Procuradoria do Domínio Público Estadual PARECER Nº

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Procuradoria do Domínio Público Estadual PARECER Nº 13.421"

Transcrição

1 Procuradoria do Domínio Público Estadual Proc. Adm. nº /00-2 PARECER Nº ARRENDAMENTO PORTUÁRIO. Contratação fundada no Decreto-lei nº 5/66, regulamentado pelo Decreto nº /66 e alterações. Superveniência da Lei nº 8.630/93. Impossibilidade jurídica de haver a prorrogação de contrato já extinto pelo decurso do prazo. CONTRATAÇÃO DIRETA. Possibilidade. Inteligência do disposto no art. 4º, I, da Lei nº 8.630/93, combinado com o art. 14 da Lei nº 8.987/95 e com o art. 124 da Lei nº 8.666/93. Necessidade da ocorrência e demonstração dos pressupostos fáticos exigidos pelo permissivo legal. Hipótese enquadrável no art. 25, caput, da Lei nº 8.666/93, sendo inexigível a licitação em razão da inviabilidade de competição. O Senhor Secretário de Estado dos Transportes encaminha a esta Procuradoria-Geral do Estado (PGE) expediente administrativo originário da Superintendência do Porto de Rio Grande SUPRG, iniciado a partir de ofício enviado pela Petrobrás Transporte S/A TRANSPETRO, em que esta busca manifestação da Autarquia acerca do interesse e possibilidade de ser prorrogado o contrato de arrendamento dos Terminais 1 e 2, Seção da Barra, bem como, em não sendo possível a prorrogação, sobre a viabilidade de ocorrer a

2 contratação direta, por inexigibilidade de licitação, viabilizando sua permanência no porto de Rio Grande. Com o propósito de possibilitar melhor análise da matéria ventilada na consulta, solicitou-se, em 28 de janeiro de 2001, fossem complementadas as informações existentes no processo administrativo. Em vista disso, foram acostados ao expediente o contrato de arrendamento e cópia da legislação aplicável, bem como as informações à fl. 25, exaradas pelo Diretor Superintendente da Autarquia. Após algumas reuniões com o pessoal da Secretaria dos Transportes e da Superintendência do Porto de Rio Grande SUPRG, quando houve esclarecimentos sobre os fatos, sobreveio o ofício CG 138/02, datado de 8 de agosto de 2002, acompanhado de ofício e documentação remetidos pela interessada Petrobrás Transporte S/A TRANSPETRO 1. É o relatório. O exame da consulta implica o enfrentamento de duas questões básicas envolvendo a relação jurídica travada entre a Superintendência do Porto de Rio Grande SUPRG e a Petrobrás Transportes S/A TRANSPETRO. A primeira diz com a possibilidade de ocorrer a prorrogação do contrato de arrendamento portuário, adotando-se, no caso concreto, o entendimento consubstanciado nos Pareceres PGFN/CJU nº 405/2001, PGFN nº 664/98 e PGFN nº 555/98; a segunda, trilhando outro caminho e descartando a possibilidade de haver a prorrogação no caso concreto, admite a viabilidade da contratação direta da TRANSPETRO, 1 Ofício TRANSPETRO/DT/TA/RS/Rio Grande 148/2002, remetido pelo gerente da TRANSPETRO no Rio Grande do Sul, datado de 5 de agosto de 2002.

3 por inexigibilidade de licitação, consoante o Parecer elaborado pelo eminente Professor EROS ROBERTO GRAU 2. Feitas essas considerações introdutórias, e que resumem o objeto da presente consulta, passa-se ao exame das sobreditas questões básicas e fundamentais, sem prejuízo da análise de questões acessórias ou secundárias, que será efetuada, quando pertinente, ao longo de cada tópico. PRORROGAÇÃO DO CONTRATO Sem infirmar a orientação traçada nos referidos Pareceres da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, podese afirmar que é juridicamente inviável a prorrogação do contrato de arrendamento portuário celebrado entre a Autarquia estadual, criada pela Lei Estadual nº , de 18 de janeiro de 1996, e a arrendatária TRANSPETRO. Trata-se do Contrato nº 1540/89, firmado em 16 de outubro de 1990, cujo objeto é o arrendamento do Terminal nº 1, localizado na 2ª Seção da Barra, dentro da área do porto organizado, pelo prazo de 5 (cinco) anos, 9 (nove) meses e 11 (onze) dias, contados a partir de 1º de novembro de O contrato de arrendamento foi aditado em duas ocasiões: a primeiro aditivo, firmado em 15 de outubro de 1991, limitou-se ao reajustamento de tarifas e preços; o segundo, formalizado em 15 de maio de 1995, mas retroativo a 14 de agosto de 1994, prorrogou o prazo do contrato de arrendamento para 31 de outubro de O referido parecer, datado de 25 de outubro de 2000, examina especificamente o caso sub examine e encontra-se às fls do processo administrativo.

4 A partir do termo final do prazo, fixado pelo segundo termo aditivo, o contrato de arrendamento restou extinto. A extinção do vínculo jurídico, pelo término do prazo, é conseqüência jurídica normal, natural do contrato. A vigência por prazo indeterminado não pode ser admitida no caso concreto, em face das alterações na legislação específica introduzidas pela Lei nº 8.630, de 25 de fevereiro de 1993, pela Lei nº 8.987, de 13 de fevereiro de 1995, e, em especial, pelo Decreto nº 1.912, de 21 de maio de 1996, que assim dispôs sobre os contratos de arrendamento firmados antes da vigência da Lei nº 8.630/93, verbis: Art. 3º. Os contratos de arrendamento de instalações portuárias de uso público firmados antes da vigência da Lei nº 8.630, de 1993, permanecerão válidos pelo prazo de 24 meses, contados da data da publicação deste Decreto, de conformidade com o disposto no 2º do art. 42 da Lei nº 8.987, de 13 de fevereiro de (...) 2º - Se, no prazo previsto neste artigo, não tiver sido possível a realização de licitação, o Ministério dos Transportes ou a administração do porto poderá prorrogá-lo por período não superior a três anos. 3º - A vigência do alfandegamento das instalações portuárias de que trata deste artigo corresponderá à do respectivo contrato. A conclusão, portanto, vai no sentido de ser juridicamente impossível prorrogar contrato extinto. Os sobreditos Pareceres da PGFN, que admitem a prorrogação de

5 contratos firmados sob a égide do Decreto-lei nº 5, de 4 de abril de 1966, regulamentado pelo Decreto nº , de 21 de dezembro de , enfatizam a necessidade de existir contrato de arrendamento em vigor. Além de ser verdadeiro imperativo lógico, não é demais referir que essa circunstância configura-se como exigência da Portaria nº 1.743/ Note-se que o contrato de arrendamento já se encontrava extinto, pelo decurso do prazo, em 2 de janeiro de 2001, quando foi remetido à Superintendência do Porto de Rio Grande SUPRG o ofício DTSUL/GERIG-001/2001. O prazo do contrato expirou em 31 de outubro de Como não existe no expediente qualquer informação acerca de pedido anterior, formulado durante a vigência do contrato, ou mesmo de qualquer outro fato que implicasse a suspensão da relação contratual (Lei nº 8.666/93, art. 79, 5º), deixa-se de aplicar ao caso concreto a orientação traçada nos Pareceres nºs e 11568, desta Procuradoria-Geral do Estado. De outra parte, não se pode esquecer que os referidos pareceres da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, ao admitirem a prorrogação de arrendamento portuário, destacam a necessidade de haver contrato em vigor, nos termos da Portaria nº 1.743/ O regulamento foi parcialmente alterado pelo Decreto nº , de 13 de setembro de 1989, que fixou em 20 (vinte) anos o prazo máximo de duração do arrendamento portuário. 4 Sobre a natureza jurídica dos contratos de arrendamento portuário, destacam-se: MARTINS, Ives Gandra da Silva, Legalidade de renovação contratual prevista em concessão anterior à Lei nº 8.987/95 Inteligência do art. 42 do referido diploma Outros aspectos, parecer publicado em BLC, agosto/2002, pp ; FERRAZ JUNIOR, Tércio Sampaio, Porto Arrendamento Cessão e prorrogação de contrato, parecer publicado em RTDP nº 26, pp ; BORGES, Alice Gonzales, Arrendamento de áreas portuárias Contrato Prorrogação Licitação Obrigatoriedade, parecer publicado em BDA, novembro/2001, pp

6 INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO A exigência de licitação prévia para a contratação de arrendamento de terminais ou instalações portuárias localizados na área do porto organizado consta do art. 4º, I, da Lei nº 8.630, de 25 de fevereiro de O dispositivo legal invocado tem esta redação, in litteris: Art. 4º. Fica assegurado ao interessado o direito de construir, reformar, ampliar, melhorar, arrendar e explorar instalação portuária, dependendo: I de contrato de arrendamento, celebrado com a União, no caso de exploração direta, ou com sua concessionária, sempre através de licitação, quando localizada dentro dos limites da área do porto organizado; Observadas as exigências da Lei nº 8.630/93, em especial o disposto no seu art. 4º, a licitação para a contratação dos arrendamentos será realizada de acordo com a Lei nº 8.666/93. Ainda que se cogite da aplicação subsidiária da Lei nº 8.987/95, em virtude da similitude do arrendamento de terminal de uso público com a concessão ou permissão de serviços públicos 5, é importante considerar que a Lei de Licitações e Contratos Administrativos tem aplicação supletiva e subsidiária em relação a delegações de serviços 5 Bastando, para isso, que se examine o disposto no art. 4º, 4º e 6º, da Lei nº 8.630/93, conforme enfatizado em anteriores pareceres desta Procuradoria-Geral do Estado, v.g: Parecer nº 13051, Bruno de Castro Winkler; Informação nº 004/00 PDPE, Bruno de Castro Winkler..

7 públicos, consoante a norma do art. 124 da Lei nº 8.666/93 6 e a norma do art. 14 da Lei nº 8.987/95. Em face disso é inarredável a conclusão de que as hipóteses de contratação direta previstas no art. 25, da Lei de Licitações e Contratos Administrativos, são aplicáveis aos 7 arrendamentos de terminais ou instalações portuárias. Sendo aplicável, em tese, a norma do art. 25, da Lei nº 8.666/93, ao caso concreto, há que se reconhecer a inteira pertinência e correção dos argumentos constantes do magnífico parecer elaborado pelo notável Professor Titular da Faculdade de Direito da USP (fls. 3-20), cujos pressupostos fáticos restaram de certa forma melhor esclarecidos e/ou confirmados pelos novos documentos juntados ao expediente. A hipótese em que se enquadra o caso concreto é o da inviabilidade de competição, haja vista a necessidade do serviço ou atividade prestados naquele terminal portuário e a inexistência de outros capazes de prestá-lo. Além do serviço de abastecimento de combustíveis aos usuários e arrendatários do porto organizado, a arrendatária atua como representante da União no monopólio da atividade econômica 6 Em sede doutrinária é praticamente pacífico esse entendimento, podendo-se citar, apenas com o intuito de exemplificar: DI PITERO, Maria Sylvia, Temas polêmicos sobre licitações e contratos, Malheiros, São Paulo, 5ª edição, 2001, pp ; JUSTEN FILHO, Marçal, Comentários à Lei de licitações e Contratos administrativos, Dialética, São Paulo, 8ª edição, 2001, pp e ; BANDEIRA DE MELLO, Celso Antônio, Curso de Direito Administrativo, Malheiros, São Paulo, 14ª edição, 2002, pp A possibilidade de aplicarem-se as normas do art. 25, da Lei de Licitações e Contratos Administrativos, tem sido reconhecida pelos Tribunais Superiores, consoante precedentes do Superior Tribunal de Justiça, v.g: RMS nº TO, 2ª Turma, Rel. Min. Américo Luz, julgado em 5 de maio de 1993 e publicado no DJ de 7 de junho de 1993; REsp nº RS, 1ª Turma, Rel. Min. Garcia Vieira, publicado no DJ de 2 de agosto de 1999;

8 de transporte, importação e exportação de petróleo. Esses serviços e atividades, consoante consta do documento agora juntado ao expediente, têm grande importância porque a movimentação a partir do TERIG influencia toda a área sul do Estado do Rio Grande do Sul. Segundo as informações prestadas pela TRANSPETRO: No TERIG são movimentados produtos que se destinam aos municípios limites de Uruguaiana no sentido oeste e Camaquã no sentido norte. Isto tem uma influência extremamente importante na economia da região sul do Estado (...). Esta movimentação gera mais de meio milhão de reais anuais em impostos municipais. Em impostos estaduais são mais de quatrocentos milhões gerados anualmente. (...). São movimentados por mês no TERIG: a) mais de mil caminhões; mais de sessenta navios; c) trezentos vagões. Além disso operamos os dutos que escoam e suprem as principais indústrias da região. Em suma, esclarece a vital importância do terminal para a economia do Estado e para a política energética da União, cujo braço executivo na área do petróleo é a PETROBRAS, revelando não só o interesse público na continuidade ou restabelecimento da relação contratual, mas a razoabilidade da afirmação sobre a ausência de concorrentes com condições de satisfazer otimamente o interesse público específico. Todos os elementos informativos constantes do processo administrativo, notadamente no parecer do Professor EROS ROBERTO GRAU e nos documentos que foram recentemente juntados ao expediente, revelam a existência dos pressupostos fáticos que viabilizam a contratação direta do arrendamento. Com efeito, trata-se de caso de licitação inexigível ou de inviabilidade de competição, nos termos do art. 25, caput, da Lei nº 8.666/93. O interesse público no restabelecimento da relação contratual está evidentemente

9 conectado com o interesse público na continuidade da relação contratual do terminal petroleiro, na política energética da União e do próprio Estado, no desenvolvimento da economia estadual, sem olvidar das drásticas conseqüências que poderiam derivar da paralisação ou da solução de continuidade dos serviços e atividades desempenhados pelo TERIG. Os fundamentos jurídicos do enquadramento no permissivo legal estão suficientemente explicitados no parecer do mencionado publicista (fls. 3-20). O exame da questão da contratação direta, por inexigibilidade de licitação, da Petrobrás Transporte S/A TRANSPETRO para o arrendamento do referido terminal portuário situado no porto de Rio Grande não prescinde de uma análise das normas constitucionais que tratam da repartição de competências entre os entes federados. Com relação aos portos ou serviços portuários existe o preceptivo do art. 21, XII, alínea f, da CF/88, cuja redação é a seguinte: Art. 21. Compete à União: (...) XII explorar, diretamente ou mediante autorização, concessão ou permissão: (...) f) os portos marítimos, fluviais e lacustres;

10 Trata-se, evidentemente, de competência material que a Constituição Federal atribui com exclusividade à União. Por essa razão, diz-se que a União detém a titularidade desse serviço. O que a norma acima transcrita permite é que a execução do serviço seja delegado a terceiros, mediante autorização, concessão ou permissão. Ainda com relação aos serviços portuários, a Constituição Federal atribui competência privativa à União para legislar sobre a matéria: Art. 22. Compete privativamente à união legislar sobre: (...) X regime dos portos, navegação lacustre, fluvial, marítima, aérea e aeroespacial; Vê-se que se concentram na União as competências legislativas e materiais atinentes a portos marítimos, fluviais e lacustres 8. O regime dos portos foi regulado pela Lei 8.630/93, cujo exame foi anteriormente efetuado. 8 A competência da União em relação a portos foi várias vezes reconhecida por esta Procuradoria-Geral do Estado, conforme evidenciam o Parecer nº 9719, Maria Regina Massa Cysneiros; Parecer nº 11267, Lisete Maria Skrebski; Parecer nº 12075, Maria Regina Massa Cysneiros, e Parecer nº 12518, Ricardo Antônio Lucas Camargo.

11 No que concerne ao petróleo, como recurso mineral e energético estratégico, a Constituição Federal contém diversas normas. O art. 20, V e IX, da CF/88 atribui o seu domínio à União, nos seguintes termos: São bens da União: (...) V os recursos naturais da plataforma continental e da zona econômica exclusiva; (...) IX os recursos minerais, inclusive do subsolo. A competência legislativa privativa e a competência material da União sobre a matéria constam do art. 22, IV, XII, e de diversas normas do art. 177, todos da Constituição Federal. As atividades relacionadas ao petróleo descritas no art. 177, incisos I a V, constituem monopólio da União. A lei a que se refere o 1º, do art. 177, é a Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997, conhecida como Lei do Petróleo, cuja análise, que se fará a breve trecho, é necessária para a solução do caso concreto. O exame das normas constitucionais evidencia a existência de uma superposição de serviços ou atividades de titularidade da União no terminal portuário situado no porto de Rio Grande. A União tem a titularidade do serviço portuário, cujo exercício foi delegado à autarquia estadual Superintendência do Porto de Rio Grande - SUPRG, mediante contrato de concessão; os terminais petrolíferos existentes no porto terminais 1 e 2, da Seção da Barra além de serem propriedade da União, estão afetados a serviços ou atividades relacionados ao monopólio do petróleo, consoante previsão do art. 177, III e IV, da Constituição Federal. A mencionada Lei nº 9.478/97, que disciplina o monopólio da União em relação ao petróleo, em seu artigo 1º,

12 enuncia os princípios e objetivos da Política Energética Nacional, podendo ser destacados os seguintes: Art. 1º. As políticas nacionais para o aproveitamento das fontes de energia visarão aos seguintes objetivos: I preservar o interesse nacional; II promover o desenvolvimento, ampliar o mercado de trabalho e valorizar os recursos energéticos; (...) V garantir o fornecimento de derivados do petróleo em todo o território nacional, nos termos do 2º do art da Constituição Federal; O art. 4º da Lei nº 9.478/97, repete o que dispõem os incisos I a IV do art. 177 da Constituição Federal, sublinhando que as atividades constituem monopólio da União. O artigo seguinte, de especial importância para o tema sub examine, dispõe nos seguintes termos, in verbis: Art. 5º. As atividades econômicas de que trata o artigo anterior serão reguladas e fiscalizadas pela União e poderão ser exercidas, mediante concessão ou autorização, por empresas constituídas sob as leis brasileiras, com sede e administração no País. Grifei. 9 Os princípios foram desenvolvidos e ampliados pelo Decreto nº 2.457, de 14 de janeiro de 1998, que dispõe sobre a estrutura e funcionamento do Conselho Nacional de Política Energética, posteriormente alterado pelo Decreto nº 3.520, de 21 de junho de 2000.

13 De acordo com a Lei do Petróleo, o monopólio da União será regulado, administrado e fiscalizado pela Agência Nacional do Petróleo ANP, entidade integrante da Administração federal indireta, submetida a regime autárquico especial (art. 7º). A lei federal dispõe sobre as competências da ANP: Art. 8º. A ANP terá como finalidade promover a regulação, a contratação e a fiscalização das atividades econômicas integrantes da indústria do petróleo, cabendo-lhe: I implementar, em sua esfera de atribuições, a política nacional do petróleo e do gás natural, contida na política energética nacional, nos termos do Capítulo I desta Lei 10, com ênfase na garantia do suprimento de derivados de petróleo em todo o território nacional e na proteção dos interesses dos consumidores quanto a preço, qualidade e oferta de produtos; (...) IV elaborar os editais e promover as licitações para a concessão de exploração, celebrando os contratos delas decorrentes e fiscalizando a sua execução; V autorizar a prática das atividades de refinação, processamento, transporte, importação e exportação, na forma estabelecida nesta Lei e sua regulamentação; (...) A Lei do Petróleo, em seu art. 2º, constituiu um órgão, o Conselho Nacional de Política Energética CNPE, vinculado à Presidência da República, tendo como atribuições a formulação de estudos e propostas para a definição da Política Energética Nacional. 11 De acordo com o art. 21 da Lei nº 9.478/97, foi delegada ou outorgada à ANP a administração de todos os direitos de exploração e produção do petróleo e gás natural em território nacional pertencentes ou titulados pela União.

14 A Lei do Petróleo, em seu Capítulo VII, disciplina as atividades de Transporte de Petróleo, seus Derivados e Gás Natural, sendo importante o exame do disposto nos arts. 56, 57 e 58, in litteris: Art. 56. Observadas as disposições das leis pertinentes, qualquer empresa ou consórcio de empresas que atender ao disposto no art. 5º poderá receber autorização da ANP para construir instalações e efetuar qualquer modalidade de transporte de petróleo, seus derivados e gás natural, seja para suprimento interno ou para importação e exportação. Parágrafo único. A ANP baixará normas sobre a habilitação dos interessados e as condições para a autorização e para a transferência de sua titularidade, observado o atendimento aos requisitos de proteção ambiental e segurança de tráfego. Art. 57. No prazo de cento e oitenta dias, a partir da publicação desta Lei, a PETROBRÁS e as demais proprietárias de equipamentos e instalações de transporte marítimo e dutoviário receberão da ANP as respectivas autorizações, ratificando sua titularidade e seus direitos. (...) Art. 58. Facultar-se-á a qualquer interessado o uso dos dutos de transporte e dos terminais marítimos existentes ou a serem construídos, mediante remuneração adequada ao titular das instalações. (...).

15 Com relação ao papel que cabe à PETROBRÁS na Política Energética Nacional e no novo disciplinamento legal do monopólio do petróleo, convém sejam transcritas as normas dos arts. 61 e 65 da Lei nº 9.478/97, verbis: Art. 61. A Petróleo Brasileiro S.A PETROBRÁS é uma sociedade de economia mista vinculada ao Ministério de Minas e Energia, que tem como objeto a pesquisa, a lavra, a refinação, o processamento, o comércio e o transporte de petróleo proveniente de poço, de xisto ou de outras rochas, de seus derivados, de gás natural e de outros hidrocarbonetos fluidos, bem como quaisquer outras atividades correlatas ou afins, conforme definidas em lei. 1º. As atividades econômicas referidas neste artigo serão desenvolvidas pela PETROBRÁS em caráter de livre competição com outras empresas, em função das condições de mercado, observados os períodos de transição previsto no Capítulo X e os demais princípios e diretrizes desta Lei. (...). Art. 65. A PETROBRÁS deverá constituir uma subsidiária com atribuições específicas de operar e construir seus dutos, terminais marítimos e embarcações para transporte de petróleo, seus derivados e gás natural, ficando facultado a essa subsidiária associar-se, majoritária ou minoritariamente, a outras empresas. O exame desses dispositivos legais revela como se deu a chamada flexibilização do monopólio da Petrobrás, posto que a atividade econômica continua a ser monopólio da

16 União. Parte das atribuições ou competências que pertenciam à Petrobrás, de acordo com a legislação anterior (Lei nº 2.004/53), que a considerava como o órgão central da execução da Política Energética Nacional, foram transferidas ou outorgadas à Agência Nacional do Petróleo ANP. Todavia, a companhia mista federal continua a exercer importante e destacado papel nas atividades que constituem o monopólio da União em relação ao petróleo. Diferentemente do que ocorreu em outros setores cuja titularidade pertence à União (telecomunicações, energia elétrica etc), não houve e, enquanto mantida a legislação vigente, não poderá ocorrer a privatização da Petrobrás. Essa possibilidade jurídica foi expressamente afastada pelo art. 2º, 2º, Lei nº 9.491/97, que instituiu o Programa Nacional de Desestatização, que exige a manutenção do controle acionário da Companhia pela União, bem como em razão da norma do art. 62, da Lei do Petróleo, que dispõe nestes termos, verbis: Art. 62. A União manterá o controle acionário da PETROBRÁS com a propriedade e posse de, no mínimo, cinqüenta por cento das ações, mais uma ação, do capital votante. Por força das normas acima transcritas, ficou determinado que a PETROBRÁS, para a execução da sua missão, receberia todos os serviços, atividades e bens que lhe eram destinados no regime anterior. A inserção de novas empresas no setor do petróleo ocorrerá do seguinte modo: concessões de blocos para a exploração, extração e produção do petróleo; autorização para a construção de novas instalações de transporte, armazenagem, importação e

17 exportação de petróleo 12 ; associação com a Petrobrás e suas subsidiárias na construção e exploração de novas instalações etc. Essa flexibilização do monopólio da Petrobrás, em um primeiro momento e diferentemente do que ocorreu nos setores de energia elétrica e telecomunicações, dar-se-á em novos empreendimentos, visando muito mais à ampliação e ao desenvolvimento do setor. Não foram, por enquanto e na parte em que interessa ao caso concreto, delegados ou autorizados, a outras empresas ou consórcios, serviços, atividades e instalações que já eram desempenhados, desenvolvidos, operados ou explorados pela Petrobrás 13. Regulando o disposto nos artigos 8º, V, e 57 da Lei nº 9.478/97, a Agência Nacional do Petróleo ANP editou a Autorização ANP nº 004/98, de 4 de fevereiro de 1998, cujos itens I e II estão assim redigidos: CONSIDERANDO que a empresa PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. PETROBRAS submeteu à apreciação do Senhor Ministro de Minas e Energia, nos termos do 3º do art. 77 da Lei nº 9.478, de , a relação dos bens, equipamentos e instalações de transporte marítimo e dutoviário de sua propriedade, conforme documentos constantes do processo em referência, bem como atendeu a todas as demais exigências para tanto formuladas pela ANP, resolve: 12 Conforme o art. 56, da Lei do Petróleo, e nos termos da Portaria nº 170, de 26 de novembro de 1998, da Agência Nacional do Petróleo ANP. 13 Para o conhecimento do atual cenário do petróleo e de como evoluiu a questão energética nas últimas décadas, consultem-se: CAMARGO, Ricardo Antônio Lucas, O Capital na Ordem Jurídico-Econômica Brasileira, Sérgio Fabris, Porto Alegre, 1998, pp ; SOUTO, Marcos Juruena Villela, Desestatização, Privatização, Concessões e Terceirizações, Lumen Juris, Rio de Janeiro, 3ª edição, 2000, pp e

18 I ratificar a titularidade e os direitos da PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. PETROBRÁS referentes às instalações de transporte marítimo e dutoviário atualmente em operação, discriminadas no Anexo, que integra a presente autorização; II autorizar a PETROBRAS a continuar operando as instalações referidas no item anterior, de acordo com os regimes operativos atualmente previstos, respeitados os padrões ambientais e de segurança em vigor; (...). O Terminal de Rio Grande constou do item II.4 do Anexo da Autorização ANP nº 004/98. Após a criação da subsidiária da Petrobrás mencionada no art. 65 da Lei do Petróleo, foi editada a Autorização ANP nº 170, de 28 de setembro de 2001, nos seguintes termos, in litteris: O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO ANP, no uso de suas atribuições legais, com base na Portaria ANP nº 170, de 26 de novembro de 1998, tendo em vista o constante do Processo ANP nº / , considerando que: - a Petróleo Brasileiro S.A. PETROBRAS criou a Petrobras Transporte S.A. TRANSPETRO, para construir e operar seus dutos, terminais marítimos e embarcações utilizados no transporte de petróleo, seus derivados e gás natural, em conformidade com o art. 65 da Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997;

19 (...) - foram firmados entre a PETROBRAS e a TRANSPETRO, Contratos de Arrendamento, constantes do processo referenciado, das instalações de transporte da PETROBRAS, concedendo autonomia à TRANSPETRO para a operação das mesmas; (...) e consoante a Resolução de Diretoria nº 294, de 2 de maio de 2001, torna público o seguinte ato: Art. 1º. Fica a empresa Petrobras Transporte S/A TRANSPETRO autorizada a operar as instalações de transporte e transferência constantes do Anexo I desta Autorização. Art. 2º. Ficam revogadas as Autorizações concedidas anteriormente pela ANP em favor da Petróleo Brasileiro S/A PETROBRAS, relativas à operação das instalações citadas nos Anexos I e II desta Autorização. Art. 3º. Esta Autorização entra em vigor na data de sua publicação. O Terminal de Rio Grande consta do Anexo I (fls ) da Autorização ANP nº 170/2001, o que evidencia ser inviável a licitação para o arrendamento do terminal. A autorização para a TRANSPETRO operar o terminal situado no porto de Rio Grande afasta a possibilidade de concorrência para o arrendamento da área. Ademais, em face do que dispõem o arts. 20, V e IX, 21, XII, f, 22, X, e 177, I a V, da Constituição Federal, além dos arts. 5º, 8º, V, 57 e 65, da Lei

20 nº 9.478, de 6 de agosto de 1997, a Superintendência do Porto de Rio Grande SUPRG carece de competência para licitar bens, serviços e atividades pertencentes à União e vinculados ou afetados ao monopólio do petróleo 14. Devem ser tecidas algumas considerações sobre a Autorização ANP nº 170/2001, especialmente com o escopo de esclarecer sua natureza jurídica. Não obstante o nomen juris, as autorizações de que tratam os arts. 5º e 8º, V, e 56, da Lei nº 9.478/97, nada têm de precárias. A precariedade é incompatível com a indispensável segurança jurídica para os altos investimentos exigidos para a atuação nesse setor econômico. A doutrina especializada tem enfatizado que o termo autorização deriva do instituto congênere do direito anglo-saxão, embora utilizado em todo o mundo, denominado license. Este instituto jurídico, caracterizado como contrato econômico, inclui-se entre os chamados Contratos de 15 Estado, celebrados entre Governos e particulares. CELSO ANTÔNIO BANDEIRA DE MELLO ensina que as atividades monopolizadas arroladas no art. 177, da Constituição Federal, não se confundem com serviços públicos, devendo ser 14 Sobre o regime jurídico das concessões e autorizações relacionadas ao monopólio estatal do petróleo consultem-se, dentre outros: ARAGÃO, Alexandre Santos de, As concessões e autorizações petrolíferas e o poder normativo da ANP, artigo publicado na RDA, abril/junho de 2002, pp ; MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo, Curso de Direito Administrativo, Forense, Rio de Janeiro, 12ª edição, 2001, pp ; SILVA, José Afonso, Curso de Direito Constitucional Positivo, Malheiros, São Paulo, 20ª edição, 2002, pp ; 15 SOUTO, Marcos Juruena Villela, Desestatização, Privatização, Concessões e Terceirizações, Lumen Juris, Rio de Janeiro, 3ª edição, 2000, p. 127; ARAGÃO, Alexandre Santos de, As concessões e autorizações petrolíferas e o poder normativo da ANP, artigo publicado na RDA, abril/junho de 2002, pp ; TÁCITO, Caio, Permissão de Refino de Petróleo, in Temas de Direito Público, Renovar, Rio de janeiro, 1997, pp ; AZEVEDO NETO, Floriano Marques, Direito das Telecomunicações e ANATEL, in Direito Administrativo Econômico, Malheiros, São Paulo, 2000, p. 313.

Procuradoria do Domínio Público Estadual PARECER Nº 13.553

Procuradoria do Domínio Público Estadual PARECER Nº 13.553 Procuradoria do Domínio Público Estadual Proc. Adm. nº 1199-1204/01-3 PARECER Nº 13.553 LICITAÇÃO. Contratação direta motivada na singularidade do serviço e na inviabilidade de competição. Hipótese de

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Aquaviários PRÁTICAS REGULADORAS NOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS

Agência Nacional de Transportes Aquaviários PRÁTICAS REGULADORAS NOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS Agência Nacional de Transportes Aquaviários PRÁTICAS REGULADORAS NOS TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS ESPEDITO SALES e CLELIA MAROUELLI Especialista em Regulação A AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS Criada

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 001, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1999 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto

Leia mais

INFORMAÇÃO Nº 129/09/PDPE

INFORMAÇÃO Nº 129/09/PDPE INFORMAÇÃO Nº 129/09/PDPE CONCORRÊNCIA. EDITAL. EXAME PRÉVIO. Minuta de edital da CRM elaborada de acordo com anteriores recomendações desta Procuradoria-Geral do Estado. Necessidade de haver indicação

Leia mais

SEMINÁRIO RENOVAÇÃO DE CONCESSÕES DO SETOR PÚBLICO DE ENERGIA ELÉTRICA. Porto Alegre 05/10/2009 Luiz Carlos Guimarães ABRADEE

SEMINÁRIO RENOVAÇÃO DE CONCESSÕES DO SETOR PÚBLICO DE ENERGIA ELÉTRICA. Porto Alegre 05/10/2009 Luiz Carlos Guimarães ABRADEE SEMINÁRIO RENOVAÇÃO DE CONCESSÕES DO SETOR PÚBLICO DE ENERGIA ELÉTRICA Porto Alegre 05/10/2009 Luiz Carlos Guimarães ABRADEE Concessões de Distribuição QUANTO AO PRAZO CONTRATUAL AS CONCESSÕES DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER N.º 14.239

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER N.º 14.239 PARECER N.º 14.239 CONTRATO DE LOCAÇÃO EM QUE A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA É LOCATÁRIA. PRORROGAÇÃO. DURAÇÃO DO CONTRATO. REVISÃO DO PARECER 10.391. O presente expediente, proveniente da Secretaria da Justiça

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS E CONSTITUCIONAIS ACERCA DAS CONCESSÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A VENCER EM 2015

ASPECTOS LEGAIS E CONSTITUCIONAIS ACERCA DAS CONCESSÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A VENCER EM 2015 ESTUDO ASPECTOS LEGAIS E CONSTITUCIONAIS ACERCA DAS CONCESSÕES DE ENERGIA ELÉTRICA A VENCER EM 2015 Wagner Marques Tavares Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos ESTUDO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS PORTARIA ANP Nº 251, DE 7.11.2000 - DOU 8.11.2000 - REPUBLICADA DOU 4.2.2002 E 7.2.2002 Estabelece critérios para o livre acesso, por terceiros

Leia mais

Procuradoria do Domínio Público Estadual. PARECER nº 12998

Procuradoria do Domínio Público Estadual. PARECER nº 12998 Procuradoria do Domínio Público Estadual Proc. Adm. nº 258-2287/00-2 PARECER nº 12998 LICITAÇÃO. Contratação direta de serviços de consultoria e assessoria para o desenvolvimento ou aprimoramento de plano

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER 15.135 CASA MILITAR. DEFESA CIVIL. CONTRATAÇÃO DIRETA. DISPENSA DE LICITAÇÃO. SITUAÇÃO EMERGENCIAL. É juridicamente viável a contratação direta da prestação de serviços de transporte aéreo locação

Leia mais

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas.

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. O Povo de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte

Leia mais

PARECER Nº 13238. São formulados objetivamente os seguintes questionamentos: Relatei.

PARECER Nº 13238. São formulados objetivamente os seguintes questionamentos: Relatei. PARECER Nº 13238 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL. CONTRATAÇÃO EMERGENCIAL PELO REGIME DA CLT. ARTIGO 37, IX, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 C/C ARTIGO 443 DA CLT. Vem a esta Procuradoria-Geral

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO. Anexa a minuta do contrato (fls. 6/52).

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO. Anexa a minuta do contrato (fls. 6/52). Procuradoria do Domínio Público Estadual Proc. Adm. nº 21-1791/00-8 SULGÁS. Companhia de Economia Mista. Contrato de transporte de gás. Recursos advindos da própria Companhia. Cláusulas de compromisso

Leia mais

PARECER Nº 002/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS: MUNICÍPIOS BRASILEIROS ASSUNTO: LICITAÇÃO DE GESTÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO E ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA

PARECER Nº 002/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS: MUNICÍPIOS BRASILEIROS ASSUNTO: LICITAÇÃO DE GESTÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO E ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA PARECER Nº 002/2009/JURÍDICO/CNM INTERESSADOS: MUNICÍPIOS BRASILEIROS ASSUNTO: LICITAÇÃO DE GESTÃO DE FOLHA DE PAGAMENTO E ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA DA CONSULTA: Trata-se de consulta formulada por diversos

Leia mais

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo

Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo Terminais Alfandegados à Luz do Direito Administrativo LEONARDO COSTA SCHÜLER Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ABRIL/2013 Leonardo Costa Schüler 2 SUMÁRIO O presente trabalho aborda

Leia mais

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação Gustavo Justino de Oliveira* Considerações iniciais acerca do convênio Nos termos do artigo 1.º, 1.º, inciso I, do Decreto 6.170/2007, considera- -se

Leia mais

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos 20/04/2005 TRIBUNAL PLENO MANDADO DE SEGURANÇA 25.295-2 DISTRITO FEDERAL V O T O O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Ninguém ignora, Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos termos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI COMPLEMENTAR Nº 97, DE 9 DE JUNHO DE 1999 Dispõe sobre as normas gerais para a organização, o preparo e o emprego das Forças Armadas.

Leia mais

Prof. Rafael Oliveira. www.professorrafaeloliveira.com.br SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA CONCURSOS PÚBLICOS CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO

Prof. Rafael Oliveira. www.professorrafaeloliveira.com.br SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA CONCURSOS PÚBLICOS CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS PARA CONCURSOS PÚBLICOS CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO PROF. RAFAEL OLIVEIRA 1) BIBLIOGRAFIA BÁSICA: OLIVEIRA, Rafael Carvalho Rezende. Curso de Direito Administrativo, 3ª ed.,

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

PARECER Nº 13046. Este o relatório.

PARECER Nº 13046. Este o relatório. PARECER Nº 13046 MANDATO SINDICAL. COMPANHIA RIOGRANDENSE DE MINERAÇÃO CRM. LIBERAÇÃO DE DIRIGENTE SINDICAL. ARTIGO 27, I E II, CONSTITUIÇÃO ESTADUAL. LEI Nº 9.073/90. O Diretor Presidente da Companhia

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2006. (Do Sr. Luciano Zica)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2006. (Do Sr. Luciano Zica) PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Luciano Zica) Altera a Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997, que "dispõe sobre a política energética nacional, as atividades relativas ao monopólio do petróleo, institui

Leia mais

Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS

Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS Novas formas de prestação do serviço público: Gestão Associada Convênios e Consórcios Regime de parceria- OS e OSCIPS Material de apoio para estudo: slides trabalhados em sala de aula com acréscimo de

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE FAIXA DE DOMÍNIO POR CONCESSÕES DISTINTAS E O INTERESSE PÚBLICO

A EXPLORAÇÃO DE FAIXA DE DOMÍNIO POR CONCESSÕES DISTINTAS E O INTERESSE PÚBLICO A EPLORAÇÃO DE FAIA DE DOMÍNIO POR CONCESSÕES DISTINTAS E O INTERESSE PÚBLICO Luiz Antonio Sanches Diretor Adjunto da ABCE II Simpósio Jurídico-Tributário da ABCE 13 de novembro de 2006 Problema: Com amparo

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011 Disciplina: Direito Administrativo I Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Prof. José Pedro Zaccariotto Carga Horária Anual: 100 horas/aula Tipo:

Leia mais

Direito Administrativo

Direito Administrativo Olá, pessoal! Trago hoje uma pequena aula sobre a prestação de serviços públicos, abordando diversos aspectos que podem ser cobrados sobre o assunto. Espero que gostem. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS O

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Administrativo II

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Administrativo II COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria nº 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: Direito Administrativo II Código: DIR-369-b Pré-requisito: Direito Administrativo I Período

Leia mais

Sra. Procuradora-Geral:

Sra. Procuradora-Geral: PARECER Nº 13.746 DOAÇÃO DE BEM IMÓVEL, ONDE IMPLANTADA ESCOLA MUNICIPAL, AO MUNICÍPIO DE CAPIVARI. VIABILIDADE, DESDE QUE PRESENTE INTERESSE PÚBLICO DEVIDAMENTE JUSTIFICADO, FEITA PRÉVIA AVALIAÇÃO DO

Leia mais

PARECER/CONSULTA TC-001/2006 PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA

PARECER/CONSULTA TC-001/2006 PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA DISPENSA DE LICITAÇÃO ARTIGO 24, INCISO VIII, DA LEI Nº 8.666/93 NÃO INCIDÊNCIA EM RELAÇÃO A ÓRGÃO OU ENTIDADE INTEGRANTE DA

Leia mais

O CRÉDITO-PRÊMIO DO IPI E A RESOLUÇÃO n. 71, de 2005, DO SENADO FEDERAL

O CRÉDITO-PRÊMIO DO IPI E A RESOLUÇÃO n. 71, de 2005, DO SENADO FEDERAL O CRÉDITO-PRÊMIO DO IPI E A RESOLUÇÃO n. 71, de 2005, DO SENADO FEDERAL Aldemario Araujo Castro Procurador da Fazenda Nacional Professor da Universidade Católica de Brasília Mestrando em Direito na Universidade

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

Interessados: Interessado: Ministério das Comunicações, Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL

Interessados: Interessado: Ministério das Comunicações, Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0483-30/01-P Identidade do documento: Decisão 483/2001 - Plenário Ementa: Acompanhamento. ANATEL. Licitação. Outorga de direito de concessão para a exploração

Leia mais

Perspectivas Regulatórias para o Gás Natural

Perspectivas Regulatórias para o Gás Natural Perspectivas Regulatórias para o Gás Natural Eduardo Tinoco Superintendência de Comercialização e Movimentação de Gás Natural Agência Nacional do Petróleo Constituição Federal Art. 177, Inciso III: a importação

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS RESOLUÇÃO N.º 702/2008 - TCE 1ª Câmara

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS RESOLUÇÃO N.º 702/2008 - TCE 1ª Câmara RESOLUÇÃO N.º 702/2008 - TCE 1ª Câmara 1. Processo n.º: TC 05821/2008 2. Classe de Assunto: 09 Processo Licitatório / 04 Inexigibilidade 3. Responsável: Sandra Cristina Gondim Secretária da Administração

Leia mais

MÓDULO ESPECIAL DE CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO Disciplina: DIREITO ADMINISTRATIVO Tema: Serviços Públicos Prof.: Flávia Cristina Data: 09/05/07

MÓDULO ESPECIAL DE CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO Disciplina: DIREITO ADMINISTRATIVO Tema: Serviços Públicos Prof.: Flávia Cristina Data: 09/05/07 MATERIAL DE APOIO 1.Serviço público 1.1 Definição: Maria Silvia di Pietro: toda atividade material que a lei atribui ao estado para que exerça diretamente ou por meios de seus delegados com o objetivo

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se:

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se: Estabelece regras e procedimentos para a transferência de controle societário ou de titularidade e para a alteração do nome empresarial de contrato de concessão de porto organizado ou de arrendamento de

Leia mais

Fernando Fonseca Diretor

Fernando Fonseca Diretor 2ª Conferência OAB-RJ de Direito Marítimo e Portuário Desafios e Tendências da Navegação e da Logística Portuária no Brasil NAVEGAÇÃO DE APOIO MARÍTIMO E LOGÍSTICA OFFSHORE Fernando Fonseca Diretor Rio

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN MPU Nº 095/2013

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN MPU Nº 095/2013 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER CORAG/SEORI/AUDIN MPU Nº 095/2013 Referência : Ofício nº 217/2013/DR-PRT/11ª Região. Prot.: AUDIN-MPU nº 784/2013.

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

Pró-Reitoria Acadêmica Diretoria Acadêmica Assessoria Pedagógica da Diretoria Acadêmica

Pró-Reitoria Acadêmica Diretoria Acadêmica Assessoria Pedagógica da Diretoria Acadêmica FACULDADE: FAJS FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS CURSO: DIREITO DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO I CÓDIGO: CARGA HORÁRIA: 075 ANO / SEMESTRE: 2013 / 2º PROFESSOR(A): HÉDEL DE ANDRADE TORRES

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão DJe 19/06/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 8 29/05/2012 SEGUNDA TURMA RECURSO EXTRAORDINÁRIO 423.560 MINAS GERAIS RELATOR : MIN. JOAQUIM BARBOSA RECTE.(S) :CÂMARA MUNICIPAL DE

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 42 DE 17 DE AGOSTO DE 2012 DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES QUE CAUSAM OU POSSAM CAUSAR IMPACTO AMBIENTAL LOCAL, FIXA

Leia mais

CONCESSÃO DE AEROPORTOS NO BRASIL: O CASO DO AEROPORTO INTERNACIONAL TANCREDO NEVES- CONFINS

CONCESSÃO DE AEROPORTOS NO BRASIL: O CASO DO AEROPORTO INTERNACIONAL TANCREDO NEVES- CONFINS CONCESSÃO DE AEROPORTOS NO BRASIL: O CASO DO AEROPORTO INTERNACIONAL TANCREDO NEVES- CONFINS Izabela Davanzo de Paiva Wesllay Carlos Ribeiro CONCESSÃO DE AEROPORTOS NO BRASIL: O CASO DO AEROPORTO INTERNACIONAL

Leia mais

Capítulo X. Competência e atribuições das concessionárias de distribuição de energia elétrica Por Marcelo Machado Gastaldo e Pablo Berger*

Capítulo X. Competência e atribuições das concessionárias de distribuição de energia elétrica Por Marcelo Machado Gastaldo e Pablo Berger* 22 Capítulo X Competência e atribuições das concessionárias de distribuição de energia elétrica Por Marcelo Machado Gastaldo e Pablo Berger* Por intermédio da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel),

Leia mais

3º SIMULADO DE DIREITO ADMINISTRATIVO (CESPE) PROFESSOR: ANDERSON LUIZ

3º SIMULADO DE DIREITO ADMINISTRATIVO (CESPE) PROFESSOR: ANDERSON LUIZ Quadro de Avisos: Informo o lançamento dos seguintes cursos aqui no Ponto dos Concursos: Lei nº 8.112/90 em Exercícios (CESPE); Lei nº 8.429/92 em Exercícios (CESPE); Lei nº 8.666/93 em Exercícios (CESPE);

Leia mais

Regime jurídico das empresas estatais

Regime jurídico das empresas estatais Prof. Márcio Iorio Aranha Regime jurídico das empresas estatais 1) Submissão aos princípios gerais da Administração Pública (art. 37, caput legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência)

Leia mais

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Seminário de Licenciamento Ambiental de Destinação Final de Resíduos Sólidos Brasília, DF - Novembro de 2005 Coleta de resíduos

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS

ESTADO DE SERGIPE TRIBUNAL DE CONTAS PROCESSO 001858/2011 ORIGEM Prefeitura Municipal de Umbaúba NATUREZA Consulta INTERESSADO Anderson Fontes Farias RELATOR Conselheiro REINALDO MOURA FERREIRA AUDITOR Parecer nº 204/2011 Alexandre Lessa

Leia mais

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativa da Área XI Meio ambiente e direito ambiental, desenvolvimento urbano e interior OUTUBRO/2015 Suely Mara Vaz

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 113, DE 22 DE SETEMBRO DE 2009.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 113, DE 22 DE SETEMBRO DE 2009. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL RESOLUÇÃO Nº 113, DE 22 DE SETEMBRO DE 2009. Estabelece critérios e procedimentos para a alocação de áreas aeroportuárias. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL

Leia mais

DECRETO Nº 2.455, DE 14.1.1998 - DOU 15.1.1998

DECRETO Nº 2.455, DE 14.1.1998 - DOU 15.1.1998 DECRETO Nº 2.455, DE 14.1.1998 - DOU 15.1.1998 Implanta a Agência Nacional do Petróleo - ANP, autarquia sob regime especial, aprova sua Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País.

RESOLUÇÃO Nº 3.954. Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. RESOLUÇÃO Nº 3.954 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a contratação de correspondentes no País. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

Breve Panorama do Gás Natural no Brasil

Breve Panorama do Gás Natural no Brasil Breve Panorama do Gás Natural no Brasil WAGNER MARQUES TAVARES Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos NOVEMBRO/2009 Wagner Marques Tavares Consultor Legislativo 2 SUMÁRIO

Leia mais

Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e possibilidades

Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e possibilidades Agencias De Fomento e Garantias em Contratos de Parcerias Público Privadas: perspectivas e Marcus Vinicius Macedo Pessanha Sócio Coordenador de Direito Regulatório Escritório Nelson Wilians e Advogados

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 11.097, DE 13 DE JANEIRO DE 2005. Mensagem de veto Conversão da MPv nº 214, de 2004 Dispõe sobre a introdução do biodiesel

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO UMA SÍNTESE SOBRE CONTRATO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO UMA SÍNTESE SOBRE CONTRATO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO UMA SÍNTESE SOBRE CONTRATO ADMINISTRATIVO Introdução O Direito Administrativo reservou a expressão contrato administrativo para designar os ajustes que a Administração Pública celebra

Leia mais

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997.

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. - 1 - LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. Dispõe sobre a ordenação do transporte aquaviário e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO

CONSTITUIÇÃO FEDERAL TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 21- Compete à União: TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO I - Manter relações com Estados estrangeiros e participar de organizações internacionais; II - Declarar a guerra e celebrar

Leia mais

Projeto de Lei nº DE 2011. (Do Sr. Arnaldo Faria de Sá)

Projeto de Lei nº DE 2011. (Do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Projeto de Lei nº DE 2011. (Do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Disciplina a obrigatoriedade de manifestação e os efeitos da participação dos órgãos consultivos da advocacia pública em processos administrativos

Leia mais

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada:

R E L A T Ó R I O. A Senhora Ministra Ellen Gracie: 1. Eis o teor da decisão embargada: EMB.DECL.NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 571.572-8 BAHIA RELATORA EMBARGANTE(S) ADVOGADO(A/S) EMBARGADO(A/S) ADVOGADO(A/S) : MIN. ELLEN GRACIE : TELEMAR NORTE LESTE S/A : BÁRBARA GONDIM DA ROCHA E OUTRO(A/S)

Leia mais

Procuradoria Federal junto à ANEEL

Procuradoria Federal junto à ANEEL Procuradoria Federal junto à ANEEL Jurisprudência dos Tribunais De setembro a dezembro de 2012 Apresentamos os julgados dos Tribunais Federais que constam de uma pesquisa feita pela PF/ANEEL com os termos

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro de 1989, do Congresso Nacional.

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro de 1989, do Congresso Nacional. Acordo sobre Transportes Marítimos entre a República Federativa do Brasil e a República Argentina Assinado em 15 de agosto de 1985, em Buenos Aires. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER N. 14.985

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER N. 14.985 PARECER N. 14.985 SUPERINTENDÊNCIA DO PORTO DE RIO GRANDE - SUPRG. FÉRIAS PROPORCIONAIS RESULTANTES DE ROMPIMENTO DE VÍNCULO ANTES DE COMPLETADO UM ANO DE CONTRATO. EFEITO DA DATA DO DESLIGAMENTO. Questionando

Leia mais

RESOLUÇÃO N SÜ4- /2009-TCE/TO - 2a Câmara

RESOLUÇÃO N SÜ4- /2009-TCE/TO - 2a Câmara SLUKE. IAKIM i_ll_l rllivv Certifico e dou fé que a presente decisão o> publicada no Boletirn Oficial do TCE T'- n }QA Hp $G / 3 / v^ íisjzbl com data de circulágãg * "' / ^ ~J' ^--'í- TCE - TO TRIBUNAL

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

INFORMAÇÃO Nº 034/05/PDPE

INFORMAÇÃO Nº 034/05/PDPE INFORMAÇÃO Nº 034/05/PDPE CESSÃO DE USO DE BENS IMÓVEIS. RECÍPROCA PACTUAÇÃO ENTRE PESSOA JURÍDICA DE DIREITO PÚBLICO INTERNO E AUTARQUIA. PLAUSIBILIDADE. Senhora Procuradora-Geral: 1. O Secretário de

Leia mais

INFORMAÇÃO Nº 132/09/PDPE

INFORMAÇÃO Nº 132/09/PDPE INFORMAÇÃO Nº 132/09/PDPE INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO. Artigo 25, caput, da Lei de Licitações. Curso. Gestão Rural para Mulheres. Exame da singularidade do serviço e da inviabilidade de competição. O

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

06/02/2007 SEGUNDA TURMA : PGE-SP - MANOEL FRANCISCO PINHO : ROBERTO DE SIQUEIRA CAMPOS E OUTRO(A/S) R E L A T Ó R I O

06/02/2007 SEGUNDA TURMA : PGE-SP - MANOEL FRANCISCO PINHO : ROBERTO DE SIQUEIRA CAMPOS E OUTRO(A/S) R E L A T Ó R I O 06/02/2007 SEGUNDA TURMA RECURSO EXTRAORDINÁRIO 461.968-7 SÃO PAULO RELATOR RECORRENTE(S) ADVOGADO(A/S) RECORRENTE(S) ADVOGADO(A/S) RECORRIDO(A/S) : MIN. EROS GRAU : ESTADO DE SÃO PAULO : PGE-SP - MANOEL

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DO ÂMBITO DA APLICAÇÃO

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DO ÂMBITO DA APLICAÇÃO LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre a ordenação do transporte aquaviário e dá outras providências. DOU 09.01.97 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu

Leia mais

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal.

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal. PORTARIA Nº O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria nº 403, de 2 de dezembro de 2005, do Ministério da Fazenda, e Considerando o disposto no 2º do art. 50 da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PRESIDÊNCIA PORTARIA FNDE Nº 344 DE 10 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos e orientações sobre a criação, composição, funcionamento

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 250, de 2005 Complementar, do Senador PAULO PAIM, que estabelece requisitos e critérios diferenciados

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO Dra. Élida Graziane Pinto Procuradora do Ministério Público de Contas do Estado de São Paulo Pós-doutora em Administração pela EBAPE-FGV Doutora em Direito Administrativo pela UFMG Esforço de aproximação

Leia mais

Aloísio Zimmer Júnior 1 conceitua consórcio público nos termos que seguem:

Aloísio Zimmer Júnior 1 conceitua consórcio público nos termos que seguem: Consórcio Público Associação Pública X Autarquia A gestão associada de serviços públicos é um sistema altamente positivo. Entretanto, por se tratar de um tema ainda não consolidado na Administração Pública,

Leia mais

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR

PARECER Nº, DE 2008. RELATORA: Senadora MARINA SILVA RELATOR ad hoc: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR PARECER Nº, DE 2008 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, ao Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2007, que transfere ao domínio do Estado do Amapá terras pertencentes

Leia mais

PARECER Nº 13.865 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO

PARECER Nº 13.865 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 13.865 VALE-TRANSPORTE É DEVIDO QUANDO A RESIDÊNCIA DO EMPREGADO FOR SERVIDA POR TRANSPORTE COLETIVO PÚBLICO URBANO OU INTERMUNICIPAL COM CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DE URBANO E, EM SE TRATANDO

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. (Do Deputado Robério Negreiros) ~1.. ::J ".,,.",

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. (Do Deputado Robério Negreiros) ~1.. ::J .,,., CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL EMENDA N 1 /2015 (MODIFICATIVA) (Do Deputado Robério Negreiros) Ao Projeto de Lei no 145 de 2015 que "Dispõe sobre a publicação mensal, em diário oficial e outros

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.127, DE 09 DE FEVEREIRO DE 1998. (atualizada até a Lei nº 12.239, de 19 de janeiro de 2005) Institui o Sistema

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Fixa normas, nos termos dos incisos III, VI e VII do caput e do parágrafo único do art. 23 da Constituição Federal, para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas

Leia mais

faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N 663 DE 02 DE JULHO DE 1996. Cria o Programa Estadual de Desestatização, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA, faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 260/2008 TCE 2ª CÂMARA

RESOLUÇÃO Nº. 260/2008 TCE 2ª CÂMARA RESOLUÇÃO Nº. 260/2008 TCE 2ª CÂMARA 1. Processo Nº: 00709/2007 2. Classe de Assunto: IV Aposentadoria 3. Interessado: Tercina Dias de Carvalho Secretaria da Educação e Cultura 4. Entidade: Instituto de

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEIS: Superintendência de Regulação de Mercado SRM e Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD.

VOTO. RESPONSÁVEIS: Superintendência de Regulação de Mercado SRM e Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD. VOTO PROCESSOS: 48500.000865/2014-75 INTERESSADOS: Mineração Caraíba S/A - MCSA. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEIS: Superintendência de Regulação de Mercado SRM e Superintendência de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

CONTRATUALIZAÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

CONTRATUALIZAÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE CONTRATUALIZAÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE 1 DA REGULAÇÃO ASSISTENCIAL A regulação assistencial compreende a função de gestão que tem como foco específico a disponibilização da alternativa assistencial

Leia mais

O PAGAMENTO DE ROYALTIES A MUNICÍPIOS AFETADOS POR CITY GATES PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA

O PAGAMENTO DE ROYALTIES A MUNICÍPIOS AFETADOS POR CITY GATES PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA O PAGAMENTO DE ROYALTIES A MUNICÍPIOS AFETADOS POR CITY GATES PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA MAIO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Legislação 3. Antes e depois da criação da ANP 4. Conclusões

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Pará

Tribunal de Contas do Estado do Pará RESOL UÇÃO Nº. 17.424 (Processo nº. 2007/50433-7) Assunto: Consulta formulada pelo Sr. LUIZ ROBERTO DOS REIS JU- NIOR, Analista de Controle Externo desta Corte de Contas Proposta de decisão: Auditor EDILSON

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Regulamenta o inciso II do 4º do art. 40 da Constituição, que dispõe sobre a concessão de aposentadoria especial a servidores públicos que exerçam atividade de risco. O CONGRESSO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 173,DE 2007. Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais