Relatório de Sustentabilidade 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Sustentabilidade 2014"

Transcrição

1 Sustentabilidade 2014

2 Sumário 1 Sumário Apresentação 2 A Roche 3 Mensagem dos presidentes 4 Perfil 6 Governança corporativa 12 Estratégia 17 Desempenho econômico 18 Nosso negócio 19 Diagnóstico e tratamento 20 Qualidade 22 Logística 24 Meio ambiente 25 Comercialização de produtos 30 Reconhecimentos 31 Nossos públicos 32 Pacientes 33 Governo e sociedade 36 Profissionais e instituições de saúde e pesquisa 38 Clientes 40 Fornecedores 42 Colaboradores 43 Comunidades 54 Sobre o relatório 56 Construção da materialidade 57 Índice GRI 61 Créditos 70 Informações corporativas 71

3 Apresentação 2 Apresentação Este é o 11º relatório de sustentabilidade da Roche Brasil, no qual apresentamos os principais fatos referentes ao desenvolvimento socioeconômico e ambiental ao longo do ano. As informações deste documento se referem ao período de 1º de janeiro a 31 de dezembro de O conteúdo deste relato segue as diretrizes propostas pela Global Reporting Initiative (GRI), versão G4, a mais recente. Os assuntos abordados estão relacionados aos temas mais importantes para a sustentabilidade do negócio. Boa leitura!

4 A Roche 3 A Roche A liderança da Roche se manifesta em diferentes campos dos cuidados com a saúde: biotecnologia, pesquisa em soluções de diagnóstico e tratamentos combinados e personalizados, tratamento de câncer, hepatite C e doenças do sistema nervoso central e diagnóstico in vitro. Neste capítulo Mensagem dos presidentes Perfil Governança corporativa Estratégia Desempenho econômico

5 A Roche Mensagem dos presidentes Perfil Governança corporativa Estratégia Desempenho econômico 4 Mensagem dos presidentes Um ano de resultados significativos, confiança renovada na missão e trabalho consistente diante de novos desafios marcou as atividades da Roche Brasil em Podemos comemorar um desempenho financeiro saudável, com crescimento, sob o ponto de vista de vendas, de 9% para as atividades farmacêuticas e de 12% para a área Diagnóstica. Isso confirma os consistentes resultados do nosso balanço, que ano a ano apresenta números em crescimento. Apesar das atuais dificuldades enfrentadas pela economia brasileira, vemos com otimismo as oportunidades que surgirão nos próximos anos, assim como mantemos nosso compromisso de garantir que os melhores medicamentos e produtos diagnósticos estarão acessíveis à população brasileira o que inclui o desafio de equilibrar a obtenção de um retorno justo a nossos valores científicos e de inovação, por um lado, e, por outro, aumentar a disponibilidade de nossos produtos, de modo que mais pacientes possam contar com eles nos tratamentos. Como uma das principais operações da Roche no mundo, a afiliada brasileira, composta da divisão Farmacêutica e da divisão Diagnóstica, desempenha importante papel nos negócios do Grupo. Hoje, a Roche Brasil ocupa a sétima posição entre as unidades farmacêuticas e a décima posição entre as operações diagnósticas de todo o Grupo. Mantivemos também a liderança, no mercado brasileiro, no segmento de diagnóstico in vitro e na comercialização de medicamentos nas áreas de oncologia, virologia e sistema nervoso central. O reconhecimento, o suporte e os recursos que temos recebido da matriz confirmam o acerto da estratégia que traçamos para alcançar os objetivos de oferecer à população brasileira opções inovadoras de cuidados com a saúde, o que pode ser confirmado pelo anúncio de um investimento de R$ 300 milhões, feito pela matriz, na expansão de nossa unidade de produção de medicamentos, no Rio de Janeiro. Christian Paetzke, presidente da Roche Diagnóstica, à esquerda, e Rolf Hoenger, presidente da Roche Farmacêutica.

6 A Roche Mensagem dos presidentes Perfil Governança corporativa Estratégia Desempenho econômico mil pacientes foram atendidos com medicamentos Roche durante o ano de 2014 um acréscimo de 10% em relação ao ano anterior. Tal posicionamento estratégico incluiu algumas mudanças em nossa estrutura operacional, principalmente direcionadas ao atendimento do mercado e às necessidades dos variados segmentos de clientes que atendemos, tanto no âmbito público como no privado. Promovemos modificações e investimos no trabalho em conjunto e na comunicação permanente entre os empregados da Roche Brasil, reforçando a importância de sua contribuição e conexão com o que fazemos. Afinal, são as pessoas o mais importante recurso da nossa organização. Também nos dedicamos à ampliação do portfólio, com lançamento de produtos inovadores. Na área de medicamentos, trouxemos para o mercado brasileiro o Kadcyla e o Perjeta, terapias importantes no tratamento do câncer de mama, com benefícios evidentes para a qualidade de vida das pacientes. O Brasil também foi o país escolhido para o lançamento global do novo e pioneiro sistema laboratorial de nova geração CCM, implantado em um grande laboratório de Brasília. Dentro das nossas atividades cotidianas, é crescente a nossa preocupação com a sustentabilidade em sua acepção mais ampla. Melhorar a vida das pessoas está naturalmente no centro de nossos negócios. Cuidamos para que nossas ações contribuam para a preservação dos recursos ambientais, para a construção de uma sociedade mais justa e para a manutenção dos nossos negócios no futuro. Em 2014, obtivemos resultados positivos, além de iniciarmos novos projetos, detalhados neste oitavo relatório que produzimos sob as diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI), agora reportando a versão G4 dos indicadores. Razão de ser Nosso foco em acesso à inovação beneficia um número crescente de pacientes, levando a eles as vantagens dos avanços em diagnóstico e terapia. Mais do que superar objetivos de vendas e de rentabilidade, queremos ainda celebrar o crescimento no número de pacientes tratados com nossos produtos. Em 2014, atendemos 171 mil pacientes com medicamentos Roche, um acréscimo de 10% em usuários em relação ao ano anterior. Tais números indicam que o nosso foco em proporcionar acesso à inovação em tratamentos, para um número crescente de pacientes, é vital não só para a nossa estratégia, mas também para permitir que as novas tecnologias e os novos avanços em diagnósticos e em terapias beneficiem os pacientes. É esse foco que continuamos a ter para o desenvolvimento das nossas ações, sejam elas na área de pesquisa, no relacionamento com os diversos públicos de interesse ou no incentivo ao engajamento dos nossos empregados, mostrando que todos podem fazer diferença na vida dos pacientes. Nesse aspecto, continuamos a disseminar o propósito do Grupo Roche, doing now what patients need next, reforçando a orientação que inspira milhares de empregados a lembrar a razão de ser da empresa o paciente e o nosso compromisso com a inovação. Estamos preparados para responder às grandes oportunidades que um país como o Brasil oferece. Bem posicionados no mercado privado, realizamos avanços no segmento de saúde pública. Em um futuro próximo, teremos desafios para expandir a presença e o acesso a nossos produtos, levar conhecimento científico e promover qualidade de vida para os pacientes nas diversas regiões do País. Por se tratar de um período de desafios e de busca de grandes realizações, contamos com o comprometimento da nossa equipe, formada por profissionais a cada dia mais preparados, flexíveis e criativos, para se adaptar a cenários de constantes mudanças. O Brasil é um país com muitos recursos. E é com eles que a Roche Brasil conta para fazer a diferença. G4-1, G4-2 Christian Paetzke Presidente da Roche Diagnóstica Rolf Hoenger Presidente da Roche Farmacêutica

7 A Roche Mensagem dos presidentes Perfil Governança corporativa Estratégia Desempenho econômico 6 Perfil A Roche no mundo Nosso propósito G4-3, G4-5, G4-6, G4-7, G4-8, G4-9 Fundada em 1896, na Suíça, o Grupo Roche desenvolveu-se como uma organização dedicada à promoção da saúde e da qualidade de vida das pessoas por meio da pesquisa e da fabricação de produtos que contribuem para o avanço da ciência e da medicina em várias frentes terapêuticas e de diagnóstico. Atualmente, os produtos são comercializados em mais de 150 países e ajudam milhões de pacientes ao redor do mundo. Nessa tarefa, as atividades nas áreas farmacêutica e diagnóstica são realizadas a partir de uma estreita parceria com médicos, clínicas, hospitais e laboratórios. A liderança da Roche se manifesta em diferentes campos dos cuidados com a saúde. Tornou-se líder global em biotecnologia, em pesquisa de produtos para a saúde, em tratamento de câncer e em tratamentos personalizados. Destaca-se também pela liderança no diagnóstico para diabetes e na capacidade de inovação para as áreas de virologia, imunologia e sistema nervoso central. 88,5 mil pessoas trabalham na Roche ao redor do mundo. 370 mil pacientes participaram de estudos clínicos. Na divisão Diagnóstica, a Roche é líder mundial no desenvolvimento de testes in vitro* e fornece uma linha variada de instrumentos e reagentes de alto valor médico. O portfólio inclui kits para pesquisa, produtos avançados para a prevenção e o monitoramento de diversas doenças, soluções em biologia molecular e serviços de automação para laboratórios. Dentro das atividades de pesquisa, a Roche conduz estudos clínicos para a investigação de novos medicamentos, aplicações, testes e parâmetros diagnósticos. O Grupo possui quatro centros independentes de pesquisa e desenvolvimento, formados por uma equipe de especialistas em diversas áreas da ciência, e conduz pesquisas clínicas nas afiliadas do mundo inteiro, incluindo o Brasil. O Grupo tem sede na cidade da Basileia, na Suíça, e mantém operações em mais de 150 países. Ao fim de 2014, cerca de 88,5 mil pessoas trabalhavam nas operações ao redor do mundo e mais de 19 milhões de pacientes fizeram tratamento com um dos seus principais produtos. No período, 370 mil pacientes participaram de estudos clínicos para investigação de novas drogas e aplicações. O pipeline da companhia contém 66 projetos de novas moléculas em pesquisa e desenvolvimento, setor que recebeu investimentos de cerca de 9 bilhões de francos suíços em 2014 (cerca de R$ 23 bilhões). *Testes de análises clínicas realizados em ambiente controlado de um laboratório, fora do organismo vivo. Doing now what patients need next Acreditamos ser necessário oferecer soluções médicas agora mesmo quando desenvolvemos inovações para o futuro. Nosso compromisso é transformar a vida dos pacientes. Temos coragem para decidir e agir. Acreditamos também que bons negócios significam um mundo melhor. É para isso que trabalhamos diariamente. Temos compromissos com o rigor científico, com a ética e com o acesso a inovações médicas para todos. Fazemos isso hoje para construir um amanhã melhor. Temos orgulho de quem somos, do que fazemos e de como fazemos. Somos muitos, trabalhando como um em todo o mundo. Somos Roche. G4-56 Valores A Roche abraça a diversidade de cultura e compartilha três valores fundamentais, presentes na sua essência: Integridade Somos abertos, honestos, éticos e autênticos, de maneira consistente. Coragem Somos empreendedores, portanto, assumimos riscos e ultrapassamos limites. Paixão Utilizamos a nossa motivação e dedicação para estimular, envolver e inspirar os outros.

8 A Roche Mensagem dos presidentes Perfil Governança corporativa Estratégia Desempenho econômico 7 A Roche no Brasil G4-7, G4-8, G4-9 Posicionada entre as maiores empresas de saúde do País, a Roche Brasil se destaca como uma das dez operações mais importantes do Grupo no mundo. A companhia segue as políticas e diretrizes da matriz global e está estruturada em duas divisões Farmacêutica e Diagnóstica, com naturezas jurídicas distintas. As duas unidades têm sede em São Paulo. A atuação da Roche Brasil concentra-se na comercialização de produtos para detecção precoce, prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças, com foco nas áreas de oncologia, virologia, imunologia e neurologia. A Roche Brasil tem como objetivo melhorar a qualidade de vida dos pacientes e encontrar soluções para as necessidades médicas não atendidas. Com essa finalidade, as duas áreas de atuação estão integradas em um modelo de medicina personalizada. A companhia reproduz no País a estratégia global, de investir fortemente em pesquisa e desenvolvimento e buscar a inovação permanente, desenvolvendo estudos clínicos em âmbito local. No Brasil, a divisão Farmacêutica mantém uma unidade industrial, a única do Grupo na América do Sul, instalada no Rio de Janeiro. Responsável por 20% das vendas no mercado brasileiro, fabrica 16 famílias de produtos farmacêuticos, que compreendem 41 dosagens e 255 apresentações. Também exporta medicamentos para 23 países da América Latina e da Europa. As duas divisões mantêm centros de distribuição separados no Brasil a Farmacêutica opera com uma base exclusiva em Anápolis (GO) e a Diagnóstica, em Itajaí (SC). Conheça, a seguir, a visão da Roche Farmacêutica e a visão da Roche Diagnóstica. Visão Farmacêutica Brasil A Roche Brasil é uma das dez maiores operações do Grupo no mundo. Ser a empresa mais reconhecida no mercado farmacêutico por: assegurar que os pacientes tenham acesso aos melhores tratamentos; propiciar aos pacientes e seus familiares inovações que melhorem suas vidas; ter o time mais talentoso, preparado, engajado e integrado; ser o parceiro de escolha dos nossos principais stakeholders. Visão Diagnóstica Brasil Fábrica Única na América do Sul, a unidade industrial da divisão Farmacêutica opera no Rio de Janeiro. Nosso foco nas necessidades dos clientes e na excelência comercial nos torna o parceiro preferencial de escolha, fornecendo soluções extraordinárias e aumentando o acesso a testes inovadores e de alta qualidade para o benefício dos pacientes no Brasil. Guiados por nossos valores e pelo compromisso com compliance, somos uma empresa em constante aprendizado, com pessoas engajadas trabalhando em um ambiente transparente, confiável e desafiador, que atrai, desenvolve e retém talentos. Isso nos torna um excelente lugar para trabalhar. Isso nos faz Roche Diagnóstica Brasil.

9 A Roche Mensagem dos presidentes Perfil Governança corporativa Estratégia Desempenho econômico 8 Cenário A saúde no Brasil O panorama da saúde pública no Brasil contou com melhorias significativas nos últimos anos. Entre os registros positivos encontram-se a redução substancial da mortalidade causada por doença de Chagas, esquistossomose, diarreia infantil, cólera e Aids. As campanhas de vacinação também colaboraram para a prevenção de doenças, assim como para a redução da mortalidade infantil. Além disso, o País tem melhorado o controle das doenças infecciosas em geral, embora ainda persistam problemas sanitários cujo impacto negativo sobre a saúde dos brasileiros se faz sentir da periferia das grandes cidades aos pequenos munícipios. O acesso aos cuidados médicos e tratamentos por parte da população brasileira também aumentou, seja no sistema público de saúde, o Sistema Único de Saúde (SUS), que garante o direito à saúde gratuita a toda a população brasileira, seja por meio das instituições do sistema privado, o que inclui cerca de planos de saúde, que atendem mais de 50 milhões de brasileiros. Se, por um lado, problemas básicos de saúde passaram a ser mais bem administrados, com benefícios evidentes para a vida dos brasileiros, novos desafios surgem a cada dia. Por exemplo, a ampliação da expectativa de vida, com o consequente aumento da população idosa, com suas demandas específicas de cuidados com a saúde. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os idosos no Brasil eram 14,9 milhões (7,4% do total) em 2013 e devem chegar a 58,4 milhões (26,7% do total) em No período, a expectativa média de vida do brasileiro deve aumentar dos atuais 75 anos para 81 anos. A alteração na estrutura etária da população, somada ao aumento no índice de doenças crônico-degenerativas e câncer, gera um novo perfil de cuidados e políticas voltadas para a saúde pública. Além disso, o aumento nos custos dos tratamentos de saúde representa um novo ângulo a ser considerado para o futuro. Para se ter uma ideia, os recursos do Ministério da Saúde destinados à rede pública mais que triplicaram nos últimos 11 anos, passando de R$ 27,2 bilhões em 2003 para R$ 91,6 bilhões em É ciente desse cenário e dos muitos desafios nele contidos que a Roche Brasil se prepara para contribuir para o aumento do acesso da população a medicamentos e terapias inovadoras. E também para trazer ganhos para a sociedade, ao compartilhar conhecimento com profissionais de saúde, governos e pacientes, seja na disseminação de informações científicas relevantes ou na promoção de ações preventivas de doenças. Privado Mais de 50 milhões de brasileiros são atendidos por cerca de planos de saúde privados. Público O Ministério da Saúde destinou R$ 91,6 bi para a rede pública em 2014.

10 A Roche Mensagem dos presidentes Perfil Governança corporativa Estratégia Desempenho econômico 9 Roche Farmacêutica Presente no Brasil desde 1931, a Roche Farmacêutica tem uma trajetória que se confunde com a busca por soluções terapêuticas para doenças de alto impacto na população. Líder na área de oncologia, produz medicamentos que abriram perspectivas inovadoras para o tratamento de diferentes tipos de câncer e ampliaram a expectativa de vida dos pacientes. A empresa também ocupa posição de liderança na produção e comercialização de drogas para hepatite C, fibrose cística, infecções por citomegalovírus em pacientes transplantados e doença de Parkinson. Na área de imunologia, a Roche oferece terapias de última geração para doenças reumáticas e contribui para o desenvolvimento de drogas que representam um grande avanço no tratamento das doenças inflamatórias. A empresa atua ainda no segmento de alterações metabólicas, como osteoporose, prevenção de diabetes e dermatologia. Roche Brasil Principais fatos e números G4-9 Roche Farmacêutica No Brasil desde empregados Exporta para 23 países da América Latina e da Europa Líder nas áreas de oncologia, virologia e sistema nervoso central Investimento de R$ 112 milhões em pesquisas clínicas no Brasil em mil pacientes atendidos com medicamentos Roche em 2014 Áreas de negócio Produtos G4-4 Oncologia e Hematologia Medicamentos para diferentes tipos de câncer: Avastin (bevacizumabe) Herceptin (trastuzumabe) Kadcyla (trastuzumabe entansina) MabThera (rituximabe) Perjeta (pertuzumabe) Tarceva (cloridrato de erlotinibe) Xeloda (capecitabina) Zelboraf (vemurafenibe) Virologia e Sistema Nervoso Central Medicamentos para o tratamento de hepatites B e C, Aids, fibrose cística, infecções em pacientes transplantados e doença de Parkinson: Fuzeon (enfuvirtida) Pegasys (alfapeginterferona 2a) Prolopa (levodopa e cloridrato de benserazida) Pulmozyme (alfadornase) Valcyte (cloridrato de valganciclovir) Imunologia/Inflamação Tratamentos de última geração para doenças reumáticas: Actemra (tocilizumabe) MabThera (rituximabe) Outros Produtos Segmentos de metabolismo (osteoporose e prevenção de diabetes), sistema nervoso central e dermatologia, entre outros: Bactrim (sulfametoxazol e trimetoprima) Bonviva (ibandronato de sódio) Cellcept (micofenolato de mofetila) Coreg (carvedilol) Cymevene (ganciclovir sódico) Dormonid (midazolam / maleato de midazolam) Fansidar (sulfadoxina pirimetamina) Kanakion (fitomenadiona) Lanexat (flumazenil) Lexotan (bromazepam) Otosynalar (fluocinolona acetonida, sulfato de polimixina B, sulfato de neomicina e cloridrato de lidocaína) Rivotril (clonazepam) Roacutan (isotretinoína) Rocaltrol (calcitriol) Rocefin (ceftriaxona dissódica) Rohypnol (flunitrazepam) Tamiflu (fosfato de oseltamivir) Valium (diazepam) Vascase (cilazapril)

11 A Roche Mensagem dos presidentes Perfil Governança corporativa Estratégia Desempenho econômico 10 Roche Diagnóstica Referência em produtos e serviços para detecção e monitoramento de variados tipos de patologias, a Roche Diagnóstica iniciou as atividades no Brasil em A empresa é líder no mercado brasileiro de diagnóstico in vitro, e seus produtos e serviços cobrem uma importante parcela dos cerca de 8 mil laboratórios que operam no País. Os testes e equipamentos são importados dos centros de produção da Europa, dos Estados Unidos e do Japão e envolvem as diversas áreas da medicina diagnóstica sorologia, hematologia, uroanálise, biologia molecular, tecidos, pesquisa, coagulação, point of care e outras. Esses produtos cobrem cerca de 90% das necessidades de laboratórios públicos e privados e abrangem procedimentos de análises clínicas, urgência, cuidados primários de saúde e sistemas para o monitoramento e controle de diversas patologias. Atenta às diferentes demandas dos laboratórios clínicos, a Roche Diagnóstica desenvolveu um serviço de consultoria para entender e atender às diferentes necessidades desses centros. Áreas de atuação Diagnóstico profissional Inclui testes e equipamentos nas áreas de química clínica, imunologia, hematologia, gasometria, point of care, coagulação e uroanálises, com foco em quatro segmentos principais: soluções utilizadas no local de atendimento ao paciente (soluções descentralizadas) soluções completas para pequenas, médias e grandes rotinas de laboratórios, com equipamentos que atuam nas fases pré-analítica, analítica e pós-analítica, reagentes e marcadores (soluções centralizadas e testes especiais) serviços especializados para o atendimento da área médica laboratorial, além de treinamento técnico e científico (professional services) consultoria laboratorial e tecnologia da informação Principais testes MPX v2.0 Syphilis Performa Connect Principais equipamentos cobas 4000/6000/8000 cobas c 111 cobas b 121/123/221 cobas h 232 cobas u 411 cobas p 312/512/612 cobas p 501/701 Modular pre-analytics CoaguChek AccuTrend XS-800i/1000i XT-1800i/2000i/400i Urisys 2400 XE 2100/5000 SP-1000I HST-N UF Roche Brasil Principais fatos e números G4-9 Roche Diagnóstica No Brasil desde empregados Líder no mercado brasileiro de diagnóstico in vitro Testes e equipamentos presentes em cerca de 90% dos laboratórios públicos e privados 70 novos testes registrados Recertificada pela ISO 9001:2008 em 2014 Importação Os testes e equipamentos da Roche Diagnóstica são importados da Europa, dos Estados Unidos e do Japão. Os produtos da Diagnóstica cobrem cerca de 90% das necessidades dos laboratórios públicos e privados do Brasil.

12 A Roche Mensagem dos presidentes Perfil Governança corporativa Estratégia Desempenho econômico 11 Diagnóstico molecular Oferece sistemas de diagnóstico molecular com total automação, equipamentos com acesso remoto, soluções completas para pequenas, médias e grandes rotinas, consultoria laboratorial para desenvolvimento de projetos dedicados à realidade de cada laboratório e assessoria científica e técnica em todo o território brasileiro. Principais testes Virologia: HIV, HCV, EBV, VZV, herpes 1/2 e CMV Saúde da mulher: HPV, genotipagem de HPV, CT e NG Microbiologia: teste para causadores de sepse, MTB, MRSA e VRE Bancos de sangue: Teste NAT Multiplex Completo (HIV-1 grupo M e O, HIV-2, HCV e HBV) e Teste NAT Duplex (Parvovirus B19 Quanti e HAV Quali) Genômica e oncologia: polimorfismos da CYP 450, t9/22, K-RAS, EGFR, BRAF e fator II e V Registro Na linha de diagnóstico profissional, 70 novos testes foram registrados em Accu-Chek é a marca dos produtos para monitoramento do diabetes, que trazem soluções práticas. Principais equipamentos cobas TaqMan (virologia) cobas Ampliprep (virologia) cobas s 201 (banco de sangue) cobas 4800 (saúde da mulher e oncologia) Light Cycler (microbiologia e genômica) Em diagnóstico molecular, a Roche também tem uma área focada em Ciências da Vida, que fornece reagentes e equipamentos para pesquisas nas áreas de biotecnologia, genômica e celômica. Principais testes PCR em tempo real Extração e purificação de ácidos nucleicos Marcação não radioativa de alvos biológicos Transfecção celular proteômica Principais equipamentos Light Cycler 480 Light Cycler Nano Light Cycler 96 Light Cycler 2.0 MagnaPure Compact MagnaPure LC MagnaPure 96 DIG xtremegene complete PhosSTOP Diagnóstico de tecido Fornece sistemas automatizados de diagnóstico para o segmento de anatomia patológica. Os sistemas de reagentes e instrumentos são utilizados em histologia clínica, citologia e laboratórios de pesquisa de fármacos. Com a automação e a integração de sistemas, a empresa oferece soluções para padronizar e aperfeiçoar os processos de coloração de lâminas, auxiliando os patologistas no diagnóstico mais preciso e na recomendação de tratamentos mais adequados aos pacientes. Principais testes Anti-Ki67 (clone 30-9) Antiprogesterona (clone 1E2) Antiestrógeno (clone sp1) Anti-HER2 (clone 4B5) Hibridização in situ para HER-2 Principais equipamentos BenchMark GX BenchMark XT BenchMark ULTRA Nexes Special Stains Diabetes Soluções e sistemas práticos, portáteis e de fácil utilização para monitoramento do diabetes, comercializados sob a marca Accu- -Chek. Também oferece sistemas de infusão contínua de insulina, softwares e demais dispositivos de gerenciamento e controle dos níveis de glicemia no sangue. Principais produtos Accu-Chek Active Accu-Chek Performa Accu-Chek Performa Nano Accu-Chek Smart Pix Accu-Chek Nano Accu-Chek Combo

13 A Roche Mensagem dos presidentes Perfil Governança corporativa Estratégia Desempenho econômico 12 Governança corporativa G4-DMA, G4-4, G4-13, G4-14, G4-34, G4-35, G4-36, G4-37, G4-38, G4-39, G4-40, G4-41, G4-42, G4-43, G4-44, G4-46, G4-47, G4-49 O compromisso da Roche Brasil com as melhores práticas de governança corporativa está alinhado à política mundial adotada pela matriz, na Basileia, Suíça. Em sua estrutura e atividades, a companhia procura garantir a transparência na prestação de contas à sociedade, o tratamento equânime dos públicos de interesse e a responsabilidade corporativa. Os membros da alta gestão têm entre suas atribuições a formulação do planejamento estratégico e o monitoramento e a avaliação de desempenho de toda a gestão. O funcionamento dessa estrutura recebe o acompanhamento de auditores independentes. As divisões Farmacêutica e Diagnóstica, que compõem a Roche Brasil, têm estruturas de governança distintas, definidas segundo a organização jurídica de seus negócios. Sociedade anônima de capital fechado, a unidade Farmacêutica não possui ações negociadas no mercado de capitais. A divisão Diagnóstica opera como empresa limitada. O processo de tomada de decisão nas duas unidades é pautado pela autonomia dos diretores, sempre observadas as diretrizes estratégicas estabelecidas pela matriz. Desde 1º de janeiro de 2014, a Presidência da Roche Farmacêutica é exercida por Rolf Hoenger. Na Roche Diagnóstica, Christian Paetzke assumiu a Presidência, em abril de G4-39 Ao longo de 2014, foi conduzida uma mudança organizacional na governança da divisão Farmacêutica para adequá-la às novas demandas do negócio. Levada para o centro da estratégia, a área de Healthcare Compliance, que trata de questões relacionadas a profissionais, organizações de saúde e pacientes, passou a integrar a estrutura da área de Jurídico, Compliance e Responsabilidade Social, na Roche Farmacêutica. A área de Comunicação Corporativa, que reportava para Recursos Humanos, passou a ser uma diretoria e a reportar diretamente ao presidente. A Diretoria de Desenvolvimento de Negócios ficou concentrada em uma gerência, Estratégia de Negócios, responsável por temas como inovação e efetividade comercial. Para garantir a eficiência da gestão, o corpo executivo recebe a assessoria de quatro comitês, com atribuições específicas. Comitês executivos G4-35, G4-40, G4-42, G4-44, G4-46, G4-47 O mais alto órgão de governança da Roche Brasil está representado nos comitês executivos das divisões Farmacêutica e Diagnóstica. Têm como principais atribuições garantir o alinhamento da organização com o modelo estratégico da Roche, difundindo seus valores e competências; gerir e decidir sobre temas legais e operacionais relativos à afiliada; aprovar planos orçamentários anuais, bem como seu monitoramento; e assegurar a excelência operacional e compliance com as normas do Grupo Roche e as regulações locais. Os comitês da divisão Farmacêutica e da Diagnóstica são formados pelo presidente e seus reportes diretos. Os membros são indicados com base em qualificação, conhecimento do setor e experiência comprovada. Reúnem- -se mensalmente, e entre os temas em pauta regularmente estão os impactos, riscos e oportunidades do negócio. Recomendações feitas por empregados e públicos de interesse são encaminhadas para análise dos comitês. Os comitês executivos da Farmacêutica e da Diagnóstica representam o mais alto órgão de governança da Roche Brasil.

14 A Roche Mensagem dos presidentes Perfil Governança corporativa Estratégia Desempenho econômico 13 Comitê de Compliance G4-35, G4-49 Os integrantes do comitê atendem, de maneira conjunta, às demandas das duas divisões, sendo composto dos presidentes, Compliance Officers Brasil e diretores de Recursos Humanos da Farmacêutica e da Diagnóstica. As decisões são definidas sempre por consenso (leia mais em Ética e compliance). Estrutura da Roche Farmacêutica G4-34, G4-35 A governança da divisão organiza-se em dois fóruns de atuação: o Comitê Executivo e o Comitê de Compliance. O presidente da empresa, Rolf Hoenger, preside o Comitê Executivo. A afiliada brasileira reporta-se diretamente à Presidência da América Latina. Comitês de Crise G4-DMA, G4-35 Direcionados para atuar de acordo com o Plano de Continuidade de Negócios, os comitês respectivos das divisões Farmacêutica e Diagnóstica da Roche têm representantes de diferentes áreas, encarregados de estabelecer ações de contingência em caso de eventuais ameaças e/ou riscos aos negócios. O plano tem o objetivo de garantir o funcionamento das atividades diante de situações de emergência, de modo a evitar a descontinuidade de produtos e serviços e manter o atendimento aos clientes e consumidores. Também faz parte do escopo dos comitês evitar perdas financeiras, mitigar impactos ambientais e prevenir danos à imagem pública da Roche ou que possam afetar sua credibilidade na sociedade. Roche Farma Brasil Diretoria Oncologia e Hematologia Diretoria Specialty Care Presidência Diretoria Acesso à Saúde Gerência de Estratégia de Negócios Diretoria Médica Diretoria Finanças e Serviços Comitê de Sustentabilidade G4-35 Formado por uma equipe multidisciplinar com 18 representantes das duas divisões, o Comitê de Sustentabilidade consolidou-se em 2014, após um período de redefinição de suas atribuições. O comitê responsável pela condução do processo de materialidade (ver item Construção de materialidade) adotou metas e objetivos de curto e longo prazos e se capacitou para recomendar a adoção de práticas sustentáveis ainda não desenvolvidas em todas as áreas e atividades da Roche no Brasil. O comitê se reporta aos presidentes das duas divisões e à Diretoria Jurídico, Compliance e Responsabilidade Social da divisão Farmacêutica, apoiando a promoção da gestão da sustentabilidade. Diretoria Recursos Humanos Diretoria Jurídico, Compliance e Respons. Social Diretoria Comunicação Corp. e Digital Divisão Industrial Farmacêutica Diretoria IT Brasil Reunião do Comitê Executivo da divisão Farmacêutica.

15 A Roche Mensagem dos presidentes Perfil Governança corporativa Estratégia Desempenho econômico 14 Estrutura da Roche Diagnóstica G4-34, G4-35 A gestão da Roche Diagnóstica conta com quatro administradores: presidente, diretor de Finanças e Serviços, diretor de Recursos Humanos e Comunicação e diretor da unidade de negócios Diabetes Care. Fazem parte do Comitê Executivo o presidente e todos os que se reportam a ele. O presidente cumpre ainda a função de administrador e representante dos sócios e de gestor dos integrantes do comitê. O ano de 2014 foi de muitas mudanças na gestão da empresa. Em janeiro, foi definida uma grande mudança na estrutura organizacional, agrupando as diversas unidades de negócio em duas únicas áreas: Marketing e Comercial. Em abril, o alemão Christian Paetzke assumiu a Presidência da Roche Diagnóstica Brasil. A Roche Diagnóstica Brasil reporta-se diretamente à diretoria da sub-região América Latina da divisão Diagnóstica, cuja sede está instalada na filial brasileira. Participação em associações e organizações G4-16 Roche Farmacêutica Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma) Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo (Sindusfarma) Sindicato dos Farmacêuticos no Estado de São Paulo (Sinfar) Diabetes Care Presidência Sindicato do Comércio Atacadista de Anápolis (Sicat) Associação Brasileira de Recursos Humanos-SP (ABRH-SP) Assuntos Legais e Regulatórios Marketing Serviços Profissionais Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) Câmara Americana de Comércio (Amcham) Finanças e Serviços Comercial Valor Médico Câmara de Comércio Suíço-Brasileira (Swisscam) RH e Comunicação Associação Comercial e Industrial de Jacarepaguá (Acija) Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) Reunião do Comitê Executivo da divisão Diagnóstica. Conselho Regional de Farmácia (CRF) Roche Diagnóstica Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial (CBDL) Associação Brasileira das Empresas de Ciências da Vida (ABCV) Associação Brasileira dos Importadores de Equipamentos, Produtos e Suprimentos Médico-Hospitalares (Abimed) Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios (Abimo) Câmara Americana de Comércio (Amcham)

16 A Roche Mensagem dos presidentes Perfil Governança corporativa Estratégia Desempenho econômico 15 Ética e compliance G4-DMA, G4-49, G4-56, G4-57, G4-58 O sistema de compliance está inserido no centro da estratégia da companhia e disseminado massivamente, como uma cultura da cúpula para a base, em todas as subsidiárias ao redor do mundo. Essa difusão reflete a visão do CEO global, reforçada de forma recorrente nos seus discursos, de que compliance é uma licença para operar. A convivência da Roche com seus diferentes públicos de relacionamento tem como principais diretrizes a ética, o respeito e a transparência. A empresa não tolera nenhum tipo de corrupção nem oferecimento ou recebimento de vantagens ilícitas ou inapropriadas. Para garantir que todo e qualquer desvio de compliance seja apurado, faz parte das obrigações dos responsáveis pela área reportar o caso ao sistema global, dando conhecimento à matriz. O programa de treinamento conta com um conjunto de ferramentas em formato e- -learning e presencial. O modelo adotado ajuda a difundir a cultura de integridade entre os empregados, com a discussão de casos reais e de exemplos de como lidar com situações específicas no dia a dia. Essas ações fornecem certificação e fazem parte da carga obrigatória da grade de capacitação, com exigência de 100% de adesão, cumprida em O Comitê Executivo de cada divisão acompanha a evolução do programa e recebe os relatórios sobre os participantes. Os treinamentos, destinados a todos os empregados e terceiros contratados, abrangem, entre outros temas, Código de Conduta do Grupo Roche, proteção de dados, boas práticas e gerenciamento de riscos, além de informações sobre os canais de compliance, como a própria chefia, o representante local de compliance e a área de Recursos Humanos. A empresa segue o Código de Conduta da Interfarma e a legislação do País e adota regras internas ainda mais estritas do que esses normativos. Entre as regras, prevê tolerância zero para atos de suborno e corrupção. Nas duas divisões são feitos treinamentos em direitos humanos. Na Farmacêutica, 95,9% dos empregados foram treinados, num total de horas o que equivale a uma hora de treinamento por empregado. Na Diagnóstica, o percentual chegou a 97% num total de duas horas por pessoa. Na Diagnóstica, e-learnings abordam Código de Conduta, compliance, ética com concorrentes, padrões de segurança e meio ambiente e são mandatórios para todos os empregados e terceiros. Para os novos empregados e estagiários, informamos da obrigatoriedade da realização dos e-learnings na integração. Os empregados com mais de um ano na empresa são convocados a realizar novamente os e-learnings em casos de atualização de conteúdo. G4-HR2, G4-HR7, G4-SO4 Healthcare Compliance Destinada a tratar principalmente de questões relacionadas a profissionais e organizações de saúde e relacionamento com pacientes, bem como da gestão de políticas de interação com esses públicos e das políticas de patrocínio e doação, integra a Diretoria Jurídico, Compliance e Responsabilidade Social e é, também, responsável pelo processo de Medical Clearance. Na Roche Diagnóstica, o departamento de Assuntos Legais e Regulatórios é responsável pelo tratamento das questões relativas à interação com profissionais e organizações de saúde. Prevenção à corrupção Os riscos relacionados a atos de corrupção são avaliados por meio de processos estruturados para identificar eventuais ocorrências com envolvimento dos empregados. Todos os recém-contratados, assim como terceiros com acesso aos sistemas da Roche, passam por treinamentos próprios sobre o tema. O conteúdo do Código de Conduta do Grupo Roche inclui um tópico específico que trata a questão. A companhia realizou, em 2014, treinamentos presenciais sobre a nova Lei Anticorrupção para as áreas comerciais. G4-SO3 Códigos e políticas G4-56, G4-57, G4-58 A Roche orienta as atividades sociais e as operações industriais no Brasil por meio de diretrizes e princípios reunidos em documentos oficiais. Com ênfase na conduta ética e transparente, fazem parte desse conjunto, entre outros, os seguintes documentos: Código de Conduta Global Política de doações Códigos setoriais Política Interna de Compliance Código de Boas Práticas no Relacionamento com Governos Política de Interação com Profissionais da Saúde e Organizações de Saúde Código de Conduta do Fornecedor Todos esses documentos estão disponíveis para consulta dos empregados na intranet, sendo que a maioria também está disponível no site global (www.roche.com), em inglês. Informações completas sobre os documentos podem ser obtidas na página Positions, Policies & Downloads, no site global. Além dos códigos internos, a divisão Farmacêutica segue ainda o código da International Federation of Pharmaceutical Manufacturers & Associations (IFPMA, ou Federação Internacional das Associações dos Fabricantes Farmacêuticos), que estabelece padrões para a promoção de produtos farmacêuticos e preceitos de ética e transparência no relacionamento com médicos e demais profissionais de saúde. No Brasil, a Roche Farmacêutica segue o Código de Conduta da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), e a Roche Diagnóstica segue o Código de Conduta da Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial. Na divisão Diagnóstica, todos os distribuidores são treinados em relação ao programa de compliance. Os itens de compliance fazem parte da auditoria para certificação dos distribuidores, e todos os contratos com esse público possuem cláusula que os obriga a seguir o Código de Conduta do Fornecedor da Roche. Na Roche Farmacêutica, todos os contratos de prestação de serviços e patrocínios possuem cláusula-padrão de direitos humanos, que obriga a respeitar todas as leis e regulamentações aplicáveis, proibindo trabalho infantil, subornos e trabalho forçado ou escravo, além de exigir o cumprimento dos padrões de integridade estabelecidos no Código de Conduta da Roche. G4-HR1, G4-HR5, G4-HR6 A Roche Brasil, em seguimento à política corporativa e ao Código de Conduta, permanece independente de qualquer filiação política e não dá apoio financeiro a políticos individuais com fundos corporativos. G4-SO6, G4-SO7

17 A Roche Mensagem dos presidentes Perfil Governança corporativa Estratégia Desempenho econômico 16 Medical Clearance Os materiais de divulgação impressos e eletrônicos e com conteúdo médico-científico ou não são essenciais para as atividades da Roche Farmacêutica nas iniciativas de comunicação apoiadas pela empresa e destinadas a médicos, demais profissionais da área da saúde e público leigo. A companhia adota o processo denominado Medical Clearance para a análise e aprovação dos materiais que produz. A avaliação desses informes segue uma abordagem ética, jurídica, científica e corporativa. A responsabilidade pelo processo de Medical Clearance, em 2014, cabia à Diretoria Médica, mais especificamente à área de Compliance Médico. Em 2015, essa estrutura, denominada Healthcare Compliance, passa a reportar-se à Diretoria Jurídico, Compliance e Responsabilidade Social (leia mais em Comunicação e Marketing, na página 21). Reclamações trabalhistas e concorrência desleal Na Roche Diagnóstica, foram registradas seis reclamações trabalhistas em 2014, das quais apenas quatro continuam pendentes. Além disso, em 2014 também foram solucionados dois casos de anos anteriores. Em 2014, havia 196 reclamações trabalhistas registradas com a Roche Farmacêutica como parte envolvida. Desse total, 34 foram ajuizadas e 42, encerradas. G4-LA16 Com relação a ações relativas a concorrência desleal, a divisão Farmacêutica é ré em uma ação declaratória que visa anular a decisão proferida pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), a qual foi julgada improcedente em primeira e segunda instâncias, aguardando a interposição de recurso no Superior Tribunal de Justiça e/ou Supremo Tribunal Federal. G4-SO7 Compliance A Roche não tolera nenhum tipo de corrupção nem oferecimento ou recebimento de vantagens ilícitas ou inapropriadas. Comunicação e transparência A Roche Brasil é comprometida com um modelo de gestão transparente, assim como em comunicar com agilidade, correção e adequação as informações pertinentes às suas áreas de atuação para os diferentes públicos com os quais se relaciona. A companhia trabalha as frentes de comunicação corporativa e digital de maneira integrada, visando zelar pela reputação da Roche no mercado brasileiro, garantindo que os princípios e valores da empresa, assim como seus projetos corporativos e de negócios, sejam comunicados de forma clara e transparente à sociedade. A área de Comunicação Corporativa e Digital da Divisão Farmacêutica produz e disponibiliza os canais de comunicação internos e externos da companhia, como publicações, TV corporativa, intranet e internet, assim como estabelece um diálogo aberto com a imprensa e com o público em geral, divulgando e conscientizando sobre temas relacionados à saúde. Do mesmo modo, a divisão Diagnóstica ganhou em 2014 uma plataforma de comunicação mais robusta, com foco em agilidade, permanência, clareza e transparência em relação aos públicos interno e externo. Para a comunicação interna, a área trabalha focada em quatro pilares: informação, integração, comunicação direta e conscientização, o que envolve produção de materiais para serem veiculados em diferentes canais, eventos internos de integração e reconhecimento, campanhas de conscientização e endomarketing. Além disso, o trabalho de comunicação externa, que inclui a gestão das atividades de assessoria de imprensa, tem por objetivo criar um relacionamento saudável entre a empresa e seus públicos de interesse, entre os quais jornalistas, formadores de opinião e o público final. Os materiais de divulgação da Roche Farmacêutica são aprovados pelo processo denominado Medical Clearance.

18 A Roche Mensagem dos presidentes Perfil Governança corporativa Estratégia Desempenho econômico 17 Estratégia G4-2 Desde a sua fundação, a Roche tem acreditado e apostado na capacidade de auxiliar as pessoas a viver mais e melhor. Foi assim que a empresa se tornou pioneira em medicina personalizada, oferecendo soluções médicas que incluem o diagnóstico, a prevenção, o tratamento e o monitoramento da saúde. Os pacientes estão no centro das decisões, e é a partir dessa visão que estratégias, objetivos e metas são definidos. Tem também como prioridade atuar diretamente nas necessidades médicas não atendidas, investindo em pesquisa e desenvolvimento que melhorem os resultados terapêuticos atuais e tragam novas tecnologias de diagnóstico. Dentro do planejamento estratégico do Grupo, a Roche Brasil é qualificada como afiliada core, ou seja, faz parte de alguns International Business Teams (IBT), integrando a discussão de temas sensíveis ao desenvolvimento das marcas, assim como na definição do pipeline para certos produtos. A empresa é a única da América Latina e do grupo das afiliadas dos países emergentes a participar dessas equipes. Além disso, está alinhada ao Global Product Strategy (GPS) da matriz, o que significa a participação nos grupos que desenvolvem projetos estratégicos de marcas, levando o olhar local para questões como desenho da marca e sua aplicação no Brasil. Orientação para os negócios A reestruturação da área de Estratégia de Negócios da divisão Farmacêutica trouxe um novo modelo de gestão, caracterizado por mais autonomia, além de mais responsabilidade e agilidade, passando a reportar-se diretamente à Presidência da Roche Brasil. A nova área teve importante participação no desenvolvimento dos planos de ação estratégicos e na gestão dos projetos relacionados, criados em Ambos contêm projetos de curto, médio e longo prazos sobre os desafios atuais e futuros do mercado farmacêutico. Todos os projetos têm como orientação estratégica a ampliação do acesso aos melhores tratamentos, que devem ser disponibilizados à população visando atender às expectativas de crescimento e ampliar o foco em acesso à saúde em todo o País, tanto no mercado público quanto no privado, por meio de melhorias na infraestrutura e aumento e agilidade do diagnóstico, além de ações sociais e de conscientização. As iniciativas têm como objetivo levar mais qualidade de vida, para cada vez mais pacientes, por meio de produtos inovadores. Mais e melhor Desde a sua fundação, a Roche aposta na capacidade de auxiliar as pessoas a viver mais e melhor. A prioridade da Roche é atuar diretamente nas necessidades médicas não atendidas, por meio do investimento em pesquisa e desenvolvimento.

19 A Roche Mensagem dos presidentes Perfil Governança corporativa Estratégia Desempenho econômico 18 Desempenho econômico Grupo Roche G4-DMA O ano de 2014 foi marcado pela solidez dos resultados do Grupo Roche, com expansão de 5% nas vendas em relação a A receita global atingiu 47,5 bilhões de francos suíços (cerca de R$ 122 bilhões), impulsionada pela crescente demanda por medicamentos nas áreas de oncologia e imunologia. As vendas da divisão Farmacêutica cresceram 4%. Na Roche Diagnóstica, houve um incremento de 5% em vendas, alcançando o total de 10,8 bilhões de francos suíços (cerca de R$ 27 bilhões), em função do aumento nas vendas de diagnóstico profissional e de diagnóstico molecular. Nesse desempenho, as operações na América Latina se destacaram, com o crescimento de 10% no volume de vendas. Roche no Brasil No Brasil, a divisão Farmacêutica cresceu 9,5% em volume de vendas em 2014, com destaque para a área de Oncologia e Hematologia. Na divisão Diagnóstica, o crescimento em relação a 2013 foi de 8%, em boa parte por causa do desempenho nas vendas das linhas de diagnóstico profissional. 47,5 bilhões de francos suíços foi a receita global. Valor econômico gerado e distribuído g4-ec1 Demonstração de valor adicionado (em %)* Acionistas (remuneração de capital próprio) Colaboradores (remuneração, benefícios e encargos para empregados) Governo (impostos, taxas e contribuições) FARMA DIAG FARMA DIAG FARMA DIAG 7% 0% 8% 0% 6% 3% 40% 50% 41% 50% 34% 39% 28% 27% 31% 29% 27% 22% Lucro retido/prejuízo do exercício 21% 0% 15% 0% 28% 4% Juros e aluguéis (remuneração 4% 0% 5% 0% 4% 15% de capital de terceiros) Investimentos na comunidade 0% 23% 0% 21% 0% 17% Demonstrativo de valor adicionado (R$ mil) FARMA DIAG FARMA DIAG FARMA DIAG 1 Receitas Insumos adquiridos de terceiros Valor adicionado bruto (1-2) Retenções Valor adicionado líquido produzido pela organização (3-4) 6 Valor adicionado recebido em transferência 7 Valor adicionado total a distribuir (5 + 6) *Na demonstração do valor adicionado da divisão Farmacêutica, pode-se observar que a distribuição do valor adicionado está concentrada para colaboradores (34%) e governo (27%), em linha com a distribuição de anos anteriores. O valor econômico gerado pela Roche vem crescendo ao longo dos anos, conforme expectativas de aumento de seu mercado.

20 Nosso negócio 19 Nosso negócio A Roche possui equipes focadas em estudos e pesquisas clínicas, sejam independentes ou em parceria com outras afiliadas, e apoia estudos de centros de pesquisas globais. Neste capítulo Diagnóstico e tratamento Qualidade Logística Meio ambiente Comercialização de produtos Reconhecimentos

Perfil da Organização

Perfil da Organização 03 Perfil da Organização A Roche é referência global em inovação e em pesquisas e desenvolvimento de medicamentos e produtos de diagnósticos com tecnologia de ponta. 8 Roche - Relatório de Sustentabilidade

Leia mais

Roche apresenta fortes resultados em 2013: crescimento de 6%

Roche apresenta fortes resultados em 2013: crescimento de 6% Roche apresenta fortes resultados em 2013: crescimento de 6% Demanda no Brasil registra aumento de 9,4%. Vendas totais do Grupo alcançam 46,8 bilhões de francos suíços A Roche anunciou hoje os seus resultados

Leia mais

2.3. Governança Corporativa 23 2.4. Ética e Compliance 26 2.5. Reconhecimento 28

2.3. Governança Corporativa 23 2.4. Ética e Compliance 26 2.5. Reconhecimento 28 Índice 1. Mensagem aos Públicos de Relacionamento (Stakeholders) 4 2. Perfil da Organização 8 2.1. Grupo Roche 1 2.2. Roche no Brasil 16 2.3. Governança Corporativa 23 2.4. Ética e Compliance 26 2.5. Reconhecimento

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS

CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS CORRELAÇÃO COM OUTRAS INICIATIVAS do conteúdo dos Indicadores Ethos com outras iniciativas Com a evolução do movimento de responsabilidade social e sustentabilidade, muitas foram as iniciativas desenvolvidas

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade 2009

Relatório de Sustentabilidade 2009 Relatório de Sustentabilidade 2009 Roche Brasil Inovando em saúde 2 Relatório de Sustentabilidade 2009 Medicina Personalizada As pessoas são diferentes e as doenças também C.A.M. 32 anos Paciente com câncer

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL

DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL DIRETRIZES PARA UM FORNECIMENTO SUSTENTÁVEL APRESENTAÇÃO A White Martins representa na América do Sul a Praxair, uma das maiores companhias de gases industriais e medicinais do mundo, com operações em

Leia mais

Nós buscamos as respostas

Nós buscamos as respostas A vida faz as perguntas Nós buscamos as respostas Inovando em saúde A vida faz as perguntas. Roche Inovando em Saúde 1 O que poderá me ajudar? Posso ter esperança? Quando os outros irão perceber? O que

Leia mais

PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015

PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015 PRSA - POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins meramente informativos. É proibida a reprodução total ou

Leia mais

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE POLÍTICA DE COMPLIANCE Revisado em Março de 2013 I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE A The Warranty Group, Inc. (corporação) e suas empresas subsidiárias têm o compromisso de realizar seus negócios de modo

Leia mais

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA APRESENTAÇÃO Este é o Código de Conduta da Net Serviços de Comunicação S.A. e de suas controladas ( NET ). A NET instituiu este Código de Conduta norteado

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance O Compliance e as metodologias para monitorar riscos de não conformidade 14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance 11 de novembro 2014 14 horas Agenda Os principais objetivos do nosso encontro 1.

Leia mais

HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ

HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ Origem A preocupação com as questões sociais fez com que o professor e sacerdote italiano D. Luigi Maria Verzé chegasse ao Brasil, em 1974, através do Monte

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO A Ultrapar realizou em 2011 um programa de comunicação e disseminação do tema sustentabilidade entre seus colaboradores, com uma série de iniciativas voltadas para o engajamento e treinamento das pessoas.

Leia mais

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social

ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social ISO 26000: Diretrizes sobre Responsabilidade Social Características essenciais de Responsabilidade Social Incorporação por parte da organização de considerações sociais e ambientais nas suas decisões tornando-se

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

O Grupo Atlas Copco. Código de Conduta Empresarial

O Grupo Atlas Copco. Código de Conduta Empresarial O Grupo Atlas Copco Código de Conduta Empresarial Índice O Grupo Atlas Copco 1 Primeiro na Mente Primeiro na Escolha 2 Valores Fundamentais 3 Relações 4 Sociedade e o ambiente 5 Colaboradores 6 Clientes

Leia mais

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo

Índice. Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo Código de Conduta Índice Missão, Visão, Valores e Princípios Objetivo Aplicabilidade Organização Interna Relacionamento Externo 3 4 5 6 9 Missão, Visão, Valores e Princípios Missão Visão Princípios Valores

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

Código de Princípios de Negócios e Ética BTG Pactual

Código de Princípios de Negócios e Ética BTG Pactual Código de Princípios de Negócios e Ética BTG Pactual Nossa Visão e Nossos Valores Compartilhar uma única ambição é a chave para a história de sucesso do BTG Pactual. Ela só poderá ser atingida através

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Edição: agosto/2014 1 ÍNDICE Visão, Missão e Valores 6 Fornecedores e prestadores de serviço 14 Objetivos 7 Brindes, presentes e entretenimento 15 Princípios

Leia mais

8º Forum de Saúde e Segurança do Trabalho. FEBRABAN

8º Forum de Saúde e Segurança do Trabalho. FEBRABAN 8º Forum de Saúde e Segurança do Trabalho. FEBRABAN Cultura de Saúde e Segurança no Trabalho: da Norma para o Valor Volvo do Brasil Quais os Valores e Práticas em Saúde e Segurança do Trabalho que asseguram

Leia mais

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO

BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO BIC AMAZÔNIA S.A. RELATÓRIO DE DESEMPENHO SOCIAL JANEIRO DE 2015 I - APRESENTAÇÃO A unidade BIC Amazônia está localizada na cidade de Manaus, no Estado do Amazonas, onde são produzidos canetas, lápis,

Leia mais

C Da Nome D Empr PRO idade epar ta esa tamen T OC to OL O DE ENTRE GA Estado RG A C ssina ar go tur a CÓDIGO DE ÉTICA

C Da Nome D Empr PRO idade epar ta esa tamen T OC to OL O DE ENTRE GA Estado RG A C ssina ar go tur a CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA Prezados, O Código de Ética apresenta os princípios éticos que devem orientar as decisões e a conduta dos funcionários do Ultra e parceiros da companhia. Além de expressar os compromissos

Leia mais

Vivendo de acordo com nossos valores...

Vivendo de acordo com nossos valores... Vivendo de acordo com nossos valores... o jeito Kinross Nossa empresa, Kinross, é uma empresa internacional de mineração de ouro sediada no Canadá, com operações nos Estados Unidos da América, Rússia,

Leia mais

Programa de Compliance Anticorrupção Case ArcelorMittal

Programa de Compliance Anticorrupção Case ArcelorMittal Programa de Compliance Anticorrupção Case ArcelorMittal Suzana Fagundes Ribeiro de Oliveira Diretora Jurídica e de Relações Institucionais Compliance Officer Setembro de 2014 Números ArcelorMittal - 2013

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

ThyssenKrupp Code of Conduct

ThyssenKrupp Code of Conduct ThyssenKrupp Desenvolvendo o futuro. Prefácio Caros colegas, a nossa missão descreve os valores que desejamos compartilhar e como queremos cooperar hoje e no futuro. Ela define um objetivo claro, que temos

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada;

Missão. - Estimular a capacidade de análise dos problemas que se apresentam no campo da Saúde Pública e Privada; CURSO: Farmácia Missão O curso tem como missão formar profissionais farmacêuticos capazes de exercer atividades referentes aos fármacos e aos medicamentos, às análises clínicas e toxicológicas, ao controle,

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

Economia da Saúde: a inovação e seu impacto no Sistema de Saúde. Erika Aragâo Fiocruz BA e UFBA

Economia da Saúde: a inovação e seu impacto no Sistema de Saúde. Erika Aragâo Fiocruz BA e UFBA Economia da Saúde: a inovação e seu impacto no Sistema de Saúde Erika Aragâo Fiocruz BA e UFBA Ciência: "Refere-se a um sistema de aquisição de conhecimento. Tradicionalmente relacionado a observação e

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

Índice. 4. Princípios Os seguintes princípios norteiam as ações de Responsabilidade Socioambiental da Chevrolet Serviços Financeiros.

Índice. 4. Princípios Os seguintes princípios norteiam as ações de Responsabilidade Socioambiental da Chevrolet Serviços Financeiros. Índice 1. Objetivo... 1 2. Escopo e Partes Afetadas... 1 3. Definições... 1 4. Princípios... 1 5. Objetivos, metas e programas... 2 6. Papéis e Responsabilidades... 5 7. Regulamentação Aplicável... 6 1.

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DATA-BASE: JANEIRO/2014 PORTOSEG S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO Contexto Operacional A Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Marketing Direto faz bem para a saúde

Marketing Direto faz bem para a saúde capa Marketing Direto faz bem para a saúde Hospitais e laboratórios têm encontrado no Marketing Direto uma forma eficaz de comunicação, sem cair nas restrições da Anvisa. Levando-se em consideração que

Leia mais

Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos. Junho, 2013

Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos. Junho, 2013 Canais de diálogo com públicos impactados e mediação para resolução de conflitos Junho, 2013 1 Contexto Concentração espacial, econômica e técnica; Indústria é de capital intensivo e business to business

Leia mais

Apresentação. Objetivo. Conhecendo a Empresa. Visão. Missão. Princípios e Valores. Política Integrada da Qualidade

Apresentação. Objetivo. Conhecendo a Empresa. Visão. Missão. Princípios e Valores. Política Integrada da Qualidade Apresentação Conhecendo a Empresa Objetivo Visão Missão Princípios e Valores Política Integrada da Qualidade 2 P á g i n a F e r r a m e n t a s Apresentação A é uma empresa especializada em comercializar

Leia mais

Código de Conduta Corporativa

Código de Conduta Corporativa Código de Conduta Corporativa Código de Conduta Corporativa 04 Introdução 05 Objetivo 06 Razão de Ser 07 Princípios de Comportamento 16 Confidencialidade 18 Relacionamentos 23 Gestão do Código de Conduta

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE Ética para viver Ética para viver MENSAGEM DO PRESIDENTE Caro colaborador, A Bandeirante possui missão, visão e valores definidos. Eles estão discriminados em um documento amplamente difundido dentro e

Leia mais

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo

Pronta para se tornar uma das 20 maiores produtoras de cimento do mundo 06 Governança TRANSPARÊNCIA 23 Corporativa e Gestão Conselho de Administração O Conselho de Administração da Camargo Corrêa Cimentos é composto de até seis membros, sendo um presidente, três vice-presidentes

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional Gerenciamento do Risco Operacional Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2010 Compliance 001 Dezembro/2011 Compliance 002 Dezembro/2012 Compliance 003 Agosto/2014 Compliance 004 Revisão do documento

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012.

PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro de 2012. CODIM COMITÊ DE ORIENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES AO MERCADO (ABRAPP ABRASCA AMEC ANBIMA ANCORD ANEFAC APIMEC BM&FBOVESPA CFC IBGC IBRACON IBRI) PRONUNCIAMENTO DE ORIENTAÇÃO Nº 14, de 04 de setembro

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/9 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Princípios... 4 4. Diretrizes... 4 4.1. Estrutura de Governança... 4 4.2. Relação com as partes interessadas...

Leia mais

Rastreabilidade de medicamentos Sua empresa está preparada?

Rastreabilidade de medicamentos Sua empresa está preparada? www.pwc.com.br Rastreabilidade de medicamentos Sua empresa está preparada? Entenda os impactos da nova regulamentação para a sua empresa e como a PwC pode ajudá-lo. O que é? 1 Brasil. Anvisa - Agência

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD O SUCESSO DA IMCD É BASEADO NO ESTABELECIMENTO DE UM AMBIENTE QUE PROMOVE A RESPONSABILIDADE, CONFIANÇA E O RESPEITO. IMCD Código de Conduta 3 1. Introdução O

Leia mais

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil

Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Fortalecendo o Sistema de Farmacovigilância para a introdução de novos medicamentos para a tuberculose no Brasil Introdução Em 2009, o Ministério da Saúde (MS) do Brasil mudou seu esquema de tratamento

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS. luciene@fortalnet.com.br 1

POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS. luciene@fortalnet.com.br 1 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS luciene@fortalnet.com.br 1 POLÍTICA? luciene@fortalnet.com.br 2 Política É um compromisso oficial expresso em um documento escrito. São decisões de caráter geral, destinadas

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA SISTEMA FIERGS

CÓDIGO DE ÉTICA SISTEMA FIERGS CÓDIGO DE ÉTICA SISTEMA FIERGS CÓDIGO DE ÉTICA SISTEMA FIERGS Sumário 1. Objetivo...7 2. Entidades...9 2.1. Missão... 10 2.2. Visão... 11 2.3. Valores e Princípios... 12 3. Abrangência... 15 3.1 Aplicação...

Leia mais

TASCHIBRA. Resumo. Sistema de Gestão de Qualidade SGQ na Taschibra: processo de melhoria contínua

TASCHIBRA. Resumo. Sistema de Gestão de Qualidade SGQ na Taschibra: processo de melhoria contínua TASCHIBRA Sistema de Gestão de Qualidade SGQ na Taschibra: processo de melhoria contínua por Ademar do Amaral Jr Mestre em Administração pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (2007); Especialista

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

CAMPANHA DE SUSTENTABILIDADE (mudança no título antes chamada de Campanha Indústria Farmacêutica & Iniciativas de Responsabilidade Corporativa)

CAMPANHA DE SUSTENTABILIDADE (mudança no título antes chamada de Campanha Indústria Farmacêutica & Iniciativas de Responsabilidade Corporativa) CAMPANHA DE SUSTENTABILIDADE (mudança no título antes chamada de Campanha Indústria Farmacêutica & Iniciativas de Responsabilidade Corporativa) A categoria SUSTENTABILIDADE é a antiga categoria Indústria

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

G e s t ã o Colaborativa, Humanizada e Sustentável. Luiz Ildebrando Pierry Coordenador Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade

G e s t ã o Colaborativa, Humanizada e Sustentável. Luiz Ildebrando Pierry Coordenador Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade G e s t ã o Colaborativa, Humanizada e Sustentável Luiz Ildebrando Pierry Coordenador Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Mudanças Estratégias Escolhas Circunstâncias O momento que vivemos:

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Agila agora é uma empresa Mylan. Mylan.com

Agila agora é uma empresa Mylan. Mylan.com Agila agora é uma empresa Mylan. Mylan.com NON-2013-0059 Quem é a Mylan? Somos uma das maiores empresas farmacêuticas no mundo em produtos genéricos e de especialidades, fornecendo medicamentos essenciais

Leia mais

Assistência. Assistência no INCA

Assistência. Assistência no INCA Assistência A qualidade do tratamento oferecido aos pacientes pelo Sistema Único de Saúde é de alta prioridade entre as ações desenvolvidas para o controle do câncer no Brasil. Por tratar-se de uma doença

Leia mais

Código de Ética. Âmbito de aplicação

Código de Ética. Âmbito de aplicação Código de Ética Âmbito de aplicação O Código de Ética agora publicado busca orientar as ações da Energias do Brasil S.A. e de suas Controladas ( Energias do Brasil ) cujo âmbito de aplicação considera

Leia mais

A Sustentabilidade no HSL. Diretoria de Filantropia e Responsabilidade Social

A Sustentabilidade no HSL. Diretoria de Filantropia e Responsabilidade Social A Sustentabilidade no HSL Diretoria de Filantropia e Responsabilidade Social Sustentabilidade HSL Panorama Geral Desequilíbrio do processo econômico Fonte: New Scientist (18 October 2008, p 40). Legenda:

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage.

Preâmbulo. resultado econômico, ao mesmo tempo em que protege o meio ambiente e melhora a qualidade de vida das pessoas com as quais interage. Preâmbulo Para a elaboração da Política de Sustentabilidade do Sicredi, foi utilizado o conceito de Sustentabilidade proposto pela abordagem triple bottom line (TBL), expressão que reúne simultaneamente

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais