CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DOS EMPREGADOS Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 04/03/2013. Sumário:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DOS EMPREGADOS - 2013. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 04/03/2013. Sumário:"

Transcrição

1 CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DOS EMPREGADOS Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 04/03/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Contribuição Sindical - Desconto Empregados Afastados Empregado Admitido no Mês de Março Empregado Admitido após Março Empregado com Mais de Um Vínculo de Emprego 3 - Enquadramento Sindical Categoria Diferenciada Empresas com Várias Atividades Econômicas - Atividade Preponderante 4 - Profissional Liberal Registrado como Empregado Comprovação do Recolhimento Valor da Contribuição Advogados Empregados 5 - Valor da Contribuição Sindical Base de Cálculo 6 - Recolhimento - Prazo - Forma GRCSU Destino da Contribuição Sindical Recolhimento em Atraso 7 - Anotação na CTPS e no Registro de Empregados 8 - Comprovação do Recolhimento à Entidade Sindical 9 - Publicação de Edital 10 - Aplicação da Contribuição Sindical 11 - Cobrança 12 - Prescrição 13 - Penalidades 1 - INTRODUÇÃO A contribuição sindical é uma obrigação devida por todos aqueles que participam de uma determinada categoria econômica, profissional ou de uma profissão liberal, em favor da entidade sindical representativa da mesma categoria ou profissão (Art. 149 da CF/1988). Neste comentário, analisaremos as regras da contribuição sindical dos empregados, na forma estabelecida nos artigos 578 a 610 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452/1943. A contribuição sindical dos empregados, qualquer que seja a forma de remuneração, consiste em uma importância que corresponde à remuneração de um dia de trabalho, devendo ser descontada e recolhida pelo empregador. 2 - CONTRIBUIÇÃO SINDICAL - DESCONTO Os empregadores são obrigados a descontar dos salários pagos aos seus empregados, no MÊS DE MARÇO de cada ano, o valor da Contribuição Sindical devida aos sindicatos das respectivas categorias profissionais, sejam os empregados associados ou não às entidades (Artigo 580, inciso I, e artigo 582 da CLT) EMPREGADOS AFASTADOS Os empregados que estiverem afastados de suas atividades durante todo o mês destinado ao

2 desconto do valor referente à contribuição sindical, terão efetuado esse desconto no mês subsequente ao do reinício do trabalho, efetuando-se o recolhimento no mês seguinte ao do desconto (Art. 602, caput, da CLT). Os afastamentos a que se referem o texto legal podem ser por auxílio-doença, comum ou acidentário; aposentadoria por invalidez; serviço militar; licença-maternidade; licença remunerada ou licença sem remuneração e desde que os mesmos tenham ficado o mês todo afastado do trabalho. Essa situação não se aplicará para afastamento por férias, pois, como o mês de março tem 31 dias, não há como ficar afastado todo o mês em férias. A título de exemplo: Supondo que um determinado empregado admitido no dia 1º/08/2012 está afastado em benefício de auxílio-doença desde janeiro de 2013, tendo data prevista para voltar ao trabalho somente em maio de Neste caso, caberá o desconto de contribuição sindical, referente ao ano de 2013, no mês de junho de EMPREGADO ADMITIDO NO MÊS DE MARÇO Se o empregado for admitido no mês de março de 2013, o desconto deverá ser efetuado no pagamento relativo ao próprio mês de março, juntamente com os demais empregados da empresa EMPREGADO ADMITIDO APÓS MARÇO Ao admitir empregado após o mês de março de 2013, as empresas devem exigir a apresentação da prova de quitação da Contribuição Sindical do respectivo ano (Art. 601 da CLT). Essa comprovação é feita através de apresentação da CTPS, devidamente anotada por empregador anterior ou do recibo de salário comprovando o desconto. No caso de não ser apresentada a comprovação solicitada, a contribuição sindical deve ser descontada no primeiro mês subsequente à admissão (Art. 602, parágrafo único, da CLT). Assim, se um trabalhador que nunca trabalhou com vínculo de emprego, for admitido como empregado no mês de Abril/2013, o desconto de sua contribuição sindical será efetuada no mês de Maio/ EMPREGADO COM MAIS DE UM VÍNCULO DE EMPREGO Quando o trabalhador tiver mais de um vínculo de emprego, o mesmo sofrerá o desconto da contribuição sindical nos dois vínculos, mesmo que seja revertido para a mesma entidade sindical. 3 - ENQUADRAMENTO SINDICAL O enquadramento sindical objetiva direcionar a empresa ou os trabalhadores para uma base sindical que possa normatizar as situações específicas para cada categoria econômica ou profissional, bem como, para reversão da contribuição sindical, como estabelece os artigos 570 e seguintes da CLT. Em face do preceituado no artigo 511 da CLT e nos seus parágrafos, a categoria econômica corresponde a um grupo social de formação espontânea da solidariedade de interesses comuns das categorias que empreendem atividades idênticas, similares ou conexas, tais como: comércio varejista; construção civil; condomínios; hotéis, bares e restaurantes; entre outros. Estas atividades econômicas seriam representadas, respectivamente, pelo Sindicato do Comércio; Sindicato da Indústria da Construção Civil; Sindicato dos Condomínios; e Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares. Já a categoria profissional surge de um grupo de pessoas que da similitude de condições de

3 vida oriunda do trabalho em comum, executado pelos empregados das empresas que realizam atividades idênticas, similares ou conexas, tais como: empregados do comércio varejista; empregados da indústria da construção civil; empregados de condomínios; empregados de hotéis, bares, restaurantes e similares. Estas atividades profissionais seriam representadas, respectivamente, pelo Sindicato dos Trabalhadores no Comércio; Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil; Sindicato dos Trabalhadores nos Condomínios; e Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares. O empregado, portanto, compõe a categoria profissional correspondente à categoria econômica a que pertence a empresa em que trabalha, pouco importando a função que nela exerce. Por exemplo, o escriturário e o servente de um hospital se enquadrarão no Sindicato dos Empregados nos Estabelecimentos de Saúde CATEGORIA DIFERENCIADA Quando os exercentes de quaisquer atividades ou profissões se constituírem, seja pelo número reduzido, seja pela natureza mesma dessas atividades ou profissões, seja pelas afinidades existentes entre elas, em condições tais que não se possam sindicalizar eficientemente pelo critério de especificidade de categoria, é-lhes permitido sindicalizar-se pelo critério de categorias similares ou conexas, entendendo-se como tais as que se acham compreendidas nos limites de cada grupo constante do quadro de atividades e profissões. Os sindicatos que se constituírem por categoria profissional diferenciada adotarão denominação em que fiquem explicitamente mencionadas as atividades ou profissões concentradas, de conformidade com o quadro de atividades e profissões, ou se se tratar de subdivisões (Art. 572 da CLT). Considera-se categoria diferenciada aquela que se forma dos empregados que exerçam profissão ou funções diferenciadas, por força do estatuto profissional especial ou em consequência de cada vida singular. A contribuição sindical dos empregados que integram categoria profissional diferenciada deve ser recolhida ao sindicato da respectiva categoria profissional qualquer que seja o ramo de atividade da empresa a que estejam vinculados. As categorias consideradas diferenciadas são as seguintes: - Aeroviários; - Aeronautas; - Agenciadores de propaganda; - Atores teatrais, cenotécnicos e auxiliares de teatro; - Ascensoristas; - Carpinteiros navais; - Classificadores de produtos de origem vegetal; - Desenhistas técnicos, artísticos, industriais, copistas, projetistas técnicos e auxiliares; - Jornalistas profissionais; - Manequins e Modelos; - Maquinistas e foguistas de geradores termoelétricos e congêneres; - Motoristas; - Músicos profissionais; - Oficiais gráficos; - Práticos de farmácia; - Professores; - Profissionais de enfermagem, técnicos e duchistas, massagistas e empregados em hospitais e casas de saúde; - Propagandistas de produtos farmacêuticos; - Propagandistas vendedores e vendedores de produtos farmacêuticos; - Publicitários; - Radiotelegrafistas (dissociados); - Radiotelegrafistas de marinha mercante;

4 - Relações Públicas; - Secretárias; - Técnico de segurança do trabalho; - Telefonista; - Trabalhadores em atividades subaquáticas e afins; - Tratoristas (exceto rural); - Trabalhadores em agência de propaganda; - Trabalhadores na movimentação de mercadorias em geral; e - Vendedores e viajantes do comércio EMPRESAS COM VÁRIAS ATIVIDADES ECONÔMICAS - ATIVIDADE PREPONDERANTE Não pertencendo o empregado a categoria diferenciada e executando o empregador múltiplas atividades econômicas, o enquadramento sindical para fins de reversão do desconto da contribuição sindical deve ser feito buscando a atividade preponderante da empresa, ou seja, a que se relaciona com os objetivos empresariais, considerando que o trabalho em comum, como os demais empregados, visa aos mesmos fins, gerando a solidariedade de interesses (Art. 570 e ss. da CLT). 4 - PROFISSIONAL LIBERAL REGISTRADO COMO EMPREGADO O profissional liberal, registrado como empregado, desde que exerça a função de sua profissão na empresa empregadora, poderá optar pelo recolhimento da sua contribuição diretamente ao Sindicato de sua categoria (Art. 585 da CLT). O recolhimento, nesse caso, deve ser efetuado pelo próprio contribuinte, até o último dia de fevereiro de cada ano (Art. 583 da CLT). Todavia, nos casos em que o profissional, apesar de ser habilitado pelo respectivo órgão de representação profissional, não desenvolva efetivamente a profissão na empresa de que seja empregado, ainda que contribua diretamente para o sindicato de sua categoria profissional, terá, também, de submeter-se ao desconto da contribuição sindical, mediante desconto em seu salário, em favor da entidade que represente os demais empregados da empresa a que esteja vinculado COMPROVAÇÃO DO RECOLHIMENTO As empresas somente deixarão de efetuar o desconto da contribuição sindical dos profissionais liberais, quando estes apresentarem, durante o mês de março, ou no mês em que seria devida a sua contribuição, prova do recolhimento às respectivas entidades. Caso contrário, adotarão o mesmo procedimento aplicado aos demais empregados VALOR DA CONTRIBUIÇÃO De acordo com o item 2 da Nota Técnica SRT/MTE nº 201, de 02/12/2009, o recolhimento da contribuição sindical do profissional liberal empregado deve ter por base o cálculo previsto no inciso I do artigo 580 da CLT, que consiste no valor de um dia da remuneração percebida no emprego, mesmo que o profissional utilize a faculdade, prevista no art. 585 da CLT, de optar pelo pagamento diretamente à entidade sindical representativa da categoria ADVOGADOS EMPREGADOS O pagamento em dia da anuidade à Ordem dos Advogados do Brasil - OAB isenta os advogados da obrigação do recolhimento da Contribuição Sindical, de acordo com o art. 47 da Lei nº 8.906, de 04/07/1994 (Estatuto da OAB).

5 5 - VALOR DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL O valor da contribuição sindical dos empregados corresponde a um dia de trabalho do mês de março, qualquer que seja a forma de remuneração. A contribuição sindical dos mensalistas corresponde a 1/30 da remuneração mensal. Para os que percebem quinzenalmente corresponde a 1/15 da remuneração quinzenal vigente em março (Art. 582 da CLT). O valor da Contribuição do empregado que percebe a remuneração nas formas que seguem corresponde a: a) Semanalista - 1/7 da remuneração semanal no mês de março; b) Diarista - importância relativa à diária básica no mês de março; c) Horista - multiplicação da remuneração da hora de trabalho do mês pelo número de horas normais da jornada diária. d) Comissionista ou Tarefeiro - importância correspondente a 1/30 das comissões ou da quantia por peça ou tarefa no mês anterior ao desconto da contribuição sindical. A contribuição sindical equivale a 1/30 do valor que serviu de base para a contribuição previdenciária do mês de janeiro, para os empregados que recebem, habitualmente, gorjetas ou salário-utilidade BASE DE CÁLCULO Para os empregados, a contribuição sindical é calculada tomando-se por base a sua remuneração, sendo que esta conforme art. 457 da CLT compreende o salário devido e pago diretamente pelo empregador, como contraprestação do serviço, e as gorjetas que receber. Por outro lado, o referido diploma consolidado estabelece que integram a remuneração para todos os fins, o salário, como também as comissões, percentagens, gratificações ajustadas e abonos pagos pelo empregador. Há também outras parcelas de natureza salarial, que para alguns doutrinadores entram no gênero percentagens dispostas na CLT, que compõem o salário enquanto forem devidas, que são os adicionais, como os de horas extras, noturnas, por serviços insalubre e perigoso. Assevera-se que a ajuda de custo e as diárias para viagem de até 50% do salário do empregado não integram a remuneração do mesmo e, portanto, não serão base de cálculo da contribuição sindical. Desta forma, a contribuição sindical do empregado corresponderá a um dia de sua remuneração, ou seja, de seu salário (salário-base mais as parcelas variáveis) e as gorjetas que receber, quando for o caso. 6 - RECOLHIMENTO - PRAZO - FORMA O recolhimento da contribuição deverá ser efetuado, no mês seguinte ao desconto, ou seja, até o final do MÊS DE ABRIL de cada ano, ao Sindicato da respectiva categoria profissional, independentemente dos empregados serem associados ou não à entidade sindical, através das agências bancárias do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal ou dos bancos integrantes do sistema de arrecadação de tributos federais (Arts. 583 e 586 da CLT). Neste ano, a data limite para recolhimento da Contribuição Sindical dos empregados será no dia 30 de Abril de 2013 (terça-feira) GRCSU A GRCSU é o único documento hábil para a quitação dos valores devidos a título de

6 contribuição sindical urbana para empregadores, empregados, profissionais liberais e agentes ou trabalhadores autônomos, sendo composta de duas vias: uma destinada ao contribuinte, para comprovação da regularidade da arrecadação e outra à entidade arrecadadora. O modelo da GRCSU, aprovado pela Portaria/MTE nº 488, de 23/11/2005, é o que segue: A GRCSU está disponível para preenchimento no endereço eletrônico do Ministério do Trabalho e Emprego - MTE (http://www.mte.gov.br) e da CAIXA (http://www.caixa.gov.br).

7 A contribuição sindical urbana poderá ser recolhida em qualquer agência bancária, bem como em todos os canais da Caixa Econômica Federal - CAIXA (agências, unidades lotéricas, correspondentes bancários, postos de auto-atendimento), na forma estabelecida na CLT. Instruções de Preenchimento 1ª VIA - CONTRIBUINTE DADOS DE VENCIMENTO DA GUIA Campo Vencimento: Informar a data de vencimento da guia no formato DD/MM/AAAA. Campo Exercício: Informar o ano correspondente ao exercício a que se refere a contribuição. DADOS DA ENTIDADE SINDICAL Campo Nome da entidade: Informar o nome da entidade sindical beneficiária da contribuição. Se não existir sindicato, federação ou confederação representativa da categoria, o campo deve ser preenchido com a indicação: "Conta Especial Emprego e Salário - Ministério do Trabalho e Emprego". Campo Código da entidade sindical: Neste campo deve constar o código da entidade sindical completo, de acordo com o cadastro da CAIXA. Se o depósito for para a "Conta Especial Emprego e Salário - Ministério do Trabalho e Emprego", o código será, obrigatoriamente, Campo Endereço: Informar o tipo (rua, avenida, praça, etc.) e o nome do logradouro onde se localiza a entidade sindical. Campo Número: Informar o número do endereço da entidade sindical. Campo Complemento: Informar os complementos do endereço da entidade sindical (andar, sala, etc.), se houver. Campo CNPJ da entidade: Neste campo deve constar o CNPJ da entidade sindical, de acordo com o cadastro da Receita Federal. No caso de recolhimento para a "Conta Especial Emprego e Salário", este campo não será preenchido. Campo Bairro/Distrito: Informar o bairro ou distrito do endereço da entidade sindical. Campo CEP: Informar o código de endereçamento postal da localidade onde se situa a entidade sindical, de acordo com a tabela da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - EBCT. Campo Cidade/Município: Informar o município onde está localizada a entidade sindical. Campo UF: Informar a sigla da Unidade da Federação onde está localizada a entidade sindical. DADOS DO CONTRIBUINTE Campo Nome/Razão Social/Denominação Social: Informar a razão social ou denominação social do estabelecimento ou o nome do contribuinte no caso de profissional liberal ou autônomo. Campo CPF/CNPJ/Código do Contribuinte: Informar o CPF (no caso de Profissional Liberal ou Autônomo), ou o CNPJ do estabelecimento. Não havendo CPF ou CNPJ, será utilizada a matrícula CEI do INSS ou o número mantido pela entidade sindical para efeito de identificação do contribuinte. Campo Endereço: Informar o tipo (rua, avenida, praça, etc.) e o nome do logradouro onde se localiza o endereço do contribuinte. Campo Número: Informar o número do endereço do contribuinte. Campo Complemento: Informar os complementos do endereço do contribuinte (andar, sala, etc.), se houver. Campo CEP: Informar o código de endereçamento postal da localidade, de acordo com a tabela da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - EBCT. Campo Bairro/Distrito: Informar o Bairro ou o Distrito do endereço do contribuinte. Campo Cidade/Município: Informar o nome do município onde está localizado o contribuinte. Campo UF: Informar a sigla da Unidade da Federação onde está localizado o endereço do Contribuinte. Campo Código Atividade: Informar a CNAE - Classificação Nacional de Atividades Econômicas do contribuinte, conforme resolução do IBGE. DADOS DE REFERÊNCIA DA CONTRIBUIÇÃO

8 Campo Categoria: Informar a categoria a qual o Contribuinte pertence: Patronal ou Empregador, Empregados, Profissional Liberal ou Autônomo. Para as categorias "avulsos" e "categoria diferenciada" informar que o contribuinte pertence à categoria Autônomo. Para a categoria "servidores públicos" informar que o contribuinte pertence à categoria empregados. Campo Capital Social - empresa: Preencher este campo para as categorias Patronal/Empregador, ou Profissional Liberal e Autônomo organizados em empresa e com capital social registrado. Se a entidade ou instituição não estiver obrigada ao registro do capital social, deverá informar o valor correspondente a 40% do montante do movimento econômico referente ao exercício imediatamente anterior ao do pagamento da contribuição. Movimento econômico é a receita bruta demonstrada na conta de resultado do exercício referente ao último levantamento. Se todos os estabelecimentos da empresa estiverem localizados na mesma base territorial da entidade representativa da atividade econômica, será informado o capital social ou o montante correspondente a 40% do movimento econômico total da empresa. Se apenas alguns estabelecimentos estiverem situados na mesma base territorial sindical da matriz, será informado o capital social ou o percentual do movimento econômico proporcional à matriz e a estes estabelecimentos. Campo Capital Social - estabelecimento: Preencher este campo para as categorias Patronal/Empregador, ou Profissional Liberal e Autônomo organizados em empresa e com capital social registrado. Se a entidade ou instituição não estiver obrigada ao registro do capital social, deverá informar o valor correspondente a 40% do montante do movimento econômico referente ao exercício imediatamente anterior ao do pagamento da contribuição. Deve ser informado o capital social ou o valor correspondente a 40% do montante do movimento econômico do estabelecimento, quando este estiver localizado em base territorial de entidade sindical diversa da representativa do estabelecimento principal da empresa, bem como quando a empresa realizar diversas atividades econômicas sem que nenhuma delas seja preponderante, nos termos do art. 581 da CLT. Campo Nº empregados - contribuintes: Preencher este campo para a categoria Empregados. Corresponde ao número de empregados do estabelecimento que estão contribuindo para a entidade sindical. Campo Total remuneração - contribuintes: Preencher este campo para a categoria Empregados. Corresponde à soma da remuneração dos empregados do estabelecimento que estão contribuindo para a entidade sindical. Campo Total empregados - estabelecimento: Preencher este campo para a categoria Empregados. Corresponde ao número total de empregados do estabelecimento, independentemente de estarem contribuindo para a entidade sindical. Campo Mensagem destinada do contribuinte: Este campo pode ser utilizado pela entidade sindical para inserir ao contribuinte mensagens para o Contribuinte. Campo Valor do documento: Este campo será preenchido automaticamente, quando utilizado aplicativo para a emissão da guia e/ou por meio do site da CAIXA (http://www.caixa.gov.br) ou do MTE (http://www.mte.gov.br). No caso de utilização de gráficas para a emissão das guias, este campo deve ser preenchido com o valor nominal da Contribuição Sindical. Campo Desconto/Abatimento: Este campo será preenchido pelo banco recebedor, quando da existência de desconto/abatimento descrito no campo de instruções do documento. Campo Outras Deduções: Este campo será preenchido pelo banco recebedor, quando da existência de outras deduções descritas no campo de instruções do documento. Campo Mora/Multa: Este campo será preenchido pela CAIXA, quando do pagamento em atraso e conforme o campo de instruções do documento. Campo Outros Acréscimos: Este campo será preenchido pela CAIXA, quando do pagamento em atraso e conforme o campo de instruções do documento. Campo Valor Cobrado: Até o vencimento, esse campo será preenchido pelo banco recebedor, representando o resultado do campo valor do documento deduzido, conforme o caso, dos campos desconto/abatimento e outras deduções. Após o vencimento, este campo será preenchido pela CAIXA, representando o resultado da soma dos campos valor do documento, mora/multa, outros acréscimos e das subtrações dos campos desconto/abatimento e outras deduções. 2ª VIA - DOCUMENTO DE BANCO Os dados relativos à via do banco devem corresponder aos dados da via do contribuinte. DADOS DO BLOQUETO DE CONTRIBUIÇÃO SINDICAL

9 Campo Local de pagamento: A mensagem é fixa e será definida pela CAIXA. No caso de preenchimento pela gráfica, a entidade deverá procurar a Agência da CAIXA para tomar conhecimento dos parâmetros adotados. Campo Vencimento: Este campo será preenchido automaticamente quando do preenchimento dos campos correspondentes da 1ª via do documento/via do contribuinte, quando utilizado aplicativo para a emissão da guia e/ou por meio site da CAIXA (http://www.caixa.gov.br) ou do MTE (http://www.mte.gov.br). No caso de utilização de gráficas para a emissão das guias, este campo deve ser preenchido no formato DD/MM/AAAA. Campo Cedente: Este campo será preenchido automaticamente quando do preenchimento dos campos correspondentes da 1ª via do documento/via do contribuinte, quando utilizado aplicativo para a emissão da guia e ou por meio do site da CAIXA (http://www.caixa.gov.br) ou do MTE (http://www.mte.gov.br). No caso de utilização de gráficas para a emissão das guias, este campo deve ser preenchido no formato 0000/ DV. Campo Data do documento: Este campo será preenchido automaticamente, quando utilizado aplicativo para a emissão da guia e/ou por meio do site da CAIXA (http://www.caixa.gov.br) ou do MTE (http://www.mte.gov.br). No caso de utilização de gráficas para a emissão das guias, este campo deve ser preenchido no formato DD/MM/AAAA. Campo Nº do documento: Este campo será preenchido automaticamente, quando utilizado o aplicativo para a emissão da guia e/ou por meio do site da CAIXA (http://www.caixa.gov.br) ou do MTE (http://www.mte.gov.br). No caso de utilização de gráficas para a emissão das guias, este campo deve ser preenchido com seqüencial criado para identificar as guias. Campo Espécie de Documento: Este campo será preenchido automaticamente, quando utilizado o aplicativo para a emissão da guia e/ou por meio do site da CAIXA (http://www.caixa.gov.br) ou do MTE (http://www.mte.gov.br). No caso de utilização de gráficas para a emissão das guias, este campo deve conter a expressão "GRCS", que significa Guia de Recolhimento de Contribuição Sindical. Campo Aceite: Não informar, deixar em branco. Campo Data de Processamento: Este campo será preenchido automaticamente, quando utilizado o aplicativo para a emissão da guia e/ou por meio do site da CAIXA (http://www.caixa.gov.br) ou do MTE (http://www.mte.gov.br). No caso de utilização de gráficas para a emissão das guias, este campo deve conter a data da geração da guia no formato DD/MM/AAAA. Campo Uso do banco: Este campo será preenchido automaticamente, quando utilizado o aplicativo para a emissão da guia e/ou por meio do site da CAIXA (http://www.caixa.gov.br) ou do MTE (http://www.mte.gov.br). No caso de utilização de gráficas para a emissão das guias, este campo deve conter o ano exercício, no formato EXERC AAAA. Campo Carteira: Este campo será preenchido automaticamente, quando utilizado o aplicativo para a emissão da guia e/ou por meio do site da CAIXA (http://www.caixa.gov.br) ou do MTE (http://www.mte.gov.br). No caso de utilização de gráficas para a emissão das guias, este campo deve conter a expressão "SIND". Campo Espécie: Este campo será preenchido automaticamente quando utilizado o aplicativo para a emissão da guia e/ou por meio do site da CAIXA (http://www.caixa.gov.br) ou do MTE (http://www.mte.gov.br). No caso de utilização de gráficas para a emissão das guias, este campo deve ser preenchido com o símbolo "R$" (real). Campo Quantidade: Não informar, deixar em branco. Campo Valor: Não informar, deixar em branco. Campo Instruções: Este campo será preenchido automaticamente, quando utilizado o site da CAIXA (http://www.caixa.gov.br) ou do MTE (http://www.mte.gov.br), sendo informado, neste campo, a denominação "Bloqueto de Contribuição Sindical Urbana" e as instruções de recebimento da guia, com a informação de Multa e Juros de Mora, de acordo com artigo 600 da CLT. No caso de utilização de gráficas para emissão das guias, o campo deve ser preenchido com as referidas informações. Campo Sacado: Este campo será preenchido automaticamente, quando utilizado o aplicativo para a emissão da guia e/ou por meio do site da CAIXA (http://www.caixa.gov.br) ou do MTE (http://www.mte.gov.br). No caso de utilização de gráficas para a emissão das guias, neste campo devem ser informados o nome e o endereço do Contribuinte. Campo Sacador/Avalista: Não informar, deixar em branco. Campo Vencimento: Este campo será preenchido automaticamente, quando utilizado o aplicativo para a emissão da guia e/ou por meio do site da CAIXA (http://www.caixa.gov.br) ou

10 do MTE (http://www.mte.gov.br). No caso de utilização de gráficas para a emissão das guias, neste campo deve conter a data de vencimento da Contribuição Sindical. Campo Agência/Código cedente: Informar o Código da Agência onde a Entidade Sindical possui conta corrente na CAIXA e o código completo da Entidade (12 posições) formatado da seguinte maneira: 0000/ DV. Quando a guia for emitida pelo site da CAIXA (http://www.caixa.gov.br) ou do MTE (http://www.mte.gov.br), esta informação será preenchida automaticamente. Campo Nosso número: Este campo será preenchido automaticamente, quando utilizado o aplicativo para emissão da guia e/ou por meio do site da CAIXA (http://www.caixa.gov.br) ou do MTE (http://www.mte.gov.br). No caso de utilização de gráficas para a emissão das guias, este campo deve ser preenchido com o CPF/CNPJ/Código Contribuinte. Em caso de CNPJ, não informar o DV. Campo Valor do documento: Este campo será preenchido automaticamente, quando utilizado o aplicativo para a emissão da guia e/ou por meio do site da CAIXA (http://www.caixa.gov.br) ou do MTE (http://www.mte.gov.br). No caso de utilização de Gráficas, para a emissão das guias, este campo deve ser preenchido com o valor nominal da Contribuição Sindical. Campo Desconto/Abatimento: Este campo será preenchido pelo banco recebedor, quando da existência de desconto/abatimento descrito no campo de instruções do documento. Campo Outras Deduções: Este campo será preenchido pelo banco recebedor, quando da existência de outras deduções descritas no campo de instruções do documento. Campo Mora/Multa: Este campo será preenchido pela CAIXA, quando do pagamento em atraso e conforme o campo de instruções do documento. Campo Outros acréscimos: Este campo será preenchido pela CAIXA, quando do pagamento em atraso e conforme o campo de instruções do documento. Campo Valor cobrado: Até o vencimento, esse campo será preenchido pelo banco recebedor, representando o resultado do campo valor do documento, deduzido, conforme o caso, dos campos desconto/abatimento e outras deduções. Após o vencimento, este campo será preenchido pela CAIXA, representando o resultado da soma dos campos valor do documento, mora/multa, outros acréscimos e das subtrações dos campos desconto/abatimento e outras deduções. Campo Representação numérica da Guia: Representação numérica do código de barras, no padrão definido pela FEBRABAN, sendo as informações constantes no campo livre da barra definidas pela CAIXA. Campo Código de Barras: Padrão definido pela FEBRABAN, sendo as informações constantes no campo livre da barra definidas e disponibilizadas pela CAIXA DESTINO DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL Da importância da arrecadação da contribuição sindical serão feitos os seguintes créditos pela Caixa Econômica Federal, na forma das instruções que forem expedidas pelo Ministro do Trabalho e Emprego (Art. 589 da CLT, alterado pela Lei nº /08). - Para os trabalhadores: a) 5% para a confederação correspondente; b) 10% para a central sindical; c) 15% para a federação; d) 60% para o sindicato respectivo; e e) 10% para a Conta Especial Emprego e Salário. O sindicato de trabalhadores indicará ao Ministério do Trabalho e Emprego a central sindical a que estiver filiado como beneficiária da respectiva contribuição sindical, para fins de destinação dos créditos de contribuição sindical. A central sindical deverá atender aos requisitos de representatividade previstos na legislação específica sobre a matéria. Inexistindo confederação, o percentual previsto no art. 589 da CLT caberá à federação representativa do grupo (Art. 590 da CLT, com redação dada pela Lei nº /08).

11 Não havendo sindicato, nem entidade sindical de grau superior ou central sindical, a contribuição sindical será creditada, integralmente, à Conta Especial Emprego e Salário. Não havendo indicação de central sindical, os percentuais que lhe caberiam serão destinados à Conta Especial Emprego e Salário RECOLHIMENTO EM ATRASO O recolhimento da Contribuição Sindical efetuado fora do prazo estabelecido, quando espontâneo, sofre os seguintes acréscimos (Art. 600 da CLT): CORREÇÃO MONETÁRIA - calculada de acordo com os critérios aplicáveis ao débitos para com a Fazenda Nacional; NOTA ITC: Atualmente os débitos tributários não são mais atualizados, posto que, a UFIR (utilizada para atualização dos mesmos) fora extinta em Outubro de JUROS - 1% ao mês, ou fração de mês; MULTA - 10% sobre o valor da contribuição, nos primeiros 30 dias de atraso, acrescida de 2% por mês subsequente de atraso. A legislação trabalhista, em seu art. 600 onde trata de acréscimos legais nos recolhimentos em atraso da contribuição sindical, é omisso no que diz respeito à base de cálculo dos juros e da multa de mora. 7 - ANOTAÇÃO NA CTPS E NO REGISTRO DE EMPREGADOS O empregador deverá providenciar as anotações correspondentes a Contribuição descontada do empregado ou paga pelo profissional liberal na Carteira de Trabalho - CTPS, no Livro ou Ficha de Registro de Empregados, conforme segue: a) Valor da contribuição; b) Sindicato da categoria; e c) Data e ano do desconto. O novo modelo da CTPS não possui página destinada a anotação da Contribuição Sindical, portanto, deverá a empresa passar a efetuar a anotação na página destinada a Anotações Gerais. 8 - COMPROVAÇÃO DO RECOLHIMENTO À ENTIDADE SINDICAL Os empregadores devem comprovar o recolhimento da Contribuição Sindical, na forma do 2º do art. 583 da CLT, remetendo, dentro do prazo de 15 dias, contados da data do recolhimento, à respectiva entidade sindical, cópia da Guia autenticada pelo órgão arrecadador, acompanhada de relação nominal dos empregados, com indicação da função de cada um, do salário percebido no mês da Contribuição e do valor recolhido, podendo a relação ser substituída por cópia da folha de pagamento. A Nota Técnica SRT/MTE nº 202, de 10/12/2009 estabelece que na relação nominal deve constar além do nome completo, o número de inscrição no Programa de Integração Social - PIS, função exercida, a remuneração percebida no mês do desconto e o valor recolhido. Na página a seguir, modelo de relação nominal a ser enviada para as entidades sindicais:

12 RELAÇÃO NOMINAL DOS EMPREGADOS CONTRIBUINTES CONTRIBUIÇÃO SINDICAL Carimbo padronizado do CNPJ Contribuição correspondente ao Mês de do ano NOME DO EMPREGADO Nº PIS FUNÇÃO SALÁRIO RECEBIDO VALOR RECOLHIDO Local e data: Assinatura: 9 - PUBLICAÇÃO DE EDITAL As entidades sindicais são obrigadas a promover a publicação de editais concernentes ao recolhimento da contribuição sindical, durante 3 dias, nos jornais de maior circulação local e até 10 dias da data fixada para depósito bancário (Art. 605 da CLT) APLICAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL A contribuição sindical, além das despesas vinculadas à sua arrecadação, recolhimento e controle, será aplicada pelos Sindicatos, na conformidade dos respectivos estatutos, visando aos seguintes objetivos (Art. 592 da CLT): I - Sindicato de Empregadores e de Agentes Autônomos: a) assistência técnica e jurídica; b) assistência médica, dentária, hospitalar e farmacêutica; c) realização de estudos econômicos e financeiros; d) agências de colocação; e) cooperativas; f) bibliotecas; g) creches; h) congressos e conferências; i) medidas de divulgação comercial e industrial no País, e no estrangeiro, bem como em outras tendentes a incentivar e aperfeiçoar a produção nacional; j) feiras e exposições; l) prevenção de acidentes do trabalho; m) finalidades desportivas. II - Sindicatos de empregados: a) assistência jurídica;

13 b) assistência médica, dentária, hospitalar e farmacêutica; c) assistência à maternidade d) agências de colocação; e) cooperativas; f) bibliotecas; g) creches; h) congressos e conferências; i) auxílio-funeral; j) colônias de férias e centros de recreação; l) prevenção de acidentes do trabalho; m) finalidades desportivas e sociais; n) educação e formação profissional; o) bolsas de estudo. A aplicação prevista no artigo 592 da CLT ficará a critério de cada entidade, que, para tal fim, obedecerá, sempre, às peculiaridades do respectivo grupo ou categoria, facultado ao Ministro do Trabalho permitir a inclusão de novos programas, desde que assegurados os serviços assistenciais fundamentais da entidade. Os sindicatos poderão destacar, em seus orçamentos anuais, até 20% dos recursos da contribuição sindical para o custeio das suas atividades administrativas, independentemente de autorização ministerial. O uso da contribuição sindical não poderá exceder do valor total das mensalidades sociais consignadas nos orçamentos dos Sindicatos, salvo autorização expressa do Ministro do Trabalho COBRANÇA Às entidades sindicais e, na falta destas, às Federações cabe, em caso de falta de pagamento de Contribuição Sindical, promover a respectiva cobrança judicial, mediante ação executiva, valendo como título de dívida a certidão expedida pelas autoridades regionais do Ministério do Trabalho (Art. 606 da CLT). O Ministério do Trabalho baixará as instruções regulando a expedição das certidões, das quais deverá constar a individualização do contribuinte, a indicação do débito e a designação da entidade a favor da qual é recolhida a importância da contribuição sindical, de acordo com o respectivo enquadramento sindical. Para os fins da cobrança judicial da contribuição sindical são extensivos às entidades sindicais, com exceção do foro especial, os privilégios da Fazenda Pública, para cobrança da dívida ativa. A partir de 31/12/2004, a competência para julgar ações de cobrança de contribuição sindical passou a ser da Justiça do Trabalho, conforme nova redação do artigo 114 da CF/1988, dada pela Emenda Constitucional nº 45/ PRESCRIÇÃO O direito de ação para cobrança da Contribuição Sindical prescreve em 5 anos, uma vez que está vinculada às normas do sistema do CTN - Código Tributário Nacional (Lei nº 5.172, de 25/10/1966), conforme previsto no seu art PENALIDADES Sem prejuízo da ação criminal e das penalidades previstas no art. 553 da CLT, serão aplicadas

14 multas variáveis de R$ 8,07 a R$ 8.050,65, pelas infrações a dispositivos relativos à Contribuição Sindical, impostas pelas Delegacias Regionais do Trabalho - DRT. A gradação da multa atenderá à natureza da infração e às condições sociais e econômicas do infrator, como disposto na Portaria/MTb nº 290, de 11/04/97. Para os profissionais liberais, a penalidade consistirá na suspensão do exercício profissional, até a necessária quitação, e será aplicada pelos órgãos públicos ou autárquicos disciplinadores das respectivas profissões mediante comunicação das autoridades fiscalizadoras, conforme art. 599 da CLT. Conforme art. 607 da CLT são considerados como documento essencial ao comparecimento às concorrências públicas ou administrativas e para o fornecimento às repartições paraestatais ou autárquicas a prova da quitação da respectiva contribuição sindical e a de recolhimento da contribuição sindical, descontada dos respectivos empregados. As repartições federais, estaduais ou municipais não concederão registro ou licenças para funcionamento ou renovação de atividades aos estabelecimentos de empregadores e aos escritórios ou congêneres dos agentes ou trabalhadores autônomos e profissionais liberais, nem concederão alvarás de licença ou localização, sem que sejam exibidas as provas de quitação da contribuição sindical (Art. 608 da CLT). Fonte: Editorial ITC. Atenção! De acordo com o disposto no caput e inciso XIII do art. 7º, e nos arts. 24, 29 e 101 a 184, da Lei nº 9610/1998 (Direitos Autorais) e no artigo 184 do Decreto-Lei nº 2848/1940 (Código Penal), na redação dada pela Lei nº /2003, é expressamente proibida, por qualquer meio, a reprodução parcial e/ou total de matérias exclusivas do site: exceto a impressão e a citação ou referência bibliográfica de acordo com as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 02/03/2011.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 02/03/2011. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DOS EMPREGADOS - 2011 Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 02/03/2011. Sumário: 1 - Contribuição Sindical dos Empregados 2 - Desconto 2.1 - Empregados Afastados 2.2

Leia mais

Anexo II - Instruções de Preenchimento

Anexo II - Instruções de Preenchimento Anexo II - Instruções de Preenchimento 11ª ª V IIA CONTR IIBUIINTE DADOS VENC IIMENTO DA GU IIA Vencimento Exercício DADOS DA ENTIIDADE S IIND IICAL Nome da entidade Código da entidade sindical Endereço

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL - AUTÔNOMOS E PROFISSIONAIS LIBERAIS - ANO 2013

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL - AUTÔNOMOS E PROFISSIONAIS LIBERAIS - ANO 2013 CONTRIBUIÇÃO SINDICAL - AUTÔNOMOS E PROFISSIONAIS LIBERAIS - ANO 2013 Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 04/02/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Contribuição Sindical dos Autônomos e

Leia mais

SEÇÃO IX DISPOSIÇÕES GERAIS

SEÇÃO IX DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO IX DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 558 - São obrigadas ao registro todas as associações profissionais constituídas por atividades ou profissões idênticas, similares ou conexas, de acordo com o art. 511 e

Leia mais

MÓDULO 12 OBRIGAÇÕES SINDICAIS

MÓDULO 12 OBRIGAÇÕES SINDICAIS MÓDULO 12 OBRIGAÇÕES SINDICAIS 12.2 CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DOS EMPREGADOS ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. RETIRE O FASCÍCULO SUBSTITUÍDO, ANTES DE

Leia mais

Contribuição Sindical Patronal

Contribuição Sindical Patronal Contribuição Sindical Patronal Aspectos Legais O recolhimento da contribuição sindical é obrigatório conforme se verifica nos artigos 578, 579 e 580 da Consolidação das Leis do Trabalho: TÍTULO V - DA

Leia mais

ANO XXIV - 2013-1ª SEMANA DE MARÇO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 10/2013

ANO XXIV - 2013-1ª SEMANA DE MARÇO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 10/2013 ANO XXIV - 2013-1ª SEMANA DE MARÇO DE 2013 BOLETIM INFORMARE Nº 10/2013 ASSUNTOS TRABALHISTAS CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DOS EMPREGADOS EM MARÇO DE 2013 - CONSIDERAÇÕES GERAIS... Pág. 221 ESTRANGEIRO - PROCEDIMENTOS

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário:

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL - Considerações - Ano 2013 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 24/01/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Constitucionalidade 3 - Obrigação 3.1 - Estabelecimentos

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS CONTRIBUIÇÃO SINDICAL EMPREGADOS INTRODUÇÃO Dispõe o Art. 578 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que a contribuição devida aos sindicatos pelos que participam das categorias econômicas ou profissionais

Leia mais

Ana Lúcia Ricarte OAB/MT 4.411 CUIABÁ, 12 DE FEVEREIRO DE 2015.

Ana Lúcia Ricarte OAB/MT 4.411 CUIABÁ, 12 DE FEVEREIRO DE 2015. CUIABÁ, 12 DE FEVEREIRO DE 2015. PARECER Nº 018/2015 INTERESSADO: PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ODONTOLOGIA DE MATO GROSSO ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO SINDICAL ADVOGADA: ANA LÚCIA RICARTE A Presidente do

Leia mais

Contribuição sindical dos empregados deve ser descontada na folha de pagamento de março

Contribuição sindical dos empregados deve ser descontada na folha de pagamento de março CONTRIBUIÇÃO SINDICAL Empregados Contribuição sindical dos empregados deve ser descontada na folha de pagamento de março Uma vez por ano, a empresa desconta e recolhe a contribuição sindical de seus empregados,

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2009

PROJETO DE LEI N o, DE 2009 PROJETO DE LEI N o, DE 2009 (Do Sr. Maurício Rands) Altera o 3º do art. 511 da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, para incluir as profissões liberais

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A CONTRIBUIÇÃO SINDICAL URBANA (IMPOSTO SINDICAL) ATUALIZADAS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A CONTRIBUIÇÃO SINDICAL URBANA (IMPOSTO SINDICAL) ATUALIZADAS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A CONTRIBUIÇÃO SINDICAL URBANA (IMPOSTO SINDICAL) ATUALIZADAS 1ª pergunta: Quem paga a Contribuição Sindical Urbana CSU (imposto sindical)? a) Os profissionais liberais, entre

Leia mais

Contribuição Sindical. Conceito

Contribuição Sindical. Conceito Contribuição Sindical Conceito A Contribuição Sindical é um tributo federal (art. 149 da CF), descontada em folha de pagamento e que deve ser recolhida compulsoriamente pelos empregadores, conforme estabelecido

Leia mais

A A CIRCULAÇÃO D O CD OU E-MAIL. receber por e-mail. UTORAIS

A A CIRCULAÇÃO D O CD OU E-MAIL. receber por e-mail. UTORAIS ROTEIRO DO CURSO ROTINAS TRABALHISTAS A A CIRCULAÇÃO O Curso de Rotinas Trabalhistas é composto de 7 módulos que serão remetidos aos cursandos de 15 em 15 dias. AUTORA VERA HELENA PALMA Advogada trabalhista,

Leia mais

ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 09/2014

ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 09/2014 ANO XXV - 2014-4ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2014 BOLETIM INFORMARE Nº 09/2014 ASSUNTOS TRABALHISTAS CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DOS EMPREGADOS EM MARÇO DE 2014 - CONSIDERAÇÕES GERAIS... Pág. 277 ESOCIAL/SPED -

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL OBRIGATORIEDADE

FUNDAMENTAÇÃO LEGAL OBRIGATORIEDADE FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Os artigos 578 e 579 da CLT preveem que as contribuições devidas aos sindicatos, pelos que participem das categorias econômicas ou profissionais ou das profissões liberais representadas

Leia mais

Desconto Valor Desconto Valor Desconto Valor 100 Pensão Alimentícia 101 Adiantamento Salarial

Desconto Valor Desconto Valor Desconto Valor 100 Pensão Alimentícia 101 Adiantamento Salarial ANEXO I TERMO DE RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO IDENTIFICAÇÃO DO EMPREGADOR 01 CNPJ/CEI 02 Razão Social/Nome 03 Endereço (logradouro, nº, andar, apartamento) 04 Bairro 05 Município 06 UF 07 CEP 08 CNAE

Leia mais

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão

Atuação do Gestor. no Departamento de Pessoal. Gestão de Pessoas. Fernando Silva da Paixão Atuação do Gestor no Departamento de Pessoal Atuação do Gestor Férias E 13º Salário Sistema Integrado de Gestão de Pessoas no Dep. Pessoal PLR Férias Todo empregado adquire o direito às férias após 12

Leia mais

A Constituição Federal88 determina em seu art. 201 a garantia do benefício de salário-família aos trabalhadores de baixa renda.

A Constituição Federal88 determina em seu art. 201 a garantia do benefício de salário-família aos trabalhadores de baixa renda. SALÁRIO-FAMÍLIA - Considerações Gerais Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 07/05/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Salário-Família 3 - Beneficiários 3.1 - Filho - Equiparação 3.2 - Verificação

Leia mais

Módulo Recursos Humanos

Módulo Recursos Humanos Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Recursos Humanos Folha de Pagamento. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Relatório Trabalhista

Relatório Trabalhista Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone/fax (11) 4742-6674 Desde 1987 Legislação Consultoria Assessoria Informativos Treinamento Auditoria Pesquisa Qualidade Relatório

Leia mais

MÓDULO 12 OBRIGAÇÕES SINDICAIS 12.1 SINDICAL PATRONAL

MÓDULO 12 OBRIGAÇÕES SINDICAIS 12.1 SINDICAL PATRONAL MÓDULO 12 OBRIGAÇÕES SINDICAIS 12.1 CONTRIBUIÇÃO SINDICAL PATRONAL ESTE FASCÍCULO SUBSTITUI O DE IGUAL NÚMERO ENVIADO ANTERIORMENTE AOS NOSSOS ASSINANTES. EXPEDIÇÃO: 23-12-2000 4ª EDIÇÃO SUMÁRIO ASSUNTO

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS

AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS CAGED INSS AGENDA DE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS E PREVIDENCIÁRIAS OBRIGAÇÕES MENSAIS SALÁRIOS O empregador deve efetuar o pagamento de salários aos empregados até o 5º (quinto) dia útil do mês subsequente ao vencido.

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO ARTIGOS VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial ARTIGOS As opiniões expressas nesta Seção são de responsabilidade de seus Autores, sendo, a divulgação por VERITAE

Leia mais

Sistema de Tratamento de Contribuição Sindical - SITCS

Sistema de Tratamento de Contribuição Sindical - SITCS CONTRIBUIÇÃO SINDICAL URBANA Sistema de Tratamento de Contribuição Sindical - SITCS Guia do Usuário v. 4.16 11 de agosto 2015 GEPEC - Gerência Nacional Serviços e Convênios Pessoa Jurídica Pública e Privada

Leia mais

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1

Apostila de 13 Salário. Capacitação e Treinamento 1 Apostila de 13 Salário Capacitação e Treinamento 1 Conteúdo 1. DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO... 3 1.1. Contagem de Avos... 3 1.2. Primeira Parcela Pagamento até 30/11... 3 1.3. Empregados não disponíveis durantes

Leia mais

II - Termo de Homologação sem ressalvas - Anexo III; e. III - Termo de Homologação com ressalvas - Anexo IV.

II - Termo de Homologação sem ressalvas - Anexo III; e. III - Termo de Homologação com ressalvas - Anexo IV. PORTARIA N o 1621 DE 14 DE JULHO DE 2010 Aprova modelos de Termos de Rescisão de Contrato de Trabalho e Termos de Homologação. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO DE RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO DE RESCISÃO DE CONTRATO DE TRABALHO TERMO DE RESCISÃO DO CONTRATO DE TRABALHO 01 CNPJ/CEI 02 Razão Social/Nome IDENTIFICAÇÃO DO EMPREGADOR 03 Endereço (logradouro, nº, andar, apartamento) 04 Bairro 05 Município 06 UF 07 CEP 08 CNAE 09 CNPJ/CEI

Leia mais

Neste comentário analisaremos as regras a serem observadas para o pagamento da segunda parcela do 13º salário e da tributação correlata.

Neste comentário analisaremos as regras a serem observadas para o pagamento da segunda parcela do 13º salário e da tributação correlata. 13º SALÁRIO - 2ª PARCELA - Considerações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 05/12/2011. Sumário: 1 - Introdução 1.1 - Trabalhadores Avulsos 2 - Apuração do Tempo de Serviço 2.1 - Afastamento

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

FÉRIAS COLETIVAS - Considerações. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 16/11/2011. Sumário:

FÉRIAS COLETIVAS - Considerações. Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 16/11/2011. Sumário: FÉRIAS COLETIVAS - Considerações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 16/11/2011. Sumário: 1 - Introdução 2 - Direito de Férias 3 - Duração 3.1 - Regime de Tempo Parcial 3.2 - Faltas Justificadas

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON ANDRADE;

Leia mais

RAIS ANO BASE 2014. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL: Os empregadores deverão, ainda, informar na RAIS:

RAIS ANO BASE 2014. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL: Os empregadores deverão, ainda, informar na RAIS: RAIS ANO BASE 2014 As instruções para entrega da declaração da Relação Anual de Informações Sociais - RAIS ano base 2014, foram definidas pela PORTARIA Nº 10, DE 09 DE JANEIRO DE 2015. PRAZO DE ENTREGA:

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA) 30/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Lei Complementar nº 87 de 13 de setembro de 1996.... 4 3.2 Convênio ICMS

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000537/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/07/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR037469/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.006923/2011-19 DATA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 02, DE 22 DE MAIO DE 2009. Dispõe sobre a Guia de Recolhimento da União - GRU, e dá outras providências.

INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 02, DE 22 DE MAIO DE 2009. Dispõe sobre a Guia de Recolhimento da União - GRU, e dá outras providências. INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 02, DE 22 DE MAIO DE 2009. Dispõe sobre a Guia de Recolhimento da União - GRU, e dá outras providências. O SECRETÁRIO DO TESOURO NACIONAL SUBSTITUTO, no exercício das atribuições

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2014

CONVENÇÃO COLETIVA 2014 CONVENÇÃO COLETIVA 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 17.437.757/0001-40, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

www.sistemafaep.org.br

www.sistemafaep.org.br www.sistemafaep.org.br www.receita.fazenda.gov.br www.fazenda.pr.gov.br O que é a Nota Fiscal de Produtor Rural 1. NOTA FISCAL DE PRODUTOR RURAL (NFP) É o documento obrigatório para acompanhar a produção

Leia mais

SEGURADO FACULTATIVO - Contribuição à Previdência Social - Novas Regras

SEGURADO FACULTATIVO - Contribuição à Previdência Social - Novas Regras SEGURADO FACULTATIVO - Contribuição à Previdência Social - Novas Regras Matéria atualizada com base na legislação vigente em 07/10/2011. Sumário 1 - Introdução 2 - Segurado Facultativo 2.1 - Filiação 2.1.1

Leia mais

PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012

PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012 PORTARIA MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO Nº 1.057 DE 06.07.2012 D.O.U.: 09.07.2012 Altera a Portaria nº 1.621 de 14/07/2010, que aprovou os modelos de Termos de Rescisão do Contrato de Trabalho

Leia mais

Boletim. Contribuição Sindical. Manual de Procedimentos. Considerações sobre a contribuição sindical dos empregados

Boletim. Contribuição Sindical. Manual de Procedimentos. Considerações sobre a contribuição sindical dos empregados Boletim Manual de Procedimentos Contribuição Sindical Considerações sobre a contribuição sindical dos empregados 1. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL (CS) 1.1 Autonomia da organização sindical É livre a associação

Leia mais

Seminário Mensal do Departamento Pessoal 10 de dezembro de 2014. Fábio Gomes Fábio Momberg Graziela Garcia

Seminário Mensal do Departamento Pessoal 10 de dezembro de 2014. Fábio Gomes Fábio Momberg Graziela Garcia Seminário Mensal do Departamento Pessoal 10 de dezembro de 2014 Apresentadores: Érica Nakamura Fábio Gomes Fábio Momberg Graziela Garcia esocial Alterações nos Eventos e em seus prazos de entrega e novo

Leia mais

Instruções de Impressão

Instruções de Impressão Instruções de Impressão 1. O modelo deverá ser plano e impresso em papel A4, na cor branca, com 297 milímetros de altura e 210 milímetros de largura em papel com, ao menos, 75 gramas por metro quadrado.

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA 2011/2012 Pelo presente instrumento particular, de um lado O Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Publicidade do Estado do Paraná, com sede em Curitiba, no estado do Paraná, na

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PI000036/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/09/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015042/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46214.002894/2008-23 DATA DO

Leia mais

PL 4330 Reunião realizada no dia

PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Propostas de alteração Observações das Centrais Sindicais Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes.

Leia mais

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL -

- CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - - CURSO DE DEPARTAMENTO PESSOAL - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). 5.

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011 DOU Nº 131, segunda-feira, 9 de julho de 2012 Seção 1 Página 108 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.057, DE 6 DE JULHO DE 2011 Altera a Portaria nº 1.621, de 14 de julho de 2010, que aprovou os modelos

Leia mais

INFORMATIVO Nº 05/2012 DE 11/01/2012 SINDICATO DA INDÚSTRIA DO MILHO, SOJA E SEUS DERIVADOS NO ESTADO DE SÃO PAULO

INFORMATIVO Nº 05/2012 DE 11/01/2012 SINDICATO DA INDÚSTRIA DO MILHO, SOJA E SEUS DERIVADOS NO ESTADO DE SÃO PAULO INFORMATIVO Nº 05/2012 DE 11/01/2012 Prezados Senhores, LEGISLAÇÃO RAIS - ANO BASE 2011 PORTARIA Nº 7, DE 3 DE JANEIRO DE 2012 MTE APROVA INSTRUÇÕES PARA A DECLARAÇÃO DA RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Altera dispositivos das Portarias Normativas nº 10, de 30 de abril de 2010, e nº 23, de 10 de novembro de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 30/12/2014 11:50:21 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 22, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014 Altera dispositivos das Portarias Normativas nº 10, de 30 de abril de 2010, e nº 23, de 10 de novembro de

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029334/2013 NÚMERO DO PROCESSO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: DATA DE REGISTRO DA CONVENÇÃO COLETIVA PRINCIPAL: 46261.003131/2012-11

Leia mais

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas

Férias Proporcionais Até 5 faltas 6 a 14 faltas 15 a 23 faltas 24 a 32 faltas FÉRIAS ASPECTOS GERAIS Férias é o período de descanso anual, que deve ser concedido ao empregado após o exercício de atividades por um ano, ou seja, por um período de 12 meses, período este denominado

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ 1. INTRODUÇÃO ADMISSÃO DE EMPREGADOS PROCEDIMENTOS Para cada admissão a empresa deve observar, além dos itens descritos nesta matéria, as normas relativas à Segurança do Trabalho, conforme Portaria MTb

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034439/2012 SINDICATO DOS FARMACEUTICOS DO ESTADO DE M GROSSO DO SU, CNPJ n. 15.939.572/0001-08, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

Convenção Coletiva 2014

Convenção Coletiva 2014 Convenção Coletiva 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 12.512.993/0001-60, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 Convenção Coletiva de Trabalho que entre

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000311/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020828/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.007783/2013-70

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002217/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/10/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053080/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.035134/2010-15 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 5 Imprimir Salvar TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001556/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR076938/2014

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA O FUNDO DE UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações

SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações SEGURO-DESEMPREGO - EMPREGADO DOMÉSTICO - Considerações Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 26/10/2012. Sumário: 1 - Introdução 2 - Seguro-Desemprego 3 - Finalidade 4 - Requisitos 4.1

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000571/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015784/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.005633/2015-54 DATA

Leia mais

Resolução nº 07914. Súmula: Regulamenta os procedimentos de Inscrição, Renovação e Suspensão no Cadastro de Licitantes do Estado/CLE.

Resolução nº 07914. Súmula: Regulamenta os procedimentos de Inscrição, Renovação e Suspensão no Cadastro de Licitantes do Estado/CLE. Resolução nº 07914 Súmula: Regulamenta os procedimentos de Inscrição, Renovação e Suspensão no Cadastro de Licitantes do Estado/CLE. A Secretária de Estado da Administração e da Previdência, no uso das

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 54 - Data 20 de fevereiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: NORMAS GERAIS DE DIREITO TRIBUTÁRIO INDÚSTRIA DE CONFECÇÕES COM

Leia mais

Atualização Trabalhista e Previdenciária

Atualização Trabalhista e Previdenciária Atualização Trabalhista e Previdenciária 1 S U M Á R I O 1 APRENDIZAGEM 3 1.1 Novas Regras que alteram a CLT 3 1.2 Considerações Gerais sobre Contrato de Aprendizagem 4 2 PROGRAMA NACIONAL DO PRIMEIRO

Leia mais

Índice. 1. O que é a RAIS... 2. 1.1. Quem deve declarar... 2. 1.2. Quem deve ser relacionado... 3. 1.3. Quem NÃO deve ser relacionado...

Índice. 1. O que é a RAIS... 2. 1.1. Quem deve declarar... 2. 1.2. Quem deve ser relacionado... 3. 1.3. Quem NÃO deve ser relacionado... Índice 1. O que é a RAIS... 2 1.1. Quem deve declarar... 2 1.2. Quem deve ser relacionado... 3 1.3. Quem NÃO deve ser relacionado... 5 1.4. Como informar a RAIS... 5 1.4.1. Estabelecimentos SEM vínculos

Leia mais

CONSIDERANDO a implantação do Sistema Digital de Consignações e a crescente demanda de averbações de consignações em folha de pagamento;

CONSIDERANDO a implantação do Sistema Digital de Consignações e a crescente demanda de averbações de consignações em folha de pagamento; DECRETO Nº 1843-R, DE 25 DE ABRIL DE 2007. Altera as disposições sobre consignação em folha de pagamento, nos termos do Art. 74 da Lei Complementar nº. 46 de 31 de Janeiro de 1994, e nos termos das Alíneas

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L

Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L Art. 260. Os contribuintes poderão efetuar doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente nacional, distrital, estaduais

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029594/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 21/05/2015 ÀS 15:50 SINDICATO DOS EMP NO COM DE CONSELHEIRO LAFAIETE, CNPJ n. 19.721.463/0001-70,

Leia mais

DECRETO Nº 3.008, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2010.

DECRETO Nº 3.008, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2010. DECRETO Nº 3.008, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2010. Disciplina as consignações em folha de pagamento no âmbito da Administração Pública Direta, Autárquica e Fundacional do Poder Executivo do Estado de Mato Grosso.

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS. CRECI 2ª Região DEFINE A OBRIGATORIEDADE DE RECOLHIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL

CONSELHO REGIONAL DE CORRETORES DE IMÓVEIS. CRECI 2ª Região DEFINE A OBRIGATORIEDADE DE RECOLHIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL DEFINE A OBRIGATORIEDADE DE RECOLHIMENTO DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL Ilmo. Sr. IGNÁCIO CARLOS ARMESTO (45.791) Av. Brigadeiro Faria Lima n 2.152-10 - Conj. B 01452-002 - São Paulo - SP PARECER Nº 029.P.2002

Leia mais

INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE O SEGURO DESEMPREGO

INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE O SEGURO DESEMPREGO INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE O SEGURO DESEMPREGO Benefício temporário concedido ao trabalhador desempregado dispensado sem justa causa é composto por 3 a 5 parcelas mensais, pagas em dinheiro, de valores

Leia mais

Sumário. www.coad.com.br PREVIDÊNCIA SOCIAL TRABALHO

Sumário. www.coad.com.br PREVIDÊNCIA SOCIAL TRABALHO ÚLTIMO DIÁRIO PESQUISADO 29/02/2008 Fascículo Semanal nº 09 Ano XLII 2008 FECHAMENTO: 29/02/2008 EXPEDIÇÃO: 02/03/2008 PÁGINAS: 090/081 Sumário TRABALHO CONTRIBUIÇÃO SINDICAL Empregados Orientação...089

Leia mais

Salário e Remuneração. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Salário e Remuneração. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Salário e Remuneração Salário Salário é o pagamento que empregador realiza ao empregado tendo em vista o contrato de trabalho. É a contraprestação direta pela prestação do serviço. Não são considerados

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências

INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências INSS/FGTS/IRRF - TABELA DE INCIDÊNCIAS Tabela de incidências Evento Descrição INSS FGTS IRRF Abonos de qualquer natureza Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho -

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela

DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO 1ª Parcela Sumário 1. Introdução 2. Quem Tem Direito 3. Valor a Ser Pago 3.1 - Empregados Admitidos Até 17 de Janeiro 3.2 - Empregados Admitidos Após 17 de Janeiro 3.3 - Empregados

Leia mais

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40.

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40. Vitória/ES, 23 de fevereiro de 2013. ORIENTAÇÕES PARA DECLARAÇÃO DO IRPF 2013 A partir do dia 1º março a Receita Federal começa a receber a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física.

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AM000540/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR066158/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46202.016710/2014-90 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 EMPREGADOS EM SOCIEDADES DE FOMENTO MERCANTIL - FACTORING 1 - BENEFICIÁRIOS São beneficiários do presente instrumento todos os empregados em Sociedades de Fomento

Leia mais

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º. 13º Salário - Gratificação Natalina. Adiantamento do 13º Salário nas férias 1 TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A SEGUNDA PARCELA DO 13º - Gratificação Natalina A Gratificação de Natal, popularmente conhecida como, foi instituída pela Lei 4.090, de 13/07/1962, regulamentada pelo Decreto

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N.º 229/1999

RESOLUÇÃO CFN N.º 229/1999 RESOLUÇÃO CFN N.º 229/1999 DISPÕE SOBRE O REGISTRO E CADASTRO DE PESSOAS JURÍDICAS NOS CONSELHOS REGIONAIS DE NUTRICIONISTAS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Conselho Federal de Nutricionistas (CFN), no uso

Leia mais

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS

INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS INSS/FGTS/IRRF TABELA DE INCIDÊNCIAS Abonos de qualquer natureza Evento Descrição INSS FGTS IRRF Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença Laboral Acidente de Trabalho - Típico - Trajeto - Doença

Leia mais

Tabela - Portaria MTE nº 290/97 1 - Tabela das Multas Administrativas de Valor Fixo (em UFIR)

Tabela - Portaria MTE nº 290/97 1 - Tabela das Multas Administrativas de Valor Fixo (em UFIR) Tabela - Portaria MTE nº 290/97 1 - Tabela das Multas Administrativas de Valor Fixo (em UFIR) Natureza Infração Base legal Quantidade Observações Obrigatoriedade_da_CTPS CLT art. 13 CLT art. 55 378,2847

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 Termo de CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si fazem, o Sindicato dos Empregados em Edifícios e em Empresas de Compra, Venda Locação e Administração de Imóveis

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS

CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM A PEC DAS DOMÉSTICAS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DO EMPREGADOR DOMÉSTICO = MENOS DEMISSÕES E MAIS FORMALIDADE Dê seu voto em www.domesticalegal.org.br CARTILHA PARA EMPREGADORES E TRABALHADORES DIREITOS E DEVERES COM

Leia mais

ADITAMENTO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2 0 0 4 / 2 0 0 6 INDAIATUBA

ADITAMENTO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2 0 0 4 / 2 0 0 6 INDAIATUBA ADITAMENTO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2 0 0 4 / 2 0 0 6 INDAIATUBA Por este instrumento, e na melhor forma de direito, de um lado, como representante da categoria profissional, o SINDICATO DOS

Leia mais

SINDPD/SC SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE PROCESSAMENTO DE DADOS DE SANTA CATARINA.

SINDPD/SC SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE PROCESSAMENTO DE DADOS DE SANTA CATARINA. PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2012/2013 GRUPO I CLÁUSULAS ECONÔMICAS CLÁUSULA 1 ª. REAJUSTE SALARIAL Em 01.08.2012, os salários dos trabalhadores serão reajustados em 100% (cem por cento) do Índice do Custo

Leia mais