Apresentação AMB Código de Conduta das Indústrias Farmacêuticas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação AMB Código de Conduta das Indústrias Farmacêuticas"

Transcrição

1 Apresentação AMB Código de Conduta das Indústrias Farmacêuticas A RELAÇÃO DAS SOCIEDADES MÉDICAS COM A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MARIA JOSÉ DELGADO FAGUNDES

2 CÓDIGO DE CONDUTA 2012 BOAS PRÁTICAS ENTRE A INDÚSTRIA E PROFISSIONAIS, AGENTES PÚBLICOS E EMPRESAS DO SETOR DA SAÚDE IFPMA Criação do Code of Practice INTERFARMA Criação do Código de Conduta inspirado no Code of Practice 2006 INTERFARMA Conteúdo do Acordo passa a fazer parte do novo Código Nasce IFPMA International Federation of Pharmaceutical Manufacturers & Associations Nasce INTERFARMA Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa INTERFARMA Primeira revisão do Código de Conduta

3

4 CÓDIGO DIVULGAÇÃO CAPACITAÇÃO CERTIFICAÇÃO CAMPANHA COMUNICAÇÃO E PUBLICIDADE MOBILIZAÇÃO CONSCIENTIZAÇÃO E RECONHECIMENTO INTERFARMA APLICAÇÃO DE 4 MÓDULOS INDÚSTRIA METODOLOGIA PRÓPRIA

5 CAUSA BOAS PRÁTICAS ENTRE PROFISSIONAIS DA SAÚDE, PROFISSIONAIS RELACIONADOS À ÁREA DE SAÚDE, AGENTES PÚBLICOS E INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS, ASSOCIAÇÕES E EMPRESA DO SETOR EFEITO IDENTIFICADOR DO PROCESSO CONCLUÍDO DE CERTIFICAÇÃO MEIO 51 EMPRESAS ASSOCIADAS

6 Acordo sem precedentes para uma definição conjunta de regras Assegurar maior eficiência à atuação do CFM, AMB, SBC e da própria Interfarma Transparência das relações entre médicos e indústria farmacêutica Criação de regras para gerar menos dúvidas e desentendimentos

7 ACORDOS PARA CÓDIGO DE CONDUTA 2012 NÃO É O FIM DO PROCESSO. É O INÍCIO.

8 CÓDIGO DE CONDUTA 2012 BOAS PRÁTICAS ENTRE A INDÚSTRIA E PROFISSIONAIS, AGENTES PÚBLICOS E EMPRESAS DO SETOR DA SAÚDE

9 CÓDIGO DE CONDUTA 2012 BOAS PRÁTICAS ENTRE A INDÚSTRIA E PROFISSIONAIS, AGENTES PÚBLICOS E EMPRESAS DO SETOR DA SAÚDE CÓDIGO DE CONDUTA: CAMPANHA EU SIGO ULTRAPASSA 19 MIL CERTIFICADOS profissionais já realizaram o treinamento da Interfarma As seguintes empresas já finalizaram o treinamento: ABBOTT, ABRADIMEX, ACTELION, ALEXION, ALLERGAN, AMGEN, ASTELLAS, ASTRAZENECA, BAGO, BAYER, BAXTER, BESINS, BIOGEN IDEC, BIOMARIN, BMS, BOEHRINGER, CELGENE, CHIESI, DAIICHI SANKYO, FERRING, GALDERMA, GE HEALTHCARE, GENZYME, GLAXOSMITHKLINE, GRUNENTHAL, IPSEN, ISDIN, JANSSEN, LEO PHARMA S.A., LILLY, LUNDBECK, MERCK S.A, MSD, NOVARTIS, NOVO NORDISK, PFIZER, PIERRE FABRE, ROCHE, SANOFI, SERVIER, SHIRE, STIEFEL (GLAXOSMITHKLINE), TAKEDA, THERASKIN, ZAMBON. Link de acesso ao treinamento: Link de acesso ao site da Interfarma: Webmeeting abrangeu 58 cidades diferentes 60% dos participantes eram representantes

10 CÓDIGO DE CONDUTA 2012 BOAS PRÁTICAS ENTRE A INDÚSTRIA E PROFISSIONAIS, AGENTES PÚBLICOS E EMPRESAS DO SETOR DA SAÚDE 19 de agosto: Webmeeting com médicos, com a presença do Dr. Roberto D ávilla e do Dr. Florentino Cardoso Número do WebMeeting: W12834 Senha para acesso: WR6A4 Ou acesse o site e insira os dados acima.

11 CÓDIGO DE CONDUTA 2012 BOAS PRÁTICAS ENTRE A INDÚSTRIA E PROFISSIONAIS, AGENTES PÚBLICOS E EMPRESAS DO SETOR DA SAÚDE ESTRUTURA DO CÓDIGO

12 NORMAS GERAIS PARA O SETOR FARMACÊUTICO SEÇÃO 1 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS SEÇÃO 2 RELACIONAMENTO COM AGENTES PÚBLICOS E AUTORIDADES GOVERNAMENTAIS SEÇÃO 3 INTERAÇÕES E RELACIONAMENTO COM ASSOCIAÇÕES DE PACIENTES SEÇÃO 4 ADESÃO AO CÓDIGO E APLICAÇÃO EM ÁREAS CORRELATAS DA SAÚDE SEÇÃO 5 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS NA ÁREA DA SAÚDE SEÇÃO 6 CONGRESSOS, SIMPÓSIOS, SEMINÁRIOS E OUTROS EVENTOS SEÇÃO 7 MATERIAIS PROMOCIONAIS SEÇÃO 8 ATIVIDADES EM PONTOS DE VENDA RELACIONADAS A MEDICAMENTOS SEÇÃO 9 COMUNICAÇÃO SOBRE NOVOS MEDICAMENTOS E INDICAÇÕES NÃO APROVADAS PELA ANVISA SEÇÃO 10 OFERTA DE BRINDES NORMAS PARA MEDICAMENTO S SUJEITOS À PRESCRIÇÃO MÉDICA SEÇÃO 11 DISTRIBUIÇÃO DE AMOSTRAS GRÁTIS SEÇÃO 12 VISITA AO PROFISSIONAL DA SAÚDE SEÇÃO 13 DOAÇÕES E OUTRAS CONSTRIBUIÇÕES NORMAS PARA MEDICAMENTOS ISENTOS DE PRESCRIÇÃO MÉDICA SEÇÃO 14 DISTRIBUIÇÃO DE AMOSTRAS GRÁTIS SEÇÃO 15 VISITA AO PROFISSIONAL DA SAÚDE SEÇÃO 16 DISTRIBUIÇÃO DE AMOSTRAS GRÁTIS SEÇÃO 17 VISITA AO PROFISSIONAL DA SAÚDE SEÇÃO 18 DOAÇÕES E OUTRAS CONSTRIBUIÇÕES NORMAS PARA RESOLUÇÃO DE CONFLITOS

13 CÓDIGO DE CONDUTA 2012 BOAS PRÁTICAS ENTRE A INDÚSTRIA E PROFISSIONAIS, AGENTES PÚBLICOS E EMPRESAS DO SETOR DA SAÚDE 1 NORMAS GERAIS PARA O SETOR FARMACÊUTICO VOCÊ ESTÁ AQUI SEÇÃO 1 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

14 PRINCÍPIOS GERAIS A SEREM OBSERVADOS INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS USO ADEQUADO DE MEDICAMENTOS TRANSPARÊNCIA DO RELACIONAMENTO LEGISLAÇÃO VIGENTE BASES DE RELACIONAMENTO AUTONOMIA DO PROFISSIONAL DE SAÚDE INDICAÇÕES NÃO APROVADAS PELA ANVISA RESPONSABILIDADE

15 CÓDIGO DE CONDUTA 2012 BOAS PRÁTICAS ENTRE A INDÚSTRIA E PROFISSIONAIS, AGENTES PÚBLICOS E EMPRESAS DO SETOR DA SAÚDE 1 NORMAS GERAIS PARA O SETOR FARMACÊUTICO VOCÊ ESTÁ AQUI SEÇÃO 6 CONGRESSOS, SIMPÓSIOS, SEMINÁRIOS E OUTROS EVENTOS

16

17

18

19

20

21 CÓDIGO DE CONDUTA 2012 BOAS PRÁTICAS ENTRE A INDÚSTRIA E PROFISSIONAIS, AGENTES PÚBLICOS E EMPRESAS DO SETOR DA SAÚDE 2 NORMAS RELACIONADAS A MEDICAMENTOS SUJEITOS À PRESCRIÇÃO MÉDICA VOCÊ ESTÁ AQUI SEÇÃO 12 VISITA AO PROFISSIONAL DA SAÚDE

22 ATIVIDADES DOS REPRESENTANTES DAS EMPRESAS As atividades devem ser pautadas pelos mais elevados padrões éticos e profissionais Informar aos Profissionais da Saúde sobre vantagens e riscos de seus produtos. Promover os produtos de acordo com o uso aprovado pelas autoridades regulatórias locais, fornecendo todos os subsídios científicos relativos aos medicamentos com o amparo nos estudos realizados. Obter informações dos Profissionais da Saúde sobre a aceitabilidade dos produtos e eventuais efeitos adversos porventura registrados.

23 PAGAMENTO DE REFEIÇÕES Pode ser feito quando tiver o objetivo de discussão ou troca de informações científicas ou educacionais, devendo ser limitado a valores modestos e local adequado para a troca de informações. O representante da Empresa deverá estar presente durante todo o tempo reservado ao encontro.

24 CÓDIGO DE CONDUTA 2012 BOAS PRÁTICAS ENTRE A INDÚSTRIA E PROFISSIONAIS, AGENTES PÚBLICOS E EMPRESAS DO SETOR DA SAÚDE 4 NORMAS PARA A RESOLUÇÃO DE CONFLITOS VOCÊ ESTÁ AQUI SEÇÃO 16 APLICAÇÃO E EFETIVIDADES DAS REGRAS DO CÓDIGO DE CONDUTA

25 DENÚNCIA Encorajar as Empresas e quaisquer outras pessoas ou instituições interessadas a apresentarem reclamações fundamentadas contra ações que possam caracterizar violação às regras de conduta previstas no Código Receber denúncia apresentada por qualquer Empresa, pessoa ou instituição interessada, para análise de sua consistência e eventual abertura do procedimento de averiguação Uma vez admitida a denúncia e instaurado o procedimento de averiguação, a mesma não poderá mais ser retirada, ficando a cargo do Conselho de Ética o processamento da denúncia com vistas à aplicação das penalidades cabíveis

26 DENÚNCIA Não serão admitidas denúncias anônimas ou que não contenham elementos suficientes para a devida identificação do denunciante Em caso de pessoa física e mediante justificado motivo, solicitar que seja preservado o sigilo de sua identidade, cabendo ao Presidente Executivo da Interfarma, durante análise da admissibilidade, julgar a procedência do pedido Somente serão processadas as denúncias que se refiram a fatos que tenham ocorrido há, no máximo, 1 (um) ano da data do recebimento da denúncia. As denúncias feitas fora desse prazo serão imediatamente arquivadas sem possibilidade de recurso

27 CÓDIGO DE CONDUTA 2012 BOAS PRÁTICAS ENTRE A INDÚSTRIA E PROFISSIONAIS, AGENTES PÚBLICOS E EMPRESAS DO SETOR DA SAÚDE 4 NORMAS PARA A RESOLUÇÃO DE CONFLITOS VOCÊ ESTÁ AQUI SEÇÃO 17 CONSELHO DE ÉTICA

28 As condições para a constituição e funcionamento do Conselho de Ética foram definidas em regulamento próprio e são parte integrantes do presente Código de Conduta. PRERROGATIVAS O Conselho de Ética gozará de total independência no exercício de sua prerrogativa de zelar pelo fiel cumprimento dos preceitos do Código de Ética por parte das Empresas.

29 CONSELHEIROS ATUAIS Ernesto Neumann Ex-Regional VP Latam na Merck Serono; ex-regional VP na Merck S/A; atual presidente da Idéias e Ideais Flávio Vormittag Médico; ex-presidente da INTERFARMA; ex-diretor da SBMF; membro do CONAR e da ABA Henrique Paulo Calmon de Barros Barreto Médico; Ex-Diretor Médico do Lilly Jorge Raimundo Presidente do Conselho Consultivo da Interfarma Michel Duran Mura Ex-presidente da Sanofi para América Latina (antes do Heraldo Marquezini); ex-presidente da Aventis/Hoecht/Roussel

30 RELATÓRIO DO CONSELHO DE ÉTICA A Interfarma empreenderá seus melhores esforços para que o processamento e julgamento das denúncias ocorram num prazo não superior a 90 (noventa) dias, ressalvadas as hipóteses em que as circunstâncias e/ou complexidade do caso em exame justifiquem a tramitação por prazo superior. A Interfarma veiculará periodicamente em seu website um relatório com informações compiladas sobre as atividades do Conselho de Ética na apuração das denúncias de violação ao presente Código de Conduta

31 CÓDIGO DE CONDUTA 2012 BOAS PRÁTICAS ENTRE A INDÚSTRIA E PROFISSIONAIS, AGENTES PÚBLICOS E EMPRESAS DO SETOR DA SAÚDE 4 NORMAS PARA A RESOLUÇÃO DE CONFLITOS VOCÊ ESTÁ AQUI SEÇÃO 18 PENALIDADES

32 PENALIDADES Suspensão da Empresa associada de seus direitos sociais na Interfarma por até 180 (cento e oitenta) dias, sem direito a suspensão das contribuições associativas Exclusão da Empresa associada do quadro associativo da Interfarma Somente serão processadas as denúncias que se refiram a fatos que tenham ocorrido há, no máximo, 1 (um) ano da data do recebimento da denúncia. Infrações leves R$ 5.000,00 a R$ ,00 Infrações graves R$ ,00 a R$ ,00 Infrações gravíssimas R$ ,00 a R$ ,00

33 OBRIGADA MARIA JOSÉ DELGADO FAGUNDES DIRETORA As imagens aqui contidas são restritas à esta apresentação

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CFM ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA AMB

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CFM ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA AMB POSICIONAMENTO DO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA - CFM, DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA AMB, DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA SBC, NA CONDIÇÃO DE REPRESENTANTES DA CLASSE MÉDICA BRASILEIRA E DA INTERFARMA

Leia mais

DESAFIOS E POTENCIAIS DO SETOR

DESAFIOS E POTENCIAIS DO SETOR DESAFIOS E POTENCIAIS DO SETOR FARMACÊUTICO NO BRASIL Antônio Britto Presidente-executivo da Interfarma Rio de Janeiro, 19 de maio de 2014 Em cinco anos, a Interfarma dobrou o número de associadas 2008

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ORIENTAÇÕES PARA TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO CÓDIGO DE CONDUTA Julho 2015

GUIA PRÁTICO DE ORIENTAÇÕES PARA TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO CÓDIGO DE CONDUTA Julho 2015 GUIA PRÁTICO DE ORIENTAÇÕES PARA TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO CÓDIGO DE CONDUTA Julho 2015 APRESENTAÇÃO O programa de treinamento e certificação do Código de Conduta da Interfarma foi criado com o objetivo

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Socioambiental 2013

Relatório de Responsabilidade Socioambiental 2013 Relatório de Responsabilidade Socioambiental 2013 2011-2012 EXPEDIENTE Relatório Interfarma de Responsabilidade Socioambiental 2013 SUPERVISÃO Antônio Britto Presidente executivo Interfarma COORDENAÇÃO-GERAL

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

R E V I S Ã O 2 0 1 2

R E V I S Ã O 2 0 1 2 1 REVISÃO 2012 2 I N T E R F A R M A 3 Prefácio O novo Código de Conduta da Interfarma está em vigor desde o dia 1º de julho de 2012. O documento que, com enorme satisfação, agora apresentamos às autoridades,

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta O Código de Ética e Conduta do ESA - Externato Santo Antônio estabelece o comportamento esperado de todos aqueles que trabalham na, para e com a instituição, e tem por objetivo

Leia mais

Código de Ética da Psicopedagogia

Código de Ética da Psicopedagogia Código de Ética da Psicopedagogia O Código de Ética tem o propósito de estabelecer parâmetros e orientar os profissionais da Psicopedagogia brasileira quanto aos princípios, normas e valores ponderados

Leia mais

Patentes Farmacêuticas. Fórum Permanente de Direito Empresarial Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro EMERJ

Patentes Farmacêuticas. Fórum Permanente de Direito Empresarial Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro EMERJ Patentes Farmacêuticas Fórum Permanente de Direito Empresarial Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro EMERJ Jorge Raimundo, OBE Presidente do Conselho Consultivo da INTERFARMA Rio de Janeiro,

Leia mais

SEÇÃO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS

SEÇÃO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS SEÇÃO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS O Código de Conduta da INTERFARMA surgiu em 2007, com o objetivo de formalizar o compromisso das empresas associadas à INTERFARMA em dirigir suas atividades e relacionamentos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FÍSICA MÉDICA CÓDIGO DE ÉTICA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FÍSICA MÉDICA CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES O presente Código contém os fundamentos éticos, obrigações, responsabilidades e requisitos que devem ser seguidos pelos Físicos Médicos no exercício

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS

CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1. Este Código de Ética foi concebido pelo Conselho de Administração da Bolsa de Licitações e Leilões do Brasil (BLL) e é parte integrante do conceito operacional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

relatório de responsabilidade socioambiental 2011 ano-base 2010

relatório de responsabilidade socioambiental 2011 ano-base 2010 relatório de responsabilidade socioambiental 2011 ano-base 2010 Sumário 5 Apresentação 7 O papel da Interfarma 11 Introdução 17 Indicadores de Responsabilidade Socioambiental Empresarial 21 Gráficos 23

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA ICF. Parte Um: Definição de Coaching. Seção 1: Definições. Parte Dois: Os Padrões ICF de Conduta Ética

CÓDIGO DE ÉTICA DA ICF. Parte Um: Definição de Coaching. Seção 1: Definições. Parte Dois: Os Padrões ICF de Conduta Ética CÓDIGO DE ÉTICA DA ICF Parte Um: Definição de Coaching Seção 1: Definições Coaching: Coaching é fazer uma parceria com os clientes em um processo estimulante e criativo que os inspira a maximizar o seu

Leia mais

DOE Seção I quinta-feira, 19 de março de 2015, páginas 29/30.

DOE Seção I quinta-feira, 19 de março de 2015, páginas 29/30. DOE Seção I quinta-feira, 19 de março de 2015, páginas 29/30. Resolução SS 28, de 18-3-2015 Dispõe sobre a instrução de processos de afastamento para participar de congressos, cursos e outros eventos culturais,

Leia mais

1. Instituído pela Genzyme do Brasil, o Edital do PAPAP é regido pelo presente regulamento.

1. Instituído pela Genzyme do Brasil, o Edital do PAPAP é regido pelo presente regulamento. A Genzyme do Brasil ( Genzyme ) torna pública a abertura do Edital 001/2015 para o Programa de Apoio aos Projetos de Associações de Pacientes ( PAPAP ) e define o processo seletivo para o ano de 2016,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS HUMANOS ABRH NACIONAL CÓDIGO DE CONDUTA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS HUMANOS ABRH NACIONAL CÓDIGO DE CONDUTA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RECURSOS HUMANOS ABRH NACIONAL CÓDIGO DE CONDUTA Somos uma entidade essencialmente associativa, sem fins lucrativos, que dissemina o conhecimento do mundo do trabalho para desenvolver

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO MAGNA INTERNATIONAL INC. DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO Oferecer ou receber presentes e entretenimento é muitas vezes uma

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN 1 Introdução A EVEN conduz seus negócios de acordo com os altos padrões éticos e morais estabelecidos em seu Código de Conduta, não tolerando qualquer forma de corrupção e suborno.

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

Diretrizes de Práticas Promocionais da Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda.

Diretrizes de Práticas Promocionais da Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda. Diretrizes de Práticas Promocionais da Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda. Diretrizes de Práticas Promocionais Daiichi Sankyo Brasil Janeiro de 2013 Este documento atende integralmente o Código de

Leia mais

ACORDO INÉDITO FIRMADO ENTRE CFM E INTERFARMA - 2012: EM DEFESA DAS BOAS PRÁTICAS NO RELACIONAMENTO ENTRE CLASSE MÉDICA E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

ACORDO INÉDITO FIRMADO ENTRE CFM E INTERFARMA - 2012: EM DEFESA DAS BOAS PRÁTICAS NO RELACIONAMENTO ENTRE CLASSE MÉDICA E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ACORDO INÉDITO FIRMADO ENTRE CFM E INTERFARMA - 2012: EM DEFESA DAS BOAS PRÁTICAS NO RELACIONAMENTO ENTRE CLASSE MÉDICA E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Camila Sarkovas Pedalini Advogada, Villaça Rodrigues &

Leia mais

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO APRESENTAÇÃO COLABORADORES Princípios éticos funcionais Emprego e Ambiente de trabalho Conflito de interesses Segredos e informações comerciais SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE

Leia mais

1.4. Seu conteúdo e aprovação são de responsabilidade da Comissão de Certificação de Correspondentes do Instituto Totum.

1.4. Seu conteúdo e aprovação são de responsabilidade da Comissão de Certificação de Correspondentes do Instituto Totum. 1. 1.1. O referente à Certificação de Correspondentes no País Modalidade Transacional (chamado a partir de agora de ), tem por base a legislação que rege a atuação dos correspondentes no País, pela atuação

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 5.120-C, DE 2001 Dispõe sobre as atividades das Agências de Turismo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

Os Tribunais de Contas e a Lei de Acesso à Informação. Conselheiro Antonio Joaquim Presidente da ATRICON

Os Tribunais de Contas e a Lei de Acesso à Informação. Conselheiro Antonio Joaquim Presidente da ATRICON Os Tribunais de Contas e a Lei de Acesso à Informação Conselheiro Antonio Joaquim Presidente da ATRICON O que é a ATRICON 20 anos de fundação Representa conselheiros e auditores substitutos de conselheiros

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A.

CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. CÓDIGO DE CONDUTA DA MULTIPLAN EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S.A. O presente Código de Conduta da Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (a Companhia ), visa cumprir com as disposições do Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR SUMÁRIO 1 CONDIÇÕES GERAIS... 2 2 CONDIÇÕES DE CERTIFICAÇÃO E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 3 PROCESSO TÉCNICO PARA CONCESSÃO DO SELO... 5 4 PROCESSO TÉCNICO AUDITORIA DOS RESULTADOS... 7 5 RECONHECIMENTO

Leia mais

1. Esta Política institucional de gestão de continuidade de negócios:

1. Esta Política institucional de gestão de continuidade de negócios: 1. Esta Política institucional de gestão de continuidade de negócios: a) é elaborada por proposta da área de gestão de continuidade de negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob

Leia mais

XXXI CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA FARMACÊUTICA. Mercado de Trabalho para Médicos na Indústria Farmacêutica. Visão do Executive Search

XXXI CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA FARMACÊUTICA. Mercado de Trabalho para Médicos na Indústria Farmacêutica. Visão do Executive Search XXXI CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA FARMACÊUTICA Mercado de Trabalho para Médicos na Indústria Farmacêutica Visão do Executive Search Rudolf Mayer-Singule Novembro de 2005 QUESTÕES PARA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Competências

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Competências MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Competências Art. 1º - Compete à Comissão de Ética, no âmbito

Leia mais

São Paulo, 16 de setembro de 2011. Ilmo. Sr. Ronaldo Mota Sardenberg Presidente ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações.

São Paulo, 16 de setembro de 2011. Ilmo. Sr. Ronaldo Mota Sardenberg Presidente ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações. São Paulo, 16 de setembro de 2011. Ilmo. Sr. Ronaldo Mota Sardenberg Presidente ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações Prezado Senhor, O Idec Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor - vem,

Leia mais

NORMATIVO SARB 009/2013, de 27 de junho de 2013. DISPOSIÇÕES GERAIS 1. DO OBJETIVO

NORMATIVO SARB 009/2013, de 27 de junho de 2013. DISPOSIÇÕES GERAIS 1. DO OBJETIVO O Conselho de Autorregulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Autorregulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias da autorregulação

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br RELAÇÃO DOS MÉDICOS COM A INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS, ÓRTESES/ PRÓTESE E EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES Conhecer

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC SÃO PAULO CÓDIGO DE ÉTICA Anexo I. Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional dos Profissionais de Investimento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

Écom muito prazer que divulgo nosso Código de Ética e Conduta.

Écom muito prazer que divulgo nosso Código de Ética e Conduta. Código de Ética e Conduta Carta do Presidente Écom muito prazer que divulgo nosso Código de Ética e Conduta. Procuramos refletir todos os princípios éticos e padrões de conduta emanados pela nossa fundadora

Leia mais

REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013. 1ª edição

REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013. 1ª edição REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013 1ª edição 1 DA INSTITUIÇÃO DA PREMIAÇÃO 1.1 O Sinduscon Premium Etapa Litoral Norte 1ª edição instituído pelo SINDUSCON RS, Sindicato das Indústrias

Leia mais

Ministério da Indústria e do Comércio EMPRESA BRASILEIRA DE TURISMO DECRETO Nº 84.910, DE 15 DE JULHO DE 1980

Ministério da Indústria e do Comércio EMPRESA BRASILEIRA DE TURISMO DECRETO Nº 84.910, DE 15 DE JULHO DE 1980 EMBRATUR - LEGISLAÇÃO BRASILEIRA DE TURISMO DEC 84.910/80 1 Ministério da Indústria e do Comércio EMPRESA BRASILEIRA DE TURISMO DECRETO Nº 84.910, DE 15 DE JULHO DE 1980 Regulamenta dispositivos da Lei

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE

REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE 1 REGULAMENTO 1º CONCURSO INOVAÇÃO NO TCE-PE A Escola de Contas Públicas Professor Barreto Guimarães (ECPBG) torna público o regulamento do 1º Concurso Inovação no TCE-PE, que será regido de acordo com

Leia mais

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética

Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética Aliança do Brasil. É assim que a gente faz. Código de Conduta Ética SUMÁRIO CONCEITO OBJETIVO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS DE RELACIONAMENTOS CONFLITOS DE INTERESSE CONFIDENCIALIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESERVAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO. Concurso de Fotografia com Texto

REGULAMENTO. Concurso de Fotografia com Texto REGULAMENTO Concurso de Fotografia com Texto INSTITUTO DE IDIOMAS YÁZIGI Av. 9 de julho, 3166, Jardim Paulista, SP/SP - CEP 01406-900 CNPJ nº 61.343.000/0001-89 Prazo para a participação: 1º/07 /2010 a

Leia mais

Cliente Empreendedorismo Metodologia e Gestão Lucro Respeito Ética Responsabilidade com a Comunidade e Meio Ambiente

Cliente Empreendedorismo Metodologia e Gestão Lucro Respeito Ética Responsabilidade com a Comunidade e Meio Ambiente Código de Ética OBJETIVO Este código de ética serve de guia para atuação dos empregados e contratados da AQCES e explicita a postura que deve ser adotada por todos em relação aos diversos públicos com

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) Dispõe sobre a profissão de treinador de recursos humanos coaching e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS TERMO DE ADESÃO Leia com atenção: Ao aceitar o presente termo de adesão no site de cadastro - o que representa sua assinatura eletrônica, ou seja, tem a mesma validade jurídica de uma assinatura num documento

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

Esclarecimentos sobre a demonstração dos itens do Questionário Avaliativo

Esclarecimentos sobre a demonstração dos itens do Questionário Avaliativo Esclarecimentos sobre a demonstração dos itens do Questionário Avaliativo MEDIDAS DE ÉTICA E CONDUTA 1 - A empresa se encontra em situação regular com a Fazenda Federal? A empresa deve apresentar documento

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 110/10. Fixa as normas para os cursos de especialização e aperfeiçoamento do IFPR. O CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, e,

Leia mais

Raul Anselmo Randon Presidente do Conselho de Administração das Empresas Randon

Raul Anselmo Randon Presidente do Conselho de Administração das Empresas Randon Palavra do Presidente É com satisfação que editamos o Guia de Conduta Ética das Empresas Randon, um instrumento de comunicação que traduz os nossos valores e dá as diretrizes para as nossas ações profissionais,

Leia mais

Código de Ética. Capítulo 1 - DEFINIÇÕES PRELIMINARES

Código de Ética. Capítulo 1 - DEFINIÇÕES PRELIMINARES Código de Ética Considerando que: O Estatuto Social da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação, ASSESPRO NACIONAL, estabelece a existência de um Código de Ética a ser observado

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Compras - Organização Bradesco

Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Compras - Organização Bradesco Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Compras - Organização Bradesco Caros Colaboradores, A Organização Bradesco busca constantemente os mais altos padrões de comportamento ético e está comprometida

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ÉTICA, CONDUTA E INVESTIMENTO PESSOAL

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ÉTICA, CONDUTA E INVESTIMENTO PESSOAL 1. 1. Ética e Conduta 1.1 Ética O princípio maior visa atos respaldados em valores éticos, respeitando os direitos da corretora e dos clientes, visando honrar seus compromissos. O cliente está em primeiro

Leia mais

LEI Nº 6.583, DE 20 DE OUTUBRO DE 1978

LEI Nº 6.583, DE 20 DE OUTUBRO DE 1978 LEI Nº 6.583, DE 20 DE OUTUBRO DE 1978 Cria os Conselhos Federal e Regionais de Nutricionistas, regula o seu funcionamento, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DEFENDA BUSINESS PROTECTION SERVICES & SOLUTIONS Direitos Autorais Este documento contém informações de propriedade da Defenda Business Protection Services & Solutions. Nenhuma

Leia mais

POLÍTICA DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES INVEPAR. A melhor forma de usar nossos recursos.

POLÍTICA DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES INVEPAR. A melhor forma de usar nossos recursos. POLÍTICA DE COMPRAS E CONTRATAÇÕES INVEPAR. A melhor forma de usar nossos recursos. 1. OBJETIVO Este documento tem a finalidade de estabelecer diretrizes para a aquisição de bens e serviços nas empresas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1.Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e implementação das atividades dos Projetos de Fortalecimento da Assistência Farmacêutica (Termo de Cooperação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL MG COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL MG COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL MG COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO I INTRODUÇÃO Art. 1º. A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA), organizada pela UNIFAL MG, é um

Leia mais

COD FORNECEDOR FORNECEDOR DESCONTO 45663 3M DO BRASIL LTDA 7,5 2138796 ABBOTT LAB DO BRASIL LTDA 1,3 2138794 ABBOTT LAB DO BRASIL LTDA 5 59189 ABBOTT

COD FORNECEDOR FORNECEDOR DESCONTO 45663 3M DO BRASIL LTDA 7,5 2138796 ABBOTT LAB DO BRASIL LTDA 1,3 2138794 ABBOTT LAB DO BRASIL LTDA 5 59189 ABBOTT COD FORNECEDOR FORNECEDOR DESCONTO 45663 3M DO BRASIL LTDA 7,5 2138796 ABBOTT LAB DO BRASIL LTDA 1,3 2138794 ABBOTT LAB DO BRASIL LTDA 5 59189 ABBOTT LAB DO BRASIL LTDA. 3,3 3186077 ABBOTT LABORATORIOS

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARFRIG FRIGORÍFICOS E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARFRIG FRIGORÍFICOS E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA MARFRIG FRIGORÍFICOS E COMÉRCIO DE ALIMENTOS S.A. APROVADA NA RCA DE 18/03/2009 SUMÁRIO I OBJETIVO... 3 II - ADMINISTRAÇÃO DA POLÍTICA... 3 II.1

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação e Comunicação da Região Central do Centro do Rio Grande do Sul CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Outubro de 2013 MISSÃO Fortalecer, qualificar,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001

LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 LEI COMPLEMENTAR Nº 108, DE 29 DE MAIO DE 2001 Dispõe sobre a relação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, suas autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades

Leia mais

REGULAMENTO MARÇO 2013

REGULAMENTO MARÇO 2013 PROGRAMA DE VOLUNTÁRIO E ESTAGIÁRIOS MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA NATURAL E DA CIÊNCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA REGULAMENTO MARÇO 2013 1 CONDIÇÕES GERAIS DE ADMISSÃO Voluntariado 1. Qualquer cidadão maior

Leia mais

Código de Conduta Ética da Hix Investimentos Ltda.

Código de Conduta Ética da Hix Investimentos Ltda. Código de Conduta Ética da Hix Investimentos Ltda. Objetivo O presente Código de Conduta Ética tem por objetivo estabelecer os aspectos e postura exigidos de administradores, colaboradores e funcionários

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS DE MEDICINA

CONHECIMENTOS GERAIS DE MEDICINA Normatizações dos Serviços de Estágios e Especializações Médicas Hospital São Francisco de Ribeirão Preto I.INFORMAÇÕES GERAIS O Hospital São Francisco de Ribeirão Preto tem tradição de várias décadas

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. OBJETIVOS O Objetivo das Atividades Complementares é estimular o aluno a participar de experiências diversificadas que contribuam para o seu futuro profissional,

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

PESQUISA INÉDITA DO CREMESP. 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos

PESQUISA INÉDITA DO CREMESP. 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos PESQUISA INÉDITA DO CREMESP 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos 80% dos médicos recebem visitas de representantes da indústria de medicamentos Estudo

Leia mais

GESPÚBLICA Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização NEP-MA- Núcleo da Excelência Pública no Estado do Maranhão

GESPÚBLICA Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização NEP-MA- Núcleo da Excelência Pública no Estado do Maranhão Código de Conduta do NEP-MA Nosso Credo Visão Ser reconhecido como Centro de Produção de Conhecimento na Área da Gestão Pública baseado em Padrões Internacionais de Excelência até 2020. Missão Apoiar a

Leia mais

PARECER CRM/MS N 11/2012 PROCESSO CONSULTA CRM-MS N 03 / 2012 ASSUNTO: Falta a plantão médico PARECERISTA: Conselheiro Faisal Augusto Alderete Esgaib

PARECER CRM/MS N 11/2012 PROCESSO CONSULTA CRM-MS N 03 / 2012 ASSUNTO: Falta a plantão médico PARECERISTA: Conselheiro Faisal Augusto Alderete Esgaib PARECER CRM/MS N 11/2012 PROCESSO CONSULTA CRM-MS N 03 / 2012 ASSUNTO: Falta a plantão médico PARECERISTA: Conselheiro Faisal Augusto Alderete Esgaib EMENTA: O médico poderá faltar a um plantão preestabelecido,

Leia mais

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO OBJETIVO DO CURSO MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA Oferecer condições ferramentais para o profissional

Leia mais

Como ter sucesso na educação a distância

Como ter sucesso na educação a distância Metodologia Diferenciada Ambiente de Aprendizagem Moderno Inovação Continuada e Empreendedorismo Como ter sucesso na educação a distância 1 Regulamento 2 1 Como ter sucesso na educação a distância Para

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA - 7ª Região

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA - 7ª Região Ofício Circular CRP07-187/2009 Porto Alegre, 23 de julho de 2009. I MOSTRA DE PRÁTICAS EM PSICOLOGIA NO CAMPO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS PSICÓLOGO, SEU FAZER NOS INTERESSA. Em 2009, o Conselho Regional de

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento do Grupo de Estudos denominado Núcleo de Estudos Educacionais Interdisciplinares NUDEI Faculdade CNEC Unaí Unaí/MG RESOLUÇÃO Nº CS/005/2015,

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social 2010 ano base 2009

Relatório de Responsabilidade Social 2010 ano base 2009 Relatório de Responsabilidade Social 2010 ano base 2009 R e l a t ó r i o I n t e r f a r m a d e R e s p o n s a b i l i d a d e S o c i a l 2 0 1 0 a n o b a s e 2 0 0 9 1 sumário 5 Apresentação 6 A

Leia mais

EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE

EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE Luís Portela Porto Sumário 2 Enquadramento internacional de I&D em Saúde Um caso de empreendedorismo em Saúde em Portugal: Bial Health Cluster Portugal I&D em percentagem das

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna

Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA - UAUDI Regimento Interno da Unidade de Auditoria Interna Rio de Janeiro 2015 CAPÍTULO I DA MISSÃO E DO ESCOPO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA G UPO

CÓDIGO DE ÉTICA G UPO CÓDIGO DE ÉTICA G UPO 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 2 1. APLICABILIDADE... 3 ESCLARECIMENTOS... 3 O COMITÊ DE ÉTICA... 3 ATRIBUIÇÕES DO COMITÊ... 3,4 2. ASSUNTOS INTERNOS... 4 OUVIDORIA... 4 PRECONCEITO...

Leia mais

Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC

Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC Carta de Princípios do Enquadramento do Voluntariado na UC Considerando: A importância do voluntariado no exercício ativo de cidadania, traduzido na relação solidária com o próximo; A sua relevância cultural

Leia mais

Certificação Digital na Saúde

Certificação Digital na Saúde Marcelo Lúcio da Silva Diretor Executivo e de Certificação da SBIS Brasília, 23 de setembro de 2015 Sobre a SBIS Sociedade científica para o desenvolvimento da Informática em Saúde no Brasil Fundada há

Leia mais

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde III Workshop de Informática e Tecnologia em Saúde da SESAB Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Diretor Executivo e de Certificação da SBIS Salvador-BA, 05

Leia mais

Código de Ética ENGENHARIA AMBIENTAL

Código de Ética ENGENHARIA AMBIENTAL Código de Ética Índice Mensagem do Conselho de Administração... 3 Valores e Crenças... 5 Abrangência e Escopo... 7 Compromissos de conduta... 9 Ambiente de trabalho... 9 Bens da VITAL Utilização e Preservação...

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ nº 13.649.902/0001-03 DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º - A Associação Brasileira

Leia mais

RESOLUÇÃO 033 DO CONSELHO SUPERIOR DO IFMG, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO 033 DO CONSELHO SUPERIOR DO IFMG, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO 033 DO CONSELHO SUPERIOR DO IFMG, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS EM PESQUISA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS

Leia mais

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações?

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? SESI Empreendedorismo Social Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? REGULAMENTO SESI Empreendedorismo Social A inovação social é o ponto de partida para um novo modelo que atende

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 821/97 Aprova a NBC P 1 Normas Profissionais de Auditor Independente com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

2ª Olimpíada de Empreendedorismo Universitário

2ª Olimpíada de Empreendedorismo Universitário 2ª Olimpíada de Empreendedorismo Universitário da Universidade Federal de Goiás CATEGORIA 2 EMPREENDEDORISMO SOCIAL Agosto de 2015 REGULAMENTO CATEGORIA 2 EMPREENDEDORISMO SOCIAL 1. APRESENTAÇÃO A Categoria

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL Associação Brasileira de Quiropraxia Aprovado em Assembléia Geral Extraordinária da Associação Brasileira de Quiropraxia, Novo Hamburgo, 01 de

Leia mais

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ),

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ), ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ARGENTINA RELATIVO À COOPERAÇÃO ENTRE SUAS AUTORIDADES DE DEFESA DA CONCORRÊNCIA NA APLICAÇÃO DE SUAS LEIS DE CONCORRÊNCIA A República

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais