Apoio Matricial Salvador, Outubro 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apoio Matricial Salvador, Outubro 2012"

Transcrição

1 SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SESAB SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE SAIS DIRETORIA DA ATENÇÃO BÁSICA DAB COORDENAÇÃO DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO - COAM Apoio Matricial Salvador, Outubro 2012

2 Gestão Participativa DAB APOIO INSTITUCIONAL APOIO MATRICIAL

3 Apoio Matricial em Saúde Apoio: maneira para operar relações horizontais mediante a construção de várias linhas de transversalidade Matriz: em sua origem latina, significa o lugar onde se geram e se criam coisas. traz a idéia de um lugar onde coisas são geradas, ou seja, um saber externo potencializando, questionando e se compondo com o saber local, para produzir, dentro do espaço coletivo, novos saberes, novos modos de fazer as coisas (CAMPOS, 2000, p. 64)

4 Apoio Matricial em Saúde Novo arranjo organizacional de modo a facilitar a co-gestão em saúde, estimulando cotidianamente a produção de novas formas de interrelação entre equipes, através de construção dialógica entre um saber especializado e equipe de referencia. Procura complementar as relações previstas em sistemas hierarquizados Duas dimensões: A dimensão assistencial é aquela que vai produzir ação clínica direta com os usuários, e Ação técnico-pedagógica vai produzir ação de apoio educativo com e para a equipe.

5 Apoio Matricial em Saúde Busca promover uma interlocução (comunicação ativa) entre diferentes equipamentos de saúde numa tentativa de organizar o serviço e o processo de trabalho, de modo a tornar horizontal as especialidades e estas permearem todo o campo das equipes de saúde. Entende-se como o suporte técnico especializado, em que conhecimentos e ações, historicamente reconhecidos como inerentes a uma determinada área, são ofertados aos demais profissionais de saúde na composição de um espaço de troca de saberes, invenções e experimentações que auxiliam a equipe a lidar com a subjetividade dos usuários

6 Apoio Matricial em Saúde O Apoio Matricial em saúde objetiva: Assegurar retaguarda especializada a equipes e profissionais encarregados da atenção a problemas de saúde. Diminuir a fragmentação imposta ao processo de trabalho decorrente da especialização crescente em quase todas as áreas de conhecimento. O papel de cada instância, de cada profissional, deve ficar bem claro. O apoio matricial depende de um importante grau de compartilhamento do poder entre distintos profissionais componentes de uma equipe e desses com outros especialistas e depende da existência de espaços coletivos e democracia institucional

7 E na Gestão? Objetivos: Subsidiar às equipes de Apoio Institucional na área de avaliação e monitoramento de indicadores com interface com a AB. Aumentar a capacidade das Equipes de AI para resolução dos nós críticos da gestão municipal Três equipes de Apoio Matricial Uma equipe de AM para cada 03 Equipes de AI Leste, Sudoeste e Nordeste Sul, Extremo-Sul e Oeste Norte, Centro-Norte e Centro-Leste

8 Diversos olhares do Apoiador Institucional

9 Apoio Matricial COAM - COAD Principais Atividades: Levantamento de dados de saúde da macro e microrregião Encontros para discussão das informações em saúde: Linhas de cuidado Situação de saúde Discussão de situação de saúde de alguns municípios prioritários Viagens acompanhando às Equipes de Apoio Institucional Principais ferramentas utilizadas: Geoportal: Mapa de indicadores Cadastro Remoto Caderno de Avaliação e Monitoramento da Atenção Básica (CAMAB)

10 Apoio Matricial COAM - COAD COAM Monitoramento dos indicadores com interface à Atenção Básica COAD Apoio Institucional

11 Desafios do Apoio Matricial Volume de informações inseridas na caixa de ferramentas Trabalhar com as singularidades das equipes em relação à periodicidade e temáticas dos encontros Mudanças dentro das equipes Minimizar as consequências do atravessamento das agendas. Ter capacidade de diversificação do objeto dos Apoios

12 Considerações Apoio Matricial como retaguarda, rede de apoio e espaço de troca de saberes. O Apoio Matricial deve ser dinâmico e dialógico.

13 Tudo, no final das contas, vai dar certo. É só acreditar!

14 Supervisão em Saúde As funções de mando (ou gerência) estão separadas das funções de execução Imprime uma dada orientação ao próprio processo de trabalho. É hierárquico Pode gerar: uma ação meramente burocrática uma atividade de fiscalização estrita O supervisor: Um intermediário da direção da instituição em relação ao nível de execução Tem como principais funções: conferir (verificar como estão sendo realizadas as ações e sua compatibilidade com as normas), retificar (corrigir a conduta conforme a norma) e informar (dar ciência à direção).

15 Troca de saberes e priorização de informação Troca de saberes Demandas Demandas P

A DIRETORIA DA ATENÇÃO BÁSICA DA BAHIA E SUA EXPERIÊNCIA DE APOIO INSTITUCIONAL AOS MUNICÍPIOS

A DIRETORIA DA ATENÇÃO BÁSICA DA BAHIA E SUA EXPERIÊNCIA DE APOIO INSTITUCIONAL AOS MUNICÍPIOS SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO DE APOIO INSTITUCIONAL E DESENVOLVIMENTO Secretaria da Saúde A DIRETORIA DA ATENÇÃO

Leia mais

Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos

Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos NOTA PEDAGÓGICA* MATRICIAMENTO PELOS NÚCLEOS DE APOIO À SAÚDE DA FAMÍLIA Para refletir... Nenhum de nós é tão bom quanto todos nós juntos INTRODUÇÃO De acordo com Campos e Domitti (2007), os conceitos

Leia mais

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida

I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas da realida A atuação do Assistente Social na e a interface com os demais níveis de complexidade Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas

Leia mais

REFERENCIAL PARA A GESTÃO DO CUIDAR. Prof. Dr. Pedro Marco Karan Barbosa - FAMEMA -

REFERENCIAL PARA A GESTÃO DO CUIDAR. Prof. Dr. Pedro Marco Karan Barbosa - FAMEMA - REFERENCIAL PARA A GESTÃO DO CUIDAR Prof. Dr. Pedro Marco Karan Barbosa - FAMEMA - O trabalho em equipe Pode ser entendido como uma estratégia, concebida pelo homem, para melhorar a efetividade do trabalho

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS

TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS TERMO DE REFERÊNCIA CONSULTORIA PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DA INICIATIVA DIÁLOGO EMPRESAS E POVOS INDIGENAS (JULHO à DEZEMBRO DE 2017) I. Histórico e Contexto Em 2012, associações indígenas

Leia mais

RIPSA. Documento Básico

RIPSA. Documento Básico Governo do Estado da Bahia Secretaria de Saúde do Estado da Bahia Rede Interagencial de Informação em Saúde no Estado da Bahia Ripsa- Bahia Oficina de Trabalho Interagencial (OTI) Documento Básico I. Introdução

Leia mais

Consensos da Comissão da PPI COSEMS SESAB. Reunião da CIB Auditório da AGERBA

Consensos da Comissão da PPI COSEMS SESAB. Reunião da CIB Auditório da AGERBA Consensos da Comissão da PPI COSEMS SESAB Reunião da CIB 30.06.09 Auditório da AGERBA Política de Gestão da Rede de Atenção Especializada I. Desenho de redes hierarquizadas, regionalizadas, integradas,

Leia mais

SUPERVISOR DE ENSINO

SUPERVISOR DE ENSINO SUPERVISOR DE ENSINO 01. A função social dos Especialistas em Educação, dentre eles o Supervisor Escolar, nem sempre foi vista de acordo com a concepção pedagógica atual, que concebe o supervisor como

Leia mais

SUPERVISOR DE ENSINO

SUPERVISOR DE ENSINO SUPERVISOR DE ENSINO 01. A função social dos Especialistas em Educação, dentre eles o Supervisor Escolar, nem sempre foi vista de acordo com a concepção pedagógica atual, que concebe o supervisor como

Leia mais

REDES ASSISTENCIAIS. Fragmentação da Atenção Conflitos de Condutas e Iatrogenia. Des-responsabilização. Ações Individualizantes

REDES ASSISTENCIAIS. Fragmentação da Atenção Conflitos de Condutas e Iatrogenia. Des-responsabilização. Ações Individualizantes REDES ASSISTENCIAIS Integralidade no Sistema Sinergia de Ações Ações Coordenadas e Singularizadas. Pessoas responsáveis por pessoas. Ações coletivas sobre Determinantes de saúde Fragmentação da Atenção

Leia mais

COMISSÃO DE ENSINO E PESQUISA (CEP-CSE BUTANTÃ MAIO/2008)

COMISSÃO DE ENSINO E PESQUISA (CEP-CSE BUTANTÃ MAIO/2008) U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O F A C U L D A D E D E M E D I C I N A CENTRO DE SAÚDE-ESCOLA PROF. SAMUEL BARNSLEY PESSOA Av. Dr. Vital Brasil, 1490, Butantã - CEP 05503-000 São Paulo SP (011)

Leia mais

Regulação e Integraçãodo da Rede de Atendimento ao SUS

Regulação e Integraçãodo da Rede de Atendimento ao SUS Seminário sobre Gestão de Hospitais que Formam a Rede do SUS no Brasil Regulação e Integraçãodo da Rede de Atendimento ao SUS Rio de Janeiro - Outubro/14 POLÍTICA NACIONAL DE REGULAÇÃO (PT GM/MS nº 1.559,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Desempenhar atividades técnicas e de gestão para o desenvolvimento da cooperação técnica descentralizada, com vistas

Leia mais

Apresentação da Área Técnica de Alimentação e Nutrição da Bahia

Apresentação da Área Técnica de Alimentação e Nutrição da Bahia Apresentação da Área Técnica de Alimentação e Nutrição da Bahia Junho 2011 Apresentação da Equipe Estadual Estado: Bahia Coordenadora da Coordenação de Políticas Transversais (CPT): Liliane Silveira Equipe

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ITAITUBA ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA ITAITUBA ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA ITAITUBA ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ALCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179 de 2010 da Presidência

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR

POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR NOTA TÉCNICA 02 2006 POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR 1 Brasília, 10 de fevereiro de 2006. I. Introdução: NOTA TÉCNICA 02 2006 O Ministério da Saúde está propondo a implantação da Política Nacional

Leia mais

Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica. Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU)

Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica. Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU) Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU) Índice da Apresentação Lições aprendidas Projeto Proteção da Mata Atlântica II (2009 a 2012)

Leia mais

Gestão colaborativa: construção das competências, atribuições e

Gestão colaborativa: construção das competências, atribuições e Gestão colaborativa: construção das competências, atribuições e ações mínimas dos CEREST regionais de Minas Gerais. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais Introdução Entre as estratégias adotadas

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA Nº 04 ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE O RELATÓRIO QUADRIMESTRAL DE ACORDO COM A LEI COMPLEMENTAR Nº141 DE 13 DE JANEIRO DE 2012 Introdução: Até 2011, a forma de prestar contas sobre as ações, recursos

Leia mais

Eduardo Lapa. Inteligência Empresarial Transformando Informação e Conhecimento em Valor

Eduardo Lapa. Inteligência Empresarial Transformando Informação e Conhecimento em Valor Eduardo Lapa Inteligência Empresarial Transformando Informação e Conhecimento em Valor Storyboard O que é Inteligência empresarial Porque inteligência empresarial Como as empresas se beneficiam com isso

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL O DESAFIO DA GESTÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS EM PAÍSES FEDERATIVOS

SEMINÁRIO INTERNACIONAL O DESAFIO DA GESTÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS EM PAÍSES FEDERATIVOS SEMINÁRIO INTERNACIONAL O DESAFIO DA GESTÃO DAS REGIÕES METROPOLITANAS EM PAÍSES FEDERATIVOS A POLÍTICA NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E AS REGIÕES METROPOLITANAS Antonio Carlos F. Galvão (SDR-MI)

Leia mais

CENTRO DE DEFESA DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (CEDECA RIO DE JANEIRO)

CENTRO DE DEFESA DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (CEDECA RIO DE JANEIRO) CENTRO DE DEFESA DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE (CEDECA RIO DE JANEIRO) CNPJ Nº 10.832.372/0001-38 EDITAL Nº 001 /2017 O CENTRO DE DEFESA DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CEDECA RJ, no

Leia mais

Profa. Daniela Menezes

Profa. Daniela Menezes Unidade III PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Profa. Daniela Menezes Quantificação de objetivos e desafios Quando uma empresa estabelece seus objetivos e desafios, necessariamente ela deverá passar por uma abordagem

Leia mais

Plano de Metas CRESS 20ª. Região MT 2014

Plano de Metas CRESS 20ª. Região MT 2014 Plano de Metas CRESS 20ª. Região MT 2014 Este plano registra objetivo, metas e as atividades a serem desenvolvidas pelo CRESS-20ª região, por meio de suas comissões Orientação e Fiscalização Profissional;

Leia mais

Prezados(as) gestores(as),

Prezados(as) gestores(as), Prezados(as) gestores(as), Este boletim tem como objetivo trazer informações atualizadas sobre os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf). Apresenta o panorama nacional das equipes do Nasf, alguns dados

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA BLUMENAU ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA BLUMENAU ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA BLUMENAU ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ALCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179 de 2010 da Presidência

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

Ofício Circular S/SUBPAV/SAP/CPNASF n.º 05/2016

Ofício Circular S/SUBPAV/SAP/CPNASF n.º 05/2016 Ofício Circular S/SUBPAV/SAP/CPNASF n.º 05/2016 Rio de Janeiro, 07 de dezembro de 2016. Às Coordenadorias Gerais de Atenção Primária, com vistas às Organizações Sociais de Saúde Assunto: Diretrizes de

Leia mais

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO

Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Acordo de Acionistas NORMA DE da CPFL Energia S.A. ENGAJAMENTO Atual DE Denominação PÚBLICOS Social DE da Draft II Participações INTERESSE S.A. Sumário Introdução 3 Objetivo da Norma 4 Conceitos básicos

Leia mais

Politica Nacional de Humanizacao PNH

Politica Nacional de Humanizacao PNH Politica Nacional de Humanizacao PNH Brasília DF 2013 ABITEP - www.concursosdeodontologia.com.br 1 O que e a Politica Nacional de Humanizacão? Lançada em 2003, a Política Nacional de Humanização (PNH)

Leia mais

Apresentação. Geek Educacional

Apresentação. Geek Educacional Apresentação Geek Educacional Geek Educacional 02 Geek Educacional 03 Geek Educacional A Geek Educacional é uma empresa especializada em pesquisas e desenvolvimento de soluções, que viabilizam um melhor

Leia mais

PARECER SETOR FISCAL Nº 34/2015

PARECER SETOR FISCAL Nº 34/2015 PARECER SETOR FISCAL Nº 34/2015 Assunto: Parecer Técnico sobre a mudança de setor sem aviso. 1-Do Fato: Olá sou Enfermeira do Waldemar de Alcântara há 3 anos, trabalho no Centro Cirúrgico no serviço noturno.

Leia mais

Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas. Ministério do Planejamento

Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas. Ministério do Planejamento Planejamento Desenvolvimento Políticas Públicas PPA 2012-2015 Sumário 1. Princípios do PPA 2. Dimensões do Plano 3. Principais Mudanças 4. Elaboração do PPA 5. Exemplo de Programa 6. Modelo de Gestão 7.

Leia mais

Função em Confiança ANALISTA TÉCNICO

Função em Confiança ANALISTA TÉCNICO Função em Confiança ANALISTA TÉCNICO Nível Anterior 15 Nível Atual 19 Requisitos: Diploma de Graduação reconhecido pelo MEC e inscrição no Conselho da Profissão, Descrição da Função: Prestar orientações

Leia mais

CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE

CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE CONTROLE SOCIAL e PARTICIPAÇÃO NO SUS: O PAPEL DO CONSELHO ESTADUAL DE SAÚDE EDERSON ALVES DA SILVA Vice-Presidente Conselho Estadual de Saúde de Minas Gerais conselhoestadualdesaudemg@gmail.com O Sistema

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA JABOATÃO DOS GUARARAPES ARTICULADORES

TERMO DE REFERÊNCIA JABOATÃO DOS GUARARAPES ARTICULADORES TERMO DE REFERÊNCIA JABOATÃO DOS GUARARAPES ARTICULADORES PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ALCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179

Leia mais

GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DO PROJETO

GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DO PROJETO GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DO PROJETO Planejar a Qualidade O gerenciamento da qualidade do projeto inclui os processos e as atividades da organização executora que determinam as políticas de qualidade,

Leia mais

Índice. 1. O Processo de Organização Escolar Pensando para a Prática Grupo Módulo 8

Índice. 1. O Processo de Organização Escolar Pensando para a Prática Grupo Módulo 8 GRUPO 5.1 MÓDULO 8 Índice 1. O Processo de Organização Escolar...3 1.1. Pensando para a Prática... 3 2 1. O PROCESSO DE ORGANIZAÇÃO ESCOLAR O processo de organização escolar dispõe de etapas a fim de que

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL SUPERINTENDÊNCIA CORPORATIVA DE RISCOS - SURIC GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL Posição abril/2017 13/04/2017 Gerenciamento do O Conglomerado Prudencial do BMG considera a gestão do risco operacional

Leia mais

MODELOS DE LIDERANÇA QUE IMPACTAM NOS RESULTADOS. Nadine Clausell Presidente do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

MODELOS DE LIDERANÇA QUE IMPACTAM NOS RESULTADOS. Nadine Clausell Presidente do Hospital de Clínicas de Porto Alegre MODELOS DE LIDERANÇA QUE IMPACTAM NOS RESULTADOS Nadine Clausell Presidente do Hospital de Clínicas de Porto Alegre História do Hospital 17 de Junho de 1943: lançada pedra fundamental História do Hospital

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS REDE DE ATENÇÃO ÀS URGÊNCIAS E AS REDES DE ATENÇÃO À SAÚDE Conceito: São arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes densidades tecnológicas,

Leia mais

da rede) para organização da proposta e das estratégias de comunicação dialógica da rede;

da rede) para organização da proposta e das estratégias de comunicação dialógica da rede; Como afirmou o educador e teórico Paulo Freire, confiança se estabelece no diálogo, na troca de ideias, na construção e desconstrução de ideias. A Política de Educação Integral, em sua natureza, é essencialmente

Leia mais

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória

Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Limites e possibilidades de uma política pública de avaliação da educação profissional e tecnológica na perspectiva emancipatória Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília/DF, jun. 2015

Leia mais

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO TGA II TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO Henri Fayol (1841-1925) TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO As Funções Básicas da Empresa Funções técnicas: relacionadas com a produção de bens ou serviços da empresa.

Leia mais

CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pósgraduação (PROPPG) Pró-Reitor:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA NATAL ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA NATAL ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA NATAL ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ALCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179 de 2010 da Presidência

Leia mais

Teoria da Administração. RAD-1101 Prof.Dr.Jorge Henrique Caldeira de Oliveira

Teoria da Administração. RAD-1101 Prof.Dr.Jorge Henrique Caldeira de Oliveira Teoria da Administração RAD-1101 Bibliografia Filipe Sobral, Alketa Peci. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro, cap.6 Organização Objetivos da aula Definir os conceitos de organização,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BRAGA OESTE PLANO DE MELHORIA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA 2015/2017 EqAI - 2015 Página 1 de 6 1. Resultados Em Português: incentivar a leitura; recontar as Académicos: histórias

Leia mais

Principais mudanças PEC 2.0. Lisandra Santos de Souza

Principais mudanças PEC 2.0. Lisandra Santos de Souza Principais mudanças PEC 2.0 Lisandra Santos de Souza Principais novidades: - Acompanhamento da gestante durante o pré-natal; - Registros da saúde bucal com o odontograma eletrônico; - Ficha de marcadores

Leia mais

ANEXO I Quadro resumo do Saresp 1996/1997/ /

ANEXO I Quadro resumo do Saresp 1996/1997/ / 89 Objetivos ANEXO I Quadro resumo do Saresp 1996/1997/1998 2000/2001 2002 2003 2004 2005 Em 2000: Obter Em 2002 2 : Em 2003 4 : Obter indicadores informações que diagnosticar o Promover uma educacionais

Leia mais

Mudanças no processo de emissão de NF-e para 2016

Mudanças no processo de emissão de NF-e para 2016 Mudanças no processo de emissão de NF-e para 2016 Com a publicação da nova versão da Nota Técnica 2015.003 pela SEFAZ no dia 17/12, foram consolidadas as mudanças no processo de emissão de notas fiscais

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR ALDA MARIA GRÜDTNER DE ALMEIDA

GESTÃO HOSPITALAR ALDA MARIA GRÜDTNER DE ALMEIDA GESTÃO HOSPITALAR ALDA MARIA GRÜDTNER DE ALMEIDA ADMINISTRADORA RESIDENTE HU/UFJF RESIDECOADM.HU@UFJF.EDU.BR O Contexto Hospitalar O Contexto Hospitalar Na nossa sociedade, o hospital se insere nas condições

Leia mais

A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas. Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013

A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas. Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013 A implantação de CAPS no estado do Paraná: situação atual e perspectivas Coordenação Estadual de Saúde Mental Agosto 2013 Situação Atual - Portaria 336/2002 - CAPS - Portaria 245/2005 incentivo implantação

Leia mais

Brasília-DF, abril de 2012.

Brasília-DF, abril de 2012. Ministério da Saúde / Secretaria-Executiva Departamento de Monitoramento e Avaliação do SUS (DEMAS) Coordenação Geral de Monitoramento e Avaliação (CGMA) Brasília-DF, abril de 2012. Política de Monitoramento

Leia mais

Biblioteca Digital de Meio Ambiente

Biblioteca Digital de Meio Ambiente COMPARTILHAMENTO DE INFORMAÇÃO AMBIENTAL: QUESTÕES SOBRE DADOS AMBIENTAIS ABERTOS NA AMÉRICA LATINA 23 e 24 de agosto de 2012 Universidade Federal de Rio Grande do Sul (UFRGS) Porto Alegre, Brasil IBAMA

Leia mais

SUPERVISÃO EDUCACIONAL

SUPERVISÃO EDUCACIONAL SUPERVISÃO EDUCACIONAL OBJETIVO: Subsidiar o trabalho nas Diretorias Regionais da Educação e as Unidades Escolares, de modo a observar, analisar, orientar, intervir e encaminhar as demandas nas seguintes

Leia mais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais COORDENAÇÃO ACADÊMICA Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais 1. Coordenador (a): Fábio David Couto (fdcouto@ufrb.edu.br) Vice- Coordenador (a): 2. Título do projeto: PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL

Leia mais

Resultados Processo de Trabalho Oficina 1

Resultados Processo de Trabalho Oficina 1 Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Medicina - Departamento de Medicina Social Faculdade de Enfermagem Departamento de Enfermagem Monitoramento e Avaliação do Programa de Expansão e Consolidação

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

Gestão do Programa de Arboviroses do Departamento de Vigilância em Saúde de Campinas

Gestão do Programa de Arboviroses do Departamento de Vigilância em Saúde de Campinas Gestão do Programa de Arboviroses do Departamento de Vigilância em Saúde de Campinas Apresentação: Andrea von Zuben Médica Veterinária Sanitarista Diretora Departamento de Vigilância em Saúde Comparação

Leia mais

Empresa de consultoria, especializada em pessoas, com foco em soluções empresariais de alta complexidade e impacto, com a missão de promover a paz

Empresa de consultoria, especializada em pessoas, com foco em soluções empresariais de alta complexidade e impacto, com a missão de promover a paz Empresa de consultoria, especializada em pessoas, com foco em soluções empresariais de alta complexidade e impacto, com a missão de promover a paz nas relações no trabalho. PROJETO DESENVOLVIMENTO DAS

Leia mais

Banco de Dados Distribuído

Banco de Dados Distribuído Bancos de Dados III Bancos de Dados Distribuídos Introdução Rogério Costa rogcosta@inf.puc-rio.br 1 Banco de Dados Distribuído Vários bancos de dados fisicamente separados, mas logicamente relacionados

Leia mais

V Fórum Nacional de Gestão da Atenção Básica Allan Nuno Alves de Sousa CGAA/DAB/SAS/MS 26 de março de 2015

V Fórum Nacional de Gestão da Atenção Básica Allan Nuno Alves de Sousa CGAA/DAB/SAS/MS 26 de março de 2015 O e-sus AB como estratégia para potencializar uma Atenção Básica mais acessível, cuidadora e resolutiva V Fórum Nacional de Gestão da Atenção Básica Allan Nuno Alves de Sousa CGAA/DAB/SAS/MS 26 de março

Leia mais

PRELIMINARES 16/3/2010 ESPAÇO SÓCIO OCUPACIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NA SAÚDE

PRELIMINARES 16/3/2010 ESPAÇO SÓCIO OCUPACIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NA SAÚDE ESPAÇO SÓCIO OCUPACIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NA SAÚDE OBJETIVO CONHECER A ÁREA DA SAÚDE COMO ESPAÇO SÓCIO OCUPACIONAL; DEMONSTRAR A IMPORTÂNCIA DO SERVIÇO SOCIAL NESTA ÁREA; FAZER CONHECER O COTIDIANO

Leia mais

Rede Empresarial de Inclusão Social

Rede Empresarial de Inclusão Social Rede Empresarial de Inclusão Social Rede Empresarial de Inclusão Social O que fizemos 2 de Maio 4 de Maio 11 de Maio 18 de Maio 25 de Maio 1º de Junho 26º Fórum de Empregabilidade Avaliação do 26º Fórum

Leia mais

Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde

Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde OBJETIVOS DO SISVAN I -Fornecer informação contínua e atualizada sobre a situação alimentar

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM AUDITORIA E GESTÃO EM SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE. Módulo: Atenção a Saúde nos Municípios

ESPECIALIZAÇÃO EM AUDITORIA E GESTÃO EM SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE. Módulo: Atenção a Saúde nos Municípios ESPECIALIZAÇÃO EM AUDITORIA E GESTÃO EM SERVIÇOS INTEGRADOS DE SAÚDE Módulo: Atenção a Saúde nos Municípios Modelos Tecnoassistenciais em Saúde M.SC. Helen Lima Novembro 2009 Combinações tecnológicas estruturadas

Leia mais

PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROCESSOS DE NEGÓCIOS GESTÃO DE DE NEGÓCIO UNIDADE 2: GESTÃO DE DE NEGÓCIOS PROFESSORA: LUCIANA FORTES FARIAS UNIDADE 2: GESTÃO DE DE NEGÓCIOS CONTEÚDO DESTA UNIDADE 2.1 Melhoria de processos e reengenharia organizacional 2.2

Leia mais

REFLEXÃO ESTRATÉGICA EXPERIÊNCIA PRÁTICA. Ações de vigilância da saúde na SES-Bahia Movimentos pela integração. Junho, 2010

REFLEXÃO ESTRATÉGICA EXPERIÊNCIA PRÁTICA. Ações de vigilância da saúde na SES-Bahia Movimentos pela integração. Junho, 2010 REFLEXÃO ESTRATÉGICA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Ações de vigilância da saúde na SES-Bahia Movimentos pela integração Junho, 2010 VIGILÂNCIA EM SAÚDE NO SUS Promoção da Saúde Vigilância Epidemiológica Vigilância

Leia mais

Análise da Distribuição do Trabalho

Análise da Distribuição do Trabalho 1 Análise da Distribuição do Trabalho Indicadores de Problemas na Distribuição do Trabalho Insatisfação de unidades que mantêm alguma relação funcional com a unidade do gerente Demora na transmissão de

Leia mais

Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº )

Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº ) Projeto de Fortalecimento de Capacidades para o DHL CNM/PNUD TERMO DE REFERÊNCIA (Nº 13.2010) REALIZAÇÃO DE OFICINAS TÉCNICAS PARA VALIDAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE CAPACIDADES DA SOCIEDADE CIVIL E ELABORAÇÃO

Leia mais

ANEXO 03. Monitoramento da Inserção das Práticas Integrativas e Complementares no SUS.

ANEXO 03. Monitoramento da Inserção das Práticas Integrativas e Complementares no SUS. ANEXO 03. Monitoramento da Inserção das Práticas Integrativas e Complementares no SUS. O monitoramento da Inserção das Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde (SUS), exigiu o levantamento

Leia mais

IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA MODALIDADE: PRODUTO CARGO A

IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA MODALIDADE: PRODUTO CARGO A INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA MODALIDADE: PRODUTO CARGO A 01. OBJETO DA CONSULTORIA Contratar Consultoria por produto para desenvolver atividades

Leia mais

Equipe: Rafael Henrique. Angélica Larissa

Equipe: Rafael Henrique. Angélica Larissa Especificação dos Requisitos do Software e Análise do Projeto Salão de beleza Glamour Versão 1.0b Equipe: Rafael Henrique Angélica Larissa 1 Introdução 1.1 Objetivos deste documento Este documento vem

Leia mais

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos.

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de 2011 Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições que lhes

Leia mais

A enfermagem deve privilegiar suas ações específicas/próprias junto ao cliente e atuar como parceira dos demais profissionais, NÃO APENAS como

A enfermagem deve privilegiar suas ações específicas/próprias junto ao cliente e atuar como parceira dos demais profissionais, NÃO APENAS como Prof. Roberto Albuquerque VI JONAFES/2010 A enfermagem deve privilegiar suas ações específicas/próprias junto ao cliente e atuar como parceira dos demais profissionais, NÃO APENAS como suporte de ações

Leia mais

Sistemática de compartilhamento de pastas.

Sistemática de compartilhamento de pastas. Sistemática de compartilhamento de pastas. Objetivo: Criar estrutura homogênea de compartilhamento de pastas, afim de, organizar o ambiente das unidades e promover segurança aos dados das áreas alocados

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Justificativa :

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Justificativa : TERMO DE REFERÊNCIA Denominação : Consultor(a) na área de ciências agrárias, sociais, econômicas ou áreas afins, para elaboração de proposta de sistema de monitoramento e avaliação para Programa de ATES

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Assessorar tecnicamente a gestão e promover a implementação e articulação interprogramática das atividades relacionadas

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD

Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD MATRICIAMENTO PEDIÁTRICO EM AD NO DF Colaboradores: Bibiana Coelho Monteiro, Elaine Horta de Souza, Eduardo André Viana Alves e Maria Leopoldina de Castro

Leia mais

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini

NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos. Débora Martini NASF e PAIF/CRAS: a contribuição de cada serviço para a garantia dos direitos Débora Martini Saúde Direito de todos Núcleo de Apoio a Saúde da Família - NASF Atenção Primária à Saúde Centros de Saúde Assistência

Leia mais

Reunião de Trabalho Professores Coordenadores. Diretoria de Ensino da Região de Carapicuíba Dirigente Regional de Ensino Junho/2017

Reunião de Trabalho Professores Coordenadores. Diretoria de Ensino da Região de Carapicuíba Dirigente Regional de Ensino Junho/2017 Reunião de Trabalho Professores Coordenadores Diretoria de Ensino da Região de Carapicuíba Dirigente Regional de Ensino Junho/2017 Pauta Acolhimento; Aquecimento; o que nos dizem os registros? Refletindo

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DE VOLTA REDONDA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROJETO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DE VOLTA REDONDA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROJETO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DE VOLTA REDONDA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROJETO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Coordenação do projeto: Prof. Dr. Rafael Mendonça Dias Título: Atenção Integral

Leia mais

PORTAL PARA FORMAÇÃO DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA.

PORTAL PARA FORMAÇÃO DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA. PORTAL PARA FORMAÇÃO DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA http://pacto.portalceel.com.br 2013 O portal para formação do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa apresenta informações

Leia mais

Marcos Azeredo Werneck Paulo Sávio A. Goes Maria Helena Machado

Marcos Azeredo Werneck Paulo Sávio A. Goes Maria Helena Machado 533 Inbox 1 MESA IV Marcos Azeredo Furquim Werneck Paulo Sávio A. Góes Maria Helena Machado Mesa IV Marcos Azeredo Werneck Paulo Sávio A. Goes Maria Helena Machado PROCESSO DE TRABALHO EM SAÚDE BUCAL Marcos

Leia mais

Entrando no Sistema. Selecione o perfil desejado, se for o caso. Profissionais que trabalham em uma única unidade não precisam informar perfil.

Entrando no Sistema. Selecione o perfil desejado, se for o caso. Profissionais que trabalham em uma única unidade não precisam informar perfil. Entrando no Sistema Selecione o perfil desejado, se for o caso. Profissionais que trabalham em uma única unidade não precisam informar perfil. Endereço: gercon.procempa.com.br Informe seu usuário e senha:

Leia mais

Apresentação. Sumário. Ficha Técnica. Autoria do texto: Dafylla Kelly Silva Oliveira. Ilustrações: Dafylla Kelly Silva Oliveira

Apresentação. Sumário. Ficha Técnica. Autoria do texto: Dafylla Kelly Silva Oliveira. Ilustrações: Dafylla Kelly Silva Oliveira Ficha Técnica Autoria do texto: Dafylla Kelly Silva Oliveira Ilustrações: Dafylla Kelly Silva Oliveira Elaboradas online no site tagul.com Orientadora: Milena Coelho Fernandes Caldato Este Produto Educativo

Leia mais

Diretrizes e Política de Prevenção Contra Fraudes Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602.

Diretrizes e Política de Prevenção Contra Fraudes Organização CAPEMISA SEGURADORA DE VIDA E PREVIDÊNCIA S/A (CNPJ: 08.602. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 06/2008 DE 27 DE MAIO DE 2008 O Conselho de Administração, com base no Art. 17 do Estatuto da CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência S/A, em reunião do dia 27

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL. Baseado em Hall (2004)

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL. Baseado em Hall (2004) ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Baseado em Hall (2004) ESTRUTURA ORGANIZACIONAL... Estrutura é isto?... É, mas não é só isto!!! ESTRUTURA ORGANIZACIONAL... Vejamos então o que mais envolve? ESTRUTURA ORGANIZACIONAL...

Leia mais

APOIO MATRICIAL COMO FERRAMENTA PARA INSERÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE BETIM/MG

APOIO MATRICIAL COMO FERRAMENTA PARA INSERÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE BETIM/MG APOIO MATRICIAL COMO FERRAMENTA PARA INSERÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE BETIM/MG BETIM Localização: 30 Km de Belo Horizonte. É um dos principais polos de concentração Industrial

Leia mais

CRIAÇÃO GRUPO DE TRABALHO ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA NO ÂMBITO DA ABRASCO

CRIAÇÃO GRUPO DE TRABALHO ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA NO ÂMBITO DA ABRASCO CRIAÇÃO GRUPO DE TRABALHO ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO EM SAÚDE COLETIVA NO ÂMBITO DA ABRASCO 1. Introdução Em 13 de julho de 2007, na cidade de Salvador/ BA, no IV Congresso Brasileiro de Ciências Sociais e

Leia mais

Solução para Gestão de Ambientes de TI.

Solução para Gestão de Ambientes de TI. Solução para Gestão de Ambientes de TI www.max3d.com.br Governança de Ativos e Infraestrutura de TI Governança de TI é uma parte integral da Governança Corporativa e é formada pela liderança, estruturas

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Governança Social e Gestão de Redes Organizacionais

Governança Social e Gestão de Redes Organizacionais Governança Social e Gestão de Redes Organizacionais Profa. Marcia Paterno Joppert Prof. Humberto Falcão Martins 2013 ROTEIRO Governança colaborativa Redes Gestão de/em redes Um roteiro e um exemplo de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR)

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) TERMO DE REFERÊNCIA (TR) CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PESSOA FÍSICA PARA GESTÃO DE CONTEÚDO E MANUTENÇÃO DA PÁGINA WEB DINÂMICA PARA A II CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE IMPACTOS DAS VARIAÇÕES CLIMÁTICAS

Leia mais

RIS3 do Centro de Portugal Estratégia de Investigação e Inovação para uma Especialização Inteligente

RIS3 do Centro de Portugal Estratégia de Investigação e Inovação para uma Especialização Inteligente do Centro de Portugal 2020 Estratégia de Investigação e Inovação para uma Especialização Inteligente Outubro 2016 A RIS3 NO CENTRO DE PORTUGAL O desenvolvimento da Estratégia de Investigação e Inovação

Leia mais

GESTÃO DA MÉDIA E ALTA COMPLEXIDADE NO SUS PARA ALÉM DOS REGISTROS DE ALTA INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIA MÉDICA

GESTÃO DA MÉDIA E ALTA COMPLEXIDADE NO SUS PARA ALÉM DOS REGISTROS DE ALTA INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIA MÉDICA GESTÃO DA MÉDIA E ALTA COMPLEXIDADE NO SUS PARA ALÉM DOS REGISTROS DE ALTA INCORPORAÇÃO DE TECNOLOGIA MÉDICA Marília C. P. Louvison Faculdade de Saúde Pública da USP 2016 mariliacpl@gmail.com Princípios

Leia mais