Anchor initiatives event

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anchor initiatives event"

Transcrição

1 Lisbon and Tagus Valley Region Cluster Anchor initiatives event 6 th March 2015 EMEL Robert Stussi Claudio Casimiro

2 4 DOROTHY Regions 2

3 DOROTHY Partners Media Partner 3

4 Agenda (morning) De senvolvim ento de Iniciativas Âncora trabalho desenvolvida em grupos com representantes de diferentes stakeholders/ m embros do cluster 09h00 Rec eção + c afé + Netw orking Facilitadores 09h30 11h 00 11h30 13h30 Iniciativa B Harm onizaç ão e regulam entação d a log ístic a no esp aç o púb lic o urbano Coffee b reak Iniciativa C Ec o- Zonas e Log ístic a Urbana Dem o d o p ortal d o One.Stop.Transp ort Alm oç o EM EL, AGENEAL, CCDR- LVT, PE IPN, EM EL IPN 4

5 Agenda (afternoon) 13h30 14h45 16h00 Alm oç o Iniciativa D Soluç ões d e c onsolid aç ão log ístic a em c id ad es Iniciativa F c ross c utting - Investig ação & Form aç ão M onitorizaç ão Dissem inaç ão Regulatç ão & Harm onizaç ão Coffee b reak Logistema, EM EL IST, PE, LOGISTEM A 16 h15 Iniciativa E M ic ro log ístic a urbana AGENEAL, PE, IST 17h30 Retroac ção d as inic iativas Desenvolvim entos futuros d as inic iativas ânc ora 5

6 Lisbon and Tagus Valley Cluster Programme 1st semester 2015

7 Lisbon and Tagus Valley Cluster programme 1 st semester 2015 CLUSTER LEVEL ACTION S CLUSTER IN ITIATIVE LEVEL cluster foundation 40 m em bers + 23 expectative 2 nd Cluster m eeting Decem ber 5 th 2014 presentation and discussion of 5 anchor initiatives reporting on initiatives cluster governance m arketplace of m em bers presentation of cluster + initiatives LVT partner m eeting (PT11) M arch 6 th LVT partner m eeting (PT12) m id M arch 3 rd Cluster m eeting end of M arch th Cluster m eeting early July 2015 (public) consolidation of initiative and sub initiative form s (February 13 th ) dissem ination of form s registering for sessions anchor initiative m eetings February (until M arch 6 th ) consolidation / evaluation of initiatives definition of pilots + candidacies 7

8 Lisbon and Tagus Valley Cluster Cluster situation and activities

9 Anchor Cluster Initiatives - process on cluster level distribution of documents on cluster and initiatives search for additional cluster members Cross evaluation of initiatives (Economic Environment + Energy Social Urban) 9

10 Lisbon and Tagus Valley Cluster process on cluster level 3 rd cluster meeting for consolidation - governance feedback on initiatives marketplace ( feira dos sócios ) what do the initiatives need from the cluster and viceversa 10

11 Lisbon and Tagus Valley Cluster process on cluster level 4th cluster meeting (public) presentation of cluster initiatives (1st week of July) with the participation of the 3 other DOROTHY regions 11

12 Cluster Foundation 5 th December

13 Cluster Foundation 5 th December

14 Cluster Foundation 5 th December

15 Cluster Foundation 5 th December 2014 Mayor Torres Vedras 15

16 Cluster Foundation 5 th December 2014 Gustavo Paulo Duarte (operator) 16

17 Cluster Foundation 5 th December 2014 Ricardo Félix Logistema DOROTHY partner 17

18 LVT Urban Logistics Cluster at a Glance 41 confirmed + 20 expectant members Percentages concern the 41 confirmed members 39% 21% 30% 5% 5% Business Implementation Comunity Public University and R&D

19 Business - Operators

20 Business - Operators

21 Business ICT Companies

22 Implementation (Agencies, Consultancies, etc)

23 Public Entities (national, regional and local)

24 Public Entities (national, regional and local)

25 Community

26 R&D Universities

27 TICE.pt

28 Lisbon and Tagus Valley Cluster Anchor Initiatives : situation and activities 28

29 Organisation of focus groups (2013) and workshops LVT 1 st Cluster Booster Event Lisbon, July

30 Cluster Initiatives subscription to anchor initiative sessions LVT 2nd Cluster Booster Event Lisbon, 5 th December

31 Cluster Initiatives anchor initiative parallel sessions 31

32 Anchor Cluster Initiatives leaders / supporters from the LVT partners LVT Cluster Anchor INITIATIVES Responsible Initiative Initiative LOGISTEMA IST EMEL AGENEAL CCDR-LVT PE IPN EMEL Logistema EMEL AGENEAL PE IST IST PE LOGISTEMA A B C D E F cross cutting 'ITS solutions applied to Urban Logistics' (New business models and optimization of operators) 'Planning, harmonisation and regulation of logistics in urban public space' Eco Zones and Urban Logistics' (intelligent navigation or management of detectors by space charge places) 'Consolidation Solutions of logistics in cities' (eg. the collection of points associated with the tourism sector) 'Micro urban logistics' (eg. office bikes, tricycles and scooters) Research & Training Efficiency & Monitoring Dissemination & Exploitation Regulations & Harmonisation

33 Anchor Cluster Initiatives initiative forms: Objectives Context Description Stakeholders/ initiative members Phases Outputs Budget + Financing Bases for Pilot Projects or H2020 candidacies Action plan Evaluation (economic environment + energy Social Urban) 33

34 Anchor Cluster Initiatives transversal initiative Efficiency & Monitoring Research &Training Dissemination & Exploitation Regulations & Harmonisation 34

35 Anchor Cluster Initiatives additional initiatives + other (anchor) initiatives proposed by stakeholders or imported from other DOROTHY regions 35

36 Anchor Cluster Initiatives adherence of stakeholders online registration for proposed Anchor Initiatives A B C D E multiple registration possible Propsal for new Initiatives A1 B3 F G Y 36

37 Anchor Cluster Initiatives - process on initiative level Google Drive sharepoint for of cluster and initiative members/ contacts documents / cluster forms presentations > in edible form for feedback 37

38 Anchor Cluster Initiatives - process on initiative level online gooole drive for subscription/ modification of participation in initiatives registering for cluster and initiative meetings Doodle for fixing dates of initiative meetings 38

39 Anchor Cluster Initiatives - process on initiative level process of defining initiative s leadership and necessary support from the cluster (management) search for additional stakeholder adherence to initiatives 39

40 Lisbon and Tagus Valley Cluster Anchor Initiatives : 5 Workshops 40

41 Anchor Cluster Initiatives - registration for workshops (90 min each) 41

42 Lisbon and Tagus Valley Cluster upcoming events 42

43 NECTAR workshop on Logistics Vilamoura - Algarve April The DTEA - Transportes, Energia e Ambiente (IDMEC- IST) and Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) are honored to host the workshop on "City Logistics and Freight Transport". The meeting will be dealing with the topic of "Sustainable freight transport - are cities willing and ready for the recent advances in transport technologies?" 43

44 Logical Town Association international conference LUCCA (IT) April

45 Urban Analytics conference Accelerating the development of smart cities in Portugal Directorate General for the Territory + CCDR-LVT Lisbon 22 nd April 2015 Participation in Round Table (Robert Stussi) 45

46 FREVUE (FP7) urban logistics partner event in Lisbon May 14 th 2015 DOROTHY and several other EU logistics projects present 46

47 3 rd E-MOBILITY STAKEHOLDER FORUM Brussels February 27 th + 28th 2015 FREVUE Freight Electric Vehicles in Urban Europe Matthew Noon, Project Coordinator

48 City + Policy Cross River Partnership (Co-ordinator) City of Amsterdam City of Lisbon City of Madrid City of Milan Co-ordination and Dissemination Logistics Hyer Polis Research Imperial College London TNO (NL) SINTEF (NO) ICT Partners City of Oslo City of Rotterdam City of Stockholm Swedish Transport Adm. EMEL Transport for London Vehicle Manufacturers Grid Operators

49 Initiative event 6 th March

50 Initiative event 6 th March entities 40 persons 14 partner members 50

51 Initiative event 6 th March

52 Initiative event 6 th March

53 Initiative event 6 th March 2015 welcome Oscar Rodrigues EMEL director 53

54 Initiative event 6 th March 2015 Pedro Machado Lisbon Council 54

55 Initiative event 6 th March 2015 Sandra Melo Nectar conference co chair 55

56 Initiative B Harmonização e regulamentação da logística no espaço público urbano 56

57 Initiative B Harmonização e regulamentação da logística no espaço público urbano 57

58 Initiative C Eco- Zonas e Logística Urbana 58

59 Demo do portal do One.Stop.Transport 59

60 Initiative event 6 th March

61 Initiative D Soluções de consolidação logística em cidades 61

62 Initiative D Soluções de consolidação logística em cidades 62

63 Initiative event 6 th March

64 Initiative F 'Micro urban logistics' 64

65 Initiative F 'Micro urban logistics' 65

66 Initiative F cross cutting Research & Training Efficiency & Monitoring Dissemination & Exploitation Regulations & Harmonisation 66

67 Initiative event Event logistics 67

68 DOROTHY Partners Media Partner 68

69 Lisbon and Tagus Valley Cluster appendix PPT 5 Anchor Initiative Presentations 69

70 B Iniciativas Âncora Planeamento, harmonização e regulamentação da logística no espaço público urbano Nuno Sardinha (EMEL) João Ribeiro (EMEL) Tiago Cruz (CML) 70

71 Iniciativa B - Harmonização e regulamentação da logística no espaço público urbano A iniciativa pretende elaborar um plano de acção em termos do planeamento, harmonização e regulamentação da logística urbana no espaço público urbano, com vista à melhoria do transporte urbano de mercadorias e à sua adequada inclusão no meio urbano. 71

72 Enquadramento A cidade de Lisboa está a desenvolver um documento de trabalho com as directrizes para a mobilidade e acessibilidade urbana, garantindo eficiência, sustentabilidade, inclusão, maximizando a qualidade de vida da população residente e visitante. 72

73 Lisboa - Logística Urbana Lisboa gera um significativo movimento de deslocações no sector da logística urbana Adoptar medidas de gestão rápidas e eficazes, com vista à optimização do espaço de estacionamento de cargas e descargas Adequar a regulamentação à cidade e respectivos perfis logísticos Como? Revisão Regulamento Estacionamento da Cidade de Lisboa 73

74 Plano Acção (1/2) Constituição de um Freight Quality Partnerships (FQP) (Autoridades Locais + Operadores Logísticos + Comerciantes) Desenvolver uma compreensão das questões e problemas relacionados com a logística urbana e promover soluções construtivas, conciliado a necessidade de ter acesso a bens e serviços com as preocupações locais e ambientais. 74

75 Plano Acção (2/2) Grupo de Trabalho (FQP) para elaborar proposta com alterações ao Regulamento de Estacionamento da Cidade de Lisboa Cargas e Descargas; Preparação de Documento de Trabalho conjunto; Apresentação de Proposta de Alterações, junto da CML - DMMT, por parte da EMEL Direcção de Mobilidade e Transportes + Gestão Operacional de Estacionamento 75

76 Regulamentação Existente 76 Onde se enquadram os novos meios tecnológicos? Como dimensionar a oferta de lugares reservados a C/D? Como financiar a intervenção física sobre as bolsas? Como fiscalizar?

77 Diagnóstico Actual (1/2) Lugares reservados a cargas e descargas: 625 nas zonas exploradas pela EMEL (cerca de 1,3%); 1750 no total da cidade de Lisboa. 77

78 Diagnóstico Actual (2/2) Será o nº de lugares de cargas e descargas e a sua distribuição adequados à actividade económica da cidade??? 78

79 Planeamento Caracterização do Perfil Logístico: Zona Baixa Lisboa Necessidades dos agentes Perfil Logístico 79 Características do meio urbano Características da mercadoria/serviço

80 Sinalização (1/2) Necessidade de uniformizar a sinalização em toda a cidade: EMEL sinalização de informação que delimita as bolsas destinadas a estas operações; Restante Cidade sinalização de proibição com excepções descritas em painel adicional. Manutenção periódica das marcas rodoviárias: Exemplo da experiência na Av. Guerra Junqueiro. 80

81 Sinalização (2/2) Exemplos de outras cidades europeias: Londres (R.U.) 81

82 Adequação Horária Alteração de horários afectos às operações de carga e descarga: Diferenciar os horários por zona; Considerar os diferentes tipos de actividade logística; Considerar diferentes janelas horárias para diferentes veículos (Ex: entregas nocturnas, tentar minimizar entregas em horas de ponta período de maior volume de tráfego individual); Incentivar à optimização da carga/ veículo. 82

83 Meios Tecnológicos Avaliação de meios tecnológicos para a gestão e fiscalização: Implementação de sensores dos lugares? Aplicação de fiscalização com acesso às ocupações autorizadas/ não autorizadas em tempo real? Aplicação direccionada para o utilizador? 83

84 Nuno Sardinha EMEL - Direcção Mobilidade e Transportes João Ribeiro EMEL - Gestão Operacional de Estacionamento 84 Tiago Cruz CML - Direcção Municipal de Mobilidade e Transportes

85 C Iniciativas Âncora Eco- Zonas e Logística Urbana Gouveia Leal Nuno Sardinha 85

86 Sistema de gestão de rotas e apoio à navegação Objetivo Desenvolvimento de uma solução de software e hardware para gestão de rotas e apoio à navegação, suportado por um GIS e com recurso a informação de disponibilidade de locais de carga e descarga. 86

87 Proposta Pretende-se desenvolver uma solução que disponibilize, num ambiente web, smartphone ou PDA, um algoritmo de apoio à navegação orientada para a distribuição de mercadorias; A aplicação poderá receber uma lista de cargas/descargas com um prioridade já definida, e otimizar o processo de deslocação para os destinos, explorando formas de aumentar a eficiência ao nível na navegação; Deve ter acesso a informação dos locais de carga/descarga e sua ocupação, numa área a pedido ou na zona onde o veículo se encontra; Deve ser garantida a disponibilização de dados sobre mobilidade, tráfego e outras informações úteis à navegação; Saber quantos veículos estão em circulação de cada operador e em que locais. 87

88 Resultados da última reunião Os transportadores já utilizam optimizadores de rotas, mas necessitam de informação em tempo real relativamente às vias, como o trafego, as intervenções nas vias, constrangimentos, etc; É importante ter informação sobre intervenções/obras previstas nas vias ou outros constrangimentos de circulação, nomeadamente receção ao caloiro, festas de estudantes, manifestações, greves, etc; Existem várias fontes de informação que podem ser utilizada, por exemplo em Lisboa já existem cerca de 130 contadores de tráfego, Porto também já tem este tipo de informação, em Fátima este tipo de sistema também está a ser implementado; A Carris tem um sistema de gestão de frota com a geolocalização dos autocarros em tempo real que podem servir de sensores de tráfego. 88

89 Resultados da última reunião 89 Outra possível fonte informação que interessa aos operadores, são os dados meteorológicos, porque se está a chover as tarefas são mais complexas e normalmente existe mais trânsito e acidentes. Todos os parceiros mostraram interesse em participar na medida; Os transportadores consideram que esta medida, desde que disponível em dispositivos móveis, terá um grande impacto, uma vez que permite a redução de custos com uma melhor otimização de recursos; Foi referido que devia existir uma única plataforma com toda a informação útil, locais de cargas/descargas, veículos em circulação e onde, obras, etc ; A GMV, a Elegedata e a Ubiwhere informaram ter competências na área; Considera-se muito importante o envolvimento de entidades reguladoras

90 Evoluções e contribuições recebidas Não foram recebidos contributos; Foram feitos contactos com a CM Lisboa e CM Almada para avaliar do interesse na ação. 90

91 Demo de planeador de rotas para distribuição logística Foi desenvolvida uma demo com algumas das funcionalidades de planeador de rotas para veículos de distribuição logística, acessível do link disponível no site do projeto: O link acede à plataforma de mobilidade One Stop Transport (OST), onde pode ser instalada esta demo, na área de catálogo de aplicações; 91

92 Demo de planeador de rotas para distribuição logística Esta demo pretende ser apenas uma prova de conceito para melhor especificar uma proposta de projeto, pelo que possui apenas algumas funções mais importantes; Funciona num dispositivo com GPS e permite otimizar a deslocação do local onde o veículo se encontra para um dos locais de carga/descarga da zona de Lisboa, que foram georreferenciados; Para além disso, possibilita que se indique o tipo de veículo usado e calcular a rota adequada ao veículo usado, pois tem as vias classificadas de acordo com o regulamento de logística; A demo pode ser acedida diretamente através do link abaixo e está disponível no site do projeto um manual de apoio ao utilizador. https://www.ost.pt/app/dorothy 92

93 Possiveis financiamentos Foram identificados 3 formas de financiamento: compra e venda de informação; os transportadores demonstraram disponibilidade em financiar este tipo de medidas uma vez que irão trazer proveitos; fundos estruturais. 93

94 Objetivo desta reunião Validar a informação recolhida na última reunião e de eventuais contribuições recebidas; Recolher mais contribuição na reunião; Definir próximos passos. 94

95 Sistema de gestão de zonas de carga e descarga Objetivo Criação de uma plataforma GIS para gestão das zonas de carga e descarga, que permita a disponibilização da informação associada a estas zonas como: Tipo/classificação de zona; Regras; Taxas; Estado da ocupação. 95

96 Proposta Propõe-se o desenvolvimento de uma solução suportada por um GIS, que tenha representada os locais de carga e descarga e informação da sua ocupação. Deve ser possível disponibilizar aos utentes informação em tempo real da caracterização dos locais de carga/descargas, regras de utilização e ocupação, de modo a permitir a otimização da distribuição. A solução deve ter acesso em tempo real a um sistema de informação sobre a ocupação/disponibilidade dos locais de carga/descarga, ou fazer ele próprio essa gestão. 96

97 Resultados da última reunião A CMTV criou recentemente bolsas de cargas e descargas que estão georreferenciadas e estão disponíveis para fornecer essa informação; Foi sugerido que devia existir uma única plataforma com toda a informação útil, locais de cargas/descargas, veículos em circulação e onde, obras, etc; Os transportadores consideram que esta medida, desde que disponível em dispositivos móveis, terá um grande impacto, uma vez que permite a redução de custos com uma melhor otimização de recursos; Existem dois constrangimentos para esta medida, o primeiro é o facto de muita da informação não existir ou de não estar organizada, o segundo é garantir a confidencialidade da informação de cada operador. 97

98 Resultados da última reunião Foi sugerido que a regulamentação das cargas e descargas devia ser revisto e tentada a sua harmonização; A EMEL já vez um case study com 2 sistemas distintos e a conclusão foi de que o sistema ideal será um híbrido entre os dois, com a colocação de um sensor no chão para detectar se o lugar está ocupado, fizesse a identificação do veículo e fizesse a comunicação ao centro de comando; Em Torres Vedras os lugares de carga e descarga são grátis; Elegedata diz que poderá ter soluções para contabilizar o tempo das viaturas estarem estacionadas nas cargas e descargas; Numa primeira fase deveria ser instalado um piloto para validar o conceito e depois pensar na 2ª fase; Considera-se muito importante o envolvimento de entidades reguladoras. 98

99 Possiveis financiamentos Estar atento a financiamentos direcionados para a redução das emissões de CO2. 99

100 Evoluções e contribuições recebidas Apenas foi recebida uma contribuição da Elegedada. Foram feitos contactos.. 100

101 Objetivo desta reunião Validar a informação recolhida na última reunião e de eventuais contribuições recebidas; Recolher mais contribuição na reunião; Definir próximos passos. 101

102 Gouveia Leal Nuno Sardinha 102

103 D Iniciativas Âncora Novos Serviços Logísticos no Turismo e Comércio Carlos Carvalho (Logistema) Rui Matos (Grupo Rangel) 103

104 Proposta de Inovação Turismo em Logística Urbana Logistema Grupo Rangel Associação de Turismo de Lisboa União das Associações de Comércio e Serviços VASP Acções Realizadas Camisola Amarela Perform Energia TIS Ubiwhere EnergyIn 2 encontros de constituição do grupo de trabalho da iniciativa para debate do conceito e especificação Relatório de descrição da iniciativa e reporte ao projeto Dorothy Novos Membros Aderentes 104

105 Logística Urbana na Experiência de Compra do Turista da Região OBJETIVOS 1. Promover a experiencia de compra dos turistas que visitam a região de Lisboa, tornando mais agradável a visita à cidade e desfrute dos locais de interesse, sem prejuízo da oportunidade de realização de compras no comércio local 2. Facilitar e incrementar o comércio de turismo 3. Assegurar a prestação de serviço com um preço menor que o modelo standard atual e um melhor nível de serviço logístico 4. Permitir a internacionalização da solução logística concebida 5. Contribuir para a implementação de centros de consolidação urbanos viáveis e sustentáveis DESCRIÇÃO Desenvolvimento de um modelo de serviço de logística urbana que facilite o processo de compras dos turistas no comércio tradicional, assegurando a recolha no ponto de venda e entrega ao turista no ponto de alojamento, transporte ou residência. 105

106 Especialização Sector Turístico Promoção da Experiência de Compra Promover e melhorar a experiência de compra Permitir ao turista passear pela cidade sem ter que transportar os produtos adquiridos Do ponto de venda ao ponto de alojamento / transporte 106

107 Orientação Estratégica de Lisboa Cidade do Turismo Aproveitar o potencial turístico da cidade. Uma das regiões europeias mais competitivas no sector turístico. Campanha Lisbon Shopping Destination, reforçando o papel de Lisboa como porta de entrada e acolhimento dos turistas de outros continentes. Protocolar com as Associações de Comerciantes de diversas ruas e áreas comerciais parcerias para promoção das respetivas áreas. 107

108 Orientação Estratégica de Lisboa O domínio prioritário temático do Turismo e Hospitalidade tem por base um dos setores com maior crescimento na região e visa potenciar recursos existentes na região, nomeadamente ao nível da base ecológica ou património natural e histórico. A sua afirmação enquanto domínio prioritário exige uma qualificação da oferta para apostar em novos segmentos. Tem um potencial de estímulo de soluções inovadoras e desenvolvimento de aplicações tecnológicas, explorando as TICE, focadas na melhoria da experiência do turista. Tem ainda um potencial relevante de estímulo para o domínio das indústrias culturais. 108

109 Resultados e Dimensão Turismo e Comércio - Lisboa Camas Hotelaria Dormidas 11,5 Milhões Visitantes Cruzeiros Retalhistas

110 Turismo e Comércio em Lisboa 110

111 Turismo e Comércio em Lisboa 111

112 Proposta de Inovação Turismo em Logística Urbana Liderança Camaras Municipais Aeroporto Lisboa Terminal Cruzeiros Companhias Aéreas Cruzeiros Operadores Turísticos Hotelaria & Restauração Comércio Resultados + Notoriedade + Reconhecimento + Frequência + Economia + Frequência + Economia + Voos + Potencial + Cruzeiros + Potencial + Potencial + Viagens/Estadias + Estadias + Refeições + Actividade + Sustentabilidade 112

113 Proposta de Inovação Turismo em Logística Urbana Partes Interessadas Oferta Procura Resultados Camaras Municipais Atendimento + Notoriedade + Reconhecimento Aeroporto Lisboa Pessoas Serviços + Frequência + Economia Terminal Cruzeiros + Frequência + Economia Companhias Aéreas Cruzeiros Projetos Iniciativa Inovação Estratégia Processos Preço www Encomenda Cliente Turista + Voos + Potencial + Cruzeiros + Potencial Operadores Turísticos Hotelaria & Restauração Recursos e Parcerias Pagamento + Potencial + Viagens/Estadias + Estadias + Refeições Comércio Qualidade + Actividade + Sustentabilidade 113

114 Proposta de Inovação Turismo em Logística Urbana Partes Interessadas Camaras Municipais Aeroporto Lisboa Oferta Pessoas Renovação Experiência Memorável Lisboa Atendimento Serviços Procura Resultados + Notoriedade + Reconhecimento + Frequência + Economia Terminal Cruzeiros + Frequência + Economia Companhias Aéreas Cruzeiros Projetos Iniciativa Inovação Estratégia Experiência Memorável rocessos Lisboa Preço www Encomenda Cliente Turista + Voos + Potencial + Cruzeiros + Potencial Operadores Turísticos Hotelaria & Restauração Recursos e Parcerias Lembrança Pagamento + Potencial + Viagens/Estadias + Estadias + Refeições Comércio??? Qualidade + Actividade + Sustentabilidade 114

115 Proposta de Inovação Turismo em Logística Urbana Partes Interessadas Camaras Municipais Promoção Resultados + Notoriedade + Reconhecimento Aeroporto Lisboa Terminal Cruzeiros Cruzeiro Partida Turista Chegada Turista + Frequência + Economia + Frequência + Economia Companhias Aéreas Cruzeiros Operadores Turísticos Hotelaria & Restauração Outro Destino Aérea Hotel Entrega Terrestre Processos Compra Loja Cliente Turista + Voos + Potencial + Cruzeiros + Potencial + Potencial + Viagens/Estadias + Estadias + Refeições Comércio Marítima Ligação Bicicleta Recolha Ponto Recolha Hotel + Actividade + Sustentabilidade 115 Viatura Elétrica Outra viatura

116 Proposta de Inovação Turismo em Logística Urbana Sistema Logístico Prestadores de Serviços Integrados de Transporte e Logística Plataforma Tecnológica de Integração 116

117 Proposta de Inovação Turismo com Soluções Logísticas Globais Operador Logístico Global Atividade Aduaneira Transporte Marítimo Transporte Rodoviário Europeu Distribuição Expresso Nacional Transporte Aéreo Logística Contratual Expresso Internacional Fine Arts & Exhibitions 117

118 Soluções Logísticas Globais Amigas do Ambiente Utilização de meios de mobilidade urbana sustentável Veículos compatíveis com circulação em locais de elevado interesse turístico e preservação da qualidade do ambiente urbano: Baixo ruido Sem emissão de poluentes atmosféricos Meios suaves de reduzido impacto na paisagem 118

119 Projecto-Piloto Financiamento à Inovação Projecto-Piloto (potencial localização): Baixa de Lisboa Financiamento Portugal 2020 Ações Integradas de Desenvolvimento Urbano Sustentável (AIDUS) Objectivos Temáticos Competitividade e Internacionalização Lisboa 2020 Inovação Horizon 2020 Outras fontes 119

120 Proposta de Inovação Turismo em Logística Urbana Próximos passos Debate Especificação de projeto piloto em Lisboa Mobilização de parceiros para participação no projeto piloto Análise e preparação de candidatura a programa de financiamento 120

121 Carlos Carvalho - LOGISTEMA

122 E Iniciativas Âncora Micrologística urbana - cargo bikes, scooters, triciclos, trolleys, e-veículo João Cleto / Pedro Gomes - AGENEAL Cláudio Casimiro / Robert Stussi Perform Energia 122

123 Micrologística urbana Operação último quilómetro Caso específico dos modos suaves Potencial de introdução de veículos elétricos (e-bikes) Distribuição de pequenos volumes sem impactes ambientais Articulação com os sistemas de bike-sharing existentes nas cidades 123

124 Micrologística urbana 124

125 Utilização de modos suaves em micrologística Vantagens ambientais Acesso a locais fechados ao trânsito Rapidez em malha urbana densa Menor dependência de fluidez do trânsito Possibilidade de funcionamento em rede/complementar com outras soluções Melhorar utilização de espaço público, libertar áreas de estacionamento, promover coexistência de utentes Complementaridade com pick-up points turismo - Iniciativa D 125

126 Exemplos da Utilização de modos suaves em micrologística Cargo-Bikes Bremen Copenhaga 126

127 Exemplos da Utilização de modos suaves em micrologística Cargo-Bikes Nos Municípios Transporte de correio interno Serviços de manutenção municipal (Jardins, RSU, ) Apoio aos comerciantes e entidades locais (ex. Distribuição de comida ao domicílio, apoio domiciliário,.) Subcontratação do Serviço Aquisição dos veículos 127 Exs. Cidade de Bremen adquiriu 34 e-cargo bikes que aluga a comerciantes locais. Copenhaga utiliza 20 e-cargo bikes para limpeza urbana

128 Caso de Estudo: Almada consumo de energia por sector Matriz Energética 2012 ~ tep (5,9 x 10 6 GJ) Transports Transportes Residential Residencial Serviços Industry Indústria 27% (2001, 43%) 26% 21 % 24% 128

129 Caso de Estudo: Almada Um desafio Manter a atractividade e qualidade de vida nas cidades, apesar do congestionamento e da poluição com origem no tráfego rodoviário, em particular com origem nas operações logísticas 129

130 Plano Estratégico de Mobilidade Urbana de Almada, PUMA Princípios e documentos orientadores 130 Orientações do Pacote da Mobilidade, IMT Orientações técnicas para elaboração de SUMPs, CE Princípios e Objectivos da Estratégia Local para a Mobilidade Sustentável, Município de Almada + Articulação com outros/anteriores estudos e projectos (Plano Acessibilidades 21, Plano Almada Ciclável, Plano de Mobilidade Elétrica, Projectos Europeus, PMOTs )

131 Plano Estratégico de Mobilidade Urbana de Almada, PUMA Resultados esperados Identificar soluções que confiram ao sistema de mobilidade de Almada as respostas mais adequadas às necessidades locais Aspectos a salvaguardar: eficiência energética, ambiental e económica; equidade; universalidade no acesso à mobilidade; e acessibilidade às múltiplas funções do território 131

132 Plano Estratégico de Mobilidade Urbana de Almada, PUMA 132 Domínios de intervenção do PUMA Rede e Serviços de Transporte Público, com estudo das funções da CMA enquanto autoridade local de transportes (Projecto europeu EPTA) Modos de Transporte Suaves: Plano Almada Ciclável Rede viária, circulação e estacionamento Plano de Logística Urbana Sustentável de Almada: - Projeto europeu ENCLOSE - Projeto europeu DOROTHY

133 Qual papel das entidades públicas na Logística Urbana a nível europeu? Estabelecer regulamentos e regras de operação Estudar e definir acessos, emitir autorizações, gerir espaços, etc. Acesso/autorização por tipo de produto/dia/hora Tipo e duração do acesso/autorização (longo prazo, mensal, ocasional, etc.) Promover iniciativas para a melhoria dos processos de logística urbana Optimizar processos logísticos e estudar novas soluções Incentivar o uso de tecnologias de apoio ao processo 133

134 Quais os objectivos do Plano de Logística Urbana Sustentável de Almada? Identificar medidas e propostas para melhorar a eficiência do sistema de logística urbana de Almada e o seu desempenho energético e ambiental Estudar soluções e medidas com aplicabilidade e possibilidade de concretizar em territórios urbanos de média dimensão, como o de Almada 134

135 Plano de Logística Urbana Sustentável de Almada Estrutura: 1. Caracterização do sistema de mobilidade e transportes de Almada (definição de área de estudo) 2. Caracterização do sistema de logística urbana de Almada 3. Identificação de medidas/serviços logísticos 4. Avaliação económica 135

136 Sistema de Logística Urbana em Almada Breve caracterização Regulamento Municipal para cargas/descargas (em revisão) Locais de carga/descarga assinalados no pavimento e sinalizados de acordo com CE Horários para carga/descarga (Regulamento) Tempo máximo de permanência: 15 minutos 136

137 Sistema de Logística Urbana em Almada Ineficiências/problemas identificados Operadores: maioria desconhece o Regulamento Reduzido número de lugares para cargas/descargas Deficiente sinalização dos lugares carga/descarga Ocupação abusiva dos espaços por veículos privados: fiscalização ineficiente 137

138 Sistema de Logística Urbana em Almada Ineficiências/problemas identificados Auto-abastecimento desregrado Camiões que abastecem supermercados: ausência de normativo específico potencia conflitos (circulação e estacionamento, outros veículos, peões, etc.) 138

139 Plano de Logística Urbana Sustentável de Almada Medidas/serviços logísticos avaliadas: Integração efectiva e abrangente da logística nos regulamentos de estacionamento de cada zona Definição/Sinalização de Áreas de Cargas/Descarga Adopção de Serviços logísticos Regulação do auto-abastecimento Viaturas partilhadas para cargas/descargas (veículos eléctricos) B2C services (entregas em casa) Park and Buy Pick-up Points 139 Centro de Consolidação Urbana

140 Plano de Logística Urbana Sustentável de Almada Medidas/serviços logísticos em implementação: Áreas de Cargas/Descarga Identificação de novas áreas de carga/descarga em Almada Marcação horizontal diferenciadora 140

141 Plano de Logística Urbana Sustentável de Almada Medidas/serviços logísticos a implementar: Serviços logísticos: Viaturas partilhadas para cargas/descargas (veículos eléctricos) Solução para zonas urbanas sensíveis/pedonais (ex.: Rua Cândido dos Reis) Veículos de utilização partilhada Gestão da utilização/manutenção: a definir diferentes modelos 141

142 Plano de Logística Urbana Sustentável de Almada Medidas/serviços Medidas/serviços logísticos logísticos avaliadas: a implementar: Veículos eléctricos: algumas vantagens Silêncio e ausência de emissões no local Eficiência energética e carbónica mais elevada do que nos motores de combustão interna a gasolina e gasóleo Custos energéticos mais reduzidos A tracção eléctrica está contemplada nas estratégias locais para a mobilidade sustentável e alterações climáticas Imagem positiva 142

143 Plano de Logística Urbana Sustentável de Almada Medidas/serviços logísticos avaliadas: Caso Estudo: Mercado de Almada Importante superfície comercial de Almada: alimentos frescos Localização central e acessível Horário de Funcionamento: 7 às 13h 143

144 Plano de Logística Urbana Sustentável de Almada 144 Medidas/serviços logísticos avaliadas: Caso Estudo: Mercado de Almada Estacionamento desordenado viaturas dos vendedores (utilizadas como armazém) Dificuldade de estacionamento (clientes) Dificuldades de acesso (TP, automóvel ou a pé) Congestionamento à passagem pelo local

145 Plano de Logística Urbana Sustentável de Almada Medidas/serviços logísticos avaliadas: Caso Estudo: Mercado de Almada Definir e aplicar período de estacionamento para carga/descarga para os veículos vendedores Estacionamento viaturas dos vendedores no Parque Afonso Henriques Utilização de pequenos veículos eléctricos para assegurar transporte para o mercado Mercado Parque Afonso Henriques 145

146 Plano de Logística Urbana Sustentável de Almada Medidas/serviços logísticos avaliadas: Regras possíveis: Após as 7:00 cargas/descargas limitado a 30 minutos no máximo (45 minutos para carros particulares); Após as 8:00 cargas/descargas limitado a 15 minutos no máximo (45 minutos para carros particulares); Após as 14:00 o estacionamento é novamente autorizado para camionetas; Os lojistas podem estacionar os seus veículos gratuitamente dentro do parque de estacionamento Afonso Henriques, a cerca de 120 metros; Disponíveis um ou mais trolleys elétricos (ou manuais), com uma capacidade de carga de 500 kg, para os lojistas do mercado, gratuitamente 146

147 Plano de Logística Urbana Sustentável de Almada Medidas/serviços logísticos avaliadas: Vantagens Melhoria da mobilidade e da acessibilidade ao local Mais estacionamento disponível para vendedores, fornecedores e clientes Melhoria da vivência e da qualidade da zona envolvente 147

148 Plano de Logística Urbana Sustentável de Almada Medidas/serviços logísticos avaliadas: Custos e restrições Parque de estacionamento sobrelotado, prejudicando a operação do serviço FLEXIBUS; Oposição dos comerciantes às novas medidas (mesmo que com impacte positivo no negócio) necessário forte envolvimento dos stakeholders, para garantir o máximo consenso; 148 Investimento nos trolleys elétricos, com um custo até

149 Modelos de negócio Articulação com sistemas de bike sharing Valor acrescentado de entregas em locais não acessíveis aos meios normais; Possibilidade de investimento por autoridades locais em conjugação com criação de novas zonas pedonais, acesso reservado, etc Interação com outros circuitos comerciais (p.e. comércio tradicional); Atratividade de um modelo de distribuição amigo do ambiente com valor acrescentado; Sinergias com operadores já existentes necessidade de uniformização de serviços de tracking para facilitar subcontratação e aumentar segurança no transporte e entrega 149

150 Fontes de Financiamento (P2020) Instrumentos financeiros 150 Programa Operacional (POR) de Lisboa Eixos Prioritários (EP), sendo o EP3 Apoiar a transição para uma economia com baixas emissões de carbono em todos os sectores O EP3 tem 3 Prioridades de Investimento 4e A promoção de estratégias de baixo teor de carbono para todos os tipos de territórios ( ) incluindo a promoção de mobilidade urbana multimodal sustentável e medidas de adaptação relevantes para a atenuação

151 Fontes de Financiamento (P2020) Instrumentos financeiros Ações da Prioridade de Investimento 4e Planos municipais ou intermunicipais de mobilidade sustentável; Apoios à promoção da mobilidade urbana multimodal sustentável e uso dos transportes públicos; Apoio a investimentos nos modos suaves de deslocação; 151

152 Fontes de Financiamento (P2020) Instrumentos financeiros 152 Programa Operacional da Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR) Eixos Prioritários (EP), sendo o EP3 Proteger o ambiente e promover a eficiência dos recursos O EP3 tem 5 Prioridades de Investimento 4v - A promoção de estratégias de baixo teor de carbono para todos os tipos de territórios ( ) incluindo a promoção de mobilidade urbana multimodal sustentável e medidas de adaptação relevantes para a atenuação

153 Fontes de Financiamento (P2020) OUTROS PROGRAMAS COMUNITÁRIOS: Programa-Quadro de Investigação e inovação para o período Horizonte 2020 Programa para a Competitividade das Empresas e das Pequenas e Médias Empresas COSME Programa da União para o Ensino, a Formação, a Juventude e o Desporto ERASMUS+ Programa de apoio aos sectores cultural e criativo Europa Criativa Programa de Empreendedorismo dirigido a novos empreendedores europeus intercâmbio de empreendedores entre o Brasil e a Europa Connect Programa da UE para o Emprego e a Inovação Social inclui os eixos: PROGRESS, EURES e Progress Microfinance EaSI Programa para o Ambiente e Ação Climática LIFE (EUPET) 153 Programa de Saúde III Programa de Saúde

154 Questões a debater Para cada exemplos prático Fontes de financiamento (P2020, H2020 ) Avaliação de impactes Modelos de negócio possíveis Stakeholders a envolver 154

155 155 João Cleto AGENEAL 155

156 F Iniciativas Âncora Cross-cutting Research & Training Efficiency & Monitoring Dissemination & Exploitation Regulations & Harmonisation Sandra Melo, Patricia Baptista, Rui Couchinho, Amílcar Arantes Instituto Superior Técnico 156

157 Research Atividades de Investigação e Desenvolvimento 1. Monitorização da introdução de alternativas (no caso da mobilidade elétrica) Comparação de tecnologia convencional com elétrica (EMEL; CTT; etc) Análise de perfis de carregamento e questões operacionais 157

158 Research Atividades de Investigação e Desenvolvimento 2. Micro-simulação de soluções de alternativas de logística urbana (por exemplo, plataformas de micro-logística, otimização de percursos, introdução de tecnologias de veículos alternativos, de cargo bikes, etc.) Utilizando ferramentas de referência de simulação de tráfego Requer calibração detalhada, incluindo mapas e perfis de tráfego, de distribuição logística local, etc. 158

159 Research Atividades de Investigação e Desenvolvimento Desenvolvimento de Atividades de Investigação que abordem os desafios atuais e futuros da logística urbana Principais áreas de Investigação: 1. Micro-simulação de soluções alternativas de logística urbana (por exemplo, plataformas de micro-logística, otimização de percursos, introdução de tecnologias de veículos alternativos, de cargo bikes, etc.) 2. Monitorização da introdução de alternativas (no caso da mobilidade elétrica) 3. Quantificação de impates de tráfego, eficiência do sistema, energéticos e ambientais 159

160 Exemplo 1 - Aplicação de pequenos veículos eléctricos para a logística urbana na cidade do Porto Qual o âmbito geográfico de implementação dos SEV? Qual a taxa potencial de penetração de mercado? Quais os impates operacionais e quais os efeitos para a sociedade? Qual o impate no tráfego, eficiência, energia, sociedade? 160

161 Exemplo 1 - Aplicação de pequenos veículos eléctricos para a logística urbana na cidade do Porto 161

Dia da Logística Urbana 17 Setembro 2014. Encontro A importância da Logística Urbana Sustentável na Eficiência e Competitividade das Cidades

Dia da Logística Urbana 17 Setembro 2014. Encontro A importância da Logística Urbana Sustentável na Eficiência e Competitividade das Cidades Dia da Logística Urbana 17 Setembro 2014 Encontro A importância da Logística Urbana Sustentável na Eficiência e Competitividade das Cidades Campanha europeia que decorre entre 16 e 22 de Setembro, composta

Leia mais

2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra. Lisboa, 13 de Junho de 2015

2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra. Lisboa, 13 de Junho de 2015 2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra Lisboa, 13 de Junho de 2015 EMEL EMEL Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, E.M. S.A., tem como objecto a gestão

Leia mais

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Quem somos TIS A TIS tem como missão a geração de valor na área da mobilidade e transportes para os seus clientes e acionistas, baseado em soluções sustentáveis do ponto de vista

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro. PIMT Região de Aveiro 1 16 Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes (PIMT) da Região de Aveiro 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA) decidiu desenvolver o Plano Intermunicipal de

Leia mais

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro

Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro Plano Intermunicipal de Mobilidade e Transportes da Região de Aveiro www.regiaodeaveiro.pt PIMT de Aveiro, Aveiro TIS.PT Transportes Inovação e Sistemas, S.A. 1 16 Breve enquadramento A Comunidade Intermunicipal

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES NAS EMPRESAS PLANEAR PARA A REDUÇÃO DE CUSTOS E OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES 19 e 20 Fevereiro 2013 Auditório dos CTT- Correios de Portugal Lisboa Horário Laboral: 09h30

Leia mais

Boas Práticas de aplicação nacional. Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 1º Workshop Algarve 27 de junho de 2014

Boas Práticas de aplicação nacional. Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 1º Workshop Algarve 27 de junho de 2014 Boas Práticas de aplicação nacional Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 1º Workshop Algarve 27 de junho de 2014 A. Modos Suaves Infraestruturas Rede ciclável Murtosa EcoPista do Dão Viseu/ Santa

Leia mais

Políticas e Orientações para a Mobilidade Ciclável Isabel Seabra Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres (IMTT) Gabinete de Planeamento

Políticas e Orientações para a Mobilidade Ciclável Isabel Seabra Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres (IMTT) Gabinete de Planeamento Políticas e Orientações para a Mobilidade Ciclável Isabel Seabra Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres (IMTT) Gabinete de Planeamento Inovação e avaliação (GPIA) 1 Instituto da Mobilidade

Leia mais

Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a bicicleta com maior frequência na Europa

Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a bicicleta com maior frequência na Europa Uma Chamada para a Ação: 10 medidas chave para conseguir mais pessoas a utilizar a com maior frequência na Europa Manifesto da ECF para as eleições para o Parlamento Europeu de 2014 - Versão breve ECF

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

Integração de veículos eléctricos no mercado nacional

Integração de veículos eléctricos no mercado nacional Integração de veículos eléctricos no mercado nacional Jorge Batista e Silva Mobilidade Eléctrica Funchal 19 Set 2010 1 Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Atribuições relativas a - condutores

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

Gestão da mobilidade urbana

Gestão da mobilidade urbana Fernando Nunes da Silva Vereador da Mobilidade C. M. Lisboa Fernando Nunes da Silva OE Coimbra JAN 2013 JAN 13 Gestão da mobilidade urbana - dificuldades e soluções uma política de mobilidade para Lisboa:

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Setembro Dia Europeu Sem Carros 22 Semana Europeia da Mobilidade 16 17 18 19 20 21 22

Setembro Dia Europeu Sem Carros 22 Semana Europeia da Mobilidade 16 17 18 19 20 21 22 Câmara Municipal: Cidade SANTARÉM Santarém Setembro Dia Europeu Sem Carros 22 Semana Europeia da Mobilidade 16 17 18 19 20 21 22 Área da cidade 29 Km 2 População total 28 760 hab. Dimensão da ZSTA 650

Leia mais

ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável

ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável ECOXXI 2011/2012 Indicador Mobilidade Sustentável Gabinete de Planeamento Inovação e Avaliação Catarina Marcelino (cmarcelino@imtt.pt) http://www.imtt.pt APA, 14 de Fevereiro de 2012 Índice 1. Conceito

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projeto Engenharia 2020 Preocupações macroeconómicas Papel da engenharia na

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo

Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte. Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Alentejo Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Norte Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional do Centro Autoridade de Gestão do Programa Operacional Regional de Lisboa Autoridade

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

Smart Cities em Portugal: Uma realidade emergente

Smart Cities em Portugal: Uma realidade emergente Smart Cities em Portugal: Uma realidade emergente Agenda Digital Local Formação Smart Cities 29 de Outubro de 2013 estrutura da apresentação Conceito de Smart City para além da tecnologia Smart Cities

Leia mais

Comissão Europeia Livro Branco dos Transportes. Transportes 2050: Principais desafios e medidas-chave

Comissão Europeia Livro Branco dos Transportes. Transportes 2050: Principais desafios e medidas-chave Razões da importância deste sector Os transportes são fundamentais para a economia e a sociedade. A mobilidade é crucial em termos de crescimento e criação de emprego. O sector dos transportes representa

Leia mais

MUDAR PRÁTICAS DE DESLOCAÇÃO PLANO DE PROMOÇÃO DA BICICLETA E OUTROS MODOS SUAVES. Isabel Seabra

MUDAR PRÁTICAS DE DESLOCAÇÃO PLANO DE PROMOÇÃO DA BICICLETA E OUTROS MODOS SUAVES. Isabel Seabra MUDAR PRÁTICAS DE DESLOCAÇÃO PLANO DE PROMOÇÃO DA BICICLETA E OUTROS MODOS SUAVES Isabel Seabra 4ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA Preparar a Cidade para a Mobilidade do Futuro: Dos Modos Suaves à Mobilidade

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Lisboa, 20 de Novembro 2009 Cláudio Casimiro claudio.casimiro@ceeeta.pt tel. +351 213 103 510 fax +351 213 104 411 Rua Dr. António Cândido,

Leia mais

Estratégias Regionais (PMP) no âmbito dos Transportes Terrestres vs Linhas de Orientação do Plano Nacional de Reformas (PNR)

Estratégias Regionais (PMP) no âmbito dos Transportes Terrestres vs Linhas de Orientação do Plano Nacional de Reformas (PNR) Estratégias Regionais (PMP) no âmbito dos Transportes Terrestres vs Linhas de Orientação do Plano Nacional de Reformas (PNR) Estratégias Regionais (PMP) no âmbito dos Transportes Terrestres Objectivos

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Mobilidade Sustentável - Melhores Práticas em Lisboa

Mobilidade Sustentável - Melhores Práticas em Lisboa Mobilidade Sustentável - Melhores Práticas em Lisboa OUT. 2011 Fonte: terrasdeportugal.wikidot.com Fórum Transnacional - Projecto START Mobilidade - Câmara Municipal de Lisboa Mobilidade Sustentável Melhores

Leia mais

Mobilidade Sustentável

Mobilidade Sustentável Mobilidade Sustentável Eco-Condução e Planos de Mobilidade de Empresas e Pólos 1 Índice 1. Conceito de Mobilidade Sustentável 2. Eco-condução (+ económica, + segura, + confortável) a) Informação, Formação

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

A Gisgeo. Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web. Geo Marketing e Geo Turismo. Localização de pessoas. Gestão de frota automóvel

A Gisgeo. Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web. Geo Marketing e Geo Turismo. Localização de pessoas. Gestão de frota automóvel A Gisgeo Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web Geo Marketing e Geo Turismo Localização de pessoas Gestão de frota automóvel App de localização para smartphones Sistemas de navegação GPS A Gisgeo

Leia mais

Business Geo-Intelligence

Business Geo-Intelligence Business Geo-Intelligence Monitorização Reporting Gestão de Frotas Áreas de influência Territórios de Vendas Geomerchandising Marketing Directo GeoMarketing Simulação de implementação Mobilidade web mapping

Leia mais

PROMOÇÃO DA BICICLETA

PROMOÇÃO DA BICICLETA PROMOÇÃO DA BICICLETA E OUTROS MODOS SUAVES Porto, 21 de novembro de 2013 Congresso Internacional de Promoção da Mobilidade Suave O Problema A evolução da mobilidade em Portugal Predomínio crescente das

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

I WORKSHOP. Algarve Nature Tourism Network

I WORKSHOP. Algarve Nature Tourism Network FAST-LAIN: Further Action on Sustainable Tourism - Learning Area Innovation Network I WORKSHOP Algarve Nature Tourism Network Relatório Vila do Bispo, 2 de Março de 2012 Fotografia: Forte de São João do

Leia mais

Os Sistemas Inteligentes na Europa: Enquadramento e Evolução Prevista no Período 2007-2013

Os Sistemas Inteligentes na Europa: Enquadramento e Evolução Prevista no Período 2007-2013 Os Sistemas Inteligentes na Europa: Enquadramento e Evolução Prevista no Período 2007-2013 COLÓQUIO APCAP 2008 Sistemas e Serviços Inteligentes na Rede Concessionada Rui Camolino 19Jun08 Agenda Plano de

Leia mais

A EERA E NO ÂMBITO DO SET PLAN

A EERA E NO ÂMBITO DO SET PLAN Associados: A EERA E AS INICIATIVAS INDUSTRIAIS EUROPEIAS NO ÂMBITO DO SET PLAN EERA MEETING AUDITÓRIO DO LNEG, 18 JULHO 2011 JOAQUIM BORGES GOUVEIA MEMBRO DO CONSELHO CIENTÍFICO ENERGYIN TERESA BERTRAND

Leia mais

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO

PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE MIRANDELA ESBOÇO DA ANÁLISE E DIAGNÓSTICO 1. MOTIVAÇÕES E PREOCUPAÇÕES Condicionantes à Mobilidade Problemática Específica Articulação entre as decisões urbanísticas

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

Parecer e Soluções Alternativas do Automóvel Club de Portugal

Parecer e Soluções Alternativas do Automóvel Club de Portugal Proposta de Alteração do Esquema de Circulação da Rotunda do Marquês de Pombal e da Av. da Liberdade Parecer e Soluções Alternativas do Automóvel Club de Portugal Antecedentes Foi aprovada em sessão de

Leia mais

Webinar TMS. 13 de Março de 2014. Pedro Gordo Supply Chain Business Development. Nelson Marques. TMS Consultant

Webinar TMS. 13 de Março de 2014. Pedro Gordo Supply Chain Business Development. Nelson Marques. TMS Consultant Webinar TMS 13 de Março de 2014 Pedro Gordo Supply Chain Business Development Nelson Marques TMS Consultant 2 Generix Group em resumo Produtor de software para o universo do comércio > Distribuidores e

Leia mais

A experiência da EMEL na adopção de veículos eléctricos

A experiência da EMEL na adopção de veículos eléctricos A experiência da EMEL na adopção de veículos eléctricos EMEL EMEL Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, E.M. S.A., tem como objecto a gestão do estacionamento público no Município

Leia mais

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA.

DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. DEFINIÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS E DOS DESAFIOS DO TRANSPORTE URBANO DE CARGA. Caro participante, Agradecemos a sua presença no III Megacity Logistics Workshop. Você é parte importante para o aprimoramento

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) - INOVAÇÃO PRODUTIVA Objectivos e Prioridades O presente concurso destina-se a apoiar investimentos

Leia mais

O Cluster Habitat Sustentável - rede de cooperação para a sustentabilidade

O Cluster Habitat Sustentável - rede de cooperação para a sustentabilidade O Cluster Habitat Sustentável - rede de cooperação para a sustentabilidade Congresso LiderA 2013 Lisboa, 28/05/2013 Victor Ferreira (Plataforma Construção Sustentável) Cluster Habitat Sustentável - Rede

Leia mais

Smart Cities Portugal

Smart Cities Portugal Smart Cities Portugal A rede Smart Cities Portugal tem por objetivo promover o trabalho em rede numa lógica inter-cluster, para o desenvolvimento e produção de soluções urbanas inovadoras para smart cities,

Leia mais

What We re Doing For Cycling no município do Seixal

What We re Doing For Cycling no município do Seixal What We re Doing For Cycling no município do Seixal SEIXAL Seixal: 94 km2 158 269 habitantes 94 600 empregados e estudantes 47 800 ficam no concelho (50%) Seixal: 94 km2 158 269 habitantes 94 600 empregados

Leia mais

Futuro Sustentável para os Transportes

Futuro Sustentável para os Transportes Futuro Sustentável para os Transportes 1 Acessibilidade, Transportes e Mobilidade As sociedades modernas devem garantir acessibilidade, transportes e condições de mobilidade porque são: uma condição para

Leia mais

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão Lisboa, 17 de dezembro de 2014 Tópicos: 1. Portugal

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NO APOIO À DISTRIBUIÇÃO URBANA. José Lourenço

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NO APOIO À DISTRIBUIÇÃO URBANA. José Lourenço SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NO APOIO À DISTRIBUIÇÃO URBANA José Lourenço Apresentação TEIA Angola TEIA - Tecnologias de Informação de Angola, Lda (Desde 2008) Implementação e manutenção de soluções próprias

Leia mais

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa

Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro. Nota complementar e explicativa Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) Município do Barreiro Nota complementar e explicativa Setembro de 2012 IDENTIFICAÇÃO Título: Plano de Acção para a Energia Sustentável (PAES) - Município

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

TURISMO E COMPETITIVIDADE

TURISMO E COMPETITIVIDADE TURISMO E COMPETITIVIDADE Rui Vinhas da Silva Presidente da Comissão Diretiva Braga 15 de janeiro de 2015 Portugal 2020 DOMÍNIOS TEMÁTICOS COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO CAPITAL HUMANO INCLUSÃO

Leia mais

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes

Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação. Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Projecto Engenharia 2020 - Tecnologia e Inovação Grupo de Trabalho Cidades Inteligentes Proposta de funcionamento e objectivos do Grupo Trabalho Oportunidades Projectos e propostas LNEC 30 Maio 2013 Grupos

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões:

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões: CONGRESSO DAS COMUNICAÇÕES 08 - TIC E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS - 11 NOVEMBRO 09H00 10H30 ABERTURA OFICIAL DO CONGRESSO ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E O FUTURO Segundo o Relatório Stern, caso nada seja feito, os

Leia mais

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO

SOBRE OS PRESSUPOSTOS SUBJACENTES AO PLANO No âmbito do procedimento de consulta pública do Plano Estratégico de Transportes 2008-2020 (PET), vem a Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza apresentar o seu parecer. SOBRE OS PRESSUPOSTOS

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa

Análise de sustentabilidade da empresa Análise de sustentabilidade da empresa Em 2013, a NAV Portugal manteve a prática de integração dos princípios de sustentabilidade nas políticas e processos da sua gestão, como suporte à promoção do seu

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Factor PME. Junho 2011

Factor PME. Junho 2011 Projecto Factor PME Junho 2011 Índice Âmbito e Objectivos 03 Condições de Elegibilidade _Entidade beneficiária 04 _Projecto 05 Investimentos Elegíveis _Componentes de financiamento 06 _Despesas elegíveis

Leia mais

Assunto: DescubraPortugal / Canal de promoções comerciais

Assunto: DescubraPortugal / Canal de promoções comerciais CIRCULAR Nº 021/2009 (G) CP/MS Lisboa, 04 de Março de 2009 Assunto: DescubraPortugal / Canal de promoções comerciais Caro Associado, A campanha Descubra um Portugal Maior, lançada pelo Turismo de Portugal

Leia mais

HQN 27-06-2015 PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL. Ponte de Lima, 27 Junho 2015. www.hqnstrategyconsulting.com

HQN 27-06-2015 PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL. Ponte de Lima, 27 Junho 2015. www.hqnstrategyconsulting.com PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL Ponte de Lima, 27 Junho 2015 www.hqnstrategyconsulting.com 1 PLANO REGIONAL DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL O desenvolvimento de um Plano Regional para

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

ECONOMIA DOS TRANSPORTES. Conferência Internacional, 17 de Abril de 2015, Luanda Manuel Mota - Rodoviária de Lisboa.

ECONOMIA DOS TRANSPORTES. Conferência Internacional, 17 de Abril de 2015, Luanda Manuel Mota - Rodoviária de Lisboa. MOBILIDADE Assegura acesso aos bens e serviços disponibilizados pela sociedade; Contribui para a competição entre as cidades ou regiões, favorecendo o crescimento económico; Contribui para a coesão social;

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 IV Congresso ATEPH Energia e Ambiente no Edifícios Hospitalar 4 de junho de 2015 Dinis Rodrigues Porto, 4 de junho de 2015 AGENDA Tema 1 Enquadramento

Leia mais

ENVOLVIMENTO E RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARCEIROS NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO E GESTÃO DO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE PONTA DELGADA

ENVOLVIMENTO E RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARCEIROS NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO E GESTÃO DO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE PONTA DELGADA ENVOLVIMENTO E RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARCEIROS NO PROCESSO DE ELABORAÇÃO E GESTÃO DO PLANO DE MOBILIDADE SUSTENTÁVEL DE PONTA DELGADA Gil, Artur* & Calado, Helena** CIGPT Centro de Informação Geográfica

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

Que possíveis desenvolvimentos para a Marca INTEGRA?

Que possíveis desenvolvimentos para a Marca INTEGRA? Projeto START Workshop Que possíveis desenvolvimentos para a Marca INTEGRA? Source: Google Earth Mobilidade e Transportes Lisboa, 24 Maio 2012 A Marca INTEGRA (I) A Marca INTEGRA A marca Integra pretende

Leia mais

E-PME. Iniciativa para a Modernização Tecnológica e Competitividade Global das PMEs. Lisboa, 03 de Abril de 2009

E-PME. Iniciativa para a Modernização Tecnológica e Competitividade Global das PMEs. Lisboa, 03 de Abril de 2009 E-PME Iniciativa para a Modernização Tecnológica e Competitividade Global das PMEs Lisboa, 03 de Abril de 2009 1 Preâmbulo A economia portuguesa é cada vez mais aberta Exportações são 33% do PIB e importações

Leia mais

Resposta aos Desafios da Mobilidade Siemens SA 2013. All rights reserved. siemens.com/answers

Resposta aos Desafios da Mobilidade Siemens SA 2013. All rights reserved. siemens.com/answers 24 de Novembro de 2013 Expotrans Resposta aos Desafios da Mobilidade siemens.com/answers Siemens no mundo Alemanha 119,000 11.1 75 Américas 32% 14% 25% Ásia, Austrália 84.000 22.9 77 23% 29% 26% Europa,

Leia mais

Compras Públicas Conjuntas. Recomendações para o desenvolvimento de Planos de acção Locais para a Eficiência Energética

Compras Públicas Conjuntas. Recomendações para o desenvolvimento de Planos de acção Locais para a Eficiência Energética Compras Públicas Conjuntas Recomendações para o desenvolvimento de Planos de acção Locais para a Eficiência Energética Compras energeticamente eficientes nas autoridades públicas Obstáculos e Oportunidades

Leia mais

3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA. Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas. 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa

3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA. Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas. 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da Moda, Lisboa INICIATIVA INSERIDA NA EVENTO 3.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA ORGANIZAÇÃO APOIOS UMA PUBLICAÇÃO ALTO PATROCÍNIO Das Novas Tecnologias à Eficiência dos Sistemas 18 de Setembro MUDE Museu do Design e da

Leia mais

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia

Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia Estratégia Nacional para a Energia (ENE 2020) Luis Silva, ADENE Agência para a Energia 6º workshop da Plataforma do Empreendedor AIP-CE, 1 Julho 2010 Índice As novas metas EU para as Renováveis Estratégia

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X ESTABELECE MEDIDAS DE APOIO À MOBILIDADE SUSTENTÁVEL E AOS SERVIÇOS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS DE TRANSPORTE

PROJECTO DE LEI N.º /X ESTABELECE MEDIDAS DE APOIO À MOBILIDADE SUSTENTÁVEL E AOS SERVIÇOS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS DE TRANSPORTE Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X ESTABELECE MEDIDAS DE APOIO À MOBILIDADE SUSTENTÁVEL E AOS SERVIÇOS MUNICIPAIS E INTERMUNICIPAIS DE TRANSPORTE Exposição de motivos: Nas últimas décadas tem-se

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

Política de Mobilidade: Panorâmica Europeia e Nacional. Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 2º Workshop Vila Real 19 de novembro de 2014

Política de Mobilidade: Panorâmica Europeia e Nacional. Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 2º Workshop Vila Real 19 de novembro de 2014 Política de Mobilidade: Panorâmica Europeia e Nacional Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 2º Workshop Vila Real 19 de novembro de 2014 A evolução da mobilidade na região Predomínio crescente

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO EIXO PRIOROTÁRIO IX DESENVOLVIMENTOS DO SISTEMA URBANO NACIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO EIXO PRIOROTÁRIO IX DESENVOLVIMENTOS DO SISTEMA URBANO NACIONAL MIRANDELA XXI ACESSIBILIDADE E MOBILIDADE URBANA PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO EIXO PRIOROTÁRIO IX DESENVOLVIMENTOS DO SISTEMA URBANO NACIONAL ACÇÕES INOVADORAS PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

CIDADES INTELIGENTES DIREITO DA ENERGIA RITA NORTE

CIDADES INTELIGENTES DIREITO DA ENERGIA RITA NORTE CIDADES INTELIGENTES DIREITO DA ENERGIA RITA NORTE CIDADES INTELIGENTES NOTAS INTRODUTÓRIAS As cidades - espaços de oportunidades, desafios e problemas Diagnóstico dos espaços urbanos: Transformação demográfica

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

Do INTERREG IVC ao INTERREG EUROPE

Do INTERREG IVC ao INTERREG EUROPE European Union European Regional Development Fund Do INTERREG IVC ao INTERREG EUROPE Olivério Graça Correspondente nacional Núcleo de Cooperação Territorial 25 June 2015 INTERREG IVC INTERREG IVC (2007-2013)

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

Planos de Mobilidade e Transportes em Portugal e SUMP - conceitos

Planos de Mobilidade e Transportes em Portugal e SUMP - conceitos Planos de obilidade e Transportes em Portugal e SUP - conceitos IT, Gabinete de Planeamento, Inovação e Avaliação aria Isabel Seabra icseabra@imt ip.pt 4 de junho de 2015 Portugal e a obilidade Sustentável

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA

Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA Carta de Compromisso da Rede ROTA VICENTINA A Rota Vicentina (RV) é uma rota pedestre ao longo do Sw de Portugal que pretende afirmar esta região enquanto destino internacional de turismo de natureza,

Leia mais

Seminário de apresentação da Rede Gestus

Seminário de apresentação da Rede Gestus Seminário de apresentação da Rede Gestus Rede Gestus O LOGOTIPO Rede Gestus Internacionalização Zona 4 Gestus Compras Cartão ECOTUR Portal Gestus Cartão Gestus Contact Center CRM Zona 4 O LOGOTIPO Características:

Leia mais

A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades.

A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades. 1. As cidades A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades. Na União Europeia, mais de 2/3 da população vive em áreas urbanas e 67% do Produto Interno Bruto (PIB) europeu é

Leia mais

4. ªCONFERÊNCIA DA MOBILIDADE URBANA

4. ªCONFERÊNCIA DA MOBILIDADE URBANA EVENTO 4. ª CONFERÊNCIA DA MOBILIDADE URBANA Preparar a Cidade para a Mobilidade do Futuro: Dos Modos Suaves à Mobilidade Eléctrica 17 de Setembro de 2013 MUDE, Museu do Design e da Moda Lisboa ORGANIZAÇÃO

Leia mais