DIRETRIZES EM ODONTOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETRIZES EM ODONTOLOGIA"

Transcrição

1

2 CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA DE MINAS GERAIS Endereço: Av. do Contorno, LOURDES Cep Belo Horizonte MG Telefax (31) Site: PLENÁRIO DO CROMG CONSELHEIROS EFETIVOS Arnaldo de Almeida Garrocho, Presidente Luiz Carlos Torres Martins, Secretário Franca Arenare Jeunon, Tesoureira Romilda de Melo Alves Branco, Pres. Comissão de Ética José Antonio Valério, Pres. Comissão Tomada de Contas CONSELHEIROS SUPLENTES Carlos Roberto Martins Eduardo de Abreu Fernandes Robertson Wagner Carvalho Batista Rogério Moreira Arcieri Roosevelt Carvalho da Silva DIRETRIZES EM ODONTOLOGIA BELO HORIZONTE, 2011 COMISSÃO DO MANUAL Beatriz Helena Cesar Carvalho Franca Arenare Jeunon Geraldo Ernesto Fischer Ildenes Beatriz Teixeira Paixão Patrícia Maria de Menezes ELABORAÇÃO E RELATORIA Affonso Romildo Alves Brandao Antônio Augusto Barros Cristiane Miranda Carvalho Denise Geralda Perdigão de Castro Fernanda Capurucho Horta Bouchardet Joaquim Fulgêncio Filho Maria das Graças Soares Monica Regina Mota Carvalho Romilda de Melo Alves Branco Sergio Machado Guimarães PROJETO GRÁFICO / DIAGRAMAÇÃO Lúcia Helena de Assis ILUSTRAÇÃO (Capa) Carla Coscarelli IMPRESSÃO: Gráfica e Editora o Lutador

3 Apresentação Prezados profissionais, É com grande satisfação que entregamos aos cirurgiõesdentistas o manual Diretrizes em Odontologia. Acreditamos que esta publicação é muito útil no exercício de nossa profissão, nos orientando para as práticas da Odontologia. No manual, elencamos uma série de assuntos intrínsecos ao nosso dia a dia, como as normas e leis que regem a profissão, o Código de Ética Odontológico e as atribuições dos profissionais que auxiliam o cirurgião-dentista no consultório. Em todos os tópicos, há referências para aprofundar o tema ou obter as documentações necessárias. Um capítulo a parte trata do tema Biossegurança, condição fundamental para todo e qualquer procedimento clínico odontológico. Pode também ser encontrada no manual uma gama de serviços que o Conselho Regional de Odontologia de Minas Gerais oferece aos seus inscritos, como biblioteca, cursos de Educação Continuada, Consultoria Jurídica, entre outros. O manual traz ainda o passo a passo de todas as obrigações éticas e legais para abrir um consultório ou uma clínica odontológica. Esperamos, com convicção, que este material possa ser de grande valia. O CROMG foi pioneiro na primeira edição em 1999 e, de tão relevante, serviu de inspiração para vários outros Conselhos. Atenciosamente, Arnaldo de Almeida Garrocho, CD Presidente do Conselho Regional de Odontologia de Minas Gerais

4 2 Sumário 1. Introdução os Conselhos Federal e Regionais de Odontologia p.4 Competência legal p.5 2. Consolidação das normas nos CROs p.7 3. O exercício profissional p.8 O EXERCÍCIO LEGAL DA ODONTOLOGIA Inscrição para o exercício como CD tipos de inscrições Provisória p.9 Principal secundária p.10 Transferência de inscrição p.11 Visto temporário p.12 Apostila de nome Inscrição como Especialista HABILITAÇÕES Clínica Dentária p.14 CANCELAMENTO DE INSCRIÇÃO Obrigações com o fisco p.15 Contribuição sindical p.16 issqn autônomo O Consultório odontológico alvará sanitário Documentos odontológicos p.17 PRONTUÁRIO exame clínico p.18 relatório de orientação Certificação digital p.19 relatório PERICIAL p.20 PARECER p.21 atestados Conceito p.22 finalidades p.23 Condições profissionais para sua emissão no Código de Ética Odontológica no Código Penal Brasileiro Modelos de atestado odontológico p.24 RECEITUÁRIO p.25 a prescrição tipos de receituário p.26

5 3 informações mínimas ao paciente p.27 recomendações Modelo de receita comum p.28 receita de antibiótico Modelo de receituário para controle de antibiótico p Comportamento ético-profissional p.31 CONSENTIMENTO INFORMADO dever de esclarecimento a relação profissional-paciente p.32 Modelo de termo de consentimento padrão p.33 Segredo profissional p.34 Classes ou formas do segredo Quando se deve revelar o segredo p.35 O Código de Ética Odontológica Processo ético p.36 indeferimentos deferimentos p.37 Parecer final p.38 o cirurgião-dentista perito p Fiscalização p.40 atuação alguns dos aspectos fiscalizados p.41 Publicidade p Biossegurança p.44 Equipamentos de Proteção Individual Preparo do instrumental a ser esterilizado p.46 Gerenciamento de rss Orientações Classificação e identificação p.47 Insalubridade p.48 adicional p Profissões auxiliares na Odontologia p.50 Técnico em Prótese Dentária (TPD) técnico em Saúde Bucal (TSB) auxiliar em Saúde Bucal (ASB) auxiliar de Prótese Dentária (APD) p Planos de saúde p Aposentadoria especial p Legislação odontológica p Referências p.55

6 4 1. Introdução Os Conselhos Federal e Regionais de Odontologia O Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Odontologia, instituídos pela Lei 4.324, de 14 de abril de 1964, constituem em seu conjunto uma autarquia, sendo cada um dotado de personalidade jurídica de direito público, com autonomia administrativa e financeira. Têm, por finalidade, a supervisão da ética profissional em toda a República, cabendo-lhes zelar e trabalhar pelo perfeito desempenho. Os cirurgiões-dentistas só poderão exercer legalmente a Odontologia após sua inscrição no Conselho Regional, cuja jurisdição se encontra no local de sua atividade, conforme determinam as Leis 4.324/64 e 5.081/66. Os profissionais registrados de acordo com as leis receberão uma carteira profissional que os habilitará ao exercício da Odontologia, valida como documento de identidade e com fé pública (art. 15 da Lei 4.324/64). O Conselho Regional de Odontologia CRO Órgão de controle social, o Conselho de Odontologia é um instrumento de promoção dos bons princípios nas relações entre os profissionais e a comunidade e entre os próprios profissionais. Tratase de uma organização de interesse da sociedade, quem tem como função a fiscalização do exercício e da ética profissional, buscando a qualidade da prática em benefício dos cidadãos. O Conselho tem sua existência edificada para proteger, sob a égide da ética e da justiça, a qualidade de vida das pessoas na sociedade, enquanto preceptor de relações, ora conflituosas ou

7 5 inconvenientes, procurando garantir, dentro do contexto e das circunstâncias, uma prática odontológica responsável. Poderíamos perguntar: o que seria a profissão sem o Conselho? Onde estaríamos diante das questões de natureza legal que envolvem o exercício profissional? As delegacias de polícia seriam o lugar comum para tais casos. É importante saber que, além de aspectos jurídicos, o Conselho está sempre procurando debater os temas relativos ao mercado de trabalho, a biossegurança, ao exercício ilegal, a educação continuada, aos direitos e deveres do CD como cidadão e profissional. COMPETÊNCIA LEGAL Atribuições legais do CROMG segundo a Lei 4.324/1964 Deliberar sobre inscrição e cancelamento, em seus quadros, de profissionais registrados na forma desta Lei Fiscalizar o exercício da profissão, em harmonia com os órgãos sanitários competentes Deliberar sobre assuntos atinentes à ética profissional, impondo a seus infratores as devidas penalidades Organizar o seu regimento interno, submetendo-o à aprovação do Conselho Federal Sugerir ao Conselho Federal as medidas necessárias à regularidade dos serviços e à fiscalização do exercício profissional Eleger um delegado-eleitor para a assembleia referida no art. 3º; Diminuir dúvidas relativas à competência e âmbito das atividades profissionais, com recurso suspensivo para o Conselho Federal Expedir carteiras profissionais Promover por todos os meios ao seu alcance o perfeito desempenho técnico e moral de odontologia, da profissão e dos que a exerçam Publicar relatórios anuais de seus trabalhos e a relação dos profissionais registrados

8 6 Exercer os atos de jurisdição que por lei lhes sejam cometidos Designar um representante em cada município de sua jurisdição Submeter à aprovação do Conselho Federal o orçamento e as contas anuais Para desenvolver as atividades que lhe competem, o CROMG mantém uma estrutura administrativa para promover: A fiscalização do exercício profissional em consultórios odontológicos, entidades prestadoras de serviços odontológicos e laboratório de próteses em todo o Estado de Minas Gerais A supervisão da Ética instaurando, por meio de sua Comissão e das Câmeras de Ética, processos éticos na Sede do órgão e nas suas Delegacias Regionais Os julgamentos de processos éticos As inscrições de profissionais e de especialistas Expedição de carteira profissional, de certificado de especialização e de certidões aos seus inscritos. Outras atividades desenvolvidas pelo CROMG Oferecimento de cursos gratuitos de educação continuada destinados ao aprimoramento profissional Manutenção da maior e mais completa biblioteca de todos os 27 Conselhos Regionais de Odontologia do país Consultoria Jurídica a todos os profissionais inscritos, sobre assuntos relacionados ao exercício da Odontologia Acompanhamento de cursos de especialização disponibilizados pelo Conselho Federal de Odontologia Manutenção de convênios com instituições bancárias em benefício da classe Plano de saúde em condições especiais para os inscritos Defesa da classe odontológica junto às entidades públicas Aquisição e reforma de imóveis destinados às Delegacias Regionais e da Sede

9 7 2. Consolidação das normas nos CROs Publicada no Diário Oficial da União (DOU), Seção I, de 19/04/2005, a Resolução CFO 63/2005 aprovou a Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia, normatizando as atividades do funcionamento interno. Foi atualizada em 10 de maio deste ano. Tópicos da Resolução Título I Título II Título III Título IV Título V Título VI Título VII Título VIII Título IX Título X Título XI Título XII Título XIII Do exercício legal Do procedimento para registro e inscrição Dos cursos de especialização Dos documentos e dos processos Das efemérides odontológicas, dos eventos odontológicos e dos serviços relevantes prestados à classe odontológica Da utilização de automóveis pelos Conselhos de Odontologia Da criação e do funcionamento de delegacias e da designação de representantes municipais e distritais Dos símbolos da Odontologia Dos papéis de expediente para uso na autarquia Da publicidade em publicação dos Conselhos Federal e Regionais Da responsabilidade da gestão e das nomenclaturas contábeis Dos recursos humanos Das disposições finais

10 8 3. O exercício profissional O EXERCÍCIO LEGAL DA ODONTOLOGIA O exercício ético e legal da Odontologia no Brasil é aprovado pela Lei n 5.081, de 24/08/1966, e pelo Código de Ética Odontológica do Conselho Federal de Odontologia, por meio da Resolução CFO- 42, de 20/05/2006. Este teve o texto do capítulo XIV alterado pela Resolução CFO-71, de 06/07/2006, aprovada na CCIX Reunião Odrdinária de 25/05/2006, que referendou as decisões da CCVII Reunião Ordinária do Plenário do Conselho Federal em assembleia conjunta com os Regionais em Recife, nos dias 6 e 7/04/2006. As atividades profissionais privativas do cirurgião-dentista estão previstas na Lei nº 4.324/1964, na Lei nº 5.081/1966, e no Decreto nº /1971. Os direitos e deveres do cirurgiãodentista e dos profissionais auxiliares, bem como o que lhe é vedado, encontram-se no Código de Ética Odontológica (CEO) e na Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia. No Código Penal Brasileiro, conforme o Decreto-Lei de 07/12/1940, o art. 282 diz: Exercer, ainda que a título gratuito, a profissão de médico, dentista ou farmacêutico, sem autorização legal, ou excedendo-lhe os limites Pena detenção de seis meses a dois anos. Parágrafo único Se o crime é cometido com o fim de lucro, aplica-se também multa. Inscrição para o exercício como CD De acordo com a Lei 5.081, é necessária a inscrição no Conselho Regional para iniciar o exercício como cirurgião-dentista.

11 9 TIPOS DE INSCRIÇÕES Provisória: é concedida ao profissional recém-formado que ainda não possui o diploma de graduação, dando-lhe o direito ao exercício da profissão pelo prazo improrrogável de dois anos, contados a partir da data da colação de grau. Caso não apresente o diploma antes do prazo de validade, a inscrição provisória será cancelada. O detentor de inscrição provisória tem os mesmos direitos e obrigações daqueles que detêm inscrição principal, observadas as restrições do regimento eleitoral (não podendo votar). Quando da caducidade da inscrição provisória, o Conselho Regional providenciará, de imediato, a interrupção das atividades profissionais de seu titular, comunicando o fato ao Conselho Federal. Inscrição Provisória Documentos necessários >> Atestado de Colação de Grau (original e cópia) >> Título de Eleitor (xerox) >> CPF (xerox) >> Carteira de Identidade Civil (xerox) >> Certificado de Reservista (xerox) * >> Certidão de Nascimento ou Casamento (xerox) >> 4 fotos 3x4 >> Comprovante do tipo sanguíneo (xerox) ou declaração de próprio punho >> Declaração se é ou não doador de órgãos e tecidos >> Comprovante de endereço (xerox) >> Taxa do CROMG: inscrição, anuidade e cédula >> Comprovante de pagamento da taxa de Contribuição Sindical (xerox) Observações * Sexo masculino: ir à Junta Militar para carimbar o Certificado ou apresentar Declaração de Colação de Grau original. A Carteira Nacional de Habilitação não substitui os documentos acima solicitados.

12 10 Principal: é a inscrição definitiva para exercer a atividade profissional, habilitando para o exercício legal no respectivo estado da sua inscrição. O profissional continua com o mesmo número da cédula provisória. Inscrição Principal Documentos necessários Somente quando o cirurgião-dentista possui Inscrição Provisória >> Diploma original e fotocópia >> Xerox de documentos somente se houver mudança na documentação entregue no registro provisório. >> Taxa do CROMG: carteira e cédula Secundária: é concedida ao Cirurgião-Dentista, Técnico em Prótese Dentária, Técnico em Saúde Bucal e Auxiliar em Saúde Bucal. É realizada quando o profissional for inscrito na categoria provisória ou principal em outro Conselho Regional e deseja atuar, também, no estado de Minas Gerais. Inscrição Secundária Documentos necessários >> Carteira de origem (tipo livreto) >> Diploma (original e fotocópia) >> Título de Eleitor (xerox) >> CPF (xerox) >> Carteira de Identidade (xerox) >> Certificado de Reservista (xerox) >> Certidão de Nascimento ou Casamento (xerox) >> 1 foto 3x4 >> Comprovante do tipo sanguíneo (xerox) ou declaração de próprio punho continua

13 11 Documentos necessários continuação >> Declaração se é ou não doador de órgãos e tecidos >> Comprovante de endereço (xerox) >> Taxa do CROMG: inscrição e anuidade Observação A Carteira Nacional de Habilitação não substitui os documentos acima solicitados. Transferência de inscrição Concede-se ao profissional que tem inscrição permanente ou provisória em um Estado e deseja se transferir permanentemente para o Regional de outro Estado. transferência de inscrição Documentos necessários >> Carteira do CRO / origem >> Diploma (original e fotocópia) >> Título de Eleitor (xerox) >> CPF (xerox) >> Carteira de Identidade (xerox) >> Certificado de Reservista (xerox) >> Certidão de Nascimento ou Casamento (xerox) >> 3 fotos 3x4 >> Comprovante do tipo sanguíneo (xerox) ou declaração de próprio punho >> Declaração se é ou não doador de órgãos e tecidos >> Comprovante de endereço (xerox) >> Comprovante de quitação com o CRO / Origem Observação A Carteira Nacional de Habilitação não substitui os documentos acima solicitados.

14 12 Visto temporário É utilizado quando o profissional é inscrito em outro Regional e deseja atuar temporariamente no estado de Minas Gerais. É concedido o prazo de 90 dias, não podendo ser prorrogado. O visto temporário desobriga o profissional do pagamento de taxas e/ou anuidade proporcional. Apostila de nome Quando ocorre alguma alteração no registro civil do profissional, em virtude de matrimônio, separação ou divórcio ou, ainda, retificação do nome ou sobrenome do mesmo. Inscrição como Especialista O cirurgião-dentista que quiser se intitular como especialista deve apresentar o certificado em uma das especialidades reconhecidas pelo Conselho Federal de Odontologia e estar efetivamente inscrito no Conselho de sua jurisdição. inscrição como Especialista Documentos necessários >> Certificado e Histórico curso de especialização (original) >> Requerimento próprio (formulário do CROMG) >> Taxa do CROMG: inscrição e certificado Observação Conforme a Consolidação das Normas, são vedados o registro e a inscrição de mais de duas especialidades. Mais informações no CROMG, tel Habilitações Aplicação da analgesia relativa ou sedação consciente com óxido nitroso (Resolução CFO 51/2004)

15 13 Práticas integrativas e complementares à saúde bucal: Acupuntura, Fitoterapia, Terapia Floral, Hipnose, Homeopatia e Laserterapia (Resolução CFO-82/2008) Especialidades reconhecidas pelo CFO Titulação e carga horária mínima (horas/aula) Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofaciais Dentística 750 Disfunção Temporomandibular e Dor-Orofacial 500 Endodontia 750 Estomatologia 500 Radiologia Odontológica e Imaginologia 500 Implantodontia Odontologia legal 500 Odontologia do Trabalho 500 Odontologia para Pacientes com Necessidades Especiais 500 Odontogeriatria 500 Odontopediatria 750 Ortodontia Ortopedia Funcional dos Maxilares Patologia Bucal 500 Periodontia 750 Prótese Bucomaxilofacial 500 Prótese Dentária 750 Saúde Coletiva e da Família 500

16 14 Clínica Dentária Com um proprietário Requerimento de Firma Individual registro na Junta Comercial (xerox) Alvará da Prefeitura e do Cadastro Nacional Pessoa Jurídica CNPJ (xerox) Anuidade quitada com o CROMG do proprietário Requerimento e declaração de Responsável Técnico (RT) formulários do CROMG Declaração de único proprietário formulário do CROMG Taxas do CROMG anuidade, inscrição e certificado de clínica Com mais de um proprietário Contrato Social registrado e alterações contratuais, caso haja (xerox) Alvará da Prefeitura e do Cadastro Nacional Pessoa Jurídica CNPJ (xerox) Anuidade quitada com o CROMG dos proprietários (xerox) Comprovante de endereço (xerox) Requerimento de Inscrição e Declaração de Responsável Técnico (RT) formulários do CROMG CPF e Identidade do responsável administrativo (caso não seja cirurgiãodentista) xerox Taxas do CROMG anuidade, inscrição e certificado de clínica Observação Se no Contrato Social não houver cirurgião-dentista como sócio, anexar xerox de contrato de trabalho da clínica com um cirurgião-dentista. CANCELAMENTO DE INSCRIÇÃO Pode ser requerido pelo profissional ou por pessoa devidamente autorizada, por procuração, quando do encerramento de suas atividades profissionais na área da Odontologia.

17 15 Para receber a aprovação do pedido de cancelamento, o profissional não pode ser responsável técnico por clínica ou laboratório inscritos no Conselho, nem ter inscrição secundária em outro Regional e deve estar quite com o Conselho. É importante que o Conselho seja comunicado quando não for mais do interesse do solicitante atuar como cirurgião-dentista, mesmo que por motivo de aposentadoria, para que a inscrição seja cancelada e não gere novos débitos relativos à anuidade. Observação Fica liberada do pagamento da anuidade do exercício a pessoa que requerer o cancelamento de inscrição até 31 de março do ano corrente, exceto para o efeito de transferência. CANCELAMENTO DE INSCRIÇÃO Documentos necessários >> Declaração, sob as penas da lei, do encerramento da atividade profissional >> Devolução da carteira-livreto e cédula para cirurgiões-dentistas que possuem inscrição principal e somente cédula para as inscrições provisórias. Outras categorias, devolução da carteira. Obrigações com o fisco Contribuição sindical É um imposto federal. Sua contribuição é obrigatória e está prevista por lei. Dentista autônomo art. 583 da CLT Dentista empregado art. 580 da CLT Informações no Portal do Trabalho e Emprego

18 16 ISSQN autônomo O cadastramento como autônomo pessoa física que presta serviço sem vínculo empregatício pode ser feito com ou sem estabelecimento fixo. Informações no site da Secretaria de Finanças de Belo Horizonte O consultório odontológico Além do diploma e da inscrição no CRO, é importante seguir corretamente uma série de normas e regras. As documentações e taxas necessárias para o funcionamento de um consultório podem variar de um município para outro, devendo, portanto, consultar a prefeitura de onde pretende montá-lo. A instalação deve seguir rigoramente os processos de execução e aprovação do projeto, dimensionamento, materiais de acabamento, instalação elétrica e iluminação, sistemas de climatização, abastecimento de água, instalações hidrossanitárias e proteção radiológica exigidas pela legislação da Vigilância Sanitária local. Alvará sanitário De acordo com o Ministério da Saúde (BRASIL, 2006), a Licença ou Alvará de Funcionamento é expedido pela Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal. É o documento que autoriza o funcionamento dos serviços. Quando o alvará deve ser solicitado Antes do início das atividades Quando houver alterações de endereço, da própria atividade, do processo produtivo ou da razão social Quando tiver ocorrido fusão, cisão ou incorporação societária

19 17 A emissão e renovação anual da Licença ou do Alvará de Funcionamento é um processo descentralizado, realizado pelos estados e municípios. É definido, portanto, de acordo com a legislação local. Documentos odontológicos PRONTUÁRIO De acordo com o dicionário Houaiss (2010), prontuário é ficha que contém os dados pertinentes de uma pessoa; lugar (fichário) no qual são guardadas coisas de que se pode precisar a qualquer momento. A ficha clínica é o documento mais completo e complexo a ser produzido no atendimento do paciente. Partes do prontuário Identificação do profissional Identificação do paciente Anamnese Exame clínico odontograma antes e depois Plano de tratamento Evolução e intercorrências do tratamento Receitas Atestados Contrato de locação de serviços odontológicos Exames complementares É muito importante Saber como esse documento deve ser preenchido Ter conhecimento das complicações de um prontuário mal redigido

20 18 Exame clínico O exame clínico deve ser geral, completo e metódico. Geral, porque não se pode limitar ao somente à cavidade bucal, dentro dos parâmetros éticos. Completo, porque é preciso rastrear todas as alterações clínicas odontológicas do paciente. Metódico, porque somente com uma sistemática precisa é possível evitar que alterações clínicas não muito evidentes passem por alto (MELLENEC, 2000). Deve ser redigido, evidentemente, com terminologia científica; se necessário, colocando o significado entre parênteses. Explícito, para não deixar margem para dúvidas. Conciso, o que não quer dizer ser breve (limitado) ou escasso, sem entrar em excessivas explicações. E, finalmente, preciso. Escrevendo somente o necessário Diagnóstico Meios e fins do tratamento Prognóstico Efeitos secundários Riscos e benefícios Alternativas terapêuticas e respectivos efeitos secundários, riscos e benefícios Riscos e consequências da recusa do tratamento Custo do tratamento Assinatura do paciente e profissional Relatório de orientação O CRO disponibiliza em seu site o relatório final PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO uma orientação para o cumprimento da exigência contida no inciso VIII do art. 5 do Código de Ética Odontológica. Foi apresentado ao Conselho Federal de Odontologia por uma Comissão Especial, instituída pela Portaria CFO-SEC-26, de 24 de julho de 2002 e traz ainda informações sobre o Prontuário Digital.

21 19 Relatório PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO Certificação digital do prontuário Em 24 de agosto de 2001, com a Medida Provisória e seus decretos complementares, o Governo brasileiro instituiu a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira ICP-Brasil, um serviço com poderes para formar a cadeia de certificação digital. Conforme o texto da Lei, é para Garantir a autenticidade, a integridade e a validade jurídica de documentos em forma eletrônica, das aplicações de suporte e das aplicações habilitadas que utilizem certificados digitais, bem como a realização de transações seguras. A partir da criação da ICP-Brasil, obtém-se o reconhecimento da autenticidade de um documento digital (Certificado Digital) de forma semelhante ao reconhecimento de firma de um cartório notário. icp-brasil >> Contrato de prestações de serviços, autorização para tratamento (menores ou incapazes), questionários de anamnese e demais documentos que necessitem da assinatura do paciente devem ser impressos e assinados em papel, a não ser que o paciente ou responsável tenha assinatura digital >> Ao optar pelo sistema eletrônico, todas as exigências e necessidades de informação deverão ser supridas dentro de um padrão de autenticidade Tempo de guarda Segundo com o Parecer CFO nº 125/1992, é de 10 anos o tempo de guarda do prontuário odontológico, por parte dos profissionais e clínicas particulares ou públicas, após o último comparecimento do paciente. Se o este tiver idade inferior aos 18 anos à época do último contato profissional, o prazo vale a partir do dia que ele tiver completado ou vier a completá-los.

22 20 RELATÓRIO PERICIAL Descrição minuciosa de uma perícia médica ou odontológica a fim de responder à solicitação de uma autoridade frente a um inquérito ou processo. São os autos e laudos. Auto Relatório da perícia médica, ditado diretamente ao escrivão Laudo: documento feito por escrito pelo perito Itens que compõem o laudo ou auto pericial Preâmbulo parte do laudo no qual constam a data, hora e local do exame pericial, autoridade requisitante do exame, dados de identificação do periciando (examinado), peritos designados, finalidade da perícia e os quesitos formulados. Histórico dados relacionados com o fato, fornecidos pela autoridade requisitante e/ou pelo periciando. Deve ser sucinto e não envolver as circunstâncias do fato, que serão analisadas no decorrer do processo. A utilização de expressões como história de, periciando refere que e fomos informados pela autoridade policial de que evitam a interpretação de que o perito profissional esteja colaborando na confirmação de eventos falsos ou idealizados. Deve conter: Queixa principal; História profissional (atividade laborativa e situação atual); História clínica; Anamnese especial; História pregressa; História familiar (França, 2001). Descrição descrever as lesões encontradas com clareza, em linguagem adequada, situando-as, ou seja, localizando-as com as dimensões e características, valendo-se muitas vezes do auxílio de fotografias e/ou desenhos gráficos (croquis). É a parte mais importante do relatório médico-legal. Deve ser completa, minuciosa, metódica, objetiva, não

23 21 chegando jamais ao terreno das hipóteses. A essência da perícia é dar a imagem mais aproximada possível do dano e do seu mecanismo de ação, do qual a lesão foi resultante (França, 2001). Discussão é o diagnóstico lógico a partir de justificativas racionais, e não o conflito entre as opiniões dos peritos. Analisar, do ponto de vista médico pericial, as implicações funcionais e determinar os danos encontrados, enquadrando-os em tabelas próprias com definição, em percentual, das perdas ou reduções funcionais verificadas (França, 2001). Conclusão síntese diagnóstica redigida com clareza, disposta ordenadamente, deduzida pela descrição e pela discussão (França, 2001). Respostas aos quesitos específica a cada perícia, as respostas devem ser dadas de forma objetiva e, quando necessitar de complemento, este deve ser sucinto. Não devem ser deixados quesitos sem resposta. PARECER Parecer é um documento solicitado por um especialista sempre que o relatório profissional suscitar dúvidas. Procura documentar o processo com resultados de exames e considerações médicas referentes a determinada situação de interesse jurídico; ou seja, consultam, de forma escrita ou verbal, um ou vários especialistas sobre o valor científico do laudo em questão. Partes do parecer Preâmbulo Exposição dos fatos Discussão do assunto Conclusão Respostas às perguntas

24 22 ATESTADOS O atestado profissional é a afirmação simples, exata e escrita de um fato e suas consequências, informando sobre a capacidade ou incapacidade do indivíduo para a realização de determinado ato. Conteúdo de um atestado Cabeçalho ou preâmbulo Qualificação do examinado Nome do solicitante Descrição do caso E, se absolutamente necessário e a pedido do paciente, diagnóstico através do CID (Classificação Internacional de Doenças) >> Normatizações do CID podem ser encontradas no site do CROMG no link Observação Aconselha-se colher uma rubrica do paciente no atestado quando da colocação do CID. Conceito É um documento legal, emitido pelo cirurgião-dentista, que constitui a afirmação simples e por escrito de um fato odontológico e suas consequências. Seu objetivo é firmar a veracidade de um fato ou a existência de determinado estado, ocorrência ou obrigação. Sugere, como propósito único, um estado de sanidade ou de doença, anterior ou atual, para fins de licença, dispensa ou justificativa de faltas ao serviço, entre outros. Segundo a Lei 5.081, de 24/08/1966, que trata da regulamentação do exercício da Odontologia no Brasil, compete ao cirurgião-dentista atestar, no setor de sua atividade profissional,

25 23 estados mórbidos e outros (art. 6º, alínea III), inclusive para justificação de faltas ao emprego (redação alterada pela Lei nº 6.215, de 30/06/1975). Finalidades Justificar faltas ao emprego ou faltas escolares Atestar condições bucais Condições profissionais para sua emissão Efetiva prática do ato profissional que originou as consequências atestadas Posse da autorizaçao legal para o exercício profissional O profissional não pode estar suspenso do exercício de sua profissão No Código de Ética Odontológica Art. 7º Constitui infração ética XI. Fornecer atestado que não corresponda à veracidade dos fatos ou dos quais não tenha participado. No Código Penal Brasileiro Falsidade ideológica Art. 299: Omitir, em documento público ou particular, declaração que dele devia constar, ou nele inserir ou fazer declaração falsa ou diversa da que deveria ser escrita com o fim de prejudicar direito, criar obrigação ou alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante: Pena reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, e multa se o documento é público, e reclusão de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa, se o documento é particular. Parágrafo único Se o agente é funcionário público, e comete o crime prevalecendo-se do cargo, ou se a falsificação ou alteração é de assentamento de registro civil, aumenta-se a pena de sexta parte.

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07)

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) RESOLUÇÃO Nº 311 DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) 758 Ementa: Dispõe sobre a Inscrição, Averbação e Âmbito Profissional do Auxiliar Técnico

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES ÍNDICE

GUIA DE ORIENTAÇÕES ÍNDICE GUIA DE ORIENTAÇÕES ÍNDICE O que é o CFO? O que é o CRO? Como e quando se inscrever no CRO? É portador do Diploma expedido pela Entidade de Ensino?O que providenciar? Deseja trabalhar como Cirurgião-dentista

Leia mais

Publicidade na Odontologia: como fazer. Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação.

Publicidade na Odontologia: como fazer. Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação. Publicidade na Odontologia: como fazer Um guia de como evitar penalidades e divulgar seus serviços de acordo com a legislação. Você sabia que nos anúncios, placas e impressos publicitários, por exemplo,

Leia mais

LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979

LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979 LEI Nº 6.686, DE 11 DE SETEMBRO DE 1979 Dispõe sobre o exercício da Análise Clínico- Laboratorial. Art. 1º Os atuais portadores de diploma de Ciências Biológicas, modalidade médica, bem como os diplomados

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

Dados e Informações Sobre as Especialidades Odontológicas no Brasil

Dados e Informações Sobre as Especialidades Odontológicas no Brasil Dados e Informações Sobre as Especialidades Odontológicas no Brasil José Mário Morais Mateus Conselheiro Federal - MG Julho/2014 Histórico das Especialidades Odontológicas Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Faciais

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20/2001

RESOLUÇÃO CFO-20/2001 16 de agosto de 2001 RESOLUÇÃO CFO-20/2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324, de 14 de abril

Leia mais

Programa de Educação Médica Continuada ATESTADO MÉDICO. Dr. Osvaldo M. Takayanagui Delegado CREMESP

Programa de Educação Médica Continuada ATESTADO MÉDICO. Dr. Osvaldo M. Takayanagui Delegado CREMESP Programa de Educação Médica Continuada ATESTADO MÉDICO Dr. Osvaldo M. Takayanagui Delegado CREMESP Documento de fé pública, é parte integrante do atendimento e tem como função confirmar a veracidade de

Leia mais

ATESTADOS ODONTOLÓGICOS.

ATESTADOS ODONTOLÓGICOS. ATESTADOS ODONTOLÓGICOS. Daniel P.P. de Bragança, C.D. Especialista em Odontologia Legal - UNICAMP Mestrando em Odontologia Legal e Deontologia UNICAMP Servidor Cirurgião-Dentista da Prefeitura de Macaé/RJ

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre os registros definitivos e temporários de profissionais no Conselho de Arquitetura e Urbanismo e dá outras providências. O Conselho de Arquitetura e

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA imprimir Norma: RESOLUÇÃO Órgão: Conselho Federal de Medicina Número: 1980 Data Emissão: 07-12-2011 Ementa: Fixa regras para cadastro, registro, responsabilidade técnica e cancelamento para as pessoas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

Sumário 1. INTRODUÇÃO

Sumário 1. INTRODUÇÃO Registro profissional dos contabilistas Em face da publicação da Resolução CFC nº 1.461/2014 - DOU 1 de 17.02.2014, este procedimento foi atualizado. Tópico atualizado: 1.1 Sujeição e aprovação em exame

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01/2014 A Defensora Pública-Geral do Estado de Minas Gerais, Presidente da Comissão de Concurso, no uso de suas atribuições,

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01/2014 A Defensora Pública-Geral do Estado de Minas Gerais, Presidente da Comissão de Concurso, no uso de suas atribuições, EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01/2014 A Defensora Pública-Geral do Estado de Minas Gerais, Presidente da Comissão de Concurso, no uso de suas atribuições, informa que em virtude da publicação da Emenda Constitucional

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

LEI Nº 4.324, DE 14 DE ABRIL DE 1964

LEI Nº 4.324, DE 14 DE ABRIL DE 1964 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 4.324, DE 14 DE ABRIL DE 1964 Institui o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Odontologia, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Sumário. Manual do Responsável Técnico Conselho Regional de Odontologia do Paraná

Sumário. Manual do Responsável Técnico Conselho Regional de Odontologia do Paraná Sumário A Importância da Responsabilidade Técnica... 1 1.. Quem pode assumir a função de Responsável Técnico?... 2 2.. Um TPD (Técnico em Prótese Dentária) pode ser responsável técnico por um estabelecimento

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.390/12 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014

RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 RESOLUÇÃO CRP16 Nº 005/2014 Dispõe sobre registro, cadastro, cancelamento e responsabilidade técnica das Pessoas Jurídicas da jurisdição do CRP16 e revoga a Resolução CRP 16 nº 004/2007, de 10 de novembro

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 510, DE 22 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe sobre o registro de corretor de seguros, de capitalização e de previdência, pessoa física e pessoa jurídica,

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica)

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica) CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE RONDÔNIA REQUERIMENTO PARA CRT (Certidão de Responsabilidade Técnica) Eu, Enfermeiro (a), inscrito (a) sob n.º COREN-RO, em / / Endereço Residencial: Nº, Bairro:, Cidade:,

Leia mais

Processo-Consulta Cremesp nº131.900/2012

Processo-Consulta Cremesp nº131.900/2012 Processo-Consulta Cremesp nº131.900/2012 Ementa: Dúvidas acerca da concessão de medicamentos. Diversos questionamentos. Autonomia médica. Observância das normas éticas na indicação de medicamentos pelos

Leia mais

LEI 4.324 DE 14/04/1964

LEI 4.324 DE 14/04/1964 LEI 4.324 DE 14/04/1964 Institui o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Odontologia, e dá outras providências. Art. 1º - Haverá na Capital da República um Conselho Federal de Odontologia e em cada

Leia mais

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS Prof. Dr. Eduardo Daruge Titular de Odontologia Legal e Deontologia da FOP-UNICAMP Prof. Medicina Legal da Faculdade de Direito da UNIMEP DEFINIÇÃO: PERÍCIAS

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas.

CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA. Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas. CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA RESOLUÇÃO CFO-160, DE 2 DE OUTUBRO DE 2015 Reconhece a Acupuntura, a Homeopatia e a Odontologia do Esporte como especialidades odontológicas. O presidente do Conselho Federal

Leia mais

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o elenco de medicamentos e aprova o regulamento dos procedimentos de aquisição e dispensação de medicamentos especiais para tratamento ambulatorial

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005)

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004 (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) O Conselho Federal de Medicina, no uso das atribuições que lhe confere a

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO Nº 002/PRES/OAB/RO RESOLVE:

RESOLUÇÃO DO CONSELHO Nº 002/PRES/OAB/RO RESOLVE: RESOLUÇÃO DO CONSELHO Nº 002/PRES/OAB/RO O CONSELHO SECCIONAL DO ESTADO DE RONDÔNIA DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, no uso de suas atribuições estatutárias, com base no que dispõe o art. 10, 1º da Lei

Leia mais

LEI Nº 4.324, DE 14 DE ABRIL DE 1964

LEI Nº 4.324, DE 14 DE ABRIL DE 1964 LEI Nº 4.324, DE 14 DE ABRIL DE 1964 Institui o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Odontologia, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 92.790, DE 17 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a Lei nº 7.394, de 29 de outubro de 1985, que regula o exercício da profissão

Leia mais

RESOLUÇÃO CRMV-DF Nº 06, de 24 de Março de 2014

RESOLUÇÃO CRMV-DF Nº 06, de 24 de Março de 2014 RESOLUÇÃO CRMV-DF Nº 06, de 24 de Março de 2014 Aprova as Normas de orientação técnico-profissional, destinadas ao médico veterinário e ao zootecnista que desempenham a função de Responsável Técnico junto

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.371/11 Dispõe sobre o Registro das Entidades Empresariais de Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO

CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO Código de Ética aprovado pela Resolução do C.F.B.M. - /V 0002/84 DE i 6/08/84 - D. O. U. 27/08/84, e de conformidade com o Regimento Interno Art. 54, 55, 60 -

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013.

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. Dispõe sobre a criação e atribuições das delegacias regionais e dos delegados e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN n 042/DAT/CBMSC)

Leia mais

PORTARIA Nº 68, DE 13 DE MARÇO DE 2012 RESOLVE:

PORTARIA Nº 68, DE 13 DE MARÇO DE 2012 RESOLVE: PORTARIA Nº 68, DE 13 DE MARÇO DE 2012 RESOLVE: O PRESIDENTE DA AGÊNCIA MUNICIPAL DE TRÂNSITO, TRANSPORTES E MOBILIDADE, no uso de suas atribuições legais conferidas pela Lei Complementar n 183, de 19

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000

CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N 127, de 13 de abril de 2000 Dispõe sobre a atividade de corretor de seguros, e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 429, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2012. Dispõe sobre o registro de corretor e de sociedade corretora de seguros, sobre a atividade de corretagem de seguros

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG

REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG REGIMENTO INTERNO FEDERAÇÃO PARANAENSE E CATARINENSE DE GOLFE - FPCG 1 Sumário CAPITULO I... 3 Do Regimento Interno... 3 CAPITULO II... 3 Do Registro e Inscrição dos Golfistas... 3 CAPITULO III... 3 Da

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Altera as Resoluções Normativas - RN nº 85, de 7 de dezembro de 2004, que dispõe sobre

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.140-D, DE 2003. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.140-D, DE 2003. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.140-D, DE 2003 Regulamenta o exercício das profissões de Técnico em Saúde Bucal - TSB e de Auxiliar em Saúde Bucal ASB.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.007, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2003.

RESOLUÇÃO Nº 1.007, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2003. RESOLUÇÃO Nº 1.007, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2003. Dispõe sobre o registro de profissionais, aprova os modelos e os critérios para expedição de Carteira de Identidade Profissional e dá outras providências.

Leia mais

DECRETO Nº. 2.469 DE 23 DE NOVEMBRO DE 2009

DECRETO Nº. 2.469 DE 23 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o procedimento de fiscalização para fins de SUSPENSÃO e CANCELAMENTO de Alvará de Funcionamento e INTERDIÇÃO em estabelecimentos empresariais e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

PROJETO DE LEI. I - zelar pela dignidade, independência, prerrogativas e valorização do jornalista;

PROJETO DE LEI. I - zelar pela dignidade, independência, prerrogativas e valorização do jornalista; PROJETO DE LEI Cria o Conselho Federal de Jornalismo e os Conselhos Regionais de Jornalismo, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Ficam criados o Conselho Federal de Jornalismo

Leia mais

RESOLUÇÃO ANVISA Nº 22, DE 17 DE JUNHO DE 2010 DOU 18.06.2010

RESOLUÇÃO ANVISA Nº 22, DE 17 DE JUNHO DE 2010 DOU 18.06.2010 RESOLUÇÃO ANVISA Nº 22, DE 17 DE JUNHO DE 2010 DOU 18.06.2010 Dispõe sobre a regulamentação da transferência de titularidade de registro de produtos sujeitos à vigilância sanitária em razão de operações

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188)

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188) RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188) Fixa os valores das anuidades e taxas para o exercício de 2013 e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA,

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 3.820, DE 11 DE NOVEMBRO DE 1960.

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 3.820, DE 11 DE NOVEMBRO DE 1960. Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Regulamento LEI Nº 3.820, DE 11 DE NOVEMBRO DE 1960. Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Farmácia, e dá outras providências. O

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA TCE-TO Nº 003, DE 23 DE SETEMBRO DE 2009. Consolidada pela IN nº 03/2012 de 02/05/2012. Acresce o 7 ao artigo 9º da Instrução Normativa nº 003, de 23 de setembro de 2009, que estabelece

Leia mais

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17

http://www.fonoaudiologia.org.br//servlet/consultalegislacao?acao=pi&leiid=17 Page 1 of 7 Número: 339 Ano: 2006 Ementa: Dispõe sobre o registro de Pessoas Jurídicas nos Conselhos de Fonoaudiologia e dá outras providências. Cidade: - UF: Conteúdo: Brasilia-DF, 25 de Fevereiro de

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Despachante Aduaneiro e Ajudante de Despachante Aduaneiro-Exercício das Profissões INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA Resolução CFFa Nº 408, de 3 de dezembro de 2011. Dispõe sobre o registro profissional, principal e secundário, transferência por alteração de endereço profissional, baixa, reintegração e revalidação da

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL Associação Brasileira de Quiropraxia Aprovado em Assembléia Geral Extraordinária da Associação Brasileira de Quiropraxia, Novo Hamburgo, 01 de

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Lei Nº 4.769, de 09 de setembro de 1965 O Presidente da República Dispõe sobre o exercício da profissão de Administrador e dá outras providências (*) (**). Faço saber que o Congresso Nacional decreta e

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP INSTRUÇÃO Nº 2560 Dispõe sobre procedimentos para a interrupção de registro profissional. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 34,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES INICIAIS DAS COMPETÊNCIAS Art. 1º O Setor de Registros Acadêmicos - SRA é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à vida

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

Município de Montes Claros MG Procuradoria Jurídica

Município de Montes Claros MG Procuradoria Jurídica PORTARIA Nº 01, de 15 de janeiro de 2007. Estabelece critérios visando à convocação para contratação de pessoal, por excepcional interesse público, na composição do Quadro de Pessoal das Unidades Municipais

Leia mais

A harmonia de procedimentos que deve existir entre os diversos Conselhos Regionais de Nutricionistas; CAPÍTULO I DO EXERCÍCIO DA PROFISSÃO

A harmonia de procedimentos que deve existir entre os diversos Conselhos Regionais de Nutricionistas; CAPÍTULO I DO EXERCÍCIO DA PROFISSÃO Página 1 de 1 RESOLUÇÃO CFN Nº 466/2010 Dispõe sobre a inscrição de Nutricionistas nos Conselhos Regionais de Nutricionistas, e dá outras providências O Conselho Federal de Nutricionistas (CFN), no uso

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

- Maiores informações: Departamento de Registro/Belo Horizonte. Telefones: (31)3071-3315 ou 3071-3316.

- Maiores informações: Departamento de Registro/Belo Horizonte. Telefones: (31)3071-3315 ou 3071-3316. RELAÇÃO DE DOCUMENTOS DA EMPRESA EXIGIDOS PARA O REGISTRO PESSOA JURÍDICA ATENÇÃO: TODA A DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA PARA O REGISTRO DEVERÁ SER APRESENTADA EM CÓPIA AUTENTICADA EM CARTÓRIO OU NO ATO DO REGISTRO

Leia mais

MANUAL DO CRO-SC PARA INSCRIÇÃO DE PESSOA FÍSICA E JURÍDICA

MANUAL DO CRO-SC PARA INSCRIÇÃO DE PESSOA FÍSICA E JURÍDICA MANUAL DO CRO-SC PARA INSCRIÇÃO DE PESSOA FÍSICA E JURÍDICA 2 APRESENTAÇÃO Foi pensando nos profissionais que entram em contato rotineiramente com este Regional, formulando diversos questionamentos referentes

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA DE SÃO PAULO. Inscrição

CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA DE SÃO PAULO. Inscrição Inscrição Legalidade: A inscrição no CROSP é obrigatória pelas Leis Federais 5.965/73 e 6.839/80 e Consolidação CFO, após a realização das etapas anteriores (1ª e 2ª) e registros em Cartório/Junta Comercial

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (11) 3256-1321 abraidi@abraidi.com.br www.abraidi.com.br 1ª. Edição 2014 REGIMENTO

Leia mais

Parecer 006/2015 CREFITO-4

Parecer 006/2015 CREFITO-4 Parecer 006/2015 CREFITO-4 ASSUNTO: Parecer do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da 4ª Região acerca do prontuário fisioterapêutico e/ou multidisciplinar do paciente e do direito

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 05, de 28 de janeiro de 2015 D.O.U de 29/01/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE ATO DELIBERATIVO Nº 56, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a assistência odontológica indireta aos beneficiários do Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO ENGENHARIA CIVIL RESUMO DA LEI NÚMERO 5.194 DE 24 DE DEZEMBRO DE 1966 Petrópolis 2013 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho é um resumo

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 034/CUn/2008, de 16 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 034/CUn/2008, de 16 de dezembro de 2008 RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 034/CUn/2008, de 16 de dezembro de 2008 EMENTA: DISPÕE SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. O PRESIDENTE DO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N.º 228/99

RESOLUÇÃO CFN N.º 228/99 RESOLUÇÃO CFN N.º 228/99 DISPÕE SOBRE A INSCRIÇÃO DE PESSOAS FÍSICAS NOS CONSELHOS REGIONAIS DE NUTRICIONISTAS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Conselho Federal de Nutricionistas, no uso de suas atribuições

Leia mais

Carta de Serviços aos Cidadãos

Carta de Serviços aos Cidadãos Carta de Serviços aos Cidadãos Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul: a cada dia mais próximo da comunidade www.tre-jus.br O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul é um órgão do Poder

Leia mais

MANUAL DE PUBLICIDADE

MANUAL DE PUBLICIDADE MANUAL DE PUBLICIDADE DO MÉDICO VETERINÁRIO Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Paraná Manual de Publicidade do Médico Veterinário 2015 www.crmv-pr.org.br MANUAL DE PUBLICIDADE DO MÉDICO

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA OBTER O TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA

PROCEDIMENTOS PARA OBTER O TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA PROCEDIMENTOS PARA OBTER O TÍTULO DE UTILIDADE PÚBLICA No Estado de São Paulo, a Lei Estadual n 2.574 de 4 de dezembro de 1980 estabelece normas para a declaração de utilidade pública. Cabe à Secreta a

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 168, DE 17 MAIO 1968

RESOLUÇÃO Nº 168, DE 17 MAIO 1968 RESOLUÇÃO Nº 168, DE 17 MAIO 1968 Dispõe sobre o registro, a expedição de carteira profissional, cartão de registro provisório e cartão termoplástico de identificação de diplomado em cursos superior e

Leia mais

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN

PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL - PGFN PORTARIA N.º 3 DE 22 /11 /2005 Dispõe sobre a prova de regularidade fiscal perante a Fazenda Nacional e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DA FAZENDA

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS PESSOA FÍSICA

PERGUNTAS E RESPOSTAS PESSOA FÍSICA PERGUNTAS E RESPOSTAS PESSOA FÍSICA 01 O que é preciso para me registrar no CRC-CE? Realizar o exame de suficiência e ser aprovado, fazer o pré-registro no site do CRC-CE, efetuar o pagamento das taxas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA COHAB-ARAUCÁRIA Nº 03, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2014. Súmula: Estabelece normas e procedimentos para a realização de inscrição dos mutuários, relaciona os documentos necessários a instruir

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.

INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com. 1/7 INFORMAÇÕES AOS FORNECEDORES SEJA NOSSO FORNECEDOR REGULAMENTO PARA EMISSÃO DO CRC COCEL (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES I. O interessado na inscrição no Cadastro de Fornecedores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 146/12

DELIBERAÇÃO Nº 146/12 DELIBERAÇÃO Nº 146/12 Dispõe sobre a Responsabilidade Técnica e o Exercício Profissional de Farmacêutico apto a atuar em Análises Clínicas e Postos de Coleta e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 Regulamenta os procedimentos relativos à certificação digital, para garantir a segurança das transações eletrônicas realizadas por meio dos sistemas, das aplicações e dos

Leia mais

EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ.

EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ. PREÃMBULO 1994 EDITAL Nº. 01/2014 DE SELEÇÃO PÚBLICA DE PROJETOS A SEREM FINANCIADOS PELO FUNDO DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA DO MUNICÍPIO DE MARABÁ-PARÁ. A Prefeitura Municipal de Marabá, por intermédio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002/2014

RESOLUÇÃO Nº 002/2014 RESOLUÇÃO Nº 002/2014 Dispõe sobre o Estágio Profissional de Advocacia e disciplina o credenciamento de escritórios de advocacia e outras entidades interessadas, bem como os convênios celebrados pela OAB/BA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DOS ESTADOS DE RONDÔNIA E ACRE -CRF-RO/AC

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DOS ESTADOS DE RONDÔNIA E ACRE -CRF-RO/AC Edital nº02/2008 DO PROCESSO SELETIVO 02/2008 CRF/RO-AC DE 07 DE NOVEMBRO DE 2008 ABERTURA. A Presidente do Conselho Regional de Farmácia dos Estados de Rondônia e Acre, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais