Manual Didáctico - Análises Técnicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual Didáctico - Análises Técnicas"

Transcrição

1 1 Manual Didáctico - Análises Técnicas 01-Análise Técnica - Definição É um método de avaliação de activos pela utilização de gráficos, tendo em conta a evolução passada de cotações. O objectivo principal deste tipo de análise é o de prever a evolução futura de cotações, considerando que determinados tipos de comportamentos, movimentos ou padrões se repetem historicamente. Trata-se portanto de um método empírico e não de uma ciência exacta, que de forma sistemática e metodológica estuda os comportamentos passados para os aplicar ao futuro. A análise técnica surgiu no Japão no século XVII, mas começou a ser utilizada e difundida nos mercados em 1895 nos EUA por Charles Dow (fundador do Wallstreet Journal), no início da década de 70 com os avanços informáticos e tecnológicos, teve um grande crescimento e desenvolvimento, sendo actualmente usada e reconhecida mundialmente como um importante e poderoso instrumento de análise. Existe alguma controvérsia ou rivalidade entre os utilizadores da analise técnica e da analise fundamental, mas caminha-se actualmente para uma complementação entre os dois métodos (e outros como a psicoanálise de mercado, as teorias caóticas, etc). 02-Formações Gráficas Trata-se mais uma vez de uma utilidade gráfica, que consiste em traçar determinadas figuras gráficas sobre um gráfico de cotações. Exemplo de formações Gráficas O objectivo principal das figuras gráficas é o de identificar padrões comuns em determinadas fases da evolução de uma cotação (mudança de tendência). Desta forma, tenta-se em primeiro lugar encontrar uma figura técnica comum de onde se tentará extrair alguma informação sobre o comportamento futuro da cotação (normalmente no rompimento da figura). É de notar que este tipo de informação foi obtido ao longo do tempo de forma empírica por analistas técnicos, que após exaustivas observações, análises de gráficos, e de testes estatísticos de grande escala, conseguiram identificar alguns padrões comuns em determinadas fases da evolução das cotações (o estudo de padrões gráficos tem já mais de 100 anos). Exemplos de formações gráficas: Canais, Triângulos, Cabeça e Ombros, Fundos e Topos Duplos, Pendões, Cunhas, Formações em Alargamento, Formações Arredondadas, etc. Consideramos importante salientar que as figuras gráficas, bem como os indicadores técnicos são apenas instrumentos de análise, e não podem de forma alguma substituir outros indicadores / métodos de análise. Por outras palavras, não concordamos com investimentos feitos exclusivamente a partir de figuras gráficas.

2 2 03-Momentum «Momentum» Oscilator Apesar do seu nome, não é um indicador muito conhecido ou utilizado, sendo muito parecido com o Price ROC. Trata-se de um rácio (enquanto que o Price ROC é uma percentagem) que tem a seguinte fórmula: Momentum = (última cotação) / (cotação N períodos atrás) X 100 (os N períodos costumam ser 12 dias para curto prazo, 25 para médio prazo e 225 para longo prazo) Interpretação: (semelhante ao Price (ROC))

3 3 04-Momentum e indicadores de momentum Trata-se de um dos mais complexos conceitos da Análise Técnica. O momentum é uma espécie de medida da velocidade da cotação, que serve para detectar a aceleração ou desaceleração do preço. Price ROC Martin Pring (reconhecido analista técnico e inventor de vários indicadores de momentum ), descreve momentum da seguinte forma: - Lançada a bola ao ar, o movimento inicial é de grande rapidez e aceleração (isto é: um forte momentum ). Depois a velocidade vai diminuindo ou desacelerando (isto é: perda de momentum ), até que pára quando as forças opostas se equilibram, finalmente a força de gravidade provoca a inevitável queda. O objectivo dos indicadores de momentum é detectar possíveis arranques ou acelerações dos preços, o topo de um movimento ascendente bem como a consistência de um arranque dos preços. Através destes indicadores é possível também determinar zonas de oversold (sobre venda) e overbought (sobre compra) definindo zonas baratas ou caras para determinada cotação. Exemplos de indicadores de momentum : -Momentum oscilator, Price ROC (Rate of change), Stochastic Oscilator, RSI (relative strengh index, MACD (Moving Average Convergence/Divergence), CCI (Commodity Channel Index), Parabolic SAR, Stochastic Momentum Oscilator, entre varias centenas de outros indicadores. 05-Resistência ou linhas de resistência Existem muitas definições e explicações para resistências, mas muito basicamente uma resistência é um preço ao qual a cotação tem historicamente (aqui pode ser curto, médio ou longo prazo) reagido em baixa não subindo acima dele. Suporte e Resistência Uma resistência poderá ser considerada oficialmente quando pela segunda vez seguida o preço sobe até um determinado valor e reage negativamente. Linha de resistência: utilidade gráfica que consiste em traçar uma linha para assinalar a resistência da cotação. Tipos de resistências: -Resistências (ou resistências horizontais): são resistências cujo valor é sempre o mesmo temporalmente. -Resistências ascendentes: são resistências que sustentam uma tendência ascendente, ou seja, à medida que se avança temporalmente, o valor da resistência aumenta. -Resistência descendente: são resistências que sustentam uma tendência descendente, ou seja, à medida que se avança temporalmente, o valor da resistência diminui. Interpretação: Considera-se que quando uma resistência é quebrada, a tendência que a resistência sustenta será alterada. Resumidamente, considera-se empiricamente benéfica uma ruptura de resistência.

4 4 06-Suporte ou linhas de suporte Suporte e Resistência Existem muitas definições e explicações para suportes, mas muito basicamente um suporte é um preço ao qual a cotação tem historicamente (aqui pode ser curto, médio ou longo prazo) reagido em alta não descendo abaixo dele. Um suporte poderá ser considerado oficialmente quando pela segunda vez seguida o preço desce até um determinado valor e reage positivamente. Linha de suporte: utilidade gráfica que consiste em traçar uma linha para assinalar o suporte da cotação. Tipos de suportes: -Suportes (ou suportes horizontais): são suportes cujo valor é sempre o mesmo temporalmente. -Suportes ascendentes: são suportes que sustentam uma tendência ascendente, ou seja, à medida que se avança temporalmente, o valor do suporte aumenta. -Suporte descendente: são suportes que sustentam uma tendência descendente, ou seja, à medida que se avança temporalmente, o valor do suporte diminui. Interpretação: Considera-se que quando um suporte é quebrado, a tendência que o suporte sustenta será alterada. Resumidamente, considera-se empiricamente perigoso uma ruptura de suporte. 07-Price Rate of Change (ROC) As acções têm movimentos cíclicos de subida alternados com descidas, este indicador permite filtrar esses movimentos para um valor percentual (que é facilmente analisável sobe a forma de um oscilador) dando ênfase aos períodos de overbought e oversold. Sendo estudado historicamente para cada acção podem-se encontrar comportamentos padrão de antecipação deste indicador ao movimento da cotação. Price ROC Fórmula: Price ROC = (ultima cotação) / (cotação N períodos atrás) X (os N períodos costumam ser 12 dias para curto prazo, 25 para médio prazo e 225 para longo prazo)

5 5 Interpretação: A sua interpretação é diferente de acção para acção e difere também conforme o ambiente do mercado. Mas por exemplo, as zonas overbought e oversold costumam ser definidas acima de +5 e abaixo de 5 respectivamente (em períodos de Bullmarket por vezes adoptam-se por vezes as zonas +5 e 10). O que quer isto dizer em termos práticos (neste exemplo)? compra-se quando o ROC se encontra abaixo dos 5 (oversold) e cruza a linha 5 para cima; vende-se quando o ROC se encontra acima de +5 (overbought) e cruza a linha +5 para baixo. 08-Stochastic Oscilator (SO) Stochastic Oscillator Trata-se de mais um popular indicador de Momentum usado pela quase totalidade dos analistas técnicos (e pseudo analistas técnicos) para determinar o timing de entrada e de saída no curto prazo (sendo também utilizado para Longo prazo e Day Trading) determinando mais uma vez zonas de overbought e oversold num gráfico de oscilação. Fórmula: (versão simples) SO = (última cotação mínimo do últimos N dias)/(máximo dos últimos N dias mínimo do últimos N dias) Interpretação: Os valores do SO serão entre 0 e 100, pelo consideram-se duas linhas horizontais a 20 e a 80. Considera-se que quando o SO se encontra abaixo de 20 que a acção está oversold e quando está acima de 80 a acção está overbought. Os sinais técnicos são dados da seguinte forma: - o SO passa para cima da linha 20 (deixa de estar oversold) - o SO passa para baixo da linha 80 (deixa de estar overbought) Nota: costuma-se usar o SO para períodos de 12 dias (ou 12 minutos em Day trading de futuros)

6 6 09-Tendência e linhas de tendência Tendência é tal como o nome indica o rumo predominante de uma cotação ao longo de um determinado período de tempo. Existem tendências ascendentes, descendentes e laterais ou indefinidas, bem como temporalmente existem tendências de curto, médio e longo prazo. Tendências primárias e secundadárias Uma linha de tendência é uma utilidade gráfica que consiste em traçar uma linha que marque a tendência predominante num determinado período temporal. Tecnicamente, considera-se uma tendência invertida ou alterada quando a cotação corta a linha de tendência traçada. 10-Volume, como interpretar? O volume é a quantidade transaccionada de um determinado activo (pode ser expresso em dinheiro ou nº de acções). O volume é um indicador importantíssimo na análise do comportamento de um activo, ajudando a medir a força da procura ou da oferta num determinado momento ou horizonte temporal. Exemplo do efeito antecipador do Volume Interpretação: A interpretação do volume ao contrário do que possa parecer é uma das mais complexas da análise técnica, essencialmente porque em momentos diferentes uma variação semelhante de volume pode ter significados completamente diferentes. É difícil de generalizar ou estandardizar a análise de volumes, contudo pode-se deixar uns pequenos exemplos de interpretações: 1-Uma ruptura de resistência acompanhada de um volume forte é um sinal técnico de compra. 2-Volume crescente acompanhado por um aumento ligeiro de cotação é um importante indicador de arranque de um preço. 3-Uma acção pouco líquida, costuma aumentar significativamente o seu volume com um ou dois dias de antecedência a um movimento especulativo de alta (ou de baixa). 4-Um movimento de alta de vários dias costuma ser caracterizado por volume alto durante o arranque e volume fraco no fim do movimento antes da correcção técnica. 5-Um movimento de baixa rápida costuma ser caracterizado por volume muito forte ao atingir um fundo (contudo o volume pode ser alto durante toda a descida, tornando difícil de definir um volume muito forte ). 6-Quando se gera volume alto num suporte ou resistência, estes passam a ganhar maior significado técnico. De qualquer forma, estes são apenas exemplos de casos mais gerais, que muitas vezes em determinadas circunstâncias técnicas não devem ser considerados.

7 7 11-Accumulation/Distribution Introdução: È um indicador de Momentum que associa mudanças nos preços e nos volumes. A premissa básica para este indicador é que quanto mais volume acompanha o movimento do titulo mais significativo é este movimento. Interpretação: Este indicador é semelhante ao On Balance Volume, ou seja quando um movimento altista é acompanhado por forte volume existe acumulação, quando o movimento é baixista e volume alto mostra que está havendo distribuição. Quando existem divergências no indicador, normalmente os preços tendem a ajustar-se ao sentido do indicador. Formula: Análise Gráfica: 12-ZIG ZAG O Zig Zag funciona como um filtro para pequenas mudanças nos preços ou em qualquer outro indicador. O Zig Zag só mostra mudanças significativas. Interpretação O indicador de Zig Zag é usado para verificar as mudanças que se produzem num gráfico, e mostrar as mudanças de direcção mais significativas num gráfico. Este é o único indicador em que uma mudança nos preços pode fazer com que haja uma mudança no indicador. Neste indicador temos uma percepção do que está a acontecer no mercado, não uma previsão. Por isso aconselha-se a que não se crie um Trader system baseado neste indicador Este é um indicador muito útil para contar as ondas de Elliot

8 8 13-Williams %R Introdução: O Williams %R é um indicador de momentum que mede o nível de oversold e overbought. O seu autor foi Larry Williams. Interpretação: A interpretação do Williams %R é semelhante á do Estocástico, só que o Williams %R encontra-se invertido em relação ao Estocástico. Para se utilizar o Williams %R numa escala invertida normalmente utilizam-se valores negativos do tipo ( vg. 20%). Quando se estiver a analisar um valor convém ignorar os símbolos negativos. As leituras no chart em que o valor esteja entre 80 e 100% indica que se está oversold, para valores entre 0 e 20% indica que se está overbought. È muito frequente que os indicadores de oversold/overbought permaneçam muito tempo em locais de oversold/overbought e o preço da acção continue a subir/descer. Vender porque simplesmente o valor parece oversold/overbought pode levar a que se saia do titulo muito antes de ele demonstrar sinais de declínio. O Williams %R tem a capacidade de prever com alguns dias de antecedência mudanças no preço da acção, dai reside a diferença para o Estocástico. Fórmula:

9 9 Análise gráfica: 14-Parabolic Sar Introdução: Este é um indicador stop- and- reversal e foi concebido por um senhor chamado Welles Wilder. Interpretação: O Parabolic Sar proporciona excelentes pontos de saída, deve-se por isso fechar posições longas quando o preço cai para baixo do SAR e fechar posições curtas quando os preços passam para cima do SAR. Se estás largo é o mesmo que dizer que os preços estão por cima do SAR, se estás curto é o mesmo que dizer que os preços estão por baixo do SAR. Análise gráfica:

10 10 15-Teoria de Fibonacci Introdução: Fibonacci foi um dos mais importantes matemáticos de sempre, publicou as suas obras em 1200 DC, a mais conhecida de todas é o Livro de Cálculo, no qual consta uma das maiores descobertas de todos os tempos o sistema décimal. Problemática: A sucessão de números de Fibonacci 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, 89, 144 e a continuação até ao infinito é uma das problemáticas abordadas no Livro de Cálculo de Fibonacci. Se tivermos num primeiro mês um n.º 1 ele mantém-se durante esse primeiro mês, no mês seguinte vamos manter o 1 do primeiro mês e adicionar outro 1, isto só acontece para os dois primeiros meses, onde temos só um par. Este par ordenado dobra o seu valor ao terceiro mês e então a nossa sucessão fica 1,1,2. Da sucessão atrás o par mais velho dá lugar a um terceiro par para que no mês quatro tenhamos uma sucessão do tipo 1,1,2,3. Destes três os dois pares mais velhos reproduzem-se para que o número de pares se estenda a cinco. No mês seguinte três pares reproduzem-se para que a sucessão tenha a seguinte forma 1,1,2,3,5,8 e assim por diante. Para ilustrar esta problemática fica aqui uma árvore de família de sucessões: Em resumo: Temos que 1 mais 1 igual a 2; 1 mais 2 igual a 3; 2 mais 3 igual a 5; 3 mais 5 igual a 8 e assim por ai adiante até infinito. Teria muito mais a dizer sobre a teoria matemática de Fibonacci, mas como este compêndio é sobre análise técnica de investimentos vou deixar aqui para os interessados um autor onde podem ler mais sobre Fibonacci: - Robert R. Prechter A proporção Dourada: Numa fase da sucessão mais adiantada, a proporção de um número ao seguinte é cerca de.618 a 1, e ao próximo número mais baixo é cerca de a 1.

11 11 Ver tabela de sucessão: Este.618 é o único número em que: 618+1= Esta aliança do aditivo com o multiplicativo produz o seguinte sistema de equações:.6182 = ,.6183 = ,.6184 = ,.6185 = , etc., ou alternativamente = , = , = , = , etc., È através de um sistema de equações mais complexo que não vou estar aqui a retractar que se obtém os mais que conhecidos números de Fibonacci: Introdução á análise da proporção: Num mercado hipotético em que temos 5 ondas + 3 ondas conseguimos através do estudo da proporção dourada saber quanto vai ser o retrocesso de uma onda correctiva. Ficamos então a saber que a correcção em tempo e valor de uma onda ascendente será de 3/5. Convém salientar que isto raramente acontece, estamos única e exclusivamente a tratar de exemplos académicos. Retracements: 1- Quando o retrocesso é feito numa onda 1 esse retrocesso pode ser 50 a 61.8% da onda. 2- Quando o retrocesso é feito numa onda 3 ele tende a ser 38.2%

12 12 Convém realçar que os retracements podem ser de todas as formas e feitios. Impulsos e múltiplos de ondas correctivas 1- Quando uma onda 3 se estende temos que as ondas 1 e 2 são iguais ou apresentam uma relação Todas as ondas podem ser relacionadas pela teoria de Fibonacci através da igualdade ou 2.618, ou o seu inverso.618 e Uma quinta onda estendida tem as características de uma onda 1 mais uma onda 3 ou seja.382 e Quando é a onda 1 que se estende na maioria dos casos esta subdivide-se numa secção dourada. Quando nenhuma das ondas impulsivas estiverem estendidas a proporção da onda 5 será.382. Caso a quinta onda esteja estendida então ai a proporção será de.618. Resumo: A técnica de Fibonacci não se aplica só para ver até onde podem ir as quedas num mercado Bear, mas também para prever ainda que com uma margem de erro, até onde poderá ir uma onda impulsiva tendo em conta a natureza e a extensão de outras ondas impulsivas anteriores.

13 Stop s para ganhos e perdas Este artigo explica-nos a técnica do limite de perda, para que um erro nunca seja catastrófico. Stop s para ganhos e perdas: uma forma racional de se operar num mercado muito volátil. Todo e qualquer investidor deve ter um sistema racional para investir, nem que esse sistema passe só por uma máquina calculadora e um papel, para isso deve utilizar adequadamente o sistema de stop s. Resumidamente vou esclarecer 4 tipos de stop s. Stop Gráfico Como se sabe a análise técnica é uma observação estática de pessoas que negoceiam no mercado, logo não é 100% fiável. Para isso deve-se limitar as perdas através de ordens de stop, pois existem sempre fortes hipóteses que o mercado caminhe em sentido contrário às nossas expectativas. Exemplo: Suponhamos que os preços cortam o triângulo ascendente no qual teremos um ponto de compra em p1. Pela análise Gráfica os preços poderiam ir até p2, mas eles reverteram. Podemos então supor que eles baterão na linha de suporte podendo fazer um pull back e atingir p2, mas também poderão romper o suporte e reverter uma tendência, ai teríamos que colocar o nosso stop um pouco abaixo da linha de suporte. Neste caso a figura de projecção não funcionou. É a chamada armadilha. Stop móvel Este é um stop importante para investidores iniciados e que ainda não dominem correctamente a análise técnica. Este stop é um stop que acompanha os movimentos de preços. Estamos comprados numa fase de alta e decidimos não devolver ao mercado mais que um certo valor percentual sobre o nosso ganho. Ex: Temos uma acção X a 10 e decidimos não perder mais que 40% do que ganharmos, por força de uma reversão inesperada, assim, se a acção sobe para 11 temos um ganho de 1, colocando um stop móvel nos 10.6, se o mercado continuar em subida e a acção X sobe para 12, então iremos subir o nosso stop para 11.2 e assim sucessivamente. Stop de ganho É normalmente utilizado para mercados em alta, pois ao comprarmos determinada acção limitamos o ganho logo a x, mesmo não havendo sinalização gráfica.

14 14 Este tipo de procedimento não é muito indicado, já que nos exclui de bons desenvolvimentos de alta logo no seu inicio. Stop de perda Quando compramos uma acção temos naturalmente uma expectativa de subida para essa acção. Mas nem sempre acertamos, ou seja, algumas vezes (ou bastantes vezes?) compramos uma acção e ela começa a cair. Para não corrermos o risco de termos uma perda avultada, podemos limitar a perda, através de um stop loss. Definimos um nível em que admitimos que estávamos errados. Por exemplo, 10%. Se uma acção cair 10% do preço a que comprámos, vendemos admitindo um erro. Assim o nosso risco é limitado a 10% do capital. Repare que o mais importante no trading é preservar o capital, para quando a altura dourada ou Bull Market chegar termos capital para investir.

Bolsa Bolhas e Crashes. Adriano Alves Simões adriano.simoes@ist.utl.pt

Bolsa Bolhas e Crashes. Adriano Alves Simões adriano.simoes@ist.utl.pt Bolsa Bolhas e Crashes Adriano Alves Simões adriano.simoes@ist.utl.pt Perguntas Podem e devem fazer perguntas sempre que quiserem. Introdução: Um pouco de História O que é a Bolsa e como funciona? Estratégias

Leia mais

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros

Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros Sumário Módulo 4 - Especulação e Cobertura de Riscos com Futuros ISEG Universidade Técnica de Lisboa 6 de Maio de 2005 Parte I Sumário Parte I: Arbitragem com Futuros Parte II: Especulação com Futuros

Leia mais

Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros

Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros Navegando na tempestade financeira do bear market secular nas bolsas e do bull market secular nas commodities Volume 4 - Edição 6 Setembro de 2008 Bemvindo! Bemvindo à edição de Setembro da Newsletter

Leia mais

Documentação Trade Manager. Metarobôs.

Documentação Trade Manager. Metarobôs. Documentação Trade Manager Metarobôs. Gráfico Parâmetro declaração do ativo operado: Sempre utilize letras MAIÚSCULAS (números são padrões). Não deixe o nome do ativo em BRANCO. Só será permitido deixar

Leia mais

Osciladores Forex. www.ifcmarkets.com

Osciladores Forex. www.ifcmarkets.com Osciladores Forex O que é o oscilador e por que precisamos usa-lo? Esta é uma técnica de análise que é utilizado para previsão do mercado Forex. Os osciladores são calculados por meio de indicadores, usando

Leia mais

CURSO DE ANÁLISE TÉCNICA APLICAÇÃO DE: FIBONACCI/CANDLESTICKS

CURSO DE ANÁLISE TÉCNICA APLICAÇÃO DE: FIBONACCI/CANDLESTICKS CURSO DE ANÁLISE TÉCNICA APLICAÇÃO DE: FIBONACCI/CANDLESTICKS Grafista de Bsb CURSO DE ANÁLISE TÉCNICA APLICAÇAO DE FIBONACCI E CANDLESTICK CONTEÚDO 1 - DEFINIÇÃO DE ANÁLISE TÉCNICA 2 A TÉCNICA 3 - OS

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

4 Estratégias para Implementação de Agentes

4 Estratégias para Implementação de Agentes Estratégias para Implementação de Agentes 40 4 Estratégias para Implementação de Agentes As principais dúvidas do investidor humano nos dias de hoje são: quando comprar ações, quando vendê-las, quanto

Leia mais

Sumário. Agradecimentos...11 Sobre o autor...12 Aviso importante...13 Prefácio...14 Introdução...16. Capítulo 1 Definições básicas...

Sumário. Agradecimentos...11 Sobre o autor...12 Aviso importante...13 Prefácio...14 Introdução...16. Capítulo 1 Definições básicas... Marcos Abe Novatec Sumário Agradecimentos...11 Sobre o autor...12 Aviso importante...13 Prefácio...14 Introdução...16 Capítulo 1 Definições básicas...17 Métodos de análise...17 Os agentes do mercado...

Leia mais

Simulação de uma Bolsa de Valores Virtual com agentes BDI

Simulação de uma Bolsa de Valores Virtual com agentes BDI Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação Simulação de uma Bolsa de Valores Virtual com agentes BDI Relatório Intermédio de Agentes e Inteligência

Leia mais

Aula 3. ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes

Aula 3. ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes Aula 3 ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes Introdução Para auxiliá-los na tomada de decisões, os investidores contam com dois tipos de análises: Análise Fundamentalista que baseia-se

Leia mais

Joseilton S. Correia

Joseilton S. Correia O P E R A N D O N A Bolsa de Valores U T I L I Z A N D O ANÁLISE TÉCNICA Aprenda a identificar o melhor momento para comprar e vender ações Joseilton S. Correia Novatec Sumário Agradecimentos... 13 Sobre

Leia mais

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Ao comprar uma opção, o aplicador espera uma elevação do preço da ação, com a valorização do prêmio da opção. Veja o que você, como aplicador, pode fazer: Utilizar

Leia mais

Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros

Revelando os Bons Investimentos nos mercados financeiros Navegando na tempestade financeira do bear market secular nas bolsas e do bull market secular nas commodities Volume 4 - Edição 5 Agosto de 2008 Bemvindo! Bemvindo à edição de Agosto da Newsletter BonsInvestimentos

Leia mais

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014

CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 CURSO PRÁTICO MINI CONTRATO XP Interfloat Ago/ 2014 A História da BM&F Uma história de Sucesso criada em Junho de 1985. Constituída sob a forma de sociedade por ações. Desenvolver, organizar e operacionalizar

Leia mais

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análise Fundamentalista Origem remonta do final do século XIX e princípio do século XX, quando as corretoras de bolsa tinham seus departamentos de análise

Leia mais

Back-Test no MetaStock

Back-Test no MetaStock Back-Test no MetaStock Visão Geral Tela principal do System Tester O System Tester visa testar sistemas (trading systems) para determinar seu histórico de rentabilidade. Ele ajuda a responder a pergunta

Leia mais

Análise de Investimentos pela Escola Técnica

Análise de Investimentos pela Escola Técnica Análise de Investimentos pela Escola Técnica Eduardo Werneck Diretor de Sustentabilidade da Apimec Apimec - Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais LEANDRO MARTINS

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO Um título público consiste, de maneira simplificada, um empréstimo ao governo federal, ou seja, o governo fica com uma dívida com o comprador

Leia mais

GRAVITAÇÃO QUÂNTICA ATRATIVA, REPULSIVA E NEUTRA

GRAVITAÇÃO QUÂNTICA ATRATIVA, REPULSIVA E NEUTRA GRAVITAÇÃO QUÂNTICA ATRATIVA, REPULSIVA E NEUTRA Hindemburg Melão Jr. Introdução Quando Newton formulou a Teoria da Gravitação Universal, ele estabeleceu uma relação entre gravidade e massa e também postulou

Leia mais

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA

MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA MODELAGEM COM EQUAÇÕES DIFERENCIAIS DE PRIMEIRA ORDEM E APLICAÇÕES À ECONOMIA PAULO, João Pedro Antunes de Universidade Estadual de Goiás UnU de Iporá jpadepaula@hotmail.com RESUMO Esta pesquisa foi feita

Leia mais

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil A OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) divulgou nesta terça-feira os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos,

Leia mais

INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS

INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Ibovtrend THE MARKET TIMING AND TRADE DECISION SYSTEM FOR EVERY MAJOR GLOBAL MARKET INVESTINDO COM A TENDÊNCIA STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS A TENDÊNCIA É SUA AMIGA O Ibovtrend se baseia

Leia mais

Teoria Básica de Oferta e Demanda

Teoria Básica de Oferta e Demanda Teoria Básica de Oferta e Demanda Este texto propõe que você tenha tido um curso introdutório de economia. Mas se você não teve, ou se sua teoria básica de economia está um pouco enferrujada, então este

Leia mais

Movimentos oscilatórios de sinalização/a busca do risco zero ou o " timing" perfeito

Movimentos oscilatórios de sinalização/a busca do risco zero ou o  timing perfeito Base do Curso: Movimentos oscilatórios de sinalização/a busca do risco zero ou o " timing" perfeito "Antes de qualquer movimento, de alta ou de baixa dos preços de uma ação, aparecem, no gráfico, formações

Leia mais

Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1

Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1 Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1 A ELIMINAÇÃO DA DESIGUALDADE DAS REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES EM PORTUGAL MELHORARIA A REPARTIÇÃO DA RIQUEZA E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Raphael Figueredo RAFI. Módulo II - Intermediário

Raphael Figueredo RAFI. Módulo II - Intermediário Raphael Figueredo RAFI Módulo II - Intermediário ATENÇÃO i ATENÇÃO As informações contidas neste documento têm caráter meramente informativo e genérico. Portanto, não constituem qualquer tipo de aconselhamento

Leia mais

Multímetro, um grande amigo do operador de som

Multímetro, um grande amigo do operador de som Multímetro, um grande amigo do operador de som Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro O multímetro, ou multitester, é um equipamento utilizado para medições de componentes elétricos, mas muitos dos seus

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

Um jogo de Eric RANDALL e Laurent LAVAUR 2010 PLAY MACHINES

Um jogo de Eric RANDALL e Laurent LAVAUR 2010 PLAY MACHINES Um jogo de Eric RANDALL e Laurent LAVAUR 2010 PLAY MACHINES 2 COMEÇAR POR AQUI Objectivo do Jogo Formula D é um jogo de corridas de automóveis. O objectivo de cada jogador é ganhar uma corrida (de uma

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

MOVIMENTOS VERTICAIS NO VÁCUO

MOVIMENTOS VERTICAIS NO VÁCUO MOVIMENTOS VERTICAIS NO VÁCUO MOVIMENTOS VERTICAIS NO VÁCUO 4.1 - INTRODUÇÃO Desde a antigüidade o estudo dos movimentos verticais era de grande importância para alguns cientistas conceituados, este era

Leia mais

ANÁLISE TÉCNICA MÉTODO EQUIPE AÇÕES POR OPÇÕES

ANÁLISE TÉCNICA MÉTODO EQUIPE AÇÕES POR OPÇÕES Página 1 de 8 ANÁLISE TÉCNICA MÉTODO EQUIPE AÇÕES POR OPÇÕES Olá, apresentaremos um método prático de análise técnica visando o fácil entendimento e a facilidade nas operações. Recomendamos que o leitor

Leia mais

Talvez, todos já saibam o que tenho a dizer aqui e não seja novidade, mas dizem que a Chave do Aprendizado é a Repetição."

Talvez, todos já saibam o que tenho a dizer aqui e não seja novidade, mas dizem que a Chave do Aprendizado é a Repetição. OPERAÇÕES INTRADAY: UMA ABORDAGEM SIMPLIFICADA. A motivação para escrever esse texto veio justamente para que pudesse padronizar todos os conceitos utilizados na metodologia empregada por mim, durante

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA AVALIAÇÃO DO 1º SEMESTRE E PERSPECTIVAS PARA O 2º SEMESTRE DE 2014 Agosto/2014 Esta pesquisa tem como objetivo avaliar o desempenho do primeiro semestre de 2014, as

Leia mais

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS

FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Ibovtrend THE MARKET TIMING AND TRADE DECISION SYSTEM FOR EVERY MAJOR GLOBAL MARKET FAQ PERGUNTAS FREQUENTES STOCKS ETF S FUTURES CURRENCIES MUTUALFUNDS Pergunta: O Ibovtrend um corretora? Resposta: Nós

Leia mais

A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV

A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV A POLITICA DE DIVIDENDOS E OUTROS PAYOUTS ESTV-IPV Sumário Diferentes Tipos de Dividendos O Modelo de Distribuição de Dividendos O caso da Irrelevância da Política de Dividendos Recompra de Acções e Ampliações

Leia mais

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC

5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC 5 Análise prospectiva dos investimentos das EFPC Nesta seção serão apresentados os resultados encontrados para os diversos modelos estimados. No total foram estimados dezessete 1 modelos onde a variável

Leia mais

turbo warrants manual /////// www warrants commerzbank com ///////////////////////////////////////////////////////////////////// Warrants Estruturados Turbo warrants Turbo Warrants Acelere os seus investimentos

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS. Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano

INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS. Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano Disciplina Jogos de Marketing RELATÓRIO FINAL DA INFORNET Página 1 Conteúdo 1-Análise

Leia mais

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507

Risco e Retorno dos Investimentos. Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno dos Investimentos Paulo Pereira Ferreira Miba 507 Risco e Retorno Esperados Linha Característica Linha do Mercado de Títulos Linha de Combinação Realidade Brasileira genda Risco e Retorno

Leia mais

ActivALEA. active e actualize a sua literacia

ActivALEA. active e actualize a sua literacia ActivALEA active e actualize a sua literacia N.º 25 HIISTOGRAMA Por: Maria Eugénia Graça Martins Departamento de Estatística e Investigação Operacional da FCUL memartins@fc.ul.pt Emília Oliveira Escola

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

3 Estratégias de Análise Técnica

3 Estratégias de Análise Técnica 3 Estratégias de Análise Técnica Como foi visto no Capítulo 2, as estratégias dos investidores do mercado são compostas por dois fatores, a saber: o mecanismo de ativação σ i (t) (Eq. 2-10) e o mecanismo

Leia mais

Gestão de Pessoas - 4w

Gestão de Pessoas - 4w P á g i n a 1 Gestão de Pessoas - 4w Modulo Administração de Pessoal (Rubi) Processo: Férias P á g i n a 2 Sumário 1 Conceito... 3 1.1 Parametrizações no Sistema... 3 1.1.1 - Sindicato... 3 1.1.2 - Situações...

Leia mais

MANUAL DE ANÁLISE TÉCNICA

MANUAL DE ANÁLISE TÉCNICA MANUAL DE ANÁLISE TÉCNICA CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 2 PREMISSAS BÁSICAS E BASE CONCEITUAL DA ANÁLISE TÉCNICA 2.1 - CONSTRUÇÃO DE GRÁFICOS 2.2 - TEORIA DO DOW E CONCEITO BÁSICO DE TENDÊNCIA 2.3 - CONCEITOS

Leia mais

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA

MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E COMO FUNCIONA MERCADO DE OPÇÕES - O QUE É E Mercados Derivativos Conceitos básicos Termos de mercado As opções de compra Autores: Francisco Cavalcante (f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

LEI DE OHM LEI DE OHM. Se quisermos calcular o valor da resistência, basta dividir a tensão pela corrente.

LEI DE OHM LEI DE OHM. Se quisermos calcular o valor da resistência, basta dividir a tensão pela corrente. 1 LEI DE OHM A LEI DE OHM é baseada em três grandezas, já vistas anteriormente: a Tensão, a corrente e a resistência. Com o auxílio dessa lei, pode-se calcular o valor de uma dessas grandezas, desde que

Leia mais

MINICURSO SEMAT. Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities. Lucas Guilherme Rigo Canevazzi

MINICURSO SEMAT. Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities. Lucas Guilherme Rigo Canevazzi MINICURSO SEMAT Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities Lucas Guilherme Rigo Canevazzi Matheus Furtado de Souza Popp Prof. Dr. Geraldo Nunes Silva Prof. Dr. Maurílio

Leia mais

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5)

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA Assim: 9; com ref. às fontes: 12-13 EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Autores: André Sequeira 1º - A1 20110039 João Almeida 1º - A1 20110309

Leia mais

PRÉMIOS MORNINGSTAR DIÁRIO ECONÓMICO 2012 OBJETIVO

PRÉMIOS MORNINGSTAR DIÁRIO ECONÓMICO 2012 OBJETIVO PRÉMIOS MORNINGSTAR DIÁRIO ECONÓMICO 2012 OBJETIVO O objectivo dos Prémios Morningstar consiste em seleccionar os fundos e gestoras que mais valor proporcionaram aos participantes neste tipo de fundos,

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

Apostila da Oficina. Aprenda a Investir na Bolsa de Valores

Apostila da Oficina. Aprenda a Investir na Bolsa de Valores Apostila da Oficina Aprenda a Investir na Bolsa de Valores O objetivo da Oficina é ensinar como começar a investir no mercado acionário. Então vamos iniciar recapitulando os passos básicos. A primeira

Leia mais

Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização

Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Metodologia de Pesquisa Cientifica e Tecnológica I Profa. Dra. Eloize Seno Os sinais do Sistema de Movimento Direcional passíveis de automatização Rodolfo Pereira

Leia mais

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%?

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? Uma solução eficaz de Gestão Energética para o Retalho Eficiência Energética no Retalho Será que está a gastar mais em energia do que necessita?

Leia mais

Trabalho nº1 Análise Económico Financeira. BRISA Auto-Estradas de Portugal, S.A.

Trabalho nº1 Análise Económico Financeira. BRISA Auto-Estradas de Portugal, S.A. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5º Ano, 1º Semestre Economia e Gestão - 2000/2001 Trabalho nº1 Análise Económico Financeira

Leia mais

Fundamento do método

Fundamento do método Introdução Já ando neste mundo das apostas há cerca de 15 anos e conheço bem os meandros deste mundo. Foram muitas subidas e descidas que percorri. Vítima de scams, contas bloqueadas, limitadas, etc sabem

Leia mais

3. ANÁLISE DE RISCO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

3. ANÁLISE DE RISCO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Gestão de Operações s 2007/2008 3. ANÁLISE DE RISCO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Jorge Moreira da Costa Professor Associado SCC/FEUP FEP_Fev Mar.2008 Top.3.1 Gestão de Operações s Análise de Risco 1 CONCEITOS GERAIS

Leia mais

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference

CFDs sobre acções CFDs sobre Índices. CFD s. Contracts for Difference CFDs sobre acções CFDs sobre Índices CFD s Contracts for Difference Introdução Caracteristicas O que são? 1 Vantagens 1 Alavancagem Flexibilidade Outras vantagens 2 Exposição mínima Inexistência de Liquidação

Leia mais

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas

AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas 1 AULAS 04 E 05 Estatísticas Descritivas Ernesto F. L. Amaral 19 e 28 de agosto de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de Janeiro:

Leia mais

Tutorial 5 Questionários

Tutorial 5 Questionários Tutorial 5 Questionários A atividade Questionário no Moodle pode ter várias aplicações, tais como: atividades de autoavaliação, lista de exercícios para verificação de aprendizagem, teste rápido ou ainda

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

A Hora do Gráfico. Análise Gráfica. Índice. Ibovespa - Diário. Ibovespa (gráfico de 15 minutos) Índice Ibovespa. Top 5. Fique de Olho.

A Hora do Gráfico. Análise Gráfica. Índice. Ibovespa - Diário. Ibovespa (gráfico de 15 minutos) Índice Ibovespa. Top 5. Fique de Olho. quinta-feira, 3 de outubro de 2013 Análise Gráfica A Hora do Gráfico Ibovespa - Diário Índice Índice Ibovespa Top 5 Fique de Olho Disclosure Hoje tivemos um dia de queda, no começo até testamos novamente

Leia mais

Sobre o Jogo da Economia Brasileira

Sobre o Jogo da Economia Brasileira Sobre o Jogo da Economia Brasileira O Jogo da Economia Brasileira - pretende exercitar conceitos e mecanismos básicos que facilitem o entendimento do que vem acontecendo com a economia brasileira, a partir

Leia mais

FILOSOFIAS DE INVESTIMENTO

FILOSOFIAS DE INVESTIMENTO 1 O posicionamento perante o mercado de acções exige a construção de uma FILOSOFIA DE INVESTIMENTO; É esta que garante os princípios da coerência, consistência e disciplina essencial à obtenção de resultados

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS

ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS ELASTICIDADE DE DEMANDA E ASPECTOS RELEVANTES DE GESTÃO DE VENDAS Cássia Naomi Obara Edson Lazdenas Luciana Harumi Mizobuchi RESUMO Através das Leis da Oferta e da Procura é possível apontar a direção

Leia mais

4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco

4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco 4 Tentativas de se Modelar Alterações no Prêmio de Risco Antes de partirmos para considerações sobre as diversas tentativas já realizadas de se modelar alterações no prêmio de risco, existe um ponto conceitual

Leia mais

Nova York supera US$/cents 18,00 com tendência de Alta em Solavanco

Nova York supera US$/cents 18,00 com tendência de Alta em Solavanco Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Nº 526 Ano XVI 23/junho/2014 Nova York supera US$/cents 18,00 com tendência de Alta em Solavanco Nos mercados futuros internacionais a finalização da terceira

Leia mais

Curso de Inteligência Financeira

Curso de Inteligência Financeira Curso de Inteligência Financeira 1.1- Porque planejar-se financeiramente? 1.2- O que é Inteligência Financeira? 1.3- Guia da Academia Financeira Ajudando você a conquistar sua independência financeira

Leia mais

4 VÍDEOS ENSINAM MAIS SOBRE TRADER ESPORTIVO, CONFIRA EM: HTTP://WWW.VIVERDEFUTEBOL.COM/

4 VÍDEOS ENSINAM MAIS SOBRE TRADER ESPORTIVO, CONFIRA EM: HTTP://WWW.VIVERDEFUTEBOL.COM/ 1 2 ÍNDICE 1- NOTA LEGAL... 3 2- SOBRE AUTOR... 3 3- SEMELHANÇA COM O MERCADO FINANCEIRO... 4 4- EXEMPLO DO MERCADO DE AUTOMÓVEIS USADOS... 4 5- CONHECENDO O BÁSICO DAS APOSTAS... 7 6- O QUE É UMA ODD?...

Leia mais

Estudaremos aqui como essa transformação pode ser entendida a partir do teorema do trabalho-energia.

Estudaremos aqui como essa transformação pode ser entendida a partir do teorema do trabalho-energia. ENERGIA POTENCIAL Uma outra forma comum de energia é a energia potencial U. Para falarmos de energia potencial, vamos pensar em dois exemplos: Um praticante de bungee-jump saltando de uma plataforma. O

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Opção sobre Futuro de Boi Gordo Opção sobre Futuro de Boi Gordo O Contrato de Opção sobre Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira foi lançado pela BM&FBOVESPA, em 22/07/1994,

Leia mais

SISTEMA CLÁSSICO DE REDUÇÃO

SISTEMA CLÁSSICO DE REDUÇÃO Page 1 of 6 SISTEMA CLÁSSICO DE REDUÇÃO Este documento irá ensinar-lhe como pode fazer um desdobramento reduzido, segundo o processo clássico (italiano) para qualquer sistema 5/50, em particular para o

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.)

Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) Colégio Santa Catarina Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 17 Unidade III: Movimento Uniformemente Variado (M.U.V.) 3.1- Aceleração Escalar (a): Em movimentos nos quais as velocidades

Leia mais

Curso Análise Técnica 1

Curso Análise Técnica 1 Curso Análise Técnica 1 Módulo 1 de 4 www.tradernauta.com.br Introdução Análise Técnica ou Gráfica Avaliação dos preços históricos de um ativo por meio de um gráfico típico para realizar projeções de performance

Leia mais

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas?

x0 = 1 x n = 3x n 1 x k x k 1 Quantas são as sequências com n letras, cada uma igual a a, b ou c, de modo que não há duas letras a seguidas? Recorrências Muitas vezes não é possível resolver problemas de contagem diretamente combinando os princípios aditivo e multiplicativo. Para resolver esses problemas recorremos a outros recursos: as recursões

Leia mais

Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!!

Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!! Olá concurseiros (as)! Neste artigo comentarei 06 (seis) questões da ESAF, para que vocês, que estão estudando para a Receita Federal, façam uma rápida revisão!! Vamos lá!!! 01. (ESAF Analista da Receita

Leia mais

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia

Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia ENG 1403 Circuitos Elétricos e Eletrônicos Resposta Transitória de Circuitos com Elementos Armazenadores de Energia Guilherme P. Temporão 1. Introdução Nas últimas duas aulas, vimos como circuitos com

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA712/C/11 Págs. Duração

Leia mais

Análise Técnica diária

Análise Técnica diária IBOVESPA Índice IBOV / FIQUE DE OLHO >Apesar > da pressão de venda no diário, mercado vai largando doji (candle de indecisão) em área de suporte, colocando um fio de esperança na galera, mas nada que empolgue

Leia mais

COMO USAR O EXCEL PARA PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA DIÁRIO

COMO USAR O EXCEL PARA PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA DIÁRIO COMO USAR O EXCEL PARA PROJETAR AS ENTRADAS DO FLUXO DE CAIXA DIÁRIO! Como projetar uma linha de tendência no Excel?! Como escolher a curva que melhor se ajusta a uma determinada origem de dados?! Como

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores

Introdução à Programação de Computadores 1. Objetivos Introdução à Programação de Computadores Nesta seção, vamos discutir os componentes básicos de um computador, tanto em relação a hardware como a software. Também veremos uma pequena introdução

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem.

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. O que é o Failure Score? O que prevê o Failure Score? Qual é a disponibilidade do Failure Score? Como é calculado o Failure Score? Qual o desempenho

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE MONOGRAFIA FILOMENA MARIA RATES SOARES VITOR TENÓRIO NOVA

Leia mais

1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO

1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO BEM VINDO AO GUIA DE 10 PASSOS DE COMO MELHORAR MUITO A SUA VIDA FINANCEIRA! APROVEITE! 1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO Quando se trata do nosso dinheiro, a emoção sempre tende a ser um problema.

Leia mais

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções

Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções Tópico 11. Aula Teórica/Prática: O Método dos Mínimos Quadrados e Linearização de Funções 1. INTRODUÇÃO Ao se obter uma sucessão de pontos experimentais que representados em um gráfico apresentam comportamento

Leia mais

COMO DETERMINAR O PREÇO DE UMA

COMO DETERMINAR O PREÇO DE UMA COMO DETERMINAR O PREÇO DE UMA O que são opções? Precificação de opções Exemplo de árvore recombinante Autores: Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV.

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues

Mercados e Investimentos Financeiros. Introdução aos mercados acionistas. DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues Introdução aos mercados acionistas DOCENTE : Luís Fernandes Rodrigues O Mercado Financeiro O Mercado Monetário Interbancário (MMI) é um mercado organizado, onde as instituições participantes trocam entre

Leia mais

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos

Leia mais

04 de maio de 2012 Edição nº. 469

04 de maio de 2012 Edição nº. 469 O relatório Boi na Linha, da Scot Consultoria, na edição dessa sexta feira resumiu bem o status quo do mercado pecuário nesse início de maio A seca que vem afetando as pastagens há algum tempo somado a

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo.

Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo. 1. Círculos e cilindros 1.1. Planificação da superfície de um cilindro Num cilindro as bases são círculos. O perímetro do círculo é igual ao comprimento da circunferência que limita o círculo. A planificação

Leia mais

Técnicas de fecho de vendas

Técnicas de fecho de vendas Técnicas de fecho de vendas Índice Estratégias para a conversão de prospectos em clientes... 3 Algumas estratégias e técnicas de fecho de vendas... 4 Recolha de objecções... 4 Dar e depois 5rar o rebuçado

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica. Relatório de Estágio Curricular. Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque Instituto Tecnológico de Aeronáutica Engenharia de Infra-Estrutura Aeronáutica Relatório de Estágio Curricular Sérgio Henrique Cunha de Albuquerque São José dos Campos Novembro/2005 Relatório de estágio

Leia mais