A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM GOIÁS: UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA. Elizabeth Gottschalg Raimann (Universidade Federal de Goiás - Campus Jataí)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM GOIÁS: UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA. Elizabeth Gottschalg Raimann (Universidade Federal de Goiás - Campus Jataí)"

Transcrição

1 A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EM GOIÁS: UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA Elizabeth Gottschalg Raimann (Universidade Federal de Goiás - Campus Jataí) Numa pesquisa realizada junto a Escola Modelo instituição municipal de educação na cidade de Itumbiara/Goiás buscou-se compreender os nexos entre as políticas educacionais voltadas para a oferta e a manutenção da educação de jovens e adultos e as práticas educacionais realizadas no interior da escola tendo como referencial teórico de análise as contribuições de Michel Foucault. A partir da análise documental disponível na escola municipal fez-se um levantamento do inicio das atividades dessa modalidade de ensino relacionando-a com as propostas do governo estadual e federal. Desta forma, este trabalho apresenta a trajetória da educação de jovens e adultos no contexto local e nacional, bem como os discursos produzidos em torno dessa educação no período entre as décadas de 1970 a A trajetória da Educação de Jovens e Adultos no contexto local e estadual Nos arquivos disponibilizados pela Secretaria Geral da Escola Modelo pôde-se encontrar documentos que indicam a implantação da Educação de Jovens e Adultos EJA- por volta do ano de Essa afirmação se sustenta conforme registros da autorização nº 014/93 da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Desporto Superintendência de Ensino Não-Formal (SUPENFOR) e Ofício Circular nº 016/93 da mesma superintendência. O primeiro documento está datado em 09/03/1993 e autoriza o funcionamento do Projeto Saturnus na escola, conforme Resolução nº 144 de 07/12/1990 do Conselho Estadual de Educação do Estado de Goiás; o outro documento, Ofício Circular nº 016/93, por sua vez oferece o livro do professor Oficina das Letras como sugestão a ser adotada na 1ª Etapa (alfabetização) do Programa de Educação Básica (P.E.B). Tanto o Projeto Saturnus e o P.E.B. estão inseridos no programa do governo federal que,

2 posteriormente, passa a responsabilidade do P.E.B. ao governo estadual, como se verá mais adiante no Oficio Circular nº084/93. O Programa de Educação Básica do governo federal é originário do Programa de Educação Integrada (P.E.I.), o qual teve como órgão responsável por sua execução o MOBRAL Movimento Brasileiro de Alfabetização. Esse movimento foi criado pela Lei nº 5.370, de 15/12/67 sendo regulamentado em setembro de 1970 e teve como objetivo a alfabetização urbana analfabeta de 15 a 35 anos e, posteriormente, crianças de 9 a 14 anos a partir de 1974, para regular o fluxo de alunos do 1º grau (Cunha, 1991). Conforme Cunha, o MOBRAL foi organizado para desenvolver quatro programas: a Alfabetização Funcional, a Educação Integrada, o Desenvolvimento Comunitário e as Atividades Culturais. O Programa Educação Integrada teria 12 meses de duração, posteriores à alfabetização, compreendendo o conteúdo compacto das quatro primeiras séries do ensino de 1º grau (Cunha, 1991, p.256). No levantamento da história da EJA em Goiás realizado pela pesquisa de Machado (2001), a autora menciona o P.E.I. e destaca o Parecer n. º 44/73 do C.F.E., de 24 de janeiro de Esse documento justifica a importância do Programa de Educação Integrada pelo fato de ser realizado em doze meses letivos, após cinco ou seis meses do curso de alfabetização, pois seus alunos assimilavam em menor tempo as informações devido ao amadurecimento, ao estímulo do desenvolvimento motor e da percepção. O referido Parecer foi sancionado no Estado de Goiás pela Resolução nº 1.032, de 27 de abril de 1973, que estabeleceu normas gerais para o Ensino Supletivo (Machado, 2001). Em 1972, a responsabilidade de desenvolver o Programa de Educação Integrada foi transferida para as secretarias estaduais de educação conforme documento que dá informações gerais para o funcionamento do Curso de Alfabetização e Suplência I para a Escola Modelo e será analisado mais à frente. Na década de 1970, foi criado o Departamento de Ensino Supletivo (DESu) pelo Decreto n. º 281/71 da Secretaria da Educação e Cultura do Estado de Goiás como órgão responsável pelo planejamento, implantação e implementação do Ensino Supletivo, de acordo com o previsto na Lei n. º 5.692/71. O DESu assumiu as funções do Serviço de Educação de Adultos, que até então assumia os cursos noturnos

3 vinculados ao Departamento de Ensino Primário, nas três décadas anteriores (Machado, 2001). Segundo Machado (2001), o DESu em 1973, amparado pela legislação do supletivo em nível nacional e estadual, desenvolve programas e projetos como cursos e exames supletivos na função suplência; cursos na função de suprimento, incluindo o de habilitação de docentes leigos: Projeto Lúmen; cursos nas funções aprendizagem e qualificação e o projeto de implantação do Centro de Estudos Supletivos de Goiânia. O Projeto Saturnus, por sua vez, foi concebido como uma extensão da ação desse Centro de Estudos Supletivos CES (Resolução n. º 411 de 22 de dezembro de 1977) para oferecer o 1º grau a adolescentes e a adultos com idade igual ou superior a 17 anos, que não tivessem concluído a escolarização regular, correspondente às quatro últimas séries do ensino de primeiro grau (Machado, 2001). Os Centros de Estudos Supletivos são apresentados por Mafra (1980) que faz um trabalho detalhado a respeito da estrutura arquitetônica e didática para a implantação desses centros no país, mostrando a importância dessas estruturas para o sucesso da proposta. Desta forma, entre os anos de 1973 a 1983, a Educação de Jovens e Adultos em Goiás esteve ligada à modalidade de Ensino Supletivo, contando com inúmeros programas no DESu. Posteriormente, o Ensino Supletivo seria denominado por Alfabetização e Suplência I, para as quatro primeiras séries da 1ª fase do Ensino Fundamental. Na década de 1980, o MOBRAL entra em fase de declínio, pois tanto o Programa de Alfabetização Funcional como o Programa de Educação Integrada não conseguiram alcançar as metas estabelecidas para a erradicação do analfabetismo (Machado, 2001). No Estado de Goiás, até meados dos anos 1980, os números apontavam positivamente o aproveitamento da aprendizagem dos alunos em decorrência do êxito do trabalho que o supletivo alcançou, conforme levantamento realizado por Machado (2001). No período da reabertura política, a autora afirma que as mudanças no setor da educação provocaram resultados que levaram a um revés o Ensino Supletivo. Em 1985, extinto o MOBRAL, deu-se lugar a Fundação Educar que assimilou sua estrutura e passou a apoiar técnica e financeiramente iniciativas de governos estaduais, municipais e entidades civis. Em 1990 essa fundação se extinguiu, acontecendo o

4 mesmo com o Programa Nacional de Alfabetização e Cidadania PNAC que esteve na ativa somente por um ano (Di Pierro; Jóia; Ribeiro, 2001). Considerando-se a importância que o Ensino Supletivo teve no contexto da Reforma do Ensino no Brasil, no início da década de 1970, normatizando a organização didático-pedagógica da Educação de Jovens e Adultos EJA - e considerando-se que este se estendeu também para a Escola Modelo com a denominação de Curso de Alfabetização e Suplência I, conforme Ofício Circular nº 084/93, faz-se necessário conhecer a proposta desse ensino específico na lei que o originou e revisitar o contexto de sua implantação apreendendo sua estrutura e seu funcionamento bem como os discursos que se estabeleceram em regimes de verdade a partir de sua implantação. Trabalho este que se pautará na análise elaborada por Nagle (1976) que trata da Lei 5.692/71, nos seus aspectos de natureza técnico-pedagógica e administrativa. Década de 1970 e o ensino supletivo Nagle (1976) em A reforma e o ensino tem como propósito de suas análises delinear um quadro geral dos princípios e das medidas constantes da Lei nº 5.692/71 a fim de contribuir para fornecer um instrumental de trabalho para a equipe escolar agir com segurança no trato das questões levantadas pela referida lei (p.5). A Lei Federal 5.692/71, que regulamenta a reforma do Ensino de 1º e 2º graus, no artigo 24 apresenta a finalidade desse ensino como sendo a de suprir a escolarização regular para adolescentes e adultos que não a tenham seguido ou concluído na idade própria; proporcionar, mediante repetida volta à escola, estudos de aperfeiçoamento ou atualização para os que tenham seguido o ensino regular no todo ou em parte. E por fim, o ensino supletivo abrangerá cursos e exames a serem organizados nos vários sistemas de acordo com as normas baixadas pelos respectivos Conselhos de Educação. Ao tratar em específico do Ensino Supletivo, Nagle inicia com o texto do Parecer 699/72 do Conselho Federal de Educação (C.F.E.), aprovado em 6/7/72, regulamentando essa modalidade de ensino: O Ensino Supletivo encerra, talvez, o maior desafio proposto aos educadores pela Lei de 11 de agosto de Ligando o presente ao passado e ao futuro, na mais longe linha de continuidade e coerência histórico-cultural de uma reformulação educacional já feita entre nós, ele constitui e constituirá cada vez

5 mais, a realidade escolar às mudanças que se operarem em ritmo recente e no mundo. [...] Não é, portanto, de admirar que o capítulo IV do novo diploma legal seja, ao mesmo tempo, fonte de grandes entusiasmos e causa de significativas reticências. Uns proclamam que a ele, com vantagem, tenderá a reduzir-se no futuro a Lei 5.692; outros simplesmente o temem, quando não o deploram (Nagle, 1976, p.89). No entendimento de Nagle, as afirmações acima demonstraram o caráter revolucionário a que se propunha, na época, às novas normas de educação supletiva pretendendo com isso solucionar a problemática da educação escolar brasileira. Isso aconteceria, ainda segundo o autor, mediante a redefinição dos antigos preparatórios e dos mais recentes exames de madureza ajustando-se às condições do presente e às do futuro e assim ao lado do que já estava estabelecido abrir cursos, solução que para regularizar a situação presente, naquilo que pode conter de negativo (1976, p.89). E, continua Nagle, justificando o legislador ao tratar da suplência: A distorção das idades é um problema que a educação supletiva procura resolver. Outro, também importante no mundo atual, propõe-se sob a forma de exigência, cada vez maior, de retornos continuados para a atualização dos conhecimentos, tanto gerais como especializados, único caminho que torna possível enfrentar as constantes e cada vez mais profundas mudanças sociais e tecnológicas. É nesse sentido que a solução proposta para a educação supletiva firma-se no presente e projeta-se no futuro, com as suas múltiplas aberturas e virtualidades (Nagle, 1976, p.89). Di Pierro, Jóia e Ribeiro (2001) numa breve análise a respeito da Lei 5692/71 no que se refere a EJA, apresentam que a flexibilidade foi um de seus componentes mais significativos do atendimento educativo (p.62), concretizada nas modalidades de Cursos Supletivos, Centros de Estudos e Ensino à distância. Essa flexibilidade é possível depreender a partir do artigo 25 relativo ao Ensino Supletivo que propõe o emprego de variados meios de comunicação, conforme se pode ler: O ensino supletivo abrangerá, conforme as necessidades a atender, a iniciação no ensino de ler, escreve e contar e a formação profissional definida em lei específica até o estudo intensivo das disciplinas do ensino regular e a atualização de conhecimentos. Os cursos supletivos terão estrutura, duração e regime escolar que se ajustam às finalidades próprias e ao tipo especial de aluno a que se destinam. Os cursos supletivos serão ministrados em classes mediante a utilização de radio, televisão, correspondência e outros meios de comunicação que permitam o maior alcançar o maior número de alunos (Nagle, 1976, p. 91).

6 O discurso que se estabeleceu em torno da proposta do Ensino Supletivo era como se esse pudesse resolver, de uma vez por todas, as questões referentes à falta de escolarização e os males decorrentes disso; como se fosse possível, mediante uma flexibilidade, promover uma adesão incondicional por parte daqueles que necessitassem de uma formação continuada para a obtenção de melhores empregos, ao mesmo tempo pudesse levar o país a um patamar mais produtivo e competitivo por meio de uma melhor qualificação da mão de obra. O ensino supletivo inserido na reforma do ensino da década de 1970 está no contexto político-econômico da ditadura militar, no qual prevalecia o discurso do Brasil-potência. Ribeiro (2000) na análise que faz da organização escolar no período da ditadura militar infere que devido a aproximação entre a elite econômica internacional e as minorias responsáveis pelo golpe militar isto não só influenciou mais determinou os dispositivos normativos presentes na Lei nº 5.692/71. E a autora chama a atenção para as intenções explícitas e implícitas presentes nos objetivos gerais e específicos de cada grau de ensino e assim se posiciona: É possível supor quão estreitamente ligados eram os interesses das minorias responsáveis pelo golpe militar de 1964 e os da burguesia internacional, que iriam determinar o texto legal e, mais ainda, os efeitos práticos sobre a ordenação da educação brasileira das Leis nº 5.540/68 e 5.692/71. [...] Da impressão de que a inspiração da Lei nº 5.692/71 é de base liberal (humanista moderna), causada pelo exame dos objetivos proclamados, passa-se à conclusão de que a inspiração é em última instância de base tecnicista, quando do exame dos objetivos reais, orientados por uma compreensão sobre o contexto no bojo do qual a lei foi projetada e aprovada (Ribeiro, 2000, p ). Percebe-se como a sociedade capitalista se estabeleceu e se fortaleceu por meio de práticas discursivas e por uma tecnologia de controle e disciplinarização tornando o sujeito produtivo e dócil. O contexto, sócio-cultural, político e econômico dessa época, se apresentou num conjunto de relações que propiciaram a aparição e a proliferação de determinados discursos no campo da educação, como o caso do discurso tecnicista, materializando-se em documentos de normatização e práticas pedagógicas conformando o aluno à sociedade capitalista, pois no tecnicismo valorizava-se a técnica pela técnica e o conhecimento adquirido era avaliado de forma quantitativa e a avaliação era um fim em si mesma.

7 Essas referências à regulamentação do ensino supletivo nos encaminham ao documento enviado à Escola Modelo pela Secretaria da Educação e Cultura, Superintendência de Educação à Distância e Continuada por volta de 1993 que trata do Funcionamento do Curso de Alfabetização e Suplência I. Esse, na sua fundamentação legal, traz o seguinte texto: Informações gerais para o funcionamento do Curso de Alfabetização e Suplência I: 1 Fundamentação legal: O Programa de Educação Integrada foi criado em 1971, tendo como órgão responsável pela execução o antigo MOBRAL. Em 1972, esta responsabilidade foi transferida para as Secretarias Estaduais de Educação e, em 1973, o Conselho Federal, através do Parecer nº 44//73, reconheceu o Programa de Educação Integrada como Curso Supletivo, equivalente às quatro primeiras séries da 1ª fase do Ensino Fundamental, com validade nacional e com direito a prosseguir os estudos via Ensino Supletivo ou Regular. O referido programa será desenvolvido a partir de 1994 com a denominação Alfabetização e Suplência I de acordo com a Resolução nº 695/93 do Conselho Estadual de Educação do Estado de Goiás (Goiás. Secretaria da Educação e Cultura, Superintendência de Educação á Distância e Continuada, Departamento técnico-pedagógico, Divisão de Cursos, 1994, p.01). Junto a esse documento segue oficio Circular nº 084/93 de 06/12/1993 que informa a reestruturação do Programa de Educação Básica por meio da resolução do C.E.E. do estado de Goiás, nº 695 de 17/09/93 e, posteriormente, segue o dispositivo legal que autoriza o funcionamento dos cursos pela Escola Modelo por parte da Superintendência de Ensino Não-Formal. Pode-se perceber que as resoluções encaminhadas para a EJA estão em nome da Superintendência de Ensino Não-Formal e depois pela Superintendência de Educação à Distância e Continuada. As mudanças ocorridas ao se nomear o órgão responsável pela EJA em Goiás é assim apresentado por Machado: Nas últimas décadas em Goiás, em especial a de 1990, no que se refere à Educação de Jovens e Adultos, é preciso destacar as mudanças sofridas pelo órgão responsável por essa modalidade de ensino no estado, que já passou por seis denominações diferentes no século XX: Serviço de Educação de Adultos, nas décadas de 1940 a 1960; Departamento de Ensino Supletivo (DESu), na década de 1970; Unidade de Ensino Supletivo (UES), na década de 1980; Superintendência de Educação Não-formal (Supenfor) e Superintendência de Educação a Distância e Continuada (Seadec ou Sued), na década de Há dificuldade de localizar, nos documentos oficiais, uma explicação para essas alterações, mas pode ser observado que se relacionam com o lugar e o papel que a Educação de Jovens e Adultos vai assumindo no decorrer da história, na política educacional brasileira (Machado, 2001, p.48).

8 O dispositivo legal enviado a Escola Modelo apresenta todas as informações necessárias ao funcionamento da proposta do Curso de Alfabetização e Suplência I e traz numa inscrição a lápis no topo do documento os seguintes dizeres a Bíblia da Suplência. Esse enunciado caracteriza a importância que o dispositivo tem para o corpo técnicoadministrativo (supostamente alguém da escola fez a inscrição) em conduzir o curso proposto, pois a SEADEC estabelece um estatuto extremamente normatizador, detalhando as diferentes responsabilidades tanto do corpo técnico-administrativo, como do corpo docente e discente. A estrutura e o funcionamento dessa proposta para os cursos demonstra a preocupação do órgão responsável em disciplinar e normatizar tanto a EJA quanto seus alunos, quando estabelece uma série de prescrições apresentadas, como por exemplo, na matrícula, nos critérios para o ingresso do aluno, sistema de promoção, procedimentos e critérios para a implantação do curso. Percebe-se com isso que o campo da educação, em especial o da EJA, é extremamente produtivo, pois discursivamente se produz a identidade de seus alunos, ou seja, se diz o que são, o que se quer deles e o que devem ser para se ajustar à sociedade que aí se estabelece. Década de 1990 e a educação de jovens e adultos Durante o período de 1985 a 1992 a EJA ocupou um espaço contraditório no contexto nacional. Enquanto a Constituição Federal, de 1988, ampliava o direito à educação básica a jovens e adultos, o governo federal, reduzia seus interesses pela EJA e, conseqüentemente, suas ações de intervenção nessa modalidade de educação. Em âmbito mundial, a EJA passou a ser alvo das atenções, sobretudo de organismos multilaterais como a UNESCO, UNICEF, Banco Mundial e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Esses organismos planejaram a Conferência Mundial de Educação para Todos, em 1990, e durante a sua realização foi elaborada a Declaração de Jomtien, por meio da qual os países signatários assumiram compromissos com a educação básica e com a erradicação do analfabetismo (Di Pierro; Jóia; Ribeiro, 2001).

9 A omissão e o desinteresse do governo federal esteve presente em seus discursos em diversos momentos no início da década de 1990 e produziu, além de uma rarefação de investimentos para a EJA, regimes de verdade, conforme o discurso do ex-ministro da Educação José Goldemberg manifestando-se contrário à educação de adultos por entender que este investimento era desnecessário por não trazer resultados significativos, conforme ilustra o fragmento abaixo: O grande problema de um país é o analfabetismo das crianças e não o dos adultos. O adulto analfabeto já encontrou o seu lugar na sociedade. Pode não se bom lugar, mas é o seu lugar. Vai ser pedreiro, vigia de prédio, lixeiro ou seguir outras profissões que não exigem alfabetização. Alfabetizar o adulto não vai mudar muito sua posição dentro da sociedade e pode até perturbar. Vamos concentrar nossos recursos em alfabetizar a população jovem. Fazendo isso agora, em dez anos desaparece o analfabetismo (Goldemberg, 1991 apud Beisiegel, 1997, p. 30). Quanto às práticas provenientes da rarefação do investimento governamental, temos a falta de apoio por parte do governo federal que se estende também às ações por parte dos governos estaduais na EJA. Com isto, muitos municípios, que atendiam esta educação, passaram a assumir sozinhos a responsabilidade de oferecer esta modalidade de ensino, com recursos próprios e, muitas vezes, sem o preparo técnico para gerenciar estas ações (Di Pierro; Jóia; Ribeiro, 2001). Considerando a trajetória da EJA no contexto estadual e federal, a pesquisa de Machado (2001) faz referência ao município de Itumbiara que estava integrado ao Programa de Educação de Alfabetização e Cidadania. Nesse programa, em 1989, por meio de uma iniciativa desenvolvida por parte do governo local no Plano Municipal de Alfabetização, o projeto abriu 19 salas atendendo a 558 alunos adultos, dos quais 103 eram funcionários da prefeitura. Considerações finais Atualmente, a Escola Modelo está autorizada a funcionar para ministrar a EJA, conforme dispositivo legal da Portaria nº 3914/2001, por um período de quatro anos letivos, a partir de janeiro de 2000, no nível Ensino Fundamental, 1º e 2º Segmentos, com equivalência de estudos de 1ª a 8ª séries.

10 A trajetória da oferta e manutenção da educação de jovens e adultos não pode ser desvinculada dos regimes de verdade do campo econômico e político e esses por sua vez estabelecem vínculos estreitos com as práticas pedagógicas elaboradas em torno dessa modalidade de ensino. Bibliografia BEISIEGEL, Celso de Rui. Considerações sobre a política da União para a educação de jovens e adultos analfabetos. Revista Brasileira de Educação, nº4, p.26-34, jan-abr CUNHA, Luiz Antonio. Educação e desenvolvimento social no Brasil. 12.ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, DI PIERRO, Maria Clara, JÓIA, Orlando, RIBEIRO, Vera Masagão. Visões da educação de jovens e adultos no Brasil. Cadernos Cedes, UNICAMP, ano XXI, nº55, novembro 2001 b, p GOIÁS. Secretaria da Educação, Cultura e Desporto, Superintendência de Ensino Não- Formal, Departamento Técnico-Pedagógico, Divisão de Cursos. Informações Gerais para o funcionamento do Curso de Alfabetização e Suplência I [1994]. MACHADO, Maria Margarida.A política de formação de professores que atuam na educação de jovens e adultos em Goiás na década de f. Tese (Doutorado em Educação: História, Política, Sociedade) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, MAFRA, Mario Sérgio. Conhecendo um Centro de Estudos Supletivo. 2. ed Brasília: NEC/SEPS, 1980 NAGLE, Jorge. A reforma e o ensino. 2.ed. São Paulo: EDART/MEC, p. RIBEIRO, Maria Luisa Santos. História da Educação Brasileira: A organização escolar. 16. ed. Revisada e ampliada.campinas: Autores Associados,

A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS

A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS SILVA, Thaysa Pereira; RAIMANN, Elizabeth Gottschalg Universidade Federal de Goiás/ Campus Jataí; thaysapsilva@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014

Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização PNLD 2014 Desafios da EJA: flexibilidade, diversidade e profissionalização Levantamento das questões de interesse Perfil dos alunos, suas necessidades e expectativas; Condições de trabalho e expectativas dos professores;

Leia mais

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial

Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Programa 0049 DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Objetivo Ampliar e melhorar a oferta de atendimento aos portadores de necessidades educativas especiais. Público Alvo Alunos com necessidades educativas

Leia mais

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012

GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 GESTÃO DA SALA DE AULA: NOVOS CONTEXTOS, NOVAS DIFICULDADES, GRANDES DESAFIOS E POSSIBILIDADES Profa. Aureli Martins Sartori de Toledo Setembro/2012 A palestra em algumas palavras... Provocações... reflexões...leitura

Leia mais

Art. 2º - Para efeito desta Resolução, considerar-se-á a seguinte nomenclatura e respectivas definições:

Art. 2º - Para efeito desta Resolução, considerar-se-á a seguinte nomenclatura e respectivas definições: RESOLUÇÃO N.º 180/2000-CEE/MT Fixa normas para a oferta da Educação de Jovens e Adultos no Sistema Estadual de Ensino. O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições, e com

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

Índice. Grupo 5.3 - Módulo 2

Índice. Grupo 5.3 - Módulo 2 GRUPO 5.3 MÓDULO 2 Índice 1. Sistemas de Ensino...3 2. Sistema Federal de Ensino...4 3. Sistema Estadual de Ensino...5 4. Diretoria Regional de Ensino no Sistema Estadual de Ensino...5 2 1. SISTEMAS DE

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico

Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico Regulamento Núcleo de Apoio Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PSICOPEDAGÓGICO - NAP CAPITULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O presente regulamento tem por finalidade normatizar as ações do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO PLANO DE AÇÃO PLANO ESTRATÉGICO DA SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO 2013-2016 Quixadá-CE, novembro

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT.

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. Fixa normas complementares, para o Sistema Estadual de Ensino, à lmplementação das Diretrizes Curriculares para a Formação de Professores da Educação Infantil e dos anos iniciais

Leia mais

INDICAÇÃO CME Nº. 01/00 Aprovada em 21/12/2000.

INDICAÇÃO CME Nº. 01/00 Aprovada em 21/12/2000. CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Rua Prof. Felício Savastano, 240 Vila Industrial SJCampos-SP CEP 12220-270 Telefone (12) 3901-2000 Fax: 3901-2088 e-mail: cme@sjc.sp.gov.br INDICAÇÃO CME Nº. 01/00 Aprovada

Leia mais

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos

Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos 1 Sociologia no ensino médio em Goiânia: O conceito de cidadania dentro do conteúdo programático e os procedimentos teóricometodológicos na rede estadual de ensino* Gabriela Paulino do Nascimento** Prof.

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO

PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO Entidade Reconhecida como Utilidade Pública Internacional Decreto Federal nº 9.820/1912 PROCEDIMENTOS PARA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NO MUNICÍPIO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 18/12/1997

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 18/12/1997 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 18/12/1997 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E DO COMÉRCIO/INSTITUTO

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

LEI N 588, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011.

LEI N 588, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. Pág. 1 de 6 LEI N 588, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011. ALTERA A LEI N 302, DE 28/12/2001, QUE DISCIPLINA SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL/AC E DÁ OUTRAS PROVIDENCIAS.

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Portaria n.º 21/2012 de 7 de Fevereiro de 2012

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Portaria n.º 21/2012 de 7 de Fevereiro de 2012 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Portaria n.º 21/2012 de 7 de Fevereiro de 2012 O Decreto Legislativo Regional n.º 17/2011/A, de 6 de Junho, prevê que o pessoal

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

Estabelece, ainda, excepcionalmente, em seu artigo 4.º que:

Estabelece, ainda, excepcionalmente, em seu artigo 4.º que: INTERESSADO: Secretaria Municipal de Educação SEMED ASSUNTO: Apreciação de Exposição de Motivos para o não cumprimento, em caráter excepcional, da Resolução n. 010/2010-CME/MANAUS RELATOR: Paulo Sérgio

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

REGULAMENTO DO APOIO PSICOPEDAGÓGICO E ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

REGULAMENTO DO APOIO PSICOPEDAGÓGICO E ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA AEJ - ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE JAÚ CNPJ 05.311.136/0001-36 FACULDADE JAUENSE REGULAMENTO DO APOIO PSICOPEDAGÓGICO E ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA JAÚ/2012 APOIO PSICOPEDAGÓGICO E ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA DA FAJAU

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo) Abordagens

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: UF Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia

Leia mais

ENCAMINHADO PARA HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

ENCAMINHADO PARA HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO ENCAMINHADO PARA HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Associação de Ensino Novo Ateneu UF: PR ASSUNTO: Consulta sobre a oferta de cursos de Educação de Jovens e

Leia mais

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 Profa. Ms. Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof.

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

NORMATIZAÇÃO PARA VALIDAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO. Considerações Iniciais. Princípios. Aspectos Importantes

NORMATIZAÇÃO PARA VALIDAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO. Considerações Iniciais. Princípios. Aspectos Importantes NORMATIZAÇÃO PARA VALIDAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO Considerações Iniciais As Atividades Complementares são componentes curriculares de caráter científico, cultural e acadêmico

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Colégio CEPU UF: SC ASSUNTO: Consulta tendo em vista a Resolução CEE/SC 64/98 e CNE/CEB 01/2000 RELATORA: Sylvia Figueiredo Gouvêa PROCESSO

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO

O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO O CURSO DE PEDAGOGIA NO BRASIL E A SUA NORMATIZAÇÃO Elisa Machado Matheussi elisa@rla01.pucpr.br Sirley Terezinha Filipak sirley@rla01.pucpr.br Pontifícia Universidade Católica do Paraná RESUMO Este estudo

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Art. 1º Os Cursos ofertados pela Diretoria de Educação Continuada da Universidade Nove de Julho UNINOVE regem-se pela legislação vigente, pelo

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a transformação da Universidade Virtual do Estado de Roraima UNIVIRR, para a categoria de Fundação Pública e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FILIPE PÊGO CAMARGO PRÉ-PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL (SENAI): CRIAÇÃO E PROPOSTAS EDUCATIVAS / CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO SOCIAL

Leia mais

Profissionais Qualificados

Profissionais Qualificados Profissionais Qualificados Em 1910 foram criadas as primeiras escolas profissionais públicas na cidade de São Paulo, como parte de um projeto de constituir um mercado de mão de obra qualificada. Essas

Leia mais

Ofício Circular n.º 12/2009 - DET/SEED Curitiba, 15 de Abril de 2009. Referência: Informações e-tec Brasil

Ofício Circular n.º 12/2009 - DET/SEED Curitiba, 15 de Abril de 2009. Referência: Informações e-tec Brasil SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E TRABALHO Ofício Circular n.º 12/2009 - DET/SEED Curitiba, 15 de Abril de 2009. Referência: Informações e-tec Brasil

Leia mais

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre.

Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. LEI N.º 8.198 18/08/1998 Cria o Sistema Municipal de Ensino de Porto Alegre. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte lei: TÍTULO I PRINCÍPIOS

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades das aulas 1 e 2 do Módulo IV do Curso, em que iremos tratar dos seguintes assuntos:

É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades das aulas 1 e 2 do Módulo IV do Curso, em que iremos tratar dos seguintes assuntos: EXERCÍCIO ANTECIPADO PARA O ESTUDO DIRIGIDO Módulo IV Aspectos Contemporâneos do Marco legal Profa. Maria José Lacerda Xavier Prezado (a) Aluno (a), É com imensa satisfação que iniciamos nossas atividades

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

PROCESSO N. 515/08 PROTOCOLO N.º 5.673.675-1 PARECER N.º 883/08 APROVADO EM 05/12/08 INTERESSADA: SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES

PROCESSO N. 515/08 PROTOCOLO N.º 5.673.675-1 PARECER N.º 883/08 APROVADO EM 05/12/08 INTERESSADA: SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES PROCESSO N. 515/08 PROTOCOLO N.º 5.673.675-1 PARECER N.º 883/08 APROVADO EM 05/12/08 CÂMARA DE LEGISLAÇÃO E NORMAS INTERESSADA: SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES MUNICÍPIO: ITAIPULÂNDIA

Leia mais

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI

EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL SENAI SESI SENADO FEDERAL COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE AUDIÊNCIA PÚBLICA: IDÉIAS E PROPOSTAS PARA A EDUCAÇÃO BRASILEIRA PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SESI

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 030/2013.

PROJETO DE LEI N.º 030/2013. PROJETO DE LEI N.º 030/2013. Institui o Programa Menor Aprendiz no âmbito do Município de Bela Vista de Minas e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Bela Vista de Minas, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

UF: Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia

UF: Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: UF: Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia DF ASSUNTO: Consulta sobre a validade dos cursos seqüenciais para o exercício de técnicas

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL EM ITAPEVI/SP

ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL EM ITAPEVI/SP CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho de Educação do Distrito Federal UF: DF ASSUNTO: Consulta sobre equivalência de estudos em cursos realizados no exterior RELATOR:

Leia mais

Biblioteca Virtual do NEAD/UFJF EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO E DA ORGANIZAÇÃO

Biblioteca Virtual do NEAD/UFJF EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO E DA ORGANIZAÇÃO Biblioteca Virtual do NEAD/UFJF EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO E DA ORGANIZAÇÃO 16 Prezado Cursista, Neste texto, você encontrará uma discussão sobre a legislação referente à educação a distância.

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES NA CIDADE DE GOIÂNIA APRESENTAÇÃO Toda proposta educacional cujo eixo do trabalho pedagógico seja a qualidade da formação a ser oferecida aos estudantes

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 574/2004. 14-04-2004 CRIA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE MORMAÇO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. JOSÉ ALVORI DA SILVA KUHN PREFEITO MUNICIPAL DE MORMAÇO, Estado do Rio Grande do Sul. FAÇO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

A UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL uma política de Estado para o ensino superior a distância

A UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL uma política de Estado para o ensino superior a distância A UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL uma política de Estado para o ensino superior a distância Oreste Preti Como tudo começou Dizem os historiadores, eu concordo com eles, que nada nasce de repente (ad abrupto,

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Metodologia do Ensino Superior Imperatriz

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Não é todo estudante que entende bem a organização do sistema educacional brasileiro e seus níveis de ensino. Nem todos sabem, por exemplo, a diferença

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

O CONCEITO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE E EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONSIDERAÇÕES PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO.

O CONCEITO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE E EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONSIDERAÇÕES PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. O CONCEITO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE E EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONSIDERAÇÕES PARA O NOVO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Sandra Fernandes Leite Unicamp. Cristiane Teresa Dombosco

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA/DF Diretrizes operacionais para a educação profissional em nível nacional

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA/DF Diretrizes operacionais para a educação profissional em nível nacional CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO - CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA/DF Diretrizes operacionais para a educação profissional em nível nacional CEB - Par. 17/97, aprovado em 3/12/97 (Proc. 23001.000691/97-61) I -

Leia mais

Pareceres PARECER CNE/CEB Nº 39/2004. Aplicação do Decreto nº 5.154/2004 na Educação Profissional Técnica de nível médio e no Ensino Médio.

Pareceres PARECER CNE/CEB Nº 39/2004. Aplicação do Decreto nº 5.154/2004 na Educação Profissional Técnica de nível médio e no Ensino Médio. I RELATÓRIO PARECER CNE/CEB Nº 39/2004 Aplicação do Decreto nº 5.154/2004 na Educação Profissional Técnica de nível médio e no Ensino Médio. Em 10/11/2004, foi protocolado no CNE o Ofício nº 5.494/04,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica

RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica Fixa normas preliminares visando à adaptação da legislação educacional do Sistema Estadual de Ensino às disposições da Lei

Leia mais

CÂMARA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO:

CÂMARA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO: SÚMULA DA 34ª REUNIÃO DA CÂMARA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO, REALIZADA EM 19.10.2005 E APROVADA NA 392ª REUNIÃO DO CONSUN, REALIZADA EM 19.10.2005 INÍCIO: 08:00 hs. - ENCERRAMENTO: 9:00 hs. CÂMARA DE PESQUISA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001, de 09 de dezembro de 2009.

RESOLUÇÃO Nº 001, de 09 de dezembro de 2009. O Conselho Municipal de Educação fixa normas aprovadas em 09/12/09, de funcionamento do Ensino Fundamental de 09 (nove) anos no Sistema Municipal de Ensino de Jequié-BA. Clique no Leia Mais e confira as

Leia mais

REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008. Fortaleza-Ceará - 2008 -

REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008. Fortaleza-Ceará - 2008 - PÓS-GRADUAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS MESTRADO - DOUTORADO CONCEITO 4 - CAPES REGIMENTO INTERNO RESOLUÇÃO Nº 01/CEPE, DE 27 DE MARÇO DE 2008 APROVADO NO CTC/CAPES EM 18 DE SETEMBRO DE 2008 Fortaleza-Ceará

Leia mais

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da FACULDADE UNIDA são regidos pela Resolução n. º 01, de 8 de junho de 2007,

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre o PCCR

Perguntas e Respostas sobre o PCCR Perguntas e Respostas sobre o PCCR 1) Como é o ingresso na Secretaria Municipal de Educação? O ingresso no Quadro de Pessoal da Secretaria Municipal de Educação, assim como em toda a Administração Pública

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação Programa úmero de Ações 13 1060 Brasil Alfabetizado e Educação de Jovens e Adultos Objetivo Indicador(es) Garantir acesso e permanência de jovens e adultos a programas educacionais que visam atender as

Leia mais

anped 25ª reunião anual

anped 25ª reunião anual O PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA-PDE NO ENSINO FUNDAMENTAL:O QUE MUDOU NA ESCOLA 1 GT Ensino Fundamental N.º13 Catarina de Almeida Santos- UFG Laydes Seabra Guimarães e Souza-UCG Sueli Azevedo de Souza

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS.

USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. USO DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA REDE PÚBLICA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS. Elaine Jesus Alves UFT elainealves@uft.edu.br Introdução

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL A FORMAÇÃO DO PROFISSIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria das Graças Oliveira Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, Brasil. Resumo Este texto é parte de uma Tese de Doutorado

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO PIAUÍ 1971 a 2002 Maria da Glória Carvalho Moura Universidade Federal do Piauí Mestrado em Educação

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO PIAUÍ 1971 a 2002 Maria da Glória Carvalho Moura Universidade Federal do Piauí Mestrado em Educação EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO PIAUÍ 1971 a 2002 Maria da Glória Carvalho Moura Universidade Federal do Piauí Mestrado em Educação O presente trabalho é um recorte da minha dissertação de mestrado, tendo

Leia mais