ESTUDO DE ATRATIVIDADE E POTENCIALIDADE DOS CLUSTERS AGROALIMENTAR, ECONOMIA DO MAR, CIDADES INTELIGENTES, TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO E TURISMO PARA AS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE ATRATIVIDADE E POTENCIALIDADE DOS CLUSTERS AGROALIMENTAR, ECONOMIA DO MAR, CIDADES INTELIGENTES, TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO E TURISMO PARA AS"

Transcrição

1 ESTUDO DE ATRATIVIDADE E POTENCIALIDADE DOS CLUSTERS AGROALIMENTAR, ECONOMIA DO MAR, CIDADES INTELIGENTES, TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO E TURISMO PARA AS EMPRESAS TICE

2 Estudo de atratividade e potencialidade dos Clusters Agroalimentar, Economia do Mar, Cidades Inteligentes, Tecnologias de Produção e Turismo para as empresas TICE Sumário Executivo PARTE I ABORDAGEM METODOLÓGICA E TENDÊNCIAS DE EVOLUÇÃO 1/ Introdução 2/ Metodologia 3/ Tendências 3.1 Tendências Tecnológicas 3.2 Tendências de Fundo PARTE II ANÁLISE DA ATRATIVIDADE POTENCIAL DOS CLUSTERS 4/ Cluster das Cidades Inteligentes 5/ Cluster Agroalimentar 6/ Cluster das Tecnologias de Produção 7/ Cluster do Turismo 8/ Cluster da Economia do Mar PARTE III RECOMENDAÇÕES E ATRATIVIDADE DOS CLUSTERS 9/ Recomendações para Inovar e Competir dentro dos Clusters 10/ Avaliação da Atratividade dos Clusters 10.1 Cluster das Cidades Inteligentes 10.2 Cluster Agroalimentar 10.3 Cluster das Tecnologias de Produção 10.4 Cluster do Turismo 10.5 Cluster da Economia do Mar Agradecimentos Presenças no Workshop Anexos Referências Bibliográficas

3 B TEN Business Talent Enterprise Network 3

4 Estudo de atratividade e potencialidade dos Clusters Agroalimentar, Economia do Mar, Cidades Inteligentes, Tecnologias de Produção e Turismo para as empresas TICE 4

5 B TEN Business Talent Enterprise Network FICHA TÉCNICA Título: Estudo de atratividade e potencialidade nos clusters Agroalimentar, Economia do Mar, Cidades Inteligentes, Tecnologias de Produção e Turismo Autoria: B TEN Business Talent Enterprise Network Coordenação Global: Sérgio Lorga Equipa Técnica: João Ribeiro, José Vasconcelos, Mafalda Correia, Nuno Crespo, Patrícia Silva Projeto Gráfico: Musse Ecodesign Edição: Setembro

6 Estudo de atratividade e potencialidade dos Clusters Agroalimentar, Economia do Mar, Cidades Inteligentes, Tecnologias de Produção e Turismo para as empresas TICE // SUMÁRIO EXECUTIVO O estudo Atratividade e Potencialidade dos Clusters insere-se no âmbito do Projeto SIAC PAE e visa efetuar a avaliação da atratividade e potencialidade dos clusters do Mar, Cidades Inteligentes, Agroalimentar, Tecnologias de Produção e Turismo como mercados prioritários de aposta para as empresas TICE da Região. 6

7 B TEN Business Talent Enterprise Network O presente estudo procura dar pistas e orientar as empresas de Tecnologias de Informação, Comunicação e Eletrónica (TICE) associadas da Inova-Ria para o aproveitamento de oportunidades que possam surgir no âmbito dos clusters decorrentes da antecipação de tendências e das evoluções tecnológicas esperadas num horizonte temporal de médio/ longo prazo. Com esta finalidade estimulou-se a participação ativa das empresas TICE (associadas Inova-Ria) e das entidades relevantes em cada cluster. Aplicaram-se ferramentas/metodologias inovadoras para a identificação de tendências e deteção de oportunidades de desenvolvimento de novas áreas de negócio, que possam resultar da capacidade de antecipar desafios tecnológicos. Ao longo do estudo apresentam-se um conjunto de recomendações estratégicas, que as empresas TICE poderão seguir, de forma a prosseguir uma abordagem focada no aproveitamento de oportunidades de desenvolvimento de modelos de negócios que respondam aos desafios dos clusters identificados. As linhas orientadoras apresentadas incidem essencialmente em atividades de vigilância (externa e interna) potenciadoras da implementação de novos processos e/ou novos produtos que permitam alcançar um posicionamento estratégico, dando resposta aos desafios dos mercados-alvo. ABORDAGEM METODOLÓGICA A abordagem metodológica identificada em sede do caderno de encargos, remete para a análise da atratividade e das potencialidades dos clusters, assente no modelo das cinco forças de Michael Porter (M. Porter). A equipa técnica deste Estudo, assim como o steering committee, órgão que acompanhou o trabalho ao longo do seu desenvolvimento, considerou que a metodologia a prosseguir deveria ser mais abrangente, recorrendo a metodologias de vigilância externa (tendências-chave, nomeadamente as tendências tecnológicas, forças de mercado, forças macroeconómicas) e uma metodologia de vigilância interna, assente no Modelo do Open Innovation Canvas, cuja mais valia decorre da identificação e análise das dinâmicas potenciadoras da competitividade das empresas. Instrumentalmente foram identificadas tendências de fundo associadas a dez áreas de vivência social: saúde, alimentação, educação, trabalho, ambiente, lazer, mobilidade, segurança, energia e consumo. Paralelamente foram identificadas tendências tecnológicas e selecionadas 18, cujo potencial de crescimento é destacado por especialistas ao nível nacional e internacional, a saber: Big data; Cloud computing; Location Intelligence; Predictive Analytics; Activity Streams; Biometric authentication methods; Gesture control; Quantified self; Speech recognition; Virtual assistants; Affective computing; Augmented reality; Autonomous vehicles; Machine to machine communication services; Mobile robots; 3D Printing; Advanced materials (Nanomaterials); Quantum computing. O trabalho realizado teve a participação alargada de um conjunto de interlocutores, tendo contado, para além do steering committee, com um vasto número de especialistas que participaram num processo de auscultação que envolveu a realização de um questionário, entrevistas e de workshops (um para cada cluster). Através de uma metodologia de roadmapping tecnológico foi possível aproximar fornecedores de tecnologias (associados Inova-Ria) e potenciais clientes (empresários inseridos nos clusters), identificando tendências de mercado, oportunidades setoriais com potencial de inovação, possíveis aplicações e ainda facilitadores/barreiras e recursos necessários para o seu desenvolvimento. As oportunidades com potencial de inovação nos clusters são inúmeras, interessa portanto perceber a realidade em que a empresa se insere, a sua envolvente, de forma a tirar o maior partido de cada um dos desafios. Neste contexto, aferiuse quais as tendências tecnológicas com maior interesse para cada um dos clusters. 7

8 Estudo de atratividade e potencialidade dos Clusters Agroalimentar, Economia do Mar, Cidades Inteligentes, Tecnologias de Produção e Turismo para as empresas TICE CIDADES INTELIGENTES O cluster das Cidades Inteligentes regista um elevado nível de atratividade para o setor das TICE, alavancado quer pelo elevado número de setores de atuação, quer pela proximidade que este cluster tem das atividades do dia-a-dia e do cidadão comum, havendo facilidade na identificação de necessidades e de oportunidades de inovação. As questões associadas à interoperabilidade dos sistemas de transportes, a gestão dos edifícios, a segurança pública e o desenvolvimento de tecnologias de gestão de redes inteligentes com a integração de uma multiplicidade de dispositivos e de sensores e a gestão de quantidades enormes de dados e de informação que é gerada em cada momento, começa agora a ter as primeiras soluções, estando por isso numa fase muito inicial de desenvolvimento, havendo ainda incerteza quanto às soluções que no futuro serão os principais standards. Esta fase inicial coloca grandes desafios em termos da compatibilidade de soluções para problemas relacionados, em que o investimento numa nova solução deve ser precedido pela vigilância do mercado e da tecnologia a fim de perceber se existem aplicações similares a serem desenvolvidas por (grandes) concorrentes que tenham maior facilidade de distribuição dessas soluções no mercado, nomeadamente no mercado internacional. Importa ainda destacar que os constrangimentos financeiros que nos próximos anos moldarão as decisões de investimento do Setor Público, nomeadamente das Autarquias, que por definição são um dos principais clientes finais das novas soluções, poderão tornar mais atrativas as soluções que resolvam em primeira instância problemas comuns dos cidadãos. Estas soluções têm que ser intuitivas, fáceis de utilizar e têm que dar a clara perceção do valor entregue ao cliente, para que os cidadãos valorizem os benefícios das aplicações ao ponto de estarem disponíveis para pagar por elas. Outras áreas de atuação com elevada atratividade são as áreas da Energia, Utilities e Transportes e Logística, pelo facto de nestes setores operarem empresas com elevados fluxos de investimento, que valorizam muito as soluções que aumentem a eficiência e eficácia dos seus serviços. Subjacente a todo o desenvolvimento de soluções neste cluster está a necessidade de desenvolvimento da infraestrutura necessária à comunicação, armazenagem e tratamento dos dados, que permita a adoção em massa das soluções desenvolvidas (nomeadamente das soluções para o cidadão comum). As principais tecnologias necessárias ao desenvolvimento destas aplicações são: Big Data; Location Intelligence; 3D Printing; Machine-to-Machine Comunication Services; Virtual Assistants; Biometric Autentication Methods; Mobile Robots. 8

9 B TEN Business Talent Enterprise Network 9

10 Estudo de atratividade e potencialidade dos Clusters Agroalimentar, Economia do Mar, Cidades Inteligentes, Tecnologias de Produção e Turismo para as empresas TICE AGROALIMENTAR O cluster Agroalimentar, a nível global, enfrenta um conjunto de importantes desafios relacionados com o crescimento da população mundial, as alterações climáticas, a crescente necessidade de segurança e a necessidade de sustentabilidade ambiental, social e económica. Na Europa, os desafios são o aumento de produtividade e de ganhos substanciais de eficiência na produção e na cadeia de valor, respondendo a um mercado cada vez mais sofisticado e exigente em qualidade, segurança, garantias e preço. A estes acrescem os condicionalismos e as oportunidades impostos pelas políticas públicas. A conjuntura portuguesa acrescenta a estes desafios uma estrutura empresarial débil e de pequena dimensão. Por outro lado, as políticas públicas que condicionam, mas também apoiam o setor, canalizam para as atividades fluxos importantes de financiamento, quer através de subsídios a fundo perdido, quer através da disponibilização de crédito ao investimento que viabilizam as apostas empresariais. Nos próximos anos, a necessidade de inovação, nomeadamente ao nível da biotecnologia e das TICE, é fundamental para vencer estes desafios. 10

11 B TEN Business Talent Enterprise Network A diversidade das atividades a que as empresas do cluster se dedicam despoleta múltiplas oportunidades não apenas na melhoria tecnológica ou de processo, como também no encurtamento das cadeias de valor e de informação. Para o encurtamento das cadeias de valor serão essenciais os contributos das tecnologias associadas à WEB, como Activities Streams e Predictive Analytics. A multiplicidade de tecnologias (na sua maior parte TICE) incluídas nos processos, desde a produção até ao consumo, gera um elevado potencial de desenvolvimento de aplicações e instrumentos de controlo, de produção e investigação e inovação. Para promover o encurtamento da cadeia de valor, aproximando a produção do consumidor, identifica-se como potencial gerador de oportunidades a utilização de tecnologias como Virtual Assistance e Augmented Reality. Na área da gestão de informação e qualidade prevê-se o incremento das tecnologias como Internet of Things, Machine to Machine, Location Intelligence, Big Data, Advanced Materials e Autonumous Machines como veículos de solução para os problemas que se colocam para elevar a produtividade, diminuir o preço final aumentando a qualidade, assegurando segurança, potenciando as caraterísticas organoléticas, obtendo ganhos de resistência à perecidade ou otimizando a transportabilidade. 11

12 Estudo de atratividade e potencialidade dos Clusters Agroalimentar, Economia do Mar, Cidades Inteligentes, Tecnologias de Produção e Turismo para as empresas TICE 12

13 B TEN Business Talent Enterprise Network TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO O cluster das Tecnologias de Produção apresenta-se como gerador de inúmeras oportunidades pela diversidade de caraterísticas e indústrias que o integram. Os desafios atuais do cluster prendem-se com a elevada volatilidade do mercado, as exigências dos consumidores cada vez mais elevadas e o consequente aumento da importância que estes têm vindo a demonstrar nos processos produtivos. Estes aspetos levam à necessidade de adaptação a ciclos de vida dos produtos cada vez mais curtos e assim adotar, entre outras medidas, estratégias pull, através da utilização de equipamentos flexíveis e com caraterísticas de rápido set-up aos desafios/situações, logo capazes de, utilizando tecnologias como virtual assistants, predictive analytics, quantum computing e augmented reality, adaptar-se rapidamente aos padrões de produção exigidos. Os clientes/consumidores estão cada vez mais exigentes nas questões relacionadas com o controlo/garantia de qualidade, querendo isto dizer que a preocupação com a rastreabilidade e monitorização está a aumentar, havendo necessidade de dar a conhecer a origem, as transformações e fases em que os produtos se encontram. A utilização de ferramentas de previsão e sensorização ganham importância na ligação entre a dinâmica da procura e a gestão da produção (caraterísticas dos produtos, dimensão dos lotes de produção, gestão dos stocks, etc.). Os pontos anteriormente identificados revelam a importância de investir na capacidade de comunicação dos equipamentos, através de cloud computing e machine-to-machine communications, independentemente dos seus sistemas e marcas, garantindo a existência de processos contínuos e autónomos. Esta metodologia/processo pode, e deve, ser fortalecida através da integração da cadeia de valor, efetuando o estabelecimento de redes e parcerias entre qualquer interveniente na cadeia, que pode envolver desde fornecedores, a entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional (SCTN), até utilizadores das tecnologias, criando assim sinergias mútuas. Do lado da eficiência do processo produtivo destaca-se a aposta em tecnologias potenciadoras da eficiência, nomeadamente na área dos mobile robots e gesture control, que voltam a ganhar relevância nesta nova fase de revalorização da capacidade industrial nacional e europeia. As energias renováveis são um tema que está também presente, num objetivo global denominado sustentabilidade, que visa garantir a eficácia e eficiência das empresas. As energias renováveis surgem, não como uma fonte geradora de energia para o funcionamento dos equipamentos, mas sim como parte integrante dos processos produtivos e dos equipamentos. A atratividade para as TICE é elevada na medida em que os desafios deste cluster, que passa por um processo de re-industrialização, estão a ser respondidos investindo em sistemas que possuem capacidade para interagir com materiais, peças e produtos através da monitorização e comunicando com outros sistemas na fábrica através de eletrónica e de recursos de computação. A estes desafios estão associados em permanência a segurança dos trabalhadores, a sustentabilidade, a eco-inovação e a interação com a rede de parceiros que integram o ecossistema competitivo. 13

14 Estudo de atratividade e potencialidade dos Clusters Agroalimentar, Economia do Mar, Cidades Inteligentes, Tecnologias de Produção e Turismo para as empresas TICE 14

15 B TEN Business Talent Enterprise Network TURISMO O cluster do Turismo apresenta uma atratividade elevada para o setor das TICE, prevendo-se que num futuro próximo possa ainda aumentar, devido ao crescimento do seu peso nos diversos elos da cadeia de valor. A abrangência e transversalidade deste cluster, aposta na crescente sofisticação do uso da internet, alavancando vantagens através de meios cada vez mais inovadores, fazendo crescer a competitividade e em simultâneo a desigualdade entre os vários intervenientes da cadeia de valor. O cluster do turismo é considerado um cluster emocional, uma vez que o processo de tomada de decisão assenta em perceções e sensações, que são únicas para cada indivíduo, daqui decorrendo a importância identificada para tendências tecnológicas como affective computing, speech recognition, biometric authentication methods que interagem diretamente com o turista-cliente. O alojamento e a restauração, na cadeia de valor do turismo, são os elos que mais poderão beneficiar com as aplicações a desenvolver no cluster, nomeadamente na implementação de software mais sofisticado no back- -office (designadamente através de sistemas de CRM Customer Relationship Management - mais integrados e customizados). Paralelamente, as agências de viagem beneficiarão da introdução do conceito de reputation manager digital e de plataformas inteligentes que possibilitem ao cliente-turista possuir um gestor de cliente, à imagem do que é praticado no sistema bancário (gestor bancário). De destacar ainda, para as empresas turísticas de pequena dimensão, a possibilidade de desenvolverem plataformas digitais e/ou outros dispositivos, utilizando uma soft brand comum, o que ajudaria a colmatar as dificuldades destas estruturas, em termos de publicidade e marketing, potenciando-as para serem mais competitivas dentro do segmento a que pertencem. O turista green surge também como uma tendência bastante relevante para este cluster. As soluções eco-friendly aplicadas aos recursos naturais, à utilização de novos materiais, a partir de resíduos e/ou o desenvolvimento de novos materiais assentes na nanotecnologia, biotecnologia, entre outros são tendências em curso, com bastante potencial de crescimento. O desenvolvimento de tecnologias associadas ao entretenimento, como por exemplo, os jogos e as visitas virtuais que exploram o affective computing e a augmented reality introduzindo-lhes um cariz cada vez mais adaptado ao utilizador em causa, customizados e móveis, a partir de aplicações user-friendly, com soluções intuitivas à perceção do cliente, são uma tendência com grande representatividade no mercado e cada vez em maior crescimento. 15

16 Estudo de atratividade e potencialidade dos Clusters Agroalimentar, Economia do Mar, Cidades Inteligentes, Tecnologias de Produção e Turismo para as empresas TICE MAR O cluster da Economia do Mar apresenta uma atratividade que comparativamente com as restantes pode ser classificada como média-alta. Se por um lado esta atratividade é alavancada pelo elevado número de atividades que inclui e pela importância à escala global de algumas dessas atividades, por outro é refreada pela inclusão de um conjunto de setores emergentes que ainda têm uma procura imatura e com grande dificuldade de obtenção de financiamento. A grande distância que algumas atividades têm do cidadão comum pode penalizar o interesse comercial no desenvolvimento de algumas soluções, exigindo das empresas TICE um investimento adicional de ambientação com os conceitos, modelos de negócio e necessidades existentes em cada um dos setores que o integram. Esse esforço adicional poderá ser exigido também no caso do exercício de auscultação da tecnologia já existente ou das soluções que se encontram a ser desenvolvidas, para tentar controlar o risco de desenvolvimento de novas soluções. Aliás, este cluster tem registado nos últimos anos um crescimento das atividades de I&D e Inovação, como forma de responder ao incremento da concorrência asiática. O desenvolvimento de novas aplicações terá objetivos distintos, dependendo dos setores a que se dirigem: no caso dos setores emergentes as novas soluções valerão sobretudo pela novidade, enquanto no caso dos setores maduros existe uma grande procura de soluções que aumentam a eficiência e permitem modernizar e melhorar as operações atuais. Dada a distinção entre tipologias de setores, na identificação dos setores alvo de atenção por parte das empresas TICE, há que ponderar qual a capacidade que os players desses setores têm para desenvolver novos projetos, nomeadamente para aceder a financiamento. O desenvolvimento de soluções poderá ter origem em setores com diversos operadores, de forma a tornar as aplicações replicáveis e escaláveis, tais como na fileira do pescado e aquacultura, transportes marítimos e atividades logísticas e portuárias. Possui ainda grande atratividade o desenvolvimento de soluções que cheguem ao consumidor final, como no caso das soluções para o turismo marítimo e náutica de recreio. As principais tecnologias identificadas como sendo importantes para o desenvolvimento de aplicações para o cluster são: Big Data; Location Intelligence; Predictive Analytics; Augmented Reality (visão artificial); Quantified self; Machine-to-Machine Communication Services; Autonomous vehicles; Mobile Robots; e Advanced Materials (Nanomaterials). 16

17 B TEN Business Talent Enterprise Network PULL VIGILÂNCIA COMPETITIVA PUSH VIGILÂNCIA CONTEXTO VIGILÂNCIA MERCADO VIGILÂNCIA TECNOLÓGICA INSPIRAÇÃO LIDERANÇA ESTRATÉGIA EXPLORAÇÃO Cultura, competências e capital humano Orientação estratégica para a mudança VIGILÂNCIA INTERNA Gestão para a mudança Implementação e gestão das atividades Estímulos à criatividade Planeamento a curto, médio e longo prazo VIGILÂNCIA DE CLUSTERS TURISMO AGROALIMENTAR TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO CIDADES INTELIGENTES MAR Software mais sofisticado no back-office (integração com Sistemas de CRM) Plataformas digitais (WEB 3,0) como agregador de serviços e conteúdos Soluções eco-friendly aplicadas aos recursos naturais (nanotecnologia, biotecnologia) Soluções user-friendly intuitivas para o turista Visitas e jogos virtuais costumizáveis Realidade aumentada para valorização dos recursos históricos e naturais Rastreabilidade de alimentos Integração de processos de gestão Gestão de sistemas logísticos Sensores e drones para controle de colheitas e deteção de riscos Controle efetivo pecuário e massa florestal Integração da cadeia de valor (redes e parcerias) Rastreabilidade e monitorização de todas as fases do processo produtivo Equipamentos flexíveis (rápido set-up) para resposta à procura Garantia de qualidade e Ferramentas de previsão Integração das energias renováveis nos equipamentos Interface e comunicação de equipamentos e maquinaria Robótica de apoio à performance dos operadores Mobilidade e acessibilidade Parqueamento citadino Energia e Utilities Construção sustentável e gestão de edifícios Armazenagem e tratamento de dados Segurança Pública Comunicação e gestão de interfaces e dispositivos Transportes e logística Qualidade e segurança alimentar Refrigeração e congelação Digitalizar e desburocratizar as operações portuárias Transporte de curta distância Inserção na rede transeuropeia Segurança e Defesa Energias renováveis Exploração do solo marinho Biotecnologia marinha Robótica e sensores 17

18 Estudo de atratividade e potencialidade dos Clusters Agroalimentar, Economia do Mar, Cidades Inteligentes, Tecnologias de Produção e Turismo para as empresas TICE PARTE I ABORDAGEM METODOLÓGICA E TENDÊNCIAS DE EVOLUÇÃO 18

19 B TEN Business Talent Enterprise Network 1/ INTRODUÇÃO As Tecnologias de Informação Comunicação e Eletrónica (TICE) apresentam-se atualmente como um motor importante na vida quotidiana e na atividade económica mundial. Sendo as economias mais dinâmicas que conseguem estabelecer uma posição favorável no mercado mundial. Em Portugal este mercado é marcado por uma expressiva concentração territorial, em torno das áreas mais dinâmicas do país. Em Aveiro, a Inova-Ria objetiva a criação e consolidação de um agrupamento de empresas que contribui para o desenvolvimento e competitividade da região e das TICE em Portugal. O seu sucesso deve-se em grande medida à valorização da especialização regional e ao grau de transversalidade e complementaridade das atividades da rede e dos seus associados. A inclusão de empresas âncora com elevada capacidade de atração de empresas de prestígio constitui-se como uma vantagem. Sendo fundamental dotar a Associação de mecanismos de apoio aos seus associados, este estudo pretende ser um instrumento da estratégia de desenvolvimento da Inova-Ria, ao abordar a atratividade e potencial de clusters e setores de atividade selecionados para progressão das empresas associadas. 19

20 Estudo de atratividade e potencialidade dos Clusters Agroalimentar, Economia do Mar, Cidades Inteligentes, Tecnologias de Produção e Turismo para as empresas TICE 2/ METODOLOGIA A Inova-Ria tendo por base os seus objetivos, que aposta explicitamente na valorização das áreas que incorporam uma forte componente científica e tecnológica de base nacional, selecionou cinco Clusters/Polos de Competitividade e Tecnologia (PCTs) que representam potenciais apostas de mercado para os seus associados, tendo em consideração a sua relevância atual e perspectivas de crescimento. Os clusters alvo identificados foram o cluster da Economia do Mar, cluster Agro alimentar, cluster das Tecnologias de Produção, cluster das Cidades Inteligentes/Smartcities e cluster do Turismo. Estes clusters e polos de competitividade são objeto de políticas públicas de incentivo à competitividade dos atores e traduzem, em grande medida, grandes apostas setoriais governamentais nas áreas da ciência e tecnologia, inovação e empreendedorismo. Esta escolha incidiu em particular na identificação de novas oportunidades, onde estes possam ter vantagens comparativas, ou setores passíveis de apostar, com vista a desempenharem um papel relevante no enquadramento da economia Europeia ou Mundial. Importa referir que as TICE atuam como um facilitador da comunicação e como um integrador transversal com fortes repercussões na inovação e na competitividade económica, em setores-chave como os identificados para alavancar o crescimento da performance dos associados da Inova-Ria. Este trabalho baseia-se numa metodologia de prospeção de mercado, com incidência em mercados de interesse para a progressão das empresas associadas da Inova-Ria. Começando por abordar de forma sucinta conceitos fundamentais para a avaliação da atratividade e potencial dos diferentes clusters e setores de atividade, o estudo assenta num exercício de reflexão que permite identificar, definir potenciais mercados prioritários e conhecer tendências tecnológicas cujo desenvolvimento poderá trazer maiores ganhos para os associados da Inova-Ria. A reflexão conjunta entre os associados Inova-Ria e os clusters alvo permite identificar as tendências, ao mesmo tempo que promove as relações de colaboração entre fornecedor e cliente. O presente estudo resulta dessa mesma reflexão, englobando as conclusões obtidas nas várias entrevistas aos profissionais dos diferentes setores, num questionário aplicado aos associados da Inova-Ria e aos resultados do Workshop Desafios do Mercado às TICE que recorreu à aplicação da metodologia de Roadmap Tecnológico. O roteiro metodológico levado a cabo neste estudo passou pelas seguintes fases: 1) Numa fase prévia com o apoio do steering committee, foram definidos e escolhidos os participantes e interlocutores adequados. Foram identificadas as principais tendências de mercado para cada um dos setores em causa e paralelamente levantadas as principais oportunidades com potencial de inovação associados a essas tendências e identificados especialistas que pudessem enriquecer o trabalho com a sua visão e capacidade prospetiva, quer participando no ciclo de entrevistas, quer participando nos workshops ao nível dos clusters. 2) Foram identificadas e sistematizadas, a partir de estudos prospetivos realizados por consultores internacionais e especialistas em T.I., as tendências tecnológicas. Posteriormente, foi ainda identificado um conjunto de tendências e com o apoio do steering committee, selecionadas 18 destas tendências tecnológicas como sendo aquelas que a nível mundial se espera terem mais impacto nos modelos de 20

21 B TEN Business Talent Enterprise Network negócio dos vários setores de atividade. O período de referência de maturidade tecnológica deveria situar-se em torno dos 5 anos, não devendo ultrapassar o horizonte dos 10 anos. No que se refere ao horizonte temporal, procurou-se definir um intervalo de tempo médio de cinco anos, por questões de adesão às estratégias de médio longo prazo das empresas. Este horizonte temporal possibilita às empresas o desenvolvimento de projetos de IDI para se posicionarem atempadamente no mercado afastando-se de horizontes temporais muito alargados onde a incerteza aumenta e a determinação dos fatores de competitividade fica mais difícil de prospetivar. 3) Posteriormente, pediu-se a um conjunto de especialistas dos clusters, em entrevistas, que pensassem em ideias para aplicações de base tecnológica que pudessem de alguma forma responder às oportunidades apontadas e identificar as tendências tecnológicas que estariam na base desse desenvolvimento. 4) Realização de questionários relativos a tendências tecnológicas, aos associados. 5) Realização de workshops para cada um dos clusters tendo em vista a realização de um roadmap tecnológico. A metodologia de roadmapping tecnológico privilegia a resposta às questões de posicionamento atual e futuro e da trajetória a percorrer para atingir as metas desejadas (ver figura seguinte). Figura 1 Elementos para preeenchimento de tela de Roadmap Tecnológico ONDE ESTAMOS NÓS AGORA? Quais são as tendências correntes? Quais são as áreas de nicho? Quais são os gaps na tecnologia? Temos as competências chave? ONDE QUEREMOS ESTAR? Qual é a sua visão para o futuro? Está a fazer alguma coisa atualmente, na qual deve depositar maior esforço? Que novas áreas se devem trabalhar? Why do we need to act? Where are we now? How can we get there? Where do we want to go? O QUE NOS IMPEDE DE LÁ CHEGAR? Quais são os gaps na nossa tecnologia? Temos as skills que necessitamos? Temos financiamento adequado? Temos a infraestrutura adequada? What should we do? O QUE É PRECISO SER FEITO PARA ULTRAPASSAR BARREIRAS? QUAIS SÃO OS FACILITADORES PARA LÁ CHEGAR? How should we do it? Questões fundamentais para Roadmapping 21

22 Estudo de atratividade e potencialidade dos Clusters Agroalimentar, Economia do Mar, Cidades Inteligentes, Tecnologias de Produção e Turismo para as empresas TICE A metodologia do Roadmap Tecnológico foi realizada com o auxílio de uma Tela, como a exemplificada na Figura 2, onde se organiza e sistematiza um conjunto de informação, quer em termos operacionais quer em termos organizacionais, assente nas tendências, recursos, facilitadores e barreiras presentes, projetados numa perspetiva de curto e médio prazo e ancorados numa visão de médio, longo prazo. Figura 2 Tela Roadmap Tecnológico TENDÊNCIAS MERCADO (TM1..) OPORTUNIDADES SETORIAIS/ POTENCIAL DE INOVAÇÃO APLICAÇÕES TECNOLOGIAS (TC1..TC17) TIPOLOGIA CLIENTES/ CADEIA DE VALOR Que novos produtos/serviços/ experiências podem ser criados à luz desta tendência de mercado? Poderemos aplicar esta tendência para lançar um novo negócio? Como adaptar os produtos/serviços atuais? Aplicações/dispositivos/ideias que possam na prática enformar as tendências de mercado e o potencial de inovação identificado Identificar das 18 tendências tecnológicas aquelas que poderão ajudar a desenvolver a aplicação/ dispositivo identificado. Quem são os clientes e qual a posição na cadeia de valor (Fornecedores?,Intermediários?, Cliente Final?) FACILITADORES/BARREIRAS (Mercado, Regulamentação, Sociedade, Economia) RECURSOS (Parcerias, Redes Conhecimento, Competências, Instalações/Infraestruturas) Figura 3 Metodologia de Abordagem 22

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

A Gisgeo. Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web. Geo Marketing e Geo Turismo. Localização de pessoas. Gestão de frota automóvel

A Gisgeo. Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web. Geo Marketing e Geo Turismo. Localização de pessoas. Gestão de frota automóvel A Gisgeo Web SIG Sistemas de Informação Geográfica via web Geo Marketing e Geo Turismo Localização de pessoas Gestão de frota automóvel App de localização para smartphones Sistemas de navegação GPS A Gisgeo

Leia mais

Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA

Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 10 de julho de 2014 Uma Visão: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA 2015

DOSSIER DE IMPRENSA 2015 DOSSIER DE IMPRENSA 2015 A Empresa A Empresa A 2VG é uma empresa tecnológica portuguesa criada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado das tecnologias de informação e comunicação

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor Seminário Apresentação das Conclusões Promotor Reuniões Técnicas Planos Estratégicos Ciclo de Debates Mobilidade e Transportes Saúde, Apoio Social, Segurança Social e Proteção Civil (Março, 2012) Educação,

Leia mais

NO MAR PORTUGUÊS WORKSHOP DE REFLEXÃO ESTRATÉGICA

NO MAR PORTUGUÊS WORKSHOP DE REFLEXÃO ESTRATÉGICA 4 de Novembro, 2013 Escola Superior Náutica Infante D. Henrique GUIA METODOLÓGICO Organização: Co-Financiado: 4 de Novembro, 2013 Escola Superior Náutica Infante D. Henrique 2 1. INTRODUÇÃO A Comissão

Leia mais

1. ENQUADRAMENTO DO SECTOR DO TURISMO

1. ENQUADRAMENTO DO SECTOR DO TURISMO 1 1. ENQUADRAMENTO DO SECTOR DO TURISMO As perspetivas de futuro do turismo a nível mundial, incluindo a sua contribuição para o desenvolvimento económico e social, são cada vez mais importantes. Existe

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal O apoio Inovação na Programação do Desenvolvimento Rural Eduardo Diniz Diretor do GPP Seminário Investigação,

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio do Capital Simbólico, Tecnologias e Serviços do Turismo

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio do Capital Simbólico, Tecnologias e Serviços do Turismo Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio do Capital Simbólico, Tecnologias e Serviços do Turismo www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais

Leia mais

A EDGE é uma empresa Portuguesa de base tecnológica dedicada à criação e desenvolvimento de sistemas ciber-físicos de elevado desempenho e em tempo real que combinam de forma única a automação, a robótica,

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015 Quem é a 2VG? A Empresa A 2VG Soluções Informáticas SA., é uma empresa tecnológica portuguesa, fundada em 2009, que surgiu para colmatar uma necessidade detetada no mercado

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

Visão Global de Operacionalização da Estratégia para as TIC na PSP 2013-2016

Visão Global de Operacionalização da Estratégia para as TIC na PSP 2013-2016 Visão Global de Operacionalização da Estratégia para as TIC na PSP 2013-2016 Outubro de 2013 Visão Global de Operacionalização da Estratégia para as TIC na PSP 2013-2016 Ciente da relevância estratégica

Leia mais

A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades

A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades A Inovação, a Ciência e Tecnologia e o Território no período 2014-2020 Perspetivas e Oportunidades Bragança, 16 de Outubro 2014 1 A Inovação em Portugal - Alguns dados recentes Em relação à média da União

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das Tecnologias de Largo Espectro

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das Tecnologias de Largo Espectro Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das Empresas www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais de Especialização Inteligente constitui

Leia mais

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020

Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 + competitivo + inclusivo + sustentável Fundos Estruturais e de Investimento 2014-2020 Piedade Valente Vogal da Comissão Diretiva do COMPETE Santarém, 26 de setembro de 2014 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA

Leia mais

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT?

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Cosme 1 O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Neste EU Report abordamos, em particular, o COSME, o novo programa quadro europeu para a competitividade das Empresas e das PME (pequenas e médias

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES A relevância de uma Agenda Digital e Tecnológica como instrumento de mudança

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES A relevância de uma Agenda Digital e Tecnológica como instrumento de mudança REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES A relevância de uma Agenda Digital e Tecnológica como instrumento de mudança 12º Encontro de Utilizadores da Esri Portugal Maio 2014 Eng. Bruno Pacheco Bruno.MC.Pacheco@azores.gov.pt

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Sistemas Agroambientais e Alimentação

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Sistemas Agroambientais e Alimentação Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Empresas www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais de Especialização Inteligente constitui

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das Sistemas Agroambientais e Alimentação

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das Sistemas Agroambientais e Alimentação Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das SCTR www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais de Especialização Inteligente constitui uma

Leia mais

Future Nearshore Necessidades Atuais e Capacitação de Serviços e Talentos

Future Nearshore Necessidades Atuais e Capacitação de Serviços e Talentos CENTRO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA Investigação & Desenvolvimento Tecnológico Future Nearshore Necessidades Atuais e Capacitação de Serviços e Talentos Ana Alice Batista, Ana Lima, Isabel C. Viana, Nuno Soares,

Leia mais

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa

Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa QUIDGEST Q-DAY: INOVAÇÃO CONTRA A CRISE Inovação e Inteligência Competitiva: Desafios para as Empresas e para a Economia Portuguesa André Magrinho TAGUSPARK: 09 de Setembro 2009 SUMÁRIO 1. Globalização

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020 ENCONTRO TEMÁTICO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL 28 de Fevereiro de 2014, Espaço Jovem, Porto de Mós. Grupo de Trabalho Desenvolvimento Urbano Sustentável A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL

Leia mais

SUSTENTABILIDADE URBANA

SUSTENTABILIDADE URBANA 1ª FEIRA IBÉRICA SUSTENTABILIDADE URBANA ENERGIA, SUSTENTABILIDADE, CIDADANIA Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 8 de Junho de 2011 ENERGIA e SUSTENTABILIDADE Utilização Racional de Energia

Leia mais

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 PDR 2014-2020 do Continente Cláudia Costa Diretora Adjunta do Gabinete de Planeamento e Políticas

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas (Anexo IV) LINHAS TEMÁTICAS EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas Metodologia, blocos e ferramentas específicas de projeto que

Leia mais

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões:

Esta sessão explora o papel das TIC (parte do problema ou da solução?), debatendo, nomeadamente, as seguintes questões: CONGRESSO DAS COMUNICAÇÕES 08 - TIC E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS - 11 NOVEMBRO 09H00 10H30 ABERTURA OFICIAL DO CONGRESSO ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E O FUTURO Segundo o Relatório Stern, caso nada seja feito, os

Leia mais

Rumo à Integração de Segurança. IDC FutureScape IT Security Products and Services 2015 Predictions

Rumo à Integração de Segurança. IDC FutureScape IT Security Products and Services 2015 Predictions Rumo à Integração de IDC FutureScape IT Security Products and Services 0 Predictions ª Plataforma Processo de Decisão Evolução da ª Plataforma focalizada no risco do acesso a servidores centralizados e

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014

+Inovação +Indústria. AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 +Inovação +Indústria AIMMAP Horizonte 2020 - Oportunidades para a Indústria Porto, 14 outubro 2014 Fatores que limitam maior capacidade competitiva e maior criação de valor numa economia global Menor capacidade

Leia mais

Financiamento Regional e Portugal 2020. Alexandra Rodrigues Seminário CTCV

Financiamento Regional e Portugal 2020. Alexandra Rodrigues Seminário CTCV Financiamento Regional e Portugal 2020 Alexandra Rodrigues Seminário CTCV 9 abril 2015 Foco Temático no conjunto dos FEEI Sustentabilidade e eficiência no Uso de Recurso 6.259 M 25% Competitividade e Internacionalização

Leia mais

Qpoint Rumo à excelência empresarial

Qpoint Rumo à excelência empresarial Qpoint Rumo à excelência empresarial primavera bss A competitividade é cada vez mais decisiva para o sucesso empresarial. A aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance dos processos organizacionais

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

Utilização de informação geoespacial na gestão e apoio à decisão das empresas

Utilização de informação geoespacial na gestão e apoio à decisão das empresas Utilização de informação geoespacial na gestão e apoio à decisão das empresas A Gisgeo Alguns dados da empresa: Fundada em 2008; Integrada no UPTEC Parque de Ciência e Tecnologia da UP; 3 sócios + 2 colaboradores,

Leia mais

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política Obrigatória Fevereiro 2013. A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 A Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política Obrigatória Fevereiro 2013 Autor/ Departamento Segurança, Saúde e Sustentabilidade Ambiental Público-alvo

Leia mais

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020 Dotação financeira: 2.155 M FEDER: 1.751

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Recursos do Mar e Economia. Instituições

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Recursos do Mar e Economia. Instituições Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio dos Instituições www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais de Especialização Inteligente constitui

Leia mais

TURISMO E COMPETITIVIDADE

TURISMO E COMPETITIVIDADE TURISMO E COMPETITIVIDADE Rui Vinhas da Silva Presidente da Comissão Diretiva Braga 15 de janeiro de 2015 Portugal 2020 DOMÍNIOS TEMÁTICOS COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO CAPITAL HUMANO INCLUSÃO

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO

INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO SETEMBRO 2014 2 INTERNACIONALIZAR PARA A COLÔMBIA ESTUDO DE MERCADO BRANDSTORY, LDA SETEMBRO 2014 FICHA TÉCNICA Brandstory, Unipessoal Lda Coordenadora

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

ControlVet Segurança Alimentar, SA.

ControlVet Segurança Alimentar, SA. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A ControlVet Segurança Alimentar, S.A. é uma empresa de referência nacional na prestação de serviços de segurança alimentar, em franca expansão

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

18h00: Apresentação de resultados (Carlos Gonçalves, João Nuno Ferreira, João Mota Lopes) 18h50: Encerramento (André Vasconcelos)

18h00: Apresentação de resultados (Carlos Gonçalves, João Nuno Ferreira, João Mota Lopes) 18h50: Encerramento (André Vasconcelos) Dia 27 de Outubro, 14h00 - Agenda 1. Apresentação geral auditório (30+45minutos) 14h00: Receção dos convidados 14h30: Abertura (Rogério Carapuça) 14h40: Políticas Infra-estruturas TIC na Administração

Leia mais

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Dotação financeira reforçada: 2.155 M

Leia mais

EREI Lisboa - Domínios e Linhas de Ação Prioritárias por Domínio de Especialização

EREI Lisboa - Domínios e Linhas de Ação Prioritárias por Domínio de Especialização EREI Lisboa - Domínios e por Domínio de Especialização Domínio de Especialização: Conhecimento, Prospeção e Valorização de Recursos Marinhos Valorizar as lógicas de parceria, de cooperação com os centros

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das Ciências da Vida e Saúde. Empresas. www.ccdr-n.

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das Ciências da Vida e Saúde. Empresas. www.ccdr-n. Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das Empresas www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais de Especialização Inteligente constitui

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das Ciências da Vida e Saúde SCTR. www.ccdr-n.

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das Ciências da Vida e Saúde SCTR. www.ccdr-n. Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio das SCTR www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais de Especialização Inteligente constitui uma

Leia mais

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014

Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros. Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 Portugal 2020 e outros instrumentos financeiros Dinis Rodrigues, Direção-Geral de Energia e Geologia Matosinhos, 27 de fevereiro de 2014 O desafio Horizonte 2020 Compromissos Nacionais Metas UE-27 20%

Leia mais

HQN 27-06-2015 PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL. Ponte de Lima, 27 Junho 2015. www.hqnstrategyconsulting.com

HQN 27-06-2015 PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL. Ponte de Lima, 27 Junho 2015. www.hqnstrategyconsulting.com PLANOS REGIONAIS DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL Ponte de Lima, 27 Junho 2015 www.hqnstrategyconsulting.com 1 PLANO REGIONAL DE DINAMIZAÇÃO DA ECONOMIA SOCIAL O desenvolvimento de um Plano Regional para

Leia mais

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio do Capital Humano e Serviços Especializados

Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio do Capital Humano e Serviços Especializados Estratégia Regional de Especialização Inteligente Pedido de Contributos no Domínio do Instituições www.ccdr-n.pt/norte2020 O desenvolvimento de Estratégias Regionais de Especialização Inteligente constitui

Leia mais

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável jump4innovation Plataforma Web de apoio à Gestão Melhoria, Inovação & Empreendedorismo Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável Conteúdo Gestao da Inovacao, Melhoria e Empreendedorismo

Leia mais

Cluster Habitat Sustentável

Cluster Habitat Sustentável Seminário Mercado de Tintas Associação Portuguesa de Tintas Luso - 26.03.2015 Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

SI I&DT PROJECTOS INDIVIDUAIS

SI I&DT PROJECTOS INDIVIDUAIS SI I&DT PROJECTOS INDIVIDUAIS CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NAS EEC-CLUSTERS RECONHECIDAS ÁREAS TECNOLÓGICAS E DE DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS, PROCESSOS OU SISTEMAS ELEGÍVEIS 1. No âmbito do

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Estudo Melhores Competências! Melhor Turismo!

Estudo Melhores Competências! Melhor Turismo! Estudo Melhores Competências! Melhor Turismo! Sumário Executivo Abril de 2013 1 Introdução O estudo Melhores Competências! Melhor Turismo contempla, ao nível dos seus principais objetivos, uma dupla dimensão:

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.

SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio. SISTEMA DE APOIO A AÇÕES COLETIVAS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 1.2, 3.1, 3.2, 3.3 E 8.5) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 19 JUNHO DE 2015 Página 1 de 9 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 ESTRATÉGIAS DE INOVAÇÃO REGIONAIS/NACIONAIS PARA A ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE (RIS3) POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 As novas regras e legislação para os investimentos futuros da política de coesão da UE

Leia mais

Novo conceito de Data Center: um dos maiores da Europa, um dos mais sustentáveis do Mundo

Novo conceito de Data Center: um dos maiores da Europa, um dos mais sustentáveis do Mundo : um dos maiores da Europa, um dos mais sustentáveis do Mundo This document is intellectual property of PT and its use or dissemination is forbidden without explicit written consent. Enquadramento da ação

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Projeto Healthy n Portugal. O Turismo de Saúde e Bem-Estar associa-se, assim, a novos tipos de valências, com crescente demanda nos nossos dias.

Projeto Healthy n Portugal. O Turismo de Saúde e Bem-Estar associa-se, assim, a novos tipos de valências, com crescente demanda nos nossos dias. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO FERREIRA DE BARROS, NA SESSÃO DE LANÇAMENTO DO PROJETO HEALTHY N PORTUGAL, SOB O TEMA «EXPANSÃO DO MERCADO DOS CUIDADOS

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

CONCLUSÕES. Dos relatos elaborados a partir dos trabalhos do Congresso, emergiram as 36 conclusões seguintes:

CONCLUSÕES. Dos relatos elaborados a partir dos trabalhos do Congresso, emergiram as 36 conclusões seguintes: CONCLUSÕES 1. Súmula individualizada. Dos relatos elaborados a partir dos trabalhos do Congresso, emergiram as 36 conclusões seguintes: Tema: CONHECIMENTO E INOVAÇÃO (6) I. É da maior relevância estimular

Leia mais

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015 INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA 1 I. Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI) Missão: Apoiar os nossos clientes na gestão de projetos que fomentem a inovação e promovam oportunidades

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Software de Gestão Manutenção e Produção

Software de Gestão Manutenção e Produção Software de Gestão Manutenção e Produção Parceiro global para toda a área de Tecnologias da sua empresa ENQUADRAMENTO A ALIDATA e a SENDYS são empresas 100% portuguesas, no mercado há mais de 30 anos,

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015

Mercado Único Digital Conferência ANACOM Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mercado Único Digital Conferência ANACOM "Regulação no novo ecossistema digital. Centro Centro Cultural de Belém (CCB) Lisboa, 22 de Setembro 2015 Mário Campolargo Director, NET Futures European Commission

Leia mais

QUEM SOMOS NOSSO NEGÓCIO

QUEM SOMOS NOSSO NEGÓCIO QUEM SOMOS Somos uma empresa brasileira dedicada a construir e prover soluções que empregam tecnologias inovadoras, combinadas com a identificação por rádio frequência (RFID), análise de imagens (imagens

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 Quais os Instrumentos regionais para apoiar as empresas dos Açores? Competir + Apoios contratação de RH

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 Um relatório para o Governo do Estado do Rio Grande Sul (AGDI) e

Leia mais

CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020

CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020 ÍNDICE Esquema resumo..pág. 2 Introdução...pág. 3 Objetivos Temáticos pág. 3 Eixos Prioritários...pág. 4 Eixo 1: Investigação, Desenvolvimento e Inovação..pág. 5 Eixo 2: Competitividade e Internacionalização

Leia mais

O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno

O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020. Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno O Apoio à Investigação e Inovação no Portugal 2020 Diretora da Unidade de Política Regional Conceição Moreno Lisboa, 02 de outubro de 2014 Tópicos: 1. Portugal 2020: Objetivos e prioridades 2. Nova Lógica

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Agenda da Apresentação

Agenda da Apresentação Agenda da Apresentação Enquadramento SWOT Pontos fortes Pontos fracos Ameaças, riscos e constrangimentos Oportunidades O desafio para Portugal Fatores críticos de sucesso O projeto de Desenvolvimento da

Leia mais

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégiacom o objectivoúnicode contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e abandono da activiade agro- Combater o exodo

Leia mais

Smart Cities Portugal

Smart Cities Portugal Smart Cities Portugal A rede Smart Cities Portugal tem por objetivo promover o trabalho em rede numa lógica inter-cluster, para o desenvolvimento e produção de soluções urbanas inovadoras para smart cities,

Leia mais

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conferência de abertura Medicina Genómica: Impacto na Eficácia e Segurança dos Medicamentos O cada vez mais reduzido número de novos medicamentos

Leia mais

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020

AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 AGENDA PARA A COMPETITIVIDADE DO COMÉRCIO, SERVIÇOS E RESTAURAÇÃO 2014-2020 18 dezembro 2014 Colocar os setores do Comércio, Serviços e Restauração virado para o exterior e a liderar a retoma económica

Leia mais

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica

Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters. Resposta à nova ambição económica Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Novo Modelo para o Ecossistema Polos e Clusters Resposta à nova ambição económica Resposta à nova ambição económica 02-07-2012 Novo Modelo para o Ecossistema

Leia mais

Portugal Brasil Moçambique Polónia

Portugal Brasil Moçambique Polónia www.promover.pt www.greatteam.pt Portugal Brasil Moçambique Polónia QUEM SOMOS - Prestamos serviços técnicos de consultoria de gestão e formação nos diversos setores da economia. - Presentes em Lisboa,

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE

ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE ESTRUTURA, METAS E ORÇAMENTO DO PROGRAMA DOCUMENTO SÍNTESE Versão do Programa Operacional Competitividade e Internacionalização adotada em dezembro de 2014. 1. Estrutura do Programa e Indicadores de Resultado

Leia mais