA, I.P. Gabinete da Presidente do Conselho Directivo 1 CARTA DE MISSÃO Ministério: Trabalho e Solidariedade Social Serviço/Organismo: Casa Pia de Lisboa, I.P. Cargo e Titular: Presidente do Conselho Directivo Período da Comissão de Serviço: de 15 de Maio

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE. Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006. Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr.

JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE. Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006. Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr. JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006 Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr.ª Guadalupe Tel. e Fax: 266 781 165 Tel.: 266 747 916 email: jfguadalupe@mail.evora.net

Leia mais

Visitas às Eco-Escolas. Auditorias de Qualidade do Programa. - Guião de preenchimento do inquérito -

Visitas às Eco-Escolas. Auditorias de Qualidade do Programa. - Guião de preenchimento do inquérito - Visitas às Eco-Escolas Auditorias de Qualidade do Programa - Guião de preenchimento do inquérito - NOTAS PRÉVIAS O presente documento serve de guião à aplicação da ficha de visita às Eco-Escolas fornecendo

Leia mais

EDP Solidária Barragens 2010

EDP Solidária Barragens 2010 Menção Honrosa Entidade: LÉRIAS ASSOCIAÇÃO CULTURAL Escola de Música Tradicional a música que nos pertence formar 70 jovens em música tradicional do concelho de Miranda do Douro e divulgar as tradições

Leia mais

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL Medida 3.1 - Diversificação da economia e criação de emprego Objectivos : - Promover

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

Programa da assistência para Projectos Comunitários. Embaixada do Japão

Programa da assistência para Projectos Comunitários. Embaixada do Japão Programa da assistência para Projectos Comunitários Embaixada do Japão A Embaixada do Japão concebe um programa de assistência financeira à projectos comunitários para responder às diversas necessidades

Leia mais

RECICLA e FERTILIZA: dois exemplos de como transformar o lixo em recurso

RECICLA e FERTILIZA: dois exemplos de como transformar o lixo em recurso RECICLA e FERTILIZA: dois exemplos de como transformar o lixo em recurso No âmbito do PROJECTO PILOTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM O ENVOLVIMENTO

Leia mais

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009

Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 Rede Social - Conselho Local de Acção Social de Coruche (CLAS) PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009 1 1. ÁREA DE INTERVENÇÃO ACÇÃO SOCIAL Promover a integração social dos grupos socialmente mais vulneráveis * Romper

Leia mais

Plano de Atividades 2014-15. Gabinete de Serviço Social

Plano de Atividades 2014-15. Gabinete de Serviço Social Plano de Atividades 2014-15 Gabinete de Serviço Social 1. Voluntariado e Dinamização da Comunidade 1.1. Clube Social 1.2. Projeto Conhecer a Terceira Idade 1.3. Campanha de Natal 1.4. Campanha Papel por

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

ESPAÇO SOLIDÁRIO. Normas de Funcionamento. Preâmbulo. A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de

ESPAÇO SOLIDÁRIO. Normas de Funcionamento. Preâmbulo. A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de ESPAÇO SOLIDÁRIO Normas de Funcionamento Preâmbulo A Câmara Municipal de Sesimbra, enquanto agente promotor de políticas de protecção social, tem vindo a implementar um conjunto de medidas de apoio às

Leia mais

Ficha de Protocolo. Aplicável a: Sócios/as e respetivos familiares, ascendentes e descendentes (cônjuge, filhos, pais e sogros)

Ficha de Protocolo. Aplicável a: Sócios/as e respetivos familiares, ascendentes e descendentes (cônjuge, filhos, pais e sogros) Ficha de Protocolo Resumo do Protocolo Entidade: Miminho aos Avós Unidade de Torres Vedras Local: Área da Grande Lisboa Serviços/Produtos: Apoio domiciliário e cuidados geriátricos, bem como acesso aos

Leia mais

Direitos da Entidade Organizadora/Promotora

Direitos da Entidade Organizadora/Promotora OBJECTIVOS GERAIS 1 Criação em todas as suas componentes estruturais, de um espaço físico com vista à realização de actividades de lazer e em contacto directo com a natureza, nomeadamente: a) Campos de

Leia mais

Creche Pré-Escolar 1º Ciclo

Creche Pré-Escolar 1º Ciclo Creche Pré-Escolar 1º Ciclo A NOSSA MISSÃO É O NOSSO COMPROMISSO... Contribuir para o desenvolvimento integral dos nossos Alunos. Ser uma escola que marca a diferença fazendo melhor. Ensinar com amor.

Leia mais

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições O que é uma instituição? Estabelecimento de utilidade pública, organização ou fundação Organização

Leia mais

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010

Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional. Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Plano Anual de Actividades, Conta de Exploração Previsional e Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos 2010 Nome: Centro Social de Cultura e Recreio da Silva Natureza Jurídica: Associação - Instituição

Leia mais

Escola Sénior do Mundo Rural - 2006

Escola Sénior do Mundo Rural - 2006 Escola Sénior do Mundo Rural - 2006 A Escola Sénior do Mundo Rural (ESMR), insere-se no âmbito da actividade 6 - "Apoio ao Movimento Associativo", do projecto ParticipAR. Tendo como objectivo principal

Leia mais

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO EIXO 1 EMPREGO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E EMPREENDEDORISMO 01 - BALCÃO DE EMPREGABILIDADE; O Balcão de Empregabilidade pretende apoiar os desempregados

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÓMICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO Competindo ao Ministério da Educação definir a política educativa e coordenar a sua aplicação, bem como assegurar o funcionamento

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira

Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Projetos de Voluntariado no Concelho de Odemira Inscreva-se! Uma mão, um amigo Casa do Povo de Relíquias Através da realização de atividades lúdicas, visitas domiciliárias, apoio na alimentação e acompanhamento

Leia mais

1 ENTIDADES PARCEIRAS PROMOTORAS DE VOLUNTARIADO Se tem uma sugestão de ação voluntária, uma competência especial ou específica

1 ENTIDADES PARCEIRAS PROMOTORAS DE VOLUNTARIADO Se tem uma sugestão de ação voluntária, uma competência especial ou específica Data última atualização: 05 Novembro de 2012 Índice 1 - Entidades parceiras promotoras de voluntariado 2- Projetos específicos de voluntariado 1 ENTIDADES PARCEIRAS PROMOTORAS DE VOLUNTARIADO Se tem uma

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário Porto, 2015 Índice Introdução 2 Serviço de Apoio Domiciliário SAD 3 Princípios/regras

Leia mais

SERVIÇOS DOMÉSTICOS E ASSISTENCIAIS. Fazemos mais fácil a sua vida. www.serhogarsystem.com

SERVIÇOS DOMÉSTICOS E ASSISTENCIAIS. Fazemos mais fácil a sua vida. www.serhogarsystem.com SERVIÇOS DOMÉSTICOS E ASSISTENCIAIS CARTA DE APRESENTAÇÃO Quem somos? O conceito da SerHogarsystem, surgiu em Saragoça em 2003 como resultado de anos de investigação levadas a cabo por entidades credenciadas

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

Nome do animador: B / INFORMAÇÕES ECONOMICAS. Fontes de rendimento da família: o beneficiário, o conjunto, os filhos, o apoio da família, etc.

Nome do animador: B / INFORMAÇÕES ECONOMICAS. Fontes de rendimento da família: o beneficiário, o conjunto, os filhos, o apoio da família, etc. SEGUNDA ENTREVISTA VISITA EM CASA E/OU NO LOCAL DE TRABALHO Objectivo : Conhecer em detlahes a situação familiar economica e social do beneficiario, a actividade economica jà implementada e fornecer uma

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO ACÇÃO DE FORMAÇÃO OS ARQUIVOS DO MUNDO DO TRABALHO TRATAMENTO TÉCNICO ARQUIVÍSTICO RELATÓRIO FINAL Enquadramento A acção de formação Os arquivos do mundo do trabalho tratamento técnico arquivístico realizou-se

Leia mais

Pelouro do Desenvolvimento Social

Pelouro do Desenvolvimento Social Pelouro do Desenvolvimento Social Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO A problemática do envelhecimento da população constitui uma importante oportunidade de desenvolvimento social, uma vez que uma sociedade

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Escola Básica do 1º Ciclo de Vale Figueira EB Miquelina Pombo

Escola Básica do 1º Ciclo de Vale Figueira EB Miquelina Pombo Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo Escola Básica da Sobreda Escola Básica do 1º Ciclo de Vale Figueira EB Miquelina Pombo A Escola Básica do 1º Ciclo de Vale Figueira nº 1 (E.B. Miquelina

Leia mais

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado O Programa de Voluntariado do Centro Solidariedade e Cultura de Peniche pretende ir ao encontro do ideário desta instituição, numa linha da

Leia mais

Ficha de Inscrição e identificação do Voluntário PND

Ficha de Inscrição e identificação do Voluntário PND Ficha de Inscrição e identificação do Voluntário PND Dados de Identificação: Nome Completo: Data de nascimento: / / Local: Sexo: F M Estado Civil: Numero de BI ou Cartão de Cidadão Segurança Social: Numero

Leia mais