Manual Didáctico - Análises Técnicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual Didáctico - Análises Técnicas"

Transcrição

1 1 Manual Didáctico - Análises Técnicas 01-Análise Técnica - Definição É um método de avaliação de activos pela utilização de gráficos, tendo em conta a evolução passada de cotações. O objectivo principal deste tipo de análise é o de prever a evolução futura de cotações, considerando que determinados tipos de comportamentos, movimentos ou padrões se repetem historicamente. Trata-se portanto de um método empírico e não de uma ciência exacta, que de forma sistemática e metodológica estuda os comportamentos passados para os aplicar ao futuro. A análise técnica surgiu no Japão no século XVII, mas começou a ser utilizada e difundida nos mercados em 1895 nos EUA por Charles Dow (fundador do Wallstreet Journal), no início da década de 70 com os avanços informáticos e tecnológicos, teve um grande crescimento e desenvolvimento, sendo actualmente usada e reconhecida mundialmente como um importante e poderoso instrumento de análise. Existe alguma controvérsia ou rivalidade entre os utilizadores da analise técnica e da analise fundamental, mas caminha-se actualmente para uma complementação entre os dois métodos (e outros como a psicoanálise de mercado, as teorias caóticas, etc). 02-Formações Gráficas Trata-se mais uma vez de uma utilidade gráfica, que consiste em traçar determinadas figuras gráficas sobre um gráfico de cotações. Exemplo de formações Gráficas O objectivo principal das figuras gráficas é o de identificar padrões comuns em determinadas fases da evolução de uma cotação (mudança de tendência). Desta forma, tenta-se em primeiro lugar encontrar uma figura técnica comum de onde se tentará extrair alguma informação sobre o comportamento futuro da cotação (normalmente no rompimento da figura). É de notar que este tipo de informação foi obtido ao longo do tempo de forma empírica por analistas técnicos, que após exaustivas observações, análises de gráficos, e de testes estatísticos de grande escala, conseguiram identificar alguns padrões comuns em determinadas fases da evolução das cotações (o estudo de padrões gráficos tem já mais de 100 anos). Exemplos de formações gráficas: Canais, Triângulos, Cabeça e Ombros, Fundos e Topos Duplos, Pendões, Cunhas, Formações em Alargamento, Formações Arredondadas, etc. Consideramos importante salientar que as figuras gráficas, bem como os indicadores técnicos são apenas instrumentos de análise, e não podem de forma alguma substituir outros indicadores / métodos de análise. Por outras palavras, não concordamos com investimentos feitos exclusivamente a partir de figuras gráficas.

2 2 03-Momentum «Momentum» Oscilator Apesar do seu nome, não é um indicador muito conhecido ou utilizado, sendo muito parecido com o Price ROC. Trata-se de um rácio (enquanto que o Price ROC é uma percentagem) que tem a seguinte fórmula: Momentum = (última cotação) / (cotação N períodos atrás) X 100 (os N períodos costumam ser 12 dias para curto prazo, 25 para médio prazo e 225 para longo prazo) Interpretação: (semelhante ao Price (ROC))

3 3 04-Momentum e indicadores de momentum Trata-se de um dos mais complexos conceitos da Análise Técnica. O momentum é uma espécie de medida da velocidade da cotação, que serve para detectar a aceleração ou desaceleração do preço. Price ROC Martin Pring (reconhecido analista técnico e inventor de vários indicadores de momentum ), descreve momentum da seguinte forma: - Lançada a bola ao ar, o movimento inicial é de grande rapidez e aceleração (isto é: um forte momentum ). Depois a velocidade vai diminuindo ou desacelerando (isto é: perda de momentum ), até que pára quando as forças opostas se equilibram, finalmente a força de gravidade provoca a inevitável queda. O objectivo dos indicadores de momentum é detectar possíveis arranques ou acelerações dos preços, o topo de um movimento ascendente bem como a consistência de um arranque dos preços. Através destes indicadores é possível também determinar zonas de oversold (sobre venda) e overbought (sobre compra) definindo zonas baratas ou caras para determinada cotação. Exemplos de indicadores de momentum : -Momentum oscilator, Price ROC (Rate of change), Stochastic Oscilator, RSI (relative strengh index, MACD (Moving Average Convergence/Divergence), CCI (Commodity Channel Index), Parabolic SAR, Stochastic Momentum Oscilator, entre varias centenas de outros indicadores. 05-Resistência ou linhas de resistência Existem muitas definições e explicações para resistências, mas muito basicamente uma resistência é um preço ao qual a cotação tem historicamente (aqui pode ser curto, médio ou longo prazo) reagido em baixa não subindo acima dele. Suporte e Resistência Uma resistência poderá ser considerada oficialmente quando pela segunda vez seguida o preço sobe até um determinado valor e reage negativamente. Linha de resistência: utilidade gráfica que consiste em traçar uma linha para assinalar a resistência da cotação. Tipos de resistências: -Resistências (ou resistências horizontais): são resistências cujo valor é sempre o mesmo temporalmente. -Resistências ascendentes: são resistências que sustentam uma tendência ascendente, ou seja, à medida que se avança temporalmente, o valor da resistência aumenta. -Resistência descendente: são resistências que sustentam uma tendência descendente, ou seja, à medida que se avança temporalmente, o valor da resistência diminui. Interpretação: Considera-se que quando uma resistência é quebrada, a tendência que a resistência sustenta será alterada. Resumidamente, considera-se empiricamente benéfica uma ruptura de resistência.

4 4 06-Suporte ou linhas de suporte Suporte e Resistência Existem muitas definições e explicações para suportes, mas muito basicamente um suporte é um preço ao qual a cotação tem historicamente (aqui pode ser curto, médio ou longo prazo) reagido em alta não descendo abaixo dele. Um suporte poderá ser considerado oficialmente quando pela segunda vez seguida o preço desce até um determinado valor e reage positivamente. Linha de suporte: utilidade gráfica que consiste em traçar uma linha para assinalar o suporte da cotação. Tipos de suportes: -Suportes (ou suportes horizontais): são suportes cujo valor é sempre o mesmo temporalmente. -Suportes ascendentes: são suportes que sustentam uma tendência ascendente, ou seja, à medida que se avança temporalmente, o valor do suporte aumenta. -Suporte descendente: são suportes que sustentam uma tendência descendente, ou seja, à medida que se avança temporalmente, o valor do suporte diminui. Interpretação: Considera-se que quando um suporte é quebrado, a tendência que o suporte sustenta será alterada. Resumidamente, considera-se empiricamente perigoso uma ruptura de suporte. 07-Price Rate of Change (ROC) As acções têm movimentos cíclicos de subida alternados com descidas, este indicador permite filtrar esses movimentos para um valor percentual (que é facilmente analisável sobe a forma de um oscilador) dando ênfase aos períodos de overbought e oversold. Sendo estudado historicamente para cada acção podem-se encontrar comportamentos padrão de antecipação deste indicador ao movimento da cotação. Price ROC Fórmula: Price ROC = (ultima cotação) / (cotação N períodos atrás) X (os N períodos costumam ser 12 dias para curto prazo, 25 para médio prazo e 225 para longo prazo)

5 5 Interpretação: A sua interpretação é diferente de acção para acção e difere também conforme o ambiente do mercado. Mas por exemplo, as zonas overbought e oversold costumam ser definidas acima de +5 e abaixo de 5 respectivamente (em períodos de Bullmarket por vezes adoptam-se por vezes as zonas +5 e 10). O que quer isto dizer em termos práticos (neste exemplo)? compra-se quando o ROC se encontra abaixo dos 5 (oversold) e cruza a linha 5 para cima; vende-se quando o ROC se encontra acima de +5 (overbought) e cruza a linha +5 para baixo. 08-Stochastic Oscilator (SO) Stochastic Oscillator Trata-se de mais um popular indicador de Momentum usado pela quase totalidade dos analistas técnicos (e pseudo analistas técnicos) para determinar o timing de entrada e de saída no curto prazo (sendo também utilizado para Longo prazo e Day Trading) determinando mais uma vez zonas de overbought e oversold num gráfico de oscilação. Fórmula: (versão simples) SO = (última cotação mínimo do últimos N dias)/(máximo dos últimos N dias mínimo do últimos N dias) Interpretação: Os valores do SO serão entre 0 e 100, pelo consideram-se duas linhas horizontais a 20 e a 80. Considera-se que quando o SO se encontra abaixo de 20 que a acção está oversold e quando está acima de 80 a acção está overbought. Os sinais técnicos são dados da seguinte forma: - o SO passa para cima da linha 20 (deixa de estar oversold) - o SO passa para baixo da linha 80 (deixa de estar overbought) Nota: costuma-se usar o SO para períodos de 12 dias (ou 12 minutos em Day trading de futuros)

6 6 09-Tendência e linhas de tendência Tendência é tal como o nome indica o rumo predominante de uma cotação ao longo de um determinado período de tempo. Existem tendências ascendentes, descendentes e laterais ou indefinidas, bem como temporalmente existem tendências de curto, médio e longo prazo. Tendências primárias e secundadárias Uma linha de tendência é uma utilidade gráfica que consiste em traçar uma linha que marque a tendência predominante num determinado período temporal. Tecnicamente, considera-se uma tendência invertida ou alterada quando a cotação corta a linha de tendência traçada. 10-Volume, como interpretar? O volume é a quantidade transaccionada de um determinado activo (pode ser expresso em dinheiro ou nº de acções). O volume é um indicador importantíssimo na análise do comportamento de um activo, ajudando a medir a força da procura ou da oferta num determinado momento ou horizonte temporal. Exemplo do efeito antecipador do Volume Interpretação: A interpretação do volume ao contrário do que possa parecer é uma das mais complexas da análise técnica, essencialmente porque em momentos diferentes uma variação semelhante de volume pode ter significados completamente diferentes. É difícil de generalizar ou estandardizar a análise de volumes, contudo pode-se deixar uns pequenos exemplos de interpretações: 1-Uma ruptura de resistência acompanhada de um volume forte é um sinal técnico de compra. 2-Volume crescente acompanhado por um aumento ligeiro de cotação é um importante indicador de arranque de um preço. 3-Uma acção pouco líquida, costuma aumentar significativamente o seu volume com um ou dois dias de antecedência a um movimento especulativo de alta (ou de baixa). 4-Um movimento de alta de vários dias costuma ser caracterizado por volume alto durante o arranque e volume fraco no fim do movimento antes da correcção técnica. 5-Um movimento de baixa rápida costuma ser caracterizado por volume muito forte ao atingir um fundo (contudo o volume pode ser alto durante toda a descida, tornando difícil de definir um volume muito forte ). 6-Quando se gera volume alto num suporte ou resistência, estes passam a ganhar maior significado técnico. De qualquer forma, estes são apenas exemplos de casos mais gerais, que muitas vezes em determinadas circunstâncias técnicas não devem ser considerados.

7 7 11-Accumulation/Distribution Introdução: È um indicador de Momentum que associa mudanças nos preços e nos volumes. A premissa básica para este indicador é que quanto mais volume acompanha o movimento do titulo mais significativo é este movimento. Interpretação: Este indicador é semelhante ao On Balance Volume, ou seja quando um movimento altista é acompanhado por forte volume existe acumulação, quando o movimento é baixista e volume alto mostra que está havendo distribuição. Quando existem divergências no indicador, normalmente os preços tendem a ajustar-se ao sentido do indicador. Formula: Análise Gráfica: 12-ZIG ZAG O Zig Zag funciona como um filtro para pequenas mudanças nos preços ou em qualquer outro indicador. O Zig Zag só mostra mudanças significativas. Interpretação O indicador de Zig Zag é usado para verificar as mudanças que se produzem num gráfico, e mostrar as mudanças de direcção mais significativas num gráfico. Este é o único indicador em que uma mudança nos preços pode fazer com que haja uma mudança no indicador. Neste indicador temos uma percepção do que está a acontecer no mercado, não uma previsão. Por isso aconselha-se a que não se crie um Trader system baseado neste indicador Este é um indicador muito útil para contar as ondas de Elliot

8 8 13-Williams %R Introdução: O Williams %R é um indicador de momentum que mede o nível de oversold e overbought. O seu autor foi Larry Williams. Interpretação: A interpretação do Williams %R é semelhante á do Estocástico, só que o Williams %R encontra-se invertido em relação ao Estocástico. Para se utilizar o Williams %R numa escala invertida normalmente utilizam-se valores negativos do tipo ( vg. 20%). Quando se estiver a analisar um valor convém ignorar os símbolos negativos. As leituras no chart em que o valor esteja entre 80 e 100% indica que se está oversold, para valores entre 0 e 20% indica que se está overbought. È muito frequente que os indicadores de oversold/overbought permaneçam muito tempo em locais de oversold/overbought e o preço da acção continue a subir/descer. Vender porque simplesmente o valor parece oversold/overbought pode levar a que se saia do titulo muito antes de ele demonstrar sinais de declínio. O Williams %R tem a capacidade de prever com alguns dias de antecedência mudanças no preço da acção, dai reside a diferença para o Estocástico. Fórmula:

9 9 Análise gráfica: 14-Parabolic Sar Introdução: Este é um indicador stop- and- reversal e foi concebido por um senhor chamado Welles Wilder. Interpretação: O Parabolic Sar proporciona excelentes pontos de saída, deve-se por isso fechar posições longas quando o preço cai para baixo do SAR e fechar posições curtas quando os preços passam para cima do SAR. Se estás largo é o mesmo que dizer que os preços estão por cima do SAR, se estás curto é o mesmo que dizer que os preços estão por baixo do SAR. Análise gráfica:

10 10 15-Teoria de Fibonacci Introdução: Fibonacci foi um dos mais importantes matemáticos de sempre, publicou as suas obras em 1200 DC, a mais conhecida de todas é o Livro de Cálculo, no qual consta uma das maiores descobertas de todos os tempos o sistema décimal. Problemática: A sucessão de números de Fibonacci 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, 89, 144 e a continuação até ao infinito é uma das problemáticas abordadas no Livro de Cálculo de Fibonacci. Se tivermos num primeiro mês um n.º 1 ele mantém-se durante esse primeiro mês, no mês seguinte vamos manter o 1 do primeiro mês e adicionar outro 1, isto só acontece para os dois primeiros meses, onde temos só um par. Este par ordenado dobra o seu valor ao terceiro mês e então a nossa sucessão fica 1,1,2. Da sucessão atrás o par mais velho dá lugar a um terceiro par para que no mês quatro tenhamos uma sucessão do tipo 1,1,2,3. Destes três os dois pares mais velhos reproduzem-se para que o número de pares se estenda a cinco. No mês seguinte três pares reproduzem-se para que a sucessão tenha a seguinte forma 1,1,2,3,5,8 e assim por diante. Para ilustrar esta problemática fica aqui uma árvore de família de sucessões: Em resumo: Temos que 1 mais 1 igual a 2; 1 mais 2 igual a 3; 2 mais 3 igual a 5; 3 mais 5 igual a 8 e assim por ai adiante até infinito. Teria muito mais a dizer sobre a teoria matemática de Fibonacci, mas como este compêndio é sobre análise técnica de investimentos vou deixar aqui para os interessados um autor onde podem ler mais sobre Fibonacci: - Robert R. Prechter A proporção Dourada: Numa fase da sucessão mais adiantada, a proporção de um número ao seguinte é cerca de.618 a 1, e ao próximo número mais baixo é cerca de a 1.

11 11 Ver tabela de sucessão: Este.618 é o único número em que: 618+1= Esta aliança do aditivo com o multiplicativo produz o seguinte sistema de equações:.6182 = ,.6183 = ,.6184 = ,.6185 = , etc., ou alternativamente = , = , = , = , etc., È através de um sistema de equações mais complexo que não vou estar aqui a retractar que se obtém os mais que conhecidos números de Fibonacci: Introdução á análise da proporção: Num mercado hipotético em que temos 5 ondas + 3 ondas conseguimos através do estudo da proporção dourada saber quanto vai ser o retrocesso de uma onda correctiva. Ficamos então a saber que a correcção em tempo e valor de uma onda ascendente será de 3/5. Convém salientar que isto raramente acontece, estamos única e exclusivamente a tratar de exemplos académicos. Retracements: 1- Quando o retrocesso é feito numa onda 1 esse retrocesso pode ser 50 a 61.8% da onda. 2- Quando o retrocesso é feito numa onda 3 ele tende a ser 38.2%

12 12 Convém realçar que os retracements podem ser de todas as formas e feitios. Impulsos e múltiplos de ondas correctivas 1- Quando uma onda 3 se estende temos que as ondas 1 e 2 são iguais ou apresentam uma relação Todas as ondas podem ser relacionadas pela teoria de Fibonacci através da igualdade ou 2.618, ou o seu inverso.618 e Uma quinta onda estendida tem as características de uma onda 1 mais uma onda 3 ou seja.382 e Quando é a onda 1 que se estende na maioria dos casos esta subdivide-se numa secção dourada. Quando nenhuma das ondas impulsivas estiverem estendidas a proporção da onda 5 será.382. Caso a quinta onda esteja estendida então ai a proporção será de.618. Resumo: A técnica de Fibonacci não se aplica só para ver até onde podem ir as quedas num mercado Bear, mas também para prever ainda que com uma margem de erro, até onde poderá ir uma onda impulsiva tendo em conta a natureza e a extensão de outras ondas impulsivas anteriores.

13 Stop s para ganhos e perdas Este artigo explica-nos a técnica do limite de perda, para que um erro nunca seja catastrófico. Stop s para ganhos e perdas: uma forma racional de se operar num mercado muito volátil. Todo e qualquer investidor deve ter um sistema racional para investir, nem que esse sistema passe só por uma máquina calculadora e um papel, para isso deve utilizar adequadamente o sistema de stop s. Resumidamente vou esclarecer 4 tipos de stop s. Stop Gráfico Como se sabe a análise técnica é uma observação estática de pessoas que negoceiam no mercado, logo não é 100% fiável. Para isso deve-se limitar as perdas através de ordens de stop, pois existem sempre fortes hipóteses que o mercado caminhe em sentido contrário às nossas expectativas. Exemplo: Suponhamos que os preços cortam o triângulo ascendente no qual teremos um ponto de compra em p1. Pela análise Gráfica os preços poderiam ir até p2, mas eles reverteram. Podemos então supor que eles baterão na linha de suporte podendo fazer um pull back e atingir p2, mas também poderão romper o suporte e reverter uma tendência, ai teríamos que colocar o nosso stop um pouco abaixo da linha de suporte. Neste caso a figura de projecção não funcionou. É a chamada armadilha. Stop móvel Este é um stop importante para investidores iniciados e que ainda não dominem correctamente a análise técnica. Este stop é um stop que acompanha os movimentos de preços. Estamos comprados numa fase de alta e decidimos não devolver ao mercado mais que um certo valor percentual sobre o nosso ganho. Ex: Temos uma acção X a 10 e decidimos não perder mais que 40% do que ganharmos, por força de uma reversão inesperada, assim, se a acção sobe para 11 temos um ganho de 1, colocando um stop móvel nos 10.6, se o mercado continuar em subida e a acção X sobe para 12, então iremos subir o nosso stop para 11.2 e assim sucessivamente. Stop de ganho É normalmente utilizado para mercados em alta, pois ao comprarmos determinada acção limitamos o ganho logo a x, mesmo não havendo sinalização gráfica.

14 14 Este tipo de procedimento não é muito indicado, já que nos exclui de bons desenvolvimentos de alta logo no seu inicio. Stop de perda Quando compramos uma acção temos naturalmente uma expectativa de subida para essa acção. Mas nem sempre acertamos, ou seja, algumas vezes (ou bastantes vezes?) compramos uma acção e ela começa a cair. Para não corrermos o risco de termos uma perda avultada, podemos limitar a perda, através de um stop loss. Definimos um nível em que admitimos que estávamos errados. Por exemplo, 10%. Se uma acção cair 10% do preço a que comprámos, vendemos admitindo um erro. Assim o nosso risco é limitado a 10% do capital. Repare que o mais importante no trading é preservar o capital, para quando a altura dourada ou Bull Market chegar termos capital para investir.

Osciladores Forex. www.ifcmarkets.com

Osciladores Forex. www.ifcmarkets.com Osciladores Forex O que é o oscilador e por que precisamos usa-lo? Esta é uma técnica de análise que é utilizado para previsão do mercado Forex. Os osciladores são calculados por meio de indicadores, usando

Leia mais

Bolsa Bolhas e Crashes. Adriano Alves Simões adriano.simoes@ist.utl.pt

Bolsa Bolhas e Crashes. Adriano Alves Simões adriano.simoes@ist.utl.pt Bolsa Bolhas e Crashes Adriano Alves Simões adriano.simoes@ist.utl.pt Perguntas Podem e devem fazer perguntas sempre que quiserem. Introdução: Um pouco de História O que é a Bolsa e como funciona? Estratégias

Leia mais

Sumário. Agradecimentos...11 Sobre o autor...12 Aviso importante...13 Prefácio...14 Introdução...16. Capítulo 1 Definições básicas...

Sumário. Agradecimentos...11 Sobre o autor...12 Aviso importante...13 Prefácio...14 Introdução...16. Capítulo 1 Definições básicas... Marcos Abe Novatec Sumário Agradecimentos...11 Sobre o autor...12 Aviso importante...13 Prefácio...14 Introdução...16 Capítulo 1 Definições básicas...17 Métodos de análise...17 Os agentes do mercado...

Leia mais

Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros

Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros Navegando na tempestade financeira do bear market secular nas bolsas e do bull market secular nas commodities Volume 4 - Edição 6 Setembro de 2008 Bemvindo! Bemvindo à edição de Setembro da Newsletter

Leia mais

Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros

Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros Navegando na tempestade financeira do bear market secular nas bolsas e do bull market secular nas commodities Volume 4 - Edição 5 Agosto de 2008 Bemvindo! Bemvindo à edição de Agosto da Newsletter BonsInvestimentos

Leia mais

Aula 3. ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes

Aula 3. ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes Aula 3 ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes Introdução Para auxiliá-los na tomada de decisões, os investidores contam com dois tipos de análises: Análise Fundamentalista que baseia-se

Leia mais

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Ibovtrend THE MARKET TIMING AND TRADE DECISION SYSTEM FOR EVERY MAJOR GLOBAL MARKET FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Pergunta: O Ibovtrend um corretora? Resposta: Nós

Leia mais

Movimentos oscilatórios de sinalização/a busca do risco zero ou o " timing" perfeito

Movimentos oscilatórios de sinalização/a busca do risco zero ou o  timing perfeito Base do Curso: Movimentos oscilatórios de sinalização/a busca do risco zero ou o " timing" perfeito "Antes de qualquer movimento, de alta ou de baixa dos preços de uma ação, aparecem, no gráfico, formações

Leia mais

Simulação de uma Bolsa de Valores Virtual com agentes BDI

Simulação de uma Bolsa de Valores Virtual com agentes BDI Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação Simulação de uma Bolsa de Valores Virtual com agentes BDI Relatório Intermédio de Agentes e Inteligência

Leia mais

Documentação Trade Manager. Metarobôs.

Documentação Trade Manager. Metarobôs. Documentação Trade Manager Metarobôs. Gráfico Parâmetro declaração do ativo operado: Sempre utilize letras MAIÚSCULAS (números são padrões). Não deixe o nome do ativo em BRANCO. Só será permitido deixar

Leia mais

Joseilton S. Correia

Joseilton S. Correia O P E R A N D O N A Bolsa de Valores U T I L I Z A N D O ANÁLISE TÉCNICA Aprenda a identificar o melhor momento para comprar e vender ações Joseilton S. Correia Novatec Sumário Agradecimentos... 13 Sobre

Leia mais

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros Sumário Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros ISEG Universidade Técnica de Lisboa 6 de Maio de 2005 Parte I Sumário Parte I: Arbitragem com Futuros Parte II: Especulação com Futuros

Leia mais

Análise Técnica diária

Análise Técnica diária IBOVESPA Índice IBOV / FIQUE DE OLHO >Apesar > da pressão de venda no diário, mercado vai largando doji (candle de indecisão) em área de suporte, colocando um fio de esperança na galera, mas nada que empolgue

Leia mais

4 Estratégias para Implementação de Agentes

4 Estratégias para Implementação de Agentes Estratégias para Implementação de Agentes 40 4 Estratégias para Implementação de Agentes As principais dúvidas do investidor humano nos dias de hoje são: quando comprar ações, quando vendê-las, quanto

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

3 Estratégias de Análise Técnica

3 Estratégias de Análise Técnica 3 Estratégias de Análise Técnica Como foi visto no Capítulo 2, as estratégias dos investidores do mercado são compostas por dois fatores, a saber: o mecanismo de ativação σ i (t) (Eq. 2-10) e o mecanismo

Leia mais

Análise de Investimentos pela Escola Técnica

Análise de Investimentos pela Escola Técnica Análise de Investimentos pela Escola Técnica Eduardo Werneck Diretor de Sustentabilidade da Apimec Apimec - Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais LEANDRO MARTINS

Leia mais

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análise Fundamentalista Origem remonta do final do século XIX e princípio do século XX, quando as corretoras de bolsa tinham seus departamentos de análise

Leia mais

CURSO DE ANÁLISE TÉCNICA APLICAÇÃO DE: FIBONACCI/CANDLESTICKS

CURSO DE ANÁLISE TÉCNICA APLICAÇÃO DE: FIBONACCI/CANDLESTICKS CURSO DE ANÁLISE TÉCNICA APLICAÇÃO DE: FIBONACCI/CANDLESTICKS Grafista de Bsb CURSO DE ANÁLISE TÉCNICA APLICAÇAO DE FIBONACCI E CANDLESTICK CONTEÚDO 1 - DEFINIÇÃO DE ANÁLISE TÉCNICA 2 A TÉCNICA 3 - OS

Leia mais

Curso Análise Técnica 1

Curso Análise Técnica 1 Curso Análise Técnica 1 Módulo 1 de 4 www.tradernauta.com.br Introdução Análise Técnica ou Gráfica Avaliação dos preços históricos de um ativo por meio de um gráfico típico para realizar projeções de performance

Leia mais

INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS

INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Ibovtrend THE MARKET TIMING AND TRADE DECISION SYSTEM FOR EVERY MAJOR GLOBAL MARKET INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS A TENDÊNCIA É SUA AMIGA O Ibovtrend se baseia

Leia mais

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 A História da BM&F Uma história de Sucesso criada em Junho de 1985. Constituída sob a forma de sociedade por ações. Desenvolver, organizar e operacionalizar

Leia mais

MANUAL DE ANÁLISE TÉCNICA

MANUAL DE ANÁLISE TÉCNICA MANUAL DE ANÁLISE TÉCNICA CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 2 PREMISSAS BÁSICAS E BASE CONCEITUAL DA ANÁLISE TÉCNICA 2.1 - CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS 2.2 - TEORIA DO DOW E CONCEITO BÁSICO DE TENDÊNCIA 2.3 - CONCEITOS

Leia mais

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

DISCIPLINA: PESO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS PESO 220 DISCIPLINA: PESO DOMÍNIO DAS TÉCNICAS (LANÇADORES DESTROS) FASE III APERFEIÇOAMENTO TÉCNICO B FASES / NÍVEIS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - Adquirir noções gerais do lançamento do peso, através de

Leia mais

FERRAMENTAS GRÁFICAS PARA O ENSINO DE TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

FERRAMENTAS GRÁFICAS PARA O ENSINO DE TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES FERRAMENTAS GRÁFICAS PARA O ENSINO DE TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES José Tarcísio Franco de Camargo jtfc@bol.com.br Faculdade Municipal Prof. Franco Montoro (FMPFM) Rua dos Estudantes, s/n Cachoeira

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

Apostila de Análise Gráfica

Apostila de Análise Gráfica Apostila de Análise Gráfica Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE ANÁLISE GRÁFICA

Leia mais

FORMAÇÃO DOS GRÁFICOS

FORMAÇÃO DOS GRÁFICOS Com a popularização do mercado de ações, cresce cada vez mais o número de investidores aptos a operar neste mercado e, proporcionalmente, mais técnicas de análise são apresentadas a eles. Estas técnicas

Leia mais

Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização

Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Metodologia de Pesquisa Cientifica e Tecnológica I Profa. Dra. Eloize Seno Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização Rodolfo Pereira

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Ao comprar uma opção, o aplicador espera uma elevação do preço da ação, com a valorização do prêmio da opção. Veja o que você, como aplicador, pode fazer: Utilizar

Leia mais

Introdução Características

Introdução Características 09 August, 2010 Introdução Características O que é FOREX Tudo é relativo no Mercado cambial. O Euro só por ele próprio nunca está forte ou fraco. O mesmo acontece com o Dólar Americano, por ele próprio

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Talvez, todos já saibam o que tenho a dizer aqui e não seja novidade, mas dizem que a Chave do Aprendizado é a Repetição."

Talvez, todos já saibam o que tenho a dizer aqui e não seja novidade, mas dizem que a Chave do Aprendizado é a Repetição. OPERAÇÕES INTRADAY: UMA ABORDAGEM SIMPLIFICADA. A motivação para escrever esse texto veio justamente para que pudesse padronizar todos os conceitos utilizados na metodologia empregada por mim, durante

Leia mais

/ Warrants: uma definição /

/ Warrants: uma definição / Warrants www.warrants.commerzbank.com Warrants: uma definição Os warrants são valores mobiliários associados a activos como acções, índices ou taxas de câmbio que amplificam os movimentos DE preço dos

Leia mais

4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco

4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco 4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco Antes de partirmos para considerações sobre as diversas tentativas já realizadas de se modelar alterações no prêmio de risco, existe um ponto conceitual

Leia mais

Índice. Conteúdo. Página 2 ÍNDICE... 2 FIGURAS... 5

Índice. Conteúdo. Página 2 ÍNDICE... 2 FIGURAS... 5 MANUAL EAGLE CHART Índice Conteúdo ÍNDICE... 2 FIGURAS... 5 1. CONTEÚDO DO DOCUMENTO... 10 2. SOBRE A CEDRO FINANCES... 10 3. ABAS... 10 4. CONFIGURAÇÕES... 11 4.1. WORKSPACE... 11 4.2. MODELOS... 12 4.3.

Leia mais

ANÁLISE TÉCNICA MÉTODO EQUIPE AÇÕES POR OPÇÕES

ANÁLISE TÉCNICA MÉTODO EQUIPE AÇÕES POR OPÇÕES Página 1 de 8 ANÁLISE TÉCNICA MÉTODO EQUIPE AÇÕES POR OPÇÕES Olá, apresentaremos um método prático de análise técnica visando o fácil entendimento e a facilidade nas operações. Recomendamos que o leitor

Leia mais

Os desafios da Regulação do Mercado de Valores Mobiliários

Os desafios da Regulação do Mercado de Valores Mobiliários Os desafios da Regulação do Mercado de Valores Mobiliários Ester Saverson Jr. Director-Adjunto do Departamento de Assuntos Internacionais US SEC Dia 25OU2010 º Tema 1 1 Os pontos de vista aqui expressos

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Forex

Conceitos básicos de negociação em Forex Conceitos básicos de negociação em Forex A GoBulling é uma marca do Banco Carregosa. EM 2012 O BANCO CARREGOSA É ELEITO O MELHOR EM BANCA PRIVADA EM PORTUGAL www.facebook.com/gobulling Produtos Financeiros

Leia mais

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling

N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Conceitos básicos de negociação em Forex N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações

Leia mais

Projeto de uma caixa de ferramentas computacionais aplicadas ao estudo técnico de ações

Projeto de uma caixa de ferramentas computacionais aplicadas ao estudo técnico de ações 2010 Projeto de uma caixa de ferramentas computacionais aplicadas ao estudo técnico de ações Mogi Guaçu/SP Projeto de uma caixa de ferramentas computacionais aplicadas ao estudo técnico de ações Equipe

Leia mais

SISTEMA CLÁSSICO DE REDUÇÃO

SISTEMA CLÁSSICO DE REDUÇÃO Page 1 of 6 SISTEMA CLÁSSICO DE REDUÇÃO Este documento irá ensinar-lhe como pode fazer um desdobramento reduzido, segundo o processo clássico (italiano) para qualquer sistema 5/50, em particular para o

Leia mais

Sumário O VEREDICTO DA HISTÓRIA RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 PARTE I. CAPÍTULO l

Sumário O VEREDICTO DA HISTÓRIA RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 PARTE I. CAPÍTULO l Sumário PARTE I O VEREDICTO DA HISTÓRIA CAPÍTULO l RETORNO DAS AÇÕES E TÍTULOS DESDE 1802 3 "Todo mundo está destinado a ser rico" 3 Retornos dos mercados financeiros desde 1802 5 A performance dos títulos

Leia mais

COMO FUNCIONA UM ALGORITMO GENÉTICO? Hindemburg Melão Jr. http://www.saturnov.com

COMO FUNCIONA UM ALGORITMO GENÉTICO? Hindemburg Melão Jr. http://www.saturnov.com COMO FUNCIONA UM ALGORITMO GENÉTICO? Hindemburg Melão Jr. http://www.saturnov.com Algoritmos genéticos são ferramentas estatísticas com numerosas aplicações em muitas áreas, para lidar com situações nas

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

GRUPO 12. Celso André Locatelli de Almeida Gabriell Orisaka Jorge Domingos Pizollato Filho José Lucas do Nascimento Santos

GRUPO 12. Celso André Locatelli de Almeida Gabriell Orisaka Jorge Domingos Pizollato Filho José Lucas do Nascimento Santos GRUPO 12 Celso André Locatelli de Almeida Gabriell Orisaka Jorge Domingos Pizollato Filho José Lucas do Nascimento Santos Nostrademus VENDA COMPRA O mercado de ações se caracteriza por possuir diversas

Leia mais

ZÉLIA CARDOSO DE MELLO:

ZÉLIA CARDOSO DE MELLO: pág. 09 ZÉLIA CARDOSO DE MELLO: O BRASIL AINDA PRECISA ABRIR A CABEÇA A N O 4 D E Z 1 1 #45 E X E M P L A R D O A S S I N A N T E b r. a d v f n. c o m / r e v i s t a A R E V I S T A Q U E C O N E C T

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades dos móveis variam com o decurso do tempo, introduz-se o conceito de uma grandeza

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos

Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos Escola de EngenhariaUniversidade do Minho Departamento de Sistemas de Informação»«MERCADOS E NEGÓCIOS: DINÂMICAS E ESTRATÉGIAS Comércio externo de moldes: Portugal, os últimos dez anos Eduardo Beira WP

Leia mais

Marca Pessoal e Carreira Profissional

Marca Pessoal e Carreira Profissional O MERCADO Marca Pessoal e Carreira Profissional Managing Partner da Stanton Chase international Vivemos tempos difíceis! Tempos em que muitos passam por situações de desemprego, alguns têm que aceitar

Leia mais

ARBITRAGE TRADING XTB PORTUGAL EDUARDO SILVA

ARBITRAGE TRADING XTB PORTUGAL EDUARDO SILVA 1 ARBITRAGE TRADING XTB PORTUGAL EDUARDO SILVA 2 Programa 1 - Arbitragem triangular Introdução Conceitos-base Arbitragem triangular Arbitragem triangular com cotações BID-ASK Conclusão 2 - Modelos de arbitragem

Leia mais

FILOSOFIAS DE INVESTIMENTO

FILOSOFIAS DE INVESTIMENTO 1 O posicionamento perante o mercado de acções exige a construção de uma FILOSOFIA DE INVESTIMENTO; É esta que garante os princípios da coerência, consistência e disciplina essencial à obtenção de resultados

Leia mais

A ESTRATÉGIA DE FIBONACCI FUNCIONA NA BOLSA BRASILEIRA? 1 RESUMO

A ESTRATÉGIA DE FIBONACCI FUNCIONA NA BOLSA BRASILEIRA? 1 RESUMO 1 A ESTRATÉGIA DE FIBONACCI FUNCIONA NA BOLSA BRASILEIRA? 1 Felipe Braga Jorge 2 RESUMO O presente estudo tem por objetivo analisar o comportamento de uma das análises técnicas para bolsa de valores denominada

Leia mais

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão

Gestão Financeira. O custo do capital. MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão Gestão Financeira O custo do capital MBA em Finanças FEP 2007/08 Rui Padrão A criação de valor para os accionistas/sócios pressupõe a remuneração do capital investido a uma taxa superior à do custo desse

Leia mais

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período

Curso de Engenharia Civil. Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Curso de Engenharia Civil Física Geral e Experimental I Movimento Prof.a: Msd. Érica Muniz 1 Período Posição e Coordenada de Referência Posição é o lugar no espaço onde se situa o corpo. Imagine três pontos

Leia mais

Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1

Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1 Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1 A ELIMINAÇÃO DA DESIGUALDADE DAS REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES EM PORTUGAL MELHORARIA A REPARTIÇÃO DA RIQUEZA E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Introdução ao jseta (Sistema para o Estudo Técnico de Ações em JAVA) e ao estudo técnico de ações

Introdução ao jseta (Sistema para o Estudo Técnico de Ações em JAVA) e ao estudo técnico de ações Introdução ao jseta (Sistema para o Estudo Técnico de Ações em JAVA) e ao estudo técnico de ações José Tarcísio F. de Camargo Faculdade Municipal Professor Franco Montoro (2012) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Segredo 11 Como investir em ações para construir riqueza

Segredo 11 Como investir em ações para construir riqueza Segredo 11 Como investir em ações para construir riqueza Um tempo atrás, escrevi um ensaio curto sobre como Warren Buffett havia enriquecido tanto, mas não mencionei o quão rico ele havia se tornado. Com

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

Back-Test no MetaStock

Back-Test no MetaStock Back-Test no MetaStock Visão Geral Tela principal do System Tester O System Tester visa testar sistemas (trading systems) para determinar seu histórico de rentabilidade. Ele ajuda a responder a pergunta

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

ANÁLISE TÉCNICA DOS PRINCIPAIS ÍNDICES BOLSISTAS EUROPEUS

ANÁLISE TÉCNICA DOS PRINCIPAIS ÍNDICES BOLSISTAS EUROPEUS INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DE LISBOA ANÁLISE TÉCNICA DOS PRINCIPAIS ÍNDICES BOLSISTAS EUROPEUS Nelson Cascalheira Lisboa, Setembro de 2012 INSTITUTO

Leia mais

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 AO FINAL DESTE GUIA TEREMOS VISTO: GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo

Leia mais

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%?

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? Uma solução eficaz de Gestão Energética para o Retalho Eficiência Energética no Retalho Será que está a gastar mais em energia do que necessita?

Leia mais

Iniciação ao Mercado de Divisas

Iniciação ao Mercado de Divisas Iniciação ao Mercado de Divisas www.xtb.pt Conta Demo Gratuita 1 Índice 1. Introdução -------------------------------------------------------------------------------Pag 3 2. Porquê investir em Forex? ----------------------------------------------------------------Pag

Leia mais

Ele deu... a luz. Era noite e chovia torrencialmente. Roberto,

Ele deu... a luz. Era noite e chovia torrencialmente. Roberto, A UU L AL A Ele deu... a luz Era noite e chovia torrencialmente. Roberto, prevenido, deu a sua ordem preferida: - Desliga a televisão que é perigoso, está trovejando! Mal ele acabou a frase, surgiu um

Leia mais

06 de julho de 2012 Edição nº. 476

06 de julho de 2012 Edição nº. 476 Indicador Boi Gordo Esalq/BVMF à Vista em SP 95 Essa semana gostaria da falar de algo diferente, mas antes vamos dar uma olhada nos preços da arroba em São Paulo. Repare: os preços não se afastaram muito

Leia mais

MOVIMENTOS VERTICAIS NO VÁCUO

MOVIMENTOS VERTICAIS NO VÁCUO MOVIMENTOS VERTICAIS NO VÁCUO MOVIMENTOS VERTICAIS NO VÁCUO 4.1 - INTRODUÇÃO Desde a antigüidade o estudo dos movimentos verticais era de grande importância para alguns cientistas conceituados, este era

Leia mais

Academia de Warrants. 1. Introdução ao mundo dos Warrants

Academia de Warrants. 1. Introdução ao mundo dos Warrants Academia de Warrants 1. Introdução ao mundo dos Warrants 1. Introdução ao mundo dos Warrants Sumário Executivo 1. Definição 2. Tipos de Warrants 3. Motivos para investir em Warrants 4. O Emitente 5. Como

Leia mais

4 VÍDEOS ENSINAM MAIS SOBRE TRADER ESPORTIVO, CONFIRA EM: HTTP://WWW.VIVERDEFUTEBOL.COM/

4 VÍDEOS ENSINAM MAIS SOBRE TRADER ESPORTIVO, CONFIRA EM: HTTP://WWW.VIVERDEFUTEBOL.COM/ 1 2 ÍNDICE 1- NOTA LEGAL... 3 2- SOBRE AUTOR... 3 3- SEMELHANÇA COM O MERCADO FINANCEIRO... 4 4- EXEMPLO DO MERCADO DE AUTOMÓVEIS USADOS... 4 5- CONHECENDO O BÁSICO DAS APOSTAS... 7 6- O QUE É UMA ODD?...

Leia mais

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo

Corrida de Barreiras. José Carvalho. Federação Portuguesa de Atletismo Corrida de Barreiras José Carvalho F P A Federação Portuguesa de Atletismo CORRIDAS DE BARREIRAS José Carvalho Objectivo Ser capaz de realizar uma corrida com barreiras - ritmada em velocidade máxima.

Leia mais

A Volatilidade recente dos Preços das Acções. em Portugal e na Europa

A Volatilidade recente dos Preços das Acções. em Portugal e na Europa A Volatilidade recente dos Preços das Acções em Portugal e na Europa 0 Introdução Os principais mercados accionistas europeus registaram elevados níveis de volatilidade durante 2002, colocando no centro

Leia mais

Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros

Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros Navegando na tempestade financeira do bear market secular nas bolsas e do bull market secular nas commodities Volume 3 - Edição 8 Setembro de 2007 Bemvindo! Bemvindo à edição de Setembro da Newsletter

Leia mais

Curso de Inteligência Financeira

Curso de Inteligência Financeira Curso de Inteligência Financeira 1.1- Porque planejar-se financeiramente? 1.2- O que é Inteligência Financeira? 1.3- Guia da Academia Financeira Ajudando você a conquistar sua independência financeira

Leia mais

Midas. Toque de. [entrevista]

Midas. Toque de. [entrevista] [entrevista] Toque de Midas Tem 29 anos, nasceu no Porto e é apostador profissional. Pelo menos, para o Estado inglês onde está colectado, porque para as finanças nacionais não passa de um indivíduo com

Leia mais

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico?

COMO CONSTRUIR CENÁRIOS MACROECONÔMICOS. Autor: Gustavo P. Cerbasi(gcerbasi@mandic.com.br) ! O que é cenário macroeconômico? COMO CONSTRUIR CENÁRIOS! O que é cenário macroeconômico?! Quais os elementos necessários para construção de cenários?! Etapas para elaboração de cenários macroeconômicos! Análise do comportamento das variáveis

Leia mais

MINICURSO SEMAT. Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities. Lucas Guilherme Rigo Canevazzi

MINICURSO SEMAT. Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities. Lucas Guilherme Rigo Canevazzi MINICURSO SEMAT Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities Lucas Guilherme Rigo Canevazzi Matheus Furtado de Souza Popp Prof. Dr. Geraldo Nunes Silva Prof. Dr. Maurílio

Leia mais

04 de maio de 2012 Edição nº. 469

04 de maio de 2012 Edição nº. 469 O relatório Boi na Linha, da Scot Consultoria, na edição dessa sexta feira resumiu bem o status quo do mercado pecuário nesse início de maio A seca que vem afetando as pastagens há algum tempo somado a

Leia mais

www.leandrostormer.com.br

www.leandrostormer.com.br 1 OPERANDO OPÇÕES: CONCEITOS E ESTRATÉGIAS I. Introdução: Em primeiro lugar gostaria de deixar claro que este é apenas um resumo, uma pequena introdução a uma forma diferente de operar no mercado financeiro,

Leia mais

Nova York supera US$/cents 18,00 com tendência de Alta em Solavanco

Nova York supera US$/cents 18,00 com tendência de Alta em Solavanco Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Nº 526 Ano XVI 23/junho/2014 Nova York supera US$/cents 18,00 com tendência de Alta em Solavanco Nos mercados futuros internacionais a finalização da terceira

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DIÁRIO

RELATÓRIO TÉCNICO DIÁRIO RESEARCH TEAM RELATÓRIO TÉCNICO DIÁRIO AVISO LEGAL & DIVULGAÇÕES Por favor leia o aviso e as divulgações que podem ser encontrados no final deste relatório EUR / USD Rompendo o suporte em 1.1236. EUR/USD

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Colégio Santa Catarina Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 17 Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades

Leia mais

www.convexity.net.br http://www.convexity.net.br/treinamentos/in stituto-educacional-bmfbovespa-fazendo-adiferenca/

www.convexity.net.br http://www.convexity.net.br/treinamentos/in stituto-educacional-bmfbovespa-fazendo-adiferenca/ www.convexity.net.br A Convexity possui uma parceria com o Instituto Educacional BM&FBOVESPA. A parceria abrange os seguintes aspectos: - Os treinamentos Convexity são certificados pelo Instituto Educacional.

Leia mais

Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores

Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores Por Jim Spitaels Aplicação técnica nº 43 Revisão 2 Sumário executivo Os requisitos de alimentação dos centros de dados

Leia mais

Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica

Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica Capítulo 4 Modelo de Solow: Efeitos de Transição Dinâmica No capítulo anterior vimos que, quando a economia atinge o seu equilíbrio de longo prazo, todas as variáveis endógenas passam a crescer a uma taxa

Leia mais

Preparatório PROP TRADER AUCTUS. Bem vindo a AUCTUS, a primeira prop trade do BRASIL.

Preparatório PROP TRADER AUCTUS. Bem vindo a AUCTUS, a primeira prop trade do BRASIL. Preparatório PROP TRADER AUCTUS Bem vindo a AUCTUS, a primeira prop trade do BRASIL. Preparatório PROP TRADER AUCTUS O que é ser Prop Trader, o que é uma prop firm, exemplos e estratégias operacionais

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Universidade da Beira Interior Departamento de Informática (6619, 11543, 11552) Programação I

Universidade da Beira Interior Departamento de Informática (6619, 11543, 11552) Programação I Universidade da Beira Interior Departamento de Informática (6619, 11543, 11552) Programação I Ficha prática 4 Ano letivo 2014-15 Exercícios 1. Escreva um programa que mostre no ecrã a parte da tabela ASCII

Leia mais

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números

Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Aplicações de Combinatória e Geometria na Teoria dos Números Nesse artigo vamos discutir algumas abordagens diferentes na Teoria dos Números, no sentido de envolverem também outras grandes áreas, como

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS)

EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) EXERCÍCIOS DE PRODUTOS E MERCADOS DERIVADOS (FUTUROS FORWARDS OPÇÕES & SWAPS) João Duque Fevereiro de 2004 1 Exercício 1 Usando a informação que lhe é fornecida pelo quadro abaixo sobre as opções cotadas

Leia mais

Programas Referenciais do 1º ciclo do Ensino Recorrente. Programa Referencial de MATEMÁTICA INTRODUÇÃO

Programas Referenciais do 1º ciclo do Ensino Recorrente. Programa Referencial de MATEMÁTICA INTRODUÇÃO Programa Referencial de MATEMÁTICA INTRODUÇÃO 1. Finalidades A Matemática intervém, em quase todas as actividades humanas do quotidiano, quer como instrumento para resolução de situações problemáticas,

Leia mais

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO DOMINE A 110% ACCESS 2010 A VISTA BACKSTAGE Assim que é activado o Access, é visualizado o ecrã principal de acesso na nova vista Backstage. Após aceder ao Access 2010, no canto superior esquerdo do Friso,

Leia mais

Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Plantão de Atendimento Horário: terças e quintas-feiras das 14:00 às 16:00. MSN:

Leia mais

Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros

Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros Navegando na tempestade financeira do bear market secular nas bolsas e do bull market secular nas commodities Volume 3 - Edição 2 Fevereiro de 2007 Conhecer os outros é sabedoria. Conhecer-se a si mesmo

Leia mais

Curso Preparatório CEA

Curso Preparatório CEA Curso Preparatório Tel: 4004-0435 ramal 4505 Email: contato@ifb.net.br CEA 1ª Edição 13. Matemática Financeira Na prova da ANBIMA, para o CEA, não só é permitido usar calculadora como deve-se utilizar

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16. J. Silva Lopes PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA, 2011-16 J. Silva Lopes IDEFF, 4 de Julho de 2011 1 Título do Painel: Que futuro para Portugal Esta apresentação: Perspectivas para a economia portuguesa 2011-16

Leia mais

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde.

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Professora de Educação Física HelenaMiranda FITNESSGRAM O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Todos os elementos incluídos no Fitnessgram foram

Leia mais