Almir Antonio Gnoatto Elisângela Bellandi Loss André Balestrini Edivan José Possamai Miguel Angelo Perondi

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Almir Antonio Gnoatto Elisângela Bellandi Loss André Balestrini Edivan José Possamai Miguel Angelo Perondi"

Transcrição

1 PLURIATIVIDADE, AGROINDÚSTRIA E AGRICULTURA FAMILIAR. Almir Antonio Gnoatto Elisângela Bellandi Loss André Balestrini Edivan José Possamai Miguel Angelo Perondi RESUMO Este trabalho teve como objetivo estudar a influência da renda gerada por uma pequena agroindústria familiar associativa de pequeno porte, sobre a composição da renda (agrícola e não-agrícola) de suas famílias associadas. Trata-se de um estudo de caso com uma agroindústria de transformação de cana-de-açúcar que possui seis famílias associadas e está situada no município de Capanema-PR. As informações foram coletadas em entrevistas, atendendo as questões sobre o trabalho interno e externo à unidade de produção. Constatou-se que a agroindústria absorveu a força de trabalho diária de duas pessoas por família, modificando a rotina de trabalho das propriedades, e se tornou a atividade principal destas famílias, ficando em segundo plano a produção primária na composição total da renda familiar. Constatou-se ainda, que as rendas não agrícolas (agroindústria, pensões e aposentadorias), são responsáveis em média por 54,15% do total da renda familiar, e que a agroindústria ocupa 78,75% do tempo diário de trabalho e restando apenas 21,25% do tempo das famílias para o desenvolvimento das demais atividades agrícolas da propriedade, isto se considerarmos 10 horas/dia o tempo de trabalho médio das famílias rurais. Palavras chave: agroindústria familiar, pluriatividade, rendas agrícolas e não agrícolas. 1. INTRODUÇÃO A partir da década de 1970 a agricultura brasileira entra num processo de (re) definições de suas bases organizacionais e produtivas. Isto se deve ao fato de que a agricultura entra num novo ciclo dito moderno - capitalizado, tecnificado e empresarial - baseado na concentração, especialização e internacionalização das cadeias produtivas. Este modelo ao mesmo tempo em que gerou a modernização de diversos setores da agricultura brasileira, acabou, por outro lado, apresentando a exclusão de parcelas significativas dos atores presentes no meio rural, principalmente os agricultores familiares de pequeno porte. Esta exclusão foi fruto do não atendimento destes frente às exigências apregoadas pelo novo modelo: produção em grande escala e padronizada, incorporação e uso intensivo de insumos e tecnologias, integração aos sistemas agroindustriais tradicionais de commodities, especialização em cadeias produtivas, acesso às fontes de subsídios financeiros, disponibilidade de recursos naturais, entre outros. Neste cenário, os segmentos sociais rurais a mercê do sistema (aos quais o destino trágico era dado como o desaparecimento), buscaram novas formas de reprodução no meio rural, com mudanças nas suas bases de organização do trabalho, bem como dos sistemas de produção. Nesta lógica, algo inovador é a quebra com a lógica pensante de que o meio rural é única e exclusivamente produtor de matéria-prima (agrícola), onde os muitos agricultores passaram a ser pluriativos, em um novo rural 1 brasileiro. Para explorar esta nova questão, este trabalho inicia por apresentar a perspectiva da 1 O Novo Rural, conforme cita Del Grossi e Silva (2002), é tido a partir de três grandes grupos: a agropecuária moderna, baseada nas commodities; as atividades não-agrícolas, ligadas à moradia, ao lazer e a várias atividades industriais e de prestação de serviços e; um conjunto de novas atividades agropecuárias, localizadas em nichos especiais de mercados.

2 pluriatividade, localizar a pesquisa em seu contexto, apresentar os nossos atores e a metodologia de prospecção dos nossos dados e por fim trazer alguns resultados empíricos que reforçam a convicção da leitura de que o crescimento da pluriatividade pode indicar a melhoria das condições de vida no meio rural.

3 2. A PERSPECTIVA DA PLURIATIVIDADE E DA AGROINDÚSTRIA FAMILIAR. Segundo Alentejano (1999) a pluriatividade é tida como a diversificação das formas de organização na agricultura, com multiplicação de estratégias de produção dos agricultores, incluindo o recurso a outras formas de atividades, seja assalariamento urbano, transformação industrial ou artesanal da produção agrícola, seja o desenvolvimento de atividades terciárias (serviços e lazer) na propriedade rural. Del Grossi e Silva (2002) comentam que a pluriatividade acaba por exercer influências na estruturação do trabalho das propriedades, assim como na alocação de recursos econômicos, impondo-lhes novas dinâmicas organizativas. Esta nova dinâmica organizacional é oriunda de uma possibilidade maior de retorno econômico obtida junto às atividades não agrícolas em detrimento das atividades agrícolas, bem como por apresentar-se como uma complementação da renda familiar através de atividades não agrícolas, agregando-se o fato de uma otimização da força de trabalho familiar. Um maior deslocamento de mão de obra e do tempo de trabalho em atividades não agrícolas ocorre principalmente a partir do momento em que as estas apresentam maior participação na composição da renda familiar, que as atividades agrícolas. Schneider (2003) ao analisar a pluriatividade da agricultura familiar, constatou que a produção agrícola passa a ocupar cada vez menos tempo das famílias, conseqüentemente ocorre uma queda na renda agrícola, observando-se uma crescente importância das rendas não agrícolas entre as famílias. No entanto, o autor cita que a pluriatividade das famílias rurais não significa necessariamente o detrimento das atividades agrícolas, tendo em vista que estas passam a incorporar novas tecnologias capazes de despender uma menor atenção, de trabalho, principalmente, cedendo espaço para novas formas de organização. Neste processo de reorganização dos espaços rurais através da pluriatividade, o estado de saber e fazer dos agricultores familiares passam, em muitos casos, a serem fundamentais na concretização de novas atividades. É o caso, por exemplo, da agroindustrialização, em que uma arte secular de transformação que existia na lógica de reprodução dos agricultores de subsistência, passou a ser aprimorada e desenvolvida com um olhar além da família, objetivando espaços nos mercados. A agroindústria familiar difere das agroindústrias tradicionais ao incorporar aspectos do caráter da agricultura familiar 2, e vem se consolidando como uma forma de reprodução recorrida por muitos agricultores, pois além de ser algo já incorporado ao seu cotidiano, é capaz de verticalizar a própria cadeia produtiva incorporando a transformação e a comercialização dos produtos, possibilitando a agregação de valor da produção agrícola. Vieira (1998), ao analisar o ambiente de surgimento das agroindústrias familiares de pequeno porte, percebeu que a agroindústria rural se constitui, geralmente, a partir de duas motivações mais comuns: (1) o aproveitamento de excedentes que o produtor não consegue colocar no mercado, seja por não atender aos padrões de comercialização ou por problemas de qualidade mais sérios. E (2) quando o produtor vê na agroindustrialização a melhor maneira de fazer frente à conjuntura desfavorável dos preços agrícolas. Prezotto (1997), ao analisar as agroindústrias rurais de pequeno porte, conclui que as mesmas possuem peculiaridades qualitativas e quantitativas, frente aos complexos agroindustriais tradicionais. Dentre as qualitativas, o autor cita: o tipo de público associado e/ou proprietário, o tipo de equipamentos utilizados, a origem da matéria prima principal utilizada e a localização da agroindústria. E em relação às peculiaridades quantitativas, o autor cita: a quantidade de cada produto agroindustrializado, o tipo e o tamanho dos 2 Baseando-se em LAMARCHE (1994), a agricultura familiar é compreendida através do caráter de intima ligação existente entre família, propriedade e trabalho.

4 equipamentos utilizados, o número de pessoas associadas, o número de pessoas que trabalham na agroindústria e o tamanho das instalações. A agroindústria familiar é, portanto um importante instrumento na promoção da inclusão dos agricultores familiares em processos produtivos e nos ciclos sócio-econômicos. Percebe-se assim que, uma das alternativas capazes de impulsionar a geração direta e indireta de novos postos de trabalho e renda, assim como uma importante forma de proporcionar a (re) inclusão social e econômica dos pequenos agricultores, é um modelo descentralizado de agroindustrialização familiar de pequeno porte. Por ser algo relativamente novo no atual contexto rural brasileiro, as agroindústrias familiares tornam-se objetos pouco compreendidos e elucidados em termos socioeconômicos, o que dificulta, por um lado, compreende-las totalmente numa nova lógica de desenvolvimento (rural e local), e por outro, empreender ações no sentido de fomenta-las. 3. LOCALIZAÇÃO DO ESTUDO A associação em estudo está localizada na região Sudoeste do Paraná, que possui a peculiaridade de ter um processo histórico de ocupação pela agricultura familiar, e que se manteve, na quase totalidade dos municípios até hoje, numa dinâmica econômica e social em torno da agricultura. Segundo dados do Censo Demográfico do IBGE (2000), a região Sudoeste do Paraná apresenta uma população de entorno de habitantes, dos quais, 38% residem no meio rural. Por volta da década de 1970, com o inicio da chamada Revolução Verde, este cenário passa por algumas transformações. O uso da motomecanização, fertilizantes, agroquímicos, melhoramento genético de plantas e animais acabaram por promover mudanças na agricultura regional bem como nacional. Tais mudanças, segundo Abramovay (1981), foram devidas:... a intensificação da força produtiva do trabalho e o aumento da produtividade por área cultivada, o fim da autonomia técnica, dependência dos insumos industrializados e a especialização com o declínio do regime de policultura. Este novo modelo teve um grande incentivo governamental, onde que a assistência técnica e linhas de crédito voltaram-se para este novo modelo, o que acabou por privilegiar apenas alguns grupos de agricultores que preenchiam os pré-requisitos exigidos pelos órgãos financiadores. Com isso constitui-se na região uma diferença, conforme cita Corona (1999), entre os modernos, que tiveram acesso às inovações tecnológicas e linhas de crédito, e os atrasados, que não tiveram acesso às inovações tecnológicas e linhas de crédito. No entanto, esse processo não se estendeu por todo o Sudoeste do Paraná. A modernização foi parcial, porque nem todos os agricultores tiveram acesso às novas tecnologias. As áreas mais favoráveis foram rapidamente adquiridas pelos agricultores ou "pelo pessoal da cidade", com maior capital e com maior capacidade de lidar com as fontes de fomento e com o mercado. A formação geográfica, com muitas áreas rochosas e montanhosas, não permitiu a incorporação de grandes áreas de terra e o uso intensivo das máquinas, o que facilitou a permanência de grande quantidade de pequenos agricultores que mantiveram as técnicas tradicionais de manejo do solo. Então, a partir da década de 1980, com o término da euforia modernizadora, a agricultura Sudoestina entra em crise. O esgotamento dos solos, a incorporação parcial das novas tecnologias, produção baseada em monoculturas (soja e trigo) juntamente com o fim das linhas de crédito milagrosas foram os principais elementos que iniciaram um período de reestruturação da agricultura regional. Foi a partir disto, que os agricultores familiares da região buscaram meios de superar a crise enfrentada e uma das formas foi à liberação de mãode-obra familiar para ser ocupada em atividades extra-agrícolas, bem como a mudança na matriz produtiva até então usada (início da produção agroecológica, em contraposição a

5 agricultura convencional). De acordo com Corona e Possamai (2002), dentre as atividades extra-agrícolas, a agroindustrialização passou a ocupar um espaço importante, pois ao mesmo tempo em que representou uma alternativa para a família produtora, fez uso da matéria-prima oriunda da própria propriedade, ou seja, de uma atividade já inserida na dinâmica de reprodução da família. Possibilitando, principalmente a agregação de renda aos produtos dos agricultores familiares, a qual proporcionou geração de renda e ocupação para estes agricultores no campo, bem como a melhoria em suas condições de vida. Na região Sudoeste do Paraná, conforme Fórum (1999), o crescimento do número de agroindústrias familiares de pequeno porte é um fato recente, onde se observa que o processo de implantação e consolidação dessas agroindústrias vem exigindo uma mudança de atitude dos agricultores envolvidos, das políticas públicas, da assistência técnica e dos consumidores em geral, para garantir o sucesso e a lucratividade dos empreendimentos. Processo este de mudança que vem ocorrendo de modo vagaroso e parcial, o que compromete a viabilidade destas. Segundo dados do Fórum/ Programa Fabrica do agricultor citado em Fórum (1999), no ano de 1999, existiam 233 agroindústrias de pequeno porte na região Sudoeste do Paraná. As principais atividades desenvolvidas por estas agroindústrias de pequeno porte são: pasteurização de leite; queijos; abate de bovinos, suínos e aves; defumados; embutidos; açúcar mascavo; melado/rapadura; aguardente; compostas, doces; suco/polpa; conservas e beneficiamento/ classificação de grãos. Ao mesmo tempo da expansão do número de agroindústrias rurais, as informações sobre as experiências existentes, são escassas e pouco coesas, ou seja, por ser um fato novo na realidade rural, pouco se sabe sobre a realidade vivenciada por estas. Isto é sentido, de modo especial pelas agroindústrias, através das políticas despendidas pelos governos no âmbito Nacional/Estadual/Municipal, pois poucas políticas alcançaram os objetivos propostos. Neste sentido, as agroindústrias familiares de pequeno porte fazem parte de um processo recente de (re) organização do meio rural da região Sudoeste do Paraná. Este processo exige uma mudança de atitude dos agricultores envolvidos, da assistência técnica, dos consumidores em geral e essencialmente das políticas pública, para a sua legitimação como instrumento fundamental para o desenvolvimento sustentável regional. (Fórum, 1999) 4. OBJETO DE ESTUDO A Agroindústria Associativa Manguaba foi escolhida para este estudo, devido a um processo acompanhamento/estudo em outra pesquisa 3, desde o seu surgimento. Estes agricultores descendem de imigrantes do Rio Grande do Sul e Santa Catarina e vieram reproduzir as mesmas condições sociais de crescimento patrimonial de seus pais. Entretanto, com a modernização da agricultura e a consolidação do modelo de produção de commodites agrícolas, este objetivo não estava sendo mais alcançado descapitalizando as famílias e tornando inviável suas propriedades. Anteriormente as famílias produziam culturas anuais (milho, soja, feijão e fumo), tendo como principal renda o fumo, uma atividade intensiva em agroquímicos e que absorve muita mão de obra. Mas a partir da metade da década de 90, a baixa rentabilidade e os casos graves problemas de intoxicação por agrotóxico, levaram estes agricultores a buscar por melhores alternativas, e os reuniram em torno de uma associação, de agroindústria de derivados de cana de açúcar. Fundada em 1998 a Agroindústria Manguaba marcou o destino de seis famílias de pequenos agricultores que possuem em média uma área de 12 ha por 3 Perondi (1997) e Loss et all (2003).

6 família. Os investimentos iniciais na agroindústria tiveram parte do apoio externo (crédito) e parte própria (equipamentos), e possibilitaram obter um maior volume de produção que da forma artesanal anterior, e gerou um maior fluxo de produção que facilitou a comercialização. O sistema de produção utilizado na comunidade, onde a agroindústria esta inserida, é caracterizada pela produção integrada de produtos como o milho, a soja, o feijão e a pecuária leiteira, sendo produzido ainda pelas famílias associadas à agroindústria, as matérias-primas para a industrialização como a cana-de-açúcar, e o amendoim utilizado na fabricação de açúcar mascavo e na rapadura, respectivamente, bem como os ovos e o leite utilizado na fabricação das bolachas e outros doces. 5. METODOLOGIA Para desenvolver este trabalho e captar a complexidade da dinâmica em que vivem as famílias em estudo, optou-se pela pesquisa qualitativa, sendo uma forma capaz de reconstruir os processos sociais, considerando a realidade como um todo, como cita Campomar (1991) e Godoy (1995). Essa metodologia gera uma situação onde se encontram frente a frente os observadores e o observado, convivendo em moradia e pesquisa no próprio ambiente destes. A pesquisa foi desenvolvida através do Estudo de Caso, sendo este estudo de cunho qualitativo, onde predomina a descrição das situações encontradas pelo investigador. No entanto, Godoy (1995), afirma que o Estudo de Caso não tem de ser meramente descritivo, pode ter igualmente um profundo alcance analítico, pode interrogar a situação, pode confrontar a situação com outras situações já conhecidas e com as teorias existentes, pode ajudar a gerar novas teorias e novas questões para futuras investigações. de campo, com entrevistas pré-agendadas junto às famílias, respeitando suas individualidades Neste estudo de caso se utilizou o caderno e unindo-as a um objeto comum (a agroindústria), buscando descrever um caso típico, que se tornou uma situação diferenciada perante as diversas iniciativas de pequenas agroindústrias da região Sudoeste do Paraná. E é importante considerar que para a coleta dos dados das famílias associadas a agroindústria familiar de pequeno porte foi realizada durante o mês de maio de 2003, também neste mesmo período foram tabulados os dados e apresentados os resultados. E por fim, para interpretar a pluriatividade, este estudo utiliza os parâmetros desenvolvidos por Schneider & Sacco dos Anjos (2001) 4 que foca o tipo de ocupação dos indivíduos que integram uma Unidade de Produção ou família. Assim, as estratégias de reprodução familiar em ambientes mercantilizados podem ser divididos em dois grandes grupos: Primeiro, aqueles executados na mesma unidade de produção, ou seja, os Exclusivamente agrícolas, que podem compreender os (1a) monoativos (agricultura pura) e (1b) Para agrícolas (inclui atividades de transformação). Em segundo lugar, aqueles executados fora da unidade de produção, ou seja, a Pluriatividade, que podem ter (2a) Base Agrária (atividade no mesmo setor mas fora da unidade de produção), ou de (2b) Base Não Agrícola (externo e não agrícola). Vale a pena reafirmar que Pluriativa é aquela família que pelo menos um dos membros está ocupada em atividade estranha à agricultura (SCHNEIDER, 2003). Pressupõe, portanto, que haja combinação de atividades por indivíduos de uma mesma família, atividades estas que correspondem aos diferentes setores da economia. Assim, a agroindústria familiar em estudo, apesar de ser uma atividade Para Agrícola (atividade agrícola com transformação para o mercado), será aqui classificada como Pluriatividade de Base Agrária porque do ponto de vista organizacional é realizado em 4 Projeto de pesquisa financiado pelo CNPq (Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico) que pesquisa o papel das atividades não-agrícolas na geração de renda e na viabilização econômica e social da família rural dentro da perspectiva do desenvolvimento local e regional.

7 associação, ou seja, fora da lógica própria de uma família, e do ponto de vista físico é realizado fora da unidade de produção. 6. RESULTADOS E DISCUSSÃO Assim como observaram Paulilo (1990) e Perondi (1997), este estudo constatou que a divisão do trabalho por gênero e idade é idêntica na agroindústria e nas propriedades. O trabalho é dividido por atividades, sendo de responsabilidade dos homens o comando dos fornos, tachos, batedores e peneiras, e a cargo das mulheres o trabalho de agregar valor ao açúcar mascavo (produto este extraído da cana de açúcar, trabalho realizado pelos homens), com a fabricação de bolachas e rapaduras. Esta transformação de parte do açúcar mascavo em bolachas e rapaduras é uma forma encontrada pela associação em agregar um valor ainda maior para estes produtos, aumentando o retorno econômico. Isso ocorre, pois a venda de açúcar mascavo em quilo tem um valor agregado menor do que quando este é transformado em outros derivados como os produzidos na agroindústria Manguaba (bolachas, rapaduras e outros doces). Constatou-se que a agroindústria além de manter a divisão de trabalhos como ocorre nas propriedades, também absorveu a força de trabalho excedente nos períodos de entressafra agrícola, originando a necessidade permanente da força de trabalho diária de duas pessoas por família (10 horas/dia/uth 5 ) (Gráfico 1). A agroindústria é a responsável pela utilização de em média 78,75% do tempo de trabalho de duas pessoas por família durante todo o ano, no tempo restante estas duas pessoas ainda desempenham suas atividades nas propriedades, auxiliando as demais forças de trabalho, desenvolvendo as atividades agrícolas normalmente nas propriedades, produzindo grãos (milho, soja, feijão, amendoim), na pecuária leiteira, no cultivo de cana-de-açúcar, e outros produtos (ovos, mel, vassouras, aves) para a subsistência familiar, os quais são comercializados no mercado local quando excedem o consumo familiar. Gráfico 1 Comparação dos Dias de Trabalho na Propriedade x Agroindústria Dias de Trabalho 365,0 328,5 292,0 255,5 219,0 182,5 146,0 109,5 73,0 36,5 0,0 66,4 60,3 46,6 62,9 52,8 54,0 211,2 211,2 211,2 211,2 211,2 211,2 Trabalho na Propriedade Trabalho na Agroindústria Famílias A agroindústria de açúcar mascavo Manguaba tornou-se uma atividade importante para todas as famílias nela envolvidas, não só na ocupação de mão de obra excedente das propriedades, mas também na remuneração dos sócios (Tabela 1). A agroindústria é responsável por em média 41,1 % do total da renda familiar anual, esta renda tem variação de 33,49 a 53,73%, devido as atividades agrícolas realizadas nas propriedades 6 e do recebimento de pensões e aposentadorias. Em análise realizada por Del Grossi & Silva (2002), observou-se que existe, em 5 UTH: Unidade de trabalho homem. 6 Algumas atividades agrícolas apresentam remuneração maior do que outra, como a soja, muito cultivada nas propriedades o que aumenta a renda agrícola de algumas das propriedades, tornando esta com maior valor que as rendas não agrícolas, como os rendimentos da agroindústria, de pensões e de aposentadorias.

8 muitas famílias, a dependência da transferência de renda na forma de aposentadorias e pensões, sendo que em famílias com áreas menores de 10 ha, podem chegar a 30 a 40% da renda familiar. Já nas famílias que possuem atividades pluriativas, a proporção é bem menor, em torno de 10 a 15%. No caso da Manguaba, observou-se uma situação diferente das encontradas por estes autores. Constatou-se que as três famílias que recebem estes benefícios da previdência, possuindo área médias de terra de 12,03 ha (uma família arrenda terra de terceiros), a porcentagem oscilou entre 17,41% a 33,34%, do total da renda familiar. Estes valores estão acima dos encontrados por Del Grossi & Silva (2002), devido a produção de soja com baixos custos (a mínima utilização de produtos químicos para condução da lavoura), e também pelo elevado preço desta oleaginosa recebido pelos agricultores com sua venda. Tabela 1 Comparação Entre as Rendas das Famílias Proprie dades Liquida Total % Renda Agrícola Rendas Líquidas Totais (em R$ por Ano) % Total da Renda Não Agrícola % Rendas Não Agrícola Pensões e Aposentadorias % Agroindústria % , ,21 28, ,00 71, ,00 36, ,00 34, , ,60 28, ,00 71, ,00 24, ,00 46, , ,85 46, ,00 53,73 0,00 0, ,00 53, , ,78 57, ,00 42,78 0,00 0, ,00 42, , ,80 49, ,00 50, ,00 17, ,00 33, , ,19 64, ,00 35,07 0,00 0, ,00 35,07 Percebe-se, analisando a Tabela 1, o baixo valor da renda agrícola das propriedades em estudo, isto pode ser explicado por vários motivos: à topografia das propriedades; a baixa tecnificação e investimento na atividade agrícola; e a priorização da força de trabalho na agroindústria. O que também foi constatado por Del Grossi e Silva (2002), que observaram a produção agrícola ocupar cada vez menos tempo das famílias pluriativas, conseqüentemente uma menor participação da renda agrícola e uma crescente importância das rendas não agrícolas. Ao compararmos as rendas agrícolas e não agrícolas (Gráfico 2), percebemos que em 4 das 6 famílias, mais de 50% das rendas totais são provenientes de atividades não agrícolas, e somente em 2 das famílias associadas, a maior partes da renda vem de atividades agrícolas, sendo explicada pelo sistema de produção agrícola utilizado, do grau de investimento dado a esta. Gráfico 2: Composição da Renda Familiar (Renda Agrícola e Não Agrícola) em percentagem.

9 % Renda Familiar 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Famílias Renda Agrícola Renda Não Agrícola Ao analisarmos a renda líquida familiar anual das famílias envolvidas (Tabela 2), incluindo todas as formas de renda, podemos observar que a renda média foi de R$ , 40, havendo variação de R$ ,85 à R$ ,80, valores estes, atingidos através do trabalho associativo na agroindústria, pensões e por aposentadorias. Ao analisarmos a renda líquida mensal por unidade de trabalho, sem fazer distinção de função ou ganho mensal 7, constatamos uma renda líquida média/pessoa/mês equivalente a R$ 408,00, sendo equivalente a 1,7 salários mínimos 8 Tabela 2 Comparação Entre Dados Econômicos Das Propriedades Propriedades AA (ha) AT (ha) UTH RLT/ano (R$) RL/UTH/mês (R$) 1 6,6 8,4 3, ,21 386,76 2 8,5 12,5 2, ,60 402, ,07 12,1 2, ,85 357, ,65 13,32 2, ,78 449,54 5 8,95 15, ,80 497, ,3 9, ,19 356,44 Legenda: AA (ha): (Área Agrícola em hectares, destinada a produção); AT (ha): (Área Total em hectares); UTH: (Unidade de Trabalho Homem); RLT/ano: (Renda Líquida Total por ano); (Renda Líquida por Unidade Trabalho Homem por mês). 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS A atividade agroindustrial de pequeno porte está em expansão no meio rural, sendo uma alternativa de renda importante para a agricultura familiar, pois além de agregar valor aos produtos agrícolas, gera novas aprendizagens de comercialização e diversificação das estratégias econômicas das famílias, como bem nos ensina este estudo de caso. De forma comparativa, entre os rendimentos internos da unidade de produção e os da agroindústria, percebeu-se um papel fundamental da renda da associação, e que proporciona um incremento na renda familiar e uma estabilidade financeira em média 40% maior, melhorando-se assim as condições socioeconômicas das famílias. A agroindústria preenche melhor a disponibilidade de tempo de trabalho que as 7 Não foi realizada distinção entre rendimentos das pessoas aposentados ou pensionistas com os demais membros de cada família, levando-se em conta apenas os rendimentos mensais da família como um todo e dividindo pelas unidades de trabalho homem das famílias, a fim de se estabelecer um denominador comum entre todas as famílias, ou seja, estabelecer apenas a quantidade de renda liquida mensal por unidade de trabalho homem, considerando que uma pessoa aposentada não é incapaz, portanto foi considerada como integrante da mão de obra da família. 8 Salário mínimo do mês de Março de 2004, equivalente a R$ 240,00.

10 famílias possuíam anteriormente na entressafra, e passou a ocupar a maior parte do tempo médio anual das famílias, ou seja, 78,7% das 10 horas/dia de trabalho. Assim, somente 21,2% do tempo considerado, é dedicado ao desenvolvimento das demais atividades agrícolas nas propriedades, atividades estas que ainda são responsáveis por 45,84% da renda total em média. 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABRAMOVAY, R. Transformações na vida camponesa: o sudoeste paranaense. São Paulo: Universidade de São Paulo p. (Dissertação de mestrado apresentada à Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP). ALENTEJANO, P. R. R. Pluriatividade: uma noção válida para a análise da realidade agrária brasileira? In: TEDESCO, J.C. (organizador). Agricultura Familiar: Realidades e Perspectivas. 2º Edição. Passo Fundo: EDIUPF, CAMPOMAR, M. C. Do Uso do Estudo de Caso em Pesquisas Para Dissertações e Teses em Administração. Revista Administração de Empresas. São Paulo, v.16, p , jul-set, CORONA, H. M. P. Resistência inovadora: a pluriatividade no sudoeste paranaense. Curitiba: UFPR, p. (Dissertação de Mestrado em Sociologia). CORONA, H. M. P. & POSSAMAI, E.J.. Agroindústrias Familiares do Leite da Micro Região de Pato Branco-PR. In: CEFET-PR. Anais do VII Seminário de Iniciação Científica. Curitiba: CEFET-PR, pág DEL GROSSI, E. & SILVA J.G. Novo rural: uma abordagem ilustrada. Instituto Agronômico do Paraná, Londrina-PR, FÓRUM INTERGOVERNAMENTAL E DA SOCIEDADE DO SUDOESTE DO PARANÁ. Plano de Desenvolvimento Sustentável do Sudoeste do Paraná. Pato Branco: EMATER- Paraná p. GODOY, A. S. Introdução à Pesquisa Qualitativa e suas Possibilidades. Revista Administração de Empresas. São Paulo, v.35, n.2, p.57-63, março-abril, IBGE. Censo Demográfico. Ed. IBGE LOSS, E. B., et all. Agroindústria Familiar de Pequeno Porte de Cana de Açúcar: a Influência desta na Renda das famílias Associadas. In: CEFET-PR. VII Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica. Curitiba: CEFET-PR, pág PAULILO, M.I.S. Produtor e agroindústria: consensos e dissensos. Florianópolis: UFSC, Secretaria de Estado da Cultura e do Esporte, PERONDI, M.A. Questões singulares à agricultura familiar. Lavras: UFLA, (Dissertação de mestrado em Administração Rural). PREZOTTO, L.L. Agroindústria de pequeno porte: instrumento para o desenvolvimento local e a agricultura familiar. Brasília: MA/SDR/PNFC, RURBANO. Bibliografia, Teses e banco de Artigos. Campinas SP: UNICAMP, SCHNEIDER, S. Pluriatividade na agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS, SCHNEIDER, Sérgio. & SACCO DOS ANJOS, Flávio. Agricultura familiar, desenvolvimento local e pluriatividade no rio grande do sul: a emergência de uma nova

11 ruralidade. Porto Alegre: UFRGS/PGDR & UFPEL/PPGA. Projeto de pesquisa financiado pelo CNPq (Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico), VIEIRA, L. F. Agricultura e Agroindústria familiar. Revista de Política Agrícola. Ano VII (01), p.11-23, Jan-Mar, 1998.

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP.

PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP. 1 PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP Regiane Aparecida Menegati 1 Rosangela Aparecida de Medeiros Hespanhol

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS

PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS PROGRAMA ESTADUAL FÁBRICA DO AGRICULTOR: UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Área: ADMINISTRAÇÃO José Lindomir Pezenti EMATER, Cascavel-PR, pezenti@yahoo.com.br Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Cascavel-PR,

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Revista Perspectiva em em Educação, Gestão, Educação Gestão & & Tecnologia, v.3, v.1, n.5, n.1, janeiro-junho/2014

Revista Perspectiva em em Educação, Gestão, Educação Gestão & & Tecnologia, v.3, v.1, n.5, n.1, janeiro-junho/2014 Revista Perspectiva em em Educação, Gestão, Educação Gestão & & Tecnologia, v.3, v.1, n.5, n.1, janeiro-junho/2014 janeiro-junho/2012 GESTÃO RURAL: UMA ANÁLISE DA IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO E PLANEJAMENTO

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 José Alberto Ângelo Danton Leonel de Camargo Bini Denise Viane Caser Paulo José Coelho Carlos Nabil Ghobril alberto@iea.sp.gov.br

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

A AGRICULTURA FAMILIAR EM GOIOERÊ PARANÁ: IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

A AGRICULTURA FAMILIAR EM GOIOERÊ PARANÁ: IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL A AGRICULTURA FAMILIAR EM GOIOERÊ PARANÁ: IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Kauhana Mayhara Cândido Desanoski, (IC), Unespar Câmpus de Campo Mourão, kaudesanoski93@gmail.com Cláudia Chies, (OR),

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

PLURIATIVIDADE AGRÍCOLA E AGRICULTURA FAMILIAR I. META Mostrar o processo de inserção da agricultura familiar na economia brasileira.

PLURIATIVIDADE AGRÍCOLA E AGRICULTURA FAMILIAR I. META Mostrar o processo de inserção da agricultura familiar na economia brasileira. Aula PLURIATIVIDADE AGRÍCOLA E AGRICULTURA FAMILIAR I META Mostrar o processo de inserção da agricultura familiar na economia brasileira. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: entender o conceito

Leia mais

Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro

Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro Seminário O Impacto das Mudanças Climáticas no Agronegócio Brasileiro Monitorando riscos e oportunidades: Como as grandes empresas estão se preparando para as mudanças climáticas André Nassar 8 de maio

Leia mais

IBASE. Economia solidária e agricultura familiar, uma integração necessária. OPINIÃO Eugênia Motta*

IBASE. Economia solidária e agricultura familiar, uma integração necessária. OPINIÃO Eugênia Motta* IBASE OPINIÃO Eugênia Motta* Economia solidária e agricultura familiar, uma integração necessária A agricultura familiar é um importante setor econômico e social no Brasil. É dos pequenos agricultores

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN

NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN A AGRICULTURA FAMILIAR, AS CONTRIBUIÇÕES DO PROJOVEM CAMPO E O CONTEXTO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA NO MUNICÍPIO DE LINDOESTE - PR Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à banca

Leia mais

CONCEITUAÇÃO DE AGRICULTURA FAMILIAR UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

CONCEITUAÇÃO DE AGRICULTURA FAMILIAR UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 de 5 10/08/2015 23:58 Infobibos - Informações Tecnológicas - www.infobibos.com 1. Definições CONCEITUAÇÃO DE AGRICULTURA FAMILIAR UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA AGRICULTURA FAMILIAR Sonia Terezinha Juliatto

Leia mais

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol

Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I. Profª Caroline P. Spanhol Introdução aos Agronegócios Seminário Temático I Profª Caroline P. Spanhol A Origem do conceito Cada dia mais, as propriedades rurais... Perdem sua auto-suficiência Passam a depender mais de insumos e

Leia mais

Novo retrato da agricultura familiar em Santa Catarina

Novo retrato da agricultura familiar em Santa Catarina Novo retrato da agricultura familiar em Santa Catarina Resumo Lauro Mattei Professor dos cursos de Graduação e de Pós-Graduação do Departamento de Economia da UFSC. E-mail: mattei@cse.ufsc.br Este artigo

Leia mais

Palavras-chave: Compra direta. Agricultura Familiar. Modelo de checagem

Palavras-chave: Compra direta. Agricultura Familiar. Modelo de checagem Avaliação de desempenho de processos de Compra Direta da Agricultura familiar: proposta metodológica baseada em modelo de checagem Magalhães A. M. Cruz, G. V. O mercado institucional pode ser um excelente

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE Rio de janeiro, 25 de outubro de 2011 Av. República do Chile, nº500, 2º andar, Centro, Rio de Janeiro. Programa

Leia mais

Ocupação da Força de Trabalho Feminina na Agropecuária Paulista 1

Ocupação da Força de Trabalho Feminina na Agropecuária Paulista 1 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Ocupação da Força de Trabalho Feminina na Agropecuária Paulista 1 As mulheres sempre participaram intensamente das atividades agropecuárias. Na estrutura

Leia mais

ANÁLISE DOS FATORES QUE CONDICIONAM A ORIGEM DOS PROBLEMAS DE PESQUISAS NA REGIÃO CAFEEIRA DO ALTO/MÉDIO JEQUITINHONHA E MUCURI DE MINAS GERAIS

ANÁLISE DOS FATORES QUE CONDICIONAM A ORIGEM DOS PROBLEMAS DE PESQUISAS NA REGIÃO CAFEEIRA DO ALTO/MÉDIO JEQUITINHONHA E MUCURI DE MINAS GERAIS ANÁLISE DOS FATORES QUE CONDICIONAM A ORIGEM DOS PROBLEMAS DE PESQUISAS NA REGIÃO CAFEEIRA DO ALTO/MÉDIO JEQUITINHONHA E MUCURI DE MINAS GERAIS MARCELO MÁRCIO ROMANIELLO 1, EVANDRO SÉRGIO MARTINS LEITE

Leia mais

A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT

A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT A Importância da Extensão Empreendedora em Assentamentos Rurais no Município de Rosário Oeste MT Flávia Cristina Solidade Nogueira Débora Fabiana Aparecida Tenutes Silva Sandro Ribeiro da Costa Universidade

Leia mais

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA (Coordenação de Agropecuária) E DA GEPAD (Gerência de Planejamento,

Leia mais

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE SOCIAL

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR E POLITICAS PÚBLICAS: um desafio para o desenvolvimento.

AGRICULTURA FAMILIAR E POLITICAS PÚBLICAS: um desafio para o desenvolvimento. 284 AGRICULTURA FAMILIAR E POLITICAS PÚBLICAS: um desafio para o desenvolvimento. Diogo Giacomo Eleutério (UNI - FACEF) Maria Zita Figueiredo Gera (UNI FACEF) INTRODUÇÃO Este artigo diz respeito ao Projeto

Leia mais

Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável

Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE Guarapuava,07/10/2015 Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável Ronei Volpi Coordenador Geral da Aliança Láctea Sul Brasileira Competitividade

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES OCORRIDAS NO ESPAÇO AGRÁRIO BRASILEIRO A PARTIR DO PROCESSO DE MODERNIZAÇÃO DA AGRICULTURA

AS TRANSFORMAÇÕES OCORRIDAS NO ESPAÇO AGRÁRIO BRASILEIRO A PARTIR DO PROCESSO DE MODERNIZAÇÃO DA AGRICULTURA AS TRANSFORMAÇÕES OCORRIDAS NO ESPAÇO AGRÁRIO BRASILEIRO A PARTIR DO PROCESSO DE MODERNIZAÇÃO DA AGRICULTURA Jane Carla Burin Mestranda em Geografia UFSM RESUMO O processo de modernização agrícola iniciado

Leia mais

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR.

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR. NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR Área: ECONOMIA LOPES, Janete Leige PEREIRA, Kelli Patrícia PONTILI, Rosangela

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

O RURAL E O URBANO. CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 35, Natal (RN). Anais... Natal (RN): Sober, 1997. p. 90-113.

O RURAL E O URBANO. CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 35, Natal (RN). Anais... Natal (RN): Sober, 1997. p. 90-113. O RURAL E O URBANO 1 - AS DEFINIÇÕES DE RURAL E URBANO 1 Desde o final do século passado, a modernização, a industrialização e informatização, assim como a crescente urbanização, levaram vários pesquisadores

Leia mais

PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA I. B.

PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA I. B. PLANO DE REORDENAÇÃO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR DE SANTA CATARINA SITUAÇÃO AGRICULTURA FAMILIAR Esta errado o pensamento de que agricultura familiar é só de sobrevivência Ela é responsável pela

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que:

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: Tenham competência técnica e tecnológica em sua área de atuação; Sejam capazes de se inserir no

Leia mais

PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A SUSTENTABILIDADE DA AGRICULTURA FAMILIAR IAR. Airton Spies,, PhD. Seminário Regional do PAA Lages,, 21/05/2008.

PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A SUSTENTABILIDADE DA AGRICULTURA FAMILIAR IAR. Airton Spies,, PhD. Seminário Regional do PAA Lages,, 21/05/2008. /Cepa PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A SUSTENTABILIDADE DA AGRICULTURA FAMILIAR IAR Airton Spies,, PhD Eng. Agrônomo, Administrador de Empresas Seminário Regional do PAA Lages,, 21/05/2008 Estrutura da palestra

Leia mais

Preços de alimentos básicos continuam em alta

Preços de alimentos básicos continuam em alta 1 São Paulo, 2 de junho de 2008. NOTA À IMPRENSA Preços de alimentos básicos continuam em alta Apenas duas, das 16 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA E POLÍTICA RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA E POLÍTICA RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA E POLÍTICA RURAL PROJETO DE LEI Nº 3.428, de 1997 Dispõe sobre a elaboração, beneficiamento e comercialização de produtos artesanais de origem animal e vegetal e dá outras providências.

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG Marcelo Oliveira Santos; Laércio Antônio Gonçalves Jacovine;

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Histórico de contratação de financiamentos, no âmbito do PRONAF, para apicultura. Ano Agrícola Contratos Valor 2002/2003 152 811.931 2003/2004 1.088 4.758.640

Leia mais

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 SOUZA, Murilo M. O. 2 ; COSTA, Auristela A. 2 ; SANT ANNA, Thiago S. 3 ; SILVA, Fábio

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC DE MANEJO DE PASTAGENS EM BOVINOCULTURA DE LEITE. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC DE MANEJO DE PASTAGENS EM BOVINOCULTURA DE LEITE. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC Dr. José Luiz Viana Coutinho Município: Jales Município: Jales Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Componente Curricular:

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Área Temática 07: Tecnologia e Produção Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Kérley Braga Pereira

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 39-CEPE/UNICENTRO, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova o Curso de Especialização em MBA em Cooperativismo e Desenvolvimento de Agronegócios, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais 1 São Paulo, 06 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais Em junho, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

O que é o Fundo? Que diferença ele fará para SFX? Qual é o objetivo do Fundo?

O que é o Fundo? Que diferença ele fará para SFX? Qual é o objetivo do Fundo? O que é o Fundo? O Fundo Terra Verde é uma fonte de financiamento para o desenvolvimento sustentável de São Félix do Xingu (SFX), no sudeste do Pará. Ele é um mecanismo privado e tem como objetivo captar,

Leia mais

A EXTENSÃO RURAL E OS DESAFIOS DA PERSPECTIVA AGROECOLÓGICA

A EXTENSÃO RURAL E OS DESAFIOS DA PERSPECTIVA AGROECOLÓGICA A EXTENSÃO RURAL E OS DESAFIOS DA PERSPECTIVA AGROECOLÓGICA Ivar J. Kreutz; Sergio L. G. Pinheiro. 1 PALAVRAS CHAVE Extensão rural, Abordagem pedagógica, Agroecologia, Participação social. INTRODUÇÃO No

Leia mais

A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL

A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL A EXTENSÃO, A FLORESTA E A SUSTENTABILIDADE DA PROPRIEDADE RURAL A questão da PRODUÇÃO florestal madeireira nos Sistemas tradicionais de exploração de Propriedades Rurais Paranaenses. Importância: crescente

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês 1 São Paulo, 04 de agosto de 2010. NOTA À IMPRENSA Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês Desde maio, na maioria das capitais onde é realizada mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais.

Palavras chave: sustentabilidade, insumos agrícolas, empresas transnacionais. SEMEANDO A (IN) SUSTENTABILIDADE: DISCUSSÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE INSUMOS QUÍMICOS NA AGRICULTURA Autora: Doris Sayago 1 Instituição: Centro de Desenvolvimento Sustentável CDS/UnB Palavras chave: sustentabilidade,

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2011/12 AGRICULTURA ORGÂNICA Engenheiro Agrônomo Carlos Alberto Salvador

Leia mais

Projeto Execução Expositores

Projeto Execução Expositores Projeto Execução Expositores Realização: Cooperativa Agropecuária Petrópolis PIA EMATER RS ASCAR Prefeitura Municipal de Nova Petrópolis A ENTIDADE PROMOTORA DO RURALSHOW 2014. COOPERATIVA AGROPECUÁRIA

Leia mais

DIA DE CAMPO COMO ESTRATÉGIA DE DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS SUSTENTÁVEIS PARA AGRICULTURA FAMILIAR

DIA DE CAMPO COMO ESTRATÉGIA DE DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS SUSTENTÁVEIS PARA AGRICULTURA FAMILIAR 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X

Leia mais

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável e Mário Augusto Ribas do Nascimento Presidente da EMATER/RS Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência

Leia mais

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso RESUMO - Um dos alicerces da economia do Estado do Mato Grosso é a pecuária, que tem o maior rebanho de bovinos do país, são aproximadamente

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA.

AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA. AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA. OLIVEIRA, Graciela Aparecida Bueno de. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail : gracielagabo@hotmail.com

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO

IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS AGROPECUÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO Excelentíssimo Senhor GILBERTO JOSÉ SPIER VARGAS MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA Esplanada dos Ministérios Bloco A, 8º Andar Brasília - DF Assunto: Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel

Leia mais

Introdução. David Goodman Bernardo Sorj John Wilkinson

Introdução. David Goodman Bernardo Sorj John Wilkinson Introdução David Goodman Bernardo Sorj John Wilkinson SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros GOODMAN, D., SORJ, B., and WILKINSON, J. Da lavoura às biotecnologias: agricultura e indústria no sistema

Leia mais

Antonio Waldimir Leopoldino da Silva (UDESC / UFSC) Paulo Maurício Selig (UFSC) Alexandre de Ávila Lerípio (UNIVALI / UFSC) Cláudia Viviane Viegas

Antonio Waldimir Leopoldino da Silva (UDESC / UFSC) Paulo Maurício Selig (UFSC) Alexandre de Ávila Lerípio (UNIVALI / UFSC) Cláudia Viviane Viegas A SUSTENTABILIDADE DA ATIVIDADE AGROPECUÁRIA DESENVOLVIDA NA REGIÃO OESTE DE SANTA CATARINA, BRASIL, SOB A ÓTICA DE TÉCNICOS DA EXTENSÃO RURAL SUSTAINABILITY IN AGRICULTURAL ACTIVITIES DEVELOPED IN THE

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia.

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Autores: Ana Claudia Carlos 1 Raquel Aparecida Celso 1 Autores e Orientadores: Caroline Goerck 2 Fabio Jardel

Leia mais

VALORAÇÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE

VALORAÇÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE 1 VALORAÇÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE FERNANDES, E. N 1 ; NOGUEIRA, A. C. S 2 RESUMO: O presente trabalho discute o uso da Análise Emergética (AE) para avaliar a sustentabilidade de dois

Leia mais

1) A Agricultura Familiar em 2006 (segundo a Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006)

1) A Agricultura Familiar em 2006 (segundo a Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006) 1) A Agricultura Familiar em 2006 (segundo a Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006) 1.1) Considerações preliminares O Censo Agropecuário de 2006 veio possibilitar o preenchimento de uma importante lacuna

Leia mais

ANTEPROPOSTA DE LEI Institui um regime de apoio à Agricultura Familiar na Região Autónoma dos Açores

ANTEPROPOSTA DE LEI Institui um regime de apoio à Agricultura Familiar na Região Autónoma dos Açores ANTEPROPOSTA DE LEI Institui um regime de apoio à Agricultura Familiar na Região Autónoma dos Açores A agricultura familiar, entendida enquanto a pequena atividade agrícola que emprega sobretudo a mão-de-obra

Leia mais