MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS"

Transcrição

1 1. APRESENTAÇÃO A adaptou o presente Manual de Orientação e Procedimentos tendo como base o trabalho desenvolvido pelo SESCON-SP, durante o XVII ENCONTRO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO ESTADO DE SÃO PAULO, a partir de colaborações enviadas por diversas empresas associadas. O Manual, naturalmente, deverá ser adaptado por cada empresário, em razão das suas características próprias, perfil, atividades e outros fatores que forem julgados relevantes e passa a fazer parte do Contrato de Prestação de Serviços Contábeis. Evidentemente, pela própria abrangência e diversidade dos assuntos, aliados à dinâmica da legislação e práticas comerciais contábeis, o presente trabalho será constantemente revisado e atualizado, a fim de que as alterações porventura ocorridas não inviabilizem sua plena utilização. A criação de novos dispositivos legais e novas ferramentas informatizadas afetarão diretamente as rotinas aqui descritas, mais especificamente, o Sistema Público de Escrituração Digital SPED. Por último, é importante frisar que a forma e o conteúdo ora apresentados, são apenas as linhas gerais de cada tema, não pretendendo concluir e/ou esgotar os temas aqui tratados. As informações aqui contidas tem como lastro a legislação vigente de forma que, todas as decisões e da empresa deverão ser tomadas após minucioso estudo e corroboradas por sua assessoria jurídica, sendo estes os profissionais habilitados a dar a correta interpretação das leis. Agradecemos toda e qualquer sugestão que possa aperfeiçoar o presente trabalho. Prisma Consultoria Empresarial 2. DEPARTAMENTOS DA EMPRESA CONTÁBIL -Gestão Contábil; -Gestão de Impostos; -Gestão de RH; -Operacional Apoio; -Gestão Legal e Societária; -Protocolo. 3. COMPETÊNCIAS DE CADA DEPARTAMENTO GESTÃO CONTÁBIL -Organização, contabilização de documentos e conciliação; -Elaboração de Balancetes, Balanços e demais demonstrativos contábeis; -Livro Diário e Livro Razão; -Elaboração da Declaração de Imposto de Renda Pessoa Jurídica e demais assuntos contábeis. 1

2 GESTÃO DE IMPOSTOS - Escrituração das Notas Fiscais (Entrada/Saída/Serviços); - Apuração de impostos (federais, estaduais e municipais); - Elaboração dos livros fiscais; -Cumprimento das demais obrigações assessórias mensais; trimestrais, semestrais e anuais relativas aos tributos federais; estaduais, municipais e encargos sociais. GESTÃO DE RH - Rotina de admissões e rescisões; - Procedimentos relacionados formalização do contrato de trabalho; - Elaboração de folha de pagamento; - Apuração encargos sociais sobre folha de pagamento; - Procedimentos para fins de homologação TRCT na DRT ou no Sindicato da Categoria. Calendário Anual de Obrigações - RH Janeiro Contribuição sindical patronal; Contribuição previdenciária - recolhimento trimestral; Diferença 13º. Salário; Contribuição Sindical dos empregados; Mapa de Risco; PPRA; PCMSO; GFIP/SEFIP competência 13º. Fevereiro -Contribuição Sindical dos Autônomos e Profissionais Liberais; -Comprovante de Rendimentos Pagos e de Retenção. Março -Contribuição Sindical dos Empregados Urbanos retenção; -RAIS; -DSPJ. Abril -Contribuição Sindical dos Empregados Urbanos recolhimento; -Relatório das Atividades das Entidades Beneficentes; -Contribuição Previdenciária - recolhimento trimestral; - Declaração Anual de Ajuste IRPF. Maio -Contribuição Sindical Relação Entrega; -Entrega de Atestado de Freqüência Escolar - para fins do benefício Salário Família. 2

3 Junho Não há obrigações específicas a cumprir neste mês. Julho Contribuição Previdenciária - recolhimento trimestral. Agosto Não há obrigações específicas a cumprir neste mês. Setembro FGTS Extratos de contas vinculadas; Entrega dos extratos das contas do FGTS aos empregados. Outubro Contribuição Previdenciária - recolhimento trimestral. Novembro Décimo terceiro salário primeira parcela; Até o dia 30.11, o empregador pagar a 1ª parcela do 13o. salário, salvo se o empregado já tenha recebido por ocasião das férias. Dezembro Décimo terceiro salário segunda parcela; Até dia se paga a segunda parcela do 13º. Salário, deduzindo após o desconto dos encargos incidentes, o valor da 1ª parcela. OPERACIONAL E APOIO - Realização de diligências externas junto aos órgãos públicos. GESTÃO LEGAL E SOCIETÁRIA -Processo de abertura, alterações e encerramento de empresas. PROTOCOLO RECEPÇÃO -Arquivamento de documentos de clientes; -Controle interno de emissão e tramitação de documentos; -Retirada e entrega de documentos dos clientes; -Recebimento de documentação em geral relacionada às atividades econômicas dos clientes; -Atendimento telefônico e serviço de fax. 3

4 CONSULTORIA a.orientações sobre calendário mensal das obrigações e tabelas práticas nos âmbitos: tributário federal, tributário estadual, trabalhista e previdenciária conforme legislação vigente. b.orientações quanto ao preenchimento de notas fiscais, escriturações dos registros fiscais de todos os livros obrigatórios preenchimento de notas, cálculo de guias em atraso, informação sobre vencimento de impostos e contribuições, dúvidas sobre folha de pagamento, e informações de toda rotina operacional vinculada aos serviços contratados com nossa empresa. As consultas deverão ser formuladas previamente à realização das operações e com tempo hábil para verificação das normas. Serão de exclusiva responsabilidade da empresa, todas as conseqüências advindas da não observação da presente orientação. Nota: A presente consultoria é voltada para aspectos técnicos contábeis previstos na legislação. Para a eventual contestação de normas a Empresa deverá utilizar sua assessoria legal. Assessoria Atividade de apoio técnico voltado às fiscalizações nos âmbitos federal, estadual e municipal. 4.DOCUMENTOS QUE DEVEM SER ENVIADOS PARA A ORGANIZAÇÃO CONTÁBIL GESTÃO FISCAL 1.Notas fiscais de compras de mercadorias, matérias-primas e ativo imobilizado; 2. Notas fiscais de vendas de mercadorias e prestação de serviços, faturas e notas de cobrança de qualquer natureza; 3. Os comprovantes de recolhimento dos impostos e taxas pagas deverão ser enviados, original ou fotocópia, na qual seja legível a autenticação bancária, ou deve ser anotada a data de pagamento. GESTÃO DE RH -Documentos e informações para registro de empregados e elaboração da folha de pagamento; -planilhas de comissões e variáveis de salários, recibos de pagamento a autônomos contratados durante o mês, contendo todos os dados pessoais (nome, endereço, RG, CPF, PIS), para inclusão na GFIP mensal e recolhimento dos encargos incidentes; -Aviso prévio e outras informações para elaboração de rescisões contratuais. GESTÃO CONTÁBIL -Extratos Bancários: verificar a seqüência da movimentação da conta; na falta de algum extrato solicitar imediatamente o período faltante, ou solicitar um extrato mensal completo; -Depósito Bancário: anexar cópia do comprovante da origem. -Avisos de Cobrança: anexar cópias das duplicatas; -Enviar todos os avisos bancários, tais como: despesas, transferências, aplicações, débitos, créditos, etc.; -Contratos de seguros, empréstimos, financiamentos, leasing, etc - enviar uma cópia do contrato e do pagamento das parcelas; -Despesas com condução e correio: usar o vale despesas para cada item; -Despesas com refeições, gasolina, álcool, material de limpeza, brindes, conservação, manutenção, e outras pequenas despesas 4

5 somente poderão ser contabilizadas quando comprovadas com a nota fiscal ao consumidor, cupom fiscal ou nota fiscal de serviços. As faturas de cartões de crédito, mesmo corporativo, sem as respectivas notas fiscais/cupons fiscais, não terão validade. É imprescindível anexar os comprovantes. Na falta destes, o valor será considerado Distribuição de Lucros se houver ou, Pro Labore, com a incidência dos encargos sociais. -Nos recebimentos de duplicatas por caixa, anexar cópia da mesma ao depósito ou anotar a data do recebimento no verso; Observações: Ticket de máquinas registradoras (supermercados), comandas, orçamentos, notas de controle interno, despesas particulares (sócios) não devem ser enviadas, pois não possuem valor contábil. Caso sejam pagas com recursos da Empresa, serão considerados Pro Labore indireto (sujeito a encargos sociais) ou Distribuição de Lucros, se existirem reservas. 5.DOCUMENTOS LEGAIS Os documentos legais de constituição da pessoa jurídica, que devem ser arquivados em pastas próprias para apresentação a fiscalização ou para utilização no cumprimento de obrigações acessórias, são os seguintes: Principais -Contrato Social, Ata de Fundação ou Estatuto Social e Atas de Assembléias Gerais; -Alterações Contratuais; -CADESP/DECA Declaração Cadastral Secretaria da Fazenda; -CNPJ; -Inscrição na Prefeitura - CCM; Acessórios Inscrição em órgãos de Fiscalização Específicos; Termo de Opção pelo Simples Nacional; Alvarás de Funcionamento; CADAN Cadastro de Anúnciantes. 6.DOCUMENTOS DE AFIXAÇÃO OBRIGATÓRIA Empresas Optantes pelo Simples Nacional Obrigações Dispensadas A Lei Complementar 123/2006 dispensa as Microempresas e as Empresas de Pequeno Porte das seguintes obrigações: afixação de Quadro de Trabalho em suas dependências; anotação das férias dos empregados nos respectivos livros ou fichas de registro; empregar e matricular seus aprendizes nos cursos dos Serviços Nacionais de Aprendizagem; livro intitulado Inspeção do Trabalho ; e comunicar ao Ministério do Trabalho e Emprego a concessão de férias coletivas. Nos termos da Lei Complementar 123/2006, as ME e EPP não estão dispensadas das seguintes obrigações: (a) anotação do horário de trabalho em registro de empregados com a indicação de acordos ou contratos coletivos caso sejam celebrados; 5

6 b) anotação da hora de entrada e saída, em registro manual, mecânico ou eletrônico, para os estabelecimentos de mais de 10 empregados; c) controle de horário em ficha ou papeleta de serviço externo. DOCUMENTOS TRABALHISTAS Nos termos da Lei Complementar 123/2006, as empresas optantes por este sistema tributário estão obrigadas aos seguintes procedimentos: anotações na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS); arquivamento dos documentos comprobatórios de cumprimento das obrigações trabalhistas e previdenciárias, enquanto não prescreverem essas obrigações; apresentação da Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social (GFIP); apresentação das Relações Anuais de Empregados, da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) e do Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados (CAGED). DEMAIS EMPRESAS SAÚDE PÚBLICA PLACA INDICATIVA DA PROIBIÇÃO DE VENDA DE CIGARROS E BEBIDAS PARA MENORES Obrigados ao cumprimento: estabelecimentos que comercializam cigarros e bebidas TRABALHISTA Empregados Menores a) Quadro de horário de menores - conforme modelo aprovado pela art. 14 da Portaria n. 3626/91 do MRPS b)empresa com horários de empregados diferentes de uma mesma seção. c) Escala de Revezamento Deverá ser adotado modelo livre de escala de revezamento, ou seja, modelo de sua escolha, sendo obrigatório nos serviços que exijam trabalho aos domingos e feriados, exceto para elencos teatrais. (art. 67 da CLT e Lei 605/49) A escala de revezamento deverá ser organizada mensalmente para homens e quinzenalmente para mulheres (art. 386 da CLT) d) Quadro de horário Obrigados ao cumprimento: empregadores, exceto micro e pequenas empresas, na forma prevista na Lei Complementar 123/06. e)acordos Coletivos Afixar cópia autenticada das convenções e dos acordos coletivos que efetuar, inclusive o acordo de 6

7 compensação de menores, que é celebrado entre a empresas e o sindicato representativo da categoria. f)segurança do Trabalho Avisos e placas referentes à manutenção, armazenagem e manuseio de materiais perigosos e insalubres; instalações elétricas; interdição de uso; construção civil; explosivos; localização de extintores; carga máxima de equipamentos e caldeiras. CONDIÇÕES DE VENDA A PRAZO: (preço à vista; taxa de juros ao mês, quando prefixada; taxa de juros ao mês que será acrescida ao índice pactuado, quando pós-fixado; taxa incidente de juros ao ano; multa de mora, que não poderá exceder a 2%). Obrigados ao cumprimento: estabelecimentos comerciais e os prestadores de serviços. LEGISLAÇÃO ESTADUAL a) - TRIBUTÁRIA CARTAZ SONEGAR É CRIME Obrigados ao cumprimento: os estabelecimentos obrigados a emitir nota fiscal. b) - DEFESA DO CONSUMIDOR CARTAZ COM TELEFONES E ENDEREÇOS DE ÓRGÃOS (POLÍCIA CIVIL, PROCON e IPEM) Obrigados ao cumprimento: estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços. Todos os estabelecimentos industriais, comerciais e de prestação de serviços deverão manter em local visível e acessível, pelo menos um exemplar atualizado do Código de Defesa do Consumidor. c).fiscalização SANITÁRIA CARTAZ DE INDICAÇÃO DO ÓRGÃO SANITÁRIO DE FISCALIZAÇÃO Obrigados ao cumprimento: estabelecimentos comerciais de gêneros alimentícios, abertos à presença do público, fiscalizados pela Secretaria de Estado da Saúde, diretamente ou por órgão delegado. OBSERVAÇÕES: Os produtos expostos ao público na vitrine ou dentro do estabelecimento devem ter seus preços obrigatoriamente afixados no próprio produto, de forma visível ao consumidor, bem como prazo de validade dos produtos. 7 RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO PESSOAL 7.1 Cuidados Especiais O cumprimento das obrigações trabalhistas e o recolhimento dos encargos sociais requerem especial atenção, seja pela peculiar condição da relação entre a empresa e seus empregados, ou pela exigüidade de prazos para a execução das muitas rotinas envolvidas, aliadas às severas multas quando de sua não observância. Recomendamos que todos os documentos sejam arquivados de forma individual, para facilitar o atendimento de solicitações tanto por parte da fiscalização como por parte de ex funcionários, no caso de aposentadoria 7

8 ou, pela assessoria jurídica, no caso de demandas judiciais.os relatórios de folha de pagamento, encargos sociais e guias de recolhimento devem ser arquivados em pastas individuais, assim como, cada funcionário deverá ter o seu prontuário com todos os recibos de pagamento, comunicados, atestados, etc. Além da Consolidação das Leis Trabalhistas outras normas jurídicas norteiam a relação empregatícia tais como normas coletivas, regulamentos internos e legislações esparsas. Tais considerações expressadas neste referido manual não esgotam o assunto. 7.2 Procedimentos de rotinas de pessoal: Admissão de Funcionários A legislação estabelece prazo de 48 horas para que seja procedido ao registro do empregado. Deve-se evitar, sempre que possível, a contratação ou demissão no período em que a folha de pagamento esteja sendo processada, ou seja, após o dia 20 de cada mês. Documentos Para a Admissão -CTPS - Carteira de Trabalho e da Previdência Social (original) -Ficha de Admissão; -Atestado do Exame Médico Admissional; -1 Foto 3X4; -Cópia da cédula de identidade (RG); -Cópia do Cartão de Identificação do Contribuinte (CPF); -Cópia do Título de Eleitor; -Cópia da Carteira Nacional de Habilitação (CNH)- para os motoristas; -Cópia Certificada de Alistamento Militar ou Reservista; -Cópia da Certidão de Casamento; -Cópia das certidões de nascimento dos filhos e dependentes; -Cópia do Cartão de vacinação - filhos menores de 14 anos; (apresentação de atestados de freqüência escolar); -Relação de dependentes identificados pelo nome, grau de parentesco e idade; Na Ficha de Admissão deverão constar os principais dados do empregado, tais como: nome, endereço, estado civil, função, salário (por mês, hora ou tarefa) e horário de trabalho. As cópias de documentos fornecidas deverão ser devolvidas ao empregado, após sua utilização, no prazo máximo de 5 (cinco) dias, tendo em vista ser crime a retenção de documentos, ainda que sob a forma de cópia (Lei 5553/68). A CTPS deve ser devolvida em, no máximo, 48 horas. (art. 29 da CLT ) Informações adicionais poderão ser solicitadas. 7.3 Contrato de Experiência O contrato de experiência pode ser prorrogado uma única vez, com duração máxima de noventa dias. Para admissões - com período de experiência - observar quanto à rotina de anotações nos devidos documentos trabalhistas (ficha de registro CTPS). Alerte-se que se não houver interesse na continuidade do empregado, o contrato de experiência não pode superar a data limite, sob pena de ser considerado um contrato por prazo indeterminado, surgindo novamente a necessidade da concessão de aviso-prévio e do pagamento da multa do FGTS para a rescisão contratual. Caso o término do contrato ocorra em dia não útil, a comunicação da rescisão deverá ser antecipada e o pagamento deverá ocorrer no 1º dia útil, subsequente ao da rescisão. 8

9 7.4 Rescisão do Contrato de Trabalho Aviso Prévio O aviso prévio deverá ser concedido pela parte que provoca a rescisão do contrato de trabalho e tem a duração mínima de 30 dias. Durante o aviso prévio, caso a rescisão tenha sido promovida pelo empregador, o horário normal do empregado será reduzido de duas horas diárias, podendo a redução ser convertida em ausências de sete dias corridos. (art. 488 da CLT). Quando a rescisão for promovida pelo empregado e o mesmo não conceder o aviso prévio ao empregador, este poderá descontar os salários correspondentes ao prazo respectivo. O prazo para a quitação e homologação é o primeiro dia útil após o término do aviso prévio trabalhado. Caso o aviso prévio seja indenizado, o prazo passa a ser o décimo dia, contado a partir da comunicação da dispensa. Nos casos de empregados com mais de 1 ano de serviço na empresa haverá necessidade de homologação no sindicato da categoria profissional do trabalhador ou no Ministério do Trabalho, observando os preceitos da IN 3 /02 SRT da SRT Na elaboração do Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho, as verbas rescisórias deverão obedecer à legislação trabalhista e a Convenção Coletiva da categoria, a qual poderá conceder benefícios adicionais por idade, tempo de serviço, dentre outras. Documentos Necessários Empregados com mais de 1 (um) ano: -Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho; -Demonstrativo de cálculo de médias, se houverem; -Comprovante de depósito bancário ao ex- empregado no valor das verbas rescisórias; -CTPS - Carteira de Trabalho e Previdência Social atualizada; -Livro ou Ficha de Registro de Empregados; -Comprovante de Aviso Prévio; -CD/SD - Comunicado de Dispensa Requerimento do Seguro desemprego; -Comprovante do recolhimento da multa do FGTS; -Extrato do FGTS (nos casos de dispensa pelo empregador); -Demonstrativo de cálculo da multa do FGTS; -Chave do Conectividade Social; -Atestado Médico Demissional; -06 últimas guias do FGTS GFIP; -GRFF; -GRCU - contribuições sindicais; -Carta de Preposição. -Convenção Coletiva da categoria. OUTROS DOCUMENTOS PODERÃO SE SOLICITADOS PELA FISCALIZAÇÃO. Procedimentos Especiais Modalidade de Rescisão: Dispensa Sem Justa Da Indenização Adicional 9

10 Na ocorrência da dispensa sem justa causa trinta dias que antecedem a data-base da categoria, a Lei 7238/84 estabelece uma indenização adicional correspondente ao salário mensal no valor devido na data da comunicação da demissão, integrado pelos adicionais legais ou convencionados, ligados à unidade de tempo (mês), não sendo computável a gratificação natalina. (Res. 15/l985, DJ l985). Normas Coletivas Para elaboração de o TRCT necessário verificar cláusulas sociais e econômicas do instrumento coletivo da categoria para fins de rescisão de contrato de trabalho. 7.5.FÉRIAS Férias Individuais A cada período de 12 meses o trabalhador tem direito a 30 dias de férias individuais, sem prejuízo de sua remuneração. O art.7º, Inciso XVII da Constituição Federal de 1988 assegura o pagamento do abono constitucional sobre o valor da remuneração. Será facultado ao empregado converter 1/3 do período de férias a que tiver direito em abono pecuniário, no valor da remuneração que lhe seria devida nos dias correspondentes. O abono pecuniário dever ser requerido até 15 dias antes do términodo período aquisitivo. O abono pecuniário não será devido para contratos a tempo parcial Concessão As férias serão concedidas por ato do empregador, em um só período nos 12 (doze) meses subseqüentes à data em que o empregado tiver adquirido o direito. A época da concessão das férias será prerrogativa do empregador. Membros de uma família, que trabalharem no mesmo estabelecimento ou empresa, terão direito a gozar de férias no mesmo período, se assim o desejarem e se disto não resultar prejuízo para o serviço. Aos menores de 18 (dezoito) anos e aos maiores de 50 (cinqüenta) anos de idade, as férias serão sempre concedidas de uma só vez. A Empresa não poderá permitir o vencimento do segundo período aquisitivo de férias, sem a devida concessão, sob pena de pagamento em dobro do respectivo valor Comunicação e Anotação As férias deverão ser comunicadas por escrito ao empregado com antecedência mínima de trinta dias. O empregado não poderá entrar em gozo das férias sem que apresente ao empregador sua CTPS para que seja anotada a respectiva concessão. A concessão das férias será igualmente, anotada nos livros ou nas fichas de registro dos empregados Pagamento O pagamento das férias deverá ser efetuado até 2 (dois) dias antes do início do respectivo período. A não obediência desta regra poderá acarretar o pagamento das férias em dobro, mesmo que não tenha ocorrido o vencimento do 2º período aquisitivo. 10

11 7.5.5 Perda do Direito Não terá direito às férias o empregado que no curso do período aquisitivo permanecer em licença remunerada por mais de 30 dias ou tiver sido afastado pela Previdência Social por mais de 6 (seis) meses, ainda que descontínuos. Haverá redução da duração das férias quando houver mais de cinco faltas injustificadas durante o período aquisitivo Férias Coletivas Poderão ser concedidas férias coletivas a todos os empregados de uma empresa ou de determinados estabelecimentos ou setores da empresa. Poderão ser gozadas em dois períodos anuais, desde que seja inferior a 10 (dez) dias corridos. O empregador comunicará ao órgão local do Ministério do Trabalho, com a antecedência mínima de 15 (quinze) dias as datas de início e fim das férias, precisando quais os estabelecimentos ou setores abrangido pela medida. 7.6.HORÁRIO DE TRABALHO Duração Jornada de Trabalho Jornada de trabalho é o número de horas diárias em que o empregado fica à disposição do empregador. Legalmente, a jornada de trabalho não pode ultrapassar 8 horas diárias nem 44 semanais, podendo o contrato de trabalho fixar jornadas inferiores (art. 58 da CLT e inc. XIII do art. 7º da Constituição Federal). Para os turnos de trabalho considerados contínuos, a Constituição Federal limitou a jornada de trabalho em 6 horas diárias. Para determinados trabalhos, a exemplo: telefonista, ascensoristas, digitadores a legislação trabalhista determina jornadas de trabalho especiais. Os limites da jornada de trabalho baseiam-se no princípio da resistência física e psicológica do ser humano. As jornadas de 8 horas fundamentam-se em que, tendo o dia 24 horas, 8 são para repouso, 8 para o lazer e convívio familiar e 8 para o trabalho Prorrogação da Jornada A prorrogação ocorre quando a jornada de trabalho, diária ou semanal, ultrapassar os limites estabelecidos. Para efeito de pagamento, a hora-extra equivale ao valor da hora mensal com acréscimo de 50%, no mínimo quando realizada em dias normais, e 100%, nos domingos e feriados. Acordo ou convenção coletiva de trabalho deverá constar, obrigatoriamente, a importância da remuneração da hora suplementar, que será, pelo menos, 50% (cinqüenta por cento) superior à da hora normal. (art. 59, 2º. da CLT). As horas extras habituais integram a remuneração do repouso semanal remunerado, calculadas pela sua média. Consoante legislação vigente as horas extras não podem ultrapassar o limite de duas horas diárias, salvo para atender necessidade absoluta do serviço, como serviços inadiáveis. Neste caso o Ministério do Trabalho e Emprego, por meio de suas Delegacias Regionais (DRTs), deve ser comunicado no prazo de 10 dias. O art. 61 e seus parágrafos da CLT determinam que, em casos de necessidade imperiosa ou de força maior (ex.: inundação, incêndio, etc.), a remuneração da hora-extra seja feita sem acréscimo, podendo a prorrogação, nessa hipótese, ultrapassar o limite legal. A supressão, pelo empregador, do serviço suplementar prestado com habitualidade, durante pelo menos 11

12 um ano, assegura ao empregado o direito à indenização correspondente ao valor de um mês das horas suprimidas para cada ano ou fração igual ou superior a seis meses de prestação de serviço acima da jornada normal. O cálculo observará a média das horas suplementares efetivamente trabalhadas nos últimos 12 meses, multiplicada pelo valor da hora extra do dia da supressão. (Súmula nº 291 do TST) Compensação de Horas As horas que excedam a carga horária normal, diária ou semanal, poderão se compensadas, com diminuição de horas de trabalho em outro dia, sem que seja necessário o pagamento de adicional de horas extras Compensação Semanal Ocorre quando o empregado trabalha mais de 8 horas em determinado dia da semana, compensando com a diminuição das horas de trabalho em outro dia nos termos do parágrafo 2º do art. 59 da CLT; Poderá ocorrer a compensação habitual, isto é, todas as semanas ou em determinadas semanas do mês. Para que realize a referida compensação será necessário acordo escrito entre empregado e empregador Compensação de dias Intermediários a Feriados Esta compensação ocorre nos casos em que a empresa estabelece fins de semana prolongados, quando feriados recaem em terças ou quintas-feiras, sendo as segundas ou sextas-feiras compensadas. Os critérios para esse tipo de compensação são estabelecidos pelo empregador. Para a implantação do critério de compensação faz necessário o empregador providenciar comunicação interna. Os empregados que, por necessidade do serviço, trabalham nesses dias não irão compensá-los A Jornada de Trabalho quanto à profissão A legislação estabelece jornadas especiais para ferroviários, médicos, telefonistas, jornalistas, bancários, cabineiros de elevadores, etc Cartão de Ponto - controle Da obrigatoriedade Nos estabelecimentos que contarem com mais de 10 empregados, será obrigatório a marcação da hora de entrada e saída. - A marcação de ponto pode ser: - mecânico - eletrônico - manuscrito Pessoas excluídas do ponto: - aquelas que exercem cargo de confiança; - aquelas que trabalhem em serviços externos não sujeitos ao horário; Dos serviços externos Quando o trabalho for executado integralmente fora do estabelecimento, a marcação da jornada será efetuada em ficha ou papeleta de serviço externo que ficará em poder do empregado. ( 3º art. 74 da CLT). 12

13 O empregado que exerce suas funções interna e externamente, em determinados dias da semana, entende-se que deverá utilizar além do controle da jornada de norma de trabalho, a papeleta de serviço externo Quadro de Horários O art. 433 da CLT estabelece que a empresa deverá afixar em local visível e com caracteres facilmente legíveis o quadro de horário de trabalho dos menores Dispensa do Quadro de Horário O art. 13 da Portaria 3626/91, dispensa o quadro do horário às empresas que adotarem os registros mecânicos, manuais, ou eletrônicos individualizados contendo o horário de trabalho (entrada, saída e intervalo para descanso ou refeição) Modelo do Quadro de Horário Permanece o modelo de quadro de horário aprovado pela Portaria 576/41 MTE Ocorrências a serem apontadas no cartão de ponto - horas normais de trabalho; - horas extraordinárias; - atrasos; - faltas (justificadas e injustificadas); - horas noturnas de trabalho O Cartão de Ponto deve conter no cabeçalho: - nome do empregado; - horário de entrada; - intervalo para descanso ou refeição; - horário de saída Autenticação do Ponto Cartão de Ponto Mecânico Declaração do empregado confirmando sua freqüência constante no cartão de ponto Cartão de Ponto Eletrônico Declaração é feita na copia do extrato mensal emitido pelo computador Cartão de Ponto Registro Manuscrito É necessário que o empregado rubrique, todos os dias, no final de sua jornada a anotação constante dos horários de trabalho Rasura Toda rasura ou erros devem ser acompanhados de memorando explicativo do empregado. 13

14 Guarda do Cartão de Ponto Cartão ou livro de ponto devera ficar arquivado por um período de sete anos. A duração normal da jornada de trabalho não deverá ser superior a 8 horas diárias, se não fixado outro limite inferior no contrato de trabalho, salvo se houver acordo para prorrogação ou compensação Trabalho Noturno Trabalho noturno é a jornada de trabalho das 22:00h as 05:00h do dia seguinte. A hora do trabalho noturno será o equivalente a 52 minutos e 30 segundos. A hora noturna é remunerada com adicional de 20% sobre a hora normal Intervalo para repouso e alimentação Não excedendo de seis horas o trabalho, será entretanto, obrigatório um intervalo de quinze minutos quando a duração ultrapassarm quatro horas Intervalo entre jornadas O intervalo entre as jornadas de trabalho não pode ser inferior a 11:00 horas BANCO DE HORAS O sistema do Banco de Horas - tem como objetivo reduzir o custo na folha de pagamento pelas horas extras efetuadas. Este sistema possibilita que estas horas extras possam utilizadas na redução da jornada de trabalho em outra época Da prorrogação e compensação A jornada legal de trabalho poderá ser prorrogada até duas horas diárias. Na ocorrência de aumento da jornada diária de trabalho (limite máximo de duas horas) a compensação consistirá na supressão horas de trabalho em outros dias da semana. A compensação de horas de trabalho poderá abranger a todos os empregados, respeitados as condições legislativas que regem os empregados menores Instituição do Banco de Horas Para criação do Banco de Horas será necessário estabelecer acordo ou convenção coletiva, estabelecendo condições: 1. A quantidade máxima de horas que poderá ser compensada, o período de tempo em que elas poderão ser acumuladas. 2. A forma de pagamento no caso de não ocorrer à compensação como também o pagamento dos reflexos e integrações (férias, 13 sal., DSR) Não havendo previsão na convenção coletiva poderá ser realizado celebrado acordo coletivo, com assistência do sindicato da categoria dos empregados. A partir da assinatura do acordo, no prazo de 08 dias, empresa deverá depositar, na Delegacia Regional do Trabalho, para fins de registro e arquivamento. 14

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS O empregador deve efetuar o pagamento de salários aos empregados até o 5º (quinto) dia útil do mês subsequente ao vencido.

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS. A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível

MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS. A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível seu quadro de avisos para análise da fiscalização os seguintes

Leia mais

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS.

O trabalhador pode começar a trabalhar sem dispor de CTPS? Não. O empregado não poderá ser admitido se não dispuser de CTPS. Direitos básicos dos Profissionais de Educação Física PERGUNTAS E RESPOSTAS CTPS Para que serve a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS)? A CTPS serve como meio de prova: a ) da relação de emprego;

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 -

ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL. DEPARTAMENTO PESSOAL ONLINE www.departamentopessoalonline.com - 3 - ÍNDICE CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL INTRODUÇÃO... 008 DISPOSIÇÕES GERAIS... 009 Conceito de empregador... 009 Conceito de empregado... 009 Direitos do empregado... 010 ASSÉDIO MORAL E SEXUAL NO TRABALHO...

Leia mais

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA

MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA MÉTODOS DE PREVENÇÃO CONTRA AÇÕES TRABALHISTAS PREVENÇÃO CONTRA AUTUAÇÕES FISCAIS TRABALHISTAS AUDITORIA INTERNA TRABALHISTA Fiscalização do Trabalho Finalidade: tem por finalidade assegurar, em todo o

Leia mais

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS

HORAS EXTRAS E SEUS REFLEXOS TRABALHISTAS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEERIO PALESTRA HORAS

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

Cobras Contabilidade Brasília S/S Ltda

Cobras Contabilidade Brasília S/S Ltda MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível seu quadro de avisos para análise da fiscalização os seguintes

Leia mais

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário

Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Manual Prático Trabalhista e Previdenciário Qual é o prazo para pagamento dos salários dos empregados? R: O pagamento deve ser realizado até o 5º dia útil do mês seguinte. Esta deve ser a data em que deve

Leia mais

Obrigado por nos ajudar a ajudar sua empresa.

Obrigado por nos ajudar a ajudar sua empresa. Manual do Cliente Manual do cliente Prezado cliente, Para que sua empresa esteja sempre regular perante todas as esferas de fiscalização existentes, é necessário que mensalmente um conjunto de informações

Leia mais

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão Atuação do Gestor no Departamento de Pessoal Atuação do Gestor Férias E 13º Salário Sistema Integrado de Gestão de Pessoas no Dep. Pessoal PLR Férias Todo empregado adquire o direito às férias após 12

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CLIENTE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CLIENTE MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CLIENTE ORGANIZAÇÃO CONTÁBIL RAJA LTDA. I - INTRODUÇÃO Este manual tem como objetivo orientar ao cliente quanto aos procedimentos realizados por nossa empresa, para que todos tenham

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 2013 ESPECIALIZAÇÃO EM CLT e PREVIDÊNCIA (Custeio)

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 2013 ESPECIALIZAÇÃO EM CLT e PREVIDÊNCIA (Custeio) EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 2013 ESPECIALIZAÇÃO EM CLT e PREVIDÊNCIA (Custeio) OBJETIVOS DO CURSO: Proporcionar aos participantes instruções e conhecimento da Legislação Trabalhista e Previdenciária (custeio).

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS ESCRITA FISCAL A nota eletrônica é melhor do que a nota em papel? Sim a nota eletrônica não possui custo para emissão, necessitando apenas de um computador, um certificado digital

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES MENSAIS Data Vencimento 07 Obrigação Salário Mensal Fato Gerador e Fundamento Legal Pagamento mensal da remuneração. (ver nota 1) Salário-Mínimo Valor atual de R$ 788,00 - Decreto nº 8.381/14. Pró-labore Código

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

A seguir listamos as ocorrências e prazos mais comuns dentro dessa área:

A seguir listamos as ocorrências e prazos mais comuns dentro dessa área: DEPARTAMENTO PESSOAL O cumprimento das obrigações trabalhistas e o recolhimento dos encargos sociais requerem uma atenção especial do empresário, já que a legislação vigente impõe severas multas ao seu

Leia mais

CIRCULAR 001/2006 INSTRUÇÕES PARA ARQUIVO

CIRCULAR 001/2006 INSTRUÇÕES PARA ARQUIVO CIRCULAR 001/2006 INSTRUÇÕES PARA ARQUIVO Seguem abaixo, orientações sobre o arquivo de documentos em vossa empresa, para sua segurança e para melhor controle administrativo, facilitando assim qualquer

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico.

Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. RESUMO INFORMATIVO SOBRE TRABALHO DOMÉSTICO Está em vigor a Lei Complementar n. 150, de 1º de junho de 2015, que dispõe sobre o trabalho doméstico. Lei Complementar n. 150/2015 Jul 2015 Este resumo informativo

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

CURSO ESCRITÓRIO CONTÁBIL MODELO. Próxima turma com inicio em Março de 2012

CURSO ESCRITÓRIO CONTÁBIL MODELO. Próxima turma com inicio em Março de 2012 CURSO ESCRITÓRIO CONTÁBIL MODELO Próxima turma com inicio em Março de 2012 Conteúdo Programático: Abertura e Encerramento de Empresas: Decisão quanto a forma jurídica; Empresa Individual; Sociedade Empresária

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

MANUAL E ROTEIRO DE REGISTRO DE EMPRESAS E ENTENDIMENTO DOS SERVIÇOS RELACIONADOS À CONTABILIDADE

MANUAL E ROTEIRO DE REGISTRO DE EMPRESAS E ENTENDIMENTO DOS SERVIÇOS RELACIONADOS À CONTABILIDADE MANUAL E ROTEIRO DE REGISTRO DE EMPRESAS E ENTENDIMENTO DOS SERVIÇOS RELACIONADOS À CONTABILIDADE Elaborado por: KLUKE SERV. CONT. E ECON. LTDA. Em: Janeiro de 2008 Atualizado em: Novembro de 2008 REGISTRO

Leia mais

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º,

13º SALARIO Posteriormente, a Constituição Federal de 1988, em seu art. 7º, 13º SALARIO Trabalhadores beneficiados Farão jus ao recebimento do 13º salário os seguintes trabalhadores: a) empregado - a pessoa física que presta serviços de natureza urbana ou rural à empresa, em caráter

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 30/12/2014 11:50:21 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Altera dispositivos das Portarias Normativas nº 10, de 30 de abril de 2010, e nº 23, de 10 de novembro de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Altera dispositivos das Portarias Normativas nº 10, de 30 de abril de 2010, e nº 23, de 10 de novembro de

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA

15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15 - BASES DE INCIDÊNCIA E NÃO INCIDÊNCIA 15.1 - Integram a remuneração para fins de cálculos dos valores devidos à Previdência Social e a serem recolhidos para o FGTS, dentre outras, as seguintes parcelas:

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON

Leia mais

Mini Curso de Setor de Recursos Humanos

Mini Curso de Setor de Recursos Humanos Mini Curso de Setor de Recursos Humanos Carlos Antônio Maciel Luciano Nóbrega Cerqueira Maio/Junho 2009 1 SUMÁRIO 1 Admissões 2 Elaboração da Folha de Pagamento 3 Rescisões Contratuais 4 Obrigações Acessórias

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 1/18 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Registro de Ponto Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 2/18 1 Conteúdo

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ 1. INTRODUÇÃO ADMISSÃO DE EMPREGADOS PROCEDIMENTOS Para cada admissão a empresa deve observar, além dos itens descritos nesta matéria, as normas relativas à Segurança do Trabalho, conforme Portaria MTb

Leia mais

Deverá, então, dirigir-se a um dos locais de entrega munido dos seguintes documentos:

Deverá, então, dirigir-se a um dos locais de entrega munido dos seguintes documentos: SEGURO-DESEMPREGO BREVE HISTÓRICO. O Seguro-Desemprego é um benefício integrante da seguridade social, garantido pelo art.7º dos Direitos Sociais da Constituição Federal e tem por finalidade prover assistência

Leia mais

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado?

1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? 1 - Qual o prazo que o empregador tem para efetuar o pagamento de salário ao empregado? O pagamento em moeda corrente, mediante recibo, deverá ser feito até o 5º dia útil do período (mês, quinzena, semana)

Leia mais

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a)

Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Direitos do(a) Empregado(a) Doméstico(a) Carteira de Trabalho e Previdência Social, devidamente anotada Devidamente anotada, especificando- se as condições do contrato de trabalho (data de admissão, salário

Leia mais

Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01)

Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01) HOMOLOGNET Base Legal (Perguntas e Respostas 02.01) Portaria Nº 1.620, de 14/07/2010: Institui o sistema Homolognet; Portaria Nº 1.621, de 14/07/2010: Aprova modelos de TRCT e Termos de Homologação; Instrução

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02

PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 PREVIDÊNCIA SIMULADO 02 Nas questões de 01 a 10, marque a alternativa correta: 01) I. Os beneficiários da previdência social subdividem se em dependentes e segurados. Já os segurados, podem ser obrigatórios

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO INOVAÇÕES LEGISLATIVAS DA LEI COMPLEMENTAR 150 CAPÍTULO I PRINCIPAIS EVOLUÇÕES LEGISLATIVAS A categoria dos empregados domésticos tem como principais regulamentações legislativas, por

Leia mais

GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS. FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC

GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS. FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO CEARÁ CRC-CE CE GESTÃO CONTÁBIL PARA CONDOMÍNIOS FACILITADOR: José Martins Castelo Neto Contador CRC/CE nº. 19.235 Mestrando em Controladoria - UFC FORTALEZA-CE

Leia mais

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências

LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998. Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências LEI Nº 9.601, DE 21 DE JANEIRO DE 1998 Dispõe sobre o contrato de trabalho por prazo determinado e dá outras providências (Alterada pela MP Nº 2.076-35/27.03.2001, MP Nº 2.164-41/24.08.2001 já inserida

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL APLICÁVEL NAS RESCISÕES DOS CONTRATOS DE TRABALHO ANOTAÇÃO CTPS NA EMPREGADO DISPENSADO, SEM JUSTA CAUSA, NO PERÍODO DE 30 DIAS QUE ANTECEDE A DATA DE SUA CORREÇÃO SALARIAL MULTA DO

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA) 30/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Lei Complementar nº 87 de 13 de setembro de 1996.... 4 3.2 Convênio ICMS

Leia mais

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013

FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 FOLHA DE PAGAMENTO E SUAS RETENÇÕES Carlos Alencar OUTUBRO/2013 OBRIGATORIEDADE A empresa é obrigada a elaborar mensalmente a folha de pagamento da remuneração paga devida ou creditada a todos os segurados

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

esocial esocial Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais;

esocial esocial Diminuir o custo de produção, o controle e disponibilização das informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais; Ref.: nº 26/2015 esocial 1. Conceito O esocial é um projeto do Governo Federal que vai coletar as informações descritas em seu objeto, armazenando-as em Ambiente Nacional, possibilitando aos órgãos participantes,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO

RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO 1 RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO E SUA ALTERAÇÃO Camila Cristina Verly Vieira 1 Márcia Serafim Alves 2 Resumo: Como base sobre o termo rescisório o objetivo é demonstrar as diversas formas de se rescindir

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU

RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU RELAÇÕES DE TRABALHO LATO SENSU O trabalhador temporário é pessoa física contratada por empresa de trabalho temporário, para prestar serviços pessoalmente e mediante salário e subordinação, a empresa tomadora

Leia mais

Telefones: (51) 3561 1348 (51) 3551 1116 (51) 3551 1138 (51) 8407 4687 (51) 8406 4966. E-mail:

Telefones: (51) 3561 1348 (51) 3551 1116 (51) 3551 1138 (51) 8407 4687 (51) 8406 4966. E-mail: ACESSUS Contabilidade Ltda. CRC RS 3.677 Rua Theodomiro Porto da Fonseca, 210 sala 02 Bairro Centro Estância Velha RS (Próximo à Prefeitura Municipal) Telefones: (51) 3561 1348 (51) 3551 1116 (51) 3551

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15 Parecer Consultoria Tributária Segmentos Remuneração in natura - Cesta Básica 25/08/15 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 1/5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES CULTURAIS, RECREATIVAS, DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, DE ORIENTAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, NO ESTADO DO PARANÁ SENALBA/PR, CNPJ 75.992.446/0001-49,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI) 04/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Contratação de Empregado... 7 3.2 Cessão ou Locação de Mão-de-Obra... 7

Leia mais

TABELA PRÁTICA DE INCIDÊNCIAS. INCIDÊNCIAS - INSS, FGTS e IRRF. Rubricas INSS FGTS IRRF

TABELA PRÁTICA DE INCIDÊNCIAS. INCIDÊNCIAS - INSS, FGTS e IRRF. Rubricas INSS FGTS IRRF TABELA PRÁTICA DE INCIDÊNCIAS Este procedimento trata das incidências de INSS, FGTS e IRRF sobre as verbas trabalhistas. INCIDÊNCIAS - INSS, FGTS e IRRF Rubricas INSS FGTS IRRF 1 - Abono pecuniário de

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011.

SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011. SEGURO-DESEMPREGO - NOVOS VALORES - MARÇO/2011 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 09/03/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Requisitos 3 - Comprovação 4 - Parcelas 4.1 - Parcelas Adicionais

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de Dispõe sobre os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles decorrentes. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei regula os contratos de terceirização e as relações de trabalho deles

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

PL 4330 Reunião realizada no dia

PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Propostas de alteração Observações das Centrais Sindicais Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes.

Leia mais

Neste bip. Participação nos Lucros e Resultados. Você Sabia? Rescisão Complementar. Edição 54 Fevereiro de 2015

Neste bip. Participação nos Lucros e Resultados. Você Sabia? Rescisão Complementar. Edição 54 Fevereiro de 2015 Neste bip Participação nos Lucros e Resultados... Rescisão Complementar... 1 DIRF 2015... 2 Novas Alterações Trabalhistas e Previdenciárias... 3 EFD ICMS-IPI... 4 Nova Tabela de INSS e Salário Família...

Leia mais

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS Linha de pesquisa: Gestão Empresarial João Paulo dos Santos Ribeiro

Leia mais

PROCEDIMENTOS DA FISCALIZAÇÃO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO Conceito Incumbe às autoridades competentes a proteção dos direitos trabalhistas, para tal

PROCEDIMENTOS DA FISCALIZAÇÃO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO Conceito Incumbe às autoridades competentes a proteção dos direitos trabalhistas, para tal PROCEDIMENTOS DA FISCALIZAÇÃO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO Conceito Incumbe às autoridades competentes a proteção dos direitos trabalhistas, para tal utilizam-se dois meios, o administrativo que se dá através

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000433/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/09/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR054260/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.010934/2010-24 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO 2008/2009

ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA E ATACADISTA DE VITÓRIA DA CONQUISTA ACORDO COLETIVO 2008/2009 SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO EM VITÓRIA DA CONQUISTA - BAHIA 01 DE MARÇO DE 2008 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

ROTINAS TRABALHISTAS. MÓDULO 2 f Preencher ficha de salário-família Valor da Cota Início do Pagamento

ROTINAS TRABALHISTAS. MÓDULO 2 f Preencher ficha de salário-família Valor da Cota Início do Pagamento ROTINAS TRABALHISTAS MÓDULO 1 Conceitos Introdutórios Empregador Grupo de Empresas Empresas Terceirizadas Franquia Cooperativa de Trabalho Empregador Rural Documentação do Empregador Empregado Demais Trabalhadores

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 5 Imprimir Salvar TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001556/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR076938/2014

Leia mais

ÍNDICE. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012)

ÍNDICE. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012) ÍNDICE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 971/2009, (Atualizada em Janeiro/2012) TÍTULO I DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS CAPÍTULO I DOS CONTRIBUINTES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Seção II Dos Segurados Contribuintes Obrigatórios

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DOS TECNICOS EM SEGURANCA TRABALHO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ n. 25.578.642/0001-01, neste ato representado por seu Presidente, Sr. CLÁUDIO FERREIRA SANTOS;

Leia mais

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem.

Parágrafo Único -- Não serão compensados os aumentos decorrentes de promoção, transferência, equiparação salarial e término de aprendizagem. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CELEBRADA ENTRE O SINDIMVET SINDICATO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO e SINPAVET SINDICATO PATRONAL DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS DO ESTADO DE SÀO PAULO PERÍODO

Leia mais

RESUMO ALÍQUOTAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS

RESUMO ALÍQUOTAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS RESUMO ALÍQUOTAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS - DAS EMPRESAS EM GERAL, sobre: Folha de Pagamento (EMP./AVULSOS) 20% Remunerações pagas aos CI 20% Terceiros (EMP./AVULSOS) 5,8% RAT (EMP./AVULSOS) 1% (leve) 2%

Leia mais

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

expert PDF Trial PMEs: Contabilização da Folha de Pagamento Agosto 2014 O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002285/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/10/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR055933/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001820/2011-96 DATA DO

Leia mais

Características do Sistema

Características do Sistema SISTEMA FOLHA DE PAGAMENTO ADVANCED Características do Sistema Sistema multiusuário pleno. Sistema multiempresa sem limitações. Recursos e facilidades operacionais com eficiência, segurança e exatidão.

Leia mais

OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS DAS EMPRESAS - ANO 2011. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 06/01/2011.

OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS DAS EMPRESAS - ANO 2011. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 06/01/2011. OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS DAS EMPRESAS - ANO 2011 Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 06/01/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Feriados 2.1 - Feriados Nacionais 2.2 - Feriados

Leia mais

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE

CLÁUSULA 1 A. - ATUALIZAÇÃO SALARIAL CLÁUSULA 2 A. SALÁRIO NORMATIVO CLÁUSULA 3 A. - SALÁRIO ADMISSIONAL CLÁUSULA 5 A. - ADICIONAL DE INSALUBRIDADE CONVENÇÃO COLETIVA COM VIGÊNCIA A PARTIR DE 01 DE ABRIL DE 2007 FEITA ENTRE O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM INSTITUIÇOES BENEFICENTES, RELIGIOSAS E FILANTRÓPICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E O SINDICATO

Leia mais

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL -

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - - CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). 4.

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002151/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026676/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.010071/2009-72 DATA DO

Leia mais

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Dia: 07/01/2015 Pagamento de Salários Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos da

Leia mais

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS

MANUAL DOS DIREITOS DOS COMERCIÁRIOS 11. DIREITOS NA HORA DA DEMISSÃO É de fundamental importância saber quais os direitos dos trabalhadores na hora da rescisão do contrato de trabalho. Devese ter especial atenção no caso de demissões sem

Leia mais

01. CTPS - CARTEIRA DE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL

01. CTPS - CARTEIRA DE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL 01. CTPS - CARTEIRA DE TRABALHO E PREVIDÊNCIA SOCIAL Trata-se de um documento básico e indispensável do trabalhador, que todo empregador deve exigir no ato da admissão, para proceder às anotações referentes

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela Sumário 1. Introdução 2. Quem Tem Direito 3. Valor a Ser Pago 3.1 - Empregados Admitidos Até 17 de Janeiro 3.2 - Empregados Admitidos Após 17 de Janeiro 3.3 - Empregados

Leia mais

Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF

Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF Tabela Prática de Verbas que compõem a Base de Cálculo para incidência de INSS, FGTS e IRRF Discriminação INSS Fundamento legal FGTS Fundamento legal IRRF Fundamento legal Abono de férias - pecuniário

Leia mais

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II).

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II). FONTE: www.iobonlineregulatorio.com.br EMPREGADO DOMÉSTICO: Considera-se doméstico o empregado que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa a pessoa ou família, no âmbito residencial

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000247/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 01/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021198/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.001800/2010-02 DATA DO

Leia mais

TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº

TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº ÍNDICE DO MANUAL DE ROTINAS TRABALHISTAS TÓPICO (em ordem alfabética) PÁGINA Nº INTRODUÇÃO 6 SIGLAS UTILIZADAS 7 ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL E GERÊNCIA DE REC HUMANOS 8 ABANDONO DE EMPREGO 19 ACIDENTE NO

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 1 CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS e PREVIDENCIÁRIAS OUTUBRO/2010 Dia 06-10-2010 (Quarta-feira): SALÁRIOS Todos os empregadores, assim definidos pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Fato

Leia mais