EDIVAN SILVO DE OLIVEIRA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDIVAN SILVO DE OLIVEIRA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO"

Transcrição

1 0 EDIVAN SILVO DE OLIVEIRA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPO GRANDE - MS 2011

2 1 I EDIVAN SILVO DE OLIVEIRA REPRODUÇÃO DE BOVINOS Trabalho apresentado para cumprimento de Avaliação do curso de especialização Lato sensu em Clinica médica e reprodução de eqüinos e bovinos- UNIGRAN. CAMPO GRANDE - MS 2011

3 II 2 SUMÁRIO Página RESUMO... III LISTA DE ABREVIATURAS E SÍMBOLOS... IV LISTA DE FIGURAS... V LISTA DE TABELAS... VI 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA Programa de transferência de embrião em tempo fixo (TETF) Avaliações de doadoras Avaliações de receptoras Produção in vitro de embriões (PIVE) Controle e sincronização do ciclo estral das receptoras Transferências de embriões Identificação do sexo fetal CONSIDERAÇÕES FINAIS... VII REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... VIII

4 3 III RESUMO A pecuária de corte brasileira passou por intensas transformações nos últimos anos, que determinam uma crescente demanda por animais geneticamente superiores, acarretando assim um grande interesse dos produtores pelas biotecnologias da reprodução. A TETF é uma biotecnologia que vem sendo cada vez mais empregada em propriedades da região, por ser uma técnica que contribui com a produção de animais geneticamente superiores. Juntamente com a inseminação artificial e transferência de embriões, a fecundação in vitro é uma técnica responsável pela rápida progressão do rebanho. As variações nos índices de fertilidade na técnica devem-se aos diferentes protocolos utilizados.o diagnóstico de gestação era realizado através do uso da ultrassonografia, em média de quatro semanas após a TETF e a identificação do sexo fetal por ultrassonografia era feito por volta dos 60 dias. Palavras-chave: Fertilização in vitro, reprodução de bovinos, sincronização de estro, TETF.

5 4 IV LISTA ABREVIATURAS E SÍMBOLOS %... Porcentagem... Marca registrada ºC... Graus Celsius BE... Benzoato de estradiol CIV... Cultivo in vitro CL Corpo lúteo ecg... Gonadotrofina coriônica eqüina ECP... Cipionato de estradiol FIV... Fertilização in vitro FSH... Hormônio folículo estimulante h... Horas hcg... Gonadotrofina coriônica humana IA... Inseminação artificial IM... Intra-muscular LH... Hormônio luteinizante MIV... Maturação in vitro ml... Mililitros mm... Milímetros Nº... Número n... Número OPU... Ovum pick up- punção e aspiração folicular guiada por ultrassom transvaginal PIV... Produção in vitro P 4... Progesterona PGF2α... Prostaglandina F2α TE... Transferência de embrião TETF... Transferência de embrião em tempo fixo

6 V 5 LISTA DE FIGURAS Página Figura 01 - Cisto folicular Figura 02 - Ovário superovulado e corpo lúteo cavitário Figura 03 - Receptora apta para programa de TETF Figura 04 - Protocolo I de sincronização de receptoras para TETF Figura 05 - Protocolo II de sincronização de receptoras para TETF Figura 06 - Ovário com presença de corpo lúteo Figura 07 - Identificação do sexo fetal, macho (esquerda) e fêmea (direita)... 33

7 6 1. INTRODUÇÃO A pecuária de corte brasileira passou por intensas transformações nos últimos anos, que determinam uma crescente demanda por animais geneticamente superiores, acarretando assim um grande interesse dos produtores pelas biotecnologias da reprodução. Dentre essas biotécnicas procuradas para aumentar o ganho genético do rebanho estão a inseminação artificial (IA), transferência de embriões (TE) e a produção in vitro de embriões (PIV). Com a IA é possível disseminar o material genético de machos superiores, já na PIV e TE é permitido que as fêmeas também contribuam com o melhoramento genético do rebanho. A transferência de embriões tem como objetivo maximizar o número de descendentes de vacas geneticamente superiores, essas denominadas doadoras de embrião, no qual este embrião antes de implantado no útero é transferido para outra vaca, denominada receptora de embrião, que irá completar a concepção e gestação. A Produção in vitro de embriões (PIV) é uma biotecnologia reprodutiva utilizada na produção de animais geneticamente superiores, impedindo o descarte de fêmeas geneticamente privilegiadas que possuem alguma alteração adquirida que impeçam a reprodução de ocorrer de forma natural (GONÇALVES, 2008). No mercado de embriões oriundos da FIV, o Brasil é responsável por cerca de 85% do total mundial. Após um período de intenso crescimento, no período de 2002 a 2006, a FIV apresentou uma tendência de estabilização no ano de As raças zebuínas respondem pela maioria absoluta dos embriões produzidos no Brasil, com 94,0% do total (SBTE, 2008).

8 7 2.REVISÃO DE LITERATURA 2.1. Programa de transferência de embriões em tempo fixo (TETF) Avaliações de doadoras Para dar inicio ao programa de TETF primeiramente é necessário que se faça uma seleção zootécnica da doadora de ovócitos. A OPU associada à PIV foi introduzida com o objetivo de aumentar a capacidade da fêmea de produzir ovócitos férteis, aumentando conseqüentemente o número de descendentes por ano (GONÇALVES et al., 2001). É importante que esta seleção seja criteriosa para que haja o ganho genético nos descendentes, que é o grande objetivo da PIV. Depois de selecionadas as matrizes doadoras pela seleção zootécnica, são realizados avaliações clínicas e ginecológicas, evitando assim o a inclusão de animais com a condição clínica comprometida, seja de ordem geral (alterações no sistema locomotor, digestivo, circulatório e urinário) ou especifica do trato genital (alterações no útero, ovários e ovidutos) no programa de TE (GONÇALVES et al., 2008). Sendo observado o desempenho reprodutivo, regularidade do ciclo estral, histórico do sistema reprodutivo (MENDES, 2005), idade, números de tratamentos recebidos e históricos sanitário. Para avaliação destes critérios são utilizados a palpação retal, ultra-sonografia, avaliação visual e histórico do animal. São descartadas fêmeas que apresentavam índices negativos em programas anteriores e fêmeas com problemas reprodutivos (figura 01).

9 8 Figura 01 - Cisto folicular (problema reprodutivo). No exame ginecológico feito por palpação retal e ultrassonografia transretal avalia-se a consistência e tamanho dos ovários e do útero. São avaliadas ainda a presença e a quantidade de folículos nos ovários e a presença e tamanho do corpo lúteo (figura 02). Figura 02 - Ovário superovulado e Corpo lúteo cavitário respectivamente.

10 9 Na avaliação clínica são observado a condição corporal, que em uma escala de 1 a 5, o ideal seria entre 3 e 4, o balanço energético positivo é importante para maximizar os resultados de superovulação (MENDES,2005) e feita a avaliação sanitária das doadoras. Fazendo programas de assistência à reprodução de forma preventiva e regular no rebanho é possível uma escolha de melhores doadoras e assim alcançar um aumento na eficiência da TE (GONÇALVES, et al.,2008). As fêmeas que apresentam uma população de folículos nos ovários são então selecionadas para o programa de OPU-FIV (ovum pick up fecundação in vitro) Avaliações de receptoras Segundo Gonçalves et al., (2008) as receptoras constituem uma parte fundamental de um programa de TE pois necessitam conceber e levar a gestação a termo. Para a seleção de receptora é fundamental que alguns critérios sejam adotados, como habilidade materna, tamanho em relação raça do embrião, histórico reprodutivo, regularidade dos ciclos, condição corporal e histórico sanitário. São avaliados através do exame clínico geral a condição corporal, idade, a identificação individual dos animais e o manejo sanitário do rebanho, como vacinas preventivas de doenças que afetam o trato reprodutivo (leptospirose, diarréia viral bovina, rinotraqueite infecciosa bovina, brucelose).

11 10 Na avaliação ginecológica, feita por palpação retal e ultrassonografia, são avaliados os ovários, útero e a ciclicidade das fêmeas. Quando novilhas são avaliadas para o programa, é feita a avaliação do trato reprodutivo, sendo introduzidas ao programa somente aquelas fêmeas que já apresentavam corpo lúteo, que é um indicativo de ciclicidade e quando não apresenta alguma anomalia, como útero infantil. As novilhas e as fêmeas primíparas e pluríparas que apresentam ciclo estral regular, que tenham parido, no mínimo, há 60 dias, o puerpério tenha decorrido normalmente e estejam livres de doenças ou anomalias do trato reprodutivo podem ser selecionadas como receptoras de embrião. O tamanho da receptora deve ser compatível com o da raça do embrião transferido, garantindo assim um parto normal sem necessidade de auxilio obstétrico. E que tenha uma produção de leite suficiente para amamentar e permitir que sua cria se desenvolva normalmente (GONÇALVES et al.,2008). A seleção final de uma fêmea como receptora de embrião somente deve ocorrer no dia da transferência em função, principalmente, dos sintomas de estro evidenciados após a sincronização e da avaliação do corpo lúteo cíclico (GONÇALVES et al.,2008). Para obtenção de melhores resultados, grande parte das propriedades utiliza receptoras de cruzamento entre raças européias e zebuínas, conforme figura 03. Desta forma os animais selecionados têm docilidade, habilidade materna e precocidade. Os animais que são aprovados em todos estes quesitos são então aceitos para o programa de TETF, sincronizados e recebem o embrião.

12 11 Figura 03 - receptora apta para o programa de TETF Produção in vitro de embriões (PIVE) É uma biotécnica utilizada, alternativamente para acelerar a produção de animais geneticamente superiores e impedir, pela aspiração in vivo de folículos guiada por ultrassonografia, especialmente em bovinos, o descarte precoce em fêmeas geneticamente privilegiadas, portadoras de alterações adquiridas que impedem que a reprodução ocorra de forma natural ou até mesmo pela transferência de embriões (CONSTANT et al., 2009) A produção in vitro (PIV) de embriões envolve as etapas de coleta de oócitos, maturação in vitro (MIV), fertilização in vitro (FIV), bem como o cultivo in vitro (CIV) de zigotos e estruturas embrionárias (CONSTANT et al., 2009).

13 12 A aspiração folicular (ovum pick up) para obtenção dos ovócitos para serem utilizados na técnica pode ser de punção de ovário in vivo, com auxilio de um ultrassom e um transdutor acoplado a uma guia de aspiração, realização da aspiração mediante introdução de uma agulha no interior de folículos ovarianos e então são coletados os ovócitos. Realização então da lavagem a procura dos ovócitos, e em seguida são enviados para o laboratório responsável. No laboratório esses ovócitos são classificados de acordo com a quantidade de células do cumulus oophurus e a quantidade intracelular, nesta etapa eram classificados em, grau I (cumulus compacto, contendo mais de três camadas de células e citoplasma da célula homogêneo); grau II (cumulus compacto, parcialmente presente ao redor do oócito, com menos de três camadas celulares. O citoplasma da célula possui granulações distribuídas de modo heterogêneo); grau III (cumulus presente, mas expandido. O citoplasma apresenta-se contraído, degenerado, fragmentado ou apresentando vacúolos); desnudo (o citoplasma possui granulações homogêneas, mas as células do cumulus estão ausentes) e atrésicos ( o citoplasma possui granulações irregulares e células do cumulus enegrecidas em meio de maturação)(gonçalves et al.,2008). Os ovócitos então classificados entre grau I e III são colocados em um meio de maturação e colocados em uma placa de cultivo com meio de maturação e posteriormente levados para uma estufa por 22 a 24 horas. Este processo é denominado Maturação in vitro (MIV) Após esta maturação faz-se a fecundação, no qual é utilizado sêmen bovino descongelado e diluído adequadamente, é colocado junto aos gametas femininos, para ser fecundado denominado fertilização in vitro (Figueiró et al.,2004).

14 13 Após 16 a 18 horas, esses prováveis zigotos são lavados em um meio apropriado e colocados em uma placa de Petri contendo um meio de cultura, essa etapa é denominada Cultivo in vitro (CIV). Após 48 horas de realizada a CIV, pode ser realizado o feeding, processo que tem por finalidade substituir o meio de cultura onde estão inseridos os embriões. Este processo é realizado em duas etapas, sendo que a segunda ocorre 48 horas após a primeira. Após sete dias de iniciada a PIV, é feita a avaliação da taxa de produção de embriões em lupa binocular. Neste estágio é comum encontrar as fases de blastocisto, blastocisto inicial, blastocisto expandido, blastocisto eclodido e até mesmo mórulas e embriões degenerados. Com exceção dos dois últimos estágios, os outros podem ser transferidos para uma receptora (GONÇALVES et al.,2008) Controle e sincronização do ciclo estral das receptoras de embrião A sincronização das receptoras é realizada para deixá-las em um estágio do ciclo estral equivalente ao desenvolvimento do embrião. Após a seleção e sincronização das receptoras, no momento da transferência está ainda pode ser descartada do programa caso não esteja nas condições ideais para receber o embrião, seja por ordem reprodutiva, nutricional ou sanitária. A taxa de prenhez nos programas de TETF é fortemente influenciada por essas condições (nutricional, sanitária e reprodutiva) das receptoras de embrião, tornando assim, fundamental que seja feita a avaliação destas no momento da transferência.

15 14 Para que os resultados da inovulação e de prenhez sejam elevados, é necessário a sincronização entre o estágio de desenvolvimento do embrião e o estágio do ciclo estral da receptora (Hafez & Hafez, 2004). Em receptoras, recentes protocolos foram elaborados para controlar o status luteínico e folicular, possibilitando uma eficiente sincronização e permitindo a transferência de embriões sem a necessidade de detecção de estro, denominado de TETF (Bó et al.,2004). No protocolo I, demonstrado na figura 4, as fêmeas recebem o dispositivo intra-vaginal de progesterona (P 4 ), e a aplicação de 2 ml de estrógeno (BE) via intramuscular (IM) no dia 0. No dia 5, recebiam a aplicação de 3 ml de prostaglandina (PGF 2α ) e 2,5 ml de Gonadotrofina coriônica eqüina (ecg), ambas IM. No dia 8, é retirado o dispositivo de progesterona e aplicado 0,3 ml de cipionato de estradiol (E.C.P.) e finalmente no dia 17 é feita a transferência de embrião (TE). Figura 04 - Protocolo I de sincronização de receptoras para TETF. No protocolo II, demonstrado na figura 05, as fêmeas recebem o dispositivo intra-vaginal de progesterona (P 4 ) e a aplicação de 2 ml de estrógeno (BE) via intramuscular no dia 0. No dia 8 é retirado o dispositivo de progesterona, aplicado 3

16 15 ml de prostaglandina ( PGF 2α ), 2 ml de ecg e 0,3 ml de E.C.P., todos via IM. E no dia 17 é feita a transferência de embrião. Figura 05 - Protocolo II de sincronização de receptoras para TETF Transferência de embriões Após as etapas de fecundação in vitro do embrião citada anteriormente, o laboratório envia estes embriões com sete dias de vida para o veterinário responsável pela TE, estes envasados individualmente em palhetas de 0,25 ml cada, em um transportador especifico que mantêm a temperatura média de 36 C. O envasamento na palheta é feito de tal forma que uma coluna central contendo o embrião encontra-se separada das colunas das extremidades por duas colunas de ar. As palhetas devem ser devidamente identificadas para evitar equívocos no momento da transferência (GONÇALVES, et al., 2008). As receptoras selecionadas devem ter manifestado o estro e ovulado sete dias antes da transferência, para que assim estejam em sincronia com o estágio de desenvolvimento do embrião, que foi aspirado 8 dias antes da TE. Com base na estrutura do corpo lúteo (CL) cíclico e outros quesitos já citados, as receptoras então são avaliadas no momento da transferência por palpação retal ou com o auxilio de

17 16 um ultrassom, para identificação do ovário com a presença deste corpo lúteo (figura 06). Animais sem presença de CL ou com CL inferior a 18 mm são descartados do programa. E aquelas que apresentam CL com tamanho entre 18 mm a 24 mm, ou presença de 2 ou mais são consideradas aptas ao programa. Figura 06 - Ovário com presença de corpo lúteo. Depois de identificado e anotado o lado que se encontrava o CL e o tamanho do mesmo a receptora recebe anestesia epidural com 3 ml de lidocaína, para facilitar a técnica,diminuindo as contrações e movimentação do animal. A palheta contendo o embrião é colocada no inovulador que por sua vez é revestido por uma bainha estéril e em seguida por uma camisa plástica sanitária, evitando assim a contaminação uterina. O embrião então é conduzido até o corno uterino ipsilateral ao corpo lúteo cíclico por via transcervical. As receptoras após a inovulação recebem um brinco contendo o acasalamento, nome da doadora e nome do touro.

18 17 Dentre as vantagens em relação a PIV estão, produção de maior número de filhos de animais superiores, geração de grande número de embriões, reprodução de animais com problemas reprodutivos adquiridos e com final da vida produtiva, fêmeas pré púberes, gestantes e senis e quantidade da dose sêmen utilizada. Um dos grandes problemas da PIV é em relação a baixa fertilidade de embriões congelados e vitrificados. 2.2 Identificação do sexo fetal A identificação do sexo fetal é uma técnica que geralmente é utilizada em animais de maior valor genético, principalmente oriundos de transferência de embriões que pode ser de grande importância a sexagem fetal precoce. A identificação do sexo fetal é realizada com auxilio do ultrassom com alta precisão através da localização do tubérculo genital em média 60 dias após a transferência de embriões. No 48º dia de prenhez, o tubérculo genital pode ser identificado ao ultrassom entre os membros posteriores, mas em posição ainda indefinida para avaliação dos sexos. Por volta de 55 dias de gestação ocorre a migração do tubérculo genital sendo possível a visualização dos tubérculos genitais masculino ou feminino, definindo-se o sexo do concepto. Na fêmea o tubérculo genital migra em sentido posterior próximo a base da cauda e torna-se o clitóris e o tubérculo genital masculino migra em sentido anterior, ate próximo ao cordão umbilical e torna-se o pênis. O tubérculo genital masculino é encontrado caudalmente ao umbigo, enquanto que o feminino se localiza abaixo da cauda (figura 07). Essa estrutura é identificável por apresentar-se altamente brilhante e ecogênica. A detecção do

19 18 tubérculo genital masculino é bem mais fácil. No caso de fetos fêmeas, quando não se observa o tubérculo masculino, deve-se localizar o feminino, sob a cauda, lembrando que o mesmo geralmente apresenta dois ou três lóbulos, enquanto que a cauda é uma estrutura monolobular (BARUFI e MIZUTA, 2000). Figura 07 - Identificação do sexo fetal, macho (esquerda) e fêmea (direita). Para um diagnóstico preciso o feto é examinado cuidadosamente quanto ao posicionamento do tubérculo, analisando principalmente a região umbilical e caudal, confirmando assim o sexo do concepto. Segundo BARROS & VISINTIN (2001) a apresentação do feto em plano longitudinal latero-lateral facilita o diagnóstico do sexo, neste tipo de imagem tem-se a noção exata do posicionamento do tubérculo genital nos machos, mas nas fêmeas o tubérculo apresenta-se junto às vértebras sacrais e coccígeas, dificultando o diagnóstico. No plano longitudinal dorso-ventral há ampla visão do feto, o que facilita o diagnóstico, favorecendo tanto os machos quanto as fêmeas, as quais mostram o tubérculo genital logo abaixo da cauda. No plano transversal, há maior dificuldade de

20 19 diagnóstico tanto dos machos quanto das fêmeas. O mapeamento do feto é demorado e complicado, pois precisam ser visualizados vários planos para determinar o posicionamento do tubérculo.

21 VII 20 CONSIDERAÇÕES FINAIS O desenvolvimento de biotecnologias que permitem transferência de embriões e fertilização in vitro em bovinos possibilita o aumento dos índices reprodutivos em fêmeas bovinas e também permite o melhor aproveitamento de fêmeas com elevados padrões zootécnicos. Com uso da transferência de embrião e da FIV (fecundação in vitro) é possível proporcionar o desenvolvimento de animais superiores e com a ultrassonografia, diagnosticar as gestações cada vez mais cedo, além de possibilitar o acompanhamento da gestação e dos órgãos internos dos animais. Outras técnicas, como a de sexagem, permitem que o proprietário tenha acesso ao sexo do animal, o que lhe possibilita vendê-lo antes mesmo do nascimento. É uma técnica de fácil aplicação, no entanto requerem cuidados e critérios, como de seleção das doadoras, das receptoras, principalmente durante o processo de S.O.V. de implantação dos embriões coletados.

22 21 VIII REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARROS, B. J. P.; VISINTIN, J. A. Controle ultrassonográfico de gestações, de mortalidades embrionárias e fetais e do sexo de fetos bovinos zebuínos. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, São Paulo, v. 38, n.2, BARUFI, F.; MIZUTA, K. Aplicações clínicas de ultrassonografia reprodutiva bovina Disponível em: <http://www.beefpoint.com.br>. Acesso em março de BARUSELLI P. S.; BÓ G. A.; REIS, E. L; MARQUES, M. O. Inseminação artificial em tempo fixo em bovinos de corte. Departamento de reprodução animal FMVZ-USP. 1ºsimpósito internacional de reprodução animal aplicada, p. 1-11, BÓ, G. A.; MORENO D.; CUTAIA L. et al. Manipulação hormonal do ciclo estral em doadoras e receptoras de embrião bovino. Acta Scientiae Veterinariae, v. 32, p.1-22, CONSTANT, C. H. O.; PUPULIM, A. G. R.; AGOSTINHO, B. H.; EMANUELLI, I. P.; RIGOLON, L. P.Produção in vitro de embriões bovinos em cultura individual e emgrupo. VI Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar, 5p, FIGUEIRÓ, G. M.; LEIVAS, F. G.; RAUBER, L. P.; SÁ FILHO, M. F.; TEICHMANN, C. E.; MEZALLIRA, A.; RUBIN, M. I. B.; SILVA, C. A. M. Produção in vitro de embriões bovinos com soro de égua ou de vaca em estro com ou sem adição de LH/FSH. Ciência rural, Santa Maria, v.34, n.2, p , mar-abr,2004. GONÇALVES, P. B. D.; OLIVEIRA, M. A. L.; MEZZALIRA, A.; MONTAGNER, M. M.; VISITIN, J. A.; COSTA, L. F. S. Produção in vitro de embriões. In: GONÇALVES, P. B. D.; FIGUEIREDO, J. R.; FREITAS, V. J. F. Biotécnicas Aplicadas à Reprodução Animal. 2ª ed. São Paulo: Livraria Roca, 2008, p GONÇALVES, P. B. D.; BARRETA, M. H.; SIQUEIRA, L. C.; ANTONIAZZI, A.Q. Produção in vitro de embriões bovinos. Ciênc. vet. tróp., Recife-PE, v. 11, suplemento 1, p , abril, 2008 HAFEZ, E. S. E; JAINUDEEN M. R; ROSNINA Y. Hormônios, fatores de crescimento e Reprodução. In: HAFEZ, E. S. E; HAFEZ, B. Reprodução Animal. 7ª ed. Barueri: Ed Manole, 2004, p

23 22 MENDES JÚNIOR, J. O. Transferência de embriões e fertilização in vitro. Viçosa- MG, CPT, p VIANA, J. H. M. Mudanças e tendências no mercado de embriões bovinos no Brasil. SBTE- Sociedade Brasileira de tecnologia de embrião, 2008.

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos ebook Avanza Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos Sumário 01 02 03 04 05 Introdução - Aumente a produtividade da sua criação Fertilização In Vitro Transferência de Embriões

Leia mais

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS ANEXO TÉCNICO DO MANUAL DE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO EM BOVINOS PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS Os protocolos de inseminação artificial em tempo fixo (IATF) são utilizados de forma

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS

UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PÓS-GRADUAÇÃO EM REPRODUÇÃO E PRODUÇÃO EM BOVINOS UTILIZAÇÃO DE GnRH COMO EFEITO SOMATÓRIO NA INDUÇÃO DE OVULAÇÃO DE BOVINOS MATHEUS GUAPO PAVARINA SÃO JOSÉ DO RIO PRETO SP

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SISTEMA ANTILUTEOLÍTICO E MORTE EMBRIONÁRIA EM FÊMEAS BOVINAS JEAN CAIO FIGUEIREDO DE ALMEIDA¹, ANA KELLY MENDES DA SILVA¹, GESSIANE PEREIRA DA SILVA¹, BRENDA JULIANE SILVA DOS SANTOS¹, CAMILA DE ALMEIDA

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Universidade Federal do Ceará INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO Doutorando: MV Msc Rodrigo Vasconcelos de Oliveira Introdução Bovinocultura=> + eficiência reprodutiva Limitações: Anestro pós-parto longo

Leia mais

TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS AO MELHORAMENTO ANIMAL

TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS AO MELHORAMENTO ANIMAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS

Leia mais

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas.

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas. PROGRAMA PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DAS VAGAS PARA O CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO, EDITAL Nº 764, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015, NA ÁREA DE REPRODUÇÃO ANIMAL 1) FÊMEA - PARTE TEÓRICA: 1.1 Revisão

Leia mais

ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV)

ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV) ESTIMAÇÃO DOS FATORES QUE INTERFEREM DIRETAMENTE E INDIRETAMENTE NOS RESULTADOS DA FECUNDAÇÃO IN VITRO (FIV) antonio hugo bezerra colombo 1, Liziane Zaniboni 1, Fabio Luiz Bim Cavalieri 2, Luiz Paulo Rigolon

Leia mais

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE Éder Augusto Gonçalves 1 ; Fábio Luiz Bim Cavalieri 2 ; José Mauricio Gonçalves

Leia mais

SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA

SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA SINCRONIZAÇÃO DE OVULAÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA AUMENTAR A EFICIÊNCIA REPRODUTIVA DE FÊMEAS BOVINAS, EM LARGA ESCALA José Luiz Moraes Vasconcelos e Mauro Meneghetti DPA FMVZ UNESP, Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas

Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas Diferenças entre Benzoato e Cipionato de Estradiol na indução da ovulação em programas de IATF em fêmeas bovinas Um dos diferenciais da Tecnopec é desenvolver e apoiar pesquisas visando obter protocolos

Leia mais

Indução e sincronização de cio em caprinos

Indução e sincronização de cio em caprinos Indução e sincronização de cio em caprinos Plínio de Oliveira FASSIO 1 ; Larissa de Oliveira FASSIO 2 ; Angélica Campos MARTINS 3 ; Claudiane de Assis SOUZA 3 ; Vanessa Daniela Lázara de ASSIS 3 ; André

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

Escolha de Reprodutrizes

Escolha de Reprodutrizes UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Escolha de Reprodutrizes Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/54 Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/54 Eficiência reprodutiva IP e PS MN e IA Taxa de concepção Detecção de estro

Leia mais

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada.

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada. !"#"! $"%!! Introdução Durante sua evolução, os ovinos e os caprinos desenvolveram alternativas reprodutivas para assegurar o nascimento de suas crias nos períodos de maior fartura de água e alimentos.

Leia mais

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Controle Hormonal da Gametogênese Feminina Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Ovários Formato

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 1 ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 2 Capitulo 1 - Parceiros e Principal Fornecedor. Parceiros do projeto In Vitro Brasil

Leia mais

Biotecnologias Reprodutivas em Felinos. Profa.Dra. Maria Denise Lopes. denise@fmvz.unesp.br

Biotecnologias Reprodutivas em Felinos. Profa.Dra. Maria Denise Lopes. denise@fmvz.unesp.br Biotecnologias Reprodutivas em Felinos Profa.Dra. Maria Denise Lopes. denise@fmvz.unesp.br INTRODUÇÃO Cães e gatos além de considerados animais de estimação são também modelos comparativos importantes

Leia mais

Biotecnologia da Reprodução. Inseminação artificial. Transferência de embriões. Produção de animais transgênicos. Clonagem Cultura de células-tronco

Biotecnologia da Reprodução. Inseminação artificial. Transferência de embriões. Produção de animais transgênicos. Clonagem Cultura de células-tronco 23/07/12 Produção e Manipulação de Pré-embriões Inseminação artificial Fertilização in vitro Biotecnologia da Reprodução Produção de animais transgênicos Biopsia de embrião Determinação genética pré-implante

Leia mais

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo

Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo 4º Workshop Precocidade Sexual. Precocidade Sexual e a Inseminação Artificial em Tempo Fixo José Luiz Moraes Vasconcelos DPA FMVZ UNESP Botucatu, SP vasconcelos@fca.unesp.br Precocidade em novilhas Nelore

Leia mais

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA

FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES IN VIVO EM TEMPO FIXO (TETF) ALEXANDRE PROTO CONTE Orientadora: Profª. Drª. VIVIAN ALONSO Trabalho de Conclusão

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO

EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO TIAGO LEIVA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA EMPRENHAR A VACA O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL APÓS O PARTO Cria em gado de corte: o bezerro é o produto comercializado. Gado de leite (alta produção): a vaca precisa parir

Leia mais

Manual de Inseminação. Artificial em Tempo Fixo. (IATF) em gado leiteiro.

Manual de Inseminação. Artificial em Tempo Fixo. (IATF) em gado leiteiro. Manual de Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) em gado leiteiro. Introdução: As vacas leiteiras, durante a lactação, apresentam características fisiológicas particulares que diferenciam o comportamento

Leia mais

EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE

EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE INFORZATO, Guilherme Repas SANTOS, William Ribeiro Martins dos CLIMENI, Bruno Santi Orsi DELLALIBERA,

Leia mais

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani

FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO. Thiago Kotula Brondani 1 FILIAÇÃO NA FECUNDAÇÃO IN VITRO Thiago Kotula Brondani Os avanços médicos-científicos e a disseminação das técnicas de reprodução humana assistida tornaram necessária a imposição de limites éticos e

Leia mais

MANUAL TÉCNICO SOBRE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

MANUAL TÉCNICO SOBRE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL MANUAL TÉCNICO SOBRE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM BOVINOS Introdução A IATF é uma realidade na pecuária brasileira. Sua utilização proporciona tantas vantagens que se

Leia mais

Diagnóstico Precoce de Prenhez

Diagnóstico Precoce de Prenhez UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Diagnóstico Precoce de Prenhez Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda.

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Manejo reprodutivo Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Para produzir é preciso reproduzir!!! Eficiência Reprodutiva Rebanho Bovino Brasileiro Vacas e novilhas > 24

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina VET381 Fisiologia da Reprodução

Programa Analítico de Disciplina VET381 Fisiologia da Reprodução Programa Analítico de Disciplina Departamento de Veterinária - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 5 Carga horária semanal Períodos

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS ROLIM DE MOURA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS ROLIM DE MOURA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA PLANO DE AULA 01. DADOS PROFESSOR: EVELYN RABELO ANDRADE ÁREA / DISCIPLINA: BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO (VET30066) UNIDADE: ROLIM DE MOURA CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 80 HORAS CARGA HORÁRIA SEMANAL: 4 HORAS

Leia mais

Quais hormônios regulam a ovogênese?

Quais hormônios regulam a ovogênese? Controle Endócrino da Ovogênese Ciclo Sexual Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 Quais hormônios regulam a ovogênese? 2 1 CONTROLE HORMONAL DA OVOGÊNESE A ovogênese

Leia mais

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE Prof. Adelmo Ferreira de Santana Caprinocultura e Ovinocultura E-mail afs@ufba.br Departamento de Produção Animal Escola de Medicina Veterinária

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ÁREA: CLÍNICA MÉDICA, CLÍNICA CIRÚRGICA E REPRODUÇÃO EM GRANDES ANIMAIS

RELATÓRIO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ÁREA: CLÍNICA MÉDICA, CLÍNICA CIRÚRGICA E REPRODUÇÃO EM GRANDES ANIMAIS i UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PALOTINA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA RELATÓRIO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO ÁREA: CLÍNICA MÉDICA, CLÍNICA CIRÚRGICA E REPRODUÇÃO EM GRANDES ANIMAIS Aluno: Antonio

Leia mais

3. ANATOMIA E FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO DE FÊMEAS BOVINAS

3. ANATOMIA E FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO DE FÊMEAS BOVINAS 3. ANATOMIA E FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO DE FÊMEAS BOVINAS 3.1. Introdução Simone Cristina Méo Niciura I A aplicação de biotécnicas da reprodução animal, como a IA, requer o conhecimento da anatomia e da

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS Prof. Dr. Jurandir Ferreira da Cruz Eng. Agr. Rita de Cássia Nunes Ferraz Introdução A eficiência da produção de um rebanho está diretamente relacionada com o número

Leia mais

Projeto SIMGIR. 1 Introdução. 2 Escolha das Raças. 3 Parceria. 4 Produção. 5 Anexos: 5-1 Normas de Identificação de Animais. Receptoras.

Projeto SIMGIR. 1 Introdução. 2 Escolha das Raças. 3 Parceria. 4 Produção. 5 Anexos: 5-1 Normas de Identificação de Animais. Receptoras. Projeto SIMGIR 1 1 Introdução 2 Escolha das Raças 3 Parceria 4 Produção 5 Anexos: 5-1 Normas de Identificação de Animais Receptoras Bezerras F1 5-2 Calendário de Manejo 5-3 Projeto de Comercialização dos

Leia mais

estação de monta Escolha do Leitor

estação de monta Escolha do Leitor estação de monta Realmente existe importância na gestão da fazenda e benefício para o produtor que se utiliza do período reprodutivo? Luís Adriano Teixeira* 32 - ABRIL 2015 A Estação de monta (EM) período

Leia mais

BIOTECNOLOGIAS EMPREGADAS NA MEDICINA VETERINÁRIA. Biotecnologia

BIOTECNOLOGIAS EMPREGADAS NA MEDICINA VETERINÁRIA. Biotecnologia BIOTECNOLOGIAS EMPREGADAS NA MEDICINA VETERINÁRIA Biotecnologia O que é isso??? É qualquer técnica que utilize organismos vivos ou suas partes, para fazer ou modificar produtos, melhorar plantas ou animais

Leia mais

DE CRIADOR PARA CRIADOR

DE CRIADOR PARA CRIADOR DE CRIADOR PARA CRIADOR No clima para a máxima produção com qualidade. Altitude e temperatura perfeitas. O resultado são rebanhos com máxima produção de sêmen com qualidade, para você vender sempre mais.

Leia mais

Punção Folicular, Denudação e Classificação Oocitária

Punção Folicular, Denudação e Classificação Oocitária Punção Folicular, Denudação e Classificação Oocitária PUNÇÃO FOLICULAR Inicialmente, os oócitos eram obtidos, individualmente, por via laparoscópica, porém este tipo de procedimento exige anestesia geral

Leia mais

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO Josilaine Aparecida da Costa Lima 1 ; Aya Sasa 2 1 Acadêmica do curso de Zootecnia da UEMS, Unidade

Leia mais

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Introdução Brasil -> Nordeste Maior Produtor II)Canindé - Leite I)Boer - Carne III)Saanen - Leite Retirado de: www.caprilproduction.com Manejo Reprodutivo

Leia mais

ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRITICOS DE CONTROLE (APPCC) NO MANEJO REPRODUTIVO DE BOVINOS

ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRITICOS DE CONTROLE (APPCC) NO MANEJO REPRODUTIVO DE BOVINOS 1 ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRITICOS DE CONTROLE (APPCC) NO MANEJO REPRODUTIVO DE BOVINOS (analysis of hazards and critical control points in a system of production cattle) RESUMO: o trabalho tem como

Leia mais

Lê com atenção e reflecte antes de responder. Boa sorte!

Lê com atenção e reflecte antes de responder. Boa sorte! Agrupameo de Escolas de Casquilh Escola Secundária de Casquilh 2º Teste Sumativo (90 minut) DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turmas A e B TEMA: Reprodução Humana e Engenharia Genética Dezembro 2013 Professora

Leia mais

CAROLINA SOUSA COCHITO

CAROLINA SOUSA COCHITO FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA Programa de Pós-Graduação de Clínica e Reprodução Animal CAROLINA SOUSA COCHITO INFLUÊNCIA DOS PROTOCOLOS HORMONAIS DE RECEPTORAS E DO ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO DE EMBRIÕES

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas INFLUÊNCIA DA CONDIÇÃO CORPORAL E CATEGORIA REPRODUTIVA NAS TAXAS DE GESTAÇÃO DE VACAS NELORE SUBMETIDAS À PROTOCOLO DE IATF, NA REGIÃO DA AMAZÔNIA LEGAL. TOLEDO, G.A. ¹ ; RIBEIRO, A.P.C.²; RIBEIRO, G.M.³

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DE CIDR REUTILIZADO E PROGESPON DE PRIMEIRO USO EM NOVILHAS RECEPTORAS DE EMBRIÕES (BOS TAURUS X BOS INDICUS)

AVALIAÇÃO DO USO DE CIDR REUTILIZADO E PROGESPON DE PRIMEIRO USO EM NOVILHAS RECEPTORAS DE EMBRIÕES (BOS TAURUS X BOS INDICUS) REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO IV, NÚMERO, 08, JANEIRO DE 2007. PERIODICIDADE:

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

Quanto vale uma prenhez? How much does a pregnancy is worth? Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz

Quanto vale uma prenhez? How much does a pregnancy is worth? Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz Quanto vale uma prenhez? How much does a pregnancy is worth? Prof. Dr. José Bento Sterman Ferraz Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da USP Núcleo de Apoio à Pesquisa em Melhoramento Animal,

Leia mais

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Parceria entre Alta Genetics, Pfizer e Sérgio Nadal promete acelerar os rebanhos comerciais do país. A carne

Leia mais

ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS

ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS Bicudo, S.D.*; Azevedo, H.C.; Silva Maia, M.S.; Sousa, D.B.; Rodello, L. DRARV - FMVZ UNESP Botucatu - *sony@fmvz.unesp.br Características reprodutivas

Leia mais

CAPACITAÇÃO ESPERMÁTICA. capacitação. Vaca: 6 a 7 horas Porca: 1 a 2 horas

CAPACITAÇÃO ESPERMÁTICA. capacitação. Vaca: 6 a 7 horas Porca: 1 a 2 horas CAPACITAÇÃO ESPERMÁTICA Ejaculação sptz fêmea aptos a fertilização capacitação Vaca: 6 a 7 horas Porca: 1 a 2 horas CAPACITAÇÃO ESPERMÁTICA Processo mediado por proteínas das glândulas sexuais acessórias

Leia mais

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Área total: 354 ha Área pastoril: 330 ha Sistema de produção: Cria de Bovinos Histórico 1982 Início da propriedade

Leia mais

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar ISSN 0103-376X Setembro, 2006 Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar 57 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht... Página 1 de 6 Pecuária Inseminação Artificial em Bovinos Nome Inseminação Artificial em Bovinos Produto Informação Tecnológica Data Agosto - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

Professor Fernando Stuchi

Professor Fernando Stuchi REPRODUÇÃO Aulas 2 a 5 1º Bimestre Professor Fernando Stuchi Seres Vivos Segundo a Teoria Celular, todos os seres vivos (animais e vegetais) são constituídos por células (exceção dos vírus que não possuem

Leia mais

A PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES BOVINOS.

A PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES BOVINOS. UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE AGRONOMIA E VETERINÁRIA FERNANDA FERREIRA GOUVEIA A PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES BOVINOS. Monografia apresentada para conclusão do curso de Medicina Veterinária da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA DISCIPLINA: ZOO 003U - TÓPICOS ESPECIAIS EM ZOOTECNIA - Avanços em reprodução de bovinos de corte

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=576>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Inseminação artificial em horário fixo de fêmeas bovinas de corte com cio sincronizado

Leia mais

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES O processo de formação de gametas, na maioria dos animais, se dád através s da meiose e recebe a denominação de gametogênese..

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM nº 1.957/2010 (Publicada no D.O.U. de 06 de janeiro de 2011, Seção I, p.79) A Resolução CFM nº 1.358/92, após 18 anos de vigência, recebeu modificações relativas

Leia mais

GAMETOGÊNESE. especializadas chamadas de GAMETAS. As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS

GAMETOGÊNESE. especializadas chamadas de GAMETAS. As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS Embriologia GAMETOGÊNESE É o processo de formação e desenvolvimento de células especializadas chamadas de GAMETAS As células responsáveis pela formação desses gametas são chamadas de GÔNIAS Espermatogônias

Leia mais

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Que modificações ocorrem no organismo feminino após a nidação? A nidação e as primeiras fases de gestação encontram-se sob estreito controlo hormonal. A hormona hcg estimula o corpo lúteo a produzir hormonas,

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO. ESPECIALIZAÇÃO latu sensu CLÍNICA MÉDICA E SANIDADE DE GRANDES ANIMAIS PRODUÇÃO DE EMBRIÕES BOVINOS IN VITRO

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO. ESPECIALIZAÇÃO latu sensu CLÍNICA MÉDICA E SANIDADE DE GRANDES ANIMAIS PRODUÇÃO DE EMBRIÕES BOVINOS IN VITRO UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ESPECIALIZAÇÃO latu sensu CLÍNICA MÉDICA E SANIDADE DE GRANDES ANIMAIS PRODUÇÃO DE EMBRIÕES BOVINOS IN VITRO Giovani Zanetti Pessôa Candiotto Limeira, novembro de 2008 GIOVANI

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO. ESPECIALIZAÇÃO lato sensu PRODUÇÃO E REPRODUÇÃO EM BOVINOS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO. ESPECIALIZAÇÃO lato sensu PRODUÇÃO E REPRODUÇÃO EM BOVINOS 15 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ESPECIALIZAÇÃO lato sensu PRODUÇÃO E REPRODUÇÃO EM BOVINOS TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÕES EM BOVINOS EDSON LUÍZ PERES Rio de Janeiro, Novembro de 2007 16 EDSON LUÍZ PERES Aluno

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino

Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino Universidade Federal do Pampa Campus Uruguaiana - Curso de Medicina Veterinária Disciplina de Histologia e Embriologia Animal II Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino Daniela dos Santos

Leia mais

Exercícios de Reprodução Comparada

Exercícios de Reprodução Comparada Exercícios de Reprodução Comparada Material de apoio do Extensivo 1. (PUC) Os seres vivos podem reproduzir-se sexuada ou assexuadamente. Sobre este assunto, destaque a afirmativa correta: a) A reprodução

Leia mais

MATÉRIA DE CAPA. Fábrica de BEZERR. Em dez anos, IATF cresce 40 vezes no Paíse a eficiência pode melhorar ainda mais. Luiz H.

MATÉRIA DE CAPA. Fábrica de BEZERR. Em dez anos, IATF cresce 40 vezes no Paíse a eficiência pode melhorar ainda mais. Luiz H. ~. ~ MATÉRIA DE CAPA Fábrica de BEZERR Em dez anos, IATF cresce 40 vezes no Paíse a eficiência pode melhorar ainda mais Luiz H. Pitombo No ano passado, 8 milhões de fêmeas bovinas, 75% delas das raças

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/35 Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/35 Introdução Cronologia dos conceitos

Leia mais

PLANO INSTRUCIONAL FORMAÇÃO PROFISSIONAL RURAL PARTICIPANTES

PLANO INSTRUCIONAL FORMAÇÃO PROFISSIONAL RURAL PARTICIPANTES PLANO INSTRUCIONAL FORMAÇÃO PROFISSIONAL RURAL Título da ação da FPR: Inseminação Artificial em Bovinos Linha de ação: Pecuária Área ocupacional: Pecuária de Grande Porte. Ocupação:.Trabalhador na Inseminação

Leia mais

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Importância Produtividade do rebanho => obter sucesso

Leia mais

Emprego da TE para melhorar a eficiência reprodutiva em vacas de leite Pietro Sampaio Baruselli

Emprego da TE para melhorar a eficiência reprodutiva em vacas de leite Pietro Sampaio Baruselli Emprego da TE para melhorar a eficiência reprodutiva em vacas de leite Pietro Sampaio Baruselli Prof. Titular do Departamento de Reprodução Animal Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHANGUERA - UNIDERP PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PRODUÇÃO E GESTÃO AGROINDUSTRIAL ANA PAULA AZAMBUJA MATOS

UNIVERSIDADE ANHANGUERA - UNIDERP PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PRODUÇÃO E GESTÃO AGROINDUSTRIAL ANA PAULA AZAMBUJA MATOS UNIVERSIDADE ANHANGUERA - UNIDERP PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM PRODUÇÃO E GESTÃO AGROINDUSTRIAL ANA PAULA AZAMBUJA MATOS AVALIAÇÃO DE VACAS NELORE (Bos taurus indicus) COMO RECEPTORAS EM PROGRAMAS

Leia mais

SISTEMA DE BIOTECNOLOGIAS DE TE E FIV MANUAL

SISTEMA DE BIOTECNOLOGIAS DE TE E FIV MANUAL SISTEMA DE BIOTECNOLOGIAS DE TE E FIV MANUAL Sumário 1. Acesso ao sistema... 4 1.1. Acesso Direto... 4 1.2. Pelo site da ABCZ... 4 2. Cadastro de Veterinários... 4 2.1. Termo de Responsabilidade... 5 2.1.1.

Leia mais

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino.

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. BIOLOGIA 1 12º A Outubro 2013 VERSÂO 1 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura 1. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a

Leia mais

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios OVÁRIOS Fonte de gametas e hormônios OVOGÊNESE No feto células germinativas multiplicamse ovogônias Cresce meiose I para na prófase I ovócito I nascimento milhares de ovócitos primários. Ovócito primário

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÃO E FERTILIZAÇÃO IN VITRO (FIV) EM BOVINOS

TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÃO E FERTILIZAÇÃO IN VITRO (FIV) EM BOVINOS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA TRANSFERÊNCIA DE EMBRIÃO E FERTILIZAÇÃO IN VITRO (FIV) EM BOVINOS Igor Nascimento Martinez Leandro César de Souza Rio

Leia mais

7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10

7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10 7ª série / 8º ano 2º bimestre U. E. 10 Tipos de reprodução Reprodução é a capacidade que os seres vivos têm de gerar descendentes da mesma espécie. A união dos gametas é chamada fecundação, ou fertilização,

Leia mais