Documento de Arquitetura de Software- SGE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Documento de Arquitetura de Software- SGE"

Transcrição

1 Documento de Arquitetura de Software- SGE IFG Autor: Marcelo Roldrin Barros Silva 1. Introdução 1.1 Finalidade Este documento oferece uma visão geral arquitetural abrangente do sistema SGE (Sistema de Gestão de Eventos), usando diversas visões arquiteturais para representar diferentes aspectos do sistema. O objetivo deste documento é capturar e comunicar as decisões arquiteturais significativas que foram tomadas em relação ao sistema. 1.2 Escopo Este documento ou artefato restringe-se a visão arquitetural dos Protótipos do Projeto SGE (Sistema de Gestão de Eventos), não abordando especificidades referentes às Tecnologias escolhidas para suportar sua implementação. 2. Definições, Acrônimos e Abreviações [1] RUP (http://www.rational.com/). 3. Representação Arquitetural A Representação Arquitetural dos Protótipos do Projeto SGE baseia-se no Modelo 4+1 de Visualização de Arquitetura de Software (The 4+1 Model of View Architeture), de uso proposto pelo RUP [1]. Neste modelo, a arquitetura encontra-se representada por uma série de visões diferentes que, em sua essência, são fragmentos que ilustram os elementos significativos em termos de arquitetura dos modelos. A Figura 1 abaixo, apresenta as visões que compõem o Modelo 4+1 e, na sequência, as mesmas são descritas:

2 3.1 Metas e Restrições da Arquitetura Existem algumas restrições de requisito e de sistema principais que têm uma relação significativa com a arquitetura. São elas: Toda a programação do evento e os certificados devem ser disponibilizados online e ser acessadas pela internet; O sistema deve ser compatível com dispositivos moveis (Tablets e celulares); O sistema deve ser exibido e visualizado pelos principais navegadores disponíveis no mercado; O sistema deverá ser desenvolvido através de uma arquitetura flexível fácil de manter, de modo a acomodar novas funcionalidades e adaptações sem elevação de custo ou esforço adicional; A Linguagem de desenvolvimento utilizada para o sistema será o JAVA; O Servidor de Aplicação definido para o sistema foi o Glassfish; O Banco de Dados escolhido para suportar a aplicação será o PostgreSQL; Foram escolhidos os seguintes frameworks: o o o Hibernate (Persistência); JSF (View); Twitter Bootstrap (View).

3 4. Visões Arquiteturais 4.1 Visão Lógica O objetivo da visão lógica é representar a estrutura de relacionamento entre os elementos arquiteturais da aplicação, definindo seus padrões e conceitos gerais Definição das Camadas Nesta seção serão apresentadas as camadas da arquitetura proposta. Serão descritas as responsabilidades de cada camada quais tecnologias devem ser aplicadas a cada uma delas. No diagrama abaixo estão ilustradas cada uma das camadas que compõem a arquitetura básica proposta: Visão: A visão (view) é responsável por tudo que o usuário final visualiza, toda a interface, informação, não importando sua fonte de origem, é exibida graças a camada de visão. Controle: A Controle (controller), como o nome já sugere, é responsável por controlar todo o fluxo de informação que passa pelo site/sistema. É na controladora que se decide se, o que, quando e onde deve funcionar. Define quais informações devem ser geradas, quais regras devem ser acionadas e para onde as informações devem ir, é na controladora que essas operações devem ser executadas. Em resumo, é a controladora que executa uma regra de negócio (modelo) e repassa a informação para a visualização (visão). Modelo: O modelo (Model) é utilizado para manipular informações de forma mais detalhada, sendo recomendado que, sempre que possível, se utilize dos modelos para realizar consultas, cálculos e todas as regras de negócio do nosso site ou sistema. É o modelo que tem acesso a toda e qualquer informação sendo essa vinda de um banco de dados, arquivo XML.

4 4.2 Visão de Processos Não definido. [Esta seção descreve a decomposição do sistema em processos leves (threads simples de controle) e processos pesados (agrupamentos de processos leves). Organize a seção em grupos de processos que se comunicam ou interagem. Descreva os modos principais de comunicação entre processos, como transmissão de mensagens e interrupções.] 4.3 Visão de Implantação Visão Geral Esta visão define o ambiente de implantação onde a aplicação será publicada/instalada.

5 4.4 Visão da Implementação Visão Geral A proposta para Modelo de Implementação desse projeto baseou-se na sua divisão em camadas de responsabilidades, de forma a propiciar o reúso de componentes de software desenvolvidos entre eles Camadas

6 4.5 Visão de caso de uso Ainda não possuímos os casos de uso Realizações de Casos de Uso Esta seção ilustra o funcionamento do software, apresentando algumas realizações (ou cenários) de casos de uso selecionadas e explica como os diversos elementos do modelo de design contribuem para a respectiva funcionalidade.] 4.6 Visão de Dados(opcional) [Uma descrição da perspectiva de armazenamento de dados persistentes do sistema. Esta seção será opcional se os dados persistentes forem poucos ou inexistentes ou se a conversão entre o Modelo de Design e o Modelo de Dados for trivial.] 5. Tamanho e Desempenho [Uma descrição das principais características de dimensionamento do software que têm um impacto na arquitetura, bem como as restrições do desempenho desejado.] 6. Qualidade A arquitetura definida propicia o desenvolvimento dos protótipos do sistema, favorecendo a realização de teste, a verificação e a validação durante seu desenvolvimento. Além disso o aspecto de Camadas, propiciado pelos diferentes níveis de integração, permitem que se realize a substituição de camadas, sem causar grandes impactos no restante da aplicação.

GIM- Gerenciador de Indicadores e Metas. GIM Gerenciador de Indicadores e Metas Documento de Arquitetura de Software. Versão 1.0

GIM- Gerenciador de Indicadores e Metas. GIM Gerenciador de Indicadores e Metas Documento de Arquitetura de Software. Versão 1.0 GIM- Gerenciador de Indicadores e Metas GIM Gerenciador de Indicadores e Metas Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 GIM - Gerenciador de Indicadores e Metas Versão: 1.0 Documento de Arquitetura

Leia mais

De Olho na Pista. Documento de Arquitetura. De Olho na Pista Documento de Arquitetura Data: 23/03/2013. AJA Software

De Olho na Pista. Documento de Arquitetura. De Olho na Pista Documento de Arquitetura Data: 23/03/2013. AJA Software AJA Software www.ajasoftware.wordpress.com De Olho na Pista Documento de Arquitetura Confidencial De Olho na Pista, 2013 1 Sumário 1. Introdução 3 2. Metas e Restrições da Arquitetura 3 3. Padrão da Arquitetura

Leia mais

Arquitetura de software

Arquitetura de software Arquitetura de software Problema: vamos implementar um clone do compraentrega.com.br Mantém preços atualizados Recebe encomendas e pagamento Recomenda itens a usuários Por onde começamos? Arquitetura =

Leia mais

UML. Rodrigo Leite Durães.

UML. Rodrigo Leite Durães. UML Rodrigo Leite Durães. rodrigo_l_d@yahoo.com.br O que é Análise de Software? UML: É o estágio de um sistema que captura os requisitos e o domínio do problema, focalizando no que deve ser feito, não

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE CONSULTÓRIO MÉDICO

DOCUMENTAÇÃO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE CONSULTÓRIO MÉDICO DOCUMENTAÇÃO SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE CONSULTÓRIO MÉDICO SUMÁRIO Parte I Modelagem do Software Documento de Requisitos 1. Introdução 2. Descrição Geral do Sistema 3. Requisitos Funcionais 4. Requisitos

Leia mais

Proposta de uma plataforma de monitoramento e acionamento remoto voltada para sistemas de hardware industriais utilizando LabVIEW

Proposta de uma plataforma de monitoramento e acionamento remoto voltada para sistemas de hardware industriais utilizando LabVIEW Proposta de uma plataforma de monitoramento e acionamento remoto voltada para sistemas de hardware industriais utilizando LabVIEW "Este artigo tem como proposta apresentar uma plataforma para monitoramento

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 03

Princípios da Engenharia de Software aula 03 Princípios da Engenharia de Software aula 03 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes Material cedido por: Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Modelos de processos de software: Evolucionário Tipos

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS. Profa. Gislaine Stachissini Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Profa. Gislaine Stachissini Modelagem de sistemas A fase do desenvolvimento do sistema exige: esforço; dedicação; envolvimento; um único objetivo. Estilo de desenvolvimento

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE CONTEÚDO QUESTÕES DISSERTATIVAS

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE CONTEÚDO QUESTÕES DISSERTATIVAS EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE CONTEÚDO QUESTÕES DISSERTATIVAS 1. Explique a(s) diferença(s) entre design pattern e framework. 2. Analisar o arquivo de configurações (web.xml) abaixo identificando quais suas

Leia mais

O Processo Unificado: Workflow de Análise. Graduação em Informática Profa. Dra. Itana Maria de Souza Gimenes 2009

O Processo Unificado: Workflow de Análise. Graduação em Informática Profa. Dra. Itana Maria de Souza Gimenes 2009 O Processo Unificado: Workflow de Análise Graduação em Informática Profa. Dra. Itana Maria de Souza Gimenes 2009 Workflow de Análise Objetivos da análise: manter uma especificação precisa dos requisitos

Leia mais

Engenharia de Software Orientada a objetos. Prof. Rogério Celestino dos Santos

Engenharia de Software Orientada a objetos. Prof. Rogério Celestino dos Santos Engenharia de Software Orientada a objetos Prof. Rogério Celestino dos Santos http://sites.google.com/site/rogeriocsaulas/ Estereótipos são uma maneira de destacar determinados componentes do diagrama,

Leia mais

MANUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE TRABALHO DE CONCLUSAO DE CURSO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

MANUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE TRABALHO DE CONCLUSAO DE CURSO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE TRABALHO DE CONCLUSAO DE CURSO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sumário PREFÁCIO...3 MODELO DA DOCUMENTAÇÃO...3 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO...3 1.1. Tema...3 2. DESCRIÇÃO

Leia mais

contidos na descrição do serviço para localizar, contactar e chamar o serviço. A figura mostra os componentes e a interação entre eles.

contidos na descrição do serviço para localizar, contactar e chamar o serviço. A figura mostra os componentes e a interação entre eles. Web Services Web Service é um componente de software identificado por uma URI que independe de implementação ou de plataforma e pode ser descrito, publicado e invocado sobre uma rede por meio de mensagens

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software 1 Engenharia de Software CURSO: Sistemas de Informação PERÍODO LETIVO: 2009-1 SEMESTRE: 4º PROFESSOR(A): Francisco Ildisvan de Araújo Introdução METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Uma metodologia

Leia mais

Aula 11 Introdução ao Java Script

Aula 11 Introdução ao Java Script Aula 11 Introdução ao Java Script Java Script é uma linguagem que permite trabalhar com a Lógica em páginas escritas em HTML (HiperText Mark-up Language). As páginas HTML podem ser escritas utilizando-se

Leia mais

Requisitos de sistemas

Requisitos de sistemas Requisitos de sistemas Unidade III - Casos de Uso Identificação de casos de uso Conceitos de orientação a objetos Modelagem do diagrama de classes e casos de uso 1 Casos de uso CONCEITO Especifica o comportamento

Leia mais

Engenharia de Software. Processos. Desenvolvimento de Software Tradicionais 2014/2. Prof. Luís Fernando Garcia

Engenharia de Software. Processos. Desenvolvimento de Software Tradicionais 2014/2. Prof. Luís Fernando Garcia Engenharia de Software Processos Desenvolvimento de Software Tradicionais 2014/2 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR Processos Um conjunto estruturado de atividades necessárias para o desenvolvimento

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Resumo Artigo I Desenvolvimento de Aplicações

Leia mais

Introdução a UML (Unified Modeling Language)

Introdução a UML (Unified Modeling Language) Introdução a UML (Unified Modeling Language) O que é a UML? Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário

Leia mais

Introdução Diagrama de Classes Diagrama de Seqüência Diagrama de Atividades. Diagramas UML. Classe, Seqüência e Atividades. Marcio E. F.

Introdução Diagrama de Classes Diagrama de Seqüência Diagrama de Atividades. Diagramas UML. Classe, Seqüência e Atividades. Marcio E. F. Diagramas UML Classe, Seqüência e Atividades Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 15 de maio

Leia mais

RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS. Prof. Fabiano Papaiz IFRN

RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS. Prof. Fabiano Papaiz IFRN RUP RATIONAL UNIFIED PROCESS PRÁTICAS RECOMENDADAS Prof. Fabiano Papaiz IFRN O RUP recomenda as seguintes práticas que devem ser utilizadas no desenvolvimento de um software: 1. Desenvolver de forma iterativa

Leia mais

Objetos e Componentes Distribuídos: EJB

Objetos e Componentes Distribuídos: EJB : EJB Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta

Leia mais

OntoGen: Uma Ferramenta para Integração de Esquemas XML - Manual da Ferramenta

OntoGen: Uma Ferramenta para Integração de Esquemas XML - Manual da Ferramenta UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MÁRCIO ROBERTO DE MELLO OntoGen: Uma Ferramenta para Integração de Esquemas XML - Manual da Ferramenta

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais

Introdução aos Sistemas Operacionais Introdução aos Sistemas Operacionais Eleri Cardozo FEEC/Unicamp 1 Definição de Sistema Operacional Um sistema operacional é um gerenciador de recursos de hardware ou uma máquina virtual que oferece uma

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE. Princípios de Engenharia de Software

QUALIDADE DE SOFTWARE. Princípios de Engenharia de Software QUALIDADE DE SOFTWARE Princípios de Engenharia de Software Afinal o que é Software? Segundo o dicionário de Informática: Suporte lógico, suporte de programação. Conjunto de programas, métodos e procedimentos,

Leia mais

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. Prof. Marcelo Roberto Zorzan

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. Prof. Marcelo Roberto Zorzan Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web Prof. Marcelo Roberto Zorzan História do Java Origem Linguagem desenvolvida pela Sun Microsystems Sintaxe similar ao C++ Inicialmente chamada

Leia mais

Desenvolvimento de um aplicativo na plataforma Android para realização de fichamento bibliográfico em dispositivos móveis: resultados iniciais

Desenvolvimento de um aplicativo na plataforma Android para realização de fichamento bibliográfico em dispositivos móveis: resultados iniciais Desenvolvimento de um aplicativo na plataforma Android para realização de fichamento bibliográfico em dispositivos móveis: resultados iniciais Diogo Sebastião Silva de Lima 1 ; Mauro Daniel Castro e Silva

Leia mais

4 Arquitetura Adotada

4 Arquitetura Adotada 4 Arquitetura Adotada Neste trabalho foi desenvolvido um sistema para a inspeção de dutos de óleo, gás e outros fluidos. Este sistema está sendo usado em inspeções que utilizam como ferramenta de inspeção

Leia mais

Estudo do Ambiente de Programação Arduino Software (IDE) com Intel Galileo Gen2. Apostila de acompanhamento para o aluno.

Estudo do Ambiente de Programação Arduino Software (IDE) com Intel Galileo Gen2. Apostila de acompanhamento para o aluno. Estudo do Ambiente de Programação Arduino Software (IDE) com Intel Galileo Gen2 Apostila de acompanhamento para o aluno. 1 Conteúdo Conteúdo... 2 1. Introdução... 3 2. Informações Gerais... 3 3. Sketches...

Leia mais

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. Diretriz de Arquitetura de Sistemas. Versão 1.0. MAPA/SE/SPOA/CGTI, 2012 Página 1

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. Diretriz de Arquitetura de Sistemas. Versão 1.0. MAPA/SE/SPOA/CGTI, 2012 Página 1 Diretriz de Arquitetura de Sistemas Versão 1.0 MAPA/SE/SPOA/CGTI, 2012 Página 1 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor Revisor 02/01/2012 1.0 Criação do artefato. Pérsio Mairon Thiago Lemos MAPA/SE/SPOA/CGTI,

Leia mais

Arquitetura de Software: Documentação

Arquitetura de Software: Documentação Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Arquitetura de Software: Documentação SCE 526 Análise e Projeto Orientados a Objeto Profa. Elisa Yumi Nakagawa 2. Semestre de

Leia mais

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software

Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Engenharia de Software Processo de Desenvolvimento de Software Prof. Elias Ferreira Elaborador por: Prof. Edison A. M. Morais Objetivo (1/1) Conceituar PROCESSO E CICLO DE VIDA, identificar e conceituar

Leia mais

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RA2 - Relatório de acompanhamento trimestral

GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos. RA2 - Relatório de acompanhamento trimestral GT-ATER: Aceleração do Transporte de Dados com o Emprego de Redes de Circuitos Dinâmicos RA2 - Relatório de acompanhamento trimestral Período: 02/2013 a 04/2013 Sand Luz Corrêa Kleber Vieira Cardoso 30/04/2013

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Prof. M.Sc. Ronaldo C. de Oliveira ronaldooliveira@facom.ufu.br FACOM - 2011 UML Linguagem Unificada de Modelagem Projeto de Software Introdução O que é projeto em software? O termo projeto é um tanto

Leia mais

Processo Unificado (PU) Unified Process

Processo Unificado (PU) Unified Process Processo Unificado (PU) Unified Process 10 de junho de 2011 Adonai Canêz One comment Introdução O Processo Unificado (PU) surgiu para realizar o desenvolvimento de software visando a construção de sistemas

Leia mais

Protótipo de Protocolo de Aplicação para Troca de Documentos da Área Extra Judicial. Acadêmico: Fabrício Bento Orientador: Paulo Fernando da Silva

Protótipo de Protocolo de Aplicação para Troca de Documentos da Área Extra Judicial. Acadêmico: Fabrício Bento Orientador: Paulo Fernando da Silva Protótipo de Protocolo de Aplicação para Troca de Documentos da Área Extra Judicial Acadêmico: Fabrício Bento Orientador: Paulo Fernando da Silva Conteúdo Introdução Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISCOMI MERCADOS Y.YAMADA

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISCOMI MERCADOS Y.YAMADA 1 Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software SISCOMI MERCADOS Y.YAMADA EDILBERTO SILVA 1, FELIPE ALBUQUERQUE (1012511) 2, MARCELO ALISSON (1012292) 2, MATEUS SILVA (921503) 2, PHILLYPE JOHNE (1012510)

Leia mais

O que é um sistema distribuído?

O que é um sistema distribuído? Disciplina: Engenharia de Software 4 Bimestre Aula 1: ENGENHARIA DE SOFTWARE DISTRIBUÍDO O que é um sistema distribuído? Segundo Tanenbaum e Steen (2007) um sistema distribuído é uma coleção de computadores

Leia mais

Descrição do Requisito

Descrição do Requisito ANEXO III 1 REQUISITOS TÉCNICOS A SOLUÇÃO deverá atender obrigatoriamente aos requisitos não funcionais e às características técnicas descritos nos itens deste Anexo. Os requisitos não funcionais e técnicos

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 5ª. Série Programação Distribuída A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido

Leia mais

Introdução aos sistemas de informação

Introdução aos sistemas de informação Introdução aos sistemas de informação Sistemas de Informação Sistemas de Informação Um conjunto de informações relacionadas que coletam, manipulam e disseminam dados e informações e fornecem realimentação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS MODERNAS PARA CADASTRAMENTO DAS FAMÍLIAS DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE COARI

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS MODERNAS PARA CADASTRAMENTO DAS FAMÍLIAS DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE COARI UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS MODERNAS PARA CADASTRAMENTO DAS FAMÍLIAS DA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE COARI Adrya da Silva Neres 1 Elionai de Souza Magalhães 2 1 Discente do Curso Técnico Integrado

Leia mais

JADEX: A BDI REASONING ENGINE. Alexander Pokahr, Lars Braubach e Winfried Lamersdorf Springer US - Multi-Agent Programming 2005 pp.

JADEX: A BDI REASONING ENGINE. Alexander Pokahr, Lars Braubach e Winfried Lamersdorf Springer US - Multi-Agent Programming 2005 pp. JADEX: A BDI REASONING ENGINE Alexander Pokahr, Lars Braubach e Winfried Lamersdorf Springer US - Multi-Agent Programming 2005 pp. 149-174 Volume 15 Motivação Existem muitas plataformas para desenvolvimento

Leia mais

Introdução ao Zend Framework 2

Introdução ao Zend Framework 2 Introdução ao Zend Framework 2 #laryssa-muniz Graduada em Telemática - Estácio de Sá Especialista em Engenharia de Software - UECE Mestranda em Ciências da Computação - UECE Analista de Sistemas - Brain

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 5ª Série Programação em Dispositivos Móveis A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de

Leia mais

Engenharia de Software. Projeto de Software. Projeto: definição. Profa. Dra. Lúcia V. L. Filgueiras Profa. Dra. Selma Shin Shimizu Melnikoff

Engenharia de Software. Projeto de Software. Projeto: definição. Profa. Dra. Lúcia V. L. Filgueiras Profa. Dra. Selma Shin Shimizu Melnikoff Engenharia de Software Profa. Dra. Lúcia V. L. Filgueiras Profa. Dra. Selma Shin Shimizu Melnikoff Projeto de Software Fundamentos de projeto de software Projeto estruturado Índice do documento de projeto

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 4 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 4-03/05/2006 1 Modelos Prescritivos de Processo Modelo em cascata Modelos incrementais Modelo incremental Modelo RAD Modelos

Leia mais

Arquitetura da Aplicação Web

Arquitetura da Aplicação Web Linguagem de Programação para Web Arquitetura da Aplicação Web Prof. Mauro Lopes 1-31 24 Objetivos Iniciaremos aqui o estudo sobre o desenvolvimento de sistemas web usando o Java. Apresentaremos nesta

Leia mais

1- Confiabilidade ( 2 ) Proteção contra perdas e estragos. 2- Integridade ( 3 ) Proteção contra interferência de cortes de funcionamento

1- Confiabilidade ( 2 ) Proteção contra perdas e estragos. 2- Integridade ( 3 ) Proteção contra interferência de cortes de funcionamento Grupo 11 1. Em um SID a segurança é de grande importância, ela deve garantir que apenas usuários autorizados acessem recursos e garantir que a informação transmitida pela rede somente possa ser alcançada

Leia mais

Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS. Marcelo Henrique dos Santos

Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS. Marcelo Henrique dos Santos Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS Marcelo Henrique dos Santos Marcelo Henrique dos Santos Email: Site: marcelosantos@outlook.com www.marcelohsantos.com.br TECNOLOGIA EM JOGOS

Leia mais

Diagrama de Componentes. Análise Orientada a Objetos

Diagrama de Componentes. Análise Orientada a Objetos Diagrama de Componentes Análise Orientada a Objetos Diagramas de arquitetura Diagramas de arquitetura (ou estrutura) permitem A descrição física do software: Os diagramas de componentes são usados para

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES COM JAVA 2EE E UML

DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES COM JAVA 2EE E UML DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES COM JAVA 2EE E UML Jhonattan Vieira do Carmo, Ricardo Ribeiro Rufino Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhonattan_si@hotmail.com ricardo@unipar.br Resumo.

Leia mais

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 05

Levantamento, Análise e Gestão Requisitos. Aula 05 Levantamento, Análise e Gestão Requisitos Aula 05 Agenda Requisitos de Software Tipos de Requisitos: funcionais e não-funcionais Definição do escopo do problema Análise do problema Compreensão da necessidade

Leia mais

2 a Lista de Exercícios

2 a Lista de Exercícios Projeto de Sistemas 2016/2 2 a Lista de Exercícios (1) A Figura 1 mostra um fragmento do diagrama de classes de análise de um sistema para uma livraria. Nesse sistema, usabilidade é um dos condutores do

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

Requisitos. Silvério Sirotheau

Requisitos. Silvério Sirotheau Requisitos Silvério Sirotheau Requisitos O levantamento e análise de requisitos compõem uma parte decisiva da fase de concepção dentro UP. O analista pode e deve utilizar todas as informações disponíveis

Leia mais

Adriano Maranhão PROFISSIONAIS E ATIVIDADES ENVOLVIDAS EM UM SGBD

Adriano Maranhão PROFISSIONAIS E ATIVIDADES ENVOLVIDAS EM UM SGBD Adriano Maranhão PROFISSIONAIS E ATIVIDADES ENVOLVIDAS EM UM SGBD ADMINISTRADOR DA BASE DE DADOS Em qualquer organização onde muitas pessoas compartilham muitos recursos, existe a necessidade de um administrador

Leia mais

Programação para Web I Desenvolvendo templates com Facelets. Prof. Eder de Lima Lacerda

Programação para Web I Desenvolvendo templates com Facelets. Prof. Eder de Lima Lacerda Programação para Web I Desenvolvendo templates com Facelets Prof. Eder de Lima Lacerda ederlacerda@gmail.com HOJE FALAREMOS SOBRE 1. Veremos como funciona a tecnologia de Facelets do Java Server Faces

Leia mais

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES LIVRO ENGENHARIA FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES WILSON PADUA PAULA FILHO CAPÍTULO REQUISITOS 1 REQUISITOS TECNICO E GERENCIAL ESCOPO (RASCUNHO) CARACTERISTICAS 2 O que são Requisitos? São objetivos ou

Leia mais

Desenvolvimento de Software

Desenvolvimento de Software PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 15ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações Total de Páginas:16 Versão: 1.0 Última Atualização: 26/07/2013 Índice

Leia mais

Padrões de Arquitetura de Software. Leandro Tonietto Unisinos fev-09

Padrões de Arquitetura de Software. Leandro Tonietto  Unisinos fev-09 Padrões de Arquitetura de Software Leandro Tonietto ltonietto@unisinos.br http://www.inf.unisinos.br/~ltonietto Unisinos fev-09 Introdução Padrões de projeto de software descrevem a criação, estruturação

Leia mais

Técnicas para Reutilização de Software

Técnicas para Reutilização de Software DCC / ICEx / UFMG Técnicas para Reutilização de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Panorama de Reutilização Frameworks Padrões de projeto Aplicações configuráveis Padrões de

Leia mais

Design de Software e Projeto Arquitetural de Software. Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br

Design de Software e Projeto Arquitetural de Software. Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Design de Software e Projeto Arquitetural de Software Prof. Edison A M Morais http://www.edison.eti.br prof@edison.eti.br Agenda 1. Contexto da Arquitetura e Projeto de Software 2. Definição de Arquitetura

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética - SisGSE

Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética - SisGSE BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética - SisGSE Documento de Protótipo UC011 Manter Agendamento Versão 2.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 20/11/2010

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas (Cont.) Profª Rafaella Matos

Análise e Projeto de Sistemas (Cont.) Profª Rafaella Matos Análise e Projeto de Sistemas (Cont.) Profª Rafaella Matos Modelando classes A dinâmica de troca de mensagens do diagrama de sequência forçará a existência de um relacionamento prévio entre as classes

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO (RFQ) Nº JOF /2016 ERRATA 02. Com referência ao processo em epígrafe, segue errata 02 que deverá ser considerada:

SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO (RFQ) Nº JOF /2016 ERRATA 02. Com referência ao processo em epígrafe, segue errata 02 que deverá ser considerada: JOF - JOINT OPERATIONS FACILITY SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO (RFQ) Nº JOF-0162-29944/2016 ERRATA 02 Brasília, 28 de setembro de 2016. Senhores(as): Com referência ao processo em epígrafe, segue errata 02 que

Leia mais

Processamento distribuído em ambiente peer-to-peer

Processamento distribuído em ambiente peer-to-peer Processamento distribuído em ambiente peer-to-peer Alexandre Helfrich Orientando Prof. Paulo Fernando da Silva Orientador Roteiro Introdução e Objetivos Fundamentação Teórica, Conceitos e Contexto Atual

Leia mais

Projeto Físico. Guia Rápido Do Desenvolvedor

Projeto Físico. Guia Rápido Do Desenvolvedor Projeto Físico Guia Rápido Do Desenvolvedor Powerlogic UNIP Unidade de Projetos Versão 1.0 1 1. Histórico de Revisões Atualizado por Data de Atualização Revisado por Data de Revisão 1 Karen Ramalho Sousa

Leia mais

Algo+: um app para o auxílio na aprendizagem de programação

Algo+: um app para o auxílio na aprendizagem de programação Algo+: um app para o auxílio na aprendizagem de programação Antônio Márcio Divino 1, Eduardo Júnior da Silva Resende 1, Renan Resende Gusmão Xavier 1, Luciano Vilas Boas Espiridião 1 1 Licenciatura em

Leia mais

Requisitos de Sistemas

Requisitos de Sistemas Requisitos de Sistemas Unidade II - Processos de Negócio Identificação Conceitos Modelagem - BPM - UML Processos x Requisitos 1 Processo de negócio CONCEITO Um processo de negócio, processo organizacional

Leia mais

ASIA ASSET GESTORA DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS

ASIA ASSET GESTORA DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS ASIA ASSET GESTORA DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS O presente Plano de Contingência e Continuidade de Negócios ( Plano ) tem como objetivo definir os procedimentos que

Leia mais

5 Usando as Representações de Design Rationale

5 Usando as Representações de Design Rationale 5 Usando as Representações de Design Rationale Como mencionamos anteriormente, representar design rationale em uma linguagem formal usando o modelo formal dos artefatos nos permite atribuir semântica ao

Leia mais

3. Engenharia dos requisitos de software

3. Engenharia dos requisitos de software Renato Cardoso Mesquita Departamento de Eng. Elétrica da UFMG renato@cpdee.ufmg.br Engenharia de Software 3. Engenharia dos requisitos de software.......... 3.1. Visão Geral O fluxo de Requisitos reúne

Leia mais

3 Trabalhos relacionados

3 Trabalhos relacionados 3 Trabalhos relacionados Adaptação e implantação dinâmicas são requisitos de aplicações em diversos domínios. Diversas abordagens são capazes de promover adaptação e implantação em tempo de execução. Alguns

Leia mais

CRIAÇÃO DE TABELAS NO ACCESS. Criação de Tabelas no Access

CRIAÇÃO DE TABELAS NO ACCESS. Criação de Tabelas no Access CRIAÇÃO DE TABELAS NO ACCESS Criação de Tabelas no Access Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Criação de um Banco de Dados... 4 3. Criação de Tabelas... 6 4. Vinculação de tabelas...

Leia mais

Modelagem de Processos

Modelagem de Processos Modelagem de Processos Prof.: Fernando Ascani Itens Estruturais Classes Uma Classe é um conjunto de objetos que compartilham os mesmos atributos, operações e relacionamentos. É representada graficamente

Leia mais

Aplicações Web com Servlets e JSP

Aplicações Web com Servlets e JSP J550 Desenvolvimento de Aplicações Web com Servlets e JSP Helder da Rocha www.argonavis.com.br 1 Objetivos Este curso explora os recursos da linguagem Java para o desenvolvimento de aplicações Web Tem

Leia mais

ANEXO III - REQUISITOS TÉCNICOS

ANEXO III - REQUISITOS TÉCNICOS ANEXO III - REQUISITOS TÉCNICOS A SOLUÇÃO deverá atender obrigatoriamente aos requisitos não funcionais e às características técnicas descritos itens 1 e 2 deste anexo. Os requisitos não funcionais e técnicos

Leia mais

Diagrama de Componentes e Implantação

Diagrama de Componentes e Implantação Diagrama de Componentes e Implantação Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User

Leia mais

ICET CURSO: Ciência da Computação e Sistemas de Informação (Sistemas Operacionais Abertos) Estudos Disciplinares. Campus: Data: / / Nome: Questão 1:

ICET CURSO: Ciência da Computação e Sistemas de Informação (Sistemas Operacionais Abertos) Estudos Disciplinares. Campus: Data: / / Nome: Questão 1: ICET CURSO: Ciência da Computação e Sistemas de Informação (Sistemas Operacionais Abertos) Estudos Disciplinares Campus: Data: / / Nome: RA: Turma: Questão 1: Silberschatz, Galvin e Gagne (c) 2007 Os alunos

Leia mais

3) Qual é o foco da Governança de TI?

3) Qual é o foco da Governança de TI? 1) O que é Governança em TI? Governança de TI é um conjunto de práticas, padrões e relacionamentos estruturados, assumidos por executivos, gestores, técnicos e usuários de TI de uma organização, com a

Leia mais

Infinity LTDA. Gerenciamento de Planos Corporativo de Celulares. Plano de Teste

Infinity LTDA. Gerenciamento de Planos Corporativo de Celulares. Plano de Teste Gerenciamento de Planos Corporativo de Celulares Versão: Version 01.01 Data: 23/06/2012 Indice 1-INTRODUÇÃO...3 1.1 Propósito...3 1.2 Publico Alvo...3 1.3 Esocopo...3 1.4 Definições, Acrônimos e Abreviações...3

Leia mais

1. Respondendo a cotação.

1. Respondendo a cotação. 1 1. Respondendo a cotação. Quando o comprador informa o preço pelo processo convencional é usada à tela Processos > Informação de Preços [773] que está localizada no módulo - Compras da gestão Materiais.

Leia mais

AULA 02. OBJETIVO: Características da Linguagem Orientada a Objetos.

AULA 02. OBJETIVO: Características da Linguagem Orientada a Objetos. AULA 02 OBJETIVO: Características da Linguagem Orientada a Objetos. HABILIDADES TRABALHADAS: Comparação das características das linguagens orientadas a objetos frente às linguagens estruturadas. Conhecimentos

Leia mais

ELABORADORES DANIEL BRUNO FERNANDES CONRADO GIORJETY LICORINI DIAS

ELABORADORES DANIEL BRUNO FERNANDES CONRADO GIORJETY LICORINI DIAS ELABORADORES DANIEL BRUNO FERNANDES CONRADO GIORJETY LICORINI DIAS MATERIAL DIDÁDICO INSTITUCIONAL PARA AS DISCIPLINAS PROJETO INTEGRADO I E PROJETO INTEGRADO II DO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Realizando a Análise e Projeto

Realizando a Análise e Projeto Realizando a Análise e Projeto Modelagem de Negócios O que temos: Modelagem dos processos: Diagrama de Atividades Modelo de Casos de Uso de Negócio: Modelo de Objetos de Negócio Ator de negócio, trabalhador

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP Nickerson Fonseca Ferreira nickerson.ferreira@ifrn.edu.br Introdução 2 Modelo

Leia mais

Banco de Dados e Engenharia de Software

Banco de Dados e Engenharia de Software Banco de Dados e Engenharia de Software Agenda Introdução a Banco de Dados Lógica Elementar, Conjuntos e Relações Arquitetura de Banco de Dados Linguagem SQL Modelo conceitual para Banco de Dados Transações

Leia mais

TYR GESTÃO DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS

TYR GESTÃO DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS TYR GESTÃO DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS AGOSTO 2016 1 O presente Plano de Contingência e Continuidade de Negócios ( Plano ) tem como objetivo definir os procedimentos

Leia mais

Notas de Aula 03: Introdução a Orientação a Objetos e a UML

Notas de Aula 03: Introdução a Orientação a Objetos e a UML Notas de Aula 03: Introdução a Orientação a Objetos e a UML Objetivos da aula: Introduzir os conceitos da Orientação à Objetos (O.O) Introduzir os conceitos da UML Relacionar os processos às ferramentas

Leia mais

Banco de Dados. Perspectiva Histórica dos Bancos de Dados. Prof. Walteno Martins Parreira Jr

Banco de Dados. Perspectiva Histórica dos Bancos de Dados. Prof. Walteno Martins Parreira Jr Banco de Dados Perspectiva Histórica dos Bancos de Dados Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Histórico Antes dos computadores, as informações eram

Leia mais

SSC Engenharia de Software. Prof. Paulo C. Masiero

SSC Engenharia de Software. Prof. Paulo C. Masiero SSC - 5764 Engenharia de Software Prof. Paulo C. Masiero Processo de Software: Fases ou Subprocessos DEFINIÇÃO CONSTRUÇÃO MANUTENÇÃO Análise de Sistema Análise de Requisitos Projeto Projeto Processo pelo

Leia mais

Introdução a Teste de Software

Introdução a Teste de Software Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Introdução a Teste de Software Prof. Luthiano Venecian 1 Conceitos Teste de software

Leia mais

SISTEMAS MULTIMÍDIA PROF MOZART DE MELO

SISTEMAS MULTIMÍDIA PROF MOZART DE MELO SISTEMAS MULTIMÍDIA PROF MOZART DE MELO Programa da Disciplina Multimídia conceitos, comunicação homemmáquina. Autoria produção de diversos tipos de aplicativos multimídia, examinando-se as alternativas

Leia mais

IF Sudeste MG Notícias IF Sudeste MG News

IF Sudeste MG Notícias IF Sudeste MG News IF Sudeste MG Notícias IF Sudeste MG News Gustavo Ciampi Costa Faulhaber 1, Felipe Barra Knop 2 e Sandro Roberto Fernandes 3 Resumo: O uso de dispositivos móveis está consolidado em nosso cotidiano. A

Leia mais

Abordagem Teórico-Prática

Abordagem Teórico-Prática Abordagem Teórico-Prática Prof. Giuliano Prado M. Giglio, M.Sc Desenvolvimento de Aplicações Distribuídas - WEB Agenda Padrão MVC Objetivo Características Problemas e se aplicar o MVC Sistema Exemplo Aplicação

Leia mais

RELATÓRIO DE INTRODUÇÃO AO PROJETO

RELATÓRIO DE INTRODUÇÃO AO PROJETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO RELATÓRIO DE INTRODUÇÃO AO PROJETO ALUNO: LEONARDO DE S. BRASIL MATRICULA: 04132513 ORIENTADOR: RICARDO PEREIRA E SILVA PROFESSOR:

Leia mais

Estrutura do Sistema Operacional

Estrutura do Sistema Operacional Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Aula 04 Estrutura do Sistema Operacional 2 1 Estrutura do Sistema Operacional

Leia mais

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA

DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS Secretaria Geral de Cursos PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS CÓDIGO: EXA808 DISCIPLINA: EI5 ENGENHARIA DE SOFTWARE CARGA HORÁRIA: 180h EMENTA: Estudo

Leia mais