VI Jornada Unisuz. Anais - VI Jornada UNISUZ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VI Jornada Unisuz. Anais - VI Jornada UNISUZ"

Transcrição

1

2 VI Jornada Unisuz A JORNADA, evento acadêmico de caráter científicocultural, é uma atividade anual da, tendo como proposta atender à missão: ser um agente estimulador do processo de formação do profissional cidadão e ético. Na construção desse profissional, além da constante busca pela excelência na formação teórico-prática dos futuros profissionais, oferece um espaço em que se aprofundam as concepções teóricas, vivenciam-se experiências diversificadas, estimula-se a produção científica, valoriza-se a cultura local, enfim, produz-se conhecimento e enriquece-se a bagagem científica e cultural dos alunos. São objetivos do evento, oferecer atividades científicas, como palestras, conferências, mesas redondas, comunicações, painéis; atividades didático-culturais, como exposições, minicursos, oficinas, apresentações teatrais, musicais e ainda outras atividades selecionadas, todas com qualidade comprovada, tendo como autores ou responsáveis profissionais e pesquisadores de renomada qualificação. Além de atender a uma necessidade da própria instituição, ou seja, a formação de seus alunos, a JORNADA caracteriza-se por atender também a comunidade, já que é um espaço aberto a todos aqueles que dele queiram participar, contando com inscrições de custo mínimo, a fim de atender a todos públicos, e com ampla divulgação externa, utilizando recursos áudiovisuais e digitais. Anais - VI Jornada 1

3 JORNADA FACULDADE UNIDA DE SUZANO ANAIS JORNADA ISSN: ANUAL Educação. 2. Ciências da Computação 3-Licenciatura 4-Direito 5- Ciências Contábeis 6- Administração. Exemplares impressos desta publicação podem ser solicitados e consultados na: Biblioteca da Rua: José Correia Gonçalves, 57. Centro. Suzano. SP. CEP: Telefone: Site: Disponível para download no site: Tiragem: 500 cópias impressas. A redação e ortografia dos artigos são de inteira responsabilidade dos respectivos autores. As opiniões contidas nas palestras não expressão necessariamente a opinião da instituição. 2 Anais - VI Jornada

4 SUMÁRIO Palestras Compressão de imagens usando o método dos Mínimos Quadrados...11 Origens dos povos africanos no Brasil: Grupos étnicos e logística no Comércio Exterior e Marketing Internacional...11 Logística no Comércio Exterior e Marketing Internacional...12 Planos díspares da narrativa: Uma introdução ao romance moderno...13 Previdência Privada: Porque o planejamento do seu futuro começa agora...14 Contabilidade simplificada para micro e pequenas empresas (mpes) e o cenário atual...15 Microempreendedor individual e suas oportunidades...16 Internet controlada ferramentas utilizadas no Linux...17 Gestão da informação...18 Método Fônico: Reflexões e considerações...18 Mulato: Negro-não-negro e/ou branco-não-branco...19 Natação: Da adaptação ao aperfeiçoamento, uma abordagem prática...19 Futebol: Arbitragem também é para mulher...20 Dificuldades de aprendizagem: Reflexão sobre o cotidiano escolar...20 Os reflexos da Lei /07 na Contabilidade...21 Língua e Poder: A construção de significados no mundo profissional e acadêmico...21 Autismo: Possibilidades de intervenção comportamental e aprendizagem na abordagem Teacch...22 Motivação e Marketing Pessoal...23 Uso da calculadora HP-12C como ferramenta de apoio ao Ensino de Estatística...23 Empreendedor intelectual e empreendedor imobiliário...24 A importância do equilíbrio emocional nas organizações...24 Arbitragem, uma nova ótica para uma nova ética: Uma visão para administradores...25 O Ensino Fundamental de nove anos e as atividades indispensáveis às crianças...26 Harmonização das relações de consumo...26 Casamento, união estável e sucessão legítima: Aspectos constitucionais...27 A orientação profissional e de carreira na contemporaneidade...27 Parceria entre empresas, o caminho para o crescimento...28 Legislação e Matemática...28 Anais - VI Jornada 3

5 SUMÁRIO Comunicações Ideologias e estereótipos reproduzidos pela mídia em outdoors e propagandas que contribuem com a visão dicotômica mente/corpo...33 O Fantástico, o Estranho e o Maravilhoso em Inquieta Compañía, de Carlos Fuentes...34 Ansiedade em crianças de 8 a 10 anos, causadas pela presença do pai, no desempenho da iniciação esportiva em futsal...34 Responsabilidade pelo recall em automóveis à luz do Código de Defesa do Consumidor...36 Projeto TCC Omega Luvas Indústria e Comércio Ltda...36 A produção de provas de ofício do juiz no inquérito polícial e na instrução criminal...37 A vida invadindo o trabalho nas creches: Uma experiência com a pedagogia Freinet...38 Estudo do meio, educação ambiental e saúde: realidade em uma área de proteção ambiental...39 A visão prática da conciliação em juízo como forma alternativa de solução de conflitos...40 Modelo de Gordon-Shaeffer e a pesca de linguados...41 Um estudo sobre a competência semântica presente no processo de investigação do crime da rua Atibaia...42 O inquérito de policial e suas implicações na Lei de drogas, crime organizado, interceptações telefônicas e violência doméstica...43 Hair Sports, xampu em barra: Um projeto para implantação industrial...43 Os estrangeirismos italianos na culinária brasileira...44 Kinema...45 Projeto Os cinco sentidos : Relato de uma experiência na Educação Infantil...46 Plano de Negócios - Unidas Cosméticos Ltda...46 Tecla Gráfica e Brindes Ltda...47 Avaliação postural em escolares com faixa etária de 10 a 14 anos...48 Desenvolvimento de aplicações para dispositivos móveis...49 Narrativas míticas e folclóricas na literatura infantil de Clarice Lispector...50 Valores para humanização da prática docente...51 Os desafios encontrados pelo aluno com síndrome de down no espaço físico escolar...52 Fatores protetores da criança em condição de vulnerabilidade social na disciplina de Educação Física em escola de periferia...53 A contextualização da geometria: O Número de Ouro e a Divina Proporção...54 Comparação da mobilidade para deficientes visuais praticantes e não praticantes de judô...55 Javascript: Biblioteca EXTJS...56 Le Fatale - confecções de roupas de tamanhos especiais...57 Vendas de ferramentas pelo portal via internet...57 Nuvens e Psicrômetro: Um estudo de observação do Ensino Fundamental Anais - VI Jornada

6 SUMÁRIO Alimentos congelados: Projeto para plano de negócios...59 Plano de negócios - Cablecross...60 Práticas alfabetizadoras em sala de aula para crianças com necessidades educacionais especiais...60 Oficinas Tecnologia no ensino aprendizagem: Uso integrado de sistemas interativos em abiente web...65 Análise exploratória de dados com o uso do softwarer: Uma estratégia de abordagem da estatística no ensino básico...65 Construindo programas para Lego NXT...66 Audiências cíveis e trabalhistas simuladas da Faculdade Unida de Suzano - Unisuz...66 História da matemática e jogos educativos...67 Audiências criminal da Faculdade Unida de Suzano - Unisuz...67 A elaboração e a utilização de materiais didáticos para surdos oralizados e não-oralizados...68 Tecendo poesia ao cair das letras...68 Anais - VI Jornada 5

7 Faculdade Unida de Suzano - Diretor Nazih Youssef Franciss Comissão Científica Geraldo Ribeiro Filho Jairo José Matozinho Cubas Comissão de Divulgação Jane Gatti de Campos Vagner Zaramello Comissão de Infraestrutura Fernanda Eugênia Fernandes Solange Tomyiama Comissão de Recepção Cristiane Gomes de C. Fontana Amanda Valiengo Comissão de Revisões Cheila Aparecida Bragadin Maria Luciano Savino Comissão Financeira Giane Bidóia Joaquim Rodrigues Guimarães 6 Anais - VI Jornada

8 Caro Participante É com grande satisfação que entrego a você o Anais da VI Jornada Unisuz- Faculdade Unida de Suzano. A publicação destes anais vem coroar o evento, realizado entre 20 e 23 de outubro do ano corrente, que mobilizou alunos, professores, funcionários e comunidades em geral, durante quatro noites de palestras, comunicações, oficinas e atividades variadas. Nesse período pesquisadores, profissionais de empresas públicas e privadas, professores e alunos trouxeram sua contribuição para o enriquecimento cultural, técnico e profissional daqueles que tiveram a oportunidade de participar de nossa programação. É importante ressaltar que um evento deste porte somente se realiza quando existe um ideal comum o da busca por conhecimento que é essencial para o crescimento individual e coletivo que é a meta de nossa instituição. Agradeço aos organizadores da VI Jornada Unisuz e principalmente àqueles que participaram com sua palestra e sua contribuição comprometida e competente o que tornou este evento uma realidade. O sucesso da VI Jornada anima a todos nós, ampliando o desejo de continuar a melhorar sempre, na busca constante de cumprir a Missão Institucional: estimular o processo de formação do profissional e cidadão ético comprometido com seu tempo e espaço. Suzano, outubro de 2009 Nazih Youssef Franciss Diretor Geral Faculdade Unida de Suzano. Anais - VI Jornada 7

9 Instituições representadas nos Anais da V Jornada Unisuz por meio de palestrantes e pesquisadores em ordem alfabética AkzoNobel Ltda Ambulatório Municipal de Especialidades no Município de Salesópolis APAE - MOGI Assessoria Ação Imediata Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviço Caixa Econômica Federal Colégio Cetés Colégio Gutenberg Colégio NEC - Estância dos Reis Colégio Suzano CRC - SP Defensor Público em Mogi das Cruzes Faculdade Integração Zona Oeste FAR - Arujá FATEC FFLCH - USP Grupo de Estudos de Línguas Africanas (GELA) IME - USP Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo Instituto para Surdos - SELI Instituto Sedes Sapientiae LIBRAS da ONG ACORDA NEC - Mogi das Cruzes Netwalk Soluções Internet Nic Recursos Humanos OAB Suzano PUC - SP Rede Estadual de Ensino do Estado de São Paulo SENAI - SP SESI - SP Starti Soluções em TI UBC UERJ UNICASTELO - Faculdade Unida de Suzano Universidade Camilo Castelo Branco Universidade Federal de Lavras - MG USP 8 Anais - VI Jornada

10 Palestras Anais - VI Jornada 9

11 10 Anais - VI Jornada

12 COMPRESSÃO DE IMAGENS USANDO O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Claudio Hirofume Asano IME-USP Aplicações da Álgebra Linear estão presentes em muitas áreas tecnológicas. Ela aparece embutida em equipamentos usados hoje em dia por uma gama enorme de pessoas de todas as classes sociais. De tocadores de CD e DVD, passando por telefones celulares, câmeras fotográficas digitais e TV digital. Siglas como MP3 são tão conhecidas e utilizadas por tantas pessoas que ela se tornou sinônimo para aparelhos que decodificam o formato. Arquivos de imagem JPEG são familiares a qualquer um que tenha usado a INTERNET ou usado uma câmera fotográfica digital. Todos esses exemplos utilizam uma técnica da Álgebra Linear chamada Método dos Mínimos Quadrados. Nesta palestra, apresentamos as ideias básicas do que é o Método dos Mínimos Quadrados, como é implementado e quais são as aplicações principais. Destas, destacamos a compressão de informação com perdas. Em particular, discutimos os aspectos matemáticos que fazem parte de métodos de compressão de imagens digitais como o JPEG, o qual se baseia na utilização de uma família especial de funções e na chamada Transformada Discreta do Cosseno. ORIGENS DOS POVOS AFRICANOS NO BRASIL: GRUPOS ÉTNICOS E LINGUÍSTICOS Elizabete Umbelino de Barros Grupo de Estudos de Línguas Africanas (GELA) FFLCH/USP A África é um continente plural. Sua diversidade étnica e linguística vêm sendo objeto de estudos de muitos pesquisadores no mundo inteiro. No Brasil, podemos encontrar pesquisas em diferentes áreas do conhecimento: na Antropologia, na História, na Sociologia, na Linguística, dentre outras. Na área da Linguística, o GELA-Grupo de Estudos de Línguas Africanas, na FFLCH/USP, do qual faço parte, vem desenvolvendo pesquisas sobre as línguas africanas, o contato de línguas africanas com o português brasileiro, as comunidades remanescentes de quilombos e as comunidades religiosas. Do século XVI ao XIX, foram trazidas para o Brasil cerca de 4 milhões de pessoas do continente africano. Os africanos trazidos, pelo processo escravista, possuíam línguas, culturas, territórios, reinos, hierarquias, clãs e maneiras de ver a vida que diferiam uma etnia da outra. Das regiões de antigos reinos da África Austral, Ocidental e Oriental, foram trazidos para o Brasil os povos ambundos, ovimbundos, bacongos, cabindas, macuas, angicos, iorubas e fons majoritariamente. Essas regiões foram divididas pelos europeus, sendo formados países que possuem uma língua oficial européia e línguas locais faladas pelas diferentes etnias. Trata-se de Angola, República do Congo (Congo Brazzaville), República Democrática do Congo (Congo Anais - VI Jornada 11

13 Kinshasa/antigo Zaire), Moçambique, Nigéria e Benim. A história que temos com os povos oriundos desses países é muito importante para a compreensão da formação de nossa identidade. Assim, o trabalho a ser apresentado visa a abordar a presença de línguas africanas no português brasileiro, buscando levantar alguns aspectos sobre a história, a cultura e a identidade de povos (etnias) trazidos na condição de escravos. Há, no Brasil, espaços privilegiados de manutenção dos valores de povos africanos oriundos dos antigos reinos localizados nas regiões citadas, como por exemplo, as comunidades de candomblés. Podemos observar as manifestações culturais e religiosas de inspiração africana em todo o território brasileiro. A pesquisa constatou a presença, em nosso léxico, de línguas do grupo bênue-congo, o ioruba e as línguas do sub-grupo banto (kimbundo e kikongo) tanto na língua portuguesa, de modo geral, como na língua de especialidade. Referências bibliográficas: BONVINI, E. & PETTER, M.M.TADDONI. Portugais du Brésil e Langues Africaines. In Langages Revue Trimestrielle. Juin L hyperlangue brésilienne, HEINE, Bernd & NURSE, Derek. African languages. Cambridge University Press, OLIVEIRA, Eduardo D. Cosmovisão Africana no Brasil: elementos para uma filosofia afrodescendente. Fortaleza/CE: Ibeca, OLIVER, Roland. A experiência africana. Da pré-história aos dias atuais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, PESSOA DE CASTRO, Yeda. Falares africanos na Bahia: um vocabulário afro-brasileiro. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras / Topbooks, UMBELINO DE BARROS, Elizabete. Línguas e linguagens nos candomblés de nação angola. Tese de Doutorado apresentada ao Departamento de Lingüística - FFLCH/USP, Traços de quimbundo em uma comunidade religiosa. In PAPIA - Revista Brasileira de Estudos Crioulos e Similares, n 15, pp , Universidade de Brasília: Thesaurus Editora, LOGÍSTICA NO COMÉRCIO EXTERIOR E MARKETING INTERNACIONAL Cristiane Mendes Alves AkzoNobel Ltda Estamos em uma era em que a informação é princípio básico em todos os segmentos. No comércio exterior não é diferente. A informação está envolvida em todos os processos de uma empresa, e na logística, a comunicação entre os parceiros é vital. O fator determinante para que a empresa tenha sucesso nas importações e exportações é ter uma boa logística. O Brasil enfrenta problemas graves, tais como portos que não têm calado suficiente para receber grandes navios, greves frequentes, estruturas de terminais insuficientes para atender à demanda de importadores e exportadores e uma malha rodoviária que se encontra em estado de precariedade. Neste atual cenário de falta de estrutura da maioria dos portos no Brasil, as empresas devem se conscientizar da importância de se ter uma boa logística. Vários estudos já mostraram que a falta de infra-estrutura de transportes em boas condições e o mau gerenciamento de 12 Anais - VI Jornada

14 cargas aumentam os custos de logística no Brasil. E isto é uma questão crucial para manutenção das empresas no mercado. Muitos países que antes eram adormecidos, hoje, estão mostrando as garras e entrando em nosso mercado com produtos a um custo muito inferior aos nossos produtos nacionais. Mas o momento econômico em que nos encontramos hoje é favorável, visto a crescente propagação de possíveis obras na área de Infra-Estrutura previstas pelo PAC. O maior porto da América Latina, o nosso porto de Santos, hoje, movimenta mais de 7 milhões de toneladas de carga por mês. No entanto, a participação brasileira no comércio internacional é de apenas 1,18%, um percentual ainda muito medíocre em relação aos outros países. Hoje o Brasil é o 22º maior exportador e o 27º maior importador, o que indica que nossa balança comercial ainda não está totalmente equilibrada. Mas o Brasil ainda pode crescer muito mais. Como um mercado emergente, juntamente com a posição estratégica do país, o Brasil se torna uma porta de acesso aos países da América do Sul para indústrias de tecnologia, finanças e comércio. Neste cenário tão globalizado, o marketing internacional se torna uma ferramenta capaz de proporcionar uma estratégia empresarial, pois possibilita acesso a novos mercados, antes inexplorados, favorecendo o ambiente competitivo do comércio exterior. A exportação tem sido, nos últimos anos, uma das maiores saídas para o crescimento sustentado das empresas e do Brasil. PLANOS DÍSPARES DA NARRATIVA: UMA INTRODUÇÃO AO ROMANCE MODERNO Daniel Reizinger Bonomo USP Entre as tendências dominantes da forma poética do século XIX, afirma-se, decididamente, o romance em movimento progressivo e de larga extensão da representação narrativa. Neste mesmo século, a experiência da modernidade assume gradualmente uma configuração em que se reconhecem nossos atuais paradigmas, multiplicando um sem número de conflitos decisivos para a transformação dos valores e lugares do sujeito histórico. Constata-se ainda que a linguagem literária adquire, neste momento, temas sem precedentes, resultantes das novas condições em que se encontraram os habitantes de capitais como Londres ou Paris, de um crescente e acelerado desenvolvimento industrial e econômico. Por sua vez, o século XX agravaria, sobretudo após a Primeira Guerra Mundial, os contornos deste amplo quadro, como o demonstram, no plano estético, as contribuições mais radicais das vanguardas européias. Notando ainda que essas novas feições da linguagem decorrem também dos modos de produção capitalistas, do declínio da autoridade real e da Igreja (e de suas relações com as artes), das possibilidades de vida mais livres nas quais se desenvolveu com maior independência o pensamento científico, bem como de tudo aquilo que transformou processualmente o assim denominado regime antigo nesta política e vida modernas de hoje, interessa aos nossos limites o Anais - VI Jornada 13

15 problema que atinge o romance enquanto gênero, sobretudo quando, reconhecida sua paternidade na epopéia antiga, sua época traz em si, contudo, uma espécie de impossibilidade de fundar sínteses no espaço da representação. Em cada uma de suas grandes realizações, a escrita múltipla do romance parece surpreender um modo particular de construir um mundo próprio legítimo e legível, participante, em maior ou menor grau, das experiências de cada um de seus leitores. Procuraremos mobilizar em nossa fala a reflexão de alguns teóricos sobre o assunto, assim como traremos os exemplos de alguns romances de autores estrangeiros e brasileiros. PREVIDÊNCIA PRIVADA: PORQUE O PLANEJAMENTO DO SEU FUTURO COMEÇA AGORA Leandro Henrique Silva Assessoria Ação Imediata Nossa vida é repleta de desafios. A todos os momentos tomamos decisões e procuramos atravessar os obstáculos que nos são apresentados. Assim é, em geral, a vida do brasileiro e a de tantos outros povos. Mas, com toda a agitação cotidiana, reservamos nosso tempo para planejar e agir efetivamente sobre como será o nosso padrão de vida no futuro? Como sobreviveremos? Quais as oportunidades e os riscos apresentados? O objetivo maior desta palestra é esclarecer sobre a Previdência Privada, sem dúvida uma das opções para, em alguns anos poupando dinheiro, nos reservar o direito de trilhar uma vida mais prazerosa sem a necessidade frenética de sobrevivência baseada no trabalho diário, sem descanso e com privações a realizações tão desejadas ao longo de nossa jornada. Em linhas gerais, a Previdência Privada é uma maneira de acumular reservas financeiras que geram oportunidade de mantermos, no futuro, um padrão saudável de bem estar social, econômico e financeiro, que dificilmente será suprido pelo setor público. Adquirir um plano de Previdência Privada é, então, uma opção que deve estar baseada no planejamento de vida futura, no qual, você poderá planejar as necessidades futuras sua e de sua família quanto a gastos básicos e também desejos dos mais diversos, como viajar,estudar, participar de eventos culturais, ampliar o seu patrimônio e tantas outras atividades que podem ajudá-lo a tornar-se uma pessoa mais feliz. Assim, você conta com a possibilidade de criar esse futuro por meio de dois tipos de Plano de Previdência: - PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), ideal para quem declara Imposto de Renda anual de forma completa, pois permite que você acumule reservas para sua aposentadoria e ainda tenha uma dedução em seu Imposto de Renda todos os anos. - VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre), ideal para quem não declara Imposto de Renda de forma completa, ou seja, faz a declaração de I.R. Simplificada. Uma vez selecionado o perfil, você pode optar por uma grande variedade de opções de recebimento da renda no futuro, sejam vitalícias, temporárias ou até mesmo o resgate total do capital. Tudo depende do Seu Objetivo: Se quer usufruir da renda em aposentadoria, se quer 14 Anais - VI Jornada

16 complementar a sua vida de trabalho no futuro, se quer bancar seus estudos ou de seus filhos, entre tantos outros. Enfim, tudo depende única e exclusivamente do seu plano de vida, sendo que, quanto mais cedo iniciar, melhor usufruirá no futuro. Alguma vez você já pensou em tornar possível acumular uma reserva de R$ ,00? A oportunidade é Agora. Basta colocá-la em prática. CONTABILIDADE SIMPLIFICADA PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (MPES) E O CENÁRIO ATUAL Edivan Morais da Silva O panorama da economia brasileira influencia a frágil estabilidade dos negócios em geral, principalmente dos empreendedores de pequeno e médio porte. Isso motiva os empresários a desenvolverem um novo modelo de gerenciamento das empresas. Nesse novo modelo, os gestores necessitam de informações que lhes deem apoio em todas as etapas da gestão. Portanto, é nesse momento que se torna importante o papel da contabilidade, como promotora de dados seguros para as tomadas de decisão de uma empresa. A contabilidade simplificada para micro e pequenas empresas (MPES) enfoca na obrigatoriedade de todos os empresários e as sociedades empresárias manterem sua escrituração contábil regular, conforme exigência expressa em diversas legislações vigentes. A intenção é demonstrar os inúmeros benefícios que a escrituração contábil apresenta para as microempresas e empresas de pequeno porte. A Contabilidade Simplificada para MPES e o cenário atual, têm o objetivo de, acima de tudo, conscientizar sobre a importância da Contabilidade para as empresas em geral, além de debater a essência da escrituração contábil, sem omitir informações valiosas para a gestão das microempresas e empresas de pequeno porte. Enfoca, ainda, os procedimentos específicos a serem observados pela entidade, para a escrituração contábil simplificada dos seus atos e fatos administrativos, por meio de processo manual, mecanizado ou eletrônico, conforme previsto no art. 27 da Lei Complementar nº. 123/2006 (Simples Nacional), permitindo às empresas, optantes ou não do Simples Nacional, adotar escrituração simplificada para os registros e controle das operações realizadas. No cenário atual da contabilidade, há diversos temas que são discutidos diariamente, sendo esses de extrema importância para as micros e pequenas empresas, como por exemplo: A Sociedade de propósito específico formado por MPES (Associativismo), o Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) composto por três grandes subprojetos como Escrituração Contábil Digital (ECD), Escrituração Fiscal Digital (EFD) e a NF-e - Ambiente Nacional, sem esquecer da Contabilidade Internacional, lembrando que tudo isso deverá sempre ser demonstrado de forma simplificada, evidenciando a essência da informação, tornando assim o conjunto de informações que compõe a contabilidade simplificada em uma excelente ferramenta de gestão. Os temas atuais já são uma realidade para grandes empresas e também para as pequenas, principalmente quando consideramos a real ne- Anais - VI Jornada 15

17 cessidade de informações de qualidade tanto para o governo como para a sociedade em geral. A proposta do autor é despertar no usuário a importância da contabilidade, principalmente com os temas atuais, sem a pretensão de esgotar o assunto. Simplicidade nunca será esconder informação, mas demonstrar, em formato simples, a essência da informação. Referência bibliográfica SILVA, Edivan Morais da. Manual de contabilidade simplificada para micros e pequenas empresas. 2 ed. São Paulo: IOB, 2009 MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E SUAS OPORTUNIDADES Edivan Morais da Silva O Microempreendedor Individual é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário. Para ser um microempreendendor individual, é necessário faturar, no máximo, até R$ ,00 por ano ou R$ 3.000,00 ao mês, não ter participação em outra empresa como sócio ou titular e ter um empregado contratado que receba o salário mínimo ou o piso da categoria. A figura do microempreendedor entrou em vigor em 1º de julho de 2009, e criou condições especiais para que o trabalhador conhecido como informal, possa se tornar um Empreendedor Individual legalizado, trazendo muitas vantagens como o registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), o que facilitará a abertura de conta bancária, o pedido de empréstimos e a emissão de notas fiscais. Além disso, o microempreendedor individual será enquadrado no Simples Nacional e ficará isento dos impostos federais (Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL) e pagará apenas o valor fixo mensal de R$ 52,15 (comércio ou indústria) ou R$ 56,15 (prestação de serviços), que será destinado à Previdência Social e ao ICMS ou ao ISS. Com essas contribuições, o empreendedor individual terá acesso a benefícios como auxílio maternidade, auxílio doença, aposentadoria, entre outros. Além das vantagens já citadas, há diversos benefícios e oportunidades como, por exemplo: Cobertura previdenciária, contratação de um funcionário com menor custo, isenção de taxas para o registro da empresa, ausência de burocracia, acesso a serviços bancários, inclusive crédito, compras e vendas em conjunto, redução da carga tributária, controles muito simplificados, emissão de alvará pela internet. A formalização do microempreendedor, poderá ser feita pela internet no endereço sendo que há um considerável número de empresas contábeis espalhadas pelo Brasil que poderão realizar esse trabalho sem custos, uma excelente oportunidade para os escritórios contábeis, tendo em vista que com o advento do empreendedor individual se traduz como uma excelente oportunidade de aumentar a carteira de clientes, lembrando que, para isso, o contabilista deverá receber de braços abertos os empreendedores individuais que os procurarem, dando a máxima eficiência ao processo. Além das oportunidades para o microempreendedor individual e 16 Anais - VI Jornada

18 contabilista, com a formalização dos microempreendedores, novos mercados e possibilidades surgirão, principalmente para os alunos de graduação, já que o empreendedor é carente de informações que poderão ajudar nas tomadas de decisões. Esta é uma excelente oportunidade para alunos de graduação. Desta forma, o mesmo poderá aplicar a teoria obtida nos bancos universitários na prática, possibilitando assim uma troca de conhecimento e ajuda mútua, como podemos ver a seguir: Gestão Financeira. Como já sabemos, grande parte dos empreendedores não compreende a parte administrativa. Marketing: O marketing faz parte do dia a dia das empresas. Determinar os custos de produtos Os empreendedores devem evitar utilizar métodos improvisados para determinar os preços de seus produtos. Conquista a parceira dos funcionários Empresas de sucesso são feitas por pessoas vitoriosas. Quando a vitória é partilhada por todos, a motivação para novas conquistas pode ser redobrada. Garantia e melhoria da qualidade do produto um produto ou serviço tem garantia de qualidade quando seu fornecedor estabelece um processo para o fornecimento desse produto ou serviço, de tal forma que a probabilidade de falhas no produto ou serviço seja nula. Relação com o cliente - A relação cliente-fornecedor na oferta de bens e serviços: Os conceitos de fornecedor e cliente precisam estar bem claros para que a qualidade do produto oferecido pelo primeiro atenda às expectativas do segundo. Como podemos ver, há várias possibilidades para todos nesse novo programa lançado pelo governo, sendo assim, cabe a cada um aproveitar da melhor forma possível. Referência Bibliográfica SILVA, Edivan Morais da. Manual de contabilidade simplificada para micros e pequenas empresas. 2 ed. São Paulo: IOB, 2009 INTERNET CONTROLADA - FERRAMENTAS UTILIZADAS NO LINUX Alexandre Izumi Netwalk Soluções Internet Starti Soluções em TI Pesquisas mostram que o uso inadequado da Internet nas empresas pode reduzir a produtividade dos colaboradores em mais de 50% e gerar grandes perdas. Esta palestra tem como objetivo identificar os maiores problemas gerados pela má utilização da Internet, e propor soluções baseadas em ferramentas disponíveis no Sistema Operacional Linux, mostrando conceitos e dicas. Para tanto são abordados os tópicos: mal uso da Internet e benefícios de uma conexão controlada; Controle sobre a rede; iptables (firewall); pptpd (vpn); Controle sobre a Navegação; squid (proxy); Controle sobre s; postfix; courier; Software de Controle de Internet e AdmFirewall. Anais - VI Jornada 17

19 Sergio Ribeiro Netwalk Soluções Internet Starti Soluções em TI GESTÃO DA INFORMAÇÃO Gerenciar a informação de forma eficaz, acarretando resultados positivos e satisfatórios, tem sido uma realidade cada vez mais crescente e presente dentro de empresas. Esta palestra tem como objetivo expor os conceitos relacionados à Gestão da Informação, apresentado as ferramentas que permitem o gerenciamento da mesma. Para tanto terá como conteúdo programático os seguintes assuntos: Análise de conceitos para Gestão de contatos e cadastros - (o coração do CRM); Gestão de atendimento online; Gestão de atendimentos e followup; Gestão de mailing; Gestão de vendas e prospecção; Central de Relacionamento on-line. Análise dos benefícios da comunicação unificada: Gestão de em BD; Gestão de conhecimento via Forum; Gestão de comunicados; Gestão de mensagens instantâneas em BD; Gestão de anotações quando organizar: Gestão de ativos; Gestão de agendamentos; Gestão de atividades; Gestão de processos para o controle: Gestão de documentos; Gestão de arquivos. MÉTODO FÔNICO: REFLEXÕES E CONSIDERAÇÕES Patrícia da Costa Borges Oliveira Ambulatório Municipal de Especialidades no Município de Salesópolis O Método Fônico consiste em atividades fônicas (introdução sistemática de correspondência grafofonêmicas para construir a leitura e a escrita) e metafonológicas (exercícios para desenvolver a consciência fonológica, especialmente no nível fonêmico). O trabalho com consciência fonológica exerce um papel importante no processo de aprendizagem da leitura e da escrita. As pequenas unidades da fala que correspondem às letras de um sistema de escrita alfabética são chamadas de fonemas. Sendo assim, a consciência de que a língua é composta desses pequenos sons se chama consciência fonêmica. Portanto, precisa haver o entendimento de que aqueles sons (fonemas) associados às letras (grafemas) são precisamente os mesmos sons da fala notando-se, assim, os fonemas, descobrindo-se sua existência e a possibilidade de separá-los. Para isso são realizadas atividades prazerosas e divertidas envolvendo rima, ritmo, escuta e sons, segmentação fonêmica, consciência de sílabas e palavras por meio dos jogos de linguagem. Este Método afirma que o texto deve ser introduzido de modo gradual, com complexidade crescente, e à medida que se adquira uma boa habilidade de fazer decodificação grafofonêmica fluente, ou seja, depois que tiverem existido instruções explícitas e sistemáticas de consciência fonológica e de correspondência entre grafemas e fonemas. Sua utilização na Escola de Educação Especial Professora Botyra Camorim Gatti da APAE de Mogi das Cruzes, desde 2006, deu-se devido à grande preocupação com uma alfabetização eficiente de seus alunos. Tem-se como objetivo maior formar cidadãos competentes e letrados para serem incluídos na sociedade com igualdade e equidade. 18 Anais - VI Jornada

20 MULATO: NEGRO-NÃO-NEGRO E/OU BRANCO-NÃO-BRANCO Eneida de Almeida dos Reis Faculdade Integração Zona Oeste Instituto Sedes Sapientiae Ser mulato: negro-e-branco/ negro-ou-branco envolve uma questão de identidade. Trata-se de um estudo da identidade do mulato, que implica no reconhecimento social da diferença e da igualdade, marcado pela relação com o outro e, a partir desta relação, a de poder compreender símbolos de seu mundo. A identidade pessoal é tratada na sua articulação com a etnia, pensando nas origens, ainda que essas origens estejam associadas pela cor da pele e não pela cultura. Por outro lado, envolve a maneira como as pessoas são colocadas na sociedade, consequentemente como se comportam dentro da mesma em virtude de preconceitos. Assim, trata-se de questão que envolve tanto identidade étnica como identidade pessoal. A partir do conjunto de vivências do mulato, a apresentação propõe analisar significados e sentimentos que o mulato desenvolve a respeito de si próprio. NATAÇÃO: DA ADAPTAÇÃO AO APERFEIÇOAMENTO, UMA ABORDAGEM PRÁTICA Daniel Baesso Garcia Colégio Gutenberg Colégio Suzano Esta palestra tem como objetivo apresentar vídeos com exercícios na água para facilitar a adaptação, a iniciação e o aperfeiçoamento dos 4 nados. A natação é uma atividade bastante procurada por pais, para que seus filhos possam aprender a nadar, evitando assim afogamentos. Algumas crianças, seja por incentivo dos pais ou por afinidade ao esporte, com o decorrer do tempo chegam até a fase de aperfeiçoamento. Em outros casos, a atividade é iniciada por aconselhamento médico para melhorar problemas respiratórios, posturais entre outros. Adultos procuram o esporte para uma melhor qualidade de vida e preparo físico. Existem exercícios e atividades aquáticas que auxiliam nesse processo de adaptação ao meio aquático até a fase de aperfeiçoamento. Para se atingir os objetivos com a natação, é essencial que o ambiente seja adequado, existam materiais de apoio, uma boa relação entre professor e aluno. O professor deverá realizar atividades lúdicas, trabalhos de motivação, diversificação dos exercícios sempre respeitando a individualidade de cada um. Lembrando que cada aluno tem seu próprio tempo de assimilação, processamento das informações e de realização das atividades. Esta palestra mostrará exercícios práticos que poderão ajudar profissionais da área. Anais - VI Jornada 19

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

Quem tem conhecimento vai pra frente

Quem tem conhecimento vai pra frente blogdosempreendedores.com.br facadiferente.sebrae.com.br contabilidadeschmitt.com.br Fotos: Produtos do Projeto Gemas e Joias do Sebrae-PA Livro Artesanato- Um negócio genuinamente brasileiro (Sebrae,

Leia mais

Plano Educação. www.planoeducacao.com.br LISTA COMPLETA DE CURSOS DO PLANO EDUCAÇÃO. Área Assunto Titulo

Plano Educação. www.planoeducacao.com.br LISTA COMPLETA DE CURSOS DO PLANO EDUCAÇÃO. Área Assunto Titulo Plano Educação LISTA COMPLETA DE CURSOS DO PLANO EDUCAÇÃO 1 Administração Comércio, Vendas e Negociações Administração de Mercado Exterior Administração Comércio, Vendas e Negociações Atendimento ao cliente

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Sem. CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS I II III IV V VI VI I Matriz Curricular válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

HORARIOS DE TUTORIAS: É necessário agendamento para tutoria.

HORARIOS DE TUTORIAS: É necessário agendamento para tutoria. HORARIOS DE TUTORIAS: É necessário agendamento para tutoria. Matemática: Luiz Paulo Tavares Disciplinas em que atua: Administração Financeira Contabilidade Estatística Estatística Aplicada Formação de

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Relação completa dos cursos do Estude Sem Fronteiras

Relação completa dos cursos do Estude Sem Fronteiras Relação completa dos cursos do Estude Sem Fronteiras Curso Carga horária Área: Direito Direito Coletivo do Trabalho 40 Direito Empresarial 40 Direito Municipal e Urbanístico Direito Tributário Aplicado

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA Linguagem e Interpretação de Texto 80 Contabilidade I 80 Economia 80 Matemática 80 Teoria Geral da Administração

Leia mais

Curso de Pedagogia Portaria de Autorização ME nº 2415, de 14 de Setembro de 2001- Reconhecimento -Portaria ME. 58/2007. INÍCIO-01/08/2006 1º Semestre

Curso de Pedagogia Portaria de Autorização ME nº 2415, de 14 de Setembro de 2001- Reconhecimento -Portaria ME. 58/2007. INÍCIO-01/08/2006 1º Semestre Inciso II Programa de cada curso oferecido e demais componentes curriculares, sua duração, requisitos e critérios de Avaliação: Instituto Educacional do Estado de São Paulo Autorização de Credenciamento:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h. Estrutura Curricular do Curso Disciplinas CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO INCLUSIVA 400h Ética profissional na Educação Fundamentos históricos, conceitos, sociais e legais na Educação Inclusiva Legislação Aplicável na Educação Inclusiva Fundamentos

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais

Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Guia definitivo de ferramentas de Planejamento para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Como fazer o seu primeiro MBA?

Como fazer o seu primeiro MBA? GRADE CURRICULAR Como fazer o seu primeiro MBA? Escolha o MBA desejado no seu escritório virtual e confira a Grade Curricular do curso. Faça um a um, todos os módulos referentes ao MBA escolhido baseando-se

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 93 DE JUNHO DE 2014 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Queila Medeiros Veiga TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA TGD NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Marcos Legais 1988 Constituição Federal (art. 208, III) direito das pessoas com necessidades especiais de receberem educação, preferencialmente na rede regular

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS CONTÁBEIS COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO A leitura como vínculo leitor/texto, através da subjetividade contextual, de atividades

Leia mais

IBRATEF Instituto Brasileiro de Tecnologia Fiscal Manual do Microempreendedor Individual MANUAL DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

IBRATEF Instituto Brasileiro de Tecnologia Fiscal Manual do Microempreendedor Individual MANUAL DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL IBRATEF Instituto Brasileiro de Tecnologia Fiscal 1 MANUAL DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL 2 Flávio Carvalho Costa IBRATEF Instituto Brasileiro de Tecnologia Fiscal 3 FLÁVIO CARVALHO COSTA MANUAL DO MICROEMPREENDEDOR

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 PEDAGOGIA EMPRESARIAL E APRENDER BRINCANDO E A IMPORTÂNCIA DO JOGO: DIFERENTES TEMAS NA ÁREA EDUCACIONAL Ana Flávia Crespim da Silva Araújo ana.crespim@hotmail.com Elaine Vilas Boas da Silva elainevb2010@hotmail.com

Leia mais

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Site: WWW.fontecursos.com Tel. (68) 9977-1474 A cultura forma sábios; a educação, homens.

Site: WWW.fontecursos.com Tel. (68) 9977-1474 A cultura forma sábios; a educação, homens. Operador de Computador / Informática Os módulos que compõem o pacote Operador de Computador têm como objetivo desenvolver no aluno o conhecimento da informática para aplicação no mercado de trabalho, utilizando-se

Leia mais

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação 4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA 4.1. Apresentação O Curso de Educação na Diversidade e Cidadania é um curso de formação continuada de professores de educação básica, com carga horária de

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2009.1A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ADMINISTRAÇÃO... 4 02 CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA I... 4 03 MATEMÁTICA... 4 04 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 05 NOÇÕES

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: GESTÃO DE CARREIRA PROFESSORA: MONICA ROCHA LIDERANÇA E MOTIVAÇÃO Liderança e Motivação são fundamentais para qualquer empresa que deseja vencer

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ENSINO MÉDIO I PORTUGUÊS: Compreensão e interpretação de texto. Ortografia: divisão silábica, pontuação, hífen, sinônimo, acentuação gráfica, crase. Morfologia: classes de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ

A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO MUNICIPIO DE MOSSORÓ Selma Andrade de Paula Bedaque 1 - UFRN RESUMO Este artigo relata o desenvolvimento do trabalho de formação de educadores

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América.

XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. XII Seminário Internacional de Países Latinos Europa América. La Gestión Contable, Administrativa y Tributaria en las PYMES e Integración Europa-América 23 24 de junio 2006 Santa Cruz de la Sierra (Bolívia)

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Letras MISSÃO DO CURSO O curso de Licenciatura em Letras do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem o compromisso de promover no estudante um

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil.

Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. Experiência: O novo olhar sobre a gestão de pessoas do setor público, na nova idade da democracia no Brasil. RADIOBRÁS Empresa Brasileira de Comunicação S. A. Diretoria de Gestão de Pessoas e Administração

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com PROJETO VITRINE Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF xamcoelho@terra.com.br

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

CONHEÇA A NOSSA EMPRESA >>

CONHEÇA A NOSSA EMPRESA >> CONHEÇA A NOSSA EMPRESA >> Para se candidatar a Vaga de Promotor(a) iremos dividir por etapas a apresentação e o treinamento: Primeira Etapa: 1. Apresentação da Empresa e seus Canais de Vendas 2. Apresentação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

Sede Sebrae Nacional

Sede Sebrae Nacional Sede Sebrae Nacional Somos o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresa, uma entidade privada sem fins lucrativos, e a nossa missão é promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA SISTEMA FIERGS

CÓDIGO DE ÉTICA SISTEMA FIERGS CÓDIGO DE ÉTICA SISTEMA FIERGS CÓDIGO DE ÉTICA SISTEMA FIERGS Sumário 1. Objetivo...7 2. Entidades...9 2.1. Missão... 10 2.2. Visão... 11 2.3. Valores e Princípios... 12 3. Abrangência... 15 3.1 Aplicação...

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais

Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais Guia Definitivo de Ferramentas para Micro Empreendedores Individuais Introdução O Brasil já tem 4,7 milhões de microempreendedores individuais, segundo dados de janeiro de 2015 da Receita Federal. O incentivo

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DE COLABORADORES PQC ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES MÓDULO 1: GESTÃO ACADÊMICA DE IES Educação Superior no Brasil: cenários e tendências Conceitos e concepções de universidade; aspectos históricos da educação superior no Brasil; a reforma da educação superior

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Fase Cód. Disciplina I Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Prérequisito s Carga Horária

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO/ MÓDULO I OFERTA ESPECIAL DE DISCIPLINAS DISCIPLINAS EQUIVALENTES POR TURMA E CURSO

ADMINISTRAÇÃO/ MÓDULO I OFERTA ESPECIAL DE DISCIPLINAS DISCIPLINAS EQUIVALENTES POR TURMA E CURSO DISCIPLINAS Matemática Aplicada - ADM Teoria e Gestão das Organizações Tecnologia da Informação e Comunicação/(Tecnologias Educacionais) - ADM Metodologia da Ciência e da Pesquisa(Fundamentos do Trabalho

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

FIPECAFI completa 35 anos de pioneirismo na construção da história Contábil, Atuarial e Financeira do Brasil

FIPECAFI completa 35 anos de pioneirismo na construção da história Contábil, Atuarial e Financeira do Brasil FIPECAFI completa 35 anos de pioneirismo na construção da história Contábil, Atuarial e Financeira do Brasil A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) foi fundada

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA AÇÃO FORMAÇÃO DE PROFESSORES: O USO DO COMPUTADOR NA ESCOLA

RELATÓRIO DE PESQUISA AÇÃO FORMAÇÃO DE PROFESSORES: O USO DO COMPUTADOR NA ESCOLA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA ESCOLA DE GESTORES RELATÓRIO DE PESQUISA AÇÃO FORMAÇÃO DE PROFESSORES: O USO DO COMPUTADOR NA ESCOLA Leila

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 6 ANEXO II METODOLOGIAS (A) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 7 A) Metodologias utilizadas no Curso de Administração, bacharelado: a) Aulas Expositivas, Fórum de Debates, Dinâmica de Grupo, Seminários, Estudos de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais