ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIA DO MOVIMENTO HUMANO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIA DO MOVIMENTO HUMANO"

Transcrição

1 FACULDADE DE EDUCAÇÃO, SAÚDE E MEIO AMBIENTE FAEMA ESPECIALIZAÇÃO EM CIÊNCIA DO MOVIMENTO HUMANO A CONCEPÇÃO DE PROFESSORES FORMADOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO À INCLUSÃO DA DANÇA NO PLANEJAMENTO DAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ENSINO FUNDAMENTAL MARCIO TEIXEIRA DA SILVA MONOGRAFIA DE PÓS GRADUAÇÃO - ESPECIALIZAÇÃO PIMENTA BUENO RONDÔNIA 2009

2 2 MARCIO TEIXEIRA DA SILVA A CONCEPÇÃO DE PROFESSORES FORMADOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO À INCLUSÃO DA DANÇA NO PLANEJAMENTO DAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ENSINO FUNDAMENTAL Monografia de pós - graduação apresentada ao departamento de Educação Física, da Faculdade de Educação, Saúde e Meio Ambiente - FAEMA, como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Ciência do Movimento Humano. Orientador: Prof. Ms. Ramón Núnez Cárdenas. PIMENTA BUENO RONDÔNIA 2009

3 3 MARCIO TEIXEIRA DA SILVA A CONCEPÇÃO DE PROFESSORES FORMADOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO À INCLUSÃO DA DANÇA NO PLANEJAMENTO DAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ENSINO FUNDAMENTAL BANCA EXAMINADORA AVALIADORES Nota Nota Nota Média Final

4 4 DEDICATÓRIA Aos nossos pais que deram a nós condições e estrutura emocional para chegarmos até aqui. Aos nossos familiares por terem compreendido a nossa distância, mesmo nos momentos que estávamos aos seus lados.

5 5 AGRADECIMENTOS À nosso Criador, por tudo o que tem nos dados, principalmente pela nossa saúde física e mental. A meu orientador, Ramon Núnez Cárdenas, por ter aceitado me acompanhar ao longo desta jornada, me proporcionando um conhecimento ímpar, pois ele é a dança, a música e a paz em pessoa. A todos professores, por terem compreendido a essência do que aqui apresentamos, assim como por contribuírem com a nossa carreira, por terem nos incentivado no momento crucial deste trabalho que é a hora da apresentação, do decurso final. Aos professores que nos acompanharam ao longo do curso, e aqueles que por motivos diversos não permaneceram ao nosso lado, pois todos deixam um pouco de si para a nossa turma. A todos os membros da FAEMA, que participaram direta ou indiretamente da nossa vida acadêmica.

6 "Toda dança é uma espécie de roteiro febril, um gráfico do coração." (Martha Graham) 6

7 7 RESUMO Trabalhando com a dança, nesta pesquisa, pode-se conhecer parte do que pensam professores de Educação Física e também alunos, sobre a inclusão da dança como parte integrante do currículo escolar. Feito a pesquisa com 5 professores de Educação Física e 370 alunos de 3 escolas estaduais do município de Cacoal/RO, pôde-se ter uma visão ampla, alcançando o objetivo da pesquisa: verificar A CONCEPÇÃO DE PROFESSORES FORMADOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO À INCLUSÃO DA DANÇA NO PLANEJAMENTO DAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ENSINO FUNDAMENTAL, nas escolas estaduais de Cacoal/RO. Percebeu-se que a dança não é trabalhada nas escolas no ensino fundamental como conteúdo programático, mas em datas comemorativas e que os professores acreditam ser importante à dança na escola para o desenvolvimento motor e social da criança. Percebeu-se também que a maioria dos alunos gosta de dançar e quais são seus ritmos preferidos. Este trabalho só foi possível por sua natureza exploratória e descritiva, com pesquisa de campo por meio de questionários. Esta pesquisa resultou na percepção da necessidade do conteúdo de dança no planejamento das escolas estaduais de Cacoal, Rondônia. Palavras-chaves: Dança; Educação Física; Motivação.

8 8 ABSTRACT Working with the dance, in this research, we can know of what they think physical education teachers and also students, regarding the inclusion of dance as part of the curriculum. Doing research with 5 physical education teachers and 370 students in 3 public schools in the city of Cacoal / RO, we could have a broad vision to the goal of the research: check DESIGN TEACHER GRADUATES IN PHYSICAL EDUCATION FOR INCLUSION OF DANCE LESSONS IN PLANNING OF PHYSICAL EDUCATION FOR ELEMENTARY, in state schools Cacoal / RO. It was felt that the dance is not worked in schools as elementary school syllabus, but in celebrations and that teachers believe is important to dance at the school in developing motor and social development. We also noticed that most students like to dance and what are your favorite tunes. This work was made possible by its nature exploratory and descriptive, with field research using questionnaires. This research resulted in the perception of the need of the content of dance in the planning of the state schools of Cacoal, Rondônia. Keywords: Dance, Physical Education, Motivation.

9 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Contextualização Histórica Problematização Justificativa Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Questões de Pesquisa REVISÃO LITERÁRIA Dança Contemporânea e Dança Moderna A Dança nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) Dança na Escola A Importância da Dança na Escola MOTIVAÇÃO Motivação nas aulas de Educação Física METODOLOGIA Tipo da Pesquisa Campo de Ação Caracterização da População em Estudo Amostragem Instrumento de Coleta de Dados Resultados e Análise dos Dados Procedimentos da Pesquisa APRESENTAÇÃO, DISCUSSÃO E ANÁLISE DOS DADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES Apêndice A Apêndice B Apêndice C Apêndice D Apêndice E... 66

10 10 GRÁFICOS RESULTADOS DOS QUESTIONÁRIOS APLICADOS AOS PROFESSORES Gráfico 1:Gênero Gráfico 2: Faixa etária Gráfico 3: Formação Superior Gráfico 4: Tempo de atuação como professor(a) Gráfico 5: Importância da dança na escola Gráfico 6: Dança incluída no planejamento Gráfico 7: Dança no ensino escolar Gráfico 8: Opinião sobre ser trabalhada a dança como conteúdo programático da escola Gráfico 9: Benefícios da dança para a educação escolar Gráficos 10 e 11: Importância do trabalho conjunto do professor de classe com o profissional de Educação Física no Ensino Fundamental Gráfico 12: Dança na prevenção de doenças RESULTADOS DOS QUESTIONÁRIOS APLICADOS AOS ALUNOS Gráfico 1: Gênero Gráfico 2: Participação nas aulas de Educação Física Gráfico 3: Dança nas aulas de Educação Física Gráfico 4: Ritmo que mais gosta de dançar... 54

11 11 1 INTRODUÇÃO A dança contribui para a formação do indivíduo enquanto ser sociável e para o desenvolvimento motor e cognitivo. Na procura pela valorização desta atividade, apresenta neste trabalho uma pesquisa voltada para a concepção de professores que atuam em escolas públicas estaduais de Cacoal/RO, preocupando-se em identificar fatores que contribuam com uma possível implantação da dança nos currículos escolares. Desta forma, que seja a Educação Física mentora destas atividades, levando o aluno a conhecer e dominar o seu corpo, em prol de uma vida com mais qualidade. A pesquisa realizada com 05 professores de Educação Física e 370 alunos contribuiu para conhecer a concepção destes que leva a identificação da melhoria da auto-estima, o auxílio na socialização dos alunos, a transmissão de valores, o desenvolvimento motivacional e motor como benefícios da prática da dança nas escolas. E como a dança evoluiu através dos tempos, a escolha do ritmo adequado, poderá fazer com que participação dos alunos nessas aulas seja igual ou maior que nas aulas com jogos e outras brincadeiras. Para que haja uma integração entre professores de Educação Física e professores de classe são necessários que sejam desenvolvidos projetos, planejamentos interdisciplinares entre estes, interagindo, trocando experiências. Assim, deve-se ao professor de classe uma compreensão adequada do que é e qual a importância da Educação Física de modo geral, para que haja realmente uma

12 12 junção de forças para que o aluno tenha uma aprendizagem de qualidade voltada para a realidade em que este aluno está inserido. Assim, defende os Parâmetros Curriculares Nacionais, assim se defende nesta pesquisa. 1.1 Contextualização Histórica A história da dança é muito antiga como também a música, são elos muito fortes, pois uma sempre dependeu da outra. O homem, desde a época primitiva se manifestava através de sons, expressão corporal ou para exteriorizar algum sentimento. Ao estudar a vida de diferentes povos, desde as civilizações mais antigas até as atuais, comumente se encontra o jogo, o desporto e a dança, como formas de manifestações culturais e de educação das crianças. O homem dança, impulsionado por qualquer tema e em qualquer ocasião. Com tudo isto se pode dizer que a dança foi evoluindo através dos tempos chegando ao mundo contemporâneo (FAHLBUSCH, 1990). A dança remonta a tempos imemoriais, pré-históricos, e é tão velha como a própria vida humana. Desde as primeiras manifestações de comunhão mística do homem com a natureza misteriosa, nasceu à dança, como expressão espontânea e dinâmica das emoções primitivas do Homo Sapiens. A dança ritmo nesta época préhistórica é uma espécie de pré-arte a base emocional e vital para a futura arte da dança. A dança, como toda atividade humana, sofreu modificações através dos tempos, até chegar ao que ela é hoje. E é essa dança que temos hoje é que devemos levar para as escolas, por isso o trabalho apresentado nesta produção acadêmica.

13 Problematização A intenção de tornar real a dança na escola e não deixar que ela apareça apenas em datas comemorativas é fazer com que ela seja parte do conteúdo programático e utilizar essa atividade para a contribuição integral dos nossos alunos. É preciso criar, em cada aula, diferentes oportunidades de contato com a atividade lúdica, para fazer presente o principal objetivo que é o prazer de dançar. É comum encontrar nas escolas currículos da disciplina de Educação Física, na qual constam diversos tipos de jogos e atividades afins, mas sem constar a dança. Ciente de que a dança contribui para o desenvolvimento motor da criança, torna-se necessário um trabalho de identificação e conscientização da importância desta atividade no desenvolvimento da criança. Uma das maneiras de introduzir a dança na escola é através das brincadeiras de rodas que nesta fase do desenvolvimento da criança, é muito importante, pois auxiliará o professor a trabalhar dança na escola com mais facilidade. O brincar de roda ou cirandar sempre alegrou as crianças em qualquer época e em todos os países. É a brincadeira mais completa do ponto de vista pedagógico, onde a criança desenvolve-se integralmente ao ritmo de danças ingênuas, sendo que o canto e a música são as formas mais expressivas da manifestação da alma infantil. E com a evolução da dança, muitos ritmos foram surgindo. Isso nos dá uma grande quantidade de ritmos que podem ser trabalhados nas escolas. Com a escolha certa, a participação dos alunos nessas aulas poderá ser igual ou maior que nas aulas com jogos e outras brincadeiras.

14 14 Com base nisso, queremos saber se nas escolas estaduais da área urbana do município de Cacoal, a dança está incluída como conteúdo programático de Educação Física. Diante do exposto, pergunta-se: Qual a concepção de professores formados em Educação Física quanto à inclusão da dança no planejamento das aulas de Educação Física no Ensino Fundamental nas Escolas Estaduais de Cacoal/RO? 1.3 Justificativa Problemas de desenvolvimento motor, com freqüência são diagnosticados em alunos das séries iniciais. Pensando em uma alternativa que haja desenvolvimento motor, percebeu-se que a dança pode ser uma boa solução, sendo que a dança não é só movimento, mas também um pensamento, uma arte, uma cultura que se dá através de um processo de corpo e mente. Acredita-se que as aulas de dança envolvem o aluno e o ambiente, fazendo com que busquem novas possibilidades de movimentos contextualizando com sua realidade, trocando informações com os colegas, solucionando problemas propostos, fazendo relações, e conseqüentemente, gerando conhecimento. Assim as aulas de Educação Física será um espaço para que os indivíduos passem a fazer parte de uma sociedade mais aberta a arte. Além de envolver o aluno em outras atividades nas aulas de Educação Física, através da dança, pode-se tornar os alunos mais participativos nas aulas, pois eles terão uma motivação a mais para participarem das aulas de Educação Física. Motivação essa que pode ser desenvolvida através da escolha do ritmo certo ou o que eles mais gostem de dançar.

15 15 Estudiosos como Barufi (2001), Claro (1995), Camargo (1994), Fahlbusch (1990), Gaspari (2002), Laban (1990), Leal (1998), Marques (1997), Moreira (2003), Nanni (2001), Paiva (2000) e Verderi (2000) são enfáticos ao dizerem que a dança é uma das atividades físicas que mais contribui para o desenvolvimento cognitivo, e destas leituras surgiu o desejo de contribuir com o estudo acerca do tema. 1.4 Objetivos Objetivo Geral Identificar a concepção de professores formados em Educação Física e dos alunos quanto à inclusão da dança no planejamento das aulas de Educação Física no Ensino Fundamental nas Escolas Estaduais de Cacoal/RO Objetivos Específicos a) Verificar a concepção de profissionais formados em Educação Física, quanto à inclusão da dança nas aulas de Educação Física. b) Constatar a concepção que os alunos tem da dança e o que acham da sua inclusão nas aulas de Educação Física. c) Analisar e comparar o desenvolvimento motivacional dos alunos nas aulas de Educação Física.

16 Questões de Pesquisa a) Qual a concepção dos profissionais formados em Educação física, quanto à inclusão da dança nas aulas de Educação Física? b) Qual a concepção que os alunos tem da dança e o que acham da sua inclusão nas aulas de Educação Física? c) Qual o resultado da análise e comparação do desenvolvimento motivacional dos alunos nas aulas de Educação Física?

17 17 2. REVISÃO DA LITERATURA A criança é um ser dinâmico, com múltiplas habilidades físicas e indagações naturais, utilizando as habilidades motoras para expandir seu ser. O movimento é de vital importância para o desenvolvimento da criança, é de tal forma inerente à sua vida, à sua infância que o movimento está relacionado ao seu crescimento, desenvolvimento e funções mentais, contribuindo para um crescimento ímpar. Psicólogos, pesquisadores, professores de diversos campos educacionais, particularmente a área de Educação Física tem se voltado para o aperfeiçoamento de programas de atividades motoras da 1ª infância. Teorias e experiências comprovam a necessidade de promover experiências em aprendizagem motora para estimular o desenvolvimento mental da criança. Para Nanni (1995, p.40) As atividades de dança deverão ser combinadas com a música, às artes em geral, às ciências, à matemática, a outras linguagens artísticas. Os movimentos básicos e as habilidades motoras fundamentais quando desenvolvidas sob o aspecto lúdico são mais alegres onde a criança aprende a liberar seus movimentos e expressar suas emoções pela exploração do movimento, de suas ações, do espaço, do tempo e do ritmo. A interdisciplinaridade da Dança tem como objetivo oferecer oportunidade da criança mover-se; aprender por meio dos movimentos; ser criativo através dos

18 18 movimentos; aprender modelos e ritmos dos movimentos; manipular o corpo em relação à dimensão espaço-tempo, aprender a relacionar com o outro e com o mundo. Para entender a contextualização da dança nos dias atuais, buscou-se referência teórica através da sua evolução ao longo dos tempos para que fosse possível aprofundar numa pesquisa de campo. Neste contexto Leal (1998, p.13) argumenta que: Desde os primórdios o ser humano tem necessidade de movimentar-se, desde que o homem surgiu que, mesmo sendo de forma rudimentar, ele dança. Seja para reverenciar seu Deus, seja para atrair a chuva, para saudar o sol ou espantar os maus fluidos. A dança remonta a tempos imemoriais, pré-históricos, e é tão velha como a própria vida humana. Desde as primeiras manifestações de comunhão mística do homem com a natureza misteriosa, nasceu à dança, como expressão espontânea dinâmica das emoções primitivas do Homo Sapiens. A dança ritmo nesta época préhistórica é uma espécie de pré-arte a base emocional e vital para futura arte da dança. Nos primórdios o homem dançava para os deuses e em harmonia com a natureza, para conseguir atingir um objetivo ou simplesmente agradecer, e pela alegria de viver neste rito que não deveria desaparecer, por exprimir o desejo mais profundo irresistível da natureza humana: a dança proporcionava o êxtase. Este sentido da dança como força mágica, esteve em todos os acontecimentos individuais ou coletivos do homem primitivo que viveu em comunhão mística com a natureza e pouco a pouco se esvaiu no espaço. Deixou-se de lado fazer prece através da dança, perdeu-se a necessidade íntima em exprimir coreograficamente, todas as nossas emoções, nossos sonhos e até mesmo as nossas idéias. As antigas civilizações acreditavam que todo

19 19 movimento superior ao natural e sobre humano e originário da dança, tinham uma noção sagrada. Por isso o respeito, a adoração pela dança. O êxtase dançante acompanhou as próprias religiões através de milênios, o cristianismo na sua fase primitiva e livre ressoa hinos de alegria e de reconhecimento à dança, os santos da igreja, como por ex: São Basílio, dizia que a única ocupação dos anjos no céu consiste em dançar, e bem feliz, são aqueles que podem imitá-los na terra dançando. A dança como toda atividade humana sofreu o destino das formas sociais dos homens, à medida que a civilização segue a sua marcha histórica e que o homem se afasta progressivamente do seio da natureza a dança perde a sua potência mágica. A fé ingênua espiritual que justificava a própria essência e a forma espontânea da dança foi extinta pela evolução religiosa e arquivada ao domínio dos preconceitos e superstições. Pois ao longo da história podemos ver que o pensamento de uma sociedade leva tempo para mudar, e o que podemos fazer é lutar para mostrar que dança não é só movimento, mas também um pensamento; que se dá através de um processo de corpo e mente, assim talvez, daqui a alguns anos nossas crianças façam, entendam e reflitam arte. E façam com que a dança cumpra um de seus objetivos que é formar cidadãos. Com envolvimento da civilização a dança tornou se parte da cultura folclórica, expressando distinções éticas e convicções nacionalistas. Em tempos mais modernos, assumiu muitas formas e muitas técnicas, e com a ação embelezadora selecionada e organizada surgiu à probabilidade de arte. E como forma de arte, tornou-se a expressão consciente da interpretação do artista, uma linguagem especial. Assim, dançar é transmitir um certo estado de espírito, uma maneira de se ver e de ver o mundo, de sentir plenamente seu corpo e o utilizar para conhecer outros sentimentos e sensações (FAHLBUSCH, 1990, p.13). As aulas de dança envolvem o aluno e o ambiente, fazendo com que busquem novas possibilidades de movimentos contextualizando com sua realidade,

20 20 trocando informações com os colegas, solucionando problemas propostos, fazendo relações, e conseqüentemente, gerando conhecimento. Durante os anos a arte vai ganhando valor e em 1997 entra, finalmente, nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), como podemos ver a arte é nova dentro da educação; ela foi tratada como uma atividade a mais para distrair as crianças e não como área de conhecimento. E a dança é mais nova ainda. A dança em si, não deveria ser vista apenas como forma de arte e de movimentos harmoniosos, mas também como algo para disciplinar, transformar, educar, de conscientizar e de promover a sociabilização. No contexto atual, não se tem notícia de que seja comum a inclusão da dança como disciplina no planejamento das aulas de Educação Física das escolas públicas no Ensino Fundamental. É notório, que a dança ajuda a aumentar a autoestima de seus praticantes, bem como na correção de fatores físicos como o postural, auxiliando no desenvolvimento das capacidades perceptivas motoras e na formação de um auto-conceito. Sendo assim, estes benefícios poderão influenciar de forma direta ou indireta nas outras disciplinas existentes no conteúdo programático. Para Laban, (1990, p. 26), [...] a experiência na qual a criança dá livre curso, em sua maior parte, aos movimentos repetitivos similares aos da dança quando está inquieta ou desocupada, levam alguns a crer que a criança deve manter-se ocupada em alguma atividade útil, a fim de evitar a excitação sem sentido dos saltos rítmicos. O resultado é que a criança realiza cada vez mais movimentos isolados que nunca estão equilibrados pelo que poderíamos chamar de uma imersão no fluxo do movimento. Tal imersão é como um banho refrescante de dupla importância: limpa e dá prazer. O ensino da dança nas escolas deve proporcionar a oportunidade de gozar deste banho refrescante que é pelo menos tão importante quanto à própria natação. Assim como nesta última o instrutor não se limitará a jogar a criança na água, mas lhe ensinará uma técnica adequada, assim também o professor de dança procurará

21 21 um procedimento que permita complementar o impulso natural da criança e ampliar seu raio de ação. A pesquisa dos movimentos através da Dança, na medida em que permite compreender e identificar as estruturas e significados das diferentes manifestações da cultura corporal e movimentos, tentando desvelar a importância dos sentidos e significados para vida do ser e para as suas relações culturais e sociais historicamente estabelecidas e ser hoje um porte efetivo à Educação (NANNI, 1995). Por tudo isso, justifica-se a realização deste estudo em função de ter buscado referências sobre a dança como fator social e de valorização do aluno, possibilitando assim na melhoria dos aspectos físicos, mental e social. Contribuindo, também com a escola, proporcionando maior conhecimento sobre este tema Dança Contemporânea e Dança Moderna Muitos consideram que a dança contemporânea é tudo aquilo que se faz hoje dentro dessa arte, não importando o estilo, a procedência, os objetivos, ou a forma. Esta palavra ainda hoje é usada para definir ou caracterizar um estilo de dança-teatro onde a dança é apenas um dos segmentos e não mais a razão primeira do espetáculo. Já a dança moderna é considerada por muitos como a dança de ontem, ultrapassada, afastada da realidade atual, tanto na utilização especial, quanto na forma de seus movimentos, como em suas técnicas coreográficas. Hoje já se realizam Concursos e/ou Festivais de dança onde a dança contemporânea e a dança moderna são apresentadas como modalidades distintas (CONCEPÇÃO, 2005).

22 22 a) Contemporâneo significa o que é do mesmo tempo, no caso presente, o que é da nossa época. b) Moderno significa atualidade, ou que está mais próximo da atualidade. c) Assim sendo Fahlbusch (1990, p.69) afirma que, Não existem duas modalidades distintas dentro dessa escola de dança. O que existe é Dança Moderna, que é a dança do século XX, dança da atualidade, a diferença se situa no aspecto coreográfico. A dança moderna pode-se dividir em dois aspectos de expressão coreográfica: a) A dança de expressão contemporânea que é a forma coreográfica que reflete o período no qual ela foi criada. É a manifestação do mundo e do tempo no qual o coreógrafo vive. Sua abordagem é calcada em fatos ou acontecimentos marcantes de um período, quer seja de âmbito político, social, religioso, etc., os quais são retratos, muitas vezes, como forma de protesto. b) E dança de expressão moderna que é a forma coreográfica que reflete as intenções do coreógrafo, quer seja no plano psicológico, emocional, etc. Portanto, dança moderna é tudo o que foi feito dentro dessa escola de dança desde Duncan até os dias de hoje (FAHLBUSCH 1990). Segundo Assumpção (2005) Duncan trouxe uma nova técnica, buscando nos fenômenos da natureza os modelos de movimento que formavam sua dança. Para ela, era um momento de contato com a vida. Acreditava que a dança tinha o poder da comunicação e comunhão e que ela possuía a missão de fazer da dança a liberação do ser.

23 23 Ducan costumava dizer que a dança é à base de toda uma concepção de vida mais flexível, mais natural. Não são passos predeterminados, mecânicos é claro que são necessários para um treinamento, mas só para um treinamento. Os passos são meios, e não o fim. Não deixou uma escola ou uma doutrina, simplesmente trouxe o início de uma nova geração da dança, a dança moderna (CONCEPÇÃO, 2005). A dança está conseguindo aos poucos conquistar seu espaço, mostrando assim que não é dançar só por dançar, é muito mais do que isso é mostrar que dança na escola é algo tão necessário como também a parte de esportização, ela será um complemento a mais na educação das crianças. Sobre tal fato, Verderi (2000, p.57 e 58) através das atividades de dança pretende que a criança evolua quanto ao domínio de seu corpo, desenvolvendo e aprimorando suas possibilidades de movimentação. Descobrindo novos espaços, novas formas, superação de suas limitações e condições para enfrentar novos desafios quanto aos aspectos motores, sociais, afetivos e cognitivos. Ainda prepondera nos discursos e comentários de muitos de nossos professores (as) a idéia de que a dança na escola é bom pra relaxar, para soltar as emoções, expressar se espontaneamente e não são poucos os diretores (as) que querem atividades de dança na escola para conter a agressividade ou acalmar os alunos (as). Ou seja, a dança torna-se um ótimo recurso para se esquecer dos problemas (esfriar a cabeça) e, para usar um termo em voga, prevenir contra o stress (MARQUES, 1997, p. 22). Esta autora segue ainda falando sobre os benefícios da dança, tais quais: melhorar a auto-estima e a coordenação motora. Porém a dança tem um conteúdo que é próprio e que nenhuma disciplina mais provém, é sem dúvida, a consciência dos movimentos corporais. Quanto à consciência dos movimentos corporais:

24 24 Na dança, mergulhamos no processo mesmo da ação, enquanto em outras atividades, seja no âmbito do esporte ou do trabalho, nossa atenção se centraliza principalmente nas conseqüências práticas do movimento. Embora as seqüências de movimento de todas as atividades físicas exijam o esforço específico da pessoa que se move, nesta última, a consciência do processo dá lugar a sua concentração no âmbito externo. Quando criamos e nos expressamos por meio da dança, quando executamos e interpretamos seus ritmos e formas, preocupamo-nos exclusivamente com o seu material, que é o próprio movimento (LABAN, 1990, p. 108). O movimento na dança pode ser definido como mudanças de posição de todo o corpo no espaço ou de alguns segmentos com relação a outros; e percurso de movimento como trajetória espaço-temporal objetiva e precisa desse movimento. 2.2 A Dança nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) consistem em documentos elaborados pelo Ministério da Educação Brasileiro com intuito de orientar o trabalho dos professores do ensino fundamental (do 1º ao 9º ano) e do ensino médio (1º ao 3º colegial). A dança faz parte do conteúdo de atividades rítmicas e expressivas, que têm como característica comum à intenção de expressão e comunicação mediante gestos e a presença de estímulos sonoros como referência para o movimento corporal. Trata-se das danças e brincadeiras cantadas. Num país em que pulsam o samba, o bumba-meu-boi, o maracatu, o frevo, o afoxé, a catira, o baião, o xote, o xaxado entre muitas outras manifestações, é surpreendente o fato de a Educação Física ter promovido apenas a prática de técnicas de ginástica e (eventualmente) danças européias e americanas. A diversidade cultural que caracteriza o país tem na dança uma de suas expressões mais significativas, constituindo um amplo leque de possibilidades de aprendizagem (BRASIL, 1997, p.51). Todas as culturas têm algum tipo de manifestação rítmica e/ou expressiva. No Brasil existe uma riqueza muito grande dessas manifestações. Danças trazidas pelos africanos na colonização, danças relativas aos mais diversos rituais, danças

25 25 que os imigrantes trouxeram em sua bagagem, danças que foram aprendidas com os vizinhos de fronteira, danças que se vêem pela televisão. As danças foram e são criadas a todo tempo: inúmeras influências são incorporadas e as danças transformam-se, multiplicam-se (CONCEPÇÃO, 2005). O documento ainda acrescenta que o conteúdo dança é também trabalhado pelo professor de Artes na escola, e este conteúdo é mais amplamente discutido no PCN de Artes onde o profissional encontrará mais subsídios para desenvolver um trabalho de dança, no que tange aos aspectos criativos e à concepção da dança como linguagem artística (BRASIL, 1997, p.51). Este documento entende a educação física como cultura corporal, e dentre as produções dessa cultura corporal, algumas foram incorporadas pela Educação Física em seus conteúdos: o jogo, o esporte, a dança, a ginástica e a luta. Isso demonstra a importância da Educação Física para o aluno (BRASIL, 1997, p ). Os conteúdos da educação física no ensino fundamental, segundo os PCNs, são divididos em três blocos. São eles: Esportes, jogos, lutas e ginásticas; Conhecimentos sobre o corpo; e Atividades rítmicas e expressivas. È neste último que a dança está inserida como conteúdo a ser trabalhado na escola. 2.3 Dança na Escola Nunca ouvimos falar tanto em corpo como se fala hoje, novas ideologias de corpo, a sociedade investindo no corpo, a TV, mídia, a igreja, a moda, enfim, uma infinidade de investidores buscando lucro através do corpo. Corporeidade entrou na moda, porém, a maioria das pessoas não tem compreensão do próprio corpo e muito menos do que a sociedade está fazendo com ele.

26 26 A intenção é de tornar real a dança na escola fazendo-se deixar de ser um conteúdo-fantasma, que só aparecia em festinhas comemorativas e passar a ser uma proposta pedagógica a partir do momento em que utilizarmos suas atividades para a contribuição integral dos nossos alunos. Devemos fazê-la explodir como uma transteoria que, embalada no ritmo da música, propiciará a formação necessária para o aperfeiçoamento dos processos cognitivos, motor e sócio-afetivo e contribuir para o despertar do interesse por parte dos alunos no processo educacional. Afinal onde não há interesse, não há aquisição de conhecimentos (VERDERI, p.33 e 34). É preciso criar, em cada aula, diferentes oportunidades de contato com a atividade lúdica, para fazer presente o principal objetivo: o prazer de dançar, independente da criança ou o adolescente vir a ser um bailarino profissional. Sua importância não é compreendida como essencial o que faz os educadores em dança tornar-se advogados para defender o valor do seu trabalho, disseminando a necessidade da dança nos currículos escolares. Deve-se sempre discutir e refletir sobre esta importância para que a dança possa se afirmar ainda mais em seu devido lugar. Proporcionar vivências positivas em dança, isto é, vivencias que não visem somente o virtuosismo técnico e o corpo perfeito, pois estas qualidades são restritas a poucos, porém onde todos tenham a possibilidade de dançar na frente e serem estimulados no que tem de melhor, pode ser um meio de intervir favoravelmente. Sborquia e Gallardo (2002, p.106) dizem que: Ao percorrer algumas escolas públicas observando aulas de Educação Física, puderam constatar que o tema da cultura corporal dança, dificilmente é trabalhado no contexto escolar. Quando eventualmente é trabalhado este conhecimento, é com finalidade de apresentações em dias comemorativos da escola, e as aulas de Educação Física tornam-se um espaço para estes ensaios. Geralmente se reproduzem às danças pela mídia sem análises e contextualização, e o professor de Educação Física não percebe as implicações que essas ações provocam na educação da sociedade. Para Valle (2005, p.09), A educação é direito de todos e todos têm o direito de conhecer a dança de uma forma séria, não só como decoração de programas de auditório e vídeos da MTV. A educação em dança é direito de todos e deve estar na escola. Ou seja, não é apenas para datas comemorativas.

DANÇA E EDUCAÇÃO FÍSICA: UM CONTEÚDO REALMENTE CONTEXTUALIZADO NAS AULAS?

DANÇA E EDUCAÇÃO FÍSICA: UM CONTEÚDO REALMENTE CONTEXTUALIZADO NAS AULAS? DANÇA E EDUCAÇÃO FÍSICA: UM CONTEÚDO REALMENTE CONTEXTUALIZADO NAS AULAS? FERNANDA DIAS BRANDÃO Licenciada em Educação Física pela UNISUAM Rio de Janeiro, RJ, Brasil fedufisica@hotmail.com Resumo O estudo

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas EDUCAÇÃO FÍSICA Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL O LÚDICO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A APRENDIZAGEM DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Andréa Nogueira de Souza¹; Andreza Emicarla Pereira Calvacante²; Francicleide Cesário

Leia mais

5 201 O LI Ó RTF PO 1

5 201 O LI Ó RTF PO 1 1 PORTFÓLIO 2015 Um pouco da trajetória do Colégio Ação1 QUANDO TUDO COMEÇOU 1993 Experientes profissionais fundaram, no bairro do Méier, a primeira unidade da rede Ação1. O foco do trabalho era a preparação

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

A DANÇA COMO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL.

A DANÇA COMO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL. A DANÇA COMO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL. CAMARGO,Leonildo Discente do curso de Pedagogia da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva. MÜZEL,Andrei Docente do curso de Pedagogia da

Leia mais

A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES.

A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES. A VISÃO DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA QUANTO ÀS ATIVIDADES LÚDICAS COMO MEIO DE ENSINO DE ESPORTES. FERNANDES, Jaqueline S. da S. & FONSECA, Viviane S. O. 1, Márcia Regina Walter 2. 1- Acadêmico do

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE

A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE A Importância do brincar nas aulas de Educação Física MARCELO LEITE RESUMO Este texto é uma reflexão sobre o brincar nas aulas de educação física escolar do primeiro e segundo ciclo do ensino fundamental,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ELEMENTO FUNDAMENTAL NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 Renata Pereira Moreira 2 Heraldo Simões Ferreira 3

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1

PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1 1 PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1 Cintia Taiza Klein 2 Patrícia Luiza Klein Santos 3 Marilete Staub 4 Jair André Turcatto 5 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho busca apresentar algumas atividades e vivências desenvolvidas

Leia mais

DANÇA NA ESCOLA: UMA EDUCAÇÃO PRA LÁ DE FÍSICA

DANÇA NA ESCOLA: UMA EDUCAÇÃO PRA LÁ DE FÍSICA DANÇA NA ESCOLA: UMA EDUCAÇÃO PRA LÁ DE FÍSICA Karine Gomes Rodrigues, Jayne Martins Ramos, Karoline Silva Pequeno RESUMO A dança enquanto um processo educacional, não se resume simplesmente em aquisição

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física 10 Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física Juliana Marin Orfei Especialista em Atividade Física: Treinamento Esportivo UNICASTELO Viviane Portela Tavares Especialista em Atividade

Leia mais

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1

A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 A DANÇA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM O ESTILO HIP-HOP 1 Claudiane da S. EUSTACHIO Dayana Pires Alves GARCIA Fátima RODRIGUES Jean de J. SANTANA 2 Juliana CESANA 3 Ana Lucia de Carvalho MARQUES

Leia mais

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS ATIVIDADES RÍTMICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Doutora Daisy Barros Especialização em Ginástica Rítmica e Dança Ritmo é vida e está particularmente ligado à necessidade do mundo moderno. Cada indivíduo,

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE.

XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. Resumo XADREZ NAS ESCOLAS: ESPORTE, CIÊNCIA OU ARTE. OLIVEIRA, Vanessa Duarte de PUCPR vane_do@hotmail.com CARVALHO, João Eloir PUCPR j.eloir@uol.com.br Eixo Temático: Educação, arte e movimento Agência

Leia mais

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e GEOGRAFANDO BELÉM Isaias Gomes de Jesus Junior 1 Resumo O presente artigo vem apresentar a Tecnologia Educacional Geografando Belém. Esta Tecnologia Educacional, de princípio, foi desenvolvida para apresentar

Leia mais

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente RESOLUÇÃO CONSEAcc-BP 9/2005 ALTERA AS EMENTAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus, do câmpus de Bragança

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível

Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Composição musical na educação infantil: uma experiência possível Francine Kemmer Cernev francine@cernev.com.br Universidade Estadual de Londrina/ Colégio Nossa Senhora do Rosário, Cornélio Procópio/PR/

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 PEDAGOGIA EMPRESARIAL E APRENDER BRINCANDO E A IMPORTÂNCIA DO JOGO: DIFERENTES TEMAS NA ÁREA EDUCACIONAL Ana Flávia Crespim da Silva Araújo ana.crespim@hotmail.com Elaine Vilas Boas da Silva elainevb2010@hotmail.com

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens

Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens Entusiasmo diante da vida Uma história de fé e dedicação aos jovens A obra salesiana teve início em Turim, na Itália, onde Dom Bosco colocou em prática seus ideais de educação associados ao desenvolvimento

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS 175 ANAIS III FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Curitiba, 2005 DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS Marta Deckert * RESUMO: Como

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

10 Educação Musical: planejamento e atividades Conteúdo

10 Educação Musical: planejamento e atividades Conteúdo Planejamento de atividades lúdicas em Educação Musical Planejamento de atividades em Educação Musical Criando estratégias de ensino e aprendizagem musical Questões para pensar estratégias de ensino e aprendizagem

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL * Rita de Cássia Lindner Kaefer **Ana Eleonora Sebrão Assis RESUMO O objetivo do presente artigo é apresentar uma reflexão a respeito da importância

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA

A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA Rivaldo Bevenuto de Oliveira Neto Departamento de Artes UFRN RESUMO O ensino de Arte é a educação que oportuniza ao aluno o acesso à Arte

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE BIOLOGIA EaD LICENCIATURA EM BIOLOGIA EaD ATIVIDADE INTEGRADORA ASSOCIADA A PRÁTICA DE ENSINO Módulo IV Desenvolvimento e Crescimento Estudo do desenvolvimento

Leia mais

Palavras chave: Teatro Criatividade Espontaneidade - Imaginação

Palavras chave: Teatro Criatividade Espontaneidade - Imaginação INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE NA ESCOLA: O MÉTODO DRAMÁTICO E IMAGINAÇÃO CRIATIVA NA ESCOLA Nayara Lopes Botelho Acadêmica de Artes Cênicas do IFTO Campus Gurupi nayara_lb@hotmail.com Resumo. Edna Maria Cruz

Leia mais

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade?

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? Discente em formação do curso de Licenciatura Plena em Educação Física, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Campus Jequié.

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA

O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS- EJA RESUMO Alba Patrícia Passos de Sousa 1 O presente artigo traz como temática o ensino da língua inglesa na educação de jovens e adultos (EJA),

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

adolescente, jovem...

adolescente, jovem... O ALUNO: criança, a, pré-adolescente, adolescente, jovem... A construção histórica do conceito de criança: História social da criança e da família, Philippe Ariés. Rio de Janeiro: LTC, 1981. As idades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1099 O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1 Discente do Mestrado em Educação da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Docente

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC PREMIO AMAVI EDUCAÇÃO 2013 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO QUALIDADE

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

Ministério do Esporte

Ministério do Esporte A CULTURA CORPORAL DO MOVIMENTO HUMANO E O ESPORTE EDUCACIONAL Ministério do Esporte OBJETIVOS: 1. Reivindicar e demarcar as fronteiras da cultura corporal do movimento humano (CCMH) como um espaço próprio

Leia mais

PRATICA EDUCATIVA: MUSICALIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRATICA EDUCATIVA: MUSICALIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRATICA EDUCATIVA: MUSICALIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Josimara Nascimento Santos Pereira (Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB) Alcione Pereira Santos de Souza (Graduada

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA SERIADO ANUAL - MATUTINO/NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL ISBN 97-5-191-5-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 3 de outubro de 29 PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO QUANTO À IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS SÉRIES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura.

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Referência: CHAGURI, J. P. A Importância do Ensino da Língua Inglesa nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: O

Leia mais

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma Dança Desde 1982, no dia 29 de abril, comemora-se o dia internacional da dança, instituído pela UNESCO em homenagem ao criador do balé moderno, Jean- Georges Noverre. A Dança é a arte de mexer o corpo,

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA SÉRIE: 6º ANO PROFESSORA:

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA 486 VOLEIBOL E SUA IMPORTÂNCIA PEDAGÓGICA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA * Camila Tworkowski ** Luciano Leal Loureiro RESUMO O presente artigo procura relatar através de uma revisão de literatura a importância

Leia mais

ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE

ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO DE CAMPINAS Marcy Garcia Ramos 1 João Gomes Tojal 2 1 Universidade Estadual de Campinas Departamento de Ciências do Esporte,

Leia mais

O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR

O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR O FUTEBOL E SUA INFLUÊNCIA NO DESEMPENHO ESCOLAR Resumo Emerson Liomar Micaliski 1 - UNINTER Maria Cristina Kogut 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Práticas e Estágios nas Licenciaturas Agência Financiadora:

Leia mais

Palavras-chave: cultura, esporte, lazer, jogos cooperativos.

Palavras-chave: cultura, esporte, lazer, jogos cooperativos. PROJETO CAIC DAS 16h : CULTURA, ESPORTE E LAZER PARA OS FILHOS DOS FUNCIONÁRIOS DA UEPG MATRICULADOS NA ESCOLA REITOR ÀLVARO AUGUSTO CUNHA ROCHA - CAIC Área Temática: Cultura Sonia Aparecida Gomes dos

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL, PROPORCIONANDO A LEITURA E ESCRITA.

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL, PROPORCIONANDO A LEITURA E ESCRITA. 1 ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL, PROPORCIONANDO A LEITURA E ESCRITA. Grupo de trabalho GT (01) Alfabetização e Letramento Escolar Rita de Cássia da Conceição Maria

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração Material pelo Ético Sistema de Ensino Elaborado para Educação Infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos EDUCAÇÃO INFANTIL Data: / / Nível: Escola: Nome: Sentimentos e emoções Quem vê cara não vê coração

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO

RELATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO RELATO DE EXPERIÊNCIA INTRODUÇÃO Na EEMASA - Escola Estadual Maria Augusta Silva Araújo, antes do início do ano letivo, professores, coordenação pedagógica e direção da escola definem coletivamente, em

Leia mais

AS DIFERENTES METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

AS DIFERENTES METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR AS DIFERENTES METODOLOGIAS DE ENSINO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR (DIFFERENT METHODS OF TEACHING PHYSICAL EDUCATION SCHOOL) Camila Martins Ferreira; Andréia Cristina Metzner Centro Universitário UNIFAFIBE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PRÁTICAS DESENVOLVIDAS NO CENTRO EDUCACIONAL LUÍS DA CÂMARA CASCUDO EM MACAÍBA / RN

A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PRÁTICAS DESENVOLVIDAS NO CENTRO EDUCACIONAL LUÍS DA CÂMARA CASCUDO EM MACAÍBA / RN A IMPORTÂNCIA DA PSICOMOTRICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PRÁTICAS DESENVOLVIDAS NO CENTRO EDUCACIONAL LUÍS DA CÂMARA CASCUDO EM MACAÍBA / RN Autora: Eliza Christina Toscano de Mendonça 1 Co-autores: Luanda

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA DANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DA DANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DA DANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Oliveira, Rafael Cavalheiro de Discente do curso de Educação Física da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva Muzel, Andrei Alberto Docente do curso

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013 Expressão Musical II Docente: António Neves Discente: Ana Matos nº 53184 A música e o som, enquanto energia, estimulam

Leia mais

Como preparar os professores para nossas escolas

Como preparar os professores para nossas escolas Como preparar os professores para nossas escolas Claudio de Moura Castro Não há bom ensino sem bons professores. E, claramente, o Brasil sofre de uma severa escassez de bons professores para suas escolas

Leia mais

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade A Agenda 21 vai à Escola Autora: Zióle Zanotto Malhadas Nucleo Interdisciplinar de Meio Ambiente e Desenvolvimento/UFPR/Curitiba/2001

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Brincadeira é Jogo Sério. Resumo. Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2

Brincadeira é Jogo Sério. Resumo. Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2 Brincadeira é Jogo Sério Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2 Resumo A infância é fascinante, durante a vida é neste período que exteriorizamos nossos sentimentos, nossas experiências e

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES

7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES 7º Simpósio de Ensino de Graduação AS MANIFESTAÇÕES LÚDICAS NO RECREIO DE CRIANÇAS DE 9 A 11 ANOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS GERAÇÕES Autor(es) KELLY CRISTINA SILVA COTA Co-Autor(es) CAROLINE MANESCO

Leia mais

TEMATIZANDO HANDEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Handebol; Educação Física Escolar; Cultura Corporal.

TEMATIZANDO HANDEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Handebol; Educação Física Escolar; Cultura Corporal. TEMATIZANDO HANDEBOL NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Handebol; Educação Física Escolar; Cultura Corporal. André Jonatas Barbosa EMEF Gal. Júlio Marcondes Salgado Resumo Este trabalho tem por objetivo relatar

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais