RETRATOS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR EM GOIÁS NO SÉCULO XX

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RETRATOS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR EM GOIÁS NO SÉCULO XX"

Transcrição

1 RETRATOS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR EM GOIÁS NO SÉCULO XX Introdução Diane Valdez 1 A fotografia revela os aspectos fisionômicos, mundos de imagens habitando as coisas mais minúsculas, suficientemente ocultas e significativas para encontrarem um refúgio nos sonhos diurnos, e que agora tornando-se grandes e formuláveis, mostram que a diferença entre a técnica e a magia é uma variável totalmente histórica. (Walter Benjamin) O presente trabalho é resultado de uma pesquisa na qual orientamos três turmas do curso de Pedagogia da Universidade Estadual de Goiás UEG/Campus Jaraguá. Durante o período de 07 meses de setembro de 2001 a março de 2002 as acadêmicas e os acadêmicos que cursam a disciplina de História da Educação III nos terceiros anos do referido curso, recolheram fotografias 2 em situação escolar nos arquivos públicos e particulares de várias cidades do Estado de Goiás. A etapa seguinte foi separá-las por década e particularidades para em seguida registrar o momento histórico do qual as mesmas retratavam. O objetivo desta pesquisa é o de construir elementos para estudos da História da Educação em Goiás no referido período. Percebemos que para podermos incluir no curso de História da Educação algo especifico da História local é de suma importância que tenhamos em mãos pesquisas e publicações que nos orientem nesse estudo. Portanto, pretendemos posteriormente organizar o material para publicar em forma de álbum de retratos acrescentando dados referentes às fotografias, momento histórico e mais pequenos registros sobre a história da educação do momento Defendemos também a pesquisa na universidade, em especial no curso de Pedagogia como principio de desmitifica-la e tomá-la também como processo de formação educativa: Pesquisa não é ato isolado, intermitente (...) Faz parte do processo de informação, como instrumento essencial para emancipação. Não só para ter, sobretudo para ser, é mister saber. (Demo:2000, p.16). Optamos pelas fotografias por acharmos relevante a socialização de fontes que, apesar de dispersas, podem ser recolhidas e organizadas antes que se percam e levem um pouco da história que muitos poderiam ter tido acesso. 1 Professora de História da Educação da Universidade Estadual de Goiás, mestra em História pela Universidade Federal de Goiás (UFG) e doutorando em História e Filosofia da Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). 2 Foram recolhidas cerca de cinqüenta fotografias das décadas de vinte a década de oitenta. Muitas já em estado desgastado pelo tempo e pelo não acondicionamento.

2 2 Essa é uma das formas da Universidade se integrar com a comunidade, e também da comunidade contribuir com a academia, com a pesquisa e com o registro de sua própria história: dispondo de meios que guardam em seus baús e que ultrapassam o limite da memória do ambiente familiar se estendendo e fazendo parte da memória coletiva de um povo em uma determinada época. A fotografia é uma fonte ainda pouco explorada na história regional, em especial na educação, apesar de ser um elemento rico no registro da história. Optamos também pelo registro da memória das pessoas portadoras dos retratos, ouvir sobre aquele momento pode nos ajudar a identificar as permanências e as transformação dos grupos que viveram diferentes momentos na história da educação goiana. A memória também se constitui em elemento essencial para o registro de um tempo pois nossas lembranças permanecem coletivas, elas nos são lembradas pelos outros, mesmo que se trate de acontecimentos nos quais só nós tivemos envolvidos, e com objetos que só nós vimos. É porque, em realidade nunca estamos sós (Halbwachs:1990, p. 26). Portanto a memória da imagem retratada juntamente com os depoimentos orais formam o texto explicativo desse material que está embasado teoricamente com dados da História da educação do Brasil juntamente com as particularidades da história da educação, política e econômica da região. A fotografia como fonte de investigação O retrato não me responde, Ele me fita e se contempla Nos meus olhos empoeirados. E no cristal se multiplicam Retrato de família, CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Ainda no século XIX, o historiador francês Fustel de Colanges declarava: Onde o homem passou e deixou marca de sua vida e inteligência, aí está a História. Para a História, a fotografia como fonte, provém da escola dos Analles (1929) na qual seus fundadores M. Bloch e L. Febvre conclamavam os historiadores à uma nova perspectiva documental que permitisse desvendar especificidades de épocas históricas. Todos os vestígios do passado são

3 3 fontes e matérias para o historiador, incluindo assim novos textos para leituras, como por exemplo a fotografia. Uma das primeiras formas de se registrar a imagem fotográfica foi apresentado pelo francês L. J. M. Daguerre, o inventor do daguerreótipo: o primeiro processo fotográfico bem sucedido. O invento foi apresentado à Academia de Ciência em Daguerre fixava a imagem sobre uma superfície de prata pura, colocada sobre uma placa de cobre fixando assim a imagem. O daguerreótipo não permitia reproduções, o exemplar era único, foi somente em 1851 que a fotografia permitiu reproduções com seus clichês de vidros e também a diminuição do tempo da pose que era até então de 20 a 30 minutos. As primeiras pessoas reproduzidas entravam nas fotos sem nada que a identificasse e a fotografia ainda não era instrumentos dos raros jornais. O rosto humano era rodeado por um silêncio em que o olhar repousava (Benjamin, 1985:95). Os assessórios dos retratos incluíam pontos de apoio como mesas, colunas e outros devido a longa exposição que o modelo teria que submeter, é a partir da década de 60 do século XIX que surgem os famosos ateliês com cortinas e paisagens pintadas, Benjamin (1985:98) exemplifica o que ele ironicamente chama de câmara de torturas com uma foto de Kafka: O menino de cerca de seis anos é representado numa espécie de paisagem de jardim de inverno, vestido com uma roupa de criança, muito apertada, quase humilhante, sobrecarregada com rendas. No fundo, erguem-se palmeiras imóveis. E, como para tornar esse acolchoado ambiente tropical ainda mais abafado e sufocante, o modelo segura na mão esquerda um chapéu extraordinariamente grande, com largas abas, do tipo usado pelos espanhóis. (Ibdem, 1985:98) Importante observar que quando chega no Brasil em 1840 o daguerreótipo é visto com bons olhos, a experiência visual possibilitava um novo tipo de auto-representação que era exclusiva da elite que detinha o privilégio de ter seus retratos pintados. O instrumento era considerado como uma jóia. No Brasil Império os daguerreotipistas ou fotógrafos procuravam utilizar da claridade tropical para favorecer uma boa imagem, os jornais da época anunciavam Tiram-se retratos todos os dias, das nove horas da manhã às três horas da tarde se forem crianças de dois a seis anos, só até o meio-dia (Mauad,1997:193). Óbvio que a criança pela sua própria natureza irrequieta teria que ficar menos exposta. Fotografar nessa época não era uma prática comum, as famílias tiravam retratos em ocasiões muito especiais, com exceção da família imperial:

4 4 Nenhuma outra família gastou tanto com fotografia quanto a imperial. D. Pedro II é sempre lembrado nos livros de história da fotografia como um dos grandes incentivadores dessa atividade. Segundo Gilberto Ferrez, o imperador, com catorze anos em 1840, época em que o daguerreótipo chegou ao Brasil, ficou tão entusiasmado coma invenção que adquiriu um aparelho, tornando-se, provavelmente, o primeiro brasileiro a fazer daguerreótipos. (Ibdem, 997: 197) A fotografia, a partir de então, ocupa um espaço determinante nas classes agrárias e urbanas, os fotógrafos eram solicitados pelos barões e outros para registrarem lembranças que iriam compor álbuns das salas de estar. Na monarquia tropical até mesmo a escravidão era retratada nas cartes de visite, (pequenos retratos do tamanho de um cartão de visita) a fotografia permitia maior visibilidade da monarquia ampliando as situações em que o soberano aparecesse em ambientes muitas vezes até imaginário. De toda maneira, diante da realeza, que traz consigo a idéia da imortalidade, o novo recurso permitia a ilusão da perenidade das coisas e se transformava em um ícone de época. De um lado representava a modernidade, de outro facilitava a nosso imperador cientista experimentar-se. Nas viagens que o monarca passará a empreender, a fotografia o acompanha de perto. (Schwarcz, 1998:355) As fotografias desse período são fontes preciosas para a História do Brasil Imperial. A iconografia que antes era representada pelos bicos-de-penas, tintas e outros materiais, inaugura em meados do século XIX a imagem impressa tal qual ela era. As fontes históricas ganham mais um instrumento: os retratos em papéis grossos que poderiam ser reproduzido e percorrer presentear pessoas em diferentes locais e sem muito esforço. Pela fotografia as famílias poderiam construir imagens de suas histórias e álbuns de fotografias com temas diversos de famílias, amigos, paisagens, tipos e outros, que se instalaram definitivamente daquele período histórico se estendendo à contemporaneidade de forma precisa e relevante. No decorrer do século XX a técnica da fotografia amplia, moderniza e democratiza um pouco mais, o que permanece é o costume de se colecionar fotos nos preciosos álbuns ou ainda nos baús e caixas de memórias. Registrar momentos de festas, comemorações, atos religiosos, nascimentos e outros já faz parte do cotidiano de diversos grupos. Nesse aspecto, o ambiente escolar passa a ser um local de registros, pois a escola, ou a educação escolar, se constituí como um espaço privilegiado socialmente.

5 5 Com a necessidade de se construir uma nova ordem no imaginário republicano, a escola se constituía como uma arma para efetuar o tão sonhado progresso da República implementada em Educar e higienizar o povo, em especial as crianças, era tarefa primordial da nova ordem e para tanto Para fazer ver, a escola deveria se dar a ver. Daí os edifícios necessariamente majestosos, amplos e iluminados, em que tudo se dispunha em exposição permanente. Mobiliário, material didático, atividades discentes e docentes tudo deveria ser dado a ver de modo que a conformação da escola aos preceitos da pedagogia moderna evidenciasse o Progresso que a República instaurava. (Carvalho: 1989, p. 25) Atrelado a isso, os republicanos sugeriam que a escola fosse um espaço lúdico, de diversões para criança e para a mocidade, práticas festivas, desfiles militares, comemorações de datas nacionais e festas tradicionais. A fotografia de crianças em situação escolar vai se instalando e torna-se um meio de propaganda no decorrer da República. Essa situação se estenderá pelo Estado Novo e se concretizará definitivamente nos tempos da ditadura. Contar a História da educação por meio de imagens, falar da memória fixada em um papel, da fonte histórica que é a fotografia de um tempo registrado exigem cuidados metodológicos pois entre aquele que olha e a imagem que elabora, há mais do que os olhos podem ver ou uma entrevista reavivar (Mauad:1999,1112). O que não podemos perder de vista é o fato de que a fotografia, enquanto documento histórico, deve ser inserida no panorama cultural da época, nesse sentido a imagem fotográfica seria tomada como índice de uma época, revelando, com riqueza de detalhes, aspectos da arquitetura, indumentária (...) Uma leitura que ultrapasse a avaliação da fotografia como mera ilustração. (Cardoso:1997, 406). Como na documentação escrita, a análise dos retratos deve ser criteriosa buscando revelar o que não foi dito, pois o fato de lidar diretamente com uma imagem elas trazem representações e alguns significados que precisam ser construídos tendo como referência principalmente a contextualização, no momento da averiguação Acrescente-se que as imagens precisam ser traduzidas por palavras, tanto para a sua análise como para sua comunicação, o que acrescenta a polissemia da imagens as ambigüidades provocadas pela alteração de códigos. (Leite: 2000, 16). Tivemos receio de trabalhar com essa fonte, pois o que nos pareceu nas imagens de diferentes décadas eram, a princípio, um emaranhado de situações diversas das quais teríamos

6 6 dificuldades em arriscar análises e interpretações. Depois de recorremos a bibliografia sobre o tema que não é extensa pudemos nos tranqüilizar e procurar utilizar desse recurso de pesquisa, alguns detalhes de descrição e narrativa que nos poderia oferecer alguns dados sem contudo cairmos no risco de análises simplistas, pois Por mais abstrata que pareça, a fotografia é sempre imagem de alguma coisa, além de que, tudo que se vê parece estar ao alcance, pelo menos do olhar de quem vê. Contudo, não só os fotógrafos manipulam as fotografias como, em certa medida, os cientistas sociais estabelecem o que deve ser visto. E apesar disso, esses acentuam a fé na veracidade fotográfica, e é com base nela que a fotografia vem invadindo os trabalhos científicos e históricos, até há bem pouco tempo avessos à documentação que não fosse escrita ou de observação participante. (Ibdem: 2000, 25) Diante dessa expectativa e cuidados é que nos propomos a discorrer sobre as imagens recolhidas, tendo como princípio, logicamente uma visão de história dinâmica, reforçando que analisamos partes da educação do século XX, imagens de um tempo que não é estático, que se transforma, que se contradiz e parafraseando o poeta um tempo que não para e... quantos de nós não rimos e retornamos ao passado alguns saudosistas reclamando o tempo bom de rígida disciplina ao olharmos a famosa cena tirada na escola de meio corpo sentada, tendo como apoio uma mesa, a bandeira nacional, um globo e um mapa do Brasil, as vezes segurando um lápis com uma borracha na ponta. Símbolos do conhecimento e da escola. Alguns fotógrafos até permitiam um leve sorriso, outros não, afinal a escola não é lugar de alegria, é um espaço sisudo e ficar estático com o olhar fixo em um local, sem muitas graças, eram critérios para uma boa lembrança dos tempos primários.

7 7 História e educação escolar em Goiás No semicírculo das cadeiras Nota-se certo movimento, As crianças trocam de lugar, mas sem barulho: é um retrato. Retrato de família, CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Para o Goiás do século XIX 3, o descaso em relação à educação não tinha importância, pois não se desejava nem ansiava por escolas. Os pais que traziam seus meninos para com eles se embrenharem nos sertões à procura de ouro, como nômades, nem de longe se interessavam por escolas. Igualmente, mais tarde, quando a sociedade voltou-se para a produção pecuária, não interessava aos fazendeiros saber ler e escrever, nem aos funcionários do governo, e muito menos aos portugueses. O ensino era restrito ao lar, exercido por alguns pais letrados ou pela disposição de alguns fazendeiros que contratavam professores particulares para educar seus filhos. Goiás não contou com a tutela da Companhia de Jesus na educação, porém evidenciamos forte disposição da Igreja em catequizar os curumins, contando para isso, com inteiro empenho do Estado. Já no século XX, o então Estado de Goiás foi marcado nas três primeiras décadas especialmente pela continuidade de um Estado isolado, pouco povoado, quase integralmente rural, com uma economia de subsistência (Palacin:1994,p. 89). A Revolução de 30 (trinta) teve significados importantes para a região principalmente pelo feito da transferência da capital da cidade de Goiás para a moderna e planejada Goiânia em A partir de 1940 o Estado cresce rapidamente em ritmo acelerado culminado pela construção de Brasília em De acordo com alguns historiadores a década de setenta assiste uma impressionante explosão urbana com a criação de várias cidades e desenvolvimento de inúmeros tipos de serviços em especial a educação. No que se refere a educação, Goiás refletindo o que acontecia no país, rompeu com a Igreja na Primeira República, porém predominaram até meados do século XX as escolas privadas religiosas católicas, seja das irmãs Dominicanas, dos padres Redentoristas, Franciscanos e outros que educaram a elite goiana em diferentes locais. Os retratos, em sua 3 Ver mais sobre o tema no artigo Lição, palmatória e tabuada: imagens da educação em Goiás no século XIX de Valdez, D. publicado pela Revista Educativa, v. 4, n. 1, jan/jun/2001, UCG: Goiânia, p. 99/118.

8 8 maioria absoluta, 4 registram particularidades do ensino religioso, é visível a mistura dos terços nos uniformes compridos e as imagens de santos decorando o retrato, como na foto datada de 1938 na cidade de Goiás, da orgulhosa menina Zilda segurando um vaso de flores, homenagem da escola por seu excelente comportamento fato este que merecia, sem dúvida, uma pose para a posteridade aluna exemplar do colégio Sant Anna dirigido pelas irmãs dominicanas. De acordo com os depoimentos o uso do uniforme nos colégios religiosos não se restringiam somente as aulas, na missa nos finais de semana e no catecismo era obrigatório o uso das longas saias, a camisa branca de mangas com gravatas e... boinas... como na Europa. Um outro detalhe que nos chamou atenção nas imagens de escolas religiosas foram os cabelos cortados curtos, típico da década de trinta. Essa característica se estende para outras décadas até 50 é visível o cabelo do modelo francês chanel que igualmente fazia parte do uniforme das meninas, não havia espaços para as diferenças, nem no cabelo. Os prédios dessas escolas também se diferenciam largamente de outros ambientes escolares. A arquitetura já impunha o poder da Igreja católica 5, os prédios extensos e geralmente com mais de dois andares eram sinais de um ambiente sóbrio, escuro e de muita seriedade. A instrução pública em Goiás foi se instalando com muitas dificuldades, o ensino primário a cargo dos municípios era motivo de queixas como a do governador que declarou em 1916: Tudo isso envolve a triste verdade de que o ensino primário em Goiás é um mito, não existe. (Bretas:1991,p.505). É óbvio que um século determina mudanças na história, porém até por volta da década de quarenta era comum as mestras ensinarem seus pupilos nas enormes varandas de suas casas, cenas comuns nas fotos. Um retrato de 1942 aponta a casa da mestra Judite na cidade de Jaraguá, a frente de sua casa a professora se posiciona ao meio dos alunos como uma referência de sua importância. O prédio da escola, reunia meninos e meninas de diferentes idades em uma mesma série, característica do ensino rural que durante muito tempo predominou na região de Goiás. As fotos que traduzem a prática escolar na área rural indicam as condições em que a educação acontecia: são cenas próximas de ranchos de palha, professores do sexo masculino, em sua maioria, e as crianças de várias idades geralmente acima de sete anos reunidas com seus pés descalços e roupas simples. De acordo com os depoimentos, essas escolas 4 Importante lembrar que a elite era a classe preferencial desses colégios, o número de internas pobres era uma minoria, daí provavelmente o elevado número de fotos desses estabelecimentos, a fotografia não era uma prática assessível para todas as classes. 5 O número de fotografias de escolas religiosas que não pertenciam à Igreja católica é quase insignificante.

9 9 reuniam alunos e alunas que pertenciam a mesma família: irmãos, primos e outros que compunham as numerosas famílias rurais. Aparecem nas cenas paisagens típicas de fazendas e chácaras como vegetação do cerrado (pés de pequi, guariroba), serras, cercas de madeira, vacas e bois pastando, cochos de cavalos etc. Um outro detalhe que nos chamou atenção foi o número elevado de professores do sexo masculino. Até a década de sessenta, os professores homens dominavam a profissão em Goiás. As mulheres aparecem nas imagens muito mais a partir da década de sessenta. Isso também serve para o número de alunos em relação ao de alunas. Em uma sociedade tipicamente rural, o ensino para as meninas não tinha importância, de acordo com as imagens, o acesso do público feminino nas escolas em Goiás torna-se considerável a partir da década de sessenta. Já nos retratos que registraram cenas de desfiles escolares, festas comemorativas e outros, datam com bastante intensidade a partir da década de cinqüenta ocupando maiores espaços no período da ditadura militar 1964/1985 as décadas de sessenta e setenta apresentam alunos e alunas em diferentes locais, ruas, pátios etc., desfilando com roupas de militares, com bandeiras, honras e muita disciplina no alinhamento da fila e da marcha. Os pés levantados juntos, a meia abaixo do joelho, o uniforme bem passado e engomado, as roupas de ginástica, as meninas separadas dos meninos, os olhares de orgulho dos pequenos militares com quepes e sapatos brilhantes, a presença de cavalos, além de muitos outros detalhes, estão presentes nesse período da história na qual a escola foi um instrumento primordial na divulgação de idéias militares instigada pelo golpe que aconteceu no país. Quanto às fotos de meio corpo, tiradas como lembrança do tempo primário, elas não são recentes. Na década de quarenta já encontramos fotos de crianças sentadas atrás de uma mesa ou carteira, segurando lápis ou com as mãos apoiadas em cadernos e livros, o globo ou o mapa sempre presente, algumas trazem um vaso de flor e muitas outras fotos, especialmente nas décadas de sessenta e setenta, apresentam um novo elemento: um aparelho de telefone, o símbolo da modernidade contrastando com o velho globo e claro, acima o escrito República dos Estados Unidos do Brasil e Lembrança do ensino primário. E como foi preciosa essa lembrança para os poucos que freqüentavam escolas na região. Os inúmeros cenários que as fotos revelam dão pistas do ensino público dos Liceus e dos Grupos Escolares, das escolas dos meninos sérios com jeito de adultos, das meninas enfileiradas ordenamente e uniformizadas até no corte do cabelo e no laçarote do lado certo, das escolas militares com seus orgulhosos alunos e seus imponentes oradores, das escolas mistas de sexo, cor e idade, dos mestres que dominaram o ensino durante um tempo, das

10 10 freiras mestras com ares de severas, dos desfiles e festas cívicas, da disciplina invocada no alinhamento e na seriedade, do poder dos mestres no centro das fotos e muitas outras imagens que podem nos dar pistas de vários ensinos, de várias escolas, de inúmeras infâncias e adolescências, de diferentes prédios escolares, enfim um pouco da história da cultura escolar em Goiás que deve ser complementada com outras fontes, cruzada com outras indicações que possam nos levar a entender um pouco mais sobre esse espaço tão dinâmico e tão importante que é o espaço escolar. Bibliografia ANDRADE, C.D. Poesia completa e prosa em um volume. Rio de Janeiro: Companhia José Aguilar editora, BENJAMIN, W. Pequena história da fotografia. In: BENJAMIN, W. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. Vol. I. São Paulo: Brasiliense, 1985, p BRETAS, G. História da instrução pública em Goiás. Goiânia: CEGRAF/UFG, CARDOSO, C.F. e MAUAD, A.M. História e imagem: os exemplos da fotografia e do cinema. In: CARDOSO, C.F e VAINFAS, R (orgs.). Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus,1997, p CARVALHO, M.M.C. A escola e a República. São Paulo: Brasiliense/Tudo é História, DEMO, P. Pesquisa: princípios científico e educativo. São Paulo: Cortez, HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, LEITE, M.M. Retratos de família. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, MAUAD, A.M. Imagem e auto-imagem do segundo Reinado. In: ALENCASTRO, L.F. (Coord.) História da vida privada no Brasil: Império. São Paulo: Companhia das Letras, 1997, p PALACIN, L. e MORAES, M.A.S. História de Goiás. Goiânia: UCG, VALDEZ, D. Lição, palmatória e tabuada: imagens da educação em Goiás no século XIX. In: Revista Educativa, v. 4, n. 1, jan/jun/2001, UCG: Goiânia, p. 99/118.

11 11

Casa de Cultura Mário Quintana. Projeto Integrado I Aluna Cecília Matte

Casa de Cultura Mário Quintana. Projeto Integrado I Aluna Cecília Matte Casa de Cultura Mário Quintana Projeto Integrado I Aluna Cecília Matte Histórico Inicialmente administrado por Horácio de Carvalho, a vida do Hotel Majestic iniciou realmente em 1923, com o arrendamento

Leia mais

DATA: 01 / 12 / 2016 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE HISTÓRIA 2.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: VALOR: 10,0

DATA: 01 / 12 / 2016 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE HISTÓRIA 2.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: VALOR: 10,0 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 0 / 2 / 206 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE HISTÓRIA 2.º ANO/EF UNIDADE: ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

FOTOGRAFIA ESPELHO, MOLDURA; FRAGMENTOS E TÉCNICA. Introdução à história da fotografia.

FOTOGRAFIA ESPELHO, MOLDURA; FRAGMENTOS E TÉCNICA. Introdução à história da fotografia. FOTOGRAFIA ESPELHO, MOLDURA; FRAGMENTOS E TÉCNICA Introdução à história da fotografia. FOTOGRAFIA A história da fotografia tem diversas datas, vários inventores e muitas observações e pesquisas que propiciaram

Leia mais

Colégio Mauricio Salles de Mello

Colégio Mauricio Salles de Mello Colégio Mauricio Salles de Mello Brasília, de de 20 Professor(a): Aluno(a): Ano: Turma: PLANO SEMANAL 5º ANO Semana de 06/06 a 19/06/2017 Amigos são aqueles que ajudam a nos colocar de pé quando nossas

Leia mais

Itaú Cultural inaugura Espaço Olavo Setubal com exposição permanente de obras sobre a história do Brasil

Itaú Cultural inaugura Espaço Olavo Setubal com exposição permanente de obras sobre a história do Brasil Página: 01 Itaú Cultural inaugura Espaço Olavo Setubal com exposição permanente de obras sobre a história do Brasil O Itaú Cultural inaugurou no sábado, dia 13, o Espaço Olavo Setubal, que apresenta de

Leia mais

Sugestões para estudo em casa 4º ano

Sugestões para estudo em casa 4º ano MATEMÁTICA 1- Assinale SIM ou NÃO. 539643 O numeral tem duas classes e quatro ordens. A 4ª Ordem é a de maior valor relativo. O valor absoluto do 4 é 4. A 5ª ordem é a de maior valor relativo. A soma dos

Leia mais

VI. Audiodescrição do livro - Notas proêmias: Acessibilidade comunicacional para produções culturais

VI. Audiodescrição do livro - Notas proêmias: Acessibilidade comunicacional para produções culturais http://www.bengalalegal.com/ http://saci.org.br/ http://www.vezdavoz.com.br/site/index.php http://www.acessibilidadelegal.com/ http://www.vercompalavras.com.br/livro http://www.ines.gov.br/default.aspx

Leia mais

MATEMÁTICA D U Quarenta = 40. Cinquenta = Completa a recta graduada com os números que faltam.

MATEMÁTICA D U Quarenta = 40. Cinquenta = Completa a recta graduada com os números que faltam. D U 4 0 Quarenta 30 + 0 = 40 D U 5 0 Cinquenta 40 + 0 = 50 Completa a recta graduada com os números que faltam. 39 45 50 55 59 2 Completa de modo a obteres as quantidades indicadas. 40 30 + 0 + 20 50 40

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 8º Ano 3º/4º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Márcio Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Língua Portuguesa Resultado

Leia mais

Festa Junina do Elvira Dia 13/6/2015 das 11h às 20h

Festa Junina do Elvira Dia 13/6/2015 das 11h às 20h Desenho da aluna Mel Munhoz, vencedora do Concurso Logo da Festa Junina Festa Junina do Elvira Dia 13/6/2015 das 11h às 20h Prezados pais e alunos, A Festa Junina do Elvira, a mais animada da Chácara Santo

Leia mais

TAREFA FINAL 03/10/2016 CULMINÂNCIA DA GINCANA CELEBRAÇÃO EM AÇÃO DE GRAÇAS

TAREFA FINAL 03/10/2016 CULMINÂNCIA DA GINCANA CELEBRAÇÃO EM AÇÃO DE GRAÇAS TAREFA FINAL 03/10/2016 CULMINÂNCIA DA GINCANA CELEBRAÇÃO EM AÇÃO DE GRAÇAS DESCRIÇÃO: A Equipe deverá apresentar a música escolhida em sorteio no momento indicado na Celebração. A equipe se apresentará

Leia mais

01- Observe o painel de curiosidades de animais que as crianças poderiam encontrar no zoológico:

01- Observe o painel de curiosidades de animais que as crianças poderiam encontrar no zoológico: PROFESSOR: EQUIPE DE MATEMÁTICA BANCO DE QUESTÕES - MATEMÁTICA - 2º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== 01- Observe o painel de curiosidades

Leia mais

A revista digital de MAIO traz lições que saltam à vista! Confira alguns temas:

A revista digital de MAIO traz lições que saltam à vista! Confira alguns temas: A revista digital de MAIO traz lições que saltam à vista! Confira alguns temas: História do óculos Velma ( Scooby-Doo ) Um super cartão de Dia das Mães Lições de matemática criativas com óculos Você é

Leia mais

REGULAMENTO DE UNIFORMES. Generalidades. alunos do CPMG, permitindo sua rápida identificação perante os demais membros da comunidade.

REGULAMENTO DE UNIFORMES. Generalidades. alunos do CPMG, permitindo sua rápida identificação perante os demais membros da comunidade. SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO DOS REIS ANEXO III TÍTULO I Generalidades Art. 1º O

Leia mais

Grade de programação TV Escola - Segunda-feira - 24/04/2017

Grade de programação TV Escola - Segunda-feira - 24/04/2017 Grade de programação TV Escola - Segunda-feira - 24/04/2017 06h03 07h00 07h30 08h00 08h05 08h10 08h16 08h22 08h28 08h34 08h39 08h44 08h52 09h00 09h30 09h45 10h00 10h15 10h31 11h00 SALTO PARA O FUTURO -

Leia mais

HISTORIOGRAFIA EM TRABALHO E EDUCAÇÃO

HISTORIOGRAFIA EM TRABALHO E EDUCAÇÃO HISTORIOGRAFIA EM TRABALHO E EDUCAÇÃO O termo historiografia significa a graphia ou a escrita da história. Seus significados correntes são a arte de escrever a história e os estudos históricos e críticos

Leia mais

Interpretação de textos Avaliação Parcial II. Língua Portuguesa Brasileira Antonio Trindade

Interpretação de textos Avaliação Parcial II. Língua Portuguesa Brasileira Antonio Trindade Interpretação de textos Avaliação Parcial II Língua Portuguesa Brasileira Antonio Trindade Verbo ser Que vai ser quando crescer? Vivem perguntando em redor. Que é ser? É ter um corpo, um jeito, um nome?

Leia mais

79 Dias. por. Ton Freitas

79 Dias. por. Ton Freitas 79 Dias por Ton Freitas Registro F.B.N.: 684988 Contato: ton.freitas@hotmail.com INT. HOSPITAL/QUARTO - DIA Letreiro: 3 de março de 1987. HELENA, branca, 28 anos, está grávida e deitada em uma cama em

Leia mais

Texto Carolina Rossini Fotos Gui Morelli

Texto Carolina Rossini Fotos Gui Morelli DO MEU JEITO Texto Carolina Rossini Fotos Gui Morelli Brutalidade clássica APOSTANDO NO DÉCOR E NA INTEGRA- ÇÃO DE AMBIENTES, MAURÍCIO KARAM ABRE AS PORTAS DO APARTAMENTO QUE PLANEJOU E TEM A CARA DELE

Leia mais

As dificuldades na abordagem de adultos autistas e conseqüências concretas

As dificuldades na abordagem de adultos autistas e conseqüências concretas As dificuldades na abordagem de adultos autistas e conseqüências concretas Transtorno do Espectro Autista O autismo é considerado um transtorno do desenvolvimento de causas neurobiológicas. As características

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. 2 a Etapa PERCEPÇÃO VISUAL Vestibular habilidades específicas SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Leia atentamente o CARTAZ sobre ELIMINAÇÃO AUTOMÁTICA, afixado na parede da

Leia mais

Educação e Inclusão. Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação Semana VI. Prof. Ms. Joel Sossai Coleti

Educação e Inclusão. Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação Semana VI. Prof. Ms. Joel Sossai Coleti Educação e Inclusão Fundamentos Filosóficos e Sociológicos da Educação Semana VI Prof. Ms. Joel Sossai Coleti Parte 2: Educação da mulher (...) uma longa história de opressão e subalternidade. (p. 137)

Leia mais

O Despertar da Felicidade

O Despertar da Felicidade Luciana Mutarelli O Despertar da Felicidade Copyright 2013 by Luciana Mutarelli. Prólogo O que é a Felicidade? Todos nós, em algum momento da vida, já a sentimos. A felicidade é algo que não podemos definir

Leia mais

Nas respostas às questões dos Grupos I, II e III, seleciona a única opção que completa a afirmação inicial de forma correta.

Nas respostas às questões dos Grupos I, II e III, seleciona a única opção que completa a afirmação inicial de forma correta. Nome N. o Turma Avaliação Nas respostas às questões dos Grupos I, II e III, seleciona a única opção que completa a afirmação inicial de forma correta. GRUPO I Observa o gráfico, que representa a evolução

Leia mais

O MILAGRE DAS ROSAS VERMELHAS : CORPORALIDADE, FOTOGRAFIA E SACRALIDADE NA MARUJADA DE BRAGANÇA - PARÁ

O MILAGRE DAS ROSAS VERMELHAS : CORPORALIDADE, FOTOGRAFIA E SACRALIDADE NA MARUJADA DE BRAGANÇA - PARÁ O MILAGRE DAS ROSAS VERMELHAS : CORPORALIDADE, FOTOGRAFIA E SACRALIDADE NA MARUJADA DE BRAGANÇA - PARÁ Helio Figueiredo da Serra Netto 1 Todo mês de Dezembro a cidade de Bragança, no estado do Pará, se

Leia mais

BIMESTRAL - FÍSICA - 1ºBIMESTRE

BIMESTRAL - FÍSICA - 1ºBIMESTRE BIMESTRAL - FÍSICA - 1ºBIMESTRE Série: 3ªEM Gabarito 1- Uma pessoa percorreu, caminhando a pé, 6,0 km em 20,0 minutos. A sua velocidade escalar média, em unidades do Sistema Internacional, foi de: * 2,0

Leia mais

Sugestão de Estudo. 1º ano. 1- Complete o alfabeto com letra cursiva. Observe o traçado da letra.

Sugestão de Estudo. 1º ano. 1- Complete o alfabeto com letra cursiva. Observe o traçado da letra. _ 1- Complete o alfabeto com letra cursiva. Observe o traçado da letra. 2- Copie da ficha, em seu caderno de estudo, o alfabeto minúsculo com letra cursiva. 3- Escreva, em seu caderno de estudo, seu nome

Leia mais

Dicas e Ideias para o seu Pré Wedding (Pré Casamento)

Dicas e Ideias para o seu Pré Wedding (Pré Casamento) Dicas e Ideias para o seu Pré Wedding (Pré Casamento) Cada vez mais popular aqui no Brasil o ensaio de Pré Wedding (Pré Casamento) é uma ótima oportunidade para que os noivos possam ficar mais à vontade

Leia mais

ESTUDO DO MEIO. 1 Escreve os doze meses do ano por ordem e pinta o mês em que nasceste.

ESTUDO DO MEIO. 1 Escreve os doze meses do ano por ordem e pinta o mês em que nasceste. ETUDO DO MEIO 1 Escreve os doze meses do ano por ordem e pinta o mês em que nasceste. 1-5 - 9-2 - 6-10 - 3-7 - 11-4 - 8-12 - 2 Escreve conforme indica a ajuda. TRINTA DIA TEM NOVEMBRO, ABRIL, JUNHO E ETEMBRO

Leia mais

Pesquisa de Expectativa de Compras dos Consumidores sobre o Dia dos Namorados. Junho de 2014 Rondonópolis/MT

Pesquisa de Expectativa de Compras dos Consumidores sobre o Dia dos Namorados. Junho de 2014 Rondonópolis/MT Pesquisa de Expectativa de Compras dos Consumidores sobre o Dia dos Namorados Junho de 2014 Rondonópolis/MT ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL E EMPRESARIAL DE RONDONÓPOLIS ACIR. Presidente - Luis Fernando

Leia mais

MATERNAL I TARDE - 10/05/2016 terça-feira

MATERNAL I TARDE - 10/05/2016 terça-feira MATERNAL II A MATERNAL I TARDE MATERNAL I MANHÃ MATERNAL I MANHÃ - 10/05/2016 terça-feira Vocabulary scholl, teacher págs 32 e 33 do livro de inglês Pág 35 do livro de inglês com ajuda do seu orientador,

Leia mais

Resenha do livro A Câmara Clara, de Roland Barthes

Resenha do livro A Câmara Clara, de Roland Barthes Resenha do livro A Câmara Clara, de Roland Barthes Este trabalho, realizado no âmbito do curso de pós-graduação em Fotografia da Universidade Cândido Mendes, tem como finalidade comentar o livro A Câmara

Leia mais

praias atividades agrícolas comércio extração de minérios pesca porto fazendas prédios artesanato igrejas praças construções históricas

praias atividades agrícolas comércio extração de minérios pesca porto fazendas prédios artesanato igrejas praças construções históricas 1 Glauco fez uma pesquisa sobre a história do Brasil e descobriu que: No ano de 1500, os europeus chegaram às terras brasileiras. Em 1808, a família real portuguesa chegou ao Rio de Janeiro. No ano de

Leia mais

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ. O Colégio que ensina o aluno a estudar ALUNO(A): TURMA: Geografia.

COLÉGIO 7 DE SETEMBRO FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ. O Colégio que ensina o aluno a estudar ALUNO(A): TURMA: Geografia. FUNDADOR PROF. EDILSON BRASIL SOÁREZ 2011 O Colégio que ensina o aluno a estudar APICE Geografia [4 a Etapa] 5 o Ano Ensino Fundamental I ALUNO(A): TURMA: Você está recebendo o APICE (Atividade para Intensificar

Leia mais

"Com pedras, os homens constróem catedrais; mas com gestos de amor constróem a Humanidade".

Com pedras, os homens constróem catedrais; mas com gestos de amor constróem a Humanidade. "Com pedras, os homens constróem catedrais; mas com gestos de amor constróem a Humanidade". Os Pais, Primeiros Educadores da Fé Existe um ambiente privilegiado em que os casais, sem excluir outros lugares,

Leia mais

Grupo de Reflexão - Cantos para maio

Grupo de Reflexão - Cantos para maio rupo de Reflexão - Cantos para maio Indice Obrigado, Senhor Trabalho de um operãrio Eucreio num mundo novo Ilumina, ilumina É no campo da vida Ensina teu povo a rezar Santa Mãe Maria nesta traessia Eu

Leia mais

Regulamento de Concurso de Fotografia. A minha UC tem 725 anos

Regulamento de Concurso de Fotografia. A minha UC tem 725 anos Regulamento de Concurso de Fotografia A minha UC tem 725 anos Enquadramento Pretende- se, com a presente iniciativa, incentivar a comunidade académica e o público em geral a participar numa revisitação

Leia mais

Estado do Maranhão Governo Municipal de Lago dos Rodrigues PREFEITURA MUNICrPAL DE LAGO DOS RODRIGUES

Estado do Maranhão Governo Municipal de Lago dos Rodrigues PREFEITURA MUNICrPAL DE LAGO DOS RODRIGUES PREFEITURA MUNICrPAL DE LAGO DOS RODRIGUES 26,500 (Vinte e Seis Reais e Cinquenta Centavos). Item: 00087 - GIZ BRANCO ESCOLAR Quantidade: 470,000 Homologadopara:FAGNER B. DA SILVA - ME, C.N.PJ.no 39,000

Leia mais

NÃO FORAM SOLICITADOS MATERIAIS PARA A 2 a E 3 a SÉRIES

NÃO FORAM SOLICITADOS MATERIAIS PARA A 2 a E 3 a SÉRIES INFORMAÇÕES GERAIS PARA TODOS OS ALUNOS - É obrigatório o uso do fardamento (calça comprida tactel do Colégio ou jeans azul marinho, camisa polo modelo do Colégio, tênis, meias e, para Educação Física:

Leia mais

"Caixa de Saída" Roteiro de. Jean Carlo Bris da Rosa

Caixa de Saída Roteiro de. Jean Carlo Bris da Rosa "Caixa de Saída" Roteiro de Jean Carlo Bris da Rosa Copyright 2011. Todos os direitos reservados. Você não pode copiar, exibir, distribuir. executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta

Leia mais

Com Maria, ao encontro do sonho de Deus. Novena a Nossa Senhora, pelas vocações em Portugal

Com Maria, ao encontro do sonho de Deus. Novena a Nossa Senhora, pelas vocações em Portugal Com Maria, ao encontro do sonho de Deus. Novena a Nossa Senhora, pelas vocações em Portugal 18 de maio - Maria, pronta a servir com amor Hoje lembramos a simplicidade e generosidade de Maria, que logo

Leia mais

COLAÇÃO DE GRAU Cerimônias 02 e 03 de setembro de 2017 Auditório Buritis COLAÇÃO DE GRAU

COLAÇÃO DE GRAU Cerimônias 02 e 03 de setembro de 2017 Auditório Buritis COLAÇÃO DE GRAU , COLAÇÃO DE GRAU COLAÇÃO DE GRAU CONCLUINTES DO 1º SEMESTRE DE 2017 Cerimônias 2 e 3 de setembro de 2017 AUDITÓRIO BURITIS Rua José Claudio Rezende, 420, Estoril PARTICIPAÇÃO É necessário que todos os

Leia mais

ÍNDICE O TEXTO DRAMÁTICO PROFISSÕES RELACIONADAS COM O TEATRO VOCABULÁRIO RELACIONADO COM O TEATRO. Leitura de cartazes publicitários

ÍNDICE O TEXTO DRAMÁTICO PROFISSÕES RELACIONADAS COM O TEATRO VOCABULÁRIO RELACIONADO COM O TEATRO. Leitura de cartazes publicitários O TEXTO DRAMÁTICO O TEXTO DRAMÁTICO ÍNDICE PROFISSÕES RELACIONADAS COM O TEATRO VOCABULÁRIO RELACIONADO COM O TEATRO Leitura de cartazes publicitários CATEGORIAS DO TEXTO DRAMÁTICO O TEXTO DRAMÁTICO. Tem

Leia mais

a) O que, em especial, facilitava o trabalho daqueles que viviam no delta do Nilo?

a) O que, em especial, facilitava o trabalho daqueles que viviam no delta do Nilo? 6º História Carol Av. Mensal 27/09/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova contém

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS 5º ANO A DO ENSINO FUNDAMENTAL I /2014 Semana de 03/11 a 07/11

GUIA DE ESTUDOS 5º ANO A DO ENSINO FUNDAMENTAL I /2014 Semana de 03/11 a 07/11 Língua Portuguesa Tema: Festa de Classe Gincana (folha anexa) GUIA DE ESTUDOS 5º ANO A DO ENSINO FUNDAMENTAL I /2014 Semana de 03/11 a 07/11 Matemática Temas: Expressõess numéricas com números decimais,

Leia mais

Colégio Mauricio Salles de Mello

Colégio Mauricio Salles de Mello Colégio Mauricio Salles de Mello Brasília, de de 20 Professor(a): Aluno(a): Ano: Turma: PLANO SEMANAL 3º ANO Semana de 27/09 a 17/10/2016 Toda criança tem direitos e deveres. Crianças têm de estudar, brincar,

Leia mais

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE

PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE AVALIAÇÃO DE ATIVIDADES DE FIXAÇÃO DO CONTEÚDO DO GRUPO VIII PROVA TAREFA 4 Unidade Portugal Série: 5 o ano (4 a série) Período: TARDE Data: 21/9/2011 PORTUGUÊS 3 o BIMESTRE Nome: Turma: Valor da prova:

Leia mais

E a Volkswagen criou o carro popular...

E a Volkswagen criou o carro popular... E a Volkswagen criou o carro popular... Um automóvel polivalente, potente, prático, barato e com um design bem-sucedido, que rapidamente encontrou seu lugar em milhares de lares pelo mundo. Uma verdadeira

Leia mais

Tópicos de momentos inesquecíveis!

Tópicos de momentos inesquecíveis! Tópicos de momentos inesquecíveis! Para o Victor e equipe do 2ªB do CNSL Os nossos momentos inesquecíveis no Colégio foram vários. Eu entrei no Colégio em 1963. Não fiz o primário no CNSL. 1- Quando estávamos

Leia mais

w Unidade 3 - Lugar de Morar

w Unidade 3 - Lugar de Morar w Unidade 3 - Lugar de Morar w Unidade 3 - Lugar de Morar 1. Leia o texto Quando eu era pequena, morava num bairro só de casas. O lugar era tão calmo que nós podíamos brincar no meio da rua. A turma do

Leia mais

Armário. Cadeira. Gaveta. Mesa. Candeeiro. Tapete

Armário. Cadeira. Gaveta. Mesa. Candeeiro. Tapete EXERCÍCIO 1 Objectivos: II.1. Identificar palavras simples, palavras compostas e grupos de palavras III.4. Adequar um texto a uma ilustração Nível de dificuldade: 1 Título: Benvindo a casa! Avaliação Instrução:

Leia mais

1. Observe o seguinte trecho do Sermão da Sexagésima de Padre Antônio Vieira:

1. Observe o seguinte trecho do Sermão da Sexagésima de Padre Antônio Vieira: 3º EM Literatura Renata Romero Av. Dissertativa 20/05/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos.

Leia mais

Memorial Descritivo. Unidade Autônoma no. 23 Condomínio Villavista Golf

Memorial Descritivo. Unidade Autônoma no. 23 Condomínio Villavista Golf Unidade Autônoma no. 23 Área Total do Lote: 2.751,35m² Área livre do Lote: 2.751,35 m² nas LOTE 23: FRENTE segue com o azimute de 62 34 02 e 6,71 metros, mais 24,44 metros em arco, com o raio de 27,50

Leia mais

A HEGEMONIA JESUÍTICA ( ) Sônia Maria Fonseca

A HEGEMONIA JESUÍTICA ( ) Sônia Maria Fonseca A HEGEMONIA JESUÍTICA (1549-1759) Sônia Maria Fonseca Todos os recortes usados nas telas seguintes foram retiradas do texto publicado em Navegando na História da Educação Brasileira: http://www.histedbr.fae.unicamp.br/navegando/index.html.

Leia mais

6. Os Numerais, os Determinantes e os Pronomes

6. Os Numerais, os Determinantes e os Pronomes 6. Os Numerais, os Determinantes e os Pronomes 6.1. Os Numerais Numerais são palavras que nos indicam a quantidade exacta de coisas, pessoas ou animais, assim como a ordem (posição) da sua colocação. Existem

Leia mais

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL

HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços da Região Centro PROJECTO CURRICULAR DE DISCIPLINA ANO LECTIVO 2015/2016 HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA SÉ GUARDA

Leia mais

Temas: Operações com decimais, expressões numéricas, simplificação de frações.

Temas: Operações com decimais, expressões numéricas, simplificação de frações. GUIA DE ESTUDOS 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL I /2014 Semana de 17/11 a 21/11 Língua Portuguesa Matemática Geografia Temas: Leitura, compreensão e interpretação textual. Para: 18/11 (terça-feira) Português

Leia mais

COMO FORMATAR O SEU ROTEIRO HUGO MOSS

COMO FORMATAR O SEU ROTEIRO HUGO MOSS COMO FORMATAR O SEU ROTEIRO HUGO MOSS (Workshop Laboratório Sundance - 1996) Os elementos do roteiro Cabeçalhos Em inglês sluglines ou scenes headers. São escritos em maiúsculas e dão três informações:

Leia mais

Assinatura Publicação 26/10/00 27/10/00, Folha 1

Assinatura Publicação 26/10/00 27/10/00, Folha 1 Assinatura Publicação 26/10/00 27/10/00, Folha 1 Ementa: APROVA O REGULAMENTO DE UNIFORMES DA GUARDA CIVIL METROPOLITANA DE SAO PAULO, E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. DECRETO Nº 40.001, 26 DE OUTUBRO DE 2000

Leia mais

Fonte: José Cláudio Gomes

Fonte: José Cláudio Gomes Fonte: José Cláudio Gomes DO TODO À PARTE O professor, arquiteto e urbanista José Cláudio Gomes formou-se, em 1953, com a primeira turma da FAUUSP. Influenciou a formação de centenas de alunos que, entusiasmados,

Leia mais

2.ª Certificação de Habilidade Específica de 2013

2.ª Certificação de Habilidade Específica de 2013 sala n.º máscara Prova de Habilidades Específicas - Arquitetura e Urbanismo 2.ª Certificação de Habilidade Específica de 2013 1 Este caderno é constituído de quatro questões. Caso o caderno de prova esteja

Leia mais

Observe a imagem e leia o texto abaixo para fazer as lições de Língua Portuguesa:

Observe a imagem e leia o texto abaixo para fazer as lições de Língua Portuguesa: COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Troca do livro LIÇÕES DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA / 4º ano 4º A 4º B 4º C semana de 25 a 29 de maio sexta-feira terça-feira quinta-feira Observe a imagem e leia o texto abaixo

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL ANÁPOLIS PROFESSORA: ALUNO: ANO: MÊS: DOMINGO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA SÁBADO

ESCOLA MUNICIPAL ANÁPOLIS PROFESSORA: ALUNO: ANO: MÊS: DOMINGO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA SÁBADO PREENCHA O CALENDÁRIO ABAIXO: MÊS: DOMINGO SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA SÁBADO AGORA, OBSERVE O CALENDÁRIO E RESPONDA: A) QUE MÊS É ESSE? B) QUANTOS DIAS TÊM O MÊS? C) EM QUE DIA DA SEMANA COMEÇOU

Leia mais

APOSTILA COM MATERIAL DOURADO E SND ATÉ 99

APOSTILA COM MATERIAL DOURADO E SND ATÉ 99 ESCOLA: PROFESSOR(A): SÉRIE: ALUNO(A): APOSTILA COM MATERIAL DOURADO E SND ATÉ 99 Elaborado por Eleúzia Lins da Silva As atividades da Apostila com Material Dourado e SND até 99, possui Registro de Direito

Leia mais

LISTA DE MATERIAL EDUCAÇÃO INFANTIL CSM 2017 NÍVEL I 1 ANO

LISTA DE MATERIAL EDUCAÇÃO INFANTIL CSM 2017 NÍVEL I 1 ANO NÍVEL I 1 ANO 1 lençolzinho (etiquetado) 2m de algodão cru 1 jogo de blocos (grande) para montar (peças apropriadas para a idade) para os meninos. 1 travesseiro pequeno - etiquetado ½ m de velcro Panelinhas

Leia mais

PRINCIPAIS MONUMENTOS

PRINCIPAIS MONUMENTOS ARTE CHINESA ARQUITETURA Grandes construções da engenharia e arquitetura chinesa de caráter civil e militar foram feitas com pedras e escavadas em rocha viva, tais como A Grande Muralha e os templos budistas

Leia mais

Enotel Santo - Madeira

Enotel Santo - Madeira OCEANO ATLÂNTICO Porto Moniz Porto Santo Ponta do Pargo São Jorge MADEIRA Arieiro Porto da Cruz Santo da Serra Ponta do Sol Monte Funchal Airport Palheiro Camara de Lobos FUNCHAL ENOTEL SANTO Enotel Santo

Leia mais

A esfera celeste e a orientação pelas estrelas Pp. 30 a 35. Importância do conhecimento da esfera celeste

A esfera celeste e a orientação pelas estrelas Pp. 30 a 35. Importância do conhecimento da esfera celeste 1.4- A esfera celeste e a orientação pelas estrelas Pp. 30 a 35 Importância do conhecimento da esfera celeste Esfera celeste Constelação Mapa celeste Orientação pelas estrelas Coordenadas celestes horizontais:

Leia mais

Février 2014 TOP 5 LE SONGBOOK BOSSA

Février 2014 TOP 5 LE SONGBOOK BOSSA Février 2014 TOP 5 LE SONGBOOK BOSSA Água De Beber - Antonio Carlos Jobim Eu quis amar mais tive medo E quis salvar meu coração Mas o amor sabe um segredo O medo pode matar o seu coração Água de beber

Leia mais

Questão 01 (Neilor Tonin) Aula Prática 3: Estrutura Condicional. Entrada. Saída. Exemplo de entrada e Saída. - Procedimento para a entrega:.

Questão 01 (Neilor Tonin) Aula Prática 3: Estrutura Condicional. Entrada. Saída. Exemplo de entrada e Saída. - Procedimento para a entrega:. BCC201 Introdução à Programação (2016-01) Departamento de Computação - Universidade Federal de Ouro Preto - MG Professor: Reinaldo Fortes (www.decom.ufop.br/reinaldo) Estagiário docente: Washington Silva

Leia mais

Prova Bimestral de Matemática 2º Bimestre de 2016

Prova Bimestral de Matemática 2º Bimestre de 2016 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL CENTRO DE ORIENTAÇÃO E SUPERVISÃO AO ENSINO ASSISTENCIAL COLÉGIO MILITAR DOM PEDRO II Prova Bimestral de Matemática º Bimestre de 06 Nome dos Professores:

Leia mais

BARROCO PROFESSORA: GEORGIANA E G SOUSA 3º ANO E. M.

BARROCO PROFESSORA: GEORGIANA E G SOUSA 3º ANO E. M. BARROCO PROFESSORA: GEORGIANA E G SOUSA 3º ANO E. M. BARROCO Surgiu na Itália no século XVII e deve-se a uma série de mudanças econômicas, religiosas e sociais ocorridas na Europa; Contrarreforma reafirmar

Leia mais

T E O R I A E P E R C E P Ç Ã O M U S I C A L

T E O R I A E P E R C E P Ç Ã O M U S I C A L T E O R I A E P E R C E P Ç Ã O M U S I C A L QUESTÃO 1 Assinale, dentre as escalas abaixo, aquela que corresponde à escala de Fá Menor harmônica: QUESTÃO 5 Qual destas tríades corresponde, em Fá Menor,

Leia mais

NÃO FORAM SOLICITADOS MATERIAIS PARA A 2 a E 3 a SÉRIES

NÃO FORAM SOLICITADOS MATERIAIS PARA A 2 a E 3 a SÉRIES INFORMAÇÕES GERAIS PARA TODOS OS ALUNOS - É obrigatório o uso do fardamento (calça comprida tactel do Colégio ou jeans azul marinho, camisa polo modelo do Colégio, tênis, meias e, para Educação Física:

Leia mais

Sumário Estatístico dos Exames ANBIMA. Certificação Dados obtidos até: Relatório Gerado em:

Sumário Estatístico dos Exames ANBIMA. Certificação Dados obtidos até: Relatório Gerado em: Sumário Estatístico dos Exames ANBIMA Certificação Dados obtidos até: 30.06.2016 Relatório Gerado em: 13.07.2016 Números consolidados dos Exames de Certificação ANBIMA CPA-10 CPA-20 CGA* CEA Total Inscrições

Leia mais

Olá amigo estamos iniciando mais um programa da série Através da Bíblia, quero

Olá amigo estamos iniciando mais um programa da série Através da Bíblia, quero Olá amigo estamos iniciando mais um programa da série Através da Bíblia, quero saudá-lo, desejando sobre você e toda a sua família as mais preciosas bênçãos do 1 Senhor. É um prazer estar mais uma vez

Leia mais

A assistência em Braga: iniciativas da segunda metade do século XIX

A assistência em Braga: iniciativas da segunda metade do século XIX A assistência em Braga: iniciativas da segunda metade do século XIX I Congresso Internacional de História: Territórios, culturas e poderes Universidade do Minho Instituto de Ciências Sociais Braga - 5,

Leia mais

CALENDÁRIO GERAL DAS ATIVIDADES ESCOLARES PARA ALUNOS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO

CALENDÁRIO GERAL DAS ATIVIDADES ESCOLARES PARA ALUNOS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO CALENDÁRIO GERAL DAS ATIVIDADES ESCOLARES PARA ALUNOS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO 2013/14 Aprovado pela Direção, após parecer do Conselho de Coordenadores 1 1.º PERÍODO MÊS DIA ATIVIDADE 2 17h: Início das

Leia mais

PERÍODO DE ADAPTAÇÃO 2016

PERÍODO DE ADAPTAÇÃO 2016 PERÍODO DE ADAPTAÇÃO 2016 POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ DIRETORIA DE ENSINO E PESQUISA ACADEMIA POLICIAL MILITAR DO GUATUPÊ ESCOLA DE OFICIAIS ENXOVAL SÃO JOSÉ DOS PINHAIS 2016 P á g i n a 2 ITENS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

MATEMÁTICA = = = = Completa a reta graduada com os números que faltam.

MATEMÁTICA = = = = Completa a reta graduada com os números que faltam. C D U 90 + 10 = 100 D 1 D U 0 0 Cem 1 centena 1 Completa a reta graduada com os números que faltam. 5 2 Completa a sequência. 40 65 +10 +10 +10 +10 +10 +10 +10 +10 +10 10 3 Completa de modo a obteres as

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 3º EM Física A Renato Av. Dissertativa 24/06/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

BARROCO PINTURA Caravaggio Andrea Pozzo

BARROCO PINTURA Caravaggio Andrea Pozzo BARROCO A arte barroca originou-se na Itália (séc. XVII), mas não tardou a irradiar-se por outros países da Europa e a chegar também ao continente americano, trazida pelos colonizadores portugueses e espanhóis.

Leia mais

ADJETIVO COMPOSTO: Formado por mais de um radical. Por exemplo: luso-brasileiro, castanho-escuro, amarelo-canário.

ADJETIVO COMPOSTO: Formado por mais de um radical. Por exemplo: luso-brasileiro, castanho-escuro, amarelo-canário. Adjetivo é a palavra que expressa uma qualidade ou característica do ser e se "encaixa" diretamente ao lado de um substantivo. Ao analisarmos a palavra bondoso, por exemplo, percebemos que além de expressar

Leia mais

EXERCÍCIO COMPLEMENTAR

EXERCÍCIO COMPLEMENTAR COLÉGIO DE APLICAÇÃO DOM HÉLDER CÂMARA EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES III DATA DE ENTREGA: / /2017 DISCIPLINA: PORTUGUÊS PROFESSOR(A): ALUNO (A):. SÉRIE: 4º ANO EXERCÍCIO COMPLEMENTAR 1. Leia o texto e depois

Leia mais

Colégio Anchieta Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio. Lista de Material Escolar

Colégio Anchieta Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio. Lista de Material Escolar MATERNAL I ( 02 anos) 003 caixas de giz de cera (grande) 004 caixas de massa de modelar 002 caixas de fósforo (palitos pequenos) 001 rolo de durex (pequeno e largo) 001 rolo durex colorido 001 folha de

Leia mais

FICHA SOCIAL Nº 123 INFORMANTE: SEXO: IDADE: ESCOLARIZAÇÃO: LOCALIDADE: PROFISSÃO: DOCUMENTADORA: TRANSCRITORA: DIGITADORA: DURAÇÃO:

FICHA SOCIAL Nº 123 INFORMANTE: SEXO: IDADE: ESCOLARIZAÇÃO: LOCALIDADE: PROFISSÃO: DOCUMENTADORA: TRANSCRITORA: DIGITADORA: DURAÇÃO: FICHA SOCIAL Nº 123 INFORMANTE: M.A.M.B. SEXO: Masculino IDADE: 27 anos - Faixa II ESCOLARIZAÇÃO: 9 a 11 anos (2º grau incompleto) LOCALIDADE: Batateira - Zona Urbana PROFISSÃO: Comerciante DOCUMENTADORA:

Leia mais

Intertextualidade na Fotografia Publicidade: o conto de fada 1

Intertextualidade na Fotografia Publicidade: o conto de fada 1 Intertextualidade na Fotografia Publicidade: o conto de fada 1 Juliana Souza TEIXEIRA 2 Dayane Bifon de BARROS 3 Rodrigo Daniel Levoti PORTARI 4 Universidade do Estado de Minas Gerais, Frutal, MG RESUMO

Leia mais

01. Responda às questões propostas. a) A família de Nilza Cunha é parecida com as famílias de hoje ou de antigamente? Por quê? 2

01. Responda às questões propostas. a) A família de Nilza Cunha é parecida com as famílias de hoje ou de antigamente? Por quê? 2 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 05 / 12 / 2012 UNIDADE: III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE HISTÓRIA 2.º ANO/EF ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

LEILÃO PUBLICO DE IMÓVEI(S) ONLINE e PRESENCIAL

LEILÃO PUBLICO DE IMÓVEI(S) ONLINE e PRESENCIAL LEILÃO PUBLICO DE IMÓVEI(S) ONLINE e PRESENCIAL CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF, CNPJ nº 00.360.305/0001-04, com sede no Setor Bancário SUL, Quadra 4, Lotes INDAIATUBA/SP: Um lote de terra sob nº 14 da quadra

Leia mais

LÂMPADA CAVALO JACARÉ

LÂMPADA CAVALO JACARÉ Português Tonicidade Aluno (a): Data: / / SÍLABA TÔNICA é aquela pronunciada com mais força. Quando falamos as palavras na nossa língua, percebemos que algumas sílabas são pronunciadas com mais força [intensidade

Leia mais

Que caracteres são herdados de geração em geração?

Que caracteres são herdados de geração em geração? Músculos Cor dos olhos Membro amputado Cor do cabelo Que caracteres são herdados de geração em geração? Existem características que são transmitidas de geração em geração caracteres hereditários. Ex.:

Leia mais

ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO

ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO ROTEIRO PARA AVALIAÇÃO DA ILUMINAÇÃO Roteiro adaptado de modelo proposto pela CIE (Commission Internationale de l Éclairage) para avaliação da iluminação em ambientes existentes. Embora elaborado para

Leia mais

Aos meninos da Pré-Escola fizeram a seguinte pergunta: As únicas possíveis respostas são esquerda ou direita

Aos meninos da Pré-Escola fizeram a seguinte pergunta: As únicas possíveis respostas são esquerda ou direita Teste do ônibus TESTE DO ÔNIBUS Aos meninos da Pré-Escola fizeram a seguinte pergunta: Em que direção está viajando o ônibus abaixo? Olhe cuidadosamente o desenho. Sabe a resposta? As únicas possíveis

Leia mais

SANTA VERÓNICA. Mariana Abdulrehman. Curso: História da Arte Cadeira: Iconografia Docente:Professor Luís Urbano Afonso Ano Lectivo: 2015/2016

SANTA VERÓNICA. Mariana Abdulrehman. Curso: História da Arte Cadeira: Iconografia Docente:Professor Luís Urbano Afonso Ano Lectivo: 2015/2016 SANTA VERÓNICA Mariana Abdulrehman Curso: História da Arte Cadeira: Iconografia Docente:Professor Luís Urbano Afonso Ano Lectivo: 2015/2016 Vida Santa Verónica de Jerusalém, séc. I. Foi mulher que sentiu

Leia mais

1 de 21 19/03/ :01

1 de 21 19/03/ :01 COMPRASNET O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO 1 de 21 19/03/2014 15:01 PODER LEGISLATIVO Senado Federal Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00010/2014 (SRP) Pregão revogado Às 19:59 horas do dia 26

Leia mais

A Cuca. Brincando de folclore. Cuca. COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION

A Cuca. Brincando de folclore. Cuca. COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Troca do livro LIÇÕES DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA - 3 ano 3º ano A, B e C Sexta-feira Semana de 25 a 29 de agostode 2014. Leia o texto para fazer as lições de Língua Portuguesa

Leia mais

CABRAL MONCADA LEILÕES LEILÃO 156 ANTIGUIDADES E OBRAS DE ARTE / ARTE MODERNA E CONTEMPORÂNEA 17, 18 e 19 de Fevereiro de 2014

CABRAL MONCADA LEILÕES LEILÃO 156 ANTIGUIDADES E OBRAS DE ARTE / ARTE MODERNA E CONTEMPORÂNEA 17, 18 e 19 de Fevereiro de 2014 CABRAL MONCADA LEILÕES LEILÃO 156 ANTIGUIDADES E OBRAS DE ARTE / ARTE MODERNA E CONTEMPORÂNEA 17, 18 e 19 de Fevereiro de 2014 DESTAQUES SITE 447 JOÃO HOGAN - 1914-1989, Sem título, pequeno restauro, assinado

Leia mais

Janeiro Compartilhe com o mundo! Use a hashtag #ClicandoeAndando365 nas suas fotos.

Janeiro Compartilhe com o mundo! Use a hashtag #ClicandoeAndando365 nas suas fotos. Janeiro 2017 1 Domingo Começo 2 Segunda Resoluções 3 Terça Saudável 4 Quarta Bebidas Geladas 5 Quinta Mágico 6 Sexta Azul 7 Sábado Frio 8 Domingo Nascer do Sol 9 Segunda Botas 10 Terça Escuro 11 Quarta

Leia mais

Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Medicina Veterinária CÓDIGO DO TRAJE ACADÉMICO

Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Medicina Veterinária CÓDIGO DO TRAJE ACADÉMICO Universidade Técnica de Lisboa Faculdade de Medicina Veterinária CÓDIGO DO TRAJE ACADÉMICO Grupo Organizado para as Tradições Académicas G.O.T.A. O G.O.T.A. tem como objectivo preservar todas as tradições

Leia mais