JÚLIO SANTOS MONTEIRO AUTORIZAÇÃO SOBRE O PROTOCOLO PUBSUBHUBBUB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JÚLIO SANTOS MONTEIRO AUTORIZAÇÃO SOBRE O PROTOCOLO PUBSUBHUBBUB"

Transcrição

1 JÚLIO SANTOS MONTEIRO AUTORIZAÇÃO SOBRE O PROTOCOLO PUBSUBHUBBUB JOINVILLE, SC 2011

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA (UDESC) CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS (CCT) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO (DCC) JÚLIO SANTOS MONTEIRO AUTORIZAÇÃO SOBRE O PROTOCOLO PUBSUBHUBBUB Relatório Final de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) apresentado ao Curso de Graduação em Ciência da Computação, da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), como requisito parcial da disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso. Orientador: Profº Maurício Aronne Pillon Doutor pelo Institut National Polytechnique de Grenoble, França JOINVILLE, SC 2011

3 JÚLIO SANTOS MONTEIRO AUTORIZAÇÃO SOBRE O PROTOCOLO PUBSUBHUBBUB Relatório Final de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) aprovado como requisito parcial para obtenção do grau de BACHAREL no curso de graduação em Ciência da Computação da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) Banca Examinadora: Profº Maurício Aronne Pillon Doutor pelo Institut National Polytechnique de Grenoble, França Profº Mehran Misaghi Doutor pela Universidade de São Paulo Profº Rafael Rodrigues Obelheiro Doutor pela Universidade Federal de Santa Catarina JOINVILLE, SC 5 de julho de 2011

4 Agradecimentos Dedico meus sinceros agradecimentos: Ao Profº Maurício Aronne Pillon, orientador deste trabalho, por todo o auxílio, dedicação e vontade de me tornar um melhor acadêmico; Aos professores Cinara Terezinha Menegazzo, Mehran Misaghi e Rafael Rodrigues Obelheiro, pela atenção que me concederam e pelo seu interesse neste trabalho; A minha família, em especial a Carolini Valle, pelo carinho, compreensão e incentivo; Aos meus amigos, em especial ao Felipe Gallois, pela motivação e pelas conversas divertidas; A Blaine Cook, criador e co-criador de diversos protocolos como OAuth, WebFinger e PubSubHubbub, que me concedeu uma verdadeira aula de implementação da conferência RubyConf Brasil 2010 em São Paulo; A Brett Slatkin, criador do protocolo PubSubHubbub, que me permitiu conversar sobre a presente proposta do trabalho em San Francisco, California. E, ao final, ao Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina, por me convocar para posição de 2º Mesário e tornar a primeira etapa deste trabalho ainda mais emocionante.

5 Resumo PubSubHubbub é um protocolo Assinante/publicador utilizando método push focado na divulgação em tempo real de atualizações sobre tópicos. Sua especificação atual não suporta nenhum mecanismo de autorização sobre o publicador, fazendo com que o protocolo seja inviável em situações onde há informações sigilosas sendo transmitidas. Com o objetivo de eliminar esta limitação, este trabalho propõe uma nova versão do protocolo, suportando autorização através de protocolo WebFinger. A aplicação Diaspora é utilizada para validar o uso de autorização sobre o protocolo PubSubHubbub. Palavras-chave: pubsubhubbub, assinante/publicador, tempo real, autorização, webfinger, diaspora

6 Abstract PubSubHubbub is a Publish/subscribe protocol using push method, focused on topic announcements in real time broadcasting. PubSubHubbub s current protocol specifictation don t offers support to autorization over the publisher, making it unavailable for cases where there is private information being transmitted. With the purpouse of resolving this limitation, this paper proposes a new protocol version, supporting autorization though WebFinger protocol. The Diaspora application is used to validates authorization with PubSubHubbub protocol. Keywords: pubsubhubbub, publish/subscribe, realtime, authorization, webfinger, diaspora

7 Sumário 1 Introdução Motivação Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Estrutura da Monografia Fundamentos Teóricos Uma nova forma de consumir conteúdo Web Métodos Push e Pull Orientação a eventos Assinante/publicador Feed RSS Atom Tempo real no contexto de feeds na Web Protocolos Assinante/publicador na Web XML-RPC ping rsscloud XEP PubSubHubbub Acesso a feed privado

8 2.8.1 OAuth WebFinger XRD Autorização com WebFinger Considerações PubSubHubbub Objetivo do protocolo Entidades do PubSubHubbub Comunicação entre componentes Assinatura Requisição de assinatura Verificação de assinatura Confirmação da verificação Publicação Distribuição de Conteúdo Considerações sobre o fluxo de comunicação Limitação em autorização Aplicações utilizando PubSubHubbub Feedburner Google Reader Blogger Posterous Google Alerts Aplicações com interesse no uso do PubSubHubbub Limitação de acesso ao fluxo de atividades

9 3.7 Diaspora Considerações Autorização com WebFinger PubSubHubbub com WebFinger Funcionamento do WebFinger Especificação da autorização com WebFinger Autorização de endereço de resposta do assinante Adição do endereço da identidade do assinante Verificação da autorização do endereço de resposta do assinante Permissão de recebimento de notificações Permissão manual pelo usuário proprietário do Publicador Permissão automatizada do Publicador Acesso a todos usuários identificados Diaspora com autorização Pré-requisitos Autorização com WebFinger no Diaspora Considerações Validação da Autorização com WebFinger Implementação e acompanhamento de alterações Endereço de resposta do assinante Endereço da identidade do assinante no método de assinatura Verificação da autorização pelo concentrador Teste manual de assinatura Teste automatizado de assinatura

10 5.4 Panorama de perspectiva funcional Panorama de perspectiva de segurança Avaliação de perspectiva de desempenho Considerações Considerações Finais 67 Referências Bibliográficas 69

11 Lista de Figuras 2.1 Modelo centrado em website Modelo centrado em usuário Comparação entre pull e push Componentes de um sistema orientado a evento Processo de assinatura do PubSubHubbub Processo de publicação do PubSubHubbub Distribuição da novidade no tópico para os assinantes Autorização através de WebFinger e XRD Fluxo de atividades do Diaspora Componentes do Diaspora envolvidos na implementação Componente do Webglue envolvido na implementação Servidores e componentes envolvidos na implantação Componente do Webglue envolvido na implementação Concorrência versus Requisições/Segundo

12 9 Lista de Abreviaturas HMAC Hash-based Message Authentication Code (KRAWCZYK; BELLARE; CANETTI, 1997) HTTP Hypertext Transfer Protocol (FIELDING et al., 1999) HTTPS Hypertext Transfer Protocol SSL/TLS (RESCORLA, 2000) ICMP Internet Control Message Protocol (POSTEL, 1981) IETF Internet Engineering Task Force OAuth Open Authentication (HAMMER-LAHAV; RECORDON; HARDT, 2010) RFC Request For Comments (NOTTINGHAM; SAYRE, 2005) RPC Remote Procedure Call (THURLOW, 2009) RSS Really Simple Syndication (WINER, 2009b) SSL/TLS Secure Sockets Layer/Transport Layer Security (DIERKS; ALLEN, 1999) TLS Transport Layer Security (DIERKS; ALLEN, 1999) URL Uniform Resource Locator (BERNERS-LEE; FIELDING; MASINTER, 2005) XEP-0060 XMPP Publish-Subscribe Extension (MILLARD; SAINT-ANDRE; MEIJER, 2010) XML Extensible Markup Language (MALER et al., 2008) XMPP Extensible Messaging and Presence Protocol (SAINT-ANDRE, 2004) XRD Extensible Resource Descriptor (HAMMER-LAHAV; NORRIS, 2010)

13 10 1 Introdução A Web está mudando, deixando o modelo centrado em website (LIEBERMAN; PATERNò; WULF, 2006) onde o centro das atenções é o website, e passando a utilizar o modelo centrado em usuário (BRANDTZAEG et al., 2009) (RODEN, 2010). Com isso, antigos conhecidos assuntos como métodos de comunição pull e push (MüHL; FIEGE; PIETZUCH, 2006), orientação a eventos (LUCKHAM, 2002) e Assinante/publicador (BIRMAN; JOSEPH, 1987) voltam a ser discutidos, estudados e desenvolvidos. PubSubHubbub é um dos protocolos Assinante/publicador voltados para Web, visto que tem como objetivo possibilitar que qualquer servidor Web possa implementar uma comunicação Assinante/publicador sem a necessidade de infraestrutura adicional (FITZPATRICK; SLATKIN; ATKINS, 2010). Porém este protocolo possui uma limitação: não oferece suporte a assinatura de tópicos privados sem intervenção humana, impossibilitando a automatização do processo de assinatura quando o usuário tem interesse em receber notificações em tempo real de algum tópico que não esteja publicamente exposto na Web. 1.1 Motivação Não há protocolo Assinante/publicador voltado para Web que realize assinatura de tópicos privados sem intervenção humana (FITZPATRICK; SLATKIN; ATKINS, 2010). Por este motivo, o presente trabalho objetiva realizar assinatura a tópicos privados sobre o protocolo PubSubHubbub sem que haja qualquer intervenção humana, propondo uma ampliação de sua especificação atual e procurando resolver a limitação apresentada.

14 1.2 Objetivos Objetivo Geral Desenvolver uma ampliação do protocolo PubSubHubbub a fim de suportar autenticação e autorização através do protocolo WebFinger, de modo que seja possível realizar a assinatura de tópicos privados sem intervenção humana e sem a necessidade de torná-los públicos Objetivos Específicos Estudar o protocolo PubSubHubbub em sua plenitude, a fim de garantir que a nova versão da especificação seja compatível com a versão anterior; Estudar o protocolo WebFinger no que diz respeito a autorização de serviços Web; Compreender o funcionamento do PubSubHubbub sobre a aplicação Diaspora; Propor abordagem de utilização do protocolo WebFinger juntamente com o protocolo PubSubHubbub. 1.3 Estrutura da Monografia Esta monografia está estruturada como segue: O capítulo 1 apresentou a introdução do trabalho e o objetivo. O capítulo 2 é dedicado ao estudo dos fundamentos sobre método Push e Pull, orientação a eventos, Assinante/publicador, feed, tempo real no contexto de feeds na Web, protocolos assinante/publicador e acesso a feed privado, conceitos estes de suma importância para o entendimento dos trabalhos correlatos e do trabalho proposto. No capítulo 3 estuda-se o protocolo PubSubHubbub em sua pleniture, a fim de saber seu completo funcionamento, além de estudar aplicações que façam uso do PubSubHubbub e de aplicações que possuam interesse em sua utilização, mas não o fazem, e por que não o fazem. No capítulo?? apresenta-se uma abordagem de autorização com WebFinger sobre o protocolo PubSubHubbub a fim de resolver

15 12 as limitações apresentadas até então no trabalho, além de preocupar-se em demonstrar a aplicação da solução encontrada para a aplicação Diaspora, a fim de ilustrar seu funcionamento. O capítulo 5 realizá a implementação proposta e planejada, além de demonstrar o uso do software com a implementação da proposta, assim como de avaliar o que foi realizado. Por fim, o capítulo 6 apresenta as considerações finais do presente trabalho.

16 13 2 Fundamentos Teóricos Neste capítulo são inseridos conceitos básicos utilizados neste trabalho de pesquisa. Na seção 2.1 é demonstrado uma maneira distinta de consumo de informação na Web. Na seção 2.2 são introduzidos os métodos de comunicação push e pull. Na seção 2.3 é conceituada Orientação a eventos. Na seção 2.4 é estudado o paradigma mensageiro Assinante/publicador. Na seção 2.5 são introduzidos os formatos RSS e Atom. Na seção 2.6 define-se o termo tempo real para o contexto deste trabalho. Na seção 2.7 discute-se diferentes protocolos Assinante/publicador para Web, como XML-RPC ping, rsscloud, XEP-0060 e PubSubHubbub. Na seção 2.8 é discutida a dificuldade de acesso a feeds privados, e os protocolos OAuth 2.0 e WebFinger são estudados como solução. Na seção 2.9 realiza-se considerações sobre o capítulo. 2.1 Uma nova forma de consumir conteúdo Web Os primeiros navegadores Web foram originalmente projetados para carregar e exibir páginas Web. O princípio de uma página Web é bastante similar a uma página impressa, por este motivo a existência dos botões voltar e avançar ao lado da barra de endereço. As páginas Web nada mais são do que documentos em formato digital. Os usuários necessitam acessar o website para obter seu conteúdo, sendo esta a única maneira de estabelecer uma interação, e por este motivo este modelo é chamado de modelo centrado em website (tradução da expressão website-centric model ) (LIE- BERMAN; PATERNò; WULF, 2006) (RODEN, 2010), ilustrado pela figura 2.1. Porém a maneira como consumimos conteúdo Web 1 está mudando, deixando o paradigma baseado em documento para outra forma de comunicação, baseada puramente na Web (RODEN, 2010). Esta nova forma baseia-se na maneira como as interações são realizadas na Web. No modo tradicional, o modelo centrado em website, a interação entre o usuário e a aplicação Web é bastante simples: o usuário acessa o endereço e adquire o conteúdo. Em casos onde a aplicação interage com o usuário 1 Tradução da expressão consume web content, que indica a leitura de conteúdo publicado na Web.

17 14 Figura 2.1: Modelo centrado em website Adaptação de RODEN (2010) (por exemplo, pesquisar por descontos em livros em um buscador), esta aplicação só pode ser estabelecida através de formulários, constituindo-se do envio do formulário e o aguardo da resposta. O modo puramente Web é baseado em websites que não precisam mais aguardar que um usuário acesse seu endereço. Aplicações Web se tornaram proativas e podem contatar o usuário, independente de onde ele estiver, e por este motivo autores chamam este o modelo centrado em usuário (tradução da expressão user-centric model ) (BRANDTZAEG et al., 2009) (RODEN, 2010), ilustrado pela figura 2.2. Figura 2.2: Modelo centrado em usuário Adaptação de RODEN (2010) E, uma vez que há a possibilidade de uma aplicação Web ir ao encontro do usuário, o momento mais propício é o instante em que o evento ocorrer (RODEN, 2010). Por exemplo, se o usuário estiver interessado em novas ocorrências da busca por descon-

18 15 tos de livros, é justamente quando elas forem indexadas pelo buscador que o usuário será avisado, ou seja, o usuário recebe a informação tão logo o buscador tome conhecimento de uma nova ocorrência sobre o assunto. 2.2 Métodos Push e Pull O modo tradicional onde o usuário acessa e adquire o conteúdo é chamado de método pull (MüHL; FIEGE; PIETZUCH, 2006), pois o usuário puxa o conteúdo para si uma vez que acessou o endereço Web e requisitou o download de determinada página. Já a previamente apresentada nova forma de interações realizadas na Web, onde o produtor de conteúdo vai ao encontro do usuário empurrando conteúdo é chamada de método push (MüHL; FIEGE; PIETZUCH, 2006). Pull é o método tradicional, mais utilizado até o presente momento; nele, o usuário encontra a aplicação e submete uma solicitação, e o servidor desta aplicação lhe envia uma resposta. Se houver a necessidade de enviar mais informação, o servidor deve aguardar até que o usuário inicie outra interação para que ele possa lhe enviar. O segundo método, push, parte do princípio que existe um canal de comunicação aberto entre o usuário e o servidor, onde o servidor pode enviar novas mensagens ao usuário imediatamente, sem a necessidade do usuário iniciar uma interação. A figura 2.3 demonstra uma situação hipotética, onde um consumidor solicita a um produtor de conteúdo se há novidades sobre determinado tópico. Na coluna da esquerda, exemplificando o método pull, são realizadas duas requisições sem que haja nenhuma novidade, somente na terceira requisição o produtor possui conteúdo relevante para transmitir. Na coluna da direita, é possível observar um exemplo do método push, onde o consumidor questiona por novidades porém o produtor não responde que não há novidades: ele permanece conectado ao consumidor até que efetivamente haja novidades a serem transmitidas. Do ponto de vista de FITZPATRICK; SLATKIN; ATKINS (2010) e RODEN (2010), o método pull desperdiça recursos uma vez que necessita que o usuário efetue uma interação mesmo sem haver conteúdo relevante para ser transmitido. Por este aspecto, o método push pode ser considerado mais eficiente uma vez que este somente estabelece nova comunicação quando realmente houver conteúdo novo a ser transmitido. Na fi-

19 16 Figura 2.3: Comparação entre pull e push Adaptação de RODEN (2010)

20 17 gura 2.3, com o método pull, as duas primeiras requisições foram desperdiçadas uma vez que o consumidor possuía interesse em novidades mas o produtor de conteúdo não possuía nenhuma novidade a ser transmitida; somente na terceira tentativa o consumidor obteve êxito em adquirir seu conteúdo. Já com o método push, a figura ilustra que o consumidor somente será contatado quando efetivamente houverem novos itens a serem transmitidos. Portanto, com base no exemplo e na bibliografia estudada, o método push é mais eficiente que pull, uma vez que não há desperdício de requisições e o consumidor recebe o conteúdo relevante tão logo este seja publicado, e não somente quando realizar a comunicação (LUCKHAM, 2002). Porém é necessário estabelecer um modelo de orientação para que, quando ocorra uma publicação, ocorra comunicação entre o produtor e o consumidor. Dada a natureza das ações do método push, que são chamados de eventos, utiliza-se um sistema orientado a evento (LUCKHAM, 2002). 2.3 Orientação a eventos Um sistema orientado a evento consiste em um conjunto de componentes desacoplados que possuem um meio de comunicação, através de um ou mais canais de comunicação entre si (LUCKHAM, 2002). Na interação de um sistema orientado a evento, componentes realizam conversas a partir da ocorrência de determinados eventos. Sistemas orientados a evento são constituídos por eventos e notificações como meio de comunicação; produtores e consumidores como componentes de interação; assinaturas significando um interesse de um consumidor em certas notificações; e um middleware de notificação de eventos responsável por comunicar notificações entre os produtores e os consumidores (MüHL; FIEGE; PIETZUCH, 2006). Na figura 2.4 é ilustrado um momento em que um evento é disparado, fazendo com que o produtor gere uma notificação que é entregue ao sistema de notificação. Este, por sua vez, abstrai o meio de comunicação que é responsável por encapsular a notificação em uma mensagem e propagá-la ao sistema de notificação responsável por receber e desencapsular a mensagem em uma notificação, e, por final, entregá-la ao

21 18 Figura 2.4: Componentes de um sistema orientado a evento Adaptação de MüHL; FIEGE; PIETZUCH (2006) consumidor. Para MüHL; FIEGE; PIETZUCH (2006), o middleware de notificação de eventos mais popular é o Assinante/publicador. 2.4 Assinante/publicador Descrito pela primeira vez por SCHMUCK (BIRMAN; JOSEPH, 1987), Assinante/- publicador é classificado como um paradigma mensageiro orientado a eventos. Seu nome origina-se de suas duas principais entidades: o publicador, que representa um produtor que produz o conteúdo; e o assinante, que representa um consumidor que tem interesse em obter determinada classe de conteúdo de um publicador, onde esta classe de conteúdo é conhecida como tópico (BIRMAN; JOSEPH, 1987). Nesta abordagem, o assinante realiza uma assinatura com o publicador em determinado tópico; sempre que um publicador realizar o evento de publicação, os assinantes recebem uma notificação de anúncio (announcement notification), informando que há novidades em determinado tópico dos quais possuem assinatura.

22 Na Web, tópicos são popularmente representados por feeds (RODEN, 2010), visto que é um formato de dados flexível com o foco em atualizações Feed Feed, também conhecido como web feed ou news feed, é um formato de dados responsável por prover atualizações constantes a usuários, e tem sido o formato preferencial em ambientes Assinante/publicador na Web. Os dois formatos de feeds são: RSS e Atom RSS RSS (Really Simple Syndication) ou Assinatura Realmente Simples (WINER, 2009b) denota um formato de feed ampliado por diversas empresas e colaboradores (HAMMERSLEY, 2005). O RSS utiliza a linguagem de marcação XML (Extensible Markup Language) (MALER et al., 2008). A primeira versão, chamada de 0.90, foi criada pela empresa Netscape em Cerca de um ano depois, a empresa UserLand Software lançou as versões 0.91, 0.92, 0.93 e 0.94; que foram na sequência superadas pelo lançamento da versão 1.0 pelo RSS-DEV Working Group e, após, também tornadas obsoleta pela versão 2.0 lançada novamente pela UserLand Software. Hoje em dia, curiosamente, as versões mais populares são as 0.91 e 2.0 (HAMMERSLEY, 2005). O RSS utiliza a linguagem de marcação XML (MALER et al., 2008), como pode ser observado no exemplo: <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <rss version="2.0"> <channel> <title>título do Tópico</title> <description>descrição do Tópico</description> <link>http://www.example.com/topico.html</link> <lastbuilddate>mon, 24 Nov :00: </lastBuildDate> <pubdate>mon, 24 Nov :00: </pubDate> <item> <title>atualização no Tópico (notícia)</title> <description>descrição da atualização do tópico.</description> <link>http://www.example.com/url_relacionada</link>

23 20 <guid>identificacao-unica-da-atualizacao-1337</guid> <pubdate>mon, 24 Nov :00: </pubDate> </item> </channel> </rss> Os campos que iniciam com o sinal menor que (<) e terminam com o sinal maior que (>) são chamadas pelo XML de tags (MALER et al., 2008). Destaque para algumas tags do RSS: <channel> contém o tópico em sí, <item> contém uma atualização, e <title> (dentro de <item>) contém o título da atualização no feed Atom Devido as diversas versões e empresas responsáveis pelo RSS, a fim de consolidar e melhorar o formato de feeds em 2005, o IETF criou o grupo de trabalho IETF Atom Publishing Format and Protocol a fim de definir um protocolo e publicá-lo em uma RFC (Request For Comments) (NOTTINGHAM; SAYRE, 2005). Como resultado do grupo de trabalho, foi criado o formato Atom, com sua versão final oficializada em 2007 (GRE- GORIO; HORA, 2007). Embora Atom seja considerado superior ao RSS devido a sua especificação mais completa e com mais recursos, tanto Atom quanto RSS são utilizados na Web, sendo que alguns websites chegam a utilizar, em paralelo, tanto Atom quanto RSS, inclusive em diferentes versões, a fim de oferecer maior compatibilidade com diferentes leitores de feed (HAMMERSLEY, 2005). O Atom também utiliza a linguagem de marcação XML (MALER et al., 2008) assim como o RSS, e pode ser observado no exemplo: <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <feed xmlns="http://www.w3.org/2005/atom"> <title>título do Tópico</title> <subtitle>subtítulo do Tópico</subtitle> <link href="http://www.example.com/topico.atom" rel="self" /> <link href="http://www.example.com" /> <id>urn:uuid:60a76c80-d399-11d9-b91c e0afa</id> <updated> t00:00:00z</updated> <author> <name>nome do Proprietario</name> </author>

24 21 <entry> <title>atualização no Tópico (notícia)</title> <link href="http://www.example.com/url_relacionada" /> <link rel="alternate" type="text/html" href="http://www.example.com/url_relacionada.html"/> <link rel="edit" href="http://www.example.com/url_relacionada/edit"/> <id>urn:uuid:1225c695-cfb8-4ebb-aaaa-80da344efa6c</id> <updated> t00:00:00z</updated> <summary>descrição da atualização do tópico.</summary> </entry> </feed> Embora similar ao RSS, possui tags mais descritivas (por exemplo,<feed> ao invés de <channel>) e uma quantidade maior de tags. Destaque para algumas tags do Atom: <feed> contém o tópico em sí, <entry> contém uma atualização, e <title> (dentro de <entry>) contém o título da atualização no feed. 2.6 Tempo real no contexto de feeds na Web Antes de discutir protocolos de Assinante/publicador na Web, faz-se necessário um rápido estudo do termo tempo real no contexto de notificações Assinante/publicador de feeds na Web. Para RODEN (2010) um sistema para ser considerado tempo real deve realizar o disparo de notificações aos seus assinantes dentro de poucos segundos. Dadas as limitações do protocolo HTTP (Hypertext Transfer Protocol) (FIELDING et al., 1999) e a latência da Internet para usuários domésticos, não é viável preocupar-se com a grandeza de milissegundos, e por este motivo RODEN (2010) claramente utiliza a ordem de grandeza de segundos para embasar sua experiência de usuário em tempo real. Com esta conclusão, o presente trabalho utiliza o termo tempo real dentro do contexto instaurado por RODEN (2010). 2.7 Protocolos Assinante/publicador na Web Diversos protocolos foram desenvolvidos com o objetivo de implementar o método push com o middleware de mensagens do Assinante/publicador, com destaque para: XML-RPC ping, rsscloud, XEP-0060 e PubSubHubbub (FITZPATRICK; SLATKIN; ATKINS, 2010).

25 2.7.1 XML-RPC ping 22 XML-RPC ping foi introduzido por Dave Winer em Na época, Winer trabalhava na empresa UserLand Software, que criou o serviço Weblogs.com com o objetivo de centralizar atualizações de blogs, a fim de que fosse possível saber quais blogs haviam sido atualizados sem a necessidade de acessá-los (WINER, 2001). Seu nome deve-se ao fato das tecnologias utilizadas: o XML-RPC ping faz uso de comunicação inter-processo RPC (Remote Procedure Call) (THURLOW, 2009), juntamente com a linguagem de marcação XML (MALER et al., 2008), além de basearse no protocolo HTTP (FIELDING et al., 1999) como meio de transporte (LAURENT; DUMBILL; JOHNSTON, 2001). O XML-RPC ping é um mecanismo de push onde um publicador notifica um assinante (chamado de ping server) sobre uma atualização no seu conteúdo, através de uma chamada pelo protocolo RPC utilizando XML. O assinante, por sua vez, recebe a notificação e vai até o blog atualizado verificar o que foi alterado, que por sua vez registra a alteração em uma lista de publicadores que possuem novidade, chamada de changes.xml (WINER, 2001). Uma importante característica do XML-RPC ping é que este faz uso de uma técnica chamada light ping (LAURENT; DUMBILL; JOHNSTON, 2001): as notificações de atualização enviadas não possuem a informação do conteúdo que foi atualizado, mas somente a informação de que há alguma atualização qualquer disponível. Por este motivo, alguns autores chamam este mecanismo de ping/pull, já que ocorre um ping e então o cliente deve ir até publicador requisitar atualizações (WINER, 2001). Visto que este protocolo utiliza XML-RPC, pode ocorrer um problema conhecido como Thundering herd (HONEYMAN et al., 1999): quando há muitos assinantes com assinatura com determinado publicador, se houver uma atualização e os assinantes receberem somente um light ping, ou seja, apenas a notificação que há alguma novidade, estes assinantes podem ir, ao mesmo tempo, requisitar o publicador para adquirir o tópico em questão. Dado um número suficientemente grande de assinantes, se a requisição pelo tópico for realizada ao mesmo tempo, o publicador pode ser derrubado por um ataque de negação de serviço (Denial-of-service attack) não proposital, causado pelo interesse de múltiplos assinantes em seu tópico (MüHL; FIEGE; PIETZUCH, 2006).

26 23 Entre vantagens do XML-RPC ping, destacam-se o minimalismo do protocolo, sua baixa latência, considerando a ocorrência da publicação até o envio da notificação, e a utilização do protocolo XML devido a popularidade (MALER et al., 2008). Como desvantagens, há sua suscetibilidade ao problema de Thundering herd, inexistência de notificações seguras (criptografadas), ausência de um mecanismo de assinatura automática e suporte somente a feeds públicos (LAURENT; DUMBILL; JOHNSTON, 2001) rsscloud rsscloud é uma extensão ao protocolo RSS que habilita notificações push em tempo real e comunicação Assinante/publicador para feeds. Este feito é alcançado informando o cloud (nuvem) no feed. O dito cloud é o nome dado ao servidor concentrador, entidade responsável por receber notificações de anúncio e retransmitir a informação aos assinantes com interesse no tópico (WINER, 2009a). O rsscloud também foi criado por Dave Winer, o rsscloud somente suportava RSS, mas uma versão posterior introduziu suporte ao formato Atom (RICHARDSON; RUBY; HANSSON, 2007). Seu funcionamento baseia-se no fato que quando um assinante tiver interesse em um tópico, este lê a informação cloud no feed, envia uma solicitação de assinatura ao servidor, e este registra o assinante para enviar, posteriormente, atualizações recebidas no tópico (WINER, 2009a). Assim como o XML-RPC ping, o rsscloud faz uso de light pings (WINER, 2009a), somente enviando a notificação de existência de nova atualização, não informando o que foi atualizado. Outra característica importante é o fato que clouds deste protocolo automaticamente cancelam assinaturas após 25 horas, portanto é necessário que assinaturas sejam renovadas quase diariamente a fim de manter a assinatura ativa. Entre as vantagens do rsscloud, destaque para latência baixa, pings utilizando REST (RICHARDSON; RUBY; HANSSON, 2007), utilização do protocolo XML (MA- LER et al., 2008), e mecanismo automatizado de assinatura, diferente do XML-RPC ping. Como desvantagens, o rsscloud também é suscetível ao problema Thundering herd (WINER, 2009a), sua utilização de light pings, a necessidade de realizar renovação de assinatura a cada 25 horas ao máximo, e sua necessidade de somente suportar

Agregadores de Conteúdo

Agregadores de Conteúdo Agregadores de Conteúdo São programas ou sites capazes de interpretar e mostrar o conteúdo dos Feeds RSS. Essa é uma forma de facilitar a leitura de vários sites e blogs, acessando o que há de novo em

Leia mais

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias

RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias RSS no desenvolvimento de uma Central de Notícias Darley Passarin 1, Parcilene Fernandes de Brito 1 1 Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Palmas TO Brasil darley@centralrss.com.br,

Leia mais

Capítulo 3. Redes Sociais 24

Capítulo 3. Redes Sociais 24 3 Redes Sociais No contexto da Internet, redes sociais podem ser definidas como locais (sites) em que pessoas se conectam umas às outras através de laços sociais baseados em afinidades, interesses em comum

Leia mais

Baidu Spark Browser. Documento de Especificação de Requisitos de Software

Baidu Spark Browser. Documento de Especificação de Requisitos de Software Baidu Spark Browser Documento de Especificação de Requisitos de Software Campus Party Brasil 2014 Desafio Baidu Quero um estágio na China Autor: Thiago Pinheiro Silva E-mail: eu@thiageek.com.br Índice

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores

Segurança de Redes de Computadores Segurança de Redes de Computadores Aula 10 Segurança na Camadas de Rede Redes Privadas Virtuais (VPN) Prof. Ricardo M. Marcacini ricardo.marcacini@ufms.br Curso: Sistemas de Informação 1º Semestre / 2015

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Criação de Formulários no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Criação de Formulários no Google Drive Introdução...

Leia mais

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS]

[MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] 2011 [MANUAL DE INTEGRAÇÃO PARA SITES DE MEMBROS] Destinado a usuários que desejam vender conteúdo premium, disponível em sites de membros, através da plataforma Hotmart. Versão do documento: 1.0, 11/04/2011.

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

Manual de utilização do STA Web

Manual de utilização do STA Web Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Web Versão 1.1.7 Sumário 1 Introdução... 3 2 Segurança... 3 2.1 Autorização de uso... 3 2.2 Acesso em homologação... 3 2.3 Tráfego seguro...

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais

Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Anexo V - Planilha de Apuração Aquisição de Solução de Redes Sociais Será utilizado o seguinte critério: Atende / Não atende (Atende em parte será considerado Não atende) Item Itens a serem avaliados conforme

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança Protocolos de Segurança A criptografia resolve os problemas envolvendo a autenticação, integridade

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões. Prof. MSc. Hugo Souza Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Cookies e Sessões Prof. MSc. Hugo Souza Se você precisar manter informações sobre seus usuários enquanto eles navegam pelo seu site, ou até quando eles saem

Leia mais

"Manual de Acesso ao Moodle - Discente" 2014

Manual de Acesso ao Moodle - Discente 2014 "Manual de Acesso ao Moodle - Discente" 2014 Para acessar a plataforma, acesse: http://www.fem.com.br/moodle. A página inicial da plataforma é a que segue abaixo: Para fazer o login, clique no link Acesso

Leia mais

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20

Índice. Para encerrar um atendimento (suporte)... 17. Conversa... 17. Adicionar Pessoa (na mesma conversa)... 20 Guia de utilização Índice Introdução... 3 O que é o sistema BlueTalk... 3 Quem vai utilizar?... 3 A utilização do BlueTalk pelo estagiário do Programa Acessa Escola... 5 A arquitetura do sistema BlueTalk...

Leia mais

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema Footprints Service Core Manual de uso do sistema Sumário Acessando o sistema... 3 Visão geral... 4 Criação de chamados... 5 Acompanhamento de chamados... 7 Compartilhamento de chamados... 8 Notificações...

Leia mais

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 4.0. Março de 2015. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 4.0 Março de 2015 Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho de equipe.

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA conceito inicial Amplo sistema de comunicação Conecta muitas redes de computadores Apresenta-se de várias formas Provê

Leia mais

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos

Novell Vibe 3.4. Novell. 1º de julho de 2013. Inicialização Rápida. Iniciando o Novell Vibe. Conhecendo a interface do Novell Vibe e seus recursos Novell Vibe 3.4 1º de julho de 2013 Novell Inicialização Rápida Quando você começa a usar o Novell Vibe, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

Tecnologias Web. Lista de Exercícios AV02 Turma 3003. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Tecnologias Web. Lista de Exercícios AV02 Turma 3003. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Turma 3003 Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 Um analista de sistemas deseja enviar para seu cliente um arquivo de 300 Mb referente a uma atualização do software. Para transferir

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG 1 ÍNDICE 03 APRESENTAÇÃO. Dicas para estudar a distância. Funções do professor e do tutor 04 CADASTRO NO CURSO 05 ACESSO AO CURSO 07 FERRAMENTAS DE ESTUDO. Conteúdo: aulas virtuais.

Leia mais

Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno

Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Aluno Índice 1 Acessando o sistema via internet...3 2 Funcionalidades...6 2.1 Horário Individual...7 2.2 Calendário Acadêmico...8 2.3 Biblioteca...9 2.3.1 Consultar

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Política de uso de dados

Política de uso de dados Política de uso de dados A política de dados ajudará você a entender como funciona as informações completadas na sua área Minhas Festas. I. Informações que recebemos e como são usadas Suas informações

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Qlik Sense Cloud. Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados.

Qlik Sense Cloud. Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik Sense Cloud Qlik Sense 2.0.2 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik, QlikTech,

Leia mais

Lista de Exercício: PARTE 1

Lista de Exercício: PARTE 1 Lista de Exercício: PARTE 1 1. Questão (Cód.:10750) (sem.:2a) de 0,50 O protocolo da camada de aplicação, responsável pelo recebimento de mensagens eletrônicas é: ( ) IP ( ) TCP ( ) POP Cadastrada por:

Leia mais

TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH!

TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH! UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (USP) ESCOLA DE ARTES, CIÊNCIAS E HUMANIDADES (EACH) TUTORIAL: MANTENDO O BANCO DE DADOS DE SEU SITE DENTRO DO DOMÍNIO DA USP USANDO O SSH! Autoria e revisão por: PET Sistemas

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança 3 SERVIÇOS IP 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança Os serviços IP's são suscetíveis a uma variedade de possíveis ataques, desde ataques passivos (como espionagem) até ataques ativos (como a impossibilidade

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

Polycom RealPresence Content Sharing Suite Guia rápido do usuário

Polycom RealPresence Content Sharing Suite Guia rápido do usuário Polycom RealPresence Content Sharing Suite Guia rápido do usuário Versão 1.2 3725-69877-001 Rev.A Novembro de 2013 Neste guia, você aprenderá a compartilhar e visualizar conteúdos durante uma conferência

Leia mais

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br

JXTA. Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima. avfl@cin.ufpe.br JXTA Alessandro Vasconcelos Ferreira de Lima Roteiro Motivação Introdução Arquitetura de JXTA Elementos de JXTA Os Protocolos Comparações e Desvantagens Conclusão Motivação Limitações do Modelo Cliente

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução...2. 2. O que é o Sistema Mo Porã...2. 3. Como acessar o Site Mo Porã...3. 4. Cadastro do Sistema Mo Porã...

ÍNDICE. 1. Introdução...2. 2. O que é o Sistema Mo Porã...2. 3. Como acessar o Site Mo Porã...3. 4. Cadastro do Sistema Mo Porã... ÍNDICE 1. Introdução...2 2. O que é o Sistema Mo Porã...2 3. Como acessar o Site Mo Porã...3 4. Cadastro do Sistema Mo Porã...4 5. Navegando no Site Mo Porã...6 5. 1 Manual de ajuda do sistema Mo Porã...7

Leia mais

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial...

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial... 1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3 1.1. Conhecendo a Plataforma... 4 1.2. Seleção da Empresa de Trabalho... 4 1.3. Sair do Sistema... 5 1.4. Retornar a tela principal... 5 3. Configurações...

Leia mais

Consultar Tabelas Administrativas

Consultar Tabelas Administrativas STN Coordenação-Geral de Sistemas e Tecnologia de Informação Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Secretaria do Tesouro Nacional STN Documentação de Serviços de Interoperabilidade

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

Política de Privacidade do Serviço OurSound para Estabelecimentos

Política de Privacidade do Serviço OurSound para Estabelecimentos Política de Privacidade do Serviço OurSound para Estabelecimentos Esta Política de privacidade explica a política do OurSound no que tange a coleta, utilização, divulgação e transferência de informações,

Leia mais

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Departamento de Informática, UFMA Graduação em Ciência da Computação Francisco José da Silva e Silva 1 Introdução Segurança em sistemas

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Sistema Protocolo Integrado Manual de Integração ao Web Service

Sistema Protocolo Integrado Manual de Integração ao Web Service 2015 Sistema Protocolo Integrado Manual de Integração ao Web Service Manual com a descrição do Web Service de recebimento das informações de processos e documentos dos órgãos e entidades. Versão 1.0 Vigência

Leia mais

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WISLIY LOPES JULIANO PIROZZELLI TULIO TSURUDA LUIZ GUILHERME MENDES PROTOCOLO 802.1X COM FRERADIUS GOIÂNIA JUNHO DE 2014 Sumário 1.

Leia mais

1ª Edição Outubro de 2007

1ª Edição Outubro de 2007 1 Ficha Técnica Título: Manual de utilização da ELGG - Aluno Autoria: Célia Tavares Direcção Pedagógica e Técnica: Paula Peres Copyright: Projecto de Apoio On-line 1ª Edição Outubro de 2007 O Manual de

Leia mais

Política de Privacidade ADAMA

Política de Privacidade ADAMA Política de Privacidade ADAMA Esta política de privacidade torna-se efetiva em 1º de abril de 2014. A Adama se reserva o direito de atualizá-la de acordo com sua necessidade. Recomendamos que este documento

Leia mais

Boletim Técnico. O sistema é atualizado logo após a aplicação do pacote de atualizações (Patch) deste boletim.

Boletim Técnico. O sistema é atualizado logo após a aplicação do pacote de atualizações (Patch) deste boletim. Boletim Técnico Produto : EMS2 / Datasul 11 Chamado : Data da criação : 09/05/2013 Data da revisão : 09/05/2013 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos A Nota Técnica 2012/002 foi publicada em março

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

Projeto de Software Social. ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica

Projeto de Software Social. ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica 1 Projeto de Software Social ScyNetwork: Software Social para apoio a Comunidade Científica Autores: Carlos Alberto Meier Basso Késsia Rita da Costa Marchi Marcelo Rafael Borth Orientador: Prof. Dr. Sérgio

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA. Text PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA. Text PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt Text GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30

Leia mais

// Questões para estudo

// Questões para estudo // Questões para estudo 2 // Ferramentas Básicas de Internet e Web 2.0 1. Sobre a internet, marque a opção correta: A) A internet poder ser definida como uma rede mundial, composta por mihões e milhões

Leia mais

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202

Web 2.0. Amanda Ponce Armelin RA 052202 Amanda Ponce Armelin RA 052202 Americana, 2007 Tópicos Introdução Web 1.0 Definição Comparativo Web1.0 x Web2.0 Web 3.0 Definição Conclusão Definição Principais características Discórdia Termos Essenciais

Leia mais

Thursday, October 18, 12

Thursday, October 18, 12 O Site Legado do IFP é uma comunidade online e global dos ex-bolsistas do programa. É um recurso e um lugar para você publicar notícias profissionais, recursos e teses para a comunidade global do IFP,

Leia mais

Guia do Usuário. versão 1.2. GiuSoft Tecnologia - www.giusoft.com.br

Guia do Usuário. versão 1.2. GiuSoft Tecnologia - www.giusoft.com.br Guia do Usuário versão 1.2 GiuSoft Tecnologia - www.giusoft.com.br Sumário Introdução 2 O que é o Alitem? 3 Portal de aplicativos na Internet 3 Site de relacionamentos 3 Infra-estrutura de desenvolvimento

Leia mais

Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server

Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server Guia do laboratório de teste: Configure o SharePoint Server 2010 como um Servidor Único com o Microsoft SQL Server Este documento é fornecido no estado em que se encontra. As informações e exibições expressas

Leia mais

Facebook. Java com o. Integrando Aplicações. Descubra como é fácil criar uma aplicação para rodar no Facebook. _capa

Facebook. Java com o. Integrando Aplicações. Descubra como é fácil criar uma aplicação para rodar no Facebook. _capa _capa Integrando Aplicações Java com o Facebook Descubra como é fácil criar uma aplicação para rodar no Facebook Desde o lançamento oficial do Facebook, em 2004, o número de usuários vem aumentando a cada

Leia mais

Guia de Atualização Release FoccoERP 2014

Guia de Atualização Release FoccoERP 2014 Guia de Atualização Release FoccoERP 2014 02/06/2014 Índice ÍNDICE... 2 APRESENTAÇÃO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PROCESSO DE INSTALAÇÃO... 4 ATUALIZANDO UM SEGUNDO AMBIENTE... 21 Página 2 de 22 Apresentação Este

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010. Comparativo entre Apache e IIS.

Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010. Comparativo entre Apache e IIS. Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010 Comparativo entre Apache e IIS. Apache versus IIS 1. Resumo Os programas de computador Apache, da fundação Apache

Leia mais

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br

Satélite. Manual de instalação e configuração. CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Satélite Manual de instalação e configuração CENPECT Informática www.cenpect.com.br cenpect@cenpect.com.br Índice Índice 1.Informações gerais 1.1.Sobre este manual 1.2.Visão geral do sistema 1.3.História

Leia mais

Trabalho sobre o Facebook. De Sistemas Formador Tomás Lima

Trabalho sobre o Facebook. De Sistemas Formador Tomás Lima Trabalho sobre o Facebook De Sistemas Formador Tomás Lima Formando Marco Silva S - 13 Índice Facebook... 3 Porque todas essas perguntas para criar um perfil?... 3 O Facebook fornece várias maneiras de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Guia de conexão na rede wireless

Guia de conexão na rede wireless 1 Guia de conexão na rede wireless Este documento tem por objetivo orientar novos usuários, não ambientados aos procedimentos necessários, a realizar uma conexão na rede wireless UFBA. A seguir, será descrito

Leia mais

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnóstico de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa de defeitos Segurança garantida do cliente 701P41699 Visão geral dos Serviços Remotos Sobre

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Novell Teaming 2.0. Novell. 29 de julho de 2009. Início Rápido. Iniciando o Novell Teaming. Conhecendo a interface do Novell Teaming e seus recursos

Novell Teaming 2.0. Novell. 29 de julho de 2009. Início Rápido. Iniciando o Novell Teaming. Conhecendo a interface do Novell Teaming e seus recursos Novell Teaming 2.0 29 de julho de 2009 Novell Início Rápido Quando você começa a usar o Novell Teaming, a primeira coisa a se fazer é configurar sua área de trabalho pessoal e criar uma área de trabalho

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Configurações de Campanha

Configurações de Campanha Guia rápido sobre... Configurações de Campanha Neste guia... Aprenda a criar campanhas e a ajustar as configurações para otimizar os resultados. Índice 1. Criar Nova Campanha! 4 1.1 Dar um nome à campanha!

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder. Escreva as suas respostas nesta folha de teste, marcando um círculo em volta da opção ou opções que considere

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Openfire em Ação nos meios Corporativos

Openfire em Ação nos meios Corporativos Openfire em Ação nos meios Corporativos Hoje Empresas incorporam cada vez mais redes sociais e conhecimento de fácil acesso via internet, para que seus funcionários sejam aptos a lidar com tendências de

Leia mais

MANUAL DE MEMBRO COMUNIDADE DO AMIGO

MANUAL DE MEMBRO COMUNIDADE DO AMIGO SUMÁRIO Efetuando o Login na comunidade... 3 Esqueceu sua senha?... 3 Página Principal... 4 Detalhando o item Configurações... 5 Alterar Foto... 5 Alterar Senha... 5 Dados Pessoais... 6 Configurações de

Leia mais

Serviço técnico de Biblioteca e documentação BIBLIOTECA PROF. PAULO DE CARVALHO MATTOS P@RTHENON

Serviço técnico de Biblioteca e documentação BIBLIOTECA PROF. PAULO DE CARVALHO MATTOS P@RTHENON Serviço técnico de Biblioteca e documentação BIBLIOTECA PROF. PAULO DE CARVALHO MATTOS P@RTHENON Botucatu 2013 NOVA FERRAMENTA DE BUSCA INTEGRADA: P@RTHENON 1. Para acessar o P@rthenon: Há três possibilidades

Leia mais

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DO SOFTWARE E COMUNIDADES DO PORTAL DO SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO. Em construção

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DO SOFTWARE E COMUNIDADES DO PORTAL DO SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO. Em construção MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DO SOFTWARE E COMUNIDADES DO PORTAL DO SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO Em construção Índice 1. Introdução 2. Cadastrar e Logar no Portal 3. Plataforma de redes Sociais Noosfero 3.1.

Leia mais

Que informações nós coletamos, e de que maneira?

Que informações nós coletamos, e de que maneira? Política de Privacidade Vivertz Esta é a política de privacidade da Affinion International Serviços de Fidelidade e Corretora de Seguros Ltda que dispõe as práticas de proteção à privacidade do serviço

Leia mais

COLIVRE Cooperativa de Tecnologias Livres www.colivre.coop.br contato@colivre.coop.br Telefone: (71) 3011-2199 CNPJ: 07.970.

COLIVRE Cooperativa de Tecnologias Livres www.colivre.coop.br contato@colivre.coop.br Telefone: (71) 3011-2199 CNPJ: 07.970. Razões para usar Noosfero como plataforma de rede social da USP COLIVRE Cooperativa de Tecnologias Livres www.colivre.coop.br contato@colivre.coop.br Telefone: (71) 3011-2199 CNPJ: 07.970.746/0001-77 Contato:

Leia mais

Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis

Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis Disciplina: Computação Móvel Professor: Mauro Nacif Rocha Data: 27/02/2007 Hadriel Toledo Lima 50290 Juliana Pinheiro Campos 47683 Luis Felipe Hussin Bento

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Microsoft Lync Manual de Instalação e Uso

Microsoft Lync Manual de Instalação e Uso Microsoft Lync Manual de Instalação e Uso Sumário Introdução_... 3 Detalhamento_... 5 Importação_... 8 Funcionalidades na Intranet_... 13 Geração de nova senha... 14 Lembrete de expiração da senha... 15

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

INICIANDO A INSTALAÇÃO

INICIANDO A INSTALAÇÃO INICIANDO A INSTALAÇÃO Abra o leitor de CD do computador que será dedicado ao ÚnicoNET. Coloque o CD que acabamos de gravar com o NERO EXPRESS e reinicie o HARDWARE (CTRL+ALT+DEL), caso não consiga reiniciar

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB

Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Sincronização do Catálogo de Endereços no MDaemon 6.x com o uso do ComAgent, LDAP, MAPI e WAB Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N

Leia mais

MANUAL SUPERPRO WEB PONTO DE ACESSO REMOTO (PAR)

MANUAL SUPERPRO WEB PONTO DE ACESSO REMOTO (PAR) MANUAL SUPERPRO WEB PONTO DE ACESSO REMOTO (PAR) 1 ÍNDICE O que é o SuperPro Web PAR Instalando o SuperPro Web PAR 3 Conexão 5 Configurando o SuperPro Web PAR 5 1. Autorizando ponto de acesso 5 2. Limite

Leia mais