Título: Educação Corporativa no Sistema Cooperativista: Custo X Benefícios. Autor: SOUZA, T. A. de; LIMA, T. C. P. de; SILVEIRA, V. S. B.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título: Educação Corporativa no Sistema Cooperativista: Custo X Benefícios. Autor: SOUZA, T. A. de; LIMA, T. C. P. de; SILVEIRA, V. S. B."

Transcrição

1 1 Título: Educação Corporativa no Sistema Cooperativista: Custo X Benefícios Autor: SOUZA, T. A. de; LIMA, T. C. P. de; SILVEIRA, V. S. B. da Fonte: para citar este artigo, consulte o(a) autor(a) pelo endereço eletrônico

2 2 GESTÃO DE PESSOAS NO CONTEXTO COOPERATIVISTA EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO SISTEMA COOPERATIVISTA: CUSTO X BENEFÍCIOS SOUZA, Tays Almeida de (autor principal) LIMA, Tereza Cristina Pinheiro de SILVEIRA, Vinicius Sebastião Borges da SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DE GOIÁS SESCOOP/GO E PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIAS PUC-GO

3 3 RESUMO O presente é fruto de um estudo realizado dentro do Sistema OCB/SESCOOP-GO, com o objetivo de apresentar a conversão das despesas (taxas e contribuições) das cooperativas goianas junto ao Sistema, em investimento profissional, através de educação e capacitação. Trata-se de um estudo exploratório em que serão utilizados diversos instrumentos metodológicos como: pesquisas documentais, questionários, análise de dados, planilhas de informações e indicadores de desempenho da organização, dentre outras, visando comprovar o retorno às cooperativas goianas das despesas tidas através dos pagamentos, obrigatórios por Lei, feitos ao Sistema OCB/SESCOOP-GO: contribuição sindical, contribuição cooperativista e contribuição de manutenção, oferecendo suporte e estruturação dentro da gestão de cada cooperativa goiana. Apresenta o retorno das despesas, pagas pelas cooperativas ao Sistema OCB/SESCOOP-GO, através de gráficos e tabelas referentes às avaliações dos processos, e a conversão e transformação das despesas da cooperativa junto ao Sistema em desenvolvimento profissional. Diante da pesquisa realizada, constatou-se uma evolução considerável nas atividades educacionais e sociais desenvolvidas pelo Sistema OCB/SESCOOP-GO e as cooperativas, que usufruem desse recurso, comprovando a otimização dos resultados gerados pelas atividades desenvolvidas em parceria. PALAVRAS CHAVE: gestão cooperativa, profissionalização cooperativista. ABSTRACT This is the fruit of the a study conducted within the system OCB / SESCOOP-GO, with the aim of presenting the conversion of expenditure (taxes and contributions) of cooperatives goianas next to the system, investment in training, through education and training. This is an exploratory study that will be used in various methodological tools such as documentary research, questionnaires, data analysis, spreadsheets of information and performance indicators for the organization, among others, to prove a return to cooperatives goianas expenditure taken by payments, required by law, made to the system OCB / SESCOOP-GO: contribution association, cooperative contribution and contribution of maintenance, offering support and structuring within the management of each cooperative goianas. It presents the return of expenses, paid by the cooperatives system OCB / SESCOOP-GO, through graphs and tables relating to assessments of processes, and the conversion and processing costs of the cooperative system in the next professional development. Given the research conducted, there was a considerable progress in educational activities and social system developed by OCB / SESCOOP-GO and cooperatives, which have this feature, showing the optimization of the results generated by activities in partnership. KEY WORDS: Cooperative management, Professional cooperative.

4 4 1. INTRODUÇÃO O presente artigo é resultado de estudo desenvolvido no Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado de Goiás OCB-GO e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Goiás SESCOOP/GO - Sistema OCB/SESCOOP-GO. Tem como objetivo conhecer o grau de satisfação das cooperativas goianas dos serviços oferecidos pelo SESCOOP/GO, analisar e comprovar o retorno dos recolhimentos, obrigatórios, feitos pelas cooperativas goianas, ao Sistema sob forma de capacitação, desenvolvimento profissional e aperfeiçoamento intelectual aos cooperativistas. Trata-se de um estudo exploratório em que serão utilizados diversos meios de pesquisas e análises de dados, visando comprovar o retorno às cooperativas goianas das despesas tidas através dos pagamentos, obrigatórios por Lei, feitos ao Sistema OCB/SESCOOP-GO: contribuição sindical, contribuição cooperativista e contribuição de manutenção, oferecendo suporte e estruturação dentro da gestão de cada cooperativa goiana. No desenvolvimento dos estudos pretendem-se apresentar o retorno das despesas, pagas pelas cooperativas ao Sistema OCB/SESCOOP-GO, em forma de capacitação e desenvolvimento profissional, baseada nas mais modernas práticas de gestão. O trabalho está estruturado em capítulos, onde num primeiro momento, apresenta-se a fundamentação teórica a partir da contextualização do cooperativismo, seus princípios, seu histórico e sua inserção no Brasil. Discute os conceitos e descrição dos principais processos e práticas sobre gestão organizacional, voltados ao retorno do investimento sob forma de capacitação profissional. A análise conceitual dessas teorias contextualizará os resultados obtidos na pesquisa. Posteriormente, descreve os procedimentos metodológicos que foram utilizados neste trabalho científico, comprovado através de pesquisas documentais, questionários, análise de dados, planilhas de informações e indicadores de desempenho da organização, dentre outras. Apresenta o SESCOOP, seu histórico e perfil da organização, a pesquisa e os resultados obtidos pela análise dos processos investigados na pesquisa organizacional, apresentando os gráficos e tabelas referentes às avaliações dos processos, e apresenta a conversão e a transformação das despesas da cooperativa junto ao Sistema em desenvolvimento profissional. Posteriormente, no último capítulo, apresentam-se as considerações finais e a validação da pesquisa O estudo justifica-se tendo em vista que o atual cenário socioeconômico brasileiro apresenta uma diversidade de problemas, dentre os quais, a tributação imposta pela nossa Federação gera uma grande evasão financeira dentro das organizações. Tal fato não é diferente dentro das cooperativas, e além de toda tributação existem os recolhimentos diretos, feitos ao Sistema OCB/SESCOOP-GO, são eles: contribuição sindical, contribuição cooperativista, contribuição de manutenção e recolhimento ao Sistema S pertinente, no caso das cooperativas o SESCOOP/GO, sobre a folha de pagamento dos colaboradores das cooperativas. Diante disso, a proposta deste trabalho é usufruir dessa proximidade conquistada e buscar mais confiabilidade, comprovando junto às cooperativas goianas que após executarem os recolhimentos pertinentes à Casa do

5 5 Cooperativismo, existe um retorno financeiro através do desenvolvimento profissional. O SESCOOP/GO que atua como braço educacional da OCB-GO, tem condições de retornar tais dispêndios através de prestação de serviços profissionais, educação, capacitação e profissionalização da gestão cooperativista. A problematização da pesquisa partiu das seguintes indagações: as cooperativas goianas enxergam o Sistema OCB/SESCOOP-GO apenas como órgão recolhedor de contribuições obrigatórias? E ainda, as cooperativas goianas utilizam a prestação de serviços profissionais e educacionais disponibilizados para as mesmas, obtendo assim o retorno das contribuições? As hipóteses levantadas que orientaram a pesquisa foram: as cooperativas não visualizam o retorno das contribuições feitas ao Sistema OCB/SESCOOP-GO, através da profissionalização e capacitação das respectivas. As contribuições, obrigatórias, feitas ao Sistema OCB/SESCOOP-GO, pelas cooperativas goianas, retornam sob forma de profissionalização e capacitação das respectivas. As cooperativas, que já utilizam a capacitação oferecida pelo SESCOOP/GO, revelam sua satisfação e otimização de resultados, visualizando o retorno das contribuições recolhidas, sob forma de educação profissional. 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1. Cooperativismo O cooperativismo é um movimento internacional que tem por objetivo a solução de problemas sociais por meio da criação de comunidades de cooperação formadas por indivíduos livres, que se encarregariam da gestão da produção e participariam igualitariamente dos bens produzidos em comum. Os princípios do Cooperativismo são os fundamentos, o ponto de partida que serve para orientar e encaminhar uma ciência ou doutrina, a saber: Adesão livre e voluntária; Gestão democrática; Participação econômica dos membros; Autonomia e independência; Educação, formação e informação; Intercooperação e Interesse pela comunidade.schneider (2003) Legalmente no Brasil, as cooperativas deram inicio 1903 pelo Decreto nº. 979 que regula a classe dos sindicatos e cooperativas rurais e de consumo, e posteriormente em 1907 pelo Decreto n º 1.637, este então instituiu as formas de constituição as cooperativas, mais tarde em 1932 com o Decreto n º formando assim o marco do cooperativismo no Brasil. No ano seguinte este Decreto foi substituído pelo Decreto n º dando formalização legal as cooperativas. Atualmente as sociedades cooperativas brasileiras estão reguladas pela Lei nº , de 1971 que definiu a Política Nacional de Cooperativismo e instituiu o regime jurídico das cooperativas. Sendo ainda o cooperativismo tratado na Constituição Federal de 1988 e no Novo Código Civil Brasileiro de A idéia do cooperativismo se originou da visão de que a cooperação é a melhor forma de solucionar os interesses comuns dos indivíduos, pois, usa um método de trabalho conjugado, ao mesmo tempo em que se mostra como um sistema econômico peculiar, onde o trabalho comanda o capital. Este trabalho em cooperação leva a uma economia humanizada, cujo valor reside no individuo acima

6 6 do capital, levando o resultado final da ação conjunta para o desenvolvimento do grupo. Com as mudanças de cenário político, tecnológico, comunicação e de mercado, as cooperativas se vêem na obrigação de se ajustarem a esta nova realidade sem perderem a sua verdadeira identidade, tornando-se organizações competitivas e profissionalmente geridas e atuando como real instrumento de valorização e progresso do ser humano OCB/GO Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado de Goiás A evolução histórica da OCB-GO teve inicio em 1956, em Goiânia - GO, onde foi realizada a primeira assembléia para constituição da União das Cooperativas no Estado de Goiás UCEG com intenção de constituir a primeira associação de cooperativas do Estado de Goiás, congregando-as numa entidade que pudesse atuar como órgão de classe, na defesa e propagação do verdadeiro cooperativismo. A OCB-GO se coloca a serviço de suas cooperativas investindo na qualificação de seus dirigentes, do seu quadro social e funcional e ainda apoiando e realizando congressos e eventos onde são discutidas as diretrizes do sistema cooperativista. Hoje a organização congrega em seu quadro social 154 cooperativas registradas e 152 registradas e filiadas atuantes nos seguintes ramos: agropecuário, consumo, saúde, crédito, educacional, infra-estrutura, habitacional, trabalho, transportes e produção. A Entidade dispõe à suas filiadas, entidades parceiras e sociedade em geral, a estrutura e serviços, compostos de: consultoria jurídica especializada; consultoria contábil-fiscal; fomento de novas cooperativas; educação cooperativista; ampla biblioteca para pesquisas; serviços de despachante para cooperativas do interior; e instalações para realização de reuniões, cursos e eventos e outros. Constituem os objetivos da sociedade: o estudo, coordenação, proteção e representação sindical das cooperativas goianas. A partir do estatuto e regimento interno pesquisados, importante se faz apresentar a missão e visão da OCB-GO, entendida como: promover a Defesa Política e Econômica das Cooperativas do Estado de Goiás, oferecendo serviços que apóiem o pleno e efetivo desenvolvimento sustentado (equilibrado) das cooperativas em todos os ramos de atividade, mantendo: unidade doutrinária de acordo com princípios universais do cooperativismo; e a integração dos diversos ramos cooperativistas. Sua Visão é Ser a referência do cooperativismo goiano, garantindo ambiente favorável ao desenvolvimento das cooperativas no Estado de Goiás SESCOOP/GO Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Goiás O SESCOOP (Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo) teve origem no RECOOP, com o objetivo de organizar, administrar e executar em todo o território nacional o ensino de formação profissional, desenvolvimento e promoção social do trabalhador em cooperativas e dos cooperados, para todos os ramos de atividade. Órgão descentralizado, foi criado nos termos da Medida Provisória nº 1.715, de 3 de setembro de 1998 e suas edições e do Decreto nº de 7 de abril

7 7 de 1999, sendo instalado efetivamente em 28 de outubro de Todo o sistema SESCOOP está sob vinculação do Ministério do Trabalho, Emprego e Renda. A partir desta data, as Organizações Cooperativistas Estaduais (OCE s) passaram a organizar suas estruturas educacionais, desenvolvendo seus SESCOOP s com a missão de promover, apoiar e executar as ações de formação profissional, monitoramento e produção social no âmbito das cooperativas brasileiras. Por esses e outros atributos acabou sendo comparado ao sistema S da indústria, comércio e serviço brasileiro (Sesc, Senai e Senac). Assim, o SESCOOP seria o Sistema S do cooperativismo nacional e sua finalidade é executar as ações de formação profissional, monitoramento e promoção social no âmbito das cooperativas do Estado de Goiás. A partir do estatuto e regimento interno pesquisados, importante se faz apresentar a missão e visão do SESCOOP/GO, sendo a primeira compreendida como Promover, apoiar e executar ações de monitoramento, formação profissional e promoção social no âmbito das Cooperativas Goianas e sua Visão è Ser a referência do cooperativismo goiano, garantindo ambiente favorável ao desenvolvimento das cooperativas no Estado de Goiás. O Sistema OCB/SESCOOP-GO tem procurado estimular e preparar os empresários cooperativistas para uma atuação mais associada aos princípios do cooperativismo e à intercooperação, bem como o de proporcionar um maior desenvolvimento da gestão profissional das cooperativas juntamente com seu quadro de cooperados e colaboradores. Para uma melhor visualização, as ações são divididas em duas linhas de atuação que compreendem a formação profissional (profissionalização da gestão, qualificação profissional e desenvolvimento cooperativista) e a promoção social Educação Cooperativista No atual cenário socioeconômico brasileiro em que um dos fatores mais preocupantes é o desemprego, é imprescindível a busca de alternativas de geração de trabalho e renda que venham a atender aos anseios e necessidades de uma considerável parcela da população que se encontra numa total situação de exclusão do trabalho ou sub-empregabilidade. Neste contexto, o cooperativismo se apresenta como uma das possíveis alternativas de criação de pequenas forças produtivas para buscar a humanização social e do trabalho. A estruturação dessas forças em forma de sociedades cooperativas propicia a busca de meios de se inserir no mercado com o objetivo de prestar serviço procurando uma remuneração mais justa. A união, o envolvimento e o comprometimento de cada associado, poderão dar-lhes uma maior sustentação e razão para a obtenção de uma vida mais digna, com renda mais justa. A importância da educação cooperativista atinge seu maior grau de relevância quando sabemos que a cultura capitalista transforma o cidadão em objeto de um sistema produtivo pelo qual recebe seu salário. Trazê-los para o pensamento e prática efetiva de ações cooperativas, mostrando que esta atividade somente atingirá seus objetivos, quando todas as partes envolvidas tiverem a plena consciência de que a socialização dos meios e fins do trabalho só será conquistada, quando cada ato participativo também for nesta direção. Schneider (2003) afirma que: a educação e a capacitação são indispensáveis em qualquer instituição, mas nas cooperativas elas são questão de sobrevivência.

8 8 O treinamento, qualificação e educação do quadro social e operacional das cooperativas têm como objetivo orientar ações cooperativistas, dando a conformação de um sistema auto-gestionável, de acordo com as necessidades e realidades do mercado, fazendo com que o sucesso seja fundamentado na disciplina e consciência cooperativista dos associados e dirigentes. 3. MATERIAIS E MÉTODOS Trata-se de um estudo exploratório em que serão utilizados diversos meios de pesquisas e análises de dados que foram obtidos através da consultas documentais, artigos, livros, textos e sites relativos à área estudada, questionários, entrevistas e observação direta participativa. Para Minayo (2001), além da descrição formal dos métodos e técnicas a serem utilizados em uma pesquisa, a metodologia aponta as opções e a leitura feita do quadro teórico. Ainda ressalta que a metodologia é composta de três elementos fundamentais: definição da amostragem, coleta de dados e análise dos dados. Dessa forma, será aplicado um questionário que mensura os resultados dos treinamentos subsidiados pelo SESCOOP/GO, juntamente com o grau de satisfação das cooperativas que usufruem desses serviços. Vale ressaltar que estes coordenadores são os verdadeiros instrumentos educacionais dentro das cooperativas, realizando a função de identificação de necessidade e executando ações para suprir tal necessidade. O processo de coleta de dados foi realizado em três momentos, iniciando-se com a pesquisa documental nos arquivos da OCB-GO e do SESCOOP/GO, objetivando levantar informações sobre os valores de contribuições que as cooperativas fizeram à OCB-GO e o orçamento do SESCOOP/GO. Os dados possibilitaram traçar um paralelo e levantar o percentual do retorno que as cooperativas recebem através de capacitação e promoção social ao apresentarem projetos ao SESCOOP/GO. No segundo momento foi aplicado um questionário junto à quinze cooperativas que executaram treinamentos, in loco, subsidiados pelo SESCOOP/GO nos anos de 2004, 2005, 2006 e 2007, com objetivo de identificar o grau de satisfação e a obtenção de resultados através dos respectivos treinamentos. Neste momento busca-se uma comprovação da qualidade do trabalho para apresentação às cooperativas que ainda não usufruem de tal benefício. No terceiro momento foi feita uma pesquisa orçamentária no mercado com o objetivo de apresentar os valores reais, dos serviços oferecidos pela entidade, a fim de comparar os benefícios financeiros através destes serviços disponibilizados. 4. PESQUISA E ANÁLISE DE DADOS 4.1. Contextualização Histórica e Evolução do SESCOOP/GO O SESCOOP/GO tem como público alvo as cooperativas contribuintes, legalmente constituídas, registradas na OCB-GO e em situação de regularidade junto ao Sistema. As metas a serem atingidas são planejadas e especificadas no Plano de Trabalho Anual que após avaliação técnica da viabilidade de execução das ações, estas são levadas para apreciação do Conselho de Administração para sua devida aprovação.

9 9 Todos os projetos, após aprovação do Conselho, passam a compor um plano de trabalho que dá origem a um contrato com a cooperativa, para realização de cada projeto, que após ser devidamente assinado, passa-se efetivamente à sua execução. Os treinamentos são realizados, em sua maioria, na própria cooperativa solicitante, sendo que os resultados, avaliações e controle de freqüência são arquivados na entidade. Desde a criação do braço educacional da OCB-GO, que é o SESCOOP/GO, em 1999, a educação cooperativista teve uma evolução considerável tanto em relação às atividades desenvolvidas, quanto à participação de cooperados e colaboradores das sociedades cooperativas, conforme o Quadro 01: ITENS ANALISADOS Número de atividades específicas realizadas Número de pessoas beneficiadas Número de cooperativas participantes Horas/aula de atividades realizadas ANO Fonte: Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado de Goiás SESCOOP/GO Quadro 01: Evolução das atividades do SESCOOP/GO ( ) O quadro 01 retrata toda a história do SESCOOP/GO, desde seu nascimento, 1999, até o ano de Em oito anos de funcionamento, passou-se de 95 pessoas beneficiadas para participantes das atividades de educação, capacitação e profissionalização. Em 1999 a entidade realizou duas atividades, chegando a 318 atividades em Nos últimos quatro anos mantém-se uma média de 295 atividades, com evolução de 25,7% de 2004 à No que se refere ao número de cooperativas que participam do sistema, em 1999 apenas 02 cooperativas obtiveram subsídios do SESCOOP/GO para capacitação e profissionalização de colaboradores e funcionários, No ano de 2007 foram 119 cooperativas presentes nas atividades desenvolvidas. De 40 horas/aula em 1999 passou-se para horas/aula de formação profissional e promoção social ao público cooperativista.

10 Pesquisa Documental Orçamentária: OCB-GO e SESCOOP/GO Todas as cooperativas, ao pagarem os impostos que incidem sobre a folha de pagamento de seus empregados, 2,5% (percentual variável), é destinado, pelo Ministério do Trabalho, ao Sistema S (entidade voltada para a prestação de serviço educacional) para ser revertido na profissionalização do trabalhador, O repasse para as cooperativas goianas é feito pelo SESCOOP/GO. A legislação brasileira, o estatuto social e o regimento da Organização das Cooperativas Brasileiras OCB Nacional, apontam que as cooperativas são obrigadas à recolher as contribuições devidas, à sua entidade reguladora (nesse caso, OCB-GO). Diante disso a receita da OCB-GO é composta por três recolhimentos: contribuição cooperativista, contribuição sindical e taxa de manutenção. Sendo que a taxa de manutenção é fixa e as demais correspondem à receita de cada cooperativa. Diante da impossibilidade de escolha sobre a incidência na folha de pagamento dos empregados e da obrigatoriedade do recolhimento, foi feita uma analogia entre os valores disponibilizados para emprego em capacitação e os valores recolhidos através das contribuições e taxas. Coletando dados e informações, dos últimos três exercícios, através de pesquisa documental, junto aos registros do Sistema OCB/SESCOOP-GO, os documentos pesquisados foram: Orçamento e plano de trabalho /2007; (SESCOOP/GO); Relatório de atividades e prestação de contas 2005/2006/2007 (OCB/SESCOOP-GO) e Relatório de contribuição sindical e de manutenção 2005/e006/2007 (OCB-GO). Ilustrando os valores levantados, a seguir têm-se os quadros das receitas de ambas as casas, apresentando a analogia proposta anteriormente. ANO RECEITA BRUTA OCB-GO RECURSOS APLICADOS SESCOOP/GO 2005 R$ ,20 R$ , R$ ,65 R$ , R$ ,14 R$ ,87 Fonte: Sistema OCB/SESCOOP-GO QUADRO 02 INFORMAÇÕES FINANCEIRAS No ano de 2005, a OCB-GO possuía 188 cooperativas registradas, nesse universo, apenas 20 cooperativas (11%), solicitaram subsidio ao SESCOOP/GO, para a realização das 296 atividades concretizadas. Considerando os valores, podese observar que, mediante receita obtida pela OCB-GO, através de todos os recolhimentos, o SESCOOP/GO conseguiu devolver às cooperativas goianas 90% (aproximadamente) da receita bruta, originada pelos recolhimentos, através de educação profissional. No ano de 2006, os registros da OCB-GO apontavam 193 cooperativas registradas, nesse universo, apenas 24 cooperativas (13%), apresentaram projeto ao SESCOOP/GO, para a realização das 276 atividades concretizadas. Diante dos valores, observa-se que em 2006, a receita obtida pela OCB-GO, através de todos

11 11 os recolhimentos, foi menor que os recursos aplicados em profissionalização, nesta ocasião o SESCOOP/GO devolveu às cooperativas goianas 109% das contribuições recolhidas. Os dados de 2007, ano este em que os registros da OCB-GO possuíam 222 cooperativas, e apenas 26 cooperativas (12%), recorreram à parceria do SESCOOP/GO, para a realização das 318 atividades executadas. Considerando os valores, pode-se observar que, mediante receita obtida pela OCB-GO, através de todos os recolhimentos, o SESCOOP/GO conseguiu devolver às cooperativas goianas 82% (aproximadamente) da receita bruta, originada pelos recolhimentos, através de aperfeiçoamento e desenvolvimento profissional. Posto isto, considera-se que as cooperativas estão alheias a decisão do repasse, feito pelo Ministério do Trabalho ao Sistema S, e conseqüentemente ao SESCOOP/GO, e são obrigadas a recolher as contribuições e taxas da OCB-GO. E diante da comparação apresentada, constata-se que os recolhimentos retornam às cooperativas goianas (pelo menos 80%, conforme o histórico comprova) através de capacitação, profissionalização, aperfeiçoamento organizacional, educação e promoção social Outros Serviços Prestados pela OCB-GO Conclui-se que as cooperativas possuem um grande incentivo de estar registrada na OCB-GO, pois o valor que ela contribui pode retornar a ela através dos serviços prestados pelo SESCOOP/GO, uma vez que esse retorno esta voltando através de capacitação para os seus colaboradores e associados. Além dos serviços oferecidos pelo SESCOOP/GO, figuram como benefícios o registro na OCB-GO como: Consultoria Jurídica; Consultoria Contábil; Expedição; Conciliação e Arbitragem: na 7ª Corte de Conciliação e Arbitragem; Biblioteca; Fomento e um sistema de Comunicação que cuida da comunicação com público interno e externo do cooperativismo goiano. Possui ainda, uma estrutura física que conta com um auditório destinado ao uso das cooperativas de todo o Estado com capacidade para 117 pessoas sentadas, uma sala de cursos com uma avançada estrutura física para a qualidade dos cursos oferecidos com capacidade para 40 pessoas e estacionamento próprio com total segurança aos veículos Pesquisa de Satisfação das Cooperativas No ensejo de levantar o grau de satisfação do serviço prestado pelo SESCOOP/GO, foi aplicada uma pesquisa (questionário abaixo com descrição de cada questão abordada) à quinze cooperativas, especificamente, à quinze coordenadores de treinamento, que apresentaram projetos para o SESCOOP/GO nos anos de 2004, 2005, 2006 e 2007, dados estes que geraram um paralelo para referência no aumento ou não da satisfação das cooperativas no que diz respeito à profissionalização de seus colaboradores. O questionário foi aplicado aos coordenadores de treinamento dessas cooperativas com o objetivo de conhecer tanto o grau de satisfação dos mesmos como os resultados efetivos das ações de capacitação na cooperativa. Elaborou-se um conjunto de questões e solicitava-se que o pesquisado marcasse uma nota de 0,0 a 10,0. A seguir apresentam-se os resultados da pesquisa e a análise dos dados coletados.

12 12 No que se refere a sua participação nos eventos de capacitação atribuiu nota 6,8. Como o cooperado avalia seu desempenho após a participação nos eventos de capacitação, temos a nota 8,1. No que se referem às relações interpessoais as pessoas obtiveram uma nota média de 7,4 antes dos eventos de capacitação e 8,6 após a participação num evento de capacitação. Questionou-se sobre o grau de conhecimento, antes dos cursos, sobre cooperativismo registrando-se uma nota média de 6,84. Quando foi questionado sobre os treinamentos, a qualidade administrativa e gerencial da cooperativa antes das ações de T&D, os participantes se deram nota média de 7,38 e depois das ações de T&D, oferecidos pelo SESCOOP/GO, tivemos uma nota média de 8,42. Perguntou-se ainda, em que grau, o programa realizado, contribuiu para a melhoria da capacitação e da profissionalização da cooperativa, foi dado a nota média de 9,13, isso nos permite visualizar a importância dos eventos realização através do SESCOOP/GO. E, por fim, qual o grau de satisfação com todo o programa de capacitação. Com relação ao grau de satisfação geral, realizou-se um paralelo entre 2004 e O SESCOOP/GO obteve uma nota de 9,18. O questionário aplicado junto ao coordenador de treinamentos de cada cooperativa teve como objetivo mensurar as mudanças que os mesmos verificaram no sentido da profissionalização dos colaboradores e/ou cooperados. Buscou-se ainda conhecer o reflexo da capacitação na produtividade e lucratividade da cooperativa, ressaltando que os coordenadores monitoram as ações e participam, enquanto alunos, das atividades. Apresentam também, os indicadores de efetividade das atividades educacionais e profissionais desenvolvidas pelo SESCOOP/GO. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Nota-se que grande parte das cooperativas do Estado de Goiás não usufruem dos serviços oferecidos pela Casa do Cooperativismo e não vislumbram, que os recursos disponibilizados pelo SESCOOP/GO, podem ser uma forma de retorno dos tributos recolhidos à OCB/GO. Tal fato ocorre, devido a falta de conhecimento dos gestores cooperativistas. Portanto este trabalho vem expressar e tornar público o retorno dessas contribuições, sob forma de capacitação e desenvolvimento das cooperativas goianas. Os números levantados no decorrer deste trabalho evidenciam o retorno dos tributos recolhidos, comprovando que 80% da receita bruta da OCB-GO, volta para dentro das cooperativas, como educação profissional e promoção social. Esse resultado é possível porque o Ministério do Trabalho destina 2,5% (percentual variável) dos impostos recolhidos sobre a folha de pagamento dos empregados, ao SESCOOP/GO (Sistema S da classe), para ser revertido em ações que integram e qualificam os trabalhadores das cooperativas goianas. Como essa destinação está alheia às decisões das cooperativas e o SESCOOP/GO foi criado para atuar como braço educacional da OCB/GO, a realização de atividades educacionais em parceria com o SESCOOP/GO é uma forma das contribuições recolhidas pela OCB/GO retornarem para dentro das cooperativas. Dentro desse contexto a Casa do Cooperativismo cumpre com seu o papel de representação política, oferece serviços em diferentes áreas profissionais e ainda devolve às cooperativas, grande parte dos tributos recolhidos, através de

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO

DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO DIRETRIZES APROVADAS PELA SESSÃO PLENÁRIA DO CONGRESSO Brasília, 11 de setembro de 2010 TEMA 1 DIRETRIZES E HORIZONTES DA RELAÇÃO POLÍTICA E INSTITUCIONAL DO SISTEMA COOPERATIVISTA 1.1 - FORTALECER A REPRESENTAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE AUTOGESTÃO DAS COOPERATIVAS GOIANAS

PROGRAMA DE AUTOGESTÃO DAS COOPERATIVAS GOIANAS PROGRAMA DE AUTOGESTÃO DAS COOPERATIVAS GOIANAS 1. INTRODUÇÃO A autogestão é o processo pelo qual os próprios cooperados, líderes e dirigentes assumem a total responsabilidade pela gestão da cooperativa,

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PMI - Project Management Institute Capítulo Goiânia Goiás Brasil PROGRAMA DE VOLUNTARIADO GOIÂNIA GOIÁS 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Justificativa... 3 4. O Trabalho Voluntário... 4

Leia mais

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa

Palavras-chave: Desenvolvimento profissional, Desenvolvimento organizacional, Parceria Universidade-Empresa PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL PARA EMPRESAS INTEGRADAS: UMA PARCERIA UNIVERSIDADE EMPRESA Gislaine Zainaghi zainaghi@sc.usp.br Prof. Dr. Carlos F. Bremer bremer@sc.usp.br Escola de Engenharia

Leia mais

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO A OCB/TO é formada por cooperativas singulares, federações e centrais de todos os ramos. Pela Lei 5.764/71, ainda em vigor, todas

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS.

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA 2016 A Política de Responsabilidade Social da AngloGold Ashanti define como um de seus princípios que a presença de nossa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 GESTÃO PARTICIPATIVA NA CONSTRUÇÃO DA QUALIDADE DE ENSINO EM COOPERATIVAS EDUCACIONAIS DO PIAUÍ Cyjara Orsano

Leia mais

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL 2015 PROJETO BRA/11/023 Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2

Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2 A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DO TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO NAS ORGANIZAÇÕES Ilmara de Jesus Oliveira 1, Cleide Ane Barbosa da Cruz 2. O presente artigo apresenta os conhecimentos teóricos acerca da importância

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIORJ DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU CONFEDERAÇÃO COOPERATIVA DE 2º GRAU FEDERAÇÃO OU CENTRAL COOPERATIVA DE 1º GRAU

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - EXERCÍCIO 2008

RELATÓRIO DE GESTÃO E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - EXERCÍCIO 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - EXERCÍCIO 2008 1. IDENTIFICAÇÃO NOME: Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo do Estado de Sergipe SESCOOP/SE. NATUREZA JURÍDICA: Instituição

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM

PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM PRINCIPAIS FERRAMENTAS DE GESTÃO APLICADAS NA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DO SUL DE MINAS - FACESM CRISTIANE MORATTO FÉLIX DE FREITAS Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas do Sul de Minas

Leia mais

Índice. Apresentação... 03. Por que contribuir para o SEST/SENAT... 03. Contribuintes do SEST/SENAT... 03. Como contribuir ao SEST/SENAT...

Índice. Apresentação... 03. Por que contribuir para o SEST/SENAT... 03. Contribuintes do SEST/SENAT... 03. Como contribuir ao SEST/SENAT... Índice Apresentação... 03 Por que contribuir para o SEST/SENAT... 03 Contribuintes do SEST/SENAT... 03 Como contribuir ao SEST/SENAT... 04 Alíquotas das Contribuições e Vencimentos... 04 Formas de Contribuição...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO Remígio Todeschini 1 1.Introdução O presente texto pretende ser uma contribuição inicial da relação de cooperação entre a Educação

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Matéria publicada originalmente no Diário do Comércio Data: 01/08/2006 01 - CONCEITOS? 1.01.

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

SELO TRÂNSITO SEGURO REGULAMENTO E FORMULÁRIO

SELO TRÂNSITO SEGURO REGULAMENTO E FORMULÁRIO 2010 SELO TRÂNSITO SEGURO REGULAMENTO E FORMULÁRIO APRESENTAÇÃO O aumento da mortalidade e da morbidade de acidentes envolvendo motocicletas representa um desafio para a missão de garantir segurança para

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA POLÍTICA ESTADUAL DE APOIO AO COOPERATIVISMO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA POLÍTICA ESTADUAL DE APOIO AO COOPERATIVISMO LEI N. 1.598, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2004 Institui a Política Estadual de Apoio ao Cooperativismo. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado do Acre decreta

Leia mais

CAPITULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DO COOPERATIVISMO.

CAPITULO I DA POLÍTICA MUNICIPAL DO COOPERATIVISMO. LEI Nº 1.827/2009. EMENTA: Institui a política de apoio e incentivo ao desenvolvimento do Cooperativismo no âmbito do município de Santa Cruz do Capibaribe/PE e dá outras providências. A MESA DIRETORA

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

Qualidade do Sistema Tributário é considerada muito ruim

Qualidade do Sistema Tributário é considerada muito ruim Qualidade do Sistema Tributário é considerada muito ruim O empresário industrial paraibano avalia como muito ruim quatro das sete variáveis investigadas quanto à qualidade do sistema tributário brasileiro.

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

PROJETO VEM CUIDAR DE MIM

PROJETO VEM CUIDAR DE MIM PROJETO VEM CUIDAR DE MIM APRESENTAÇAO DA ENTIDADE O Asilo Dr. Carlos Romeiro, Instituição de Longa Permanência, com sede na rua dos Vicentinos, nº 33, Bairro Queluz, Conselheiro Lafaiete MG, Obra Unida

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO TRIBUTÁRIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO TRIBUTÁRIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO TRIBUTÁRIA Programa do Curso O curso será composto por seis Módulos de conteúdo, conforme detalhamento no item b) da página 11(onze) deste documento. Módulo 1 Legislação

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba Visão Institucional O Campus Caraguatatuba do IFSP desenvolveu-se nos últimos anos, ampliando os cursos oferecidos, desde a Formação Inicial e Continuada, passando pelos Cursos Técnicos, de Tecnologia,

Leia mais

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES?

A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? A GESTÃO DE UM CURSO SUPERIOR: DESAFIOS OU FRUSTRAÇÕES? BARREIROS, Marat Guedes Especialização em Gestão Estratégica de Recursos Humanos Coordenador de Curso, Professor Faculdade do Guarujá GODOY, Valdir

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010

DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010 DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010 Autoriza o Poder Executivo Estadual adotar medidas de incentivo à inovação tecnológica no Estado de Mato Grosso do Sul e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG

Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG O QUE É O PDDE... Consiste na assistência financeira anual, pelo FNDE, às escolas públicas da educação básica das redes estaduais, municipais e do Distrito Federal. O objetivo

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO 1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO Organização Estadual: Federação e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado do Rio de Janeiro OCB/RJ Data de realização do seminário:

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Lauro Vinicius Ramalho de Araújo Carlos Roberto Medeiros Filho João Paulo Morais de Medeiros

Lauro Vinicius Ramalho de Araújo Carlos Roberto Medeiros Filho João Paulo Morais de Medeiros Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN Centro de Ensino Superior do Seridó - CERES Curso de Graduação em Ciências Contábeis Campus de Caicó Lauro Vinicius Ramalho de Araújo Carlos Roberto Medeiros

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA APOIO A PROJETOS CULTURAIS DA REGIÃO NORTE INFORMAÇÕES GERAIS E DICAS DE PARTICIPAÇÃO

EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA APOIO A PROJETOS CULTURAIS DA REGIÃO NORTE INFORMAÇÕES GERAIS E DICAS DE PARTICIPAÇÃO EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA APOIO A PROJETOS CULTURAIS DA REGIÃO NORTE INFORMAÇÕES GERAIS E DICAS DE PARTICIPAÇÃO 1 1. O que é o Programa Amazônia Cultural? Trata-se de programa gerenciado pela Representação

Leia mais

Transferências voluntárias: um meio para a viabilização das políticas públicas do GDF

Transferências voluntárias: um meio para a viabilização das políticas públicas do GDF Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Governo do Distrito Federal - GDF Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP Transferências voluntárias:

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira²

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE UM MELHOR APROVEITAMENTO DO GESTOR NA ORGANIZAÇÃO BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² RESUMO O mundo tem passado por constantes mudanças, que têm

Leia mais

3.2. Gestão financeira descentralizada: planejamento, aplicação e acompanhamento de recursos

3.2. Gestão financeira descentralizada: planejamento, aplicação e acompanhamento de recursos 3.2. Gestão financeira descentralizada: planejamento, aplicação e acompanhamento de recursos João Ferreira de Oliveira UFG Karine Nunes de Moraes UFG Luiz Fernandes Dourado UFG O objetivo deste texto é

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL

CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 15 CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL A Seguridade Social é financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, mediante recursos provenientes

Leia mais

ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES EM ECONOMIA SOLIDÁRIA (SIES) TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O Ministério do Trabalho e Emprego, por meio da Secretaria Nacional de Economia Solidária tem entre

Leia mais

COMUNICADO nº 033/2013. Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios.

COMUNICADO nº 033/2013. Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios. COMUNICADO nº 033/2013 Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios. Referente: Contribuição Sindical. A na busca de auxiliar os gestores públicos municipais

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

Revista Contemporânea de Contabilidade ISSN: 1807-1821 sensslin@gmail.com Universidade Federal de Santa Catarina Brasil

Revista Contemporânea de Contabilidade ISSN: 1807-1821 sensslin@gmail.com Universidade Federal de Santa Catarina Brasil ISSN: 1807-1821 sensslin@gmail.com Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Queiroz, Antônio Diomário de; Costa, Renato; Gomes Silva, Sônia Maria da O ABC em uma empresa de desenvolvimento de Software:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Sala Descentralizada Ass. Santa Rosa Código:156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Habilitação

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA FUNDAÇÃO CERTI 01/2009 SUBVENÇÃO ECONÔMICA À INOVAÇÃO PROGRAMA PRIME - PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA

SELEÇÃO PÚBLICA FUNDAÇÃO CERTI 01/2009 SUBVENÇÃO ECONÔMICA À INOVAÇÃO PROGRAMA PRIME - PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA SELEÇÃO PÚBLICA FUNDAÇÃO CERTI 01/2009 SUBVENÇÃO ECONÔMICA À INOVAÇÃO PROGRAMA PRIME - PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA 1. APRESENTAÇÃO O Programa Prime - Primeira Empresa Inovadora - visa apoiar empresas nascentes

Leia mais

Sistema Unimed DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIOR DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA

Sistema Unimed DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIOR DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Sistema Unimed DR. SIZENANDO DA SILVA CAMPOS JÚNIOR DIRETOR PRESIDENTE DA UNIMED GOIÂNIA Lei 5764/71 de 16/12/1971 COOPERATIVA DE 3º GRAU Confederação COOPERATIVA DE 2º GRAU Federação ou Central COOPERATIVA

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE EMPRESA JÚNIOR CAPÍTULO I DO NOME, FINALIDADE E CARACTERIZAÇÃO

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE EMPRESA JÚNIOR CAPÍTULO I DO NOME, FINALIDADE E CARACTERIZAÇÃO FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE EMPRESA JÚNIOR CAPÍTULO I DO NOME, FINALIDADE E CARACTERIZAÇÃO Art. 1º. A designação de Empresa Júnior EJ, é conferida às organizações constituídas

Leia mais

Responsabilidade na Gestão do Relacionamento com os Clientes. Política de comunicação Comercial; Excelência do atendimento;

Responsabilidade na Gestão do Relacionamento com os Clientes. Política de comunicação Comercial; Excelência do atendimento; Responsabilidade na Gestão do Relacionamento com os Clientes Política de comunicação Comercial; Excelência do atendimento; Danos potenciais dos produtos e serviços. PNQ 2007 - critérios: clientes e sociedade.

Leia mais

Autor(a): CAROLINA BARBOSA MONTENEGRO 1. Resumo. Abstract

Autor(a): CAROLINA BARBOSA MONTENEGRO 1. Resumo. Abstract Da Teoria à Prática: Projeto Pré-Consultores, Um Estudo Sobre a Perspectiva de Prática Profissional na Formação Acadêmica From Theory to Practice: Pre-Project Consultants, A Study about the Professional

Leia mais

ANEXO VII FICHA DE INSCRIÇÃO

ANEXO VII FICHA DE INSCRIÇÃO ANEXO VII FICHA DE INSCRIÇÃO MINISTÉRIO SUPERVISOR: Ministério da Educação ÓRGÃO/ENTIDADE: Universidade Federal de Santa Maria/RS DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: Campus Centro de Educação da UFSM RESPONSÁVEL:

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão em Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais.

O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. O Uso do Sistema de Informação Contábil como Ferramenta para a Tomada de Decisão nas Empresas da Região de Contagem - Minas Gerais. Elaine Raquel Fernandes carlosadm@bol.com.br SENAC Flávia Cristina Pereira

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO Monitoramento e Avaliação dos Planos Municipais de Educação Caderno de Orientações (Versão Preliminar) Apresentação Um grande

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

JOVEM APRENDIZ: DIREITOS TRABALHISTAS/POSSIBILIDADES DE INGRESSO NO SELETIVO MERCADO DE TRABALHO

JOVEM APRENDIZ: DIREITOS TRABALHISTAS/POSSIBILIDADES DE INGRESSO NO SELETIVO MERCADO DE TRABALHO JOVEM APRENDIZ: DIREITOS TRABALHISTAS/POSSIBILIDADES DE INGRESSO NO SELETIVO MERCADO DE TRABALHO Nilva Aparecida Quirino Kubaski; Paula Maria Ayres Carneiro; Rosenéia Macan; Thais Regina Dias Gering Professora

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé

Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé Guia para Pré-Proposta FUMDEC Macaé 1. Objetivo O presente guia tem como objetivo orientar o empreendedor a como preencher o Formulário de Pré-proposta para financiamento, item fundamental para início

Leia mais

PROJETO DE LEI. I - possibilitar o acesso e a fruição dos produtos e serviços culturais;

PROJETO DE LEI. I - possibilitar o acesso e a fruição dos produtos e serviços culturais; PROJETO DE LEI Institui o Programa de Cultura do Trabalhador, cria o Vale-Cultura e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Fica instituído, sob a gestão do Ministério da Cultura,

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos: PROJETO DE LEI Dispõe sobre a criação do Serviço Social do Transporte Ferroviário - SESF e altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.706, de 14 de setembro de 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º

Leia mais

PROJETO DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

PROJETO DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROJETO DE INCENTIVO À INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA 1. Introdução Desnecessário discorrer sobre a importância da iniciação científica para a formação acadêmica e seus benefícios

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO A NOVA LEI DO COOPERATIVISMO E AS COOPERATIVAS POPULARES, COM DESTAQUE PARA AS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS. Margaret Matos de Carvalho, Procuradora do Trabalho na PRT 9ª Região.

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2011 FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA PROJETOS REFERENTES AO PROGRAMA LIVRO ABERTO NA AÇÃO FOMENTO A PROJETOS CULTURAIS

Leia mais

PROPOSTA DE ANÁLISE DIAGNÓSTICA E GESTÃO DO HOSPITAL MATERNIDADE SÃO CAMILO

PROPOSTA DE ANÁLISE DIAGNÓSTICA E GESTÃO DO HOSPITAL MATERNIDADE SÃO CAMILO 1 PROPOSTA DE ANÁLISE DIAGNÓSTICA E GESTÃO DO HOSPITAL MATERNIDADE SÃO CAMILO Proposta: 004/2013 Interessado: Fundação Hospitalar e Maternidade São Camilo Datada Emissão: 16/09/2013 Unidade Instituto Solidário:

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONSIDERAÇÕES SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO por RODOLFO MACHADO MOURA 1 em 30 de janeiro de 2014 Consulta o Presidente do SINDICATO DAS EMPRESAS DE RÁDIO E TELEVISÃO DO PARANÁ SERT PR, o SR.

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR Capitulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A associação civil tem com a denominação social: FAI JÚNIOR, e como o titulo do estabelecimento a expressão

Leia mais

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO 1 INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPITULO I - DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DO PRAZO Art. 2º Para a consecução dos seus

Leia mais

Regime Tributário Unificado e Simplificado

Regime Tributário Unificado e Simplificado SUPER SIMPLES, uma abordagem para escolas de idiomas A partir de 1/7/07, estará em funcionamento o regime único de tributação, instituído pela Lei Complementar nº123, conhecida também como Super Simples

Leia mais

O IMPACTO DAS INCUBADORAS DE COOPERATIVAS PARA O DENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL

O IMPACTO DAS INCUBADORAS DE COOPERATIVAS PARA O DENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL O IMPACTO DAS INCUBADORAS DE COOPERATIVAS PARA O DENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Autora: Glauciane Corrêa Tavares E-mail: glaucianetavares@ig.com.br Orientador: Prof. Fábio Carvalho E-mail: fabiocarvalho@faceca.br

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Seminário Telecentros Brasil

Seminário Telecentros Brasil Seminário Telecentros Brasil Inclusão Digital e Sustentabilidade A Capacitação dos Operadores de Telecentros Brasília, 14 de maio de 2009 TELECENTROS DE INFORMAÇÃO E NEGÓCIOS COMO VEÍCULO DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA

Leia mais

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos CAPES/FIPSE Edital Nº 8/2010 CAPES A Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio de sua Diretoria

Leia mais

CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL

CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL Ítalo Alves Gomes Rafael Rocha Salvador Prof Esp. Francisco César Vendrame Profª Esp. Jovira Maria Saraceni Profª M. Sc. Máris

Leia mais