EAD Tópicos Especiais de Métodos M Quantitativos e Informática. Conteúdo Básico. Sistemas Monolíticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EAD-0750. Tópicos Especiais de Métodos M Quantitativos e Informática. Conteúdo Básico. Sistemas Monolíticos"

Transcrição

1 EAD-0750 Prof. Antonio Geraldo da Rocha Vidal Tópicos Especiais de Métodos M Quantitativos e Informática Conteúdo Básico Tecnologia Cliente/Servidor» Processamento no Cliente» Processamento no Servidor Tecnologia Web» Processamento no Cliente (HTML, scripts e componentes)» Processamento no Servidor (Java,.NET e componentes)» Banco de Dados» Orientação para Objetos (conceitos) Tecnologia XML» Conceitos» Web Services» Aplicações Desenvolvimento de Sistemas Aplicativos» Microsoft Visual Studio.NET» Linguagem de Programação C#» Banco de Dados SQL Server 2000 Sistemas Monolíticos Dados centralizados Recursos centralizados Processamento centralizado Simplicidade de desenvolvimento Simplicidade de operação Pouca flexibilidade para atendimento aos usuários. Exemplos:» Sistemas em Mainframe (Grande Porte)» Primeiros Aplicativos em Microcomputadores

2 Sistemas Distribuídos Processos em execução concorrente, distribuídos em diversos pontos da rede. Comunicação entre processos. Otimização de hardware. Reutilização de software. Software em camadas. Dados distribuídos. Maior flexibilidade para atendimento aos usuários. Tecnologia Cliente/Servidor Utilização de três componentes básicos para o compartilhamento de recursos de computação:» Computador Cliente: Normalmente um microcomputador padrão PC.» Computador Servidor: Normalmente um PC poderoso, um equipamento RISC ou mesmo um Mainframe.» Rede: Conecta os clientes aos servidores. Tecnologia Cliente/Servidor Equilíbrio entre:» Cliente burro e Servidor inteligente» Cliente inteligente e Servidor burro. Pressupõe que o cliente e o servidor sejam plenamente capazes. Tenta distribuir o trabalho de forma equilibrada, numa tentativa de tirar melhor proveito de ambos os recursos (dentro de suas especialidades).

3 Tecnologia Cliente/Servidor Dependendo do tipo da aplicação, a distribuição exata do trabalho entre o cliente e o servidor pode variar. Porém, o mais comum é:» Cliente: responsável pela interface com o usuário (GUI) e lógica básica do aplicativo.» Servidor: responsável pelo gerenciamento do acesso, por todas as funções relativas ao banco de dados e pelas regras ou lógica do negócio. Aplicações Típicas Cliente/Servidor Aplicativos Simples de Banco de Dados: Pedido SQL Resultados Cliente GUI Lógica da Aplicação Parte da Lógica dos Negócios Servidor Acesso ao Banco de Dados Lógica dos Negócios Gerenciamento da Rede Aplicações Típicas Cliente/Servidor Processamento de Transações: duas ou mais atualizações no banco de dados que devem ser concluídas tudo ou nada (aplicações missão-crítica) Transação Resultados Cliente GUI Lógica da Aplicação Parte da Lógica dos Negócios Servidor Acesso ao Banco de Dados Lógica dos Negócios Registro das Transações Recuperação da Transação

4 Papel do Cliente Gerenciamento de apresentação:» Interação com o usuário (GUI)» Entrada e consulta de dados Lógica do aplicativo:» Funcionamento do interativo do aplicativo» Partes simples da lógica do negócio Aplicativos de produtividade pessoal:» Processador de textos, planilha etc.» Navegador Web, Cliente de etc. Papel do Servidor Atendimento a Usuários:» Autenticação e comunicação com usuários» Atendimento a solicitações Gerenciador de Banco de Dados:» Acesso e organização de registros/dados» Seleção de registros/dados» Atualização de registros/dados Execução de Regras do Negócio:» Procedimentos armazenados no Banco de Dados» Procedimentos armazenados em Componentes Processamento de Transações» Execução de conjuntos de operações relacionadas aos processos e regras do negócio. Papel da Rede Infra-estrutura para os aplicativos Cliente/Servidor. Submete solicitações do Cliente para o Servidor. Transporta os dados resultantes do Servidor para o Cliente. Padrões mais utilizados:» Ethernet (transporte físico)» TCP/IP (transporte lógico)» HTTP (transporte do conteúdo) Animações sobre o funcionamento da Rede

5 Processamento Cliente/Servidor Um processo de software é um programa de computador sendo executado em uma CPU. Processo, Tarefa e Serviço podem ser considerados sinônimos. Processos concorrentes enviam e recebem mensagens entre si, prestando serviços uns aos outros para atender o usuário. Um sistema Cliente/Servidor é composto por diversos destes processos, tarefas ou serviços. Processamento Distribuído Processamento Processamento Centralizado Processamento Distribuído Monolítico Ponto-a-Ponto Cliente Servidor Processamento Ponto-a-Ponto (peer-to-peer) Não é hierárquico. Todos os processos são clones rodando em todas as máquinas e prestando serviços uns aos outros. Não existem processos servidores. Cada processo pode ser cliente e também servidor para outros processos simultaneamente. Exemplo: Windows Explorer

6 Processamento Cliente/Servidor Existem processos distintos: o processo cliente é diferente do processo servidor. Processos cliente são sempre clientes. Processos servidores são sempre servidores. Cada processo é designado para a plataforma mais conveniente. Exemplos:» Páginas Web: Internet Explorer (no cliente) e Internet Information Server (no servidor)» Correio Eletrônico: Outlook (no cliente) e Exchange Server (no servidor) Camadas da Aplicação Apresentação Apresentação Apresentação Apresentação Apresentação Rede CLIENTE Lógica de Negócio Lógica de Negócio Lógica de Negócio Gerência de Dados Apresentação Lógica de Negócio Lógica de Negócio Lógica de Negócio SERVIDOR Gerência de Dados Gerência de Dados Gerência de Dados Gerência de Dados Gerência de Dados Apresentação Distribuída Apresentação Remota Lógica Distribuída Gerenciamento de Gerenciamento de Dados Remoto Dados Distribuído Interfaces na Arquitetura do Aplicativo em Três Camadas GUI & WEB Aplicativos do Usuário Interação com componentes da mesma camada Pedido de Processo Regras de Negócios Interação com componentes de outra camada Transações e Consultas Banco de Dados

7 Estrutura Típica de um Aplicativo Interface do Usuário Regras de Negócios Banco de Dados Arquitetura do Sistema Definição da Interface com o Usuário Distribuição de Dados e Processos. Divisão da Aplicação em Camadas e componentes. Arquitetura da Rede e Comunicações. Considerações de Segurança, Capacidade e Desempenho. Considerações de Reutilização de Componentes. Seleção de Ferramentas de Desenvolvimento de Software. Identificação de Processos Clientes Processos a serem alocados a clientes:» Interface gráfica com o usuário» Validações básicas de dados» Lógica local (personalização) Departamental Pessoal» Fluxo de utilização (seqüência de formulários ou páginas).

8 Identificação de Processos Servidores Processos a serem alocados a servidores:» Gerenciamento de recursos compartilhados: Bancos de dados Imagens Documentos» Regras corporativas Política e perfis de acesso Autenticação de usuários» Regras de negócio Decisões Cálculos Operações e transações Integração entre Sistemas Sempre considerar, ao avaliar alternativas de distribuição de dados e processos, as possibilidades de futura reutilização dos componentes. Conceber a arquitetura com interfaces bem definidas para futuras integrações entre sistemas. Encapsular sistemas internos e sistemas legados como componentes servidores. Transações Transação: uma seqüência de comandos que constitua uma unidade lógica de trabalho para o software aplicativo. Deve aderir às propriedades ACID:» Atômica: todos os comandos são executados com sucesso ou todos falham.» Consistente: deve deixar os dados em um estado consistente quando completada.» Isolada: não pode ver as modificações feitas por outras transações simultâneas.» Durável: deve ser permanente quando completada, até no caso de queda do sistema.

9 Transações Distribuídas Consulta remota:» Acesso a uma fonte de dados remota para recuperação de informações. Atualização remota:» Alteração realizada em uma fonte de dados remota. Consulta distribuída» Obtenção de dados de várias fontes. Alteração distribuída» Atualização de dados em várias fontes. Internet X Web Internet» Todos os computadores conectados em rede TCP/IP» Todos os serviços disponíveis: FTP Newsgroups Web Etc. Web» Páginas de hipertexto conectadas: Hyperlinks Textos Imagens Animações Documentos» Aplicações Sistemas de informação Como funciona a Web É um grande exemplo de um sistema Cliente/Servidor. Tudo o que está na Web pode ser dividido em cliente e servidor. Um servidor Web responde às solicitações de um cliente por páginas Web nele contidas. Os servidores são localizados na rede por meio de uma URL Uniform Resource Locator, ou endereço Web. Uma URL aponta para um servidor e para uma página Web que está sendo solicitada.

10 Tecnologias Internet Arquitetura WWW Cliente PC/Mac/Unix + Browser Request: Rede TCP/IP Servidor Response: <html> </html> Web Server Como Funciona a Web O HTTP (HyperText Transfer Protocol) é o protocolo que permite que os servidores e clientes web se comuniquem e passem dados uns para os outros. Tipos básicos de mensagens HTTP GET: solicita dados do servidor» HTTP RESPONSE: envia dados para o cliente» HTTP POST: envia dados para o servidor Padronização» Internet Engineering Task Force (IETF)» World Wide Web Consortium (W3C) Princípios das Tecnologias para Internet Interoperabilidade: linguagens Web e os protocolos devem ser compatíveis entre si e independentes de hardware e software. Evolução: a Web deve ser capaz de incorporar tecnologias futuras, direcionadas para a simplicidade, modularidade e extensibilidade. Descentralização: facilitar a escalabilidade e a robustez.

11 Linguagem HTML Hypertext Markup Language (HTML) é a linguagem usada para criar e exibir páginas de hipertexto na Web. Utiliza um conjunto de marcadores (tags) para identificar as partes do documento ou página e definir como o conteúdo (texto ou imagem) aparecerá quando visto em um navegador (browser) Web. Exemplo de Página HTML <HTML> <HEAD> <TITLE>Exemplo de página HTML</TITLE> </HEAD> <BODY> <H1>Comércio Eletrônico na Internet!</H1> <P>Este é um documento HTML simples.</p> </BODY> </HTML> Páginas HTML Estáticas As páginas Web podem ser ou estáticas ou dinâmicas (ativas). Páginas estáticas podem ter hyperlinks para outras páginas e arquivos, mas não atualizam dados no servidor e não são atualizadas pelas ações ou informações do usuário sobre o servidor. A maioria das páginas Web ainda são estáticas.

12 Páginas HTML Dinâmicas Uma página dinâmica ou ativa fornece meios para o usuário interagir com o servidor Web, atualizando ou alterando dados no servidor. Uma página ativa pode conter também controles ativos (componentes) ou programas em linguagem de scripting, o que fornece à página capacidades de processamento de informações. Ferramentas para Desenvolvimento de páginas Web Editores para criação de conteúdo HTML Editores gráficos Geradores de animação Ambientes/Linguagens de programação Gerenciadores de banco de dados Administradores de Web Sites Servidores Web Navegadores (browser) O Código das Páginas Web HTML: textos, gráficos estáticos e hyperlinks. DHTML: textos, gráficos e hyperlinks dinâmicos e interativos. Automação através de linguagens script:» Java Script (JavaScript) ou JScript (variação da Microsoft)» Visual Basic Script (VBScript) Automação através de componentes:» ActiveX» Java Applets

13 Programação Orientada para Objetos O desenvolvimento de aplicações Web é baseado no modelo de programação orientada para objetos. A programação orientada para objetos permite escrever códigos associados a objetos específicos em de um aplicativo. Um objeto é uma combinação de operações e dados que podem ser tratados como uma unidade. Um objeto pode ser um pedaço de uma página de aplicativo Web, uma página inteira ou uma regra de negócio. Programação para a Web Baseada em Objetos do DHTML O DHTML: Document Object Model window event navigator history document location screen frames all location children forms selection body links text password file radio button textarea select checkbox submit option reset Programação para a Web Processamento no Cliente O que é processamento no cliente?» O software que é descarregado do servidor Web para o browser e então executado no cliente. Por que processamento no cliente?» Melhor escalabilidade: menos trabalho feito no servidor» Melhor desempenho/atendimento ao usuário» Criar elementos de interface em HTML Menus drop-down e pull-out Diálogos paginados» Efeitos especiais, p.ex. animação» Validação de dados

14 Programação para a Web Processamento no Servidor Quando processamento no servidor, as instruções (código-fonte) são executadas pelo servidor Web antes da página ser retornada para o usuário no computador cliente. Um programa no servidor cria uma página HTML padrão de retorno, portanto, o usuário nunca vê o código-fonte do programa executado no servidor. O servidor Web precisa suportar páginas de servidor ativas: ASP, JSP, PHP etc. JavaScript O JavaScript é um a linguagem C-like, baseada em Java. Desenvolvida pela Sun Microsystems Inc. e pela NetScape Communication Corporation. JavaScript é suportada pelo NetScape Navigator versão 2.0 ou posterior e pelo Microsoft Internet Explorer versão 3.0 ou posterior. Componentes Ativos Java Applets tag <APPLET>» São programas pequenos, reutilizáveis e independentes de plataforma que expõem uma interface padrão e são executados em um recipiente como um navegador Web. Controles ActiveX tag <OBJECT>» São componentes da plataforma Windows (.dll ou.ocx) que podem ser inseridos em uma página Web ou outras aplicações que podem se tornar recipientes de controles ActiveX.

15 Scripts no Servidor Páginas Ativas no Servidor Um programa no Servidor significa que há um código embutido numa página Web que é executado pelo Servidor quando um computador Cliente faz uma solicitação. Este código normalmente: 1. Obtém dados a partir de fontes de dados (bancos de dados SQL ou arquivos XML); 2. Executa regras de negócio e; 3. Constrói uma página HTML para apresentar os resultados obtidos ao usuário. O resultado final é uma página Web em HTML padrão (compatível com qualquer browser) enviada ao navegador do Cliente. Páginas Ativas no Servidor Principais Tecnologias Há muitas ferramentas e linguagens que podem criar páginas Web ativas; as tecnologias mais utilizadas são:» Common Gateway Interface (CGI)» Internet Server API (ISAPI)» Perl (Practical Extract Report Language) Aberta, 1987» Active Server Pages (ASP) Microsoft,1995» Personal Home Page Tools (PHP) Aberta, 1995» ColdFusion Allaire/Macromedia, 1995» J2EE (Java, Servlets, JSP, JavaBeans, EJB etc.) Sun & Cia. 1996» WebSphere (J2EE) IBM 1997» Oracle Applications (J2EE) Oracle, 1997».NET Common Language Runtime Microsoft, 2002 Plataforma J2EE (Java) Sun & Parceiros J2EE (Java 2 Platform, Enterprise Edition) é um conjunto de normas e componentes para o desenvolvimento de aplicações para a Web. Pode ser entendido como um conjunto de componentes que, trabalhando em colaboração, contribui para a construção das múltiplas camadas que constituem o aplicativo. Esses componentes foram desenvolvidos com o objetivo de facilitar a interação entre as diversas funções da aplicação.

16 Características da Plataforma J2EE Portabilidade: a linguagem utilizada é o JAVA. APIs JDBC TM : componentes para acesso a bancos de dados relacionais. CORBA (JavaIDL e RMI-IIOP): componentes para interação com sistemas internos da empresa. EJB (Enterprise JavaBeans TM ): componentes Java para implementar regras de negócios. APIs Java ServLets: componentes para interfaces com parceiros de negócios. JSP (Java Server Pages TM ): linguagem para a criar e gerenciar a interação com o usuário e utilização dos demais componentes. Modelo de Execução Java Disco Disco Bytecodes são uma linguagem intermediária independente de plataforma. Disco Pode haver um Interpretador de bytecodes para cada plataforma. Plataforma J2EE Disponibiliza um emaranhado de componentes que permitem construir um conjunto abrangente de soluções. Desenvolvida com base na colaboração entre vários parceiros da Sun, constituindo-se numa filosofia de trabalho para o desenvolvimento de sistemas, robusta e cada vez mais aceita. Toda solução ou aplicativo é construído baseado em componentes, desenvolvidos de acordo com as regras do negócio.

17 O Modelo Lógico da Plataforma J2EE Aplicativos Java em Múltiplas Camadas cliente servidor web servidor de aplicativos servidor base de dados browser HTML cookies XML api's web server application server data base server browser Java servlet Java VM Java applets DataBase driver JSP EJB beans Java VM middleware desktop sockets / object JDBC Java JRE beans double-tier XML lógica de apresentação lógica dos negócios triple-tier api's quadruple-tier <=processo=> objeto <=processo=> objeto <=processo=> objeto <=processo=> O Modelo Físico da Plataforma J2EE

18 Principais Fornecedores da Plataforma J2EE IBM: WebSphere» WebSphere Studio Application Developer» WebSphere Application Server» WebSphere UDDI Registry Oracle» Oracle JDeveloper» Oracle Forms Developer» Oracle Designer» Oracle Reports Developer» Oracle Discoverer» Oracle SCM (Oracle Repository)» Oracle Warehouse Builder BEA: WebLogic» BEA WebLogic Enterprise» BEA WebLogic Server» BEA Tuxedo Borland: JBuilder Plataforma Microsoft.NET Ferramentas da plataforma.net:» Microsoft.NET Enterprise Servers - Servidores» Microsoft Visual Studio.NET - Desenvolvimento».NET Framework Infra-estrutura» Microsoft Windows.NET Sistema Operacional A tecnologia.net permite o desenvolvimento em qualquer linguagem de programação adaptada ao.net Framework e à Commom Language Runtime (CLR linguagem comum utilizada em tempo de execução dos programas). Camadas e Componentes.NET Página ASP No Servidor.NET.NET Oracle.NET Página HTML No Cliente COM.NET SQL Server COM Outros APRESENTAÇÃO REGRAS DE NEGÓCIOS DADOS

19 Modelo de Execução Plataforma.NET Código Fonte VB Compiler C# Compiler C++ Compiler MSIL Assembly Assembly Assembly Ngen Common Language Runtime JIT Compiler Código Nativo Managed Code CLR Services Managed Code CLR Managed Code Unmanaged Code Operating System Services O Modelo Lógico da Plataforma.NET da Microsoft O Modelo Lógico do.net Framework XML Web Web Services Forms ASP.NET Windows Forms Data and XML Classes Base Framework Classes Common Language Runtime

20 O Modelo Físico da Plataforma.NET Comparação das Plataformas J2EE X Microsoft.NET Característica J2EE.NET Tipo de Tecnologia Fornecedores Linguagem Interpretador Páginas Ativas no Servidor Componentes de Negócio Acesso a Banco de Dados Suporte a SOAP, WSDL, UDDI Funcionalidade de interface Padrão Aberto Mais de 30 Java JRE (Java Runtime Environment) JSP (Java Server Pages) EJB (Enterprise Java Beans) JDBC SQL/J Sim Sim Produto Microsoft C#, J#, VB.NET, C++, JavaScript, JScript CLR (Commom Language Runtime) ASP.NET (Active Server Pages).NET Managed Components ADO.NET (Active Data Objects) Sim Sim O Modelo Físico da Plataforma J2EE

21 O Modelo Físico da Plataforma.NET Construção de Aplicativos Web XML Sun & Cia. Microsoft Bancos de Dados Databases Virtualmente todos os aplicativos interessantes exigem um armazenamento de dados estruturado e persistente.» E-Commerce: registrar um pedido, entregar um pedido etc.» Recursos Humanos: dados de pessoal, salários e benefícios.» Vendas: pedidos, produtos, cobranças e pagamentos.» CRM: dados de e sobre clientes.» Pesquisas: dados primários, dados secundários, resultados etc. As necessidades de armazenamento de dados variam de acordo com o tipo de aplicativo:» Processamento de Transações (Transaction Processing -OLTP)» Processamento Analítico (Business Intelligence/Data Warehouse -OLAP» Web Sites e Enterprise Portals

22 Bancos de Dados Relacionais Relacionamentos 1 Os dados são duplicados aqui 1 1 Bancos de Dados Relacionais Structured Query Language - SQL Linguagem padrão para acesso a um banco de dados relacional, padronizada pelo American National Standards Institute (ANSI); SQL-92 Aberta, mas não realmente:» As funções mais comuns são geralmente as mesmas entre os diversos produtos existentes.» A maioria dos produtos têm extensões proprietárias. Subconjuntos da SQL» Data Definition Language (DDL)» Data Manipulation Language (DML)» Data Control Language (DCL) Bancos de Dados Relacionais DDL Exemplos Usada para criar e modificar objetos de banco de dados. CREATE DATABASE Livraria CREATE TABLE Livro ( LivroID INT IDENTITY(1,1) PRIMARY KEY, Titulo VARCHAR(40) NOT NULL, DatPub DATE NOT NULL, Descricao VARCHAR(80), Genero INT NOT NULL )

23 Bancos de Dados Relacionais DML Exemplos Selecionar dados a serem consultados. SELECT * FROM Autor SELECT AutorID, Nome, SobreNome FROM Autor SELECT AutorID, Nome, SobreNome, Telefone FROM Autor WHERE Cidade = São Paulo SELECT Nome, SobreNome, Telefone FROM Autor WHERE AutorID = 249 Bancos de Dados Relacionais DML Exemplos Inserir, atualizar e excluir dados. INSERT INTO Livro (Titulo, DatPub, Descricao, Genero) VALUES ( Projeto de Banco de Dados, GETDATE(), Como construir um Banco de Dados, 3) UPDATE Autor SET Telefone = WHERE AutorID = 5 DELETE FROM Autor WHERE AutorID = 5 Bancos de Dados Relacionais DCL Exemplos Configura opções de segurança em objetos de banco de dados. GRANT INSERT, UPDATE, DELETE ON Autor TO Maria, José REVOKE CREATE TABLE FROM José DENY ALL ON Autor, Livro TO Salete

24 Bancos de Dados Relacionais Views (Visões) Uma view é uma tabela virtual. Abstrai as estruturas das tabelas relacionadas. Abstrai uma consulta possivelmente complexa. Fornece abstração quanto à segurança. Uma view pode ser:» Indexada» Atualizada (alteração e inserção de dados) Bancos de Dados Relacionais Exemplo de Definição de View CREATE VIEW Pedidos AS SELECT p.pedidoid, c.nome FROM Cliente c INNER JOIN Pedido p ON c.clienteid = p.clienteid ORDER BY p.pedidoid Bancos de Dados Relacionais Exemplo de Utilização de Views SELECT * FROM Pedidos WHERE Nome = 'Meu Melhor Cliente' PedidoID Nome Meu Melhor Cliente Meu Melhor Cliente

25 Bancos de Dados Relacionais Stored Procedures (Procedimentos Armazenados) Um grupo de comandos SQL que é armazenado e executado dentro do banco de dados. Não faz parte do SQL padronizado. Fornece grande desempenho. Pode controlar acesso a dados. Pode aceitar parâmetros. Pode retornar diversos tipos de dados:» Parâmetros de saída» Valores de retorno» Conjuntos de dados de retorno Pode implementar Regras de Negócios Bancos de Dados Relacionais Triggers (Gatilhos) Como as stored procedures, triggers são conjuntos de comandos SQL que são armazenados e executados dentro do banco de dados. Porém, não são diretamente chamados por um usuário. São executadas quando uma determinada modificação de dados ocorrer (INSERT, UPDATE ou DELETE) Garante a execução de regras de negócio. FOR AFTER: a trigger é executada depois que a ação de atualização especificada for completada. FOR INSTEAD OF: a trigger é executada no lugar da ação de atualização especificada. Arquitetura de Sistemas WEB

26 Funções das Camadas na Arquitetura do Sistema Camada Responsabilidade Funções Ferramentas Aplicativos de usuário Regras de negócio Prover interface compreensível e eficiente. Apresentação, entrada, navegação e análise de dados. Estabelecer a Tomada de política dos decisões, negócios: regras e imposição da heurística. política, cálculos, Preparar respostas coordenação de para o usuário. recursos. Ferramentas gráficas, linguagem de programação e componentes. Linguagem de programação e componentes. Fontes de dados Manter dados consistentes, atualizados e seguros. Manutenção, atualização, integridade e segurança de dados Banco de dados, linguagem de banco de dados e XML. Arquitetura em Camadas A arquitetura em camadas é lógica e não física. Se preocupa com as funções do aplicativo e não com sua implementação. Essa mesma arquitetura pode ser usada para elaborar sistemas distribuídos ou centralizados, tradicionais, Cliente/Servidor ou para a Web. Entretanto, a utilização dessa arquitetura facilita a distribuição dos componentes do aplicativo, quando for preciso por razões de negócios, tecnológicas ou ambas. Benefícios da Arquitetura em Camadas Estrutura para elaboração de aplicativos flexíveis que possam ser alterados com facilidade para atender às necessidades de negócios em constante mudança. Alto nível de reutilização de software. Desenvolvimento mais fácil de aplicativos grandes e complexos em ambientes transacionais, Web e de suporte à decisão. Desenvolvimento mais fácil de aplicativos distribuídos que dão suporte ao gerenciamento central, a equipes auto gerenciadas e ao atendimento externo.

27 Detalhamento da Interface entre as Camadas Implementação das Camadas com Componentes Aplicativos Complexos Exigem Divisão do Trabalho O desenvolvimento de um sistema aplicativo complexo normalmente exige especialização em:» Arquitetura de sistemas» Desenvolvimento de interface e design gráfico» Programação de negócios» Administração de dados» Administração de banco de dados» Programação componentes» Distribuição de aplicações e componentes» Administração de redes de comunicação» Gerenciamento de segurança Formação de pequenas equipes, em geral de 3 a 6 pessoas por tipo de especialização.

28 EAD Tópicos Especiais de MQI - Prof. Antonio Geraldo Vidal Sistemas Distribuídos Complexos Servidor do Distribuidor Cliente em casa Internet Servidor do Fornecedor Internet Rede do Distribuidor Servidor da Loja Rede do Banco Cliente em casa Servidor do Fornecedor Mainframe Regional do Banco Mainframe Principal do Banco Terminais de Caixa do Supermercado Empresas Digitais Empresa A Mobile Employees Empresa B Consumers, Partners Mobile Employees Consumers, Partners Customers Partners Suppliers Modelo para o Planejamento, Projeto e Desenvolvimento Conceitual Lógico Físico Aplicativos de usuário Fluxo de Trabalho Seqüências de páginas e formulários Páginas e Formulários Regras de Negócios Fluxo de processos de negócio Modelo de processos e regras Programas e Componentes Banco de dados Modelo de dados Esquema de banco de dados Tabelas, índices e Procedimentos Pontos vulneráveis e tipos de ataque Firewall, controle de acesso e disciplina Segurança Esquemas de defesa e autenticação EAD Tópicos Especiais de MQI - FEA/USP 28

29 Do Modelo Conceitual ao Modelo Físico Conceitual Modelo de Negócios Fluxo de Processos Fluxo de Trabalho Domínio do Problema: modelo do negócio (REGRAS) Lógico Modelo de Dados Interação de Processos Seqüência de Formulários Domínio da Solução: modelo do software (DESEMPENHO) Físico Banco de Dados Programas e Componentes Formulários e Páginas Aplicativo com Três Camadas Físicas Aplicativos com Múltiplas Camadas

30 Funcionamento de Aplicativos Web Fases Clássicas do Desenvolvimento de Aplicativos Definição de Requisitos Domínio do Problema Análise Projeto Implementação Domínio da Solução Teste Implantação Metodologia Orientada a Objetos Uma metodologia de desenvolvimento de sistemas é considerada Orientada a Objetos se ela orienta a construção de sistemas a partir do entendimento do mundo real como um conjunto de objetos de software que comunicam-se entre si de forma coordenada.

31 Paradigmas Programa Processos Classe Propriedades Dados Métodos Tradicional Objetos Objetos de Software Objetos são pacotes de software compostos por dados e procedimentos, que atuam sobre estes dados. Os procedimentos são também conhecidos como métodos e determinam o comportamento do objeto. Os dados são também conhecidos como propriedades e determinam o estado do objeto. Objeto = dado + procedimento Objeto = estado + comportamento Processo de Desenvolvimento CONCEPÇÃO Projeto Lógico (Análise Conceitual) ELABORAÇÃO Projeto Físico (Projeto de Software) Interativo e Incremental REQUISITOS Revisão de Processos de Negócio CONSTRUÇÃO Implementação (Desenvolvimento) Domínio do Problema ITERAÇÕES: Análise Projeto Implementação Teste & Ajuste Treinamento Domínio da Solução TRANSIÇÃO Teste Ajuste Treinamento

32 XML extensible Markup Language XML tem como propósito fundamental a descrição de informações. Permite colocarmos em um mesmo documento dados e metadados (a descrição destes dados). Estabelece um formato textual que pode ser facilmente entendido quando lido por uma pessoa ou por um software. Ao contrário dos formatos tradicionais, em XML os dados são armazenados com a sua descrição. Formato Tradicional Uma maneira tradicional de se transmitir dados de um sistema para outro é por meio de arquivos texto delimitados. Cada registro ocupa uma linha e cada coluna de dados é separada das outras por um delimitador. Tanto o programa que gera, como o programa que recebe e utiliza estes dados precisam conhecer o formato exato dos registros. Formato Tradicional Coluna CPF Nome Endereço Etc. Posição Neste formato, o deslocamento de uma única posição muda todo o conjunto de dados que será lido por um programa Antonio Geraldo Vidal Rua Bela Cintra José da Silva Santos Rua Tiradentes Maria Aparecida dos Santos Paiva Av. Brasil,

33 Formato XML <PESSOA> <CPF> </CPF> <NOME>Antonio Geraldo Vidal</NOME> <ENDEREÇO>Rua Bela Cintra, 2262</ENDEREÇO> <CEP> </CEP> </PESSOA> <PESSOA> <CPF> </CPF> <NOME>José da Silva Santos</NOME> <ENDEREÇO>Rua Tiradentes, 2104</ENDEREÇO> <CEP> </CEP> </PESSOA> Em XML a adição ou a remoção de elementos tem pequeno impacto sobre o software que estiver lendo as informações contidas no documento. Formato XML Por ter uma estrutura simples e bem definida, XML permite que um documento seja validado antes de ser iniciado seu processamento. XML é uma maneira simples, estruturada, flexível e precisa para se descrever informações. Na prática, XML habilita a comunicação com parceiros de negócio, de um modo que não é possível com qualquer outra tecnologia. Em sistemas para transações eletrônicas, XML permite a separação dos dados dos processos que agem sobre esses dados. Características de XML XML é uma linguagem padronizada, originalmente direcionada para o processamento de documentos. Fornece uma sintaxe que permite definir cada objeto de informação de um modo não ambíguo. Fazendo isso, pode-se capturar as informações como sendo um objeto e então processá-lo utilizando diferentes aplicativos, dependendo dos requisitos de cada contexto de negócio.

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

1.264 Aula 15. Ambientes de desenvolvimento da rede: Java Script Java Applets Java Servlets Páginas ativas de servidor

1.264 Aula 15. Ambientes de desenvolvimento da rede: Java Script Java Applets Java Servlets Páginas ativas de servidor 1.264 Aula 15 Ambientes de desenvolvimento da rede: Java Script Java Applets Java Servlets Páginas ativas de servidor Ambientes de Desenvolvimento XML e WSDL são documentos SOAP é uma extensão http UDDI

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

19/05/2009. Módulo 1

19/05/2009. Módulo 1 ASP.NET Módulo 1 Objetivo Mostrar os conceitos fundamentais da plataforma Microsoft.Net e suas ferramentas; Apresentar os conceitos fundamentais de aplicações web e seus elementos; Demonstrar de forma

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala

Programação para a Internet. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala Programação para a Internet Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr sbacala@gmail.com www.facom.ufu.br/~bacala A plataforma WEB Baseada em HTTP (RFC 2068) Protocolo simples de transferência de arquivos Sem estado

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Dificuldades no uso de Bancos de Dados

Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Desenvolvimento de Aplicações. Dificuldades no uso de Bancos de Dados Desenvolvimento de Aplicações Desenvolvimento de Aplicações Dificuldades no uso de Bancos de Dados Um leigo não sabe o que é e como funciona um BD Mesmo um profissional da área de informática pode ter

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é:

O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é: 1.264 Aula 13 XML O que é XML? A Linguagem de Marcação Extensível (Extensible Markup Language - XML) é: Uma recomendação proposta pelo World Wide Web Consortium (W3C) Um formato de arquivo Documentos eletrônicos

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Sobre entidades externas ao sistema Quais sistemas externos devem ser acessados? Como serão acessados? Há integração com o legado a ser feita?

Leia mais

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli Objetivo; Roteiro da Apresentação Visão Geral sobre Internet,

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1

Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Desenvolvimento Web TCC-00.226 Turma A-1 Conteúdo Arquitetura de Aplicações Distribuídas na Web Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2013.2/tcc-00.226

Leia mais

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação

Conceitos Web. Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011. UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação UNIJUÍ DETEC Ciência da Computação Prof. Msc. Juliano Gomes Weber (jgw@unijui.edu.br) Conceitos Web Notas de Aula Aula 13 1º Semestre - 2011 Tecnologias Web jgw@unijui.edu.br Conceitos Básicos Sistema

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Internet Internet é o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam entre si Internet não é sinônimo de WWW (World Wide

Leia mais

O sucesso da WWW. Atualização de Hiperdocumentos. Atualização de Hiperdocumentos. Cuidados. Exemplo. Passos. Motivos :

O sucesso da WWW. Atualização de Hiperdocumentos. Atualização de Hiperdocumentos. Cuidados. Exemplo. Passos. Motivos : Atualização de Hiperdocumentos Links Estrutura lógica Estruturas de apresentação Conteúdo (textual, imagens paradas, imagens em movimento e sons) Conclusões O sucesso da WWW Motivos : Facilidade de utilização

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

Fundament n os s da platafo f rm r a. NE N T André Menegassi

Fundament n os s da platafo f rm r a. NE N T André Menegassi Fundamentos da plataforma.net André Menegassi O que é o.net Framework?.NET é uma plataforma de software para desenvolvimento de aplicações que conecta informações, sistemas, pessoas e dispositivos através

Leia mais

A autoria - II. A autoria - II. Tecnologias básicas da Web. A autoria - II. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho. Tópicos:

A autoria - II. A autoria - II. Tecnologias básicas da Web. A autoria - II. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho. Tópicos: A autoria - II Tópicos: A autoria - II World Wide Web hipermídia na Internet: sítios Web: páginas de hipertexto; material multimídia; aplicativos Web: muitos tipos de tecnologias de software: scripts,

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Internet. Protocolos. Principais Serviços. E-MAIL Chat TELNET FTP. Definições Básicas

Internet. Protocolos. Principais Serviços. E-MAIL Chat TELNET FTP. Definições Básicas Internet A Internet surgiu a partir de um projeto da agência norte-americana ARPA com o objetivo de conectar os computadores dos seus departamentos de pesquisa. Essa conexão iniciou-se em 1969, entre 4

Leia mais

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCC-0263 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Principais características

Principais características .Net Framework O que é.net? Proprietário da Microsoft Versão simplificada para Linux Versão compacta para dispositivos móveis Plataforma de desenvolvimento e execução Interface com usuário, conectividade

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Componentes para Computação Distribuída

Componentes para Computação Distribuída Componentes para Computação Distribuída Conceitos Foi a partir do fenômeno da Internet (WWW), no início dos anos noventa, que a computação distribuída passou a ter relevância definitiva, a ponto de a Internet

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

Sistemas para internet e software livre

Sistemas para internet e software livre Sistemas para internet e software livre Metodologia de modelagem de aplicações WEB Image: FreeDigitalPhotos.net Domínio: Elementos de aplicação WEB Páginas Web Scripts Formulários Applets e ActiveX Motivação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

SQL. Curso Prático. Celso Henrique Poderoso de Oliveira. Novatec

SQL. Curso Prático. Celso Henrique Poderoso de Oliveira. Novatec SQL Curso Prático Celso Henrique Poderoso de Oliveira Novatec 1 Introdução Desde o início da utilização dos computadores, sabemos que um sistema é feito para aceitar entrada de dados, realizar processamentos

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Visual COBOL é a solução líder da indústria para o desenvolvimento de aplicações COBOL e implantação em sistemas Windows, Unix e Linux. Ele combina as melhores ferramentas de desenvolvimento de sua classe

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

Conteúdo Dinâmico. Introdução. Interação Browser x Servidor Web. Interação Browser x Servidor Web

Conteúdo Dinâmico. Introdução. Interação Browser x Servidor Web. Interação Browser x Servidor Web Introdução Formulários rios & Conteúdo Dinâmico Mário Antonio Meireles Teixeira Dept o. de Informática - UFMA A Web surgiu inicialmente como uma nova forma de comunicação de informações, fazendo uso de

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados LINGUAGEM SQL Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL, é uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional). Muitas das características

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition

J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition CURSO DE GRADUAÇÃO J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition Antonio Benedito Coimbra Sampaio Junior abc@unama.br OBJETIVOS DO CURSO Capacitar os alunos no desenvolvimento de aplicações para a WEB com

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

CORBA Integração com a Web

CORBA Integração com a Web CORBA Integração com a Web Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Tópicos Abordados Evolução das aplicações na Web A Object Web Principais Empresas CORBA e XML Estudo de Caso Um Sistema de Informações

Leia mais

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

ASP.NET. Guia do Desenvolvedor. Felipe Cembranelli. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br ASP.NET Guia do Desenvolvedor Felipe Cembranelli Novatec Editora www.novateceditora.com.br 1 Introdução à plataforma.net A plataforma Microsoft.NET.NET é uma nova plataforma de software para desenvolvimento

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C#

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Linguagem de Programação 3 Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Prof. Mauro Lopes 1-31 35 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net, o ambiente de desenvolvimento

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Introdução à Linguagem Java Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Breve Histórico Sun Microsystems, 90/91: projeto de uma linguagem de programação pequena que pudesse ser usada em dispositivos

Leia mais

Helder da Rocha. Criação de. Web Sites II. Servidor Web Aplicações Web Programas CGI e SSI. Rev.: CWS2-04-2000/01 A4

Helder da Rocha. Criação de. Web Sites II. Servidor Web Aplicações Web Programas CGI e SSI. Rev.: CWS2-04-2000/01 A4 Helder da Rocha Criação de Web Sites II Servidor Web Aplicações Web Programas CGI e SSI Rev.: CWS2-04-2000/01 A4 Copyright 2000 por Helder Lima Santos da Rocha. Todos os direitos reservados. Os direitos

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1 Cliente/Servidor Conceitos Gerais Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Forças de marketing que conduzem à arquitetura cliente/servidor "Cliente/Servidor é um movimento irresistível que está reformulando

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Tecnologia Web Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Tecnologia Web Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Tecnologia Web Professor Machado 1 WWW - World Wide Web Surgiu da necessidade de troca de documentos entre institutos de pesquisas. Utiliza o protocolo HTTP (HyperText

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

Extensões MIDP para Web Services

Extensões MIDP para Web Services Extensões MIDP para Web Services INF-655 Computação Móvel Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática MIDP Architecture MIDP = Mobile Information Device Profile Connection Framework HttpConnection

Leia mais

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s Dio Rafael Jacobs 1, Juliano Varella de Carvalho 1 1 Centro Universitário Feevale Instituto de Ciência Exatas e Tecnológicas Novo

Leia mais

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP Décio Jr. Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP de Décio Jr. Copyright 2001 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE Capítulo 6 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

Engenharia de Software Aplicações de Internet

Engenharia de Software Aplicações de Internet Engenharia de Software Aplicações de Internet Eduardo Santos eduardo.edusantos@gmail.com eduardo.santos@planejamento.gov.br www.softwarepublico.gov.br Histórico Por que existe a Internet? Por que existe

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

Tecnologias para Web Design

Tecnologias para Web Design Tecnologias para Web Design Introdução Conceitos básicos World Wide Web (Web) Ampla rede mundial de recursos de informação e serviços Aplicação do modelo de hipertexto na Web Site Um conjunto de informações

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais