DESPERTANDO PARA A PRODUÇÃO INTELECTUAL: A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESPERTANDO PARA A PRODUÇÃO INTELECTUAL: A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA"

Transcrição

1 DESPERTANDO PARA A PRODUÇÃO INTELECTUAL: A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA CIENTÍFICA ELVINA MARIA DE SOUSA BARBOSA* JOELSON RAMOS* * MARIA DO SOCORRO S. CIRÍACO* Resumo O presente trabalho pretende apresentar a importância da produção científica para a vida acadêmica e profissional, buscando despertar no aluno o interesse pela pesquisa científica. Trata-se de pesquisa bibliográfica, abordando desde os motivos para iniciar a produção científica, como deve ser a produção científica na vida universitária, passando por uma breve descrição dos tipos de trabalhos acadêmicos, os agentes fomentadores da pesquisa e noções dos benefícios que o estudante-pesquisador terá com esta atividade. Palavras-chave: Produção científica. Pesquisa. Metodologia. * Alunos do quarto bloco do curso de graduação em Biblioteconomia da Universidade Estadual do Piauí UESPI.

2 2 1 SOBRE A PESQUISA CIENTÍFICA A importância da produção científica para a vida acadêmica e profissional será abordada a partir de pesquisa bibliográfica, iniciando-se com os conceitos básicos para os termos: lógica, metodologia, lógica científica e produção científica. Para chegarmos ao entendimento desses conceitos realizamos pesquisa nos textos de teóricos como Severino, Lakatos, Bagno, Stern e Volpato, e concluímos que: A lógica é uma ciência que tem como objeto de estudo as relações de coerência entre o pensamento e o discurso. Utilizando-se de regras e princípios pré-estabelecidos, procura fazer a distinção entre argumentos válidos ou não, buscando o uso formal da verdade e do pensamento coerente. Metodologia é conjunto de métodos e técnicas utilizados para a realização de uma pesquisa, é o uso de diferentes ferramentas e meios pelos quais os pesquisadores desenvolvem raciocínios, teorias, hipóteses. A lógica científica une esses dois conceitos, traduzindo o estudo das relações de coerência entre o pensamento e o discurso através da utilização de ferramentas (métodos) que levarão ao desenvolvimento de novas descobertas e teorias. Implica, pois, a discussão dos estudos científicos, das pesquisas e métodos elaborados nos diversos campos do conhecimento. Produção científica compreende a produção intelectual, científica e acadêmica do pesquisador, demonstrando sua evolução e especialização na área de estudo. Começar uma vida de produção científica e intelectual exige a tomada de atitudes como perseverança, disciplina e muita curiosidade sobre o objeto de estudo. Para Salomon (2004, p.301), a evolução dessa vida científica tem início com o estágio leigo, evoluindo para os estágios de trabalhador intelectual até converter-se em pesquisador e, finalmente, autor. Cada estágio tem suas características, sendo o LEIGO o que identifica aquele que pretende tornar-se pesquisador/produtor científico iniciando seus estudos e pesquisas. Em seguida teremos os seguintes estágios:

3 3 TRABALHADOR INTELECTUAL: Neste estágio o estudante deve adquirir hábitos de estudos, de leitura e de registros (documentação pessoal). PESQUISADOR: Nesta fase é importante munir-se de material teórico, através de fontes de pesquisas amplas e fidedignas (referencial teórico). AUTOR: Etapa em que os resultados do estudo e da pesquisa deverão ser divulgados para chegar ao conhecimento da comunidade científica e assim, serem validados pelos demais pesquisadores. Um modelo de lógica científica muito utilizado é o que atua de acordo com o princípio conhecido como Navalha de Occam (STERN, 2009), segundo o qual pluralidade não deve ser colocada sem necessidade, também conhecido como princípio da parcimônia: a explicação mais simples é a melhor ou não multiplique hipóteses desnecessariamente. Ou seja, o conceito mais simples, a conclusão mais provável, é a melhor escolha. Não se deve dizer nada além do necessário. Em todos os estudos e pesquisas o que deve prevalecer é a coerência. Partindo do simples para o complexo, o pesquisador deverá ser capaz de fazer conclusões de fácil interpretação e entendimento, pois afirmações não comprovadas levam ao descrédito de quem as formulou. Nos estudos, registros, pesquisas e divulgações científicas é importante que o estudioso se certifique da correta aplicação dos métodos e teorias abordados, a fim de manter a integridade e fidelidade dos dados a serem apresentados. Volpato (2006, p.74) ao falar da importância da veracidade dos fatos nos relatos científicos, cita o físico Max Planck que dizia o cientista não é o mais honesto dos homens, mas a ciência dá um grande prêmio à honestidade. Volpato também afirma que (Ibid., p.11) p que torna uma história verdadeira não é a forma como é contada, mas sim os fatos e as relações que a compõem. Esta afirmação traduz uma preocupação que todo pesquisador deve ter consigo em cada atividade de sua vida profissional: na elaboração de um trabalho científico deve-se relatar fielmente o processo realizado, mesmo que seja preciso reconsiderar o propósito inicial da pesquisa, reformulando a própria conclusão.

4 4 2 INICIANDO A PRODUÇAO CIENTÍFICA Para Perini (1996, apud BAGNO, 2007, p.9) as habilidades de raciocínio, observação, formulação e testagem de hipóteses [...] são um pré-requisitos à formação de indivíduos capazes de aprender por si mesmos, criticar o que aprendem e criar conhecimento novo. A pesquisa científica é uma investigação feita com o objetivo expresso de obter conhecimento específico e estruturado sobre um determinado tema. O pesquisador deve ter como foco de análise um objeto ou assunto bem delimitado, concentrando todo seu esforço na solução do problema proposto. Diariamente todos nós realizamos pesquisas das mais variadas formas, sem nos darmos conta de que o fazemos, por exemplo: Ler o manual de instruções de um DVD; Ler a bula de um remédio buscando seus efeitos colaterais; Andar de loja em loja procurando o melhor presente para um amigo; Executar uma receita de bolo, separando os ingredientes; Buscar o significado de uma palavra desconhecida em um dicionário. No entanto, a pesquisa científica vai além dessa rotina despercebida. Ela tem um propósito e segue uma estrutura pré-definida para que tenha seus resultados validados. A pesquisa científica é o fundamento de toda e qualquer ciência. A principal maneira de conferir se um estudo ou trabalho foi motivo de pesquisa é verificar se ela provocou avanços, pois conforme Bagno (2007, p.18) se não houve avanços é porque não houve pesquisa - e se não houve pesquisa é porque não é ciência. Ele cita como exemplo uma consulta aos livros de Ciências de ontem e de hoje. Rapidamente poderemos confirmar que muitas descobertas foram reveladas ao longo do tempo, comprovando que pesquisas na área foram realizadas e validadas. O grau de desenvolvimento de um país também é revelado pela sua representação junto à comunidade científica mundial, pois acompanha a preocupação e comprometimento dos governos com o crescimento científico e tecnológico da nação. Por esta razão toda pesquisa deve ter por objetivo principal a divulgação de seus resultados junto à comunidade científica, uma vez que os índices de publicação científica são fatores determinantes tanto para o crescimento do país

5 5 como para o próprio pesquisador. Em matéria divulgada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) em sua edição número 160 (junho/2009), sobre o crescimento da produção científica brasileira, o Brasil aparece em 13.º lugar no ranking da Web of Science 2008 (um conjunto de base de dados mundial), à frente da Holanda e da Rússia. Isto significa que pesquisas estão sendo publicadas e, principalmente, estão sendo vistas em todo o mundo. 3 COMO, POR QUE E PARA QUÊ FAZER PESQUISA CIENTÍFICA Conforme visto anteriormente, fazer pesquisa científica é de primordial importância para o crescimento e desenvolvimento de um país e da ciência. Para o aluno, universitário ou não, calouro ou veterano, o ato de iniciar uma pesquisa parece, num primeiro momento, precipitado e, às vezes, distante de sua realidade. Grande parte dos estudantes desconhece as possibilidades e o caminho para fazer pesquisa. Limitam-se, quando muito, a realizar trabalhos escolares superficiais, achando que somente quando estiverem formados deverão tomar atitudes mais amadurecidas em relação ao aprofundamento dos seus estudos. Isto se deve ao fato de que boa parte do corpo docente, em especial dos ensinos fundamental e médio, também desconhece estas possibilidades, limitando-se a cumprir sua carga horária nas escolas. Iniciar uma pesquisa científica, seja no ensino médio, seja na universidade, levará o estudante ao amadurecimento de suas idéias e conceitos, estimulará sua criticidade e promoverá uma maior responsabilidade do mesmo com relação ao seu ambiente e com o mundo. O estudante será conduzido a levantar hipóteses, a formular idéias, a questionar, a testar teorias e a criar suas próprias conclusões. Por fim, ele será levado a querer divulgar o que está sendo feito, pois, um dos grandes estímulos para o pesquisador é o reconhecimento por parte de outros estudiosos. Ao iniciar um trabalho científico o estudante inicia uma nova etapa em sua vida profissional. A partir daí ele estará sendo observado pela comunidade acadêmica e científica e seu desempenho será avaliado. Este é um dos fatores motivacionais para o início de uma pesquisa científica. À medida que está sendo observado e avaliado, o estudante-pesquisador terá o reconhecimento pelo seu

6 6 trabalho e, com isto, crescerão suas chances de obter sucesso no mercado de trabalho. Para iniciar-se na vida de pesquisador, o estudante deve seguir alguns passos básicos: 1. Identificar e buscar informações sobre a área com a qual tenha maior afinidade, pois dificilmente se consegue ir adiante estudando algo que não se gosta. 2. Conhecer os órgãos de fomento à pesquisa ligados às universidades, fundações públicas e privadas e os diversos programas de incentivo à pesquisa, mantidos por órgãos federais, estaduais e municipais e também empresas privadas. Por exemplo: FINEP, CNPq, Fundações Estaduais de Pesquisa (Fapepi, Fapesp, Fapese, Fapeam), Fundação Ford, Banco Santander, Banco Itaú, etc. Esses órgãos destinam recursos para pesquisas através de editais divulgados nos seus respectivos sites. 3. Fazer contato com os professores-pesquisadores das instituições de ensino e nas áreas em que esteja interessado em aprofundar seus estudos. Para esse primeiro contato é importante conhecer antecipadamente as linhas de pesquisas do pesquisador (verificar no Currículo Lattes do mesmo) para então apresentar-se e tentar uma indicação em projeto por ele coordenado. Não é tarefa fácil, pois a maioria dos pesquisadores já possui uma espécie de banco de talentos com alunos já familiarizados com os assuntos a serem estudados. Uma opção é iniciar como voluntário desses pesquisadores, que passarão a avaliar o interesse e produtividade do estudante e, posteriormente, poderão indicá-los para as bolsas de pesquisa e iniciação científica. A elaboração dos passos acima citados é fruto de nossa observação pessoal e de questionamentos feitos a alguns pesquisadores na Universidade Federal do Piauí (UFPI) e Universidade Estadual do Piauí (UESPI). Não encontramos essas informações em livros de metodologia científica, elas refletem o nosso entendimento sobre o tema, podendo não ser aplicadas à realidade de outros Estados.

7 7 Um dos meios para iniciar a produção científica são as bolsas oferecidas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), que é uma agência do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) destinada ao fomento da pesquisa científica e tecnológica e à formação de recursos humanos para a pesquisa no país. (site do CNPq). Essas bolsas são disponibilizadas em diversas modalidades e possuem critérios específicos para solicitação. Os interessados devem consultar as normas vigentes nos editais de chamamento para concessão de bolsas, diretamente no site do CNPq. 4 A PESQUISA NA DINÂMICA DA VIDA UNIVERSITARIA Abordaremos a seguir os processos para se realizar uma pesquisa e as modalidades básicas de trabalhos científicos, independentemente da área de conhecimento em que a mesma será realizada. O processo de investigação é constituído de uma seqüência que segue as seguintes etapas: a) ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA Antes de ser realizado, um trabalho de pesquisa precisa ser planejado. O projeto é o registro deste planejamento. Para elaborar o projeto o pesquisador precisa ter bem claro o seu objeto de pesquisa, os problemas, hipóteses, elementos teóricos e etapas que pretende percorrer. Cada item deve obedecer a normas técnicas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), pois elas são indispensáveis para a avaliação do projeto. Esse tipo de trabalho pode ser feito a qualquer momento, independentemente de exigência dos professores. b) LEVANTAMENTO DAS FONTES E DOCUMENTOS A referência como técnica tem por objetivo a descrição e a classificação dos livros e documentos similares, seguindo critérios, tais como autor, gênero, conteúdo, período, etc. Todo material consultado pelo pesquisador deverá ser corretamente referenciado para servir de validação do trabalho realizado e de pesquisas para novos estudos.

8 8 Conforme o assunto a ser aprofundado, o pesquisador poderá fazer uso de diversas fontes de pesquisa, partindo dos principais teóricos da área e sempre procurando as informações mais atualizadas sobre o tema. Materiais podem ser consultados em bibliotecas, centros de documentação, fundações de pesquisa, entidades públicas e privadas, arquivos públicos, jornais, e muitos outros. Ao realizar pesquisas e buscar informações, o pesquisador deverá anotar em lugar apropriado a origem da informação (fichamento). Um livro, um periódico, uma revista científica e até mesmo uma conversa informal que tenha contribuído de maneira essencial ao seu trabalho, devem ser referenciados conforme as normas técnicas adequadas. O bibliotecário é o profissional capacitado a executar esta tarefa corretamente. Para os iniciantes em trabalhos científicos isto pode parecer supérfluo, mas para os avaliadores desses trabalhos e pesquisas, é uma atividade que vai demonstrar o quanto o pesquisador aprofundou e valorizou o tema e que, certamente, contribuirá na avaliação final do trabalho. A Internet enquanto fonte de pesquisa e validação de informação tornou-se indispensável para os diversos campos de conhecimento. Isto porque representa hoje um grande acervo de dados colocado à disposição de todos os interessados, e que pode ser acessado com extrema facilidade graças à sofisticação dos atuais recursos informacionais no mundo inteiro. É preciso saber garimpar. Os sites de pesquisa devem ser de interesse particular da área acadêmica, devendo o pesquisador priorizar aqueles disponibilizados ou indicados pelas próprias bibliotecas das grandes universidades e dos organismos de pesquisa e fomento, nacionais e internacionais. c) A ATIVIDADE DE PESQUISA E A PRÁTICA DA DOCUMENTAÇÃO Terminado o levantamento das fontes, é chegado o momento de se iniciar o trabalho da pesquisa propriamente dito, o momento de leitura e da coleta de dados. Antes de explorar as fontes bibliográficas o pesquisador deve ter em mãos a estrutura geral do seu trabalho, conforme anunciado no projeto. Serão essas idéias que nortearão a leitura e a pesquisa que se inicia. A primeira medida, no entanto, é operar uma triagem em todo o material recolhido durante a elaboração das referências. Nem tudo será necessariamente lido, pois nem tudo interessa devidamente ao tema a ser estudado. Deve-se iniciar

9 pelos textos mais recentes e mais gerais, indo para os mais antigos e mais particulares. 9 d) ANÁLISE DOS DADOS E A CONSTRUÇÃO DO RACIOCÍNIO DEMONSTRATIVO Construção lógica ou síntese é a coordenação inteligente das idéias conforme as exigências racionais da sistematização própria do trabalho. Pode acontecer que devido aos desdobramentos ocorridos durante a pesquisa, alguma mudança se faça necessária para o estabelecimento do plano definitivo, pois a ordem lógica do pensamento de quem escreve pode não coincidir com a ordem de descoberta e de intuição do autor pesquisado. Nesta etapa o pesquisador deverá exercitar intensamente sua capacidade de interpretação dos dados e sua criticidade, de acordo com seu objetivo. e) A REDAÇÃO DO TEXTO Consiste na expressão literária do raciocínio desenvolvido no trabalho. Recomenda-se que a montagem do trabalho seja feita através de uma primeira redação de rascunho até chegar-se ao produto final. É imprescindível que o pesquisador conheça as normas da ABNT ou solicite o apoio de um bibliotecário, pois cada tipo de apresentação possui características e exigências próprias. Do ponto de vista da apresentação geral, um trabalho científico contém as seguintes partes, que irão variar conforme o tipo de trabalho: Elementos pré-textuais: são elementos que antecedem o texto com informações que ajudam na sua identificação e utilização, como: título e sub-título (se houver), nome do autor, resumo na língua do autor, palavras-chave, capa, lombada, folha de rosto, listas (se houver), sumário. (NBR 6022:2003; NBR 15287:2005). Elementos textuais: parte do trabalho em que é exposta a matéria: introdução, desenvolvimento, conclusão. (NBR 6022:2003; NBR 15287:2005). Elementos pós-textuais: são elementos que complementam o trabalho: título, e sub-título (se houver) em língua estrangeira, resumo em língua estrangeira, palavras-chave em língua estrangeira, notas explicativas,

10 referências, glossário, apêndices, anexos. (NBR 6022:2003; NBR 15287:2005). 10 Cada um desses elementos deve ser estudado de forma específica, em trabalho mais aprofundado e não serão abordados neste momento. O pesquisador deve ter a preocupação de consultar as diferentes normas da ABNT antes de publicar sua pesquisa. Para tanto, poderá contar com o auxílio de um profissional bibliotecário que fará a revisão de todo o aspecto normativo do trabalho, adequandoo às exigências da ABNT. AS MODALIDADES DE TRABALHOS CIENTÍFICOS Os trabalhos de natureza científica embora tenham caráter universal nas suas estruturas lógicas e metodológicas, diferenciam-se em função de seus objetivos e da natureza do objeto abordado e em função de exigências específicas de cada área do saber humano onde as várias normas de natureza técnica devem adaptar-se adequadamente. a) TRABALHO CIENTÍFICO E MONOGRAFIA De acordo com a NBR 6022:2003, artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento. A norma NBR 6023:2003 define monografia como sendo item não seriado, isto é, item completo, constituído de uma só parte, ou que se pretende completar em um número preestabelecido de partes separadas. Inferimos das leituras realizadas que monografia é o trabalho que reduz sua abordagem a um único assunto, a um único problema, com tratamento especificado, tendo como característica a unicidade e delimitação do tema. Ou seja, um artigo cientifico é também uma monografia, e ambos são formas de trabalhos exigidas durante os cursos de graduação e de pósgraduação lato sensu (especialização).

11 11 b) TRABALHOS DIDÁTICOS Fazem parte intrínseca da formação técnica ou científica dos estudantes e os levam a buscar, nas devidas fontes, elementos complementares àqueles adquiridos no próprio curso. É nesta fase que além de ampliar seus conhecimentos, o aluno se iniciará no método da pesquisa e da reflexão. Não se exige originalidade nestes trabalhos, o que o qualifica é o uso correto do material preexistente. Nesta categoria são incluídos os comunicados científicos que são trabalhos apresentados em eventos (fóruns, congressos, seminários, reuniões) e visam informar sobre o andamento de determinada pesquisa. c) TCC TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO A norma NBR 14724:2005 estabelece os critérios de informação e apresentação de trabalhos acadêmicos e define trabalhos acadêmicos similares (trabalho de conclusão de curso TCC, trabalho de graduação interdisciplinar TGI, trabalho de conclusão de curso de especialização e/ou aperfeiçoamento e outros): Documento que representa o resultado do estudo, devendo expressar conhecimento do assunto escolhido, que deve ser obrigatoriamente emanado da disciplina, módulo, estudo independente, curso, programa e outros ministrados. Deve ser feito sob a coordenação de um orientador. (grifo do autor). Parte integrante da atividade curricular de muitos cursos de graduação, articulado ao próprio conteúdo do curso, em que o aluno formula um projeto e passa a desenvolvê-lo cumprindo um cronograma nele estabelecido de comum acordo com seu orientador. Pode ser um trabalho teórico, documental ou de campo. Também chamado de monografia, por sua natureza única e específica. d) RELATÓRIO DA PESQUISA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Segundo a norma NBR 15287:2005, projeto de pesquisa compreende uma das fases da pesquisa. É a descrição da sua estrutura. O relatório da pesquisa de iniciação científica é um tipo de relatório diferenciado pelo fato de que está vinculado a uma bolsa, subsídio financeiro para que o aluno possa se dedicar mais intensamente às pesquisas e investigação. São acompanhados e avaliados por comissões especializadas. O graduando pode desenvolver um projeto pessoal, sob a supervisão de um orientador ou participar do desenvolvimento do projeto e pesquisa do próprio orientador. Neste relatório o aluno deve seguir o que foi proposto no projeto de pesquisa.

12 12 e) RESUMOS E RESENHAS Resumo é um trabalho de extração de idéias. Para NBR 6028:2003, resumo é a apresentação concisa dos pontos relevantes de um documento. Ainda segundo esta norma, o resumo pode ser crítico, também chamado de resenha. Pode ser indicativo, quando cita os pontos principais do documento, mas sem apresentar dados e também pode ser informativo, quando especifica com maiores detalhes o documento em análise. Resenha, recensão de livros ou análise bibliográfica é uma síntese ou comentário de livros publicados e são feitos em revistas especializadas das várias áreas da ciência, das artes e da filosofia. É através delas que se toma conhecimento prévio do conteúdo do livro. f) ENSAIO TEÓRICO No ensaio há maior liberdade por parte do autor, no sentido de defender determinada posição sem que tenha de se apoiar no rigoroso e objetivo aparato de documentação empírica e bibliográfica. São características desse tipo de trabalho: o rigor lógico, a coerência de argumentação, exige grande informação cultural e muita maturidade intelectual. Não se dispensa, obviamente, o uso correto das normas técnicas da ABNT. g) RELATÓRIOS TÉCNICOS DE PESQUISA Trata-se comumente de exigência institucional de quem financia bolsas ou projetos, para avaliar o andamento dos projetos financiados ou simplesmente historiar seu desenvolvimento. O relatório pode iniciar com uma retomada dos objetivos do próprio projeto, passando, em seguida, à descrição das atividades realizadas e dos resultados obtidos, devendo ser encerrado com a programação das próximas etapas da continuidade da pesquisa. Deve-se obedecer a norma NBR 15287:2005. Segundo Salomon (2004, p.253) os termos aplicados aos diferentes trabalhos acadêmicos nem sempre tiveram os nomes que têm hoje, pois essas terminologias variam conforme a época e o país. Por exemplo, a denominação método das ciências sociais surgiu na terceira década do século 19, passando a chamar-se trabalho científico escrito no século 20.

13 13 No contexto dessa evolução Salomon (Ibid., p.254) destaca a importância do bibliotecário e da documentação como fundamentais no processo de construção do trabalho acadêmico, enfatizando que é possível realizar pesquisa científica [...] freqüentando apenas os centros de documentação, bibliotecas e bancos de dados mas completa dizendo que:...infelizmente, ainda se ensina pouco em nossos cursos superiores brasileiros como se usa uma biblioteca e, no entanto, a documentação é a mola real de qualquer trabalho científico e da própria formação superior. Infere-se dessa afirmação que o trabalho de pesquisa científica exige grande empenho por parte dos interessados, especificamente na coleta de dados. PARA CONSTRUIR CONHECIMENTO NOVO Segundo Salomon (2007, p. 253) o uso de novos termos para designar velhas coisas, juntamente com a reestruturação do ensino e dos sistemas de formação profissional, provocou reformas e reformulação de conceitos, abordagens e até mesmo dos rituais das solenidades de formaturas. Claro que isto também levou a uma maior projeção intelectual e profissional de quem possui os melhores títulos. Essa última é, sem dúvida, a mola propulsora e o caminho mais óbvio para quem inicia uma produção acadêmica e científica. O mundo competitivo em que vivemos exige do estudante, já nas primeiras séries, uma atitude inquisitiva, curiosa, participativa, em que a pesquisa se faz necessária e imprescindível desde aquele primeiro experimento com o grão de feijão posto em um chumaço de algodão, pelo qual todos nós um dia passamos. Para o estudante-pesquisador, ali se faz ciência e ali se inicia a jornada científica. Em qualquer das ciências, humanas ou exatas, da saúde ou da educação, existe pesquisa científica e inúmeras possibilidades de novas descobertas, bastando que se dê o passo inicial e que o estudante-pesquisador se inquiete diante dos ensinamentos básicos das grades curriculares e busque novos caminhos.

14 Waters (2006, p.75), preocupado com a falta de curiosidade e interesse da maioria dos jovens pela pesquisa, em todos os sentidos da palavra, mas, em especial, à pesquisa acadêmica, cita Benjamin Franklin, que em 1913 escreveu: Cada vez mais somos assaltados pelo seguinte sentimento: nossa juventude é nada mais que uma noite passageira... [que] será seguida pela grande experiência, os anos de compromisso, de empobrecimento das idéias, de falta de energia. Assim é a vida. É isso o que nos dizem os adultos, e foi isso que eles viveram.... Na opinião de Waters alguns teóricos tentam suprimir na juventude acadêmica a expectativa de novas descobertas, temendo perderem o posto de deuses do saber. Nesta categoria ele cita Stanley Fish (reitor de uma conceituada universidade americana), um obcecado pela desconstrução da teoria do conhecimento que propõe a busca por novas idéias de uma forma conveniente somente à sua própria vontade de poder. Para Waters, Fish e seus seguidores temem a idéia de algo novo, que não tenha sido criação deles, fazendo diferença na vida das pessoas. O que Waters enfatiza, e o que o preocupa, é a corrida pelo status, pelo poder, em detrimento da qualidade com o que está sendo feito, pesquisado e divulgado na comunidade científica. Muitos pesquisadores estão preocupados em publicar indistintamente, sem critérios de conteúdo, inovação ou qualidade. Este é o grande perigo da vida acadêmica e do pesquisador: cair na tentação de publicar incessantemente, repetindo as mesmas idéias, os mesmos métodos, trocando apenas a posição das palavras, somente para contar pontos nas avaliações de currículo e constar em citações bibliográficas. E este é um caminho que o estudantepesquisador deve procurar evitar, pois para sobressair-se neste mundo competitivo, o que conta mais é a inovação. 14

15 15 REFERENCIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6022: informação e documentação: artigo em publicação periódica científica impressa: apresentação. Rio de Janeiro: NBR 6023: informação e documentação: referências: elaboração. Rio de Janeiro: NBR 6028: informação e documentação: resumo: apresentação. Rio de Janeiro: NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro: NBR 15287: informação e documentação: projeto de pesquisa: apresentação. Rio de Janeiro: BAGNO, Marcos. Pesquisa na escola: o que é, como se faz. 21. ed.. São Paulo: Ed. Loyola, CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO. Bolsas. Disponível em: <http://www.cnpq.br/bolsas/index.htm>. Acesso em: 16 jun LIMA, Solimar Oliveira. Adeus, Einstein: elaboração de monografias de iniciação de pesquisas científicas. Imperatriz, MA: Solimar de Oliveira Lima, MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, MUITO calor, pouca luz. Revista Pesquisa Fapesp. São Paulo, n. 160, jun Disponível em: <http://www.revistapesquisa.fapesp.br/index.php?art=3871&bd=1&pg=3&lg>. Acesso em: 16 jun SALOMON, Délcio Vieira. Como fazer uma monografia. 11. ed. São Paulo: Martins Fontes, SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. e atual.. São Paulo: Cortez, 2007.

16 16 STERN, Leonardo. A lógica científica. Disponível em: <http://www.pesquisapsi.com>. Acesso em: 15 jun VOLPATO, Gilson Luiz. Dicas para redação científica. 2. ed. Botucatu: Gilson Luiz Volpato, WATERS, Lindsay. Inimigos da esperança: publicar, perecer e o eclipse da erudição. Tradução Luiz Henrique de A. Dutra. São Paulo: Ed. da UNESP, 2006.

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA A IMPORTÂNCIA DA LEITURA Quem não possui o hábito da leitura, precisa desenvolvê-lo, pois é difícil uma formação de qualidade sem muita leitura. Como você costuma selecionar seu material de leitura? O

Leia mais

PPGEM - Iniciação a Pesquisa

PPGEM - Iniciação a Pesquisa UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA Programa de Pós-Graduação em Engenharia Metalúrgica, Materiais e de Minas Av. Antonio Carlos, 6627 Bloco II - sala 2230 31270-901 Belo Horizonte,

Leia mais

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito

Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito 1 Instituto de Ensino Superior de Goiás Faculdades IESGO Direção Acadêmica Coordenação do Curso de Direito PLANO DE ENSINO 1. IDENTIFICAÇÃO: CURSO: DIREITO TURMA: 9º SEMESTRE/NOTURNO DISCIPLINA: Monografia

Leia mais

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA

1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Roteiro para projeto de pesquisa Gildenir Carolino Santos, 2005. 1 ROTEIRO PARA PROJETO DE PESQUISA Antes de passar para a construção ou montagem de um projeto de pesquisa, é importante saber que esse

Leia mais

7/30/2012. Objetivos por Unidade de Ensino Unidade 1 - Ler e elaborar textos acadêmicos e científicos de modo significativo e reflexivo.

7/30/2012. Objetivos por Unidade de Ensino Unidade 1 - Ler e elaborar textos acadêmicos e científicos de modo significativo e reflexivo. Leitura, Interpretação e Produção de Textos. Estrutura e Organização de trabalhos acadêmicos. Pesquisa Cientifica. Elaboração de Projeto de Pesquisa. Proporcionar a inserção do aluno no trabalho acadêmico,

Leia mais

ESTRUTURA DO TIID 2010

ESTRUTURA DO TIID 2010 ESTRUTURA DO TIID 2010 7. Anexos c 7. A ficha de entrevista, agora com as respostas, deve ser apresentada como anexo, após as referências bibliográficas. 6. Referências Bibliográficas 6. As referências

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCAEDHMT01-P A IMPORTÂNCIA EPISTEMOLÓGICA DA METODOLOGIA DE PESQUISA NAS CIÊNCIAS SOCIAIS Ozilma Freire dos Santos (1) Deyve Redyson (3). Centro de Ciências Aplicadas e Educação/Departamento de Hotelaria/MONITORIA

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos REDE DE BIBLIOTECAS ROSY MARA OLIVEIRA (ORG.)

Universidade Presidente Antônio Carlos REDE DE BIBLIOTECAS ROSY MARA OLIVEIRA (ORG.) ROSY MARA OLIVEIRA (ORG.) Colaboração: Dirlhê Maria Lima Pereira Bibliotecária FUPAC Itabirito ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA BARBACENA SUMÁRIO 1 PROJETO DE PESQUISA...2 1.1 Capa...2 1.2

Leia mais

FACULDADE PAULUS DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO. Curso de filosofia Bacharelado e Licenciatura. Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso 2015/1

FACULDADE PAULUS DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO. Curso de filosofia Bacharelado e Licenciatura. Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso 2015/1 FACULDADE PAULUS DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO Curso de filosofia Bacharelado e Licenciatura Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso 2015/1 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO DO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Informação e Comunicação CURSO: Tecnologia em Sistemas para Internet FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA 3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA NOME DO AUTOR (fonte tamanho 12, arial, todas em maiúscula, negrito, centralizado) ESTÁGIO SUPERVISIONADO I OU II DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Este capítulo visa a orientar a elaboração de artigos científicos para os cursos de graduação e de pós-graduação da FSG. Conforme a NBR 6022 (2003, p. 2),

Leia mais

O PROJETO DE PESQUISA

O PROJETO DE PESQUISA 1 O PROJETO DE PESQUISA 1 CONCEITO DE PROJETO DE PESQUISA O Projeto de Pesquisa é um documento elaborado pelo acadêmico, exigido por algumas instituições como fase preparatória à elaboração do Trabalho

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA

FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA CURSO DE ENFERMAGEM MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) AV. José de Grande, 332 Marília - SP FONE (14) 34021813 e.mail: serie3e4enf@famema.br http://www.famema.br

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PARA OS ESTUDANTES DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG APRESENTAÇÃO Prezado(a) aluno(a): Este manual tem como objetivo orientá-lo quanto às normas do Trabalho de

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

ELEMENTOS DO PROJETO DE PESQUISA ROTEIRO DO PROJETO

ELEMENTOS DO PROJETO DE PESQUISA ROTEIRO DO PROJETO ELEMENTOS DO PROJETO DE PESQUISA ELEMENTO EXTERNO Capa (seguir modelo em anexo); ELEMENTOS INTERNOS PRÉ-TEXTUAIS Folha de rosto e sumário (seguir modelo em anexo); TEXTUAIS itens 1 a 8 do roteiro do projeto

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA:

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA: PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social Coordenação: Naiara Magalhães Professor (a): Adriana Barros Disciplina: Pesquisa Social I Carga horária: 60h Período: 1º/2014

Leia mais

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Padrão FEAD de normalização Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Objetivo Visando padronizar os trabalhos científicos elaborados por alunos de nossa instituição Elaboramos este manual

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO*

CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* CONTRIBUIÇÕES DA EXPERIÊNCIA EM PESQUISA NA GRADUAÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NA VISÃO DE ALUNOS DE DOIS PROGRAMAS DE MESTRADO* Maria Benedita Lima Pardo Tatiana Cardoso Andrade Ilka Thiziane Teixeira

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO SISTEMA DE BIBLIOTECAS Dr. JALMAR BOWDEN PROJETO DE PESQUISA NOEME VIANA TIMBÓ

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO SISTEMA DE BIBLIOTECAS Dr. JALMAR BOWDEN PROJETO DE PESQUISA NOEME VIANA TIMBÓ UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO SISTEMA DE BIBLIOTECAS Dr. JALMAR BOWDEN PROJETO DE PESQUISA NOEME VIANA TIMBÓ MANUAL PARA PROJETO DE PESQUISA: SEGUNDO ABNT NBR 15287 AGOSTO DE 2002 SÃO BERNARDO DO

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 2 você deverá:

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 2 você deverá: Tópico 2 Trabalhos acadêmicos: monografias, dissertações, teses e memoriais n. O que você deverá saber Ao final do estudo do Tópico 2 você deverá: - saber identificar cada tipo de trabalho acadêmico, bem

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MANUAL DE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA FORMOSA/GO

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS NA ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS NA ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA - FADIVA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PESQUISA E MONOGRAFIA PROFª Ms Mª AUXILIADORA PINTO COELHO FROTA MATÉRIA: METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO ORIENTAÇÕES BÁSICAS NA ELABORAÇÃO

Leia mais

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO ARTIGO CIENTÍFICO Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1)

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) 1 COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) SOBRENOME, Nome Aluno 1 Graduando em Administração de Empresas Decision/FGV SOBRENOME, Nome Aluno 2 Graduando em Administração de Empresas Decision/FGV RESUMO Este

Leia mais

FACULDADE DE COLIDER- FACIDER

FACULDADE DE COLIDER- FACIDER 1 FACULDADE DE COLIDER- FACIDER ELABORAÇÃO DE TRABALHO CIENTÍFICO (ARTIGO, RESENHA e RESUMO) Reelaborado em 2012/2 Profa.Naira J. Neves de Brito COLIDER MT 2012 2 SUMARIO 1 ARTIGO... 3 1.1 Estrutura de

Leia mais

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS MONOGRAFIA Trata-se de uma construção intelectual do aluno-autor que revela sua leitura, reflexão e interpretação sobre o tema da realidade. Tem como base a escolha de uma unidade ou elemento social, sob

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

FLUXOGRAMA DA PESQUISA

FLUXOGRAMA DA PESQUISA FLUXOGRAMA DA PESQUISA Desde a preparação até a apresentação de um relatório de pesquisa estão envolvidas diferentes etapas. Algumas delas são concomitantes; outras são interpostas. O fluxo que ora se

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA

CURSO DE FISIOTERAPIA CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Trabalho de Conclusão de Curso II Código: FISIO 212 Pré-Requisito: - Período Letivo:

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS. FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS. FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FAIBI Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ibitinga Ibitinga/ SP 2010 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 REGRAS GERAIS... 3 2.1 DAS FINALIDADES... 3 2.2

Leia mais

Tópico 7 Planejamento e Projetos. O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 7 você deverá:

Tópico 7 Planejamento e Projetos. O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 7 você deverá: Tópico 7 Planejamento e Projetos n. O que você deverá saber Ao final do estudo do Tópico 7 você deverá: - ser capaz de elaborar e orientar projetos de serviços e projetos de pesquisa; - ter adquirido conhecimentos

Leia mais

Metodologia do Ensino e Pesquisa Tecnológica - MEPT

Metodologia do Ensino e Pesquisa Tecnológica - MEPT Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco POLI/UPE Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil PEC Metodologia do Ensino e Pesquisa Tecnológica - MEPT CONTRATO DE CONVIVÊNCIA Profª. Emilia Kohlman

Leia mais

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Manual de Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Engenharia de Produção NATAL RN 2010 Apresentação O curso de Engenharia de Produção institui

Leia mais

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa. Curso: TECNÓLOGOS LOGÍSTICA E COMÉRCIO EXTERIOR

Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa. Curso: TECNÓLOGOS LOGÍSTICA E COMÉRCIO EXTERIOR Disciplina: Métodos e Técnicas de Pesquisa Curso: TECNÓLOGOS LOGÍSTICA E COMÉRCIO EXTERIOR Texto 3 : ESQUEMA, RESUMO, RESENHA e FICHAMENTO 1 ESQUEMA O esquema é um registro gráfico (bastante visual) dos

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Prof. Marcos Nicolau (Artigo científico, Monografia e Projeto de Pesquisa)

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Prof. Marcos Nicolau (Artigo científico, Monografia e Projeto de Pesquisa) METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO Prof. Marcos Nicolau (Artigo científico, Monografia e Projeto de Pesquisa) APRESENTAÇÃO Os cursos de especialização do país têm adotado, como exigência para conclusão

Leia mais

NORMAS GERAIS DE ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO

NORMAS GERAIS DE ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR MÚLTIPLO IESM DIRETORIA ACADÊMICA NORMAS GERAIS DE ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO TIMON MA 2010 INSTITUTO DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC ANEXO A TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE Nome do Aluno: Matricula: Título do TCC CONCLUSAO DE CURSO (TCC) Solicito que seja designado como meu Orientador do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA - MG NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: SUBTÍTULO DO PROJETO (SE HOUVER)

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA - MG NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: SUBTÍTULO DO PROJETO (SE HOUVER) FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA - MG NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: SUBTÍTULO DO PROJETO (SE HOUVER) UBERLÂNDIA 2013 NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: subtítulo do projeto (se houver) Projeto de Pesquisa

Leia mais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E GERENCIAIS 2012 GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) HOW TO ELABORATE A SCIENTIFIC ARTICLE

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) HOW TO ELABORATE A SCIENTIFIC ARTICLE 1 COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO (1) HOW TO ELABORATE A SCIENTIFIC ARTICLE SOBRENOME, Nome Aluno 1 Graduando em Educação Artística Unifadra / Dracena SOBRENOME, Nome Aluno 2 Graduando em Educação Artística

Leia mais

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA A elaboração da monografia deve ter como referência a ABNT NBR 14724/ 2006, a qual destaca que um trabalho acadêmico compreende elementos pré-textuais,

Leia mais

Componente Curricular: Metodologia da Pesquisa Científica PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Metodologia da Pesquisa Científica PLANO DE CURSO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Reconhecimento Renovado pela Portaria MEC nº 264 de 14.07.11, DOU de 19.07.11. Componente Curricular: Metodologia da Pesquisa Científica Código: CTB-190 Pré-requisito: ----------

Leia mais

FACULDADE LOURENÇO FILHO PEQUENO GUIA PARA INSCRIÇÃO E APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA DA FLF

FACULDADE LOURENÇO FILHO PEQUENO GUIA PARA INSCRIÇÃO E APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA DA FLF FACULDADE LOURENÇO FILHO PEQUENO GUIA PARA INSCRIÇÃO E APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA DA FLF 2015 SUMÁRIO Introdução... 01 2. Da Inscrição... 03 3. Da Orientação... 03 4. Da Apresentação... 03 5. Da Avaliação...

Leia mais

Tipos de Resumo. Resumo Indicativo ou Descritivo. Resumo Informativo ou Analítico

Tipos de Resumo. Resumo Indicativo ou Descritivo. Resumo Informativo ou Analítico Resumir é apresentar de forma breve, concisa e seletiva um certo conteúdo. Isto significa reduzir a termos breves e precisos a parte essencial de um tema. Saber fazer um bom resumo é fundamental no percurso

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DE ACORDO COM AS NORMAS DE DOCUMENTAÇÃO DA ABNT

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DE ACORDO COM AS NORMAS DE DOCUMENTAÇÃO DA ABNT MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS DE ACORDO COM AS NORMAS DE DOCUMENTAÇÃO DA ABNT HELENA DE CARVALHO SICSÚ 1 RESUMO Este trabalho apresenta os elementos que constituem a estrutura de um artigo

Leia mais

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5. 5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.2 Capa... 48 5.3 Folha de rosto... 51 5.4 Errata... 53

Leia mais

Fundação Presidente Antonio Carlos de Aimorés - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés

Fundação Presidente Antonio Carlos de Aimorés - FUPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos de Aimorés REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) constitui-se em um componente curricular obrigatório para obtenção do grau respectivo quando assim é determinado

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRIMEIROS PASSOS 2.1 Desvendando o trabalho científico: o que é uma monografia jurídica? 2.2 Tipos de trabalhos científicos 2.2.1 Artigo científico 2.2.2 Paper 2.2.3 Sinopse 2.2.4

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA

TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA CURSO DE DIREITO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA RIO DE JANEIRO MÊS - ANO NOME DO AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao orientador

Leia mais

UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO DIRETORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PESQUISA

UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO DIRETORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PESQUISA EDITAL 59-1/2012 ABRE PERÍODO DE INSCRIÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - MESTRADO PROFISSIONAL ADOLESCENTE EM CONFLITO COM A LEI DA UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 Jaciara-MT COMPOSIÇÃO DA MONOGRAFIA MONOGRAFIA Recebe nº página CAPA FOLHA DE ROSTO FOLHA DE APROVAÇÃO DEDICATÓRIA (OPCIONAL) AGRADECIMENTO (OPCIONAL) EPIGRAFE

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS BIBLIOTECA CRUZ E SOUSA

COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS BIBLIOTECA CRUZ E SOUSA COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS BIBLIOTECA CRUZ E SOUSA MATERIAL DE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS FLORIANÓPOLIS 2009 CESUSC

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas Trabalho de Conclusão de Curso - TCC - Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas 1. O que é o TCC? O O TCC é uma atividade de síntese e integração de conhecimentos adquiridos ao longo do curso,

Leia mais

ANEXO II - Trabalho de conclusão de curso (TCC)

ANEXO II - Trabalho de conclusão de curso (TCC) ANEXO II - Trabalho de conclusão de curso (TCC) O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) compreende a elaboração de trabalho de caráter individual teórico, projetual ou aplicativo, com observância de exigências

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA METODOLOGIA CIENTÍFICA PROGP/PACC-NEAD/UFSJ

TERMO DE REFERÊNCIA METODOLOGIA CIENTÍFICA PROGP/PACC-NEAD/UFSJ TERMO DE REFERÊNCIA METODOLOGIA CIENTÍFICA PROGP/PACC-NEAD/UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA REITORA Valéria Heloísa Kemp VICE-REITOR Sérgio Augusto Araujo Gama Cerqueira

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso (Administração) ETEC TEOTÔNIO ALVES PEREIRA

Trabalho de Conclusão de Curso (Administração) ETEC TEOTÔNIO ALVES PEREIRA Trabalho de Conclusão de Curso (Administração) ETEC TEOTÔNIO ALVES PEREIRA Objetivo: Estas diretrizes têm por objetivo padronizar a apresentação dos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) dos Cursos Técnicos

Leia mais

PRODUÇÃO DE ARTIGOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS - uma exigência permanente

PRODUÇÃO DE ARTIGOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS - uma exigência permanente 1 PRODUÇÃO DE ARTIGOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS - uma exigência permanente Os integrantes da comunidade acadêmica - professores-pesquisadores, técnicos especializados e estudantes devem produzir artigos técnico-científicos

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO

NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO Aprovado pelo Colegiado do Curso através da Resolução nº 03 de 13 de agosto de 2010 NORMAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

NORMAS PARA ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO NORMAS PARA ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Rosangela Alves de Oliveira * Nome do (s) autor (s) RESUMO Este trabalho estabelece as orientações para apresentação de um artigo científico. Todas as informações

Leia mais

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO

METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO RESUMO METODOLOGIA UTILIZADA PELOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA NO ENSINO MÉDIO DAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL DE JATAÍ-GO LIMA, Raiane Ketully Vieira Acadêmica do curso de Educação Física licenciatura da Universidade

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 242/2006 Regulamenta os Cursos de Pósgraduação lato sensu na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº PRPPG-036/2006, aprovou e eu

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

RESOLUÇÃO 03/2011. Art. 03. Seguem os Anexos e Glossário que explicitam esta Resolução. Art. 04. Esta Resolução entra em vigor, nesta data.

RESOLUÇÃO 03/2011. Art. 03. Seguem os Anexos e Glossário que explicitam esta Resolução. Art. 04. Esta Resolução entra em vigor, nesta data. RESOLUÇÃO 03/2011 O Diretor Geral da FACCAT, no uso de suas atribuições, em conformidade com o Regimento, estabelece as diretrizes de apresentação dos Trabalhos de Conclusão de Curso T.C.C., Monografias

Leia mais

Faculdade de Educação, Ciências e Letras D O N D O M Ê N I C O O QUE É UM ARTIGO CIENTÍFICO

Faculdade de Educação, Ciências e Letras D O N D O M Ê N I C O O QUE É UM ARTIGO CIENTÍFICO O QUE É UM ARTIGO CIENTÍFICO O artigo cientifico é um texto escrito para ser publicado num periódico especializado e tem o objetivo de comunicar os dados de uma pesquisa, seja ela experimental, quase experimental

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Faculdade de Jussara FAJ Curso de Direito Coordenação de Trabalho de Conclusão de Curso MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Jussara 2013 APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003)

PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003) PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003) Maio de 2012. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária. Programa de capacitação. 2 NORMAS

Leia mais

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 Paula Carina de Araújo paulacarina@ufpr.br 2014 Pesquisa Pesquisa Atividade básica da ciência

Leia mais

FACULDADE JAUENSE REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

FACULDADE JAUENSE REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE JAUENSE REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO JAÚ/ SP - 2014 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FAJAU REGULAMENTO APRESENTAÇÃO Art. 1º O presente regulamento tem como finalidade de normatizar

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DA FACULDADE DE MIRANDÓPOLIS-FAM-CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DA FACULDADE DE MIRANDÓPOLIS-FAM-CURSO DE SERVIÇO SOCIAL FACULDADE DE MIRANDÓPOLIS Administração: Reconhecido pela Portaria nº 4218, de 06/12/2005, D.O.U. de 07/12/2005 Pedagogia: Reconhecido pela Portaria nº 42, de 22/05/2006, D.O.U. de 24/05/2006 Serviço Social:

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Andersown Becher Paes de Barros * Ideraldo Bonafé ** RESUMO Este trabalho apresenta

Leia mais

MANUAL DE NORMATIZAÇÃO ATELIER TÉCNICO-CIENTÍFICO

MANUAL DE NORMATIZAÇÃO ATELIER TÉCNICO-CIENTÍFICO MANUAL DE NORMATIZAÇÃO ATELIER TÉCNICO-CIENTÍFICO Vitória/2012 - Atualização/2014 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 PAINÉL OU PÔSTER... 4 RESUMO EXPANDIDO... 6 RESENHAS: CRÍTICA E/OU TEMÁTICA... 7 PAPER... 9

Leia mais

Curso de Pós Graduação em Energia SEMINÁRIOS DE ENERGIA (ENE-105)

Curso de Pós Graduação em Energia SEMINÁRIOS DE ENERGIA (ENE-105) Curso de Pós Graduação em Energia SEMINÁRIOS DE ENERGIA (ENE-105) Prof. Dr. Federico Bernardino Morante Trigoso Prof. Dr. Luis Alberto Martinez Riascos Santo André, SP Setembro de 2012 federico.trigoso@ufabc.edu.br

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE PIO XII REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ( 6º PERÍODO/2013-7º PERÍODO/2014-8º PERÍODO/2014 ) Cariacica 2013/2014 FACULDADE DE ESTUDOS

Leia mais

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS Baseado nas obras de Júnia Lessa França e Ana Cristina de Vasconcellos; Rosy Mara Oliveira. Atualizado

Leia mais

Metodologia Científica. César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato

Metodologia Científica. César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato Metodologia Científica César de Paula Diego Vilela Elisane Silva Fabrício Aranda Wesley Sato Metodologia Científica Introdução Métodos Introdução Metodologia científica é a forma como se conduz uma pesquisa,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1 DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 1 DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012 1 RESOLUÇÃO Nº 1 DE 9 DE NOVEMBRO DE 2012 Regulamenta a orientação, elaboração e apresentação do Trabalho de Graduação nos cursos tecnológicos da Fatec Professor Fernando Amaral de Almeida Prado. A diretora

Leia mais

FARN - Faculdade Natalense para o Desenvolvimento do Rio Grande do Norte Rua Prefeita Eliane de Barros, 2000 - Tirol - Natal/RN. CEP 59.

FARN - Faculdade Natalense para o Desenvolvimento do Rio Grande do Norte Rua Prefeita Eliane de Barros, 2000 - Tirol - Natal/RN. CEP 59. NORMAS PARA PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS NA REVISTA DA FARN 1 A Revista da Faculdade Natalense para o Desenvolvimento do Rio Grande do Norte - FARN é uma publicação semestral que se destina à divulgação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE JAGUARÃO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE JAGUARÃO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE JAGUARÃO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: Pesquisa em Educação PROFESSOR: Ms. Everton Fêrrêr de Oliveira I IDENTIFICAÇÃO 1. Universidade

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS Curso: Metodologia da Pesquisa Área: Literatura e Cultura Período: 2013.2 Créditos: 04 (60h/aula)

Leia mais

Sociedade Educacional da Paraíba - SEDUP Faculdades de Ensino Supeior da Paraíba - FESP

Sociedade Educacional da Paraíba - SEDUP Faculdades de Ensino Supeior da Paraíba - FESP Sociedade Educacional da Paraíba - SEDUP Faculdades de Ensino Supeior da Paraíba - FESP REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TCC CURSO DE DIREITO DA FESP FACULDADES Ultima versão 21/08/2012 CAPÍTULO

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA 2 O PROJETO DE PESQUISA DEVE, ESSENCIALMENTE, RESPONDER ÀS PERGUNTAS:

PROJETO DE PESQUISA 2 O PROJETO DE PESQUISA DEVE, ESSENCIALMENTE, RESPONDER ÀS PERGUNTAS: 1 PROJETO DE PESQUISA 1 CONCEITO O Projeto de pesquisa é um intento, um plano mais ou menos detalhado das atividades que se pretende empreender num trabalho de natureza investigativa, explicitando-se as

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO CAPITULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação da UNIABEU são regidos pela Lei Federal 9394/96 Lei de Diretrizes

Leia mais

ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA

ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA ANEXO 1 MODELO DE PROJETO DE PESQUISA UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIENCIAS JURÍDICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MESTRADO ACADÊMICO NOME DO(A) CANDIDATO(A) TÍTULO Projeto de pesquisa

Leia mais

Programa da Disciplina

Programa da Disciplina INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E tecnologia PARAÍBA Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - Campus Cajazeiras Diretoria de Ensino / Coord. do Curso

Leia mais

NORMAS PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC

NORMAS PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO BAIXO TOCANTINS FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA RUA Manoel de Abreu, s/n, Bairro: Mutirão, CEP: 68.440-000 Fone/Fax:

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE FONOAUDIOLOGIA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE FONOAUDIOLOGIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE FONOAUDIOLOGIA Este regulamento se baseia nos termos da Resolução CNE/CES 5 de 19 de fevereiro de 2002, que institui Diretrizes Curriculares Nacionais do

Leia mais

Uma Abordagem Teórica sobre o Projeto de Pesquisa nas Ciências Sociais Aplicadas

Uma Abordagem Teórica sobre o Projeto de Pesquisa nas Ciências Sociais Aplicadas Uma Abordagem Teórica sobre o Projeto de Pesquisa nas Ciências Sociais Aplicadas Jorge Expedito de Gusmão Lopes, PhD Universidade Federal de Pernambuco jlopes@ufpe.br Marcleide Maria Macedo Pederneiras,

Leia mais