GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA"

Transcrição

1 GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS - COPASA

2 COPASA GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA Aprovado pela Diretoria Colegiada em 03/09/2003 Belo Horizonte setembro/2003

3 2003. Companhia de Saneamento de Minas Gerais. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Editor: Copasa / Superintendência de Comunicação - SPCA Diagramação, revisão ortográfica e capa: Asa Comunicação Ltda. Distribuição e informação: Superintendência de Comunicação - SPCA - Rua Mar de Espanha, 525 / 2 andar Belo Horizonte - MG - CEP: Fone: (31) E.mail: COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS - COPASA Gerenciamento técnico de obras e serviços de engenharia: aprovado pelo Conselho de Administração em 16/06/2003. Belo Horizonte, p. 1. COPASA - Gerenciamento Técnico de Obras e Serviços de Engenharia. Título. CDU: 351:624 Catalogação na publicação: Biblioteca Prof. Ysnard Machado Ennes - Copasa. Tiragem: exemplares. - Impresso no Brasil/Printed in Brazil.

4 Sumário SUMÁRIO APRESENTAÇÃO LISTA DE ABREVIATURAS / GLOSSÁRIO INTRODUÇÃO 1 - Avaliação dos estudos disponíveis na empresa 2 - Identificação e otimização dos procedimentos atualmente utilizados em cada diretoria B - DIRETRIZES C - MANUAL MANUAL GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA 1 - PLANEJAMENTO Sistemática de análise de projetos Verificação da lista de conferência do projetista; Conhecimento da solução técnica; Conhecimento do local da obra; Análise da solução técnica; Verificação do licenciamento ambiental; Verificação das desapropriações; Identificação dos pontos onde serão necessárias ligações de energia elétrica; Conhecimento dos pontos críticos (lançamentos, travessias, principais unidades, etc.); Análise, revisão e atualização do orçamento Providências de caráter administrativo Identificação da fonte de recurso financeiro (materiais, obras, fiscalização, desapropriações, etc.); Abertura do empreendimento (AAE)

5 1.3 - Sistemática de planejamento da contratação Forma de contratação da obra; Fiscalização da obra; Forma de contratação do material; Cronograma da contratação Procedimentos para contratação de material (quando for o caso) Análise, revisão e atualização de especificação técnica; Elaboração de PCMO/ACAF; Acompanhamento do processo de compra Procedimentos para contratação da obra Preparação da documentação necessária; Critérios para a elaboração da especificação particular; Solicitação da licitação Procedimentos para contratação da fiscalização (quando for o caso) Estabelecimento de alternativas a adotar; Critérios de dimensionamento da equipe; Alternativas para execução do controle tecnológico; Elaboração de planilha de orçamento; Elaboração de especificação particular; Preparação da documentação necessária; Solicitação da licitação Preparação para início da obra Recebimento do CEI e da ART; Verificação da obtenção da L.I., da liberação de travessias, da liberação de áreas, etc.; Aprovação do plano de trabalho e do método construtivo; Ajuste do cronograma da obra;

6 Indicação do engenheiro fiscal de obras; Emissão da OS para fiscalização, se for o caso; Emissão da OS para obra; Confirmação de pedidos de materiais, se for o caso; Elaboração da documentação fotográfica ACOMPANHAMENTO Sistemática de acompanhamento de campo Itens básicos para acompanhamento de campo; Critérios para avaliação da qualidade dos serviços e da logística da contratada; Acompanhamento do plano de trabalho; Avaliação do método construtivo; Comunicação com o contratado; Equacionamento de soluções construtivas; Acompanhamento e avaliação de controles tecnológicos; Relatório fotográfico Sistemática de medição de serviço (NP ) Critérios para medição física de campo; Procedimentos para elaboração da memória da medição; Preparação para elaboração do boletim de medição; Exigência das guias de INSS, FGTS e ISSQN Procedimentos da fiscalização para garantir o cronograma da obra Liberação das áreas; Liberação de materiais e equipamentos para obra; Obtenção das licenças para travessias e utilização de faixas; Suprimento de energia elétrica

7 2.4 - Administração da obra Elaboração da avaliação mensal da contratada; Identificação da necessidade de aditivos e levantamento dos dados necessários; Acompanhamento da fiscalização do(s) agente(s) financeiro(s); Interação continuada com a unidade responsável pela operação; Interação com a unidade de projeto Encerramento da obra Conferência do cadastro de rede e do como construído ("as built") da obra; Acompanhamento dos testes pré-operacionais e entrega da obra para operação; Emissão de relatório de retroalimentação ("feed back") para a unidade de projeto; Acerto de material; Medição final de obra; Emissão de Termo de Recebimento Definitivo de Obra; Atestado de obra; Encerramento de empreendimento - AEE; Relatório fotográfico final CONTROLE Avaliação do andamento do empreendimento Acompanhamento do cronograma físico da obra; Acompanhamento do cronograma financeiro da obra; Acompanhamento do cronograma financeiro do recurso específico para obra; Avaliação do desempenho da contratada Avaliação sistemática do desempenho da contratada; Comunicação do resultado da avaliação à contratada; Sugestão/recomendação para aplicação de sanções

8 3.3 - Gestão de contrato Consolidação de dados para solicitação de aditivos; Solicitação de recursos financeiros adicionais para aditivos; Elaboração da planilha de preços dos aditivos (acréscimos e decréscimos, etc.); Preparação da documentação necessária para aditivo Acompanhamento da interligação com o sistema existente Programação da interligação com o sistema existente CAPACITAÇÃO Capacitação das equipes de gerenciamento e fiscalização Definição do conteúdo; Montagem do curso; Definição do público-alvo; Treinamento. RELAÇÃO DE NORMAS DE PROCEDIMENTO, NORMAS TÉCNICAS, MANUAIS E DE DOCUMENTOS UTILIZADOS NO GERENCIAMENTO E NA FISCALIZAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

9 Estação de Tratamento de Esgoto do Onça (Região Metropolitana de Belo Horizonte - obras em 07 / 2003) Estação de Tratamento de Água do Rio das Velhas (Região Metropolitana de Belo Horizonte) 08 GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

10 Apresentação APRESENTAÇÃO Neste trabalho, estaremos tratando da ação 2.6 do Plano de Ação de 2003 (1) da Copasa - "Aprimorar o gerenciamento técnico de obras e serviços", que tem como responsável por sua elaboração a Diretoria Técnica e de Meio Ambiente - DRTM. O aprimoramento do gerenciamento técnico de obras e serviços foi apontado no diagnóstico das propostas constantes dos documentos elaborados pela Comissão de Transição do Governo Aécio Neves e da Comissão de Representantes (G-9) da Copasa, passando, pela relevância do assunto, a integrar o Plano de Ação de No que concerne às obras e aos serviços de engenharia, a necessidade de sua fiscalização inicia no momento que se contrata a sua execução. A fiscalização tem como finalidades: verificar se as condições pactuadas estão sendo cumpridas pelo contratado; fazer a necessária adequação executiva do projeto à realidade construtiva; seguir normas técnicas do contratante e de entidades técnicas nacionais e internacionais; considerar os aspectos de segurança individual e coletiva; interagir com os diversos públicos envolvidos com o empreendimento, inclusive com os agentes financeiros e auditores internos e externos. Para a formulação do presente manual, foi constituído um Grupo de Trabalho com representantes das diretorias operacionais, da técnica e da presidência, nomeados nos termos da CP 034/2003, de 10/04/2003, cuja composição é a seguinte: Douglas de Mello Schneider - coordenador - DRTM Charles George Barket - secretário - DRLE Antônio das Graças Oliveira - DRCN Ciro Amaral Faria - DRSO José Geraldo Prado - DRLE Juarez Pereira da Silva Panisset - DRTM Ricardo Augusto Simões Campos - PRES A formulação do presente manual pretende oferecer àqueles que vão gerenciar e fiscalizar a execução das obras e serviços de engenharia um instrumento auxiliar no desempenho de suas atribuições. 1 - MINAS GERAIS. Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA. Plano de ação 2003: aprovado pelo Conselho de Administração em 26/03/2003. Belo Horizonte, p. GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA 09

11 Estação de Tratamento de Esgoto do Arrudas (Região Metropolitana de Belo Horizonte) Estação de Tratamento de Esgoto do Onça (Região Metropolitana de Belo Horizonte - obras em 07 / 2003) 10 GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

12 Lista de Abreviaturas/Glossário LISTA DE ABREVIATURAS/GLOSSÁRIO Para um bom entendimento do conteúdo deste manual é preciso que o profissional se familiarize com alguns termos técnicos e outros específicos da linguagem Copasa: AAE - Aviso de Abertura de Empreendimento - é um documento em forma de formulário padronizado destinado a obter o código contábil do empreendimento, para lançamento de todas as despesas que vierem a ser realizadas na obra. Seu preenchimento deve ser feito antes da solicitação para efetuar qualquer despesa. ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - entidade responsável por editar as normas técnicas no Brasil. AEE - Aviso de Encerramento de Empreendimento - é um documento em forma de formulário padronizado destinado a promover o encerramento da AAE. Seu preenchimento deve ser feito depois da última medição da obra e do seu recebimento pela área operacional. ACAF - Autorização para Compra de Ativo Fixo - é um documento em forma de formulário padronizado destinado a solicitar a compra dos ativos fixos - bens que serão patrimoniados - que serão disponibilizados para a obra. ART - Anotação de Responsabilidade Técnica - é um documento em forma de formulário padronizado emitido pelo CREA destinado a fazer a anotação de responsabilidade técnica dos profissionais de engenharia que estarão assumindo a obra. APC - Adequação de Projeto em Campo - trata dos detalhamentos e das adequações introduzidas no projeto de forma a promover sua execução ou de sua adaptação para as condições locais. Boletim de Medição - documento no qual são transcritos os quantitativos apropriados na memória de medição, referentes às atividades ou etapas de obras e/ou serviços de engenharia executados em determinado período, com seus respectivos preços contratuais. Cadastro de Redes - é procedimento de registro em formulário próprio que expressa a fidedignidade daquilo que foi executado. Está ligado às tubulações para uso em água e esgoto, segundo norma vigente da Copasa. CAD - software utilizado para a elaboração gráfica de projetos e desenhos; GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA 11

13 CEI - Cadastro de Empreendimento no INSS - é um documento em forma de formulário padronizado emitido pelo INSS, específico para cada contrato, que serve para a verificação mensal dos recolhimentos previdenciários junto aquele órgão federal. Como construído ("as built") - é o procedimento de registro gráfico daquilo que foi realmente executado, mas alterado ou complementado em relação ao projeto inicial. CPM - Confirmação de Pedido de Material - é um documento para demandar entrega de materiais pelo fornecedor, em quantidades conforme a necessidade de sua utilização, nos termos dos contratos em vigor. CREA - Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - é uma entidade civil que regulamenta e fiscaliza as atividades ligadas aos profissionais da área de engenharia, arquitetura, agronomia, quer sejam técnicos de nível médio, quer sejam de nível superior. Cronograma de Obra - tradução gráfica de execução da programação de uma obra ou serviço de engenharia quanto ao seu desenvolvimento, em função do prazo contratual. Engenheiro Fiscal de Obra - é o profissional da Copasa responsável pela fiscalização de uma ou mais obras, FEAM - Fundação Estadual de Meio Ambiente - órgão ligado à Secretaria de Estado de Meio Ambiente responsável por conceder as licenças de instalação e de operação no Estado de Minas Gerais. Fiscalização de Obra - é uma atividade específica dentro do item acompanhamento, que trata da execução da obra em campo. Fiscalização Auxiliar - é uma atividade exercida por uma empresa ou profissional, com alto grau de especialização, que será contratada para um fim específico, nas atividades de fiscalização, por um prazo determinado, de modo que não justifique sua contratação como empregado da Copasa. G - serviço não constante na listagem oficial de custos de serviços e insumos da Copasa; Gerenciamento de Obra - corresponde à realização de todas as atividades inerentes ao empreendimento em questão, desde o recebimento do projeto até sua entrega na área operacional. Estão ligados nesta fase o planejamento, o acompanhamento e o controle. 12 GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

14 GFIP - Guia de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social - é um formulário que indica o recolhimento da contribuição da Empresa para o FGTS em nome dos seus empregados. GPS - Guia da Previdência Social - é um formulário que indica o recolhimento da contribuição social dos empregados da empresa contratada ao INSS. ISSQN - Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza - tributo cobrado pelas Prefeituras Municipais, segundo alíquotas estabelecidas em cada município e aplicáveis sobre o faturamento da contratada. Lei 8666/93 - é um instrumento legal que rege as licitações no país. A ela estão obrigados todos os órgãos da administração pública federal, estadual e municipal, autarquias, fundações e empresas de economia mista. Lista de Conferência ("check list") - lista contendo um conjunto de informações básicas para simples conferência dos principais pontos e componentes do projeto; OPERAE - é um software destinado à elaboração de orçamento de obras e de serviços. PCMO - Pedido de Compra de Material de Obra - é um documento em forma de formulário padronizado destinado a solicitar a compra dos materiais que serão disponibilizados para a obra. Plano de Trabalho - tradução das ações relevantes de cada frente de trabalho com vista a cumprir o cronograma de obra. Retroalimentação ("feed back") - processo de informação de situações ocorridas, diferentes das previstas, de forma a subsidiar futuras decisões de mesma natureza; SAMA - Sistema de Administração de Materiais - é um software destinado ao gerenciamento de materiais na Copasa. GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA 13

15 Sistema Serra Azul (Região Metropolitana de Belo Horizonte) Estação de Tratamento de Água do Sistema Rio Manso (Região Metropolitana de Belo Horizonte) 14 GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

16 Introdução INTRODUÇÃO Na elaboração deste documento foram cumpridas as etapas abaixo especificadas: 1 - Avaliação dos estudos disponíveis na empresa: Inicialmente foi feita uma pesquisa interna para levantar os documentos existentes na empresa referentes ao assunto em questão, tendo sido apurada a existência de dois que poderiam ser aproveitados para esta ação. O primeiro deles refere-se a um trabalho, que foi iniciado em 2000, que precisava ser revisado. Ele foi tomado como base para a formulação desta proposta. O segundo é uma Norma de Procedimento, a NP /1, que trata da "Contratação de obras e/ou serviços de engenharia". Esta norma vai ser freqüentemente mencionada no presente trabalho. Os demais documentos pesquisados ou mencionados pelos componentes do grupo foram considerados desatualizados para os propósitos desta iniciativa. Também foi avaliado um parecer exarado pela Superintendência Jurídica da Copasa, a partir de uma demanda do grupo que trabalhava na elaboração do primeiro documento acima mencionado. 2 - Identificação e otimização dos procedimentos atualmente utilizados em cada diretoria: A Copasa, ao longo de sua existência, experimentou vários arranjos para equacionar esta demanda. Anteriormente foram formadas equipes próprias, compostas por profissionais com diversos tipos de capacitação para o desempenho das atividades de fiscalização. Com o crescimento do nível de investimentos e a ampliação geográfica de atuação da Copasa, ocorrido no final dos anos 70, percebeu-se que havia necessidade de contar com a ajuda de terceiros naquilo que excedesse a capacidade de trabalho das equipes próprias. Esta participação (fiscalização complementar com terceiros) foi crescendo à medida que os recursos da expansão migravam naturalmente para a operação e o suporte administrativo se tornava mais complexo e exigente, ambos requisitando a transferência dos profissionais de fiscalização, pelo natural conhecimento dos empreendimentos e dos procedimentos a eles ligados. Mais recentemente, é verificado o desligamento da Copasa dos seus técnicos sem que houvesse a devida reposição do quadro interno. Outro fato verificado é que o fiscal de campo e o técnico de nível médio desapareceram dos quadros de pessoal interno. Para a identificação dos procedimentos utilizados pelas diretorias, foram expedidas comunicações internas solicitando tal informação. Das informações prestadas e das vivências profissionais dos participantes do grupo, podemos sintetizar a questão nos seguintes pontos: GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA 15

17 o quadro atual de empregados da Copasa é insuficiente para desempenhar com a eficiência requerida as atividades de gerenciamento, de fiscalização e de controle de qualidade das obras e dos serviços; o quadro de pessoal da Copasa não conta com mão-de-obra de nível operacional (fiscal de vala) ou técnico de nível médio. Por outro lado, a quantidade de profissionais de nível superior tem diminuído porque eles estão se desligando da empresa por aposentadoria ou por adesão ao plano de aposentadoria voluntária - PAAV, sem que haja reposição imediata; a Copasa é uma empresa que atua em um Estado de grande extensão territorial e executa obras de porte e especificidades as mais diversas possíveis; as diretorias recorriam à contratação de empresas de engenharia para fiscalizar as obras além de sua capacidade técnica de recursos humanos; a recomendação era a de contratar serviços de fiscalização, serviços estes identificados na figura de equipe de fiscalização, cuja composição é feita com base no planejamento de um conjunto de obras que, via de regra, acabam acontecendo em tempos diferentes do planejado; não constavam dos programas de investimentos anuais da empresa recursos financeiros destinados à fiscalização em quantidade suficiente para este fim; não havia uniformidade de procedimentos entre as unidades da Copasa responsáveis por fiscalizar as obras e os serviços de engenharia; a terceirização de serviços operacionais. 16 GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

18 B - PROPOSTA Esta proposta foi estruturada com base em diretrizes e recomendações, que, se adotadas pela Copasa, contribuirão para o entendimento do manual que apresentamos a seguir e, principalmente, para o aprimoramento do gerenciamento técnico das obras e dos serviços. DIRETRIZES: 1ª - É responsabilidade indelegável da Copasa a fiscalização de todas as obras e/ou serviços de engenharia contratados com terceiros, durante todo o período de sua execução. 2ª - A Copasa deverá assegurar anualmente no Orçamento Empresarial recursos financeiros necessários para garantir que todas as obras e/ou serviços de engenharia, contratados com terceiros, sejam fiscalizados durante todo o período de sua execução. 3ª - Os preços das obras e dos serviços de engenharia contratados pela Copasa terão como referência a sua listagem de preços de serviços e insumos. 4ª - Os empreendimentos serão contratados da seguinte forma: - por preço global: obras localizadas, tais como, reservatórios, elevatórias, estações de tratamento, casas de química, booster, barragens, travessias especiais, captações diversas, canalização e retificação de córregos, usinas de reciclagem e de compostagem de lixo; - por preço unitário composto: obras lineares, desde que medidas por metro de rede acabada. Neste caso, as ocorrências extraordinárias serão medidas unitariamente e de acordo com os quantitativos apurados no decorrer da obra. Condição: para a contratação por preço global, é preciso que os projetos sejam revisados - aumentando-se o seu detalhamento executivo, atualizando-se o orçamento e agregando-se sondagens complementares - visando reduzir suas incertezas. 5ª - Os empreendimentos serão contratados preferencialmente após a liberação das áreas a serem utilizadas (servidão e pleno domínio); de obtidas as licenças ambientais e as autorizações para desmatamentos; de obtidas as autorizações para a execução das travessias sob rodovias ou ferrovias; e de dispor de equipes de fiscalização treinadas. Sempre que possível, deve-se programar o início das obras após o período de chuvas. GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA 17

19 6ª - Em situações excepcionais, nas obras que exijam uma qualificação técnica não disponível nos quadros próprios da empresa e que não se justifique a contratação para o quadro próprio, a Copasa poderá valer-se da contratação de serviços de fiscalização auxiliar. 7ª - A fiscalização auxiliar, quando necessária, deverá ser contratada por tipo de serviço demandado. O produto deste serviço será medido mediante a entrega de relatório, segundo modelo-padrão Copasa. 8ª - Os serviços de fiscalização deverão considerar a estruturação das atividades de planejamento, de logística de materiais e equipamentos, de controle geométrico e de controle tecnológico. 9ª - O dimensionamento das equipes para a execução dos serviços de fiscalização, nos seus aspectos quantitativos, qualitativos (capacitação, experiência e remuneração) e temporais, será de competência da área responsável pelo (s) empreendimento (s), com base no Orçamento Empresarial e segundo critérios estabelecidos pela área central de gerenciamento de obras. 10ª - Para efeitos do dimensionamento dos serviços de fiscalização, deverá ser considerado como limite máximo superior o percentual de 2,5% (dois inteiros e cinco décimos por cento) do valor total do empreendimento. 11ª - No percentual acima, poderão estar excluídos, a critério da área central de gerenciamento de obras, os valores relativos a topografia, geotecnia, controle tecnológico, locação de veículos, locação de equipamentos de informática e de telecomunicação, de serviços de ação social e de hospedagem e alimentação. 12ª - Os serviços relativos a transporte, ensaios tecnológicos, geotecnia e topografia serão dimensionados e quantificados conforme demanda da(s) obra(s) e medidos conforme planilha contratual. 13ª - Os serviços de manutenção no padrão e os serviços comerciais de água poderão, após avaliação e dimensionamento, ser fiscalizados por amostragem. 14ª - Cada contrato de obras deverá ter um engenheiro fiscal responsável que será nominado pela Copasa por meio de ato administrativo, e suas responsabilidades deverão estar explicitadas no contrato de obras. 15ª - O instrumento de apresentação do produto dos serviços de fiscalização é o Relatório Mensal de Obras, segundo modelo adotado pela Copasa e que deverá ser preenchido pelo engenheiro fiscal da obra para efeitos de medição. 16ª - Os contratos deverão prever a responsabilidade do contratado quanto a eventuais multas aplicadas pelos 18 GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

20 órgãos da administração pública federal, estadual ou municipal, originadas a partir das intervenções da obra. Semestralmente e antes do acerto final da obra, o contratado deverá apresentar o "Nada Consta". 17ª - Os contratados para a execução das obras e dos serviços deverão ser avaliados sistemática e periodicamente, segundo Norma de Procedimento a ser revista e atualizada. Os resultados das avaliações deverão ser enviados ao setor de cadastro da Copasa, para as providências que se fizerem necessárias. 18ª - As obras serão licitadas com o fornecimento de material e de equipamentos a cargo do contratado de obras. As exceções serão tratadas pela Diretoria Colegiada da Copasa. 19ª - Quando a composição de custos dos serviços incorporar os materiais e equipamentos fornecidos pelo contratado, deverá ser calculado um BDI único e específico para cada empreendimento. 20ª- Se os materiais e equipamentos a serem fornecidos pelo contratado não fizerem parte da composição de custos dos serviços - planilha própria -, deverá ser aplicada uma taxa de administração, a ser fornecida pela Divisão de Estudos e Custos. GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA 19

21 C - MANUAL Com base nas diretrizes, foi formulado o modelo para gerenciamento e fiscalização de obras e serviços de engenharia, que contém: o primeiro bloco trata do planejamento, atividade atribuída à área de obras responsável pelo empreendimento. Nele são abordadas a sistemática de análise do projeto, as providências de caráter administrativo, a sistemática de planejamento da contratação, os procedimentos para contratação de material, contratação da obra, fiscalização e a preparação para início da obra; o segundo bloco trata do acompanhamento, atividade atribuída à fiscalização. Nele são abordados a sistemática de acompanhamento de campo, a medição de serviços, os procedimentos para cumprimento do cronograma de obra, a administração da obra e o seu encerramento; o terceiro bloco trata do controle, atividade atribuída ao gerente e à fiscalização de obra. Nele são tratadas a avaliação do andamento do empreendimento, a avaliação do desempenho do contratado, a gestão dos contratos e o acompanhamento dos itens críticos; o quarto bloco trata da capacitação das equipes de gerenciamento e fiscalização, atividade a ser desenvolvida em parceria com a unidade de treinamento da Copasa a partir da definição da grade curricular mais adequada aos grupos identificados e da formação de multiplicadores. Segue relação de normas e de manuais técnicos utilizados no gerenciamento e na fiscalização de obras e de serviços de engenharia. 20 GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

22 Manual de Gerenciamento de Obras e Serviços de Engenharia MANUAL DE GERENCIAMENTO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA 1 - PLANEJAMENTO 1.1- Sistemática de análise de projetos Verificação da lista de conferência ("check list") do projetista: Pretende-se que o engenheiro fiscal da obra tome ciência do conteúdo da lista de conferência ("check list") do projetista, que lhe oferecerá uma visão da situação geral dos tópicos ali relatados, possibilitando uma avaliação preliminar da complexidade burocrática/administrativa que envolve o empreendimento e das providências que deverão ser tomadas previamente para que o mesmo possa ter o seu desenvolvimento, com as suas interfaces conhecidas e solucionadas Conhecimento da solução técnica: Ao cumprir este item, a área de obras responsável pelo empreendimento, de posse do projeto técnico, terá condições de conhecer a solução técnica adotada assim como todos os componentes do empreendimento, munindo-se de informações para uma análise construtiva e dos pontos relevantes que deverão merecer especial atenção quando da visita em campo Conhecimento do local da obra: Após o conhecimento da solução técnica, a área de obras responsável pelo empreendimento deverá visitar a região onde será implantado o empreendimento, identificando os locais onde serão construídas as principais unidades, verificando: as condições construtivas das travessias aéreas e subterrâneas; a existência ou não de interferências não registradas no projeto e de como resolvê-las, observando o tipo de solo; a possível identificação da existência de rocha; o nível de água e suas cheias máximas; a existência de solo com características peculiares; a condição da qualidade e do nível de pavimentação das ruas; a demarcação e ocupação das áreas destinadas à implantação das unidades e à existência ou não dos piquetes demarcatórios; a localização dos furos de sondagem; os pontos de derivação para o suprimento de energia elétrica; o acesso (provisório e definitivo) aos locais de obra; as áreas para empréstimo e os locais para bota-fora; a necessidade de cortes de árvores, etc. De volta ao escritório, o supervisor deverá se ater novamente ao projeto, levantando possíveis dúvidas a serem esclarecidas junto ao analista / projetista Análise da solução técnica: Vencida as etapas anteriores, a área de obras responsável pelo empreendimento deverá enfocar as soluções do projeto do ponto de vista construtivo, como, por exemplo, se é factível a adoção da solução técnica projetada em face da realidade de campo, se os materiais são condizentes com sua finalidade, se existem materiais e processos construtivos alternativos, se os orçamentos GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA 21

23 (tipos de serviços, quantitativos de serviços e de materiais, os serviços específicos cujas composições não fazem parte da Listagem de Preços de Serviços e Insumos, sendo apresentados como serviços não codificados (G) estão compatíveis com o que se pretende executar) Verificação do licenciamento ambiental: Deverá ser observado, neste item, se as ações relativas ao licenciamento ambiental foram totalmente providenciadas, se estão plenamente liberadas e se existe a competente licença de instalação - LI, ou de sua dispensa, de forma que a obra não venha a ser embargada e/ou multada pelos órgãos ambientais. Também deverá ser verificada a existência de condicionantes ambientais e de ações mitigadoras a serem observadas quando da execução das obras. Se não estiver de posse da LI, a área de obras responsável pelo empreendimento deverá interagir com a área responsável para certificar-se das providências em curso e da possível previsão de sua obtenção. Os condicionantes ambientais e as ações mitigadoras que deverão ser executadas no transcurso da obra devem ter seus serviços e custos previstos no orçamento da obra. Obs.: As licenças ambientais são requisitos básicos para obter financiamentos, para a elaboração de projetos, para execução de obras e para obter recurso junto á ANA - Agência Nacional das Águas, posteriormente ao início de operação e de aferida a eficiência do sistema de tratamento implantado. Nos procedimentos de operacionalização do licenciamento adotados pelo Copam - Conselho de Política Ambiental, foram definidos quatro eventos: Licença Prévia - LP - Corresponde à fase preliminar de planejamento da atividade, com o objetivo de avaliar a concepção, localização, implantação e operação do empreendimento. É durante a análise da Licença Prévia que poderá ocorrer a audiência pública, quando o projeto e seus estudos ambientais são discutidos com as comunidades interessadas. A LP não concede nenhum direito de intervenção no meio ambiente, já que se refere a uma fase ainda conceitual. Os documentos requeridos nesta fase podem ser o RCA - Relatório de Controle Ambiental ou EIA - Estudo de Impacto Ambiental / RIMA - Relatório de Impacto Ambiental. Licença de Instalação - LI - Corresponde à fase preliminar de implantação da atividade com o objetivo de analisar o projeto executivo das obras a serem executadas e das ações de controle das intervenções sobre o meio ambiente. A LI concede o direito para o início de implantação das obras, dispondo sobre obrigações do empreendedor no que se refere aos cuidados ambientais para a execução das mesmas. O documento requerido nesta fase é o PCA - Plano de Controle Ambiental. Licença de Operação - LO - Corresponde à fase preliminar de operação da atividade com o objetivo de 22 GERENCIAMENTO TÉCNICO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Fornecer diretrizes para a elaboração e apresentação de orçamentos que compõem o Projeto Executivo. FINIÇÕES O orçamento executivo abrange a elaboração dos elementos

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO GUANHÃES MG INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO DE LOTEAMENTO URBANO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS ANEXO I TERMO DE REFERENCIA 1. ESCOPO DO SERVIÇO TÉCNICO DE SUPERVISÃO DE OBRAS Os Serviços Técnicos de Supervisão de Obras de Pavimentação e/ou Restauração são aqueles executados por empresa de consultoria

Leia mais

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005 PROJETO BÁSICO 001/2005 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE ALTO PARAÍSO 34,5/13.8 kv 10/12,5MVA 1- OBJETIVO Este projeto tem por finalidade especificar os serviços para CONTRATAÇÃO

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Carga patrimonial

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Carga patrimonial , pág.: 1/4 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para a formalização de responsabilidade para os empregados da empresa pela guarda, conservação e bom uso dos bens patrimoniais de propriedade

Leia mais

FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO. Florianópolis, março/2012. Objetivo do curso:

FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO. Florianópolis, março/2012. Objetivo do curso: FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo I Florianópolis, março/2012 1 Objetivo do curso: Desenvolver competências (conhecimentos, habilidades

Leia mais

TOMADA DE PREÇOS 01/2015 QUESTIONAMENTOS E RESPOSTAS

TOMADA DE PREÇOS 01/2015 QUESTIONAMENTOS E RESPOSTAS TOMADA DE PREÇOS 01/2015 Contratação de empresa especializada em engenharia ou arquitetura para elaboração de projetos básicos e executivos de arquitetura e complementares, destinados à construção do edifício-sede

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

Prefeitura Municipal de Aracaju Secretaria Municipal de Planejamento e Orçamento

Prefeitura Municipal de Aracaju Secretaria Municipal de Planejamento e Orçamento 1 TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de Consultor - Engenheiro Civil para compor a unidade de gerenciamento do Programa Integrado De Desenvolvimento Urbano e Inclusão Social PROCIDADES/BID CONTRATO 2258/OC-BR.

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos

Leia mais

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os "Editais devem especificar, de

PRÁTICA 1)TITULO. Seguindo este raciocínio o Acórdão 1978/2013-TCU- Plenário estabelece que os Editais devem especificar, de 1)TITULO PRÁTICA IMPLEMENTAÇÃO DE PROCESSO PARA CONTROLE DE CRONOGRAMA E ETAPA/FASE DE OBRAS DE SANEAMENTO EXPERIÊNCIA DA FUNDAÇÃO NACINAL DE SAÚDE (FUNASA) - SUPERINTENDENCIA REGIONAL DE MATO GROSSO 2)DESCRIÇÃO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA Nº 847/2008 (atualizada até a Resolução de Mesa nº 951, de 3 de novembro de 2009) Regulamenta a

Leia mais

APÊNDICE Q-1 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE SUPERVISÃO DE OBRAS

APÊNDICE Q-1 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE SUPERVISÃO DE OBRAS TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE SUPERVISÃO DE OBRAS TERMO DE REFERÊNCIA PLANO DE SUPERVISÃO DE OBRAS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO PAG. 3 2. SITUAÇÃO DO EMPREENDIMENTO PAG. 3 3. PREMISSAS PAG. 3 4. ESCOPO DOS SERVIÇOS

Leia mais

NORMA GERAL AMBIENTAL. Título: PROCEDIMENTOS E ROTINAS DE ACOMPANHAMENTO DE COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificador: NGL-5.03.01-16.

NORMA GERAL AMBIENTAL. Título: PROCEDIMENTOS E ROTINAS DE ACOMPANHAMENTO DE COMPROMISSOS AMBIENTAIS Identificador: NGL-5.03.01-16. NGL-5.3.1-16.13 1 / 21 Sumário 1. MOTIVAÇÃO... 2 2. OBJETO... 2 3. ASPECTOS LEGAIS... 2 4. MÉTODOS E RECURSOS... 9 4.1. Registros de Acompanhamento... 9 4.2. Relatórios de Andamento... 11 4.3. Recursos...

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP)

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP) TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP) EDIFÍCIO SEDE TERRACAP DITEC Diretoria Técnica e de Fiscalização

Leia mais

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014.

PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. PORTARIA FEPAM N.º 127/2014. Estabelece os critérios e as diretrizes que deverão ser considerados para execução das auditorias ambientais, no Estado do Rio Grande do Sul. O DIRETOR PRESIDENTE da FUNDAÇÃO

Leia mais

MANUAL RESUMIDO DE FISCALIZAÇÃO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS O QUE SÃO?

MANUAL RESUMIDO DE FISCALIZAÇÃO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS O QUE SÃO? MANUAL RESUMIDO DE FISCALIZAÇÃO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS O QUE SÃO? Na prestação dos serviços públicos e para o seu funcionamento é necessário que a Administração Pública adquira bens e/ou contrate serviços

Leia mais

ANEXO VII ORÇAMENTO, FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS SERVIÇOS E CRONOGRAMA DE ENTREGA

ANEXO VII ORÇAMENTO, FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS SERVIÇOS E CRONOGRAMA DE ENTREGA ANEXO VII ORÇAMENTO, FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS SERVIÇOS E CRONOGRAMA DE ENTREGA CONTROLE DE ESTUDOS, MANUAIS, RELATÓRIOS E PLANOS A SEREM ENTREGUES PELA GERENCIADORA PRODUTOS E RELATÓRIOS MACROATIVIDADE

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS TGE PROJETO BÁSICO Nº 014/07

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS TGE PROJETO BÁSICO Nº 014/07 PROJETO BÁSICO TGE/014/2007 1- OBJETIVO Especificar os serviços quanto à CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DE BAY 69 kv E INSTALAÇÃO DE 01 BANCO DE CAPACITORES DE 7,6 MVAr NA SE VILHENA I, com fornecimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO MUSEU DO CAFÉ Organização Social de Cultura CNPJ 02.634.914/0001-30 REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO MUSEU DO CAFÉ Organização Social de Cultura CNPJ 02.634.914/0001-30 REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO MUSEU DO CAFÉ Organização Social de Cultura CNPJ 02.634.914/0001-30 REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS Capítulo I INTRODUÇÃO Artigo 1º - O presente regulamento

Leia mais

ir l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Manual da Construção Legal

ir l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Manual da Construção Legal ASCOM t ru ir l e g a legal construir cons Quero l Secretaria Municipal de Planejamento e Meio Ambiente Elaboração: Lilian Márcia Neves Haddad Arquiteta Urbanista, CREA 90.776/D MG - Especialista em Planejamento

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/14 I-DOS CONCEITOS 1- Para os fins desta Instrução Normativa, considera-se: 1.1 - Fiscalização: a observação sistemática e periódica da execução do contrato; 1.2 - Contrato Administrativo: o ajuste que

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO DE OURO PRETO SEMAE-OP CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº. 01/2007 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO DE OURO PRETO SEMAE-OP CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº. 01/2007 ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS CARGO: 100 ADMINISTRADOR ANEXO I ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Reportar-se ao Diretor de Gestão, de quem recebe orientação e supervisão; Redigir documentos e ter domínio de ferramentas de informática; Efetuar

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Engenheiro Civil Paulo Roberto Vilela Dias, MSc Mestre em Engenharia Civil - uff Professor do Mestrado em Engenharia Civil da Universidade Federal Fluminense

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO

OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO FECAM Escola de Gestão Pública Municipal OBRAS PÚBLICAS: QUESTÕES PRÁTICAS DA LICITAÇÃO AO RECEBIMENTO Módulo III Chapecó, março/2012 1 3 Projeto e Orçamento 4 Fiscalização Pedro Jorge Rocha de Oliveira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO. Assessoria de Infraestrutura - INFRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO. Assessoria de Infraestrutura - INFRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Assessoria de Infraestrutura - INFRA Petrolina Junho de 2013 APRESENTAÇÃO A Assessoria de Infraestrutura INFRA é um órgão da administração superior da Univasf

Leia mais

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Análise e Aprovação dos Projetos dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS junho 2013 RDC ANVISA 51 de 06/10/2011 Dispõe sobre os requisitos mínimos para a análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos

Leia mais

Processo n 50611.000502/2009-67 ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA

Processo n 50611.000502/2009-67 ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA ANEXO II TERMOS DE REFÊRENCIA SERVIÇOS DE GESTÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA Processo n 50611.000502/2009-67 1. INTRODUÇÃO Este Termo de Referência define o escopo dos serviços a serem executados para

Leia mais

DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005

DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005 DECRETO Nº 45.992, DE 22 DE JUNHO DE 2005 Dispõe sobre o Conselho Municipal de Informática, o Sistema de Tecnologia da Informação, a aquisição e a contratação de bens e serviços de informática. JOSÉ SERRA,

Leia mais

VALEC NORMA. Assunto: NORMA INTERNA PARA CONTRATAÇÃO E EMISSÃO DE ORDEM DE SERVIÇO 1. OBJETIVO 2. AMPLITUDE 3. PROCEDIMENTOS PARA CONTRATAÇÃO

VALEC NORMA. Assunto: NORMA INTERNA PARA CONTRATAÇÃO E EMISSÃO DE ORDEM DE SERVIÇO 1. OBJETIVO 2. AMPLITUDE 3. PROCEDIMENTOS PARA CONTRATAÇÃO 1. OBJETIVO 2. AMPLITUDE 3. PROCEDIMENTOS PARA CONTRATAÇÃO 4. ACOMPANHAMENTO DE CONTRATOS 5. EMISSÃO DE ORDENS DE SERVIÇO/FORNECIMENTO 6. EMISSÃO DE TERMOS ADITIVOS CONTRATUAIS 7. ENCERRAMENTO DE CONTRATOS

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada CONSULTA PÚBLICA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES está preparando processo licitatório para contratação de serviços de consultoria técnica especializada, conforme detalhado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE.

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. 1. OBJETIVO: 1.1.

Leia mais

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs.

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs. INSTRUÇÃO TÉCNICA 11 COMUNICAÇÃO VISUAL E SINALIZAÇÃO Revisão 00 jan/2014 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADOR CLÉSIO ANDRADE Manual para Prefeituras Celebrarem Convênios já Autorizados com a Caixa Econômica Federal SENADOR CLÉSIO ANDRADE Conteúdo INTRODUÇÃO... 3 CICLO DO ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO... 4 CONTRAPARTIDA OBRIGATÓRIA...

Leia mais

PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 7

PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 7 PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 7 1. OBJETIVO Orientar a condução dos processos de Coordenação e controle de obras, executadas pela Brookfield Incorporações S/A, de forma a garantir

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO

CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO CAPTAÇÃO DE RECURSOS: FINANCIAMENTO Marco regulatório Financiamento para o setor público marco regulatório O crédito para o setor público é regulado pela Resolução BACEN nº 2.827. Há duas formas de operar

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA Portaria CVS 15, de 26 de Dezembro de 2002. Define diretrizes, critérios e procedimentos para a avaliação físico funcional de projetos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

BANCO DO BRASIL S.A.

BANCO DO BRASIL S.A. BANCO DO BRASIL S.A. MANUAL DE PREENCHIMENTO: - ORÇAMENTO - ORÇAMENTO - CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO - PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE SERVIÇOS (PLS) 2 ÍNDICE: I - INTRODUÇÃO:...4 II - FLUXO ENGENHARIA CENOP

Leia mais

Prefeitura Municipal de Aracaju Secretaria Municipal de Planejamento e Orçamento

Prefeitura Municipal de Aracaju Secretaria Municipal de Planejamento e Orçamento 1 TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de serviços de Consultor Ambiental para compor a unidade de gerenciamento do Programa Integrado De Desenvolvimento Urbano e Inclusão Social PROCIDADES/BID CONTRATO 2258/OC-BR.

Leia mais

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL A orientação padrão para a elaboração da PROPOSTA DE TARIFA REFERENCIAL DE ÁGUA (TRA) e TARIFA REFERENCIAL DE ESGOTO objetiva propiciar a Comissão:

Leia mais

Blumenau, maio de 2010.

Blumenau, maio de 2010. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELÉTRICO, TELEFÔNICO E CABEAMENTO ESTRUTURADO Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 3 4. INSTRUÇÕES GERAIS... 4 5. INSTALAÇÕES

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007)

RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Publicação: 29/08/03 RESOLUÇÃO Nº 424/2003 (Revogada pela Resolução nº 522/2007) Cria a Superintendência Administrativa do Tribunal de Justiça e estabelece seu Regulamento. A CORTE SUPERIOR DO TRIBUNAL

Leia mais

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS.

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS. SETEMBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 1-2004 A aquisição de equipamentos médico-hospitalares tem ocasionado vários problemas técnicos ou mesmo econômicos por não obedecer a determinados parâmetros.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CÍVIL - SINAPI 1 UTILIZAÇÃO DA TABELA SINAPI: VISÃO DA ÁREA EMPRESARIAL O QUE VEM OCORRENDO NO MERCADO COM APLICAÇÃO DO SISTEMA SINAPI 2 ÍNDICE

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PREFEITURA MUNICIPAL CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Cargo de Nível Médio Agente Administrativo Contribuir com o correto fluxo de atividades, informações e materiais

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PINACOTECA ARTE E CULTURA - APAC ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS E LOCAÇÕES

ASSOCIAÇÃO PINACOTECA ARTE E CULTURA - APAC ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS E LOCAÇÕES ASSOCIAÇÃO PINACOTECA ARTE E CULTURA - APAC ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS E LOCAÇÕES 2014 1 SUMÁRIO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO CAPÍTULO II DAS COMPRAS Titulo

Leia mais

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares Check-List Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Diretoria de Serviços Operacionais 1. RESUMO Relação de documentos

Leia mais

Nº 1.0.0 Nº 1.2.0 Nº 1.2.8

Nº 1.0.0 Nº 1.2.0 Nº 1.2.8 Macroprocesso Processo Subprocesso Gerência GERÊNCIA REGIONAL Nº 1.0.0 Nº 1.2.0 Nº 1.2.8 1.2.8.1 Receber e analisar solicitação Receber solicitação de demanda de expansão do sistema de Supervisor de Unidade

Leia mais

ANEXO AO COMUNICADO Nº 45 GT PETROBRAS-ABEMI-ABCE. ANEXO... - REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAÇÃO PROVISÓRIA DE CANTEIRO DE OBRAS Rev.

ANEXO AO COMUNICADO Nº 45 GT PETROBRAS-ABEMI-ABCE. ANEXO... - REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAÇÃO PROVISÓRIA DE CANTEIRO DE OBRAS Rev. ANEXO AO COMUNICADO Nº 45 GT PETR-ABEMI-ABCE ANEXO... - REQUISITOS BÁSICOS PARA Rev. 0 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 2 PREMISSAS GERAIS 2 3 CÓDIGOS, NORMAS E MANUAIS APLICÁVEIS 3 4 REQUISITOS PARA ARQUITETURA,

Leia mais

MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO

MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO MANUAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO Um projeto surge em resposta a um problema concreto. Elaborar um projeto é, antes de tudo,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 4 4. Área de Abrangência...

Leia mais

2.2 O escopo dos serviços a serem contratados inclui:

2.2 O escopo dos serviços a serem contratados inclui: ANEXO I PROJETO BÁSICO GEMAP 10/2008 1. DO OBJETO Visa o presente à contratação de empresa de engenharia e, ou, arquitetura, especializada na prestação de serviços de ambientação interna com elaboração

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024

Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 Norma Técnica Interna SABESP NTS 024 REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Elaboração de Projetos Procedimento São Paulo Maio - 1999 NTS 024 : 1999 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1 RECOMENDAÇÕES DE

Leia mais

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO Contratação de Serviços de Engenharia para Instalação de Novos Pontos de IP e Complementação da Eficientização do Sistema de Iluminação Pública de Porto Alegre ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS.

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. 01. ADVOGADO Assessorar os vereadores na elaboração de proposições complexas que exijam conhecimentos especializados de técnica legislativa, nos projetos de lei, decreto

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO

Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO Ementa: REGULAMENTA O PROGRAMA HABITACIONAL LARES GERAES - SEGURANÇA PÚBLICA NO ÂMBITO DO FUNDO ESTADUAL DE HABITAÇÃO - FEH. Fonte: PUBLICAÇÃO

Leia mais

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 002/2012, DE 06 DE NOVEMBRO DE 2012. Versão nº 01 Aprovação em: 06/11/2012 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 56/2012 Unidade Responsável: Departamento de Tecnologia da Informação

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO

MANUAL DE PREENCHIMENTO MANUAL DE PREENCHIMENTO - ORÇAMENTOS - CRONOGRAMAS - PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE SERVIÇOS - PLS - RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO EMPREENDIMENTO - RAE CRÉDITO IMOBILIÁRIO - FINANCIAMENTO À PRODUÇÃO PESSOA

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS

REGULAMENTO DE COMPRAS REGULAMENTO DE COMPRAS A SPDM /PAIS Associação Paulista Para O Desenvolvimento da Medicina, vem por meio deste dar publicidade ao Regulamento Próprio utilizado contendo os procedimentos que adotará para

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015 DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO 1 / 5 ANEXO 03 INFORMAÇÕES DOS CARGOS 1. CARGOS DE NÍVEL MÉDIO Cargo 01 Técnico em Administração Realizar atividades que envolvam a aplicação das

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 189, DE 18 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos de análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos de estabelecimentos

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS ...

ORIENTAÇÕES GERAIS ... ORIENTAÇÕES GERAIS O Projeto de viabilidade econômico-financeira será solicitado, a critério do Banco, de acordo com as características do investimento, finalidade do projeto, tipo de segmento de mercado,

Leia mais

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES

TRILHA DE CAPACITAÇÃO CONTRATOS E MEDIÇÕES Objetivo: introdução à gestão de contratos e medições, visão geral do SMO e suas principais funcionalidades. não há. TRILHA I (Básico) TRILHA II (Intermediário) TRILHA III (Avançado) Objetivo: adquirir

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA 1. INTRODUÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA REPAROS E OBRAS EMERGENCIAIS DE IMOVEIS SITUADOS NA ÁREA DE ESPECIAL INTERESSE URBANISTICO DA REGIÃO DO PORTO MARAVILHA. 1. INTRODUÇÃO A Operação

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA DIRETORIA DE TRIBUTOS MOBILIÁRIOS ISS-Londrina-DMS - PERGUNTAS E RESPOSTAS

SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA DIRETORIA DE TRIBUTOS MOBILIÁRIOS ISS-Londrina-DMS - PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE O PROGRAMA ISS-Londrina-DMS - Perguntas (Seqüencia Atual e Anterior) 001-001 - O que é o ISS-Londrina Declaração Mensal de Serviço? O ISS-Londrina-DMS é um sistema Integrado para gerenciamento do

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE FISCALIZAÇÃO

GUIA PRÁTICO DE FISCALIZAÇÃO GUIA PRÁTICO DE FISCALIZAÇÃO 1. DOS CONCEITOS: Administração: a Universidade Federal de Lavras, como órgão integrante da Administração Pública Federal; Comissão de Fiscalização: servidores designados pelo

Leia mais

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI

NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI NORMA PARA REGULAMENTAÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES DE COMPRAS DA UNIFEI Dispõe sobre as atribuições dos agentes de compras

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

e-sfinge Obras ênfase no controle interno dos municípios

e-sfinge Obras ênfase no controle interno dos municípios e-sfinge Obras ênfase no controle interno dos municípios Conteúdo Programático - Legislação; - Demonstrar às características básicas do e-sfinge Obras; - Quais dados a serem informados no sistema; - Prazos

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES IN IPHAN 01/2015 PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO CENTRO NACIONAL DE ARQUEOLOGIA

DÚVIDAS FREQUENTES IN IPHAN 01/2015 PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO CENTRO NACIONAL DE ARQUEOLOGIA DÚVIDAS FREQUENTES IN IPHAN 01/2015 PATRIMÔNIO ARQUEOLÓGICO CENTRO NACIONAL DE ARQUEOLOGIA 1º BLOCO REGRA DE TRANSIÇÃO Art. 59. Os prazos e procedimentos dispostos nesta Instrução Normativa aplicam-se

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES CONTROLE INTERNO

RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES CONTROLE INTERNO 01/06 1 DOS OBJETIVOS 1.1 Definir normas para elaboração dos contratos de aquisição de materiais, prestação de serviços gerais e prestação de serviços e obras de engenharia. 1.2 Normatizar os procedimentos

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004

DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 DIÁRIO OFICIAL EDIÇÃO Nº 030224 de 30/06/2004 GABINETE DO GOVERNADOR D E C R E T O Nº 1.093, DE 29 DE JUNHO DE 2004 Institui, no âmbito da Administração Pública Estadual, o Sistema de Registro de Preços

Leia mais

1. OBJETIVO 2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

1. OBJETIVO 2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CHAMADA INTERNA DA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA 01/2014 A Pró-Reitoria de Pesquisa da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água

Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água 1 NORMA GT/FE/ Número / versão / ano ENG/CA/049/01/08 Data de aprovação 05 /11 / 2008 Doc. de aprovação Resolução nº 4950/2008 Cadastro Técnico de Sistemas de Abastecimento de Água SUMÁRIO 1 OBJETIVO...

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993.

Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. DECRETO N.º 7.892, DE 23 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que

Leia mais

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético

Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Plano Especial de Auditoria de Obras 2002 Relatório Sintético Caracterização da obra Ano orçamento: 2002 UF: RS Nome do programa de trabalho: Construção do Edifício-Sede do TRF da 4ª Região em Porto Alegre

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior ao valor líquido contábil.

Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior ao valor líquido contábil. Avaliação e Mensuração de Bens Patrimoniais em Entidades do Setor Público 1. DEFINIÇÕES Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Espírito Santo ANEXO 1

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Espírito Santo ANEXO 1 PROJETO BÁSICO ORÇAMENTO PARA CONCLUSÃO DAS OBRAS DE CONSTRUÇÃO DA SEDE DEFINITIVA 1. OBJETO: Elaboração de planilha orçamentária estimativa e cronograma físico-financeiro para a conclusão das obras do

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS DO IDBrasil Cultura, Educação e Esporte

REGULAMENTO DE COMPRAS DO IDBrasil Cultura, Educação e Esporte REGULAMENTO DE COMPRAS DO IDBrasil Cultura, Educação e Esporte O processo para aquisição de bens, serviços e obras para o IDBrasil Cultura, Educação e Esporte, observará o disposto neste Regulamento de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE APOIO AO MUSEU CASA DE PORTINARI ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS E LOCAÇÕES

ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE APOIO AO MUSEU CASA DE PORTINARI ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS E LOCAÇÕES ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE APOIO AO MUSEU CASA DE PORTINARI ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS E LOCAÇÕES SUMÁRIO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO CAPÍTULO II DAS COMPRAS Titulo

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL T Í T U L O ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA R3 DCMD 01/09/2014 01/10/2014 CONTROLE DE REVISÃO Data Responsáveis Descrição 01/09/2014 R3 Elaboração: Eng. Alberto J.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA GESER Nº 06/07 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

TERMO DE REFERÊNCIA GESER Nº 06/07 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS TERMO DE REFERÊNCIA GESER Nº 06/07 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1- DO OBJETO Visa este Termo de Referência à contração de empresa especializada

Leia mais

Regulamento de Compras e Contratação de Serviço.

Regulamento de Compras e Contratação de Serviço. Regulamento de Compras e Contratação de Serviço. INTRODUÇÃO Art. 1º - O presente regulamento aplica-se às compras e contratação de serviços pela OSCIP Instituto Rumo Náutico, denominada a seguir IRN. Parágrafo

Leia mais