CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS E CRIAÇÃO DE CURRÍCULO IN- VENTADOS COM AS MÍDIAS NOS COTIDIANOS DO ENSINO MÉDIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS E CRIAÇÃO DE CURRÍCULO IN- VENTADOS COM AS MÍDIAS NOS COTIDIANOS DO ENSINO MÉDIO"

Transcrição

1 CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTOS E CRIAÇÃO DE CURRÍCULO IN- VENTADOS COM AS MÍDIAS NOS COTIDIANOS DO ENSINO MÉDIO Edivan Carneiro de Almeida, UEFS-BA Quando os ventos de mudança sopram, umas pessoas levantam barreiras, outras constroem moinhos de vento. Érico Veríssimo Introdução Este trabalho apresenta parte das experimentações realizadas em uma pesquisa do Mestrado em Educação na Universidade Estadual de Feira de Santana (UFES), Bahia, envolvendo o tema construção e expressão de conhecimentos in-venta-dos por meio de táticas-invenções realizadas por estudantes nos/dos/com os cotidianos (CERTEAU, 2012; ALVES et all, 2012; OLIVEIRA, 2012) do Ensino Médio, através dos usos-apropriações (CERTEAU, 2012) de mídias e linguagens no Projeto Comunicação, Interação e Aprendizagem, desenvolvido no Colégio Estadual Aristides Cedraz de Oliveira (CEACO), em Ichu, no sertão baiano. A pesquisa foi concluída em abril/2014 e teve por objetivo cartografar (descrevercaracterizar-delinear) movimentos-processos-situações e/ou possibilidades-potencialidades de construção-expressão de conhecimentos-saberes e criação de currículos que acontecem no Projeto de Comunicação 1, realizadosspensados pelos estudantes e pela professoracoordenadora nos cotidianos da escola, considerando as táticas-invenções que realizam em processos colaborativos (e) de negociação/produção de sentidos/significação, de empoderamentos e emancipação, que atravessam seus fazeressaberes e os usos-apropriações que realizam dos conhecimentos-saberes e das mídias-linguagens utilizadas. A pesquisa apresenta uma possibilidade de produção coletiva de conhecimentos apostando na potência de uma política de narratividade que favorece as expressões dos estudantes e da professora envolvidos com o Projeto de Comunicação, desejando discutircompreender as práticasteorias que eles realizam nos cotidianos de uma escola pública, levando em conta os atravessamentos provocados pelas condições-contextos-transformações 1 No Projeto de Comunicação (como é chamado na escola) os estudantes do 2º ano produzem notícias, entrevistas, imagens e programas radiofônicos sobre atividades/assuntos/acontecimentos ocorridos-relacionados nos/aos cotidianos da escola, utilizando mídias e conhecimentos referentes às três atividades-linguagens utilizadas/desenvolvidas: rádio-escola, blog (http://ceacoichu.blogspot.com.br) e boletim impresso.

2 culturais, políticas e socioeconômicas. De maneira especial, tivemos a pretensão de produzir visibilidades sobre as táticas-invenções realizadas por estudantes e professores na criaçãodesenvolvimento de práticas de construção de conhecimentos e desenvolvimento de currículos singulares nos cotidianos de escolas públicas de Ensino Médio, espaçostempos de experimentação e produção de sentidos, de empoderamentos e emancipação social, necessários aos jovens para compreenderem-participarem-viverem criativamente o/no mundo atual. Tendo como locus uma escola pública de Ensino Médio, a pesquisa teve como principal objetivo cartografar os movimentos-processos-situações e/ou possibilidadespotencialidades de construção e expressão de conhecimentos-saberes e de criaçãodesenvolvimento de currículos, praticadospensados nos cotidianos escolares pelos estudantes e pela professora-coordenadora no Projeto Comunicação Interação e Aprendizagem, levando em conta as táticas-invenções que eles desenvolvem em processos coletivos/colaborativos (e) de negociação/produção de sentidos/significação, de empoderamentos e emancipação que atravessam seus fazeressaberes e os usos-apropriações que realizam dos conhecimentossaberes e das mídias-linguagens utilizadas. Dentre os objetivos específicos da pesquisa destacamos neste trabalho a tentativa de: a) descrever/caracterizar os processos-situações e/ou possibilidades-potencialidades de construção de conhecimentos-saberes praticadospensados pelos estudantes, juntamente com a professora-coordenadora, ao utilizarem mídias e desenvolverem as atividades-linguagens do Projeto de Comunicação nos cotidianos da escola; b) delinear indícios/possibilidades de criação-desenvolvimento de currículos praticadospensados nos cotidianos de uma escola de Ensino Médio. Assim, nos propomos a cartografar os cotidianos do Projeto de Comunicação visando delinear os movimentos-processos-situações e/ou possibilidades-potencialidades de construção e expressão de conhecimentos e saberes que os estudantes e a professoracoordenadora realizam a partir dos usos-apropriações das mídias e dos contextos que agenciam os cotidianos escolares. Nesse movimento, direcionamos nossa atenção para as táticas-invenções (CERTEAU, 2012) que eles desenvolvem em processos coletivos de produção de conhecimento/sentidos/significação e a criação de currículos nesses cotidianos. Assumimos, com Barros e Kastrup (2012), o caráter construtivista da atividade cartográfica e da ciência como invenção, compreendendo os processos de pesquisa e produção de conhecimento como uma atividade que se realiza coletivamente, neste trabalho, envolvendo

3 estudantes e professores do Ensino Médio que se dispuseram a narrar, com imagens-sonsfalas, suas experiências com o Projeto de Comunicação. Cartografia e oficinas de vídeo na produção dos dados Na realização da investigação decidimos enveredar por algumas pistas propostas pela cartografia (KASTRUP, 2010), método de pesquisa-intervenção que pressupõe uma orientação do trabalho do pesquisador que não se faz de modo prescritivo, por regras já prontas nem com objetivos previamente estabelecidos (PASSOS; BARROS, 2010, p. 17), mas pelo acompanhamento do desenvolvimento de processos-experimentaçõesacontecimentos. Combinamos as perspectivas da cartografia com os estudos dos cotidianos em Certeau (2012) na tentativa de produzir visibilidades sobre os modos de proceder da criatividade cotidiana, a produção microbiana, astuciosa, silenciosa e quase invisível dos consumidores : estudantes e professores que vivenciam os cotidianos de escolas públicas, geralmente vistas como espaços de imposição política e reprodução das desigualdades sociais, lugar de problemas/negatividade. Nesse sentido, dialogamos também com pesquisadores brasileiros dos cotidianos escolares entendidos como espaçotempo rico em criações, reinvenções e ações, recusando a noção hegemônica segundo a qual o cotidiano é espaçotempo de repetição e mesmice (OLIVEIRA, 2012, p. 51). Na produção dos dados cartografamos as experiências de doze estudantes que atuaram no Projeto de Comunicação em 2012, promovendo dois ciclos de oficinas-encontros de artecriação de vídeos: o primeiro ciclo em novembro/2012 e o segundo em outubronovembro/2013. Os dados produzidos possibilitaram análises para a pesquisa, assim como escaparam das amarras de análises estritamente científicas e ressoaram com os sentidos e(m) expressões. Além de narrarem os processos-situações vividos-experimentados e as possibilidades-potencialidades de construção-expressão de conhecimentos-saberes e criação de currículo, os estudantes permitiram poemar o cotidiano entendendo tal poesia como indicação de um registro que não se pretende ser significado/representado, despertando o político na expressão dos saberes através das superfícies-cores-imagens-sons nos vídeos.

4 Figura 1: Oficina de produção do vídeo coletivo, 2º ciclo, no CEACO Foto: Jociel, Realizamos oficinas-encontros apostando na potência da arte-criação-experimentação com vídeos enquanto possibilidade de expressão que escapa à explicação e à representação. Partimos da compreensão de que as oficinas são espaços de composição (PREVE, 2010) que possibilitam múltiplas conversações, experimentações, expressões, compartilhamento de experiências-conhecimentos-sentidos-sentimentos. Desse modo, foi possível uma produção coletiva-colaborativa de conhecimentos entre pesquisadores e sujeitos intensamente envolvidos nos cotidianos do Ensino Médio. No primeiro ciclo, realizamos duas oficinas e vários encontros pessoais ou em pequenos grupos, para acompanharmos o processo de produção e apresentação de dez vídeos (de cinco minutos), que provocaram novas conversas/registros sobre as experiências vividas e sobre as expressões neles contidas nas imagens produzidas. Oficinas e vídeos a desencadearem afetos entre os/nos participantes, de maneira que as experiências continuaram em novos entrelaces que foram se tecendo, engendrando uma rede de conversas-pensamentos entre pessoas- Projeto-escola-práticas-cotidianos, delineando os efeitos do processo do pesquisar sobre o objeto de pesquisa, o pesquisador e seus resultados (PASSOS e BARROS, 2010 p. 17).

5 Figura 2: Oficina de socialização do vídeo Comunicação: futuro presente, 2º ciclo, na UEFS Foto: Jociel, Uma rede-fluxo-troca constante de conversas-afecções que se expandiu, solicitando um novo ciclo de oficinas-encontros, ao final de 2013, produzindo novas experimentações visando cartografar outros percursos/relações dos estudantes e da professora, do tempo transcorrido, das memórias não dissipadas, das invenções e sensações que se aglutinaram a essas memórias provocando novos devires. Três oficinas e vários encontros resultaram na produção coletiva do vídeo Comunicação: futuro-presente com 35 minutos de novas expressões que provocaram/desencadearam o registro de outras conversas, possibilitando levantar elementos novos, apagar/borrar linhas de representação e acentuar os traços da experiência com o Projeto e a pesquisa. Práticas de construção de conhecimentos que in-ventam o currículo Pensados como um devir expressivo, os resultados foram expressos nos escritos da pesquisa no modo como os estudantes consideraram significativas e prazerosas as experiências vividas nos processos de construção de conhecimentos realizados através das produções-publicações de informações por meio das atividades/situações comunicativas experimentadas nos/dos/com os cotidianos escolares, provocando efeitos-sensações-afecções nas pessoas neles envolvidas. São processos de construção de conhecimentos que ocorrem por meio de experimentações, pela utilização tateante de mídias e linguagens através das quais os estudantes produzem e veiculam seus textos, orais e escritos, dentrofora da escola. Assim, os estudantes são desafiados a produzirem e publicarem informações em

6 cotidianos vividos, situações concretas de uso dos gêneros textuais, linguagens e mídias nos cotidianos do CEACO, afetando as pessoas neles envolvidas com sua voz-texto-imagens e maneiras de pensar-entender-expressar os acontecimentos e vivências nesses cotidianos. São atividades que possibilitam a produção-veiculação das expressões dos estudantes e que não visam, apenas, como acontece geralmente nas disciplinas escolares, a repetição/reprodução de conhecimentos em atividades cujo objetivo é verificar/determinar o que/quanto os alunos aprenderam do que lhes foi ensinado. O Projeto de Comunicação tem proporcionado oportunidades de produção de textos orais e escritos (construção de conhecimentos) nos gêneros notícia, entrevista, reportagem, editorial, dentre outros veiculados nos blocos dos programas de rádio e nas seções no blog e do boletim impresso. Além disso, os estudantes constroem conhecimentos quando utilizam/publicam/leem textos diversos, que não foram produzidos por eles no Projeto, a exemplo de mensagens, poemas, dicas, avisos, convites etc. Desse modo, acontecem situações de produção/utilização textual em cotidianos vividos destinados aos leitores/ouvintes que habitam os cotidianos da escola e às pessoas da comunidade externa, diferente do que geralmente acontece com os textos produzidos pelos estudantes na escola, lidos/ouvidos/avaliados apenas pelo professor. No vídeo Comunicação: futuro presente 2, produzido coletivamente no segundo ciclo de oficinas, com um tom enfático, o estudante Jociel 3 narrou que com o Projeto a gente aprende e vê coisas que a gente nem imagina. A gente chega a estudar no primeiro ano, a gente não imagina fazer uma apresentação de rádio, ser locutor... Aí com esse Projeto eu acho que muitos alunos saíram daqui inspirados em relação com a comunicação e através desse Projeto eu vejo a vida de forma diferente. (JOCIEL, vídeo coletivo, 2013) Conhecimentos conectados com a vida-mundo, que proporcionam novas percepções sobre ela-ele, sobre as redes de saberespoderes que nos engendram, que possibilitam negociações de sentidos/significados sobre a vida-mundo-comunicação-engendramentos que estamos inseridos. No Projeto o estudante tem o acesso aos meios de comunicação e passa a ter a noção de como funciona o processo pelo qual a notícia faz antes de chegar até a mídia (LAYS, vídeo E, 2012). Conhecimentos que se configuram como uma noção do processo de 2 Disponível em: https://drive.google.com/open?id=0b2c3ltyjcxaad1pmwk5itf84s0u&authuser=0. 3 Os estudantes participantes da pesquisa foram identificados ao longo do texto com o seu primeiro nome, uma maneira que encontramos para valorizar sua participação e expressar o processo coletivo/colaborativo de produção do texto-pesquisa. Vale lembrar que obtivemos todos os consentimentos legais dos sujeitos envolvidos para a publicação de suas narrativas, dos vídeos produzidos e de suas próprias imagens.

7 produção-veiculação de informação, uma experiência/experimentação com as mídias e linguagens envolvidas e que possibilitam a expressão de pensamentos nos/sobre os cotidianos escolares e fora deles, como acontece no boletim CEACO Informa e no blog CEACO. A estudante Tatiane comenta as experiências comunicativas e expressivas vividas por ela no Projeto de Comunicação, colocando como esse processo de construção de conhecimentos em cotidianos vividos é diferente e mais significativo em relação a outros comumente realizados na escola. [...] Eu aprendi a fazer notícias, reportagens... e eu gostei muito. [...] A gente tem que trabalhar em cima daquilo [...] pra transmitir aquilo para outras pessoas que não teve a oportunidade de ver no momento. Eu acho que é uma diferença enorme! A gente aprende mais! (TATIANE, vídeo coletivo, 2013) Nos diálogos realizados nas oficinas-encontro de produção-apresentação dos vídeos os estudantes narram sua preocupação produzir textos que sejam lidos/compreendidos por outras pessoas. Na sala de aula eu escrevo o wadsonês. Só eu mesmo entendo. E pro outros ler, tenho que escrever no português correto. (WADSON, oficina 14/11/2013). Essas narrativas parecem indicar que a produção-publicação de textos em cotidianos vividos, destinados a diversos leitores dentrofora da escola, provoca uma preocupação com a necessidade de escrever de maneira que suas produções/expressões sejam compreendidas por quem tem acesso a elas. Não é, portanto, uma preocupação com uma leitura avaliativa a ser feita somente pela professora, como geralmente ocorre nas atividades escolares. E, provavelmente, por serem produções que serão lidas pela comunidade escolar e externa, possibilitam aos estudantes uma aprendizagem efetiva, uma apropriação dos recursos linguísticos inerentes à escrita de textos, nos gêneros desenvolvidos/utilizados. Bastante... produção de texto, produção de notícias que eu não sabia nem pra onde ia, como mexer em computador... Muita coisa mudou! Porque a pessoa se desenvolve mais... naquilo que ela faz. Até na fala, em termos da rádio, se desenvolve bem mais. O meu caso foi esse: Eu desenvolvi em tudo! (REIGIANE, vídeo coletivo, 2013) [...] nós podemos escrever as notícias, os acontecimentos da escola, podemos expor as nossas ideias, pra que a gente possa escrever melhor, ler melhor, e, participando mais na vida escolar do nosso colégio [...] informando a comunidade. E no blog também é a mesma coisa. Só que, no blog, a diferença é que a gente pode também aprender a digitar no computador, a [...] interagir com outras pessoas e conhecer melhor esta tecnologia que o mundo nos oferece. (WADSON, vídeo B, 2012) O processo de produção de textos para o boletim e o blog possibilita a construção de

8 conhecimentos a respeito da atividade busca/registro de informações, por meio da participação dos estudantes nas atividades, eventos e/ou acontecimentos da escola, desempenhando o papel de repórter : fazer anotações, produzir fotografias, realizar entrevistas ou registrar opiniões de participantes e/ou organizadores, coletar material como folders ou roteiro de atividades etc.. Partindo dessas informações e materiais levantados/produzidos, os estudantes selecionam imagens, escrevem, revisam e digitamformatam os textos a serem publicados no boletim e no blog, assumindo ainda a tarefa de distribuição do impresso na comunidade escolar e externa. Esse processo também possibilita a construção de conhecimentos relacionados às mídias digitais, como o uso de softwares/aplicativos/ferramentas de edição de texto-imagens e postagem/publicação no blog, e mais recentemente no facebook. Contudo, os estudantes destacam, nos vídeos-narrativas produzidos, a rádio-escola e a produção de textos/expressões orais, considerando-as como as experiências mais marcantes vividas no Projeto de Comunicação. Eu vi que a rádio é um meio de comunicação muito desenvolvido. Com a rádio a gente aprende muito, perde mais a timidez, fala mais, se comunica mais... melhor (JOCIEL, vídeo G, 2012). Nos vídeos e nas oficinas surgemaparecem muitas narrativas sobre a rádio-escola e imagens do espaço onde ela se desenvolve e dos equipamentos utilizados. Também se destacam as imagens que apresentam a realização e simulação de programas radiofônicos o que nos indica a importância que os estudantes atribuem a essa atividade/linguagem e como as experiências realizadas proporcionaram a construção de conhecimentos significativos para suas vidas. Nas imagens abaixo (figura 3), é possível notar como o apresentador e a entrevistada utilizam variadas táticas enunciativas (CERTEAU, 2012) e transitam/deslizam habilmente pela linguagem radiofônica: espontaneidade diante da câmera e nas expressões; intensa interlocução apresentador-entrevistada-ouvintes (mesmo sendo uma simulação, o apresentador e a entrevistada incorporam nas expressões todo o cenário/contexto do programa Conexão colegial ); carga de emoções/sentimentos inserida nos discursos/mensagens, expressando afetos para com as questões abordadas; constante tentativa de envolver o ouvinte pela imaginação, provocando-os a desencadearem imagens e a comporem o cenário de expressão que possibilita a compreensão e a interação com o texto/discurso radiofônico.

9 Figura 3: Simulação de entrevista na rádio-escola, apresentada no vídeo Conexão Colegial Fotograma: Vídeo Conexão Colegial 4, Nos contextos das atividades-linguagens desenvolvidas no Projeto, as performances realizadas pelos estudantes ocorrem através dos usos que fazem, em suas práticas comunicativas, dos recursos linguísticos e midiáticos disponíveis em cada uma delas. Uma performance que se desenvolve por meio de atos enunciativos envolvendo a linguagem-mídia radiofônica, tendo como foco o ato de falar. Segundo Certeau (2012, p. 40), um ato de fala [...] opera no campo de um sistema linguístico; coloca em jogo uma apropriação, ou uma reapropriação, da língua por locutores; instaura um presente relativo a um momento e a um lugar; e estabelece um contrato com o outro (o interlocutor) numa rede de lugares e de relações. As performances dos estudantes na rádio-escola, assim como nas demais linguagensmídias utilizadas no Projeto de Comunicação, possibilitam a articulação-construção de diversos conhecimentos e saberes necessários à realização das atividades comunicativas/enunciativas, operadas nos cotidianos escolares, portanto, em situações de interlocução vividas/experimentadas com os sujeitos que deles participam. Situações e experiências que têm se expandido na vida de alguns estudantes que, partindo das experimentações realizadas no Projeto de Comunicação, buscaram atuar em outros espaços sociais como a rádio comunitária da cidade, em radioweb ou mesmo participando de cursos de graduação em Comunicação Social. Outras duas questões (interdependentes) que se destacam nos processos de construção de conhecimentos ocorridos no Projeto de Comunicação, sobretudo na rádio-escola, são a autonomia e a troca de experiências entre os estudantes. A própria rádio... lembrem aí como é que funcionava! Eu dava uma aula inicial... [...] as outras, o que é que eu fazia? Eu ia lá pra rádio ensinar vocês como é que 4 Disponível em: https://drive.google.com/open?id=0b2c3ltyjcxaazgzbqldpwwp5bwm&authuser=0

10 usava? Dificilmente eu ia pra lá ensinar vocês como é que usava. [...] Um colega que tinha mais experiência ia lá e ajudava vocês na rádio. E vocês se viravam. (HUDA, professora-coordenadora do Projeto, oficina 14/11/2013) Figura 4: Troca de experiências na operação dos equipamentos da rádio-escola Fotograma: Vídeo Jovem em talento 5, Os processos colaborativos de construção de conhecimentos e saberes foram bastante discutidos/narrados nas oficinas e nos vídeos. Isso talvez porque essas práticas escapam às formas tradicionais por meio das quais, geralmente, se organizam as atividades escolares, pelo fato dos estudantes, autonomamente, produzirem e publicarem textos (orais e escritos) enquanto práticas expressivas que afetam a si mesmos e aos demais estudantes e pessoas nos cotidianos escolares. Textos que provocam os interlocutores e desencadeiam uma produção coletiva de sentidos. Como é possível observar na sequência de fotografias abaixo, Wadson e Reigiane tateiam tentando ajustar o microfone para que possam entrar no ar. São três tentativas realizadas por Wadson (estudante cego) sem sucesso, o que faz Reigiane ficar desorientada, mas quando Wadson consegue abrir o volume do microfone, eles riem da satisfeitos. Figura 5: Wadson e Reigiane tateiam na operação dos equipamentos Fotogramas: Vídeo Interação jovem 6, Disponível em: https://drive.google.com/open?id=0b2c3ltyjcxaawuday0nrb2uyzta&authuser=0. 6 Disponível em: https://drive.google.com/open?id=0b2c3ltyjcxaay1m4nfk4dxd5yke&authuser=0.

11 Alguns vídeos mostram como os estudantes vão tateando, experimentando, por meio de tentativas e erros, de interações e colaboração, os usos das mídias e linguagens no Projeto. Por meio do contato com essas mídias os estudantes vão se apropriando delas como ferramenta de produção/realização de práticas comunicativas concretas nos cotidianos da escola, realizando usos que objetivam a produção de textos/narrativas a serem publicados, compartilhados com as demais pessoas. As práticas de construção de conhecimento realizadas-experimentadas pelos estudantes e a professora-coordenadora no Projeto de Comunicação constituem uma criação, a invenção de um currículo diferente/singular nos cotidianos do Ensino Médio, que destoa da mesmice geralmente encontrada/visibilizada nos cotidianos de escolas públicas. Um currículo praticadospensado que se materializa na expressão de ideias e pensamentos, que encontra eco/sentido na vida dos estudantes dentrofora da escola, em vez da costumeira e desinteressante reprodução/repetição de conhecimentos que aí geralmente se observa. É totalmente diferente das outras matérias! Porque as outras matérias tá preocupada com o resultado, tá preocupada com a nota. E aqui, a gente tá preocupado assim... como se fosse nosso trabalho, tá preocupado com o resultado lá fora. Com o que é que os funcionários, os alunos tão achando do que a gente tá fazendo, né? Porque a partir do resultado, do que eles estão achando, a gente pode sentir amor por aquilo e levar isso pro resto da nossa vida. (CÍNTIA, vídeo Comunicação: futuro-presente, 2013) As questões apontadas pela estudante Cíntia no vídeo desencadeou muitas discussões, na última oficina, em que os estudantes questionavam o currículo escolar e sua falta de sentido. Nas matérias é [...] muita teoria, [...] é muita coisa que ninguém usa mais (MIRLI, oficina 19/11/2013). Buscando compreender a questão recorremos à noção de conhecimento em rede que introduz um novo referencial às praticas sociais, considerando que nelas os conhecimentos são tecidos por meio das variadas interações entre os sujeitos que as realizam. Concordamos com a [...] a inversão da polarização moderna entre teoria e prática, passando-se a compreender o espaço prático como aquele em que a teoria é tecida. Tal proposição, ao reconceituar a prática como o espaço cotidiano no qual o saber é criado, elimina as fronteiras entre ciência e senso comum, entre conhecimento válido e conhecimento cotidiano. (LOPES; MACEDO, 2002, p. 37) Nesse sentido, recorremos também ao que afirmam Ferraço e Carvalho (2012) sobre a necessidade de pensarmos currículos em redes, realizando processos de construção de

12 conhecimentos a partir de agenciamentos coletivos, de relações de colaboração e compartilhamento de saberespoderes, de relações não/menos hierárquicas. Reconhecemos que, de um modo geral, os conhecimentos ensinados na escola estão desconectados da vida dos estudantes, são marcados pela fragmentação, dicotomização e hierarquização teoria-prática que ocorrem nas ciências e nos currículos escolares, como também ressaltam Oliveira e Sgarbi (2008, p. 55): Nos currículos escolares, até pela carga horária destinada às várias disciplinas, observamos que os conhecimentos teóricos são mais considerados que as disciplinas que abordam conhecimentos práticos [...]. Desse modo, consideramos que o processo de produção colaborativa e criativa de conhecimentos e criação de currículo investigado é expressão de uma crença-aposta nos [...] possíveis que se tecem nas redes de conhecimentos dos sujeitos praticantes dos cotidianos (FERRAÇO; CARVALHO, 2012, p. 159), pautada na poética de um futuro como devir e nas possibilidades da ação coletiva. Percebemos que as praticasteorias realizadas no Projeto de Comunicação constituem uma invenção carregada de singularidades, operada coletivamente a partir das necessidades/desejos das pessoas na escola, colocando os estudantes como protagonistas de uma produção que movimenta seus cotidianos e altera seus modos de realizarpensar construção de conhecimentos, currículo, sujeitos e cotidianos escolares. (In)Conclusões Com uma produção hibridizada de textos-imagens-sons, os estudantes fazem escolhasinterpretações-recortes-colagens nos/dos/com os cotidianos, inventam maneiras de verpensaragir no mundo, a partir das concepções/visões que lhes atravessam cotidianamente. Visões/concepções e textos/vozes/imagens/sons compartilhados nas vivências cotidianas em que se realizam as atividades do Projeto de Comunicação e que ressoaram nesta pesquisa como possibilidade de construção de conhecimentos e criação de currículo, de produção de visibilidades sobre o que in-ventam os sujeitos em suas práticasteorias nos cotidianos de escolas públicas, geralmente ofuscadas pela produção hegemônica de imagens negativas sobre eles, realizadas pelas mídias tradicionais e pela produção de conhecimentos científicos. Tantas são as possibilidades de se realizarpensar a produção de conhecimentos científicos nos/dos/com os cotidianos escolares, na atualidade, quanto as imensuráveis maneiras em que neles se processa a criatividade humana. Desejamos compreendercartografar-visibilizar os entrelaces que aí se produzem ao realizar práticas não autorizadas,

13 lançando mão dos artefatos culturais de que dispomos para potencializar a expressão, a invenção e transformação do mundo em que vivemos, noutro mais igualitário, democrático, cheio de vida e de possibilidades para (re)in-ventá-lo, sempre... Referências ALMEIDA, Edivan Carneiro de. Construção de conhecimentos e currículos in-venta-dos com as mídias nos cotidianos de uma escola pública de ensino médio Dissertação (Mestrado em Educação) Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, ALVES, Nilda et all. Como e até onde é possível pensar diferente? Micropolíticas de currículo, poéticas, cotidianos e escola. Revista Teias, v. 13, nº 27, p , jan/abr CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. Tradução de Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, FERRAÇO, Carlos Eduardo; CARVALHO, Janete Magalhães. Lógicas de currículos em redes e projetos. In: FERRAÇO, Carlos Eduardo, CARVALHO, Janete Magalhães (Orgs). Currículos, pesquisas, conhecimentos e produção de subjetividades. Rio de Janeiro: DP et Alii, 2012, p KASTRUP, Virgínia. O funcionamento da atenção no método cartográfico. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; e ESCÓSSIA, Liliana da (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, p LOPES, Alice Casemiro; MACEDO, Elisabeth. O pensamento curricular no Brasil. In: LOPES, Alice Casemiro; MACEDO, Elisabeth. (Org.) Currículos: debates contemporâneos. São Paulo: Cortez, 2002, p OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Currículos e pesquisas com os cotidianos. In: FERRAÇO, Carlos Eduardo, CARVALHO, Janete Magalhães (Org.). Currículos, pesquisas, conhecimentos e produção de subjetividades. Rio de Janeiro: DP et Alii, 2012, p OLIVEIRA, Inês Barbosa de; SGARBI, Paulo. Estudos do cotidiano e educação. Belo Horizonte: Autêntica, PASSOS, Eduardo; BARROS, Regina Benevides de. A cartografia como método de pesquisaintervenção. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; e ESCÓSSIA, Liliana da (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009, p PREVE, Ana Maria Hopers. Mapas, prisão e fugas: cartografias intensivas em educação Tese (Doutorado em Educação) Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações.

ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO. Palavras-chave: resolução de problemas; jogo; problematizações. ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE A PARTIR DO JOGO TRAVESSIA DO RIO Cidinéia da Costa Luvison SME Bragança Paulista/SP; SEE - Morungaba/SP E-mail: cidineiadacosta.luvison@gmail.com Cleane Aparecida dos Santos

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS

Crianças e Meios Digitais Móveis TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Crianças e Meios Digitais Móveis Lisboa, 29 de novembro de 2014 TIC KIDS ONLINE NO TEMPO DOS MEIOS MÓVEIS: OLHARES DO BRASIL PARA CRIANÇAS DE 11-12 ANOS Educação para o uso crítico da mídia 1. Contexto

Leia mais

Novas possibilidades de leituras na escola

Novas possibilidades de leituras na escola Novas possibilidades de leituras na escola Mariana Fernandes Valadão (UERJ/EDU/CNPq) Verônica da Rocha Vieira (UERJ/EDU/CNPq) Eixo 1: Leitura é problema de quem? Resumo A nossa pesquisa pretende discutir

Leia mais

.na verdade, já achamos

.na verdade, já achamos TALENTOS ARTÍSTICOS .na verdade, já achamos e também achamos ideias e vontades primeiro, nas redes existentes Hugo de Lima Pequeno making of da aula de experimentações com nanquim na Oi Kabum! Escola de

Leia mais

PROJETO SALA DE REDAÇÃO

PROJETO SALA DE REDAÇÃO PROJETO SALA DE REDAÇÃO Eliane Teresinha da Silva Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas UAB Restinga Seca/UFSM Gláucia Josiele Cardoso Acadêmica do Curso de Letras Português e Literaturas

Leia mais

Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento. Olá!

Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento. Olá! Formação em Educação Permanente em Saúde EPS em Movimento Olá! Seja bem- vindo ao Curso de Especialização Formação Integrada Multiprofissional em Educação Permanente em Saúde Educação Permanente em Saúde

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

EdUECE- Livro 2 02178

EdUECE- Livro 2 02178 1 CRIAÇÕES E REINVENÇÕES NA PRODUÇÃO COTIDIANA DO PROJETO REINVENTANDO O ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE CARTOGRÁFICA DA REALIDADE CRIADA PELOS SUJEITOS DA ESCOLA Cíntia Castro Monteiro Heloisa Raimunda Herneck

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

Manual de conduta nas mídias sociais. colégio magnum cidade nova

Manual de conduta nas mídias sociais. colégio magnum cidade nova Manual de conduta nas mídias sociais colégio magnum cidade nova Manual de conduta nas mídias sociais Práticas de comportamento dos educadores do Colégio Magnum nas mídias sociais A Magnum 2 Introdução

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): MARIA DE FATIMA

Leia mais

PROJETO DE VIDA O PAPEL DA ESCOLA NA VIDA DOS JOVENS

PROJETO DE VIDA O PAPEL DA ESCOLA NA VIDA DOS JOVENS PROJETO DE VIDA O PAPEL DA ESCOLA NA VIDA DOS JOVENS O que é ensinado nas escolas prepara os alunos para concretizarem seus projetos na vida adulta? Para achar a resposta, entrevistamos jovens egressos

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, MANGUEZAIS, COTIDIANOS ESCOLARES, PRÁTICAS PESQUEIRAS E OUTROS ESPAÇOS DE CONVIVÊNCIA E DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES/AS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, MANGUEZAIS, COTIDIANOS ESCOLARES, PRÁTICAS PESQUEIRAS E OUTROS ESPAÇOS DE CONVIVÊNCIA E DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES/AS EDUCAÇÃO AMBIENTAL, MANGUEZAIS, COTIDIANOS ESCOLARES, PRÁTICAS PESQUEIRAS E OUTROS ESPAÇOS DE CONVIVÊNCIA E DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES/AS Soler Gonzalez CE/Ufes Andreia Teixeira Ramos PPGE/Uniso/SP Agência

Leia mais

Projeto Jornal Educativo Municipal

Projeto Jornal Educativo Municipal Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Santa Bárbara de Goiás Secretaria Municipal da Educação Santa Bárbara de Goiás - GO Projeto Jornal Educativo Municipal Santa Bárbara de Goiás Janeiro/2013 Estado

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

A Rede Pública Municipal de Ensino de Maceió atende cerca de 55 mil alunos, de acordo com o censo escolar de 2014. Dessa clientela, cerca de 40%

A Rede Pública Municipal de Ensino de Maceió atende cerca de 55 mil alunos, de acordo com o censo escolar de 2014. Dessa clientela, cerca de 40% OFICINA MAIS COMUNICAÇÃO ENSINA TÉCNICAS DE TEXTO, FOTO E AUDIOVISUAL EM MACEIÓ Adriana Thiara de Oliveira SILVA 1 Delane Barros dos SANTOS 2 Maria Janaina de Farias SOARES 3 Resumo Euforia, barulho, trabalho

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS Francieli Regina Garlet (UFSM) Resumo: A escrita a que se refere o presente texto, diz respeito à proposta desenvolvida

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Gestão da Informação e do Conhecimento

Gestão da Informação e do Conhecimento Gestão da Informação e do Conhecimento Aula 05 Aquisição da Informação Dalton Lopes Martins dmartins@gmail.com 2sem/2014 Aquisição da Informação PROCESSO 2 - A aquisição da informação envolve as seguintes

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

Aprenda como estudar em quatro etapas PORVIR

Aprenda como estudar em quatro etapas PORVIR ENG POR!FAZER POR?PENSAR POR+CRIAR POR PESSOAS POR:VIR DIÁRIO DE INOVAÇÕES WIKI DICAS BLOG DESTAQUE // POR?PENSAR 1 COMENTÁRIO // 10 TWEETS // 999 LIKES Aprenda como estudar em quatro etapas Educador Fábio

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

UMA PARCERIA DE SUCESSO!

UMA PARCERIA DE SUCESSO! RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 Parceria Santa Dorotéia e Junior Achievement de Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO! 1 SUMÁRIO 1. Resultados Conquistados... 3 2. Resultados 2013... 4 3. Resultados Pesquisas...

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Letramento: Um ano de histórias

Letramento: Um ano de histórias 1 Letramento: Um ano de histórias Joyce Morais Pianchão 1 RESUMO Ensinar a ler e escrever é a meta principal da escola. E para que todos exerçam seus direitos, exercendo com dignidade a sua cidadania na

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo

SENTIR 3. TEMPO 15-20 minutos TIPO DE TEMPO contínuo COMO USAR O MATERIAL NAS PÁGINAS A SEGUIR, VOCÊ ENCONTRA UM PASSO A PASSO DE CADA ETAPA DO DESIGN FOR CHANGE, PARA FACILITAR SEU TRABALHO COM AS CRIANÇAS. VOCÊ VERÁ QUE OS 4 VERBOS (SENTIR, IMAGINAR, FAZER

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Não se aprende por exercícios, mas por práticas significativas. Essa afirmação fica quase óbvia se pensarmos em como uma

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR

O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR O mundo como escola Texto Isis Lima Soares, Richele Manoel, Marcílio Ramos e Juliana Rocha Fotos Luciney Martins/Rede Rua Site 5HYLVWD9LUDomR Já pensou um bairro inteirinho se transformando em escola a

Leia mais

mídia kit última atualização: Novembro/13

mídia kit última atualização: Novembro/13 mídia kit última atualização: Novembro/13 Na internet, todo mundo tem coragem de ficar apontando os defeitos dos outros. Afinal, reclamar é muito fácil e, convenhamos, às vezes alivia. Mas acreditamos

Leia mais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais

Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Neologismos no Facebook: o ensino do léxico a partir das redes sociais Renise Cristina Santos (UFMG) 1 Introdução Este trabalho apresenta dados parciais da pesquisa de mestrado que está sendo desenvolvida

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO SUMÁRIO INTRODUÇÃO 15 Para que serve este Livro 17 Como usar este livro 1. PARA ENTENDER A PROFISSÃO 23 O que é preciso para ter sucesso na profissão 23 TALENTO - Como saber se você tem 24 CONHECIMENTO-Como

Leia mais

UMA SUPERVISORA ESCOLAR NA RELAÇÃO SEDU-ESCOLAS

UMA SUPERVISORA ESCOLAR NA RELAÇÃO SEDU-ESCOLAS UMA SUPERVISORA ESCOLAR NA RELAÇÃO SEDU-ESCOLAS Priscila S. Moreira 1, UFES. Este relato de experiência é proveniente da função que exerci enquanto supervisão escolar, sendo essa criada a partir da Portaria

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

mostrar os limites que o modo dicotomizado da ciência moderna coloca às definições desenvolvidas.

mostrar os limites que o modo dicotomizado da ciência moderna coloca às definições desenvolvidas. TROCAS NA INTERNET COM ESPAÇOSTEMPOS CURRICULARES CALDAS, Alessandra da Costa Barbosa Nunes UERJ ANDRADE, Nivea Maria da Silva UERJ CORDEIRO, Rosangela Lannes Couto UERJ GT-12: Currículo Agência Financiadora:

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente

Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente A Prova Docente: Breve Histórico Prova Nacional de Concurso para o Ingresso na Carreira Docente Instituída pela Portaria Normativa nº 3, de

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Ana Regina Donato de Moraes 1 Lourdes Keila Casado Pulucena 2 Lucieni Vaz dos Santos 3 Aprender brincando não é apenas um passatempo, quando se trata de ensinar.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático.

A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA. Palavras-chave: Ensino de química; histórias em quadrinhos; livro didático. A ABORDAGEM DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHO NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA Fabricio Santos Almeida 1 Márcia Cristiane Eloi Silva Ataide 2 1 Licenciando em Química, Universidade Federal do Piauí - UFPI. 2 Professora

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA Profa. Me. Michele Costa (Professora do Curso de Pedagogia das Faculdades COC) 06 e 07/04/2010 CONVERSAREMOS SOBRE: Planejamento e RCN: Oralidade na Educação

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

Como fazer contato com pessoas importantes para sua carreira?

Como fazer contato com pessoas importantes para sua carreira? Como fazer contato com pessoas importantes para sua carreira? - Tem alguém com quem você gostaria de fazer contato? - Porque você não o fez até agora? - Por que é importante aprender a fazer esses contatos?

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

Módulo 4 Criando Exemplos para Aprendizagem

Módulo 4 Criando Exemplos para Aprendizagem Módulo 4 Criando Exemplos para Aprendizagem Este Caderno de Anotações é usado para o do Programa Intel Educar. No decorrer do curso você pode registrar seus pensamentos on-line ou em uma cópia impressa

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010)

Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010) 1 of 6 02/12/2011 16:14 Bate-papo: Uso do Scratch, uma nova linguagem de programação, no ensino fundamental - Web Currículo (25/05/2010) 13:58:20 Bem-vindos ao Bate-papo Educarede! 14:00:54 II Seminário

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais