SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO"

Transcrição

1 CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento aplica-se ao Centro de Dia da Santa Casa da Misericórdia de S. João da Madeira, entidade de quem depende técnica, administrativa e financeiramente, funcionando nas instalações do Lar de Idosos de S. Manuel da mesma instituição, à Rua Manuel Luís Leite Júnior n.º777, em S. João da Madeira. Artigo 2º (Natureza e Objectivos) O Centro de Dia prossegue fins específicos de Acção Social, prestando serviços hoteleiros e assistenciais e prosseguindo propósitos do Sistema Integrado de Segurança Social, nos termos de um Acordo de Cooperação firmado com o Centro Distrital de Segurança Social de Aveiro. CAPITULO II CANDIDATOS E UTENTES Artigo 3º (Destinatários) São destinatários do Centro de Dia pessoas de ambos os sexos, com mais de 65 anos, autónomas ou com dependência ligeira nas actividades básicas de vida diária (ABVD), socialmente vulneráveis por isolamento social e familiar durante o dia, e economicamente carenciadas. Artigo 4º (Critérios e Processo de Candidatura) 1. São condições de candidatura à frequência do Centro de Dia: a. Ter mais de 65 anos; b. Ser natural ou residente em S. João da Madeira, ou residente em freguesias limítrofes; c. Ser autónomo ou ligeiramente dependente nas ABVD; 2. O processo de candidatura inicia-se com o preenchimento de uma Ficha de Inscrição, onde constam elementos identificativos do candidato, do respectivo agregado familiar, e do familiar de referência. 3. A instrução do processo de candidatura implica a cedência de cópias de documentos certificativos das declarações efectuadas, designadamente: a. Bilhete de Identidade ou Cartão de Cidadão, do candidato e do familiar de referência; b. Identificação fiscal do candidato; 1

2 c. Cartão de beneficiário da Segurança Social do candidato; d. Cartão de Saúde do candidato; e. Comprovativos de rendimentos do candidato e do respectivo agregado familiar; 4. Do processo de candidatura consta uma escala de avaliação da dependência. Artigo 5º (Critérios de Admissão) A admissão sucede por consideração dos seguintes critérios, alinhados por grau de prioridade: a. Vulnerabilidade socioeconómica, determinada por isolamento social e familiar, precariedade económica, e/ou insegurança física; b. Velhice, aferida pela idade mais avançada; c. Naturalidade ou residência em S. João da Madeira, ou residência em freguesias limítrofes; d. Frequência da resposta social por familiares do candidato; e. Familiar de colaboradores e/ou de Irmãos da Misericórdia; f. Antiguidade da candidatura. Artigo 6º (Processo de Admissão) 1. Verificada a existência de vaga para provimento na resposta social, compete à direcção técnica ordenar as candidaturas por grau de prioridade, e submeter proposta de admissão de candidato à Mesa Administrativa, órgão social com competência na admissão de utentes. 2. É condição de admissão não padecer de perturbação mental que coloque em risco a integridade física dos utentes nem sofrer de outras patologias que perturbem o normal funcionamento da resposta social. Artigo 7º (Acolhimento) 1. O acolhimento inicia-se com a celebração do contrato de prestação de serviços, feito em entrevista ao novo utente e familiar de referência, onde se esclarecem condições de frequência, prestação de serviços, regras de funcionamento da resposta social, e os direitos e deveres dos utentes. 2. Na entrevista de acolhimento é detalhado o Plano Individual de Cuidados, com discriminação dos serviços a prestar e dos indicadores a monitorizar. Artigo 8º (Processo Individual) O Processo Individual é constituído por diversos documentos, a saber: a. Ficha de Inscrição; b. Contrato de Prestação de Serviços; c. Identificação, endereço e contactos do familiar de referência; 2

3 d. Identificação do profissional de saúde de referência, respectivos contactos em caso de emergência, e informação médica necessária (medicação, alergias, dietas, entre outras); e. Plano Individual de Cuidados e respectivas revisões; f. Registos da prestação de serviços (participação em actividades, ocorrências e situações anómalas, assiduidade, entre outras). Artigo 9º (Comparticipação de Utente) 1. A frequência do Centro de Dia obriga o utente a uma comparticipação mensal de montante equivalente a 50% do seu rendimento per capita, podendo a Mesa Administrativa determinar um limiar superior. 2. A comparticipação mensal é anualmente revista, em percentagem equivalente à actualização das pensões e reformas do utente, ou em qualquer altura, por alteração da sua condição socioeconómica. 3. O transporte constitui um serviço facultativo e implica um pagamento adicional à comparticipação mensal, de valor a determinar pela Mesa Administrativa. 4. O pagamento da comparticipação mensal deve ser efectuado até ao dia 8 de cada mês, nos serviços administrativos do Lar de Idosos de S. Manuel. CAPITULO III ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO Artigo 10º (Instalações) O Centro de Dia dispõe de salas de actividades e de convívio, sendo permitido aos utentes desta resposta social fruírem das instalações do Lar de Idosos de S. Manuel, designadamente da sala de refeições, salas de estar e de televisão, cabeleireiro, barbeiro, capela e jardins. Artigo11º (Horário de Funcionamento e Visitas) O Centro de Dia funciona todos os dias úteis das 8h às 19h30m, em regime de aberto de visitas. Artigo 12º (Serviços e Actividades) O Centro de Dia assegura a prestação dos seguintes serviços e actividades: a. Refeições e higiene pessoal; b. Apoio psicossocial; c. Administração medicamentosa, terapêutica e pensos; d. Actividades ocupacionais e de convívio; e. Transporte, nos termos do n.º3 do artigo 9.º. 3

4 Artigo 13º (Culto) 1. Os utentes do Centro de Dia são livres de participar nos actos de assistência religiosa celebrados nas instalações da instituição, segundo o rito católico. 2. Os utentes poderão professar ou não alguma religião ou crença, sendo-lhes porém vedadas actividades de proselitismo ou de culto de outras confissões além da religião católica. Artigo 14º (Refeições) 1. As refeições do Centro de Dia são servidas na sala de refeições do Lar de Idosos de S. Manuel, em horário que varia entre períodos de Inverno e Verão. 2. A ementa é semanalmente afixada no átrio de admissão à sala de refeições, sendo prescrita em consonância com as disposições dietéticas informadas pelo médico e revista por um nutricionista. Artigo 15º (Quadro de Pessoal) O Centro de Dia dispõe de um quadro de pessoal que se encontra afixado em lugar visível, contendo o número de recursos humanos, formação e conteúdo funcional, definido de acordo com a legislação em vigor. Artigo 16º (Direcção Técnica) 1. Compete à direcção técnica dirigir e supervisionar o serviço, sendo responsável perante a Mesa Administrativa, pelo seu funcionamento geral. 2. São funções da direcção técnica: a. Inscrever candidatos e instruir processos de admissão; b. Conceber o Plano Individual de Cuidados, e supervisionar e avaliar a respectiva execução; c. Programar, executar e avaliar as actividades: d. Coordenar os recursos humanos e promover a sua formação; e. Supervisionar as demais actividades. 3. Na ausência ou impedimento da titular, a direcção técnica é assumida pela Encarregada Geral do Lar de Idosos de S. Manuel. CAPITULO IV DIREITOS E DEVERES São direitos dos utentes: Artigo 17º (Direitos dos Utentes) 4

5 a. Obter a satisfação das suas necessidades básicas, físicas, psíquicas, sociais e espirituais; b. Ser informado das normas e regulamentos vigentes; c. Ser tratado com consideração, reconhecimento da sua dignidade e respeito pelas suas convicções religiosas, sociais e políticas; d. Ter assegurada a confidencialidade dos serviços prestados, vendo respeitada e preservada a sua vida privada; e. Participar nas actividades, de acordo com os seus interesses e possibilidades; f. Receber visitas de familiares e amigos; g. Apresentar reclamações sobre o serviço. Artigo 18º (Deveres dos Utentes) São deveres dos utentes: a. Tratar com respeito e dignidade os demais utentes, colaboradores, visitas e dirigentes da Instituição; b. Colaborar em tudo quanto possa contribuir na melhoria da qualidade da prestação de serviço da resposta social; c. Participar na medida dos seus interesses e possibilidades, nas actividades desenvolvidas; d. Proceder ao atempado pagamento da comparticipação de utente; e. Cumprir as obrigações decorrentes do contrato de prestação de serviços e das normas que o regem, bem como os regulamentos, determinações e decisões da Mesa Administrativa e dos dirigentes do Centro de Dia. Artigo 19º (Poder disciplinar) A Mesa Administrativa detém o exercício do poder disciplinar sobre os utentes do Centro de Dia, podendo este ser exercido directamente pela Mesa Administrativa, ou indirectamente pelos responsáveis do Centro de Dia, por delegação de competências daquela. Artigo 20º (Sanções) 1. A Mesa Administrativa pode aplicar as seguintes sanções disciplinares, em caso de incumprimento dos deveres dos utentes: a. Repreensão; b. Repreensão registada; c. Multa d. Suspensão e. Expulsão 2. O procedimento disciplinar deve exceder-se nos 90 dias subsequentes àquele em que a Mesa Administrativa, ou os dirigentes da Instituição com competência disciplinar, tiveram conhecimento da infracção. 5

6 3. A sanção disciplinar não pode ser aplicada sem audiência prévia do utente infractor e a sua execução tem de ter lugar até 3 meses após a decisão. 4. As sanções são gradativas e devem ser proporcionais à gravidade da infracção e à culpabilidade do infractor, não podendo aplicar-se mais do que uma pela mesma infracção. 5. A Mesa Administrativa reserva o direito de exigir indemnização por eventuais prejuízos causados ou de promover a aplicação de sanção penal a que a infracção, eventualmente, dê lugar. CAPITULO V DISDPOSIÇÕES FINAIS Artigo 21º (Livro de Reclamações) Nos termos da legislação em vigor, este serviço possui livro de reclamações, que poderá ser solicitado nos Serviços Centrais da Instituição. Artigo 22º (Extravio de Bens) A Santa Casa da Misericórdia de S. João da Madeira não se responsabiliza pelo extravio ou roubo de bens pecuniários ou de objectos de valor. Artigo 23º (Vigência e Divulgação) 3. O presente regulamento vigora a partir de 25 de Março de 2013, data da sua aprovação pela assembleia-geral da Santa Casa da Misericórdia de S. João da Madeira. 4. A sua divulgação sucederá pela afixação de um exemplar no átrio de entrada da resposta social e pela sua distribuição aos utentes e respectivos familiares de referência, no processo de acolhimento ou quando solicitado. S. João da Madeira, 18 de Março de

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se à resposta social Equipa de Intervenção Directa (EID) resposta social dirigida à população toxicodependente, da Unidade de Apoio a Toxicodependentes e Seropositivos

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO Artigo 1º CAPÍTULO I Disposições Gerais Âmbito O Centro Social Paroquial de Oeiras é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com cariz

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO LAR DE IDOSOS SÃO MANUEL

REGULAMENTO INTERNO LAR DE IDOSOS SÃO MANUEL SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE SÃO JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO LAR DE IDOSOS SÃO MANUEL Edição: 001 Data: 13/10/2009 CAPITULO I DA NATUREZA E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento

Leia mais

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno

Centro de Bem Estar Social da Zona Alta Torres Novas. Regulamento Interno Regulamento Interno Capítulo I Dos fins e serviços do Serviço de Apoio Domiciliário Artigo 1º Fins O Serviço de Apoio Domiciliário (adiante designado por SAD), constitui uma das valências do Centro de

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S.JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO CRECHES

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S.JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO CRECHES Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se às respostas sociais de Creche do Abrigo Infantil das Laranjeiras e da Creche Alberto Manuel de Aguiar Pacheco, equipamentos sociais que são propriedade da

Leia mais

Regulamento Apoio Domiciliário. Serviço de Apoio Domiciliário. Centro Social e Paroquial de Santa Eufémia

Regulamento Apoio Domiciliário. Serviço de Apoio Domiciliário. Centro Social e Paroquial de Santa Eufémia Serviço de Apoio Domiciliário Capitulo I Natureza e conceito Art.º 1º O Apoio Domiciliário é uma resposta social, que consiste na prestação, de um conjunto de serviços personalizados no domicilio das pessoas

Leia mais

Cap. I Disposições Gerais

Cap. I Disposições Gerais 1 Cap. I Disposições Gerais Art.º 1 Âmbito de Aplicação 1. A Santa Casa da Misericórdia de Castro Marim é uma Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos, cujos estatutos se encontram

Leia mais

FICHA DE PRÉ-INSCRIÇÃO MOD.092/1

FICHA DE PRÉ-INSCRIÇÃO MOD.092/1 DATA DE PRÉ-INSCRIÇÃO:. / /20 DATA PREVISTA DE ENTRADA:. / /20 DATA EFECTIVA DE ENTRADA:. / /20 1. IDENTIFICAÇÃO PESSOAL Nome Morada Código-postal N.º Telefone Idade BI/CC N.º Beneficiário SS Email Data

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR CAPITÚLO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR CAPITÚLO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR CAPITÚLO I DISPOSIÇÕES GERAIS Norma I Âmbito de Aplicação A reposta social de Lar designada por Centro Social de Tolosa; Lar Dr. José Manuel Semedo Basso, licenciado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE S.PEDRO DE BAIRRO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITÚLO I DISPOSIÇÕES GERAIS Norma I Âmbito de Aplicação O Centro de Dia é um estabelecimento da Associação de Solidariedade Social de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA RESPOSTA SOCIAL APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA RESPOSTA SOCIAL APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA RESPOSTA SOCIAL APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I ÂMBITO DE APLICAÇÃO E ABRANGÊNCIA O Serviço de Apoio Domiciliário do Lar Frei Manoel das

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO NORMAS DE FUNCIONAMENTO INTERNO BUS Solidário e Loja Solidária Junta de Freguesia de Encosta do Sol Capítulo I Disposições Gerais Artigo I Enquadramento No âmbito das atribuições que lhe são cometidas

Leia mais

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL

EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL EXTERNATO DO OLIVAL BASTO REGULAMENTO INTERNO ATL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1 Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se à frequência no ATL do Externato do Olival Basto, Lda. NORMA

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA CAPÍTULO I NATUREZA E FINS ARTIGO 1º Definição 1. O Centro de Dia, situado na Quinta das Acácias, é uma das respostas sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO PREÂMBULO A Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere possui acordo de cooperação para a resposta social de Serviço de Apoio Domiciliário, celebrado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Norma I Âmbito de Aplicação CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS A empresa de apoio domiciliário, designada por APOIO & COMPANHIA, LDA., com acordo de cooperação para resposta

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE CADAVAL 75 Anos ao Serviço da Comunidade 1930-2005 REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE CADAVAL 75 Anos ao Serviço da Comunidade 1930-2005 REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA INDICE Introdução.....2 CAPÍTULO I Descrição, localização e Admissão...4 CAPÍTULO II Serviços...5 CAPÍTULO III Funcionamento...6 CAPÍTULO IV Comparticipações, Pagamentos e Cessação...8 CAPÍTULO V Direitos

Leia mais

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO

IRMANDADE SANTA CASA DA MISERICÓRDIA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO IRMANDADE DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DA PÓVOA DE SANTO ADRIÃO Regulamento Interno para o Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA O VOLUNTARIADO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário

Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário Contrato de Prestação de Serviços SAD Serviço de Apoio Domiciliário Entre: Primeiro Outorgante: Centro de Promoção Social (CPS), Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede em Carvalhais São

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE CADAVAL 75 Anos ao Serviço da Comunidade 1930-2005

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE CADAVAL 75 Anos ao Serviço da Comunidade 1930-2005 INDICE Introdução.....2 CAPÍTULO I Descrição, localização e Admissão...4 CAPÍTULO II Serviços...5 CAPÍTULO III Funcionamento...6 CAPÍTULO IV Comparticipações, Pagamentos e Cessação...6 CAPÍTULO V Direitos

Leia mais

Regulamento das Creches e Jardins-de-Infância dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa

Regulamento das Creches e Jardins-de-Infância dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa Regulamento das Creches e Jardins-de-Infância dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa Capitulo I Objecto Art.º 1.º Âmbito e objecto O presente regulamento é aplicável ao funcionamento das creches

Leia mais

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo II. Âmbito de Aplicação

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo II. Âmbito de Aplicação LAR JACINTO FALEIRO Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo II Âmbito de Aplicação 1 - A Estrutura Residencial para idosos, visa a protecção dos cidadãos na velhice e invalidez, bem como

Leia mais

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA AAPPO IIO I DDOMI IICCI IILLI ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA REGULAMENTO INTERNO DO

Leia mais

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS

CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E OBJECTIVOS Artigo 1º 1. A Associação Pomba da Paz I.P.S.S. é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, registada na Direcção de Acção Social da Segurança Social, cujos

Leia mais

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Casa Nossa Senhora de Fátima Regulamento Interno APOIO DOMICILIÁRIO 2013 Regulamento Interno HISTÓRIA: Assistência Paroquial de Santos-o-Velho é uma Instituição

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE PONTE DE LIMA SERVIÇO DE VOLUNTARIADO. Índice REGULAMENTO INTERNO Índice Preâmbulo...... 3 Artigo 1º - Âmbito de aplicação........ 3 Artigo 2º - Definição......... 3 Artigo 3º - Princípios enquadradores do voluntariado...... 4 Artigo 4º - Perfil do

Leia mais

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito Regulamento Interno Fundamentação As preocupações sociais da Associação Vidas Cruzadas estão bem patentes nos objectivos de intervenção desta Instituição. Face ao actual contexto sócio económico cujas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL... 3 3. VISÃO E MISSÃO... 3 4. CONCEITO... 3 5. CAPACIDADE...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social de S. Miguel de Arcozelo, Associação de Solidariedade Social, é uma Instituição

Leia mais

Regulamento. Loja Social de Ourique

Regulamento. Loja Social de Ourique Regulamento Loja Social de Ourique Regulamento Loja Social de Ourique Nota Justificativa O presente Regulamento define as normas de funcionamento da Loja Social e faz parte integrante do projecto Espaço

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

NORMA IV Serviços Prestados e Actividades Desenvolvidas. 1. O Serviço de Apoio Domiciliário Anjos do Lar assegura a prestação dos seguintes serviços:

NORMA IV Serviços Prestados e Actividades Desenvolvidas. 1. O Serviço de Apoio Domiciliário Anjos do Lar assegura a prestação dos seguintes serviços: REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Anjos do Lar CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Serviço de Apoio Domiciliário designado por Anjos do Lar,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA FUNDAÇÃO CARDEAL CEREJEIRA CENTRO DE IDOSOS CENTRO DE DIA CD I Serviço de Centro de Dia INDICE Pág Natrureza e Objectivos 3 II Condições de Admissão 4 III Candidatura

Leia mais

unicipal de Vila Pouca d Gabinete Acção Social

unicipal de Vila Pouca d Gabinete Acção Social unicipal de Vila Pouca d Gabinete Acção Social BANCO DE ECURSOS' REGULAMENTO DO BANCO DE RECURSOS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR PREÂMBULO Ao abrigo do quadro legal de atribuições e competências

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE

REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE REGULAMENTO INTERNO RANCHO FOLCLÓRICO SAMPAENSE CAPITULO I ENQUADRAMENTO Artigo 1º. Denominação No âmbito das actividades e ao abrigo dos antigos estatutos sociais da S.R.L.S., foi fundado e organizado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CASA DE REPOUSO MANUEL PAIS VIEIRA JÚNIOR SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S.JOÃO DA MADEIRA

REGULAMENTO INTERNO CASA DE REPOUSO MANUEL PAIS VIEIRA JÚNIOR SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S.JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO CASA DE REPOUSO MANUEL PAIS VIEIRA JÚNIOR SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S.JOÃO DA MADEIRA CAPÍTULO I DO EQUIPAMENTO SOCIAL Artigo 1º Âmbito e Natureza O presente regulamento interno

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR PESSOAS IDOSAS E ADULTAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/8 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO

Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO ARTº 1º (Natureza) A resposta social Serviço de Apoio Domiciliário é uma resposta social desenvolvida

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CENTRO DE DIA CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO

Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CENTRO DE DIA CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO Lar de S. João REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CENTRO DE DIA CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO ARTº 1º (Natureza) A resposta social Centro de Dia é uma resposta social desenvolvida e integrada no Lar de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A empresa de Apoio Domiciliário, designada por Inês Camarinha, Unip, Ldª, pertencente a Inês Maria Ferreira

Leia mais

Regulamento Interno do Lar. Artigo 1º Natureza

Regulamento Interno do Lar. Artigo 1º Natureza Regulamento Interno do Lar Artigo 1º Natureza O Lar constitui uma resposta social desenvolvida em alojamento colectivo, de utilização temporária ou permanente, para idosos em situação de maior risco de

Leia mais

Banco Local de Voluntariado de Gondomar

Banco Local de Voluntariado de Gondomar Regulamento Interno do Banco Local de Voluntariado de Gondomar (Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Fevereiro e Assembleia Municipal de 18 de Fevereiro de 2009) Preâmbulo Entende-se por voluntariado

Leia mais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS REGULAMENTO Artigo 1.º Objecto 1 O programa de ocupação municipal temporária de jovens, adiante abreviadamente designado por OMTJ, visa a ocupação

Leia mais

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS Rev.2015 Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO Associação de Solidariedade Social de Crestuma Capítulo

Leia mais

CENTRO JOVEM TEJO - IPSS REGULAMENTO INTERNO DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA LUIS BARROS

CENTRO JOVEM TEJO - IPSS REGULAMENTO INTERNO DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA LUIS BARROS CENTRO JOVEM TEJO - IPSS REGULAMENTO INTERNO DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA LUIS BARROS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO COMUNIDADE TERAPÊUTICA LUÍS BARROS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª.

Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª. Regulamento de Funcionamento Interno da Residência Sénior LIATRIS, Ldª. Capítulo I Natureza / Fins e Âmbito de Aplicação A Ldª., é um estabelecimento com fins lucrativos, com sede em Vales do Rio - Covilhã,

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Aveiro REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Santa Casa da Misericórdia de Aveiro REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Santa Casa da Misericórdia de Aveiro, designada por S.C.M.A., com acordo de cooperação para

Leia mais

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto

REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL. Artigo 1º. Objecto REGULAMENTO DO VOLUNTARIADO NO HOSPITAL GERAL Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem por objecto definir a natureza, o conteúdo e os termos em que é desenvolvido o trabalho voluntário no Hospital

Leia mais

Regulamento Interno Para lar de Idosos

Regulamento Interno Para lar de Idosos Regulamento Interno Para lar de Idosos CAPITULO I DA NATUREZA/FINS E ÂMBITO DE APLICAÇÃO Artigo Iº O Lar da Associação Humanitária de Salreu é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, cujos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim. Artigo 2º. Processo de Admissão

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim. Artigo 2º. Processo de Admissão REGULAMENTO INTERNO Artigo 1º Denominação e Fim 1. A Casa de Repouso e Saúde de S. Brás (adiante designada por CRSS) é um equipamento privado de prestação de serviços de geriatria, titular do Alvará número

Leia mais

JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO

JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO JARDIM DE INFÂNCIA MISERICÓRDIA S.TIRSO p / 01 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O Jardim de Infância Comendador Abílio Ferreira de Oliveira é um equipamento social da Irmandade

Leia mais

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

Natal na desportiva NORMAS DE PARTICIPAÇÃO Natal na desportiva 2015 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO CML/DRIC/2015 Alvará 694 I. Apresentação e objetivos 1. Entidade Promotora e Organizadora - Município de Loures 1 a) O Programa de Ocupação de Tempos Livres

Leia mais

Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I. Artigo 1º. Artigo 2º

Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I. Artigo 1º. Artigo 2º Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I (Natureza e Objectivos) Artigo 1º Caracterização e Localização A Associação Lageosense de Solidariedade Social (adiante designada por

Leia mais

REGULAMENTO DE SELECÇÃO E CONTRATAÇÃO MONITORES DE TURNOS INFANTIS. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

REGULAMENTO DE SELECÇÃO E CONTRATAÇÃO MONITORES DE TURNOS INFANTIS. Capítulo I Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º REGULAMENTO DE SELECÇÃO E CONTRATAÇÃO MONITORES DE TURNOS INFANTIS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito 1 O presente regulamento aplica-se a todos os candidatos a Monitores de Infantis na Colónia

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Natureza) Art.º - 1º - O Centro de Infância, Velhice e Acção Social da Senhora da Hora (CIVAS) é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Cáritas Paroquial de Vilar

Cáritas Paroquial de Vilar Cáritas Paroquial de Vilar Regulamento Interno Serviço de Apoio Domiciliário 1/14 Índice Capítulo I Enquadramento, Objectivos e Serviços ----------------------------------------------- pag. 3 Capítulo

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL PARA ATRIBUIÇÃO DE COMPARTICIPAÇÃO EM MEDICAMENTOS Órgão APROVAÇÃO Data Entrada em vigor Câmara Municipal 30/05/2014 Assembleia Municipal 06/06/2014 30 de Agosto de 2014 1 / 6 PREÂMBULO

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Verão com desafios 2015 Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - Município de Loures 1 a) O programa de Ocupação de Tempos Livres Verão com Desafios é promovido

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

Junta de Freguesia de São Martinho. Regulamento do Programa de Apoio Social à Recuperação de Habitações degradadas

Junta de Freguesia de São Martinho. Regulamento do Programa de Apoio Social à Recuperação de Habitações degradadas Regulamento do Programa de Apoio Social à Recuperação de Habitações degradadas Preâmbulo Havendo habitações que se encontram num estado de degradação avançada, gerando deste modo, condições de segurança

Leia mais

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MINI FÉRIAS DE VERÃO - 2015

NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MINI FÉRIAS DE VERÃO - 2015 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO DO PROGRAMA DE MINI FÉRIAS DE VERÃO - 2015 A criação do Programa de Mini Férias de Verão 2015 foi pensada para o fortalecimento e melhoramento da qualidade de vida dos munícipes,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim

REGULAMENTO INTERNO. Artigo 1º. Denominação e Fim REGULAMENTO INTERNO Artigo 1º Denominação e Fim 1. A Casa de Repouso e Saúde de S. Brás (adiante designada por CRSS) é um equipamento privado de prestação de serviços de geriatria, titular do Alvará número

Leia mais

Prólogo REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL

Prólogo REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL REGULAMENTO INTERNO LOJA SOCIAL Prólogo O CLDS SERPE EnReDe, consiste numa estratégia de desenvolvimento social integrado visando a criação de respostas sociais inovadoras e sustentáveis que atendem às

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

CENTRO DE DIA REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE DIA REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE DIA REGULAMENTO INTERNO 1 - ADMISSÃO Os utentes são admitidos no Centro de Dia pelo responsável da área social do Lar e Centro de Dia da Santa Casa da Misericórdia de Machico, em conformidade

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PENAMACOR 6090-543 PENAMACOR Contribuinte nº 506 192 164

CÂMARA MUNICIPAL DE PENAMACOR 6090-543 PENAMACOR Contribuinte nº 506 192 164 CÂMARA MUNICIPAL DE PENAMACOR 6090-543 PENAMACOR Contribuinte nº 506 192 164 Regulamento de Concessão de Alimentação e Auxílios Económicos a Estudantes PREÂMBULO A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro, estabelece

Leia mais

Regulamento da Raízes para o voluntariado

Regulamento da Raízes para o voluntariado Regulamento da Raízes para o voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do voluntariado, nas actividades desenvolvidas

Leia mais

BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA

BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇ BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA Pretende-se, com este regulamento, incentivar e proporcionar condições de

Leia mais

Regulamento Interno da Resposta Social de Centro de Dia

Regulamento Interno da Resposta Social de Centro de Dia Regulamento Interno da Resposta Data: 6 de Maio de 2014 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. O Centro Social Paroquial de S. Domingos de Rana, designado por CSPSDR é uma Instituição

Leia mais

CASA DE REPOUSO DE SANTO ANTÓNIO

CASA DE REPOUSO DE SANTO ANTÓNIO CASA DE REPOUSO DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO INTERNO LAR DE IDOSOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O presente tem por finalidade dotar o lar de idosos designado por Casa de Repouso

Leia mais

Fundação N ossa Senhora da E sperança L ar João G onçalves Palm eiro N ovo. Ficha de inscrição Banco local de voluntariado

Fundação N ossa Senhora da E sperança L ar João G onçalves Palm eiro N ovo. Ficha de inscrição Banco local de voluntariado Ficha de inscrição Banco local de voluntariado Dados pessoais Nome: Morada: Telefone: Habilitações literárias: Actividade Profissional: Área de formação: Qual a sua disponibilidade para fazer voluntariado?

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO PREÂMBULO Portugal, quer pelo aumento da esperança de vida, quer pelos baixos níveis da natalidade, está a tornar-se num país com população envelhecida. Valença não

Leia mais

Regulamento. Sorriso Solidário

Regulamento. Sorriso Solidário Regulamento Sorriso Solidário 0 Introdução A Santa Casa da Misericórdia de Mirandela, tem desenvolvido ao longo dos tempos, diversas iniciativas no sentido de criar condições que favoreçam o bem-estar

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre PRIMEIRO OUTORGANTE..., portador do B.I. n.º.., emitido em. /. /. pelo Arquivo de Identificação de, contribuinte n.º...., residente em... SEGUNDO OUTORGANTE: Casa

Leia mais

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO

CEBE. Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO CEBE Cooperativa de Ensino de Benfica, Crl REGULAMENTO INTERNO ÍNDICE Introdução 3 Pag 1 Regime de funcionamento 4 1.1 Horário 5 1.2 Acesso, circulação e saída da CEBE 6 2 Estrutura Pedagógica e Administrativa

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE AVEIRO COMPLEXO SOCIAL (MOITA - OLIVEIRINHA) Regulamento Interno SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Janeiro. 2004 Capítulo I Natureza e Fins - Art.º 1.º 1.º O Serviço de Apoio

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO APARTAMENTO DE REINSERÇÃO

REGULAMENTO INTERNO APARTAMENTO DE REINSERÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO APARTAMENTO DE REINSERÇÃO Abril de 2015 Qta. Anjo - do Barreiro REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO APARTAMENTO DE REINSERÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR RESIDENCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR RESIDENCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO LAR RESIDENCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães, adiante designado por APCG, Instituição Particular

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE DIA Nª. Sª. DA MISERICÓRDIA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA CCEENNTTRRO DDEE DDI IIAA Largo de Santa Tecla - Braga SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

Preâmbulo. José Vieira de Carvalho nasceu no lugar de Crestins, Freguesia de Moreira da Maia, em 18 de Abril de 1938.

Preâmbulo. José Vieira de Carvalho nasceu no lugar de Crestins, Freguesia de Moreira da Maia, em 18 de Abril de 1938. BOLSA DE ESTUDO PROF. DOUTOR JOSÉ VIEIRA DE CARVALHO REGULAMENTO Preâmbulo José Vieira de Carvalho nasceu no lugar de Crestins, Freguesia de Moreira da Maia, em 18 de Abril de 1938. Licenciou-se em Ciências

Leia mais

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Ficha Informativa 2 Fevereiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Direito

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO A Associação Betesda, Esperança e Vida é uma Instituição Particular de

Leia mais

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização LAR JACINTO FALEIRO Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I Capítulo I Natureza e Objectivos Artigo 1º Caracterização e Localização A ERPI, Jacinto Faleiro, Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

REGULAMENTO 2014/2015. 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo.

REGULAMENTO 2014/2015. 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo. REGULAMENTO 2014/2015 1- ADMISSÃO DE CRIANÇAS 1.1 A frequência nas várias valências depende da prévia inscrição a efetuar pelos pais ou pessoas que as tenham a cargo. 1.2 A instituição dispõe de 3 valências,

Leia mais

Regulamento Interno da Universidade Sénior de S. Pedro do Sul

Regulamento Interno da Universidade Sénior de S. Pedro do Sul Regulamento Interno da Universidade Sénior de S. Pedro do Sul CAPITULO I: 1ª - Pertença 1. A US de S. Pedro do Sul tem sede em S. Pedro do Sul e tem com o nº de contribuinte o n.º 506 785 815. 1/5 CAPITULO

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores

Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores Preâmbulo Aos Municípios incumbem, em geral, prosseguir os interesses próprios, comuns e específicos das populações

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

CASA DE SANTA CRUZ INTERNO DA CASA DE SANTA CRUZ CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO ART O 10. (Natureza)

CASA DE SANTA CRUZ INTERNO DA CASA DE SANTA CRUZ CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO ART O 10. (Natureza) ~'!f4 '':( Santa Casa da Misericórdia CASA DE SANTA CRUZ REGULAMENTO INTERNO DA CASA DE SANTA CRUZ CAPITULO I CARACTERIZAÇÃO ART O 10 (Natureza) A Casa de Santa Cruz sita na Rua de S. Sebastião, no Cartaxo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação Anjos da Vida REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SAD Anjos da Vida Cuidados Geriátricos Unipessoal Lda CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O SAD designado por Anjos da Vida Cuidados

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO SOCIAL

REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO SOCIAL REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO SOCIAL CAPITULO I Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação A Instituição Particular de Solidariedade Social designada por Fundação

Leia mais

Despacho nº 9265-B/2013

Despacho nº 9265-B/2013 Regulamento Interno da Componente de Apoio à Família (CAF) dos Jardim-deinfância e das Escola Básica 1 (EB1) da União de Freguesias de Nogueiró e Tenões 444 Ano Letivo 2014/15 Enquadramento...Quando as

Leia mais