APRESENTAÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRESENTAÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO"

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO COMUNICAÇÃO VERBAL Em qualquer atividade do mundo moderno, em permanente evolução, as melhores oportunidades são aproveitadas por indivíduos que possuem mais informação. Falar em "era da informação", nos dias atuais, chega a ser redundância. O adequado gerenciamento das informações é um fator decisivo no desenvolvimento pessoal e no crescimento profissional. A Internet, sem qualquer dúvida, facilitou o acesso à informação e acelerou substancialmente o seu intercâmbio. O uso mais disseminado das informações, de qualquer natureza, consolidou uma nova realidade: os indivíduos com habilidade e coragem de apresentar idéias e informações, têm o poder de persuadir e motivar as pessoas. Há, sem dúvida, diversas maneiras de intercambiar informação, inclusive a informação científica, que é a que nos interessa mais particularmente, no momento. Uma forma das mais eficazes é a comunicação verbal, que ocorre quando um grupo de indivíduos com interesses comuns ou correlatos se reune. Em nossa área de trabalho, estamos frequentemente exercitando essa forma de intercambiar informações nos cursos, simpósios, jornadas e congressos. Nos congressos e tipos assemelhados de reuniões, as informações são trocadas através da comunicação oral, a mais importante para a transmissão das idéias. Existe a oportunidade de aprofundar os detalhes de maior interesse relacionados à informação oferecida, bem como a possibilidade de se obter a repetição ou o detalhamento de uma informação não completamente entendida. Podem também ser apresentados observações ou pontos de vista capazes de enriquecer a informação inicial, tornado-a mais clara, concisa e completa. Isto sempre ocorre nos congressos, ainda que não se perceba; ocorre não apenas nas sessões formais, mas também nas conversas de corredor e nos intervalos entre as sessões. A leitura, por mais atenta que possa ser, não tem o poder de transmissão da informação que a comunicação verbal tem. Na leitura, o autor é desconhecido ou distante; a sua idéia nem sempre é claramente entendida e, mais importante, não existe a possibilidade do diálogo. A transmissão da informação é passiva. A comunicação verbal, ao contrário é mais poderosa e versátil. As pessoas têm, cada vez mais, a necessidade de desempenhar melhor as suas atividades. Entretanto, conversar sobre a mesma (comunicação verbal) em pequenos ou grandes grupos, registrar ou descrever suas experiências, idéias ou observações, armazenadas ao longo do tempo, pode ser um exercício penoso, se não houver uma preparação adequada. A experiência tem demonstrado que durante a apresentação e discussão dos trabalhos de uma reunião científica, a quantidade de informações intercambiadas é muito grande, bem como é grande o seu aproveitamento. Essa experiência, de um modo geral, também contribui para motivar o estudo individual ou em grupo e a participação em atividades semelhantes. Essa é a razão essencial pela qual as sociedades profissionais e científicas privilegiam os congressos, ao invés das demais modalidades de intercâmbio de informações. O desembaraço na conversa informal do dia a dia, tem pouco a ver com o desempenho na comunicação verbal, como forma de intercambiar informações. É difícil para a maioria dos profissionais de qualquer área, utilizar adequadamente essa potente modalidade de comunicação. Isto é consequência do simples fato de que a formação e o treinamento das pessoas são incompletos. Nós não somos ensinados a organizar e registrar o nosso trabalho diário, analisá-lo criticamente, tirar conclusões e discutí-las de forma ordenada. Quando os indivíduos são treinados para serem médicos, perfusionistas, psicólogos,fisioterapeutas ou enfermeiros, na realidade, não se pretende que sejam também exímios oradores ou escritores. Entretanto, é fundamental que as pessoas sejam habilitadas ao uso adequado da comunicação nas suas diferentes formas, especialmente a comunicação verbal, como instrumento de aperfeiçoamento e progresso profissional. Isto se consegue com alguma disposição e um mínimo de treino. De um modo geral, as pessoas evitam falar em público, por uma série de razões, como "vergonha" (inibição), medo de "enfrentar" a audiência, medo de não saber responder à alguma pergunta, receio de "parecer ridículo" ou de dizer "besteiras", etc. Essas "razões", contudo, não tem o menor fundamento; elas apenas servem para esconder a única e real razão: a falta de treino ou de familiaridade com a comunicação verbal!. É perfeitamente normal que algumas pessoas "pareçam" mais naturais ou à vontade do que outras, ao falar em grupo. 1

2 A diferença, contudo, reside apenas no quanto uns conseguem "desligar" dos falsos e infundados receios e concentrar-se na comunicação. Na realidade, é mais importante "ser natural" do que "parecer natural". O treinamento e a perseverança permitem alcançar aquele objetivo. A propósito de falar em público, o humorista Jerry Seinfeld conta a seguinte história:..."de acordo com a maioria dos estudos, o temor número 1 das pessoas é falar em público; o número 2 é a morte. Se isso estiver correto, a maioria das pessoas que tem que ir a um funeral, prefere estar no caixão a fazer o discurso de despedida!" Boas idéias e muita preparação constituem fatores essenciais para o sucesso da comunicação verbal. A habilidade para expressar as boas idéias, contudo, também é um elemento fundamental. A expressão (comunicação) verbal pessoa a pessoa ou entre pequenos grupos de amigos, pode servir de importante preparação para falar em público, em ambientes mais formais ou diante de grandes audiências, como por exemplo, em um congresso ou reunião científica. Se a idéia de falar em público o deixa nervoso, não pense que isso ocorre somente com você. Inibição, nervosismo, ansiedade, tensão, apreensão, medo, pavor, em maior ou menor gráu, ocorrem com qualquer pessoa ao falar em público. Associados às demais manifestações da descarga de adrenalina, como extremidades frias, sudorese da fronte e das mãos, palpitações, "sensação de vazio" no estômago e vontade de urinar, constituem um quadro muito conhecido e freqüente que, entretanto, pode ser perfeitamente controlado ou até mesmo abolido, mediante uma cuidadosa preparação. Um indivíduo que, apesar de toda a preparação, mantém-se absolutamente incapaz de falar em público, é excepcional. Os principais requisitos continuam sendo a vontade e a determinação. Podemos afirmar que, de um modo geral, quem quer falar em público, pode e consegue falar em público. O "pânico do pódio" é uma experiência muito comum. A platéia, de um modo geral, entende e desculpa o nervosismo do orador, quando ele é percebido. A maioria das pessoas, contudo, manifesta apenas uma discreta alteração da voz, que tende a desaparecer à medida que a apresentação progride. A ansiedade e a tensão surgem no início da apresentação e persistem pelos primeiros dois a três minutos. Depois costumam ceder e, ao final da apresentação a maior parte dos apresentadores está plenamente confortável. O conhecimento do assunto a ser discutido, a cuidadosa preparação e o "ensaio" da apresentação, costumam fazer a diferença. Um bom orador ou apresentador pode, simplesmente, ser produto de muita disposição e treinamento. Na grande maioria das vêzes a má apresentação deve-se à pouca familiaridade com o tema ou ao preparo inadequado da apresentação. O TRABALHO CIENTÍFICO Podemos definir um trabalho científico como a apresentação (oral ou escrita) de uma observação científica, ou ainda, a apresentação de uma idéia ou conjunto de idéias, a respeito de uma observação científica. A observação pode ser relativamente simples ou pode ser complexa, mas deve sempre ser relatada de forma clara, organizada e concisa, para facilitar a sua compreensão. A área de computação, pela multiplicidade de dados, parâmetros, procedimentos, ações, reações, materiais, aparelhos e técnicas envolvidas constituem um campo extraordinariamente vasto, para a observação e a experimentação e, em conseqüência, para a produção de trabalhos científicos. As diversas modalidades de comunicação científica podem ser divididas em comunicação oral e comunicação escrita. As principais formas de comunicação científica oral são: Aulas Palestras Seminários Conferências Apresentações em Congressos: Temas Livres Mesa Redonda ou Painel Simpósio As principais formas de comunicação científica escrita são: Relatório Poster em Congresso 2

3 Monografia ou Tese Artigos (Jornais ou Revistas) Um trabalho escrito ou uma publicação científica escrita, podem ser de vários tipos que, de um modo geral, dependem da extensão que se deseja dar ao relato da observação científica. Os principais tipos de publicações científicas são: Carta ao Editor Resumo Artigo Capítulo de livro Tese Livro As publicações científicas dos diversos tipos acima enumerados podem assumir um dos seguintes formatos: Relato de caso(s) Trabalho de revisão Trabalho de atualização Pesquisa básica Pesquisa clínica Relato de trabalho experimental O relato de caso (casos) é o tipo de trabalho mais simples. Um ou alguns casos interessantes, (seja pela sua raridade, pela evolução inusitada, pela necessidade de técnicas especiais, etc...) são estudados; as observações mais importantes no seu transcurso são relatadas e detalhadamente discutidas. A literatura está repleta de excepcionais exemplos de apresentações de casos de grande importância científica e de elevado padrão de qualidade. A apresentação de um caso bem estudado e igualmente bem documentado, pode transmitir informações de grande utilidade. Nos trabalhos de revisão, um determinado assunto é estudado em profundidade. O conteúdo do trabalho é a revisão das informações importantes, referentes ao assunto a que o trabalho se refere. Uma revisão bibliográfica pode servir de base para a elaboração de trabalhos dessa natureza. O trabalho de atualização coleta as novas informações disponíveis à respeito de um determinado assunto. Este tipo de trabalho pode conter uma pequena revisão do assunto, seguida da descrição dos novos conhecimentos. Os trabalhos de pesquisa básica são os mais complexos, porque envolvem pesquisa pura, sem aplicação imediata. Em geral exploram fenômenos ainda não completamente conhecidos ou estudados. A pesquisa clínica é muito utilizada para a elaboração de trabalhos científicos. Estuda-se um determinado fenômeno, evento ou comportamento, em um grupo de casos e o trabalho descreve os resultados encontrados. A análise pode ser feita em casos passados, pela revisão dos registros (análise ou pesquisa retrospectiva) ou, a pesquisa é planejada para que os dados sejam coletados à medida em que os eventos em estudo sejam observados (pesquisa prospectiva). O trabalho experimental corresponde ao relato de uma pesquisa básica em que há um objetivo ou aplicação imediata, como por exemplo, testar uma hipótese, aprimorar técnicas em uso clínico, etc. A comunicação científica do tipo verbal mais comumente usada é a apresentação de TEMAS LIVRES. Como o próprio nome indica o seu autor ou autores tem total liberdade para escolher o tema e o tipo do trabalho. Assim, um tema livre pode corresponder à um relato de caso, trabalho de revisão, de atualização, etc... Os temas livres são as apresentações mais importantes de um congresso. Geralmente, são os trabalhos que trazem novidades e estimulam o progresso e o desenvolvimento. As informações podem ter aplicação direta na prática diária. Além disso, o autor tem a oportunidade de mostrar a informação que escolheu, de uma forma sistemática e bem organizada, ao invés de atender a uma programação pré-estabelecida, como a mesa-redonda ou os painéis. A preparação do trabalho científico deve incluir uma organização clara e simples, independente da forma de comunicação selecionada para a sua apresentação, se escrita ou oral. 3

4 PREPARO DO TRABALHO CIENTÍFICO O principal objetivo de um trabalho científico é comunicar uma observação ou uma idéia a um grupo de indivíduos potencialmente interessados. Esses indivíduos podem então fazer uso da observação, ou fazer avançar a idéia mediante as suas próprias observações. O trabalho científico consiste de informação científica organizada segundo padrões específicos, com o objetivo de facilitar a sua compreensão. Podemos comparar um trabalho científico à um filme ou uma história, em que devem coexistir 3 partes harmônicas, princípio, meio e fim. Deve existir também, uma nítida ligação entre essas três partes, como o "enredo" do filme. As revistas científicas, na sua totalidade, têm um conjunto de normas de redação, destinadas a orientar os autores no preparo dos trabalhos para publicação. Embora cada revista tenha as suas próprias normas, em geral, elas seguem determinados padrões universalmente aceitos. Segundo os critérios mais habituais, o trabalho científico deve ser constituído das seguintes partes: Título - O título do trabalho deve ser o mais claro possível e deve permitir identificar o conteúdo do trabalho ou o tipo de informação que o(s) autor(es) pretende(m) discutir. Exemplos: Estudo da Elevação do Potássio durante a Infusão Venosa Lenta. Análise do Comportamento Humano diante da Doença. Papel da Enfermagem na Organização da Terapia Intensiva. Identificação do(s) Autor(es) - O título é seguido do nome completo dos autores, sua qualificação profissional, a vinculação institucional ou a menção da instituição em que o trabalho foi realizado. O endereço do autor principal completa a identificação dos autores do trabalho. Exemplo: João Ribeiro Franco Neto Escola Municipal Machado de Assis Rua 10 nº 1710 Setor Norte Ituiutaba MG Brasil Resumo - A parte que antecede o "corpo" do trabalho consiste de um resumo do mesmo. O resumo deve conter os principais dados e as conclusões do trabalho. A maioria das publicações limita o resumo a um máximo de 250 palavras. Sua finalidade é permitir aos leitores conhecer o teor do trabalho sem precisar recorrer à sua leitura integral. O resumo serve também para classificar o trabalho e disponibilizar o seu conteudo pelas diversas publicações e mecanismos indexadores. Para favorecer a mais ampla divulgação do conteudo do trabalho, muitas publicações solicitam que o resumo (Abstract) também seja apresentado em Inglês. Introdução - A primeira parte do trabalho propriamente dito é a introdução. Esta deve ser clara e suscinta e deve descrever os objetivos do trabalho. Pode indicar os motivos que levaram o autor a escrever o trabalho e pode descrever algumas das informações já existentes sobre o mesmo assunto. Por exemplo:" O computador e as tecnologias são ferramentas para a construção de conhecimentos dentro da educação. Os acessos a eles permitem que possamos visualizar avanços significativos dentro dos conteúdos programáticos escolares..." Material e Métodos - Nesta parte do trabalho, que segue a introdução, os autores descrevem o tipo e a quantidade das observações feitas, bem como os métodos empregados para a sua coleta, registro e avaliação. Exemplo: Material e Métodos: "Após a exposição oral, foi distribuída uma pesquisa inicial para serem preenchidos pelos mesmos grupos que estariam na sala de informática, utilizando os mesmos compostos nas duas atividades (foram escolhidos dez compostos de cadeia normal e quatorze compostos de cadeia ramificada) trabalhados na atividade computacional, que depois..." Mediante a descrição minuciosa dos métodos usados, o autor informa os leitores sobre os detalhes da obtenção dos dados em que se baseia o trabalho. Os detalhes devem restringir-se ao que é relevante ao trabalho. Por exemplo, se o trabalho se refere à concentração do potássio, o material do recipiente em que o sangue é coletado não tem importância crítica. Entretanto, em um trabalho que quantifica a coagulação do sangue, a citação das características do recipiente é fundamental. Assim diríamos:..."as amostras de sangue arterial foram coletadas em tubos de vidro, para a determinação da atividade dos fatores da coagulação..." Resultados - Os resultados encontrados são relatados de uma forma organizada e sistematizada. Quando se estuda um grupo de casos ou de observações, os percentuais da ocorrência de cada observação também são relatados. A importância e o significado de certos resultados podem ser melhor avaliados pela análise estatística. Nessas circunstâncias a metodologia da análise estatística também é descrita na seção de material e métodos. 4

5 Discussão - Neste segmento do trabalho as observações de outros autores referentes ao tema do trabalho podem ser descritas, para comparação. Os resultados encontrados são detalhadamente discutidos e o seu significado é apontado. A discussão pode ser mais ou menos ampla, conforme o tema estudado. Conclusões - A análise dos resultados encontrados e o seu significado no contexto em que foram estudados levam às conclusões do trabalho. Esta seção deve ser bastante clara e concisa. Quando os resultados não forem inteiramente conclusivos, isto deve ser apontado. Referências Bibliográficas - A última parte do trabalho é a coleção de referências bibliográficas efetivamente consultadas para o preparo e a elaboração do trabalho. Esta pode ser apresentada pela ordem de citação no texto ou pela ordem alfabética dos nomes do primeiro autor de cada referência. Embora possa parecer "complicado" à primeira vista, quando lemos um trabalho conseguimos identificar com facilidade, cada uma das suas partes ou "seções" e entender o seu conteúdo. Novamente comparando à um filme, a introdução o material e os métodos, corresponderiam ao "início" do filme. Os resultados e a discussão corresponderiam ao "miolo" ou ao "enredo" propriamente dito, enquanto que as conclusões corresponderiam ao "final" do filme. A melhor maneira de preparar um trabalho, sem dúvida, é colocar "mãos à obra". O trabalho cooperativo flui melhor, de um modo geral, em grupos de poucos participantes (3 ou 4 no máximo). A ajuda dos mais experientes, podem contribuir para acelerar o processo de revisão final do trabalho. SUGESTÕES Escreva um texto claro e conciso. Não alongue excessivamente o texto; Evite o emprego de gírias e jargões; use linguagem corrente; Siga o formato habitual do trabalho científico; Use a primeira pessoa quando for o único autor do trabalho; Mantenha o mesmo tempo verbal em cada seção do trabalho; Evite opiniões pessoais, não avalisadas pelos resultados do trabalho; Defina as abreviaturas na primeira entrada do texto; Use sub-títulos para separar os componentes do trabalho. O trabalho preparado para a apresentação oral, não difere substancialmente do trabalho preparado para apresentação escrita (publicação), exceto talvez pela existência do resumo e das referências bibliográficas, dispensados na apresentação oral (mas não no contexto do trabalho). Um Tema Livre pode ter a seqüência semelhante de seções: Introdução, Material e Métodos, Resultados, Discussão e, Conclusões A criteriosa preparação de um trabalho para apresentação oral é o fator mais importante para uma apresentação "politicamente correta". Mesmo quando o autor (apresentador) tem muita experiência com o tema do trabalho. Para efeitos de exemplo e ilustração, transcrevemos abaixo as normas de publicação da Revista Intercursos da FEIT-UEMG NORMAS PARA PUBLICAÇÃO INTERCURSOS é uma revista semestral, órgão de comunicação científica da Fundação Educacional de Ituiutaba. O Conselho Editorial, em reunião, aprovou as seguintes normas: ENCAMINHAMENTO Os originais devem ser enviados ao Conselho Editorial da revista em ofício assinado por todos os autores, datado, contendo: nome completo, formação profissional, titulação acadêmica, endereço institucional completo e endereço eletrônico, indicação do autor-correspondente; autorização para publicação; declaração de conformidade com as normas da revista e da não submissão do trabalho à publicação em outro periódico. Devem ser remetidos para o seguinte endereço: 5

6 Conselho Editorial da Revista INTERCURSOS Coordenação de Comunicação e Relações Públicas da FEIT Caixa Postal 431 Fundação Educacional de Ituiutaba - FEIT Campus da Universidade do Estado de Minas Gerais - UEMG CEP Ituiutaba-MG Telefone: (0xx34) e Fax: (0xx34) Site: ORGANIZAÇÃO E APRESENTAÇÃO 1. Os textos enviados deverão estar redigidos em português e serem inéditos; 2. Reserva-se à revista o direito de publicar ou não as colaborações espontaneamente remetidas ao Conselho Editorial; 3. Poderão ser encaminhados para publicação artigos científicos, técnicos, de revisão bibliográfica e/ou de crítica sobre teorias e constructos, resenhas e registros informativos; 4. Não serão aceitos projetos de pesquisa em andamento; 5. O texto, com 10 páginas no máximo, dos artigos deve ser organizado, sempre que possível, em Título, Autores, Resumo, Palavras-chave, Título em inglês, Abstract, Key-words, Introdução, Material e Métodos, Resultados e Discussão, Conclusões, Agradecimentos e Referências Bibliográficas. Tabelas e figuras devem ser apresentadas após o texto; 6. O texto deve ser digitado no Word for Windows 6.0 ou superior, em espaço duplo, fonte Times New Roman 12 e acompanhadas de uma cópia em disquete, anexando 1 via impressa em papel A4, identificada com o nome do(s) autor(es); 7. As informações, preferencialmente, não devem ser apresentadas ao mesmo tempo em tabelas, figuras e texto; 8. As fotografias devem ser escaneadas ou gravadas com uma resolução mínima de 300 dpi, devendo ser entregues separadas do arquivo do texto; 9. Regra geral, as ilustrações (tabelas, figuras, fotos, quadros, mapas etc.), deverão ser apresentados em separado, titulados e numerados consecutivamente em algarismos arábicos, indicando no corpo do texto o local a ser inserida; 10. O Resumo e o Abstract devem ter no máximo 12 linhas cada; o Abstract deve ser tradução fiel do Resumo. Nas Palavras-chave (máximo de cinco) recomenda-se evitar palavras presentes no Título; 11. As referências bibliográficas devem seguir as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) ou (a critério do Conselho Editorial) outro sistema coerente reconhecido pela comunidade científica internacional; 12. Citações de trabalhos extraídos de Resumos e Abstracts, publicações no prelo e comunicação pessoal não serão aceitas na elaboração dos artigos. PROCEDIMENTOS E ANÁLISE 1. Os originais serão encaminhados ao Conselho Editorial, que indicará até três (3) consultores que, em caráter sigiloso, oferecerão parecer opinando: a) pela aceitação na íntegra da matéria para publicação; b) pela devolução ao autor para revisão das partes assinaladas pelos consultores; c) pela recusa definitiva da matéria. 2. O Conselho Editorial, dependendo da especificidade da matéria, poderá encaminhá-lo para parecer de Consultores ad hoc; 3. A análise dos originais será feita sem que os consultores conheçam a identidade dos autores; 4. O Conselho Editorial poderá aprovar pequenas alterações de caráter meramente formal, visando à adequação da matéria aos padrões da revista, não sendo admitida modificação de estrutura, conteúdo ou estilo sem o prévio consentimento do autor; 5. Os autores serão notificados sobre a recepção de seus artigos dentro de um prazo máximo de 10 dias úteis; 6. Os autores receberão um exemplar do número da revista em que seus artigos foram publicados; 7. Os artigos assinados serão de exclusiva responsabilidade dos autores que, ao remeterem suas matérias, declararão ceder os direitos autorais à revista, não sendo permitida sua reprodução por terceiros sem autorização expressa do Conselho Editorial; 8. Os originais recebidos não serão devolvidos, exceto quando o Conselho Editorial julgar necessário para efeito de adaptação às normas editoriais ou esclarecimento de dúvidas; 9. A recusa definitiva pelo Conselho Editorial liberará a matéria submetida à apreciação para encaminhamento a outro periódico. 6

7 APRESENTANDO UM TRABALHO CIENTÍFICO Não há seres humanos iguais. Somos todos diferentes, inclusive nas emoções. A perspectiva de falar em público, sistematicamente desperta sensações diferentes em cada indivíduo mas, simplesmente ninguém fica indiferente. A sensação experimentada pelas pessoas varia desde uma leve apreensão até estados próximos do pânico. Seja qual for a sua reação, ela é absolutamente normal. "Não seja presunçoso", não pense que as reações de ansiedade, medo ou pavor, ocorrem apenas com você. As sensações desagradáveis, sejam quais forem, quase sempre cessam logo após o início da apresentação e costumam ser o maior obstáculo à que as pessoas se disponham a falar nas reuniões e congressos. O melhor conselho para quem vai apresentar um trabalho em uma reunião é também o mais simples: Seja natural, seja você mesmo. Jamais procure parecer uma pessoa que você imagina que a platéia espera ou pensa que você é. Na verdade, a platéia quer você mesmo, exatamente do modo como você costuma ser. Assim, você elimina metade das suas preocupações e pode concentrar os seus esforços em fazer uma apresentação correta, sem precisar "representar um personagem". Prepare e estude bem o seu trabalho; conheça os seus pontos importantes. Use recursos audiovisuais (diapositivos ou slides) para ilustrar a sua apresentação. Prepare os "diapositivos" depois que o trabalho estiver organizado em suas principais idéias e observações. Os diapositivos devem funcionar como um "roteiro" do seu trabalho e devem auxiliar a platéia a captar as informações que você pretende passar. Um diapositivo bem elaborado pode transmitir qualquer informação, por mais complicada que possa parecer. Não coloque muito texto em um único diapositivo. Não leia simplesmente o texto do diapositivo, mas procure transmitir a idéia, com palavras semelhantes ou uma explicação mais detalhada. Um roteiro escrito pode ser um grande auxiliar para que se mantenha uma seqüência pré-estabelecida para a sua apresentação. Ainda que a apresentação seja oral, escreva o seu trabalho, da forma como vai ser apresentado. A leitura de um trabalho bem elaborado é um meio excepcionalmente adequado para comunicar uma idéia ou uma observação científica. A leitura ajuda a eliminar muito da ansiedade e das preocupações do apresentador. Embora a leitura seja uma prática pouco usada em nosso meio, nos congressos internacionais a quase totalidade das apresentações orais corresponde à leitura dos trabalhos previamente preparados. Em nosso meio, a leitura dos trabalhos não é habitual, provavelmente muito mais em função do hábito ou "vício cultural" do que em função da maior ou menor habilidade dos apresentadores. A leitura de um trabalho adequadamente preparado ilustra o respeito do apresentador para com a platéia, os organizadores do congresso e com os demais apresentadores, ao assegurar que o tempo destinado ao trabalho será respeitado. Respeite o Tempo Prepare a sua apresentação rigorosamente dentro do tempo destinado à mesma. Nada pode ser mais irritante para uma platéia do que um orador prolixo e dispersivo, que ultrapassa o tempo destinado à sua apresentação. As piores apresentações dos congressos, em geral, são as longas, que ultrapassam o tempo previsto. A quantidade de informações ou o seu detalhamento devem respeitar o tempo disponível. Seja claro e objetivo. É lamentável que os coordenadores das sessões dos nossos congressos, por pura ingenuidade ou despreparo, deixam de cumprir a sua função mais importante que é a de fazer respeitar o tempo destinado a cada apresentação. Essa falha, tão comum, prolonga desnecessariamente as sessões, atrasa o andamento do evento, prejudica os apresentadores das últimas sessões e os participantes interessados em ouví-los. O saudoso Prof. Zerbini, ao coordenar qualquer sessão científica, jamais permitia a um apresentador, por mais ilustre, prolongar-se além do tempo previamente estipulado. Iniciar e terminar uma apresentação no tempo estipulado pelos organizadores de um evento é uma prova de boa educação e de respeito, que a plateia frequentemente retribui com o aplauso mais generoso e de respeito recíproco. Evite perda de tempo com citações ou elucubrações desnecessárias. Seja direto. Um grande número de apresentadores acha que deve contar a história, antes de iniciar a apresentação propriamente dita. Alguns oradores exageram tanto nesse aspecto que, ao final dos 10 minutos destinados ao tema livre, ainda estão na introdução do tema. Certos apresentadores são contumazes nesse exagero e já são "antigos conhecidos" das platéias dos congressos. Evite os repetitivos jargões dos apresentadores, como por exemplo:..."infelizmente o tempo é insuficiente para demonstrar os principais aspectos relacionados ao tema que nos propomos discutir nessa sessão"... Além de não significar muita coisa estas frases desperdiçam uma parte do tempo que o apresentador considera tão precioso. 7

8 Enquanto estiver falando, retribua a atenção que a platéia dispensa ao apresentador. Olhe para o seu público; não fixe o olhar apenas em algum conhecido sentado na primeira fila ou nos slides que ilustram a sua apresentação. Falar em público e preparar trabalhos científicos são produto de força de vontade e de treinamento, mais do que qualquer outra coisa. O adequado preparo e a correta apresentação de trabalhos (escritos ou verbais) distinguem e diferenciam um profissional dentre seus pares. O seguintes conselhos são úteis para uma apresentação de boa qualidade: Escolha um assunto importante Escolha um tópico interessante Estabeleça seus objetivos para a apresentação Organize suas idéias Use recursos audiovisuais para ilustração Capte a atenção da platéia Use linguagem clara, objetiva e correta ELEMENTOS PARA UMA BOA APRESENTAÇÃO Adaptado de Lenny Larkowski Autor dos Livros: "Apresentação sem Esforço" e "O Caminho Fácil para a Apresentação de Sucesso"...."Metade do mundo é constituido por indivíduos que tem alguma coisa a dizer mas não podem fazê-lo; a outra metade não tem nada para dizer e insiste em fazê-lo"... (L. Laskowski). Qualquer um pode falar em público. Nem todos, contudo, podem falar efetivamente em público. Para isso, há 6 elementos que devem ser considerados: Esteja Preparado Estar preparado é, sem dúvida nenhuma, o elemento mais importante para uma apresentação correta e eficiente. Como regra geral você deve dispender cerca de 30 horas entre preparo e ensaios, para cada hora da sua apresentação. Desse modo, para um tema livre de 10 minutos, devemos gastar aproximadamente 5 horas entre o preparo e o treinamento para a apresentação. Experiência Pessoal Sempre que possível use exemplos e casos da sua experiência pessoal. Intercale pequenos casos que podem enfatizar o seu ponto de vista. Compartilhe a sua experiência com a platéia. Mantenha a Calma Para manter a calma você deve estar preparado para a apresentação. Focalize sua atenção na apresentação e não na platéia. Use gestos e movimente-se. Pratique a abertura da sua apresentação; planeje exatamente como ela deve ser e como você vai fazê-la. A platéia, em geral, julga você nos primeiros 30 segundos da sua apresentação. Use Humor Natural Não tente transformar sua apresentação numa comédia. Sob determinadas circunstâncias, contudo, uma ligeira "pitada" de humor pode ser benéfica à sua apresentação. Use um humor natural; faça um leve gracejo com alguma coisa que você disse ou mostrou. Mas lembre-se nunca faça piadas com alguém da sua platéia, ainda que seja seu amigo. Em geral as pessoas apreciam um leve toque de humor na apresentação, quando este é apropriado e de bom gosto. De outra forma o humor pode ter efeito negativo na apresentação. Na dúvida, ou se você não tem experiência com a apresentação oral, talvez seja melhor evitar este quesito. Planeje seus Gestos e Posição das mãos Durante o ensaio da sua apresentação observe momentos em que um determinado gesto pode acentuar a importância da sua mensagem. Estabeleça cerca de três posições em que você deve ficar a maior parte do tempo e pratique como mover-se entre elas e em que momento da apresentação isso deve ser feito. Evite ficar parado no mesmo ponto com as mãos para tráz ou no bolso, durante todo o tempo da apresentação. Fale preferencialmente de pé, a menos que a organização da mesa requeira o contrário. Sempre que se mover, mantenha contato visual com a platéia. 8

9 Atenção aos detalhes Preste muita atenção a todos os detalhes. Certifique-se de saber a data, local, sala e a hora exatos da sua apresentação. Procure saber como chegar ao local com antecedência. Informe-se sobre a audiência prevista, tipo, número aproximado de participantes, especialmente se você pretende distribuir um resumo escrito da sua apresentação. Chegue ao local com alguma antecedência, para uma checagem final das condições gerais e ainda a tempo de promover eventuais ajustes, se necessário. Lembre-se que a falta de planejamento é a maneira mais fácil de fazer uma apresentação sem sucesso. OUTRAS "DICAS" SOBRE A PREPARAÇÃO DA APRESENTAÇÃO A melhor maneira de "dar a impressão" de que você conhece o assunto de que está falando é realmente conhecer o assunto sobre o qual versa a sua apresentação. Isto significa que você deve conhecer bem o assunto e estar capacitado a responder algumas perguntas relacionadas ao mesmo. Por outro lado, é impossível para qualquer apresentador estar preparado para responder toda e qualquer pergunta sobre o assunto. Assim, não é nenhuma vergonha responder não sei, quando a resposta não lhe ocorre imediatamente. Esta resposta é preferível à uma resposta incorreta, incompleta ou à uma divagação não conclusiva sobre o tema da pergunta. Evite o "tiro no escuro". A platéia aceita melhor e compreende perfeitamente. Até porque nem todas as respostas são conhecidas, em relação a muitos assuntos. As apresentações científicas invariavelmente usam recursos visuais, habitualmente slides ou transparências. O tempo de duração da sua apresentação também vai determinar o número de slides adequado. Ao ensaiar a sua apresentação você poderá adequá-la exatamente ao tempo disponível. Uma boa regra de "algibeira" para determinar o número ideal de slides é considerar adequado, no máximo, um slide simples para cada minuto de apresentação. Alguns oradores usam uma relação um pouco menor. Isto também vai depender da complexidade dos slides. A apresentação de um tema livre com a duração de 10 minutos deve ser feita com um número de slides entre 6 e 8. Um apresentador experiente, usando slides bastante simples, pode atingir o máximo de 10 slides (1 por minuto). Um número maior de slides, indiscutivelmente assegura que ou o tempo da apresentação será ultrapassado ou os últimos slides não serão mostrados. Nos dois casos, a plateia percebe e lamenta que a apresentação não tenha sido adequadamente preparada. Ao ensaiar a sua apresentação faça-o para um pequeno grupo de amigos ou sozinho, diante de um espelho. Você pode gravar em fita ou em vídeo e vai ter uma ideia completa de como a apresentação pode ser melhorada ou modificada, até estar rigorosamente dentro do que você planejou. Grupo de Estudo É recomendável formar um grupo de estudos, preparar trabalhos e ensaiar a sua apresentação, dentro do grupo, com a finalidade de adquirir uma experiência que será de extrema valia nos congressos. Para os ensaios podem ser usados alguns trabalhos publicados na literatura e permitem adquirir experiência com o preparo e a apresentação. Em conclusão, a vontade de realizar é o grande propulsor de cada apresentador. Existindo a vontade, todos os obstáculos, por maiores que possam parecer, são facilmente transpostos. APRESENTAÇÃO DE TEMAS LIVRES Receitas, "dicas" & sugestões (*) Prof. Dario Birolini Introdução Estas linhas são dedicadas aos meus jovens colegas que se iniciam na carreira acadêmica e que se vêem na contingência de apresentar algum "tema livre". Fundamentam-se em longa vivência de jornadas e congressos e pretendem alertar sobre uma série de curiosidades que cercam tais apresentações orais e que, não raramente, dificultam a comunicação entre quem fala e quem ouve. Embora destinadas especificamente àquelas que pretendem apresentar breves comunicações orais, os chamados "temas livres", ainda assim algumas recomendações poderão ter um "espectro" mais amplo. Não interprete esta palavra como iniciativa de alguém que se acha imune às falhas que serão assinaladas. Pelo contrário, vai, nestas considerações, uma grande dose de autocrítica. Tenho a mais absoluta 9

10 convicção de ter percorrido toda a longa seqüência de erros e cacoetes assinalados a seguir. Não me leve a mal, portanto. Seja como for, se ao ler as primeiras linhas, se sentir magoado por elas, nada mais fácil do que jogar tudo no cesto de papéis e esquecer o assunto. Se isto acontecer, ainda assim sugiro que, no futuro, passe a observar com espírito crítico o desempenho de outros apresentadores e conferencistas e, o que mais importa, seu próprio desempenho. O Convite Ser convidado a participar de um evento científico é, em princípio, motivo de satisfação. Na prática, entretanto, estabeleceu-se uma escala arbitrária (e, pelo menos em parte, injustificada) de valores, de acordo com a qual tipos diferentes de apresentações recebem "escores" diferentes. Uma conferência magistral de 60 minutos vale, digamos, 100 pontos. Já uma "mini-conferência" de 20 ou 30 minutos alcança nota 70 ou 80. Um tema livre não passa de 50 e um "mural", quando muito, é avaliado em 20 pontos. Não vamos entrar no mérito da questão. Quero deixar claro, porém, que estou convencido que 15 minutos são tempo suficiente para discorrer com propriedade (ou pelo menos, para fazer uma análise clara e objetiva) sobre qualquer assunto. Depende, única e exclusivamente, de como se planeja e executa a apresentação. Por isso, ao ser convidado para um evento, se a Comissão Organizadora lhe conceder "apenas" 15 minutos, não se sinta menosprezado. Empenhe-se, isto sim, para fazer com que estes 15 minutos sejam os melhores do evento. Planeje sua participação com entusiasmo e objetividade, e apresente sua contribuição como se fosse a mais importante de sua vida. Lembre-se, entretanto, que o requisito essencial para que sua atuação seja destacada é que você conheça bem o assunto. Não aceite um convite simplesmente porque se sente lisonjeado pela oportunidade de se apresentar em público ou porque deseja enriquecer seu currículo. Finalmente, não se esqueça de sua responsabilidade, ao apresentar suas considerações: Deverá haver muitas pessoas inexperientes na platéia e que estarão propensas a aceitar suas afirmativas sem restrições e sem crítica e a aplicar o que tiverem ouvido. Vidas e saúde de pacientes podem depender do que você transmite. Portanto, cuidado. Não seja categórico demais. Tenha a humildade de aceitar que você pode estar errado ou que suas conclusões podem não ser definitivas. O Planejamento Como para qualquer outra iniciativa, o planejamento de uma apresentação é tão importante quanto à exposição em si. Por isso dedique-lhe tempo e atenção. Não deixe para a última hora. Não improvise uma apresentação, montando uma série desbaratada de diapositivos (dando graças a Deus pelo atraso do vôo!). Minhas sugestões são as seguintes: I - A elaboração do plano de trabalho Uma apresentação de tema livre nada mais é, na realidade, do que a síntese verbal de um trabalho científico. Por isso, deve constar, em linhas gerais, dos mesmos componentes de um trabalho escrito: Uma introdução, na qual se expõem e se justificam claramente os objetivos pretendidos. Apresentação da casuística e/ou dos materiais e métodos utilizados Discussão, na qual se comparam os resultados alcançados com os da literatura e se interpretam os resultados. Um capítulo de conclusões que sintetiza as principais mensagens do trabalho, baseadas nos resultados apresentados, e que permite concluir se os objetivos pretendidos foram alcançados. O componente mais importante é, seguramente, a apresentação de seus resultados. Para tanto, é fundamental que haja resultados e que sejam seus. Em outras palavras, que sua apresentação se fundamente em dados concretos e não "nos seus 20 anos de experiência", no seu "achômetro", na sua "bola de cristal". Você somente chegará a ser respeitado cientificamente se sua comunicação se der através de dados e não de impressões. Através de "casuísticas" e não de "casos". A sua vivência "com aquele caso", a sua opinião a respeito do que deveria ou poderia ter sido feito são comentários interessantes, mas que devem ficar para a rodada de chope programada para a noite, com seus amigos e admiradores. II - Preparação dos Diapositivos O material utilizado para ilustração pode representar o ponto alto de sua apresentação ou significar a catástrofe total. Gostaria, por isso, de oferecer-lhe algumas sugestões básicas, que me parecem importantes. 10

11 1. Em primeiro lugar, transmita à platéia a impressão (pelo menos a impressão, ainda que não seja verdadeira) de que os diapositivos foram elaborados especialmente para aquela apresentação. Não há pior atitude que misturar diapositivos "catados", alguns coloridos, outros em branco e preto, uns velhos, decorados aqui e ali, com fungos variados, outros recém-saídos do "forno". Procure preparar o material visual para "aquela" apresentação. Aliás, procure confeccionar de modo geral, "todos" os seus diapositivos dentro de um mesmo padrão de modo que, ainda que pertençam a diferentes palestras que você já ministrou, obedeçam a um "visual" uniforme. 2. Um segundo aspecto, da maior importância, é a utilização das cores. Os clássicos diapositivos em branco e preto continuam sendo instrumentos excelentes de ilustração. Difícil, no entanto, é resistir à tentação de utilizar diapositivos em cores. Eles são bonitos, permitem que o leitor possa discernir melhor alguns dados, ajudam a dar maior destaque a informações que você julga mais relevantes, ilustram com maior clareza os pormenores anatômicos de peças cirúrgicas, etc. Lembre-se, porém, que eles não passam de instrumentos auxiliares e não podem transformar-se em espetáculo pirotécnico em tecnicolor que, mais do que auxiliar sua apresentação, distraem a assistência. Estes comentários valem particularmente para os diapositivos nos quais se utiliza, como fundos, uma figura. Não é raro que a figura de fundo capte a atenção do ouvinte e o distraia, na tentativa de entendê-la ou de justificá-la. O material visual deve ajudar a tornar mais clara sua apresentação, e não mais confusa! 3. Outro erro comum é colocar longos textos nos diapositivos. Existem apresentações de temas livres na qual a mensagem verbal (ou seja, a apresentação em si) acaba sendo totalmente supérflua. Basta ler os diapositivos. Evite, na medida do possível, a "cola" visual. 4. Nada mais desanimador que um diapositivo que possui uma avalanche de informações (particularmente quando se trata de tabelas). Antes que a "vítima", sentada à sua frente, possa situar-se no diapositivo, muitas de suas palavras serão perdidas. A atenção do ouvinte não pode ser dispersa por uma carga excessiva de dados. Limite os dados ao essencial, para ilustrar suas palavras. A boa norma é restringir a quatro ou cinco linhas o conteúdo do diapositivo, e utilizar corretamente o espaço disponível, com caracteres (letras e números) facilmente legíveis de qualquer ponto da sala. 5. Apresentar ou adaptar tabelas, gráficos ou figuras de trabalhos de outros autores pode ser um excelente instrumento de ilustração e comparação, desde que utilizado com critério. Lembre-se, entretanto, que se alguém o convida para apresentar um trabalho é porque deseja conhecer seus dados e/ou saber sua opinião ou do serviço que você representa. Como corolários, resultam as seguintes sugestões: Utilize dados de outros serviços com parcimônia; sempre que os apresentar (qualquer que seja sua natureza) cite obrigatoriamente a fonte (referência bibliográfica completa), para permitir que o ouvinte tenha acesso ao trabalho original; nos diapositivos que refletem a experiência do seu serviço, assinale o fato, para que não pairem dúvidas a respeito. 6. A apresentação de documentação de casos pode ser de inestimável valor para consubstanciar sua argumentação. Cuide, porém, de limitar o número de casos ao essencial: Um caso ilustrativo, bem selecionado e documentado, costuma ser suficiente, na maioria das vezes. De qualquer forma, resista à tentação de demonstrar toda sua experiência de 115 casos de ferimentos de apêndice ou de 232 casos de unha encravada! Ninguém desconfia, "a priori", de sua honestidade. Se você afirma que operou "n" casos, todos acreditarão em suas palavras, ainda que você não apresente os casos um a um. Chamo a atenção, particularmente, para a documentação imagenológica. Depois de ver 42 filmes de ultra som de abdome, para exemplificar os achados na ruptura de baço ou na colecistite aguda, pode estar certo de que os ouvintes estarão à beira do colapso! 7. E, aproveitando a "dica", não se esqueça que em 15 minutos decididamente, não cabem 42 diapositivos. Um número adequado é de 10 a 15 diapositivos, no máximo. Somente assim poderá transmitir uma mensagem que seja "metabolizável". Por outro lado, evite projetar um único diapositivo e ficar de luz apagada durante todo o tempo discorrendo sobre o tema. Quase certamente este diapositivo é dispensável, mas agirá seguramente como um soporífero infalível. Digamos que você tenha planejado exemplarmente sua apresentação e que seus diapositivos sejam de excelente qualidade. Ótimo. Isto, porém, não garante seu sucesso. Existem ainda alguns aspectos importantes a serem considerados. 1. A não ser que você seja um superdotado, possuidor de "transmitogens" incorporados ao seu patrimônio genético, ou que seja capaz de "dar nó em fumaça", lembre-se que, se começar a improvisar, a enrolar, a pedir que volte o diapositivo prévio por ter esquecido de transmitir alguma informação importante, sua apresentação corre o perigo de ser um fracasso. Por isso, é essencial que adote duas atitudes. Em 11

12 primeiro lugar verifique a seqüência e a posição de seus diapositivos no "carrossel". Em segundo lugar, treine a apresentação com seriedade. 2. O treinamento costuma ser a forma mais eficiente de selecionar e ordenar seus diapositivos, de escolher suas palavras, de limitar-se ao tempo disponível. De preferência faça sua "prévia" na presença de alguém bem chato (como eu, por exemplo). Se não ficar satisfeito repita uma, duas, três vezes a apresentação, até memorizar a seqüência dos diapositivos, de modo a não ter que olhar ostensivamente para a tela durante a apresentação, para ver o que está escrito no diapositivo que está sendo projetado ou à espera do diapositivo seguinte. Nada mais constrangedor que o silêncio que precede o pedido do "próximo diapositivo", que deixa patente que você não tem a mínima idéia do que irá dizer a seguir. Lembre-se (e desculpe a insistência) que o diapositivo deve ilustrar sua fala, e não servir como "cola". Não hesite em preparar o texto de sua apresentação por escrito e em lê-lo, se isto lhe der maior segurança. Esta atitude em nada diminui seu brilhantismo, e pode contribuir substancialmente para aprimorar seu desempenho (particularmente quando acontece a catástrofe mais temida: a queima da lâmpada do projetor de diapositivos). Aliás, escrever o trabalho a ser apresentado deveria ser um hábito, ainda que o texto não fosse utilizado na apresentação. 3. Quinze minutos podem ser uma eternidade ou um instante. Depende de como você distribui seu tempo. Não perca tempo com formalidades desnecessárias, tais como... "ilustríssimo Sr. Presidente, Prof. Dr. Austragésilo Camarinha da Silva Araújo, digníssimo presidente do Congresso; meu caro Professor José da Silva Rodrigues da Cunha, homem ilustre professor de Técnica Cirúrgica da Faculdade de Medicina da Universidade de Xiririca da Serra, ao qual devo toda minha formação; mui digno Professor Euclides Cabral Sousa e Lima, ex-secretário de educação, esportes e cultura do município de Santa Bárbara do Norte, em cuja gestão foi lançada a pedra fundamental do futuro Hospital Universitário da zona Sul do município de Caucaia do Alto que deverá atender à população carente... ". Seja educado, mas conciso. Seja atencioso, mas evite perder de vista o objetivo fundamental de sua presença no pódio: a apresentação de seus resultados. 4. Um dos ingredientes de seu desempenho, que pode ser dos mais saborosos, é a maneira pela qual as informações são transmitidas. Faça o possível para utilizar todos os predicados que possui (bem... quase todos!) a fim de manter a atenção da platéia. Evite a monotonia em sua entonação, fale de modo audível, pronuncie claramente as palavras, olhe para a assistência como se estivesse dialogando com ela, solte-se e mexa o corpo naturalmente (mas não demais: digamos que se trata de uma valsa e não de uma lambada!). Movimente-se, se o ambiente o permitir, mas evitando interceptar o feixe de luz emitido pelo projetor. 5. Não deixe de encarar seus interlocutores: dar aula "de costas" não é, decididamente, uma postura recomendável! A comunicação visual (olhos nos olhos!) é essencial. Evite ficar com as mãos no bolso, limpar seus orifícios naturais (refiro-me aos vestíbulos das fossas nasais e aos ouvidos), se coçar, etc. Ao usar o microfone, procure mantê-lo à distância adequada da boca e não "passeie" com ele por aí, ao redor de sua cabeça. Um dos erros mais comuns observados é a "queda" do microfone que, progressivamente, passa a transmitir os batimentos cardíacos do apresentador e, a seguir, seus ruídos hidro-aéreos, em prejuízo de suas palavras. Ou, então, sua utilização como ponteiro. 6. Desde que devidamente preparados, os diapositivos costumam ser auto-explicativos. Entretanto, é de hábito oferecer aos apresentadores um ponteiro. A utilização deste recurso, aparentemente simples, deve ser feita parcimoniosamente em obediência a alguns princípios. Assim, o manuseio do ponteiro como se fora a vareta de um maestro não costuma ser eficiente. 7. Carregá-lo nas costas, à moda de uma vara de pescar ou de uma trouxa, também não é recomendável. Entretanto, o erro mais freqüente consiste, sem dúvida, no total esquecimento por parte do apresentador de que o ponteiro serve para chamar a atenção da platéia, para um ou outro ponto que mereça ser ressaltado. É comum que o apresentador utilize o ponteiro para si, ou seja, aponte a imagem desejada sob sua própria perspectiva, esquecendo que os ângulos de visão dos que assistem é totalmente diferente. Nestas circunstâncias, torna-se necessária uma imensa ginástica mental e uma grande dose de conhecimentos de geometria espacial para traçar a linha imaginária que, prolongando o eixo do ponteiro, une sua extremidade à imagem projetada na tela. Geralmente quando o ouvinte consegue a façanha, já está sendo projetado o diapositivo seguinte. Recentemente está sendo utilizado, com freqüência crescente, o ponteiro "laser". É um instrumento excelente, mas perigoso quando mal utilizado, pois pode causar torcicolo e crises de labirintite e de cinetose em quem senta no auditório. De fato, a manchinha vermelha projetada pelo aparelho produz um efeito hipnótico na platéia. Os olhos não conseguem desprender-se dela e a acompanham dentro e fora da tela, quando circula 12

13 alucinadamente pela imagem projetada, quando passa a velocidade supersônica pelo assoalho e pelo teto ou quando dança loucamente pelas paredes. Por isso, utilize o ponteiro laser através de impulsos curtos e firmes, e somente para enfatizar o que lhe interessa demonstrar. No intervalo, não se esqueça de tirar o dedo do "gatilho". 8. A linguagem utilizada é outro instrumento fundamental, seguramente o mais importante, para estabelecer a comunicação e garantir a transferência das informações contidas no trabalho. Creio que falar bem em público não se aprende do dia para a noite e depende, em grande parte, do perfil cultural e psicológico do apresentador. Não se esqueça porém que o que se espera de você não é uma brilhante demonstração de oratória. Deseja-se, tão somente, que a apresentação seja clara. Por isso, insisto, treine sua apresentação. Procure estabelecer um encadeamento simples, linear, nas suas frases. Faça-as curtas, sem esbanjar adjetivos e advérbios. Utilize palavras cujo uso e sentido conhece e domina. Quando ouço alguém afirmar que "... houveram cinco óbitos" garanto-lhe que tenho ganas de aumentálos para seis, estrangulando o apresentador. Não dê voltas, não repita, não quebre a seqüência, não deixe que os diapositivos interrompam seu raciocínio. E, pelo amor de Deus, tente evitar palavras ou expressões de gíria. Não diga "a gente"; "Nós" ainda serve. "Bacana" pode ser "bom". "Legal" pode ser "correto". "Chato" pode ser "desinteressante". "Baita" pode ser "grande". "Superimportante" costuma ser apenas "importante". Tome cuidado, quando possível, para não se exceder em neologismos, anglicismos, galicismos, etc., etc., embora seja obrigado a admitir que, não raramente, representam a opção mais conveniente para expressar uma idéia ou descrever um aparelho. Piadinha e comentários engraçados podem constituir-se em recursos interessantes para manter a platéia atenta. Entretanto, ter a sensibilidade para saber quando e como deles lançar mão com espontaneidade, é algo inato. Se tal característica não faz parte de seu patrimônio genético, não se arrisque pois poderá cair no ridículo e transformar-se em motivo de piada Uma palavra final a respeito dos cacoetes. "Né", "tá", "certo", "quer dizer" e muitos outros poluem as apresentações, às vezes de forma tão ostensiva, que o ouvinte é tentado a contá-los, quando não a fazer apostas com os vizinhos: quem conseguir acertar o número de "nés" ganha o "bolão". Há quem inclua um "extremamente" a cada três palavras, talvez para tentar convencer a platéia da importância de suas idéias (particularmente quando elas não são tão importantes assim!). Tente ouvir-se. Preste atenção em sua linguagem. Registre, se puder, suas apresentações e ouça-as com calma. 10. A quase que obrigatoriedade de lançar mão de diapositivos para conseguir tirar o máximo proveito do tempo disponível implica em ter que reduzir a luminosidade do ambiente. Evite a escuridão total, a não ser que seus diapositivos o exijam. Prefira a "meia luz" de modo a não interromper totalmente a comunicação bidirecional entre você e seus ouvintes, que deve ser defendida a unhas e dentes. Lembrese: olhos nos olhos! E, se possível, mantenha a luz totalmente acesa. Aliás, esta é uma das vantagens dos diapositivos em branco e preto (ou em preto e branco), que não costumam exigir o escurecimento do ambiente para se tornarem legíveis. Se houver a possibilidade, não se acanhe de pedir "luz" durante sua apresentação, quando por exemplo, estiver dando vazão a alguma elucubração mental ou fazendo algum comentário. Um banho de fótons é um santo remédio contra a modorra. Ainda neste sentido, não esqueça de dois meios de comunicação às vezes considerados arcaicos, mas que podem ser extremamente eficientes se devidamente utilizados e desde que as condições o permitam: a lousa e o retroprojetor. Ambos (a lousa mais que o retroprojetor) permitem que você mantenha um diálogo bastante dinâmico e interativo com seus interlocutores. Os Sinais de Alerta Por melhor que seja seu preparo e seu material, sua apresentação pode não estar satisfazendo ou motivando os ouvintes. Aliás, é praticamente impossível que você consiga despertar o interesse de todos. Como em qualquer outra atividade, há dias em que o nosso desempenho é brilhante e outros em que o é, mas não tanto. Não fique triste, portanto, se verificar que a freqüência não alcança as pessoas que você esperava ou se, ao acender as luzes, perceber que meia dúzia de "indisciplinados" se esgueiraram, aproveitando a escuridão. São os ossos do ofício! Há, entretanto, alguns sinais de alerta, claras evidências de progressivo desinteresse, que você deve aprender a reconhecer e valorizar para, quem sabe, mudar o tom de sua apresentação, soltar alguma piada, pedir luz, derrubar o microfone ou, em última instância, chegar mais depressa às conclusões. Os sinais de alerta reúnem-se em dois grandes grupos: os que surgem quando a platéia, por quaisquer motivos, é impedida de retirar-se, e os que acontecem quando a platéia sente-se livre para abandonar o recinto. Entre os primeiros, que caracterizam a platéia "cativa", podem ser reconhecidos vários subgrupos que dependem da hora, do local, de fatores climáticos (sol/chuva, frio/calor etc.), do nível etário e cultural dos ouvintes e de outros vários fatores. 13

14 1. Um subgrupo é conhecido por "desligamento neuronal progressivo" (DNP). Começa com um bocejo isolado, prossegue por salvas de bocejos, irritantemente contagiosos aliás, continua com o "afundamento" na poltrona seguido por rápidos cochilos durante os quais a cabeça fica "pescando", perigosamente instável em cima do pescoço, e termina em sono declarado, às vezes acompanhado por sonoros roncos que costumam ter o efeito benéfico de interromper a seqüência. Uma variante desta síndrome é a catatonia transitória que geralmente aparece nas pessoas que se sentam na primeira fila. 2. Outro subgrupo é caracterizado pela "síndrome da agitação crescente" (SAC). Você começa a perceber que os ouvintes mudam de posição a toda hora, ouve o chiar das poltronas ou o arrastar das cadeiras, o arranhar das gargantas, o estalar dos dedos e outros sinais do gênero que se avolumam em um crescendo incontrolável, até abafar totalmente a sua voz. A consulta compulsiva ao relógio a intervalos de não mais de 15 segundos e o tocar dos alarmes neles embutidos fazem parte, também, desta síndrome, embora possam ser reconhecidos nas demais. 3. O último subgrupo é o do "desinteresse total e nefasto" (DTN). Vizinhos de poltrona, que não se conheciam previamente, apresentam-se e começam uma animada conversa sobre a cotação do dólar. Namorados aproveitam a oportunidade para trocar beijos e carícias. Os ouvintes mais agressivos abrem ostensivamente um jornal para ler as notícias policiais, ligam o radinho de pilha para ouvir o jogo do Corinthians ou deitam-se, atravessados, em cadeiras próximas, para dormir. Entre o segundo grupo, o da retirada facultativa, há três síndromes que refletem um prognóstico progressivamente mais sombrio para seu desempenho: A da "retirada ocasional" de prognóstico ainda favorável, a da "retirada em cadeia" de prognóstico reservado e a da "retirada em massa", que decreta o fim de suas esperanças. Realmente não sei lhe sugerir o que poderá fazer para interromper a debandada. Uma atitude aceitável (pelo menos para seu ego), é interpretá-la como devida à ignorância própria da platéia, que não consegue alcançar a profundidade de suas palavras, e continuar impassível até que o seu tempo se acabe (ou que a platéia se esvazie). Outra, já sugerida acima, é tentar alcançar rapidamente as conclusões e, ao chegar em casa, fazer uma análise honesta da apresentação à procura de eventuais falhas. Aliás, as duas atitudes não são reciprocamente excludentes. Conclusão Concluo como comecei: Se você nada aprendeu de novo, jogue fora este folheto no cesto de papéis ou passe-o adiante para algum neófito, de preferência seu inimigo, e ostensivamente, de modo que ele perceba claramente o que você pensa a respeito de suas (dele) apresentações. Caso tenha achado interessante este "papo", utilize as sugestões nele contidas em sua próxima apresentação. Quase certamente você continuará cometendo alguns "pecados". Todos nós o fazemos: Forçados pelo cansaço ou por algum compromisso de última hora, obrigados a participar, por "dever de ofício" ou amizade, no lugar de alguém, traídos pelo computador que "pifou" no meio do caminho ou pelo fotógrafo que esqueceu o compromisso assumido, semicomatosos pelo plantão da noite passada ou pelo último copo de vinho tomado no almoço, etc., etc., etc. Não desanime e continue se esforçando. Sucesso é o que lhe desejo!!! RECURSOS AUDIOVISUAIS Os principais aspectos do planejamento, do preparo e da apresentação oral de um trabalho científico já foram discutidos com detalhes, nas partes 1-6 deste tutorial. Entretanto, alguma dicas e pequenos truques, em circunstâncias especiais, podem constituir-se em auxiliares de inestimável valor. É indiscutível a importância dos recursos audiovisuais para ilustrar as apresentações de qualquer natureza. Uma apresentação que utiliza recursos audiovisuais tem todas as chances de assegurar a compreensão e a memorização dos principais pontos do tema discutido, por uma platéia atenta. Há uma variedade de recursos audiovisuais que podem ser usados para ilustrar uma apresentação. Alguns são bastante simples de preparar e de usar, enquanto outros revestem-se de maior sofisticação e complexidade. Alguns recursos prestam-se melhor à determinadas situações, como por exemplo, a projeção de transparências ou a projeção de slides na tela de um computador, para pequenos grupos de pessoas. Uma apresentação destinada a um número reduzido de participantes, pode ser ilustrada por gráficos, tabelas ou pranchas, projetadas na tela de um computador. 14

15 Grupos pouco maiores podem visualizar com facilidade o material de ilustração preparado em cartazes ("flip charts"). A projeção de transparências é um método adequado para ilustrar uma apresentação para grupos pequenos e médios de pessoas, além de ser de preparo fácil, rápido e de baixo custo. As apresentações para platéias com mais de 25 ou 30 pessoas, por exemplo, podem ser melhor ilustradas com o emprego da projeção de slides (diapositivos). Este método é o mais usado e, com um preparo adequado dos slides, é o método mais eficiente para ilustrar uma idéia ou uma observação. Cabe, nesse ponto, repetir o antigo chavão de que uma boa imagem pode valer mais do que mil palavras. O segredo do slide está, essencialmente, na escolha e no preparo da "boa imagem" que por sí só, realmente, possa explicar ou ilustar a idéia. O preparo e a confecção dos slides, nos dias atuais, são quase que exclusivamente feitos com os programas de computador, específicamente destinados àquela finalidade. Dentre estes, o mais usado é o OpenOffice (Microsoft), preferido por mais de 90% dos apresentadores. Os outros programas usados com aquela finalidade são o Freelance Plus e o Corel Presentations. Uma vez preparada a apresentação, esta pode ser levada até um "bureau" ou serviço de fotografia, que deverá fotografar o material, mediante o emprego de equipamento especial, que reproduz o slide à partir do material digitalizado. O maior incoveniente desse método é que o material uma vez pronto (slides) não pode ser modificado, corrigido ou atualizado, sem a repetição de todo o processo. Apresentações repetidas, podem necessitar a confecção de vários conjuntos de slides, de acordo com a platéia ou com a evolução dos conhecimentos sobre o tema da apresentação. Os principais inconvenientes dos slides, na atualidade, foram eliminados pela utilização de projetores especiais, acopláveis aos computadores (desktop, laptop ou notebook). Estes aparelhos (data show) são capazes de projetar na tela do auditório a mesma imagem que o programa projeta na tela do computador. Desse modo, a apresentação pode ser preparada inteiramente no computador, projetada e armazenada para posterior uso. As correções, modificações ou atualizações do material ilustrativo da apresentação, podem ser feitas a qualquer momento e o novo slide é simplesmente gravado no lugar do anterior. A grande vantagem do uso dessa modalidade de recurso audiovisual é a rapidez do preparo, pela eliminação da etapa da fotografia. Os principais congressos e eventos dos dias atuais, disponibilizam aqueles projetores acoplados à um computador. O orador pode levar sua apresentação em um diskette, CD ou se preferir, no seu próprio computador portátil (laptop ou notebook). A mistura bem dosada de elementos de texto, gráficos e imagens (desenhos ou fotografias) pode assegurar todo o suporte necessário para uma apresentação memorável. Entretanto, tenha cuidado ao elaborar os seus slides. Não é aconselhável que um único slide contenha mais de 5 ou 6 linhas de texto. Caso seu slide tenha mais linhas que o recomendado, é melhor dividir o texto entre dois ou mais slides. Um único slide cheio de texto ou diagramas de alta complexidade é um convite à distração da platéia. Poucas pessoas animam-se a ler o conteúdo de um slide repleto de texto. As cores usadas nos slides devem ser cuidadosamente escolhidas para acentuar o contraste entre os elementos da ilustração e os elementos de fundo do slide. Uma boa regra é o fundo escuro (azul marinho é bastante elegante) com o texto em branco e amarelo - linhas e traços podem ser vermelhos; outros conjuntos podem ser experimentados, de acordo com a preferência do apresentador. O OpenOffice oferece um número de pranchas (templates) "pré-fabricadas" de boa qualidade e que facilitam sobremodo a produção dos slides. Há também conjuntos de cores pré-definidas cuja aplicação sistematicamente oferece bons resultados. Após finalizar a ordenação dos seus slides é de boa prática numerá-los, na sequência em que serão apresentados. Isto pode evitar verdadeiras catástrofes que, infelizmente, não são raras, e podem arruinar a sua apresentação. Imagine apenas que o carrossel contendo os seus slides pode cair, no trajeto entre o "slide desk" e o projetor; os seus slides espalham-se todos pelo chão. Se estiverem adequadamente preparados, uma marca indica a posição correta do slide no projetor e, ao mesmo tempo, um número indica a ordem correta em que deve ser projetado. E, "voilá"!!! - sua apresentação está salva. Vídeos podem também ser usados em projeção, para ilustrar temas mais complexos, detalhes de técnicas específicas, etc.. Slides e vídeo podem ser complementares nas funções de ilustração. Os inconvenientes dessa associação referem-se, principalmente, aos custos mais elevados e à maior complexidade dos equipamentos de projeção. E, como um último conselho, devemos lembrar que, em todas as circunstâncias, o apresentador deve estar familiarizado com os recursos audiovisuais escolhidos para ilustrar ou complementar a sua apresentação. Ao ensaiar a apresentação, use o material de apoio e esteja certo de que na hora e local previstos para a apresentação, aqueles recursos estarão à sua disposição. 15

16 OS PRIMEIROS PASSOS Você foi convidado e aceitou apresentar um tema na próxima reunião do Departamento em seu hospital. Você já estudou o assunto e agora vai preparar a apresentação. Embora muitas pessoas consigam falar diante de um público formado por amigos ou pessoas conhecidas, como os membros do departamento em que você trabalha, por exemplo, a apresentação de um tema ou de uma informação científica requer uma preparação mais elaborada, para cumprir, efetivamente, a sua finalidade. Uma apresentação bem focalizada e compreensível deve ser cuidadosamente organizada. Planeje com antecedência o conteúdo e as ilustrações da sua apresentação. Seu material audiovisual deve maximizar o impacto visual e dar força e a clareza às suas idéias. As principais fases a serem observadas no preparo de uma apresentação podem ser assim relacionadas: Faça o roteiro da sua apresentação - Identifique os principais conceitos e os pontos importantes a serem ressaltados; Identifique quais conceitos ou pontos importantes poderão ser melhor enfatizados com material visual; Faça um esboço de cada um dos visuais (slides) acima identificados; Organize seu roteiro de acordo com a lógica da apresentação; Inicie sua organização por uma introdução ao tema escolhido; Em seguida descreva o tema e as suas idéias à respeito; Em seguida descreva as vantagens ou benefícios (pontos positivos); Em seguida descreva as desvantagens, quando houver (pontos negativos); Em seguida faça uma discussão do tema e confronte as vantagens com as desvantagens; Em seguida tire suas conclusões; Finalize ressaltando os principais pontos que devem ser gravados pela platéia. Uma vez preparado o roteiro da sua apresentação, elabore os materiais visuais. Escreva sua apresentação, seguindo a sequência estabelecida no roteiro. Elabore os slides de acordo com o roteiro e o conteúdo estabelecido para cada um deles. Reveja todo o conteúdo da apresentação, antes de fotografar os slides. Confira se a sua mensagem está suficientemente clara e se os slides contêm todos os pontos importantes, que devem ser mencionados. Verifique se as conclusões estão claras e se correspondem exatamente ao conteúdo do material a ser apresentado. Lembre-se de que o número dos slides depende diretamente do tempo disponível para a apresentação. Um apresentador experiente pode usar a média de 1 slide por cada minuto de apresentação. Quando os slides requerem muitos comentários ou explicações ou quando o apresentador tem pouca experiência, seu número deve ser menor. Uma boa regra que seguimos no presente texto é utilizar 6 a 8 slides ilustrativos para cada 10 minutos de apresentação. Alguns conselhos úteis em relação às apresentações: 1. Oportunidade. Um aspecto essencial para desenvolver a confiança como orador é falar em público. Aproveite todas as oportunidades possíveis, para falar em público. Participe dos debates de outras apresentações. Se alguém o convidar a "dizer algumas palavras" faça-o sem hesitar; seja educado, delicado, breve, claro e conciso. Os convites para falar serão cada vez mais frequentes. 2. Use o princípio do "se". Se você quer ser um apresentador persuasivo, comporte-se como tal. Vista-se com elegância mas sem exageros, observe seus gestos e sua fala. Estude com frequência os assuntos de sua preferência; seja um "especialista" em alguns temas ou em alguns assuntos. tema, 3. Considere-se um "especialista". Se alguém o convida a fazer uma apresentação sobre um determinado 16

17 existe uma razão - você, muito provavelmente, é considerado um "entendido" naquele assunto e as pessoas gostariam de ouvir o que você tem a dizer à respeito. Isto ajuda a assegurar a confiança e a crença nas suas qualidades de apresentador. 4. Prepare sua apresentação. Por mais que você conheça o assunto sobre o qual deverá falar, sua apresentação será sempre melhor, quando seguir um roteiro pré-definido e elaborado, de acordo com as circunstâncias e com a platéia prevista. Quanto mais tempo gasto com a elaboração e o preparo, tanto melhor será a apresentação. 5. Ensaie sua apresentação. O ensaio e a cronometragem do tempo gasto na apresentação são essenciais aos ajustes finais, "sintonia fina" de qualquer apresentação. Escolha palavras-chave, gestos, posições e use apenas o tempo reservado à apresentação. Evite gírias, jargões ou lugares-comuns. Seja original sem procurar ser "erudito"; use linguagem corrente. 6. Conheça sua platéia. Uma boa norma para amenizar a ansiedade e estimular a confiança é chegar com antecedência ao local da apresentação, conversar com algumas pessoas da platéia e cumprimentá-las. Seja simpático(a), amável, educado e cordial. Isto gera uma impressão fortemente positiva na platéia e contibui para amenizar suas tensões e ansiedades. Sua apresentação será, sem dúvida, mais natural. É indiscutível que um número de conselhos e sugestões podem ser bastante úteis para o preparo de uma apresentação oral. Entretanto, nada substitui a experiência. Siga os passos assinalados neste tutorial e prepare uma apresentação simplesmente como um treinamento. Faça a apresentação diante do espelho ou para um pequeno grupo de parentes ou amigos. Ouça seus comentários e opiniões. Se você fizer disso um hábito, estará preparado para o "mundo real" assim que a primeira oportunidade surgir. Lembre-se, a regra número 1 para ser bem sucedido em qualquer atividade é: estar preparado! PROGRAMAS (SOFTWARE) PARA APRESENTAÇÕES Existem, como vimos, alguns programas (software) destinados ao preparo e realização de apresentações, como o Corel Presentations, o Freelance Plus, o Power Point ou o seu irmão gêmeo o OpenOffice. Quando alguém precisa montar uma apresentação rápida, com gráficos e figuras associados ao texto, ou, mais precisamente, criar uma elegante apresentação de slides, o software recomendado é o OpenOffice / Power Point, uma vêz que em 90% do mercado é dominado por essa tecnologia. O OpenOffice é um programa gráfico de apresentações; um software que ajuda a criar uma apresentação de slides. Esse tipo de apresentação é composto por uma sequência de slides que podem conter gráficos, figuras, listas com marcadores, texto, vídeo e clipes de som, dentre outras coisas. O Power Point facilita sobremodo a criação e a organização das idéias e fornece todas as ferramentas necessárias à produção de um trabalho adequado e eficaz. Além disso, o OpenOffice permite a criação de complementos da apresentação de slides, como por exemplo, folhetos para distribuir para a platéia, anotações do apresentador e transparências. O OpenOffice viewer, distribuido gratuitamente, pode ser usado para visualizar a apresentação de slides, mesmo em computadores que não possuem o OpenOffice instalado. O programa inclui ferramentas avançadas para o gerenciamento da exibição de slides que garantem um controle total sobre a apresentação. O OpenOffice possui diversas ferramentas que podem ajudar a coordenar a apresentação de slides, como uma produção de multimídia completa. As apresentações com o OpenOffice podem conter som, imagem, vídeo, animações e transições que podem tornar a sua apresentação um momento memorável, quando bem utilizados. O programa é bastante intuitivo e pode ser utilizado por indivíduos com pouca experiência no seu manuseio. Algumas apresentações podem conter slides específicos que não devem ser apresentados para outras platéias; o programa permite apresentar apenas os slides selecionados. O OpenOffice permite cronometrar as apresentações, além de permitir a gravação de narração, música de fundo, etc... O uso destes recursos, contudo, deve ser extremamente criterioso. Em geral, as apresentações de trabalhos científicos não devem ser acompanhadas de música, trilha sonora, etc... Ao terminar o preparo de uma apresentação com o OpenOffice, você poderá: Fazer uma apresentação ao vivo em uma sala ou auditório. Mostrar sua apresentação em um computador que não tenha o OpenOffice instalado. 17

18 Transmitir sua apresentação em uma intranet ou na Internet. Fazer uma reunião com uma platéia remota na Internet em "tempo real". Participar de uma discussão na web sobre sua apresentação. Quando a apresentação é ao vivo, você pode usar o OpenOffice para projetar os slides em um projetor acoplado ao computador. Desse modo, você pode usar as ferramentas de navegação pelos slides, as transições, etc. O material preparado com o OpenOffice pode, também ser salvo com o formato html característico da web, para as apresentações via Internet. 18

08/11/2012. Palestrante: Jéssica Pereira Costa Mais frequente na população universitária

08/11/2012. Palestrante: Jéssica Pereira Costa Mais frequente na população universitária A arte da apresentação oral de trabalhos científicos Como se comportar durante a apresentação de um pôster em um evento científico? Fobia Social ou Timidez??? (Medo excessivo contato ou exposição social)

Leia mais

Profa. Yanna C. F. Teles. União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Metodologia da pesquisa

Profa. Yanna C. F. Teles. União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Metodologia da pesquisa Profa. Yanna C. F. Teles União de Ensino Superior de Campina Grande Curso Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Metodologia da pesquisa Trabalhos na graduação (seminários, tcc...) Apresentações em congressos

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

REGULAMENTO EDITORIAL E NORMAS DE ESTILO DA REVISTA CIÊNCIA VETERINÁRIA NOS TRÓPICOS

REGULAMENTO EDITORIAL E NORMAS DE ESTILO DA REVISTA CIÊNCIA VETERINÁRIA NOS TRÓPICOS REGULAMENTO EDITORIAL E NORMAS DE ESTILO DA REVISTA CIÊNCIA VETERINÁRIA NOS TRÓPICOS REGULAMENTO EDITORIAL Uma das missões do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de Pernambuco (CRMV-PE)

Leia mais

1 Edital para submissão de materiais para o Congresso

1 Edital para submissão de materiais para o Congresso DIGICONGRESS 2014 Congresso de Comunicação e Marketing Digital 1 Edital para submissão de materiais para o Congresso 1.1 Informações gerais - O DIGICONGRESS (Congresso de Comunicação e Marketing Digital)

Leia mais

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS Revista Interdisciplinaridade INTERDISCIPLINARIDADE é uma revista de periodicidade anual, cujo volume de cada ano será publicado em outubro e poderão ser realizadas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES

ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES ORIENTAÇÕES PARA ORGANIZAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES Ao organizar um trabalho escolar é necessário que algumas normas sejam observadas pelo aluno. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) encarrega-se

Leia mais

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br MEDIA TRANNING Giovana Cunha COMO AGIR DIANTE DA IMPRENSA É muito comum o entrevistado se queixar que o jornalista não reproduziu corretamente as informações fornecidas na entrevista. O jornalista normalmente

Leia mais

Como funciona o site treinamento técnico ON-LINE?

Como funciona o site treinamento técnico ON-LINE? Manual do Usuário INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO TREINAMENTO ON LINE A ATIC Tecnologia do Brasil Ltda. com o objetivo de atender aos seus diversos clientes, oferece treinamentos EAD - Educação a Distância

Leia mais

NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) USO DO POWERPOINT

NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) USO DO POWERPOINT NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) USO DO POWERPOINT ACRESCENTANDO IMAGENS A APRESENTAÇÃO Algumas igrejas preferem o uso do multimídia para suas apresentações. Oferecendo a esses pastores uma apresentação

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC

COMO FORMATAR MONOGRAFIA E TCC TEXTO COMPLEMENTAR AULA 2 (15/08/2011) CURSO: Serviço Social DISCIPLINA: ORIENTAÇÕES DE TCC II - 8º Período - Turma 2008 PROFESSORA: Eva Ferreira de Carvalho Caro acadêmico, na Aula 2, você estudará Áreas

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA FATEC CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA FATEC CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA DE POMPEIA FATEC CURSO TECNOLOGIA EM MECANIZAÇÃO EM AGRICULTURA DE PRECISÃO NORMAS PARA REDAÇÃO DE ARTIGOS Pompeia 2012 A composição dos textos deverá obedecer as orientações abaixo.

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA FIMCA

NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA FIMCA NORMAS DE PUBLICAÇÃO DA REVISTA FIMCA A Revista FIMCA é dirigida a acadêmicos e profissionais de Saúde, destinada às publicações inéditas de trabalhos de pesquisa básica e aplicada, revisões científicas,

Leia mais

GUIA DE REDAÇÃO PARA TRABALHO DE EM974

GUIA DE REDAÇÃO PARA TRABALHO DE EM974 GUIA DE REDAÇÃO PARA TRABALHO DE EM974 CONSIDERAÇÕES GERAIS O objetivo deste documento é informar a estrutura e a informação esperadas num texto de Trabalho de Graduação. O conteúdo do texto deverá ser

Leia mais

Calendário CBNA 2015 Envio de Trabalhos Científicos

Calendário CBNA 2015 Envio de Trabalhos Científicos Calendário CBNA 2015 Envio de Trabalhos Científicos Evento - Data envio do trabalho comprovação da inscrição do 1º autor resposta sobre aceitação ou recusa do trabalho Tema dos Trabalhos XIV CONGRESSO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul -

Leia mais

Normas para elaboração de trabalhos escolares

Normas para elaboração de trabalhos escolares Normas para elaboração de trabalhos escolares Ensino Fundamental 8 os e 9 os anos Ensino Médio fevereiro/2012 O que é um trabalho escolar? É uma atividade relacionada a um tema ou assunto sobre o conteúdo

Leia mais

1 PROJETOS DE PESQUISA ( PARA PCCT LEIA PRIMEIRAMENTE O APÊNDICE A )

1 PROJETOS DE PESQUISA ( PARA PCCT LEIA PRIMEIRAMENTE O APÊNDICE A ) 1 PROJETOS DE PESQUISA ( PARA PCCT LEIA PRIMEIRAMENTE O APÊNDICE A ) O Projeto de Pesquisa tem por objetivo organizar, delimitar e sistematizar uma proposta de pesquisa, esta, porém poderá sofrer alterações

Leia mais

Como Preparar Apresentações. Tipos de apresentação Cuidados com o apresentador Cuidados com o conteúdo

Como Preparar Apresentações. Tipos de apresentação Cuidados com o apresentador Cuidados com o conteúdo Como Preparar Apresentações Tipos de apresentação Cuidados com o apresentador Cuidados com o conteúdo Tipos de Apresentação Tipos de apresentação de trabalho acadêmico/técnico/científico: Aula Palestra

Leia mais

Levantamento do Perfil Empreendedor

Levantamento do Perfil Empreendedor Levantamento do Perfil Empreendedor Questionário Padrão Informações - O objetivo deste questionário é auxiliar a definir o seu perfil e direcioná-lo para desenvolver suas características empreendedoras.

Leia mais

PROPAGARE REVISTA CIENTÍFICA DA FACULDADE CAMPO REAL REVISTA PROPAGARE

PROPAGARE REVISTA CIENTÍFICA DA FACULDADE CAMPO REAL REVISTA PROPAGARE REVISTA PROPAGARE A Revista PROPAGARE, publicação da Faculdade Campo Real, criada em 2010, é dirigida à comunidade científica. A PROPAGARE reúne, debate coopera e propaga conhecimento para o progresso

Leia mais

Submissão de Trabalhos. Período: Observações importantes:

Submissão de Trabalhos. Período: Observações importantes: Submissão de Trabalhos Período: Observações importantes: 1. Leia atentamente os Eixos Temáticos para saber em qual o seu trabalho se enquadra. É possível que seu trabalho se enquadre em mais de um Eixo

Leia mais

Seminário Sobre Reunir Registros

Seminário Sobre Reunir Registros Seminário Sobre Reunir Registros Esta lição e seus recursos de aprendizado podem ser usados para preparar um seminário de três a quatro horas sobre preparar, reunir, processar e entregar os registros a

Leia mais

Objetivo desta Aula. Um tópico a cada vez. Roteiro apresentar tópicos gerais

Objetivo desta Aula. Um tópico a cada vez. Roteiro apresentar tópicos gerais Objetivo desta Aula Apresentar dicas de como preparar apresentações Ronaldo Lopes Oliveira Especialização em Produção de Bovinos DPA/MEV/UFBA 2007 Apresentar dicas de como fazer a apresentação Apresentar

Leia mais

Normas para participação com apresentação de pôsteres e/ou Trabalhos completos (Comunicações Orais)

Normas para participação com apresentação de pôsteres e/ou Trabalhos completos (Comunicações Orais) Normas para participação com apresentação de pôsteres e/ou Trabalhos completos (Comunicações Orais) *Os participantes do Congresso Internacional de Saúde poderão participar na modalidade OUVINTE, APRESENTAÇÃO

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

V CONGRESSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFF/VOLTA REDONDA. Chamada de Trabalhos para as Sessões Temáticas

V CONGRESSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFF/VOLTA REDONDA. Chamada de Trabalhos para as Sessões Temáticas UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PÓLO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA ESCOLA DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DE VOLTA REDONDA V CONGRESSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UFF/VOLTA REDONDA Chamada de Trabalhos para as

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

Regulamento do TCC APRESENTAÇÃO ORAL DE TRABALHOS CIENTÍFICOS. Resolução TCC. Apresentação oral de trabalhos 03/11/2011 FALAR EM PUBLICO É UM DESAFIO?

Regulamento do TCC APRESENTAÇÃO ORAL DE TRABALHOS CIENTÍFICOS. Resolução TCC. Apresentação oral de trabalhos 03/11/2011 FALAR EM PUBLICO É UM DESAFIO? Regulamento do TCC Para a defesa do TCC, o trabalho deverá ser apresentado oralmente perante comissão julgadora em sessão pública. Para a apresentação, o aluno terá mínimo de 15 e APRESENTAÇÃO ORAL DE

Leia mais

PRINCÍPIOS DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS COM AUXÍLIO DO POWERPOINT

PRINCÍPIOS DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS COM AUXÍLIO DO POWERPOINT Universidade do Estado da Bahia Monitoria de Física Geral e Experimental I PRINCÍPIOS DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS COM AUXÍLIO DO POWERPOINT Victor Mendes Lopes 1.0 Design Simples, moderno ou

Leia mais

Comunicação Integrada em Vendas

Comunicação Integrada em Vendas Comunicação Integrada em Vendas Hélio Azevedo helio.azevedo@salestalent.com.br Agenda Percepção Objetivos de uma apresentação O orador Os tipos de público Os tipos de discurso O medo de falar Preparando

Leia mais

FAQ REGISTRO DE INTERAÇÕES

FAQ REGISTRO DE INTERAÇÕES Sumário 1. O que são interações?... 3 2. Posso registrar uma interação com um parceiro?... 3 3. Posso registrar interações para empresas?... 3 4. Quando converso informalmente com um cliente, parceiro

Leia mais

Teste sua empregabilidade

Teste sua empregabilidade Teste sua empregabilidade 1) Você tem noção absoluta do seu diferencial de competência para facilitar sua contratação por uma empresa? a) Não, definitivamente me vejo como um título de cargo (contador,

Leia mais

Como fazer uma apresentação

Como fazer uma apresentação Como fazer uma apresentação Etapas para fazer uma apresentação Definição dos 1 objectivos da apresentação de acordo com as necessidades e o perfil da audiência Preparação de uma linha de trabalho de um

Leia mais

INSTRUÇÕES AOS AUTORES - DIVUGAÇÃO EM SAÚDE PARA DEBATE

INSTRUÇÕES AOS AUTORES - DIVUGAÇÃO EM SAÚDE PARA DEBATE INSTRUÇÕES AOS AUTORES - DIVUGAÇÃO EM SAÚDE PARA DEBATE A revista Divulgação em Saúde para Debate é uma publicação do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes). Aceita trabalhos inéditos sob forma

Leia mais

Relacionamento professor-aluno e os procedimentos de ensino

Relacionamento professor-aluno e os procedimentos de ensino Relacionamento professor-aluno e os procedimentos de ensino Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Relacionamento professor-aluno Professor:

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Therezinha Oliveira. Oratória a Serviço do Espiritismo Coleção:Estudos e Cursos 6ª edição

Therezinha Oliveira. Oratória a Serviço do Espiritismo Coleção:Estudos e Cursos 6ª edição Therezinha Oliveira Oratória a Serviço do Espiritismo Coleção:Estudos e Cursos 6ª edição Campinas SP 2013 Sumário 1. Apresentação... 11 2. O Expositor Espírita... 15 3. A Preparação do Discurso... 21 4.

Leia mais

Guia Prático. Sistema EAD PRO-CREA

Guia Prático. Sistema EAD PRO-CREA Guia Prático Sistema EAD PRO-CREA Educação a Distância (EAD) Conheça a seguir algumas dicas de Netiqueta para uma convivência sociável e boas maneiras na web. Sugerimos fazer um teste para saber como você

Leia mais

uma representação sintética do texto que será resumido

uma representação sintética do texto que será resumido Resumo e Resenha Resumo Ao pesquisar sobre as práticas de linguagem nos gêneros escolares, Schneuwly e Dolz (1999: 14), voltando seus estudos para o nível fundamental de ensino, revelam que a cultura do

Leia mais

Como Trabalhar Com Consultores de Executive Search

Como Trabalhar Com Consultores de Executive Search Como Trabalhar Com Consultores de Executive Search Gerenciamento de Carreira pelo Bluesteps.com Contents: Introdução: O recrutamento de Executivos de Nível Sênior Page 1-2: O que é Retained Executive Search?

Leia mais

TÍTULO CLARO E OBJETIVO QUANTO ÀS PRETENÇÕES RELATIVAS AO OBJETO DE ESTUDO

TÍTULO CLARO E OBJETIVO QUANTO ÀS PRETENÇÕES RELATIVAS AO OBJETO DE ESTUDO FORMATAÇÃO GERAL PAPEL: A4 MARGEM: 3 cm à esquerda e superior e 2 cm à direita e inferior ESPAÇAMENTO: 1,5 texto corrido; entre parágrafo 6pts antes e depois FONTE: Times New Roman ou Arial TAMANHO DA

Leia mais

ANATOMIA DE UMA APRESENTAÇÃO

ANATOMIA DE UMA APRESENTAÇÃO ANATOMIA DE UMA APRESENTAÇÃO Susan Stavros Castelhano Uma apresentação pode ser dividida em várias partes, ou pode seguir a regra geral de uma estrutura de três partes. No começo, introduz-se o tema que

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

Vamos começar nossos estudos e descobertas????????

Vamos começar nossos estudos e descobertas???????? Aula 07 RESUMO E RESENHA Vamos iniciar nossos estudos???? Você já deve ter observado que pedimos que leia determinados textos e escreva o que entendeu, solicitamos que escreva o que o autor do texto quis

Leia mais

Como elaborar um relatório de pesquisa

Como elaborar um relatório de pesquisa Como elaborar um relatório de pesquisa Profa. Dra. Maria José B. Finatto - UFRGS - Instituto de Letras www.ufrgs.br/textecc Seminários Temáticos PROPESQ - 2012 Preâmbulo - sério! O Programa Institucional

Leia mais

BRASILEIRA DE FARMÁCIA HOSPITALAR E SERVIÇOS DE SAÚDE

BRASILEIRA DE FARMÁCIA HOSPITALAR E SERVIÇOS DE SAÚDE 1 REVISTA BRASILEIRA DE FARMÁCIA HOSPITALAR E SERVIÇOS DE SAÚDE Uma publicação da (SBRAFH) A () publica artigos nos idiomas Inglês, Espanhol, Português; e a partir de 2010 substituirá a Revista SBRAFH

Leia mais

REGRAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS

REGRAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS REGRAS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS A Revista Ius Gentium é uma publicação anual do Curso de Direito (graduação e pós-graduação) da Faculdade Internacional de Curitiba, que visa: propiciar à comunidade

Leia mais

Orientações para Palestras

Orientações para Palestras Orientações para Palestras Caro Palestrante, confeccionamos este documento para ajudá-lo a fazer uma apresentação memorável. Sinta-se à vontade para enviar contribuições de modo que possamos aperfeiçoá-lo.

Leia mais

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br

Realização e Organização. www.vamaislonge.com.br Realização e Organização www.vamaislonge.com.br Quem somos... Leonardo Alvarenga, tenho 23 anos, sou criador do Não Tenho Ideia e do #VáMaisLonge. Sou formado em Educação Física mas larguei tudo logo após

Leia mais

Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação

Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica no SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica Como ler mais rapidamente Usando o leitor do SilentIdea 4.0 Apresentação Leitura dinâmica Enquanto lê, você muitas vezes: "Ouve" cada palavra

Leia mais

Como montar uma boa apresentação de slides?

Como montar uma boa apresentação de slides? Na hora de elaborar seus slides para a apresentação de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), a coisa mais importante que você deve considerar é "de que forma os meus slides podem auxiliar o entendimento

Leia mais

Educação a distância: desafios e descobertas

Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: desafios e descobertas Educação a distância: Desafios e descobertas Conteudista: Equipe Multidisciplinar Campus Virtual Cruzeiro do Sul Você na EAD Educação a distância: desafios

Leia mais

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo COMO USAR O MATERIAL NAS PÁGINAS A SEGUIR, VOCÊ ENCONTRA UM PASSO A PASSO DE CADA ETAPA DO DESIGN FOR CHANGE, PARA FACILITAR SEU TRABALHO COM AS CRIANÇAS. VOCÊ VERÁ QUE OS 4 VERBOS (SENTIR, IMAGINAR, FAZER

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/gestao-escolar/coordenador-pedagogico/projeto-formacao-professoresmatematica-623627.shtml Projeto de formação de professores em Matemática Um projeto exclusivo

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICAS DA FBMG

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICAS DA FBMG NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICAS DA FBMG ÀS REVISTAS ESTABELECE NORMAS PARA A ELABORAÇÃO E PUBLICAÇÃO DOS ARTIGOS LITERÁRIOS OU CIENTÍFICOS A SEREM SEGUIDAS PELOS AUTORES INTERESSADOS.

Leia mais

O que fazer em meio às turbulências

O que fazer em meio às turbulências O que fazer em meio às turbulências VERSÍCULO BÍBLICO Façam todo o possível para viver em paz com todos. Romanos 12:18 OBJETIVOS O QUÊ? (GG): As crianças assistirão a um programa de auditório chamado Geração

Leia mais

SEMINÁRIO . ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO.

SEMINÁRIO . ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO. SEMINÁRIO Seminário é um grupo de pessoas que se reúnem com o propósito de estudar um tema sob a direção de um professor ou autoridade na matéria. O nome desta técnica vem da palavra semente, indicando

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

MODELO DE INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO E SUBMISSÃO DE TRABALHOS PARA CONGRESSOS BRASILEIROS

MODELO DE INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO E SUBMISSÃO DE TRABALHOS PARA CONGRESSOS BRASILEIROS MODELO DE INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO E SUBMISSÃO DE TRABALHOS PARA CONGRESSOS BRASILEIROS TÍTULO DO TRABALHO Primeiro Autor e-mail Instituição de Ensino Endereço CEP Cidade Estado Segundo Autor e-mail

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP FACULDADE (do aluno) CURSO TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO RELATÓRIO AUTOR(ES) DO RELATÓRIO SÃO PAULO 200_ NOTA PRÉVIA

Leia mais

LAB. 2 Segurança. 3 Mensagem. 3 Fórum. 4 Chat. 5 2- Alterar perfil. 6 3- Alterar senha. 11 4- Conhecendo seu curso. 12 5- Recuperar Senha

LAB. 2 Segurança. 3 Mensagem. 3 Fórum. 4 Chat. 5 2- Alterar perfil. 6 3- Alterar senha. 11 4- Conhecendo seu curso. 12 5- Recuperar Senha Índice Guia de boas práticas 2 Netqueta 2 Segurança 3 Mensagem 3 Fórum 4 Chat 4 5 1- Primeiro acesso 5 2- Alterar perfil 6 3- Alterar senha 11 4- Conhecendo seu curso 12 5- Recuperar Senha 14 6- Mensagem

Leia mais

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO

COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO COMO INVESTIR PARA GANHAR DINHEIRO Por que ler este livro? Você já escutou histórias de pessoas que ganharam muito dinheiro investindo, seja em imóveis ou na Bolsa de Valores? Após ter escutado todas essas

Leia mais

Este evento busca oportunizar a divulgação de resultados de pesquisa de alunos regularmente matriculados em cursos de graduação.

Este evento busca oportunizar a divulgação de resultados de pesquisa de alunos regularmente matriculados em cursos de graduação. MANUAL OFICIAL O EVENTO O IDEAU Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto Uruguai reconhece a importância do trabalho acadêmico, as habilidades de criação e de inovação dos alunos de cada um de

Leia mais

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas EN1002 Engenharia Unificada I FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas Conteúdo da Apresentação Formas de comunicação em Projetos de Engenharia (PE) Interpretação

Leia mais

Pesquisas e seminários Como fazer?

Pesquisas e seminários Como fazer? +++ + COLÉGIO DOS SANTOS ANJOS Avenida Iraí, 1330 - Planalto Paulista - Telefax: 5055.0744 04082-003 - São Paulo - e-mail: colsantosanjos@colegiosantosanjos.g12.br Site: www.colegiosantosanjos.g12.br Q

Leia mais

Manual Descritivo Volta Redonda, RJ 2015

Manual Descritivo Volta Redonda, RJ 2015 Manual Descritivo Volta Redonda, RJ 2015 ÍNDICE 1 Quem somos? 2 Informações, 3 Cursos Jurídicos, 4 Edição de Livros, 5 Loja Virtual, 6 Livros Digitais, 7 Livros Impressos, 8 Livros Usados, 9 Direitos Autorais,

Leia mais

COMO TORNAR O ESTUDO E A APRENDIZAGEM MAIS EFICAZES

COMO TORNAR O ESTUDO E A APRENDIZAGEM MAIS EFICAZES COMO TORNAR O ESTUDO E A APRENDIZAGEM MAIS EFICAZES 1 Eficácia nos estudos 2 Anotação 2.1 Anotações corridas 2.2 Anotações esquemáticas 2.3 Anotações resumidas 3 Sublinha 4 Vocabulário 5 Seminário 1 EFICÁCIA

Leia mais

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO ARTIGO CIENTÍFICO Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas

Leia mais

Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010)

Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010) 1 of 6 02/12/2011 16:14 Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010) 13:58:20 Bem-vindos ao Bate-papo Educarede! 14:00:54 II Seminário

Leia mais

Zelo. A Regra de Ouro. Por que ser zeloso? Parceiros atingidos. Zelo - SIM. Zelo - NÃO

Zelo. A Regra de Ouro. Por que ser zeloso? Parceiros atingidos. Zelo - SIM. Zelo - NÃO Exercitando o Caráter 6 a 9 anos Zelo O zelo, ou cuidado, é uma qualidade típica das pessoas de bom caráter. A pessoa zelosa tem cuidado para não prejudicar as outras pessoas e demais seres vivos, nem

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO RESUMO. Palavras-chave: Artigo Científico. Normalização. NBR 6022/03.

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO RESUMO. Palavras-chave: Artigo Científico. Normalização. NBR 6022/03. ARTIGO CIENTÍFICO Texto com autoria declarada que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados de diversas áreas do conhecimento (ABNT/NBR 6022:2003). 2.1.1 Modelo de artigo COMO

Leia mais

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS A Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação (RBMA) convida os interessados a participarem do seu VI Seminário,

Leia mais

APRESENTANDO TRABALHOS NA JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA Unifebe. Profª Heloisa Helena

APRESENTANDO TRABALHOS NA JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA Unifebe. Profª Heloisa Helena APRESENTANDO TRABALHOS NA JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA Unifebe Profª Heloisa Helena SOBRE A JORNADA A Jornada de Iniciação Científica é um evento permanente da Unifebe e se constitui em uma ação

Leia mais

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0

Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Manual Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle-ESPMG 2.0 Adriano Lima Belo Horizonte 2011 SUMÁRIO Apresentação... 3 Acesso ao Ambiente Virtual de Aprendizagem AVA ESP-MG... 3 Programação do curso no AVA-ESPMG

Leia mais

Manual para uso do HELPDESK

Manual para uso do HELPDESK EXACTUS Suporte e Atendimento - versão 1.0 Página 1 de 14 Manual para uso do HELPDESK Visão Cliente EXACTUS Suporte e Atendimento - versão 1.0 Página 2 de 14 Introdução O serviço possui um pacote com todas

Leia mais

FAQ Escrita de Cases

FAQ Escrita de Cases FAQ Escrita de Cases 1. Sobre o que escrever um case e com qual foco? Sua EJ poderá escrever cases de sucesso ou insucesso que tenha trazido muito aprendizado e superação, ou seja, cases distintos da realidade

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO

CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO CENTRO TECNOLÓGICO UFES COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NORMAS PARA O PROJETO DE GRADUAÇÃO O Colegiado do Curso de Engenharia Ambiental, em reunião de 26 de agosto de 2011, RESOLVE: Aprovar

Leia mais

Introdução à Arte da Ciência da Computação

Introdução à Arte da Ciência da Computação 1 NOME DA AULA Introdução à Arte da Ciência da Computação Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 15 minutos Principal objetivo: deixar claro para os alunos o que é a ciência da computação e

Leia mais

ELABORAÇÃO DE SEMINÁRIO

ELABORAÇÃO DE SEMINÁRIO ELABORAÇÃO DE SEMINÁRIO Metodologia Científica Seminário: Definição?... Seminarium = sementeira, dá idéia de disseminar (semear idéias, podem germinar e gerar novos conhecimentos); LAKATOS (1996): seminário

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM IX SEMANA DE ENFERMAGEM. Edital 001/2014

FACULDADE LEÃO SAMPAIO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM IX SEMANA DE ENFERMAGEM. Edital 001/2014 FACULDADE LEÃO SAMPAIO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM IX SEMANA DE ENFERMAGEM Edital 001/2014 Dispõe sobre normas para inscrição de trabalhos científicos na IX Semana de Enfermagem da Faculdade Leão

Leia mais

REVISTA CEUMA PERSPECTIVAS. Chamada para submissão de trabalhos científicos

REVISTA CEUMA PERSPECTIVAS. Chamada para submissão de trabalhos científicos REVISTA CEUMA PERSPECTIVAS Chamada para submissão de trabalhos científicos A Revista Científica Ceuma Perspectivas é uma publicação científica voltada à divulgação da produção acadêmica discente e docente

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

Manual do Projeto Integrado de Análise de Sistemas (PROINANSI)

Manual do Projeto Integrado de Análise de Sistemas (PROINANSI) Manual do Projeto Integrado de Análise de Sistemas (PROINANSI) Curso de Análise de Sistemas Centro UNISAL - Americana Nome do documento: ANSI2004 - Atividade Integrada v1.0.doc Localização: Versão: 1.0

Leia mais

COMO PUBLICAR. 2 Apreciação dos trabalhos

COMO PUBLICAR. 2 Apreciação dos trabalhos 1 COMO PUBLICAR A revista Estação Científica tem como missão contribuir para o diálogo acadêmico-científico com a divulgação de trabalhos inéditos nas mais diversas áreas do conhecimento. Ela os publicará

Leia mais

COMO FAZER UMA APRESENTAÇÃO. Curso: Segurança da Informação Disciplina:TEORIA E PRÁTICA EM PESQUISA Profa. : Kátia Lopes Silva

COMO FAZER UMA APRESENTAÇÃO. Curso: Segurança da Informação Disciplina:TEORIA E PRÁTICA EM PESQUISA Profa. : Kátia Lopes Silva COMO FAZER UMA APRESENTAÇÃO Curso: Segurança da Informação Disciplina:TEORIA E PRÁTICA EM PESQUISA Profa. : Kátia Lopes Silva Tipos de Apresentação Tipos de apresentação de trabalho acadêmico/técnico/científico:

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO EXPANDIDO PARA O V SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CNPq/IEPA INSTRUÇÕES AOS AUTORES

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO EXPANDIDO PARA O V SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CNPq/IEPA INSTRUÇÕES AOS AUTORES NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO EXPANDIDO PARA O V SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CNPq/IEPA OBJETIVOS INSTRUÇÕES AOS AUTORES O V Seminário de Iniciação Científica do CNPq/IEPA, que está sendo organizada

Leia mais

REVISTA JURÍDICA UNIGRAN

REVISTA JURÍDICA UNIGRAN REVISTA JURÍDICA UNIGRAN Normas de Submissão A Revista Jurídica Unigran é um periódico científico, na versão impressa e na versão on line, com periodicidade semestral, aberto à colaboração e participação

Leia mais