Apresentação na FIEMG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação na FIEMG"

Transcrição

1 Projeto Estratégico de P&D Redes Elétricas Inteligentes Apresentação na FIEMG Nelson Fonseca Leite Belo Horizonte, 30 de março de 2012

2 Empresas Cooperadas Paraiba Borborema Sergipe Minas Gerais Nova Friburgo 2

3 Coordenação Parceiros e Padrinhos Suporte Apoio: Medição TI, Telecom, Interop. Automação Politicas Públicas GD, VE, Armaz. Perspectiva do Consumidor 3

4 Visão Geral do Projeto Início: 17 jan 2011 Objetivo: elaboração de uma proposta para um Plano Nacional para a migração tecnológica do setor elétrico brasileiro do estágio atual para a adoção plena do conceito de Rede Inteligente em todo o país. funcionalidades e requisitos associados ao conceito no Brasil; tecnologias e metodologias a serem adotadas; políticas públicas de P&D, industrial e de financiamento, incluindo o desenvolvimento da cadeia de equipamentos e serviços; adequação da legislação e da regulamentação necessárias à adoção plena do conceito; recomendação de ações para solução das deficiências da atual estrutura, sob os aspectos técnico, tecnológico, regulatório e da cadeia de suprimento, que deverão ser tratadas como premissas para a adoção do conceito de Rede Inteligente capacitação de mão-de-obra para as redes elétricas inteligentes; envolvimento de diversos atores do Setor Público; do Setor Privado e do Terceiro Setor. subsídios para a elaboração do Programa Nacional de implantação de Redes Inteligentes; 4

5 VISÃO DO SMART-GRID 5

6 25-Year Smart Grid Roadmap 3 Years 3-10 Years Years Smart Grid Vision Engagement and Communication Call Centre Support Online Publications Education and Training Open Forums Web Portal Environmental Campaigns Working Groups Partnerships and Collaborations Technical Publications Home Energy and Carbon Management System Understanding Customer Behaviours Smart Appliances High Penetration of Renewables Customer Choices and Control Communication into the Home Advanced Materials Participatory Network Best in Class Customer Service Fault Anticipation Microgrid Automatic Fault Location Power Conditioning Fully Integrated Network System Optimization Customer Participation Smart Metering Demand Response Distributed Generation Conservation In-Home Display Time-of-Use Rates Distributed Storage Lateral Reclosers Advanced Metering Infrastructure Plug-in Hybrid Vehicles Energy and Carbon Tracking Distribution Transformer Monitoring Feeder Automation Identity and Access Management Station Automation Power Quality Monitoring Communicating Sensors and Fault Indicator Network Automation Mobile Computing Utility Communications Real-Time Condition Monitoring Loss Reduction Cyber Security Advanced Asset Management Carbon Management Customer- Centric Planning Outage Management Policy and Standards Business Intelligence Supply and Demand Dispatch Integration Framework Service Oriented Architecture Data Handling and Validation Analytics and Decision Support Current State Distribution System Back Office

7 Japan s Smart Community Goal Japan has already established a world-leading electric power grid network. Japan aims to achieve a more convenient, reliable and greener social system by means of IT through coordination and cooperation between power suppliers and demand side users. Main Grid Wind Power Mega Solar Construct an energy system which is mutually beneficial for main grid operator and regional energy management provider. Zero Emission Buildings Connect BEMS with regional EMS. Na-S Battery Enable better use of heat in addition to electricity. Biogas GE Regional Energy Management Provider Energy Management System Information Network GE Storage Battery Cogeneration Solar Power Wind Power Wasted Heat Solar Power Construct charging stations for EVs. Newgeneration Gas Station EVs and PHEVs Utilize IT for peak cuts. Smart House Home Storage Battery Smart Meter: Visualization of home energy use and demand control 7

8 Principais Motivadores Eficiência Comercial Energética Redução Perdas Técnicas e Comerciais Relacionamento com o consumidor Mudança de comportamento do consumidor Segurança Operacional Sistêmica Sustentabilidade Econômica Ambiental Gestão de ativos Controle de acesso Qualidade da energia Redução da Energia não Distribuída Distribuição da geração Controle automático de contingências e auto-recomposição Sub-redes (microgrids) Diversificação do negócio novas oportunidades Diversidade tarifária novas modalidades Energias renováveis Micro geração distribuída Controle dos impactos negativos 8

9 Cenários 80,0% 70,0% Brasil - percentual de unidades consumidoras com medidor inteligente Cenário Acelerado Moderado 75,3% 60,0% 60,6% 50,0% 40,0% Conservador 52,0% 30,0% 20,0% FASE II : IMPLEMENTAÇÃO 10,0% 0,0% Conservador Moderado Acelerado FASE I : PROJETOS PILOTO E DE DEMONSTRAÇÃO 9

10 Etapa I - Diagnóstico Foram aplicados questionários e entrevistas a concessionárias e fabricantes e elaborados relatórios sobre: - Análise do mercado de serviços e produtos de medição - Atuais procedimentos técnicos e comerciais - Centros de Medição atualmente em operação - Medição de Energia Elétrica - Cenário regulatório atual - Análise de impacto ambiental do descarte de medidores eletrônicos - Situação da Automação da Distribuição - Sistemas de geração distribuída interligados à distribuição - Tendências tecnológicas associadas a GD, veículos elétricos e armazenamento - Situação das distribuidoras em termos de TI/Telecom - Políticas Públicas Nacionais - Programas Públicos Internacionais sobre Redes Inteligentes 10

11 Etapa II - Desenvolvimento Fase de exploração de modelos, conceitos e funcionalidades. Foram elaborados relatórios sobre: - Arquitetura do Sistema de Medição inteligente. - Requisitos de interoperabilidade da Medição. - Classificação do trafego de dados dos sistemas quanto ao tipo e disponibilidade. - Plano estratégico de implantação dos recursos para suporte aos serviços de Medição. - Proposta de reformulação de Procedimentos técnicos e Comerciais. - Estudo sobre o desenvolvimento dos Centros de Medição atualmente em Operação. - Proposta de revisão do modelo regulatório e tarifário de Medição de Energia Elétrica - Análise de impacto ambiental do descarte de medidores eletrônicos - Recursos e infraestrutura dos órgãos reguladores, normatizadores e metrológicos - Estudo da otimização das relações com os clientes - Cenários de implantação da automação da Distribuição no Brasil - Cenários de penetração de GD, veículos elétricos e armazenamento - Modelos e Arquiteturas de Sistemas de Telecomunicações e TI - Plataformas de Gerenciamento de Redes e Sistemas - Sistemas de Bancos de Dados - Perfis Funcionais de Sistemas, Protocolos e Padrões - Métodos e Procedimentos para Escalabilidade de Sistemas - Sistemas de Gestão do Conhecimento - Política de Segurança 11

12 Etapa III Análise de Investimentos, benefícios e Propostas Metodologia: Análise de custos e benefícios em 30 redes elétricas representativas de clusters de conjuntos elétricos visando observar as diferentes topologias e realidades das redes de distribuição no Brasil. Para cada uma das redes representativas foi definida uma penetração da medição inteligente em função das características do seu mercado, extensão da rede, área de cobertura, densidade de consumo. Do mesmo modo, foram definidas trajetórias de implantação dos recursos de automação para cada rede, considerando também o seu padrão atual de qualidade. A penetração de GD foi feita de forma regional e transposta para as redes representativas em função do grau de presença dessas redes nas regiões. Os sistemas de TI foram dimensionados para três portes de empresa e transpostos para as redes representativas de acordo com diferentes critérios. Os recursos de Telecom foram dimensionados para cada uma das redes em função dos requisitos de volume de dados e latência requeridos pelas funcionalidades de automação e medição. 12

13 Etapa III Análise de Investimentos, benefícios e Propostas Principais custos considerados: Medição Inteligente: Substituição dos medidores (equipamentos e serviços) Concentradores (link de comunicação de última milha) Automação: Equipamentos de manobra (religadores, chaves,..) Dispositivos de automação (IEDs) Geração Distribuída: Medição especial para GD Subsídios na compra dos equipamentos (desconto, desoneração tributária,...) Prêmio sobre energia gerada (apenas no cenário acelerado) Telecom: Investimentos e aluguel de redes públicas para a comunicação da automação e da medição (concentradores) até as subestações e dessas até o Centro de Operação (WAN, Backhaul, FAN, NAN) TI: Hardware e Software para suportar as funcionalidades de automação, medição e controle da GD, além da interoperabilidade dos sistemas e segurança cibernética. 13

14 Etapa III Análise de Investimentos, benefícios e Propostas Principais benefícios quantificados: Melhoria da qualidade: Redução da Energia não Distribuída. Redução de Perdas Comerciais: identificação mais precisa das fraudes e furtos. Redução de Perdas Técnicas Redução de custos operacionais Melhor gestão de ativos Custo evitado na expansão do parque de medidores convencionais Custo evitado na expansão dos sistemas de geração e transmissão pela presença da GD. Outros benefícios identificados porém não quantificados: Redução da ponta do sistema em função da mudança de comportamento do consumidor. Redução do consumo de energia em função do maior grau de informação. Corte seletivo/progressivo em caso de inadimplência Pré-pagamento Introdução de novas modalidades tarifárias e de relacionamento com o consumidor. Redução de emissões de gases de efeito estufa pela presença da GD. Redução das variações de tensão Possibilidade de utilização da infra-estrutura para medição de outros serviços (água/gás) Desenvolvimento tecnológico, novos aplicativos e novos negócios Integração com os futuros sistemas das Cidades Digitais 14

15 Resultados Penetração da Medição 80,0% 70,0% 60,0% Brasil - percentual de unidades consumidoras com medidor inteligente 75,3% 60,6% 50,0% 52,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% Premissas: Tx crescimento mercado 4,0 % aa Tx crescimento consumidores 1,78% aa Conservador Moderado Acelerado 15

16 Resultados Penetração da Medição milhões de UC 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0, Brasil - número de unidades consumidoras com medidor inteligente 4, , , ,4 9,0 4, ,9 13,5 7, ,3 18,0 11, ,7 22,4 15, ,2 26,9 19, ,6 31,3 23, ,0 35,8 27, ,4 40,2 31, ,6 44,6 35, ,5 48,9 38, ,6 52,9 42, ,6 56,3 46, ,9 73,1 74,4 57,9 58,9 60,0 49,0 50,5 51, Conservador Moderado Acelerado 16

17 Resultados Mercado de medidores milhões de UC 9,0 8,0 7,0 6,0 5,0 4,0 Brasil - mercado anual de medidores inteligentes 5,8 5,9 6,0 6,1 6,2 6,4 6,5 6,6 6,7 6,8 6,9 7,1 7,0 4,8 4,9 4,9 5,0 5,1 5,2 5,3 5,4 5,5 5,6 5,7 5,8 5,7 4,2 4,2 4,3 4,4 4,5 4,5 4,6 4,7 4,8 4,9 5,0 5,1 5,0 7,2 7,4 5,9 7,5 7,7 7,8 6,1 6,2 6,3 5,2 5,3 5,4 3,0 2,0 1,0 0, Total no período: Acelerado 120,7 milhões Moderado 92,6 milhões Conservador 75,3 milhões Conservador Moderado Acelerado 17

18 Investimentos Cenário Acelerado Brasil - Investimentos correntes - Cenário Acelerado R$ milhões Investimentos Correntes em Medição, incluindo TI e Telecom Subsídios para GD, incluindo TI e Telecom Investimentos Correntes em Automação, incluindo TI e Telecom Investimento Total 18

19 Investimentos Cenário Moderado Brasil - Investimentos correntes - Cenário Moderado R$ milhões Investimentos Correntes em Medição, incluindo TI e Telecom Subsídios para GD, incluindo TI e Telecom Investimentos Correntes em Automação, incluindo TI e Telecom Investimento Total 19

20 Investimentos Cenário Conservador Brasil - Investimentos correntes - Cenário Conservador R$ milhões Investimentos Correntes em Medição, incluindo TI e Telecom Subsídios para GD, incluindo TI e Telecom Investimentos Correntes em Automação, incluindo TI e Telecom Investimento Total 20

21 Investimentos Totais Valor Corrente 21

22 Análise Custos x Benefícios Metodologia: Para a análise custo-benefício, os valores de investimento foram anualizados considerando as suas respectivas vidas úteis e depois trazidos a valores presentes de Considerou-se como taxa de desconto 11%, da mesma ordem de grandeza do WACC bruto regulatório definido pela ANEEL para o 3º ciclo de revisões tarifárias das distribuidoras (11,36%). Os benefícios anuais quantificados também foram trazidos a valor presente de

23 Análise Custos x Benefícios Metodologia: Para a análise custo-benefício, os valores de investimento foram anualizados considerando as suas respectivas vidas úteis e depois trazidos a valores presentes de Considerou-se como taxa de desconto 11%, da mesma ordem de grandeza do WACC bruto regulatório definido pela ANEEL para o 3º ciclo de revisões tarifárias das distribuidoras (11,36%). Os benefícios anuais quantificados também foram trazidos a valor presente de Para valoração dos benefícios relacionados à melhoria da qualidade considerou-se uma faixa de valores para o custo da energia não distribuída (80% a 120% dos multiplicadores utilizados pela ANEEL para definição dos montantes de compensação a ser paga por violação dos limites de DIC, FIC e DMIC, o que equivale a algo entre 4 mil e 6 mil R$/MWh) Para valoração dos benefícios relacionados à redução das Perdas Comerciais adotaram-se diferentes parâmetros de recuperação da energia e para a parcela da energia recuperada que se transforma em consumo regular. 23

24 Custos x Benefícios Ótica da Sociedade Sociedade Acelerado Moderado Conservador (VP em R$ milhões) Custos Benef Custos Benef Custos Benef Inf Sup Inf Sup Inf Sup Medição Automação GD Redução END Perdas NT Custo Evitado Med Ef Operacional Custo Evitado Exp GD Total Valor Presente Liquido

25 Custos x Benefícios Ótica do Consumidor Consumidor Acelerado Moderado Conservador (VP em R$ milhões) Custos Benef Custos Benef Custos Benef Inf Sup Inf Sup Inf Sup Medição Automação GD Redução END Perdas NT Custo Evitado Med Ef Operacional Custo Evitado Exp GD Total Valor Presente Liquido

26 Custos x Benefícios Ótica da Distribuidora com a Regulação Atual Distribuidora Acelerado Moderado Conservador (VP em R$ milhões) Custos Benef Custos Benef Custos Benef Inf Sup Inf Sup Inf Sup Medição Automação GD Redução END Perdas NT Custo Evitado Med Ef Operacional Custo Evitado Exp GD Total Valor Presente Liquido

27 Impacto sobre tarifas ,0% Brasil - Tarifa (Parcela B) - Acelerado + 5,0% Sem RI Com RI Benef sup Com RI Benef inf -6, 5%

28 Impacto sobre tarifas Brasil - Tarifa (Parcela B) - Moderado + 4,2% Sem RI Com RI Benef sup Com RI Benef inf -3,0%

29 Impacto sobre tarifas Brasil - Tarifa (Parcela B) - Conservador + 4,0% Sem RI Com RI Série3

30 Impactos Regulatórios e Tarifários Conclusões Os impactos tarifários poderão ser bastante distintos nas diferentes concessões. Não se deve afirmar que as Redes Inteligentes irão promover a modicidade tarifária. Há que se considerar também que a melhoria da qualidade do atendimento proporcionada pelas Redes Inteligentes pode justificar eventual incremento tarifário. 30

31 Análise Custos x Benefícios Conclusões Apenas considerando os benefícios quantificados, a implantação das Redes Elétricas Inteligentes se mostra viável para a sociedade brasileira em qualquer um dos cenários considerados. Essa conclusão se limita a uma visão geral do conjunto de todas as redes, não devendo ser transplantada para todas as concessionárias ou para todas as redes de cada concessão. É necessária uma análise mais detalhada em cada caso específico. A questão que se coloca é a correta e justa alocação de custos e benefícios. A implantação da Redes Elétricas Inteligentes não é somente um problema econômico. Alguns desafios, escolhas tecnológicas e ajustes regulatórios são ainda necessários. 31

32 Impactos Regulatórios e Tarifários Conclusões São necessários ajustes no arcabouço regulatório de modo a: Reconhecer a totalidade dos investimentos nas redes inteligentes e definir prazos de recuperação adequados para os novos componentes; Adequar a metodologia de consideração dos custos de TI e Telecom; Recompensar as concessionárias pelos investimentos realizados no período entre revisões; Possibilitar o desenvolvimento de novos negócios a partir das Redes Inteligentes. Os impactos sobre as tarifas poderão ser minimizados por adequadas políticas públicas que promovam a desoneração dos investimentos em Redes Inteligentes. 32

33 Conclusões Novo modelo de negócio Mudança de processos Necessidade de definição de politicas públicas Ainda é incerto como as Distribuidoras irão capturar valor implementando as novas tecnologias A chave do sucesso dependerá do modelo regulatório a ser adotado: - Quem pagará a conta? - Qual a depreciação dos ativos? As distribuidoras devem se preparar: -Organizando seus processos - Aprimorando suas capacidades - tendo reserva de capital 33

34 Muito Obrigado pela Atenção! Nelson Fonseca Leite Presidente Tel.: Fax.: ABRADEE - Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica Visite nosso Site : 34

Tópicos. 1. Conceitos Gerais de Smart Grids. 2. Evolução das Redes Inteligentes e Resultados (PDRI) 3. Enerq em Smart Grids

Tópicos. 1. Conceitos Gerais de Smart Grids. 2. Evolução das Redes Inteligentes e Resultados (PDRI) 3. Enerq em Smart Grids IEEE Workshop SMART GRID - Trends & Best Practices Smart Grid no Contexto da Geração e Distribuição 18/10/2013 NAPREI Núcleo de Pesquisas em Redes Elétricas Inteligentes enerq Centro de Estudos em Regulação

Leia mais

Gestão de Ativos de Distribuição

Gestão de Ativos de Distribuição Gestão de Ativos de Distribuição Smart Grid na Cemig Denys Cláudio Cruz de Souza Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição O que é Smart Grid? Sistema elétrico inteligente, que integra

Leia mais

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação Objetivo 0 Conceitos 0 Funcionalidades 0 Desafios 0 Experiências de Implantação Smart Grid Conceitos 0 NÃO é só Medição Eletrônica e Telecom!! 0 Envolve conhecimentos sobre: 0 Tecnologia, Padrões, Normas

Leia mais

VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio. Claudio T Correa Leite

VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio. Claudio T Correa Leite VI Forum Latino Americano de Smart Grid Estratégias e Tecnologias de Tranformação do Negócio 27nov2013 Claudio T Correa Leite CPqD na Dinâmica de Transformação do Setor Elétrico A Dinâmica dos Mercados

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Smart Energy Energias Inteligentes A Visão da Indústria, Instituições de P&D e Especialistas Álvaro Dias Júnior

Smart Energy Energias Inteligentes A Visão da Indústria, Instituições de P&D e Especialistas Álvaro Dias Júnior Smart Energy Energias Inteligentes Álvaro Dias Júnior 8 de maio de 2014, Curitiba Cenário Econômico Brasileiro A importância do Brasil tanto na área econômica quanto política, tem aumentado nos últimos

Leia mais

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil IEEE Workshop SMART GRID Trends & Best Practices Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Salvador,

Leia mais

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Tadeu Batista Coordenador Projeto Cidades do Futuro tbatista@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br www.cemig.com.br/smartgrid facebook.com/cemig.energia

Leia mais

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015

AES ELETROPAULO. Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 AES ELETROPAULO Workshop Smart Grid - FIESP 29/07/2015 1 AES Eletropaulo AES Eletropaulo % Brasil Area Concessão 4,526 (km 2 ) 0,05% Brazil Consumidores 6,8 (milhões) 9% Brasil Energia 46 (TWh) 11% São

Leia mais

Projetos InovCityEDP. Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014

Projetos InovCityEDP. Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014 Projetos InovCityEDP Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014 Agenda Soluções Smart Grid implantadas na EDP Projeto InovCity Aparecida Projeto InovCity ES Desafios para o Setor Elétrico Barreiras à serem vencidas

Leia mais

Análise de Sistemas Elétricos de Potência 1

Análise de Sistemas Elétricos de Potência 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Análise de Sistemas Elétricos de Potência 1 A ula 0 2 : Vi s ã o Geral do S i s tema E l é trico de P otência P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m

Leia mais

Geração Distribuída e Smart Grid Cenários Nacional/Internacional

Geração Distribuída e Smart Grid Cenários Nacional/Internacional Geração Distribuída e Smart Grid Cenários Nacional/Internacional Curitiba 7 Maio 2014 Claudio Lima Copyright 2014 C Lima Evolução e Enquadramento de Conceitos Multi-Agentes Descentralizados, Inteligência

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA MOTIVADORES Níveis elevados de perdas não técnicas das empresas Restrições mais rígidas (ambientais,

Leia mais

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES GRUPO DE ESTUDOS DE GERAÇÃO HIDRÁULICA GGH É necessário o aprofundamento dos estudos para o uso de unidades geradoras hidráulicas que permitam a otimização do uso da água Geradores

Leia mais

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 PRINCIPAIS INDICADORES DO SETOR DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Visão Geral do Smart Grid Pedro Jatobá Eletrobrás

Visão Geral do Smart Grid Pedro Jatobá Eletrobrás Visão Geral do Smart Grid Pedro Jatobá Eletrobrás Tendências do Setor Energético Mundial Aumento da demanda global Elevação no preço da energia Pressão para o uso de fontes renováveis Aumento da complexidade

Leia mais

Energias do Brasil-EDP

Energias do Brasil-EDP Prezados Senhores Energias do Brasil-EDP Atendendo orientação dos procedimentos da Consulta Pública em assunto, estamos encaminhando abaixo as contribuições do Grupo EDP - Energias do Brasil, a propósito

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética Smart Grid - Redes Inteligentes Anderson D. Carvalho, Helionay F. Rocha, Jeiza P. Bittencourt, Jéssica M. Ribeiro, Luiz F. Rocha, Wellerson C. Leite, Vinicius M. Pacheco. Centro Universitário

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição viii SUMÁRIO Apresentação Prefácio e Agradecimentos Introdução C a p í t u l o 1 Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico 1.1 Mudanças ocorridas nos anos 1990 1.2 Avanços e aprimoramentos em 2003 C

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 2 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica n o 250/2007 SRE/ANEEL Em 2 de agosto de 2007. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Energy balance: A strategy to reduce losses Balanço energético: uma estratégia para redução de perdas Marcos Aurélio Madureira da Silva & Denis Maia

Energy balance: A strategy to reduce losses Balanço energético: uma estratégia para redução de perdas Marcos Aurélio Madureira da Silva & Denis Maia Energy balance: A strategy to reduce losses Balanço energético: uma estratégia para redução de perdas Marcos Aurélio Madureira da Silva & Denis Maia Balanço energético: uma estratégia para redução de perdas

Leia mais

Programa Smart Grid da AES Eletropaulo. - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013

Programa Smart Grid da AES Eletropaulo. - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013 Programa Smart Grid da AES Eletropaulo - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013 1 Agenda Institucional Projeto Smart Grid Eletropaulo Digital Motivadores Objetivos

Leia mais

Intelligrid A visão de Futuro do Sistema Elétrico

Intelligrid A visão de Futuro do Sistema Elétrico Intelligrid A visão de Futuro do Sistema Elétrico Petronio Spyer Prates Co-located with: Intelligrid Architecture Architecture for the Intelligent Electricity Grid of the Future Visão do Sistema de Potência

Leia mais

Eficiência Energética: Cidades e Indústrias conectando redes inteligentes

Eficiência Energética: Cidades e Indústrias conectando redes inteligentes Eficiência Energética: Cidades e Indústrias conectando redes inteligentes 11/11/2015 Hitachi South America, Ltda. Agenda 1. Cenário Mundial e Brasil 2. Tendências em Energia, Renováveis e Eficiência 3.

Leia mais

AES Eletropaulo. Area Concessão. Energia. Eletropaulo. Brasil. 4,526 (km 2 ) 0,05% 6,8 (milhões) 46 (TWh) 11% Brasil.

AES Eletropaulo. Area Concessão. Energia. Eletropaulo. Brasil. 4,526 (km 2 ) 0,05% 6,8 (milhões) 46 (TWh) 11% Brasil. AES ELETROPAULO 1 AES Eletropaulo AES Eletropaulo % Brasil Area Concessão 4,526 (km 2 ) 0,05% Brazil Consumidores 6,8 (milhões) 9% Brasil Energia 46 (TWh) 11% São Paulo Estado 2 PROJETO AES ELETROPAULO

Leia mais

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

Cisco Innovation Day Datacenters e a convergência de dois mundos IoE, Cloud, Smart Grid & Smart Cities...

Cisco Innovation Day Datacenters e a convergência de dois mundos IoE, Cloud, Smart Grid & Smart Cities... Cisco Innovation Day Datacenters e a convergência de dois mundos IoE, Cloud, Smart Grid & Smart Cities... Pedro Nobre Schneider Electric Lisboa, Porto Maio 2014 A complexidade começa aqui... 2 E vai além

Leia mais

DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA

DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA OBJETIVOS Desenvolvimento de metodologia e sistema de automação do monitoramento de riscos e controles organizacionais para: Minimização dos riscos regulatórios

Leia mais

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é 70 NORMAS ABNT APLICÁVEIS AOS MEDIDORES ELETRÔNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA DISCUTIDAS EM CONSULTA NACIONAL Por Jeferson Marcondes e Marcos Aurélio Ribeiro AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

Leia mais

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Nelson Leite Presidente da ABRADEE 1 Porto Alegre, 18 de junho de 2015 1 Agenda 1 - Panorama do setor de distribuição de E. Elétrica 2 - Perspectivas

Leia mais

METODOLOGIA PARA DIMENSIONAMENTO DE ATIVOS RESERVAS EM EMPRESAS CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA ELÉTRICA, APLICADA A TRANSFORMADORES DE FORÇA

METODOLOGIA PARA DIMENSIONAMENTO DE ATIVOS RESERVAS EM EMPRESAS CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA ELÉTRICA, APLICADA A TRANSFORMADORES DE FORÇA METODOLOGIA PARA DIMENSIONAMENTO DE ATIVOS RESERVAS EM EMPRESAS CONCESSIONÁRIAS DE ENERGIA ELÉTRICA, APLICADA A TRANSFORMADORES DE FORÇA Autores: Heitor Inácio Sardinha Luiz Rogério Varasquim Clay Tutaj

Leia mais

Eduardo Müller Monteiro Instituto Acende Brasil. Painel 3 REGULAÇÃO TARIFÁRIA: Um Novo Regime para uma Nova Realidade

Eduardo Müller Monteiro Instituto Acende Brasil. Painel 3 REGULAÇÃO TARIFÁRIA: Um Novo Regime para uma Nova Realidade 1 Eduardo Müller Monteiro Instituto Acende Brasil Painel 3 REGULAÇÃO TARIFÁRIA: Um Novo Regime para uma Nova Realidade 2 REGULAÇÃO TARIFÁRIA: Um novo regime para uma nova realidade 20 DE AGOSTO, TARDE

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

LAGF. Otimizando Redes Comunicações Carlos Alberto Previdelli

LAGF. Otimizando Redes Comunicações Carlos Alberto Previdelli LAGF Otimizando Redes Comunicações Carlos Alberto Previdelli Setembro/2013 Agenda Smart Utilities & Smart Network Gestão integrada da Rede Conclusão Smart Utilities - Vetores da Governança Visão, Direção

Leia mais

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento A solução para relacionamento de Smart Grid com os consumidores Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento asmart Grid + Relacionamento ferramenta

Leia mais

35º Fórum de Debates Brasilianas.Org A Energia Elétrica no Brasil. 3º painel: Tecnologias de transmissão e distribuição

35º Fórum de Debates Brasilianas.Org A Energia Elétrica no Brasil. 3º painel: Tecnologias de transmissão e distribuição 35º Fórum de Debates Brasilianas.Org A Energia Elétrica no Brasil 3º painel: Tecnologias de transmissão e distribuição Daniel Senna Guimarães Gestor do Projeto Cidades do Futuro dsenna@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br

Leia mais

35º FDB - A Energia Elétrica no Brasil. Tecnologias de transmissão e distribuição SMART GRID

35º FDB - A Energia Elétrica no Brasil. Tecnologias de transmissão e distribuição SMART GRID 35º FDB - A Energia Elétrica no Brasil Tecnologias de transmissão e distribuição SMART GRID Smart Grid: Visão Tecnológica Redes de Sensores Medidores Eletrônico Redes de Comunicação Centros de Controle

Leia mais

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*)

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A evolução tecnológica proporcionada pelas Smart Grids já colocou em plena marcha, mundialmente e silenciosamente, uma grande mudança

Leia mais

WORKSHOP ENERGIA SMART GRIDS Cibersegurança em Smart Grid

WORKSHOP ENERGIA SMART GRIDS Cibersegurança em Smart Grid WORKSHOP ENERGIA SMART GRIDS Cibersegurança em Smart Grid José Reynaldo Formigoni Filho, MSc Gerente de Desenvolvimento de Tecnologias de Segurança da Informação e Comunicação Rafael de Simone Cividanes,

Leia mais

Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016. Gerência de Tecnologia e Inovação

Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016. Gerência de Tecnologia e Inovação Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016 Gerência de Tecnologia e Inovação Plano Estratégico para Investimentos em Projetos de P&D ANEEL 2011-2016 O que a Light pretende

Leia mais

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd.

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. XXI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2014-08 a 13 de novembro Santos - SP - Brasil CLOVIS SIMOES Thomas Mach Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. simoes@spinengenharia.com.br

Leia mais

O novo sector elétrico

O novo sector elétrico O novo sector elétrico FISTA 2015 Lisboa, 11 de Março de 2015 A inovação no setor elétrico está a avançar a um ritmo acelerado Eólica offshore Solar PV escala utilities Veículos elétricos Baterias de rede

Leia mais

SMARTGRID Rede Inteligente de Energia. Apresentação para Sociedade Mineira de Engenheiros

SMARTGRID Rede Inteligente de Energia. Apresentação para Sociedade Mineira de Engenheiros SMARTGRID Rede Inteligente de Energia Apresentação para Sociedade Mineira de Engenheiros Belo Horizonte,09 de Dezembro de 2009 Sumário: O que é SMARTGRID? Sistema elétrico inteligente, que integra e possibilita

Leia mais

CHAMADA N O 011/2010 PROJETO ESTRATÉGICO: PROGRAMA BRASILEIRO DE REDE ELÉTRICA INTELIGENTE

CHAMADA N O 011/2010 PROJETO ESTRATÉGICO: PROGRAMA BRASILEIRO DE REDE ELÉTRICA INTELIGENTE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 011/2010 PROJETO ESTRATÉGICO: PROGRAMA BRASILEIRO DE REDE ELÉTRICA INTELIGENTE

Leia mais

Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010

Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010 Rio de Janeiro, 09 de novembro de 2010. Contribuição do grupo Energisa à Consulta Pública nº 015/2010 Apresentamos nossas considerações acerca dos questionamentos apresentados na Nota Técnica nº043/2010-srd/aneel,

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 1 1 3 2 1 3 3 4 1 4 4 1 5 5 3 6 5 3 7 5 3 CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 avaliação inicial do "Desenvolvimento de Sistema Integrado de Geração de

Leia mais

Solicitações de Esclarecimento

Solicitações de Esclarecimento EMPRESA: Accenture REPRESENTANTE: Guilherme Barbosa Rocha Solicitações de Esclarecimento: Item do Solicitações de Esclarecimento Termo de Referência 1.1.1 1. Existe alguma definição por parte da Eletrobras

Leia mais

Projeto Smart Grid. Visão Geral

Projeto Smart Grid. Visão Geral Projeto Smart Grid Visão Geral Contextualização Sobre o Smart Grid Smart Grid Light Estratégia da Light para os próximos anos 2 3-8 usinas - 98 SE - 111 SE - 7.500 2500 circuitos 19.685 km 1045 Dispositivos

Leia mais

José Gabino Matias dos Santos

José Gabino Matias dos Santos José Gabino Matias dos Santos Assessor da Diretoria da ABRADEE Brasília, 25 de setembro de 2008 Informações Gerais ABRADEE: 48 Associadas (99% do Mercado) Seminário Internacional de Medição Eletrônica

Leia mais

CENTRALIZAÇÃO, DESCENTRALIZAÇÃO, INTEGRAÇÃO DOS DESPACHOS DE EMERGÊNCIA E DO COMERCIAL: O DESAFIO DE CONFIGURAR UM CENTRO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO

CENTRALIZAÇÃO, DESCENTRALIZAÇÃO, INTEGRAÇÃO DOS DESPACHOS DE EMERGÊNCIA E DO COMERCIAL: O DESAFIO DE CONFIGURAR UM CENTRO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO 3ª Exposição e Fórum Internacional sobre Centros de Operação e Controle das Empresas de Energia Elétrica CENTRALIZAÇÃO, DESCENTRALIZAÇÃO, INTEGRAÇÃO DOS DESPACHOS DE EMERGÊNCIA E DO COMERCIAL: O DESAFIO

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PROJETO SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES *

PERSPECTIVAS DO PROJETO SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES * PERSPECTIVAS DO PROJETO SMART GRID EM ESPAÇOS POPULARES: DESAFIOS E POSSIBILIDADES * Rosemar Aquino de Rezende JUNIOR 1 ; Laura Vitória Rezende DIAS 2 ; Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 3. 1 Bolsista do PET

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T11. 16 de fevereiro de 2012

Teleconferência de Resultados 4T11. 16 de fevereiro de 2012 Teleconferência de Resultados 4T11 Exoneração de Responsabilidade Teleconferência de Resultados 4T11 Página 2 As eventuais declarações que possam ser feitas durante essa teleconferência relativas à perspectiva

Leia mais

Área de concessão. 24 municípios incluindo a Capital. Abrangência: 4,526 km2 e 10% do consumo de energia do país. 6,7 milhões de unidades consumidoras

Área de concessão. 24 municípios incluindo a Capital. Abrangência: 4,526 km2 e 10% do consumo de energia do país. 6,7 milhões de unidades consumidoras Redes Inteligentes Área de concessão 24 municípios incluindo a Capital Abrangência: 4,526 km2 e 10% do consumo de energia do país 6,7 milhões de unidades consumidoras 8% da população do Brasil (aprox.

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador

Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador Monitoramento da Qualidade do Serviço no Brasil Visão do Órgão Regulador 4º Congreso Internacional de Supervisión del Servicio Eléctrico Romeu Donizete Rufino Diretor-Geral da ANEEL 27 de novembro de 2014

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

Geração Distribuída Solar Fotovoltaica

Geração Distribuída Solar Fotovoltaica Geração Distribuída Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo 8º Smart Grid Fórum São Paulo (SP) 17/11/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Focos Principais Representar e promover o setor

Leia mais

Entenda a Indústria de Energia Elétrica

Entenda a Indústria de Energia Elétrica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DISTRIBUIDORES DE ENERGIA ELÉTRICA Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 transmissão Entenda a Indústria de Energia Elétrica Módulo 4 5 O transporte da energia elétrica:

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r G l o b a l C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r v.1.8 de 14/07/2010 1 1993: fundada como Integradora de Sistemas 2009: reconhecida Inteligência em Projetos 16 anos de realizações: + 350 projetos no

Leia mais

5% o consumo residencial no horário de pico, entre 18h e 21h, segundo Pepitone, diretor da ANEEL. Isto equivale, segundo ele, ao consumo de uma

5% o consumo residencial no horário de pico, entre 18h e 21h, segundo Pepitone, diretor da ANEEL. Isto equivale, segundo ele, ao consumo de uma 58 5 Smart Grid Segundo especialistas da área de energia, o smart grid pode ser definido como uma Rede Elétrica Inteligente que distribui energia elétrica com auxílio de tecnologia digital, monitorando

Leia mais

Provedores Serviços Gerenciados da IBM. Jennifer Ammermann

Provedores Serviços Gerenciados da IBM. Jennifer Ammermann Provedores Serviços Gerenciados da IBM Jennifer Ammermann Vamos entender o que é um MSP! Um Provedor de Serviços Gerenciados (MSP) é uma empresa que clientes contratam para executar certas funções de TI,

Leia mais

SuSTAINABLE Projecto Europeu FP7

SuSTAINABLE Projecto Europeu FP7 SuSTAINABLE Projecto Europeu FP7 Info-Day Nacional de Energia Oportunidades de financiamento no âmbito do tema ENERGIA do Horizonte 2020, Concursos 2014&2015 António Messias, Inovgrid, EDP DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Anexo 1. nº /19. RT-PP/PC-25/2013 27/08/2013 Classificação: Reservado. Classificação: Reservado

Anexo 1. nº /19. RT-PP/PC-25/2013 27/08/2013 Classificação: Reservado. Classificação: Reservado Anexo 1 RT-PP/PC-25/2013 27/08/2013 Classificação: Reservado Classificação: Reservado Anexo 1 RT-PP/PC-25/2013 27/08/2013 Classificação: Reservado Classificação: Reservado Anexo 1 RT-PP/PC-25/2013 27/08/2013

Leia mais

Audiência Pública AP 039/2004 SRE ANEEL SULGIPE

Audiência Pública AP 039/2004 SRE ANEEL SULGIPE Primeira Revisão Tarifária Periódica Companhia Sul Sergipana de Eletricidade SULGIPE Audiência Pública AP 039/2004 SRE ANEEL SULGIPE Manifestação da SULGIPE relativa a Proposta de Revisão Tarifária Periódica

Leia mais

Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil

Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL Enersul Empresa Energética de Mato Grosso do Sul Enersul Empresa distribuidora

Leia mais

SMART GRID FORUM 2013

SMART GRID FORUM 2013 SMART GRID FORUM 2013 Estudo de Caso: Projeto Light Concepção, abrangência e estratégia de implantação São Paulo, Nov 2013 1 1 Mercado Light - 2012 1 IBGE (2010) Estado RJ Área de Concessão % População

Leia mais

Copyright 2015 PromonLogicalis. Todos os direitos reservados. WorkShop Smart Grid

Copyright 2015 PromonLogicalis. Todos os direitos reservados. WorkShop Smart Grid Copyright 2015 PromonLogicalis. Todos os direitos reservados. WorkShop Smart Grid Transformação do Negócio Planejamento Estratégico Negócio P&D Tecnologias Aplicações Processo Automação Self healing

Leia mais

Incorporação do efeito da deseconomia de escala do Programa Luz para Todos. Cristine Juste cristine@cataguazes.com.br

Incorporação do efeito da deseconomia de escala do Programa Luz para Todos. Cristine Juste cristine@cataguazes.com.br Incorporação do efeito da deseconomia de escala do Programa Luz para Todos no cálculo c do fator Xe Cristine Juste cristine@cataguazes.com.br Universalização/Programa Luz para Todos Lei nº 10.438/2002:

Leia mais

VERO: VIRIDIS ENERGY RESOURCE OPTIMIZATION

VERO: VIRIDIS ENERGY RESOURCE OPTIMIZATION VERO: VIRIDIS ENERGY RESOURCE OPTIMIZATION 2 MELHORE A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE SUA EMPRESA COM O VERO GERENCIE SEUS GRIDS E MEDIDORES Faça leituras automáticas, aferições e monitoramento de medidores.

Leia mais

Fator X Contribuições NT RTG Nº 002/2014

Fator X Contribuições NT RTG Nº 002/2014 Fator X Contribuições NT RTG Nº 002/2014 Darío Calderón AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/2014 ARSESP SÃO PAULO 4 DE NOVEMBRO 2014 1 2 Aplicação de Fator X para uma empresa Greenfield A NT Nº1 de 2003 da CESP menciona

Leia mais

BEM VINDOS! Visão Geral As tecnologias de armazenamento de energia se encontram em estágio avançado de desenvolvimento e comercialização em diferentes lugares do mundo como América do Norte, Europa e Ásia.

Leia mais

29/09/2010. Carlos Alberto FRÓES Lima, MsC Gilberto De Martino JANNUZZI, PhD FEM- Planejamento Energético Unicamp Brasil

29/09/2010. Carlos Alberto FRÓES Lima, MsC Gilberto De Martino JANNUZZI, PhD FEM- Planejamento Energético Unicamp Brasil Carlos Alberto FRÓES Lima, MsC Gilberto De Martino JANNUZZI, PhD FEM- Planejamento Energético Unicamp Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Metering, smart

Leia mais

A Telefonica Vivo no mercado de M2M. Gerente Sr. Marketing e Desenvolvimento de Negócios 06.05.2014

A Telefonica Vivo no mercado de M2M. Gerente Sr. Marketing e Desenvolvimento de Negócios 06.05.2014 A Telefonica Vivo no mercado de M2M Gerente Sr. Marketing e Desenvolvimento de Negócios 06.05.2014 Índice 1. M2M & a junção das indústrias conectadas_ 2. Posicionamento da Telefonica Vivo_ 3. Principais

Leia mais

Fernando Alvim Diório Coordenador do SGT ABNT Brasil

Fernando Alvim Diório Coordenador do SGT ABNT Brasil Fernando Alvim Diório Coordenador do SGT ABNT Brasil 19 a 21 de outubre de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL PADRÕES PARA PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO. Agenda Histórico Objetivos Aplicações Nova proposta

Leia mais

Classificação: Público

Classificação: Público Classificação: Público Classificação: Público Empresa Um dos maiores e mais sólidos grupos de energia elétrica do Brasil e América Latina, que completa 60 anos em 2012. Principais Atividades Energia: geração,

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais

Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais Proposta de Trabalho

Leia mais

Smart Grid Advantage

Smart Grid Advantage Smart Grid Advantage A evolução das Redes Inteligentes Ricardo Van Erven Gerente Geral América Latina GE Digital Energy Smart Grid Forum, SP 27 Novembro, 2013 Áreas urbanas de > 10 milhões 53% Áreas rurais

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA APTEL E SUAS EMPRESAS ASSOCIADAS PARA A CP 015/2009

CONTRIBUIÇÃO DA APTEL E SUAS EMPRESAS ASSOCIADAS PARA A CP 015/2009 CONTRIBUIÇÃO DA APTEL E SUAS EMPRESAS ASSOCIADAS PARA A CP 015/2009 INTRODUÇÃO Fundada em 1999, a APTEL evoluiu para uma organização multidisciplinar representando os interesses de telecomunicações e TI

Leia mais

Desafios da convergência em um mundo totalmente IP. Sidney Longo

Desafios da convergência em um mundo totalmente IP. Sidney Longo Desafios da convergência em um mundo totalmente IP Sidney Longo 13 de abril de 2011 Agenda O CPqD Cenário Roadmap Tecnológico Tendências Tecnológicas Computação em Nuvem Mobilidade e Redes Sociais Multiplos

Leia mais

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Assunto: Reajuste das Tarifas de uso dos sistemas de distribuição da empresa Boa Vista Energia S/A - Boa Vista. I DO OBJETIVO Esta nota técnica

Leia mais

S G O R T A FRAMEWORK TO SUPPORT SMART GRID SOLUTIONS WITH UBIQUITOUS AND AUTONOMIC FEATURES ECDU. INF 621 - Seminários Científicos II

S G O R T A FRAMEWORK TO SUPPORT SMART GRID SOLUTIONS WITH UBIQUITOUS AND AUTONOMIC FEATURES ECDU. INF 621 - Seminários Científicos II A FRAMEWORK TO SUPPORT SMART GRID SOLUTIONS WITH UBIQUITOUS AND AUTONOMIC FEATURES Aluno: Me. Flávio Galvão Calhau Orientador: Dr. Romildo Bezerra S G O R T ECDU INF 621 - Seminários Científicos II Um

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Windows e Web Dynamics Comunicação e Produtividade Servidores Infraestrutura Empresarial Busca e Anúncios Mobilidade Entretenimento e TV PRODUTIVIDADE

Leia mais

Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos

Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos Quem é a Zaruc? Empresa que atua desde 2008 no desenvolvimento de projetos tecnológicos inovadores oferecendo soluções

Leia mais

Computação em Grid e em Nuvem

Computação em Grid e em Nuvem Computação em Grid e em Nuvem Computação em Nuvem Molos 1 Definição Um grid computacional é uma coleção recursos computacionais e comunicação utilizados para execução aplicações Usuário vê o grid como

Leia mais

Título do trabalho. Geração Distribuída e Smart Grids. Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL

Título do trabalho. Geração Distribuída e Smart Grids. Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL CEPEL Encontro Ibero-americano sobre Desenvolvimento Sustentável Título do trabalho Geração Distribuída e Smart Grids Autor/apresentador Raul B Sollero Área

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CIAPORTE SOLUÇÕES E SOFTWARE LTDA ME AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010

Leia mais

PROJETO LEAN DATA CENTER

PROJETO LEAN DATA CENTER PROJETO LEAN DATA CENTER efagundes.com O projeto Lean Data Center tem o objetivo de projetar, maximizar a infraestrutura, aumentar a disponibilidade dos serviços e melhorar a gestão de data centers de

Leia mais

A importância crescente das Telecomunicações para um Distribuidor de Energia Eléctrica. 31 de Maio de 2016

A importância crescente das Telecomunicações para um Distribuidor de Energia Eléctrica. 31 de Maio de 2016 A importância crescente das Telecomunicações para um Distribuidor de Energia Eléctrica 31 de Maio de 2016 Agenda A EDP, EDP Distribuição e EDP Inovação O contexto atual para o sector elétrico As Telecomunicações

Leia mais

DESEMPENHO DE REDES. Fundamentos de desempenho e otimização de redes. Prof. Ulisses Cotta Cavalca

DESEMPENHO DE REDES. Fundamentos de desempenho e otimização de redes. Prof. Ulisses Cotta Cavalca <ulisses.cotta@gmail.com> DESEMPENHO DE REDES Fundamentos de desempenho e otimização de redes Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2015 Sumário 1. Introdução 2. Gerência de redes 3. Fundamentos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO:

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À CONSULTA PÚBLICA Nº 012/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE GRANDES CONSUMIDORES INDUSTRIAIS DE ENERGIA E DE CONSUMIDORES LIVRES ABRACE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA

Leia mais

Resultados do 1T15 Maio, 2015

Resultados do 1T15 Maio, 2015 Resultados do Maio, 2015 Destaques Operacional e Qualidade do Serviço Redução de 0,83 p.p. nas perdas totais no vs., totalizando 9,3% FEC de 3,21 vezes, 26,5% menor do que no ; DEC de 9,08 horas, 7,8%

Leia mais

Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação

Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação Carlos E. G. Paiola Engenheiro de Controle e Automação, M.Sc. Gerente Comercial - Aquarius Software Ricardo Caruso

Leia mais

QUE SIGNIFICA ITS? (INTELLIGENT TRANSPORTATION SYSTEMS)

QUE SIGNIFICA ITS? (INTELLIGENT TRANSPORTATION SYSTEMS) QUE SIGNIFICA ITS? (INTELLIGENT TRANSPORTATION SYSTEMS) 54a REUNIÃO DO FÓRUM PAULISTA DE SECRETÁRIOS E DIRIGENTES PÚBLICOS DE TRANSPORTE E TRÂNSITO Stenio Franco (stenio.franco.br@gmail.com) Comissao de

Leia mais

Tecnologias para o sistema Elétrico do Futuro: Smart Grid. Marco Amorim Gerente de Negócios para o segmento de Energia National Instruments

Tecnologias para o sistema Elétrico do Futuro: Smart Grid. Marco Amorim Gerente de Negócios para o segmento de Energia National Instruments Tecnologias para o sistema Elétrico do Futuro: Smart Grid Marco Amorim Gerente de Negócios para o segmento de Energia National Instruments #1 Geração, Transmissão e Distribuição de Eletricidade Complexidade

Leia mais