Coordenação Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Chaired by Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Projecto financiado pelo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coordenação Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Chaired by Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Projecto financiado pelo"

Transcrição

1 O Licenciado Médico em Portugal Core Graduates Learning Outcomes Project 2005 Coordenação Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Chaired by Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Ensino Superior Project financed by Ministério da Ciência e Ensino Superior

2 O Licenciado Médico em Portugal Core Graduates Learning Outcomes Project 2005 Coordenação Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Chaired by Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Ensino Superior Project financed by Ministério da Ciência e Ensino Superior

3 Título Title O Licenciado Médico em Portugal Core Graduates Learning Outcomes Project Editor, Proprietário e Endereço Publisher, Owner and Address Faculdade de Medicina de Lisboa Av. Professor Egas Moniz Lisboa - Portugal Telefone: Fax: Internet: Coordenação Chaired by Prof. Doutor Rui Manuel Victorino Faculdade de Medicina de Lisboa Carol Jollie MBA, BA (Hons) Reino Unido Judy McKimm MBA, MA (Ed), BA (Hons) Reino Unido Execução Gráfica Print Data Date Tiragem Edition Editorial do Ministério da Educação Estrada de Mem Martins, 4 São Carlos Apartado Mem Martins Portugal Telefone: Fax: Internet: Julho July Exemplares Units ISSN Depósito Legal n.º /05 Projecto desenvolvido ao abrigo do Contrato de Desenvolvimento para a promoção da qualidade dos cursos de licenciatura em Medicina, assinado em 7 de Dezembro de 2001 pelos Ministérios da Educação, da Saúde e da Ciência e Tecnologia e Universidade de Lisboa.

4 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 140/98, de 19 de Novembro, relativa à reforma do ensino nas áreas da saúde estabeleceu, desde o início, que o projecto só se justifica se para ele forem estabelecidas metas verdadeiramente exigentes em termos da sua qualidade científica, pedagógica e de gestão, quer interna, quer no que diz respeito às relações com as unidades de saúde em que se apoie para o seu ensino. Por essa razão, as questões da qualidade sempre foram uma preocupação do Grupo de Missão, preocupação a que se associaram todas as Faculdades de Medicina ao acolherem positivamente a ideia de avançar com um conjunto de iniciativas em torno da promoção da qualidade, cada uma liderada por uma das escolas. À Faculdade de Medicina de Lisboa coube liderar o projecto das Competências Nucleares do Licenciado em Medicina que agora chega à sua conclusão com a publicação do relatório final. Numa fase em que a implementação do processo de Bolonha se centra, de forma crescente, na definição das competências inerentes às várias licenciaturas, as Faculdades de Medicina asseguram a clara liderança do processo nesta matéria e dão assim um exemplo às outras escolas. Mas o presente exercício mostra algo que é, também, um exemplo para o ensino superior Português: as Escolas de Medicina, ao longo deste processo, iniciado pela Resolução 140/98, aprenderam a trabalhar em conjunto para bem do ensino da Medicina em Portugal, embora respeitando as especificidades próprias de cada uma. Por esta razão quero felicitar vivamente a Faculdade de Medicina de Lisboa e todos os que se envolveram neste projecto pelo êxito conseguido e manifestar o meu orgulho como universitário por estar associado a este trabalho exemplar. Muito obrigado a todos. Lisboa, 27 de Junho de Professor Doutor Alberto Amaral Presidente do Centro de Investigação de Políticas do Ensino Superior (CIPES) Fundação das Universidades Portuguesas 3

5

6 A formação dos Médicos deve ser uma prioridade das sociedades desenvolvidas, pois é essencial para a saúde e bem-estar das populações. A sua concretização exige recursos amplos e diversificados, impõe períodos prolongados de educação científica e profissional e a Sociedade espera e exige do Médico, competência e actualização permanente dos conhecimentos, isto é, aprendizagem contínua, para a vida. Poucas profissões têm este percurso de exigência, pessoal e institucional e as Sociedades, cada vez mais, exigem confirmação da competência profissional dos médicos que as servem. Por todas estas razões, a problemática do ensino da Medicina mudou, prolongando-se para além do período de formação pré-graduada, tradicionalmente considerada como o múnus tradicional das escolas médicas, devendo abranger, também, a educação pós- -graduada e a formação permanente dos Médicos, designada por Educação Médica Continuada ou Desenvolvimento Profissional Continuado. O ensino da Medicina deve, pois, ser equacionado nestas três dimensões, pelo que, a intervenção das Faculdades não pode, nem deve, esgotar-se no período pré-graduado. O documento que agora se publica, sob a responsabilidade da FML, materializa esforço pluri-institucional de reflexão sobre o Ensino Médico e expressa uma preocupação social: definir o perfil ideal do licenciado médico e o conjunto de conhecimentos e competências considerados essenciais para o seu desenvolvimento ulterior, como Pessoa e como Médico útil aos doentes e à Sociedade. Este projecto empreendido pelas escolas médicas portuguesas, cuja finalidade foi a definição de parâmetros objectivos essenciais à renovação do ensino médico em Portugal, marca um ponto de viragem decisivo, traduzindo uma política de diálogo e cooperação institucional, ao serviço da comunidade nacional. A Medicina moderna é uma Ciência, porventura a mais jovem de todas, como o referiu Lewis Thomas, requer a percepção da globalidade do ser humano doente, na sua dimensão pessoal, física, espiritual e familiar e não pode ser indiferente ao componente social. Por isso a educação dum Médico é complexa; não pode ser apenas a 5

7 aprendizagem de gestos e atitudes que lhe permitam prática profissional. Requer cultura, sem o que a sua compreensão do indivíduo doente será sempre limitada; formação científica sólida, sem o que não dominará as razões da sua actuação e não poderá progredir e inovar; impõe sentido ético e moral e interesse pelo próximo, sem o que não poderá apreender e viver o espírito de serviço que deve ser o paradigma da sua profissão. A prossecução destes objectivos, indispensáveis na Educação Médica moderna, impõe necessidades e responsabilidades, o que configura novo figurino de estruturação nas Escolas Médicas, que, doutro modo, ficarão diminuídas na sua capacidade de actuação. Capacidade científica e competência clínica são atributos essenciais para o jovem licenciado em Medicina, e essenciais para o desenvolvimento da Medicina em Portugal e para o seu exercício responsável. O Tempo induziu mudanças e novos desafios obrigando a que se alargue o espaço de ensino, recrutando intervenção pedagógica diversificada com recurso à capacidade clínica instalada, de que a organização do 3.º e 6.º anos foram exemplo. O paradigma do Hospital Universitário, com as suas clínicas, único e ao serviço da Educação Médica, já não é suficiente; é preciso ir ao encontro da capacidade assistencial existente, seleccionando e incorporando outras unidades, identificadas pela qualidade do serviço clínico prestado, constituindo-se como um todo, como um verdadeiro Centro Académico. É fundamental que se reconheça, na prática, a importância da dimensão académica e do fomento da investigação clínica para o sucesso das políticas de Saúde, e para a formação do jovem licenciado em Medicina. Esse reconhecimento impõe visão nova e mudança no acesso à formação pós-graduada e na sua estrutura actual, estática e indiferente aos novos desenvolvimentos da ciência e prática médicas, para que possa haver tempo para o desenvolvimento desta dimensão científica. Este é um desafio actual que não permite adiamentos, nem se compadece com políticas sem clarividência e visão de futuro, e que a globalização e o projecto europeu, no qual participamos, impõem. Reconhecimento da qualidade da formação e certificação da competência profissional são atributos indispensáveis à circulação de profissionais, configuram dever social de accountability o qual constitui um dos alicerces do projecto europeu que abraçámos como Nação. 6

8 Este documento que agora se publica sob a orientação do Prof. Rui Victorino, integra-se nesse esforço colectivo de empenhamento e mudança que as Escolas Médicas portuguesas assumiram com elevado sentido de responsabilidade social. É preciso que tenham continuidade e consequência, nomeadamente na reformulação da Educação Pós-Graduada e na sua organização, missão que urge completar. Só assim se cumprirão os verdadeiros objectivos deste empreendimento conjunto das Escolas Médicas portuguesas, ao serviço do desenvolvimento e do progresso da Medicina em Portugal. Lisboa, 20 de Junho de Professor Doutor José Fernandes e Fernandes Director da Faculdade de Medicina de Lisboa 7

9

10 Preâmbulo A Importância de Definir as Competências Nucleares do Licenciado em Medicina O impulso para a modernização curricular O documento agora apresentado explicita eixos orientadores definidos pelo grupo das Faculdades Portuguesas com ensino médico, liderado pela Faculdade Medicina de Lisboa, no enquadramento determinado pelo Programa de Desenvolvimento para a Promoção da Qualidade do Ensino Médico na Universidade de Lisboa 1. A adaptação do modelo e conteúdos da educação médica a uma perspectiva de transição (na dependência de factores sociais, culturais, económicos e tecnológicos), tornou-se mais premente na última década do século anterior. Todavia, a dinâmica para a mudança resultante da insatisfação pelos modelos educacionais desenquadrados das novas exigências em cuidados de saúde, a par com o aporte de novos conhecimentos biomédicos tem sido uma constante desde a segunda metade do século XVIII. As recomendações formuladas no relatório Flexner 2, foram o ponto de partida para uma profunda modificação nos objectivos e conteúdos do ensino médico, ao fazer anteceder a aprendizagem clínica de um período de preparação sistemática em ciências fundamentais, constituintes de um sector impulsionador da pesquisa científica e que também contribuíam para uma matriz institucional (adequada e acreditada à formação e investigação médica) de nível universitário. A Declaração de Edimburgo 3, emanada do 1.º Congresso Mundial sobre Educação Médica, definiu por amplo consenso as normas educacionais, os objectivos formativos e as condições estruturais determinantes para a modernização da educação médica e formação profissional a nível planetário. Como é sabido, o Governo Português e as Faculdades de Medicina Portuguesas aderiram de imediato àquele movimento, acolhendo meses mais tarde a primeira reunião regional organizada na Europa subsequente àquele congresso sob a designação de Iniciativa de Lisboa 4. 1 O Programa de Desenvolvimento foi celebrado em 7 de Dezembro de 2001, entre os Ministros da Educação, Ciência e Tecnologia e da Saúde e o Reitor da Universidade de Lisboa. 2 Flexner A. Medical Education in the United Sates and Canada. A Report to the Carnegie Foundation for the Advancement of Teaching, Bulletin nº (reprodução de 1960). 3 The Edinburg Declaration - Med. Educ. 1988; 22: Ministerial Consultation for Europe - Med. Educ. 1989; 23:205. 9

11 Entretanto, também nos Estados Unidos era sentida a necessidade de novos processos de formação médica. O relatório de The Robert Wood Johnson Foundation Commission on Medical Education: The Sciences of Medical Practices começou a ser preparado em Fevereiro de 1990, sendo divulgado dois anos depois 5. As recomendações contidas reflectiam o sentir das escolas médicas norte-americanas quanto às medidas indispensáveis a serem tomadas para uma prática clínica reforçada pelos conhecimentos e perspectivas da nova biologia, que então começava a despontar como paradigma, sob a designação de medicina molecular. Adicionalmente, havia que induzir uma renovada ênfase na prevenção em saúde, através da incorporação ou reforço das ciências de comportamento, sociais, comunicação e epidemiologia clínica. Existia a convicção de que aquelas alterações adicionais, a serem concretizadas, constituiriam apenas o início de um período de transição de duração imprevisível. Os novos conhecimentos, práticos e tecnológicos, a inserir num contexto socio-económico igualmente sob modificação acelerada, criariam continuadas exigências para a renovação da educação médica pré-graduada e, não menos importante, para uma progressiva actualização educacional na pós-graduação, visando o desenvolvimento profissional continuado. Naquelas recomendações, antevia-se que o ensino médico viria a ser não só presencial mas também aberto aos sítios exteriores onde estivessem o aluno ou o médico interessados. A aprendizagem por meios electrónicos à distância (e-learning) justificava-se como uma peça importante, a completar ou a ser completada pela telemedicina, como forma de rentabilizar saberes, experiências e recursos tecnológicos junto das comunidades médicas periféricas mais carenciadas. A contrapor à aprendizagem de conhecimentos dissociados, com recurso quase exclusivo à memorização e não relacionadas com a evolução científica contemporânea, que eram de uso comum nas escolas médicas até aos anos 80 do passado século 6, e também à sucessiva fragmentação da investigação e da prática clínica em especialidades e sub-especialidades, tornava-se indispensável uma planificação integradora e coerente que distinguisse o que deve ser ensinado, e como 7,8. 5 Medical Education in Transition - Report of the Robert Wood Johnson Foundation Commission on Medical Transition: The Science of Medical Practice, Robert Q. Mason e Roseann M. Jones (eds), The Robert Wood Foundation, Princeton, N.Y Ludmerer K.M. Time to Heal: American medical education from the turn of the century to the era of managed care, Oxford Univ. Press, N.Y., Spaulding W.B. Revitalizing Medical Education. Mc Master Medical School. The Early Years , B.C. Decker Inc. Hamilton Tosteson D.C., Adelstein S.J., Carver S.T. New Pathways to Medical Education, Harvard Univ. Press, Boston

12 A impregnação científica do curso de medicina, com base nos conhecimentos e potencialidades interventivas da medicina molecular seria o caminho adequado para a modernização da educação médica e para uma prática clínica mais eficaz e esperançosa. Naquele propósito, haveria que dotar cada instituição de capacidades para assegurar um processo regular de avaliação da qualidade do ensino e dos resultados dele obtidos. Actualmente é indiscutível a importância da auto-avaliação e da avaliação exterior de cursos de medicina e das instituições que a leccionam. É de prever que idênticos procedimentos venham a tomar consistência no âmbito da formação pós-graduada e, também, da formação médica contínua. O crescente empenhamento dos governos na definição das políticas de saúde, com base em indicadores de risco, estabelecimento de prioridades na investigação e directivas promotoras de uma vida mais saudável, revela que o assunto está a merecer a devida atenção 9, 10, 11. Por seu lado, também é patente um movimento global da educação médica no sentido de acompanhar e, sobretudo, prever as alterações que inevitavelmente vão verificar-se nas doenças, nas tecnologias de aplicação médica, nos apoios socio-económicos na realidade dos contextos clínicos em que os profissionais de saúde terão de actuar num futuro próximo 12, 13. É parte intrínseca do acto médico que o clínico estabeleça o diagnóstico e o prognóstico, institua terapêuticas adequadas e, também, que promova a saúde e recomende medidas preventivas aos pacientes que o consultam. Para desenvolver com eficácia e responsabilidade aquelas actividades, o clínico tem de adquirir formação específica sobre um conjunto de matérias teóricas e práticas, comportamentos e atitudes. Os conhecimentos científicos aplicados à medicina terão de ser progressivamente integrados num todo coerente e enquadrados numa perspectiva probabilística, 9 Life Sciences and Health Challengers, Susan Raymond (ed), N.Y. Acad. Sci. N.Y., Vilaverde Cabral M., Alcântara da Silva P., Mendes H. - Saúde e Doença em Portugal. Imprensa da Ciências Sociais, Lisboa. 11 For Better Health in Europe, Paulo Ferrinho, Margarida Bugalho, José Pereira Miguel (eds), Fund. Merck Sharp & Dohme, Oeiras, Medical Education in Europe, Jan de Koning, Niki Linders, Frans Smolders, Sjoert Willemstein (eds), Med-Net, EU-Socrates Programme, 1998 Lille, 1999 Maastricht. 13 Garcia-Barbero M. Medical education in the light of the World Health Organization Healthy for All strategy and the European Union. Med. Educ. 1995; 29:

13 que possibilite a definição da prevalência, da incidência e do prognóstico das doenças, dê suporte às opções tomadas, à avaliação dos resultados terapêuticos e fundamente as medidas preventivas da doença e de promoção da saúde. Uma parte substancial das actividades clínicas actuais não dispensa a utilização corrente dos meios informáticos, através de computador pessoal. A gestão da informação disponível e adequada para a interpretação das situações e acompanhamento individualizado de cada doente, a contextualização da prática clínica a nível institucional e global, o incremento dos procedimentos com suporte na designada medicina da evidência, as exigências do trabalho em equipa e a interacção com outros profissionais para partilha de esclarecimento de assuntos científicos ou técnicos, deixou de ser virtualmente possível sem o recurso à informática. Por conseguinte, a familiarização com as novas tecnologias é actualmente parte indispensável da aprendizagem dos conhecimentos científicos requeridos para o acompanhamento regular da prática clínica. A propósito, é de destacar a crescente importância e apoio que a OCDE tem concedido à disseminação das novas tecnologias de ensino à distância a nível da comunidade europeia 14. Por isso, será de prever que a futura geração dos estudantes de medicina apresente capacidades e hábitos de aprendizagem e-learning muito superiores às das actuais gerações, o que assegurará uma intercomunicação de conceitos e práticas mais consentâneas às exigências médicas do futuro. A eficiência com que decorre a formação médica constitui uma prioridade natural das escolas médicas. Para reforço daquele propósito tem sido recomendada a inclusão de procedimentos no âmbito da pedagogia e da psicologia da aprendizagem. Embora o recurso àquelas técnicas seja ainda globalmente reduzido, em grande parte atribuída à resistência dos docentes a outras metodologias que não sejam as que lhe confere a experiência profissional, é um facto que o que se ensina deve ser avaliado por métodos consentâneos. Considerando que a medicina actual baseia a sua eficácia na capacidade que os seus profissionais têm em resolver problemas, quer o ensino quer a avaliação dos conhecimentos deverão ser orientados por objectivos e problemas concretos. Deste modo, a tradicional e exaustiva memorização das matérias, bem como a utilização de exames com perguntas de escolha-múltipla são exemplos redutores e insatisfatórios. Acresce que o ensino, nas suas virtualidades de comunicação e respectivo suporte técnico, será substancialmente muito valorizado se, e quando, os 14 Education Policy Analysis, OECD,

14 docentes também obtiverem formação de formadores, e as instituições promoverem estudos e programas exploratórios para a modernização dos processos de ensino, preferencialmente orientados para as necessidades concretas da prática profissional. No seguimento daquelas apreciações e recomendações internacionais referidas, um número crescente de instituições de ensino médico optou pelo modelo de ensino- -aprendizagem centralizado no aluno em lugar do docente, e as aulas teóricas magistrais foram preteridas por aulas com um reduzido número de alunos sob a orientação de um docente, para aprendizagem por resolução de problemas. Nesta última modalidade está prevista a iniciação precoce do aluno em situações de natureza clínica, quer teórica quer prática, a desenvolver recorrentemente ao longo do curso. É promovida a crescente interacção e integração de problemas e matérias, de modo a que os conhecimentos das ciências básicas sejam orientados para uma aplicação clínica e, quando no contexto clínico, as soluções adequadas também façam uso dos conceitos básicos e biomédicos. Entretanto, não se justificará que a educação clínica continue confinada aos hospitais terciários e, por conseguinte, ao doente acamado ou que frequenta as respectivas consultas externas. Aqueles doentes representam, em geral, situações clínicas agudas ou especiais, que raramente serão atendidas na clínica diária em ambulatório. Por conseguinte, a aprendizagem médica deveria ser reforçada a nível de centros de saúde, hospitais distritais, hospícios e outros locais de prestação de cuidados de saúde na comunidade, habitualmente frequentados por doentes com afecções mais comuns, doenças crónicas ou situações de degenerescência e dependência, com acompanhamento em meio não-hospitalar. Formação médica por objectivos Por influência das recomendações emanadas em 1993 pelo General Medical Council (GMC), as escolas médicas do Reino Unido decidiram introduzir modificações profundas no respectivo programa curricular 15, 16, 17. Fundamentalmente, aquelas modificações visavam corresponder aos requisitos discriminados no Tomorrow s Doctors, para 15 Tomorrow Doctors, General Medical Council, The New Doctor, General Medical Council, Association for the Study of Medical Education ( Delivering the New Doctor ),

15 uma prática profissional exigente e de acordo com as necessidades específicas em cuidados de saúde. O programa educacional sugerido naquela publicação do GMC incluia um núcleo curricular obrigatório, a ser completado por uma componente optativa, conforme o modelo que havia sido proposto dois anos antes pelo Kings Fund Centre 18. Era também proposto que a transmissão/aquisição da informação factual leccionada desse lugar a uma metodologia de ensino-aprendizagem baseada em problemas clínicos, integrando vários domínios do conhecimento; o programa deveria ser orientado por objectivos globais e específicos ao longo do curso, perspectivando os conhecimentos, competências e atitudes a alcançar pelos futuros licenciados; por fim, o último ano do curso seria organizado como prática clínica integral, a decorrer durante um ano, em duas áreas fundamentais (Medicina e Cirurgia) ou, em alternativa, também em duas áreas optativas. Por enquanto, continuam por definir os conteúdos do núcleo curricular. Pelo contrário, o ano de estágio final (pre-registration house officer) reuniu consenso global, em grande parte por haver concordância quanto a objectivos educacionais a atingir no termo da licenciatura e, não menos importante, devido ao estágio ser uma etapa exigível para ingresso na carreira médica do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido. A definição e a explicitação clara do que o médico deve saber, saber fazer e como comportar-se perante o doente e a comunidade, constitui um passo essencial para a estruturação de um programa curricular por objectivos e resultados a atingir, com metodologia apropriada, a ser dinamizada por formadores conhecedores e treinados. Aquela dinâmica para um modelo educacional por objectivos orientado para as necessidades da prática clínica, tem reunido também aceitação internacional 19, 20, 21, 22. A expansão do espaço europeu a um número crescente de países tem sido acompanhada por medidas que possibilitam a partilha, a mobilidade e a empregabilidade dos seus cidadãos nos diversos países integrantes. A União Europeia, através de uma comissão especializada para a formação médica, procurou definir os padrões em educação médica que fossem aceitáveis e compatíveis com aquela mobilidade, e que 18 Towle A. Critical thinking: the Future of Undergraduate Medical Education, Kings Fund Centre, London, Association of the American Medical College (AAMC). Report 1: Learning objectives for medical student education. Guidelines for Medical Schools, AAMC, Washington, AMEE Education Guide, nº 14, AMEE, Dundee Harden R.M. Developments in outcome-based education. Med. Teacher 2002; 24: Newble D, Stark P., Bax N., Lawson M. Developing and outcome focused core curriculum. Med. Educ. 2005; 39:

16 possibilitassem a comparação de instituições de diferentes países e avaliar a qualidade dos seus programas educacionais 23. De momento, as directivas comunitárias ainda estão restringidas ao processo e aos conteúdos dos programas educacionais, não especificando os objectivos e resultados finais a atingir 24. A renovação do currículo médico em Portugal Na sequência da Iniciativa de Lisboa, o Governo Português constituiu a Comissão Interministerial para a Revisão do Ensino Médico (CIREM) 25, que recebeu a incumbência de definir os principais objectivos globais para um novo programa curricular da pré-graduação médica, em sua articulação com a fase de pós-graduação. Entre outras recomendações, a CIREM, então coordenada pelo Prof. Doutor Artur Torres Pereira, propôs a definição de um estágio clínico profissionalizante com a duração de 15 meses, a realizar no 6.º ano do curso, o qual se destinaria também a substituir o período do Internato Geral. Aquelas recomendações foram aprovadas, sendo decidido iniciar o novo programa curricular a partir do ano lectivo de para o 1.º ano do curso, deixando às Faculdades o trabalho de redefinirem domínios, conteúdos, metodologias e a estrutura funcional daquela pretendida reformulação. Tive o privilégio de acompanhar os estudos para o novo programa curricular, primeiro como sub-director ( ) e depois da jubilação do Prof. Torres Pereira, como director da FML. Desde o princípio foi admitido não haver condições (estruturais, financeiras) nem recursos humanos que possibilitassem uma modificação radical do modelo educacional tradicional que era seguido na FML, aproximando-o da estrutura recomendada pela Declaração de Edimburgo. Em alternativa foi delineado um modelo híbrido, que deixava em aberto a introdução das inovações à medida que houvesse oportunidade e meios para o fazer. As modificações mais determinantes consistiam na redistribuição dos conteúdos educacionais pelos cinco primeiros anos do curso, de 23 European Economic Community Advisory Committee on Medical Training. Recommendations for undergraduate medical education. Brussels III/F/5127/3/92, Leinster S. Standards in medical education in the European Union. Med. Teacher 2003; 25: Criada por despacho conjunto 26/ME/89 e 82/ME/89de 18 de Março e 22 de Maio, dos Ministérios da Educação e da Saúde, respectivamente, Diário da República, II Série n.º 65 e n.º

17 modo a adaptar o 6.º ano a estágio clínico, tendo como objectivo global a formação do médico pluripotencial. O programa passou a incluir um núcleo curricular obrigatório e dezenas de actividades optativas para complemento do total de créditos do curso. O recurso à transmissão e recolha de informação por meios informáticos foi fortemente incentivada. A integração de actividades científicas a serem realizadas pelos alunos foi outra medida válida. Por fim, o 6.º ano como estágio clínico foi planificado por uma comissão interna 26, de acordo com as recomendações da CIREM, e tendo como orientação genérica o modelo desenvolvido pelo GMC no Reino Unido 15. Simultaneamente, foram definidas listagens de objectivos cognitivos, desempenhos clínicos, comportamentos e atitudes, que constituiriam a orientação global para a formação médica por objectivos explícitos, no que houve particular influência do programa desenvolvido pelas escolas médicas holandesas 27. Por enquanto, o modelo por objectivos educacionais utilizado pela FML restringe-se ao estágio clínico, que vigora desde Com o decorrer dos anos e pela experiência obtida, verificou-se haver necessidade de modificar alguns dos objectivos formativos, determinantes da competência nuclear de cada valência do estágio. Esta perspectiva justificou a participação da FML, como líder de um grupo de cinco outras faculdades de medicina estrangeiras (da Espanha, Hungria, Reino Unido e Alemanha), no âmbito do programa Leonardo da Vinci 28, em que o objectivo comum consistia no desenvolvimento do estágio clínico com base no programa da FML, que já incluiu algumas alterações. Entretanto, com a colaboração das restantes Faculdades Portuguesas com ensino médico, foi possibilitado um estudo aprofundado das competências nucleares do futuro licenciado em medicina. O relatório final que substancia o presente documento constitui um passo importante no trajecto iniciado há uma década e que, não obstante as omissões e dificuldades encontradas, reflecte a vontade expressa das instituições em contribuírem para a efectiva modernização da formação médica e, por conseguinte, também para uma prestação de cuidados de saúde de qualidade em Portugal. 26 Comissão de Reflexão sobre os Objectivos, Desempenhos e Atitudes Curriculares (CRODAC), Blueprint 1994: training of doctor in The Netherlands (JCM Metz, GBA Stollinge, EH Pels-Rijaken-Van Erp Taalman Kip, BWM van den Brand-Valkenburg), University of Nijmegen, The Netherlands, Mandatory Training Period: Guidelines for a New Approach. 1 6

18 Agradecimentos A colaboração aberta e construtiva dos colegas que representaram as Instituições Portuguesas de ensino médico justifica o nosso particular reconhecimento. Igualmente agradecemos às senhoras Carol Jollie e Judy McKimm, consultoras do projecto, pela qualidade das suas intervenções e pela síntese conseguida a partir de todos os contributos institucionais. Lisboa, 24 de Maio de Professor Doutor João Martins e Silva Director da Faculdade de Medicina de Lisboa de

19

20 Índice Secção 1. Introdução Secção 2. Fundamentação Secção 3. Filosofia subjacente ao projecto, finalidades e objectivos da educação médica pré-graduada 3.1 Filosofia subjacente ao projecto 3.2 Finalidade geral 3.3 Objectivos Secção 4. Competências nucleares a serem adquiridas no termo da educação médica pré-graduada 4.1 Conhecimentos Ciências Básicas Tradicionais Ciências Clínicas Epidemiologia, Bioestatística e Saúde da População Humanidades, História da Medicina, Ética e Direito 4.2 Atitudes e comportamentos profissionais Atributos Pessoais Relações Profissionais Relação com a Sociedade e Sistema de Prestação de Cuidados de Saúde 4.3 Aptidões clínicas e procedimentos práticos História Clínica Exame Físico Diagnóstico Plano de Gestão Tratamento Referenciação 4.4 Aptidões interpessoais de comunicação 4.5 Aptidões gerais 4.6 Problemas / situações clínicas que se prevê que os licenciados venham a encontrar e sejam capazes de gerir Secção 5. Ensino, Aprendizagem e Avaliação 5.1 Desenvolvimento e estrutura do curriculum 5.2 Ensino, métodos de aprendizagem e contexto de aprendizagem clínica 5.3 Avaliação da aprendizagem

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003 A justificação da proposta de orçamento da Faculdade de Ciências Médicas para 2003 começava com uma nota introdutória na qual se reforçava de novo,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2004 1. Apreciação Global A existência de um Contrato de Desenvolvimento para a Medicina, celebrado entre a UNL e o Governo, em Dezembro de 2001, permitiu

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Código IMP.EM.EE.37_00. Ano Lectivo: 2014/2015 I. PREÂMBULO

Código IMP.EM.EE.37_00. Ano Lectivo: 2014/2015 I. PREÂMBULO Ano Lectivo: 2014/2015 I. PREÂMBULO A Escola Superior de Saúde Egas Moniz (ESSEM), tutelada pela Egas Moniz Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L., foi criada pelo decreto-lei 381/99 de 22 de Setembro,

Leia mais

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Ensilis - Educação E Formação Sa A.1.a.

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / /

Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões. Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Universidade Autónoma de Lisboa Luís de Camões REGULAMENTO GERAL DE CURSOS NÃO CONFERENTES DE GRAU Aprovado na reunião do Conselho Científico de / / Lisboa 2007 2 Regulamento Geral de Cursos não Conferentes

Leia mais

Carta de Princípios de Coimbra

Carta de Princípios de Coimbra Carta de Princípios de Coimbra Ficou concluído em Novembro de 2008, durante o Congresso Nacional de Oncologia, um processo que se iniciou em Abril de 2006, numa reunião promovida em Coimbra sob o impulso

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS João Vinagre Santos A ESTBarreiro/IPS Criação em Julho de 1999, pelo Ministro da Educação Prof. Marçal Grilo 4ª Escola do IPS, 2ª Escola de Tecnologia, 1ª Escola

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CELEIRÓS Educação Especial Manual de Procedimentos e Documentos Grupo de Educação Especial: Carla Ricardo Torres Isabel Barros Vilaça Lúcia Marques Silva Marta Isabel Rosas Setembro

Leia mais

Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada

Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada Articulação Formação Graduada - Formação Pós-Graduada Uma proposta de reflexão para o Conselho Académico da Universidade do Minho António Sérgio Pouzada Moisés Martins Cândida Lucas Dolores Cabral Jorge

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor)

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) 1. Introdução A dor é uma perceção pessoal que surge num cérebro consciente, tipicamente em resposta a um estímulo nóxico provocatório,

Leia mais

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 Eixos longitudinais, conteúdos e objetivos cognitivos psicomotores Eixos transversais, objetivos Per. 1º Ano eixo integrador: O CORPO HUMANO CH INT. COMUM. HAB.

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Health Management Future

Health Management Future 2012 Health Management Future COM O PATROCÍNIO DE O grupo BIAL tem como missão desenvolver, encontrar e fornecer novas soluções terapêuticas na área da Saúde. Fundado em 1924, ao longo dos anos BIAL conquistou

Leia mais

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1

MEDICINA. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 MEDICINA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: MEDICINA Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

- Critérios- 1. Introdução. 2. Procedimentos da Prova de Discussão Curricular

- Critérios- 1. Introdução. 2. Procedimentos da Prova de Discussão Curricular Avaliação Final do Internato Médico de Medicina Geral e Familiar - Critérios- 1. Introdução O presente documento tem como finalidade dotar os júris constituídos para a Avaliação Final do Internato Médico

Leia mais

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE)

MEDICINA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE MEDICINA (SÍNTESE) PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE (SÍNTESE) Ao longo de mais de cinco décadas, a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) estruturou um ambiente acadêmico intelectualmente rico

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Projecto de Rede Temática AEHESIS

Projecto de Rede Temática AEHESIS Projecto de Rede Temática AEHESIS Aligning a European Higher Education Structure In Sport Science Relatório do Terceiro Ano - Resumo - (translated by the Polytechnique Institute of Santarem, Escola Superior

Leia mais

4928-(5) c) Os n. os 3.1 e 3.2 do anexo III.B (mestrados); d) O n.º 1 do anexo III.C (ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre).

4928-(5) c) Os n. os 3.1 e 3.2 do anexo III.B (mestrados); d) O n.º 1 do anexo III.C (ciclo de estudos integrado conducente ao grau de mestre). N.º 65 31 de Março de 2006 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 4928-(5) Despacho n. o 7287-B/2006 (2. a série). O regime jurídico dos graus académicos e diplomas do ensino superior prevê que os estabelecimentos

Leia mais

ANEXO I. Composição da Comissão Científica Internacional (Medicina)

ANEXO I. Composição da Comissão Científica Internacional (Medicina) ANEXO I Composição da Comissão Científica Internacional (Medicina) - Professor Sir Colin Berry, Queen, Mary and Westfield College, University of London - Professor António Campos, Faculdade de Medicina

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA PROPOSTA DE DIRETRIZES CURRICULARES 1 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL 1.1. Perfil Comum: Farmacêutico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva.

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior

UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior UEM: Desafios e perspectivas na implementação do Sistema Nacional de Avaliação, Acreditação e Garantia de Qualidade do Ensino Superior Autores: Maida Abdulssatar Khan, Eduardo Chiziane, Luisa Santos e

Leia mais

Em seguida, prestam-se breves esclarecimentos sobre algumas questões frequentes sobre o acordo mencionado acima:

Em seguida, prestam-se breves esclarecimentos sobre algumas questões frequentes sobre o acordo mencionado acima: Acordo Ibérico entre Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário (CESPU) e Universidade Alfonso X El Sabio de Madrid permite o ingresso de alunos licenciados em Ciências Biomédicas pela

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

3-7 Novembro 2014, Lisboa

3-7 Novembro 2014, Lisboa Curso Instrutor de Reabilitação Cardíaca fase 4 British Association for Cardiovascular Prevention and Rehabilitation (BACPR) 3-7 Novembro 2014, Lisboa Área(s) de Formação: 726- Terapia e Reabilitação Unidades

Leia mais

Orientações para a reforma do sistema de ensino superior em Portugal

Orientações para a reforma do sistema de ensino superior em Portugal Orientações para a reforma do sistema de ensino superior em Portugal Intervenção do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, José Mariano Gago, no Conselho Nacional de Educação 13 de Fevereiro

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO

A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO A EXIGÊNCIA DE FORMAÇÃO CONTÍNUA COMO GARANTIA DE QUALIDADE E DE SUSTENTABILIDADE DA PROFISSÃO (Nota: Esta Comunicação foi amputada, de forma Subtil, de cerca 700 caracteres por imposição da organização

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO A criação de um sistema integrado de gestão da qualidade para as instituições de ensino superior resulta das melhores

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E

M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E M O D E L O E U R O P E U D E C U R R I C U L U M V I T A E INFORMAÇÃO PESSOAL Nome Morada Correio electrónico Telefone 96 6257803 Nacionalidade Portuguesa Data de nascimento 08/ 06/1976 EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Leia mais

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Algarve A.1.a.

Leia mais

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA PROJECTO DE MELHORIA CONTÍNUA SABER CUIDAR UM DIREITO CANTANHEDE, Janeiro de 2011 HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

Suplemento ao Diploma

Suplemento ao Diploma Suplemento ao Diploma 1. Informação sobre o titular da qualificação 1.1 Apelido(s): Fotografia 1.2 Nome(s) próprio(s): 1.3 Data Nascimento: dd/mm/aaaa 1.4 Número de identificação do estudante: XXXXXXXXXXXXXXXX

Leia mais

4ª Edição-Gestão de enfermagem em unidades de saúde

4ª Edição-Gestão de enfermagem em unidades de saúde 4ª Edição-Gestão de enfermagem em unidades de saúde 00. Fundamentação do curso A gestão é uma área de intervenção da enfermagem com uma grande importância estratégica e primordial para a qualidade dos

Leia mais

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio

hospi tais um novo modelo de gestão hospitalar Adalberto Campos Fernandes 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? Augusto Brázio hospi tais 2011 2012 PORTUGAL TEM EMENDA? um novo modelo de gestão hospitalar A reflexão sobre um novo modelo de gestão hospitalar não pode deixar de ter em conta a enorme complexidade do sistema em que

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA NORMAS REGULAMENTARES De acordo com o estipulado pelos artigos 14.º e 26.º do Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de Junho REGULAMENTO DE ESTUDOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Regulamento n.º 487/2010,

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 16 de Outubro de 2012 18:05 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO. Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Preâmbulo... 3. I Grau de cumprimento do Plano Estratégico e do Plano Anual... 4. II Da Realização dos Objectivos Estabelecidos...

Preâmbulo... 3. I Grau de cumprimento do Plano Estratégico e do Plano Anual... 4. II Da Realização dos Objectivos Estabelecidos... Relatório Anual 2008/2009 INDICE Preâmbulo... 3 I Grau de cumprimento do Plano Estratégico e do Plano Anual... 4 2 II Da Realização dos Objectivos Estabelecidos... 5 III Da eficiência da Gestão Administrativa

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

CURSO NATUROPATIA NATUROLOGIA

CURSO NATUROPATIA NATUROLOGIA 1. Área de formação Saúde (729) 2. Itinerário de Qualificação Naturopata - Naturologista 3. Modalidade da formação Qualificação Inicial e Profissional 4. Saída profissional Naturopata - Naturologista 5.

Leia mais

Seminário Final. O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro

Seminário Final. O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro Seminário Final O Processo de Bolonha em Portugal Presente e Futuro Universidade de Aveiro, 26 de Junho de 2009 CONCLUSÕES Relatora: Maria de Lurdes Correia Fernandes Sessão de abertura: Secretário de

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência

Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência. Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência Discurso do Presidente da Autoridade da Concorrência Abertura do 3.º Curso de Formação para Juízes em Direito Europeu da Concorrência 7 de maio de 2014 Senhores Coordenadores do Curso de Formação para

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

Educação Sexual Da legislação à prática

Educação Sexual Da legislação à prática 1 Educação Sexual Da legislação à prática Cândida Ramoa (*) e Isabel Leitão (**) A educação sexual (ES) nas escolas portuguesas tem feito correr rios de tinta. São rios que correm de forma muito intermitente,

Leia mais

Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb

Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb Plantaformas de e-learning no actual contexto de Bolonha. O caso da esacb Teresa Marta Lupi Ordaz Caldeira * INTRODUÇÃO O e-learning representa uma nova metodologia de ensino/ aprendizagem, permitindo

Leia mais

Psicologia Clínica e da Saúde

Psicologia Clínica e da Saúde Psicologia Clínica e da Saúde Pós-graduação e Mestrado Descrição geral PCS-001/002 Conteúdo 1 Enquadramento...3 2 Objectivos e perfis...3 2.1 Objectivos...3 2.2 Perfil de entrada...4 2.3 Perfil de saída...4

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 664/XII/2.ª. Promova o desporto escolar e a prática desportiva pelos jovens. Exposição de motivos

Projeto de Resolução n.º 664/XII/2.ª. Promova o desporto escolar e a prática desportiva pelos jovens. Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 664/XII/2.ª Promova o desporto escolar e a prática desportiva pelos jovens Exposição de motivos "Mens sana in corpore sano". A famosa citação latina, da autoria de Tales de Mileto

Leia mais

Procura de Excelência

Procura de Excelência www.mba.deg.uac.pt Procura de Excelência MASTER IN BUSINESS ADMINISTRATION Mestrado em Gestão (MBA) Secretariado Departamento de Economia e Gestão Rua da Mãe de Deus Apartado 1422 E-mail: mba@uac.pt Tel:

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina Veterinária.

Leia mais

HEALTH MANAGEMENT CHALLENGES

HEALTH MANAGEMENT CHALLENGES 2011 HEALTH MANAGEMENT CHALLENGES COM O PATROCÍNIO DE: ÍNDICE A NOSSA PROPOSTA DE VALOR 3 HEALTH MANAGEMENT CHALLENGES 4 Estrutura e Coordenação 5 Conteúdos e Corpo Docente 6 Introdução: Health Servuction

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO DE GESTÃO EM SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO DE COMUNICAÇÃO E MARKETING EM SAÚDE

PÓS-GRADUAÇÃO DE GESTÃO EM SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO DE COMUNICAÇÃO E MARKETING EM SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO DE GESTÃO EM SAÚDE PÓS-GRADUAÇÃO DE COMUNICAÇÃO E MARKETING EM SAÚDE Duração 2 semestres Condições de selecção Curriculum profissional; curriculum académico e entrevista (se necessário) ECTS

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

I - EXERCISE IS MEDICINETM

I - EXERCISE IS MEDICINETM I EXERCISE IS MEDICINETM Objectivo Generalização da inclusão do aconselhamento para a actividade física no âmbito do plano terapêutico para a prevenção e o tratamento de doenças, e referenciação quando

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA Presidência do Conselho de Ministros 56/CNECV/08

CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA Presidência do Conselho de Ministros 56/CNECV/08 56/CNECV/08 PARECER N.º 56 DO CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA PARECER SOBRE VENDA DIRECTA DE TESTES GENÉTICOS AO PÚBLICO (Julho de 2008) A reflexão do Conselho Nacional de Ética para

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA

TERMOS DE REFERÊNCIA Nô Pintcha Pa Dizinvolvimentu UE-PAANE - Programa de Apoio aos Actores Não Estatais TERMOS DE REFERÊNCIA CONTRATO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA PARA FORMADOR EM CONTABILIDADE, GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA

Leia mais

SÚMULA CURRICULAR Jaime da Cunha Branco

SÚMULA CURRICULAR Jaime da Cunha Branco SÚMULA CURRICULAR Jaime da Cunha Branco 1_ DADOS BIOGRÁFICOS E FORMAÇÃO ESCOLAR JAIME DA CUNHA BRANCO, filho de Francisco Rodrigues Branco e de Dorinda Maria da Cunha Claro Branco( ), nasceu em Lisboa,

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais