Perspectivas do Direito Sindical no Brasil. João de Lima Teixeira Filho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perspectivas do Direito Sindical no Brasil. João de Lima Teixeira Filho"

Transcrição

1 Porto Alegre, Maio de 2014

2 Modelos de Relações Coletivas de Trabalho: 4 elementos Estado Sindicato NC Meios de Solução dos Conflitos

3 Modelos de Relações Coletivas de Trabalho: 4 elementos Estado Sindicato NC Meios de Solução dos Conflitos

4 Modelos de Relações Coletivas de Trabalho: 4 elementos Estado Sindicato NC Meios de Solução dos Conflitos

5 Abstencionista Dirigismo integral Intervencionismo básico

6 Liberdade Sindical elevada à categoria dos direitos humanos fundamentais inscrita em diplomas internacionais da maior envergadura: na Constituição da OIT, de 1919 (Considerando a necessidade de afirmação do princípio de liberdade sindical ); Declaração de Philadelfia (48) Anexo à Constituição, art. 1º, b Declaração Universal dos Dtos do Homem (ONU, 1948) Brasil é signatário Convenções da OIT nº 87 (1948) e nº 98 (1949) Pacto Internac. dos Direitos Econômicos, Sociais e Culturais (ONU 1966), art. 8º - Ratificado pelo Decreto nº 591, de na Conferência Internacional do Trabalho de 1998: Declaração da OIT Relativa aos Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho no Protocolo Sócio-Laboral do MERCOSUL (dez/98-rio)

7 Ambigüidade básica da CF/88 Organização sindical para o setor privado: Art. 8º. É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: incisos, exceto o I, desfiguraram a liberdade sindical do caput impedimento para Brasil ratificar a Convenção nº 87 da OIT 1 Organização sindical para o setor público: Art (omissis)... VI é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação sindical Possibilidade de ratificação da Convenção nº 87 da OIT 1 Pela Mensagem nº 256, de , o Presidente Eurico Gaspar Dutra encaminha a Convenção nº 87 ao Congresso Nacional, onde continua a tramitar.

8 Verbete nº 314 do Comitê de Liberdade Sindical da O.I.T.: As disposições de uma Constituição Nacional, relativas à proibição de criar mais de um sindicato por categoria profissional ou econômica, qualquer que seja o grau da organização, em uma base territorial determinada, que não poderá ser inferior à área de um Município, não estão em conformidade com os princípios da liberdade sindical (in La Liberdad Sindical recompilación de decisiones y principios del Comité de Liberdad Sindical del Consejo de Administración de la OIT, 5ª edición (revisada), 2006, OIT, Ginebra, pág. 70. Tradução livre)

9 Liberdade Sindical Expressões da liberdade sindical: unidade e pluralidade = voluntárias Dimensões da Liberdade Sindical: 1ª Individual: Dto de filiação, permanência e desfiliação (implícito: não filiação) Direito de escolha resulta CF não assegura (apesar arts. 5º, XX, e 8º, V) Sindicato representativo (% de filiação) Aquisição de condições de trabalho via N.C. Contribuição volitiva Introjeção em uma categoria estatal: vontade individual é ineficaz ACT ou CCT não resulta da filiação Contribuição sindical é impositiva

10 Liberdade Sindical 2ª Coletiva: Dto dos grupos organizarem sindicato/plano de ação Autonomia de constituição Autonomia de ação (N.C. e greve) quantos quiserem (existentes ou criados): unidade ou pluralidade como quiserem: vínculo de base comum mesma localidade por empresa mesma profissão mesma ideologia - CF não assegura em razão unicidade de representação corte por categoria: preponderante, diferenciada e profissão regulamentada. redivisão por base territorial municipal (sindicato por empresa) - de fato: pluralidade na base e na cúpula

11 Liberdade Sindical 3ª Autonomia sindical Direito de auto-organização e funcionamento Não intervenção ou interferência do Estado CF a assegura: A lei não poderá exigir autorização do Estado para fundação de sindicato, ressalvado o registro no órgão competente, vedadas ao Poder Público a interferência e intervenção na organização sindical (CF, art. 8º, inciso I) MTE não mais reconhece (registra): Súmula nº 677 do STF Plano de Atividades e Profissões Comissão de Enquad. Sindical Inexistência desses controles possibilita existir + de um sindicato por categoria: quem quer os fins dá os meios. Cadastro Nacional das Estidades Sindicais é falho Portaria nº 186/2008 do MTE. As associações só poderão ser compulsoriamente dissolvidas ou ter suas atividades suspensas por decisão judicial, exigindo-se, no primeiro caso, o trânsito em julgado (CF, art. 5º, inc. XIX).

12 Liberdade Sindical não assegura nem unidade nem pluralidade: expressão da vontade coletiva Convenção 87 é instrumento de aferição da liberdade da organização sindical, independentemente de como ela se organiza: 3 dimensões Brasil: unicidade corresponde a sindicatos (= pluralidade) Notícias do Tribunal Superior do Trabalho 15/06/2005 Ministério do Trabalho estima criação de um sindicato por dia Uma média de um sindicato surge no País a cada dia. No total, existem hoje cerca de 24 mil entidades sindicais, de trabalhadores e patronais. A estimativa foi feita por um representante do Ministério do Trabalho em exposição feita a ministros do Tribunal Superior do Trabalho e presidentes dos Tribunais Regionais. A iniciativa de buscar informações sobre o atual quadro de registro sindical foi do presidente do TST, ministro Vantuil Abdala, em decorrência da nova competência atribuída à Justiça do Trabalho pela reforma do Poder Judiciário. Pelo novo texto, as ações sobre representação sindical, entre sindicatos, entre sindicatos e trabalhadores, e entre sindicatos e empregadores, passam a ser julgadas na Justiça do Trabalho. Como o registro no Ministério do Trabalho não é obrigatório, há dificuldades para se chegar ao número preciso de sindicatos no País. O secretário adjunto de Relações do Trabalho, Marco Antonio de Oliveira, explicou que muitos sindicatos possuem código para o recebimento das contribuição sindical obrigatória, mas não têm registro. O Ministério do Trabalho realiza, no momento, o cruzamento de dados do registro sindical com o cadastro da Caixa Econômica Federal para levantar o quadro mais exato. Também lançou uma campanha de atualização de informações sindicais com o mesmo objetivo. A administração pública deve tornar pública essa informações, pois são entidades que têm o privilégio de usufruir de uma contribuição de natureza parafiscal, disse o secretário adjunto de relações do trabalho.

13 Liberdade Sindical Alemanha: Pluralidade c/ 15 organismos sindicais. Uruguai: Não tem legislação. Só Convenção nº 87 - Unidade: PIT-CNT Modelo não deve tolher fatores culturais, históricos, sociais de cada povo. Ideal é unidade. Mas pluralidade não é defeito.

14 Mecanismos de moderação da pluralidade sindical Governo autônomo das RCT não pode levar à anarquia: Necessidade de certa centralidade ou grau de controle (efetividade). evitar que atomização sindical comprometa a Negociação Coletiva. Moderação do Pluralismo: sindicato mais representativo. A Constituição da OIT, no 5º, do art. 3º, consagra a noção de organizações profissionais mais representativas. Objetivo: adensamento representativo na N.C. uniformização das condições de trabalho preservação dos sindicatos sem representação majoritária

15 Mecanismos de moderação da pluralidade sindical Outras formas de Moderação do Pluralismo: representação exclusiva (concentrado): Um só, entre vários, é o que negocia por todos, por designação: do MTb, na Argentina (sindicato com "personeria gremial") em processo eleitoral (EUA). representação plural (compartilhado): Comissão de Negociação Sindicatos com delegados eleitos com + de 10% dos votos; Eleição de empregados e indicados pelo sindicato + representativo; Eleição de empregados e representantes listados pelos sindicatos. representação por irradiação: Negociação articulada: representação unitária das entidades sindicais, que fecham em conjunto com a majoritária na empresa ou ramo; sindicato + representativo negocia pelo Setor. Sindicato de empresa é considerado representativo se filiado ao que negocia pelo Setor.

16 Análise comparativa da Organização Sindical Pré Constituição de 88 Constituição de 88 Liberdade Sindical Unicidade sindical Unicidade sindical Unidade ou Pluralidade Categorias (preponderante, Categorias (preponderante, Grupos profissionais de formação espontânea diferenciada e regulamentada) diferenciada e regulamentada) Base territorial limitada Base territorial Livre limitada Representação legal Representação legal Representatividade Contribuição sindical Contribuição sind. e Voluntária Ingerência estatal (C.E.S.) Confederativa Autonomia sindical (art. 8º, I) Autonomia sindical

17 No princípio foi a lei do patrão; hoje é a lei do Estado; no futuro será a lei das partes. (Georges Scelle)

PORTARIA No- 186, DE 10 DE ABRIL DE 2008

PORTARIA No- 186, DE 10 DE ABRIL DE 2008 PORTARIA No- 186, DE 10 DE ABRIL DE 2008 O MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das suas atribuições legais e tendo em vista o disposto no art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, no Título

Leia mais

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu:

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: Art. 37º... VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação

Leia mais

Direito Social: Essa nomenclatura é pouco utilizada, pois se entende que ela é muito abrangente e alcançaria outros ramos do direito.

Direito Social: Essa nomenclatura é pouco utilizada, pois se entende que ela é muito abrangente e alcançaria outros ramos do direito. 1. NOMENCLATURA DIREITO COLETIVO DO TRABALHO X DIREITO SINDICAL. Direito Coletivo do Trabalho: Utiliza-se esse termo, por vezes, por ser considerado de maior amplitude, ora por ser mais adequado (uma vez

Leia mais

CARTA DE PIRACICABA. I Sindicato e autonomia frente ao Ministério Público do Trabalho e Emprego e a Justiça do Trabalho;

CARTA DE PIRACICABA. I Sindicato e autonomia frente ao Ministério Público do Trabalho e Emprego e a Justiça do Trabalho; CARTA DE PIRACICABA Nos dias 27 e 28 do mês de maio de 2014, na cidade de Piracicaba, Estado de São Paulo, os trabalhadores do ramo da alimentação do Brasil, representados por sua Confederação, Federações

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho II Professora: Cláudia Glênia JUR: NÃO DEVE SER USADO COMO CONTEÚDO DE ESTUDO, NÃO DEVE SER

Leia mais

Abrangência da terceirização

Abrangência da terceirização Reportagem especial explica os pontos polêmicos do projeto da terceirização A proposta que regulamenta a terceirização no Brasil e derrubou a reunião da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

COMUNICADO nº 033/2013. Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios.

COMUNICADO nº 033/2013. Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios. COMUNICADO nº 033/2013 Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios. Referente: Contribuição Sindical. A na busca de auxiliar os gestores públicos municipais

Leia mais

O ATIVISMO JUDICIAL DO TST E A CONTRIBUIÇÃO ASSISTENCIAL NOS INSTRUMENTOS DE NEGOCIAÇÃO COLETIVA DO TRABALHO LUIZ EDUARDO GUNTHER SETEMBRO DE 2014

O ATIVISMO JUDICIAL DO TST E A CONTRIBUIÇÃO ASSISTENCIAL NOS INSTRUMENTOS DE NEGOCIAÇÃO COLETIVA DO TRABALHO LUIZ EDUARDO GUNTHER SETEMBRO DE 2014 O ATIVISMO JUDICIAL DO TST E A CONTRIBUIÇÃO ASSISTENCIAL NOS INSTRUMENTOS DE NEGOCIAÇÃO COLETIVA DO TRABALHO LUIZ EDUARDO GUNTHER SETEMBRO DE 2014 O Precedente Normativo n. 119, da Seção de Dissídios Coletivos

Leia mais

EXTENSIVO PLENO Direito do Trabalho Prof. Renato Sabino Aula 6 2009/1

EXTENSIVO PLENO Direito do Trabalho Prof. Renato Sabino Aula 6 2009/1 MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula JORNADA DE TRABALHO (continuação da última aula) 9. Ausência de controle - domésticos; - trabalho externo incompatível com controle + anotação em CTPS e registro do empregado;

Leia mais

1. Do conjunto normativo que disciplina a criação de sindicatos e a filiação dos servidores públicos

1. Do conjunto normativo que disciplina a criação de sindicatos e a filiação dos servidores públicos Nota Técnica nº 07/2008 SINASEFE. Dispositivo do Estatuto que permite a incorporação de outros sindicatos à entidade, na condição de seções sindicais. Análise da legalidade da disposição à luz da Constituição

Leia mais

Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho

Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho Organização sindical: Contribuições, Convenções e Acordos Coletivos do Trabalho, Dissídio Coletivo, Direito de Greve (Lei nº 7.783, de 28/6/89). Comissões de Conciliação

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

7º CONGRESSO INTERNACIONAL DA ANAMATRA

7º CONGRESSO INTERNACIONAL DA ANAMATRA STANLEY GACEK DIRETOR ADJUNTO - OIT BRASIL 7º CONGRESSO INTERNACIONAL DA ANAMATRA O SISTEMA NORMATIVO DA OIT NO BRASIL E NOS EUA E ORGANIZAÇÃO SINDICAL E NEGOCIAÇÃO COLETIVA NO BRASIL E NOS EUA: UMA PERSPECTIVA

Leia mais

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Consignação em Pagamento: A ação de consignação, na Justiça do Trabalho, é substitutiva ao pagamento, para

Leia mais

Bom dia a todos, Srs. Ministros, Srs. Membros do painel, Senhoras e

Bom dia a todos, Srs. Ministros, Srs. Membros do painel, Senhoras e MECANISMOS DE MONITORAMENTO E PROCEDIMENTOS DE RECLAMAÇÃO E QUEIXA: O PAPEL DA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NA GARANTIA DA EFETIVIDADE DAS NORMAS INTERNACIONAIS DO TRABALHO * Horacio Guido ** Bom dia a todos,

Leia mais

URGENTE. Para: SINDICATO DOS FISCAIS E AGENTES FISCAIS DE TRIBUTOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS- SINDIFISCO/MG PARECER

URGENTE. Para: SINDICATO DOS FISCAIS E AGENTES FISCAIS DE TRIBUTOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS- SINDIFISCO/MG PARECER URGENTE De: Departamento Jurídico do SINDIFISCO/MG Belo Horizonte, 23 de abril de 2009. Para: SINDICATO DOS FISCAIS E AGENTES FISCAIS DE TRIBUTOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS- SINDIFISCO/MG PARECER Trata-se

Leia mais

DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL. ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS E SINDICATOS - ENTIDADES SIMILARES 1.

DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL. ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS E SINDICATOS - ENTIDADES SIMILARES 1. DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL. ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS E SINDICATOS - ENTIDADES SIMILARES 1. Genesio Vivanco Solano Sobrinho Juiz do Trabalho aposentado 1.- Da Organização Sindical. Preliminares. 2.- Das Associações

Leia mais

REFORMA SINDICAL QUADRO COMPARATIVO

REFORMA SINDICAL QUADRO COMPARATIVO REFORMA SINDICAL QUADRO COMPARATIVO Substitutivo do deputado Tarcísio Zimmerman (PT/RS), relator dos projetos que tratam da reforma sindical na Comissão de Trabalho, e o anteprojeto de relações sindicais

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

HISTÓRICO: O referido Sindicato solicitou emissão de parecer jurídica para responder aos seguintes questionamentos:

HISTÓRICO: O referido Sindicato solicitou emissão de parecer jurídica para responder aos seguintes questionamentos: HISTÓRICO: O SINDSFEPA - SINDICATO DOS SERVIDORES FAZENDÁRIOSDO ESTADO DO PARÁ solicitou que esta Assessoria Jurídica promova apreciação jurídica relativa à legalidade dos atos praticados pela JUNTA GOVERNATIVA

Leia mais

DECLARAÇÃO SOCIOLABORAL DO MERCOSUL OS CHEFES DE ESTADO DOS ESTADOS PARTES DO MERCADO COMUM DO SUL,

DECLARAÇÃO SOCIOLABORAL DO MERCOSUL OS CHEFES DE ESTADO DOS ESTADOS PARTES DO MERCADO COMUM DO SUL, DECLARAÇÃO SOCIOLABORAL DO MERCOSUL OS CHEFES DE ESTADO DOS ESTADOS PARTES DO MERCADO COMUM DO SUL, Considerando que os Estados Partes do MERCOSUL reconhecem, nos termos do Tratado de Assunção (1991),

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Corregedoria Regional Eleitoral PROVIMENTO CRE-RJ Nº 3 /2012 Disciplina a utilização do Sistema de Informações Eleitorais no âmbito do TRE/RJ e dá outras providências.

Leia mais

Companheiros e companheiras,

Companheiros e companheiras, Companheiros e companheiras, Utilizada sob o falso argumento de modernizar as relações de trabalho e garantir a especialização no serviço, a terceirização representa na realidade uma forma de reduzir o

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL CRISTINA LUNA. Direitos e Garantias Fundamentais Sociais (Arts. 6º ao 11)

DIREITO CONSTITUCIONAL CRISTINA LUNA. Direitos e Garantias Fundamentais Sociais (Arts. 6º ao 11) Direitos e Garantias Fundamentais Sociais (Arts. 6º ao 11) (1) Art. 6º - São direitos sociais a educação a saúde a alimentação EC 64/2010 o trabalho a moradia EC 26/2000 o lazer a segurança a previdência

Leia mais

Assunto Urgente: OBRIGATORIEDADE DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DO PROFISSIONAL LIBERAL ( ASSISTENTE SOCIAL)

Assunto Urgente: OBRIGATORIEDADE DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DO PROFISSIONAL LIBERAL ( ASSISTENTE SOCIAL) Assunto Urgente: OBRIGATORIEDADE DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DO PROFISSIONAL LIBERAL ( ASSISTENTE SOCIAL) O Sindicato dos Assistentes Sociais vem prestar esclarecimentos com relação à contribuição sindical,

Leia mais

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain.

A experiência brasileira em matéria de liberdade sindical à luz do pensamento de Maritain. 1 A liberdade sindical como direito humano pela Declaração Universal dos Direitos do Homem da ONU e direito fundamental pela OIT a partir da visão de Jacques Maritain em suas obras Os direitos do homem

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. Dispõe sobre a organização sindical no setor público, afastamento de dirigentes sindicais, negociação coletiva, aplicação do direito de greve e sobre o custeio da organização

Leia mais

A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos

A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos 1 A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista em São Paulo, ex-advogado dos Sindicatos dos Metalúrgicos, Bancários e Comerciários, todos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

Estatuto da Federação Nacional dos Trabalhadores nas Autarquias de Fiscalização do Exercício Profissional - FENASERA

Estatuto da Federação Nacional dos Trabalhadores nas Autarquias de Fiscalização do Exercício Profissional - FENASERA Estatuto da Federação Nacional dos Trabalhadores nas Autarquias de Fiscalização do Exercício Profissional - FENASERA Capítulo I Da Federação e Seus Objetivos Seção I Da Constituição, Denominação, Sede,

Leia mais

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos.

META 4. LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. META 4 LEITURA OBRIGATÓRIA Legislação: CRFB/88, arts. 6 o 17; Doutrina: Direitos sociais; Nacionalidade; Direitos Políticos e Partidos Políticos. EXERCÍCIO 1. (FGV - 2008 - Senado Federal - Policial Legislativo

Leia mais

categorias, em questões judiciais ou administrativas, e o direito de o aposentado filiado votar e ser votado nas organizações sindicais.

categorias, em questões judiciais ou administrativas, e o direito de o aposentado filiado votar e ser votado nas organizações sindicais. De continuação... (237) Na nova ordem jurídica brasileira: a) O direito de greve alcance todos os trabalhadores e servidores públicos, dependendo, quanto a estes de regulamentação; b) São permitidos a

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR PROFESSOR ROBERTO TRONCOSO

WWW.PONTODOSCONCURSOS.COM.BR PROFESSOR ROBERTO TRONCOSO Olá futuros servidores públicos!! Nesse fim de semana, foram realizadas as provas da STN. A prova de Direito Constitucional foi bastante tranquila, com exceção da primeira questão. Quem estudou pelas minhas

Leia mais

Contribuição Sindical. Conceito

Contribuição Sindical. Conceito Contribuição Sindical Conceito A Contribuição Sindical é um tributo federal (art. 149 da CF), descontada em folha de pagamento e que deve ser recolhida compulsoriamente pelos empregadores, conforme estabelecido

Leia mais

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro

Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Validação dos tratados internacionais ambientais no ordenamento jurídico brasileiro Semana de Produção e Consumo Sustentável Mauricio Pellegrino de Souza FIEMG Convenção de Viena 1969 Direito dos Tratados

Leia mais

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will 1) Mudanças que se sujeitam ao princípio da anualidade: a) mudança na lei partidária (filiação, convenção, coligações, número de candidatos etc). b) mudança

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 REGINA MARIA GROBA BANDEIRA Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Direito Administrativo,

Leia mais

DECLARAÇÃO SOCIOLABORAL DO MERCOSUL OS CHEFES DE ESTADO DOS ESTADOS PARTES DO MERCADO COMUM DO SUL,

DECLARAÇÃO SOCIOLABORAL DO MERCOSUL OS CHEFES DE ESTADO DOS ESTADOS PARTES DO MERCADO COMUM DO SUL, DECLARAÇÃO SOCIOLABORAL DO MERCOSUL OS CHEFES DE ESTADO DOS ESTADOS PARTES DO MERCADO COMUM DO SUL, Considerando que os Estados Partes do MERCOSUL reconhecem, nos termos do Tratado de Assunção (1991),

Leia mais

SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014.

SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014. SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2014. (Publicada no D.O.U. de 17/02/2014) Estabelece instruções para o reconhecimento, pelos Regimes Próprios

Leia mais

LEI N.º /2007 Lei reguladora do Direito Fundamental de Associação Sindical

LEI N.º /2007 Lei reguladora do Direito Fundamental de Associação Sindical LEI N.º /2007 Lei reguladora do Direito Fundamental de Associação Sindical A Assembleia Legislativa decreta, nos termos conjugados dos artigos 27.º, 36.º, 40.º, 43.º e 71.º alínea 1, da Lei Básica da Região

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO I INSTRUMENTOS DE REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO. Os Instrumentos de Regulamentação Colectiva podem ser:

REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO I INSTRUMENTOS DE REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO. Os Instrumentos de Regulamentação Colectiva podem ser: REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Tipos de IRCT I INSTRUMENTOS DE REGULAMENTAÇÃO COLECTIVA DE TRABALHO Os Instrumentos de Regulamentação Colectiva podem ser: Art.º 2.º do

Leia mais

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas.

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas. DIRETRIZES NORMATIVAS ELABORADAS PELO GRUPO DE TRABALHO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SOBRE ORGANIZAÇÃO SINDICAL, NEGOCIAÇÃO COLETIVA, APLICAÇÃO DO DIREITO DE GREVE, CUSTEIO E LIBERAÇÃO DE DIRIGENTE

Leia mais

Professor André Vieira. Direitos Sociais. Curso de Oficial de Justiça de 1º Instância 1

Professor André Vieira. Direitos Sociais. Curso de Oficial de Justiça de 1º Instância 1 Direitos Sociais 01. NÃO é considerado um direito social, expressamente previsto na Constituição Federal Brasileira de 1988, a: a) Segurança; b) Educação; c) Livre concorrência; d) Saúde. 02. Os que percebem

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Corregedoria Regional Eleitoral PROVIMENTO CRE-RJ Nº 03/2012 (consolidado com o Provimento CRE/RJ nº 01/2015) Disciplina a utilização do Sistema de Informações

Leia mais

Administração Direta. Empresas Estatais

Administração Direta. Empresas Estatais Ordem Social Ordem Econômica Administração Indireta Administração Direta Autarquia Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Consórcio Público

Leia mais

CARTA DE FOZ DO IGUAÇU

CARTA DE FOZ DO IGUAÇU CARTA DE FOZ DO IGUAÇU Reunidos em Foz do Iguaçu, Paraná, no dia 2 de outubro de 2015, no II Encontro dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Região Sul, 566 representantes de 215 sindicatos, 23 federações,

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO EDITAL DE CONVOCAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA O Secretário Executivo do SINDCONTAS, no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto da entidade, convoca todos os filiados para comparecer a Assembléia

Leia mais

Dr. André Bedran Jabr

Dr. André Bedran Jabr Bem Vindos! Dr. André Bedran Jabr Especialista em Direito Sindical pela ESA-OAB/SP; Coordenador do Departamento Jurídico do SINCOFARMA/SP; Coordenador do Departamento Jurídico da ABCFARMA; Sócio do escritório

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 14/91 de 11 de Maio A criação das condições materiais e técnicas para a edificação em Angola de um Estado democrático de direito é um dos objectivos a atingir, na actual fase

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA

ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA Aula - Direito do Trabalho II Prof.ª Carolina ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA ESTRUTURA SINDICAL Permanência inicial Moldes corporativistas não inteiramente revogados pela CF/88. Existência de uma pirâmide

Leia mais

NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (205.000-5) DO OBJETIVO 5.1 A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho,

Leia mais

Contribuição Sindical Patronal

Contribuição Sindical Patronal Contribuição Sindical Patronal Aspectos Legais O recolhimento da contribuição sindical é obrigatório conforme se verifica nos artigos 578, 579 e 580 da Consolidação das Leis do Trabalho: TÍTULO V - DA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

RESOLUÇÃO Nº TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº xxxx CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros de campanha eleitoral por cartões de crédito O Tribunal Superior

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

DIREITO COLETIVO DO TRABALHO CONCURSO AGU

DIREITO COLETIVO DO TRABALHO CONCURSO AGU PROFESSORA: ADRIANA CALVO DIREITO COLETIVO DO TRABALHO CONCURSO AGU Todo homem tem direito a organizar sindicatos e a neles ingressar para a proteção de seus interesses."fonte: Declaração Universal dos

Leia mais

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA N /2011

RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA N /2011 RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA N /2011 Regulamenta a expedição da Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas CNDT e dá outras providências. O EGRÉGIO ÓRGÃO ESPECIAL DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, em sessão

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL...

Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 DIREITO ELEITORAL... Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 13 APRESENTAÇÃO... 15 NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 17 NOTA À SEGUNDA EDIÇÃO... 19 CAPÍTULO 1 DIREITO ELEITORAL... 21 1.1. Conceito...21 1.1.1. Competência legislativa em

Leia mais

Portaria nº 326, de 2013. Edição Número 47 de 11/03/2013, pág. 95 TÍTULO I DOS PEDIDOS 2 CAPÍTULO I DOS SINDICATOS 2

Portaria nº 326, de 2013. Edição Número 47 de 11/03/2013, pág. 95 TÍTULO I DOS PEDIDOS 2 CAPÍTULO I DOS SINDICATOS 2 TÍTULO I DOS PEDIDOS 2 CAPÍTULO I DOS SINDICATOS 2 Seção I Da solicitação de registro sindical 2 Subseção I - Da fusão 4 Seção II - Da solicitação de registro de alteração estatutária 5 Subseção I - Da

Leia mais

SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PARANATINGA SISEMP SISEMP

SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PARANATINGA SISEMP SISEMP SISEMP ESTATUTO ESTATUTO CAPÍTULO I Da denominação, constituição, sede e foro, natureza, jurisdição, duração e fins. Art. 1º - O Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Paranatinga MT - SISEMP,

Leia mais

1. Considerações gerais

1. Considerações gerais NOTAS SOBRE A SINDICALIZAÇÃO DE MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO 1 HUGO NIGRO MAZZILLI Promotor de Justiça - SP 1. Considerações gerais A nova ordem constitucional eliminou a anterior proibição de sindicalização

Leia mais

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007 Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público junho de 2007 Sumário Regulamentação do direito de greve dos servidores públicos Previdência complementar dos servidores da

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PESSOA JURÍDICA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PESSOA JURÍDICA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PESSOA JURÍDICA Para a liberação de acesso ao Cadastro NIS pela internet, o empregador deverá entregar na Agência onde será concedida a autorização, cópia e original de documentação

Leia mais

Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013

Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013 Análise das relações trabalhistas no Brasil e em diferentes países Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ São Paulo 15/07/2013 1. Introdução 2. Estados

Leia mais

Autor: CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA DA 5ª REGIÃO VISTOS, ETC.

Autor: CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA DA 5ª REGIÃO VISTOS, ETC. Autor: CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA DA 5ª REGIÃO Fl. 1 Réu: SINDICATO DOS SERVIDORES E EMPREGADOS DOS CONSELHOS E ORDENS DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL - SINSERCON-RS VISTOS, ETC. CONSELHO REGIONAL

Leia mais

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações:

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações: Senado Federal Comissão da Reforma Política TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR a) Redução de dois suplentes de Senador para um; b) Em caso de afastamento o suplente assume; em

Leia mais

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL

AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL AUTORIZAÇÃO PARA FUNCIONAMENTO DE ORGANIZAÇÕES ESTRANGEIRAS DESTINADAS A FINS DE INTERESSE COLETIVO NO BRASIL 1. Organizações estrangeiras destinadas a fins de interesse coletivo 1 No direito brasileiro,

Leia mais

Contribuições sindicais

Contribuições sindicais Contribuições sindicais 1. Aspectos gerais A contribuição sindical é uma receita que tem como fundamento, precípuo, viabilizar a atividade da entidade sindical para fins de defesa dos interesses de determinada

Leia mais

NOTA DO PRESIDENTE. Dr. Jorge Antonio Chehade Presidente do SINDIMVET 2 SINDIMVET

NOTA DO PRESIDENTE. Dr. Jorge Antonio Chehade Presidente do SINDIMVET 2 SINDIMVET SINDIMVET 1 NOTA DO PRESIDENTE É com prazer que divulgamos as atribuições e as atividades desenvolvidas pelo SINDIMVET-SP. O sindicato é a entidade que representa a categoria dos médicos veterinários na

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000)

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJECTIVOS, ÂMBITO Art.º 1º

Leia mais

Administração Pública na CF/88 I

Administração Pública na CF/88 I Administração Pública na CF/88 I Olá Concursando, Hoje vamos continuar estudando um pouco de Direito Constitucional. Vamos fazer um estudo do art. 37 da CF/88, que trata da administração pública. Este

Leia mais

Quero também cumprimentar a Mesa e, em nome da Central Única dos

Quero também cumprimentar a Mesa e, em nome da Central Única dos A IMPORTÂNCIA DA CONVENÇÃO Nº 158 DA OIT PARA O TRABALHADOR BRASILEIRO Arthur Henrique * Quero também cumprimentar a Mesa e, em nome da Central Única dos Trabalhadores, agradecer ao Tribunal Superior do

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a negociação coletiva e o Acordo Coletivo de Trabalho com Propósito Específico. Art. 2º Para os fins desta Lei considera-se:

Leia mais

CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS - Considerações. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 08/08/2012.

CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS - Considerações. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 08/08/2012. CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS - Considerações Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 08/08/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Prova da Inexistência de Débitos Trabalhistas 3 -

Leia mais

Mudanças válidas apenas para registro e alteração estatutária de entidade de 1º Grau

Mudanças válidas apenas para registro e alteração estatutária de entidade de 1º Grau Portaria 186/2008 Portaria 326/2013 Alterações CAPÍTULO I DOS PEDIDOS DE REGISTRO SINDICAL E DE ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA Seção I Da solicitação e análise dos pedidos Art. 2o Para a solicitação de registro,

Leia mais

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES Circ.: EE 05021099411/Coord. 12º CONCUT/2015 São Paulo, 29 de maio de 2015. Aos Ramos e Estaduais da CUT At.: Coordenadores/as Adjuntos/as dos CECUTs Assunto: Orientações práticas sobre aplicação da Paridade

Leia mais

Comissão Permanente de Relações Sindicais e do Trabalho COPERSIND

Comissão Permanente de Relações Sindicais e do Trabalho COPERSIND C a r t i l h a d e P r o c e d i m e n t o s d o S i n d i c a t o P a t r o n a l n a N e g o c i a ç ã o C o l e t i v a e n o s P r o c e s s o s d e D i s s í d i o C o l e t i v o Comissão Permanente

Leia mais

VOTO PROCESSO TC 2257/2013 PROTOCOLO TC 2013/128970

VOTO PROCESSO TC 2257/2013 PROTOCOLO TC 2013/128970 VOTO PROCESSO TC 2257/2013 PROTOCOLO TC 2013/128970 Considerando que a Lei Estadual n 6.417, de 26 de maio de 2008, com vigência retroativa a 1 de maio de 2008, dispõe sobre a revisão geral anual dos servidores

Leia mais

REPUBLICAÇÃO DECRETO Nº 17.964, DE 6 DE SETEMBRO DE 2012.

REPUBLICAÇÃO DECRETO Nº 17.964, DE 6 DE SETEMBRO DE 2012. REPUBLICAÇÃO DECRETO Nº 17.964, DE 6 DE SETEMBRO DE 2012. Regulamenta a Lei nº 11.248, de 4 de abril de 2012, que institui a Gratificação de Responsabilidade Ambiental e Alcance de Metas (GRAAM) nos serviços

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO Nº 3/TST.CSJT, DE 1º DE MARÇO DE 2013

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO Nº 3/TST.CSJT, DE 1º DE MARÇO DE 2013 CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO Nº 3/TST.CSJT, DE 1º DE MARÇO DE 2013 Uniformiza o Programa de Assistência Pré-Escolar no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho e da Justiça do Trabalho

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1, DE 22 DE JULHO DE 2010 (Publicada no D.O.U. de 27/07/2010) Atualizada até 26/05/2014 Estabelece instruções para o reconhecimento, pelos Regimes Próprios de Previdência Social

Leia mais

0 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, com sede na Esplanada dos Ministérios, Bloco "F",

0 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO, com sede na Esplanada dos Ministérios, Bloco F, ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE E O TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO - TST, VISANDO AO INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES REFERENTES

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01/2014 A Defensora Pública-Geral do Estado de Minas Gerais, Presidente da Comissão de Concurso, no uso de suas atribuições,

EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01/2014 A Defensora Pública-Geral do Estado de Minas Gerais, Presidente da Comissão de Concurso, no uso de suas atribuições, EDITAL DE RETIFICAÇÃO Nº 01/2014 A Defensora Pública-Geral do Estado de Minas Gerais, Presidente da Comissão de Concurso, no uso de suas atribuições, informa que em virtude da publicação da Emenda Constitucional

Leia mais

SOLICITAÇÃO DO REGISTRO SINDICAL. 1 Primeiro passo.

SOLICITAÇÃO DO REGISTRO SINDICAL. 1 Primeiro passo. SOLICITAÇÃO DO REGISTRO SINDICAL 1 Primeiro passo. Antes de qualquer coisa, é indispensável que o Sindicato solicitante do Registro Sindical possua Certificado Digital. O certificado, na prática, equivale

Leia mais

Fonte:Valor Econômico, por Edson Pinto de Almeida, 17.11.2009

Fonte:Valor Econômico, por Edson Pinto de Almeida, 17.11.2009 Fonte:Valor Econômico, por Edson Pinto de Almeida, 17.11.2009 Reformas: O alto custo político de mexer com benefícios e direitos tem prejudicado o andamento das tentativas de realizar uma modernização

Leia mais

CARTILHA DO MEDIADOR

CARTILHA DO MEDIADOR CARTILHA DO MEDIADOR SISTEMA PARA ELABORAÇÃO E SOLICITAÇÃO DE REGISTRO DE INSTRUMENTOS COLETIVOS INSTRUÇÕES INICIAIS - INTERNET a) O Sistema Mediador está disponível na Internet, no endereço eletrônico

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 5 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000882/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028482/2011 NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 342/SEJUD.GP, DE 27 DE JULHO DE 2010

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 342/SEJUD.GP, DE 27 DE JULHO DE 2010 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 342/SEJUD.GP, DE 27 DE JULHO DE 2010 Regulamenta o processo judicial eletrônico no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR

Leia mais

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95)

LEI DOS PARTIDOS POLÍTICOS (Lei n. 9.096/95) - Partido Político: pessoa jurídica de direito privado, destinada a assegurar, no interesse democrático, a autenticidade do sistema representativo e a defender os direitos fundamentais definidos na CF.

Leia mais

23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL.

23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. 23.216 - INSTRUÇÃO Nº 22-06.2010.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre a arrecadação de recursos financeiros

Leia mais

REGISTRO DE CANDIDATO

REGISTRO DE CANDIDATO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL - Constituição Federal - Código Eleitoral (Lei n. 4737/65) - Lei n. 9.504/97 (Lei das Eleições) - Lei Complementar n. 64/90 (Lei das Inelegibilidades) DISPOSIÇÕES GERAIS REGISTRO DE

Leia mais

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP

PARECER Nº, DE 2013. RELATOR: Senador VALDIR RAUPP PARECER Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 441, de 2012, do Senador Romero Jucá, que altera a redação dos art. 8º,

Leia mais

(6^_ê0â1R0) (D=:A5) - Nº Lote: 2013101705-2_1 - REEXAME NECESSÁRIO N. 2008.34.00.006506-3/DF - TR14403 V O T O RELATÓRIO

(6^_ê0â1R0) (D=:A5) - Nº Lote: 2013101705-2_1 - REEXAME NECESSÁRIO N. 2008.34.00.006506-3/DF - TR14403 V O T O RELATÓRIO (6^_ê0â1R0) PODER JUDICIÁRIO RELATÓRIO Trata-se de reexame necessário de sentença em que o magistrado da 9ª Vara Federal da Seção Judiciária do Distrito Federal, em ação de mandado de segurança, concedeu

Leia mais

A dúvida da consulente diz respeito à contribuição prevista na Consolidação das Leis do Trabalho: (grifou-se)

A dúvida da consulente diz respeito à contribuição prevista na Consolidação das Leis do Trabalho: (grifou-se) IMPOSTO SINDICAL SERVIDOR ESTATUTÁRIO Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado Deve ser descontado dos servidores estatutários a contribuição sindical prevista na CLT? Existem, ao menos, quatro espécies de contribuições

Leia mais

Marco legal. da política indigenista brasileira

Marco legal. da política indigenista brasileira Marco legal da política indigenista brasileira A política indigenista no país tem como base a Constituição Federal de 1988, o Estatuto do Índio (Lei nº 6.001/1973) e instrumentos jurídicos internacionais,

Leia mais