UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA O USO DA ESTRATÉGIA NOS INVESTIMENTOS DE RENDA FIXA E VARIÁVEL Por: Bruno Dias Chagas Orientadora Profª. Ana Claudia Morrissy Machado Rio de Janeiro 2012

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA O USO DA ESTRATÉGIA NOS INVESTIMENTOS DE RENDA FIXA E VARIÁVEL Apresentação de monografia à AVM Faculdade Integrada como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Gestão em Instituições Financeiras Por:. Bruno Dias Chagas

3 3 AGRADECIMENTOS...agradeço a Deus em primeiro lugar por ter me dado força para concluir mais uma caminhada árdua. E aos meus familiares e minha namorada pela compreensão pela força que me passaram para atingir mais esse objetivo.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico aos meus pais que me foram meus primeiros professores, onde me ensinaram o valor do estudo em minha vida.

5 5 RESUMO A escolha do tema O uso da estratégia nos investimentos de renda fixa e variável deu-se diante da falta de conhecimentos dos investidores em explorar melhor as oportunidades que se apresentam no mercado a cada dia. Ao estudar os produtos de investimentos o investidor tem uma melhor visão do qual se encaixa no seu perfil. Com a utilização de uma estratégia clara o investidor pode planejar de maneira mais consistente seus investimentos a fim de que venha obter uma maior rentabilidade na sua carteira. Com o mercado cada vez mais instável o uso da estratégia de curto, médio ou longo prazo faz com que o investidor possa executar a melhor maneira de se aproveitar de uma oportunidade ou se proteger de alguma ameaça que venha se4r prejudicial a sua carteira.

6 6 METODOLOGIA Trata-se de uma pesquisa descritiva porque irá demonstrar que as diferentes Estratégias que são utilizadas nos dias atuais com o intuitivo de estimular o desejo de pesquisa nos investidores. E bibliográfica, para que haja fundamentação teórico-metodológica do trabalho que será realizado da aplicação da Estratégia em investimentos de renda fixa e variável nas carteiras dos investidores, através de artigos, revista, jornais, livros e pesquisas já realizadas.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 8 CAPÍTULO I - A Estratégia O Conceito 9 CAPÍTULO II - Os Efeitos da Globalização 15 CAPÍTULO III Investimentos em Renda Fixa e Variável 16 CAPÍTULO IV - Tipos de Investimentos Existentes no Mercado 19 CAPÍTULO V Estratégias Utilizadas em Investimentos 36 CONCLUSÃO 43 BIBLIOGRAFIA CITADA 44 ÍNDICE 45

8 8 INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas na vida dos investidores e encontra se abundantemente presente quer na literatura da especialidade, quer nos textos mais comuns, mesmo de âmbito jornalístico. À primeira vista parece tratar-se de um conceito estabilizado, de sentido consensual e único, de tal modo que, na maior parte das vezes, entende-se ser escusada a sua definição. Contudo, um pouco de atenção ao sentido em que a palavra é usada permite, desde logo, perceber que não existe qualquer uniformidade, podendo o mesmo termo referir-se a situações muito diversas. Se para uma leitura apressada esse fato não traz transtornos, para o investidor e mesmo para os gestores têm por função definir ou redefinir estratégias e implantá-las no seu dia a dia. A definição rigorosa do conceito que têm de operacionalizar é o primeiro passo para o êxito dos seus esforços. Procura-se, aqui, fazer um levantamento, certamente não exaustivo nem o único possível, da diversidade das definições do conceito de estratégia, dos processos de formação da estratégia e dos sentidos em que o conceito é vulgarmente usado. O poder dessa palavra faz com que muitos caiam no erro de simplesmente escolher seus investimentos sem nenhuma análise de mercado ou sem saber ao menos o que esperar do capital investido. Segundo Sun Tzu (2007) aquele que conhece a si e ao seu inimigo vencerá todas as batalhas, com isso em mente vemos ao buscarmos informações vemos que a realidade é outra, pois vários fatores irão intervir de forma direta ou indireta no desempenho das carteiras de investimentos.

9 9 CAPÍTULO I A ESTRATÉGIA O CONCEITO O conceito de estratégia é frequentemente utilizado no sentido militar. Neste sentido exclui a escolha dos fins pertencente ao domínio político ao mais alto nível e dos planos detalhados para atingi-los (tática). Próximo deste sentido, alguns autores separam a definição dos objetivos e a formulação da estratégia. Essa pequena palavra é uma das mais utilizadas indiscriminadamente nos dias de hoje e encontra-se abundantemente presente quer na literatura da especialidade, quer nos textos mais comuns da administração. A formação da estratégia como um processo racional e formal que através de uma série de etapas sequenciais, racionais e analíticas, e que assenta em critérios práticos fundamentados na racionalidade econômica. A base desta formação é o plano, a estrutura através do qual o processo se formaliza, a ferramenta que torna a estratégia explicita. O plano estratégico ajuda os gestores a identificarem as oportunidades e ameaças e avaliarem as forças que devem ser potencializadas e as fraquezas que devem ser corrigidas. Veremos a seguir o passo a passo de como uma estratégia começa a ser realizada. O que deve ser seguido para que se tenha um início bem sucedido na implementação final. A diferença entre estratégia e tática, o que é análise SWOT, a fase do planejamento, análise do ambiente e, a definição dos objetivos: 1.1 Estratégia X Tática A estratégia pode ser compreendida como a elaboração do planejamento. A tática faz parte da implementação da estratégia definida, ou seja, fazer os movimentos corretos para atingir a estratégia escolhida. Ao se elaborar uma estratégia, ela funcionará como um guia para se alcançar o

10 10 objetivo traçado. Ela nos mostra a nossa posição e permite traçar a melhor trajetória para se chegar a uma determinada posição. Através da Estratégia sabemos onde queremos chegar, o caminho para alcançar esse lugar. Quando estamos em uma posição que não sabemos o quanto e aonde investir é porque não temos uma estratégia definida. Para alcançar o resultado esperados, estabelecemos estratégias de investimentos e escolhemos a melhor linha de ação para executá-las. Enquanto que a estratégia é abstrata e baseada em objetivos de longo prazo, a tática é concreta e baseada na descoberta da melhor oportunidade a ser explorada no momento. Tanto as estratégias quanto a Tática são importantes para ter um resultado consistente com o objetivo traçado. Porém, a eficácia da tática depende da estratégia que deu origem a ela. Para compreendemos melhor, vejamos algumas comparações entre estratégia e tática: Os investidores com estilo mais conservador e moderados preferem estratégias a longo prazo enquanto os investidores com estilo agressivos preferem táticas que visam um resultado a curto prazo explorando as oportunidades que aparecem a todo instante. Estratégia visa gerar oportunidades e táticas visam aproveitar oportunidades. Estratégias contêm táticas, mas táticas não contem estratégias. No decorrer de um planejamento estratégico o investidor buscará tática, por outro lado uma tática poderá levar a uma posição que faça o investidor rever a estratégia inicial, mas dificilmente fará com que ela seja totalmente descartada. Estratégias primam pela eficiência e táticas pela eficácia. Estratégias são as opções existentes em uma determinada posição de mercado onde deveremos fazer uma escolha do caminho a seguir objetivando ter uma vantagem (de qualidade, posicional ou de iniciativa), já a tática é uma oportunidade surgida da estratégia para obter o resultado (estratégia produz um efeito longo e tática produz um efeito imediato). Estratégia é uma ferramenta de planejamento e tática é uma ferramenta de execução.

11 11 A estratégia deve estar associada a o que fazer, enquanto que a tática deve estar associada a como fazer. Figura 1 Estruturação da Estratégia 1.2 Análise SWOT Segundo Serra, Torres e Torres (2003) a análise SWOT é uma ferramenta administrativa de fácil entendimento e uso que ajuda administradores e investidores a melhor planejar nas escolhas de investimentos a fim de levantar potenciais fraquezas e oportunidades existentes no mercado. A silga SWOT são as iniciais de 4 palavras em inglês: strengths (pontos fortes), weaknesses (pontos fracos), opportunities (oportunidades) e threats (ameaças).

12 12 A análise SWOT pode ser utilizada para compreender melhor o cenário mercadológico mostrando ao investidor boas oportunidades de investimento ou possíveis ameaças que podem vir a gerar algum a perda financeira no curto, médio ou longo prazo. Dê uma maneira simples, procuram-se oportunidades de mercado que possam ser alinhadas a cada perfil de investidor. Também se busca formas de minimizar os pontos fracos criando maneiras para se proteger das ameaças que visam a minimizar seus ganhos. Ameaças também podem ser transformadas em oportunidades, isto quanto são antecipadas podendo o investidor explorar novos nichos de mercado que estão se formando ou futuras demandas. Em investimentos, a todo o momento o mercado nos apresenta situações que podem ser vistas por analistas e investidores como ameaças e para outros, como oportunidades. Os constantes aumentos da taxa básica de juros, para alguns é um ponto ruim, pois encarece o crédito e mitiga os investimentos; já para outros pode ser um bom momento para investir em renda fixa com rentabilidade atrelada a SELIC. Todo investidor tem pontos fortes e fracos. Um ponto fraco que alguns têm é o amor a um investimento. Se apaixonar por um investimento é um ponto fraco. Deve-se ver o investimento apenas como algo que lhe traga retorno e quando ele deixar de cumprir seu propósito se desfazer dele. Mas muitos viram torcedores e depositam uma fé inabalável indo para a cova com o investimento escolhido. Por outro lado, ser frio e calculista é um ponto forte. Siga a estratégia traçada, mas sem ignorar mudanças no ambiente que indicam a necessidade de ajustar a carteira de investimento para obter uma rentabilidade satisfatória. 1.3 Planejamento A primeira etapa do planejamento estratégico é identificar as condições atuais, externas e internas da organização. A análise da situação atual tem como objetivo avaliar os recursos disponíveis internamente na empresa, sendo

13 13 eles financeiros humanos e materiais, além das possibilidades disponíveis no mercado. Divide-se então a análise da situação atual em duas partes, a análise do ambiente externo e a análise interna. 1.4 Análise do ambiente A análise do ambiente externo é um dos pilares do planejamento estratégico. Quanto mais competitivo, instável e complexo o ambiente, maior a necessidade de analisá-lo. Esta definição é verdadeira, assim que assumimos as organizações como sistemas abertos, ou conjunto de partes interdependentes entre si, que sofrem influência do meio externo. No processo de planejamento estratégico, a primeira etapa compreenderá a identificação dos fatores ambientais que influenciam o desempenho da organização. 1.5 Definição de objetivos e estratégias Os objetivos são os resultados que a organização pretende realizar. Nesta etapa, deve-se identificar aonde a empresa quer chegar. A definição dos objetivos é conseqüência da etapa anterior, já que, de acordo com as condições internas e externas, pode-se definir o caminho que o investimento irá seguir Implementação da estratégia Uma vez que os objetivos e estratégias tenham sido selecionados, chega o momento da implementação da estratégia. Por melhor que sejam os planos, se não forem implementados adequadamente, a possibilidade de o resultado final não ser tão vantajoso para o investidor.

14 14 Ao analisaremos algumas das práticas mais comuns no mercado para garantir que a estratégia atinja os objetivos propostos, planejando com uma visão de curto, médio ou longo prazo, dependendo do perfil do investidor Monitoramento e controle Embora muitas vezes esta etapa não seja levada em consideração, a etapa do monitoramento e controle é essencial. O monitoramento consiste em acompanhar e avaliar a execução da estratégia. O monitoramento deve ser realizado com base nos mesmos indicadores utilizados na hora de se elaborar o planejamento estratégico.

15 15 CAPÍTULO II OS EFEITOS DA GLOBALIZAÇÃO Segundo Cavalcante Filho e Misumi (1988) o processo de globalização pode ser interpretado como a abertura das fronteiras nacionais para a expansão do comércio mundial. Com os mercados cada vez mais integrados devido à abertura econômica de cada país, as empresas se vêem cada vez mais em um cenário altamente competitivo onde precisam fazer grandes investimentos para se manterem competitiva tanto dentro como fora de seus países. A idéia da globalização é conseqüência da velocidade com que, cada vez mais, as informações são processadas. Os investidores precisam buscar cada vez mais informações para tomarem suas decisões a fim de aproveitar as oportunidades que surgem no mercado global. Grandes agências mundiais que classificam o grau ou risco país, entre ele as podemos citar Fitch, Moody's e Standard & Poor's. Estas agências informam aos grandes grupos investidores, entre eles os bancos e fundos de investimentos quais os melhores países para efetuarem as suas aplicações ou aquisições de empresas, mas sempre observando as nomenclaturas adotadas para a classificação de cada país, pois estas sempre temem levar um calote. O desafio enfrentado por estas agências é relatar ao mercado as situações em que se encontram as economias e as políticas de determinados países como o Brasil, por exemplo. O grande mistério é saber quais os critérios adotados por estas empresas, pois são elas que influenciam os investidores quanto ao volume e o local de aplicações, nem sempre os critérios de avaliação são claros e muito menos sabemos quais os interesses estão por trás destas avaliações.

16 16 CAPÍTULO III INVESTIMENTOS EM RENDA EM RENDA FIXA E VARIÁVEL Segundo Titman Sheridan (2005) a captação de recursos financeiros, feitos juntos aos investidores, tanto de pessoas físicas como jurídicas, com o objetivo de auferir ganhos financeiros a partir da aplicação em títulos e valores mobiliários. Os recursos de todos os investidores de investimento são utilizados para comprar bens (títulos e valores mobiliários), que passam a pertencer a todos ao investidor, na proporção de seu capital investido. 3.1 Renda Fixa Segundo Cerbasi (2008) renda Fixa é o tipo de investimento que possui uma remuneração prefixada, cuja rentabilidade (nominal) e a taxa de retorno o investidor conhece antecipadamente no momento da aplicação. 3.2 Renda Variável Segundo Cerbasi (2008) renda Variável é o tipo de investimento cuja rentabilidade (nominal) no momento da aplicação pode variar positivamente ou negativamente, de acordo com as expectativas do mercado 3.3 Rentabilidade Segundo Fortuna (2010) a rentabilidade é conhecida também como rendimento ou retorno. Pode se dizer que a rentabilidade é a quantidade de dinheiro que o investidor ganha para cada quantia investida. Você pode obter a rentabilidade de duas maneiras: No resgate, onde haverá o lucro na diferença entre o preço de compra e o preço de venda (conhecido como ganho de capital);

17 17 Renda constante (quando a rentabilidade é proporcionada por um período de tempo, resultante da variação dos juros ou pagamento dos dividendos). 3.4 Risco Segundo Assaf Neto (2011) o risco é a incerteza em obter-se ou não o rendimento esperado como também de arcar com algum prejuízo em sua aplicação. Em alguns casos, para alcançar um determinado retorno, deve-se aumentar o risco, uma vez que aumentando o risco, maior a possibilidade de se obter uma rentabilidade mais vantajosa. O risco não deve ser considerado como algo perigoso, mas apenas como uma incerteza com relação ao retorno do seu investimento. Através do perfil de investimento, pode se definir o grau de tolerância a riscos, já que isto variar para cada tipo de investidor. 3.5 Hedge Segundo Titman (2005) posição que um investidor que visa à eliminação ou minimização da exposição de sua carteira a determinado fator de risco. Instrumento que visa proteger operações financeiras do risco de grandes variações de preço em um determinado ativo. No mercado financeiro, são as operações que reduzem o risco, protegendo o investidor de oscilações bruscas de preços. Um investidor pode realizar este movimento de proteção de investimento de diversas maneiras para proteger uma determinada posição contra indesejáveis flutuações futuras. Os consultores e analistas do mercado financeiro usam muito a expressão "fazer um hedge" ou "hedgiar" significando que estão tomando medidas preventivas para diminuir um determinado risco presente ou futuro. No caso do investidor individual, "fazer um hedge" na carteira de investimentos, pode significar que o investidor está investindo em um

18 18 fundo de alto risco e, como contrapartida, vai fazer uma outra aplicação em um fundo muito conservador para "hedgiar" sua posição global.

19 19 CAPÍTULO IV TIPOS INVESTIMENTOS EXISTENTE NO MERCADO Com tantos produtos no mercado, o investidor se depara com um desafio que é de escolher qual deles é o mais apropriado para a estratégia que ele formulou. Por isso veremos a segui os diversos produtos existentes no mercado juntamente com os seus fatores de riscos e como eles remuneram os investidores. 4.1 Caderneta de Poupança Segundo Fortuna (2010) aplicação mais tradicional e conservadora do mercado. Permite ao investidor aplicar pequenas somas com rendimentos a cada 30 dias. A aplicação em caderneta de poupança é considerada uma aplicação de baixo risco, ou seja, o capital investido muito dificilmente será perdido, ao contrário de alguns outros tipos investimentos onde o retorno, e até mesmo o capital investido, pode ser perdido. A grande diferença é sua simplicidade e previsibilidade da remuneração e baixa oscilação devido o principal componente ser a remuneração de 0,5% que está nos juros fixos. Uma boa aplicação para quem quer manter seu dinheiro em investido com segurança. Os investidores, através das instituições financeiras, propõem as taxas pretendidas para aquisição e, no caso do BC as aceitar, o título é emitido Risco Risco de Mercado: É o risco de variações nas taxas e preços de mercado, tais como taxa de juros, preços de ações e outros índices. É ligado às oscilações do mercado financeiro. Risco Operacional: riscos muito baixos. A poupança é o instrumento mais tradicional dos investimentos. É amplamente regulado pelo Banco Central e plenamente automatizado.

20 20 Risco de crédito: O risco de crédito, também conhecido como risco institucional, é aquele em que há a possibilidade de o retorno de investimento não ser honrado pela instituição que emitiu determinado título. Se o banco quebrar e entrar em processo de liquidação, haverá perda parcial ou total do investimento. Este risco tem cobertura do Fundo Garantidor de crédito (FGC), que garante créditos até o valor de R$ 70 mil por CPF, por Instituição. Risco operacional: É o risco decorrente de falhas de pessoas ou sistemas ou de eventos externos. 4.2 Debêntures Segundo Assaf Neto (2011) as debêntures são títulos emitidos por sociedade anônima não financeira de capital aberto. Elas garantem ao comprador uma remuneração certa num prazo certo, não dando direito de participação nos bens ou lucros da empresa. Em resumo, correspondem a um empréstimo que o comprador do título faz à empresa emissora Riscos Risco de Mercado: risco esse associado ao desempenho das taxas de juros, em resposta, por exemplo, a alterações na política econômica do governo federal ou no cenário internacional. Risco de Crédito: Os títulos de empresas privadas embutem em sua rentabilidade um prêmio associado ao risco de crédito da empresa emissora. Risco de Liquidez: É o risco de não conseguir honrar passivos em decorrência de dificuldades de caixa, ou seja, não há liquidez suficiente ou onde a saúde do sistema financeiro é instável. Também acontece quando o ambiente regulatório é muito inseguro e mutável. Como esse risco, que é inerente a todos os ativos negociados no mercado financeiro e que se traduz na dificuldade de comprar e vender um título pelo preço almejado no momento oportuno é bastante característico do mercado de debêntures, que é considerado pouco líquido.

21 Certificado de Depósito Bancário (CDB) e Recibo de Depósito Bancário (RDB) Segundo Titman Sheridan (2005) o banco emite um certificado, onde se compromete a pagar a importância aplicada, somada a uma remuneração (taxa de juros) na data de seu vencimento. As instituições utilizam o CDB como uma ferramenta para captar recursos, possibilitando a realização de empréstimos aos seus clientes. São conhecidos como depósitos a prazo, pois os títulos têm vencimentos com prazo determinado. Os CDBs podem ser préfixados ou pós-fixados Segundo Fortuna (2010) além dos CDBs, os bancos também emitem os RDBs (recibo depósito bancário), que têm as mesmas características de um CDB, com a diferença de que não admite negociação antes de seu vencimento. Porém, este pode ser anulado em caráter excepcional desde que tenha a aceitação da instituição depositária. Neste caso só pode ser restituído o capital aplicado, isto é, sem os juros Rentabilidade A taxa paga pelos bancos pode ser pré-fixada, pós-fixada ou flutuante, essa última atrelada a um taxa da variação de um índice, que pode ser a TR, TJLP, CDI, ou um índice de inflação, como o IGP-DI ou IGP-M. Nos CDBs préfixados, na hora da compra o investidor já saberá o quanto irá receber em juros, enquanto nos pós-fixados a remuneração que o investidor receberá só será definida depois do vencimento do título. Normalmente, as aplicações têm prazos que variam entre 30 dias e 180 dias. Em geral os bancos outorgam taxas melhores de acordo com o volume investido, isto é, quanto maior o investimento, melhor deve ser a taxa auferida ao investidor pelo banco.

22 Risco Risco de Mercado: A Mudança na taxa de juros tem impacto no valor do investimento se o investidor precisar de liquidez antes da data de vencimento. Caso em que resgatará o CDB antecipadamente. O RDB não tem esta facilidade. Risco País: Tem estreita vinculação com as taxas de juros, portanto também irá afetar o preço dos títulos. Estes riscos de mercado ocorrem quando o investimento tem remuneração a taxas Pré-fixadas, e nas Pósfixadas, em relação aos juros. Nas aplicações em Taxas flutuantes, normalmente o resgate antecipado respeita a curva do título. Risco de Liquidez: O RDB não tem liquidez antes do vencimento. Em casos excepcionais poderá ser cancelado, sendo que o investidor perderá todo o rendimento, recebendo apenas o valor do principal aplicado. O CDB tem boa liquidez, em particular o CDB-DI Risco de Crédito: Este é o risco da Instituição financeira não honrar o resgate do investimento. Este risco tem cobertura do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) que garante créditos até o valor de R$ 70 mil por CPF, por Instituição. Risco de Operacional: O CDB e RDB são instrumentos tradicionais, amplamente regulados pelo Banco Central e planamente automatizados por isso tem um baixo risco operacional. 4.4 Títulos Públicos Titman Sheridan (2005) são títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional como uma forma de captação de recursos para financiar atividades do Governo Federal. Atualmente nesta plataforma são negociados diversos vencimentos de títulos públicos, entre eles as Letras Financeiras do Tesouro (LFT), as Letras do Tesouro Nacional (LTN) e as Notas do Tesouro Nacional (NTN). A consolidação de um cenário estável nos últimos anos, com redução dos riscos para a economia, está alterando o padrão de financiamento com os

23 23 títulos públicos. O Tesouro Nacional vem estendendo os prazos e mudando o perfil do conjunto dos títulos de sua responsabilidade. Com a perspectiva de estabilidade das taxas de juros, os investidores mudam sua percepção de risco, expondo mais os seus investimentos a prazos maiores com diferentes tipos de remuneração, visando obter maiores ganhos Razão essa é um investimento que se destaca pela segurança, rentabilidade, liquidez, facilidade para comprar e vender Tipos de Títulos Públicos O Tesouro Nacional utiliza a emissão de títulos públicos como uma das formas de captação de recursos para financiar atividades do governo federal, pagando remuneração com taxas prefixadas ou pós-fixadas. As instituições financeiras interessadas compram esses títulos, emprestando recursos aos governos e colocam esses papéis nas carteiras dos fundos de investimento, remunerando o investidor. Os títulos públicos são resgatados em data predeterminada por um valor específico, atualizado ou não por indicadores de mercado Letra do Tesouro Nacional (LTN) As Letras do Tesouro Nacional são títulos públicos federais préfixados sem cupom. Com um fluxo de remuneração simples, o investidor faz a aplicação e recebe o valor de face (valor investido somado à rentabilidade), na data de vencimento do título.

24 24 Figura 2 Fluxo de Pagamento do LTN Notas do Tesouro Nacional Série F (NTN-F) A rentabilidade do valor aplicado é recebida pelo investidor, por meio de cupons semestrais de juros, ao longo do prazo determinado no momento da aplicação. Na data de vencimento do título, o investidor resgata valor de face adicionado à rentabilidade mais o pagamento do último cupom de juros. Figura 3 Fluxo de Pagamento da NTN-F Letras Financeiras do Tesouro (LTF) Títulos indexados à taxa SELIC - Títulos pós-fixados cuja rentabilidade segue a variação da taxa de juros básica da economia (SELIC). Sua

25 25 rentabilidade é dada pela variação da taxa de juros básica da economia (SELIC) diária registrada entre a data de liquidação da compra e a data de vencimento do título, somada, se houver, ágio ou deságio no momento da compra. Figura 4 Fluxo de Pagamento da LTF Notas do Tesouro Nacional (NTN-B) Ao escolher a NTN-B o investidor, além da variação do IPCA, juros definidos no momento da compra, com pagamento semestral e o diferente do NTN-B principal que tem o pagamento na data de vencimento do título. Figura 5 Fluxo de Pagamento da NTN-B

26 Notas do Tesouro Nacional (NTN-B principal) A taxa da NTN-B Principal observada no ambiente de compra reflete o deságio ou ágio sobre o valor nominal atualizado do título na data de liquidação da compra, cuja a rentabilidade proporcionada pelo título será em função do IPCA acrescido pelo deságio ou ágio da NTN-B Principal Figura 6 Fluxo de Pagamento da NTN-B Principal Como também é considerado um investimento conservador a NTN-B por proteger o investidor da perda do capital de compra causada pela inflação, enquanto a NTN-B principal pode atrair aqueles que precisam garantir uma renda semestral para a formação de uma poupança a médio e longo prazo Riscos Risco de liquidez: É um risco comum a todos os tipos de títulos públicos. No caso do Tesouro Direto, há liquidez semanal, as quartas-feiras, quando o Tesouro recompra seus títulos a preço de mercado. Também há a

27 27 possibilidade de venda no mercado secundário, com restrições para volumes baixos, através do agente custodiante ou banco. Risco de Mercado: Devido às oscilações na taxa de juros que podem frustrar a expectativa de rentabilidade original. Deve se levar em consideração a disponibilidade do investidor em não resgatar (vender) antes da data do seu vencimento. Assim sua rentabilidade não será afetada pelas oscilações de mercado, a não ser pela parcela indexada a índices de preço ou títulos pósfixados. Por outro lado, se existir a hipótese de que o título necessite ser vendido antes do vencimento, seja em função de necessidade de recursos pelo investidor ou de oportunidade de realização de lucros acima do esperado, a avaliação do valor desse ativo deve ser feita a preços correntes de mercado procedimento conhecido por marcação a mercado. 4.5 Letras Hipotecárias (LH) e Letras de Crédito Imobiliários (LCI) São títulos parecidos aos CDBs, podem ser pós ou pré-fixados, e seu desempenho é atrelado ao CDI ou SELIC. O diferencial desse tipo de investimento é os rendimentos serem totalmente isentos do imposto de renda para a pessoa física, igual a caderneta de poupança. Os recursos obtidos através desse investimento são usados para fins de financiamento imobiliário Risco Risco de Liquidez: O risco do investimento é só no caso de a instituição falir, mas, como a principal emissora é a CEF, que é da União, ele é considerado pequeno. Elas são vistas em todo o mundo como o investimento de segundo melhor risco, pois tem garantia real, que é o imóvel financiado com seus recursos. O investimento considerado de melhor risco é o título do governo.

28 Ações São títulos nominativos, negociáveis, que representam uma fração do capital social de uma empresa, mesmo que em proporção pequena em relação ao controlador, que é chamado de sócio majoritário. Ao comprar uma ação o investidor se torna sócio da empresa, ele passa a desfrutar dos lucros e prejuízos como qualquer empresário. Diante das informações lançadas no mercado e nas mídias o investidor pode se precaver de uma futura desvalorização se informando nos sites que todas as empresas listadas na Bovespa têm para atender a seus acionistas. O investimento em ações consiste em aplicar recursos próprios em uma Empresa. Em troca desses aportes, o acionista passa a ter participações nos resultados dessas sociedades, sejam eles positivos ou não. Esse é o motivo que faz com que aplicar em ações seja considerado um investimento de risco, pois está atrelado diretamente ao desempenho dos negócios de uma determinada Companhia. Figura 7 Mapa representativo de uma Empresa S/A

29 Tipos de Ações Segundo Assaf Neto (2011) ações Ordinárias (ON) é o tipo de ação que concede ao detentor o poder de voto em assembléias da companhia. O direito a voto ganha relevância nos casos onde há divergências entre os acionistas controladores. O que torna as ações ordinárias interessante é o direito de participar do prêmio de controle, onde o investidor receber por suas ações no mínimo 80% do valor pago para o controlador em caso de venda da empresa como estipulado pela Lei das Sociedades Anônimas. Segundo Assaf Neto (2011) ações Preferenciais (PN) as ações preferenciais nominativas são aquelas que menos protegem os acionistas minoritários, porque não lhe dá direito a votar em assembléias das companhias, e nem de participar do prêmio de controle em caso de venda da companhia. Contudo os portadores dessas ações têm a preferências em receber os dividendos distribuídos pela companhia quando ela tem lucro Ações diferenciadas por Classes As empresas podem emitir diferentes classes de ações para os tipos ON e PN. As classes geralmente recebem classificação A, B, C ou alguma outra letra. Cada classe corresponde a uma característica diferente, por exemplo, valores diferenciados de dividendos. As características de cada classe são estabelecidas pela empresa emissora da ação, em seu estatuto social. Essas diferenças variam de empresa para empresa, portanto não é possível fazer uma definição geral das classes de ações Ações diferenciadas por níveis de liquidez De 1ª linha ou blue chips : são ações de grande liquidez e procura no mercado de ações por parte dos investidores, em geral de empresas tradicionais, de grande porte/âmbito nacional e internacional com excelente

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa.

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa. MERCADO À VISTA OPERAÇÃO À VISTA É a compra ou venda de uma determinada quantidade de ações. Quando há a realização do negócio, o comprador realiza o pagamento e o vendedor entrega as ações objeto da transação,

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 1/45 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 2/45 Módulo 6 - Demais Produtos de Investimento Este módulo apresenta as principais características de algumas das

Leia mais

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0 Jonatam Cesar Gebing Tesouro Direto Passo a passo do Investimento Versão 1.0 Índice Índice 2 Sobre o autor 3 O Tesouro Direto 4 1.1 O que é? 4 1.2 O que são Títulos Públicos? 5 1.3 O que é o grau de investimento?

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB Conhecimentos Bancários Item 2.1.3- CDB / RDB CDB Certificado de Depósito Bancário São títulos nominativos emitidos pelos bancos e vendidos ao público como

Leia mais

Prazos e Riscos de Mercado

Prazos e Riscos de Mercado Prazos e Riscos de Mercado A Pilla Corretora oferece aos seus clientes uma gama completa de produtos e serviços financeiros. Nossa equipe de profissionais está qualificada para atender e explicar tudo

Leia mais

INVESTIMENTOS CONSERVADORES

INVESTIMENTOS CONSERVADORES OS 4 INVESTIMENTOS CONSERVADORES QUE RENDEM MAIS QUE A POUPANÇA 2 Edição Olá, Investidor. Esse projeto foi criado por Bruno Lacerda e Rafael Cabral para te ajudar a alcançar mais rapidamente seus objetivos

Leia mais

Material Explicativo sobre Títulos Públicos

Material Explicativo sobre Títulos Públicos Material Explicativo sobre 1. Definições Gerais Os são emitidos pelo Tesouro Nacional, servindo como um instrumento de captação do Governo Federal para execução e financiamento de suas dívidas internas,

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Módulo VI CPA10 Demais produtos de Investimentos Pg 70 De 8 a 13 Questões na prova (15% a 25%) Demais produtos de

Leia mais

PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO

PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO PRINCIPAIS TÍTULOS NEGOCIADOS NO MERCADO FINANCEIRO 1. Classificação dos Títulos 1.1. Títulos públicos e privados 1.2. Títulos de crédito e de propriedade 1.3. Títulos de renda fixa e de renda variável

Leia mais

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados.

Os títulos de renda fixa são caracterizados pó terem previamente definida a forma de remuneração. Esses títulos podem ser prefixados ou pós-fixados. Faculdades Integradas Campos Salles Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Aplicada às Instituições Financeiras Professor: Adeildo Paulino Aula: 12/05/2012 Matéria: Títulos e Valores Mobiliários

Leia mais

TIPOS DE INVESTIMENTO

TIPOS DE INVESTIMENTO TIPOS DE INVESTIMENTO CDB O Certificado de Depósito Bancário (CDB) e o Recibo de Depósito Bancário, (RDB) são os mais antigos e utilizados títulos de captação do setor privado. São oficialmente conhecidos

Leia mais

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características

Guia de Renda Fixa. 1. Principais Características Guia de Renda Fixa Os títulos de renda fixa se caracterizam por possuírem regras definidas de remuneração. Isto é, são aqueles títulos cujo rendimento é conhecido previamente (juro prefixado) ou que depende

Leia mais

Módulo V Produtos de Investimento

Módulo V Produtos de Investimento Certificação Profissional ANBIMA CPA-10 Módulo V Copyright 2011 2012 BMI Brazilian Management Institute 1 Índice 15% a 25% da prova 1. Títulos Públicos 6 1.1. Conceito e Finalidade 6 1.2. Características

Leia mais

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas.

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas. Glossário de A a Z A Ação - título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação listada em Bolsa - ação negociada no pregão de uma Bolsa de Valores.

Leia mais

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA AÇÕES Ações são instrumentos utilizados pelas empresas para captar recursos no mercado financeiro para os mais diversos projetos (investimentos, redução

Leia mais

Perfis de Investimento. GEBSA Prev

Perfis de Investimento. GEBSA Prev Perfis de Investimento GEBSA Prev 2 GEBSA-PREV INTRODUÇÃO Esta cartilha reúne as principais informações relacionadas aos Perfis de Investimento da GEBSA PREV e vai lhe ajudar a identificar alguns aspectos

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

Ministério da Fazenda

Ministério da Fazenda Ministério da Fazenda Belo Horizonte, outubro de 2006 Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Calculadora do Tesouro Direto O que é Tesouro Direto? Em 07 de

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.04 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 30/09/2013 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 %

ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA. Renda Fixa Plano B 124,0 % 10,0 % Renda Fixa Plano C 110,0 % 9,1 % Selic 71,0 % 6,5 % ENTENDENDO COMO FUNCIONA A RENDA FIXA A partir de 2005 foi iniciado um processo de alongamento dos prazos das carteiras de renda fixa da PSS, que propiciou bons ganhos por oito anos seguidos até o final

Leia mais

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014

Estudo sobre Investimentos World One Julho 2014 Introdução, perguntas e respostas que vão te ajudar a conseguir dialogar com clientes que tenham dúvidas sobre os investimentos que estão fazendo, ou alguma outra pessoa que realmente entenda do mercado

Leia mais

Versão atualizada em março de 2011

Versão atualizada em março de 2011 Versão atualizada em março de 2011 Apresentação Ativo, rentabilidade, renda fixa, perfil de investimento... Se você tem o hábito de se informar sobre como anda o dinheiro investido no seu plano previdenciário,

Leia mais

captação de recursos empréstimos financiamento.

captação de recursos empréstimos financiamento. Instrumentos utilizados pelas instituições financeiras para captação de recursos (funding) que serão utilizados nas operações de empréstimos e financiamento. 1 O cliente entrega os recursos ao banco, sendo

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O PERFIL DE INVESTIMENTOS CONSERVADOR INDEXADO A INFLAÇÃO DA VISÃO PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

TÍTULO: DE POUPADOR A INVESTIDOR DESPERTANDO O GÊNIO FINANCEIRO DE INVESTIDORES CONSERVADORES

TÍTULO: DE POUPADOR A INVESTIDOR DESPERTANDO O GÊNIO FINANCEIRO DE INVESTIDORES CONSERVADORES TÍTULO: DE POUPADOR A INVESTIDOR DESPERTANDO O GÊNIO FINANCEIRO DE INVESTIDORES CONSERVADORES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE

Leia mais

Como investir no Tesouro Direto Compra e venda de títulos públicos pode ser feita online, pelo próprio investidor

Como investir no Tesouro Direto Compra e venda de títulos públicos pode ser feita online, pelo próprio investidor UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Análise de Investimentos Prof. Isidro LEITURA COMPLEMENTAR # 19 Como investir no

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.05 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 14/05/2015 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

Perfis de Investimento

Perfis de Investimento Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Índice Objetivo... 3 Introdução... 3 Falando sobre sua escolha e seu plano... 3 Perfis de Investimento... 5 Principais

Leia mais

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado.

Empresas de Capital Fechado, ou companhias fechadas, são aquelas que não podem negociar valores mobiliários no mercado. A Ação Os títulos negociáveis em Bolsa (ou no Mercado de Balcão, que é aquele em que as operações de compra e venda são fechadas via telefone ou por meio de um sistema eletrônico de negociação, e onde

Leia mais

INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178.

INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178. INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178.421/0001-64) O cliente, devidamente qualificado em sua ficha cadastral,

Leia mais

RENDA FIXA? Fuja do seu banco!

RENDA FIXA? Fuja do seu banco! RENDA FIXA? Fuja do seu banco! Janeiro 2014 COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? COMO INVESTIR EM RENDA FIXA! COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? Renda Fixa = Emprestar Dinheiro Tipos de Investimentos em Renda Fixa: CDB

Leia mais

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 OBJETIVOS DA ATUALIZAÇÃO DA CPA-10 A Atualização dos profissionais certificados CPA-10 é parte do Código de Regulação

Leia mais

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter

Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Escolha o seu e comece a construir o futuro que você quer ter Valia Fix, Valia Mix 20, Valia Mix 35 e Valia Ativo Mix 40 Quatro perfis de investimento. Um futuro cheio de escolhas. Para que seu plano de

Leia mais

Renda fixa e Tesouro Direto

Renda fixa e Tesouro Direto Renda fixa e Tesouro Direto Classificação de investimentos Collor CDB Renda fixa Caderneta de poupança Fundos DI Imóveis Renda variável Ações Liquidez Liquidez Liquidez Segurança Segurança Segurança Rentabilidade

Leia mais

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco

Conceitos básicos; Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco QUEM SOMOS 2 Conceitos básicos; 3 Liquidez Inflação Rentabilidade Juros Risco Liquidez: Capacidade de transformar um ativo em dinheiro. Ex. Se você tem um carro ou uma casa e precisa vendê-lo, quanto tempo

Leia mais

INVESTIMENTOS 1ª aula

INVESTIMENTOS 1ª aula INVESTIMENTOS 1ª aula Regis Klock - Graduação em Ciências Econômicas Pontifícia Universidade Católica - Pós-Graduação em Didática e Metodologia do Ensino Superior UMC - Universidade Mogi das Cruzes Experiência

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 AO FINAL DESTE GUIA TEREMOS VISTO: GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo

Leia mais

plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012

plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012 plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012 Apresentação Ativo, rentabilidade, renda fixa, perfil de investimento... Se você tem o hábito de se informar sobre como anda o dinheiro investido no seu plano

Leia mais

Santos, 30 de setembro de 2009

Santos, 30 de setembro de 2009 Santos, 30 de setembro de 2009 Estas são nossas primeiras impressões, comentário e observações quanto a Resolução 3790/09 que regula as aplicações financeiras dos RPPS: Valorização da elaboração da política

Leia mais

HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64

HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64 HSBC Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo Tripla Vantagem CNPJ nº 09.522.596/0001-64 (Administrado pelo HSBC Bank Brasil S.A. - Banco Múltiplo CNPJ nº 01.701.201/0001-89) Demonstrações financeiras

Leia mais

Economia e Mercado Financeiro

Economia e Mercado Financeiro Economia e Mercado Financeiro O que é fluxo cambial? O fluxo cambial é a soma das operações da balança comercial, das operações financeiras e das operações com instituições financeiras no exterior. Segundo

Leia mais

ONDE ESTAMOS? Mais de 40 mil clientes. 110 escritórios pelas principais cidades do Brasil. Mais de 600 Agentes Autônomos de Investimentos.

ONDE ESTAMOS? Mais de 40 mil clientes. 110 escritórios pelas principais cidades do Brasil. Mais de 600 Agentes Autônomos de Investimentos. ONDE ESTAMOS? Mais de 40 mil clientes. 110 escritórios pelas principais cidades do Brasil. Mais de 600 Agentes Autônomos de Investimentos. RENDA FIXA? Fuja do seu banco! Novembro 2013 COMO FUNCIONA A RENDA

Leia mais

ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS PARA PESSOA FÍSICA: MERCADO FINANCEIRO BRASILEIRO

ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS PARA PESSOA FÍSICA: MERCADO FINANCEIRO BRASILEIRO ALTERNATIVAS DE INVESTIMENTOS PARA PESSOA FÍSICA: MERCADO FINANCEIRO BRASILEIRO Resumo Anna Paula Andratta 1 Denise Pigosso 2 Maurício Badia 3 Professor Eliandro Schvirck 4 Este trabalho teve por objetivo,

Leia mais

GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER

GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER 1 PARA QUE SERVE ESSE GUIA? Este guia se propõe a trazer os principais conceitos relacionados aos Brazilian Depositary Receipts (BDRs) e a explicar como funcionam. Ao término de sua

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

Sicredi - Fundo de Investimento em Ações Petrobras (CNPJ n 08.336.054/0001-34) (Administrado pelo Banco Cooperativo Sicredi S.A.

Sicredi - Fundo de Investimento em Ações Petrobras (CNPJ n 08.336.054/0001-34) (Administrado pelo Banco Cooperativo Sicredi S.A. Sicredi - Fundo de Investimento em Ações Petrobras (CNPJ n 08.336.054/0001-34) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes

Leia mais

André Proite. Novembro de 2012

André Proite. Novembro de 2012 Tesouro Direto André Proite Rio de Janeiro, Novembro de 2012 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto

Leia mais

FINANÇAS PESSOAIS, MERCADO E BOLSA DE VALORES

FINANÇAS PESSOAIS, MERCADO E BOLSA DE VALORES Curso de Extensão: FINANÇAS PESSOAIS, MERCADO E BOLSA DE VALORES Aula 1 Compilado por Marcelo Eli Sved Página 1 1 Prefácio Insanidade é fazer sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes Albert

Leia mais

Investtop www.investtop.com.br

Investtop www.investtop.com.br 1 Conteúdo Introdução... 4 CDB... 6 O que é CDB?...6 Liquidez...6 Tributação...6 Riscos...7 Dicas...7 Vantagens...7 Letra de Crédito do Imobiliário (LCI)... 9 O que é LCI?...9 Liquidez...9 Tributação...9

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

Precificação de Títulos Públicos

Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos Precificação de Títulos Públicos > Componentes do preço > Entendendo o que altera o preço Componentes do preço Nesta seção você encontra os fatores que compõem a formação

Leia mais

Especialistas ensinam como é possível arcar com as despesas escolares da criança sem causar grandes estragos no orçamento

Especialistas ensinam como é possível arcar com as despesas escolares da criança sem causar grandes estragos no orçamento Veículo: Bebê.com.br Data: 03/02/10 Poupe pelo futuro do seu filho Especialistas ensinam como é possível arcar com as despesas escolares da criança sem causar grandes estragos no orçamento Assim que a

Leia mais

Queluz Trader Fundo de Investimento Multimercado (CNPJ nº 09.052.643/0001-53) (Administrado pela BEM - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários

Queluz Trader Fundo de Investimento Multimercado (CNPJ nº 09.052.643/0001-53) (Administrado pela BEM - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Queluz Trader Fundo de Investimento Multimercado (CNPJ nº 09.052.643/0001-53) (Administrado pela BEM - Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.) Relatório dos auditores independentes sobre

Leia mais

Anexo I PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA INVESTIMENTOS PERGUNTAS FREQÜENTES

Anexo I PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA INVESTIMENTOS PERGUNTAS FREQÜENTES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA INVESTIMENTOS PERGUNTAS FREQÜENTES 1. AÇÕES Quais os riscos que eu corro investindo em ações? Quando se investe em uma ação específica, o investidor está comprando o risco

Leia mais

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS

República Federativa do Brasil Ministério da Fazenda PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS PRECIFICAÇÃO DE TÍTULOS PÚBLICOS Componentes do Preço; Entendendo o que altera o preço. Componentes do Preço O objetivo desta seção é apresentar ao investidor: os fatores

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor

PERFIL DO INVESTIDOR. Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor PERFIL DO INVESTIDOR Uma das principais vantagens do Tesouro Direto é a possibilidade do investidor montar sua carteira de acordo com os seus objetivos, adequando prazos de vencimento e indexadores às

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO (EA) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS (DCA) Bruno Etchepare Dornelles TÍTULOS PÚBLICOS NEGOCIADOS NO TESOURO DIRETO: alternativa

Leia mais

Nosso presente é cuidar do seu futuro

Nosso presente é cuidar do seu futuro Nosso presente é cuidar do seu futuro Quem quer ser um milionário? Investimento Mensal - R$ 1.000,00 R$ 1.200.000,00 Evolução Patrimonial R$ 1.000.000,00 R$ 800.000,00 R$ 600.000,00 R$ 400.000,00 R$ 200.000,00

Leia mais

ADM020 Matemática Financeira

ADM020 Matemática Financeira Sumário 1. Objetivo da Aula 13 ADM020 Matemática Financeira 2. CDB e RDB 3. Debêntures 4. Obrigações Produtos do mercado financeiro ADM020 Matemática Financeira Aula 13 29/11/2009 2 2. Objetivo da Aula

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2012 PLANO C 1. Objetivos Esta versão da Política de Investimentos, que estará em vigor durante o ano de 2012, tem como objetivo definir as diretrizes dos investimentos do

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ECONOMIA, FINANÇAS E ESTATÍSTICA

1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ECONOMIA, FINANÇAS E ESTATÍSTICA CONTEÚDO CURSO PREPARATÓRIO PARA A REALIZAÇÃO DE PROVA DE CERTIFICAÇÃO PARA RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO DOS RECURSOS DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS (CPA-20, CPA-10 e ANCOR) 1. PRINCÍPIOS

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS

INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS INVESTIMENTOS EM AÇÕES, TÍTULOS PRIVADOS e TÍTULOS PÚBLICOS Formas de investir em ações. Individualmente Coletivamente Clubes de Investimentos Fundos de Investimentos Ações Ação é a menor fração do capital

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

[CONFIDENCIAL] Tesouro Direto. Títulos Públicos

[CONFIDENCIAL] Tesouro Direto. Títulos Públicos 1 Tesouro Direto Títulos Públicos Títulos Públicos Os títulos públicos possuem a finalidade primordial de captar recursos para o financiamento da dívida pública. Comprando títulos públicos, você emprestará

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco.

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco. PERGUNTAS FREQUENTES 1. Como investir no mercado de renda variável (ações)? 2. Como é feita a transferência de recursos? 3. Qual a diferença de ações ON (Ordinária) e PN (Preferencial)? 4. Quais são os

Leia mais

ONDE INVESTIR SEU DINHEIRO. O Guia Absolutamente Completo

ONDE INVESTIR SEU DINHEIRO. O Guia Absolutamente Completo ONDE INVESTIR SEU DINHEIRO O Guia Absolutamente Completo Onde Investir Seu Dinheiro O Guia Absolutamente Completo Geralmente não costumo sugerir carteiras de investimento por dois motivos: (1) Não gosto

Leia mais

Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10. Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 3º versão

Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10. Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 3º versão Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 3º versão 0 Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID SÉRIE 10-3º

Leia mais

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos.

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos. Índice 1. Ações Quantidade de Ações Subscrição de Direito de Subscrição Custos Tributação Fatores de Risco Liquidação Leilão 2. Termo Mais sobre Termo Ordens Margens e Garantias Liquidação Fatores de Risco

Leia mais

Demais Produtos de Investimento. Módulo 6. Versão 4/Março, 2005

Demais Produtos de Investimento. Módulo 6. Versão 4/Março, 2005 Versão 4/Março, 2005 Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Programa Auto-Instrutivo Preparatório ao Exame de Certificação Profissional ANBID Série 10 Programa Auto-Instrutivo Preparatório ao Exame de

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o objetivo de proporcionar liquidez

Leia mais

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50%

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50% III) Plano de Benefícios de Contribuição Definida (Plano CD) 1) Administracão dos Recursos: A administração dos recursos da Fundação Previdenciária IBM é terceirizada, sendo prerrogativa do Conselho Deliberativo

Leia mais

Ciências Econômicas. 4.2 Mercado de Capitais. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.16) 16/10/2015. Prof. Johnny 1

Ciências Econômicas. 4.2 Mercado de Capitais. Marcado Financeiro e de Capitais (Aula-2015/10.16) 16/10/2015. Prof. Johnny 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Ciências Econômicas Mercado de Capitais Tributações Relatórios Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 4.2 Mercado de Capitais 4.3.1 Conceitos

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Conhecimentos Bancários Item 2.1.5- LCI Letra de Crédito Imobiliário Letra de Crédito Imobiliário (LCI) é um título de renda fixa emitido

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Cotas de Fundos de Investimento em Ações - FIA Mais uma alternativa na diversificação da carteira de investimento em ações O produto O Fundo

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

Nesta primeira edição, saiba o que são e como funcionam os CDBs

Nesta primeira edição, saiba o que são e como funcionam os CDBs SAIA DA POUPANÇA COM ALTERNATIVAS NA RENDA FIXA Nesta primeira edição, saiba o que são e como funcionam os CDBs Quando o assunto é investimentos, o cenário atual desperta cautela. Diante da sequência de

Leia mais

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU?

ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? ANÁLISE 2 APLICAÇÕES FINANCEIRAS EM 7 ANOS: QUEM GANHOU E QUEM PERDEU? Toda decisão de aplicação financeira está ligada ao nível de risco que se deseja assumir, frente a uma expectativa de retorno futuro.

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DO MERCADO FINANCEIRO

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DO MERCADO FINANCEIRO GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS DO MERCADO FINANCEIRO Neste pequeno glossário, a ABBC apresenta alguns conceitos fundamentais de economia e de finanças para auxiliar o dia a dia dos profissionais de jornalismo

Leia mais

GUIA FÁCIL SOBRE TESOURO DIRETO

GUIA FÁCIL SOBRE TESOURO DIRETO GUIA FÁCIL SOBRE TESOURO DIRETO Por André Massaro ÍNDICE Entendendo a Renda Fixa O que é essa tal Renda Fixa? Renda Fixa e Renda Variável Renda Fixa mais presente do que imaginamos Tendo o governo como

Leia mais

Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10

Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID Série 10 Programa Detalhado da Certificação Profissional ANBID SÉRIE 10 - Versão 5.4 OBJETIVOS DA CPA-10 A CPA 10 é uma importante parte do Programa

Leia mais

Guia Fácil sobre. $ Tesouro. Por André Massaro

Guia Fácil sobre. $ Tesouro. Por André Massaro Guia Fácil sobre $ Tesouro Direto Por André Massaro Índice Introdução - Entendendo a renda fixa... O que é essa tal renda fixa?... Renda fixa e renda variável... Renda fixa mais presente do que imaginamos...

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais