COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS Av. da Liberdade, n.º Lisboa. Assunto: Consulta Pública 13/2006 DMIF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS Av. da Liberdade, n.º 252 1056-081 Lisboa. Assunto: Consulta Pública 13/2006 DMIF"

Transcrição

1 César Bessa Monteiro Pedro Cardigos dos Reis Miguel Teixeira de Abreu Miguel Castro Pereira Maria do Carmo Sousa Machado Miguel de Avillez Pereira Manuel de Andrade Neves Armando Martins Ferreira Guilherme Santos Silva José Eduardo Martins Rui Peixoto Duarte Duarte de Athayde Ana Sofia Batista Sofia Santos Machado Rita Maltez Marta de Oliveira Pinto Trindade Paulo Cordeiro de Sousa Carla Martins Branco Gonçalo Malheiro Melanie Lima Ferreira Bruno Sampaio Santos Nuno Barbosa Maria Dulce Soares José Carlos Vasconcelos Janine Gomes Rita Branquinho Lobo Ana Rita Paínho Manuela Silva Marques Inês Sequeira Mendes Francisco Patrício Inês Oliveira Festas João Gonçalves de Assunção Sofia Costa Lobo Marta Romano de Castro César M. Bessa Monteiro Vera Medeiros Guedes Alexandra Courela Cecilia Anacoreta Correia Magda Sousa Gomes Matilde Brito Eugénio Mafalda Teixeira de Abreu Sara Roda Marta d 'Oliveira Gaspar Mariana Gouveia de Oliveira Ricardo Henriques Eduardo Peixoto Gomes Guilherme Mata da Silva Mafalda Dias Martins Cristiana Ferreira Pedro Sousa Uva Sónia Afonso Vasques Francisco Souto Cardoso Leonardo Marques dos Santos Advogados Estagiários N Zinga Teixeira Jasse Gonçalo Pimentel David Salgado Areias José Varanda Manuel Maria Braga Monteiro Mª João Catarino Marina Andrade Mauro Leonardo Tiago Gama Vera Lopes Solicitador Rui Gonçalves Consultores Artur Reis e Sousa Fátima P.Coelho Ana Fazendeiro Renata Paixão Luis Freire de Andrade Siv Lindqvist COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS Av. da Liberdade, n.º Lisboa Via correio electrónico: Lisboa, 29 de Dezembro de 2006 Assunto: Consulta Pública 13/2006 DMIF Exmos. Senhores, No âmbito do processo de consulta pública 13/2006, infra seguem os nossos comentários aos anteprojectos de diplomas que pretendem proceder à transposição da Directiva relativa aos Mercados de Instrumentos Financeiros (Directiva 2004/39/CE, abreviadamente DMIF ). Questão 1: Tendo em conta a viabilidade do modelo de negócio subjacente ao exercício desta actividade [consultoria para investimento em instrumentos financeiros], devem aquelas sociedades poder prever também no seu objecto social o exercício da actividade de recepção e transmissão de ordens em valores mobiliários e unidades de participação em organismos de investimento colectivo nas condições previstas no n.º 1 do artigo 3.º da DMIF? Entendemos que conferir às sociedades de consultoria para o investimento a possibilidade de exercerem igualmente a actividade de recepção e transmissão de ordens em valores mobiliários e unidades de participação em organismos de investimento colectivo pode implicar um risco agravado de ocorrência de conflitos de interesses. De facto, existe o risco de, no exercício da actividade de consultoria, a sociedade de consultoria para o investimento aconselhar o cliente a realizar mais

2 CMVM Consulta Pública 13/ DMIF operações de investimento ou desinvestimento, de forma a alavancar as suas receitas ao nível da actividade de recepção e transmissão de ordens. Tal risco poderá, no entanto, ser adequadamente gerido, impondo às sociedades de consultoria para o investimento que pretendam exercer também a actividade de transmissão de ordens (e apenas a essas), a adopção de uma política de gestão de conflitos de interesses e a definição de procedimentos claros que lhes permitam adequadamente prevenir este tipo de situações. Entendemos, por isso, que seria vantajoso admitir que as sociedades de consultoria para o investimento também possam exercer a actividade de transmissão de ordens, embora sujeitando as sociedades de consultoria que o pretendam fazer (e apenas essas) a requisitos adicionais ao nível de organização interna e prevenção de conflitos de interesses. Ou seja, optando por um objecto social mais alargado, tais entidades ficariam sujeitas as obrigações previstas para os intermediários financeiros ao nível de organização interna e em especial às regras relativas à prevenção de conflitos de interesses. Tal permitiria que sociedades de consultoria para o investimento constituídas em Portugal operassem no nosso país e nos demais Estados Membros em condições de igualdade com outras entidades autorizadas em Estados Membros que tenham optado, na transposição do texto da Directiva, por um objecto social mais alargado. Questão 2: Concorda com [ ] as opções tomadas relativas ao regime dos Agentes Vinculados? O regime proposto para os Agentes Vinculados apenas admite que cada Agente Vinculado opere por conta de um único intermediário financeiro (caso não exista uma relação de domínio ou de grupo). Entendemos que esta limitação não se justifica, tendo em conta que o Agente Vinculado poderá prestar um serviço com um preço mais competitivo, caso o leque de serviços/produtos financeiros seja mais alargado. Tal permitirá, ainda, aos intermediários financeiros diversificarem a sua força de vendas, sem que no entanto seja comprometida a segurança do serviço oferecido aos /SSM/538787v Págs. 2 de 4

3 CMVM Consulta Pública 13/ DMIF investidores, pois cada intermediário financeiro continuará a ser integralmente responsável pela actividade do agente vinculado relativamente aos seus produtos/serviços. Tal limitação constitui igualmente uma desvantagem competitiva face a Agentes Vinculados registados noutros Estados Membros que expressamente admitam que um Agente represente e promova a actividade de mais de um intermediário financeiro. Igualmente, impedir aos Agentes Vinculados registados em Portugal o processamento de fundos de clientes constituirá uma desvantagem competitiva, quando a Agentes registados noutros Estados membros tal faculdade seja concedida. Note-se que, sendo o intermediário financeiro integralmente responsável pelos actos praticados pelo Agente Vinculado, o risco de crédito do cliente não será agravado pelo Front Office do intermediário financeiro ser um Agente Vinculado. O risco de crédito do cliente deverá ser sempre aferido por referência ao intermediário financeiro, tendo o Agente Vinculado um carácter meramente instrumental (de colocação de produtos/serviços). Questão 3: Concorda com o facto de os critérios que definem quando devem ser exigíveis sistemas independentes de controlo interno, de gestão de riscos e de auditoria interna serem fixados em Regulamento da CMVM? Concorda com o critério usado actualmente na ante-proposta para o responsável de controlo de cumprimento (o intermediário ter mais de 20 colaboradores)? Que critérios alternativos sugere para aferir a natureza, dimensão e complexidade da actividade do intermediário financeiro (v.g. número e tipo de actividades para que se encontra autorizado, tipo de instrumentos financeiros comercializados, volume de actividade, etc.)? A utilização do critério único de 20 colaboradores para determinar a exigência de sistemas independentes de controlo interno, de gestão de riscos e de auditoria interna poderá revelar-se redutora. De facto, um intermediário financeiro com uma actividade restrita quer ao nível dos serviços que presta, quer ao nível dos instrumentos financeiros/valores mobiliários em relação aos quais actua poderá facilmente atingir um número superior a 20 colaboradores, sem que tal no entanto implique um risco elevado ao nível da gestão de conflitos internos e exposição ao risco. Bastará pensar numa entidade com uma força de vendas que aposta essencialmente no contacto directo com clientes, e que por isso tem um número elevado de colaboradores a prestarem serviços de prospecção e promoção /SSM/538787v Págs. 3 de 4

4 CMVM Consulta Pública 13/ DMIF Uma alternativa possível poderia ser especificar em Regulamento que os intermediários financeiros com mais de 20 colaboradores estarão obrigados a manter um sistema independente de controlo interno, de gestão de riscos e de auditoria interna. No entanto, seria de conferir a possibilidade de os intermediários solicitarem à CMVM a isenção de tal obrigação, submetendo elementos que lhes permitam demonstrar que a eficiência e os riscos são adequadamente acautelados com uma estrutura única, tendo em conta a actividade desenvolvida e/ou o tipo de instrumentos comercializados. *** Gratos pela Vossa atenção, apresentamos os nossos melhores cumprimentos, Miguel Castro Pereira e Sofia Santos Machado /SSM/538787v Págs. 4 de 4

5 César Bessa Monteiro Pedro Cardigos dos Reis Miguel Teixeira de Abreu Miguel Castro Pereira Maria do Carmo Sousa Machado Miguel de Avillez Pereira Manuel de Andrade Neves Armando Martins Ferreira Guilherme Santos Silva José Eduardo Martins Rui Peixoto Duarte Duarte de Athayde Ana Sofia Batista Sofia Santos Machado Marta de Oliveira Pinto Trindade Paulo Cordeiro de Sousa Rita Maltez Carla Martins Branco Patricia Perestrelo Gonçalo Malheiro Melanie Lima Ferreira Bruno Sampaio Santos Nuno Barbosa Maria Dulce Soares José Carlos Vasconcelos Janine Gomes Rita Branquinho Lobo Luís Fraústo Varona Ana Rita Paínho Manuela Silva Marques Inês Sequeira Mendes Francisco Patrício Inês Oliveira Festas João Gonçalves de Assunção Sofia Costa Lobo Marta Romano de Castro Monica Cayolla da Veiga César M. Bessa Monteiro Vera Medeiros Guedes Alexandra Courela Cecilia Anacoreta Correia Magda Sousa Gomes Matilde Brito Eugénio Mafalda Teixeira de Abreu Sara Roda Marta d 'Oliveira Gaspar Mariana Gouveia de Oliveira Ricardo Henriques Eduardo Peixoto Gomes Guilherme Mata da Silva Mafalda Dias Martins Cristiana Ferreira Pedro Sousa Uva Sónia Afonso Vasques Francisco Souto Cardoso Leonardo Marques dos Santos Advogados Estagiários N Zinga Teixeira Jasse Gonçalo Pimentel David Salgado Areias José Varanda Manuel Maria Braga Monteiro Mª João Catarino Marina Andrade Mauro Leonardo Tiago Gama Vera Lopes Solicitador Rui Gonçalves Consultores Artur Reis e Sousa Fátima P.Coelho Ana Fazendeiro Renata Paixão Luis Freire de Andrade Siv Lindqvist COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS Av. da Liberdade, n.º Lisboa Via correio electrónico: Lisboa, 08 de Janeiro de 2007 Assunto: Consulta Pública 13/2006 DMIF Aditamento Exmos. Senhores, Na sequência do envio dos nossos comentários ao processo de consulta pública 13/2006 [respeitante à transposição da Directiva relativa aos Mercados de Instrumentos Financeiros (Directiva 2004/39/CE, abreviadamente DMIF )] no passado dia 29 de Dezembro, infra seguem esclarecimentos adicionais relativamente ao regime aplicável aos Agentes Vinculados e que após revisão do texto enviado nos parecem pertinentes. Questão 2: Em resposta à pergunta Concorda com [ ] as opções tomadas relativas ao regime dos Agentes Vinculados? respondemos que: O regime proposto para os Agentes Vinculados apenas admite que cada Agente Vinculado opere por conta de um único intermediário financeiro (caso não exista uma relação de domínio ou de grupo). Entendemos que esta limitação não se justifica, tendo em conta que o Agente Vinculado poderá prestar um serviço com um preço mais competitivo, caso o leque de serviços/produtos financeiros seja mais alargado. Tal permitirá, ainda, aos

6 CMVM Consulta Pública 13/ DMIF intermediários financeiros diversificarem a sua força de vendas, sem que no entanto seja comprometida a segurança do serviço oferecido aos investidores, pois cada intermediário financeiro continuará a ser integralmente responsável pela actividade do agente vinculado relativamente aos seus produtos/serviços. Tal limitação constitui igualmente uma desvantagem competitiva face a Agentes Vinculados registados noutros Estados Membros que expressamente admitam que um Agente represente e promova a actividade de mais de um intermediário financeiro. Importa esclarecer que dispondo o art. 4 nº 1 al. 25) da DMIF que o agente vinculado apenas pode actuar em nome e promover os serviços de investimento e/ou serviços auxiliares de investimento e/ou prestar aconselhamento aos serviços ou instrumentos sob a responsabilidade de uma única empresa de investimento, apenas seria possível admitir que tais agentes prestassem serviços relativamente a mais de um intermediário financeiro quando estejam em causa actividades que não constem do Anexo I da DMIF (por exemplo mediação de seguros) ou actividades que beneficiem das isenções previstas nos artºs. 2 e 3 da DMIF. Esta parece ser aliás a posição que irá ser seguida no Reino Unido, de acordo com o Consultation Paper 06/14: Implementing MiFID (July 2006) preparado pela Financial Services Authority. Entendemos que tal possibilidade apenas poderá ser conferida caso se sujeite tais Agentes Vinculados a especiais deveres de informação relativamente à qualidade em que actuam em cada momento, e caso se faça reflectir essa qualidade em cada momento no texto dos contratos celebrados com os investidores. Entendemos fundadas as preocupações de que existe um risco acrescido de confusão, na perspectiva do consumidor quanto ao escopo da actividade dos agentes multi vinculados, e daí a necessidade de se garantir o cumprimento de deveres de informação, sobretudo na fase pré-contratual. Cabe ressalvar que os intermediários financeiros sempre teriam a possibilidade de optar por acordos de exclusividade, o que lhes permitiria limitar o escopo da actividade dos agentes vinculados cujos serviços utilizam. Em nosso entender, caso existam regras claras quanto aos procedimentos a seguir pelos agentes vinculados que actuem por conta de mais de uma entidade, é possível simultaneamente garantir um /SSM/543193v Págs. 2 de 3

7 CMVM Consulta Pública 13/ DMIF canal de comercialização mais flexível para os intermediários financeiros, sem comprometer a segurança dos investidores, sobretudo dos clientes de retalho que dificilmente podem suportar os custos com um consultor para o investimento de mérito superior, e que assim não teriam que recorrer a uma panóplia de agentes para acederem a produtos/serviços colocados/prestados por mais de uma entidade (embora reconhecendo que atendendo aos serviços e produtos listados no Anexo I da DMIF, o espaço deixado a uma actividade multivinculada se encontra muito limitada). *** Gratos pela Vossa atenção, apresentamos os nossos melhores cumprimentos, Miguel Castro Pereira e Sofia Santos Machado /SSM/543193v Págs. 3 de 3

8 Contribuições da APA - Associação de Pequenos Accionistas, para a consulta pública nº 13/ Anteprojectos de Transposição da Directiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF), que está ser efectuada pela CMVM e o Banco de Portugal, em articulação com o Ministério das Finanças. 1. Introdução A DMIF trata de regular matérias de elevado apuro técnico e grande grau de complexidade. 2. Questão nuclear O atraso de Portugal em muitos sectores relativamente à maioria dos Estados-membros, justifica a prescrição de requisitos adicionais aos previstos nestes diplomas, destinados a aumentar a protecção dos investidores, nomeadamente os pequenos accionistas. Os referidos requisitos adicionais devem impedir a transferência de riqueza dos Pequenos Accionistas (Outsiders) para os accionistas dominantes ou entidades de intermediação financeira (Insiders). 3. Verdadeira concorrência De modo a evitar a amarração dos clientes e facilitar a sua mobilidade, deviam ser abolidas todas as práticas e obstáculos que limitam a existência de um verdadeiro mercado de serviços, nomeadamente os custos de transferência de carteiras de acções e contas correntes. 4. Crédito agressivo De modo a evitar a especulação e proteger o património familiar dos investidores, a lei devia impedir a negociação de acções, tendo como garantia, hipoteca de habitações, livranças, livranças em branco, letras, etc. 5. Ferramentas punitivas Oscar Wilde dizia ser "capaz de resistir a tudo, menos às tentações". Citando um eminente economista "...E passar da pequena corrupção para grande corrupção e para a máfia, é um instante." O legislador devia dotar as autoridades de ferramentas punitivas, de modo a poderem punir os responsáveis por grandes fraudes, com a pena máxima, dada a elevada danosidade das mesmas. A sociedade já não aceita que os pequenos criminosos estejam na prisão e os grandes criminosos de "colarinho branco" possam ficar impunes.

9 A lei deve ter como objectivo eliminar ou reduzir as "tentações". 6. Autoridades de supervisão Não basta termos regulamentos de elevado rigor técnico na promoção da transparência e gestão dos conflitos de interesses. É igualmente fundamental, definir qual a autoridade que é responsável pelo efectivo cumprimento dos regulamentos, nomeadamente promovendo o Cliente Mistério como metodologia de auditoria e divulgando os resultados da mesma. Contrariando, em parte, o parecer de 5 de Julho de 2006 do Comité Económico e Social Europeu (CESE), consideramos que é urgente criar uma autoridade única de supervisão europeia, que poderia contribuir, no futuro, para a integração dos mercados, promovendo uma maior eficiência e economias de escala. 7. "Ensinar é dar para sempre" Concordamos que é importante resolver o problema da informação, da educação e do conhecimento dos investidores, elementos, na verdade, essenciais à eficácia de qualquer quadro normativo. É assaz oportuno, lançar acções específicas com as associações que representam os investidores e com os representantes do sector financeiro. Coimbra, 29 de Dezembro de 2006 APA - Associação de Pequenos Accionistas

10

11

12

13

14

15

16

17 Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Ao C/ do Exmº Senhor Dr. Paulo Câmara Of. N.º 428 / APDC Data: Assunto: Antepropostas referentes à transposição da Directiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros. Exmº Senhor Doutor, À apdc Direito do Consumo -, perante a solicitação que lhe fora dirigida e, após análise das propostas de diplomas, cumpre transmitir o seguinte: Muito embora as propostas de diplomas não mereçam grandes reparos, há aspectos que deverão ser, salvo melhor opinião, melhorados. Desde logo, nas alterações a operar no Código do Mercado de Valores Mobiliários, no art.º 207 n.º 2 importará mencionar expressamente a conformidade das condições gerais dos contratos com o regime definido pelo Decreto-Lei n.º 446/85, de 25 de Outubro (alterado pelos Decretos-Lei n.º 220/95, de 31 de Agosto, 249/99, de 7 de Julho e 323/2001, de 17 de Dezembro). Também o art.º 212 n.º 2 deverá ser melhorado permitindo-se o acesso à informação em causa, disponibilizando-se as vias que permitam aos investidores solicitarem todas as informações adicionais que pretendam. Por último, quanto às competências para a fiscalização da publicidade e das condições gerais dos contratos a cargo da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários parece-nos que conduzirá a uma certa incerteza perante os investidores e, não sendo possível definir a infracção, exclusivamente, como atentatória das normas deste código, tal conduzirá a um conflito de competências, pelo que importará repensar esta situação. Assim, revela-se mais pertinente que as competências de fiscalização se mantenham a cargo do Instituto do Consumidor (ou melhor, da Direcção-Geral do Consumidor) quanto à publicidade e dos tribunais judiciais quanto às condições gerais dos contratos. No que respeita ao Regulamento do Código do Mercado de Valores Mobiliários, dever-se-á retirar do art.º 42 n.º 1 alínea b) o conceito relevantes, ficando a redacção do artigo unicamente... de quaisquer riscos, pois só assim se dará cumprimento à indicação feita na Resolução n.º 82/2005, de 15 de Abril, quanto à necessidade de evitar o uso de conceitos indeterminados na legislação. Já no artigo seguinte art.º 43, no seu número 3, importará consagrar que a disponibilização da informação mencionada no sítio de internet se faça desde que o cliente a isso tenha assentido e que para tal tenha declarado, pelo seu próprio punho, que dispensa o suporte duradouro. Por fim, uma observação no que toca ao regime das Sociedades de Consultoria para Investimento. Presidência: Prof. Dr. Mário Frota - Villa Cortez, Rua Vilaça da Fonseca, 5, P-Coimbra Apartado Coimbra telef fax

18 Nos termos do art.º 9 alínea b), dever-se-ia consagrar a obrigatoriedade, cumulativa e não alternativa, da existência de um seguro profissional de responsabilidade civil, pois é de conhecimento generalizado o quão fácil é dissipar o património social. Todos os demais anteprojectos não merecem qualquer reparo. Eis, pois, o que se nos oferece dizer e o que mais pertinente se afigura no que toca aos projectos de diplomas objecto de discussão. Sem óbice, permita-me que aproveite o ensejo para apresentar a V. Ex.ª os melhores cumprimentos. O Assessor Jurídico, Pedro Domingues

19 PARA: COMISSÃO DE MERCADOS VALORES MOBILIARIOS Departamento Internacional e de Politica Regulatória Atn. Dr. Paulo Câmara ASSUNTO: Aditamento à nossa carta sobre transposição da DMIF e projectos conexos - Agentes vinculados Exmo. Senhor Em aditamento à nossa carta sobre o assunto referenciado em epígrafe surgiram-nos algumas duvidas sobre as actividades de sociedades que possam ser registadas como agentes vinculados. Na nossa opinião, não parece existir qualquer restrição às actividades de uma sociedade comercial que também exerça as actividades de agente vinculado, sejam elas quais forem, excepto as que constam do anexo I da directiva. Nestes termos, não vislumbramos nos artigos 36 a 41, do decreto regulamentar do código qualquer limitação do objecto social de caracter exclusivo quando uma empresa exerça a função de agente vinculado no âmbito das actividades previstas pela DMIF (anexoi). Aliás, pareceria absurdo que um agente vinculado, pessoa singular, ficasse com a sua actividade circunscrita ao exercício da actividade de agente vinculado, não podendo desempenhar qualquer outra actividade. Assim, agradecemos que nos confirmem se a exclusividade que se pretende é apenas dirigida às actividades constantes do anexo I da directiva 2004/39/CE, podendo as pessoas singulares ou colectivas desempenhar qualquer outra actividade sem qualquer restrição. De facto, deveria ser esta interpretação, pois a mesma é aceite por outras jurisdições. Com melhores cumprimentos Francisco Garcia dos Santos Presidente da APC Rua Braamcamp nr. 9 4º Dto LISBOA Tel Fax CONTRIBUINTE Nº Registada no Min Emprego em 29/04/94, sob o nº 62/94, a Fl.20 vº do livro nº 1

20 associaçäo de investidores e analistas técnicos do mercado de capitais Comissão do Mercado de Valores Mobiliários A/C Ex.m.º Senhor Dr. Paulo Câmara Departamento Internacional e de Política Regulatória Av. da Liberdade, n.º /801, Lisboa V/Ref.ª: CP n.º 13/2006 N/Ref.ª: DIR/CE/2006/12 DATA: 15/12/2006! " # $ % & ' " $ ( ) & * & * & *! & +!! &, &!- * )! *! $ #. & $ *. ' $. ( / * 0 1 * 2 & ) *! ) *!!! '$ ". (! 3 & # # / *!) * / * 1! 0 / * & ) 4 & $. / * & *! & & 0 &!!3 & * ) *! ) & / *! " # $! " # #! $ % &! %' ( )* + " *, $ $!"#$%&' ()**+,,*-&. /01!& / 7 568"!.556& AT M AS S O C I AÇ AO D E IN V E S T I D O R E S E AN AL I S T A TE CN IC O S D O M E R C AD O D E CAP I T AI S R. C A P. H E N R I Q U E G A L V Ä O N º 1 3 0, 7 º D T º F T, P O R T O E M A I L : I N F A S S O C I A C A O D E I N V E S T I D O R E S. C O M T E L E F O N E : T E L E M Ó V E L : Page 1

21 Ref.ª: DIR/CE/2006/12 &- ' ". / * ". / 1 $ ) ( 3 * + ) /! % $ 2 ". $ * ) 4 4 ) $ / 5 )1 ( ) $. $ ). / ". + 3 ". ) * $ ) ". / 0*!!3 4 / * 0 * 2 0 * 4 & & / * ) / * & & * 0! / * 0 / * & ) * / *!/ * & *! & 5 & ) & +! '& 6 & ( 7 & 8 0!* *! * )! 1! & * + ) *! & * & &! & * )!! 9 & 8 0 & % &! ) ) *! 5 &! * 0 &!# ) *! # & 2! ) & *!! * &!! / * *! 3 & 0 0 & * & / *!2 0 / * & 0!/ * &!) & 6 +! * & & & 3 ) * & 4* ' 0 8 ( AT M AS S O C I AÇ AO D E IN V E S T I D O R E S E AN AL I S T A TE CN IC O S D O M E R C AD O D E CAP I T AI S R. C A P. H E N R I Q U E G A L V Ä O N º 1 3 0, 7 º D T º F T, P O R T O Page 2 2 E M A I L : I N F A S S O C I A C A O D E I N V E S T I D O R E S. C O M T E L E F O N E : T E L E M Ó V E L :

22 Ref.ª: DIR/CE/2006/12 % & 0!!3! 0 *!) & &! 2 *!! 4!2 : & # & 0! * & # / *! / * & / * ; * + 3 / *!! & & / * &! & 2& 0 * # * &! & *! & & 6 & ) 8 0! 9 0 & * & & * & ) * & * / * ) *! 3 &! + & & # 0*! 0 &! * *!! 4! * & 0 *! < * & *! & & * * 0 & * # ) * ) * 4* 2 6 / * * & & : * 6 # & 2! 0 & / *! #! / * 1 0 & 4* & & * 6 * 0 * & 8 0 & # &! & 8 0! 0 & ' / *!2 0 & * =! &! 0!* 6 * * 0 ) ( # &! 0*! & 2! / *! &! +! > &! / * & * * 0! ) 0 / * *! 4* & 4* & ) "! 6 # & 2! * + & ) 8 & * / * *!& 0 / * ' 3 (! &! ) *! * )! & * $ 6 ) * 0!3! 5 / * & * & / * # 9 & & * 0 & 2 0 *! 3 / * -! ' ) *! ( / * & & +! * 0 / * &! ) & 8 9 & 4 & *! * )! & & & &!0 5 & ) &! & AT M AS S O C I AÇ AO D E IN V E S T I D O R E S E AN AL I S T A TE CN IC O S D O M E R C AD O D E CAP I T AI S R. C A P. H E N R I Q U E G A L V Ä O N º 1 3 0, 7 º D T º F T, P O R T O Page 3 3 E M A I L : I N F A S S O C I A C A O D E I N V E S T I D O R E S. C O M T E L E F O N E : T E L E M Ó V E L :

23 Ref.ª: DIR/CE/2006/12 / * 0 & & / *!2 *! 0 & * 0 / * 2 * & &!/ * & & 0 & &! &! / * & )!/ * & / * & # 0 &! & & +!!* / * 0 & 2 & +! & & ) & 0 & 4* 2 *! * & * 3 &! * & & &!* * 0? 6 & & 0* ) *! / * * # / * & / *!) * # # * & / * # 0 & * *!&! & *! / * & / * / * & ) & 0 & * & 2 * 0! 2 / * # & * & ) / * * )& 0 & * / * & 2 & # & / % * A / * &! * / * 0 2 * & * *!* & " / *!!3 *!# *! * * 0 / * & * & 4 # * * 0* * ) 0 ) * & & * / * / * ; / *! & 6 & # * 0 & 3 * & * $ / * 3 ) ) 6 * * & & & * ' * (& 1 & ) *! )! & 0 8 & & &! ) ) &!* &! & 8 B * # * & 3 / * 0! 0! ' &( ) * & $. & & * ) * 8 & 6 & *! & & )! 4* 2 0 : 0 9 & 0 * & *!* ) & & & ) & 0! & 0# ' & + (, & * & " $ / * / *!* ) &! ) * 43 & / * * & * 0 8! & & *! & 4* 3 *! 3 * 9 2:&2.9463;* < AT M AS S O C I AÇ AO D E IN V E S T I D O R E S E AN AL I S T A TE CN IC O S D O M E R C AD O D E CAP I T AI S R. C A P. H E N R I Q U E G A L V Ä O N º 1 3 0, 7 º D T º F T, P O R T O Page 4 4 E M A I L : I N F A S S O C I A C A O D E I N V E S T I D O R E S. C O M T E L E F O N E : T E L E M Ó V E L :

24 Ref.ª: DIR/CE/2006/12 & * & &!/ * &! 0 *!!# / * 3 & ) / * 4 ) *! & & * / * ) 6 4 * & ) *! # ) 6 & 0 / * & 8 * & * & ) / *!! * * / * / * & * ) * 8 & / * & 0# & & * ) + & & 0 &! / * 3 & 0 03! & 8 ) 0 *! & ) * # ' 3 ( ) 8 3! *! 6! / * ) 6! * & & & : * 4 3 *! 6! ) '& %? (/ * ) 9 & / * & 2! &! & *! % *! &! 0!& 2 & *!2/ * & * 0 & & & & * & *! / * & 1 & ) 3 * & &! C 0!D E F ) / * &! / *!/ * & 0 8!* * / *! 3 & *! %! / * ) *!& 2 * 0 & &! ) * 7(: 7 * & * 3 & )!! ;( * * 8 / * & / * 3 & & *!&! * * * ' / * * * * ( &!* &! & / * & &! C 0!D F! 1 *! 0 8 & ; G ( * * &!* )! & 2! & & / *! * / * & * & 02 / * " $ * *!!! / * / * 4 & 2!! 0 * 3 & ) * & 4* & ) * & / * 6 (/ BCDE> F!?F & G?E & : " AT M AS S O C I AÇ AO D E IN V E S T I D O R E S E AN AL I S T A TE CN IC O S D O M E R C AD O D E CAP I T AI S R. C A P. H E N R I Q U E G A L V Ä O N º 1 3 0, 7 º D T º F T, P O R T O Page 5 5 E M A I L : I N F A S S O C I A C A O D E I N V E S T I D O R E S. C O M T E L E F O N E : T E L E M Ó V E L :

25 Ref.ª: DIR/CE/2006/12 & 0!/ * & 0!/ * " $ / * * 0 ) 02!# & 2& & B & & 0 ) * & 4* 0!*!! / * & 4*!/ * & &!# & & * 3! 3! : B & * 3 3 * *!!! &!! *! 0 8!! ) & * & 1 & 5 *!/ * # 03! * & 0 8 4* # & / *!* ) &!? H I +! * &! / * 0! 0 )? " $ / * 0 & * ) * 8 ' * & / *!/ * * ( 0 &! / * & & *! '& %? (& 0 8!/ * & ) 0 + &, " $ & * * / * ) *! & / * & ) *!&! & & +! 4 & & 0 & & / * 4* &!/ * ) *!) ) * 7 ( 0 & 2! J! & 4* ) ; (B 6 0 * ; ( B 4* & ) 0 0! * 4* / * & 3 ; ( &! )! ; + &% & ) " $ / *! & / * & / * # ) / * 4 0 4* & " ) & 6 & ) * 0 ) * * & & 2& C! =+ F 5 & 2& / * 0 & 4 * & * '* 3 (! &!/ * ) 0 &! * 0 ) 0 & &! )! ) * / * & & 4* 3 & / * & BCHD)D(?* 5 BH)(I7 JE5H *K44C C C&-& 4-44!D4C L&M N!O D-N3553O -N3 AT M AS S O C I AÇ AO D E IN V E S T I D O R E S E AN AL I S T A TE CN IC O S D O M E R C AD O D E CAP I T AI S R. C A P. H E N R I Q U E G A L V Ä O N º 1 3 0, 7 º D T º F T, P O R T O Page 6 6 E M A I L : I N F A S S O C I A C A O D E I N V E S T I D O R E S. C O M T E L E F O N E : T E L E M Ó V E L :

26 Ref.ª: DIR/CE/2006/12? *! ) ) & & 0!! & 2& B! #!) 03! &! 3 * * * * / * & &! & 3 8 * * &! 0!' ( * & *! * / * *! 3 * & * &! & & ): * + 3 * & &!0!* 3 & / * &! & / *! * 4 / *! 0 & 0 "! & *!!! 9 & / * 3 '& %? (/ * & * * & ) & 0!* / *! & 4* 0 8! &! ) & 6 & / * # / * 3 4 & + &% &% &-, ) & * * 3! & * 0!! ) *! ) 1 & & & ) ) *! % 1 * ) *! 0! 2! & & 0! 0! 0 & & *!/ *!# / * & 2! )! )! / *!6 ) & * * & & + &% &' &. " $ / * 0 &!* ) 6 & & ) * 0 ; ) / * & ) / *!! * & 0 8! & * ) * & ) & * 3 & 8 & & # * ) 0*! 0 4* 0 + &% &+ &/ " B! ) * / *! * & / * 4 & < 9! & ) &!): " $ 2 &! 3 &! P 1! &. & AT M AS S O C I AÇ AO D E IN V E S T I D O R E S E AN AL I S T A TE CN IC O S D O M E R C AD O D E CAP I T AI S R. C A P. H E N R I Q U E G A L V Ä O N º 1 3 0, 7 º D T º F T, P O R T O Page 7 7 E M A I L : I N F A S S O C I A C A O D E I N V E S T I D O R E S. C O M T E L E F O N E : T E L E M Ó V E L :

27 Ref.ª: DIR/CE/2006/12 < ( " $ < ( " $ < G ( 0 # / * 0 / * ) 2 &! ) * ) *! % $, $ / * * / * & * ) *! / * ) *! * & & :!! 4! )! ) *! & * / * *! * * * &!! )! & 0 &!/ * 3 * 0* & & 0 *!) / * ; / * 0 K & * ) / * & 5 0 & 0 & *! 3 &! ) * # &! ) 0 & * # &!#! / * * * & ) *! '* & 8 ( 4* 3 ) 8 * / * : * 4 +! ' 7 G! / * * * * & / * * 3 & G! ( < A( & / * & &! & / * * & &!! / * ) & *!! * #! *! 3 & 0 0 & * & / *!2 0 / * & 0 0 ) * & 4* ' 0 8 ( 3 * 0 0 ) 0 & / *! & 0 4* 2 0* 0 & *!!3 / * 4 4 3! %! / * & 0 8 & 4* & / *! / * 4 03! 0 / * 0 *!) = * ) * & & / * & / * * 9 / * & * / * &! * 3 / * / * / * 4 * L % & *! * L % & 4! *!* 5 & 0 / * & * 0 8 & *!) * 3 & & * & +!&! * * & * & 1 / * 43 & * & * / * &!/ * 0 " $ & 1 AT M AS S O C I AÇ AO D E IN V E S T I D O R E S E AN AL I S T A TE CN IC O S D O M E R C AD O D E CAP I T AI S R. C A P. H E N R I Q U E G A L V Ä O N º 1 3 0, 7 º D T º F T, P O R T O Page 8 8 E M A I L : I N F A S S O C I A C A O D E I N V E S T I D O R E S. C O M T E L E F O N E : T E L E M Ó V E L :

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro RESULTADOS DA CONSULTA PÚBLICA N.º 11/2007 Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro I Enquadramento O Instituto de Seguros de Portugal

Leia mais

Resposta à consulta sobre o Projeto de Proposta de Lei de transposição do regime Solvência II

Resposta à consulta sobre o Projeto de Proposta de Lei de transposição do regime Solvência II Resposta à consulta sobre o Projeto de Proposta de Lei de transposição do regime Solvência II O Gabinete de S.E. a Ministra de Estado e das Finanças consultou em 13 de março de 2015 a Comissão do Mercado

Leia mais

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Novembro 2014 MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS NOVIDADES REGULATÓRIAS EM MATÉRIA DE MERCADO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS, LIQUIDAÇÃO DE TRANSACÇÕES E CENTRAIS DE VALORES MOBILIÁRIOS I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Mercado de Capitais BRIEFING NOVIDADES LEGISLATIVAS: DIREITOS DOS ACCIONISTAS E ACÇÕES SEM VALOR NOMINAL MAIO 2010 01

Mercado de Capitais BRIEFING NOVIDADES LEGISLATIVAS: DIREITOS DOS ACCIONISTAS E ACÇÕES SEM VALOR NOMINAL MAIO 2010 01 MAIO 2010 01 NOVIDADES LEGISLATIVAS: DIREITOS DOS ACCIONISTAS E ACÇÕES SEM VALOR NOMINAL Mercado de Capitais Foi publicado o Decreto-Lei n.º 49/2010, de 19 de Maio ( DL n.º 49/2010 ), que entra em vigor

Leia mais

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS E A EXPERIÊNCIA DOS INVESTIDORES DETERMINAM O MODO COMO SÃO TRATADOS PELOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

Implicações da DMIF no Domínio das Instituições de Crédito

Implicações da DMIF no Domínio das Instituições de Crédito Sessão de Esclarecimento Anteprojectos de Transposição da Directiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF) Pedro Duarte Neves 18 de Dezembro de 2006 1 No plano comunitário Directiva 2004/39/CE,

Leia mais

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Better regulation do sector financeiro Relatório da Consulta Pública do CNSF n.º 1/2007 1 CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS RELATÓRIO DA CONSULTA

Leia mais

Análise do Projecto de Proposta de Lei de Alteração do Regime Jurídico do Capital de Risco - Sumário

Análise do Projecto de Proposta de Lei de Alteração do Regime Jurídico do Capital de Risco - Sumário Análise do Projecto de Proposta de Lei de Alteração do Regime Jurídico do Capital de Risco - Sumário 16.9.2014 SÓCIOS Miguel Teixeira de Abreu Miguel Castro Pereira Carmo Sousa Machado Miguel de Avillez

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9, nº 28 Seguros enquadramento da actividade de call center na prestação de serviços a empresas seguradoras e correctoras de seguros - despacho do SDG dos

Leia mais

Anteprojecto de Decreto-Lei que Institui as Sociedades de Consultoria para Investimento. Preâmbulo

Anteprojecto de Decreto-Lei que Institui as Sociedades de Consultoria para Investimento. Preâmbulo Anteprojecto de Decreto-Lei que Institui as Sociedades de Consultoria para Investimento Preâmbulo O presente diploma transpõe parcialmente para a ordem jurídica nacional a Directiva 2004/39/CE do Parlamento

Leia mais

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. Intermediários Financeiros O QUE SÃO INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS? Intermediários financeiros são as empresas prestadoras dos serviços que permitem aos investidores actuar

Leia mais

As Novas Formas Organizadas de Negociação de Instrumentos Financeiros

As Novas Formas Organizadas de Negociação de Instrumentos Financeiros Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Consulta Pública sobre os Anteprojectos de Transposição da Directiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF) As Novas Formas Organizadas de Negociação

Leia mais

NOTA INFORMATIVA NOVO REGIME DO CAPITAL DE RISCO MERCADO DE CAPITAIS MARÇO 2015

NOTA INFORMATIVA NOVO REGIME DO CAPITAL DE RISCO MERCADO DE CAPITAIS MARÇO 2015 NOTA INFORMATIVA MERCADO DE CAPITAIS NOVO REGIME DO CAPITAL DE RISCO Foi recentemente publicada, no dia 4 de Março, a Lei n.º 18/2015, o Regime Jurídico do Capital de Risco (RJCR) a qual procedeu à transposição

Leia mais

Acção de Formação Agentes Vinculados e Consultoria para Investimento Oradoras: Isabel Vidal Carla Cabrita Lisboa 26 Junho de 2007 Auditório da CMVM

Acção de Formação Agentes Vinculados e Consultoria para Investimento Oradoras: Isabel Vidal Carla Cabrita Lisboa 26 Junho de 2007 Auditório da CMVM Acção de Formação Oradoras: Isabel Vidal Carla Cabrita Lisboa 26 Junho de 2007 Auditório da CMVM Parte 1 Agentes Vinculados 2 Sequência 1. Breve enquadramento 2. Conceito 3. Requisitos de actuação do agente

Leia mais

Título IV Ofertas públicas de transacção. CAPÍTULO I D isposições Gerais. Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora)

Título IV Ofertas públicas de transacção. CAPÍTULO I D isposições Gerais. Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora) (Código do Mercado de Valores Mobiliários) Título IV Ofertas públicas de transacção CAPÍTULO I D isposições Gerais Artigo 98 (Autoridade fiscalizadora) Compete ao Banco de Cabo Verde, através da Auditoria

Leia mais

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros.

Por outro lado, estabelece ainda o referido preceito a susceptibilidade da Norma Regulamentar emitida se aplicar igualmente aos mediadores de seguros. Não dispensa a consulta da Norma Regulamentar publicada em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 03/2010-R, DE 18 DE MARÇO DE 2010 Publicidade Pelo Decreto-Lei n.º 8-A/2002, de 11 de Janeiro, foram

Leia mais

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A.

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. N.º de Processo: 2/2009 Entidade Reclamada: Identificação: Futuro - Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. Morada: Avª. General Firmino Miguel, n.º 5, 9º B, 1600-100 Lisboa Fundo de Pensões Aberto:

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 210 31 de Outubro de 2007 7964-(7) MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Decreto-Lei n.º 357-A/2007 de 31 de Outubro O presente decreto -lei transpõe para

Leia mais

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto (com as alterações introduzidas pela Portaria nº 1018/2004 (2ª Série), de 17 de Setembro e pela

Leia mais

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS

REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS TMT N.º 2 /2009 MAIO/JUNHO 2009 REGIME JURÍDICO APLICÁVEL AOS CALL CENTERS Foi publicado no passado dia 2 de Junho o Decreto-Lei nº 134/2009 que veio estabelecer o regime jurídico aplicável à prestação

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO TMT N.º 1/2009 MAR/ABRIL 2009 NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO A informação divulgada pelas Instituições de Crédito relativamente aos produtos que estas oferecem tem sido

Leia mais

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES)

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) I. VOTAÇÃO E CONTROLO DA SOCIEDADE I.1. As sociedades devem incentivar os seus acionistas a participar e a votar nas assembleias gerais, designadamente

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO

ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO ARTIGO 396.º DO CSC I OBJECTO 1.1 Foi constituído, no âmbito do Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, um grupo de trabalho com vista a identificar as dificuldades de aplicação prática que resultam

Leia mais

Decreto-Lei n.º 221/2000, de 9 de Setembro *

Decreto-Lei n.º 221/2000, de 9 de Setembro * Decreto-Lei n.º 221/2000, de 9 de Setembro * O presente diploma transpõe para a ordem jurídica interna, apenas no que aos sistemas de pagamentos diz respeito, a Directiva n.º 98/26/CE, do Parlamento Europeu

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010

Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 Aviso do Banco de Portugal n.º 2/2010 A Instrução n.º 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão n.º 2001/193/CE, de 1 de Março de 2001,

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Regime jurídico aplicável à prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentários

Leia mais

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74 Alterado pelo DL 36/92 28/03 Estabelece o regime da consolidação de contas de algumas instituições financeiras A Directiva do Conselho n.º 86/635/CEE, de 8 de Dezembro de 1986, procedeu à harmonização

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO. Preâmbulo

CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO. Preâmbulo CÓDIGO DE CONDUTA DOS ASSOCIADOS DA ASFAC ASSOCIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ESPECIALIZADO Preâmbulo O mercado financeiro, e em especial o mercado especializado no crédito ao consumo, exige por parte

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 18º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 18º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 18º Prestação de Serviços de telemarketing Processo: nº 3109, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2012-05-18. Conteúdo:

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas As alterações normativas recentes, quer a nível interno, quer a nível

Leia mais

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DO BANCO BPI, S.A.

ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES REPRESENTATIVAS DO CAPITAL SOCIAL DO BANCO BPI, S.A. BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS,S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D.João I,, Porto Mat. CRC Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros ANÚNCIO PRELIMINAR DE LANÇAMENTO DE OFERTA

Leia mais

A DIRECTIVA RELATIVA A MERCADOS

A DIRECTIVA RELATIVA A MERCADOS 120 : CADERNOS DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A DIRECTIVA RELATIVA A MERCADOS DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS A CONSULTORIA PARA INVESTIMENTO COMO SERVIÇO DE INVESTIMENTO CARLA CABRITA * 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A.

Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Código de Conduta de Promotores OREY FINANCIAL INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO, S.A. Novembro de 2011 CÓDIGO DE CONDUTA DE PROMOTORES O objectivo deste documento é o de fixar um código de conduta e um

Leia mais

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados

- A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Boas práticas no sector segurador - A supervisão da conduta de mercado no sector segurador: metodologias de trabalho e avaliação de resultados Eduardo Farinha Pereira eduardo.pereira@isp.pt Sumário Enquadramento

Leia mais

Deliberação n.º 156/09

Deliberação n.º 156/09 Deliberação n.º 156/09 Princípios aplicáveis aos tratamentos de dados pessoais no âmbito de Gestão de Informação com a finalidade de Prospecção de Opções de Crédito A Comissão Nacional de Protecção de

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 13.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 68/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Março de 2009 que altera a Directiva 94/19/CE relativa aos sistemas de garantia

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

Acção de Formação. Categorização de Clientes e o Dever de Avaliação da Adequação. Oradores: Carla Cabrita e Rafaela Rocha

Acção de Formação. Categorização de Clientes e o Dever de Avaliação da Adequação. Oradores: Carla Cabrita e Rafaela Rocha Acção de Formação Categorização de Clientes e o Dever de Avaliação da Adequação Oradores: Carla Cabrita e Rafaela Rocha Lisboa 15 Junho de 2007 Auditório da CMVM Sequência A categorização de clientes:

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

Parecer n.º 157/2010 Data: 2010.06.16 Processo n.º 252/2010 Entidade consulente: Universidade do Porto - Reitoria

Parecer n.º 157/2010 Data: 2010.06.16 Processo n.º 252/2010 Entidade consulente: Universidade do Porto - Reitoria Parecer n.º 157/2010 Data: 2010.06.16 Processo n.º 252/2010 Entidade consulente: Universidade do Porto - Reitoria I - Factos e pedido A Universidade do Porto (UP), através de Lígia Maria Ribeiro, Pró-Reitora

Leia mais

BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE

BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE A GABINETE DE PROVEDORIA DO CLIENTE B ESTATÍSTICAS C PRINCIPAIS MEDIDAS ADOPTADAS GABINETE DE PROVEDORIA DO CLIENTE Com o objectivo de proteger os nossos Clientes

Leia mais

Consulta Pública. Ex.mos Senhores,

Consulta Pública. Ex.mos Senhores, Consulta Pública Deliberação sobre os procedimentos exigíveis para a cessação de contratos, por iniciativa dos assinantes, relativos à oferta de redes públicas ou serviços de comunicações electrónicas

Leia mais

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO PELA TEIXEIRA DUARTE, S.A. DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES DA TEIXEIRA DUARTE ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES, S.A.

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO PELA TEIXEIRA DUARTE, S.A. DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES DA TEIXEIRA DUARTE ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES, S.A. TEIXEIRA DUARTE, S.A. Sede: Lagoas Park, Edifício 2, Porto Salvo, Oeiras Capital social: 287.880.799,00 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Cascais sob o n.º único de matrícula e pessoa

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro Não dispensa a consulta do regulamento publicado em Diário da República NORMA REGULAMENTAR N.º 19/2007-R, de 31 de Dezembro Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

Condições Particulares de Distribuição Atrium Investimentos Sociedade Financeira de Corretagem, S.A.

Condições Particulares de Distribuição Atrium Investimentos Sociedade Financeira de Corretagem, S.A. Condições Particulares de Distribuição Atrium Investimentos Sociedade Financeira de Corretagem, S.A. I. Identificação do Distribuidor A Atrium Investimentos Sociedade Financeira de Corretagem, S.A. (doravante,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE DAS EMPRESAS DO GRUPO EDP Aprovado em reunião do Conselho de Administração Executivo da EDP Energias de Portugal, S.A. (EDP) em 25 de Março de 2008 Capítulo I Disposições

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 6/2000 Auditores

Regulamento da CMVM n.º 6/2000 Auditores Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 6/2000 Auditores A informação de natureza económico-financeira exige o controlo e apreciação por parte de entidades

Leia mais

MINUTA. Contrato de Mandato de Alienação

MINUTA. Contrato de Mandato de Alienação MINUTA Entre: Contrato de Mandato de Alienação 1. [Firma da empresa notificante da Operação de Concentração], (doravante denominação abreviada da empresa ou Mandante ), com sede em [morada], com o n.º

Leia mais

Instrução n.º 3/2005 Informação Estatística sobre Operações de Day-Trading (revoga a Instrução da CMVM n.º 7/2000)

Instrução n.º 3/2005 Informação Estatística sobre Operações de Day-Trading (revoga a Instrução da CMVM n.º 7/2000) Instrução n.º 3/2005 Informação Estatística sobre Operações de Day-Trading (revoga a Instrução da CMVM n.º 7/2000) A CMVM, no âmbito das suas atribuições de supervisão, carece que os intermediários financeiros

Leia mais

Decreto-Lei nº 70/2004, de 25 de Março

Decreto-Lei nº 70/2004, de 25 de Março Decreto-Lei nº 70/2004, de 25 de Março O Decreto-Lei nº 172/99, de 20 de Maio, reconheceu no ordenamento nacional os warrants autónomos qualificando-os como valores mobiliários. Em decorrência de normas

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações

Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Regulamento de Funcionamento Aplicável à Gestão de Reclamações Agosto 2010 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO APLICÁVEL À GESTÃO DE RECLAMAÇÕES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I Disposições preliminares

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO Atendendo a que a atribuição de apoios a entidades ou instituições que contribuam para o desenvolvimento do concelho de S. Pedro do Sul

Leia mais

10 de Setembro 2013 Contencioso de Cobrança

10 de Setembro 2013 Contencioso de Cobrança DAS OPERAÇÕES DE CRÉDITOS, JUROS REMUNERATÓRIOS, CAPITALIZAÇÃO DE JUROS E MORA DO DEVEDOR O Decreto-Lei n.º 58/2013, de 8 de Maio estabelece as novas normas aplicáveis à classificação e contagem dos prazos

Leia mais

Contrato de Intermediação Financeira

Contrato de Intermediação Financeira Contrato de Intermediação Financeira Condições Gerais do Contrato de Intermediação Financeira Entre a Caixa Geral de Depósitos, SA com sede em Lisboa na Av. João XXI n.º 63, com capital social de 5 900

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE ARTIGO 1º SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE DE SEGUROS 1. O Serviço de Provedoria do Cliente de Seguros é criado por tempo indeterminado e visa a disponibilização

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 29/2008, de 25 de Fevereiro I série nº39

Decreto-Lei n.º 29/2008, de 25 de Fevereiro I série nº39 Estabelece deveres de comunicação, informação e esclarecimento à administração tributária para prevenir e combater o planeamento fiscal abusivo O presente decreto-lei, na sequência da autorização legislativa

Leia mais

PROGRAMA DO CONCURSO

PROGRAMA DO CONCURSO PROGRAMA DO CONCURSO Page 1 ÍNDICE 1.º Objecto do Concurso 3 2.º Entidade Adjudicante 3 3.º Decisão de contratar 3 4.º Preço base 3 5.º Esclarecimentos 3 6.º Prazo para apresentação das candidaturas 3

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA REGULAMENTO SOBRE SERVIÇOS DE NOTAÇÃO DE RISCO

PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA REGULAMENTO SOBRE SERVIÇOS DE NOTAÇÃO DE RISCO PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA REGULAMENTO SOBRE SERVIÇOS DE NOTAÇÃO DE RISCO E DECRETO PRESIDENCIAL SOBRE AS TAXAS NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS E INSTRUMENTOS DERIVADOS Pág. 1 PROCESSO DE CONSULTA

Leia mais

PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 5/2015

PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 5/2015 PROCESSO DE CONSULTA PÚBLICA DA CMVM N.º 5/2015 INSTRUÇÃO DA CMVM RELATIVA AOS DEVERES DE REPORTE DE INFORMAÇÃO À CMVM PARA EFEITOS DE INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS POTENCIAIS CONSEQUÊNCIAS SISTÉMICAS

Leia mais

MINUTA. Ccent. n.º [identificação da operação de concentração] DOCUMENTO DE COMPROMISSOS ASSUMIDOS PERANTE A AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA

MINUTA. Ccent. n.º [identificação da operação de concentração] DOCUMENTO DE COMPROMISSOS ASSUMIDOS PERANTE A AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA MINUTA Ccent. n.º [identificação da operação de concentração] DOCUMENTO DE COMPROMISSOS ASSUMIDOS PERANTE A AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA 1. Nos termos do n.º 3 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004)

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) Regulamento da CMVM n.º 2/2014 Papel comercial (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) As alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 52/2006, de 15 de março, e pelo Decreto-Lei n.º 29/2014, de

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E AOS VOGAIS

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA GABINETE DE APOIO AO VICE-PRESIDENTE E AOS VOGAIS PARECER Assunto: Projecto de Portaria que aprova o Regulamento do Procedimento de Seleção de Mediadores para prestar serviços nos Julgados de Paz e nos Sistemas de Mediação Familiar, Laboral e Penal. 1.

Leia mais

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO)

CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Empresa de Seguros PROSPECTO SIMPLIFICADO (Dezembro de 2009) CAIXA SEGURO 2014 6M - ICAE NÃO NORMALIZADO / / (PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO) Data de início de comercialização a 2 de Dezembro de 2009 Nome

Leia mais

considera-se estarem reunidos os requisitos para a dispensa de divulgação de prospecto.

considera-se estarem reunidos os requisitos para a dispensa de divulgação de prospecto. ALLIANZ AKTIENGESELLSCHAFT Sede: Koeniginstrasse 28 D 80802 Munique, Alemanha Capital Social: 1.039.462.400,00 euros Matriculada no Registo Comercial B do Tribunal da Comarca de Munique, Alemanha, sob

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI Contrato de Seguro Ligado a Fundos de Investimento Produto Financeiro Complexo - Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Período de Comercialização 26-10-2010

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento A Lei de Bases do Sistema Educativo assume que o sistema educativo se deve organizar de forma a descentralizar, desconcentrar

Leia mais

sobre Instrumentos Financeiros

sobre Instrumentos Financeiros A Informação que deve ser Prestada pelos Intermediários Financeiros sobre Instrumentos Financeiros CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 A Informação que deve ser prestada pelos

Leia mais

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Comercial INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7

Fórum Jurídico. Fevereiro 2015 Direito Comercial INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/7 Fevereiro 2015 Direito Comercial A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

Corporate Governance e responsabilidade social das empresas

Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Fernando Teixeira dos Santos Presidente da CMVM 1 - Os recentes escândalos financeiros e falências de importantes empresas cotadas chocaram os

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 34/2005 17/02 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/49/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa a um regime fiscal comum

Leia mais

Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários

Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários RELATÓRIO FINAL DA CONSULTA PÚBLICA DA AGMVM SOBRE A PROPOSTA DE REFORMA DO CÓDIGO DE MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 1. Introdução No presente documento procede-se à análise das respostas recebidas no

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição 1. A Comissão de Auditoria do Banco Espírito Santo (BES) (Comissão de Auditoria ou Comissão) é composta por um mínimo

Leia mais

INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE REGISTO DA ATIVIDADE DE GESTÃO DE ORGANISMOS DE INVESTIMENTO EM ATIVOS NÃO FINANCEIROS

INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE REGISTO DA ATIVIDADE DE GESTÃO DE ORGANISMOS DE INVESTIMENTO EM ATIVOS NÃO FINANCEIROS INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE REGISTO DA ATIVIDADE DE GESTÃO DE ORGANISMOS DE INVESTIMENTO EM ATIVOS NÃO FINANCEIROS Legenda: CVM = Código dos Valores Mobiliários EG = entidade gestora de organismos de investimento

Leia mais