ANÁLISE TÉCNICA É CAPAZ DE PROPORCIONAR RESULTADOS SIGNIFICATIVOS EM OPERAÇÕES NO MERCADO FUTURO?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE TÉCNICA É CAPAZ DE PROPORCIONAR RESULTADOS SIGNIFICATIVOS EM OPERAÇÕES NO MERCADO FUTURO?"

Transcrição

1 ANÁLISE TÉCNICA É CAPAZ DE PROPORCIONAR RESULTADOS SIGNIFICATIVOS EM OPERAÇÕES NO MERCADO FUTURO? Adelson Gasparin 1 Daniel Knebel Baggio 2 RESUMO Conseguir os melhores momentos de entrada e saída em cada operação, obter maiores rentabilidades arriscando menos, operar a melhor carteira de investimentos. Estes pensamentos com certeza estão dentre os objetivos dos investidores em mercados de capitais e de futuros. Para tanto, muitos analistas, corretores, fundos e especuladores se utilizam de uma infinidade de ferramentas de análise técnica para o auxilio na tomada de decisão de suas operações. Baseados na teoria de Charles Dow (1884), muitos estudos se ativeram ao teste de previsibilidade dos preços através de suas cotações passadas. Porém, a teoria de eficiência de mercado contraria esta ideia e afirma que é impossível prever preços futuros baseados em acontecimentos passados. O objetivo deste trabalho é testar por meio de uma estratégia de análise técnica formulada pelo autor, se é possível obter retornos financeiros significativos para realização de ganhos, baseando-se em padrões de séries históricas com o contrato futuro de Soja negociado na BM&F. Apoiada sob o período de amostragem que foi de março de 2011 a abril de 2013, a pesquisa de caráter quantitativo, encontrou resultados muito satisfatórios, ao passo que a rentabilidade mensal encontrada foi de 6,40%. Tal fato contraria a forma fraca de eficiência de mercado de Fama (1970) e sugere que a utilização da análise técnica é imprescindível na tentativa de obtenção de lucros, e proteção de riscos. Palavras Chave: Análise Técnica; Soja com Liquidação Financeira; BM&F. 1 Adelson Gasparin é Operador de Commodities Agrícolas. Graduado em Agronegócios pela Universidade de Passo Fundo (UPF) e Pós-Graduando em Finanças e Mercados de Capitais pelo Complexo de Ensino Superior Meridional (IMED). e 2 Daniel Knebel Baggio. Professor Orientador. É Professor e Assessor de Relações Internacionais. Graduado em Administração e Pós-Graduado em Administração Financeira pela Universidade Regional Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUI). É Mestre e Doutor em Contabilidade e Finanças pela Universidad del Zaragaza Espanha.

2 ABSTRACT Getting the best moments of entry and exit in each transaction, obtain higher returns risking less, operate the best investment portfolio. These thoughts are definitely among the goals of investors in capital markets and futures. Therefore, many analysts, brokers, funds and speculators are used for a multitude of technical analysis tools to aid in decision making for their operations. Based on the theory of Charles Dow (1884), many studies have clung to test predictability of prices through its quotations past. However, the theory of market efficiency contradicts this idea and states that it is impossible to predict future prices based on past events. The objective of this work is to test through a technical analysis strategy formulated by the author, it is possible to obtain significant financial returns for realizing gains, based on standards of historical series with soybean futures contract traded on the BM & F. Supported under the sampling period was from March 2011 to April 2013, a quantitative research, found very satisfactory results, while the monthly return of 6.40% was found. This fact contradicts the weak form of market efficiency of Fame (1970) and suggests that the use of technical analysis is essential in trying to make a profit, and risk protection. Key Words: Technical Analysis; Soybean Cash Settled; BM&F. 1 INTRODUÇÃO O universo do investimento em renda variável tem se tornado cada dia mais dinâmico, mais ágil e também mais perigoso para aqueles que não detêm conhecimentos avançados em ferramentas de proteção. Em se tratando de tipos de investimentos, são diversas as modalidades disponibilizadas pelo mercado financeiro. Ações, índices, moedas (câmbio), taxas de juros, e dentre outras, o mercado futuro de derivativos agrícolas, que fará parte dos estudos do presente trabalho. Operar protegendo-se dos riscos e das oscilações contrárias à sua posição 3, antecipar-se aos movimentos do ativo 4 financeiro negociado. Prever a tendência dos preços. Estes certamente são os desejos de todos os operadores e investidores deste mercado. É o que os agentes objetivam a todo momento em todas as operações. Com os avanços da Tecnologia de Informação e da computação pessoal, tornou-se mais fácil e ágil desenvolver estratégias de proteção, através das ferramentas de análise conhecidas no mercado. Atualmente estas estratégias baseiam-se em duas escolas de análise de ativos. Analise fundamentalista, que estuda os cenários macroeconômicos, políticos, sociais e até mesmo culturais, além de buscar visualizar o movimento dos preços a médio e longo prazos. 3 Contratos de ações, títulos, derivativos, etc. 4 Objeto que está sendo negociado. Exemplo: ação da Petrobras, contrato de índice Bovespa, contrato de dólar.

3 Análise técnica, que será objeto de estudo neste trabalho, está baseada em padrões gráficos, indicadores, histórico de cotações, onde refletem o comportamento emocional e psicológico do investidor. Para a análise técnica toda e qualquer informação vista no cenário macroeconômico já está descontada no preço do ativo. Lemos e Cardoso sugerem que a análise técnica é a interpretação da ação do mercado para antecipar o movimento futuro dos preços. (2010, p. 32). A análise técnica remonta o início século 18 na cidade japonesa de Osaka, quando o comerciante de arroz Munehisa Homma desenvolveu o gráfico de candlestick 5. Homma se consagrou e fez fortuna aplicando sua técnica nos negócios de arroz que realizava por volta do ano de 1750 na Dojuma Rice Exchange primeira bolsa de futuros do mundo. Mas a difusão da escola de análise técnica só veio ocorrer entre o final do século 19 e inicio do século 20. Charles Dow, jornalista americano, desenvolveu sua teoria em seus 255 editoriais publicados sobre o mercado de ações na coluna de economia do seu próprio jornal, o Wall Street Journal. Dow construiu dois índices para observar e validar o movimento das ações. A Média Industrial e a Média Ferroviária. A Charles Dow são atribuídos hoje a conhecida Teoria de Dow e o Índice Dow Jones. O mais famoso indicador do mercado de ações do mundo. Ainda no século 20, alguns autores defendiam a impossibilidade de se antecipar aos movimentos dos preços das ações norte americanas. Alfred Cowles publicou em 1933, na revista americana Econometrica, que os preços das ações seguiam uma flutuação aleatória de forma que não era possível prever movimentos. Junto com Jones, Cowles defendeu em 1937 ser impossível descriminar a direção das cotações de cada ação. De acordo com a teoria de eficiência de mercado interpretada por Samuelson (1965) e sistematizada por Roberts (1967), as mudanças nos preços dos ativos financeiros são imprevisíveis, uma vez que as informações e expectativas de todos os participantes são completamente incorporadas de forma imediata e correta aos ativos. Fama (1970) aperfeiçoa esta teoria, e batiza de Hipótese da Eficiência de Mercado (sigla inglesa HME) onde a classifica em três níveis: forte, semiforte e fraca. Segundo o autor, os critérios para avaliação levam em consideração o poder das informações disponíveis para a previsão do mercado. Em mercados com eficiência forte, o 5 Também conhecido como gráfico de velas, é o gráfico mais reconhecido e utilizado mundialmente pelos investidores. Cada Candle (vela) contém em si a informação de quatro preços: abertura, mínimo, máximo e fechamento. Leia mais em: CANDLESTICK, um método para ampliar lucros na bolsa de valores/2007. Autor: Carlos Alberto Debastiani.

4 preço dos ativos reflete todos os tipos de informação relevantes, até mesmo informações privilegiadas. No caso de eficiência semiforte, esta considera que os preços dos ativos reflitam as informações publicamente disponíveis. Para a última, eficiência fraca, o preço dos ativos leva em conta as informações passadas, como series históricas. Desta forma, quanto mais eficiente o mercado for, mais aleatórios serão os preços dos ativos e os investidores devem obter retornos não superiores aos pagos pelo mercado. Sendo assim, os estudos de movimentos de mercados, avaliação de séries históricas, análise técnica, estratégias, com a intenção de prever padrões de tendências no futuro, tendem a não produzir efeito, pois estaria tornando o mercado ineficiente, e contrapondo-se à teoria de eficiência fraca (FAMA, 1995). O presente trabalho pretende verificar se o estudo das séries históricas, por meio da utilização de ferramentas de análise técnica pode gerar bons retornos para os agentes investidores em operações com o contrato de soja futuro negociado na Bolsa de Valores de São Paulo (Bm&F). De acordo com as referências bibliográficas da área, é praticamente impossível obter grandes resultados, uma vez que quanto mais eficiente o mercado for, mais imprevisível pode ser a direção dos preços. O que confirma a forma fraca de eficiência verificada para este tipo de mercado. No Brasil, a literatura sobre eficiência de mercados ainda é muito pouco disseminada e voltada ao mercado financeiro de ações em sua maioria. Os estudos ligados ao mercado futuro agropecuário são muito pouco explorados. Recentemente, Rodrigues e Filho (2012), testaram e comprovaram através de estudos empíricos, a forma fraca de eficiência para os contratos futuros agropecuários da BM&F. A forma fraca de eficiência para este mercado também é confirmada por Amado e Carmona (2004), Duarte, Lima e Alves (2007) e Moraes, Lima e Melo (2009). Os analistas técnicos utilizam a análise técnica como uma regra lógica, onde os acontecimentos passados vão dando sinais de possíveis repetições ou início de novos ciclos, refletindo o medo, a ganância, a esperança, a emoção dos agentes do mercado, o que reflete uma das premissas básicas da análise técnica. A de que os mercados descontam tudo. Entretanto, uma das críticas mais comuns à análise técnica consiste em afirmar que, se fosse possível todos os agentes do mercado identificarem padrões de comportamento em séries de preços, ou padrões gráficos, e obter lucros significantes, a análise técnica se tornaria uma profecia autorrealizável, e todo e qualquer retorno desapareceria na tentativa de maximizá-los (ROSS, WESTERFIELD e JAFFE, 2002).

5 Lemos e Cardoso rebatem esta crítica contestando que [...] mesmo que isso fosse verdade, devemos ter em mente que estamos lidando com uma matéria ainda bastante subjetiva, muito mais próxima de uma arte do que de uma ciência. Os padrões gráficos, raramente, são tão claros a ponto de vários investidores concordarem ao mesmo tempo com sua interpretação. [...] decisões de investimento são tomadas levando-se em conta vários aspectos, tais como horizonte de investimento e grau de aversão ao risco dos investidores. (2010, p. 35). Esse estudo parte do pressuposto que o mercado de derivativos agropecuários brasileiro, em especial o contrato futuro de soja negociado na BM&F, é ineficiente. Do contrário não haveria razão em investigar tal comportamento sob a ótica da análise técnica. Ineficiente porque compreende que o mercado é formado por seres humanos, com atitudes e comportamentos distintos e irracionais. Onde há investidores profissionais e amadores, com mais e menos acesso a informação, maior e menor níveis intelectuais, bem e mal sucedidos. (PIMENTA e LIMA, 2010). Neste sentido, o objetivo do presente estudo corresponde analisar a eficiência da análise técnica na promoção de retornos no mercado futuro de soja. Como já descrito anteriormente, o estudo contraria a hipótese de mercado eficiente de Fama. Contudo, a intenção da pesquisa é mostrar, por meio de uma estratégia de análise desenvolvida pelo autor, que é possível obter resultados positivos através da utilização de algumas ferramentas de análise técnica. Até o momento, o estudo parecer ser único na literatura nacional quando se trata de testar ferramentas e estratégias de análise técnica em mercados futuros de derivativos agrícolas. Sato (2002) utiliza análise técnica e adota a estratégia de Market Timing no mercado à vista da Bovespa. Saffi (2003), estuda o mercado futuro de Ibovespa onde testa a validade da hipótese de mercados eficientes aplicando ferramentas simples de análise técnica com histórico de cotações em períodos diários. Para ambos, a análise técnica não sinaliza, de forma convicta retornos financeiros significativos. Penteado (2003) busca detectar relações entre os sinais gráficos e as tendências futuras no mercado de ações brasileiros utilizando o próprio índice Bovespa e mais 9 ações, num período amostral de oito anos. O autor adota como ferramenta de análise, a Média Móvel de

6 233 dias. As conclusões são claras de que a análise técnica tem validade para a previsão de preços no mercado de ações brasileiro. Vidotto, Migliato e Zambon (2009), testa a eficácia do indicador Moving Average Convergence/Divergence (MACD) no mercado de ações brasileiro no ano de Os resultados são positivos e apontam para um rendimento acumulado de 26,7%, enquanto o rendimento acumulado do Ibovespa para o mesmo período foi de apenas 0,90%. Guimarães, Araujo e Barbedo (2011), estudam o mercado futuro de Índice Bovespa e confirmam ao utilizar os indicadores técnicos Médias Móveis e Momentum como estratégia de análise técnica, que é possível obter retornos significativos com estudo de histórico de cotações. O estudo se justifica pela importância do estudo da análise técnica ao realizar o investimento. Devido a incerteza obtida no investimento de renda variável, a escola técnica poderá indicar o momento de comprar e vender um determinado ativo, e, neste caso, o futuro soja. O estudo será dividido em quatro partes. Na próxima seção será abordada a amostragem, a metodologia e a estratégia. Após serão apresentados os resultados, e na última seção fazem-se as conclusões do trabalho. O presente artigo está baseado em uma pesquisa quantitativa e busca além de mostrar que é possível realizar operações lucrativas utilizando estratégias de análise técnica em mercados de futuros agropecuários, desenvolver a curiosidade dos leitores em testar novas estratégias, e também possivelmente atrair mais investidores a um mercado ainda muito pouco conhecido pelos agentes investidores brasileiros. 2 AMOSTRA, METODOLOGIA E ESTRATÉGIA 2.1 Amostra e Metodologia O estudo utiliza como amostra as cotações de abertura, mínima, máxima e de fechamento diários para os contratos de Soja com Liquidação Financeira 6 com vencimento no mês de maio negociado na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F). Os dados foram coletados a partir da plataforma de cotações CMA SERIES4 entre março de 2011 e março de Por se tratar de um ativo 7 que ainda não possui volume expressivo de negócios diários, 6 Cada contrato de Soja com Liquidação Financeira Código SFI é composto por 450 sacas de 60 quilogramas. Sua cotação é dada em dólar americano. 7 Objeto negociado. Neste caso, refere-se ao Contrato de Soja com Liquidação Financeira.

7 todas as operações foram realizadas com preço de abertura, ou seja, a entrada ou saída de qualquer operação se deu sempre no primeiro negócio do dia. Este procedimento foi realizado para evitar uma possível falta de liquidez 8 no momento das execuções das ordens. Como as operações não foram realizadas em modalidade Day Trade (entrar e sair da posição no mesmo dia), e sim na modalidade Buy and Hold (comprar e segurar a posição), foram pagos/recebidos ajustes diários e depositado a margem de garantia exigida pela câmara de clearning 9 da BM&F durante o período das operações. Para que as estratégias não sofressem interferências, todas as operações foram realizadas sem Stop Loss 10. A estratégia montada para alcançar o objetivo deste estudo está baseada na utilização de quatro indicadores de análise técnica, ao qual são plotados sobre o gráfico de candlestick com periodicidade diária, ou seja, cada candle (vela) representa a movimentação do preço em um determinado dia. São eles: Média Móvel Exponencial de quatro períodos (MME 4); Média Móvel Exponencial de nove períodos (MME 9); Moving Average Convergence/Divergence (MACD); Índice de Força Relativa (IFR). Simples de ser utilizado, o indicador de tendência Média Móvel calcula como o próprio nome diz, a média dos preços de determinado período passado. Classificado como rastreador de tendência, a Média Móvel, é uma linha de pontos, que reflete a média dos últimos n períodos. A MME dá peso menor aos preços mais antigos e atribui maior importância aos preços recentes. No caso deste trabalho, a MME 4 analisa sempre o preço de fechamento dos últimos 4 dias negociados e emite sinais rápidos da tendência de preços, enquanto a MME 9 faz a mesma análise, porém verificando nove dias, e reage de maneira mais lenta. O cruzamento destas linhas sobre o gráfico de cotações sinaliza o termino ou inicio de uma tendência. Também classificado como rastreador de tendência. Desenvolvido por Gerald Appel 11 na década de 60, o MACD tem função de seguir a oscilação dos preços e identificar pontos de convergência e divergência. Utilizando duas MME, o MACD cria uma linha que se dá pela 8 Liquidez, faz referência à facilidade de se comprar e vender um ativo. É quando há muitos compradores e vendedores realizando operações de compra e venda no mesmo momento. 9 Sistema responsável por assegurar o fiel cumprimento das operações negociadas na bolsa, bem como controle e compensação dos ajustes diários, manutenção dos contratos em aberto, efetuar as liquidações das posições físicas e financeiras. 10 Interromper a perda é uma ordem de liquidação automática de posição pré-programada pelo especulador utilizada para controlar o risco da operação. 11 ENDER, Alexander. Technical analysis A Quick Tutorial in MACD. Press Financial Times, 2005.

8 subtração de uma MME 26 por uma MME 12. Além disso, o indicador de tendência utiliza uma segunda linha, formada pela MME 9. Esta linha é chamada de Linha de Sinal que tem finalidade de indicar, através do seu cruzamento com a linha MACD, pontos de compra e venda. Estas duas linhas são plotadas em separado do gráfico de preços, onde oscilam sobre uma escala numérica negativa e positiva utilizando como centro o ponto zero. Da família dos indicadores osciladores, o IFR é popularmente conhecido como oscilador de momento. Sua função é marcar a força do mercado, e demonstrar áreas sobrecompradas e sobrevendidas em uma escala percentual de 0 a 100, onde próximo a 100 obterá-se a indicação de venda do ativo, e próximo a 0, a sinalização o de compra. O IFR também utiliza a média de preços dos últimos períodos em seu calculo. Seguindo seu criador, J. Welles Wilder 12 o presente estudo utiliza a média de 14 dias para base de cálculo. A Figura 1 demonstra a montagem da estratégia. Na parte de cima, junto com as cotações do contrato de Soja com Liquidação Financeira vencimento maio de 2013, estão expostos os indicadores MME 4 e MME 9. Abaixo têm-se o rastreador de tendência MACD, e sob ele o oscilador IFR. Figura 1. Sobre o gráfico de candles, as MME de 4 e 9 períodos. Abaixo o MACD e por último o IFR. Fonte: Elaborado pelo autor a partir da plataforma SERIES4. 12 KIRKPATRIC, Charles, D. DAHLQUIST, Julie R. Technical analysis: the complete resource for financial market technicians. Press Financial Times, 2006.

9 2.2 Estratégia das operações de compra e de venda. A estratégia criada exige que três cenários se confirmem para determinar o ponto de execução da compra ou venda do ativo. Para ocorrer à execução de compra é necessário que: a) a MME 4 cruze de baixo para cima a MME 9; b) a linha MACD cruze sua linha de Sinal de baixo pra cima; c) o IFR estar entre as linhas paralelas de 40 e 60 por cento e em sentido crescente. Não necessariamente os sinais das MMEs e MACD aconteçam nesta ordem, entretanto o IFR é o último indicador a confirmar a execução. Em relação às operações de venda, o mesmo deverá acontecer, porém em ordem inversa. A MME 4 cruza de cima para baixo a MME 9, a linha MACD cruza de cima para baixo sua linha de sinal e o indicador IFR deve estar entre 40 e 60% e em direção decrescente. A Figura 2 mostra o passo a passo para a execução da ordem de compra. Sobre a gráfico das cotações, a MM 4 (linha vermelha) cruza a MME 9 (linha amarela) de baixo para cima conforme indicado pela seta, ativando a estratégia de compra. Porém a execução da ordem ainda não acontece pois é preciso aguardar a confirmação dos outros indicadores. Abaixo do gráfico de preços, o circulo branco mostra o ponto de convergência que indica compra pelo indicador MACD (três períodos após a ativação da estratégia pela MME), onde alinha azul corta de baixo para cima a linha vermelha. A última confirmação e ordem de execução, vem do IFR, que no ponto de convergência do MACD, está entre 40 e 60% em sentido crescente. Neste momento é executada a ordem de compra do ativo. Figura 2. Simulação do momento de execução da COMPRA. Gráfico de Cotações do contrato de Soja com Liquidação Financeira com vencimento maio/13 da BM&F. Fonte: Elaborado pelo autor a partir da plataforma SERIES4.

10 A operação de venda acontece conforme a ilustração da Figura 3. Nesta, a estratégia é ativada pelo sinal de divergência do MACD, quando a linha azul cruza de cima para baixo a linha vermelha. A segunda indicação ocorre quando as MME se cruzam inversamente, ou seja, a linha vermelha corta a linha amarela de cima para baixo. Neste momento é dada ordem de execução de venda, pois o IRF está entre 40 e 60% e em sentido decrescente, validando a operação. Figura 3. Momento de execução de VENDA. Gráfico de Cotações do contrato de Soja com Liquidação Financeira com vencimento maio/13 da BM&F. Fonte: Elaborado pelo autor a partir da plataforma SERIES4. 3 RESULTADOS Os resultados da estratégia estão baseados na operação de apenas UM contrato de Soja com Liquidação Financeira (SFI), ou seja, toda compra e toda venda se deu com ordem de 1 contrato.o investimento total alocado para realizar as operações foi de US$ 2.500,00. Este valor foi utilizado cobrir as margens de garantia solicitadas pela BM&F e para custear possíveis ajustes diários negativos. Não houve reinvestimento deste capital. Como a cotação da soja é dada em dólar na BM&F, as oscilações de câmbio não são consideradas neste estudo. Do contrário, os resultados sofreriam interferência e a estratégia ficaria comprometida. Não estão inclusos na avaliação os custos operacionais e de corretagem.

11 O Quadro 1 apresenta os resultados das posições long (operações de compra, o mesmo que operações compradas) para o contrato SFI com vencimento maio de 2012 (código SFIK12). Das 7 operações realizadas, apenas uma apresentou prejuízo. A média de ganho em cada operação foi de US$ 517,50 representando uma lucratividade média de 14,28%. Quadro 1. Exposição dos resultados obtidos a partir das operações LONG do contrato de Soja com Liquidação Financeira vencimento maio de Data Entrada Preço Entrada Data Saída Preço Saída Lucro/Prejuíz o % 18/03/ ,80 03/05/ ,30 225,00 1,74 18/05/ ,60 16/06/ ,00 180,00 1,35 06/07/ ,75 04/08/ ,30 247,50 1,85 12/08/ ,24 12/09/ ,70 207,00 1,52 11/10/ ,80 31/10/ ,49-139,50-1,12 08/12/ ,05 12/01/ ,00 427,50 3,65 24/01/ ,60 27/04/ , ,00 19,93 LUCRO ACUMULADO 3.622,50 Fonte: elaborado pelo autor a partir dos resultados obtidos na pesquisa. Na avaliação dos resultados das operações short (operações de venda, o mesmo que operações vendidas) para o contrato SFIK12 obteve-se novamente lucro. Conforme o Quadro 2, a ganho total com as operações de venda foi 53% menor do que as operações compradas, porém a rentabilidade média em percentual por operação foi maior, 16,67%. Em relação ao número de operações, houve ganho em quatro das 6 operações realizadas, somando um ganho médio de US$ 281,25 por operação. Ao todo, as operações com lucro somam US$ 2.092, 50 e as operações com prejuízo US$ 405,00. Quadro 2. Exposição dos resultados obtidos a partir das operações SHORT do contrato de Soja com Liquidação Financeira vencimento maio de Data Entrada Preço Entrada Data Saída Preço Saída Lucro/Prejuíz o % 03/05/ ,30 18/05/ ,60-135,00-1,01 16/06/ ,00 06/07/ ,75 112,50 0,84 04/08/ ,30 12/08/ ,24 27,00 0,20 12/09/ ,70 11/10/ , ,00 10,43 31/10/ ,49 08/12/ ,05 648,00 5,53 12/01/ ,00 24/01/ ,60-270,00-2,17 LUCRO ACUMULADO 1.687,50 Fonte: elaborado pelo autor a partir dos resultados obtidos na pesquisa. Semelhante ao verificado nas operações de compra do contrato SFIK12, as posições long realizadas no contrato SFIK13, apresentaram lucro significativo e rentabilidade média de

12 14,28% por operação. Desta vez, três operações apresentaram prejuízo e outras 3 apresentaram ganhos, enquanto e uma das operações foi nula, não obteve nem lucro, nem prejuízo. Em números, a rentabilidade média de cada uma das sete operações foi de US$ 327,21. Nestas operações foram pagos ao todo, US$ 274,50 em ajustes diários, e recebidos US$ 2.565,00 (Quadro 3). Quadro 3.. Exposição dos resultados obtidos a partir das operações LONG do contrato de Soja com Liquidação Financeira vencimento maio de Data Entrada Preço Entrada Data Saída Preço Saída Lucro/Prejuízo % 06/06/ ,70 23/07/ , ,00 12,73 20/08/ ,60 14/09/ ,65 922,50 6,49 19/10/ ,20 08/11/ ,20 0,00 0,00 28/11/ ,30 19/12/ ,19-49,50-0,36 14/01/ ,95 13/02/ ,20 112,50 0,83 07/03/ ,80 18/03/ ,60-90,00-0,65 15/04/ ,90 26/04/ ,60-135,00-1,00 LUCRO ACUMULADO 2.290,50 Fonte: elaborado pelo autor a partir dos resultados obtidos na pesquisa. No Erro! Fonte de referência não encontrada. estão expostos os resultados obtidos para as posições short realizadas com o contrato SFIK13 no período de 10 de maio de 2012 a 18 de março de Mais uma vez a estratégia adotada obteve significativos ganhos. Cinco operações foram positivas e apresentaram média de ganho de US$ 530,10 por operação, enquanto duas operações deram prejuízo médio de US$ 427,50 cada. Em relação à rentabilidade média entre as sete operações, obteve-se lucro de US$ 243, 64 por operação. Quadro 4. Exposição dos resultados obtidos a partir das operações SHORT do contrato de Soja com Liquidação Financeira vencimento maio de Preço Entrada Data Saída Preço Saída Lucro/Prejuízo % Data Entrada 10/05/ ,30 06/06/ ,70 720,00 5,99 23/07/ ,10 20/08/ ,60-675,00-4,75 14/09/ ,65 19/10/ , ,50 7,85 08/11/ ,20 28/11/ ,30 405,00 2,97 19/12/ ,19 14/01/ ,95 108,00 0,80 13/02/ ,20 07/03/ ,80-270,00-1,95 18/03/ ,60 15/04/ ,90 315,00 2,34 LUCRO ACUMULADO 1.705,50 Fonte: elaborado pelo autor a partir dos resultados obtidos na pesquisa.

13 Dentre as 27 operações realizadas ao longo do período amostrado, percebe-se, que a estratégia adotada apresenta maior eficiência em posições compradas do que nas posições vendidas. Enquanto as posições compradas representam 63,54% dos ganhos, as posições vendidas somam 36,46% do resultado final obtido. Entretanto, a Tabela 1 expõe conjuntamente os resultados e apresenta um lucro total de US$ 9.306,00. Considerando que não houve reinvestimento do capital inicial em nenhum momento durante o período amostrado, e desconsiderando as taxas da bolsa e de corretagens, o capital final ao termino das operações era de US$ ,00. Em relação à média de lucro por operação, novamente as posições long foram mais rentáveis que as posições short, o que pode indicar que a estratégia apresenta melhor desempenho em operações compradas. Tabela 1. Resultados das operações realizadas entre março de 2011 e abril de Posições Long Posições Short Total Operações Ganhadoras Operações Perdedoras Operações Nulas Total Operações Operações com Lucro US$ USS 6.327,00 USS 4.743,00 USS ,00 Operações com Prejuízo US$ USS 414,00 USS 1.350,00 USS 1.764,00 LUCRO LÍQUIDO TOTAL USS 5.913,00 USS 3.393,00 USS 9.306,00 Média Lucro por operação USS 422,36 USS 261,00 USS 344,67 Lucro Capital inicial % (*) 236,52% 135,72% 372,24% Fonte: elaborado pelo autor a partir dos resultados obtidos na pesquisa. (*) Capital inicial investido US$ 2.500,00. Com relação à média das operações que deram lucro, esta foi estimada em US$ 615,00 por operação. Já para as operações que apresentaram prejuízo, a média ficou em US$ 220,50 por operação. Este resultado leva a crer que a estratégia adotada é boa controladora de risco, uma vez que os prejuízos médios são pequenos em consideração aos lucros médios. A Figura 4 ilustra o comportamento de cada uma das operações.

14 2.750, , , , , , , ,00 750,00 500,00 250,00 0,00-250,00-500,00-750, ,00 Lucro/Prejuízo US$ Figura 4. Gráfico das operações realizadas. As colunas acima do marco zero indicam as operações com lucro, enquanto as colunas plotadas abaixo da linha zero indicam as operações com prejuízo. Fonte: Elaborado pelo autor a partir dos dados da pesquisa. O tempo em que cada posição levou desde a sua entrada até sua saída variou de 8 a 94 dias (períodos). Entretanto, a média de períodos utilizados por operação foi de 28 dias (Figura 5) Número de Períodos de cada Operação Figura 5. Gráfico ilustrativo do número de dias de cada operação plotados na mesma ordem das operações da figura 4. Fonte: Elaborado pelo autor a partir dos dados da pesquisa. A partir dos dados apresentados na Tabela 2 referente às rentabilidades mensal e anual, fica explicita de forma objetiva, a validação da estratégia de analise técnica implantada durante o período amostrado. Em outras palavras, o estudo confirma que é possível obter

15 retornos muito significativos baseado em padrões históricos utilizando ferramentas de analise técnica. Para tanto, a média de rentabilidade sobre o capital inicial investido durante os 25 meses de operações foi de 6,40% a.m. e 110,52% a.a. Tabela 2. Apuração da rentabilidade e lucratividade da amostra. Posições Long Posições Short Total Capital Final USS 8.413,00 USS 5.893,00 USS ,00 LUCRO LÍQUIDO TOTAL USS 5.913,00 USS 3.393,00 USS 9.306,00 Lucratividade média Mensal US$ USS 236,52 USS 135,72 USS 372,24 Rentabilidade Mensal (%) 4,97% 3,48% 6,40% Rentabilidade Anual (%) 78,97% 50,76% 110,52% Meses de negociação Fonte: elaborado pelo autor a partir dos resultados da pesquisa. 4 CONCLUSÕES A estratégia de análise técnica apresentada neste trabalho, utilizou quarto indicadores matemáticos em sua montagem, sendo três rastreadores (MME de 4 períodos, MME de 9 períodos e MACD) e um oscilador (IFR) adotando como base de estudo o Contrato de Soja com Liquidação Financeira negociado na BM&F entre os meses de março de 2011 e abril de Não há interesse nesse estudo em comparar outros indexadores de lucratividade para o mesmo período amostrado, como a rentabilidade do Ibovespa ou o CDB, ou até mesmo a aplicação do índice de Sharpe para uma possível comparação. O objetivo da pesquisa foi apenas confirmar que e o estudo de séries históricas, por meio da análise técnica pode trazer retornos positivos ao investidor, e que o mercado futuro de soja da BM&F não apresenta a forma fraca de eficiência do mercado. Para tanto, o presente estudo conseguiu confirmar que é possível obter retornos significativos baseados em padrões históricos utilizando ferramentas de analise técnica. Entretanto, a boa adaptação da estratégia ao período analisado não significa uma regra no mercado futuro de soja da BM&F. Do contrário, todos os investidores a seguiriam desde o surgimento da Análise Técnica. Portanto, cabe ao investidor desenvolver seu feeling de

16 mercado e traças suas estratégias tendo em vista sempre que ganhos passados, não refletem de forma consistente à ganhos futuros. Como recomendação a novos trabalhos, sugere-se a montagem de outras estratégias que utilizem os diversos indicadores de análise técnica disponibilizadas pelos softwares de negociação das corretoras, como Bandas de Bollinger, Fibonacci, Momentum, On Balance Volume, Estocástico, Linhas de Suporte e Resistência, etc. Inclusive sobre outros mercados de derivativos agrícolas negociados pela BM&F, como milho, café e boi. O mercado futuro brasileiro ainda é muito pouco conhecido em relação ao mercado de capitais, e carece de estudos sobre análise técnica. 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMADO, C. F. P. CARMONA, C. U. M. Uma análise da eficiência dos mercados futuros agrícolas brasileiros. IV ENCONTRO BRASILEIRO DE FINANÇAS. Sociedade Brasileira de Finanças, São Paulo, COWLES, A. Can stock market forecasters forecast? Econometrica: v. 1, n. 3, p , Jul COWLES, A. JONES, H. Some a posteriori probabilities in stock market action. Econometrica: v. 5, n. 3, p , Jul DUARTE, G. B. LIMA, R. C. ALVES, J. S. Co-integração e eficiência do mercado futuro da soja no Brasil. XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL. Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, Londrina, FAMA, E. F. Efficient capital markets: a review of theory and empirical work. Journal of Finance: v. 25, n. 2, p , May FAMA, E. F. Efficient capital markets II. Journal of Finance: v. 46, n. 5, p , Dec GUIMARÃES, D. P. G. ARAUJO, G. S. BARBEDO, C. H. S. É possível bater o Ibovespa com operações de análise técnica no mercado futuro? Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 5, p , doi: /s LEMOS, F. CARDOSO, C. Análise técnica clássica: com as mais recentes estratégias da Expo Trader Brasil. São Paulo, Saraiva, MORAES, A. S. LIMA, R. C. MELO, A. Análise da eficiência do mercado futuro brasileiro de boi gordo usando co-integração. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 47, n. 3, p , 2009.

17 PENTEADO, M. A. B. Uma avaliação estatística da análise gráfica no mercado de ações brasileiro à luz da teoria dos mercados eficientes e das finanças comportamentais. Dissertação mestrado em administração. Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Universidade de São Paulo, São Paulo, PIMENTA, J. T. LIMA, F. G. Aprenda a usar análise técnica para investir em ações. Ribeirão Preto, Inside Books, ROBERTS, H. Statical versus clinical pediction for de stock market. Center for Research in Security Prices, University of Chicago, Chicago, RODRIGUES, M. A. FILHO, J. G. M. Eficiência nos mercados futuros agropecuários brasileiros: II CONFERÊNCIA EM GESTÃO DE RISCO E COMERCIALIZAÇÃO DE COMMODITIES. ESALQ Universidade de São Paulo, São Paulo, ROSS, S. A. WESTERFIELD, R. W. JAFFE, J. F. Administração financeira. São Paulo, Atlas, SAFFI, P. A. C. Análise técnica; sorte ou realidade? Revista Brasileira de Economia,v. 57, n. 4, p , doi: /S SAMUELSON, P. A. Proof that properly anticipated prices fluctuate randomly. Industrial Management Review: v. 6, n. 2, p , SATO, A. Os riscos do market timing. RESENHA BM&F, n. 148, p , VIDOTTO, R. MIGLIATO, A. ZAMBON, A. O moving average convergence/divergence como ferramenta para a decisão de investimento no mercado de ações. Revista de Administração Contemporânea,v. 13, n.2, p , doi: /S

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análise Fundamentalista Origem remonta do final do século XIX e princípio do século XX, quando as corretoras de bolsa tinham seus departamentos de análise

Leia mais

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 A História da BM&F Uma história de Sucesso criada em Junho de 1985. Constituída sob a forma de sociedade por ações. Desenvolver, organizar e operacionalizar

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com Boi - Mercado Mercado de Boi gordo - Brasil: * Maior exportador mundial, * Consumo interno: mais de 70%, * Maior rebanho comercial, * Perda de área para outras culturas. - Mundo:

Leia mais

Joseilton S. Correia

Joseilton S. Correia O P E R A N D O N A Bolsa de Valores U T I L I Z A N D O ANÁLISE TÉCNICA Aprenda a identificar o melhor momento para comprar e vender ações Joseilton S. Correia Novatec Sumário Agradecimentos... 13 Sobre

Leia mais

4 Estratégias para Implementação de Agentes

4 Estratégias para Implementação de Agentes Estratégias para Implementação de Agentes 40 4 Estratégias para Implementação de Agentes As principais dúvidas do investidor humano nos dias de hoje são: quando comprar ações, quando vendê-las, quanto

Leia mais

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da apresentação 2 Breve histórico Os Mercados Futuros no mundo têm sua história diretamente vinculada

Leia mais

Curso de Inteligência Financeira

Curso de Inteligência Financeira Curso de Inteligência Financeira 1.1- Porque planejar-se financeiramente? 1.2- O que é Inteligência Financeira? 1.3- Guia da Academia Financeira Ajudando você a conquistar sua independência financeira

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Curso Análise Técnica 1

Curso Análise Técnica 1 Curso Análise Técnica 1 Módulo 2 de 4 Continuação do Módulo 1 www.tradernauta.com.br Médias Móveis Linhas contínuas utilizadas como Suporte e Resistência; Podem ser traçadas com qualquer média estatística,

Leia mais

MINICURSO SEMAT. Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities. Lucas Guilherme Rigo Canevazzi

MINICURSO SEMAT. Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities. Lucas Guilherme Rigo Canevazzi MINICURSO SEMAT Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities Lucas Guilherme Rigo Canevazzi Matheus Furtado de Souza Popp Prof. Dr. Geraldo Nunes Silva Prof. Dr. Maurílio

Leia mais

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA

O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA O QUE É HEDGE E COMO ELE FUNCIONA! O que é hedge?! Como estar protegido de um eventual prejuízo de uma operação financeira da empresa no futuro?! Como podemos hedgear uma operação efetuada em dólar?! Como

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Aula 3. ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes

Aula 3. ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes Aula 3 ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes Introdução Para auxiliá-los na tomada de decisões, os investidores contam com dois tipos de análises: Análise Fundamentalista que baseia-se

Leia mais

INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS

INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Ibovtrend THE MARKET TIMING AND TRADE DECISION SYSTEM FOR EVERY MAJOR GLOBAL MARKET INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS A TENDÊNCIA É SUA AMIGA O Ibovtrend se baseia

Leia mais

Back-Test no MetaStock

Back-Test no MetaStock Back-Test no MetaStock Visão Geral Tela principal do System Tester O System Tester visa testar sistemas (trading systems) para determinar seu histórico de rentabilidade. Ele ajuda a responder a pergunta

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

MENU DE COMMODITIES SOJA MAIO (SOJK10) Soja fechou em leve baixa, trabalha na casa entre 21,50 e 21,80. JULHO 2009/ MAIO 2010 (N/K)

MENU DE COMMODITIES SOJA MAIO (SOJK10) Soja fechou em leve baixa, trabalha na casa entre 21,50 e 21,80. JULHO 2009/ MAIO 2010 (N/K) MENU DE COMMODITIES SOJA MAIO (SOJK10) SOJA MAIO (SOJK10) Médias no Profitchart utilizando o after market. Tempo 60 minutos MÉDIAS 12 SIMPLES E 23 SIMPLES TEMPO 60 MINUTOS SUPORTE 1 R$ 21,80 SITUAÇÃO VENDA

Leia mais

ebook - Forex para Iniciantes

ebook - Forex para Iniciantes Mercado financeiro Na economia, o mercado financeiro é um mecanismo que permite a compra e venda (comércio) de valores mobiliários (por exemplo ações e obrigações), mercadorias (como pedras preciosas ou

Leia mais

Revista FATEC Sebrae em debate: gestão, tecnologias e negócios Vol. 2 Nº. 2 Ano 2015 ISSN 2358-9817

Revista FATEC Sebrae em debate: gestão, tecnologias e negócios Vol. 2 Nº. 2 Ano 2015 ISSN 2358-9817 Revista FATEC Sebrae em debate: gestão, tecnologias e negócios Vol. 2 Nº. 2 Ano 2015 ISSN 2358-9817 Carlos Alberto Alves Quintino Economista e mestre em Administração de Empresas. Professor de Sistema

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

Sobre a Um Investimentos

Sobre a Um Investimentos Sobre a Um Investimentos A UM INVESTIMENTOS é uma instituição financeira independente e atua no mercado financeiro há 44 anos. Atualmente é a maior corretora de investimentos brasileira nas redes sociais,

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História do Milho - Os primeiros registros do cultivo datam de 7.300 anos - Origem Americana: litoral do México - Nome, de origem indígena, significa "sustento

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio

Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Fundamentos de Mercado Futuro e de Opções no Agronegócio Quais alternativas um produtor rural tem para diminuir os riscos de preços na hora de vender sua safra? Modelo tradicional: contato direto com o

Leia mais

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Ivan Wedekin Diretor de Produtos do Agronegócio e Energia ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária 1 Brasil o gigante da pecuária

Leia mais

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade;

Modalidades. Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas; Financiamento com opções; Long & Short; Day Trade; Modalidades Fora o clássico buy & hold, que é a compra e eventual construção de uma posição comprada no mercado acionário algumas outras modalidades são: Aluguel de ações; Mercado a termo; Operações estruturadas;

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

O que é e como funciona uma operação de swap

O que é e como funciona uma operação de swap O que é e como funciona uma operação de swap! O que é Swap! O que é Hedge! Mecanismo básico de funcionamento de uma operação de Swap Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)! Administrador de Empresas

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

SOJA COMENTÁRIO. Médias no Profitchart utilizando o after market. SUPORTE 1 $ 22,60 MARGEM: R$ 2.473,00. MÉDIAS 16 Exp. e 51 Exp SUPORTE 2 $ 22,00

SOJA COMENTÁRIO. Médias no Profitchart utilizando o after market. SUPORTE 1 $ 22,60 MARGEM: R$ 2.473,00. MÉDIAS 16 Exp. e 51 Exp SUPORTE 2 $ 22,00 SOJA GRÁFICO SOJA MAIO BM&F (SOJK10) Análise Gráfica - SOJA Médias Móveis - SOJA MÉDIAS NOVAS!!! Tempo 60 minutos. Médias no Profitchart utilizando o after market. SUPORTE 1 $ 22,60 MÉDIAS 16 Exp. e 51

Leia mais

GRUPO 12. Celso André Locatelli de Almeida Gabriell Orisaka Jorge Domingos Pizollato Filho José Lucas do Nascimento Santos

GRUPO 12. Celso André Locatelli de Almeida Gabriell Orisaka Jorge Domingos Pizollato Filho José Lucas do Nascimento Santos GRUPO 12 Celso André Locatelli de Almeida Gabriell Orisaka Jorge Domingos Pizollato Filho José Lucas do Nascimento Santos Nostrademus VENDA COMPRA O mercado de ações se caracteriza por possuir diversas

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Introdução

1. Introdução. 1.1 Introdução 1. Introdução 1.1 Introdução O interesse crescente dos físicos na análise do comportamento do mercado financeiro, e em particular na análise das séries temporais econômicas deu origem a uma nova área de

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

Bolsa de Mercadorias e Futuros

Bolsa de Mercadorias e Futuros Bolsa de Mercadorias e Futuros Mercado de Capitais Origens das Bolsas de mercadoria No Japão em 1730, surgiu o verdadeiro mercado futuro de arroz(que já era escritural), chamado chu-aí-mai, foi reconhecido

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU?

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? Toda decisão de aplicação financeira está ligada ao nível de risco que se deseja assumir, frente a uma expectativa de retorno futuro.

Leia mais

Bom Dia Commodities. Commodities. 12 de Agosto, 2013. Café

Bom Dia Commodities. Commodities. 12 de Agosto, 2013. Café Bom Dia Café Semana positiva para o café. Finalmente saiu a medida que os produtores estavam esperando. A presidente Dilma anunciou que enxugará do mercado 3 milhões de sacas em março/14 a R$346,00/saca

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

Respeitamos o fato de que cada cliente tem diferentes necessidades e demandas. Nosso objetivo é simplificar o complexo mercado de capitais e

Respeitamos o fato de que cada cliente tem diferentes necessidades e demandas. Nosso objetivo é simplificar o complexo mercado de capitais e Respeitamos o fato de que cada cliente tem diferentes necessidades e demandas. Nosso objetivo é simplificar o complexo mercado de capitais e proporcionar atendimento personalizado, sem perder de vista

Leia mais

Mercado de Capitais. O Processo de Investir. Professor: Roberto César

Mercado de Capitais. O Processo de Investir. Professor: Roberto César Mercado de Capitais O Processo de Investir Professor: Roberto César PASSOS PARA INVESTIR NA BOLSA 1 - Defina um Objetivo 2 - Formas de Investir 3 - Encontre a melhor Corretora para você 4 - Abra sua conta

Leia mais

Aprenda a investir na Bolsa de Valores

Aprenda a investir na Bolsa de Valores Aprenda a investir na Bolsa de Valores Investimento: Curso completo: R$ 350,00 à vista ou parcelado em até 5x (c/ juros) Módulos 1 ao 5: R$ 199,00 à vista ou parcelado em até 5x (c/ juros) Módulos 6 ao

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

ANÁLISE TÉCNICA MÉTODO EQUIPE AÇÕES POR OPÇÕES

ANÁLISE TÉCNICA MÉTODO EQUIPE AÇÕES POR OPÇÕES Página 1 de 8 ANÁLISE TÉCNICA MÉTODO EQUIPE AÇÕES POR OPÇÕES Olá, apresentaremos um método prático de análise técnica visando o fácil entendimento e a facilidade nas operações. Recomendamos que o leitor

Leia mais

Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica

Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Educação Tutorial Gerenciamento e Administração da Empresa Agrícola Viabilidade Econômica: Revisão Bibliográfica Felipe

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA CAVALCANTE & PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA! O conceito de econômico e financeiro! Como concluir com base em indicadores! Construção de índices

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Guia Rápido. Como negociar Commodities Agrícolas. Leandro Benitez

Guia Rápido. Como negociar Commodities Agrícolas. Leandro Benitez Guia Rápido Como negociar Commodities Agrícolas Leandro Benitez O objetivo deste artigo é apresentar-lhe os princípios dos contratos agrícolas para que você possa iniciar suas negociações neste segmento.

Leia mais

Documentação Trade Manager. Metarobôs.

Documentação Trade Manager. Metarobôs. Documentação Trade Manager Metarobôs. Gráfico Parâmetro declaração do ativo operado: Sempre utilize letras MAIÚSCULAS (números são padrões). Não deixe o nome do ativo em BRANCO. Só será permitido deixar

Leia mais

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução 1 Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES 1. Introdução A Gestão de Riscos de Mercado é a atividade por meio da qual uma instituição financeira administra os riscos resultantes de variações nas

Leia mais

Introdução. 1.1 Histórico

Introdução. 1.1 Histórico 1 Introdução 1.1 Histórico O mercado brasileiro, assim como os mercados da maioria dos países emergentes, tem se caracterizado pela crescente volatilidade e dependência do capital estrangeiro. A integração

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

O que é uma corretora de valores

O que é uma corretora de valores A maioria dos home-broker disponibilizados palas corretoras gratuitamente são bem parecidos. Por essa razão, este material traz uma abordagem genérica, onde o investidor terá uma visão geral do funcionamento

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

1. PÚBLICO-ALVO: O fundo é destinado a investidores em geral que pretendam buscar investimentos com rentabilidade superior ao CDI.

1. PÚBLICO-ALVO: O fundo é destinado a investidores em geral que pretendam buscar investimentos com rentabilidade superior ao CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS HEDGE CLASSIQUE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO LONGO PRAZO CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações

Leia mais

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP Renda Fixa Privada Notas Promissórias - NP Uma alternativa para o financiamento do capital de giro das empresas O produto A Nota Promissória (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O QUELUZ TRADER FIM 09.052.643/0001-53. Informações referentes a Agosto de 2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O QUELUZ TRADER FIM 09.052.643/0001-53. Informações referentes a Agosto de 2015 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O QUELUZ TRADER FIM 09.052.643/0001-53 Informações referentes a Agosto de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o QUELUZ TRADER FUNDO

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Educação Financeira Responsável. Escola de Operadores

Educação Financeira Responsável. Escola de Operadores Escola de Operadores Escola de Operadores Treinamentos e Ltda. São Paulo, SP, Brasil Telefone: (5511) 3022-4528 (5511) 99103-9827 www.escoladeoperadores.com.br Contato@escoladeoperadores.com.br http://twitter.com/operadoresbr

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Sumário: 01. OBJETIVO:... 2 02. CONCEITUAÇÃO / DEFINIÇÃO:... 2 03. ABRANGÊNCIA / ÁREAS ENVOLVIDAS:... 2 04. RESPONSABILIDADES:... 2 04.01. Responsáveis pela execução das atribuições desta política... 2

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de IGP-M Futuro de IGP-M Ferramenta de gerenciamento de risco contra a variação do nível de preços de diversos setores da economia O produto Para auxiliar o mercado a se proteger

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

OS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA: UM ESTUDO DO MERCADO BRASILEIRO 1. Maicon Lambrecht Kuchak 2, Daniel Knebel Baggio 3.

OS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA: UM ESTUDO DO MERCADO BRASILEIRO 1. Maicon Lambrecht Kuchak 2, Daniel Knebel Baggio 3. OS FUNDOS DE PREVIDÊNCIA: UM ESTUDO DO MERCADO BRASILEIRO 1 Maicon Lambrecht Kuchak 2, Daniel Knebel Baggio 3. 1 Resultados do Projeto de Pesquisa de Iniciação Científica - PIBIC/CNPq 2 Bolsista PIBIC/CNPq,

Leia mais

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Julho. Carteira Sugerida de Junho

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Julho. Carteira Sugerida de Junho A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções de investimento para o mês subseqüente dentro dos ativos

Leia mais

Bolsa de Mercadorias & Futuros

Bolsa de Mercadorias & Futuros OPERAÇÕES EX-PIT Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos negócios ex-pit. O que é a operação ex-pit, para que

Leia mais

MÉTODO DE INVESTIMENTOS E ESTRATÉGIA OPERACIONAL PARA ESPECULAÇÃO DE CURTO PRAZO EM MERCADOS FUTUROS AGROPECUÁRIOS

MÉTODO DE INVESTIMENTOS E ESTRATÉGIA OPERACIONAL PARA ESPECULAÇÃO DE CURTO PRAZO EM MERCADOS FUTUROS AGROPECUÁRIOS MÉTODO DE INVESTIMENTOS E ESTRATÉGIA OPERACIONAL PARA ESPECULAÇÃO DE CURTO PRAZO EM MERCADOS FUTUROS AGROPECUÁRIOS Joao Guilherme Penteado (UEPG ) joao.penteado@praisce.com.br Pedro Paulo de Andrade Junior

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Ibovespa WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. WEBTRADING O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples, rápido e seguro.

Leia mais

Telas de controle de posições e de liquidação

Telas de controle de posições e de liquidação Workshop Certificação Fase 5 Telas de controle de posições e de liquidação Agosto de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros?

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros? Introdução O que são Futuros? São instrumentos financeiros derivados, negociados em bolsa, que obrigam ao seu comprador/vendedor comprar/vender uma determinada quantidade de um activo numa determinada

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte XI Os Derivativos 1 Fundamentos dos Derivativos 2 O que são Derivativos? Os Instrumentos financeiros: Um instrumento financeiro é qualquer contrato que dá origem

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. ( BSI ) STANDARD BANK INTERNATIONAL HOLDINGS S.A. ( SIH ) ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ÚLTIMA VERSÃO Abril 2013 APROVAÇÃO Conselho de Administração

Leia mais

Proteção de Preços do Agronegócio

Proteção de Preços do Agronegócio Proteção de Preços do Agronegócio Derivativos: conceitos básicos Derivativos são instrumentos referenciados em outros ativos; O objetivo primordial é permitir a gestão de riscos a que estão submetidos

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque São José dos Campos Novembro/2005 Relatório de estágio

Leia mais

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO

RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO RELATÓRIO DE COMMODITIES BOI GORDO PANORAMA SEMANA DE 21 A 25 DE SETEMBRO de 2009 Semana de preço estável no mercado de Boi Gordo no Rio Grande do Sul, com o preço encerrando a semana a R$ 4,61/kg carcaça.

Leia mais

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Dólar WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. FUTURO WEBTRADING EM UM CLIQUE O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples,

Leia mais

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros Sumário Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros ISEG Universidade Técnica de Lisboa 6 de Maio de 2005 Parte I Sumário Parte I: Arbitragem com Futuros Parte II: Especulação com Futuros

Leia mais

Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13

Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13 CARTEIRA COMENTÁRIO Carteira Top Pick Dezembro 01.12.13 A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções

Leia mais

FolhaInvest Manual Carteira

FolhaInvest Manual Carteira FolhaInvest Manual Carteira Carteira é onde estão consolidadas as informações sobre suas ações e seu capital. A partir de atalhos, você poderá comprar, clicando na letra C, ou vender, clicando na letra

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais