A UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO À EDUCAÇÃO PARA DEFICIENTES EM GOIÂNIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO À EDUCAÇÃO PARA DEFICIENTES EM GOIÂNIA"

Transcrição

1 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PUC GOIÁS PRÓ REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO-MESTRADO-SERVIÇO SOCIAL A UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO À EDUCAÇÃO PARA DEFICIENTES EM GOIÂNIA ELISÂNGELA FÉLIX DE OLIVEIRA CARVALHO GOIÂNIA 2012

2 2 ELISÂNGELA FÉLIX DE OLIVEIRA CARVALHO A UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO À EDUCAÇÃO PARA DEFICIENTES EM GOIÂNIA. Dissertação apresentada ao Programa de Pós Graduação - Mestrado em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica De Goiás PUC Goiás como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Serviço Social. Orientadora: Profª Drª Lúcia Maria Moraes GOIÂNIA 2012

3 3 Carvalho, Elisângela Félix De Oliveira. A Universalização do Acesso à Educação para Deficientes em Goiânia. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica de Goiás PUC Goiás Departamento de Serviço Social, Orientadora Profª Drª Lúcia Maria Moraes. 1. Direitos Humanos e Pessoa com Deficiência Políticas Sociais Públicas Conceituando as Deficiências 2. Atendimento Educacional Especializado Projeto Político Pedagógico Educação Inclusiva no Estado de Goiás Programa Estadual de Educação para a Diversidade numa perspectiva Inclusiva 3. O Serviço Social na política educacional O Papel da Família no Movimento pela Inclusão. CDU:

4 4 DISSERTAÇÃO DE MESTRADO A UNIVERSALIZAÇÃO DO ACESSO À EDUCAÇÃO PARA DEFICIENTES EM GOIÂNIA. Mestranda: Elisângela Félix de Oliveira Carvalho Orientadora: Profª Drª Lúcia Maria Moraes Defendendo em 12 de junho de 2012 e avaliada em conceito com nota atribuída pela banca examinadora: Drª. Nome (Presidente da Banca/ Profª Drª Lúcia Maria Moraes PUC GOIÁS) Drª. Nome (Membro/ Profª Drª Maria Conceição S. P. Machado PUC GOIÁS) Drª. Nome (Membro/ Profª Drª Walderez Loureiro Miguel ) Drª. Nome (Suplente/ Profª Drª Margot Riemann Costa e Silva PUC GOIÁS) GOIÂNIA 2012

5 5 DEDICATÓRIA Ao meu Diamante Negro, Marcelo Ricardo. A minha Pérola Negra, Brenda Félix. E aos meus Pais Jeremias e Eronice.

6 6 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por nunca ter me desamparado e por ser um aventureiro, pois para me acompanhar e me apoiar em tudo, com certeza, gosta de aventuras e por ter-me sustentado em todas as minhas loucuras, posto que começo, mas sempre chuto pra ele fazer o gol (tudo o que faço, eu tomo a iniciativa, porém, Ele decide o meu destino), e, somente Ele pode fazer milagres e eu, com certeza, sou um, mas devo toda honra e toda glória a Ele, considerando que eu sou um milagre que surgiu da pobreza extrema, sem muitas expectativas e oportunidades. À minha professora e orientadora Profª Drª Lúcia Maria Moraes, por acreditar em mim e pela orientação competente revestida pelo seu profissionalismo, assiduidade, dedicação e pela amizade. Agradeço a todo corpo docente do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Serviço Social (PPSS) da Pontifícia Universidade Católica de Goiás PUC Goiás: Eleusa Bilemjiam Ribeiro (Coordenadora do Programa); Germano Campos Silva; Liliana Patrícia Pereira; Lúcia Maria Moraes; Maria José Pereira Rocha; Maria José de Faria Viana; Margot Riemamn Costa e Silva; Sandra de Faria. À Professora Mônica Alves (Inglês Instrumental/Católica Idiomas), que sempre ministrou as aulas com muito rigor teórico e metodológico, uma pessoa que busca o que há de bom em cada um. Extremamente compromissada e sem a sua compreensão, eu não estaria, hoje, defendendo esta dissertação; porém, pelo seu o cuidado com cada um e seus alunos demonstrou o quanto você é grandiosa. À Banca Examinadora, composta pelas Professoras Doutoras: Lúcia Maria Moraes; Maria Conceição S. P. Machado; Walderez Loureiro Miguel e a Margot Riemann Costa e Silva, pelas importantes contribuições no exame de qualificação e na análise da dissertação, meu empenhado agradecimento. Agradeço, também, aos colegas da IV turma, pois tive a honra de ser representante do corpo discente. Turma esta que levantou várias bandeiras e

7 7 conquistou muitos espaços no Programa de Pós-Graduação Mestrado em Serviço Social (PPSS). Sou grata à secretária Juliana Espíndola de Castro, que se transformou em amiga, pelo seu zelo contínuo diante de nossos processos, compromissos, datas, depósitos, enfim, sempre com muito carinho e atenção nos guiando por todo o tempo com seu impressionante perfeccionismo e excelência. Tudo que ela toca se transforma em soluções e, ainda, desvenda todos os nossos enigmas. Parabéns e, novamente meu muito obrigada! À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) que desempenha papel fundamental na expansão e consolidação do Curso de Pós- Graduação Stricto Sensu (Mestrado e Doutorado) e por ter sido decisiva na construção deste estudo, pois sem a bolsa da CAPES estava decidida ao desligamento do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Serviço Social (PPSS). Aos colaboradores intelectuais desta pesquisa, pois sem eles não conseguiria concretizá-la.

8 8 "Deficiente" é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino. "Louco" é quem não procura ser feliz com o que possui. "Cego" é aquele que não vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só têm olhos para seus míseros problemas e pequenas dores. "Surdo" é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês. "Mudo" é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia. "Paralítico" é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda. "Diabético" é quem não consegue ser doce. "A não" é quem não sabe deixar o amor crescer. E, finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois: "Miseráveis" são todos que não conseguem enxergar a grandeza de Deus. "A amizade é um amor que nunca morre." Deficiências - Mário Quintana

9 9 IN MEMÓRIA Ao meu amado irmão, Jonas Félix de Oliveira. Maior que meus títulos e conhecimento científico, foi a sua luz que me fez refletir e reformular todos os meus valores e pré-conceitos e, por conseguinte, descobri que a pessoa, para ser feliz, precisa amar cada momento de sua vida, de sua família, de seu trabalho, de si mesmo. O amor está em tudo e em todos, basta saber olhar com o coração. Não devemos perder nosso tempo com coisas ínfimas, mas aproveitá-lo com ações e gestos de amor. Quantas vezes eu me senti envergonhada em dizer: eu te amo! (que bobagem), pra sempre vou te amar. Você foi uma estrela que Deus enviou para brilhar e unir ainda mais nossa família. Nunca vou te esquecer, maninho! Elisângela Félix de Oliveira Carvalho

10 10 RESUMO Esta dissertação tem como objeto de estudo de caso a universalização do acesso à educação para deficientes no município de Goiânia. Como novo paradigma, a educação inclusiva desafia o cotidiano escolar brasileiro. Trata-se de uma prática inovadora que está enfatizando a qualidade de ensino para todos os alunos, exigindo que a escola se modernize e que seus professores aperfeiçoem suas práticas pedagógicas na educação formal de pessoas com deficiência na perspectiva da educação inclusiva. A pesquisa é reveladora das particularidades das formas de precarização da educação e das novas expressões da questão social no âmbito do profissional do Serviço Social. Assim foram tratados o processo histórico do Serviço Social na política educacional, na educação inclusiva no Estado de Goiás com o Programa Estadual de Educação para a Diversidade numa perspectiva inclusiva (PEEDI), com o recorte temporal de 2000 a 2010, levando em consideração o contexto histórico do Programa Estadual de Educação para a Diversidade numa perspectiva inclusiva, com sua implementação no ano de Palavras-Chaves: Educação Inclusiva, Direitos Sociais, Pessoa com Deficiência, Universalização do Acesso e Serviço Social.

11 11 ABSTRACT This dissertation has as its object of study to universal access to education for disabled in the city of Goiania. As a new paradigm for inclusive education challenges the Brazilian school routine, this is an innovative practice that emphasizes the quality of education for all students, requiring that school be modernized and their teachers to improve their teaching practices in the formal education of people with disabilities from the perspective of inclusive education. The research reveals the peculiarities of the forms of reduced quality of education and new expressions of social issues in the context of professional social work. Thus, we treated the historical process of social work in educational policy, inclusive education in the State of Goiás with the State Program of Education for Diversity in an inclusive perspective (Peedi), with the time frame of 2000 of 2010, taking into account the historical context of the State Program of Education for Diversity in an inclusive perspective, with its implementation in Keywords: Inclusive Education, Social Rights, People with Disabilities, Universal Access and Human Services.

12 12 LISTAS DE SIGLAS ABEPSS Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. AEE Atendimento Educacional Especializado. CAPES Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior. CF Constituição Federal. CFESS Conselho Federal de Serviço Social. COEE Coordenação de Ensino Especial. CRESS Conselho Regional de Serviço Social. CNE Conselho Nacional de Educação ECA Estatuto da Criança e do Adolescente. FUNCAD Fundação da Criança, do Adolescente e da Integração do Deficiente. IGP Instituto Pestalozzi de Goiânia. LDB Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LOAS Lei Orgânica de Assistência Social. NEE Necessidades Educacionais Especiais. MEC Ministério da Educação. MS Ministério da Saúde. NUPESC Núcleo de Pesquisa Estado, Sociedade e Cidadania. OIDH Organização Internacional dos Direitos Humanos. ONG Organização não governamental. ONU Organização das Nações Unidas. PEEDI Programa Estadual de Educação para a Diversidade numa perspectiva inclusiva. PNDH Programa Nacional dos Direitos Humanos.

13 13 PNE Portador de Necessidade Especial. PNE Pessoa com Necessidade Especial. PNE Política Nacional de Educação. PPP Projeto Político Pedagógico. PPSS Programa de Pós-Graduação Mestrado em Serviço Social. PUC/GO Pontifícia Universidade Católica de Goiás. SEDUC Secretaria de Estado da Educação. SEE Secretaria Estadual de Educação. SER Subsecretarias Regionais de Ensino. SISNEP Sistema Nacional de informação sobre Ética em Pesquisa envolvendo seres humanos. SUEE Superintendência do Ensino Especial. SUPEE Superintendência do Ensino Especial. TDAH Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade. UEE Unidade de Ensino Especial. UNESCO Organização das Ações Unidas para a Educação. UNICEF Fundo das Nações Unidas para a Infância.

14 14 LISTAS DE FOTOS Foto 1 Banheiro da Unidade Escolar Foto 2 Pátio da Unidade Escolar Foto 3 Entrada da Unidade Escolar Foto 4 Sala de Aula da Unidade Escolar Foto 5 Sala de Recursos Multifuncional... 56

15 15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I DIREITOS HUMANOS E POLÍTICAS SOCIAIS PÚBLICAS NO BRASIL Direitos Humanos e Pessoa com Deficiência Políticas Sociais Públicas no Brasil Conceituando Deficiências CAPÍTULO II EDUCAÇÃO ESPECIAL INCLUSIVA Atendimento Educacional Especializado (AEE) Seu Acompanhamento na Sala de Recursos Multifuncionais Projeto Político Pedagógico (PPP) Educação Inclusiva no Estado de Goiás O Programa Estadual de Educação para a Diversidade numa perspectiva inclusiva CAPÍTULO III A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL E AS (NOVAS) DEMANDAS CONTEMPORÂNEAS O Serviço Social na política educacional O Papel da Família no Movimento pela Inclusão CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 93

16 16 INTRODUÇÃO Esta dissertação tem como a análise sobre a universalização do acesso à educação para deficientes no município de Goiânia. Com base nesse objeto, pretende-se caminhar pelo tema, que o contêm concordâncias, polêmicas e contradições, buscando elucidar a concepção e a importância da política de inclusão em sala de aula, nas unidades de ensino e na educação formal de pessoas com deficiência na perspectiva da educação inclusiva. Neste trabalho, a universalização do ensino significa a garantia dos direitos sociais e, em um entendimento mais global e generalizado, pode-se defini-los e como um conjunto de necessidades humanas, compartilhadas, cuja obrigação de resguardar é atribuída ao Estado. A educação inclusiva é um campo complexo, pois se de um lado, as demandas são múltiplas e distintas, de outro, e quando o educando com deficiência busca o acesso à educação, comumente este é negado. O que gera uma situação de educando excluído, tanto da rede de ensino formal, como da própria estrutura social. Para se compreender a educação inclusiva, busca-se entender o significado da política social que resulta no acesso a bens públicos, sendo indivisíveis (entre estes a universalização à educação, ou seja, acesso a ela). Vale considerar que os bens públicos estão ligados a direitos que são garantidos pela legislação vigente, como a Lei nº 9394/96, assunto a ser aprofundado mais a frente. Nos estudos de Almeida (2000, p. 155 e 157), a política educacional no Brasil ocupa um lugar de destaque no conjunto das ações governamentais federais que redesenham, hoje, a arquitetura institucional e o papel do Estado. Constituiu um campo de atuação do Estado, desde o movimento escolanovista inspirado em Jonh Dewey, quando se explicita o atraso do sistema educacional brasileiro e a não incorporação da população a um amplo processo de educação escolarizada como uma dívida da República a ser paga. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em seus dados do Censo 2010, registra que o Brasil ainda tem 9,6% da população, com 15 ou mais anos, analfabeta. A maioria dos analfabetos do país está

17 17 no Nordeste que concentra 53,3% (7,43 milhões) do total de brasileiros que não sabem nem ler nem escrever. Esse autor afirma, ainda que a política educacional tem fonte e percentuais de recursos mínimos oriundos da arrecadação de impostos do Estado, em suas diferentes instâncias, vem definida constitucionalmente. Com a aprovação da Lei de Diretrizes de Bases (LDB) do ano de 1961 a educação nacional passou a ser organizada por níveis e modalidades de ensino, onde se destaca a educação especial que articula a oferta de educação escolar na própria rede regular de ensino e de serviços especializados aos educandos com necessidades especiais (Almeida, 2000, p. 158 e 159). A política pública de educação é uma política social com particularidades que se interpenetram com outras políticas, numa relação orgânica, para fortalecerem entre si. Nessa perspectiva Pereira (2008, p. 91) afirma que a política social é contraditória e dialética, é executada sob a pressão dos interesses de segmentos sociais, resultantes de lutas sociais. O que leva a dizer que, a política social é um processo contraditório e não é linear, como se procura no decorrer desta pesquisa. Situar a educação como política social do Estado capitalista significa, antes de tudo, admitir a refuncionalização social dos sistemas educacionais em face das mudanças qualitativas, ocorridas na fase monopolista do capitalismo, tanto em relação à organização da produção, quanto em relação às estruturas jurídicopolíticas e às relações sociais globais. Significa, ainda, admitir que os sistemas educacionais contemporâneos, respondem de modo específico, às necessidades de valorização do capital, ao mesmo tempo em que se consubstanciam numa demanda popular efetiva de acesso ao saber socialmente produzido. Com relação à educação especial, conforme a Lei nº 9394/96 em seu artigo 58, trata-se de uma modalidade de ensino que perpassa todos os níveis, visto que deve realizar o atendimento educacional especializado, deve disponibilizar os recursos e serviços e orientar quanto à sua utilização no processo de ensino e aprendizagem nas turmas comuns do ensino regular, onde todos os alunos e alunas são detentores da mesma atenção. O IBGE no censo 2010 teve uma repercussão negativa, por parte do movimento de pessoas com deficiência, devido sua contagem ser por amostra (dez residências por uma) e não pela totalidade de pessoas com

18 18 deficiência, pois enfraquece e dificulta a implementação de políticas públicas que venham atender as demandas desse segmento social. O processo sócio-educativo de crianças com deficiências no sistema educacional na rede regular Estadual de Goiânia regula que sejam amparadas pela Política de Educação que é uma das políticas sociais públicas do Estado. Nesse contexto é explícito que é a educação especial é um dever do Estado e direito dos cidadãos como evidência, a política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva do MEC. É uma modalidade: De educação escolar oferecida preferencialmente na rede regular de ensino para educando com necessidades educacionais especiais, entre eles a pessoa com deficiência, e transversalmente todos os níveis de ensino, desde a educação infantil ao ensino superior (BRASIL, 2004). A educação inclusiva é um novo paradigma que desafia o cotidiano escolar no Brasil. Trata-se de uma prática inovadora que enfatiza a qualidade de ensino para todos os alunos, exigindo que a escola se modernize e que os professores aperfeiçoem suas práticas pedagógicas (Carvalho, 2004). Dentre os objetivos gerais desta dissertação são investigar e avaliar a importância da política de inclusão de pessoas com deficiência em Goiânia, na perspectiva da educação inclusiva. Nesse sentido foram definidos os objetivos específicos: a) demonstrar, no âmbito de Goiânia o reflexo da implantação da Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva; b) compreender a inserção dos deficientes e sua inclusão no ensino regular; c) Aprofundar as análises e estudos sobre o processo de efetivação de deficientes à educação formal. O problema a ser investigado para este estudo está centrado no que diz respeito aos meios que o sistema educacional de Goiânia possui para incluir as pessoas com deficiência e com necessidades especiais neste espaço, meios estes que se referem tanto à consciência sobre a importância da diversidade como às condições de acesso e permanência dos mesmos e quanto ao impacto das políticas sociais públicas, voltadas para a acessibilidade dos deficientes na educação formal

19 19 em Goiânia. Com base nessas constatações, foi possível chegar a alguns questionamentos que serão discutidos no decorrer do trabalho: a) A inserção destes deficientes em classes regulares beneficia não só a eles próprios, como também as pessoas da comunidade que aprendem a valorização da diversidade no processo educativo, mediante o acesso, a permanência e a participação dos alunos com deficiência e com necessidades educacionais especiais; b) Dificuldades e desafios que se interpõem às conquistas dos educandos com deficiência no ensino regular, como segmento e sobre o papel do Estado como gestor das questões relacionadas à sociedade. Definiu-se como recorte temporal o período de No contexto do processo histórico do Programa Estadual de Educação numa Perspectiva Inclusiva (PEEDI), justifica-se pela razão de sua elaboração no ano de 1999, seu lançamento oficial e sua implantação do Programa Estadual no ano de 2000 com 17 escolas da capital e 38 do interior. Com base na revisão bibliográfica feita, constatou-se a existência de poucas produções científicas sobre esse tema no estado de Goiás, assim como no município de Goiânia, em especial, pelos profissionais de Serviço Social, que têm como um dos princípios fundamentais de sua intervenção profissional, a defesa intransigente dos direitos humanos, assim como a ampliação e consolidação da cidadania, considerada tarefa primordial de toda sociedade democrática, definido pelo Código de Ética Profissional dos Assistentes Sociais, em Do ponto de vista da escolha metodológica, foi necessário fazer o exercício da apreensão e reconstrução do objeto, mediante aproximações sucessivas, exigindo, primeiramente, um conhecimento empírico da realidade vivenciado pela pesquisadora quando atuou como Assistente Social na Secretaria Estadual de Educação de Goiás no ano de Apesar da não intervenção direta do pesquisador, não se pode negar a relação intrínseca estabelecida entre sujeito e objeto. Afirma-se a objetividade do conhecimento teórico, capaz de verificar a verdade, como parte constituinte da prática social e histórica.

20 20 Optou-se, metodologicamente, relacionado ao meu objeto e referência do objeto pela pesquisa, bibliográfica e documental. Para o desenvolvimento da fonte secundária foi realizada uma análise de documentos relativos ao processo da educação inclusiva no município de Goiânia. Quanto à estrutura do trabalho, apresenta-se, no capítulo I, uma incursão sobre Direitos Humanos e Políticas Sociais Públicas no Brasil. Ao relacionar com Direitos Humanos e a Pessoa com Deficiência, resgatando-se a Educação como direito social, dentre as Políticas Sociais Públicas, e conceitua-se algumas deficiências, presentes no contexto educacional. No capítulo II, estuda-se a Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva, ao sinalizar uma educação especial para efetivar o direito da universalização do acesso a todos os educandos. Torna-se a sala de aula comum, como espaço de todos, onde prevaleça o direito à diferença, contando com o suporte do Atendimento Educacional Especializado (AEE) nas Salas de Recursos Multifuncionais. O acompanhamento, como também, efetiva participação do(a) educando(a) passa pelo projeto político pedagógico das unidades escolares e direciona para a Educação Inclusiva no Estado de Goiás, mediante o Programa Estadual de Educação para a Diversidade na perspectiva inclusiva. O capítulo III retrata a origem do Serviço Social na Política Educação segundo os dispositivos legais, embasados na Conferência Mundial sobre Educação para Todos, de Jomtien (1990) e o Fórum Mundial de Educação (2003). Ainda, nesse capítulo, demonstra-se o papel da família no movimento pela Inclusão em parceria com o Estado e o posicionamento contrário às ONGs. Nas Considerações conclui-se que a educação especial, inicialmente foi criada para substituir a escola comum. Isto porque a idéia central era que, os alunos com deficiência, não seriam capazes de cumprir o currículo e que jamais poderiam ser introduzidos no universo científico. Com o passar das décadas, começou, mesmo de forma parcial, a inserção em classes especiais, em salas de aula do ensino regular. Coloca-se, como transitório, essa relação escolar e as organizações sociais, unidas com a política de inclusão, pensaram não em dissolução e, sim, em uma parceria entre escola regular e a escola especial. Atualmente, sua, nomenclatura mudou-se para centro especializado onde educandos (as) continuam sua formação no contraturno da escola regular.

21 21 A escola é a reprodução social das classes, ou seja, é uma instituição onde se deve elaborar o conhecimento e os valores sociais dos sujeitos. E, mais que isso, a escola deve ser capaz de preparar os indivíduos para a vida em sociedade.

22 22 CAPÍTULO I DIREITOS HUMANOS E POLÍTICAS SOCIAIS PÚBLICAS NO BRASIL 1.1 Direitos Humanos e Pessoa com Deficiência Artigo 1º: "Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos e, dotados que são de razão e consciência, devem comportar-se fraternalmente uns com os outros" (Declaração Universal dos Direitos Humanos, 2001, p.27). Essa declaração foi baseada na Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (1793) e se tornou um texto jurídico internacional, constituindo-se em um produto da circunstância do período que findava a segunda guerra mundial e iniciava a guerra fria, ela faz referência a alguns direitos sociais (Pisón, 1998, p.89). A noção de igualdade de direitos é uma contradição, pois afirma a igualdade de direito dentro do contexto liberal, sendo uma tarefa árdua para segmentos de uma sociedade desigual e acaba se constituindo em um ideal a ser alcançado, porém, a realidade social contrasta com a teoria. No bojo desse cenário, fica explícito a luta de pessoas com deficiência na conquista da igualdade de direito, pois ela não é construída e consolidada em convenções e declarações. Para discutir as questões associadas às pessoas com deficiência, torna-se imprescindível definir, uma vez que falta clarificação sobre esse conceito. Muitos estudiosos tentaram conceituá-lo, como Ribas (2007, p. 12). Este autor resgata algumas dessas definições ao afirmar que: Deficiência, na língua portuguesa, será sempre sinônimo de insuficiência, de falta, de carência e, por extensão, de sentido, de perda de valor, falha, fraqueza, imperfeição. Assim, para Ribas, o significado dessa palavra representa e estabelece a imagem que as pessoas têm sobre quem padece de deficiência. O tema a ser abordado nessa pesquisa, em especial, na área da educação inclusiva. A convenção da Guatemala (1999) foi incorporada a Constituição Brasileira pelo Decreto n 3.956/2001, afirma em seu 1 artigo a definição de deficiência como uma restrição física, mental ou sensorial, de natureza permanente ou transitória,

23 23 que limita a capacidade de exercer uma ou mais atividades essenciais da vida diária, causada ou agravada pelo ambiente econômico e social. Reafirma os mesmos princípios dos direitos fundamentaisde liberdade e de direitos humanos para as pessoas com deficiência, e, se fez primordial no âmbito da educação especial, promovendo a eliminação das barreiras que impedem o acesso à escolarização. Vale ressaltar que o, termo expresso Pessoa com Necessidades Especiais (PNE) se distingue, mas agrega a pessoa com deficiência, nesse sentido busca-se a definição da Organização Mundial da Saúde (OMS, 2001, p. 13), Pessoa com Necessidades Especiais (PNE) termo que inclui as pessoas obesas, idosas, autistas, superdotadas, com dificuldade de aprendizagem, insuficiências orgânicas, problemas de conduta, distúrbio de atenção com hiperatividade, distúrbio obsessivo compulsivo, distúrbios emocionais e transtornos mentais, além da pessoa com deficiência (Perda ou anormalidade de uma estrutura ou função psicológica, fisiológica ou anatômica que gera incapacidades para o desenvolvimento de atividades dentro do padrão de normalidade para o ser humano). A terminologia PNE tem uma visão macro onde engloba distintas necessidades especiais e sua utilização para conceituar pessoas com deficiência é inadequada e equivocada. Quando se enquadra pessoas com deficiência na nomenclatura PNE significa que se estamos nos referindo há várias necessidades especiais e não a deficiência do ser humano. O Brasil é um dos países mais inclusivos das Américas em atenção às pessoas com deficiência, tanto pela legislação avançada como pelo conjunto das políticas públicas dirigidas a essa população, assunto a ser apresentado mais a frente nesta pesquisa. A conquista mais recente nesse campo foi à ratificação da Convenção da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, com a particularidade de ter sido incorporada à nossa legislação pelo Decreto n 3.956/2001, ela tem como propósito promover, proteger e assegurar o desfrute pleno de equitativo de todos os direitos humanos. Em busca de melhor atenção às pessoas com deficiência, a ONU define que são Pessoas que têm impedimentos de natureza física, intelectual ou sensorial, os quais em interação com diversas barreiras podem obstruir sua participação plena na sociedade com as demais.

24 24 Em contrapartida, tanto a legislação existente no Brasil, como as políticas sociais públicas implementadas, em sua maioria são asseguradas, mas ainda não se concretizaram como fator positivo de interação dessas com a sociedade. O Estatuto, que o legislativo federal e a sociedade civil discutiram durante anos, tramitou na Câmara em busca de densidade para que em um único texto, em linhas gerais do Decreto do Poder Executivo, assimila-se todos os preceitos e exigências do tratado internacional adotado pelo Brasil e as reivindicações deste segmento, foi aprovado em 2011 pela Câmara dos deputados a Lei 7.699/06. (Brasil, 2009). Este estudo não tem a pretensão de fazer uma análise histórica exaustiva dos direitos do homem. Todavia, é necessário contextualizar os direitos da pessoa humana, em especial da pessoa com deficiência, em contextos marcados por lutas, retrocessos e conquistas. Sobre a luta por igualdade de direitos e deveres, Silva (2009, p. 80) constata que, A luta dos defensores dos Direitos Humanos parece não ter fim, pois o que se objetiva é a possibilidade de viver em um mundo onde as diferenças não sejam parteiras do sofrimento de milhões de pessoas que vivem como cidadãos de segunda classe, primando por uma igualdade de direitos e deveres comuns a todos os seres humanos. Dentro de uma perspectiva histórica, as teorias liberais fortaleceram a base d conceito dos primeiros direitos humanos que era defendido por Locke, Grocio, Pufendorf e pelas Declarações resultantes dos movimentos revolucionários, preconizados pelos três grandes acontecimentos: A Revolução Americana de (1776), a Revolução Francesa de (1789) e a Declaração dos Direitos dos Homens e do Cidadão de (1793), que, posteriormente, proclamou os princípios da liberdade e dos direitos fundamentais do homem moderno. Com a Revolução Americana (1776) compostas pelas idéias filosóficas do Iluminismo, foi aprovada pela Assembléia Nacional Constituinte da França, somente em agosto de 1789 e votada em outubro de 1793, comporta dezessete artigos e um preâmbulo dos ideais libertários e liberais da primeira fase da Revolução Francesa, resultando como base da Declaração Universal dos Direitos Humanos, promulgada pela ONU em 10 de dezembro de (Silva, 2009, p. 80).

25 25 Reafirmo, com os estudos desse autor, que a Revolução Francesa está entre as maiores da história da humanidade e ratifica ainda que sua nomenclatura foi dada ao conjunto de uma década de acontecimentos que, ocorreu entre cinco de maio de 1789 e nove de novembro de 1799, alterou o quadro político e social da França, e também a autoridade do clero e da nobreza. A Revolução Francesa foi influenciada pelo Iluminismo e pela Independência Americana. Foi considerada como acontecimento que deu início à Idade Contemporânea, abolindo a servidão e os direitos feudais, proclamando os princípios universais de Liberté, Egalité, Fraternité (Liberdade, Igualdade e Fraternidade). (Silva, 2009, p. 80). Fry ressalta que, Nas sociedades que se apresentam como democráticas liberais, o ideal de igualdade de todos perante a lei é regularmente ameaçado pela distribuição desigual de poder e influência e pela hierarquia moral das categorias sociais e grupos com base em características específicas, reais e assumidas. (Fry, 2000, p.207). A questão levantada pelo autor não é pelo ideal de igualdade, mas sim o da distribuição desigual da hierarquia e do poder, isto é, a igualdade pode ser violada continuamente. No entanto, é frequente o equívoco entre direitos humanos e direitos sociais, apesar de haver diferença conceitual entre essas duas categorias. Os direitos humanos, mesmos provocando inúmeros debates e embates de teóricos por excelência, entre estes me apoio em Panikkar (1999, p. 12), que discorre sobre seu conceito de direitos humanos, É baseado em um bem conhecido, conjunto de pressupostos, todos eles tipicamente ocidentais, designadamente: existe uma natureza humana universal que pode ser conhecida racionalmente; a natureza humana é essencialmente diferente e superior à restante realidade; o indivíduo possui uma dignidade absoluta e irredutível que tem de ser defendida da sociedade ou do Estado; a autonomia do indivíduo exige que a sociedade esteja organizada de forma não hierárquica, como soma de indivíduos livres. Diante do exposto, os direitos humanos são mutáveis, históricos, naturais, universais, indivisíveis, interdependentes, dinâmicos e sua construção é gradativa e contínua.

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE ESTUDOS E NORMAS PEDAGÓGICAS CENP SERVIÇO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO ENCONTRO BPC NA ESCOLA AÇÃO DA

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Maria Izabel do Amaral Sampaio Castro 8.ª Promotora de Justiça de São Caetano do Sul miasc@mp.sp.gov.br (11) 4238-8757 1 TERMINOLOGIA 1) Pessoa PORTADORA de Deficiência:

Leia mais

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia?

A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? A Educação Inclusiva, realidade ou utopia? Gloria Contenças Marques de Arruda (Escola Municipal Luiz de Lemos) Baseado em informações dos conteúdos estudados, Michels (2006) diz que "[...] as reformas

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE Vera Lucia Conrado de Oliveira¹; Maria Zildaneide Gonzaga²; Elda Cristiane de Souza Lima³ ESCOLA SENADOR PAULO GUERRA/CABROBÓ-PE lucinhaconrado.77@gmail.com;

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais. Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013

O Desafio da Implementação das Políticas Transversais. Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013 O Desafio da Implementação das Políticas Transversais Professor: Luiz Clóvis Guido Ribeiro Período: Novembro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS Secretaria Nacional de Promoção

Leia mais

BASE LEGAL PARA A INCLUSÃO DO/A ALUNO/A COM DEFICIÊNCIA. Docente responsável: Profa. Dra. Neiza de Lourdes Frederico Fumes CEDU/UFAL

BASE LEGAL PARA A INCLUSÃO DO/A ALUNO/A COM DEFICIÊNCIA. Docente responsável: Profa. Dra. Neiza de Lourdes Frederico Fumes CEDU/UFAL UNIDADE DE APRENDIZAGEM 4 BASE LEGAL PARA A INCLUSÃO DO/A ALUNO/A COM DEFICIÊNCIA Docente responsável: Profa. Dra. Neiza de Lourdes Frederico Fumes CEDU/UFAL Objetivo Conhecer os diferentes instrumentos

Leia mais

Data: 21 de março de 2013. Assunto: Orientação aos Sistemas de Ensino para a implementação da Lei nº 12.764/2012

Data: 21 de março de 2013. Assunto: Orientação aos Sistemas de Ensino para a implementação da Lei nº 12.764/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Esplanada dos Ministérios, Bloco L, Anexo I, 4º andar, sala 412

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL

INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NA ESCOLA: A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL Resumo 1 Discente do Curso de Serviço Social da Faculdade Novos Horizontes MG 2 Discente do Curso de Serviço

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

A participação e os compromissos do ensino privado

A participação e os compromissos do ensino privado artigo Cecília Farias Diretora do Sinpro/RS e presidente do Conselho Estadual de Educação do Rio Grande do Sul (CEEd/RS). A participação e os compromissos do ensino privado com o Plano Nacional de Educação

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Rua da Educação. Municipalino:

Rua da Educação. Municipalino: Todas as crianças e adolescentes tem direito à educação e devem freqüentar a escola. As diretrizes para a área da educação são dadas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) Lei 9394 de

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO. da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais.

PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO. da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais. PROJETO 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do projeto Nome da Instituição Proponente Construindo Pontes Garantia da Inclusão e da Permanência Escolar de Crianças e Adolescentes com Necessidades Educativas Especiais.

Leia mais

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo:

Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1. Resumo: Resumo: Inclusão: entre a teria e a prática Roberta Kuhn Fuhr 1 Este artigo apresenta uma breve análise de como esta se desencadeando o processo de inclusão de crianças com necessidades especiais nas instituições

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão Diretoria de Políticas de Educação Especial Inclusão A concepção da inclusão educacional expressa o conceito

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

NOTA DE REPÚDIO ou sob o regime de tempo parcial, a partir de quatorze anos

NOTA DE REPÚDIO ou sob o regime de tempo parcial, a partir de quatorze anos NOTA DE REPÚDIO A presente Nota faz considerações referentes à Proposta de Emenda Constitucional PEC nº 18 de 2011, de autoria do Deputado Federal Dilceu Sperafico e outros, que propõe o seguinte texto

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010. (Do Sr. Eduardo Barbosa) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2010 (Do Sr. Eduardo Barbosa) Susta a aplicação do 1º do art. 29 da Resolução CNE/CEB nº 4, de 13 de julho de 2010, da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa

Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo Unidade 01 Tópico 01 Políticas na Atenção do Idoso Introdução as Políticas Públicas Políticas Públicas Ao longo do tempo o papel do Estado frente

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA Apresentador: Mayara Lucia Martins. MARTINS, Mayara

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DA EDUCAÇÃO BÁSICA INTERESSADA: Associação Pestalozzi do Ceará EMENTA: Credencia e autoriza o funcionamento da Associação Pestalozzi do Ceará, nesta capital, como Centro de Atendimento Educacional Especializado para complementar

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 07/2015. O Conselho Municipal de Educação - CME, no uso de suas competências e considerando: RESOLUÇÃO Nº 07/2015. Estabelece normas para Educação Especial na perspectiva de educação inclusiva para Alunos com necessidades educacionais especiais durante o período escolar em todas as etapas e modalidades

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A Defensoria Pública é a instituição com previsão constitucional para prestar assistência jurídica integral às pessoas que não têm condições

A Defensoria Pública é a instituição com previsão constitucional para prestar assistência jurídica integral às pessoas que não têm condições A Defensoria Pública é a instituição com previsão constitucional para prestar assistência jurídica integral às pessoas que não têm condições financeiras para pagar por um advogado. (Art. 134 da Constituição)

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica.

ASSISTENTE SOCIAL. C européia e da Igreja Católica. D política, através do governo Getúlio Vargas e da Igreja Católica. ASSISTENTE SOCIAL 01. Considerando que o Serviço Social foi introduzido no Brasil nos anos 30, é correto afirmar que a primeira escola de Serviço Social, criada em 1963, no seu inicio sofreu forte influência:

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 VOTO EM SEPARADO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 309 DE 2011 Altera o art. 33 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para dispor sobre a obrigatoriedade do ensino religioso nas redes públicas de ensino

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais

Juristas Leigos - Direito Humanos Fundamentais. Direitos Humanos Fundamentais Direitos Humanos Fundamentais 1 PRIMEIRAS NOÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS 1. Introdução Para uma introdução ao estudo do Direito ou mesmo às primeiras noções de uma Teoria Geral do Estado

Leia mais

DIREITO DE ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA

DIREITO DE ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA 1 DIREITO DE ACESSIBILIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA Cezar E. Martinelli 1 RESUMO: O artigo fala sobre o Direito de Acessibilidade e sua importância, ligado aos movimentos sociais que promovem

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE

INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE Adrina Mendes Barbosa (UFBA) 1 Bárbara Vergas (UEFS) 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho aborda as políticas

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profa.: Jane Peruzo Iacono Projeto: UNIOESTE/MEC 2006 Por que é equivocado dizer que a INCLUSÃO refere se a um processo direcionado aos alunos com necessidades educacionais especiais,

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE:

II - ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE: EDUCAÇÃO INFANTIL I - META 1 DO PNE: Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta de educação infantil em creches

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

6º FÓRUM SENADO DEBATE BRASIL. Convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência : uma Constituição viva e cidadã

6º FÓRUM SENADO DEBATE BRASIL. Convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência : uma Constituição viva e cidadã 6º FÓRUM SENADO DEBATE BRASIL Convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência : uma Constituição viva e cidadã Denise Granja Presidente do Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DE CRIANÇAS PORTADORAS DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Organizações de defesa do cidadão

Organizações de defesa do cidadão Organizações de defesa do cidadão Denise Catarina Silva Mangue Ser cidadão na sociedade da informação Em 1976, o inglês T. H. Marshall um dos principais pensadores contemporâneos envolvidos na discussão

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva

Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva Práticas avaliativas numa perspectiva inclusiva Adriana feijão de Sousa Magalhães Universidade Estadual Vale do Acaraú Resumo: O presente artigo pretende tratar da avaliação inclusiva como forma de oportunizar

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Atendimento Educacional Especializado

Atendimento Educacional Especializado Atendimento Educacional Especializado Do preferencial ao necessário Meire Cavalcante Insira aqui o seu nome Deficiência... EXCLUSÃO NÃO HUMANIDADE SEGREGAÇÃO INTEGRAÇÃO INCLUSÃO Concepções... Segregação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES

EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES EDUCAÇÃO ESPECIAL: A INCLUSÃO ESCOLAR DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 Aline Cezário Coutinho 2 Cristiane Tenuta Cabral

Leia mais

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay

Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Seminario internacional: 2025: juventudes con una mirada estratégica Claves para un sistema de formación en perspectiva comparada - Uruguay Experiência Brasil Eliane Ribeiro UNIRIO/UERJ/ Secretaria Nacional

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2014-2018 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011 2020 METAS E ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO Marcos Neves Comissão Central PDI do IFSC PNE EXIGÊNCIA CONSTITUCIONAL O art.

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC

POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO. Secretaria de Educação Especial/ MEC POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS ALTAS HABILIDADES / SUPERDOTAÇÃO Secretaria de Educação Especial/ MEC Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva Objetivo Orientar os sistemas

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais