O ATUAL SISTEMA DE ORGANIZAÇÃO SINDICAL COMO PATROCINADOR DA FRAGMENTAÇÃO DAS CATEGORIAS SINDICAIS. Leluana Maria Magalhães

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ATUAL SISTEMA DE ORGANIZAÇÃO SINDICAL COMO PATROCINADOR DA FRAGMENTAÇÃO DAS CATEGORIAS SINDICAIS. Leluana Maria Magalhães"

Transcrição

1 O ATUAL SISTEMA DE ORGANIZAÇÃO SINDICAL COMO PATROCINADOR DA FRAGMENTAÇÃO DAS CATEGORIAS SINDICAIS Leluana Maria Magalhães Resumo: Trata-se de artigo que tem por objeto apresentar e discutir sobre como o atual sistema de organização sindical brasileiro pode fomentar o fracionamento desordenado e conseqüente enfraquecimento das categorias sindicais, bem como demonstrar as reais situações de necessidade ou possibilidade dessa fragmentação. Palavras-chave: Organização sindical brasileira. Fracionamento de categoria sindical. Desmembramento e dissociação de categoria. Fragmentação de sindicatos. Abstract: This article aims to present and discuss how the current brazilian system of union organization can foster the disorderly fractionation and thus weakening of trade union categories, and show the actual situations of need or possibility of that fragmentation. Key-words: Brazilian union organization. Fractionation of category unions. Class union dismemberment and dissociation. Fragmentation of trade unions. Sumário: 1. Introdução. 2. As entidades sindicais e a organização sindical Prerrogativas sindicais Organização sindical. 3. A liberdade sindical e o princípio da unicidade. 4. O fracionamento das categorias sindicais Desmembramento e dissociação de categoria Limites. 5. Conclusão. Bibliografia. 1. INTRODUÇÃO Com os abusos cometidos contra os trabalhadores durante a Revolução Industrial no século XVIII, esses se uniram em movimentos contra as condições desfavoráveis de trabalho e contra as injustiças e desigualdades econômicas e sociais existentes, fazendo surgir o sindicalismo no mundo. Neste período, houve grande conclame à união dos operários e sua crescente necessidade de organização e associação a fim de possibilitar a manifestação de suas opiniões e obtenção de melhores condições de vida. No Brasil, a partir do final do século XVIII e início do século XIX o movimento sindical começou a se mostrar, com as instituições assistenciais ou ligas operárias, que também reivindicavam melhores condições de trabalho. Todos estes movimentos sindicais, entretanto, existiam sem o apoio da lei, que não os reconheciam, mas que posteriormente teve de se curvar à realidade. De lá para cá, uma série de princípios e regras específicas surgiram sobre o tema e foi criada uma estrutura a fim de estabelecer um sistema de organização sindical harmônico e Leluana Maria Magalhães é advogada, militante na área trabalhista na cidade de São José dos Campos/SP e região. Formada pela UNIVAP. Especialista em Direito Público pela UNISAL. Pós graduanda em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho pela UNISAL.

2 2 capaz de manter o fortalecimento e negociabilidade que os sindicatos foram adquirindo durante os tempos. Tal estrutura, atualmente, abrange, entre outros, conceitos baseados na liberdade de auto-organização e administração dos sindicatos, bem como na sua livre criação isenta de interferências e intervenções do Poder Público. Além disso, ela alberga o conceito de agregação dos trabalhadores em categorias formadas a partir da similitude, identidade ou conexão de suas atividades, de maneira que elas componham um sindicato, que, entre outras funções, irá representá-las nas negociações coletivas de trabalho. Para haver tal representação e custear este sistema, entre outros recursos, criou-se uma contribuição sindical obrigatória, paga pelos trabalhadores das categorias sindicais criadas, sendo que tais contribuições são revertidas, em regra, em favor do sindicato representativo da mesma categoria ou profissão. Ao mesmo tempo, no intuito de resguardar a manutenção de sindicatos representativos grandes e fortes, foi instituída uma limitação territorial de fundação dos entes sindicais, de área não inferior a de um Município, de modo a evitar que se estabelecessem sindicatos muito pequenos e incapazes de obterem negociabilidade frente à classe patronal. Entretanto, mesmo com a criação de tal sistema algumas falhas podem ser observadas e a controvérsia nasce quando aparecem interesses distintos dentro do mesmo sindicato e surge a necessidade de divisão do grupo, seja para formar categorias específicas, capazes de melhor representar os interesses peculiares a dadas classes de trabalhadores, seja para diminuir uma ampla base territorial que de tão extensa não consegue representar todos os associados a contento. Neste caso, com base nos preceitos da liberdade sindical e unicidade, nasce a divergência de qual ente sindical possui legitimidade para representar a categoria em questão e, nesta situação, o Estado será solicitado para dirimir a controvérsia, pela via judicial. Além disso, graças à facilidade de fundação de um ente sindical e à obrigatoriedade da contribuição sindical, a criação de um sindicato pode significar um negócio lucrativo para aqueles que buscam adquirir vantagens pessoais em detrimento dos associados, e utilizar os recursos a ele destinados em finalidades diversas das esperadas, desvirtuando a concepção originária do sistema. Neste sentido, uma divisão na categoria a pretexto de mais bem representá-la também pode ser intentada para alcançar estes fins escusos, o que acaba enfraquecendo a categoria e o sistema de organização sindical como um todo. Diante deste quadro, este artigo propõe discutir a problemática existente sobre o assunto, expondo como o atual sistema de organização sindical pode fomentar o fracionamento desordenado das categorias sindicais, além de demonstrar as reais situações de necessidade ou possibilidade dessa fragmentação.

3 3 2. AS ENTIDADES SINDICAIS E A ORGANIZAÇÃO SINDICAL As entidades sindicais têm natureza jurídica de associação de direito privado e visam à defesa e representação dos interesses da classe a qual representam: se for classe de trabalhadores de dada atividade profissional buscam, em regra, melhores condições de trabalho; se da classe dos empregadores, buscam defender seus interesses econômicos. De acordo com Maurício Godinho Delgado, os sindicatos integrados pelos trabalhadores podem ser definidos como: Sindicatos são entidades associativas permanentes, que representam trabalhadores vinculados por laços profissionais e laborativos comuns, visando tratar de problemas coletivos das respectivas bases representadas, defendendo seus interesses trabalhistas e conexos, com o objetivo de lhes alcançar melhores condições de labor e vida. (DELGADO, 2009, p. 1216). A definição de sindicato envolve a idéia de categoria, seja ela restrita aos empregados (categoria profissional), seja relacionada aos empregadores (categoria econômica), e assim, será comentada mais adiante. No Brasil, o sindicato, como pessoa jurídica de direito privado que é, necessita ter seu estatuto registrado no Cartório de Registro Civil de Pessoas Jurídicas, como qualquer outra entidade associativa, tendo de se registrar no Ministério do Trabalho apenas para adquirir personalidade sindical e representatividade da categoria, ou seja, não mais precisa de autorização para a sua constituição Prerrogativas sindicais A função principal das entidades sindicais é a representação de suas categorias ou profissões, tanto na esfera administrativa quando na judicial, podendo agir em nome próprio em favor de terceiros ou mediante autorização de seus representados, dependendo do caso. Esta função consiste na primeira prerrogativa arrolada pelo artigo 513 da CLT, que também dispõe como prerrogativa sindical a possibilidade de o sindicato celebrar convenções coletivas de trabalho. Esta regra, contudo, comporta exceções, pois de acordo com o artigo 611, 2º, da CLT, as Federações poderão ser acionadas para tal celebração em caso de categorias inorganizadas em sindicatos, e na falta daquelas, as Confederações as substituirão. Outra prerrogativa colocada pelo artigo 513 é a colaboração pelo sindicato para com o Estado, de maneira a atuar como órgão técnico e consultivo no estudo e solução de problemas que se relacionam com a respectiva categoria ou profissão. Segundo Maurício Godinho Delgado (...) consiste na prestação de serviços a seus associados ou, de modo

4 4 extensivo, em alguns casos, a todos os membros da categoria. Trata-se, ilustrativamente, de serviços educacionais, médicos, jurídicos e diversos outros (DELGADO, 2009, p. 1231). Há ainda a prerrogativa de imposição de contribuições a todos aqueles que participam das categorias econômicas ou profissionais ou das profissões representadas. Tais contribuições abrangem as contribuições sindicais obrigatórias (arts. 578 a 610 da CLT), as contribuições confederativas (art. 8, VI, da CF; e súmula 666 do STF), as contribuições assistenciais (art. 513, e, da CLT) e as mensalidades dos associados. Neste quesito, torna-se importante traçar algumas considerações acerca da contribuição sindical obrigatória. De acordo com as lições de Alice Monteiro de Barros, verifica-se, pois, que a contribuição sindical advém da vontade do Estado (de lei) e é imposta a toda a categoria. Corresponde a um dia de remuneração do empregado; é descontada na folha de pagamento de março e recolhida ao estabelecimento bancário em abril de cada ano. (BARROS, 2009, p. 1243). (Grifo nosso). Assim, há algumas contribuições que são voluntárias e autorizadas pela assembléia-geral do sindicato, destinadas a custear atividades assistências do mesmo como serviço médico ou odontológico, sendo o caso das contribuições assistências; outras são contribuições estatutárias, comuns a qualquer tipo de associação, como as mensalidades. No entanto, não é este o caso das contribuições sindicais (anteriormente denominadas de imposto sindical), que foram criadas pelo Decreto-Lei n /40 e alteradas pelo Decreto-Lei n. 27/66, pois esta contribuição tem criação imposta por lei e se destina a todo e qualquer trabalhador que se encontre em determinada categoria sindical, mesmo os não sindicalizados, tendo, segundo muitos doutrinadores, verdadeiro caráter parafiscal. Embora seja objeto de várias críticas, por ofensa aos princípios da liberdade associativa e da autonomia dos sindicatos, a contribuição sindical foi autorizada pelo art. 8º, IV da CF, contrariando, inclusive disposições internacionais: Para a OIT, a contribuição imposta por lei aos integrantes dos grupos representados por associação sindical configura flagrante violação da Convenção n. 87, seja porque implica uma forma indireta de participação compulsória na vida do sindicato, seja porque é incompatível com o regime da pluralidade sindical. (SUSSEKIND, 2005, p. 1168) Organização sindical Segundo Maurício Godinho Delgado, as associações sindicais remetem à idéia de grupo, unidade, agregação, de modo que sob o apelo da união possam ter maior força para sua atuação na negociação coletiva, de maneira a propiciar melhores condições de trabalho. Sendo

5 5 assim, de acordo com o autor, há quatro critérios de agregação de trabalhadores a seus respectivos sindicatos: os que agregam em vista da empresa a que se vinculam os trabalhadores; os que agregam em função de sua categoria profissional; os que agregam em função da similitude de ofício ou profissão desempenhada; e os sindicatos que se agregam em função do ramo ou segmento empresarial de atividades. No que tange à agregação em função da empresa a que se vinculam os trabalhadores, no Brasil esta forma é juridicamente inviável, haja vista ter a Constituição Federal fixado o critério de categoria profissional para a estruturação dos sindicatos; além disso, estabelece o município como base territorial mínima para a organização desses entes, conforme reza o art. 8º, II, da CF. Em contrapartida, como falado, o critério de agregação por categoria profissional foi albergado, e nestes termos, conforme explica o art. 511, 2º, da CLT, a categoria profissional é composta pela similitude de condições de vida oriunda da profissão ou trabalho em comum, em situação de emprego na mesma atividade econômica ou em atividades econômicas similares ou conexas. Este tipo de associação é chamado de sindicato vertical, e engloba a maioria dos empregados de várias empresas na mesma base territorial, e que tenham similaridade de atividades econômicas. Em contrapeso, nos sindicatos agregados sob o critério de profissão ou ofício, em que pode se ter a identidade ou a mera similitude relevante de profissões, há o chamado sindicato horizontal, no qual se atinge certos trabalhadores de diversos tipos de empresas, sendo exatamente aqueles empregados que exercem a mesma profissão. São, os que no Brasil são chamados de sindicatos de categoria diferenciada, que exercem tais funções ou profissões diferenciadas por força de estatuto profissional especial ou em conseqüência de condições de vida singulares, de acordo com o art. 511, 3º, da CLT, sendo o caso dos aeronautas, aeroviários, professores, músicos profissionais, etc. Com relação à agregação em função do ramo ou segmento empresarial, este critério favorece a criação de sindicatos fortes, detentores de abrangência territorial, e de sensível poder de negociação coletiva. Como exemplo são os sindicatos do segmento industrial, comercial, agropecuário. 3. A LIBERDADE SINDICAL E O PRINCÍPIO DA UNICIDADE A organização sindical estabelecida na Constituição Federal brasileira de 1988 adota o princípio da liberdade sindical em seu artigo 8º ao dizer ser livre a associação profissional ou sindical, e está pautada na democracia das relações coletivas de trabalho. Nos incisos deste artigo, a Carta Magna nomeia uma séria de preceitos resultantes disso, dentre

6 6 eles: a proibição de interferência e intervenção do Poder Público na organização sindical, com expressa determinação de que não será necessária autorização estatal para a criação de sindicato, no inciso I; a liberdade de filiação do trabalhador ao sindicato, por conta do inciso V; a obrigatoriedade da participação do ente sindical nas convenções coletivas de trabalho, no inciso VI; e a proibição de dispensa do dirigente sindical e suplente, a partir do registro de sua candidatura até 1 ano após o término do mandato, no inciso VIII. Em contrapartida, o mesmo artigo estipula algumas limitações a esta liberdade como quando veda expressamente a criação de mais de uma organização sindical representativa da categoria profissional ou econômica na mesma base territorial a ser definida pelos trabalhadores ou empregadores interessados, desde que não seja tal base inferior à área de um Município, conforme redação do inciso II. Tal disposição deste inciso é chamada de unicidade sindical e é clara restrição à liberdade sindical estabelecida no artigo 8º. A unicidade sindical, que prega a existência de um sindicato único em determinada área é oposição a outro sistema de organização denominado pluralismo sindical, que permite a ocorrência de vários sindicatos representativos da mesma categoria na mesma região ou área determinada. Estes dois tipos de sistemas apresentam pontos positivos e negativos, haja vista que enquanto a unicidade sindical reforça a idéia de um sindicato grande e forte, ela vai contra a ampla liberdade de fundação de um ente sindical de acordo com a livre vontade dos trabalhadores; de outro modo, a pluralidade sindical, apesar de descentralizar a força de negociação de um único e grande grupo, poderá, além de assegurar a real liberdade insculpida na CF e nos tratados internacionais, propiciar melhor qualidade de representação do ente sindical, pois graças à competição existente entre eles, o trabalhador teria a opção de escolher o sindicato que melhor o representasse. Conforme ensina Amauri Mascaro Nascimento: Em abono do sindicato único afirma-se que promove melhor a unidade de grupo, a sua solidez indispensável para que as suas reivindicações, maciçamente manifestadas, tenham condições de influir. (Nascimento, 2009, p. 1229). Do mesmo modo, alerta o autor com relação à pluralidade sindical: A crítica à pluralidade sindical é a divisão do interesse coletivo com a existência de mais de um sindicato na mesma base territorial para a representação do grupo, adelgaçando-se o poder das reivindicações. Surge também uma dificuldade técnica por ocasião das reivindicações gerais do grupo, e que exigem atuação comum: a determinação do sindicato mais representativo e que negociará em nome do grupo. Problemas consistentes na seletividade dos critérios para a escolha podem provocar cisões no grupo em detrimento dos interesses comuns. (NASCIMENTO, 2009, p. 1229). A Organização Internacional do Trabalho OIT aprovou a Convenção n. 87 (ratificada por 148 países até o final de 2007), que propõe um sistema de liberdade sindical

7 7 plena. Tal Convenção ainda não foi subscrita pelo Brasil, pois apesar de ter sido aprovada pena Câmara dos Deputados, ainda não foi apreciada pelo Senado Federal. (...) Entendemos que a aprovação da Convenção n. 87 implicará modificação na legislação brasileira, pois embora a Constituição de 1988 tenha consagrado a autonomia sindical, manteve a unicidade sindical em seu art. 8º, II (...). (BARROS, 2009, p. 1231). A constituição brasileira de 1988 impede a nossa ratificação, por ter imposto (...) monopólio de representação sindical por categoria econômica ou profissional e a contribuição compulsória dos que compõem categoria representada. (SUSSEKIND, 2005, p. 1232). Em que pese tal Convenção ter estipulado a liberdade sindical plena, não quer dizer que ela imponha o pluralismo sindical, pois ela apresenta como regra a faculdade de os trabalhadores e empregadores constituírem ouros sindicatos se assim desejarem. É óbvio que a Convenção não impõe a pluralidade sindical, mesmo porque o ideal, afirmado por estudiosos e sindicalistas, é a unidade sindical. (SUSSEKIND, 2005, p. 1133). A unidade sindical, por outro lado, não se confunde com unicidade sindical, pois enquanto esta representa um sistema em que a lei impõe a existência de um sindicato único, a primeira traduz a estruturação em sindicatos unitários em vista não de imposição legal, mas da vontade e maturidade dos membros do sistema. Acerca do sistema de liberdade sindical proposto pela Convenção n. 87, Maurício Godinho Delgado ensina: (...) ele sustenta, apenas, que não cabe à lei regular a estruturação e organização internas aos sindicatos, cabendo a estes eleger, sozinhos, a melhor forma de se instruírem (podendo, em conseqüência, firmar a unidade organizacional e prática, como já mencionado). (DELGADO, 2009, p. 1222). Desta forma, conforme se observa até aqui, a contribuição sindical obrigatória, comentada no tópico anterior, juntamente com a unicidade sindical, afrontam o princípio da liberdade sindical, nos moldes da Convenção internacional comentada. A liberdade de fundação de um ente sindical, embora tendo a garantia da não invenção e interferência do Poder Público, tem como limitação a possibilidade de instituição de apenas um único sindicato na mesma base territorial, sendo esta limitada à área de um Município. Do mesmo modo, a vinculação indireta de um não associado a um sindicato, como faz a contribuição obrigatória, torna-a incompatível com o sistema da pluralidade sindical. Sendo assim, outras alternativas acabam ocorrendo, na prática, para escapar desse engessamento do sistema, e a partir daí, começa a crescer um movimento de fracionamento dos sindicatos e de suas categorias, conforme se verá no tópico seguinte. 4. O FRACIONAMENTO DAS CATEGORIAS SINDICAIS

8 8 Mesmo com a estrutura descrita no item anterior e a limitação trazida pela unicidade sindical, de acordo com notícia veiculada no dia 23 de Maio de 2010 no site do jornal O Estado de São Paulo, somente neste ano de 2010 (até a data da notícia), o Ministério do Trabalho registrou um novo sindicato a cada dia, o que, segundo a reportagem, revela uma indústria debaixo da chamada liberdade sindical garantida pela Constituição. (ESTADAO 1). Segundo outra notícia veiculada pelo mesmo site do jornal e no mesmo dia, o imposto sindical não é a única explicação para o crescimento do número de sindicatos no País. Há casos, por exemplo, em que grupos políticos derrotados nas eleições optam por fundar outra entidade. Para tanto, precisam driblar a Constituição, que prevê a unicidade. (ESTADAO 2). De acordo com a mesma notícia, este movimento de fragmentação sindical vai contra a tendência mundial de fusão das entidades sindicais, que assim o fazem no intuito de obterem maior força no momento da negociação. Entretanto, com a especialização da economia, com a conjuntura econômica desfavorável que enfraqueceu o papel dos sindicatos, e com, e principalmente, a existência da contribuição sindical obrigatória, que segundo o site, agrega uma quantia de quase 2 bilhões de reais que são divididos aos sindicatos e que não são fiscalizados, a pulverização dos sindicatos no Brasil tende a crescer mesmo contra a tendência mundial. Resultado: abrir uma entidade sindical transformou-se em negócio lucrativo no País. Levantamento feito pela reportagem do Estado identificou sindicatos de todos os tipos: de fachada, dissidentes por causa de rachas internos e entidades atuando como empresas de terceirização de mão de obra. Os dirigentes das centrais admitem que o imposto está por trás da proliferação sindical, o que transforma alguns sindicatos em verdadeiros cartórios. (ESTADAO 1). Deste modo, a fim de criar novos sindicatos, um movimento que se tem percebido é o fracionamento das categorias sindicais, por meio das dissociações e dos desmembramentos de categorias, que começou a ganhar volto a partir da Constituição Federal de 1988, que deixou de exigir a autorização do Ministério do Trabalho para a fundação do sindicato Desmembramento e dissociação de categoria O fracionamento dos sindicatos podem se dar por meio de desmembramentos ou dissociações das categorias econômicas e profissionais. A Jurisprudência e a doutrina, entretanto, não apresentam uma posição uniforme com relação aos termos utilizados, sendo que por vezes utilizam as expressões descentralização ou desconcentração como substitutas destes termos ou mesmo as divisões em fracionamento subjetivo ou objetivo. O fato é que são

9 9 duas, basicamente, as situações em que se permite o fracionamento das categorias: o baseado no critério geográfico e o no da especificação da categoria. Em decisão proferida pelo Exmo. Desembargador Luis Carlos Cândido Martins Sotero da Silva (Proc. TRT 15ª região n ), este assim definiu: Ocorre desmembramento quando a entidade é fracionada mantendo-se a mesma categoria (de atividades idênticas, similares ou conexas), mas alterando-se a base territorial. Já na dissociação, há cisão da própria categoria, ainda que seja na mesma base territorial do sindicato preexistente. (Grifo nosso). Conforme comentado anteriormente, a categoria sindical pode reunir atividades ou profissões idênticas, similares ou conexas, nos termos do art. 511, 1º, 2º e 4º da CLT. A categoria reunida a partir de atividades idênticas é aquela em que os empregados prestam os mesmos tipos de serviços no mesmo setor da economia e os empregadores (sindicato patronal) exercem mesma atividade econômica. Por sua vez, a categoria agregada com base em atividades similares reúne atividades apenas semelhantes entre si, como no caso dos restaurantes e hotéis, conforme ilustra Gustavo Filipe Barbosa Garcia. Em contrapartida, a categoria agregada em função de atividades conexas é integrada por atividades que se complementam, exercidas com o mesmo fim, como ocorre na construção civil, em que existem, entre outras, as atividades de alvenaria, pintura, parte elétrica e hidráulica. (GARCIA, 2007, p. 812). Assim, as categorias formadas a partir de atividades similares e conexas compõem as chamadas categorias ecléticas, que podem ser dissociadas (segundo nomenclatura utilizada pelo desembargador) em categorias específicas de atividades idênticas (art. 571, CLT). Isto é perfeitamente possível no ordenamento jurídico vigente graças ao princípio da especificidade, pois, muitas vezes, uma categoria que englobe uma variedade de atividades conexas pode não estar agindo de acordo com o intento de determinado grupo de trabalhadores que a compõem, e uma cisão no sindicato, por conta da maior especificação daquela categoria, poderá melhor representar seus interesses, que são peculiares às suas atividades específicas. Além disso, o fracionamento poderá ocorrer por conta do critério geográfico, onde um sindicato que abranja extensa região poderá ser desmembrado em sindicatos menores da mesma categoria, porém adstritos, por exemplo, à apenas um Município, como por exemplo, um Sindicato dos Metalúrgicos que envolvesse as regiões de todo o Vale do Paraíba como São José dos Campos, Jacareí, Taubaté, Guaratinguetá, Pindamonhangaba e Caçapava, e se criasse um novo sindicato dos Metalúrgicos por desmembramento apenas no Município de

10 10 Jacareí. Esta é a maneira que se tem de evitar sindicatos imensos que acabem não conseguindo representar efetivamente seus associados em razão da enorme área abrangida. De outro modo, ao tratar sobre o tema, Alice Monteiro de Barros utiliza os termos desmembramento para se referir ao fracionamento pelo critério da especificação, e descentralização ao se referir ao critério geográfico: Já no tocante às categorias agrupadas em entidades sindicais, consoante o critério de similitude e conexão, com especialidades diversas, poderá ocorrer o desmembramento, de acordo com o disposto no art. 511, 3º da CLT. Assim, um sindicato municipal que congregue trabalhadores na indústria de doces, conservas alimentares, açúcar e aveia poderá ter sua representação reduzida com a constituição de um sindicato específico dos trabalhadores da indústria de aveia, tendo em vista o princípio legal da especificidade. O mesmo poderá verificar-se no que tange à descentralização de uma categoria, ou seja, na hipótese de existir um sindicato de base nacional (dos aeronautas, por exemplo), nada impede que se crie um sindicato estadual dessa categoria, assegurando-se sempre à parte que se julgar prejudicada o recurso ao Judiciário, na forma do art. 114, III, da Constituição de (BARROS, 2009, p. 1236). Nos dizeres de Arnaldo S ssekind, a regra, segundo o art. 570 da CLT, considerada em vigor pelo STF, é a constituição de sindicatos por categorias, sendo exceção concentração de sindicatos em categorias similares ou conexas, alegando que o próprio parágrafo primeiro do artigo em questão apenas admite esta agregação quando componentes de uma categoria específica não puderem sindicalizar-se com eficiência. Ademais, de acordo com o julgado MS , do STF, do ministro relator Célio Borja, citado pelo mesmo autor, a Constituição vigente valoriza o chamado livre impulso associativo, ao erigir como única limitação à organização sindical, nos três graus, a unicidade de representação de uma categoria econômica ou profissional, na mesma base territorial. (S SSEKIND, 2005, p. 1148). (Grifo nosso). Nesse sentido encontra-se o acórdão: Ementa: (...) UNICIDADE SINDICAL - DESMEMBRAMENTO - VIABILIDADE. Não prospera o recurso, por divergência jurisprudencial, à luz da Súmula 296, I, do TST. Vejamos: A e. Turma, ao negar provimento ao recurso de revista, registrou que, de acordo com o acórdão regional, ambos os sindicatos buscam a representação da mesma categoria profissional, cujos associados exercem atividade de metalurgia, encontrando a pretensão quanto ao enquadramento sindical óbice no art. 570 da CLT. Registrou ainda que a tese de que o setor aeroespacial é um segmento da categoria metalúrgica não foi objeto de julgamento, implicando na inviabilidade de se configurar a especificidade da categoria. Concluiu, do quadro delineado, que o sindicato ora embargante não se enquadra na hipótese prevista no inciso II do art. 8º da Constituição Federal e insere-se na parte final do art. 571 da CLT. Além disso, consignou que a base dos sindicatos litigantes equivale ao mesmo município. Todavia, o julgado às fls , da 6ª Turma desta Corte, não ataca os fundamentos da v. decisão ora embargada, na medida em que limita-se a esposar tese no sentido de ser -perfeitamente aceitável a criação de sindicato, através do desmembramento, a partir da entidade pré-existente a os

11 11 e constituída dentro de um grupo de atividades genéricas, cabendo, pois, dentro de um ramo de atividade específica, exclusivamente aos interessados, a criação da nova entidade sindical representativa, sendo impedido o Estado de vedar-lhe a constituição.- Incide, pois, a Súmula 296, I, do TST. Por fim, os demais arestos não atendem ao disposto no item II do art. 894 da CLT, porquanto ou são oriundos da mesma Turma prolatora da v. decisão ora embargada (fls ), ou são de Turmas do STF ou do STJ (fls. 2050, 2051 e ). Recurso de embargos não conhecido. (TST - E- ED-RR , Subseção I Especializada em Dissídios Individuais, Rel. Horácio Raymundo de Senna Pires, DEJT 19/03/2010). (Grifo nosso) Limites Conquanto haja a possibilidade de desmembramento ou dissociação no ordenamento jurídico vigente, salvo quando ofender a unicidade sindical, a doutrina e jurisprudência descrevem algumas regras que devem ser observadas na criação destes sindicatos: deve haver autorização das categorias respectivas em assembléia especificamente convocada para este fim; deve ter o registro em cartório de Títulos e documentos, bem como registro no Cadastro Nacional de entidades sindicais. Além disso, tem se entendido pela jurisprudência do STF (RMS e RE /DF), que não poderá haver fracionamento de categoria quando existir esvaziamento do conceito de categoria, que se dá quando se criam sindicatos baseados em meras funções exercidas ou ainda quando se tem o desmembramento de categorias profissionais diferenciadas. Desta forma, cumpre colocar algumas jurisprudências do TST e do STF acerca do desdobramento e/ou dissociação das categorias sindicais: Ementa: RECURSO ORDINÁRIO EM DISSÍDIO COLETIVO. REPRESENTAÇÃO DE SEGMENTO EMPRESARIAL. ESPECIFICIDADE. PORTE. LEGITIMIDADE. A regra geral para a dissociação sindical fundamenta-se na especificidade do labor ou da atividade empresarial, a teor dos artigos 570 e 571 da CLT. É inviável a representação de segmento de categoria profissional ou econômica com base no maior ou menor porte de cada ramo ou do empreendimento, consoante a Orientação Jurisprudencial 23 da SDC do TST. (TST - ED-RODC , Seção Especializada em Dissídios Coletivos, Data de Divulgação, Rel. Márcio Eurico Vitral Amaro,DEJT 21/11/2008). (Grifo nosso). Ementa: AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA DO SINDICATO - RÉU (...) DESMEMBRAMENTO SINDICAL. IMPOSSIBILIDADE. VIOLAÇÃO DO ARTIGO 8, II, DA CF/88 NÃO CONFIGURADA. O conflito intersindical se estabelece na medida em que ambos os sindicatos pretendem representar a mesma categoria profissional, ou seja, os trabalhadores da construção civil pesada. A decisão objeto do recurso de revista está embasada em dois fundamentos jurídicos distintos: a anterioridade do registro sindical, que, no caso, é do sindicato-autor; e a impossibilidade de desmembramento da categoria, na medida em que os trabalhadores da construção civil pesada são os mesmos da construção civil em geral, distinguindo-se apenas os operadores de máquinas pesadas, da

12 12 qual o sindicato-réu já é o legítimo representante. Razões de recurso que, a pretexto de inexistência de afronta ao princípio da unicidade sindical, não enfrentam nenhum dos fundamentos do acórdão recorrido, limitando-se a argumentar que a sua representatividade está manifesta na assembleia geral da categoria, que nem sequer foi juntada aos autos. Logo, no contexto em que dirimida a controvérsia pelo Regional, ou seja, de que não há especialização da categoria a justificar o desmembramento sindical, não há margem para se chegar à conclusão de violação literal e direta do artigo 8, II, da CF/88. Agravo de instrumento conhecido e não provido. (TST - AIRR , 8ª Turma, Rel. Dora Maria da Costa, DEJT 19/02/2010). (Grifo nosso). Ementa: RECURSO DE REVISTA. AÇÃO DECLARATÓRIA DE DEFINIÇÃO DE BASE TERRITORIAL. PREEXISTÊNCIA DE SINDICATO GENÉRICO REPRESENTANDO A CATEGORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. CRIAÇÃO DE SINDICATO ESPECÍFICO DOS PROFESSORES MUNICIPAIS. DESMEMBRAMENTO VÁLIDO. OBSERVÂNCIA DO PRINCÍPIO DA UNICIDADE SINDICAL. A preexistência de sindicato que representa a categoria geral dos servidores públicos de determinado município não impede a criação de sindicato específico dos professores públicos do mesmo município pois nosso ordenamento jurídico contempla a possibilidade de criação de sindicatos de categoria profissional diferenciada por desmembramento de categoria, inclusive. Não se identifica violação do princípio constitucional da unicidade sindical (CF, art. 8º, II), pois os professores integram categoria profissional diferenciada (CLT, art. 511, 3º). Recurso de Revista a que se nega provimento. (TST - RR , 8ª Turma, Rel. Márcio Eurico Vitral Amaro, DEJT 24/04/2009). (Grifo nosso). Ementa - CRIAÇÃO POR DESMEMBRAMENTO - CATEGORIA DIFERENCIADA. A organização sindical pressupõe a representação de categoria econômica ou profissional. Tratando-se de categoria diferenciada, definida a luz do disposto no par-3. do artigo 511 da Consolidação das Leis do Trabalho, descabe cogitar de desdobramento, por iniciativa dos interessados, consideradas as funções exercidas pelos sindicalizados. O disposto no parágrafo único do artigo 570 do referido Diploma aplica-se as hipóteses de existência de categoria similares ou conexas e não de categoria diferenciada, muito embora congregando trabalhadores que possuem funções diversas. A definição atribuída aos trabalhadores e empregadores diz respeito a base territorial do sindicato - artigo 8., inciso II, da Constituição Federal e não a categoria em si, que resulta das peculiaridades da profissão ou da atividade econômica, na maioria das vezes regida por lei especial, como ocorre em relação aos aeronautas. Mostra-se contraria ao princípio da unicidade sindical a criação de ente que implique desdobramento de categoria disciplinada em lei como única. Em vista da existência do Sindicato Nacional dos Aeronautas, a criação do Sindicato Nacional dos Pilotos da Aviação Civil não subsiste, em face da ilicitude do objeto. Segurança concedida para cassar-se o ato do registro no Ministério do Trabalho. (...) No caso dos autos, a criação do Sindicato Nacional dos Pilotos de Aviação Civil conflita com a unicidade insculpida na própria Constituição. Enquanto em vigor a Lei n 7.183/14, a definir a categoria profissional como um todo, descabe cogitar de desmembramento por simples iniciativa dos integrantes desta ou daquela função.

13 13 Frise-se, por oportuno, que o preceito do inciso II do artigo 8 da Constituição Federal atribui a trabalhadores e empregadores a definição não da categoria profissional ou econômica que é inerente à atividade, mas da base territorial do sindicato, o que pressupõe o respeito à intangibilidade daquela - da categoria - mormente quando fixada por estatuto normativo especial. Ainda que inexistisse tal legislação, o surgimento de sindicatos conforme a especificidade da função exercida acabaria por fulminar o princípio da unicidade sindical. É significativo o exemplo referido pelo Impetrante quanto aos bancários. A diversidade de funções levaria à criação de sindicatos diversos, com esvaziamento, até mesmo, dos predicados que tornam efetiva a representação. Em segundo lugar, frise-se que a Constituição da República determinou a representação sindical por categoria, que possui conceito jurídico fixado pelo art. 511 da Consolidação das Leis do Trabalho e foi recepcionado pela nova Carta Constitucional e a categoria da Construção Civil abarca os trabalhadores da construção pesada. A Constituição da República de 1988, ao limitar o sindicato a uma base territorial, teve por fim assegurar a manutenção de entidades sindicais fortes. (STF - RMS / DF, Tribunal Pleno, Rel. Marco Aurélio, DJ ). (Grifo nosso). Conforme assevera o Ministro do STF Marco Aurélio neste último acórdão, a CF, ao limitar o sindicato a uma base territorial teve por meta garantir a existência de sindicatos fortes, e a dissolução ou desmembramento do sindicato pode ir contra esta finalidade. De acordo com Maurício Godinho Delgado, há claro enfraquecimento do sindicalismo no país, em decorrência desse processo de desdobramento e fragmentação das categorias profissionais. (DELGADO, 2005, p. 1219). O autor reforça que o conceito de associações sindicais remetem ao apelo de união, agregação e não o inverso: De fato, a idéia de similitude e condições de vida e labor, em função de vínculo dos obreiros a atividades econômicas empresariais similares ou conexas (idéia que forma o núcleo do conceito de categoria) permite o alargamento dos sindicatos - e não, necessariamente, seu definhamento, como verificado na última década. (DELGADO, 2005, p. 1220). 5. CONCLUSÃO Desde a criação do sindicalismo, o cerne de sua edificação se deu diante da necessidade de união da massa de trabalhadores, pois, sendo o pólo mais vulnerável da relação laboral, necessitava ganhar vulto para ser ouvido e tentar vencer os abusos que lhes eram infligidos. O conceito de categoria adveio dessa finalidade de agregação de acordo com as similaridades das atividades, a fim de poderem melhor lutar por condições de vida e de trabalho adequadas às circunstancias vivenciadas por estes grupos. O princípio da liberdade sindical veio a enaltecer o espírito democrático nas relações sindicais, indo de acordo com os preceitos estabelecidos pela comunidade

14 14 internacional. Porém, como quase toda norma, esta comporta exceções, que são postas a fim de assegurar algum outro preceito que o Estado - representante da sociedade - entenda ser fundamental para a preservação do sistema criado. Com isso, criou-se a unicidade sindical, que apesar de limitar a liberdade sindical, buscou manter o espírito de agregação e união dos associados, além de primar pelo espírito solidário dos membros de uma coletividade que buscam a mesma finalidade, e no caso dos trabalhadores de uma mesma categoria sindical, almejam melhores condições de trabalho. Entretanto, nem sempre um grupo grande e forte é o que melhor representa seus integrantes, pois divergências sempre surgem e, muitas vezes, tendo em vista a enorme variedade e abrangência do grupo, ele não consegue atender aos anseios de todos, o que gera uma cisão na instituição. O problema ocorre quando esta divisão não tem por objetivo claro a melhoria da representação da parcela cindida, mas outros diversos desta finalidade, como rixa política ou busca meramente econômica garantida pelo sistema que sustenta esta estrutura, e que se tornou lucrativo aos olhos de seu fundador. Neste sentido, o que acaba se percebendo é que toda a estrutura criada para proteger a finalidade precípua de um ente acaba fazendo dele seu ponto de desmoronamento e aquilo que era para ser um instrumento de luta e assistência solidária mútua acaba virando um meio a propiciar a desunião e o individualismo. No caso do atual sistema sindical brasileiro, a liberdade sindical, a não interferência estatal em sua criação, a unicidade sindical e a contribuição sindical obrigatória, embora sendo instrumentos originários à promoção de uma organização sindical perfeita, longe se está da perfeição, e o espírito antes de união, solidariedade e liberdade outrora enaltecidos vão se transformando em fragmentos de um sistema que poderia ter sido melhor se obedecesse às tendências que surgiram e buscam não apenas garantir a liberdade formal, mas a permitir que esta se expresse de fato, plenamente, e que o espírito de união surja não por imposição, mas por consciência. Por conta disso que se conclui que o atual sistema de organização sindical brasileiro tal qual está patrocina a fragmentação da categoria sindical e o conseqüente enfraquecimento dos sindicatos. Torna-se necessário que haja mudanças neste sistema, de maneira a garantir a liberdade sindical plena e a escolha de um sindicato único não por imposição, mas por opção racional e madura dos representados, e para isso, os mecanismos inibidores desta liberdade plena devem ser abolidos, começando-se pela desobrigatoriedade do pagamento da contribuição sindical pelos trabalhadores dos setores econômicos.

15 15 BIBLIOGRAFIA ALMEIDA, Renato Rua de. Visão histórica da liberdade sindical. Disponível em: < Acesso em: 30/08/2010. BRASIL. Congresso Nacional. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 05 de outubro de BRASIL. Congresso Nacional. Lei nº 5.452, de 1º de maio de Consolidação das leis do trabalho. BARROS, Alice Monteiro. Curso de direito do trabalho. 5 ed. São Paulo: LTr, CARRION, Valentin. Comentários à consolidação das leis do trabalho. 32 ed. São Paulo: Saraiva, DELGADO, Maurício Godinho. Curso de direito do trabalho. 8 ed. São Paulo: LTr, ESTADÃO.COM.BR. País registra um novo sindicato por dia. Disponível em: < >. Acesso em: 24/05/2010. (ESTADÃO 1).. Proliferação de sindicatos no Brasil vai na contramão mundial. Disponível em: < -mundial,555667,0.htm >. Acesso em: 24/05/2010. (ESTADÃO 2). GARCIA, Gustavo Filipe Barbosa. Curso de direito do trabalho. São Paulo: Método, NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Curso de direito do trabalho: história e teoria geral do direito do trabalho: relações individuais e coletivas do trabalho. 24 ed. São Paulo: Saraiva, ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Convenção n. 87. Disponível em: < > Acesso em: 04/06/2010. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Disponível em: < principal/principal.asp > Acesso em: 20/05/2010. SÜSSEKIND, Arnaldo et al. Instituições de direito do trabalho. 22 ed. v. 2. São Paulo: LTr, TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO. Disponível em: <http:// >. Acesso em: 21/05/2010. TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 15ª REGIÃO. Disponível em: Acesso em: 17/05/2010.

16 This document was created with Win2PDF available at The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR 4126/2013

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR 4126/2013 Origem: PRT da 3ª Região Órgão Oficiante: Dr. Geraldo Emediato de Souza Interessado 1: Anônimo Interessado 2: Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas, de Jornais e Revistas no Estado de Minas

Leia mais

Em face do acórdão (fls. 1685/1710), a CNTU opõe embargos de declaração (fls. 1719/1746). Vistos, em mesa. É o relatório.

Em face do acórdão (fls. 1685/1710), a CNTU opõe embargos de declaração (fls. 1719/1746). Vistos, em mesa. É o relatório. A C Ó R D Ã O 7ª Turma CMB/fsp EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM RECURSO DE REVISTA. Embargos acolhidos apenas para prestar esclarecimentos, sem efeito modificativo. Vistos, relatados e discutidos estes autos

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Disciplina: Direito do Trabalho II Professora: Cláudia Glênia JUR: NÃO DEVE SER USADO COMO CONTEÚDO DE ESTUDO, NÃO DEVE SER

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO "A conciliação é o melhor caminho para a paz"

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO A conciliação é o melhor caminho para a paz ENQUADRAMENTO SINDICAL. COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL. ENQUADRAMENTO. O fator de agregação dos trabalhadores não é a profissão por eles exercida, mas a natureza da atividade preponderante do empregador

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-1357-39.2013.5.09.0016. A C Ó R D Ã O Ac. 3ª Turma GMALB/arcs/AB/wbs

PROCESSO Nº TST-RR-1357-39.2013.5.09.0016. A C Ó R D Ã O Ac. 3ª Turma GMALB/arcs/AB/wbs A C Ó R D Ã O Ac. 3ª Turma GMALB/arcs/AB/wbs RECURSO DE REVISTA SOB A ÉGIDE DA LEI Nº 13.015/2014. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL. EMPREGADOR. EMPRESA SEM EMPREGADOS. Os arts. 578 e 579 da CLT se dirigem a todos

Leia mais

1. Do conjunto normativo que disciplina a criação de sindicatos e a filiação dos servidores públicos

1. Do conjunto normativo que disciplina a criação de sindicatos e a filiação dos servidores públicos Nota Técnica nº 07/2008 SINASEFE. Dispositivo do Estatuto que permite a incorporação de outros sindicatos à entidade, na condição de seções sindicais. Análise da legalidade da disposição à luz da Constituição

Leia mais

HISTÓRICO: O referido Sindicato solicitou emissão de parecer jurídica para responder aos seguintes questionamentos:

HISTÓRICO: O referido Sindicato solicitou emissão de parecer jurídica para responder aos seguintes questionamentos: HISTÓRICO: O SINDSFEPA - SINDICATO DOS SERVIDORES FAZENDÁRIOSDO ESTADO DO PARÁ solicitou que esta Assessoria Jurídica promova apreciação jurídica relativa à legalidade dos atos praticados pela JUNTA GOVERNATIVA

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

Devidamente intimados, os réus compareceram à audiência e apresentaram respostas.

Devidamente intimados, os réus compareceram à audiência e apresentaram respostas. 20ª VARA DO TRABALHO DE BRASÍLIA DF Proc. No. 01920-51.2009.5.10.0020 SENTENÇA I- RELATÓRIO: Vistos etc. SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS DOS ESTADOS DOS PARANÁ E SANTA CATARINA impetrou ajuizou ação

Leia mais

Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho

Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho Lição 13. Direito Coletivo do Trabalho Organização sindical: Contribuições, Convenções e Acordos Coletivos do Trabalho, Dissídio Coletivo, Direito de Greve (Lei nº 7.783, de 28/6/89). Comissões de Conciliação

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA

ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA Aula - Direito do Trabalho II Prof.ª Carolina ORGANIZAÇÃO SINDICAL BRASILEIRA ESTRUTURA SINDICAL Permanência inicial Moldes corporativistas não inteiramente revogados pela CF/88. Existência de uma pirâmide

Leia mais

A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos

A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos 1 A mediação e a conciliação e o seu impacto nos dissídios coletivos Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista em São Paulo, ex-advogado dos Sindicatos dos Metalúrgicos, Bancários e Comerciários, todos

Leia mais

COMUNICADO nº 033/2013. Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios.

COMUNICADO nº 033/2013. Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios. COMUNICADO nº 033/2013 Aos: Senhores prefeitos, secretários dos municípios e executivos de Associações de Municípios. Referente: Contribuição Sindical. A na busca de auxiliar os gestores públicos municipais

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-260400-74.2009.5.02.0074. A C Ó R D Ã O (3ª Turma) GMMGD/mjr/mag

PROCESSO Nº TST-RR-260400-74.2009.5.02.0074. A C Ó R D Ã O (3ª Turma) GMMGD/mjr/mag A C Ó R D Ã O (3ª Turma) GMMGD/mjr/mag AGRAVO DE INSTRUMENTO INTERPOSTO PELO SINDICATO- AUTOR SINTHORESP. RECURSO DE REVISTA. AÇÃO DECLARATÓRIA E DE COBRANÇA DE CONTRIBUIÇÃO SINDICAL E ASSISTENCIAL. REPRESENTAÇÃO

Leia mais

Autor: CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA DA 5ª REGIÃO VISTOS, ETC.

Autor: CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA DA 5ª REGIÃO VISTOS, ETC. Autor: CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA DA 5ª REGIÃO Fl. 1 Réu: SINDICATO DOS SERVIDORES E EMPREGADOS DOS CONSELHOS E ORDENS DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL - SINSERCON-RS VISTOS, ETC. CONSELHO REGIONAL

Leia mais

Direito Social: Essa nomenclatura é pouco utilizada, pois se entende que ela é muito abrangente e alcançaria outros ramos do direito.

Direito Social: Essa nomenclatura é pouco utilizada, pois se entende que ela é muito abrangente e alcançaria outros ramos do direito. 1. NOMENCLATURA DIREITO COLETIVO DO TRABALHO X DIREITO SINDICAL. Direito Coletivo do Trabalho: Utiliza-se esse termo, por vezes, por ser considerado de maior amplitude, ora por ser mais adequado (uma vez

Leia mais

V I S T O S, relatados e discutidos estes autos de

V I S T O S, relatados e discutidos estes autos de RECURSO ORDINÁRIO, provenientes da CURITIBA - PR, em que é Recorrente V I S T O S, relatados e discutidos estes autos de 13ª VARA DO TRABALHO DE SINEEPRES SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE PRESTAÇÃO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Diário da Justiça de 05/05/2006 28/03/2006 SEGUNDA TURMA RELATOR : MIN. EROS GRAU AGRAVANTE(S) : SINDICATO DOS TRABALHADORES EM HOTÉIS, APART-HOTÉIS, MOTÉIS, FLATS, PENSÕES, HOSPEDARIAS, POUSADAS, RESTAURANTES,

Leia mais

DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL. ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS E SINDICATOS - ENTIDADES SIMILARES 1.

DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL. ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS E SINDICATOS - ENTIDADES SIMILARES 1. DA ORGANIZAÇÃO SINDICAL. ASSOCIAÇÕES PROFISSIONAIS E SINDICATOS - ENTIDADES SIMILARES 1. Genesio Vivanco Solano Sobrinho Juiz do Trabalho aposentado 1.- Da Organização Sindical. Preliminares. 2.- Das Associações

Leia mais

Assunto Urgente: OBRIGATORIEDADE DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DO PROFISSIONAL LIBERAL ( ASSISTENTE SOCIAL)

Assunto Urgente: OBRIGATORIEDADE DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DO PROFISSIONAL LIBERAL ( ASSISTENTE SOCIAL) Assunto Urgente: OBRIGATORIEDADE DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DO PROFISSIONAL LIBERAL ( ASSISTENTE SOCIAL) O Sindicato dos Assistentes Sociais vem prestar esclarecimentos com relação à contribuição sindical,

Leia mais

Atualizações Trabalhistas

Atualizações Trabalhistas Atualizações Trabalhistas Aviso-prévio não pode ser suprimido por norma coletiva, suplente de Conselho Fiscal tem estabilidade sindical e empregado pago para não trabalhar deve ser indenizado por assédio

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO Justiça do Trabalho TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO Justiça do Trabalho TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO PROCESSO TRT/SP Nº 0002079-67.2011.5.02.0039 10ª TURMA Fls. 1 RECURSO ORDINÁRIO 1º RECORRENTE: SINDFAST SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS EMPRESAS DE REFEIÇÕES RÁPIDAS DE SÃO PAULO 2º RECORRENTE : SINTHORESP

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

CONFLITO COLETIVO DE TRABALHO

CONFLITO COLETIVO DE TRABALHO CONFLITO COLETIVO DE TRABALHO Introdução A) Denominação B) Conceito C).Modalidades Conclusão Professor Doutor Renato Rua de Almeida, advogado trabalhista em São Paulo, doutor em Direito pela Faculdade

Leia mais

Tal matéria é expressa pela Constituição Federal em seu art. 8º, IV:

Tal matéria é expressa pela Constituição Federal em seu art. 8º, IV: Parecer sobre Imposto Sindical A contribuição sindical, também denominada imposto sindical, é espécie de contribuição compulsória devida aos sindicatos, federações e confederações para sustentação econômica

Leia mais

PORTARIA No- 186, DE 10 DE ABRIL DE 2008

PORTARIA No- 186, DE 10 DE ABRIL DE 2008 PORTARIA No- 186, DE 10 DE ABRIL DE 2008 O MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das suas atribuições legais e tendo em vista o disposto no art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, no Título

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 9ª Região Londrina/PR Interessado(s) 1: Marcos Vinicius Jorge Sebastião Aparecido de Almeida Interessado(s) 2: Sindicato dos Policiais Civis de Londrina e Região Sindipol Assunto(s): Liberdade

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 22ª Vara do Trabalho de Porto Alegre

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO - 4ª REGIÃO RIO GRANDE DO SUL Fl. 1. 22ª Vara do Trabalho de Porto Alegre Fl. 1 Autor: Ministério Público do Trabalho Réu: Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio Grande do Sul VISTOS, ETC. Ministério Público do Trabalho ajuíza ação trabalhista contra Sindicato

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador ARMANDO MONTEIRO I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 39, de 2007, do Senador Alvaro Dias, que Acrescenta o art. 879-A ao Decreto-Lei nº 5.452, de 1º

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 2ª REGIÃO PROCESSO TRT/SP Nº 0000707-84.2011.5.02.0071 RECURSO ORDINÁRIO RECORRENTE: RECORRIDO: ORIGEM: SINTHORESP SINDICATO DOS EMPREGADOS EM HOTÉIS,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 719.474 - SP (2015/0125771-3) RELATOR AGRAVANTE PROCURADOR AGRAVADO : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : MUNICIPIO DE GUARULHOS : ANA PAULA HYROMI YOSHITOMI : CECÍLIA CRISTINA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA ADVOGADO : LUIZ ANTÔNIO MUNIZ MACHADO E OUTRO(S) EMENTA DIREITO SINDICAL. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL. ART. 8º, IV, DA CF/88. COMPETÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. PUBLICAÇÃO

Leia mais

Resumo Aula-tema 07: Negociação coletiva e greve. Dissídio individual e coletivo.

Resumo Aula-tema 07: Negociação coletiva e greve. Dissídio individual e coletivo. Resumo Aula-tema 07: Negociação coletiva e greve. Dissídio individual e coletivo. Negociação Coletiva de trabalho é o termo genérico a significar o ajuste feito entre as entidades sindicais e as entidades

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-104800-93.1995.5.02.0254. A C Ó R D Ã O (1ª Turma) GMWOC/am/af

PROCESSO Nº TST-RR-104800-93.1995.5.02.0254. A C Ó R D Ã O (1ª Turma) GMWOC/am/af A C Ó R D Ã O (1ª Turma) GMWOC/am/af RECURSO DE REVISTA. EXTINÇÃO DA EXECUÇÃO. PRESCRIÇÃO INTERCORRENTE. INAPLICABILIDADE AO PROCESSO DO TRABALHO. SÚMULA Nº 114 DO TST. Viola o art. 5º, XXXVI, da Constituição

Leia mais

Tribunal Superior do Trabalho

Tribunal Superior do Trabalho Tribunal Superior do Trabalho RR-37200-28.2008.5.15.0128 A C Ó R D Ã O RECURSO DE REVISTA. APOSENTADORIA POR INVALIDEZ. RESCISÃO CONTRATUAL. RECUSA DE RECEBIMENTO DE VERBAS RESCISÓRIAS. EXTINÇÃO DA UNIDADE

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-1315-06.2013.5.12.0016. A C Ó R D Ã O (8ª Turma) GMDMC/Tcb/Vb/cb/le

PROCESSO Nº TST-RR-1315-06.2013.5.12.0016. A C Ó R D Ã O (8ª Turma) GMDMC/Tcb/Vb/cb/le A C Ó R D Ã O (8ª Turma) GMDMC/Tcb/Vb/cb/le RECURSO DE REVISTA. HORAS EXTRAS. REGISTRO DE PONTO POR EXCEÇÃO. PREVISÃO EM NORMA COLETIVA. INVALIDADE. Não há como se conferir validade à norma coletiva que

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT 4ª Região Membro Oficiante: Dr. Fabiano Holz Beserra Interessado 1: TRT 4ª Região Interessado 2: Prefeitura Municipal de Porto Alegre Assunto: Fraudes Trabalhistas 03.01.09 - Trabalho na Administração

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9ª REGIÃO 301 1 Opoente: Opostos: SINDICATO DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE FOZ DO IGUAÇU SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE FOZ DO IGUAÇU E REGIÃO, FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 507.536 - DF (2003/0037798-3) RELATOR : MINISTRO JORGE MUSSI RECORRENTE : O SINDICATO DOS SERVIDORES DAS AUTARQUIAS DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS ADVOGADO : JOSÉ

Leia mais

Trata-se de agravo de instrumento interposto contra despacho que negou seguimento a recurso de revista.

Trata-se de agravo de instrumento interposto contra despacho que negou seguimento a recurso de revista. A C Ó R D Ã O 8ª Turma DCBM/phb AGRAVO DE INSTRUMENTO EM RECURSO DE REVISTA. ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. PAGAMENTO ESPONTÂNEO. TRABALHO EM ALTURA. Em razão de provável caracterização de ofensa ao art.

Leia mais

DESPACHO SEJUR N.º 373/2014

DESPACHO SEJUR N.º 373/2014 DESPACHO SEJUR N.º 373/2014 (Aprovado em Reunião de Diretoria em 21/10/2014) Expediente nº: 8707/2014 Referência: Ofício CRM-AC nº 1197/2014 Assunto: Aposentadoria compulsória para empregados públicos

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial ARTIGOS As opiniões expressas nesta Seção são de responsabilidade de seus Autores, sendo, a divulgação por VERITAE

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) Permite ao terceiro prejudicado intentar ação diretamente contra o segurador. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei faculta ao terceiro prejudicado

Leia mais

EXTENSIVO PLENO Direito do Trabalho Prof. Renato Sabino Aula 6 2009/1

EXTENSIVO PLENO Direito do Trabalho Prof. Renato Sabino Aula 6 2009/1 MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula JORNADA DE TRABALHO (continuação da última aula) 9. Ausência de controle - domésticos; - trabalho externo incompatível com controle + anotação em CTPS e registro do empregado;

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. Dispõe sobre a organização sindical no setor público, afastamento de dirigentes sindicais, negociação coletiva, aplicação do direito de greve e sobre o custeio da organização

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-1189-64.2011.5.01.0037. A C Ó R D Ã O 7ª TURMA VMF/amf/ad/drs

PROCESSO Nº TST-RR-1189-64.2011.5.01.0037. A C Ó R D Ã O 7ª TURMA VMF/amf/ad/drs A C Ó R D Ã O 7ª TURMA VMF/amf/ad/drs RECURSO DE REVISTA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PATRONAL FATO GERADOR CUMULAÇÃO DE REQUISITOS AUSÊNCIA DE EMPREGADOS ARTS. 109 E 114 DO CTN INTERPRETAÇÃO SISTEMÁTICA DA LEGISLAÇÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.171.486 - SP (2009/0239644-0) RELATOR AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRO MARCO BUZZI EMENTA AGRAVO REGIMENTAL - AÇÃO DE COBRANÇA - ASSOCIAÇÃO DE MORADORES - PAGAMENTO DE TAXA DE

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-664-33.2011.5.12.0019. A C Ó R D Ã O (Ac. 3ª Turma) GMALB/sc/abn/AB/np

PROCESSO Nº TST-RR-664-33.2011.5.12.0019. A C Ó R D Ã O (Ac. 3ª Turma) GMALB/sc/abn/AB/np A C Ó R D Ã O (Ac. 3ª Turma) GMALB/sc/abn/AB/np RECURSOS DE REVISTA DOS RÉUS. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL. EMPREGADOR. Os arts. 578 e 579 da CLT dirigem-se a todo aquele que pertença a uma determinada categoria

Leia mais

RELATÓRIO. O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator):

RELATÓRIO. O Sr. Des. Fed. FRANCISCO WILDO (Relator): APELAÇÃO CÍVEL Nº 511146/AL (0002840-14.2010.4.05.8000) APTE : CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS DA 6ª REGIÃO (AL/PE/PB/RN/CE/PI/MA) ADV/PROC : ALINE JANISZEWSKI LINS APDO : SHBRS/AL - SINDICATO DOS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 864.760 - GO (2006/0145586-0) RELATORA : MINISTRA JANE SILVA (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/MG) RECORRENTE : UNIÃO RECORRIDO : SALVADOR LAUREANO DE ASSUNÇÃO ADVOGADO : LÁZARO SOBRINHO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 5 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000882/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028482/2011 NÚMERO DO PROCESSO:

Leia mais

"02442434* Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL N 398.963.5/1-00 da Comarca de SÃO PAULO em

02442434* Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL N 398.963.5/1-00 da Comarca de SÃO PAULO em TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA ACÓRDÃO REGISTRADO(A) SOB N "02442434* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL N 398.963.5/1-00 da Comarca de SÃO PAULO

Leia mais

Grupo econômico trabalhista sob a ótica da FCC

Grupo econômico trabalhista sob a ótica da FCC Grupo econômico trabalhista sob a ótica da FCC Depois de resolver as provas de Direito do Trabalho do concurso para servidores do TRT da 24ª Região, acredito que a maior polêmica das três provas (AJAJ,

Leia mais

O consulente juntou o Parecer jurídico nº 064/ASSEJUR/2013 à consulta.

O consulente juntou o Parecer jurídico nº 064/ASSEJUR/2013 à consulta. PROCESSO Nº : 9.441-2/2013 INTERESSADO : CÂMARA MUNICIPAL DE TANGARÁ DA SERRA ASSUNTO : CONSULTA RELATOR : CONSELHEIRO SUBSTITUTO LUIZ HENRIQUE LIMA PARECER Nº : 036/2013 Excelentíssimo Senhor Conselheiro:

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 781.703 - RS (2005/0152790-8) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA : UNIÃO : MARCOS ROBERTO SILVA DE ALMEIDA E OUTROS : WALDEMAR MARQUES E OUTRO EMENTA

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE

ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE Weliton José da Silva Balduino 1 Rafaella Gil Almeida 2 INTRODUÇÃO Historicamente, a mulher sempre desempenhou atividades, seja, no lar, nas atividades agrícolas familiares

Leia mais

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu:

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: Art. 37º... VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação

Leia mais

NOTA JURÍDICA N 3/AJ-CAM/2013 Brasília (DF), 21 de março de 2013. (SAERGS). REFERÊNCIAS: Ofício SAERGS n 1109-2003, de 25 de fevereiro de 2013.

NOTA JURÍDICA N 3/AJ-CAM/2013 Brasília (DF), 21 de março de 2013. (SAERGS). REFERÊNCIAS: Ofício SAERGS n 1109-2003, de 25 de fevereiro de 2013. NOTA JURÍDICA N 3/AJ-CAM/2013 Brasília (DF), 21 de março de 2013. ORIGEM: Sindicato dos Arquitetos no Estado do Rio Grande do Sul (SAERGS). REFERÊNCIAS: Ofício SAERGS n 1109-2003, de 25 de fevereiro de

Leia mais

A C Ó R D Ã O SEDC/2008 GMFEO/MEV

A C Ó R D Ã O SEDC/2008 GMFEO/MEV A C Ó R D Ã O SEDC/2008 GMFEO/MEV RECURSO ORDINÁRIO. DISSÍDIO COLETIVO DE NATUREZA ECONÔMICA. ULTRAFÉRTIL S.A. ILEGITIMIDADE PASSIVA AD CAUSAM. O sindicato-suscitante, na qualidade de representante de

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

ACÓRDÃO 0033500-56.2007.5.04.0008 RO Fl.1

ACÓRDÃO 0033500-56.2007.5.04.0008 RO Fl.1 0033500-56.2007.5.04.0008 RO Fl.1 EMENTA: RECURSO ORDINÁRIO DO RECLAMADO. REPRESENTAÇÃO SINDICAL DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES ASSISTENCIAIS. Tendo em vista os princípios da unicidade e anterioridade sindical,

Leia mais

Admitido o recurso. Contrarrazões foram apresentadas.

Admitido o recurso. Contrarrazões foram apresentadas. A C Ó R D Ã O 7.ª Turma GMDMA/LPS/sm RECURSO DE REVISTA. INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. REVISTA EM BOLSAS E PERTENCES PESSOAIS DA EMPREGADA. Entendeu a Corte de origem que a revista dos pertences dos empregados

Leia mais

O Servidor Celetista e a Estabilidade

O Servidor Celetista e a Estabilidade O Servidor Celetista e a Estabilidade Resumo Objetiva o presente ensaio estimular a apreciação da questão da estabilidade do servidor público vinculado ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL. Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Mococa

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA-GERAL. Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Mococa Interessado: Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Mococa Assunto: Sindicato: irregularidades administrativas e/ou financeiras Fere o princípio da

Leia mais

O ATIVISMO JUDICIAL DO TST E A CONTRIBUIÇÃO ASSISTENCIAL NOS INSTRUMENTOS DE NEGOCIAÇÃO COLETIVA DO TRABALHO LUIZ EDUARDO GUNTHER SETEMBRO DE 2014

O ATIVISMO JUDICIAL DO TST E A CONTRIBUIÇÃO ASSISTENCIAL NOS INSTRUMENTOS DE NEGOCIAÇÃO COLETIVA DO TRABALHO LUIZ EDUARDO GUNTHER SETEMBRO DE 2014 O ATIVISMO JUDICIAL DO TST E A CONTRIBUIÇÃO ASSISTENCIAL NOS INSTRUMENTOS DE NEGOCIAÇÃO COLETIVA DO TRABALHO LUIZ EDUARDO GUNTHER SETEMBRO DE 2014 O Precedente Normativo n. 119, da Seção de Dissídios Coletivos

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso de Revista n TST-RR-325-18.2011.5.04.0821, em que é

Vistos, relatados e discutidos estes autos de Recurso de Revista n TST-RR-325-18.2011.5.04.0821, em que é A C Ó R D Ã O 4ª Turma JOD/mlc/gt RECURSO DE REVISTA. ENTE PÚBLICO. CONTRATO DE TRABALHO. CARGO EM COMISSÃO. DISPENSA. EXONERAÇÃO AD NUTUM. VERBAS RESCISÓRIAS 1. Consoante a jurisprudência consolidada

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO

PROCURADORIA-GERAL DO TRABALHO CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO Origem: PRT da 4ª Região Órgão Oficiante: Dr. Roberto Portela Mildner Interessado 1: Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região. Interessado 2: Banco Bradesco S/A. Assuntos: Meio ambiente do trabalho

Leia mais

1. Considerações gerais

1. Considerações gerais NOTAS SOBRE A SINDICALIZAÇÃO DE MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO 1 HUGO NIGRO MAZZILLI Promotor de Justiça - SP 1. Considerações gerais A nova ordem constitucional eliminou a anterior proibição de sindicalização

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.080.614 - SP (2008/0176494-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA Direito de família e das sucessões. Ação de reconhecimento de sociedade de fato, proposta por ex-companheiro

Leia mais

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL Gilberto de Castro Moreira Junior * O artigo 229 da Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/76) define a cisão como sendo a operação pela qual a companhia

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Consultoria Legislativa NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Relativa à STC nº 2015-03673, do Senador Ricardo Ferraço, que solicita a análise sobre a legislação federal e estadual, acerca da possibilidade

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/ Empregado aposentado - Rescisão do contrato de trabalho - Multa do FGTS

http://www.lgncontabil.com.br/ Empregado aposentado - Rescisão do contrato de trabalho - Multa do FGTS Empregado aposentado - Rescisão do contrato de trabalho - Multa do FGTS Sumário Introdução I - Contribuição previdenciária II - FGTS e demais verbas trabalhistas III - Rescisão contratual IV - Entendimentos

Leia mais

Paraadministração. Entidades criadas a partir de autorização legislativa. Sociedade e Mercado. Administração Pública. Administração Indireta

Paraadministração. Entidades criadas a partir de autorização legislativa. Sociedade e Mercado. Administração Pública. Administração Indireta Administração Pública Sociedade e Mercado Administração Direta Autarquia Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público

Leia mais

DIREITO COLETIVO DO TRABALHO CONCURSO AGU

DIREITO COLETIVO DO TRABALHO CONCURSO AGU PROFESSORA: ADRIANA CALVO DIREITO COLETIVO DO TRABALHO CONCURSO AGU Todo homem tem direito a organizar sindicatos e a neles ingressar para a proteção de seus interesses."fonte: Declaração Universal dos

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ Sequência da Palestra Tempo da Palestra: 1 hora 1ª Parte: Expositiva 2ª Parte: Perguntas e comentários FUNDAÇÕES DE APOIO LEI 8.958/94 Definição Artigo 2º INSTITUIÇÃO

Leia mais

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA I. Intróito Na qualidade de Professor de Servidor Público da UESB e de advogado da ADUSB, nos fora solicitado pela Diretoria desta entidade sindical

Leia mais

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50 CONHEÇA A VERDADE SOBRE A Porque os interesses de Goiás e do povo goiano estão acima de interesses pessoais e corporativistas. O que é a /2014? É uma Emenda Constitucional, que disciplina a representação

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 9 07/04/2015 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 602.295 RIO DE JANEIRO RELATOR AGTE.(S) ADV.(A/S) AGDO.(A/S) : MIN. ROBERTO BARROSO

Leia mais

OAB/SP 136.º EXAME DE ORDEM/2008 PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL. Direito do Trabalho PEÇA PROFISSIONAL PONTO 1

OAB/SP 136.º EXAME DE ORDEM/2008 PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL. Direito do Trabalho PEÇA PROFISSIONAL PONTO 1 OAB/SP 136.º EXAME DE ORDEM/2008 PROVA PRÁTICO-PROFISSIONAL Direito do Trabalho PEÇA PROFISSIONAL PONTO 1 O secretário de relações do trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego, com atuação em Brasília

Leia mais

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE???

E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? E O IUS POSTULANDI NA JUSTIÇA DO TRABALHO, AINDA EXISTE??? Esta é uma antiga discussão que, até a presente data, perdura em hostes trabalhistas. Existe o ius postulandi na Justiça do Trabalho? A Carta

Leia mais

PROCESSO Nº TST-RR-144000-70.2005.5.15.0036 - FASE ATUAL: E-ED

PROCESSO Nº TST-RR-144000-70.2005.5.15.0036 - FASE ATUAL: E-ED A C Ó R D Ã O SESBDI-1 VMF/ots/pcp/mmc RECURSO DE EMBARGOS EM RECURSO DE REVISTA IRREGULARIDADE DE REPRESENTAÇÃO ALTERAÇÃO DA RAZÃO SOCIAL DA EMPRESA NOVO MANDATO NECESSIDADE SÚMULA Nº 164 DO TST. Embora

Leia mais

Acórdão. Ver Certidão

Acórdão. Ver Certidão Processo : 00003-2010-104-03-00-0 RO Data de Publicação : 09/08/2010 Órgão Julgador : Sexta Turma Juiz Relator : Des. Anemar Pereira Amaral Juiz Revisor : Des. Jorge Berg de Mendonca Acórdão Ver Certidão

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 695.205 - PB (2004/0145940-1) RELATOR RECORRENTE ADVOGADOS RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO : BANCO DO BRASIL S/A : MAGDA MONTENEGRO PAULO LOPES DA SILVA

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 897.205 - DF (2006/0235733-6) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS RECORRENTE : VOLKSWAGEN LEASING S/A - ARRENDAMENTO MERCANTIL ADVOGADO : VINICIUS OLLIVER DOMINGUES MARCONDES E OUTROS

Leia mais

A Cobrança da Contribuição Sindical Rural via Ação Monitória

A Cobrança da Contribuição Sindical Rural via Ação Monitória A Cobrança da Contribuição Sindical Rural via Ação Monitória A ação monitória, prevista expressamente nos arts. 1102- A a 1102-C do Código de Processo Civil, consiste em uma advertência direcionada ao

Leia mais

10/09/2013 SEGUNDA TURMA : MIN. TEORI ZAVASCKI

10/09/2013 SEGUNDA TURMA : MIN. TEORI ZAVASCKI Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 10/09/2013 SEGUNDA TURMA EMB.DECL. NO AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 452.631 SÃO RELATOR EMBTE.(S) EMBDO.(A/S) ASSIST.(S) : MIN. TEORI ZAVASCKI

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010

Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010 Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010 27 André Fernandes Arruda 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende abordar o tema da aplicação da pena de inelegibilidade nas representações

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 712.998 - RJ (2004/0180932-3) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR : MARIANA RODRIGUES KELLY E SOUSA E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINO

Leia mais

NOTA TÉCNICA JURÍDICA

NOTA TÉCNICA JURÍDICA 1 NOTA TÉCNICA JURÍDICA Obrigatoriedade de dispensa motivada. Decisão STF RE 589998 Repercussão geral. Aplicação para as sociedades de economia mista e empresas Públicas. Caso do BANCO DO BRASIL e CAIXA

Leia mais

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br

Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho. Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Procedimentos Especiais No Processo do Trabalho Por Luiz Cesar K. Ayub luiz@ayubeanzzulin.com.br Consignação em Pagamento: A ação de consignação, na Justiça do Trabalho, é substitutiva ao pagamento, para

Leia mais