RETRATOS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR EM GOIÁS NO SÉCULO XX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RETRATOS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR EM GOIÁS NO SÉCULO XX"

Transcrição

1 RETRATOS DA EDUCAÇÃO ESCOLAR EM GOIÁS NO SÉCULO XX Introdução Diane Valdez 1 A fotografia revela os aspectos fisionômicos, mundos de imagens habitando as coisas mais minúsculas, suficientemente ocultas e significativas para encontrarem um refúgio nos sonhos diurnos, e que agora tornando-se grandes e formuláveis, mostram que a diferença entre a técnica e a magia é uma variável totalmente histórica. (Walter Benjamin) O presente trabalho é resultado de uma pesquisa na qual orientamos três turmas do curso de Pedagogia da Universidade Estadual de Goiás UEG/Campus Jaraguá. Durante o período de 07 meses de setembro de 2001 a março de 2002 as acadêmicas e os acadêmicos que cursam a disciplina de História da Educação III nos terceiros anos do referido curso, recolheram fotografias 2 em situação escolar nos arquivos públicos e particulares de várias cidades do Estado de Goiás. A etapa seguinte foi separá-las por década e particularidades para em seguida registrar o momento histórico do qual as mesmas retratavam. O objetivo desta pesquisa é o de construir elementos para estudos da História da Educação em Goiás no referido período. Percebemos que para podermos incluir no curso de História da Educação algo especifico da História local é de suma importância que tenhamos em mãos pesquisas e publicações que nos orientem nesse estudo. Portanto, pretendemos posteriormente organizar o material para publicar em forma de álbum de retratos acrescentando dados referentes às fotografias, momento histórico e mais pequenos registros sobre a história da educação do momento Defendemos também a pesquisa na universidade, em especial no curso de Pedagogia como principio de desmitifica-la e tomá-la também como processo de formação educativa: Pesquisa não é ato isolado, intermitente (...) Faz parte do processo de informação, como instrumento essencial para emancipação. Não só para ter, sobretudo para ser, é mister saber. (Demo:2000, p.16). Optamos pelas fotografias por acharmos relevante a socialização de fontes que, apesar de dispersas, podem ser recolhidas e organizadas antes que se percam e levem um pouco da história que muitos poderiam ter tido acesso. 1 Professora de História da Educação da Universidade Estadual de Goiás, mestra em História pela Universidade Federal de Goiás (UFG) e doutorando em História e Filosofia da Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). 2 Foram recolhidas cerca de cinqüenta fotografias das décadas de vinte a década de oitenta. Muitas já em estado desgastado pelo tempo e pelo não acondicionamento.

2 2 Essa é uma das formas da Universidade se integrar com a comunidade, e também da comunidade contribuir com a academia, com a pesquisa e com o registro de sua própria história: dispondo de meios que guardam em seus baús e que ultrapassam o limite da memória do ambiente familiar se estendendo e fazendo parte da memória coletiva de um povo em uma determinada época. A fotografia é uma fonte ainda pouco explorada na história regional, em especial na educação, apesar de ser um elemento rico no registro da história. Optamos também pelo registro da memória das pessoas portadoras dos retratos, ouvir sobre aquele momento pode nos ajudar a identificar as permanências e as transformação dos grupos que viveram diferentes momentos na história da educação goiana. A memória também se constitui em elemento essencial para o registro de um tempo pois nossas lembranças permanecem coletivas, elas nos são lembradas pelos outros, mesmo que se trate de acontecimentos nos quais só nós tivemos envolvidos, e com objetos que só nós vimos. É porque, em realidade nunca estamos sós (Halbwachs:1990, p. 26). Portanto a memória da imagem retratada juntamente com os depoimentos orais formam o texto explicativo desse material que está embasado teoricamente com dados da História da educação do Brasil juntamente com as particularidades da história da educação, política e econômica da região. A fotografia como fonte de investigação O retrato não me responde, Ele me fita e se contempla Nos meus olhos empoeirados. E no cristal se multiplicam Retrato de família, CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Ainda no século XIX, o historiador francês Fustel de Colanges declarava: Onde o homem passou e deixou marca de sua vida e inteligência, aí está a História. Para a História, a fotografia como fonte, provém da escola dos Analles (1929) na qual seus fundadores M. Bloch e L. Febvre conclamavam os historiadores à uma nova perspectiva documental que permitisse desvendar especificidades de épocas históricas. Todos os vestígios do passado são

3 3 fontes e matérias para o historiador, incluindo assim novos textos para leituras, como por exemplo a fotografia. Uma das primeiras formas de se registrar a imagem fotográfica foi apresentado pelo francês L. J. M. Daguerre, o inventor do daguerreótipo: o primeiro processo fotográfico bem sucedido. O invento foi apresentado à Academia de Ciência em Daguerre fixava a imagem sobre uma superfície de prata pura, colocada sobre uma placa de cobre fixando assim a imagem. O daguerreótipo não permitia reproduções, o exemplar era único, foi somente em 1851 que a fotografia permitiu reproduções com seus clichês de vidros e também a diminuição do tempo da pose que era até então de 20 a 30 minutos. As primeiras pessoas reproduzidas entravam nas fotos sem nada que a identificasse e a fotografia ainda não era instrumentos dos raros jornais. O rosto humano era rodeado por um silêncio em que o olhar repousava (Benjamin, 1985:95). Os assessórios dos retratos incluíam pontos de apoio como mesas, colunas e outros devido a longa exposição que o modelo teria que submeter, é a partir da década de 60 do século XIX que surgem os famosos ateliês com cortinas e paisagens pintadas, Benjamin (1985:98) exemplifica o que ele ironicamente chama de câmara de torturas com uma foto de Kafka: O menino de cerca de seis anos é representado numa espécie de paisagem de jardim de inverno, vestido com uma roupa de criança, muito apertada, quase humilhante, sobrecarregada com rendas. No fundo, erguem-se palmeiras imóveis. E, como para tornar esse acolchoado ambiente tropical ainda mais abafado e sufocante, o modelo segura na mão esquerda um chapéu extraordinariamente grande, com largas abas, do tipo usado pelos espanhóis. (Ibdem, 1985:98) Importante observar que quando chega no Brasil em 1840 o daguerreótipo é visto com bons olhos, a experiência visual possibilitava um novo tipo de auto-representação que era exclusiva da elite que detinha o privilégio de ter seus retratos pintados. O instrumento era considerado como uma jóia. No Brasil Império os daguerreotipistas ou fotógrafos procuravam utilizar da claridade tropical para favorecer uma boa imagem, os jornais da época anunciavam Tiram-se retratos todos os dias, das nove horas da manhã às três horas da tarde se forem crianças de dois a seis anos, só até o meio-dia (Mauad,1997:193). Óbvio que a criança pela sua própria natureza irrequieta teria que ficar menos exposta. Fotografar nessa época não era uma prática comum, as famílias tiravam retratos em ocasiões muito especiais, com exceção da família imperial:

4 4 Nenhuma outra família gastou tanto com fotografia quanto a imperial. D. Pedro II é sempre lembrado nos livros de história da fotografia como um dos grandes incentivadores dessa atividade. Segundo Gilberto Ferrez, o imperador, com catorze anos em 1840, época em que o daguerreótipo chegou ao Brasil, ficou tão entusiasmado coma invenção que adquiriu um aparelho, tornando-se, provavelmente, o primeiro brasileiro a fazer daguerreótipos. (Ibdem, 997: 197) A fotografia, a partir de então, ocupa um espaço determinante nas classes agrárias e urbanas, os fotógrafos eram solicitados pelos barões e outros para registrarem lembranças que iriam compor álbuns das salas de estar. Na monarquia tropical até mesmo a escravidão era retratada nas cartes de visite, (pequenos retratos do tamanho de um cartão de visita) a fotografia permitia maior visibilidade da monarquia ampliando as situações em que o soberano aparecesse em ambientes muitas vezes até imaginário. De toda maneira, diante da realeza, que traz consigo a idéia da imortalidade, o novo recurso permitia a ilusão da perenidade das coisas e se transformava em um ícone de época. De um lado representava a modernidade, de outro facilitava a nosso imperador cientista experimentar-se. Nas viagens que o monarca passará a empreender, a fotografia o acompanha de perto. (Schwarcz, 1998:355) As fotografias desse período são fontes preciosas para a História do Brasil Imperial. A iconografia que antes era representada pelos bicos-de-penas, tintas e outros materiais, inaugura em meados do século XIX a imagem impressa tal qual ela era. As fontes históricas ganham mais um instrumento: os retratos em papéis grossos que poderiam ser reproduzido e percorrer presentear pessoas em diferentes locais e sem muito esforço. Pela fotografia as famílias poderiam construir imagens de suas histórias e álbuns de fotografias com temas diversos de famílias, amigos, paisagens, tipos e outros, que se instalaram definitivamente daquele período histórico se estendendo à contemporaneidade de forma precisa e relevante. No decorrer do século XX a técnica da fotografia amplia, moderniza e democratiza um pouco mais, o que permanece é o costume de se colecionar fotos nos preciosos álbuns ou ainda nos baús e caixas de memórias. Registrar momentos de festas, comemorações, atos religiosos, nascimentos e outros já faz parte do cotidiano de diversos grupos. Nesse aspecto, o ambiente escolar passa a ser um local de registros, pois a escola, ou a educação escolar, se constituí como um espaço privilegiado socialmente.

5 5 Com a necessidade de se construir uma nova ordem no imaginário republicano, a escola se constituía como uma arma para efetuar o tão sonhado progresso da República implementada em Educar e higienizar o povo, em especial as crianças, era tarefa primordial da nova ordem e para tanto Para fazer ver, a escola deveria se dar a ver. Daí os edifícios necessariamente majestosos, amplos e iluminados, em que tudo se dispunha em exposição permanente. Mobiliário, material didático, atividades discentes e docentes tudo deveria ser dado a ver de modo que a conformação da escola aos preceitos da pedagogia moderna evidenciasse o Progresso que a República instaurava. (Carvalho: 1989, p. 25) Atrelado a isso, os republicanos sugeriam que a escola fosse um espaço lúdico, de diversões para criança e para a mocidade, práticas festivas, desfiles militares, comemorações de datas nacionais e festas tradicionais. A fotografia de crianças em situação escolar vai se instalando e torna-se um meio de propaganda no decorrer da República. Essa situação se estenderá pelo Estado Novo e se concretizará definitivamente nos tempos da ditadura. Contar a História da educação por meio de imagens, falar da memória fixada em um papel, da fonte histórica que é a fotografia de um tempo registrado exigem cuidados metodológicos pois entre aquele que olha e a imagem que elabora, há mais do que os olhos podem ver ou uma entrevista reavivar (Mauad:1999,1112). O que não podemos perder de vista é o fato de que a fotografia, enquanto documento histórico, deve ser inserida no panorama cultural da época, nesse sentido a imagem fotográfica seria tomada como índice de uma época, revelando, com riqueza de detalhes, aspectos da arquitetura, indumentária (...) Uma leitura que ultrapasse a avaliação da fotografia como mera ilustração. (Cardoso:1997, 406). Como na documentação escrita, a análise dos retratos deve ser criteriosa buscando revelar o que não foi dito, pois o fato de lidar diretamente com uma imagem elas trazem representações e alguns significados que precisam ser construídos tendo como referência principalmente a contextualização, no momento da averiguação Acrescente-se que as imagens precisam ser traduzidas por palavras, tanto para a sua análise como para sua comunicação, o que acrescenta a polissemia da imagens as ambigüidades provocadas pela alteração de códigos. (Leite: 2000, 16). Tivemos receio de trabalhar com essa fonte, pois o que nos pareceu nas imagens de diferentes décadas eram, a princípio, um emaranhado de situações diversas das quais teríamos

6 6 dificuldades em arriscar análises e interpretações. Depois de recorremos a bibliografia sobre o tema que não é extensa pudemos nos tranqüilizar e procurar utilizar desse recurso de pesquisa, alguns detalhes de descrição e narrativa que nos poderia oferecer alguns dados sem contudo cairmos no risco de análises simplistas, pois Por mais abstrata que pareça, a fotografia é sempre imagem de alguma coisa, além de que, tudo que se vê parece estar ao alcance, pelo menos do olhar de quem vê. Contudo, não só os fotógrafos manipulam as fotografias como, em certa medida, os cientistas sociais estabelecem o que deve ser visto. E apesar disso, esses acentuam a fé na veracidade fotográfica, e é com base nela que a fotografia vem invadindo os trabalhos científicos e históricos, até há bem pouco tempo avessos à documentação que não fosse escrita ou de observação participante. (Ibdem: 2000, 25) Diante dessa expectativa e cuidados é que nos propomos a discorrer sobre as imagens recolhidas, tendo como princípio, logicamente uma visão de história dinâmica, reforçando que analisamos partes da educação do século XX, imagens de um tempo que não é estático, que se transforma, que se contradiz e parafraseando o poeta um tempo que não para e... quantos de nós não rimos e retornamos ao passado alguns saudosistas reclamando o tempo bom de rígida disciplina ao olharmos a famosa cena tirada na escola de meio corpo sentada, tendo como apoio uma mesa, a bandeira nacional, um globo e um mapa do Brasil, as vezes segurando um lápis com uma borracha na ponta. Símbolos do conhecimento e da escola. Alguns fotógrafos até permitiam um leve sorriso, outros não, afinal a escola não é lugar de alegria, é um espaço sisudo e ficar estático com o olhar fixo em um local, sem muitas graças, eram critérios para uma boa lembrança dos tempos primários.

7 7 História e educação escolar em Goiás No semicírculo das cadeiras Nota-se certo movimento, As crianças trocam de lugar, mas sem barulho: é um retrato. Retrato de família, CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Para o Goiás do século XIX 3, o descaso em relação à educação não tinha importância, pois não se desejava nem ansiava por escolas. Os pais que traziam seus meninos para com eles se embrenharem nos sertões à procura de ouro, como nômades, nem de longe se interessavam por escolas. Igualmente, mais tarde, quando a sociedade voltou-se para a produção pecuária, não interessava aos fazendeiros saber ler e escrever, nem aos funcionários do governo, e muito menos aos portugueses. O ensino era restrito ao lar, exercido por alguns pais letrados ou pela disposição de alguns fazendeiros que contratavam professores particulares para educar seus filhos. Goiás não contou com a tutela da Companhia de Jesus na educação, porém evidenciamos forte disposição da Igreja em catequizar os curumins, contando para isso, com inteiro empenho do Estado. Já no século XX, o então Estado de Goiás foi marcado nas três primeiras décadas especialmente pela continuidade de um Estado isolado, pouco povoado, quase integralmente rural, com uma economia de subsistência (Palacin:1994,p. 89). A Revolução de 30 (trinta) teve significados importantes para a região principalmente pelo feito da transferência da capital da cidade de Goiás para a moderna e planejada Goiânia em A partir de 1940 o Estado cresce rapidamente em ritmo acelerado culminado pela construção de Brasília em De acordo com alguns historiadores a década de setenta assiste uma impressionante explosão urbana com a criação de várias cidades e desenvolvimento de inúmeros tipos de serviços em especial a educação. No que se refere a educação, Goiás refletindo o que acontecia no país, rompeu com a Igreja na Primeira República, porém predominaram até meados do século XX as escolas privadas religiosas católicas, seja das irmãs Dominicanas, dos padres Redentoristas, Franciscanos e outros que educaram a elite goiana em diferentes locais. Os retratos, em sua 3 Ver mais sobre o tema no artigo Lição, palmatória e tabuada: imagens da educação em Goiás no século XIX de Valdez, D. publicado pela Revista Educativa, v. 4, n. 1, jan/jun/2001, UCG: Goiânia, p. 99/118.

8 8 maioria absoluta, 4 registram particularidades do ensino religioso, é visível a mistura dos terços nos uniformes compridos e as imagens de santos decorando o retrato, como na foto datada de 1938 na cidade de Goiás, da orgulhosa menina Zilda segurando um vaso de flores, homenagem da escola por seu excelente comportamento fato este que merecia, sem dúvida, uma pose para a posteridade aluna exemplar do colégio Sant Anna dirigido pelas irmãs dominicanas. De acordo com os depoimentos o uso do uniforme nos colégios religiosos não se restringiam somente as aulas, na missa nos finais de semana e no catecismo era obrigatório o uso das longas saias, a camisa branca de mangas com gravatas e... boinas... como na Europa. Um outro detalhe que nos chamou atenção nas imagens de escolas religiosas foram os cabelos cortados curtos, típico da década de trinta. Essa característica se estende para outras décadas até 50 é visível o cabelo do modelo francês chanel que igualmente fazia parte do uniforme das meninas, não havia espaços para as diferenças, nem no cabelo. Os prédios dessas escolas também se diferenciam largamente de outros ambientes escolares. A arquitetura já impunha o poder da Igreja católica 5, os prédios extensos e geralmente com mais de dois andares eram sinais de um ambiente sóbrio, escuro e de muita seriedade. A instrução pública em Goiás foi se instalando com muitas dificuldades, o ensino primário a cargo dos municípios era motivo de queixas como a do governador que declarou em 1916: Tudo isso envolve a triste verdade de que o ensino primário em Goiás é um mito, não existe. (Bretas:1991,p.505). É óbvio que um século determina mudanças na história, porém até por volta da década de quarenta era comum as mestras ensinarem seus pupilos nas enormes varandas de suas casas, cenas comuns nas fotos. Um retrato de 1942 aponta a casa da mestra Judite na cidade de Jaraguá, a frente de sua casa a professora se posiciona ao meio dos alunos como uma referência de sua importância. O prédio da escola, reunia meninos e meninas de diferentes idades em uma mesma série, característica do ensino rural que durante muito tempo predominou na região de Goiás. As fotos que traduzem a prática escolar na área rural indicam as condições em que a educação acontecia: são cenas próximas de ranchos de palha, professores do sexo masculino, em sua maioria, e as crianças de várias idades geralmente acima de sete anos reunidas com seus pés descalços e roupas simples. De acordo com os depoimentos, essas escolas 4 Importante lembrar que a elite era a classe preferencial desses colégios, o número de internas pobres era uma minoria, daí provavelmente o elevado número de fotos desses estabelecimentos, a fotografia não era uma prática assessível para todas as classes. 5 O número de fotografias de escolas religiosas que não pertenciam à Igreja católica é quase insignificante.

9 9 reuniam alunos e alunas que pertenciam a mesma família: irmãos, primos e outros que compunham as numerosas famílias rurais. Aparecem nas cenas paisagens típicas de fazendas e chácaras como vegetação do cerrado (pés de pequi, guariroba), serras, cercas de madeira, vacas e bois pastando, cochos de cavalos etc. Um outro detalhe que nos chamou atenção foi o número elevado de professores do sexo masculino. Até a década de sessenta, os professores homens dominavam a profissão em Goiás. As mulheres aparecem nas imagens muito mais a partir da década de sessenta. Isso também serve para o número de alunos em relação ao de alunas. Em uma sociedade tipicamente rural, o ensino para as meninas não tinha importância, de acordo com as imagens, o acesso do público feminino nas escolas em Goiás torna-se considerável a partir da década de sessenta. Já nos retratos que registraram cenas de desfiles escolares, festas comemorativas e outros, datam com bastante intensidade a partir da década de cinqüenta ocupando maiores espaços no período da ditadura militar 1964/1985 as décadas de sessenta e setenta apresentam alunos e alunas em diferentes locais, ruas, pátios etc., desfilando com roupas de militares, com bandeiras, honras e muita disciplina no alinhamento da fila e da marcha. Os pés levantados juntos, a meia abaixo do joelho, o uniforme bem passado e engomado, as roupas de ginástica, as meninas separadas dos meninos, os olhares de orgulho dos pequenos militares com quepes e sapatos brilhantes, a presença de cavalos, além de muitos outros detalhes, estão presentes nesse período da história na qual a escola foi um instrumento primordial na divulgação de idéias militares instigada pelo golpe que aconteceu no país. Quanto às fotos de meio corpo, tiradas como lembrança do tempo primário, elas não são recentes. Na década de quarenta já encontramos fotos de crianças sentadas atrás de uma mesa ou carteira, segurando lápis ou com as mãos apoiadas em cadernos e livros, o globo ou o mapa sempre presente, algumas trazem um vaso de flor e muitas outras fotos, especialmente nas décadas de sessenta e setenta, apresentam um novo elemento: um aparelho de telefone, o símbolo da modernidade contrastando com o velho globo e claro, acima o escrito República dos Estados Unidos do Brasil e Lembrança do ensino primário. E como foi preciosa essa lembrança para os poucos que freqüentavam escolas na região. Os inúmeros cenários que as fotos revelam dão pistas do ensino público dos Liceus e dos Grupos Escolares, das escolas dos meninos sérios com jeito de adultos, das meninas enfileiradas ordenamente e uniformizadas até no corte do cabelo e no laçarote do lado certo, das escolas militares com seus orgulhosos alunos e seus imponentes oradores, das escolas mistas de sexo, cor e idade, dos mestres que dominaram o ensino durante um tempo, das

10 10 freiras mestras com ares de severas, dos desfiles e festas cívicas, da disciplina invocada no alinhamento e na seriedade, do poder dos mestres no centro das fotos e muitas outras imagens que podem nos dar pistas de vários ensinos, de várias escolas, de inúmeras infâncias e adolescências, de diferentes prédios escolares, enfim um pouco da história da cultura escolar em Goiás que deve ser complementada com outras fontes, cruzada com outras indicações que possam nos levar a entender um pouco mais sobre esse espaço tão dinâmico e tão importante que é o espaço escolar. Bibliografia ANDRADE, C.D. Poesia completa e prosa em um volume. Rio de Janeiro: Companhia José Aguilar editora, BENJAMIN, W. Pequena história da fotografia. In: BENJAMIN, W. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. Vol. I. São Paulo: Brasiliense, 1985, p BRETAS, G. História da instrução pública em Goiás. Goiânia: CEGRAF/UFG, CARDOSO, C.F. e MAUAD, A.M. História e imagem: os exemplos da fotografia e do cinema. In: CARDOSO, C.F e VAINFAS, R (orgs.). Domínios da História: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus,1997, p CARVALHO, M.M.C. A escola e a República. São Paulo: Brasiliense/Tudo é História, DEMO, P. Pesquisa: princípios científico e educativo. São Paulo: Cortez, HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, LEITE, M.M. Retratos de família. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, MAUAD, A.M. Imagem e auto-imagem do segundo Reinado. In: ALENCASTRO, L.F. (Coord.) História da vida privada no Brasil: Império. São Paulo: Companhia das Letras, 1997, p PALACIN, L. e MORAES, M.A.S. História de Goiás. Goiânia: UCG, VALDEZ, D. Lição, palmatória e tabuada: imagens da educação em Goiás no século XIX. In: Revista Educativa, v. 4, n. 1, jan/jun/2001, UCG: Goiânia, p. 99/118.

11 11

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

IMAGENS EM SALA DE AULA 1

IMAGENS EM SALA DE AULA 1 IMAGENS EM SALA DE AULA 1 Reinaldo Nishikawa 2 (UNOPAR) reinaldo1@unopar.br Continuidade de palavras não significa necessariamente continuidade de significados. (Carlo Ginzburg) Vivemos numa sociedade

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA.

A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA. A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA. Autora: Mestra Rosicleide Henrique da Silva Universidade Federal de Campina

Leia mais

Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1

Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1 Lata na mão, grafiteiro na rua, arte na prede e a montagem de um vídeo etnográfico na Amazônia 1 Leila Cristina Leite Ferreira-UFPA RESUMO: Este artigo traz como discussão a captação, a elaboração e a

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59 Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br Graduada em pedagogia e fonoaudiologia, Pós-graduada em linguagem, Professora da Creche-Escola

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Imagem e memória: o morro do Castelo visto por um fotógrafo amador 1. Nesta apresentação iremos nos deter na análise do olhar do fotógrafo amador

Imagem e memória: o morro do Castelo visto por um fotógrafo amador 1. Nesta apresentação iremos nos deter na análise do olhar do fotógrafo amador Imagem e memória: o morro do Castelo visto por um fotógrafo amador 1 Adriana Maria Martins Pereira Nesta apresentação iremos nos deter na análise do olhar do fotógrafo amador Alberto de Sampaio em duas

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

Minha Escola ontem, Minha Escola Hoje.

Minha Escola ontem, Minha Escola Hoje. 1. TEMA: Minha Escola ontem, Minha Escola Hoje. 2. SÉRIE: 1º Ciclo 2ª série. 3. BLOCOS TEMÁTICOS PROPOSTOS: História: História Local e do Cotidiano. Geografia: O lugar e a Paisagem 4. AUTOR / EMAIL Evelin

Leia mais

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE

AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE ARTE Juliana Stedille 1 Richelly de Macedo Ramos 2 Edi Jussara Candido Lorensatti 3 Resumo Este artigo busca verificar quais os procedimentos adotados por professores da disciplina

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso. INTRODUÇÃO AQUI TEM HISTÓRIA : LUGARES DE MEMÓRIA Adriely M. de Oliveira (C. Sociais UEL/ Bolsista IC/Fundação Araucária). Orientadora: Ana Cleide Chiarotti Cesário. Palavras-chave: Memória, Patrimônio, Discurso.

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Educação Patrimonial Centro de Memória

Educação Patrimonial Centro de Memória Educação Patrimonial Centro de Memória O que é história? Para que serve? Ambas perguntas são aparentemente simples, mas carregam uma grande complexidade. É sobre isso que falarei agora. A primeira questão

Leia mais

célia collet mariana paladino kelly russo

célia collet mariana paladino kelly russo Apresentação Este livro é produto de uma inquietação resultante de nossas pesquisas e de práticas docentes e de extensão universitária, ao apreender o modo como as culturas e as histórias indígenas são

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás.

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás. 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência 10 a 15 de junho de 2011 UFG Goiânia, Goiás. Comunicação, Ciência e Conservação do Cerrado: Mídia e Jornalismo na conscientização e

Leia mais

Cartão postal. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Cartão postal. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Cartão postal CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal

Leia mais

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO!

AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! AUTORRETRATO... EU COMO SOU? SOU ÚNICO! Maria da Penha Rodrigues de Assis EMEF SERRA DOURADA No ano de 2010 escolhi como posto de trabalho a EMEF Serra Dourada para lecionar como arte-educadora de séries

Leia mais

FORÇA FEMINISTA NA CHINA

FORÇA FEMINISTA NA CHINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DO SECULO XX FORÇA FEMINISTA NA CHINA DÉBORAH PAULA DA SILVA RECIFE

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito.

1. O que é Folclore? Uma análise histórica e crítica do conceito. Objetivos Proporcionar o entendimento das características gerais do processo folclórico brasileiro; Estruturar o profissional de Eventos para conhecer particularidades de alguns acontecimentos que envolvem

Leia mais

Série: A última guerra do Prata

Série: A última guerra do Prata TÍTULO DO PROGRAMA Série: A última guerra do Prata SINOPSE DO PROGRAMA O documentário é parte de uma série produzida pela TV Escola que apresenta as análises e pesquisas mais recentes a respeito da Guerra

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema Luciana Ferreira Pinto 1 1.Introdução Desde o início da Escola dos Anais, na França, os objetos de estudo da História vêm se modificando, exigindo

Leia mais

O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA CRÍTICA NA SALA DE AULA- PALMELO-GO

O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA CRÍTICA NA SALA DE AULA- PALMELO-GO O CINEMA COMO EXPERIÊNCIA CRÍTICA NA SALA DE AULA- PALMELO-GO REZENDE,Liberalina Teodoro 1 Resumo Este trabalho se traduz na descrição e análise acerca de algumas experiências ocorridas no ano de dois

Leia mais

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio

A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio A linguagem da fotonovela Isabel S. Sampaio No segundo semestre de 1970, as revistas que publicavam fotonovelas no Brasil ocupavam o segundo lugar em tiragem e circulação, perdendo apenas para as revistas

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA O(S) USO(S) DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EM SALA DE AULA BRUNA EVELIN LOPES SANTOS CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA

Leia mais

Figura 4 FOTO DE UMA SALA DE AULA DO GMU

Figura 4 FOTO DE UMA SALA DE AULA DO GMU 165 campo com a área de 299m (23x13), para a prática de bola ao cesto e voleibol (MACCHERONI, 1942, p.82-4). Figura 4 FOTO DE UMA SALA DE AULA DO GMU FONTE: ARQUIVO DA ESCOLA ESTADUAL DE UBERLÂNDIA Observando

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956).

Benedicto Silva. Foto 1. Minha mãe e eu, fotografados pelo meu pai (setembro de 1956). 1. INTRODUÇÃO 1.1. MINHA RELAÇÃO COM A FOTOGRAFIA Meu pai tinha uma câmara fotográfica. Ele não era fotógrafo profissional, apenas gostava de fotografar a família e os amigos (vide Foto 1). Nunca estudou

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008.

Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003. Rio de Janeiro, 28 de maio de 2008. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Departamento de Artes & Design Curso de especialização O Lugar do Design na Leitura Disciplina: Estratégia RPG Daniel Chaves Santos Matrícula: 072.997.003

Leia mais

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL. Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL. Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges HERCULE FLORENCE: A DESCOBERTA ISOLADA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL o Antoine Hercule Romuald Florence nasceu em Nice, na França, no dia 29

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

A ESCOLA NA VISÃO DAS CRIANÇAS. SILVEIRA, Débora de Barros - UEMS/UFSCar GT: Educação da Criança de 0 a 6 anos / n. 07 Agencia de Financiadora: CNPq

A ESCOLA NA VISÃO DAS CRIANÇAS. SILVEIRA, Débora de Barros - UEMS/UFSCar GT: Educação da Criança de 0 a 6 anos / n. 07 Agencia de Financiadora: CNPq A ESCOLA NA VISÃO DAS CRIANÇAS SILVEIRA, Débora de Barros - UEMS/UFSCar GT: Educação da Criança de 0 a 6 anos / n. 07 Agencia de Financiadora: CNPq Este trabalho é parte da minha tese de doutorado que

Leia mais

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DIÁRIO DE BORDO E PROCESSOFÓLIO. INSTRUMENTOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES Mercedes Bêtta Quintano de Carvalho Pereira dos Santos ( Centro Universitário São Camilo) GT 02 Formação de Professores As alunas

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 88 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE

JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE JOGOS E BRINCADEIRAS NO ENSINO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA DOS PIBIDIANOS COM O TEMA GÊNERO E SEXUALIDADE Lorrania Miranda Nogueira Raquel da Silva Barroso Monica Rosana de Andrade Mateus Camargo Pereira

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

A PESQUISA NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL: MAIS UM OLHAR

A PESQUISA NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL: MAIS UM OLHAR A PESQUISA NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL: MAIS UM OLHAR Alexandre de Medeiros Motta 1 RESUMO O campo da comunicação é um espaço emocionante para ser sondado e explorado pela pesquisa, principalmente aquelas

Leia mais

A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais

A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais A Formação docente e o ensino da leitura e escrita por meio dos gêneros textuais Dayanne Cristina Moraes de DEUS; Dulcéria TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES; Reila Terezinha da Silva LUZ Departamento de

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Pedagogia 4ª Série Organização e Metodologia da Educação Infantil A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

TEATRO DE FANTOCHES UMA ABORDAGEM LÚDICA NO ENSINO SOBRE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

TEATRO DE FANTOCHES UMA ABORDAGEM LÚDICA NO ENSINO SOBRE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL TEATRO DE FANTOCHES UMA ABORDAGEM LÚDICA NO ENSINO SOBRE SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Welledes Moreno Aguiar Bolsista do PIBID Biologia, UFT - Araguaína. E-mail: wmaguiar_18@hotmail.com Geane Brizzola dos

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS.

AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. AS RELAÇÕES ENTRE O TEATRO E O PODER NAS MINAS OITOCENTISTAS. Luciano Borges Muniz 1 Flávio Marcus da Silva 2 Resumo Este artigo é parte dos resultados obtidos por pesquisas desenvolvidas a cerca das relações

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas e as representações subjetivas sobre os conceitos estudados.

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS

FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA DE SANTANA FERREIRA PEREIRA JÉSSICA PALOMA RATIS CORREIA NOBRE PEDAGOGIA: PROJETO MENINA BONITA DO LAÇO DE FITA JANDIRA - 2012 FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS GISELE CRISTINA

Leia mais

SOBRE ESTE LIVRO BOM TRABALHO PARA TODOS!

SOBRE ESTE LIVRO BOM TRABALHO PARA TODOS! As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO GABARITO 3ª ETAPA INGLÊS COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA Rua Frei Vidal, 1621 São João do Tauape/Fone/Fax: 3272-1295 www.jovinianobarreto.com.br 1º ANO Nº TURNO:

Leia mais

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE

O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE ISSN: 1981-3031 O IDOSO EM QUESTÃO: ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS MOSTRAM SUA VISÃO SOBRE O QUE É SER IDOSO NA ATUALIDADE Eva Pauliana da Silva Gomes 1. Givanildo da Silva 2. Resumo O presente

Leia mais

Anexo 1: Integração da comunidade na República da Irlanda: um estudo de caso

Anexo 1: Integração da comunidade na República da Irlanda: um estudo de caso Integração da Comunidade 263 Anexo 1: Integração da comunidade na República da Irlanda: um estudo de caso Por haver uma grande diversidade, em termos do que pode ser feito em diferentes países e lugares,

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

ESCOLA LEITORA: UM CAMINHO A SER CONSTRUÍDO

ESCOLA LEITORA: UM CAMINHO A SER CONSTRUÍDO ESCOLA LEITORA: UM CAMINHO A SER CONSTRUÍDO 1.JUSTIFICATIVA O Projeto Escola Leitora: um caminho a ser construído, elaborado e desenvolvido coletivamente desde 2013 em todas as modalidades de ensino que

Leia mais

Ana. e o e o. Jardim de Flores

Ana. e o e o. Jardim de Flores Ana e o e o Jardim de Flores Era uma vez um grande rei que morava em um lindo castelo rodeado de pequenos vilarejos. O rei amava muito o seu povo, e o povo também o amava. Ele visitava frequentemente os

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA

PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 134, Toledo PR Fone: 377-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA SÉRIE: 3º ano PROFESSORES: Vera

Leia mais

Esse texto é parte integrante da dissertação de mestrado defendida em dezembro de 2001 na UFBA. 1

Esse texto é parte integrante da dissertação de mestrado defendida em dezembro de 2001 na UFBA. 1 1 REPRESENTAÇÕES DA SOCIEDADE ESCRAVISTA BRASILEIRA NA VIAGEM PITORESCA E HISTORICA AO BRASIL, DE JEAN BAPTISTE DEBRET: UMA POSSIBILIDADE DE LEITURA NO LIVRO DIDÁTICO Emilia Maria F. da Silva emiliamfs@terra.com.br

Leia mais

Contando histórias, construindo o passado: memórias da Escola Politécnica da. Este trabalho é um dos resultados do projeto de pesquisa Organização e

Contando histórias, construindo o passado: memórias da Escola Politécnica da. Este trabalho é um dos resultados do projeto de pesquisa Organização e Contando histórias, construindo o passado: memórias da Escola Politécnica da Paraíba. Rosilene Dias Montenegro * - UFCG Este trabalho é um dos resultados do projeto de pesquisa Organização e Preservação

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

GUIA DE FONTES PARA HISTÓRIA DE ALAGOAS: OS ARQUIVOS DE PENEDO. 1

GUIA DE FONTES PARA HISTÓRIA DE ALAGOAS: OS ARQUIVOS DE PENEDO. 1 1 GUIA DE FONTES PARA HISTÓRIA DE ALAGOAS: OS ARQUIVOS DE PENEDO. 1 Alex Rolim Graduando em História Bacharelado Bolsista PIBIP-AÇÃO UFAL Universidade Federal de Alagoas Orientador: Prof. Dr. Antonio F.

Leia mais

Gestão de iniciativas sociais

Gestão de iniciativas sociais Gestão de iniciativas sociais Leia o texto a seguir e entenda o conceito do Trevo e as suas relações com a gestão organizacional. Caso queira ir direto para os textos, clique aqui. http://www.promenino.org.br/ferramentas/trevo/tabid/115/default.aspx

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

CADERNO DE PROVA 2.ª FASE. Nome do candidato. Coordenação de Exames Vestibulares

CADERNO DE PROVA 2.ª FASE. Nome do candidato. Coordenação de Exames Vestibulares CADERNO DE PROVA 2.ª FASE Nome do candidato Nome do curso / Turno Local de oferta do curso N.º de inscrição Assinatura do candidato Coordenação de Exames Vestibulares I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM ATENÇÃO

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

Tristes Olhos 1. Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN

Tristes Olhos 1. Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN Tristes Olhos 1 Lamonier Charles Souza de ARAÚJO 2 * Itamar de Morais NOBRE 3 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO O presente trabalho trata-se de um registro fotográfico realizado

Leia mais

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de

Observar a paisagem. Nesta aula, vamos verificar como a noção de A U A UL LA Observar a paisagem Nesta aula, vamos verificar como a noção de paisagem está presente na Geografia. Veremos que a observação da paisagem é o ponto de partida para a compreensão do espaço geográfico,

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS

MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS MEMÓRIAS DE PESQUISA: A HISTÓRIA DE VIDA CONTADA POR MULHERES VIGIADAS E PUNIDAS 1 Introdução O presente estudo se insere no contexto do sistema penitenciário feminino e, empiricamente, tem como tema as

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

Contextualizando o enfoque CTSA, a partir da Fotonovela

Contextualizando o enfoque CTSA, a partir da Fotonovela Contextualizando o enfoque CTSA, a partir da Fotonovela Resumo: Este presente trabalho tem como intuito resgatar atividades já feitas em décadas anteriores, para elaboração de novos métodos didáticos em

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano 1 SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano assumiu o compromisso de fazer memória da vida singular

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS ACERVOS ESCOLARES NO CAMPO DA PESQUISA, ESPAÇO E MEMÓRIA

A IMPORTÂNCIA DOS ACERVOS ESCOLARES NO CAMPO DA PESQUISA, ESPAÇO E MEMÓRIA A IMPORTÂNCIA DOS ACERVOS ESCOLARES NO CAMPO DA PESQUISA, ESPAÇO E MEMÓRIA Suele França Costa, Nara Rubia Martins, Carlos Eduardo de Quadro, Juliana Eliza Viana, Douglas Almeida Silva, Rafael de Paula

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo

FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I CONTEÚDO E HABILIDADES ARTES. Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Conteúdo: - Cubismo e Abstracionismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL I Habilidades: - Conhecer e distinguir diferentes momentos

Leia mais

JOGOS DIDÁTICOS E O ENSINO DE HISTÓRIA: NARRAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA EM SALA DE AULA

JOGOS DIDÁTICOS E O ENSINO DE HISTÓRIA: NARRAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA EM SALA DE AULA JOGOS DIDÁTICOS E O ENSINO DE HISTÓRIA: NARRAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA EM SALA DE AULA INTRODUÇÃO Juliana Karol de Oliveira Falcão¹ E-mail: julianakarol-16@hotmail.com Arthur Rodrigues de Lima² E-mail: arthur.rlima@hotmail.com

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

ODepartamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia,

ODepartamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia, O que é ser antropólogo hoje PAULA MONTERO ODepartamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, surgiu de um desmembramento do antigo Departamento de Ciências Sociais. Essa

Leia mais