DISPOSIÇÕES COMUNS 2. ASPETOS FINANCEIROS. LIFE13 Kick-off Meeting, 10/09/2014, Madrid

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISPOSIÇÕES COMUNS 2. ASPETOS FINANCEIROS. LIFE13 Kick-off Meeting, 10/09/2014, Madrid"

Transcrição

1 DISPOSIÇÕES COMUNS 2. ASPETOS FINANCEIROS Slide n 1

2 PARABÉNS SUBVENÇÃO: A UE contribui para os custos O ÊXITO DO PROJETO DEPENDE DE: Uma boa implementação do projecto + Uma boa gestão financeira / relatório financeiro Slide n 2

3 Documentos de referência Convenção de subvenção Disposições Comuns (DC) Guia para a apresentação de candidaturas Formulários financeiros Explicações nos formulários financeiros documents/100630_circular_note_time_sheets.pdf Slide n 3

4 PRINCÍPIOS DA CONTRIBUIÇÃO A convenção de subvenção fixa a contribuição como uma percentagem fixa do total dos custos elegíveis e o montante máximo dessa contribuição. (art e 23.2) Não deverá exceder o montante necessário para equilibrar as despesas e receitas do projeto. (art. 23.3) Todas as receitas geradas pelo projeto devem ser declaradas. (art. 23.4) A Comissão pode reduzir proporcionalmente a contribuição da UE se as ações não se executarem ou não tiverem qualidade suficiente(art. 18 e 23.5) Já não há cobrança aos beneficiários dos juros gerados pelo préfinanciamento; não há necessidade de uma conta bancária específica para identificar os fundos recebidos da Comissão Slide n 4

5 MÉTODOS DE PAGAMENTO DA CONTRIBUIÇÃO Regra geral : 3 prestações : 1º pré-financiamento = 40 % do montante máx. da contribuição Pré-financiamento intercalar = 40 % do montante máx. da contribuição Pagamento final = Saldo (máximo 20 %) Projetos pequenos com um período de execução 24 meses ou contribuição Comunitária : 1º pré-financiamento é aumentado para 70 % do montante máx. da contribuição Pagamento final = Saldo (máximo 30 %) (art. 28) Slide n 5

6 O 1º PRÉ-FINANCIAMENTO (art. 28.2) Convenção de subvenção assinada por ambas as partes Pedido de pagamento assinado pelo beneficiário coordenador e dados relativos à conta bancária Uma garantia emitida por um banco ou companhia de seguros pode ser solicitada pela Comissão durante a fase de revisão. Slide n 6

7 O PRÉ-FINANCIAMENTO INTERCALAR Desde que tenham sido gastos, no mínimo, 150 % do 1º préfinanciamento pago. Pago após a aprovação pela Comissão de: Pedido de pagamento Relatório Técnico Intercalar + demonstração financeira Detalhes do auditor (art. 28.3) A Comissão dispõe de 90 dias para efetuar o pagamento após a receção do Relatório Intercalar O Relatório Intercalar deve ser submetido com uma antecedência mínima de 9 meses relativamente à data do fim do projeto Slide n 7

8 PRÉ-FINANCIAMENTO INTERCALAR Exceção: 4 pagamentos 1º pagamento: 40% da contribuição máxima da UE 2º pagamento: 20% da contribuição máxima da UE 3º pagamento: 20% da contribuição máxima da UE Pagamento Final: saldo máximo de 20% (art. 28.3) Quando a duração do projeto é superior a 48 meses e a contribuição da UE é superior a : 2º pagamento quando 100% do préfinanciamento tenha sido gasto; 3º pagamento, quando 100% dos 1º e 2º pré-financiamentos tenham sido gastos. Slide n 8

9 O SALDO (PAGAMENTO FINAL) Após aprovação pela Comissão de : relatório técnico final mapa de receitas e despesas final relatório de auditoria se exigido (ver art. 31) (art. 28.4) A Comissão dispõe de 90 dias para efetuar o pagamento após a receção do Relatório Final O Relatório Final deve ser submetido até 3 meses após a data de termo do projeto Slide n 9

10 O PROCEDIMENTO DE AUDITORIA (art. 31) Um auditor independente, designado pelo beneficiário coordenador, deve verificar o mapa de receitas e despesas final: projetos com contribuição da U.E. > No formato definido na página Web do LIFE/toolkit O auditor deve verificar : a execução do projeto a elegibilidade dos custos declarados + conformidade com as DC a conformidade dos custos com a legislação nacional e regras contabilísticas a declaração de todas as receitas do projeto (incluindo juros do pré-financiamento) a origem das contribuições próprias dos beneficiários Slide n 10

11 Juros de mora por atraso nos pagamentos (art ) De acordo com o artigo 111 das Normas de Execução do Regulamento Financeiro Calculado automaticamente e pago ao beneficiário coordenador se for privado, se o atraso for superior a 90 dias e o juro acumulado > 200 Não é paga aos beneficiários com o estatuto de 'Estado' Slide n 11

12 Requisitos para a Elaboração de Relatórios (art. 29) O relatório financeiro deve abranger o mesmo período de tempo do relatório técnico correspondente Os relatórios devem estar em conformidade com as orientações e formatos disponíveis na página Web do LIFE/toolkit Em Quando as contas dos beneficiários não sejam em : taxa de câmbio do 1º dia útil do ano em que as despesas são pagas (cf. Página Web do Banco Central Europeu) O beneficiário coordenador certifica que a informação submetida é completa, fiável, verdadeira e respeita as DC, que os custos são reais e que todas as receitas foram declaradas Não é necessário enviar em anexo os documentos comprovativos, mas estes podem ser solicitados posteriormente. O beneficiário coordenador deve conservar cópias de todos os documentos comprovativos. Slide n 12

13 Requisitos para a Elaboração de Relatórios (2) (art. 29.6) Além dos requisitos de informação referidos nos artigos 12 (RelatórioTécnicos de Atividades), 28 (Pagamentos) e 29,1 (Declaração de despesas), no caso de projetos com contribuição comunitária superior a 5 milhões e o prazo de execução estabelecido no artigo 2 das Disposições Especiais seja superior a 18 meses, o beneficiário coordenador deve informar a Comissão, até 30 de novembro de cada ano, das despesa acumuladas incorridas pelos beneficários desde o início do projeto. Esta informação é solicitada pela Comissão apenas para fins contabilísticos e não pode ser usada para o cálculo do montante final da subvenção. Slide n 13

14 Slide n 14

15 Slide n 15

16 Consolidated Cost Statement for the Project Project reference Statement of expenditures Total real costs with nonrecoverable VAT Total eligible costs with nonrecoverable VAT Statement of income Personnel EU contribution Travel Contribution of the coordinating beneficiary External assistance Contribution of the associated beneficiaries Durable goods - Infrastructure Other sources of funding Durable goods - Equipment Direct income Durables goods - Prototypes Land/rightspurchase/lease Consumable material Other direct costs Overheads TOTAL ELIGIBLE COSTS 0,00 0,00 TOTAL 0,00 % of eligible costs Date Date and signature signature Slide n 16

17 Slide n 17

18 Contribution of associated beneficiaries Name of associated beneficiary Amount in national currency Year Exchange rate 1,00000 Amount of co-funding in 1, , , ,00000 Total 0,00 Other sources of funding Name of co-financer Amount in national currency Year Exchange rate 1, , , , ,00000 Amount of co-funding in Total 0,00 Direct income Description of the direct income Amount in national currency Year Exchange rate 1, , , , ,00000 Amount in Total 0,00 Slide n 18

19 Previstos no orçamento do projeto ou autorizados mediante uma alteração à convenção de subvenção Diretamente ligados e necessários à execução do projeto Razoáveis e que respeitem os princípios de boa gestão financeira Conformes com a legislação fiscal e social aplicável Incorridos durante o período de execução do projeto e registados nos documentos contabilísticos dos beneficiários: CUSTOS ELEGÍVEIS (art. 24) obrigação legal de pagamento contraída após a assinatura da convenção de subvenção a execução da ação correspondente teve início após a data de início do projeto e fim antes da data de termo do projeto pago na sua totalidade antes do envio do relatório final Slide n 19

20 DESPESAS DE PESSOAL art circular note) Relacionados com os salários dos empregados (não assistência externa) Calculado com base nas tarifas horárias obtidas dividindo o salário bruto anual real pelo total de horas produtivas efetivas de cada empregado Salário bruto anual = acrescido dos encargos sociais obrigatórios e de quaisquer outros custos legais Horas produtivas efetivas são todas as horas trabalhadas menos as ausências (férias, feriados, doença...) Contratos não laborais: condição necessária: trabalhar nas instalações do beneficiário e sob a sua supervisão (folhas de presença/timesheets) Custo dos salários dos funcionários *: a soma da contribuição de entidades públicas deve ser superior pelo menos em 2% à soma dos custos salariais dos funcionários públicos * A definição de funcionário inclui todo o pessoal permanente trabalhando em organismos públicos Atenção: entre em contato com a equipa externa de acompanhamento se o beneficiário é o único proprietário de uma sociedade limitada ou proprietário de uma empresa sem receber salário Slide n 20

21 DESPESAS DE PESSOAL /REGISTO DO TEMPO (art circular note) Use folhas de presença (timesheets) ou um sistema de registo de tempo equivalente, estabelecido e certificado regularmente pelo empregado e empregador Descrição completa dos requisitos: ver "circular note" de (A/917793) O pessoal que trabalhe no projeto LIFE em tempo integral: documento individual de destacamento/afetação pode substituir o registo de tempo de trabalho O pessoal que trabalhe menos de 2 dias por mês, em média, está isento da obrigação de registar o tempo de trabalho Slide n 21

22 Project Reference Name of Beneficiary Name of staff member Is staff member employed Full-time or Part-time Calendar Year Calendar Month Model time sheet Calendar Day In case of absence, indicate one of the reason codes below Hours worked on this project Hours worked on other projects* Hours worked on other projects* Hours worked on other projects* Hours worked on other projects* Hours worked on other projects* Other activities Total hours (including overtime) 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 *indicate project reference Absences Summary for this month Weekend WE Hours worked on this project 0,0 Sick leave SL Hours worked on other projects* 0,0 Public holidays PH Hours worked on other projects* 0,0 Annual holidays AH Hours worked on other projects* 0,0 Other absence OA Hours worked on other projects* 0,0 Other activities 0,0 Total hours (including overtime) 0,0 Date and signature of staff member Date and signature of Project Manager/ Coordinator/Responsible "INSTRUCTIONS For any days during the month that you did not work enter the appropriate Absence Code, i.e. sickness, holiday, recuperation of overtime, etc. Enter the hours you worked for the Life project each day. If you work for more than one Life project be careful to enter the hours against the correct project. Enter the hours you worked on other (i.e. non-life) activities. After the last entry of the month, sign it and date it and pass it on to your line manager/supervisor for validation. Please ensure the timesheet is signed and dated by both yourself and your line manager/supervisor within the first two weeks after the month the timesheet relates to" Slide n 22 LIFE10 Kick-off Meeting, , Madrid

23 Slide n 23

24 DESPESAS DE DESLOCAÇÃO E ESTADIA (art. 24.3) Princípios Imputadas em conformidade com as regras internas do beneficiário Documentos de suporte Bilhetes de avião, contas de hotel,. Viagens de carro : com base na distância e regras internas Custos incorridos pelos trabalhadores (não por consultores externos) Agrupar pequenas despesas numa só linha Não contempla viagens entre casa e local de trabalho Slide n 24

25 Slide n 25

26 ASSISTÊNCIA EXTERNA (art & 8) Princípios Segue as regras aplicáveis aos concursos públicos Inclui o custo da auditoria Inclui aluguer de terrenos de curta duração (com termo anterior à data de conclusão do projecto, só para LIFE+ Nat e LIFE+ Bio) Inclui aluguer de equipamentos ou custos de infraestrutura, mas não custos de "leasing" Documentos justificativos Facturas detalhadas emitidas pelo subcontratante, com clara referência ao projecto LIFE+ e à ordem de compra ou contrato Slide n 26

27 Slide n 27

28 ASSISTÊNCIA EXTERNA E BENS DURADOUROS / PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO Entidades públicas: Siga as regras relativas aos contratos públicos (art. 8.3) Entidades privadas: convidar potenciais subcontratantes a apresentar propostas concorrentes se o valor for> ; respeitar o princípio de melhor relação qualidade/preço (art. 8.3) Os beneficiários coordenadores e associados não podem ser fornecedores uns dos outros / não podem emitir faturas entre os beneficiários (art 6.5.) Slide n 28

29 Encargos de amortização referentes aos bens duradouros são elegíveis se esses bens forem : inscritos no inventário de bens duradouros dos beneficiários tratados como despesas de capital adquiridos ou objeto de locação a preços normais de mercado Necessário para o projeto Tiverem o logótipo LIFE Comprado durante a vida do projeto. Amortizações de bens duradouros adquiridos pelos beneficiários antes da data de início do projeto não são elegíveis no âmbito do financiamento LIFE+ Justificados tecnicamente BENS DURADOUROS (art ,10) Cada beneficiário deve aplicar as suas normas/regras contabilísticas internas para calcular os encargos de amortização elegíveis Slide n 29

30 BENS DURADOUROS (2) (art ) Os encargos de amortização elegíveis estão limitados aos seguintes níveis máximos: Custos de infra-estruturas: 25% do custo total de aquisição Custos de equipamentos: 50% do custo total de aquisição Protótipo : 100% para LIFE+ ENV e LIFE+ BIO (não elegível para LIFE+ INF e LIFE+ NAT) Exceções para LIFE+ NAT & BIO: Infraestruturas, equipamentos : 100% para autoridades públicas ou beneficiários sem fins lucrativos Amortização para outros beneficiários Slide n 30

31 Slide n 31

32 Total Prototype with non-recoverable VAT: 0,00 A B C D E F G H I J K Seq n Year Invoiced amount in Invoiced amount in Date of Number of national currency Exchange Invoiced amount Payment date Supplier Description of prototype national currency invoice invoice with non-recoverable rate in without VAT without VAT VAT 1 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00000 Total 0,00 Slide n 32

33 AQUISIÇÃO DE TERRENOS LIFE+ Natureza: Claúsula ambiental (art. 25) Os custos incorridos na aquisição ou aluguer de longa duração de terrenos/direitos só são elegíveis em projetos LIFE+ Natureza Os preços de aquisição correspondem a preços de mercado Afetar definitivamente os bens adquiridos a atividades de conservação da natureza, para lá da conclusão do projeto O beneficiário coordenador assegura que a inscrição no registo predial inclua uma garantia de afetação definitiva do terreno à conservação da natureza Aquisição de terrenos por organizações privadas: garantia de que a propriedade será transferida para uma entidade jurídica com atividades predominantemente no domínio da proteção da natureza (em caso de desaparecimento ou incapacidade de gestão do beneficiário) Slide n 33

34 Slide n 34

35 OUTRAS RUBRICAS Rubricas MATERIAIS DE CONSUMO (art ) Bens de consumo gerais de escritório estão incluídos em Despesas Gerais Documentos justificativos Faturas detalhadas OUTROS CUSTOS (art ) Custos necessários para o projeto, que não estejam abrangidos por uma rubrica definida Faturas detalhadas DESPESAS GERAIS (art ) Máximo de 7 % do montante total dos custos directos elegíveis, excluindo os custos de aquisição/locação de terrenos Não são necessários Slide n 35

36 Slide n 36

37 Total overheads/indirect costs with non-recoverable VAT 0,00 A B C D E F G H I Seq n Year Description of cost item Invoiced amount in national currency without VAT Invoiced amount in national currency with non-recoverable VAT Invoiced amount in national currency without VAT attributed to the project Invoiced amount in national currency with non-recoverable VAT attributed to the project Exchange rate 1 1, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00000 Total Invoiced amount without VAT attributed to the projectin in (E/G) 0,00 Slide n 37

38 CUSTOS NÃO ELEGÍVEIS Lista não exaustiva. Ver art. 26 das Disposições Comuns Custos de qualquer rubrica de despesas que ultrapassem em mais de 10% e os valores previstos no orçamento (conforme art. 15.2) IVA (ver art. 30) Custos relacionados com atividades não previstas no projeto Custos incorridos na aquisição de bens duradouros ou na produção de material de comunicação que não incluam o logótipo LIFE (e o logótipo Natura 2000, quando aplicável) Custos incorridos para a realização de ações que beneficiem de auxílio concedido ao abrigo de outros instrumentos financeiros da União Europeia Custos para os quais o beneficiário já recebe da União Europeia uma subvenção ao funcionamento durante o período em questão Custos relacionados com ações passíveis de serem considerados uma medida compensatória Custos referentes a planos de gestão, planos de ação e planos similares, elaborados ou alterados no contexto de um projeto LIFE+, se o plano conexo não estiver legalmente operacional antes da data de termo do projeto Slide n 38

39 Instruções Específicas para os Relatórios Financeiros Não espere pelo Relatório Intercalar ou pelo Relatório Final para preparar o resumo das despesas. Este é requerido: Em todos os relatórios (Art DC) Por ocasião das Visitas de Acompanhamento É aconselhável atualizar o mapa das despesas mensalmente (o Beneficiário Coordenador para todos os Beneficiários Associados). Todos os campos/colunas devem ser preenchidos Slide n 39

40 Instruções Específicas para os Relatórios Financeiros (IVA) Tenha cuidado: um erro possível é solicitar aos fornecedores para emitir uma Fatura isenta de IVA por se tratar de um projecto Europeu. Este procedimento não se aplica aos projetos LIFE. Se não pode recuperar IVA deve apresentar um certificado emitido pelas autoridades competentes, o mais tardar com o relatório intercalar. Uma declaração explícita incluída na auditoria independente, listando o montantes de IVA pagos, mas que não podem ser recuperados por qulquer um dos beneficiários, pode ser aceite pela Comissão, se a autoridade competente não emitir o certificado do IVA (30 art.) Slide n 40

41 Instruções Específicas para os Relatórios Financeiros (IVA) art. 30 Os valores de imposto sobre o valor acrescentado pago pelos beneficiários são elegíveis, exceto nos seguintes casos: a) Atividades tributadas ou atividades isentas com direito a dedução do IVA; b) Atividades exercidas pelo beneficiário na sua função de autoridade pública, se o beneficiário é um Estado, uma autoridade regional ou local ou outro organismo de direito público. Slide n 41

42 Todos os beneficiários devem: ALGUNS LEMBRETES Contribuir financeiramente para os custos do projeto Manter atualizados os livros contabilísticos (art. 6) Manter todos os documentos comprovativos relativos a todas as despesas e receitas durante um mínimo de 5 anos após o pagamento final Assegurar que todas as faturas incluam uma referência clara ao projeto e estão ligadas ao sistema de contabilidade analítica Slide n 42

43 ALGUNS CONSELHOS ADICIONAIS Assegurar que a colaboração entre o beneficiário coordenador e o beneficiário associado funciona corretamente (Acordo de Parceria) Distribuir as Disposições Comuns a todos os beneficiários associados e assegurar-se de que eles as leem e compreendem Garantir que os beneficiários associados lhe enviam regularmente a documentação contabilística Acompanhar a execução financeira, comparar as despesas reais com o orçamento inicialmente previsto Os problemas não devem ser ignorados nem ocultados. Relateos à equipa externa de acompanhamento. Slide n 43

44 Mais uma vez, BOA SORTE! Slide n 44

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

DE INVESTIGAÇÃO EXPLORATÓRIA NO ÂMBITO DO PROGRAMA INVESTIGADOR FCT. Normas de execução financeira

DE INVESTIGAÇÃO EXPLORATÓRIA NO ÂMBITO DO PROGRAMA INVESTIGADOR FCT. Normas de execução financeira FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO EXPLORATÓRIA NO ÂMBITO DO PROGRAMA INVESTIGADOR FCT Normas de execução financeira Financiamento de Projetos de Investigação Exploratória no âmbito do Programa

Leia mais

Perguntas e respostas mais frequentes

Perguntas e respostas mais frequentes Convite n.ºeuropeaid/136-792/dd/act/mz para a apresentação de propostas para o Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Perguntas e respostas mais frequentes Por ocasião do lançamento do

Leia mais

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos

Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Entidade Contratante: Delegação da União Europeia em Moçambique Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos Orientações destinadas aos requerentes de subvenções CORRIGENDUM Concurso restrito

Leia mais

CTE Elegibilidades 2014 2020

CTE Elegibilidades 2014 2020 CTE Elegibilidades 2014 2020 Nota: O Comité de Acompanhamento de cada Programa poderá definir normas de elegibilidade adicionais próprias atenção aos termos da convocatória Base Programa REG. (EU) 1303/2013

Leia mais

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde REGULAMENTO DO CONCURSO Concurso para financiamento de projetos em Literacia em Saúde 2013 Artigo 1º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas de acesso ao concurso para financiamento de projetos

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

I. Conteúdo do dossier do(s) projeto(s)

I. Conteúdo do dossier do(s) projeto(s) I. Conteúdo do dossier do(s) projeto(s) PROCESSO SITUAÇÃO ANÁLISE Conteúdo do dossier Conforme Não conforme Não aplicável Observações 1.Memória descritiva e justificativa do projeto 2. Anexos aos formulários

Leia mais

DISPOSIÇÕES COMUNS : 1. ASPETOS TÉCNICOS

DISPOSIÇÕES COMUNS : 1. ASPETOS TÉCNICOS DISPOSIÇÕES COMUNS : 1. ASPETOS TÉCNICOS Slide n 1 Programa implementado através de decisões de financiamento individuais Regulamento LIFE+ Convenção de Subvenção Disposições Comuns Proposta Revista Slide

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A GESTÃO DE PROJECTOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A GESTÃO DE PROJECTOS Nº FICHA Nº PERGUNTA RESPOSTA 1 2 2 2 O que significa exactamente a obrigação que tem o Beneficiário Principal de organizar e manter a contabilidade da globalidade do projecto, bem como de compilar a documentação

Leia mais

relatório final do projecto.../pt/16/c/ /

relatório final do projecto.../pt/16/c/ / Relatório Final Estrutura 1. INTRODUÇÃO 1.1 Caracterização da Situação Antes da Intervenção 1.2 Objectivos da Intervenção 2. IDENTIFICAÇÃO DA DECISÃO 2.1 Elementos Básicos da Decisão Inicial 2.2 Alterações

Leia mais

SIFIDE (SISTEMA DE INCENTIVOS FISCAIS EM INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL)

SIFIDE (SISTEMA DE INCENTIVOS FISCAIS EM INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL) SIFIDE (SISTEMA DE INCENTIVOS FISCAIS EM INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL) Condições de Acesso (Lei n.º 55-A/2010 de 31 de Dezembro) 0 SIFIDE (SISTEMA DE INCENTIVOS FISCAIS EM INVESTIGAÇÃO E

Leia mais

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização

Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Programa Operacional Competitividade e Internacionalização Vale Inovação PSZ CONSULTING Maio 2015 Índice 1 O que é?... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Objetivos Específicos... 2 1.3 Âmbito Setorial... 2 1.4

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

O Programa LIFE+ Mónica Borges e Isabel Lico APA, 11 de Julho de 2012

O Programa LIFE+ Mónica Borges e Isabel Lico APA, 11 de Julho de 2012 O Programa LIFE+ Mónica Borges e Isabel Lico APA, 11 de Julho de 2012 O PROGRAMA LIFE+ I LIFE+ em Portugal II Candidatura LIFE+ 2012 AGÊNCIA PORTUGUESA DO AMBIENTE Entidade coordenadora ao nível nacional

Leia mais

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 4.3.2014

REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO. de 4.3.2014 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 4.3.2014 C(2014) 1229 final REGULAMENTO DELEGADO (UE) N.º /.. DA COMISSÃO de 4.3.2014 que completa o Regulamento (UE) n.º 1299/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho no que

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 Perguntas e Respostas Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 v0 0 ÍNDICE ÂMBITO

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III.1 Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

TESOURARIA. Âmbito. Avisos a Clientes Proposta e emissão de avisos de débitos em atraso de clientes.

TESOURARIA. Âmbito. Avisos a Clientes Proposta e emissão de avisos de débitos em atraso de clientes. Página1 TESOURARIA Âmbito Recibos O módulo de recibos do Multi permite associar os valores recebidos de terceiros aos documentos regularizados, registar os meios de liquidação e emitir o Recibo. O recibo

Leia mais

Guia para a elaboração dos relatórios sobre o projeto (Relatório descritivo e Relatório financeiro)

Guia para a elaboração dos relatórios sobre o projeto (Relatório descritivo e Relatório financeiro) Guia para a elaboração dos relatórios sobre o projeto (Relatório descritivo e Relatório financeiro) A elaboração de relatórios deve servir, em primeiro lugar, ao próprio projeto: como retrospecção das

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO)

V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO) V A L E I N O V A Ç Ã O Page 1 VALE INOVAÇÃO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE INOVAÇÃO) Março 2015 V A L E INO V A Ç Ã O Pag. 2 ÍNDICE 1. Enquadramento... 3 2. Objetivo Específico... 3 3. Tipologia de Projetos...

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÌNDICE Principais orientações e dotação orçamental Programas Operacionais e dotação orçamental específica Órgãos de Governação (Decreto-Lei n.º 137/2014 de 12 de setembro)

Leia mais

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020

PORTUGAL 2020. Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 PORTUGAL 2020 Quadro Comunitário de Apoio 2014-2020 ÍNDICE PORTUGAL 2020 A. Principais orientações e dotação orçamental B. Programas Operacionais e dotação orçamental específica C. Regras gerais de aplicação

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016

Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 FICHA TÉCNICA INOVAR 2020 Sistema de Incentivos à Inovação Empresarial da Região Autónoma da Madeira - Inovar 2020.- Portaria n.º 86/2016 de 2 de Março de 2016 Introdução O INOVAR 2020, Sistema de Incentivos

Leia mais

Inovação Produtiva PME

Inovação Produtiva PME Inovação Produtiva PME Objetivos Promover a inovação no tecido empresarial, traduzida na produção de novos, ou significativamente melhorados, bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis diferenciadores

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

CTE Elegibilidades 2014 2020

CTE Elegibilidades 2014 2020 CTE Elegibilidades 2014 2020 Nota: O Comité de Acompanhamento de cada Programa poderá definir normas de elegibilidade adicionais próprias atenção aos termos da convocatória Sessão de esclarecimentos sobre

Leia mais

1. Preenchimento do Formulário de Recapitulativo de Despesas com Recursos Humanos (Anexo I)

1. Preenchimento do Formulário de Recapitulativo de Despesas com Recursos Humanos (Anexo I) ASSUNTO DISTRIBUIÇÃO FUNDO FLORESTAL PERMANENTE EIXO III PLANEAMENTO, GESTÃO E INTERVENÇÃO FLORESTAL ELABORAÇÃO DOS ELEMENTOS ESTRUTURANTES DAS ZONAS DE INTERVENÇÃO FLORESTAL ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO

Leia mais

União Europeia. Objectivos da sessão

União Europeia. Objectivos da sessão União Europeia Instrumento Europeu para Democracia e Direitos Humanos (IEDDH) Convite para a apresentação de propostas Referencia: EuropeAid/136-792/DD/ACT/MZ Sessão de Informação: Propostas Completas

Leia mais

Normas de Execução Financeira

Normas de Execução Financeira PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 1. Âmbito do financiamento POCI e POS_C Normas de Execução Financeira 1.1. As verbas atribuídas destinam-se a financiar as despesas do

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III. 1 - Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

FICHAS TÉCNICAS DAS REGRAS DE ELEGIBILIDADE POCTEP 2014-2020

FICHAS TÉCNICAS DAS REGRAS DE ELEGIBILIDADE POCTEP 2014-2020 FICHAS TÉCNICAS DAS REGRAS DE ELEGIBILIDADE POCTEP 2014-2020 1. BASE NORMATIVA Regulamento (UE) nº 1303/2013 Regulamento (UE) nº 1299/2013 Regulamento Delegado (UE) nº 481/2014 O Regulamento (UE) nº 1299/2013

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC)

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 01.REV/SIAC/2012 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) METODOLOGIA DE CÁLCULO DAS DESPESAS COM O PESSOAL TÉCNICO DO BENEFICIÁRIO E LIMITES À ELEGIBILIDADE DE DESPESAS Nos termos

Leia mais

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO

http://www.portaldecontabilidade.com.br/guia/clientes/comercial/imobi... ATIVO IMOBILIZADO 1 de 6 31/01/2015 14:40 ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa, caracterizados por apresentar-se na forma tangível

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA Junho de 2009 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro

Leia mais

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO

NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO Sessão de esclarecimento para associações 1 2 Ofício n.º 30141 de 4 de Janeiro de 2013 da Direção de Serviços do IVA Novas Regras de Faturação Instruções complementares ao Ofício-Circulado

Leia mais

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 8.1 Custos de pessoal

Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 8.1 Custos de pessoal Guia Sudoe - Para a elaboração e gestão de projetos Versão Portuguesa Ficha 8.1 Custos de pessoal 2 Ficha 8.1 Custos de pessoal Índice 1 Custos de pessoal... 5 1.1 Contexto... 5 1.2 Definição, regimes

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA [VERSÃO MONOCONTRATANTE] III.1 - Definições Além das previstas no artigo II.1,

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 23 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 23 (REVISTA EM 1993) Custos de Empréstimos Obtidos

Manual do Revisor Oficial de Contas IAS 23 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 23 (REVISTA EM 1993) Custos de Empréstimos Obtidos IAS 23 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 23 (REVISTA EM 1993) Custos de Empréstimos Obtidos Esta Norma Internacional de Contabilidade revista substitui a IAS 23, Capitalização de Custos de Empréstimos

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

Programa Incentivo. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento

Programa Incentivo. Normas de execução financeira. 1. Âmbito do financiamento Programa Incentivo Normas de execução financeira 1. Âmbito do financiamento As verbas atribuídas destinam-se a financiar o funcionamento da instituição de investigação científica e desenvolvimento tecnológico,

Leia mais

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA A TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTOS

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA A TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTOS ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA A TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTOS REGIME DE DESENVOLVIMENTO [MONOCONTRATANTE] III.1 - Definições Além das previstas no artigo II.1,

Leia mais

Atenção: Empréstimos ao projeto não constituem receitas, por favor mencione-os no saldo consolidado NOTA 5.

Atenção: Empréstimos ao projeto não constituem receitas, por favor mencione-os no saldo consolidado NOTA 5. GUIA para o Relatório de auditoria 1. Generalidades - Forma jurídica da entidade responsável do projeto (estatutos, personalidade jurídica, representantes legais etc.) NOTA 1. - Organização interna (organograma

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELA UE/PELO FED

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELA UE/PELO FED Divulgação limitada à Entidade Adjudicante e ao autor do documento, tendo em vista proteger os dados pessoais e a vida privada, bem como a confidencialidade de informações comerciais e industriais FORMULÁRIO

Leia mais

WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à Criação do Próprio Emprego e de Empresas 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio

Leia mais

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à de Empresas e Criação do Próprio Emprego IEFP,I.P. 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio Emprego ou

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS Portaria n.º 985/2009, de 4 de setembro, alterada pela Portaria n.º

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 1 (DESPESAS ELEGÍVEIS)

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 1 (DESPESAS ELEGÍVEIS) ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 1 (DESPESAS ELEGÍVEIS) SISTEMA DE APOIO ÀS TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO AVISO NORTE - 46-2015 - 03 PROMOÇÃO DO ESPÍRITO EMPRESARIAL AVISO NORTE - 51-2015

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I.

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. Âmbito e Objetivo A Comissão de Auditoria ( CAUD ) no exercício das

Leia mais

Albufeira, 24 de Maio de 2012

Albufeira, 24 de Maio de 2012 Albufeira, 24 de Maio de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de tradução AMI14/AR-RU 2014/S 059-098331. Convite à manifestação de interesse

Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de tradução AMI14/AR-RU 2014/S 059-098331. Convite à manifestação de interesse 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:98331-2014:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de tradução AMI14/AR-RU 2014/S 059-098331 Convite à manifestação

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ ATIVO IMOBILIZADO Considerações Gerais Sumário 1. Conceito 2. Classificação Contábil Das Contas do Ativo Imobilizado 3. Imobilizado em Operação 3.1 - Terrenos 3.2 - Edificações 3.3 - Instalações 3.4 -

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge PROENERGIA - Programa de incentivos à produção de energia a partir de fontes renováveis Âmbito São suscetíveis de apoio projetos que envolvam: a) Investimentos na exploração de recursos energéticos renováveis

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral

Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral AVISO/CONVITE PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL 2014-2020 (MADEIRA14-20) EIXO PRIORITÁRIO 7 Promover o Emprego e Apoiar a Mobilidade Laboral PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI)

Leia mais

SESSÕES ESCLARECIMENTO Apoios POPH / FSE Cursos Profissionais e CEF Dezembro 2010

SESSÕES ESCLARECIMENTO Apoios POPH / FSE Cursos Profissionais e CEF Dezembro 2010 SESSÕES ESCLARECIMENTO Apoios POPH / FSE Cursos Profissionais e CEF Dezembro 2010 I. ENQUADRAMENTO MAXIMIZAR EXECUÇÃO FSE Princípio: crescimento da oferta formativa assegurada pelo FSE Assegurar CPN através

Leia mais

Orientações Básicas. FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS

Orientações Básicas. FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS 1 FAPERGS Edital 16/2013 Orientações Básicas Execução Financeira dos Recursos de Subvenção Econômica FAPERGS Edital 16/2013 TECNOVA/RS 2 1. Regras Básicas Vedado alteração do objeto do Termo de Subvenção

Leia mais

Perguntas e Respostas. Aviso 06 - Enchimento de Pneus a Nitrogénio 2014

Perguntas e Respostas. Aviso 06 - Enchimento de Pneus a Nitrogénio 2014 ÂMBITO GERAL Perguntas e Respostas Aviso 6 - Enchimento de Pneus a Nitrogénio 14 1. O que é o FEE Fundo de Eficiência Energética? O Fundo de Eficiência Energética (FEE) é um instrumento financeiro que

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015. Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO (EXEMPLO) Março 2015 Avaliação e Financiamento de Unidades de Investigação Protocolo de Colaboração (Exemplo) O Termo de Aceitação (TA) do financiamento atribuído pela Fundação

Leia mais

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo

Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Inovação Empreendedorismo Qualificado e Criativo Objetivos Promover o empreendedorismo qualificado e criativo Tipologias de Projetos 1. São suscetíveis de financiamento os projetos das PME, com menos de

Leia mais

SIDER. Guia para o preenchimento do Formulário de Pedido de Pagamento do Incentivo

SIDER. Guia para o preenchimento do Formulário de Pedido de Pagamento do Incentivo REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA ECONOMIA DIREÇÃO REGIONAL DE APOIO AO INVESTIMENTO E À COMPETITIVIDADE SIDER Guia para o preenchimento do Formulário de Pedido de Pagamento do Incentivo

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO - RDC Nº 22, DE 30 DE MAIO DE 2000 (*) Cria instrumento para acompanhamento econômico-financeiro das Operadoras A Diretoria Colegiada

Leia mais

OBRAS NACIONAIS ATRAVÉS DE ASSOCIAÇÕES DO SETOR

OBRAS NACIONAIS ATRAVÉS DE ASSOCIAÇÕES DO SETOR ANEXO XX PROGRAMA DE APOIO À INTERNACIONALIZAÇÃO SUBPROGRAMA DE APOIO À DIVULGAÇÃO E PROMOÇÃO INTERNACIONAL DE OBRAS NACIONAIS ATRAVÉS DE ASSOCIAÇÕES DO SETOR 1. Âmbito O ICA apoia projetos promovidos

Leia mais

REGULAMENTO (CE) N.º 448/2004 DA COMISSÃO. de 10 de Março de 2004

REGULAMENTO (CE) N.º 448/2004 DA COMISSÃO. de 10 de Março de 2004 REGULAMENTO (CE) N.º 448/2004 DA COMISSÃO de 10 de Março de 2004 que altera o Regulamento (CE) n.º 1685/2000 relativo às regras de execução do Regulamento (CE) n.º 1260/1999 do Conselho no que diz respeito

Leia mais

Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental

Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental Guia de Preenchimento da Proposta de Adesão ao Plano de Saúde Claro Dental Este documento vai auilia-lo(a) a realizar o correcto preenchimento do seu Plano de Saúde Dentário da Claro S.A. que é composto

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 Atualizado em 10/11/2014 Esta nota tem o objetivo de esclarecer as instituições que pretendam apresentar propostas de projetos ao Edital 05/2014. 1. No que se refere

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

Portugal 2020. Regras Gerais para Apoios do Portugal 2020

Portugal 2020. Regras Gerais para Apoios do Portugal 2020 Portugal 2020 Regras Gerais para Apoios do Portugal 2020 Out 2014 1 Apresentação dos Programas Os PO financiados pelos FEEI são os seguintes a) Quatro Programas Operacionais temáticos: Competitividade

Leia mais

GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE DELEGAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA EM MOÇAMBIQUE

GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE DELEGAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA EM MOÇAMBIQUE GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE DELEGAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA EM MOÇAMBIQUE Parte 1- Informação geral e elegibilidade dos custos Parte 2 Opção dos custos simplificados Parte

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DO EMPREGO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS. Programa de Acção Comunitária de Luta contra a Exclusão Social 2002-2006

COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DO EMPREGO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS. Programa de Acção Comunitária de Luta contra a Exclusão Social 2002-2006 COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DO EMPREGO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS Segurança Social e Integração Social Segurança social e políticas de inclusão Programa de Acção Comunitária de Luta contra a Exclusão

Leia mais

(5) As disposições relativas à aquisição de terrenos com o apoio de instrumentos financeiros devem ser clarificadas por regras específicas.

(5) As disposições relativas à aquisição de terrenos com o apoio de instrumentos financeiros devem ser clarificadas por regras específicas. 13.5.2014 L 138/5 REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 480/2014 DA COMISSÃO de 3 de março de 2014 que completa o Regulamento (UE) n. o 1303/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho que estabelece disposições

Leia mais

CHEQUE - FORMAÇÃO. Criar valor

CHEQUE - FORMAÇÃO. Criar valor CHEQUE - FORMAÇÃO Criar valor Legislação Enquadradora A medida Cheque-Formação, criada pela Portaria n.º 229/2015, de 3 de agosto, constitui uma modalidade de financiamento direto da formação a atribuir

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:293146-2015:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:293146-2015:text:pt:html 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:293146-2015:text:pt:html Grécia-Tessalónica: Desenvolvimento de tecnologias de informação e informações sobre o mercado

Leia mais

Qualificação e Internacionalização das PME

Qualificação e Internacionalização das PME Qualificação e Internacionalização das PME Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos

Leia mais

PROGRAMA GULBENKIAN QUALIFICAÇÂO DAS NOVAS GERAÇÕES REGULAMENTO DO CONCURSO. Educação Especial. Enquadramento

PROGRAMA GULBENKIAN QUALIFICAÇÂO DAS NOVAS GERAÇÕES REGULAMENTO DO CONCURSO. Educação Especial. Enquadramento PROGRAMA GULBENKIAN QUALIFICAÇÂO DAS NOVAS GERAÇÕES REGULAMENTO DO CONCURSO Educação Especial 2014 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian tem vindo, desde há vários anos, a prestar particular atenção

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento

VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D. Condições de Enquadramento VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO, EMPEENDEDORISMO, E I&D Condições de Enquadramento Portaria nº 57-A/2015 de 27 de Fevereiro de 2015 0 VALES SIMPLIFICADOS - INTERNACIONALIZAÇÃO, INOVAÇÃO,

Leia mais

N A P NORMA DE APLICAÇÃO PERMANENTE

N A P NORMA DE APLICAÇÃO PERMANENTE D.S. 01/07/2004 05/07/2004 06/2004 1/5 Assunto: Regras funcionamento para os Bancos Investimento.- O BCSTP, no uso das competências e atribuições, que lhe são concedidas pelos artigos 8.º, alínea c) e

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS

TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS TRIBUTAÇÃO DE JUROS, DIVIDENDOS E MAIS-VALIAS NO CHIPRE LEIS E DECRETOS Lei (alterada) do Imposto sobre os Rendimentos de 2005 Lei (alterada) da Contribuição Especial para a Defesa de 2004 Lei (alterada)

Leia mais

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS

IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS BOLETIM INFORMATIVO N.º 3/2010 IMPARIDADE DE ACTIVOS FINANCEIROS ASPECTOS CONTABILÍSTICOS E FISCAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria,

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor.

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. acompanhado dos cartões de embarque originais utilizados; f) A FAPERJ não aceitará o pagamento

Leia mais

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação)

Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) L 271/38 ANEXO IV Empréstimo no domínio da eficiência energética e das energias renováveis no setor da construção habitacional (empréstimo para a renovação) Representação esquemática do princípio do empréstimo

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010

NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010 NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010 A presente Nota tem por objectivo auxiliar as entidades beneficiárias, conforme âmbito e condições estabelecidas no Aviso de Abertura nº 20/2010, na elaboração das candidaturas

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 13.REV1/2011 SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT LIMITES À ELEGIBILIDADE DE DESPESAS, CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DE APLICAÇÃO DAS DESPESAS ELEGÍVEIS E METODOLOGIA DE CÁLCULO DAS DESPESAS COM

Leia mais

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada Designação Estágios Emprego Considera-se estágio o desenvolvimento de uma experiência prática em contexto de trabalho com o objetivo

Leia mais

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º

EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EUROPA CRIATIVA (2014-2020) Subprograma «Cultura» Convite à apresentação de candidaturas n.º EACEA 32/2014 : Projetos de cooperação europeia Execução das ações do subprograma «Cultura»: projetos de cooperação

Leia mais

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL ITICCRD_20150701 Caixa ITIC CASO DE CONTRATAÇÃO À DISTÂNCIA INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS,

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO. Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO. Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional em matéria de política de saúde, foi definido, pelo Decreto Lei n.º

Leia mais