RELATÓRIO GLOBAL DE IMPLEMENTAÇÃO PROJETOS-PILOTO 1&2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO GLOBAL DE IMPLEMENTAÇÃO PROJETOS-PILOTO 1&2"

Transcrição

1 RELATÓRIO GLOBAL DE IMPLEMENTAÇÃO PROJETOS-PILOTO 1&2 Documento 8 Nível de divulgação: Público Número do Projeto: LLP ES-KA3-KA3MP Novembro 2012 Em colaboração com with 1

2 react reactivating teachers and learners TÍTULO: RELATÓRIO GLOBAL DE IMPLEMENTAÇÃO PROJETOS-PILOTO 1&2 Alcobaça-PORTUGAL Este manual/documento foi editado em dezembro de 2012 O trabalho RELATÓRIO GLOBAL DE IMPLEMENTAÇÃO PROJETOS-PILOTO 1&2 de react Project Team foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada. Se tem alguma pergunta relativa a esta publicação ou ao Projeto a que se refere: Tel ext.18 - Fax Projeto : react reactivating teachers and learners Lifelong Learning Programme Número de projeto: LLP ES-KA3-KA3MP Sitio web do projeto: Coordenação do Projeto: Amparo Ferrando(ES) com o apoio de Celia Ruíz(ES). Participantes: Kyriakos Dimitriou (GR), Elmo de Angelis (IT), Elvira Reitshammer (AT), Gerhild Lexl (AT), Wim Veen (NL), Pieter de Vries (NL), Thieme Hennis (NL), Anabela Luis (PT). Morada oficial: Conselleria de Educación Formación y Empleo - Avda. Campanar Valencia (Espanha). Morada de contacto: CF-CRNFP - C/Ferrol s/n Polígono Industrial Fuente del Jarro Paterna (Espanha). Este Projeto foi financiado com o apoio da Comissão Europeia. Esta publicação (comunicação) é da responsabilidade exclusiva dos seus autores. A Comissão não se responsabiliza pelo uso que possa ser feito da informação aqui divulgada. 2

3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO METODOLOGIA...7 DESENVOLVIMENTO DA METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM...8 OS SETE PRINCÍPIOS...8 AVALIAÇÃO EM CONTEXTO INTERNACIONAL RESULTADOS GERAIS...12 RESULTADOS INICIAIS...12 FERRAMENTAS TIC...12 COMUNICAÇÃO...12 AMBIENTE INSTITUCIONAL...13 AVALIAÇÃO DOS OBJETIVOS...13 AVALIAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO CONCLUSÕES

4 4

5 1. INTRODUÇÃO Este documento fornece uma visão geral concisa do que aconteceu no projeto react ( ) e discute a metodologia, os seus principais resultados e as conclusões. O projeto react foi desenvolvido para experimentar uma nova metodologia que devolvesse a motivação aos alunos cujo interesse em aprender estivesse perdido. Centrou-se o foco nos alunos desinteressados, devido a experiências negativas na escola, em casa ou noutro lugar. O projeto também serviu para facilitar mudanças na motivação dos professores, mostrando-lhes novas abordagens de ensino e uma nova forma de definir a sua função e a sua interação com os alunos. A abordagem react consiste em desenvolver a motivação do aluno através de uma combinação de colaboração, autonomia e criatividade, com o uso de novas tecnologias. Alunos e professores descobrem um conjunto de ferramentas tecnológicas que facilitam atividades podendo promover mudanças na motivação para aprender e dotando os alunos com as competências adequadas para a aprendizagem ao longo da vida. Os principais objetivos da abordagem react são: Uma mudança de atitude. O objetivo consiste em que os alunos mudem de uma atitude de sujeito passivo, inculcada pelo sistema educativo ao longo da infância e da juventude, para uma atitude de participantes ativos nos seus próprios processos de aprendizagem. Para realizar essa mudança, o projeto react procura incentivá-los a elaborar projetos criativos e colaborativos, escolhendo a área ou assunto mais relevante para a sua vida pessoal. Uma mente aberta. A participação nestas atividades ajuda-os a ampliar perspetivas e a descobrir outras experiências e pontos de vista de outras pessoas, sobretudo devido à dimensão internacional do projeto, com pessoas vivendo noutros países e noutros ambientes. Um dos objetivos do projeto consiste em envolver estreitas relações entre pessoas de origens diversas através da cooperação conjunta em projetos definidos pelos alunos. 5

6 Aprender a aprender. Inclui-se o desenvolvimento de competências cognitivas e competências de pensamento crítico que lhes permitam lidar, de forma independente e autónoma, com requisitos sociais e de emprego na sociedade do século XXI. Para desenvolver estes três principais objetivos, as atividades planificadas em ambos os Projetos-Piloto incluíram: Uma Formação inicial de Formadores. É importante que os professores compreendam e assimilem os objetivos e princípios da Abordagem react e que possam familiarizar-se com as ferramentas TIC e o seu uso na sala de aula. E cada um dos Projetos-Piloto conheceu várias etapas: Familiarização. Para explorar um conjunto de ferramentas TIC Web 2.0, familiarizarem-se com estas, conhecer os outros participantes, apresentaremse, apresentar os seus interesses, com o objetivo de desenvolver um sentimento de pertença ao grupo. Criação colaborativa: nesta fase, os alunos são levados a formar equipas internacionais e a participar num projeto criativo. Nesta fase, os temas, objetivos e instrumentos utilizados foram todos decididos pelos alunos. Integração colaborativa: aqui, os alunos começam a aplicar as competências adquiridas, em temas do curso que frequentam. O processo é semelhante ao da fase anterior, o tema é decidido pelos alunos também, mas desta vez está relacionado com o tema da formação e, em vez de ser internacional, é realizado na instituição. Este é o início de um processo de "regresso" ao currículo. Integração final: Nesta fase, o projeto centra-se na atividade principal do programa, mas professores e alunos, tendo já experimentado os benefícios da utilização de atividades criativas e colaborativas, colocam agora uma ênfase maior. Desta forma, as atitudes são transformadas. Apoio e reflexão: Ao longo do projeto, foram promovidas a reflexão e o as competências metacognitivas e de pensamento crítico. Isto aconteceu graças 6

7 ao facto de os professores terem desempenhado a função de consultores, junto dos alunos e dos seus projetos. Também foi feito pelos parceiros, ao darem apoio aos professores, em cada país. Ao longo de todas estas fases, demos especial atenção a uma série de elementos que tínhamos identificado como centrais para o sucesso da abordagem. Foram: O desenvolvimento da confiança entre participantes. O desenvolvimento de uma colaboração adequada. O grau de desafio adequado nas atividades a realizar. O grau de autodeterminação do aluno na atividade. O grau de apropriação dos projetos pelos alunos. O grau de relevância da atividade para os alunos. A criatividade presente nas atividades. Estes elementos foram centrais no processo de avaliação nos projetos-piloto. Os instrumentos utilizados foram três questionários online para alunos e professores e entrevistas (também com professores e alunos). A avaliação foi concluída com diários de bordo (logbooks) que os professores usaram para registar os aspetos relacionados com o progresso, em cada fase, e outras questões que surgiram. 2. METODOLOGIA O projeto react foi composto por dois projetos-piloto de seis meses cada. O primeiro projeto-piloto terminou em fevereiro de 2012, o segundo em julho de O primeiro projeto-piloto centrou-se predominantemente nas experiências com os alunos, as dificuldades e vantagens da abordagem do seu ponto de vista. O segundo projeto-piloto foi orientado para professores, as suas necessidades e reações em relação à abordagem. O segundo projeto-piloto fez incorporar melhorias sugeridas 7

8 pelo primeiro. Os grupos específicos de alunos para os projetos-piloto foram selecionados pelos parceiros, alguns meses antes, uma vez que a natureza anual deste tipo de formação impede uma decisão sobre isso no momento (18 meses antes do primeiro piloto). Os dois projetos-piloto envolveram um grupo de cerca de alunos e 2-7 formadores, em cada país. O número total de participantes foi de cerca de 320 alunos e 65 formadores. DESENVOLVIMENTO DA METODOLOGIA DE APRENDIZAGEM A estratégia de aprendizagem react é o resultado de uma investigação de fundo, que envolveu todos os parceiros, entrevistas com as escolas, professores e líderes de projetos que adotaram abordagens inovadoras de aprendizagem. Além disso, foi executada uma pesquisa na literatura incluindo a análise de vários estudos de caso sobre abordagens alternativas para a aprendizagem. A metodologia seguida foi elaborada colaborativamente nas várias fases de criação e resultou nas " Linhas Orientadoras da Abordagem Metodológica ". 1 Figura 1 Metodologia react: Etapas da criação OS SETE PRINCÍPIOS Com base em experiências e observações de vários projetos semelhantes e tendo em conta os contextos locais, os seguintes sete princípios orientadores foram considerados fundamentais para o projeto react e formaram a base para a sua avaliação. Neste contexto, as TIC são consideradas omnipresentes e essenciais. Não como um fim em si, mas como um meio para uma forma diferente e melhor de aprender que se encaixa no objetivo geral do projeto react que consiste em fomentar a participação dos alunos e a sua capacidade de auto-organização em todas as circunstâncias. Os princípios são: 1 Este documento está disponível em 8

9 1. Confiança: Alunos e professores devem confiar que as suas ideias, contribuições e comentários serão tratados com respeito, online bem como offline. O fomento da confiança vai gerar a autoestima dos alunos, que têm a maior parte do tempo uma má imagem de si mesmos, sempre que se trata de aprendizagem. 2. Desafio: Alunos e professores ficam motivados para aprender quando experimentam ou são confrontados com um desafio ou responsabilidades, desde que sejam gerenciáveis. Os professores devem assegurar ambientes de aprendizagem que ofereçam contextos em que os alunos possam adotar desafios pessoais ou em grupo. Os professores devem tratar temas de estudo que considerem relevantes para a investigação. Por isso, os trabalhos (desafios) sugeridos pelo professor devem poder ser negociados, ou então, serem sugeridos pelos alunos e os professores devem permitir aos alunos que definam a relevância relacionada com os objetivos de aprendizagem estabelecidos no início do curso. 3. Autodeterminação: Devemos atribuir mais confiança aos alunos para orientarem a sua própria aprendizagem. Dentro dos limites e restrições de cada projeto individual, os professores devem tentar permitir o máximo de autoorganização e autoaprendizagem possível. Isso requer não apenas uma forma diferente de pensar, mas o mais importante: paciência. Então, fazer perguntas passa a ser uma abordagem melhor do que a de determinar tarefas. 4. Colaboração: Os alunos gostam de trabalhar uns com os outros. Os professores podem apoiar a colaboração através da organização de trabalhos de grupo e com momentos de feedback regulares, de modo que a troca de informações se torne numa fonte de ação e de reação. 5. Pertença e propiedade: Se os alunos (bem como os professores) tiverem a impressão de estarem em controlo da aprendizagem, passa a haver um sentido de propriedade. Este é um ingrediente essencial para a motivação e para a aprendizagem auto-organizada. 6. Criatividade: Com a criatividade pode-se ser autêntico e capaz de desenvolver uma identidade. Através de expressões criativas conseguimos ter uma ideia 9

10 sobre as nossas capacidades e interesses, o que é fundamental para manter a motivação e descobrir talentos. 7. Relevância: Apropriar-se da aprendizagem significa também definir os temas que o aluno ache relevantes na vida, mesmo que isso não faça parte do currículo oficial. Os professores devem, na medida do possível, permitir aos alunos que definam os temas que querem aprender e sobre os quais pretendem realizar pesquisas. O principal objetivo é aumentar a relevância e promover a curiosidade sobre os assuntos que os alunos querem tratar. 10

11 AVALIAÇÃO EM CONTEXTO INTERNACIONAL A dimensão internacional do projeto, em países e instituições bem diferentes, exigia uma abordagem de pesquisa aprofundada que dependeu de uma participação ativa de todos os parceiros. Por conseguinte, foi desenvolvida uma estrutura comum de avaliação para permitir que a ação de investigação fosse colaborativa, graças a um conjunto de procedimentos. O envolvimento dos parceiros react requereu responsabilidades específicas: Entrevistas com professores: os parceiros react realizaram entrevistas préestruturadas com os professores envolvidos. O parceiro responsável pela pesquisa providenciou os formatos necessários e as perguntas para a entrevista. Pesquisas junto dos estudantes: os parceiros react distribuíram instrumentos de pesquisa, fornecidos pelo parceiro responsável pela pesquisa, junto de professores e alunos. Entrevistas regulares com o parceiro responsável pela pesquisa: os parceiros react tiveram regulares entrevistas online em que o progresso das atividades era avaliado. A avaliação incidiu sobre a perceção de professores e alunos, utilizando os princípios pedagógicos como um quadro de referência para descobrir o seu efeito sobre a aprendizagem e a motivação, e as dificuldades de aplicação desses princípios na prática. Foram usados questionários online na língua específica de cada país parceiro e em cada projeto-piloto um certo número de entrevistas foram realizadas com alunos e professores. Os professores também mantiveram um diário de bordo (logbook) sobre os aspetos positivos da metodologia, as dificuldades encontradas e as experiências com as ferramentas tecnológicas. Além disso, uma grande quantidade de documentação útil foi produzida durante os projetos, por parte dos alunos, como discussões online, no Facebook, apresentações online, gravações de vídeo e assim por diante. Em jeito de conclusão, o resultado da avaliação foi importante para a melhoria 11

12 da abordagem react durante o período do projeto e para analisar a utilidade da abordagem, no final. 3. RESULTADOS GERAIS RESULTADOS INICIAIS Desde o início, houve uma boa atmosfera nos grupos de professores e alunos. Houve um interesse comum em conhecer pessoas de outros países e em explorar o uso de novas ferramentas TIC, apesar de algumas dificuldades na ligação à Internet. Através da interação entre professores e alunos nos vários grupos do Facebook, tornou-se claro que funcionou bem o uso de várias ferramentas tecnológicas, em linha com os princípios pedagógicos. Os participantes exploraram e selecionaram as ferramentas e aplicaram-nas num contexto de projeto autodirigido e centrado no aluno. FERRAMENTAS TIC O uso de ferramentas TIC motivou os alunos e professores e tornou a aprendizagem mais significativa e mais agradável. Ao mesmo tempo, os alunos desenvolveram competências transversais, tais como autonomia, compromisso quando se trabalha em grupo e autoestima, e também melhoraram habilidades em TIC. Foi particularmente notório em Espanha, Portugal e Itália. Na Áustria, os alunos melhoraram a sua atenção para questões centrais e ficaram menos distraídos pela colorida rede global, como no início dos projetos-piloto. Para alguns alunos, o tempo foi muito curto para realmente chegarem a experimentar os benefícios da abordagem react. COMUNICAÇÃO O projeto fomentou mais e melhor comunicação entre as partes interessadas dentro das instituições, mas foi menos bem-sucedido na colaboração e troca de experiências entre os professores, internacionalmente - principalmente devido à barreira da língua. No seio das instituições, a melhoria da comunicação entre os participantes (professores e alunos) aumentou a coesão interna. A interação entre alunos de diferentes países motivou muito os alunos, especialmente durante as apresentações online. Os eventos finais nos projetos-piloto foram realmente bem-sucedidos. Em alguns países, como na Grécia, Portugal e Holanda, os professores gostaram de trabalhar em conjunto com outros professores estrangeiros, em vez 12

13 de lidar apenas com a sua própria realidade. Este projeto criou uma relação de confiança entre professores participantes. AMBIENTE INSTITUCIONAL Em Espanha, o segundo projeto-piloto ocorreu numa escola regular, onde a equipa de professores e o diretor puderam programar o curso com uma calendarização e conteúdos curriculares altamente flexíveis. Dessa forma, foi possível cumprir as diferentes etapas no segundo projeto-piloto. 2 Por vezes, como na Holanda e na Itália, embora houvesse apoio por parte da gestão, o número de horas reservado ao projeto react foi manifestamente insuficiente para dar andamento ao que estava previsto. AVALIAÇÃO DOS OBJETIVOS Uma mudança de atitude. A partir da reação dos participantes, percebe-se que a Abordagem react mudou a atitude dos alunos em relação à aprendizagem. O método ajudou os alunos a mudar de uma atitude passiva para a de participantes ativos no ambiente da aprendizagem. Os professores consideraram a comunicação com outros professores como muito positiva, embora a colaboração representasse, por vezes, um desafio. A utilização das TIC ajudou os professores a encontrar maneiras de facilitar a comunicação e tornar-se mais confiantes no trabalho com a metodologia react. Mentalidade aberta. Os alunos reagem positivamente à abordagem e sentem que esta lhes abre oportunidades para um crescimento pessoal adicional. Participar no react ampliou as perspetivas dos alunos, deixando-os descobrir diferentes experiências e pontos de vista de outras pessoas. Alunos e professores ficaram satisfeitos com o fato de que tiveram a oportunidade de se tornarem mais conhecedores de si mesmos e dos outros e descobriram interesses que não estavam, antes, ao seu alcance. 2 Blogue de ET Laurona: Video : 13

14 Aprender a aprender. A capacitação muito apreciada pelos alunos foi a de lidar, de forma independente e autónoma, com requisitos sociais e de trabalho. Isto apoiou a ideia de uma abordagem passo a passo no desenvolvimento de habilidades cognitivas e de pensamento crítico. Os professores indicaram que se tinham sentido melhor e que viram novas possibilidades de promoção da aprendizagem. Novamente, a abordagem passo a passo permitiu-lhes adaptar o seu papel do professor, de uma forma exequível. AVALIAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO RESULTADOS POSITIVOS Como os estudantes se comportaram A maioria dos estudantes colheu benefícios do trabalho colaborativo em grupo apesar de, para a maioria deles, ter sido a primeira vez que aprenderam desta forma. O projeto react foi uma experiência única, com a possibilidade de usarem computadores portáteis e o estímulo de poderem fazer os seus próprios projetos. O projeto incentivou-os a desenvolver mais ideias e temas e projetos melhores que os outros. Como os alunos apreciaram o trabalho uns dos outros Especialmente no projeto-piloto 2, quando os encontros no Google+ lhes permitiram dar feedback direto e pessoal, os alunos ficaram muito interessados em ver o que os outros grupos fizeram e como eles iam apresentar os seus resultados. Ficaram verdadeiramente conscientes de todo o esforço que foi feito para concluir os projetos. Fazer parte do projeto react foi uma experiência única, para eles. Eles tinham computadores portáteis disponíveis e foram autorizados a fazer os seus próprios projetos. Como a motivação dos professores aumentou A motivação dos professores aumentou devido aos pequenos sucessos no dia-a-dia dos alunos. E isto levou-os a prestar mais atenção e a atribuir um tempo adicional para 14

15 explorar ferramentas TIC e dar feedback, mesmo fora do horário da aula. Começaram a propor novos projetos de colaboração com outras escolas a nível regional (escolas oficina) e internacional (Projeto CLAVEMAT - Quito). 3 Alguns professores passaram a avaliar os alunos, considerando elementos diferentes (competências de comunicação, competências nas TIC, etc) e aplicando as ferramentas e metodologias react no seu trabalho diário 4. Como a motivação dos alunos aumentou No segundo projeto-piloto, a equipa do Projeto react decidiu reforçar um pouco os alicerces, para ajudar os alunos na sua organização e na execução dos projetos internacionais. Os momentos especiais foram, definitivamente, a apresentação dos resultados em Hangouts (apresentando em Inglês, experimentando o interesse e apreciação dos outros participantes internacionais, "conhecendo" os outros). Isto foi especialmente verdadeiro para a Áustria. Os estudantes austríacos foram surpreendidos com o interesse dos alunos dos outros países na apresentação. Estes Hangouts avocaram um espírito diferente e uma energia especial. Os alunos tiveram, pela primeira vez, a sensação de conhecer os outros, de os ver e de os ouvir. As vozes, a linguagem, os sotaques! Como eles estavam vestidos e se comportavam. O Facebook, aparentemente, não tinha gerado a impressão de que eram membros deste grupo internacional maior. O relacionamento dentro do grupo react foi muito bom em ambos os projetos-piloto. Os alunos estiveram muito motivados em quase todas as fases do projeto, demonstraram entusiasmo tanto na aprendizagem quanto no uso de novas ferramentas TIC. Em Portugal, por exemplo, alguns deles descobriram uma paixão "nova" pela fotografia ou a música. 3 Webmeeting (hangout): Atividade com alunos:http://www.youtube.com/embed/ 4 Entrevista de Professores portugueses: v=fu3vfin9kbq&feature=youtu.be 15

16 PRINCIPAIS BARREIRAS/DESAFIOS Obstáculos institucionais, técnicos ou fatores humanos (gestores, professores e estudantes) podem constituir diferentes tipos de desafios e atuam como barreiras para o sucesso da abordagem react. Às vezes, como na Holanda, os professores começaram pouco preparados com o projeto, o que causou algumas dificuldades. Foi insuficiente o apoio dado aos alunos (ou seja, apoio técnico) e a justificação para fazê-lo da forma como foi feito. Os estudantes precisavam de saber porque estavam a receber um tratamento especial e como poderiam beneficiar com ele. Foi muito difícil para os professores apoiar todos os alunos. Alguns não precisaram de apoio, mas outros mostraram-se relutantes até serem movidos pelos professores. Isto era às vezes difícil com um grupo tão diversificado de alunos a seguir os seus próprios projetos. O desafio para o professor consiste em adaptar-se a um papel diferente. Os requisitos num ambiente react são sobre coaching, proporcionar organização e dar orientação e não sobre ensinar no sentido tradicional. 16

17 4. CONCLUSÕES Os resultados do projecto react mostram que os estudantes apreciam a confiança que esta abordagem propicia e valorizam a autodeterminação e a autonomia na aprendizagem. Valorizam a colaboração, especialmente em cenário internacional e acreditam que o que aprenderam é relevante para se candidatarem a um emprego, se ligarem a outros e terem mais confiança relativamente à aprendizagem. As TIC são consideradas um veículo importante para a execução do método de aprendizagem react. Não apenas como uma ferramenta, mas como um instrumento para alcançar objetivos estabelecidos por si, em colaboração com outros, permitindo comunicar livremente e entregar resultados que surgiram a partir da sua própria motivação. Os professores sentiram-se melhor e viram mais possibilidades para a promoção da aprendizagem de uma forma mais autêntica e atraente para o grupo alvo. Do ponto de vista organizacional o projeto react pode ser mais exigente. É um projeto novo, é preciso tempo e ainda não se posicionou em relação à prática educativa tradicional diária, na maioria das organizações. O projeto foi bem-sucedido como experiência: temos mais conhecimento sobre as barreiras e oportunidades na implementação de uma abordagem bottom-up da aprendizagem centrada no aluno. No entanto, a implementação e integração levam tempo para que professores e alunos se desenvolvam em algo que se entenda e se possa trabalhar para atingir objetivos. O projeto react representa uma individualização da aprendizagem de forma colaborativa e, para que tal aconteça, existem algumas condições-chave: Envolvimento dos decisores e gestores escolares e consequente adoção das mudanças necessárias, Existência de condições tecnológicas, Formação preliminar adequada dos professores e Cuidadosa integração no currículo, Tempo suficiente reservado para a formação e a própria atividade, 17

18 Uma rede de professores familiarizados com a metodologia react. Quando estas condições estiverem reunidas, a probabilidade de que a abordagem react funcione é bastante elevada. No projeto react, alunos e professores experimentaram uma maneira diferente de trabalhar e gostaram dos resultados e da sua relevância. Um número de professores decidiu continuar a usar a abordagem react no trabalho quotidiano escolar. A abordagem não funciona em todas as circunstâncias e em cada situação, mas é promissora para aqueles que vêem a necessidade de mudança para serem mais capazes de lidar com as exigências da aprendizagem de hoje. 18

COLEÇÃO DE FERRAMENTAS MANUAL DO UTILIZADOR

COLEÇÃO DE FERRAMENTAS MANUAL DO UTILIZADOR COLEÇÃO DE FERRAMENTAS MANUAL DO UTILIZADOR Coleção do Projeto react Manual de Referência para professores e alunos Produto 4 Nivel de difusão: Público Número de Projeto: 511709-LLP-1-2010-1-ES-KA3-KA3MP

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

LINHAS ORIENTADORAS DA ABORDAGEM METODOLÓGICA

LINHAS ORIENTADORAS DA ABORDAGEM METODOLÓGICA LINHAS ORIENTADORAS DA ABORDAGEM METODOLÓGICA Dezembro 2012 Número do Projeto: 511709-LLP-1-2010-1-ES-KA3-KA3MP Produto 2 Nível de divulgação: Público Em colaboração com react reactivating teachers and

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO

WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO WEB-RÁDIO MÓDULO 2: RÁDIO NOME DO PROJETO Web Rádio: Escola César Cals- Disseminando novas tecnologias via web ENDREÇO ELETRÔNICO www.eccalsofqx.seduc.ce.gov.br PERÍODO DE EXECUÇÃO Março a Dezembro de

Leia mais

Preparação de um Plano de Trabalho

Preparação de um Plano de Trabalho Preparação de um Plano de Trabalho Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI

OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI OS DESAFIOS DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI Maria de Lurdes Rodrigues Em matéria de educação, em quase todo o mundo, foram definidas regras que consagram o objetivo de proporcionar a todas as crianças

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling Apresentamos a newsletter oficial do projeto T-Story - Storytelling Aplicado à Educação e Formação, um projeto financiado pela ação transversal Atividade-chave 3 Tecnologias de Informação e Comunicação,

Leia mais

Débora Regina Tomazi FC UNESP- Bauru/SP E-mail: deboratomazi@hotmail.com. Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani. E-mail: thaist@fc.unesp.

Débora Regina Tomazi FC UNESP- Bauru/SP E-mail: deboratomazi@hotmail.com. Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani. E-mail: thaist@fc.unesp. AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: A UTILIZAÇÃO DE PLATAFORMAS EDUCACIONAS ADAPTATIVAS E A PRÁTICA DOCENTE. Débora

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia

TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia istockphoto Conteúdo Caro leitor, Sobre o projecto... 2 Criando uma base de conhecimento para as regiões de convergência da Europa...

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre

Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda Cinara Rizzi Cecchin Uma das primeiras certezas que o professor deve ter é que as crianças sempre sabem alguma coisa, todo educando pode aprender, mas

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo

Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo 2013 Transição para a parentalidade após um diagnóstico de anomalia congénita no bebé: Resultados do estudo Ana Fonseca, Bárbara Nazaré e Maria Cristina Canavarro Pontos de interesse especiais: Porque

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9.

Índice: Introdução 3. Princípios Orientadores 3. Definição do projecto 4. Considerações Finais 8. Actividades a desenvolver 9. Índice: Introdução 3 Princípios Orientadores 3 Definição do projecto 4 Objectivos a alcançar 5 Implementação do projecto 5 Recursos necessários 6 Avaliação do projecto 7 Divulgação Final do Projecto 7

Leia mais

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O C L E O W O L F F O que é Action Learning? Um processo que envolve um pequeno grupo/equipe refletindo e trabalhando em problemas reais, agindo e aprendendo enquanto atuam. FUN D A MEN T OS D O ACTION LEARNING

Leia mais

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO

O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA E OS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS, I. INTRODUÇÃO 14.6.2014 PT Jornal Oficial da União Europeia C 183/5 Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados Membros, reunidos no Conselho, de 20 de maio de 2014, sobre um Plano de Trabalho

Leia mais

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Gestão de Equipas Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013 Academia da PwC O sucesso das organizações depende cada vez mais de equipas de alto desempenho. Venha conhecer connosco as melhores

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Conexã Gerencial

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Conexã Gerencial Conexão Gerencial é um programa modular de Desenvolvimento Gerencial cujos principais objetivos são: Promover um choque de cultura e competência gerencial e tornar mais efetivo o papel dos Gestores. Alinhar

Leia mais

3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais

3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais 3ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Confiança e Compromisso nos Canais Digitais 29 de setembro de 2014 Auditório da BMAG Apoio Patrocinadores Globais APDSI Internet, Negócio e Redes Sociais

Leia mais

ARTIGO: Gestão de recursos humanos, desenvolvimento profissional e coaching Uma perspetiva integrada

ARTIGO: Gestão de recursos humanos, desenvolvimento profissional e coaching Uma perspetiva integrada ARTIGO: Gestão de recursos humanos, desenvolvimento profissional e coaching Uma perspetiva integrada Os desafios colocados aos gestores de recursos humanos 1. A gestão de recursos humanos e o coaching

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Trabalho 3 Scratch na Escola

Trabalho 3 Scratch na Escola Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra Departamento de Matemática Trabalho 3 Scratch na Escola Meios Computacionais de Ensino Professor: Jaime Carvalho e Silva (jaimecs@mat.uc.pt)

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica

Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Novas Tecnologias no Ensino de Física: discutindo o processo de elaboração de um blog para divulgação científica Pedro Henrique SOUZA¹, Gabriel Henrique Geraldo Chaves MORAIS¹, Jessiara Garcia PEREIRA².

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

MOODLE Implementação da educação à distância nas escolas do distrito do Porto. Resumo

MOODLE Implementação da educação à distância nas escolas do distrito do Porto. Resumo MOODLE Implementação da educação à distância nas escolas do distrito do Porto Virgínia Moreira Dias vmrmd@ddinis.net Sónia Rolland Sobral sonia@upt.pt Universidade Portucalense, Porto Resumo A integração

Leia mais

Avaliação do Projeto-Piloto de Tablets Acer-European Schoolnet

Avaliação do Projeto-Piloto de Tablets Acer-European Schoolnet PT Introdução de Tablets nas Escolas: Avaliação do Projeto-Piloto de Tablets Acer-European Schoolnet SUMÁRIO EXECUTIVO Editor European Schoolnet (EUN Partnership AISBL) Rue de Trèves 61 1040 Bruxelas -

Leia mais

de CriAtividade ABRINDO PORTAS PARA O FUTURO!

de CriAtividade ABRINDO PORTAS PARA O FUTURO! ABRINDO PORTAS PARA O FUTURO! PROMOTOR O Torrance Center (www.tcportugal.org) é uma associação científico-pedagógica, sem fins lucrativos, que tem por objetivo promover o desenvolvimento da criatividade

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações In partnership: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal

APRENDER COM A DIVERSIDADE CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER COM A DIVERSIDADE. Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal CURSO DE FORMAÇÃO APRENDER Promoção da Aprendizagem Intercultural em Contextos de Educação Não Formal 18 DE FEVEREIRO A 13 DE MARÇO DE 2008 A inducar (http://www.inducar.pt) é uma organização de direito

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HAVANA 15 AÇÕES DE LITERACIA DA INFORMAÇÃO / ALFIN...

DECLARAÇÃO DE HAVANA 15 AÇÕES DE LITERACIA DA INFORMAÇÃO / ALFIN... DECLARAÇÃO DE HAVANA 15 AÇÕES DE LITERACIA DA INFORMAÇÃO / ALFIN... por um trabalho colaborativo e de geração de redes para o crescimento da literacia da informação 1 no contexto dos países ibero-americanos

Leia mais

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Monitorização e Avaliação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE 3. Sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete 65 66 3.1 Objectivos e Princípios Orientadores O sistema de Monitorização e Avaliação da Rede Social de Alcochete, adiante designado

Leia mais

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal 1 Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal As alterações verificadas no comportamento dos consumidores, consequência dos novos padrões

Leia mais

Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas)

Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas) Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas) A Biblioteca Escolar 2.0 FORMADORA Maria Raquel Medeiros Oliveira Ramos FORMANDA Regina Graziela Serrano dos Santos Chaves da Costa Azevedo Período de Realização

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Fabíola Nascimento dos Santos Paes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco fabiola.paes@gmail.com Dorghisllany

Leia mais

21 Mandamentos do Grandes Ideias

21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias 21 Mandamentos do Grandes Ideias Ideias simples mas que fazem toda a diferença na motivação dos nossos alunos!! 1. Conhecer os alunos e fazê-los sentirem-se amados pela

Leia mais

Comunidades de prática

Comunidades de prática Comunidades de prática Objetivos (Henrique Bizzarria para o site Ebah) Comunidades de praticas! O que são?! Para que servem?! Porquê falar delas? Comunidades de prática! O termo "comunidade de prática"

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015)

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS

JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS JOGOS ELETRÔNICOS CONTRIBUINDO NO ENSINO APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS NAS SÉRIES INICIAIS Educação Matemática na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental (EMEIAIEF) GT 09 RESUMO

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade)

Glossário. Competência para a acção. (questionário em competências para a acção e actividade) Conceito Competência para a acção Explicação Competência para a acção compreende todas as habilidades, competências e experiências de uma pessoa, que lhe possibilita auto-organizar-se para realizar correctamente

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular,

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

PROJETO MÃO DUPLA TRABALHO COOPERATIVO INTRAESCOLAR

PROJETO MÃO DUPLA TRABALHO COOPERATIVO INTRAESCOLAR PROJETO MÃO DUPLA TRABALHO COOPERATIVO INTRAESCOLAR I.INTRODUÇÃO: Vivemos em uma época de transformações, de avanços tecnológicos, onde as telecomunicações encurtam as distâncias e provocam novas formas

Leia mais

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO

EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO EXPERIMENTAR PODE SER VOAR PARA OUTRO ESPAÇO In: Pensar avaliação, melhorar a aprendizagem /IIE Lisboa: IIE, 1994 (...) tenho de observar o mundo a partir de outra óptica, outra lógica, e outros métodos

Leia mais

Utilizando a ferramenta de criação de aulas

Utilizando a ferramenta de criação de aulas http://portaldoprofessor.mec.gov.br/ 04 Roteiro Utilizando a ferramenta de criação de aulas Ministério da Educação Utilizando a ferramenta de criação de aulas Para criar uma sugestão de aula é necessário

Leia mais

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem?

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem? Rui Trindade Universidade do Porto Portugal trindade@fpce.up.pt I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA UNDIME/MG Belo Horizonte 11 de Abril de 2012 O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de

Leia mais

LIDERANÇA PARA A MUDANÇA

LIDERANÇA PARA A MUDANÇA Um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente de saúde em mudança constante. O programa de Liderança Para a Mudança teve o apoio

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05

Introdução 02. CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor 04. Passos para criação do CRER Centro de Recursos e Experimentação 05 criação de empresas em espaço rural guia metodológico para criação e apropriação 0 Introdução 02 O que é o CRER 03 CRER Centro de Recursos e Experimentação 03 CRER Metodologia Integrada de Apoio ao Empreendedor

Leia mais