UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ. Departamento de Economia, Contabilidade, Administração e. Secretariado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ. Departamento de Economia, Contabilidade, Administração e. Secretariado"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Departamento de Economia, Contabilidade, Administração e Secretariado ESTUDO DO PROCESSO DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO PROGRAMA ESPACIAL BRASILEIRO PARA A INDÚSTRIA NACIONAL: O CASO DO SEGMENTO VEÍCULO LANÇADOR DE SATÉLITES Paulo Remi Guimarães Santos Monografia apresentada ao Departamento de Economia, Contabilidade, Administração e Secretário Executivo da Universidade de Taubaté, como parte dos requisitos para obtenção da aprovação no Curso de MBA em Gerência de Produção e Tecnologia Taubaté SP 2001

2 2 COMISSÃO JULGADORA Data Resultado Prof. Dr. Edson Aparecida de Araújo Querido Oliveira Assinatura Prof. Dr. Francisco Cristóvão Lourenço de Melo Assinatura Prof. Dr. José Luis Gomes da Silva Assinatura

3 3 UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ Departamento de Economia, Contabilidade, Administração e Secretário Executivo ESTUDO DO PROCESSO DE TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO PROGRAMA ESPACIAL BRASILEIRO PARA A INDÚSTRIA NACIONAL: O CASO DO SEGMENTO VEÍCULO LANÇADOR DE SATÉLITES Paulo Remi Guimarães Santos Monografia apresentada ao Departamento de Economia, Contabilidade, Administração e Secretário Executivo da Universidade de Taubaté, como parte dos requisitos para obtenção da aprovação no Curso de MBA em Gerência de Produção e Tecnologia Orientador: Prof. Dr. Edson A. A. Q. Oliveira Taubaté SP 2001

4 4 Dedico este trabalho A meus pais, Alziro e Zizinha, que me deram o dom da vida, foram os meus maiores incentivadores e hoje no céu intercedem por mim. À Maria Lúcia, querida esposa e companheira, cujos silêncios foram sempre tão eloqüentes e que em momento algum deixou de me apoiar em todas as ações de minha vida. Ao Paulinho e Luiz Henrique, filhos queridos, companheiros inseparáveis e orgulhos de minha paternidade. Ao Ely, Eny, Thais, Céres e Iedi, irmãos de sangue e amigos de todas as horas.

5 5 AGRADECIMENTOS A Deus, pai misericordioso, sempre presente em minha existência. Ao Prof. Dr. Edson Aparecida Araújo Querido Oliveira, pela amizade, pela orientação segura e pelo incentivo que permitiram que eu cursasse o MBA e elaborasse essa monografia. À Profª Drª Maria Júlia Ferreira Xavier Ribeiro, pelo apoio e conselhos esclarecedores que balizaram a elaboração dessa monografia. À Profª Marina Buselli pelas orientações que me permitiram elaborar essa monografia dentro das normas vigentes. Ao estagiário Alan Kenji Shibata pelas incontáveis informações que me muito me ajudaram nas minhas constantes dificuldades com meu computador. A meus professores do curso, que ampliaram meus horizontes e me proporcionaram uma experiência fundamental para minha vida profissional. À Universidade de Taubaté, pela oportunidade profissional e pelo apoio financeiro a mim concedido sob a forma de bolsa de estudo.

6 6 SUMÁRIO GLOSSÁRIO 7 1. INTRODUÇÃO Delimitação do Estudo Relevância do Estudo Tipo de pesquisa Organização do Trabalho O PROCESSO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA O Conceito de Inovação Tecnológica A Transferência de Tecnologia O Processo Interfuncional da Inovação PARCERIAS TECNOLÓGICAS As Categorias de Parcerias Tecnológicas Os Processos de Aprendizado Os Modelos de Relacionamento Considerações sobre as Parcerias PARCERIAS DE DESTAQUE: A PRODUÇÃO DO AÇO 300M NO 44 PAÍS 4.1 O Projeto dos Envelopes Motores Evolução Histórica dos Aços Especiais Desenvolvimento do Aço 300M Considerações sobre o Desenvolvimento do Aço 300M CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 55

7 7 GLOSSÁRIO Background information: conhecimento prévio adquirido por uma das partes antes da assinatura de um contrato, o que lhe dá um maior poder de barganha nas negociações. Embargo tecnológico: meio defensivo produzido pelo Grupo dos Sete para impedir a transferência de tecnologias sensíveis para os países em desenvolvimento e para os países da antiga União Soviética, que não aderiram ao Missile Technology Control Regime. Grupo dos Sete (G-7): grupo formado pelas sete nações mais desenvolvidas: Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido, criado para fazer uma contraposição aos países da antiga União Soviética. Inovação tecnológica: processo pelo qual uma idéia ou invenção é transposta para a economia. Míssil: foguete dirigido, projetado para fins militares, dotado de uma ogiva convencional ou nuclear. MTCR (Missile Technology Control Regime): protocolo de intenções criado pelos países do G-7, para controlar a transferência de tecnologias sensíveis para os países em desenvolvimento, ou para países da antiga União Soviética, que não aderiram a esse protocolo. Programa Espacial Brasileiro: programa do Governo Brasileiro que tem como objetivo nominal o projeto, desenvolvimento, construção e colocação em órbita de um satélite brasileiro, através de um foguete lançador (o Veículo Lançador de Satélites), também nacional.

8 8 Spin-off: produto ou processo produzido como conseqüência de uma pesquisa ou desenvolvimento, que não fazia parte do objetivo principal dessa pesquisa ou desenvolvimento. Tecnologia sensível: tecnologia que pode ser usada para o desenvolvimento de qualquer artefato militar. Transferência de tecnologia: processo pelo qual um conjunto de informações, conhecimentos, técnicas, máquinas e ferramentas é transmitido de um local, de um indivíduo ou de um grupo para outro, com a finalidade de ser usada na produção ou prestação de serviço. Veículo Lançador de Satélites (VLS): foguete lançador de satélites convencional de quatro estágios, utilizando motores foguetes a propelente sólido, com capacidade de colocar satélites de 100 a 200 kg, em órbitas circulares, em altitudes de 250 a km.

9 9 SANTOS, Paulo Remi Guimarães. Estudo do processo de transferência de tecnologia do programa espacial brasileiro para a indústria nacional: o caso do segmento veículo lançador de satélites. 2001, 55 f. Monografia (MBA em Gerência de Produção e Tecnologia) Departamento de Economia, Contabilidade, Administração e Secretário Executivo, Universidade de Taubaté, Taubaté, RESUMO O processo de inovação tecnológica tem sido estudado na literatura mundial por muitos autores de renome. Dentre esses autores, alguns têm procurado definir esse processo como sendo um ciclo que envolve a invenção, a inovação e a utilização. O presente trabalho procura mostrar que a esse ciclo deve ser acrescentada a difusão, que vem a ser a própria transferência de tecnologia, resumindo a inovação tecnológica na interação de três verbos: criar, difundir e usar. Tomando como base essa proposta, o trabalho demonstra como o Projeto Veículo Lançador de Satélites do Centro Técnico Aeroespacial realizou esse processo de inovação tecnológica, ao interagir com empresas brasileiras, gerando spin-offs para a sociedade. São estudadas nove parcerias e é analisado o desenvolvimento do aço 300M, como exemplos de sucesso da interação entre um centro de pesquisa governamental com empresas privadas. Palavras-chave: inovação tecnológica, transferência de tecnologia, Veículo Lançador de Satélites, Programa Espacial Brasileiro, integração universidade/ centro de pesquisas/empresas, spin-offs.

10 10 1 INTRODUÇÃO O início da pesquisa espacial brasileira remonta ao ano de 1961, quando o Presidente Jânio Quadros criou o Grupo de Organização da Comissão Nacional de Atividades Espaciais (GOCNAE) subordinado ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) na época chamado de Conselho Nacional de Pesquisa - com o propósito de sugerir a política e o programa de envolvimento do Brasil em pesquisas espaciais. Esse Grupo instalou-se no Centro Técnico Aeroespacial, na época denominado Centro Técnico da Aeronáutica, em São José dos Campos e iniciou suas atividades com equipamentos cedidos pela National Aeronautical and Space Administration (NASA) e pesquisadores militares e civis do Ministério da Aeronáutica. Mais tarde o Ministério da Aeronáutica criou o Grupo de Trabalho e de Estudos de Projetos Espaciais (GETEPE) a quem coube projetar e construir o Campo de Lançamento de Foguetes da Barreira do Inferno em 1965, em Natall, Rio Grande do Norte. Em 1971 foi criada a Comissão Brasileira de Atividades Espaciais (COBAE), ligada ao Estado-Maior das Forças Armadas, que tinha como objetivo assessorar e orientar a política governamental no setor espacial. No início da década de 1980 foi criada a Missão Espacial Completa Brasileira (MECB). De acordo com Oliveira e Santos (2000, p. 31): A MECB, primeira denominação do Programa Espacial Brasileiro, teve por objetivo nominal o projeto, o desenvolvimento, a construção e a colocação em órbita de um satélite brasileiro, através de um foguete lançador também nacional. Assim, o Programa foi dividido em diversos segmentos. O projeto, o desenvolvimento e a construção do satélite, bem como do sistema solo associado, e mais a integração, testes e a operação do mesmo ficou a cargo do Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE), órgão de P&D do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). Atividades semelhantes em relação ao Veículo Lançador de Satélites

11 11 (VLS) e ao Segmento Solo ficaram sob responsabilidade do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), do Centro Técnico Aeroespacial (CTA), órgão de P&D do Ministério da Aeronáutica. Nos seus primórdios, o Programa Espacial Brasileiro contou com o apoio da NASA e com a participação de vários países, destacando-se a França e a Alemanha. No entanto, por volta da primeira metade da década de 1980, essa cooperação internacional foi diminuindo por causa da pressão norte-americana, que temia sua possível implicação militar, até tornar-se um verdadeiro embargo tecnológico a partir de 1987, quando foi criado o Missile Technology Control Regime MTCR (Regime de Controle de Tecnologia dos Mísseis) pelo Grupo dos Sete (G-7). Santos (1999, p. 120) faz uma análise interessante do MTCR e do papel dos Estados Unidos nesse protocolo: Seus membros, liderados pelos Estados Unidos, decidiram por em prática diretrizes restritivas aos processos de exportação de itens direta ou indiretamente relacionados a mísseis. A preocupação maior que motivou o G-7 à criação de tais regras foi a de reduzir, ou mesmo eliminar, a proliferação de mísseis com capacidade para transportar cargas superiores a 500 kg a distâncias maiores que 300 km. O MTCR é um regime que funciona informalmente e os países membros comprometem-se a desenvolver um sistema de exportação que iniba, ou mesmo elimine, a possibilidade de transferência de itens sensíveis a países que tenham intenções de desenvolver mísseis, como os indicados acima. Acompanha as diretrizes do MTCR uma lista de matérias-primas, tecnologias e equipamentos utilizados, direta ou indiretamente em programas missilísticos. Atualmente, e unilateralmente, os EUA estão, à semelhança do que ocorre no Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares, fazendo grande distinção entre os países que dominam e os que não dominam integralmente a tecnologia espacial e, como conseqüência, impondo, direta ou indiretamente, restrições aos programas dos países

12 12 emergentes, contrariando a filosofia de criação e as diretrizes do Regime. As razões do comportamento americano são muito mais de cunho estratégico-industriais-comerciais do que estratégico-militares, muito embora insistam em afirmar que a preocupação deles é com a proliferação de armas de destruição em massa e seus vetores. Esse embargo atrasou significativamente o cronograma de implantação do VLS, e forçou o CTA a procurar parceiros nacionais para o desenvolvimento das tecnologias que, no planejamento inicial, seriam advindas do exterior, pois o Projeto VLS previa, uma grande cooperação com vários países desenvolvidos, por meio da compra de equipamentos, componentes e materiais necessários ao seu desenvolvimento. Com a ocorrência do embargo internacional, o CTA ficou numa situação difícil e precisou reescalonar o cronograma do Projeto, planejando o desenvolvimento e fabricação no país dos itens embargados. Por essa razão, o Centro teve que passar por um aprendizado tecnológico de longo amadurecimento e com diversificadas etapas de capacitação nos campos do desenho técnico, cálculos de trajetória, propulsão, estruturas metálicas, estruturas em material conjugado, aerodinâmica, instrumentação, eletrônica, controle de vôo, química de propelentes, proteções térmicas, controle de qualidade, ensaios, rastreamento, lançamento de foguetes, operação de campos de lançamentos, projetos de instalações de apoio, projetos de equipamentos sofisticados, entre muitas outras atividades. Para resolver esses problemas, o CTA procurou parcerias na Indústria Nacional, através de empresas, que aceitaram o desafio de desenvolver e posteriormente fabricar os itens necessários. Esse trabalho trouxe, para o CTA, experiência no processo de transferência de tecnologia e permitiu um crescimento na indústria nacional, criando capacidade para fabricação de itens com alto conteúdo tecnológico. Essa capacitação trouxe como conseqüência a aplicação dos conhecimentos adquiridos em outros ramos da economia, beneficiando toda a sociedade brasileira. De fato, como argumentam Oliveira e Santos (2000, p. 30):

13 13 Os benefícios indiretos da aplicação da tecnologia espacial, em outros setores da economia, têm se mostrado muito importantes, em decorrência de os sistemas espaciais exigirem capacitação tecnológica de qualidade em várias áreas tecnológicas. Entretanto, o desenvolvimento de capacitação tecnológica para o setor espacial é lento e dispendioso e seus resultados, baseados na experiência internacional, só são obtidos e consolidados a longo prazo. Finalmente, talvez, a mais importante contribuição da atividade espacial seja o acréscimo da cultura tecnológica advindo da formação e especialização técnica e científica dos recursos humanos em todos os níveis da indústria necessariamente envolvidos em programas dessa natureza. Nota-se que esse fator, que trouxe um prejuízo significativo ao Projeto VLS, traduzindo-se em anos de atraso no cronograma e no dispêndio de recursos financeiros não previstos, proporcionou, por outro lado, a evolução de um processo de transferência de tecnologia de um centro de pesquisa para a indústria privada. A análise de como as tecnologias necessárias ao Projeto VLS foram desenvolvidas com parceiros brasileiros e especialmente o estudo da efetivação da transferência dessas tecnologias para o parque industrial brasileiro, são os objetivos deste trabalho. 1.1 Delimitação do Estudo O problema proposto será estudado a partir do momento em que foi criada a MECB (1978), até 1997 (ano em que foi lançado, sem sucesso, o primeiro protótipo do foguete). Será feita uma análise do conceito de inovação tecnológica e conseqüentemente do processo de transferência. Será discutido, a seguir, o conceito de parceria tecnológica e analisados os tipos de parcerias conduzidas pelo CTA com empresas brasileiras.

14 Relevância do Estudo As parcerias com empresas nacionais trouxeram para o parque industrial brasileiro um cabedal de conhecimento tecnológico que posteriormente foi incorporado a outros setores da economia, transformando-se nos spin-offs do Programa Espacial. Segundo Teracine (1999, p. 63): O termo spin-off é freqüentemente entendido como uma definição de casos nos quais as tecnologias, desenvolvidas no contexto dos programas espaciais, são usadas em atividades fora desse setor. Tecnologias espaciais são então transferidas, e permitem às empresas receptoras se beneficiarem, ajudando-as as projetar e vender novos produtos ou serviços, ou modificar seus processos de produção, afim de melhorar sua eficiência. Esses efeitos se espalhando por toda a economia, através da venda de bens e serviços, compra de licenças, cópias, documentos técnicos ou científicos, e assim por diante, constituem-se na base do que é comumente chamado de efeitos econômicos de longo prazo dos programas espaciais. Num sentido muito mais amplo, o termo spin-off cobre todas as maneiras pelas quais aquilo que foi aprendido por uma firma durante uma atividade, no caso o programa espacial, é usado por ela própria, ou por outra organização, noutro contexto. Dessa maneira o spin-off não fica restrito à transferência de tecnologia, podendo ser também considerados como spin-offs, a introdução de novos métodos de gerenciamento, a mudança de estruturas organizacionais, o fortalecimento da colaboração entre empresas, o uso daquilo feito em aplicações espaciais, como uma referência de marketing, a melhoria do nível de competência dos empregados, etc. Os spin-offs assim caracterizados constituem-se nos efeitos econômicos indiretos das atividades espaciais. Sob esse mesmo aspecto Boscov (1996, p. 26) enfatiza o aparecimento de vários produtos que foram desenvolvidos para a produção de

15 15 lançadores nos países desenvolvidos, especialmente nos Estados Unidos, e que se constituíram em aplicações no dia a dia do cidadão comum: - Materiais carbonosos para altas temperaturas, que hoje são utilizados como isolantes nas centrais nucleares para geração de energia elétrica assim como nos discos de freios de todos os aviões militares, comerciais de grande porte e nos carros de Fórmula 1 de todas as escuderias; - Teflon, onde se exige mínimo de atrito e capacidade de vedação, utilizado correntemente em uso industrial e doméstico; - Roupas para altas temperaturas, em vários setores industriais, assim como roupas para proteção na produção e manuseio de produtos químicos de alta toxidade; - Camada anti-reflexão, para televisores e óculos para proteção solar; - Microchips para múltiplas aplicações. Hoje com 7 milhões de transistors, devendo passar brevemente para 14 milhões; - Materiais compósitos de baixo peso e alta resistência, em fios/tecidos de kevlar, para coletes à prova de balas e blindagem de carros fortes; - Materiais compósitos em tecido de carbono, cada vez mais presentes em partes estruturais de aviões e carros de Fórmula 1; - Aços de ultra-alta-resistência, utilizados correntemente para blindagens, grandes eixos, trens de pouso para aviões e helicópteros; - Camadas protetoras de plasmas de íons; - Velcro, utilizado no fechamento de roupas, embalagens protetoras, calçados, suporte para folhas abrasivas; - Resinas polibutadiênicas, para indústria de calçados e espumas de borracha; - Materiais nobres produzidos nas condições de microgravidade; Mais uma vez é bom lembrar que todos estes materiais foram inicialmente desenvolvidos para uso específico dos sistemas espaciais, e que, por efeito boomerang, acabaram encontrando aplicações na própria Terra, origem do desenvolvimento dos mesmos.

16 16 Da mesma maneira, o Programa Espacial Brasileiro contribuiu para introduzir no parque industrial do país processos e produtos que foram colocados à disposição da sociedade. É evidente que esses spin-offs são, ainda, poucos, mas já vão se tornando realidade. Por essa razão, é importante proceder-se ao estudo de como essas tecnologias, desenvolvidas para um fim espacial, foram transferidas para o setor privado, pois, em sua grande maioria, elas foram bem sucedidas. São exemplos claros do relacionamento, com sucesso, do instituto de pesquisa com a empresa privada, que teve tantas tentativas fracassadas em nosso país. 1.3 Tipo de Pesquisa Será feita uma pesquisa bibliográfica, analisando-se os livros e artigos publicados sobre inovação tecnológica e transferência de tecnologia. Serão avaliados os trabalhos publicados sobre o Programa Espacial Brasileiro e os contratos de cooperação técnica e transferência de tecnologia firmados entre o CTA e empresas brasileiras, para o desenvolvimento do Veículo Lançador de Satélites. Finalmente, serão realizadas entrevistas com os pesquisadores do CTA que trabalham no Projeto VLS e que conhecem a história do seu desenvolvimento. 1.4 Organização do Trabalho O trabalho será iniciado com uma revisão do processo de inovação tecnológica e conseqüentemente da transferência de tecnologia, onde será apresentado um modelo de inovação elaborado pelo autor. Serão, também analisados os conceitos dos principais processos de aprendizagem propostos por Lemos (2000, p. 168), quais sejam: o learning-by-searching, o learning-by-doing, o learning-by-using e o learning-by-interacting. Serão analisadas, a seguir, as parcerias tecnológicas do CTA com empresas brasileiras, utilizando-se uma divisão em categorias elaborada

17 17 por Lastres (1995, p. 12). Nesse capítulo serão, também, apresentados seis exemplos de parcerias bem sucedidas no desenvolvimento do Projeto VLS, enquadradas dentro dos processos de aprendizagem citados anteriormente. Finalmente, no último capítulo será analisado o desenvolvimento do aço 300M, que pode ser considerado um marco no relacionamento centro de pesquisa/empresa, pois envolveu a atuação conjunta do CTA com as empresas ELETROMETAL (hoje VILLARES), USIMINAS, ACESITA e WOTAN, perseguindo um único objetivo.

18 18 2 O PROCESSO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Muito se tem discutido, atualmente, sobre a natureza e as características da inovação tecnológica, objetivando conhecer o papel que ela desempenha na economia. Para se entender sua influência no desenvolvimento do Projeto VLS, é importante entender o seu conceito, o conceito de transferência de tecnologia e o processo interfuncional da inovação. Por essa razão, pretendese fazer nesse capítulo uma revisão do processo da inovação tecnológica, mostrando como esse processo foi empregado pelo Projeto VLS. 2.1 O Conceito de Inovação Tecnológica Um dos principais fatores que compõem a inovação tecnológica é a tecnologia, que segundo Valeriano (1998, p. 29) é o conjunto ordenado de conhecimentos científicos, técnicos, empíricos e intuitivos empregados no desenvolvimento, na produção, na comercialização e na utilização de bens ou serviços. Pode-se inferir dessa citação, que para se ter um conjunto ordenado de conhecimentos é necessário gerar o conhecimento, de onde se conclui que a tecnologia pressupõe a geração do conhecimento e, a seguir, a sua ordenação. Segundo Davenport e Prusak (1999, p. 70): Uma forma costumeira de se gerar o conhecimento numa organização é formar unidades ou grupos para essa determinada finalidade. Departamentos de pesquisa e desenvolvimento são o exemplo-padrão. Seu objetivo é fazer surgir conhecimento novo novas formas de se fazerem as coisas. A interação tecnologia-p&d-conhecimento é confirmada por Valeriano (1998 p. 13), ao afirmar que pesquisa é a busca sistematizada de conhecimentos científicos ou tecnológicos, conforme ela se situe na área da ciência ou da tecnologia. Quando se faz, pois, pesquisa, busca-se o

19 19 conhecimento, que, como conseqüência, dá origem à tecnologia. Continuando, Valeriano (1998, p. 29) diz que: Cada tecnologia que surge para competir e substituir uma outra passa por períodos de evolução e sucumbe ao término de sua vida útil. São ciclos que se sucedem continuamente, cada um encerrando a vida do predecessor, para mais adiante, ceder a vez a seu substituto. O ciclo completo desta evolução comporta três fases: invenção, inovação e utilização. que serão analisadas separadamente Invenção Valeriano (1998, p. 29) afirma que: a invenção é a centelha inicial, seja ela um conceito ou uma concepção, um esboço ou um modelo de um novo produto, processo, serviço. Ou até mesmo um considerável melhoramento daqueles já existentes. Edosomwan (1989, p. 3) esclarece ainda mais esse conceito, ao dizer que: Invenção pode ser definida como a criação de uma nova idéia para um produto, processo ou serviço. Invenção é uma nova combinação de um conhecimento pré-existente que satisfaz um determinado desejo. Quando uma empresa produz um novo bem ou serviço ou usa um novo método ou input, a empresa produz uma mudança técnica. A primeira empresa a fazer uma determinada mudança técnica pode ser vista como a inventora e sua ação como invenção. Pode-se ver, pois, que o primeiro passo para se chegar a uma invenção é o da concepção ou criação. Criar algo novo, ou criar um novo método ou input, ou, ainda, criar uma nova combinação de um conhecimento pré-existente. Ou seja, assim como a tecnologia pressupõe, no seu sentido

20 20 mais amplo, a pesquisa, a invenção pressupõe a necessidade da pesquisa tecnológica, que, como se sabe é a pesquisa que visa a resultados objetivos. Roman e Puett Juniorr (1983, p. 250) estendem um pouco o conceito de invenção ao afirmarem que invenção envolve a demonstração de uma nova idéia técnica por meio do projeto, desenvolvimento e teste de um exemplo de trabalho, que pode ser um processo, um produto ou um dispositivo. É interessante notar que, aparentemente, Roman e Puett Junior. (1983, p. 250) dão maior ênfase ao processo de demonstração do que ao processo de criação. No entanto, eles enfatizam, mais adiante, que: Uma distinção muito mais simples entre a invenção e a inovação se resume aos verbos conceber e usar. Invenção envolve a concepção de uma idéia, enquanto que inovação é o uso, de onde a idéia ou invenção é direcionada para a economia Inovação Chega-se, então, ao conceito de inovação, que segundo Valeriano (1998, p. 29): É o processo pelo qual uma idéia ou invenção é transposta para a economia, ou seja, ela percorre o trajeto que vai desde esta idéia, fazendo uso de tecnologias existentes ou buscadas para tanto, até criar o novo produto, processo ou serviço e colocá-lo em disponibilidade para o consumo ou uso. Analisando essa definição, pode-se ver que o processo de inovação divide-se em duas partes: - o uso de tecnologias existentes, que pressupõe o conhecimento prévio, ou seja da informação, e - ou buscadas para tanto, que pressupõe a criação, ou seja, necessidade da pesquisa tecnológica.

21 21 Essa dualidade, conhecimento e criação é enfatizada por Maciel (1999, p. 9), quando afirma que a inovação é considerada, na sua acepção mais geral como introdução de conhecimento novo ou de novas combinações de conhecimentos existentes. A dualidade fica mais clara, ainda, quando Maciel (1999, p.10) destaca que: o sucesso, portanto, depende menos dos insumos materiais do que do conhecimento (informação) e da inventividade (criação). Por outro lado, Roman e Puett Junior. (1983, p. 250) enfatizam a importância da invenção no processo ao afirmarem que: A invenção é uma área separada e distinta da inovação, mas deve ser lembrado que a invenção é freqüentemente o prelúdio da inovação, que é, primariamente, um processo de conversão que leva à utilização. Essa postura é, também, assumida por Betz (apud EDOSOMWAN, 1989, p. 4) ao afirmar que a invenção tecnológica é o primeiro passo na inovação tecnológica Utilização O ciclo se fecha com o conceito de utilização que, de acordo com Valeriano (1998, p. 29): completa o processo pela introdução do produto ou serviço na economia, até que ele seja suplantado por outro, oriundo do ciclo que vai substituí-lo. Roman e Puett Junior (1983, p. 161) enfatizam que: A utilização da tecnologia segue a transferência da informação. A informação pode ser derivada como uma conseqüência da atividade direcionada pelo governo ou pela indústria privada. O conhecimento produzido pode ser convertido em produtos, processos ou serviços seja no setor público, seja no setor privado. É também possível que haja uma aplicação horizontal ou secundária da tecnologia. A tecnologia inicialmente desenvolvida para uma missão específica pode ser subseqüentemente modificada e usada em outras situações. A

22 22 utilização se estende além da transferência da informação porque ela é a aplicação da tecnologia à criação de um produto ou serviço adequado ao mercado. Na mesma página esses autores apresentam uma relação das possibilidades para a existência da utilização, da qual foram tiradas as mais importantes: Organização e agrupamento dos resultados da P&D; Disseminação da informação; Identificação da necessidade e avaliação da tecnologia aplicável. Essa fase identifica possíveis usuários e requisitos tecnológicos de adoção; Correlação da necessidade com a tecnologia existente, com a participação do usuário; Análise do custo/benefício; Avaliação do mercado para verificar a utilização final; e Coordenação dos fornecedores e usuários no que se refere ao uso e características do suprimento Uma das preocupações do CTA, durante o Projeto VLS, foi tornar as tecnologias, desenvolvidas internamente, acessíveis às empresas brasileiras, ou seja, o processo de utilização para um determinado produto ou processo foi sempre adequado à capacidade produtiva da empresa receptora. Deve ser salientado, também, que um dos itens acima relacionados refere-se à disseminação da informação, que vem a ser na realidade a difusão da tecnologia, que, a nosso ver, é o ponto focal do processo de transferência de tecnologia, que será estudado a seguir.

23 A Transferência de Tecnologia Para se chegar ao processo da transferência de tecnologia um novo conceito deve ser, pois, introduzido, qual seja o conceito de difusão da tecnologia. Segundo Roman e Puett Junior (1983, p. 250): A difusão pode ocorrer em uma das seguintes maneiras: diretamente pelas pessoas, pela literatura, pela participação em congressos e trocando informações, pela compra direta de bens e serviços e por meio do licenciamento, franchising, co-produção, consórcios tecnológicos ou investimento direto. Pode e deve, também, ocorrer a difusão por meio do registro de patentes que normalmente são geradas durante a inovação tecnológica. A geração de patentes é um processo que é altamente valorizado no países desenvolvidos, mas que no Brasil, infelizmente, é relegado a um segundo plano. É importante salientar que Roman e Puett Jr. (1983, p. 159) afirmam, também, que: Freqüentemente o conhecimento e a informação saindo de um ambiente direcionado para uma aplicação específica pode ser aplicado para situações semelhantes em outros ambientes com ou sem modificações ou podem ser usados em aplicações relacionadas. Isso é transferência de tecnologia. A mudança tecnológica é ocasionada por um ciclo de invenção, inovação e difusão. A invenção envolve o desenvolvimento da idéia e do conhecimento; a inovação é a conversão do conhecimento para um produto ou processo úteis; a difusão é a aplicação final. Para razões de referência os termos transferência de tecnologia e difusão são usados como sinônimos (grifo nosso). Depreende-se, pois, que há uma ligação tão estreita da difusão com a transferência de tecnologia, que esses conceitos se misturam e que, de acordo com esse autores, o modelo proposto por Valeriano (1998, p. 29), para

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

PROGRAMA ESPACIAL BRASILEIRO. Camila Maria Sitko (ICV-UNICENTRO), Eduardo Vicentini (Orientador), e- mail: camilasitko@yahoo.com.br.

PROGRAMA ESPACIAL BRASILEIRO. Camila Maria Sitko (ICV-UNICENTRO), Eduardo Vicentini (Orientador), e- mail: camilasitko@yahoo.com.br. PROGRAMA ESPACIAL BRASILEIRO Camila Maria Sitko (ICV-UNICENTRO), Eduardo Vicentini (Orientador), e- mail: camilasitko@yahoo.com.br. Universidade Estadual do Centro-Oeste, Setor de Ciências Exatas e de

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO 1 Paulo Bastos Tigre Professor titular Instituto de Economia da UFRJ Seminário Implementando uma cultura de inovação em P&D. São Paulo, 8 julho 2010 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO Conceitos de inovação

Leia mais

A TECNOLOGIA DE PROPULSÃO LÍQUIDA NO BRASIL

A TECNOLOGIA DE PROPULSÃO LÍQUIDA NO BRASIL A TECNOLOGIA DE PROPULSÃO LÍQUIDA NO BRASIL Victor Magno Gomes Paula, graduando em Engenharia Elétrica pela UFJF. Membro do Centro de Pesquisas Estratégicas Paulino Soares de Sousa, da UFJF. victor.magno@engenharia.ufjf.br

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Tecnologia e Inovação

Tecnologia e Inovação Painel 1 Tecnologia e Inovação Tadeu Pissinati Sant Anna Rio de Janeiro, 24 de agosto de 2010 Sumário I. Conceitos de Tecnologia e Inovação II. A inovação tecnológica no Brasil I. Conceitos 1) Tecnologia

Leia mais

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller

VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia. Angela Uller VII Encontro de Propriedade Intelectual e Comercialização de Tecnologia Angela Uller P&D Invenção Saber C&T Descoberta Conhecimento Um dos maiores problemas para se tratar da Inovação, seja para o estabelecimento

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL Departamento de Planejamento, Pesquisa e Desenvolvimento - DPD Diretoria de Engenharia 1 ÍNDICE 1 PÚBLICO ALVO... 3 2 FINALIDADE...3 3 FUNDAMENTOS...

Leia mais

Feito em Paris, em 27 de novembro de 1997, em dois exemplares, nas línguas portuguesa e francesa, sendo ambos os textos igualmente autênticos.

Feito em Paris, em 27 de novembro de 1997, em dois exemplares, nas línguas portuguesa e francesa, sendo ambos os textos igualmente autênticos. ACORDO-QUADRO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA FRANCESA SOBRE A COOPERAÇÃO NA PESQUISA E NOS USOS DO ESPAÇO EXTERIOR PARA FINS PACÍFICOS O Governo da República

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 34

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 34 CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 34 TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA AMBIENTALMENTE SAUDÁVEL, COOPERAÇÃO E FORTALECIMENTO INSTITUCIONAL INTRODUÇÃO 34.1. As tecnologias

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO LEI Nº 3095, de 17 de Novembro de 2006 DISPÕE sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo no âmbito do Estado do Amazonas, e dá outras providências O GOVERNADOR

Leia mais

Fornecer inovação usando uma estratégia padronizada de PLM O Teamcenter e o NX aumentam a produtividade e contribuem para o sucesso da missão

Fornecer inovação usando uma estratégia padronizada de PLM O Teamcenter e o NX aumentam a produtividade e contribuem para o sucesso da missão Fornecer inovação usando uma estratégia padronizada de PLM O Teamcenter e o NX aumentam a produtividade e contribuem para o sucesso da missão AT K Siemens PLM Software www.siemens.com/plm Desafios comerciais

Leia mais

Profº Rodrigo Legrazie

Profº Rodrigo Legrazie Profº Rodrigo Legrazie Tecnologia Conceito: é a área que estuda, investiga as técnicas utilizadas em diversas áreas de produção Teoria geral e estudos especializados sobre procedimentos, instrumentos e

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I julho 2009 Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política de P&D+I Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Política

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis

O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol. Florianópolis O entendimento e os benefícios de aplicação da Lei Federal de Inovação Tecnol ológica Florianópolis polis,, 02 de abril de 2008. 1 CRONOLOGIA OS TRABALHOS: 1. Indicativos do quadro brasileiro de inovação;

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação

Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Síntese Dinamizando Sistemas Nacionais De Inovação Overview Dynamising National Innovation Systems As Sínteses constituem-se em excertos de publicações da OCDE. Elas são disponíveis livremente na biblioteca

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

Competitividade e Capacitação Tecnológica para Pequena e Média Empresa. Parte II: Tecnologia e Capacitação

Competitividade e Capacitação Tecnológica para Pequena e Média Empresa. Parte II: Tecnologia e Capacitação Capítulo do livro "Competitividade e Capacitação Tecnológica" publicado pela Editora Casa da Qualidade. Reproduzido com a autorização da editora. 1995 Todos os direitos reservados. www.casadaqualidade.com.br

Leia mais

Identificação do questionário. 02 - Data da coleta: / / Identificação da empresa. Informações adicionais. 04 - E-mail do entrevistado:

Identificação do questionário. 02 - Data da coleta: / / Identificação da empresa. Informações adicionais. 04 - E-mail do entrevistado: IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PESQUISA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 005 PROPÓSITO DA PESQUISA - As informações fornecidas por sua empresa

Leia mais

A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ

A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA NA UFS: UMA INVESTIGAÇÃO A PARTIR DO DIRETÓRIO DOS GRUPOS DE PESQUISA DO CNPQ Felipe Andrade Martins (UFS) felipe.amartins@yahoo.com.br

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

CERIMÔNIA DO 44º ANIVERSÁRIO DO INPE CACHOEIRA PAULISTA. Cachoeira Paulista, 30 de setembro de 2014. Leonel Fernando Perondi

CERIMÔNIA DO 44º ANIVERSÁRIO DO INPE CACHOEIRA PAULISTA. Cachoeira Paulista, 30 de setembro de 2014. Leonel Fernando Perondi CERIMÔNIA DO 44º ANIVERSÁRIO DO INPE CACHOEIRA PAULISTA Cachoeira Paulista, 30 de setembro de 2014 Leonel Fernando Perondi Bom dia. É um privilégio estar aqui, na qualidade de diretor do INPE, celebrando

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL

6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL 6. PLANO DE ARTICULAÇÃO INSTITUCIONAL O processo de implantação do Plano de Articulação Institucional (PAI) foi objeto de releitura, a partir da emissão do Ofício 02001.009795/2013-60 GABIN/PRESI/IBAMA,

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell

ESTRATÉGIAS DE NÍVEL EMPRESARIAL. Administração Estratégica Conceitos. Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Administração Estratégica Conceitos Autores Peter Wright Mark J. Kroll John Parnell Alternativas Estratégicas É a estratégia que a alta administração formula para toda a empresa. Reestruturação Empresarial

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP/MS DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS E TECNOLOGIAS PARA A SAÚDE INOVA SAÚDE EQUIPAMENTOS MÉDICOS - 02/2013 Modelo de Plano

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PESQUISA E DESENVOLVIMENTO ICA 80-10 PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO 2013 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

CNPq. Editais 2002. Chamada de Propostas/Projetos CIAM 10/2002. Colaboração Interamericana em Materiais - CIAM

CNPq. Editais 2002. Chamada de Propostas/Projetos CIAM 10/2002. Colaboração Interamericana em Materiais - CIAM CNPq Editais 2002 Chamada de Propostas/Projetos CIAM 10/2002 Colaboração Interamericana em Materiais - CIAM Prazo para submissão de propostas encerrado em 15/10/2002 1- Introdução O Conselho Nacional de

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB Anexo(5), da Port nº 26/2011, da SecCTM MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB 1 PROPÓSITO Estabelecer orientações

Leia mais

PLANO DE AÇÃO Nº 2 LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM GOVERNO

PLANO DE AÇÃO Nº 2 LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM GOVERNO PLANO DE AÇÃO Nº 2 LABORATÓRIO DE INOVAÇÃO EM GOVERNO 1 I. CONTEXTUALIZAÇÃO O presente documento detalha o Plano de Trabalho 2013/2015 do CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM, e se enquadra dentre as Ações

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DOS OBJETIVOS Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT)

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

Melhorias da Infraestrutura

Melhorias da Infraestrutura Melhorias da Infraestrutura Refino Papel e Celulose Energia Fóssil Processos Químicos Processos Industriais Conversão De Resíduos Em Energia www.azz.com/wsi Fornecedora de soluções e serviços completos

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade

Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade Inovação, Conhecimento & Sustentabilidade José Renato S. Santiago Júnior Para Pensar a Respeito... A Inovação tem se tornado um dos principais fatores de geração de riqueza e valor das organizações; Atualmente

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 34, DE 19 DE JULHO DE 2001

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 34, DE 19 DE JULHO DE 2001 FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 34, DE 19 DE JULHO DE 2001 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR - CAPES, no uso das

Leia mais

Financiamento de Projetos para a Inovação

Financiamento de Projetos para a Inovação GESTÃO Financiamento de Projetos para a Inovação Objetivos da Aula Conhecer sobre o financiamento de projetos de pesquisa aplicada; Conhecer a dinâmica do processo de elaboração de projetos de pesquisa

Leia mais

Fusão & Aquisição para uma Vantagem Competitiva Melhores Práticas

Fusão & Aquisição para uma Vantagem Competitiva Melhores Práticas Competitiva Melhores Práticas A consolidação e a convergência estão intensificando a concretização de operações de - FA (tradicionalmente conhecidas como MA mergers and acquisitions) considerada uma das

Leia mais

Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney

Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney Disciplina: Recursos e Tecnologia Prof.: Sidney 1 A inovação pode ocorrer em diferentes modalidades: A introdução de novos produtos ou de melhorias substanciais em produtos existentes na produção de bens

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO

A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO A ORGANIZAÇÃO E A SISTEMATIZAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 1. A Pesquisa e a pós-graduação A pesquisa sistematizada na PUCPR proporcionou uma sinergia significativa com as atividades de ensino. Um resultado inicial

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: Grupo Gestor. Organização Para Cópias

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: Grupo Gestor. Organização Para Cópias Referência: CPA-002-2006 Versão: 2.0 Status: Ativo Data: 24/maio/2006 Natureza: Aberto Número de páginas: 26 Origem: Revisado por: Aprovado por: GEOPI Grupo Gestor xxx Título: Orientações gerais aos Grupos

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC

GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC GESTÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TECNOLOGIA INPI/DIRTEC/CGTEC 1 INTRODUÇÃO APRESENTAÇÃO Contexto do módulo Gestão e Comercialização de Tecnologia Serviços de apoio da DIRTEC/CGTEC Perspectivas de análise da

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010

DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010 DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010 Autoriza o Poder Executivo Estadual adotar medidas de incentivo à inovação tecnológica no Estado de Mato Grosso do Sul e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000

PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000 SECRETARIA NACIONAL DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS SNAI DIRETÓRIO NACIONAL DO PT PROGRAMA: QUALIDADE AMBIENTAL - ISO 14000 GESTÃO: MUNICÍPIO: FICHA DE IDENTIFICAÇÃO U.F.: 1995-1998 DF GOVERNADOR: Cristovam

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

GESTÃO DE DESIGN PARA O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS

GESTÃO DE DESIGN PARA O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS GESTÃO DE DESIGN PARA O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS Diogo de Hercule Analista de Negócios em Design SENAI Edson Augusto Lopes Analista de Negócios - SENAI Atualmente, as indústrias de móveis e estofados

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

PALESTRA. Aplicação da Norma IEEE 829 como Mecanismo de Gerência do Processo de Teste de Produtos de Software. CenPRA

PALESTRA. Aplicação da Norma IEEE 829 como Mecanismo de Gerência do Processo de Teste de Produtos de Software. CenPRA PALESTRA Aplicação da Norma IEEE 829 como Mecanismo de Gerência do Processo de Teste de Produtos de Software Centro de Pesquisas Renato Archer Laboratório de Qualidade de Processos de Software - LQPS www.cenpra.gov.br

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO ASSISTÊNCIA TÉCNICA - HARDWARE E SOFTWARE 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

2. As Empresas. Conteúdo

2. As Empresas. Conteúdo 2. As Empresas Conteúdo 1. Empresas 2. Características das Empresas 3. Rápida História das Organizações 4. Categoria de Empresas 5. Empresas Como Sistema Abertos 6. O Alinhamento Organizacional 7. Os Recursos

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo dos Estados Unidos da América (doravante denominados as Partes ),

O Governo da República Federativa do Brasil e O Governo dos Estados Unidos da América (doravante denominados as Partes ), ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA SOBRE SALVAGUARDAS TECNOLÓGICAS RELACIONADAS À PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA NOS LANÇAMENTOS

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos o Processo sistemático o Análise e resposta aos riscos do projeto o Minimizar as consequências dos eventos negativos o Aumento dos eventos positivos Gerenciamento de Riscos o Principais

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Projetos de desenvolvimento sustentável no Brasil : o caso do Programa Piloto

Projetos de desenvolvimento sustentável no Brasil : o caso do Programa Piloto Projetos de desenvolvimento sustentável no Brasil : o caso do Programa Piloto Desde 1987, após a publicação do relatório da Comissão das Nações Unidas para o Me i o Ambiente e o Desenvolvimento, o termo

Leia mais

O que é e como encontrar uma oportunidade?

O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS É mais fácil perceber uma carência ou uma necessidade do que uma oportunidade.

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Campus de Francisco Beltrão Estágio Supervisionado em Administração Formulário de Roteiro do Diagnóstico Organizacional Seqüência das partes

Leia mais

POR UMA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE DEFESA

POR UMA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE DEFESA 02 DE SETEMBRO DE 2011 DEPARTAMENTO DA INDÚSTRIA DA DEFESA ANÁLISE COMDEFESA Nº 003/2011 POR UMA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE DEFESA A alteração da Lei de Licitações (8.666/93) de acordo com a

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 Estabelece as diretrizes da Política Institucional de Propriedade Intelectual, Transferência de Tecnologia e Inovação da UEFS e dá outras providências. O Reitor da Universidade

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 13 de outubro de 2010 EXTRA Nº 2 OUTUBRO INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 385, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. Institui, no âmbito do IPEA,

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL I. CONTEXTO RETIFICADO Nos anos 90 e início dos 2000, diversas cidades brasileiras e latino-americanas lançaram-se em ações internacionais, prática

Leia mais

INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE

INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE Núcleo de Inovação Tecnológica REPITTec INFORMAÇÕES DO FORMULÁRIO ON-LINE Pedido Nº 5272/2005 1. INSTITUIÇÃO PROPONENTE DE VINCULO DO COORDENADOR DA PROPOSTA Instituição: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União.

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011 Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições,

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada Aumento de produtividade em plantas de uréia através aumento de capacidade e melhoria de confiabilidade quanto a resistência a corrosão COMO A NOVA TECNOLOGIA AJUDA OS FABRICANTES A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE

Leia mais

2. Gerenciamento de projetos

2. Gerenciamento de projetos 2. Gerenciamento de projetos Este capítulo contém conceitos e definições gerais sobre gerenciamento de projetos, assim como as principais características e funções relevantes reconhecidas como úteis em

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

6 Relacionamentos na cadeia de suprimentos

6 Relacionamentos na cadeia de suprimentos 6 Relacionamentos na cadeia de suprimentos 6.1 Relacionamentos no canal Os relacionamentos entre distintos membros de uma cadeia de suprimentos sugerem um alto grau de complexidade e fonte quase sempre

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA RESOLUÇÃO CS nº xx/2009 REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA RESOLVE: O Conselho Superior do Instituto Federal Farroupilha,

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

Administração de Materiais e Logística

Administração de Materiais e Logística Administração de Materiais e Logística Com abordagem a Supply Chain Scorecard Prof. Me Clesio L. Landini Jr. - 2012 - Dedicatória Aos meus alunos, a mola propulsora para a realização desta obra; Aos meus

Leia mais