Confederação Nacional do Comércio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Confederação Nacional do Comércio"

Transcrição

1

2 Confederação Nacional do Comércio Brasília SBN Quadra 1 Bloco B n o 14, 15 o ao 18 o andar Edifício Confederação Nacional do Comércio CEP PABX (61) Rio de Janeiro Avenida General Justo, 307 CEP Rio de Janeiro PABX (21) Fax: (21) Web site: Sesc, Senac natureza jurídica e a natureza das contribuições Produção: Presidência Projeto gráfico: SDI-UPV Confederação Nacional do Comércio Sesc, Senac; natureza jurídica e a natureza jurídica das contribuições / Confederação Nacional do Comércio. Rio de Janeiro: Confederação Nacional do Comércio, p. 1. Sesc. 2. Senac. 3. Natureza Jurídica. 4. Contribuições Sociais. I. Título

3 Sumário Apresentação... 5 Parecer do Consultor Jurídico da Presidência da CNC, Dr.. Cid Heraclito de Queiroz... 7 I. A Consulta... 7 II. A CNC, o Senac, o Senai, o Sesc e o Sesi... 7 Os antecedentes... 7 A criação da CNC, do Senai e do Senac... 9 A criação do Sesc e do Sesi A natureza III. As Contribuições Compulsórias ao Senac, Senai, Sesc e Sesi A instituição A natureza A base constitucional Os recursos integrados no patrimônio do Sesc e do Senac IV. A Exegese do Art. 240 da Constituição V. As Conclusões Parecer do Advogado Dr.. Célio Borja Fontes normativas da criação do Sesc e do Senac Fundamento constitucional Regime constitucional de colaboração Reconhecimento dos sindicatos O Sindicato do direito comparado O corporativismo Perspectiva histórica do sindicato Evolução legislativa do sindicato no Brasil Entidades sindicais de grau superior Livre criação de sindicato (sem autorização) Liberdade de associar-se e de não permanecer associado Conciliação e arbitragem Sindicato: grêmio de profissionais patrões e empregados Corporativismo sindical... 38

4 Federações e confederações de direito privado Personalidade jurídica dos sindicatos Sesc, pessoa jurídica de direito privado Senac ente geneticamente privado O Senac só pode ter personalidade de direito privado A lição da doutrina Entes de cooperação paraestatais, não autárquicos Jurisprudência administrativa A Jurisprudência dos tribunais Recepção das contribuições Sesc-Senac na ordem constitucional vigente O art. 240, Constituição, recepção material do regime jurídico anterior: regime próprio Destinação e finalidade Autonomia em face das contribuições sindical e confederativa Destinatário da arrecadação Titulariedade e arrecadação da contribuição Competência para arrecadar Sesc: Foro e legitimidade Senac Arrecadação o que é? Conclusões Personalidade privada Particulariedade do crédito tributário. Direito ao produto da sua arrecadação... 57

5 Apresentação AConfederação Nacional do Comércio tem, permanentemente, defendido a natureza privada das entidades que, por força de lei, administra e, por conseguinte, a natureza privada dos recursos arrecadados. Fundada em 04 de setembro de 1945, a CNC foi legalmente reconhecida em 30 de novembro de 1945, pelo Decreto n o , assinado pelo então Presidente da República, José Linhares, e referendado pelo Ministro do Trabalho, Indústria e Comércio, Roberto Carneiro de Mendonça. O referido diploma legal conferiu a CNC a atribuição de criar, organizar e administrar o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial SENAC e o Serviço Social do Comércio SESC, sem a imputação de quaisquer ônus aos cofres públicos ou aos contribuintes, uma vez que todas as despesas correriam exclusivamente à conta dos empregadores, resultando do pagamento, por estes, de cota que é, atualmente, de 1,5% para o Sesc e 1% para o Senac, calculada sobre as folhas de salários de seus empregados. Não obstante os quase 60 anos de legítima existência desta CNC, marcados por irrefutável transparência na gestão de seus próprios recursos e daqueles destinados às entidades que administra, constantes ainda são as propostas de alteração na estrutura e na gestão das entidades de serviço social e formação profissional vinculadas ao sistema sindical (Sesc, Senac, Sesi e Senai). Sob argumentação oblíqua, investem na tentativa de distorcer a natureza jurídica daquelas entidades, bem como a natureza jurídica da contribuição a que se refere o art. 240, da Constituição Federal de Com o objetivo de esclarecer, definitivamente, qualquer dúvida sobre a matéria, esta Presidência endereçou CONSULTA ao Doutor Célio Borja, 5

6 ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, e ao Doutor Cid Heraclito de Queiroz, ex-procurador Geral da Fazenda Nacional. Ambos concluem que o Sesc e o Senac são serviços autônomos do sistema sindical do comércio e, portanto, têm personalidade jurídica de direito privado, atribuída por todas as Constituições republicanas, e sobretudo pela atual, no seu art. 240, cuja redação respalda de forma inconteste a natureza privada de seus recursos. Por serem peças da mais alta significação, esta Presidência providenciou a publicação das mesmas, a fim de que cheguem ao conhecimento da sociedade brasileira. Rio de Janeiro, ANTONIO OLIVEIRA SANTOS Presidente da Confederação Nacional do Comércio 6

7 Parecer do Consultor Jurídico da Presidência da CNC, Dr. Cid Heraclito de Queiroz I A Consulta Entidades privadas de serviço social e formação profissional vinculadas ao sistema sindical (Sesc, Senac, Sesi, Senai); natureza jurídica. Contribuições compulsórias de que trata o art. 240 da Constituição; natureza jurídica; sujeito passivo; base de cálculo; vinculação da respectiva receita. Exegese do preceito do art. 240 da Constituição; escopo diversificado. 1. O Sr. Presidente da CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO (CNC) solicita o nosso parecer a respeito da natureza jurídica das entidades de serviço social e formação profissional vinculadas ao sistema sindical (Sesc, Senac, Sesi e Senai), bem assim sobre a natureza jurídica da contribuição a que se refere o art. 240 da Constituição de II A CNC, o Senac, o Senai, o Sesc e o Sesi a) Os antecedentes 2. A formação profissional, em nosso País, ditada, inicialmente, pelas necessidades de nossos arsenais militares, ganhou forte impulso graças à visão dos estadistas que promoveram, por razões notadamente sociais, 7

8 a criação de liceus e escolas profissionalizantes, em etapa prévia ao nosso desenvolvimento industrial. 3. Em excelente síntese histórica, Roberto Carlos Régnier Netto e Oliver Gomes da Cunha destacam que embora, na maioria dos países desenvolvidos, a formação profissional tivesse tido seu despertar com o desenvolvimento industrial, no País, outras circunstâncias a ditaram, e discorrem sobre a longa evolução, no Brasil, da aprendizagem profissional, remontando aos primórdios do século XIX, com os aprendizes do Arsenal de Guerra, e aos meados desse mesmo século, com os aprendizes dos Arsenais de Marinha e os Liceus de Artes e Ofícios, passando pela criação, em 1909, no Governo Nilo Peçanha, das Escolas de Aprendizes e Artífices, e, na década de 1930, durante o Governo Getúlio Vargas, das Escolas Técnicas, para chegar à Constituição de 1937 (in Formando Profissionais para Comércio e Serviços, Senac, Rio, 1987). 4. A Carta de 1937 (Estado Novo), ao tratar da Educação e da Cultura, estabeleceu, no seu art. 129, que o ensino pré-vocacional e profissional destinado às classes menos favorecidas é, em matéria de educação, o primeiro dever do Estado e que é dever das indústrias e dos sindicatos econômicos criar, na esfera de sua especialidade, escolas de aprendizes destinadas aos filhos de seus operários ou de seus associados, dispondo, ainda, que a lei regulará o cumprimento desse dever e os poderes que caberão ao Estado sobre essas escolas, bem como os auxílios, facilidades e subsídios a lhes serem concedidos pelo poder público. 5. Na esteira da Constituição de 1937, o Presidente Getúlio Vargas expediu o Decreto-lei n o 1.238, de 2/5/39, prescrevendo, para todos os estabelecimentos industriais, comerciais e assemelhados, em que trabalhem mais de quinhentos empregados, não só a instalação de refeitórios, como também a manutenção de cursos de aperfeiçoamento profissional, para adultos e menores, verdadeira semente de toda a sistemática que se formou desde então. 8

9 b) A criação da CNC, do Senai e do Senac 6. A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO (CNC) foi fundada em 4 de setembro de 1945, por oito federações patronais, e reconhecida pelo Decreto n o , de 30/11/45, baixado pelo então Presidente José Linhares, tendo por finalidade orientar, coordenar, proteger e defender todas as atividades do comércio, em íntima harmonia com os superiores interesses do País. A essa época, já funcionava a CONFEDERAÇÃO NA- CIONAL DA INDÚSTRIA (CNI), criada em No dia 10 de janeiro de 1946, tomou posse a primeira diretoria da CNC, em sessão solene realizada no Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Nesse mesmo dia, o Presidente da República baixou os Decretos-leis n os e 8.622, o primeiro para dispor sobre a criação do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC) e o segundo para dispor sobre a aprendizagem dos comerciários. 8. No Governo do Presidente Dutra, ao término da guerra e na medida em que se expandiam as indústrias nacionais historia o Presidente da CNC, Antonio Oliveira Santos, a importância da formação e do treinamento profissional tornou-se mais evidente. Destacados líderes empresariais, como Roberto Simonsen, João Daudt de Oliveira e outros, levaram a cabo a iniciativa de consolidar as Confederações da Indústria e do Comércio, como órgãos de cúpula do setor sindical empresarial, instituindo, paralelamente, o Sesi/Senai, em 1945, e o Sesc/Senac, em A criação dessas instituições acrescenta o ilustre articulista constituiu uma verdadeira revolução no sistema educacional brasileiro, abrindo as portas do ensino profissional para milhões de jovens, que iriam guarnecer o chão das fábricas, assim chamados os que, ao nível do ensino médio, dariam suporte às novas indústrias e às cadeias comerciais que se multiplicavam rapidamente (in Em Defesa do Sistema S, na Gazeta, de Vitória, 12/8/2003). 9

10 10. Pelo citado Decreto-lei n o 8.621/46, o Presidente Eurico Gaspar Dutra, com o referendum dos Ministros Otacílio Negrão de Lima, Carlos Coimbra da Luz e Gastão Vidigal, adotando, com rara inspiração, modelo descentralizante e privatista, atribuiu à CNC o encargo de organizar e administrar, no território nacional, escolas de aprendizagem comercial (art. 1º), preceituando, para esse fim, no art. 2 o, que a mencionada entidade criará e organizará o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). 11. A CNC, como disposto no art. 9 o, foi investida da necessária delegação de poder público para elaborar e expedir o regulamento do Senac e as instruções necessárias ao funcionamento dos seus serviços. Seguia-se, desse modo, o modelo anteriormente adotado para a criação do Senai. 12. De fato, o Decreto-lei n o 4.048, de 22/1/42, baixado pelo Presidente Getúlio Vargas, havia criado o Serviço Nacional de Aprendizagem dos Industriários, para organizar e administrar, em todo o País, escolas de aprendizagem para os industriários (art. 2 o ), atribuindo à CNI o encargo de organizar e dirigir a nova entidade (art. 3 o ). 13. No mesmo mês, o Decreto-lei n o 4.073, de 30/1/42 (Lei Orgânica de Ensino Industrial), estabeleceu as bases de organização e de regime de ensino industrial, que é o ramo de ensino, de grau secundário, destinado à preparação profissional dos trabalhadores da indústria e das atividades artesanais e ainda dos trabalhadores dos transportes, das comunicações e da pesca (art. 1 o ). 14. Ainda no mesmo ano, pelo Decreto-lei n o 4.936, de 7/11/42, a referida entidade passou a denominar-se Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, mantida a sigla Senai, sendo ampliado o respectivo âmbito de ação. c) A criação do Sesc e do Sesi A criação do Sesi e do Sesc seguiu modelo semelhante. O Decreto-lei n o

11 9.043, de 25/6/46, em seu art. 1 o, atribuiu à CNI o encargo de criar o Serviço Social da Indústria (Sesi), com a finalidade de estudar, planejar e executar, direta ou indiretamente, medidas que contribuam para o bemestar social dos trabalhadores na indústria e nas atividades assemelhadas, concorrendo para a melhoria do padrão geral de vida no País, e, bem assim, para o aperfeiçoamento moral e cívico e o desenvolvimento do espírito de solidariedade entre as classes (caput), tendo em vista, especialmente, providências no sentido da defesa dos salários reais do trabalhador (melhoria das condições de habitação, nutrição e higiene), a assistência em relação aos problemas domésticos decorrentes da dificuldade de vida, as pesquisas sociais-econômicas e atividades educativas e culturais, visando a valorização do homem e os incentivos à atividade produtora (art. 1 o ). 16. É interessante destacar que, ao baixar o citado decreto-lei, o Presidente da República, então o General Eurico Gaspar Dutra, fez constar do preâmbulo desse diploma legal, sob a forma de considerandos, os motivos que levaram o Governo a adotar o modelo descentralizado para a prestação de serviço público, mediante delegação a um ente privado, entre eles os de que a CNI, como entidade representativa dos interesses das atividades produtoras, em todo o País, oferece o seu concurso para essa obra [a cooperação entre as classes e a promoção do bem-estar dos trabalhadores e de suas famílias], dispondo-se a organizar, com recursos auferidos dos empregadores, um serviço próprio, destinado a proporcionar assistência social e melhores condições de habitação, nutrição, higiene dos trabalhadores e, bem assim, desenvolver o esforço de solidariedade entre empregados e empregadores e, ainda, que os resultados das experiências já realizadas com o aproveitamento da cooperação das entidades de classe em empreendimentos de interesse coletivo, em outro campo de atividade, como o Serviço de Aprendizagem Industrial, são de molde a recomendar a atribuição à Confederação Nacional da Indústria dos encargos acima referidos. 17. Logo depois, o Decreto-lei n o 9.853, de 13/9/46, em seu art. 1 o, utilizando linguagem análoga, atribuiu à Confederação Nacional do 11

12 Comércio o encargo de criar o Serviço Social do Comércio (SESC), com a finalidade de planejar e executar, direta ou indiretamente, medidas que contribuam para o bem-estar social e a melhoria do padrão de vida dos comerciários e suas famílias, e, bem assim, para o aperfeiçoamento moral e cívico da coletividade (caput), tendo em vista, especialmente a assistência em relação aos problemas domésticos (nutrição, habitação, vestuário, saúde, educação e transporte); providências no sentido da defesa do salário real dos comerciários; incentivo à atividade produtora; realizações educativas e culturais, visando a valorização do homem; pesquisas sociais e econômicas (art. 1 o ). 18. Nos considerandos do decreto-lei, foram indicadas, com clareza, as raízes históricas e a ratio legis de suas disposições: Considerando que é dever do Estado concorrer, por todos os meios ao seu alcance, para melhorar as condições de vida da coletividade, especialmente das classes menos favorecidas; Considerando que em recente reunião de entidades sindicais do comércio e associações comerciais de todo o Brasil, realizada nesta capital, foi reconhecida como oportuna a organização de um serviço social em benefício dos empregados no comércio e das respectivas famílias; Considerando que a Confederação Nacional do Comércio, órgão máximo sindical da sua categoria, representativo da classe dos comerciantes, oferece sua colaboração para esse fim, dispondo-se a empreender essa iniciativa com recursos proporcionados pelos empregadores; 12 Considerando que igual encargo foi atribuído à Confederação Nacional da Indústria, pelo Decreto-lei n o 9.403, de 25 de junho de 1946;

13 Considerando que o Serviço Social do Comércio muito poderá contribuir para o fortalecimento da solidariedade entre as classes, o bem-estar da coletividade comerciária e, bem assim, para a defesa dos valores espirituais em que se fundam as tradições da nossa civilização; 19. Completava-se, desse modo, o modelo inovador de descentralização, mediante a delegação, às confederações da classe empresarial, dos poderes necessários para a organização, implementação e manutenção das entidades privadas destinadas à prestação de serviços de interesse da classe dos trabalhadores, nas áreas da indústria e do comércio e assemelhadas. d) A natureza 20. O Senac e o Sesc, assim como o Senai e o Sesi, são entidades dotadas de personalidade jurídica de direito privado, destinatárias de delegação outorgada, mediante lei, pelo Poder Público, para a execução de atividades de relevante interesse social, nas áreas de formação profissional e dos serviços sociais. 21. O Decreto-lei n o 9.853, de 13/9/46, que atribuiu à CNC o encargo de criar e organizar o Sesc, estabeleceu, de modo expresso, que essa entidade teria personalidade jurídica de direito privado, nos termos da lei civil (art. 2 o ). Da mesma forma, dispõem os Regulamentos do Senac e do Sesc, aprovados, respectivamente, pelos Decretos n os e , ambos de 5/12/ A doutrina destacou as diferenças entre tais entidades - pessoas jurídicas de direito privado e as autarquias pessoas jurídicas de direito público. Estas prestam serviços públicos, exercem atividades próprias do Estado. Já o Sesc e o Senac desempenham atividades de relevante interesse social, mas que não constituem serviço público, muito embora possam ser executadas por entes públicos. Semelhantemente, 13

14 funcionam, em nosso País, estabelecimentos de ensino públicos e privados. Há universidades e colégios de natureza privada que recebem auxílios do Poder Público à conta de verbas orçamentárias, mas isso, evidentemente, não lhes altera a natureza jurídica. Por suas peculiaridades, entidades da natureza do Sesc e do Senac têm sido denominadas pela doutrina, entre nós e noutros países, por entidades paraestatais, em razão de exercerem atividades de cooperação com o Estado. 23. A expressão paraestatal surgiu no direito italiano (enti parastatali), para abranger, no dizer de Guido Landi e Giuseppe Potenza, entes públicos nãoterritoriais criati dallo Stato per fini di descentramento instituzionale (in Manuale di Diritto Amnistrativo, 6 a ed., Giuffrè Editore, Milão, 1978, p. 407). Na Itália, entes paraestatais são criados pelo Estado para prestar serviço público, como os de previdência social, assistência etc. 24. Segundo Hely Lopes Meirelles, entidades paraestatais são pessoas jurídicas de Direito Privado, que, por lei, são autorizadas a prestar serviços ou realizar atividades de interesse coletivo ou público, mas não exclusivos do Estado. São espécies de entidades paraestatais os serviços sociais autônomos (Sesi, Sesc, Senai e outros) e, agora, as organizações sociais... (in Direito Administrativo Brasileiro, 27 a ed., Malheiros Editores, S. Paulo, 2002, p. 65/66). 25. As entidades paraestatais preleciona José Cretella Jr. são pessoas privadas e inconfundíveis com as autarquias, porque não desempenham serviços públicos. Em conseqüência, regulam-se nos termos da legislação privada, embora se beneficiem de algumas regras especiais ditadas pelo Poder Público em proveito do interesse social que reveste sua atividade. É fundamental notar que se especificam, precisamente, pela circunstância de haver o Estado colocado a serviço delas seu poder de império. (in Dicionário de Direito Administrativo, Forense, Rio de Janeiro, 1978, p. 376) A Constituição de 1988, em seu art. 240, dispensou às entidades em

15 foco tratamento especial, não só para excluir do sistema de seguridade social as contribuições a elas destinadas, como também para lhes reafirmar, de modo expresso e categórico, a natureza de entidades privadas de serviço social e formação profissional vinculadas ao sistema sindical. 27. As pessoas jurídicas de direito privado são na lição de Caio Mário da Silva Pereira entidades que se originam do poder criador da vontade individual, em conformidade com o direito positivo, e se propõem realizar objetivos de natureza particular, para benefício dos próprios instituidores, ou projetadas no interesse de uma parcela determinada ou indeterminada da coletividade. (in Instituições de Direito Civil, 8ª ed., Forense, Rio de Janeiro, 1984, p. 215). 28. O novo Código Civil classifica as pessoas jurídicas de direito privado em associações, sociedades e fundações (art. 44). Melhor classificação era a estabelecida pelo Código de 1916: sociedades civis, religiosas, pias, morais, científicas ou literárias, associações de utilidade pública e fundações; sociedades mercantis; e partidos políticos (art. 16). 29. O Sesc e o Senac não se ajustam a essa classificação. Não constituem associações, porque não foram criados pela união de pessoas que assim se organizassem para fins não-lucrativos (Cfr. CC, art. 53). Não constituem sociedades, porquanto não foram instituídos mediante contrato celebrado entre pessoas que reciprocamente se obrigassem a contribuir com bens ou serviços, para o exercício da atividade econômica e a partilha entre si, dos resultados (Cfr. CC, art. 981). Em outras palavras, não são constituídos por sócios ou acionistas, nem distribuem dividendos ou resultados. Também não constituem fundações, uma vez que não foram criadas com tal natureza, pela forma prescrita em lei (Cfr. novo CC, arts. 62 e segs.; Código de 1916, arts. 24 e segs.). 30. Como bem observa o eminente Caio Mário da Silva Pereira, as pessoas jurídicas se compõem, ora de um conjunto de pessoas, ora de uma destinação patrimonial, com aptidão para adquirir e exercer direitos e 15

16 contrair obrigações (op. cit., p. 199). Sob esse aspecto, o Sesc e o Senac, por se constituírem de patrimônios (receitas, imóveis, equipamentos etc.) com destinação social, aproximam-se das fundações privadas, mas sem a mesma forma de constituição, administração e fiscalização. 31. O Sesc e o Senac são, em realidade, entidades privadas atípicas ou especiais, a exemplo dos partidos políticos, sendo, indubitavelmente, regidas pela lei civil, pelo Direito Privado, e não pelas normas do Direito Público. Como entidades privadas, foram criadas e organizadas, na forma da lei, pela CNC, a qual é constituída pelo empresariado do comércio de bens e serviços. Conseqüentemente, os patrimônios do Sesc e do Senac são privados. Não pertencem ao Poder Público. 32. A submissão das contas dos administradores do Sesc e do Senac ao controle externo do Tribunal de Contas da União e ao sistema de controle interno do Poder Executivo Federal, a par de contestada por muitos estudiosos, diz respeito ao emprego de recursos derivados da cobrança de contribuições compulsórias, não interferindo, porém, com a natureza jurídica dessas entidades. 33. É oportuno destacar que eventuais alterações legislativas ou regimentais, que tenham por objeto modificar a composição dos órgãos colegiados de direção superior das entidades em foco (Conselhos Nacionais), para proporcionar maioria de votos à representação do Poder Público, numa espécie de estatização, pela via do controle administrativo e financeiro, chocar-se-iam com o espírito e a própria letra do preceito do antes citado art. 240 da Constituição, segundo o qual são pessoas jurídicas de direito privado as entidades de serviço social e formação profissional vinculadas aos sistema sindical Ocorre que a estatização das entidades em tela, além de contrariar as diretrizes do Programa Nacional de Desestatização, regulado em lei, importaria em desapropriação indireta do patrimônio privado, exigindo, ex vi do disposto no art. 5 o, inciso XXIV, da Constituição, justa e

17 prévia indenização em dinheiro, naturalmente em favor das entidades que, na forma da lei, as instituíram e as organizaram. 35. A execução de atividades de interesse social cabe, basicamente, ao Poder Público entre nós, nas três esferas de Governo, mas dele não constituem monopólio. Essas atividades também podem e normalmente são exercidas, em todo o mundo, por entidades privadas criadas com essa finalidade e custeadas, de modo geral, por contribuições de origem privada, mas podem como é comum, em nosso País receber auxílios e subvenções governamentais à conta da receita pública. 36. Por conseguinte, o Senac e o Sesc, assim como o Senai e o Sesi, são, consoante a melhor doutrina, entidades privadas, de natureza paraestatal, constituídas com a finalidade de exercer, por delegação legal do Poder Público, atividades de relevante interesse social. III As Contribuições Compulsórias ao Senac, Senai, Sesc e Sesi a) A instituição 37. Em função das relevantes razões de ordem social, que orientaram a criação do Senac, Senai, Sesc e Sesi, o legislador tratou de estabelecer, nos próprios diplomas legais que os instituíram, as fontes de recursos para o custeio das suas atividades. 38. Para o custeio dos encargos do Senac dispôs o art. 4 o do Decretolei n o 8.621/46, os estabelecimentos comerciais cujas atividades, de acordo com o quadro a que se refere o art. 577 da Consolidação das Leis do Trabalho, estiverem enquadradas nas Federações e Sindicatos coordenados pela Confederação Nacional do Comércio, ficam obrigados ao pagamento mensal de uma contribuição equivalente a um por cento da remuneração paga à totalidade de seus empregados (caput), montante esse que será o mesmo que servir de base à incidência da contribuição 17

18 de previdência social, devida à respectiva instituição de aposentadorias e pensões ( 1 o ). 39. A arrecadação das contribuições estabeleceu o 2 o do art. 4 o será feita pelas instituições de aposentadoria e pensões e o seu produto será posto à disposição do Senac, para aplicação proporcional nas diferentes unidades do País, de acordo com a correspondente arrecadação, deduzida a cota necessária às despesas de caráter geral. 40. Portanto, adotava-se, em relação ao Senac, fonte de custeio também semelhante a que havia sido estabelecida, com pleno êxito, no respeitante ao Senai. 41. Com efeito, o já mencionado Decreto-lei n o 4.048/42, em seu art. 4, obrigou os estabelecimentos industriais das modalidades de indústrias enquadradas na Confederação Nacional das Indústrias ao pagamento de uma contribuição mensal para montagem e custeio das escolas de aprendizagem (caput), fixada no valor de dois mil réis, por operário e por mês ( 1 o ), acrescida de 20% (vinte por cento) para os estabelecimentos com mais de quinhentos empregados (art. 6 o, caput), atribuindo, ao Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Industriários, os encargos relativos à respectiva arrecadação ( 2 o ). 42. O sistema de cobrança da contribuição devida ao Senai foi modificado pelo Decreto-lei n o 6.246, de 5/2/44. A contribuição passou a ser arrecadada na base de um por cento sobre o montante da remuneração paga pelos estabelecimentos contribuintes a todos os seus empregados (art. 1 o ). A base de cálculo dessa contribuição (montante da remuneração) foi fixada como aquela sobre a qual deva ser estabelecida a contribuição de previdência ou caixa de aposentadoria e pensões, a que o contribuinte esteja filiado (art. 1 o, 1 o ), sendo a expressão empregado definida como todo e qualquer servidor de um estabelecimento, sejam quais forem as suas funções ou categoria (art. 1 o, 3 o ). 18

19 43. No que tange ao custeio dos encargos afetos ao Sesi, o Decreto-lei n o 9.043, de 25/6/46, em seu art. 3 o, obrigou os estabelecimentos industriais enquadrados na Confederação Nacional da Indústria, bem como aqueles referentes aos transportes, às comunicações e à pesca, ao pagamento de uma contribuição mensal ao Serviço Social da Indústria para a realização de seus fins (caput), no valor de dois por cento (2%) sobre o montante da remuneração paga pelos estabelecimentos contribuintes a todos os seus empregados, tendo por base de cálculo o montante sobre o qual deva ser estabelecida a contribuição de previdência devida ao instituto de previdência ou caixa de aposentadoria e pensões, a que o contribuinte esteja filiado ( 1 o ). 44. Relativamente ao custeio dos encargos do Sesc, o art. 3 do citado Decreto-lei n 9.853, de 13/9/46, obrigou os estabelecimentos comerciais enquadrados nas atividades sindicais subordinadas à Confederação Nacional do Comércio, bem assim os demais empregadores que possuíssem empregados segurados no IAPC, ao pagamento de uma contribuição mensal (caput), no valor de 2% (dois por cento) sobre o montante da remuneração paga aos empregados, tendo por base de cálculo a importância sobre a qual deva ser calculada a quota de previdência pertinente à instituição de aposentadoria e pensões à qual o contribuinte esteja filiado ( 1 o ) e cabendo a respectiva arrecadação às instituições de previdência social a que estiverem vinculados os empregados, juntamente com as contribuições que lhe forem devidas ( 2 o ). 45. Posteriormente, algumas alterações na sistemática de arrecadação das contribuições em tela foram introduzidas por diplomas legais supervenientes. 46. Pelo Decreto-lei n o 1.861, de 25/2/81, modificado pelo Decreto-lei n o 1.867, de 25/3/81, as citadas contribuições passaram a incidir sobre o limite máximo de exigência das contribuições previdenciárias, mantidas as mesmas alíquotas e contribuintes (art. 1 o ). 19

20 47. Esse limite foi revogado, mais tarde, pelo Decreto-lei n o 2.318, de 30/12/86, o qual, de modo expresso, manteve a cobrança, fiscalização, arrecadação e repasse às entidades beneficiárias das contribuições. 48. Portanto, desde a criação do Senai, Senac, Sesc e Sesi, o custeio das atividades afetas a essas entidades de interesse dos comerciários, industriários e assemelhados foi imputado, exclusivamente à classe empresarial da indústria e do comércio de bens e serviços, mediante uma contribuição, de caráter compulsório, no total de 3% (três por cento), incidente sobre a folha de salários de cada empresa, sendo 2% (dois por cento) para o Sesc ou o Sesi e 1% (um por cento) para o Senac ou o Senai, conforme o caso. b) A natureza 49. As contribuições ao Sesc, Senac, Sesi e Senai não constituem qualquer uma das três espécies do gênero tributo impostos, taxas e contribuições de melhoria e, assim, não integram o Sistema Tributário Nacional, de que tratam o art. 145 da Constituição e o art. 50 do Código Tributário Nacional. 50. Também não constituem modalidade das contribuições sociais enumeradas, taxativamente, pelo art. 195 da Carta de 1988 as contribuições dos empregadores (sobre a folha de salários, a receita ou o faturamento), as contribuições dos trabalhadores e as contribuições incidentes sobre a receita de concursos e prognósticos, e que se destinam a custear as despesas com a previdência social, a assistência à saúde e a assistência social. Desse modo, as Contribuições ao Sesc e ao Senac não integram o Sistema de Financiamento da Seguridade Social Inobstante o caráter compulsório e a incidência sobre o mesmo sujeito passivo das contribuições sociais o empregador e a mesma base de cálculo a folha de salários, a contribuição em foco constitui figura diversa, em razão de sua destinação específica: às entidades

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF)

CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS OU PARAFISCAIS (Art.149 c/c 195, CF) Prof. Alberto Alves www.editoraferreira.com.br O art. 149, caput, da Lei Maior prescreve a possibilidade de a União instituir Contribuições

Leia mais

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1)

Direito Tributário Toque 1 Competência Tributária (1) É com grande satisfação que inicio minha jornada no site da Editora Ferreira. Neste espaço, iremos abordar o Direito Tributário com um único objetivo: obter, nesta disciplina, uma ótima pontuação em qualquer

Leia mais

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS

CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS CONVÊNIOS E CONSÓRCIOS 1. LEGISLAÇÃO - Fundamentação Constitucional: Art. 241 da CF/88 - Fundamentação Legal: Art. 116 da Lei 8.666/93, 2. CONCEITO - CONVÊNIO - é o acordo firmado por entidades políticas

Leia mais

Sumário Capítulo I Teoria das contribuições Andrei Pitten Velloso

Sumário Capítulo I Teoria das contribuições Andrei Pitten Velloso Sumário Capítulo I Teoria das contribuições 1. As contribuições no direito comparado 13 1.1. Itália 13 1.2. Espanha 15 1.3. Alemanha 15 1.4. Portugal 17 1.5. França 18 2. As contribuições no Brasil 19

Leia mais

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos:

PROJETO DE LEI. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 2º O SESF terá em sua estrutura organizacional os seguintes órgãos: PROJETO DE LEI Dispõe sobre a criação do Serviço Social do Transporte Ferroviário - SESF e altera a redação do art. 3º da Lei nº 8.706, de 14 de setembro de 1993. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º

Leia mais

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social

Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social 1.4.7.3. Contribuições do art.195 CF Trataremos nesta aula das contribuições destinadas ao custeio da seguridade social (previdência, saúde e assistência social), espécies de contribuições sociais, como

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário:

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Constitucionalidade 3 - Obrigação 3.1 - Estabelecimentos

Leia mais

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA

REPARTIÇÃO DE RECEITA TRIBUTÁRIA A forma de Estado adotada pela Constituição Federal é a Federação, e esta só estará legitimada se cada ente da Federação gozar de autonomia administrativa e fiscal. A CF estabelece percentuais a serem

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. Dispõe sobre a organização sindical no setor público, afastamento de dirigentes sindicais, negociação coletiva, aplicação do direito de greve e sobre o custeio da organização

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 297, DE 2006 Inclui as doações aos Fundos controlados pelos Conselhos de Assistência Social na permissão para dedução do imposto de renda devido pelas pessoas físicas e jurídicas.

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico.

Analisaremos o tributo criado pela Lei 10.168/00 a fim de descobrir se realmente se trata de uma contribuição de intervenção no domínio econômico. &RQWULEXLomRGH,QWHUYHQomRQR'RPtQLR(FRQ{PLFR XPDDQiOLVHGD/HLQž /XFLDQD7ULQGDGH)RJDoD &DUOD'XPRQW2OLYHLUD A Lei 10.168/2000 criou uma contribuição de intervenção no domínio econômico para financiar o Programa

Leia mais

Paraadministração. Entidades criadas a partir de autorização legislativa. Sociedade e Mercado. Administração Pública. Administração Indireta

Paraadministração. Entidades criadas a partir de autorização legislativa. Sociedade e Mercado. Administração Pública. Administração Indireta Administração Pública Sociedade e Mercado Administração Direta Autarquia Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO I

DIREITO TRIBUTÁRIO I EMPRÉSTIMO COMPULSÓRIO E CONTRIBUIÇÕES ESPECIAIS Questões de múltipla escolha 01) Sobre as contribuições parafiscais, assinale a alternativa correta: A. As contribuições de intervenção no domínio econômico

Leia mais

COMUNICADO nº 033/2013. Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios.

COMUNICADO nº 033/2013. Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios. COMUNICADO nº 033/2013 Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios. Referente: Contribuição Sindical. A na busca de auxiliar os gestores públicos municipais

Leia mais

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito:

Unidade II. A afirmação pode ser comprovada da leitura do dispositivo transcrito: Unidade II 4 IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS A Constituição Federal proíbe a instituição de impostos sobre certas pessoas ou situações. Baleeiro (1976, p. 87) ensina que imunidades tributárias são: vedações absolutas

Leia mais

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção

Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Ilegalidade e inconstitucionalidade da cobrança da Contribuição Sindical Rural. Proposta de sua extinção Kiyoshi Harada* É pacífico na doutrina e na jurisprudência que o crédito tributário resulta do ato

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1988

CONSTITUIÇÃO DE 1988 CONSTITUIÇÃO DE 1988 Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade,

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

O Regime Geral de Previdência Social RGPS

O Regime Geral de Previdência Social RGPS O Regime Geral de Previdência Social RGPS Capítulo 5 O Regime Geral de Previdência Social RGPS Sumário 1. Introdução 2. Os beneficiários do RGPS: 2.1 Os segurados obrigatórios; 2.2. O segurado facultativo;

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul GAB. CONS. MARISA JOAQUINA MONTEIRO SERRANO RELATÓRIO VOTO : REV-G.MJMS-1196/2015 PROCESSO TC/MS : TC/116662/2012 PROTOCOLO : 2012 ÓRGÃO : INSTITUTO MUNICIPAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DE ROCHEDO ASSUNTO DO PROCESSO : CONSULTA RELATOR : CONS. JERSON

Leia mais

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio

Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação. Considerações iniciais acerca do convênio Convênios, contrato de repasse e termo de cooperação Gustavo Justino de Oliveira* Considerações iniciais acerca do convênio Nos termos do artigo 1.º, 1.º, inciso I, do Decreto 6.170/2007, considera- -se

Leia mais

tributo e suas espécies

tributo e suas espécies CAPÍTULO I Direito Tributário, tributo e suas espécies Sumário 1. Breve introdução ao Direito Tributário 2. Tributo 3. Espécies tributárias: 3.1. Impostos; 3.2. Taxas; 3.3. Contribuição de melhoria; 3.4.

Leia mais

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO

SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO SINDICATO E ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS NO ESTADO DO TOCANTINS OCB/TO A OCB/TO é formada por cooperativas singulares, federações e centrais de todos os ramos. Pela Lei 5.764/71, ainda em vigor, todas

Leia mais

Imunidade Tributária e Isenções de Impostos

Imunidade Tributária e Isenções de Impostos Imunidade Tributária e Isenções de Impostos Tomáz de Aquino Resende Procurador de Justiça Coordenador do Centro de Apoio ao Terceiro Setor de Minas Gerais Primeiro, é necessário estabelecermos a diferença

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/99. A PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais,

RESOLUÇÃO Nº 01/99. A PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais, RESOLUÇÃO Nº 01/99 NORMAS DE ARRECADAÇÃO DIRETA MEDIANTE CONVÊNIO, alterações, aprova A PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares

Leia mais

Organizações Sociais. Organizações Sociais (OS) e Organizações da Sociedade de Interesse Público (OSCIP) ENTES DE COOPERAÇÃO. Antes.

Organizações Sociais. Organizações Sociais (OS) e Organizações da Sociedade de Interesse Público (OSCIP) ENTES DE COOPERAÇÃO. Antes. Professor Luiz Antonio de Carvalho Organizações Sociais (OS) e Organizações da Sociedade de Interesse Público (OSCIP) lac.consultoria@gmail.com 1 Segundo o PDRAE-1995 O Projeto Organizações Sociais e Publicização

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei. (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. LEI Nº 3.545, DE 17 DE JULHO DE 2008. Publicada

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 98 Data 3 de abril de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA FÍSICA IRPF DANO MORAL. PESSOA FÍSICA.

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Nota Técnica n.º 8, de 2015. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Subsídios acerca da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 670, de 10 de março de 2015. Núcleo da Receita

Leia mais

Assunto: Representação com fundamento no art. 113, 1º, da Lei nº 8.666/93.

Assunto: Representação com fundamento no art. 113, 1º, da Lei nº 8.666/93. Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Decisão 408/95 - Plenário - Ata 37/95 Processo nº TC 500.085/95-1 Interessada: CONTHÁBIL Auditoria, Consultoria e Planejamento Ltda. Entidade: Departamento

Leia mais

CONSIDERANDO a implantação do Sistema Digital de Consignações e a crescente demanda de averbações de consignações em folha de pagamento;

CONSIDERANDO a implantação do Sistema Digital de Consignações e a crescente demanda de averbações de consignações em folha de pagamento; DECRETO Nº 1843-R, DE 25 DE ABRIL DE 2007. Altera as disposições sobre consignação em folha de pagamento, nos termos do Art. 74 da Lei Complementar nº. 46 de 31 de Janeiro de 1994, e nos termos das Alíneas

Leia mais

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas.

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas. DIRETRIZES NORMATIVAS ELABORADAS PELO GRUPO DE TRABALHO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SOBRE ORGANIZAÇÃO SINDICAL, NEGOCIAÇÃO COLETIVA, APLICAÇÃO DO DIREITO DE GREVE, CUSTEIO E LIBERAÇÃO DE DIRIGENTE

Leia mais

SOARES & FALCE ADVOGADOS

SOARES & FALCE ADVOGADOS SOARES & FALCE ADVOGADOS ASPECTOS LEGAIS DA CAPTAÇÃO DE RECURSOS VIA BAZARES E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Michael Soares 03/2014 BAZAR BENEFICENTE E VENDA DE PRODUTOS NAS ORGANIZAÇÕES Quais os

Leia mais

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI)

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI) Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI) A EIRELI é uma nova forma de pessoa jurídica composta por uma só pessoa física. Os primórdios das pessoas jurídicas sempre estiveram ligados à ideia

Leia mais

AULA 06. ESPÉCIES TRIBUTÁRIAS (cont.) Empréstimo compulsório (cont.) Recepção do art.15 do CTN. Dispõe o art.15 do CTN:

AULA 06. ESPÉCIES TRIBUTÁRIAS (cont.) Empréstimo compulsório (cont.) Recepção do art.15 do CTN. Dispõe o art.15 do CTN: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Tributário / Aula 06 Professor: Mauro Luís Rocha Lopes Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 06 CONTEÚDO DA AULA: (Continuação de espécies tributárias).

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA

CONTABILIDADE PÚBLICA CONTABILIDADE PÚBLICA 1. Conceito: Para Bezerra Filho (2006, p.131), a Contabilidade pública pode ser definida como o ramo da ciência contábil que controla o patrimônio público, evidenciando as variações

Leia mais

LEI Nº 599/2011. Artigo 1 - As consignação Pública direta e indireta do Município de Novo São Joaquim são disciplinadas por esta Lei.

LEI Nº 599/2011. Artigo 1 - As consignação Pública direta e indireta do Município de Novo São Joaquim são disciplinadas por esta Lei. LEI Nº 599/2011 DISPÕE SOBRE AS CONSIGNAÇÕES EM FOLHA DE PAGAMENTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEONARDO FARIAS ZAMPA, Prefeito Municipal de Novo São Joaquim MT faz saber

Leia mais

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES

PARECER Nº, DE 2011. RELATOR: Senador FRANCISCO DORNELLES PARECER Nº, DE 2011 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em caráter terminativo, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 18, de 2011 (Projeto de Lei nº 4.605, de 2009, na origem), do Deputado

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 52 - Data 27 de fevereiro de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Imposto sobre a Renda de Pessoa Jurídica - IRPJ Ementa: As pessoas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.424, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações

Senado Federal Subsecretaria de Informações Senado Federal Subsecretaria de Informações Data 19/12/2003 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41 Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do 3º do art. 142 da

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Consultoria Legislativa NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Relativa à STC nº 2015-03673, do Senador Ricardo Ferraço, que solicita a análise sobre a legislação federal e estadual, acerca da possibilidade

Leia mais

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA I. Intróito Na qualidade de Professor de Servidor Público da UESB e de advogado da ADUSB, nos fora solicitado pela Diretoria desta entidade sindical

Leia mais

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado.

Fiscal - quando seu principal objetivo é a arrecadação de recursos financeiros para o Estado. TRIBUTO Conceito: É toda prestação pecuniária, compulsória, em moeda ou cujo valor nela possa se exprimir, que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante atividade administrativa

Leia mais

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO CARTA DEL LAVORO (Aprovada no Grande Conselho Fascista, de 21 de abril de 1927) DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO I - A Nação italiana é um organismo com finalidades, vida, meios, de ação superior,

Leia mais

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS

PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS PRINCIPAIS TRIBUTOS PÁTRIOS E SEUS FUNDAMENTOS Thiago Figueiredo de Lima Cursando o 9º Semestre do Curso de Direito A Constituição Federal, como lei fundamental de organização do Estado, determina a competência

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho II Professora: Cláudia Glênia JUR: NÃO DEVE SER USADO COMO CONTEÚDO DE ESTUDO, NÃO DEVE SER

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho

Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho Organização sindical: Contribuições, Convenções e Acordos Coletivos do Trabalho, Dissídio Coletivo, Direito de Greve (Lei nº 7.783, de 28/6/89). Comissões de Conciliação

Leia mais

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal.

orçamentária se realize na conformidade dos pressupostos da responsabilidade fiscal. PORTARIA Nº O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria nº 403, de 2 de dezembro de 2005, do Ministério da Fazenda, e Considerando o disposto no 2º do art. 50 da

Leia mais

DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969.

DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969. DECRETO LEI 509 DECRETO-LEI Nº 509, DE 20 DE MARÇO DE 1969. Dispõe sobre a transformação do Departamento dos Correios e Telégrafos em empresa pública, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Professor Alex Sandro.

Professor Alex Sandro. 1 (OAB 2009-3 CESPE Q. 58) Considere que João e Marcos tenham deliberado pela constituição de sociedade limitada, com atuação no segmento de transporte de cargas e passageiros na América do Sul. Nessa

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE,

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE, LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 Autoriza o Poder Executivo a criar a Administração Estadual do Meio Ambiente, sob a forma de autarquia estadual, e dá outras providências. O GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público 1 Para adquirir a apostila digital de 200 Questões Fundamentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...59 Bibliografia...101 2 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Alguns Aspectos da Tributação das Fundações de Direito Privado

Alguns Aspectos da Tributação das Fundações de Direito Privado Alguns Aspectos da Tributação das Fundações de Direito Privado I. INTRODUÇÃO Frederico da Silveira Barbosa Advogado Como regra geral, os atributos específicos da pessoa jurídica tributada não são relevantes

Leia mais

DESPACHO nº 361/2012

DESPACHO nº 361/2012 DESPACHO nº 361/2012 (Aprovado em Reunião de Diretoria em 30/10/2012) Ref.: expediente CFM nº 9420/2012 Assunto: Cobrança. Anuidade. SESI. Imunidade. Inocorrência. Isenção. Possibilidade. Trata-se de expediente

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 54 - Data 20 de fevereiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO INDÚSTRIA DE CONFECÇÕES COM

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 13.895 Servidores do Quadro Especial criado pela Lei n o 10.959/98. Auxílio-rancho e gratificação ordinária incorporada. Inclusão na base de cálculo de outras vantagens pecuniárias. Vem a esta

Leia mais

PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA. 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta

PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA. 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta 1 DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA PONTO 4: ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INDIRETA 1. ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Administração Direta e Indireta O Estado, enquanto

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Altera dispositivos da Lei Complementar Estadual n.º 308, de 25 de outubro de 2005, e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS Ricardo Benevenuti Santolini 1 Resumo: A norma jurídica possui como princípio basilar regulamentar a conduta

Leia mais

Direito Administrativo. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda

Direito Administrativo. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direito Administrativo Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda QUESTÃO 1: CESPE - AA (ICMBIO)/ICMBIO/2014 No que diz respeito à organização administrativa,

Leia mais

Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal

Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal Ilegalidade da retenção pela Administração Pública dos pagamentos devidos a contratada com irregularidade fiscal Leone Coelho Bagagi Mestrando em Administração Pública pela Universidade Federal da Bahia

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ORGANIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 - Administraça o Indireta Administração Indireta: Autarquias* Fundações Empresas Públicas Sociedade de Economia Mista *Dentro do conceito de autarquias: Consórcios públicos, associações públicas, agências

Leia mais

URGENTE. Para: SINDICATO DOS FISCAIS E AGENTES FISCAIS DE TRIBUTOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS- SINDIFISCO/MG PARECER

URGENTE. Para: SINDICATO DOS FISCAIS E AGENTES FISCAIS DE TRIBUTOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS- SINDIFISCO/MG PARECER URGENTE De: Departamento Jurídico do SINDIFISCO/MG Belo Horizonte, 23 de abril de 2009. Para: SINDICATO DOS FISCAIS E AGENTES FISCAIS DE TRIBUTOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS- SINDIFISCO/MG PARECER Trata-se

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 180 da Constituição, decreta:

O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 180 da Constituição, decreta: DECRETO-LEI Nº 9.295/46 Cria o Conselho Federal de Contabilidade, define as atribuições do Contador e do Guardalivros e dá outras providências. O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere

Leia mais

Características das Autarquias

Características das Autarquias ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Almir Morgado Administração Indireta: As entidades Administrativas. Autarquias Define-se autarquia como o serviço autônomo criado por lei específica, com personalidade d

Leia mais

O regime complementar do servidor público

O regime complementar do servidor público O regime complementar do servidor público Leandro Madureira* RESUMO: O servidor que ingressou ou venha a ingressar no serviço publico a partir de 4 de fevereiro de 2013 tem a aposentadoria limitada ao

Leia mais

Direito Administrativo: Organização Administrativa

Direito Administrativo: Organização Administrativa Direito Administrativo: Organização Administrativa Material didático destinado à sistematização do conteúdo da disciplina Direito Administrativo I ministrada no semestre 2014.1 do curso de Direito. Autor:

Leia mais

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com

Críticas e sugestões através do nosso e-mail: iprevi1@hotmail.com 1 CARTILHA DO SEGURADO 1. MENSAGEM DA DIRETORA PRESIDENTE Esta cartilha tem como objetivo dar orientação aos segurados do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Itatiaia IPREVI,

Leia mais

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA. Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa

2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA. Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa 2.1.3. CLASSIFICAÇÃO DOUTRINÁRIA DA COMPETÊNCIA TRIBUTÁRIA Cuida, primeiramente, destacar que não há um consenso, entre os autores, para essa classificação, entretanto, apresentaremos a seguir aquela que

Leia mais

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) Fonte: elaboração própria abril de 2013 EMENTA: CONTEXTO LEGISLATIVO. OS PRINCIPAIS SETORES. CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SUBSTITUÍDAS. CRITÉRIO

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. (Do Deputado Robério Negreiros) ~1.. ::J ".,,.",

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL. (Do Deputado Robério Negreiros) ~1.. ::J .,,., CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL EMENDA N 1 /2015 (MODIFICATIVA) (Do Deputado Robério Negreiros) Ao Projeto de Lei no 145 de 2015 que "Dispõe sobre a publicação mensal, em diário oficial e outros

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 411/2009 TCE/TO Pleno

RESOLUÇÃO Nº 411/2009 TCE/TO Pleno RESOLUÇÃO Nº 411/2009 TCE/TO Pleno 1. Processo nº: 07854/2008 2. Classe de Assunto: III - Consulta 3. Entidade: Defensoria Pública 4. Interessado: Estellamaris Postal 5. Relator: Conselheiro Napoleão de

Leia mais

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos.

1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. Chave de Correção Direito Tributário Professor: Alexandre Costa 1) Explique o conceito de tributo. Art. 3º do CTN, prestação em dinheiro, obrigação ex lege, baseada em fatos lícitos. 2) Diferencie imposto

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais

Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Direito Tributário Espécies de Tributos Contribuições de Melhoria, Empréstimos Compulsórios e Contribuições Especiais Sergio Karkache http://sergiokarkache.blogspot.com Contribuições de Melhoria A contribuição

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 28/05/2008

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 28/05/2008 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 28/05/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Confederação Nacional dos Trabalhadores

Leia mais

ENTIDADES PARAESTATAIS

ENTIDADES PARAESTATAIS ENTIDADES PARAESTATAIS I) CONCEITO Embora não empregada na atual Constituição Federal, entidade paraestatal é expressão que se encontra não só na doutrina e na jurisprudência, como também em leis ordinárias

Leia mais

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014

FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 FATO GERADOR DO ICMS NA IMPORTAÇÃO RE 540.829-SP - 11/09/2014 ASPECTOS HISTÓRICOS Em passado remoto, o Estado de São Paulo tentou instituir a cobrança do ICMS na importação de mercadorias e o fez por decreto.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL Decisão: / 2015 RCB_GAC 20ª Vara Federal Processo nº 54133-84.2015.4.01.3400 Classe: 1100 Ação Ordinária / Tributária Autor : Fauvel e Moraes Sociedade de Advogados Rés : União (Fazenda Nacional) Juiz

Leia mais

SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA

SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA SUBVENÇÃO SOCIAL A ENTIDADE PRIVADA Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado Questão interessante diz respeito aos requisitos legais a serem cumpridos pelos municípios para repassar subvenção social a entidades

Leia mais

Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos

Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos Remuneração de Dirigentes de Entidades Sem Fins Lucrativos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais.

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Jose Luis Wagner Luciana Inês Rambo Flavio Alexandre Acosta Ramos Junho de 2009 1 1. Introdução Desde

Leia mais

NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006.

NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006. NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006. A MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES E O CÁLCULO DOS PROVENTOS DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS FACE A EMENDA CONSTITUCIONAL N.º 41, DE 2003 1.

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 Regulamenta o exercício das profissões de transcritor e de revisor de textos em braille. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Na produção de textos no sistema

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ESTUDO ESTUDO QUADRO COMPARATIVO DA LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA Cláudia Augusta Ferreira Deud Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ABRIL/2007 Câmara dos Deputados

Leia mais

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba

Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Renato Silva de Assis Supervisor Técnico da Paraíba Análise do Projeto de Lei que dispõe sobre os planos de custeio e de benefícios do regime próprio de previdência social do Estado da Paraíba No dia 20

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA

CONSTITUIÇÃO DE 1988 ART. 156. COMPETE AOS MUNICÍPIOS INSTITUIR IMPOSTO SOBRE: I- PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA ART. 32. O IMPOSTO, DE COMPETÊNCIA DOS MUNICÍPIOS, SOBRE A PROPRIEDADE PREDIAL E TERRITORIAL URBANA TEM COMO FATO GERADOR A PROPRIEDADE, O DOMÍNIO

Leia mais

CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL

CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 15 CUSTEIO DA SEGURIDADE SOCIAL A Seguridade Social é financiada por toda a sociedade, de forma direta e indireta, mediante recursos provenientes

Leia mais

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Capítulo I Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Desapropriação é o termo jurídico que indica ato, emanado do poder público, do qual resulta a resolução do domínio do titular sobre

Leia mais

PROJETO DE LEI. Autoriza a criação da empresa pública Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. - CEITEC.

PROJETO DE LEI. Autoriza a criação da empresa pública Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. - CEITEC. PROJETO DE LEI Autoriza a criação da empresa pública Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada S.A. - CEITEC. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Fica a União autorizada a criar empresa

Leia mais

I-DIREITO TRIBUTÁRIO e o DIREITO FINANCEIRO

I-DIREITO TRIBUTÁRIO e o DIREITO FINANCEIRO I-DIREITO TRIBUTÁRIO e o DIREITO FINANCEIRO 1 I - O DIREITO TRIBUTÁRIO E O DIREITO FINANCEIRO 1- A atividade financeira do Estado 2- O Direito Financeiro e o Direito Tributário 3- A autonomia do Direito

Leia mais