Mineradoras falam com uma só voz sobre a segurança de equipamentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mineradoras falam com uma só voz sobre a segurança de equipamentos"

Transcrição

1 2008: issue 3 A publication of Caterpillar Global Mining Mineradoras falam com uma só voz sobre a segurança de equipamentos Entre as empresas mineradoras líderes, a administração da saúde e da segurança é considerada uma parte integrante das suas operações. As empresas trabalharam no nível corporativo e também no local da mina para melhorar a segurança dos operadores, técnicos e outras pessoas com um objetivo de dano zero. Recentemente, juntaram suas forças e uniram suas vozes para fazer da saúde e da segurança um foco prioritário, não somente entre mineradoras, mas entre os que projetam e constroem os equipamentos utilizados para extrair os recursos principais necessários para satisfazer a demanda global. As empresas mineradoras enfrentam um problema comum, tendo que garantir que as escavadeiras sejam projetadas para serem operadas e mantidas em todas as condições do local sem causar danos às pessoas, diz Jim, diretor do Centro de Segurança e Saúde da Indústria de Minerais (MISHC, Minerals Industry Safety and Health Centre) e professor de Gestão de Riscos no Instituto Sustentável de Minerais da Universidade de Queensland, Austrália. Oito grandes empresas mineradoras Anglo American, Barrick, BHP Billiton, FCX, Newmont, Rio Tinto, Vale e Xstrata agora participam e fornecem recursos para uma parceria única chamada Mesa Redonda sobre Segurança de Escavadeiras (EMESRT, Earth Moving Equipment Safety Round Table). Oficialmente formada em 2006, a EMESRT incentiva fabricantes a melhorarem o projeto Fatores Humanos dos equipamentos a fim minimizar riscos de saúde e segurança. O grupo estabeleceu uma visão, uma finalidade e uma meta, e desenvolveu filosofias de projeto em certas áreas de risco. No final de 2006 e outra vez no final de 2007, os representantes viajaram por toda a América do Norte para se engajar ativamente com os principais fabricantes de equipamentos originais para mineração de superfície (OEMs, Original Equipment Manufacturers) a fim de influenciarem no projeto dos equipamentos. PROMOVENDO O FOCO DA SAÚDE E DA SEGURANÇA Por décadas, usuários dos equipamentos especificamente distribuidores e mineradoras focaram na engenharia de fatores humanos e nas modificações projetadas para diminuir os riscos com relação à saúde e à segurança. Em vez de trabalhar para influenciar o processo do projeto de base, explicando os problemas fundamentais encontrados, a indústria, ao contrário, focou em contar aos fabricantes as soluções para estes problemas. O que iniciou a rápida execução e progresso do grupo EMESRT? Tony Egan, representante do segmento de carvão da Xstrata, que era um dos pioneiros por trás da EMESRT, atribui a resposta a diversos fatores. O setor de mineração está mudando com um foco crescente na melhoria da saúde e da segurança, diz. As grandes empresas globais de mineração têm agora uma expectativa razoavelmente uniforme com relação à saúde e à segurança. No entanto, com distribuidores locais para fornecer soluções atuais, é difícil conseguir uma aplicação consistente destas exigências em nível global. A solução envolve uma mudança rumo à obtenção do projeto certo na fábrica, e não apenas deixando a tarefa para os distribuidores locais.

2 Os OEMs são equipados com recursos para fornecer a melhor solução, Egan explica. Com essa visão comum entre os usuários de escavadeiras, nós estamos agora em um momento propício para conseguir o que desejarmos. As oito empresas atuais, membros engajados à EMESRT, representam grande parte da indústria e têm conseqüentemente uma influência coletiva maior. CONSTRUINDO A EMESRT Discutindo diferentes maneiras de melhorar a segurança há mais de três anos, algumas empresas globais de mineração descobriram a possibilidade de compartilhar suas idéias e trabalhar para influenciar os parâmetros de criação dos OEMs. Alguns OEMs tinham até incentivado tal movimento para poderem classificar as diferentes idéias de solução trazidas por seus clientes individuais. A idéia ganhou impulso e em março de 2006, representantes de três grandes empresas de mineração juntamente com o MISHC reuniram-se para discutir uma abordagem alternativa. Três outras empresas juntaram-se ao grupo em 2006, e em outubro daquele ano, o grupo concordou com os termos de referência e adotou seu nome oficial. O MISHC foi convidado para coordenar o processo do engajamento, tendo Joy como mediador. Joy traz seu conhecimento considerável sobre fatores humanos para a EMESRT. Ele era líder de um projeto de pesquisa financiado pelo Australian Coal Association Research Program (ACARP), intitulado Melhoria da engenharia de fatores humanos em grandes projetos de equipamentos de mineração de superfície. A engenharia de fatores humanos é uma ciência que focaliza em como as pessoas interagem com as tarefas, máquinas e o ambiente, reconhecendo que os seres humanos têm limitações e capacidades específicas. O ACARP forneceu financiamento adicional para que o MISHC auxiliasse a EMESRT com a fase crítica de desenvolvimento do processo de engajamento do OEM, que foi concluído em O plano de trabalho foi financiado inteiramente por empresas associadas. Em 2008, o ACARP também concordou em financiar a disseminação de informações sobre projetos e questões principais sobre a prática do setor através de um portal na internet chamado MIRMgate (Minerals Industry Risk Management Gateway). (www.mirmgate.com.au) O grupo estabeleceu algumas metas agressivas: Desenvolver e disponibilizar informações sobre a Filosofia do Projeto (DP) em áreas selecionadas. Compreender como essas filosofias satisfazem ou excedem as expectativas estabelecidas nos padrões e nos regulamentos, incluindo o ISO (International Standards Organization). Desenvolver e disponibilizar ferramentas para o processo do projeto Fatores Humanos, criadas para fins de auto-análise por parte do OEM. Incentivar OEMs a se engajarem com as empresas associadas para participar em revisões de projetos de operabilidade e manutenção do OEM utilizando um processo estruturado. Usar o site MIRMgate como um repositório para as filosofias de projetos, lições aprendidas e práticas principais. IDENTIFICANDO A LACUNA Apesar de alguns excelentes trabalhos em diversas áreas, muitas das questões de projeto dos fatores humanos para os equipamentos de mineração de trinta anos atrás permanecem até hoje, diz Alan Miskin, membro da equipe EMESRT que representa a BHP Billiton. Os grandes equipamentos de hoje utilizados na mineração são relativamente os mesmos de trinta anos atrás, diz. O tamanho dos equipamentos aumentou com avanços na tecnologia de pneus, motores, sistemas de controle e sistemas de movimentação. Mas de que outras maneiras os equipamentos de mineração mudaram para satisfazer as necessidades da segurança do cliente?

3 Se os usuários finais não precisavam destas mudanças, não estariam modificando os equipamentos por si próprios ou forçando seus distribuidores a fazê-lo. Apesar do fato de as escavadeiras serem geralmente projetadas conforme padrões internacionais reconhecidos, os aspetos do projeto Fatores Humanos às vezes não cumprem as exigências do cliente com relação às normas obrigatórias e da empresa, assim como com relação aos controles de riscos classificados como As Low As Reasonably Practicable (ALARP). Isto criou uma lacuna ou vácuo de projeto entre projetos do OEM e as necessidades do cliente, o que não permite uma oportunidade adequada para identificar e gerenciar riscos residuais que possam existir, diz Joy. Enquanto as empresas de mineração não estão satisfeitas com esta lacuna no projeto, os associados da EMESRT concordaram que o que têm feito para influenciar os fabricantes não está sendo suficiente. Trabalhar independentemente e tentar influenciar os OEMs com soluções de projeto não tem produzido os resultados desejados. As empresas de mineração estavam muitas vezes enviando mensagens conflitantes aos OEMs sobre como resolver uma questão. Precisávamos começar a dizer aos fabricantes quais soluções específicas queríamos que fossem adicionadas aos projetos existentes, disse Miskin. Mudamos o foco, e agora afirmamos: Vamos dizer a eles qual é o problema. Vocês são os que têm knowhow de engenharia para consertar isso. A EMESRT serve para tentar alinhar a compreensão dos riscos com as expectativas de como nós os diminuímos. Egan concorda. Um homem sábio uma vez disse, Um problema nunca será realmente solucionado ao nível do pensamento em que foi criado. Isto é verdadeiro neste caso, afirmou. Nós percebemos que, contanto que aumentemos nossa voz com cada um de nós dizendo aos OEMs como mudar os produtos existentes rápidas mudanças nos projetos de base foram difíceis devido às restrições comerciais e de recursos por parte dos fabricantes. DEFINIR PRIORIDADES Os associados de EMESRT concordaram que a sua capacidade de alinhar as exigências e as expectativas da empresa para o projeto Fatores Humanos seria essencial para apresentar uma voz comum aos OEMs. Combinaram suas expectativas individuais ao desenvolvimento das Filosofias do Projeto que definem: Objetivos Resultados gerais do projeto Riscos a serem reduzidos Os exemplos principais da prática da indústria tentam reduzir riscos Cada página da Filosofia do Projeto é apoiada por imagens que descrevem os riscos a serem reduzidos e as soluções principais da prática desenvolvidos por empresas de mineração e terceiros. A meta de uma filosofia de projeto é fornecer informações para ajudar OEMs a projetar equipamentos com os riscos reduzidos, usando o princípio de ALARP. O grupo identificou quinze temas como áreas prioritárias para 2007 e 2008: acesso e saída; trabalho em alturas; ruído; vibração; fogo; poeira; isolação; detecção da visibilidade/colisão; estabilidade da máquina/indicação de inclinação; guarda; displays; controles, incluindo rotulagem; pneus e bordas; manipulação de materiais manuais; posturas de trabalho e espaço confinado. Estas filosofias fornecem uma imagem de muitos problemas do projeto Fatores Humanos, diz Joy. Representam um passo significativo baseado na voz uníssona dos membros da EMESRT.

4 As informações são disseminadas usando o portal MIRMgate, assim como um serviço alerta da EMESRT que notifica usuários do MIRMgate quando novas informações relacionadas a qualquer uma das quinze filosofias de projeto são publicadas. Estamos fazendo da maneira mais fácil possível para que os OEMs fiquem cientes e tenham acesso aos recursos, Joy diz. RESPOSTA À EMESRT Enquanto a EMESRT continua a trabalhar nas outras prioridades do projeto, identificar e pesquisar sobre novas questões e avançar sua relação com os OEMs, o grupo forneceu informações suficientes para dar aos fabricantes algumas áreas a serem enfatizadas. A EMESRT gostaria de ver OEMs: Incorporar as filosofias de projeto em seu processo de projeto dos equipamentos nas fases iniciais Comunicar-se e compartilhar conhecimento Na fase conceitual, conduzirem análises de projeto usando a técnica de avaliação de operabilidade e manutenção ((Operabiity and Maintainability Assessment Technique OMAT) desenvolvida pela EMESRT, ou uma técnica de identificação de riscos baseada em tarefas. Acelerarem o desenvolvimento de melhorias de segurança Fazerem parcerias em iniciativas de segurança além do projeto de equipamentos Incorporarem as filosofias de projeto As filosofias de projeto devem ser usadas para influenciar a fase de criação das escavadeiras o momento mais estratégico para desenvolver maneiras de reduzir riscos. Para a Caterpillar, a chave será encaixar essas filosofias ao próprio guia de criação da empresa. Temos que construir isso desde o primeiro dia, diz Cameron Ferguson, gerente de soluções de engenharia e segurança de produto, na divisão de Tecnologia e Soluções. Nossos projetos já são iguais ou acima dos padrões internacionais publicados e de alguns regulamentos. Mas nós continuaremos a nos esforçar para fazer mais do que isso. O gerente de segurança e desenvolvimento sustentável da divisão de Mineração Global da Caterpillar, Dan Hellige, concorda. Precisamos conduzir os esforços da EMESRT de uma maneira rigorosa bem no começo do processo de criação. Não queremos reparos após a produção; queremos considerar as contribuições deles na primeira parte do ciclo de introdução de novos produtos (NPI, New Product Introduction), na fase de estratégia. A Caterpillar e EMESRT não estão tão longe disto. Nosso guia de projeto de segurança traz anos de experiência e não é muito diferente das filosofias de projeto da EMESRT. Precisamos analisar como as nossas prioridades se alinham. Construir uma ponte sobre a lacuna do conhecimento Muito do progresso que a EMESRT espera fazer é menos sobre melhorias específicas do projeto e mais sobre comunicação e mudanças na visão das pessoas. Você precisa entender por que você faz as coisas, diz Egan. O objetivo é conseguir fazer com que fabricantes pensem sobre como projetar segurança em todos os aspectos do trabalho deles. Precisamos construir uma ponte sobre a lacuna de conhecimento que una necessidades de desempenho dos usuários e os engenheiros de projetos dos fabricantes. Coloque um engenheiro de projetos e um usuário na mesma sala, diz Miskin de BHP Billiton. Encontre um mecanismo que transfira o conhecimento entre o engenheiro, os padrões, o coordenador e o usuário.

5 As coisas podem ter razões boas e razoáveis. E isso é bom, Miskin continua. Nesse caso, pense de outra forma. Se estar em cima de uma máquina para lavar as janelas é perigoso, a única solução não é fazer um lugar mais seguro para realizar o trabalho. A sujeira da janela suja pode ser eliminada? A janela pode abrir para facilitar a limpeza? Você pode criar um sistema melhor de limpeza para que a janela não precise ser lavada manualmente? Avaliando os riscos de segurança Como os fabricantes pediram durante as reuniões de 2006, a EMESRT desenvolveu uma ferramenta de avaliação de risco, a técnica OMAT, para ajudar os OEMs a aprender todos os riscos potenciais antes de começarem a criação de uma peça de um equipamento. A OMAT é uma técnica de avaliação qualitativa de riscos, que avalia sistematicamente os riscos a serem reduzidos. É um processo de quatro passos que inicia a criação de um fluxograma para todas as tarefas e conclui com um extenso registro de riscos para uma peça específica do equipamento. Tendo a OMAT ou algo similar freia os argumentos emotivos, explica Egan. Todos nós compreendemos todos os aspectos da questão? Então podemos todos concordar com o resultado. É tudo sobre compartilhar mais conhecimento entre os usuários e os projetistas. Egan ilustra o conceito desta maneira: tradicionalmente, a legislação prescritiva ou normativa do ramo ditava às mineradoras as regras para executarem suas operações; no entanto, isso não evitou que ocorressem acidentes. A legislação contemporânea baseada em riscos exige o desenvolvimento dos sistemas de gestão de riscos que exijam a identificação sistemática de todos os riscos na mina. Em seguida, uma série de controles é estabelecida especificamente para essa mina. Quanto mais elevado for o risco, maior o controle exigido. Outra maneira de analisar isso: limites de velocidade na estrada, Egan continua. Estes limites baseados em regras se aplicam em bom tempo, mas se as condições mudarem (por exemplo, quando chove e você continua no limite máximo), um nível inaceitável de risco se estabelece. Você precisa avaliar isto e ajustar sua direção para adequar-se às novas condições. Em muitos casos, os controles locais são fracos demais para o nível de risco e exigem fortes barreiras através do processo de mudança do projeto original. Acelerar as melhorias A EMESRT está segura sobre seu objetivo principal acelerar o desenvolvimento e a adoção de melhores práticas para projetos de escavadeiras. Os líderes da Caterpillar não discordam com a necessidade de aceleração. Porém, indicam diversas questões que podem surgir quando o processo de desenvolvimento é acelerado. Por que, em algumas questões, não respondemos aos nossos clientes tão rapidamente quanto eles gostariam? pergunta Kent Lynch, profissional de marketing na divisão do Trator Track-type da Caterpillar. Porque os nossos engenheiros precisam ter a certeza de os seus projetos incorporem confiabilidade e durabilidade. É cultural e emocional para os nossos projetistas. Eles querem se assegurar de que o projeto cumpra todas as exigências potenciais do cliente e demonstre confiabilidade antes do seu lançamento. Os líderes da EMESRT acreditam que as empresas mineradoras concordariam em tomar soluções inovadoras no estágio avançado do teste. E se tivéssemos um programa de testes para o campo ampliado? pergunta Craig Mamales da Rio Tinto. Se o OEM nos dissesse que estamos fazendo isso em uma base da advertências, acho que faríamos isto. Lynch concorda e percebe que as minas devem aceitar uma perda potencial de disponibilidade que vem com a adoção de algumas dessas melhorias. Vamos trabalhar juntos para encontrar um nível adequado de conteúdo e confiabilidade para satisfazer às necessidades dos mineiros, ele diz.

6 FAZER DA SEGURANÇA UM DIFERENCIADOR O benefício óbvio de se projetar equipamentos que reduzam os riscos (para ALARP) descritos nas filosofias de projeto da EMESRT é que o pessoal de operação e manutenção fique mais seguro. Mas ter melhorias da segurança pode ser também um diferenciador de marketing para os OEMs. Antigamente, ter uma máquina para mineração forte, confiável e de qualidade era o suficiente para diferenciar-se no mercado, Egan diz. Mas hoje, a saúde, a segurança e os atributos ambientais das máquinas são cada vez mais importantes para seus usuários. Um OEM pode dar valor a estes aspectos de operabilidade e manutenção e assim destacar a máquina no mercado. Egan reconhece que pode ser um desafio vender o valor acima das características padrão de segurança àqueles que olham para a parte prática, sem compreender os riscos reais. Nossa meta é usar as filosofias de projeto para envolver e informar usuários e engenheiros. Craig Mamales, da Rio Tinto, oferece este exemplo: Uma mina requisitou um Cat D11T, que vem com um sistema de visão da área de trabalho para obter uma melhor visibilidade. A propriedade optou por não comprar a câmera porque o departamento de compras não achou que fosse necessário. Uma avaliação de risco os ajudou a compreender o valor da câmera o operador não conseguia visualizar o despedaçador da escavadeira e então eles reconheceram o valor do sistema. A explicação adicional ajudou a reunir todos desde o departamento de compras até o operador no mesmo barco. Joy diz que a aceitação de características de segurança se dará com o tempo. É como o setor automobilístico, ele explica. Há dez anos, você encontraria airbags somente em um Mercedes Benz. Hoje não se pode comprar um carro novo sem eles. Mudou o pensamento da comunidade. Agora é mais barato para os fabricantes de automóveis colocar airbags em todos os carros do que oferecê-los como um opcional. Craig Ross, da Barrick Gold, está confiante de que a mudança ocorrerá. Houve muito interesse, diz. No próximo ano saberemos como foi. As pessoas que agora compram o equipamento estão começando a fazer as perguntas certas. Ainda não vi nenhuma resistência. OLHANDO PARA O FUTURO O futuro da EMESRT parece promissor. O interesse é elevado, o feedback é positivo, e estamos recebendo apoio de várias áreas do setor, como o Conselho Internacional de Mineração e Metais (ICMM, International Council on Mining and Metals), diz Egan é um ano para falar e educar as minas. Porque todos os OEMs baseiam seus projetos de máquina padrão em padrões publicados em torno do mundo, a EMESRT começou o processo de analisar como as filosofias de projeto se alinham ou excedem as expectativas nos padrões e regulamentos, incluindo o ISO, que representa os institutos de padrões nacionais de 157 países. A EMESRT iniciou um processo do envolvimento visado para estabelecer um relacionamento eficaz entre a EMESRT e os OEMs. O grupo também concordou em trabalhar em conjunto para educar as mineradoras sobre as metas das Filosofias de Projeto e para incentivar o uso dessas filosofias no processo de compra de novos equipamentos. A CAT, CATERPILLAR, seus logotipos respectivos, Caterpillar Yellow e o POWER EDGE trade dress, assim como a identidade corporativa e de produtos aqui utilizadas, são marcas comerciais da Caterpillar e não podem ser usadas sem permissão. Caterpillar 2008 Todos os direitos reservados

7 Filosofias de projeto da EMESRT 1. Acesso & saída de equipamentos 2. Trabalho em alturas 3. Ruído 4. Vibração completa 5. Fogo 6. Poeira 7. Isolamento de energia 8. Visibilidade/detectar e evitar colisões 9. Estabilidade da máquina/indicação da inclinação 10. Guarda 11. Displays, controles incluindo rotulagem 12. Pneus e bordas 13. Manipulação de materiais manuais 14. Estação de trabalho do operador 15. Espaços confinados Oito destas filosofias indicadas em negrito foram brilhantemente criadas por líderes do grupo EMESRT e desenvolvidas em 2006 e Os tópicos restantes serão desenvolvidos em Caterpillar e EMESRT: Trabalhando juntos Como parte da programação de reuniões de OEMs note-americanos, os representantes da EMESRT recentemente participaram de um fórum no Centro de Aprendizagem e Demonstração Edwards da Caterpillar, compartilharam seu progresso com os líderes da equipe de produtos e outras partes interessadas na Caterpillar, e aprenderam sobre melhorias e soluções potenciais em desenvolvimento na Caterpillar. Não há nenhuma dúvida de que a Caterpillar esteja investindo em recursos para melhorar projetos de equipamentos, e nós a congratulamos por isso, diz Tony Egan da Xstrata Coal. Mas isso não significa que não os desafiaremos a fazer ainda mais. O gerente de segurança e desenvolvimento sustentável da divisão de Mineração Global da Caterpillar, Dan Hellige, dá as boas-vindas aos esforços. O desafio às vezes é dar início a esses esforços. E nós os recebemos de braços abertos. Você está nos ajudando a manter o ritmo. Hellige diz que se sente confiante que a EMESRT e a Caterpillar possam trabalhar juntas porque compartilham objetivos comuns. A EMESRT sabe que nós estamos envolvidos com este processo e faremos todo o possível para escutar e manter os canais de comunicação sempre abertos.

8 Processo de envolvimento da EMESRT A EMESRT iniciou um processo do envolvimento visado em estabelecer um relacionamento eficaz entre a EMESRT e os OEMs. O grupo também concordou em trabalhar em conjunto para educar as mineradoras sobre as metas das Filosofias de Projeto e para incentivar o uso dessas filosofias no processo de compra de novos equipamentos. EMESRT: Visão, finalidade e escopo VISÃO Uma indústria livre das fatalidades, ferimentos e doenças ocupacionais associadas com a operação e a manutenção de escavadeiras de superfície. FINALIDADE Acelerar o desenvolvimento e a adoção de melhores práticas de projetos de escavadeiras a fim de minimizar riscos de saúde e segurança através de um processo de envolvimento de OEMs e usuários. ABRANGÊNCIA O que faremos: Focaremos em projetos de escavadeiras que operam nas superfícies das minas Atingiremos as expectativas alinhadas de projetos baseadas em riscos Como empresas associadas da EMESRT, forneceremos recursos e fundos para suas atividades Compartilharemos abertamente com todos os OEMs e empresas interessadas no setor de mineração Escutaremos, consideraremos e valorizaremos as contribuições dos OEMs Forneceremos informações sobre melhores práticas aos OEMs Auxiliaremos os usuários a atingirem objetivos com relação à saúde, segurança, meio ambiente e comunidade compartilhando melhores práticas O que não faremos: Discutir questões comerciais ou qualquer coisa de uma natureza antitruste Compartilhar informações confidenciais de OEMs com outros OEMs Aprovar projetos de OEMs ou terceiros Impor a adoção de soluções nos locais das empresas associadas

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper

Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos. White Paper Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos White Paper TenStep 2007 Saiba Como Convencer os Executivos Sobre o Valor do Gerenciamento de Projetos Não há nenhuma duvida

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine Governança, risco e compliance Chega de redundâncias 24 KPMG Business Magazine Programa Risk University transmite aos executivos uma visão abrangente dos negócios A crise financeira de 2008 ensinou algumas

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

FILOSOFIA DO SERVIÇO DE PÓS-VENDA TOYOTA

FILOSOFIA DO SERVIÇO DE PÓS-VENDA TOYOTA FILOSOFIA DO SERVIÇO DE PÓS-VENDA TOYOTA Toyota do Brasil Pós-venda Capítulo 1 - O que o Cliente espera do Serviço de Pós-Venda Capítulo 2 - A Filosofia do Serviço de Pós-Venda Toyota Definindo a Filosofia

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Influenciar o desempenho de equipamentos através de métricas de manutenção

Influenciar o desempenho de equipamentos através de métricas de manutenção 2008: issue 3 A publication of Caterpillar Global Mining Influenciar o desempenho de equipamentos através de métricas de manutenção Minas de sucesso usam medidas-chave para melhorar a disponibilidade O

Leia mais

O GERENTE DE PROJETOS

O GERENTE DE PROJETOS O GERENTE DE PROJETOS INTRODUÇÃO Autor: Danubio Borba, PMP Vamos discutir a importância das pessoas envolvidas em um projeto. São elas, e não os procedimentos ou técnicas, as peças fundamentais para se

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Pesquisa Etnográfica

Pesquisa Etnográfica Pesquisa Etnográfica Pesquisa etnográfica Frequentemente, as fontes de dados têm dificuldade em dar informações realmente significativas sobre a vida das pessoas. A pesquisa etnográfica é um processo pelo

Leia mais

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe

O guia do profissional de Recursos Humanos. Como melhorar o desenvolvimento da equipe O guia do profissional de Recursos Humanos Como melhorar o desenvolvimento da equipe 1 Introdução 03 Conhecendo as dores do seu time 05 Investir nos colaboradores! 08 Estabelecendo metas 11 A meditação

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009)

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) GESTÃO DE PROCESSOS UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) 1. O QUE É PROCESSO? Processos têm sido considerados uma importante ferramenta de gestão, um instrumento capaz de aproximar

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

Parcerias para o Desenvolvimento Sustentável

Parcerias para o Desenvolvimento Sustentável Parcerias para o Desenvolvimento Sustentável Juliana Rehfeld Gerente Desenvolvimento Sustentável Anglo American Brasil BH, 24 de setembro de 2009 0 Visão Macro da Anglo American Sustentabilidade - Negócio,

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

Viewpoint: perspectives on modern mining. 2007 Caterpillar Inc. www.cat.com/viewpoint. A publication of Caterpillar Global Mining

Viewpoint: perspectives on modern mining. 2007 Caterpillar Inc. www.cat.com/viewpoint. A publication of Caterpillar Global Mining 2007: issue 1 A publication of Caterpillar Global Mining Vendo claramente: melhorar a visibilidade significa locais de mineração mais seguros Quando você está operando algumas das maiores máquinas do mundo

Leia mais

Rumo a novos patamares

Rumo a novos patamares 10Minutos Auditoria Estudo sobre a Situação da Profissão de Auditoria Interna Rumo a novos patamares Destaques Os stakeholders estão menos satisfeitos com a contribuição da auditoria interna em áreas de

Leia mais

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao.

Conheça a trajetória da empresa no Brasil através desta entrevista com o Vice- Presidente, Li Xiaotao. QUEM É A HUAWEI A Huawei atua no Brasil, desde 1999, através de parcerias estabelecidas com as principais operadoras de telefonia móvel e fixa no país e é líder no mercado de banda larga fixa e móvel.

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 4 e 5

Processos Técnicos - Aulas 4 e 5 Processos Técnicos - Aulas 4 e 5 Trabalho / PEM Tema: Frameworks Públicos Grupo: equipe do TCC Entrega: versão digital, 1ª semana de Abril (de 31/03 a 04/04), no e-mail do professor (rodrigues.yuri@yahoo.com.br)

Leia mais

People. Passion. Performance.

People. Passion. Performance. People. Passion. Performance. Apresentando Chicago Pneumatic É simples assim. Você tem trabalho a fazer e clientes a atender. A CP está aqui para ajudá-lo a realizar seu trabalho, sem compromisso. Nosso

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Monitoramento de Escavadeiras. Zero paradas não programadas através do monitoramento on-line de condição

Monitoramento de Escavadeiras. Zero paradas não programadas através do monitoramento on-line de condição Monitoramento de Escavadeiras Zero paradas não programadas através do monitoramento on-line de condição Uma parada não programada pode ser cara e perigosa A mina é um ambiente potencialmente perigoso.

Leia mais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais

O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais O que aprendi sobre avaliação em cursos semipresenciais José Moran Pesquisador, Professor, Conferencista e Orientador de projetos inovadores na educação. Publicado em: SILVA, Marco & SANTOS, Edméa (Orgs).

Leia mais

EXPLORE SEUS POTENCIAIS. Junte-se aos 128 concessionários mundiais que escolheram ser parceiros da FG Wilson.

EXPLORE SEUS POTENCIAIS. Junte-se aos 128 concessionários mundiais que escolheram ser parceiros da FG Wilson. Expanda seu portfólio de produtos e aumente o seu negócio com a marca líder GLOBAL na indústria. EXPLORE SEUS NEGÓCIOS POTENCIAIS Junte-se aos 128 concessionários mundiais que escolheram ser parceiros

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Educação. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Educação Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios Reais, a Partir de Agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI

A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI A ITIL e o Gerenciamento de Serviços de TI A era da informação Informação, palavra derivada do verbo latim "informare", que significa "disciplinar", "ensinar", "instruir", juntamente com o seu significado

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Integração do Teamcenter com o Catia V5

Integração do Teamcenter com o Catia V5 Integração com o Catia V5 Benefícios Menos tempo gasto por sua equipe técnica tentando encontrar as revisões corretas de dados do Catia Processos consistentes de trabalho seguidos em todos os formatos

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

Programa de Serviços

Programa de Serviços Programa de Serviços Um Parceiro da Heidelberg Sucesso e segurança para o convertedor de rótulos A maior diversidade de substrato. Um marca de qualidade emerge: um sistema de máquina Gallus garante a mais

Leia mais

Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br

Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br Resumo do mês de março Quer mais resumos? Todo mês em: http://www.thiagocompan.com.br Jeff Sutherland criou um método para fazer mais em menos tempo com o máximo de qualidade! Usado por diversas empresas

Leia mais

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, a primeira norma ambiental internacional do mundo tem ajudado milhares de

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

PRINCÍPIOS CORPORATIVOS

PRINCÍPIOS CORPORATIVOS PRINCÍPIOS CORPORATIVOS Os princípios corporativos do grupo Witzenmann Witzenmann GmbH Östliche Karl-Friedrich-Str. 134 75175 Pforzheim Telefone +49 7231 581-0 Fax +49 7231 581-820 wi@witzenmann.com www.witzenmann.de

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Comunidades de prática

Comunidades de prática Comunidades de prática Objetivos (Henrique Bizzarria para o site Ebah) Comunidades de praticas! O que são?! Para que servem?! Porquê falar delas? Comunidades de prática! O termo "comunidade de prática"

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Certificação para Parceiros de Canais Axis

Certificação para Parceiros de Canais Axis Axis Communications' Academy Certificação para Parceiros de Canais Axis O mais novo requisito para Parceiros de Soluções também é um dos seus melhores benefícios. Axis Certification Program o padrão mundial

Leia mais

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O C L E O W O L F F O que é Action Learning? Um processo que envolve um pequeno grupo/equipe refletindo e trabalhando em problemas reais, agindo e aprendendo enquanto atuam. FUN D A MEN T OS D O ACTION LEARNING

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação

Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação Estratégia de Desenvolvimento de Pessoas em Ação Caros colegas, orienta o modo como nossa organização trabalha para selecionar, desenvolver, motivar e valorizar o bem mais importante da Bausch + Lomb nossas

Leia mais

Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior

Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior G estão escolar: não há diretor de qualquer instituição de ensino que não esteja às voltas com esta questão, hoje. Um cenário

Leia mais

Gestão de Desempenho... Promove Sucesso. Um Guia de Visão Geral

Gestão de Desempenho... Promove Sucesso. Um Guia de Visão Geral Gestão de Desempenho... Promove Sucesso. Um Guia de Visão Geral Gestão de Desempenho... Promove Sucesso. Na Watson, reconhecemos que o sucesso global da nossa Empresa é impulsionado pelo compromisso de

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística

Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística Imagem Global e Reputação da Indústria Automobilística Contexto Durante a história recente, as percepções públicas a respeito da indústria automobilística tem reagido de acordo com eventos e marcos globais

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Definindo o escopo do seu projeto de localização

Definindo o escopo do seu projeto de localização Definindo o escopo do seu projeto de localização Onde você precisa ir e quem pode ajudá-lo a chegar lá? Se sua empresa está pronta para lançar conteúdo em novos mercados ou estender o alcance a regiões

Leia mais

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg Valores & Princípios Grupo Freudenberg C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o Nossos Princípios & Conduta e Comportamento 3 Os Nossos Princípios e o documento de

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Reduza os riscos. Reduza os custos. Aumente o desempenho.

Reduza os riscos. Reduza os custos. Aumente o desempenho. Reduza os riscos. Reduza os custos. Aumente o desempenho. Serviços para uma gestão de compras profissional. Tenha melhores informações, tome decisões melhores. Serviço de Gestão de Fornecedores (CSMS)

Leia mais

Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação

Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação Educação Especial Informe de Assistência Técnica SPED 2009-2: Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação Para: Superintendentes, diretores,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

Relação entre as organizações cristãs e as igrejas locais

Relação entre as organizações cristãs e as igrejas locais Seção Relação entre as organizações cristãs e as Conforme discutido na Seção 1, as desempenham um papel na proclamação e na demonstração do evangelho. Entretanto, com muita freqüência, o papel da igreja

Leia mais

Jornada de Aprendizagem dos Managers de Vendas de Primeira Linha: Guia para o Desenvolvimento de Resultados Mensuráveis

Jornada de Aprendizagem dos Managers de Vendas de Primeira Linha: Guia para o Desenvolvimento de Resultados Mensuráveis Jornada de Aprendizagem dos Managers de Vendas de Primeira Linha: Guia para o Desenvolvimento de Resultados Mensuráveis Versão do Documento: 1.0 Data de Publicação: 27 de janeiro de 2014 Sumário Introdução...

Leia mais

Programa de Gestão Técnica de Contas

Programa de Gestão Técnica de Contas Programa de Gestão Técnica de Contas Para ajudar os clientes da D2L a maximizar seu investimento na plataforma Brightspace, oferecemos uma experiência de suporte avançada que ultrapassa os benefícios

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação?

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Nota técnica Principais fatores a se considerar ao selecionar uma codificadora a laser A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Equipamento Fluidos Treinamento

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 Através da vasta experiência, adquirida ao longo dos últimos anos, atuando em Certificações de Sistemas de Gestão, a Fundação Vanzolini vem catalogando

Leia mais

Assessoria Swagelok em Energia. Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor

Assessoria Swagelok em Energia. Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor Assessoria Swagelok em Energia Um Recurso de Confiança para Otimizar o Desempenho do seu Sistema de Vapor Conheça a experiência de alguns clientes sobre a Assessoria Swagelok em Energia Com serviços de

Leia mais

São Paulo, 17 de Junho de 2009.

São Paulo, 17 de Junho de 2009. São Paulo, 17 de Junho de 2009. Questionário: Orientação para marketing Sua empresa é orientada para marketing? Análise das respostas turma T4 Berrini Pós Adm FGV Número de respondentes: 17 Introdução

Leia mais

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos

RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos RESUMO DA SOLUÇÃO Aperfeiçoando o planejamento de capacidade com o uso do gerenciamento de desempenho de aplicativos como posso assegurar uma experiência excepcional para o usuário final com aplicativos

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS

ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS UFU Universidade Federal de Uberlândia ANÁLISE E PROJETO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE SOFTWARE Professora: Fabíola Gonçalves. AGENDA Introdução à Engenharia de Software Características do Software

Leia mais