VIII CIERTEC. Fortaleza - Brasil Agosto de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIII CIERTEC. Fortaleza - Brasil Agosto de 2013"

Transcrição

1 TÍTULO DO TRABALHO: Gerenciamento de Dados e Software Inteligente aplicados aos Sistemas de SmartGrid Tema: Smart Grid (Smart Metering) Autor: RODRIGO AFFONSO ORNELLAS Empresa: ITRON DADOS DO AUTOR RESPONSÁVEL Nome: RODRIGO AFFONSO ORNELLAS Cargo: EXECUTIVO DE VENDAS Endereço: R. FIORAVANTE MANCINO 1560 MODULO 8-CHACARA MONTE ALEGRE-SUMARE-SP Telefone: +55 (19) Fax: PALAVRAS-CHAVE (até 7): SMART GRID METER AMR AMI DATA MANAGEMENT RESUMO DO TRABALHO: Objetivo: Este trabalho discute as tendências em Smart Grids para o contexto brasileiro de Software e Sistemas e propõe estratégias de maximização dos benefícios da adoção de tecnologias da informação para responder adequadamente aos desafios propostos pela implementação dos Smart Grids em larga escala. Métodos: Este trabalho utiliza-se de experiências de implantação de Smart Grid nas regiões Norte Americana e Europeia, apresentando os principais casos de sucesso e suas similaridades e diferenças com o contexto Brasileiro. A introdução de Smart Grid na pauta das principais economias regionais e globais, introduziu ao mesmo tempo um novo conjunto de desafios para as Concessionárias de Energia Elétrica, Consumidores, Governos e Sociedade. Diferentes geografias e culturas criaram distintas demandas e soluções de mercado, comumente agrupadas e rotuladas sob a temática Smart Grid. Assim Smart Grid é compreendido como um número plural de iniciativas que incluem Smart Meter, Distribuição Automatizada, Comunicação, Gerenciamento Doméstico, Gerenciamento de Demanda e até Pré-Pagamento. Entre os benefícios propagados pela tecnologia de Smart Grid destacam-se fornecimentos mais confiáveis de energia elétrica, aumento da eficiência energética, aumento da capacidade de gerenciamento das fontes renováveis, redução de emissões poluentes, e finalmente a fusão multidisciplinar de conceitos tão complexos como Energia, Comunicações e Sistemas. A partir desta análise o trabalho propõe estratégias regionais de implementação, seus riscos e recomendações. São analisados os principais desafios técnicos, comerciais e regulatórios. 1

2 Resultados e Conclusão: Questões não completamente resolvidas colocam-se neste contexto: As políticas públicas e programas existentes são aderentes às novas demandas estratégicas de Smart Grid ou são emergenciais? Como as políticas públicas se estabelecem e se instrumentalizam para o setor de energia elétrica e quais são os seus impactos diretos na administração de uma complexa infraestrutura de energia x medição? Quais são os principais atores deste processo e como se modificam as relações entre eles nestes contextos de transformação e evolução? A adoção de sistemas críticos neste ambiente em evolução é decisão estratégica diretamente relacionada ao sucesso do empreendimento e não apenas uma decisão operacional. Esse trabalho assim conclui-se apresentando como o uso da Tecnologia da Informação pode ser maximizado neste complexo ambiente Técnico-Comercial-Regulatório e quais são os caminhos alternativos para sua adoção em larga escala no Brasil. 2

3 1. INTRODUÇÃO A introdução de Smart Grid na pauta das principais economias regionais e globais apresentou um novo conjunto de desafios para as Concessionárias de Energia Elétrica, Consumidores, Governos e Sociedade. Apesar disso, no Brasil o Smart Grid ainda vive seus primeiros passos através do inicio da instalação de medidores inteligentes, primeiros sistemas e aplicações O que é Smart Grid? Smart Grid é um assunto muito abrangente e a definição costuma variar dependendo do interlocutor. Para iniciarmos de um ponto comum, coloco aqui a minha definição de Smart Grid. Smart Grid ou rede inteligente é um conjunto de iniciativas como sistemas de informática, equipamentos de automação de rede e medidores inteligentes com um objetivo comum de melhorar desde a operação da rede de distribuição e fornecimento de energia até a geração da conta de consumo dos clientes. A ideia por trás de uma Smart Grid é dar inteligência e controle sobre a rede a fim de permitir que a concessionária conheça melhor a rede e seus comportamentos possibilitando ações preventivas ou corretivas com maior rapidez do que as redes não inteligentes. E a cada dia novas soluções, produtos e serviços inovadores de monitoramento remoto, coleta de dados, controles e aplicações são adicionados aos projetos de Smart Grid. Através das Smart Grids as concessionárias esperam poder: Disponibilizar ao consumidor final mais informações que o permitam otimizar o seu uso de energia para atender suas necessidades individuais. Reduzir representativamente o impacto do sistema no meio ambiente através de um melhor gerenciamento dos recursos e menor desperdício de energia. Melhorar o grau de confiabilidade, qualidade e segurança do fornecimento. Balancear dinamicamente o lado do fornecimento com a demanda Ajudar na redução do consumo de energia Reduzir custos operacionais e adiar investimentos Diminuir desperdícios, roubos e fraudes. 2. CONSTRUINDO UMA SMART GRID Diferentes geografias e culturas criaram distintas demandas e desafios para suas concessionarias. Dessa forma as Smart Grids são diferentes em cada concessionaria e incluem um conjunto de iniciativas de soluções como Smart Meter, Distribuição Automatizada, Comunicação, Gerenciamento Doméstico, Gerenciamento do Lado da Demanda, Pré-Pagamento e etc. A adoção de medidores inteligentes já viabiliza hoje as funcionalidades de Smart Grid para varias concessionárias Brasileiras. Outras tecnologias Smart Grid já existem e já são usadas a tempos mas somente agora passam por processos de integração numa clara iniciativa de construir soluções de Smart Grid. Fica mais fácil entender as diferentes tecnologias envolvidas numa Smart Grid se as separarmos em categorias ou camadas num modelo de arquitetura: 3

4 Camada de Criação ou a medição dos dados Camada de Coleta de Dados Camada de Gerenciamento de dados Camada de Utilização das informações 2.1. Camada de Criação: Medidores Inteligentes Um dos primeiros passos de uma Smart Grid passa pela transformação e modernização das leituras que atualmente são realizadas em sua maioria manualmente por leituristas registrando-as em terminais portáteis. Esses dados coletados através das medições alimentarão as aplicações que formam uma Smart Grid. oferecem soluções conhecidas como Remotas que realizam a função de coleta dos dados dos medidores não inteligentes dando uma sobrevida a eles. medidores inteligentes e mais atuais: os modelos mais atuais já capacidade de comunicação bidirecional com aplicações e sistemas remotos, permitindo-os enviar dados e receber comandos. Essa solução é conhecida como AMI - Advanced Meter Infrastructure. Smart Grid está na ponta de uma evolução tecnológica. Apesar da possibilidade de alguns saltos tecnológicos alguns componentes para a construção da rede são mandatórios. E como os investimentos são altos geralmente se opta por uma evolução passo a passo num caminho de construção da Smart Grid. Através dos novos medidores inteligentes, essa transformação permite com que os leituristas possam coletar os dados das medições de forma automatizada através da comunicação via rádio entre os novos medidores e terminais portáteis. Essa solução é conhecida pela sigla AMR - Advanced Meter Reading. Outra opção que traz um grau ainda maior de automação, a coleta é totalmente automática (sem leituristas) através de sistemas que acessam remotamente os medidores. Nesse caso é fundamental a existência de uma rede de comunicação de dados que podem ser de diferentes tecnologias como uma rede celular, RF Mesh, PLC entre outras. Nesse modelo através de coleta remota de dados, se encaixam dois tipos de soluções: sobrevida dos medidores mais antigos: como a maioria dos medidores atuais ainda são dos modelos não inteligentes (normalmente eletromecânicos), alguns fornecedores 2.2. Coleta de Dados(ou Collect): MDC - Meter Data Collection Na próxima camada de uma arquitetura Smart Grid estão as aplicações responsáveis pela coleta dos dados, conhecidas como MDC (do inglês = Meter Data Collection) que em português significa Coletor de Dados de Medição. O MDC usa as redes de dados disponíveis para realizar a coleta dos dados armazenados nos medidores. Para isso o MDC precisa possuir drivers capazes de se 4

5 comunicar a cada modelo de medidor para realizar a coleta. Duas alternativas de soluções de MDC são encontradas no mercado; uma onde se utiliza um MDC por fabricante de medidor e outra com MDCs multi-vendors que oferecem a integração a diferentes fabricantes de medidores numa mesma plataforma. Considerando os modelos apresentados, do ponto de vista da arquitetura das aplicações não existe grandes diferenças e elas pode ser mescladas. No entanto, cada uma gerará impactos em diferentes momentos do projeto. Uma solução multi-vendor se apresenta melhor na etapa inicial ou em projetos pequenos devido ao melhor custo beneficio por utilizar menos hardware e software. No longo prazo, com o aumento do número de pontos medidos e coletados a vantagem da solução muil-vendor poderá desaparecer devido a necessidade de ampliação do hardware da plataforma se igualando a solução com fabricantes separados. Porem a manutenção dos drivers dos medidores da solução multi-vendor tende a se mostrar mais complexa e custosa. Referente ao dimensionamento da quantidade de servidores de MDCs em qualquer uma das duas soluções dependerá de algumas variáveis, especificas a cada fabricante, projeto e concessionária: capacidade de processamento de cada solução de MDC hardware utilizado, tamanho da planta instalada de medidores, parcela da rede que fará parte do solução de Smart Grid, quantidade de dados coletados por medidor, frequência com que os dados são coletados nos medidores, 5 tempo de armazenamento dos dados, capacidade de armazenamento da solução, quantidade de fabricantes de medidores na rede. SCADA Que não fique de fora dessa discussão que alguns fabricantes de soluções para Smart Grid, AMR e AMI utilizavam os aplicativos SCADA já existentes para agregar a função de coleta de dados de medição. Terminais Portáteis (Handheld) As soluções de MDCs também devem ser capazes de receber os dados coletados pelos terminais portáteis (Handhelds) das leituras ainda realizadas manualmente (leituristas) pois durante o processo de evolução das Smart Grids os diferentes cenários de coletas de dados podem conviver por muito tempo Gerenciamento dos Dados (ou Manage): MDM Meter Data Management Na próxima camada fica a aplicação mais importante da arquitetura chamada MDM Meter Data Management (ou Gerente de Dados de Medidores). O MDM fica numa camada acima da camada de coleta de dados (onde ficam os MDCs) e numa posição central da arquitetura.

6 sem ter que enviar equipes a campo para realizar manualmente essas atividades. Bases de Dados Dados são um ativo da concessionária e o MDM deve ser um guardião deles. O MDM além de processar as informações poderá distribui-las para outros sistemas que as necessitem. Figura 1: Arquitetura com MDM Integração de Múltiplas Tecnologias Na arquitetura com o MDM, é o ponto focal para integração de múltiplas tecnologias e plataformas. Ao invés de uma arquitetura onde sistemas se comunicam entre si, com o MDM priorizase uma integração com o MDM reduzindo a complexidade das integrações. Com a escolha de ter o MDM na arquitetura, os Sistemas Operacionais/CIS da Concessionária existentes não precisam suportar ou interfacear com vários sistemas de coleta. Broker / Intermediador Além de trazer dados dos medidores para os sistemas CIS, o MDM é capaz de enviar alguns tipos de comandos ou configurações para os medidores do tipo inteligente que já possuam capacidade de comunicação bidirecional (nesse caso o MDM também depende da capacidade do MDC de se comunicar com os medidores). Mais uma razão pela qual as soluções Smart Grid precisam ser projetadas fim a fim. Uma grande aplicação para essa funcionalidade é o Corte e Religamento remoto. Dependendo do grau de integração dos sistemas, a área comercial ou financeira da concessionária pode realizar os cortes e/ou religamentos de energia através dos sistemas CIS (SAP, ERP e etc), 6 Nessa arquitetura, o MDM evita a duplicidade de dados em vários sistemas que acabam gerando problemas de sincronismo, alto trafego de dados pela rede além de altos custos de manutenção e licenças. Clientes Residenciais A maioria das concessionarias utiliza a medição remota em seus clientes de médio e grande porte (C&I Comercio e Indústria) responsáveis pelo maior faturamento na concessionaria mas são a minoria em quantidade. Os clientes de médio e grande porte geram um pequeno volume de dados. O grande volume de dados começará a ter que ser tratado a partir da implantação dos medidores inteligentes para os clientes residenciais. VEE Validação, Estimativa e Edição Uma das funções mais importantes do MDM é conhecida como VEE ou Validação, Estimativa e Edição dos dados coletados. O MDM identifica dados incompletos ou errados ou redundantes (coleta duplicada) e os corrigi de acordo com as regras definidas pela concessionária e incorporadas ao modulo VEE. Esse processo se torna ainda mais importante quando esses dados forem utilizados por outros sistemas de maior relevância como o Sistema de Billing que necessita de dados confiáveis.

7 3. APLICAÇÕES INTELIGENTES OU SMART TECHNOLOGY Cada vez as concessionarias têm mais informações sobre o comportamento dos consumidores e da rede sendo coletadas e enviadas a aplicações de Smart Grid. E as aplicações estão se tornando mais inteligentes para poder transformar esses dados em informações uteis aos operadores com foco na priorização de ações para o reestabelecimento da rede e do fornecimento de energia. Vejamos onde e como essas informações estão sendo utilizadas em alguns tipos de aplicações inteligentes Suporte ao Cliente(Customer Care) ou Portal Algumas soluções de MDM trazem funcionalidades interessantes como um portal com informações para os clientes acompanharem os seus detalhes de consumo, informações de falta de energia, sua conta de energia e etc. Outras soluções disponibilizam essas informações apenas para o SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente) da concessionária a fim de permitir que o SAC as utilize durante o contato com o cliente. Algumas concessionárias disponibilizam apenas uma segunda via. Enfim, a ideia é ajudar o consumidor a entender qual o seu consumo de energia mês a mês e educa-lo para que cada consumidor se torne verdadeiramente responsável pelo controle do seu consumo e capaz de impactar no resultado da sua conta no final do mês. A partir de 2014, os consumidores poderão optar por uma nova modalidade tarifária permitirá que essa participação ativa dos consumidores tenha um verdadeiro impacto no consumo de energia nos horários de pico. Veja mais detalhes no tópico Tarifa Branca, neste documento. 7 Figura 2: fonte: button/ Green Button Nos EUA, existe uma iniciativa das concessionárias de Energia em conjunto com o governo chamada Green Button ou Botão Verde. Green Button começou a partir de outra iniciativa do governo chamada Blue Button ou Botão Azul que foi aplicada a indústria de saúde. A ideia era que através de um click em um botão azul no site os pacientes pudessem baixar o histórico do seu prontuário médico em formato eletrônico. Da mesma forma, o Green Button surgiu para que os consumidores pudessem baixar através de um botão verde no site da concessionária as informações de seu consumo. Na imagem ao lado o site da PG&E (Pacific Gas and Electric Company) onde o botão foi colocado. Em qualquer um dos casos, o objetivo por trás dessas iniciativas é disponibilizar mais informações aos clientes e assim participar no gerenciamento do seu consumo de energia. Espera-se que através dessas iniciativas os consumidores passem a contribuir com a economia de energia Analytics Alguns MDMs trazem Analytics como uma funcionalidade interessante, mas muitas aplicações são independentes do MDM já acabam fazendo uso dos dados

8 centralizados que o MDM carrega para a realização de analises da rede. Os Analytics permitem que a concessionária realize uma analise mais detalhada dos dados coletados a fim de identificar possíveis problemas na rede (trouble shooting), investigar situações estranhas e/ou raras, possíveis tentativas de fraudes e/ou roubo de energia. As soluções que possuem uma funcionalidade de Analytics possuem uma inteligência embutida que consegue identificar cenários conhecidos de fraudes pescando esses casos de dentro do grande volume de dados acumulados. Uma vez que esses casos sejam identificados, o operador pode se aprofundar na investigação e na analise a fim de validar, compreender, documentar e corrigir os pontos encontrados. Nem sempre os casos identificados representam tentativas de fraudes, podendo ser falhas ou sobrecargas na rede Outage Management (OMS) Outage Management é uma aplicação usada pelas concessionárias para auxilialas na recuperação do fornecimento de energia. O OMS depende plenamente das informações que chegam que então serão compiladas a fim de apresentar o que parece ser o problema na rede. Cada solução de mercado possui funcionalidades diferentes, mas de forma geral um OMS deve ser capaz de: Identificar a localização do elemento da rede que interrompeu a rede ou parte dela. Traduzir o padrão de chamados abertos pelos consumidores em localizações especifica que demandem atendimento de uma equipe de campo Priorizar os esforços de recuperação e gerenciar os recursos baseados existentes a fim de atender com critério as áreas afetadas (por exemplo: identificar áreas com demanda critica) Disponibilizar informações precisas do tamanho da área atingida pela interrupção de fornecimento e o número de consumidores atingidos Apoiar através do gerenciamento dos despachos de equipes e o seu rastreamento nas atividades de recuperação do fornecimento. As informações que enriquecem o OMS chegam de aplicações, sistemas e equipamentos da rede que devem estar integradas ao sistema OMS e que variam de concessionária para concessionária. Seguem alguns desses sistemas: GIS (Geographic Information System) para garantir acesso as informações de inventário dos elementos da rede com localização geográfica desses ativos. Work Force or Order Management para gerenciar a abertura de ordens de serviço para as equipes de campo CRM (Customer Relationship Management) onde os Call Centers registram os chamados e reclamações feitas pelos consumidores Sistema de Trouble Ticket ou Chamados de Falha onde são abertos os chamados de falha na rede. Medidores Inteligentes de onde passam a chegar informações/eventos de falta de energia SCADA por onde poderão chegar informações de queda de transformadores e/ou outros alarmes que auxiliam na identificação de falhas no fornecimento de energia. Numa solução de Smart Grid os transformadores inteligentes respondem a comandos remotos o que permite ao centro de operações rotear o fornecimento de 8

9 energia a fim de minimizar o número de consumidores sem energia. MDM (Meter Data Management) que disponibilizará informações e alarmes de faltas de energia. Já existem discussões sobre a troca das soluções OMS existentes por versões mais modernas passam a integrar os dados dos medidores inteligentes que serão de grande ajuda na localização dos problemas na rede. Além disso, as soluções mais novas agora são capazes de serem integradas a sistemas de informações na internet assim como redes sociais. 4. APLICANDO SMART GRID NA REDE O avanço na inteligência das soluções vai já vali além aplicações que nos auxiliam nas tomadas de decisões. Já existem soluções que atuam de forma automática através de correções da rede sendo desnecessária qualquer ação de operadores humanos. Seguem algumas soluções que tem foco na redução da carga na rede e consequente consumo de energia Gerenciamento do Lado da Demanda (GLD) ou Demand Response Gerenciamento do Lado da Demanda (GLD) ou Demand Response trabalham para uma redução da carga na rede e consequente redução do consumo de energia. Apesar da redução do consumo de energia estar alinhada com o aumento da consciência ecológica dos consumidores, o seu objetivo principal é ajudar as concessionárias a gerenciar o equilíbrio do custo dos sistemas de energia e assim garantir a confiabilidade e a continuidade do fornecimento de energia ao consumidor. No Brasil o governo conta com usinas Termoelétricas que são ativadas em momentos de aumento de demanda ou 9 baixa capacidade de produção de energia de nosso parque de hidroelétricas. Esse não é necessariamente um caso de Gerenciamento pelo Lado da Demanda, pois na realidade estamos aumentando a capacidade de produção de energia da rede e não reduzindo a demanda. Apesar do uso das Termoelétricas ajudarem a garantir o fornecimento de energia ele seguem em sentido oposto ao GLD. Um exemplo de um GLD acontece no mercado de Alta Tensão (exemplo: indústria) através de contratos com consumidores. Os contratos permitem as concessionárias a identificar as demandas nos horários de pico e a indústria a se alinhar a soluções de menor custo para o fornecimento de energia. Devido aos altos custos da energia nos horários de pico, indústrias optam pela implantação de uma fonte alternativa de energia (como um gerador a diesel) que suprirá sua demanda nesse período onde a energia mais cara. Na pratica, a concessionária realiza o corte automático da energia fornecida e a indústria aciona o seu gerador durante esse quando a energia da concessionária estiver indisponível (conforme contrato). Assim a concessionária é capaz de deslocar o fornecimento para atender outras localidades HAN Home Area Network HAN ou Home Area Networks (em português: Rede de Área Doméstica). HAN acaba sendo uma forma de levar GLD para clientes de Baixa Tensão / residenciais. A implantação de uma HAN consiste na conexão de equipamentos residenciais chamados de Smart Appliances (ou dispositivos inteligentes) ao medidor

10 inteligente de energia instalado na residência através de tecnologia sem fio ( chamada ZigBee). Hoje, as tecnologias já permitem acesso direto aos medidores inteligentes, agora com a conexão dos medidores inteligentes aos Smart Appliances as concessionárias passarão a poder atuar nesses dispositivos a fim de reduzir o consumo de energia durante os horários de pico de demanda. prejudicar os consumidores. Exemplo: a concessionária não pode desligar o único elevador de um prédio. O ganho para a concessionária em soluções de HAN está no longo prazo com a adesão de mais consumidores enquanto que a percepção dos consumidores é de um ganho mais imediato o que ajuda numa campanha de divulgação. Ou seja, essas ações em consumidores individuais e/ou condomínios parecem isoladas e insignificantes, mas na realidade o ganho da soma das reduções de cada consumidores gerará um impacto significativo de redução nos horários de alta demanda para as concessionárias. Figura 3: fonte: mage_gallery/articles/2010_01/ _smart_main_dk 2b.jpg Já existem consumidores de Baixa Tensão (residenciais) nos EUA, que em troca de benefícios ou descontos na conta de energia, estão estabelecendo contratos autorizando as concessionarias a realizar acesso remoto para a manipulação do consumo dos dispositivos inteligentes. Como exemplo, as concessionárias poderiam nos horários de pico: regular a temperatura do ar condicionado ou aquecedores dos consumidores desligar e ligar motores de piscinas desligar e ligar bombas que estão enchendo caixas d agua desligar e ligar o motor de um dos elevadores do prédio Além de previamente combinadas, os clientes são avisados através de SMS (mensagem celular) das ações que serão tomadas a fim de não atrapalhar ou Micro Geração de Energia A norma cria o Sistema de Compensação de Energia, que permite ao consumidor instalar pequenos geradores em sua unidade consumidora e trocar energia com a distribuidora local. A regra é válida para geradores que utilizem fontes incentivadas de energia (hídrica, solar, biomassa, eólica e cogeração qualificada). Pelo Sistema de Compensação de Energia, a unidade geradora instalada em uma residência, por exemplo, produzirá energia e o que não for consumido será injetado no sistema da distribuidora, que utilizará o crédito para abater o consumo dos meses subsequentes. Os créditos poderão ser utilizados em um prazo de 36 meses e as informações estarão na fatura do consumidor, a fim de que ele saiba o saldo de energia e tenha o controle sobre a sua fatura. A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) aprovou em, 17/04/2012, a Resolução 482 que regulamenta regras destinadas a reduzir barreiras para

11 instalação de geração distribuída de pequeno porte, que incluem a micro geração, com até 100 KW de potência, e a mini geração, de 100 KW a 1 MW Tarifa Branca Com a Resolução 502/2012 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), foi feita a regulamentação para o uso dos medidores inteligentes para os consumidores de Baixa Tensão (residenciais), o que tornará possível a esses consumidores optar por usar a tarifa branca a partir de A Tarifa Branca é o nome dado à modalidade tarifaria alternativa à convencional hoje em vigor e que oferecerá três diferentes patamares para a tarifa de energia, de acordo com os horários de consumo. A tarifa branca será opcional, e caso o consumidor não pretenda modificar seus hábitos de consumo, a tarifa convencional continuará disponível. A Tarifa Branca terá uma tarifa mais barata de segunda a sexta-feira na maioria das horas do dia; outra mais cara, no horário em que o consumo de energia atinge o pico máximo, no início da noite; e a terceira, intermediária, será entre esses dois horários. Nos finais de semana e feriados, a tarifa mais barata será empregada para todas as horas do dia. Apesar de ser um exemplo de GLD, nesse caso a concessionaria se baseia numa mudança de comportamento do consumidor ao invés de atuar sobre a rede para conseguir a redução da carga. Mas na busca pela redução do consumo de energia várias metodologias podem ser combinadas para gerar o resultado buscado Distribution Automation (DA) Distribution Autiomation DA (Automação da Distribuição) é uma família de tecnologias que incluem sensores, processadores, redes de comunicação e transformadores capazes de realizar uma série de ações no sistema de distribuição. DA tem sido aplicado para realizar o desligamento e religamento automático de tramos da rede, para coordenar a compensação de potencia reativa, roteamento de energia através de controles nos transformadores. Novas funcionalidades de Distribution Automation também incluem detecção e analise de falhas, controle de voltagem e medições de qualidade. DA é mais um componente no conceito de Smart Grid. Uma solução de DA permiti a concessionária a rotear o fornecimento de energia de forma a contornar pontos de falha, com frequência sem notável interrupção no fornecimento de energia ao consumidor final. Por exemplo: um cenário comum nas cidades brasileiras quando uma arvore durante uma chuva mais forte derruba um poste de distribuição de energia onde o resultado é a interrupção do fornecimento de energia. Numa rede com uma implementação de DA nesta região onde a árvore caiu, a solução de DA pode isolar automaticamente a área com problemas. Essa característica é conhecida como selfhealing que tem por objetivo minimizar o problema através da atuação sobre os transformadores a fim de rotear o fornecimento de energia de diminuir e isolar os clientes atingidos pelo incidente. Uma parcela dos consumidores será afetada pelo incidente porem o intuito da solução é minimizar essa quantidade. 11

12 4.6. Pré-Pagamento Conforme já mencionado anteriormente, a chegada dos medidores inteligentes além de permitir o acesso a um grande volume de dados rico de informações de comportamento e consumo, também viabilizam uma série de aplicações que já apresentei anteriormente neste documento. Pré-Pagamento é mais uma dessas aplicações que utilizam as diversas funcionalidades desses medidores eletrônicos e que também pode ser considerada parte da Smart Grid. E qual a vantagem para as concessionarias? No modelo de pré-pagamento as concessionárias ganham: ao deixarem de emitir contas reduzindo os custos com postagem. Enquanto que todos os meses as contas são enviadas as consumidores pós-pagos. com antecipação da receita. ao reduzirem os problemas associados a mal pagadores. Pagar primeiro e utilizar o serviço depois, até o limite dos créditos. O consumidor já sabe bem como isso funciona no celular. Em julho de 2012, a Aneel abriu Audiência Pública (AP) nº 48/2012 para discutir a regulamentação do pré-pagamento para esse serviço, como já acontece na Argentina, África do Sul, Colômbia, Austrália, Inglaterra, em Moçambique, entre outros países. Pelo texto proposto pela Aneel, o sistema pré-pago de energia elétrica será opcional tanto para as distribuidoras quanto para os consumidores, ou seja, a empresa só oferta se quiser, e o consumidor também pode aderir ou não a ele DESAFIOS Cada concessionária vive uma realidade diferente e mesmo assim compartilham muitos dos desafios comuns da operação de redes de distribuição e fornecimento de energia elétrica. Apesar dos mesmos desafios os impactos são particulares a cada concessionária favorecendo ou desafiando-as em seus projetos. A lista dos desafios é interminável, pois passa por questões sociais, econômicas, tecnológicas, e politicas. Por exemplo: capacidade de investir, objetivos de curto e longo prazo, politicas governamentais, condições de conservação da sua rede, perfil socioeconômico de seus consumidores, maturidade dos processos internos, crescimento da economia e da indústria local, condições climáticas, perfil de consumo de energia, densidade populacional, geografia, inadimplência, custos internos, entre outros. Abaixo passo por alguns desafios relacionados com a tecnologia e as aplicações que é o foco dessa discussão: Medidores Inteligentes Com as possibilidades de Micro Geração, adoção da Tarifa Branca a partir de 2014, e estudos sobre a implantação do Prépagamento a evolução para medidores inteligentes é inevitável. Para aquelas concessionárias que ainda não estão fazendo essa migração naturalmente como parte de suas estratégias de modernização e evolução de serviços a legislação está chegando e dando uma ajudinha ou uns

13 empurrões na direção de habilitar as redes para aplicações inteligentes. A escolha do medidor também se torna um grande desafio a fim de atender aos requisitos do regulatório, demandas dos clientes e aos objetivos da concessionaria, especialmente, pela enormidade de opções de modelos e fabricantes no mercado. Essa escolha também precisa estar diretamente correlacionada com as soluções, aplicações e sistemas que serão escolhidos na camada de aplicações da arquitetura Smart Grid. A massificação desses medidores inteligentes será um processo lento que dependerá inicialmente do interesse dos consumidores e no longo prazo um processo natural de adoção de praticas e/ou planos de investimentos em Smart Grid. E naturalmente essas mudanças forçarão as concessionárias a mudar seus processos para se adaptarem as mudanças. Projeto de Longa Duração A maturidade dos processos, capacidade de se adaptar e promover mudanças internas fará toda a diferença para as concessionarias na determinação do sucesso da implantação de um projeto de Smart Grid que normalmente são de longa duração e compostos por altos investimentos. Novas Tecnologias Além de grandes mudanças internas, um projeto de Smart Grid envolve uma grande parcela de novas tecnologias. Assim sendo a concessionária deverá realizar um grande trabalho preparatório para entender como evoluir seu parque tecnológico atual passo a passo até chegar na sua solução Smart Grid. Algumas das tecnologias que farão parte do projeto: novos medidores inteligentes 13 um meio de comunicação entre os novos medidores e os sistemas CIS sistemas de coleta e gerenciamento dos dados dos medidores transformadores inteligentes para atuação sobre as redes de distribuição Desafios: garantir a integração entre todas as tecnologias da rede e seus sistemas CIS treinar cada equipe que será afetada pelas transformações tecnológicas Maturidade dos Consumidores Nos EUA e Canada existe uma parcela da população que é contra a substituição dos atuais medidores eletromecânicos por novos medidores inteligentes. As razões variam, mas estão entre as seguintes: medo das emissões de RF dos medidores inteligentes possam causar problemas de saúde. medo que suas contas de energia fiquem mais caras consumidores reclamam de invasão de privacidade pois desconfiam que as concessionárias irão monitorar remotamente o seu consumo de energia. BC Hydro do Canada já instalou medidores inteligentes em 95% de seus consumidores. Os 5% restantes estão disputando para não migrar justamente pelas justificativas acima indicadas. Grande Quantidade de Dados Quanto mais se avança no processo de modernização das redes e dos medidores maior é a quantidade de dados diários coletados. Sem um processo automatizado de coleta, validação, e analise desses dados, de nada eles servirão à concessionária. E no meio desses dados estão as mais diversas informações (como comportamento, consumo, fraudes, falta de energia, sobrecarga e muito mais) que

14 precisam ser disponibilizadas rapidamente para o tratamento pelas diversas áreas da concessionária responsáveis por tomadas de decisões. Receita de Bolo Como Smart Grid não é uma receita de bolo. Uma receita não servirá a todos os tamanhos e modelos de concessionárias. Na realidade, cada concessionária deverá se preparar, estudar as tecnologias disponíveis e entender qual o projeto que melhor se encaixará em seus objetivos e desafios. Existem exemplos de concessionárias que procuram soluções mais simples que buscam apenas a leitura remota dos medidores e outras querem soluções mais complexas com melhorias operacionais e automações na rede. 6. CONCLUSÃO Não existe um modelo de Smart Grid que serve a todas as concessionárias e nem nenhuma Smart Grid que nasce pronta. As concessionárias precisarão evoluir suas redes, seus medidores, processos e aplicações e passo a passo ir construindo a sua solução de Smart Grid que atenda aos seus objetivos. A maioria das concessionarias Brasileiras já possui medidores inteligentes realizando medições remotas para clientes de Alta Tensão. E por isso já devem possuir um modelo de infraestrutura pronta e em funcionamento para a realização de coletas remotas dessas medições. Com massificação dos medidores inteligentes os processos internos da concessionária, sua infraestrutura de comunicação e a escalabilidade das aplicações serão postos a prova. As aplicações como MDC, Billing, SAP e etc precisam estar prontas para receber os dados que chegarão e precisarão estar preparadas para crescer acompanhando o ritmo de implantação dos novos medidores. A realidade e a quantidade das questões que envolvem clientes de Alta Tensão são bem diferentes das encontras em clientes de Baixa Tensão onde as demandas na estrutura da concessionária são muito maiores. A aplicação mais interessante para garantir a escalabilidade das aplicações e sistemas CIS e ao mesmo tempo permitir o crescimento horizontal de medidores com o mínimo impacto nas integrações é uma solução de MDM Meter Data Management. O ideal é que a solução de MDM venha antes dos novos projetos e sistemas. O MDM possui uma grande identificação com a concessionária, pois contem muitos dos processos da concessionaria mapeados dentro das suas ferramentas. Sendo assim a implantação de um MDM exige naturalmente uma revisão de processos operacionais e financeiros que envolvam os clientes atendidos. Considerando que dentre os desafios o mais imediatos está a Tarifa Branca que acelerará a adoção dos medidores inteligentes, as concessionária precisam estar trabalhando na expansão dessa estrutura e dos sistemas para a chegada dos clientes de Baixa Tensão (residenciais). 14

15 7. FONTES DE CONSULTA Artigo: Critical smart grid applications Data: 8/Maio/2013 Link:http://www.fiercesmartgrid.com/story /critical-smart-grid-applications/ Autor: Megan Dean (Analista de Pesquisas Senior na Zpryme) Site: Fierce Smart Grid Artigo: Hábitos sustentáveis dos consumidores cresceram nos últimos dois anos Data: 15/05/2013 Link:http://www.infomoney.com.br/minha s-financas/noticia/ /habitossustentaveis-dos-consumidores-cresceramnos-ultimos-dois-anos Autor: Juliana Américo Lourenço da Silva Site: InfoMoney Artigo: Modeling a Green Energy Challenge after a Blue Button Data: 15/09/2011 Link:http://www.whitehouse.gov/blog/201 1/09/15/modeling-green-energy-challengeafter-blue-button Autor: Aneesh Chopra Site: Office of Science and Technology Policy da Casa Branca dos Estados Unidos da America Definição de Smart Grid Link: Site: Wikipédia, a enciclopédia livre. Autor: Não indicado Brouchure da Itron: Meter Data Collection Systems Link:https://my.itron.com/portfolio/AnyQu est%20overview%20%20gas/f5316- MDC_pb_EN_07_09.pdf Site: Itron.com 15 Autor: Copyright 2009, Itron. All Rights Reserved White Paper Itron: Key Features of Meter Data Management Systems Link:https://www.itron.com/na/PublishedC ontent/key%20mdm%20features%20wh itepaper_final.pdf Site: Itron.com Autor: Sharelynn Moore Artigo: Quatro usinas termoelétricas serão desligadas para gerar economia ao País Link: 2013/05/09/quatro-usinas-serao- desligadas-para-gerar-economia-de-r-260- milhoes-por-mes Site: Portal Brasil Autor: Ministerio de Minas e Energia Artigo: As Termelétricas na geração de energia no Brasil Link:http://www.grandesconstrucoes.com. br/br/index.php?option=com_conteudo&ta sk=viewmateria&id=343 Site: Grandes Construções Autor: Diagrama Marketing Editoral - Apoio editorial: Revista Grandes Construções White Paper: OpenWay Demand Response - Maximizing Value and Efficiency in Energy Delivery Link:https://www.itron.com/PublishedCont ent/openway%20demand%20response_ %20Maximizing%20Value%20and%20Eff iciency%20in%20energy%20delivery.pdf Site: Itron.com Autor: Stephen Johnson Artigo: Resolução Normativa 482 ANEEL Link:

16 Site: Solsticio Energia Autor: Solsticio Energia Autor: Katie Fehrenbacher Artigo: Tech View: Laying the Groundwork for the Coming Smart Grid Link:http://www.research.att.com/articles/f eatured_stories/2010_01/201002_techview _smartgrid.html?fbid=xozk_vs0n4v Site: AT&T Labs Research Autor: Don Bowen Artigo: Why so many utilities will be replacing their outage management systems Link: blish/delivery_grid_optimization/whyso-many-utilities-will-be-replacing-theiroutage-management-systems-5446.html Site: SmartGridNews.com Autor: Jesse Berst White Paper: Prepaid Metering in North America Link:http://www.metering.com/i/100925W P- 01_Prepaid%20Metering_in_North%20A merica.pdf Site: Metering.com Autor: Sharelynn Moore Itron Director, Product Marketing Artigo: BC Hydro forma parceria com Itron para iniciativa Smart Meter Link: 12/bc-hydro-forma-parceria-com-itronpara-iniciativa-smart-meter/ Site: SmartGridNews Autor: SmartGridNews Artigo: 13 energy data startups to watch in 2013 Link: energy-data-startups-to-watch-in-2013/ Site: Gigaom 16

Smart Grid e Net Metering no Brasil

Smart Grid e Net Metering no Brasil Smart Grid e Net Metering no Brasil Daniel Vieira Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Cidade do México 30/01/2013 Sistema de Distribuição 63 concessionárias de distribuição

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação Objetivo 0 Conceitos 0 Funcionalidades 0 Desafios 0 Experiências de Implantação Smart Grid Conceitos 0 NÃO é só Medição Eletrônica e Telecom!! 0 Envolve conhecimentos sobre: 0 Tecnologia, Padrões, Normas

Leia mais

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina

A 1ª Cidade Inteligente da América Latina A 1ª Cidade Inteligente da América Latina Imagine... gerar somente a energia que precisamos em nossas casas através de fontes renováveis... saber o consumo de energia de cada aparelho elétrico conectado

Leia mais

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento A solução para relacionamento de Smart Grid com os consumidores Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento asmart Grid + Relacionamento ferramenta

Leia mais

Solicitações de Esclarecimento

Solicitações de Esclarecimento EMPRESA: Accenture REPRESENTANTE: Guilherme Barbosa Rocha Solicitações de Esclarecimento: Item do Solicitações de Esclarecimento Termo de Referência 1.1.1 1. Existe alguma definição por parte da Eletrobras

Leia mais

CENTRALIZAÇÃO, DESCENTRALIZAÇÃO, INTEGRAÇÃO DOS DESPACHOS DE EMERGÊNCIA E DO COMERCIAL: O DESAFIO DE CONFIGURAR UM CENTRO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO

CENTRALIZAÇÃO, DESCENTRALIZAÇÃO, INTEGRAÇÃO DOS DESPACHOS DE EMERGÊNCIA E DO COMERCIAL: O DESAFIO DE CONFIGURAR UM CENTRO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO 3ª Exposição e Fórum Internacional sobre Centros de Operação e Controle das Empresas de Energia Elétrica CENTRALIZAÇÃO, DESCENTRALIZAÇÃO, INTEGRAÇÃO DOS DESPACHOS DE EMERGÊNCIA E DO COMERCIAL: O DESAFIO

Leia mais

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Fórum Canalenergia/Cogen Potencial e Perspectivas da Energia Solar no Brasil O Processo da Regulação da Geração Distribuída Edvaldo Alves de Santana 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Objetivos e princípio

Leia mais

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

Projeto Smart Grid. Visão Geral

Projeto Smart Grid. Visão Geral Projeto Smart Grid Visão Geral Contextualização Sobre o Smart Grid Smart Grid Light Estratégia da Light para os próximos anos 2 3-8 usinas - 98 SE - 111 SE - 7.500 2500 circuitos 19.685 km 1045 Dispositivos

Leia mais

DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA

DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA DEMANDA GT SOLUÇÕES PARA AUDITORIA CONTÍNUA OBJETIVOS Desenvolvimento de metodologia e sistema de automação do monitoramento de riscos e controles organizacionais para: Minimização dos riscos regulatórios

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios

Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Energia Solar Fotovoltaica: Oportunidades e Desafios Prof. Dr. Luciano Schuch Schuch.prof@gmail.com Sumário Potencial energético Previsões Sistemas fotovoltaicos Cenário Nacional Legislação ANEEL Projeto

Leia mais

Implantação de Medição Eletrónica em Baixa Tensão Nota Técnica n 0013/2009-SRD/ANEEL, de 28/01/2009

Implantação de Medição Eletrónica em Baixa Tensão Nota Técnica n 0013/2009-SRD/ANEEL, de 28/01/2009 945 Hornet Drive Hazelwood, MO 63042 www.aclara.com 314.895.6400 314.895.7373 fax 23 de abril, 2009 Carlos Alberto Calixto Mattar Superintendente de Regulação dos Serviços de Distribuição ANEEL SGAN quadra

Leia mais

BEM-VINDO AO CONFERENCENEWS. Sistemas de Automação e Supervisão Predial - conceito ainda inovador na operação de condomínios residenciais

BEM-VINDO AO CONFERENCENEWS. Sistemas de Automação e Supervisão Predial - conceito ainda inovador na operação de condomínios residenciais BEM-VINDO AO CONFERENCENEWS Sistemas de Automação e Supervisão Predial - conceito ainda inovador na operação de condomínios residenciais Por: José Roberto Muratori Teste de som: Reunião Gerenciar minhas

Leia mais

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Tadeu Batista Coordenador Projeto Cidades do Futuro tbatista@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br www.cemig.com.br/smartgrid facebook.com/cemig.energia

Leia mais

Redes Inteligentes. Como passo inicial do Conceito Smart Grid. Belo Horizonte - 11/08/2010

Redes Inteligentes. Como passo inicial do Conceito Smart Grid. Belo Horizonte - 11/08/2010 Redes Inteligentes Como passo inicial do Conceito Smart Grid Belo Horizonte - 11/08/2010 A Rede Elétrica ONS Mercado De Energia NOSSO FOCO Geração Geração renovável Armazenamento Rede de Distribuição Negócio

Leia mais

Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos

Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos Solução para coleta de dados e análise de consumo para controlar e otimizar os custos Quem é a Zaruc? Empresa que atua desde 2008 no desenvolvimento de projetos tecnológicos inovadores oferecendo soluções

Leia mais

Parintins. Agenda. ADA - Advanced Distribution Automation AMI Advanced Metering Infrastructure Monitoramento de Trafos. Interação com consumidor

Parintins. Agenda. ADA - Advanced Distribution Automation AMI Advanced Metering Infrastructure Monitoramento de Trafos. Interação com consumidor Agenda Parintins ADA - Advanced Distribution Automation AMI Advanced Metering Infrastructure Monitoramento de Trafos Interação com consumidor Comunicação e Interação de Sistemas PARINTINS Agenda Parintins

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

Introdução. Histórico da Silver Spring Networks

Introdução. Histórico da Silver Spring Networks Introdução A Silver Spring Networks agradece a oportunidade de poder enviar à ANEEL alguns comentários em resposta à consulta Implantação de Medição Eletrônica em Baixa Tensão, Nota Técnica nº 0013/2009-SRD/ANEEL

Leia mais

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada

Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada XI SIMPÓSIO DE AUTOMAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS 16 a 19 de Agosto de 2015 CAMPINAS - SP Self-Healing Semi-Centralizado e seus benefícios para clientes com base instalada Paulo Antunes Souza Wagner Hokama

Leia mais

Smart Energy Energias Inteligentes A Visão da Indústria, Instituições de P&D e Especialistas Álvaro Dias Júnior

Smart Energy Energias Inteligentes A Visão da Indústria, Instituições de P&D e Especialistas Álvaro Dias Júnior Smart Energy Energias Inteligentes Álvaro Dias Júnior 8 de maio de 2014, Curitiba Cenário Econômico Brasileiro A importância do Brasil tanto na área econômica quanto política, tem aumentado nos últimos

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética Smart Grid - Redes Inteligentes Anderson D. Carvalho, Helionay F. Rocha, Jeiza P. Bittencourt, Jéssica M. Ribeiro, Luiz F. Rocha, Wellerson C. Leite, Vinicius M. Pacheco. Centro Universitário

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil IEEE Workshop SMART GRID Trends & Best Practices Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Salvador,

Leia mais

MEDIÇÃO INTELIGENTE. www.ecilenergia.com.br

MEDIÇÃO INTELIGENTE. www.ecilenergia.com.br MEDIÇÃO INTELIGENTE Medidores BT Direto e Indireto (Monofásico, Bifásico e Trifásico) Medidor Indireto THS Medidor de Balanço Gateways para Rede FAN Santana de Parnaíba - SP/ Brasil Alameda Europa, 54

Leia mais

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*)

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A evolução tecnológica proporcionada pelas Smart Grids já colocou em plena marcha, mundialmente e silenciosamente, uma grande mudança

Leia mais

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA Estado da arte Aplicações atuais Perspectivas Landulfo Mosqueira Alvarenga Consultor Técnico Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação CEPEL 1 Seminário Internacional

Leia mais

Sistemas Eletrônicos S.A.

Sistemas Eletrônicos S.A. Sistemas Eletrônicos S.A. Institucional ELO Empresa de Capital 100% Brasileiro; Estabelecida em 1980; Engenharia de Desenvolvimento Própria; Desenvolvimento e Produção de Dispositivos de Medição Eletrônica

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento é apenas explicativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...1 2 Quanto

Leia mais

GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO

GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO STC/ 13 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento tem caráter apenas orientativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...

Leia mais

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd.

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. XXI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2014-08 a 13 de novembro Santos - SP - Brasil CLOVIS SIMOES Thomas Mach Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. simoes@spinengenharia.com.br

Leia mais

Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador

Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador Avaliação dos resultados da Resolução Normativa nº 482/2012 na visão do Regulador Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Florianópolis SC 13/05/2014

Leia mais

A visão inteligente em eficiência energética. Micrologic E Unidade de controle para disjuntores Compact NS630b até NS3200 e Masterpact NT/NW

A visão inteligente em eficiência energética. Micrologic E Unidade de controle para disjuntores Compact NS630b até NS3200 e Masterpact NT/NW A visão inteligente em eficiência energética Micrologic E Unidade de controle para disjuntores Compact NS630b até NS3200 e Masterpact NT/NW Os edifícios podem obter economias de energia de até 30% com

Leia mais

Projetos InovCityEDP. Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014

Projetos InovCityEDP. Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014 Projetos InovCityEDP Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2014 Agenda Soluções Smart Grid implantadas na EDP Projeto InovCity Aparecida Projeto InovCity ES Desafios para o Setor Elétrico Barreiras à serem vencidas

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil

Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL Enersul Empresa Energética de Mato Grosso do Sul Enersul Empresa distribuidora

Leia mais

AMI - Uma Parte Integrante da Concessionária de Energia do Futuro. Everton Peter Elster Medição de Energia LTDA

AMI - Uma Parte Integrante da Concessionária de Energia do Futuro. Everton Peter Elster Medição de Energia LTDA AMI - Uma Parte Integrante da Concessionária de Energia do Futuro Everton Peter Elster Medição de Energia LTDA E2 Pauta O que é AMI x AMR? Quais as características com valor agregado de um sistema AMI?

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

A Solução Completa para a Mão de Obra Móvel das Companhias de Serviços Públicos. Para os dias de hoje e para o futuro das redes elétricas inteligentes

A Solução Completa para a Mão de Obra Móvel das Companhias de Serviços Públicos. Para os dias de hoje e para o futuro das redes elétricas inteligentes A Solução Completa para a Mão de Obra Móvel das Companhias de Serviços Públicos Para os dias de hoje e para o futuro das redes elétricas inteligentes Transformando as operações de campo das companhias

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CIAPORTE SOLUÇÕES E SOFTWARE LTDA ME AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010

Leia mais

Energias do Brasil-EDP

Energias do Brasil-EDP Prezados Senhores Energias do Brasil-EDP Atendendo orientação dos procedimentos da Consulta Pública em assunto, estamos encaminhando abaixo as contribuições do Grupo EDP - Energias do Brasil, a propósito

Leia mais

Tópicos. 1. Conceitos Gerais de Smart Grids. 2. Evolução das Redes Inteligentes e Resultados (PDRI) 3. Enerq em Smart Grids

Tópicos. 1. Conceitos Gerais de Smart Grids. 2. Evolução das Redes Inteligentes e Resultados (PDRI) 3. Enerq em Smart Grids IEEE Workshop SMART GRID - Trends & Best Practices Smart Grid no Contexto da Geração e Distribuição 18/10/2013 NAPREI Núcleo de Pesquisas em Redes Elétricas Inteligentes enerq Centro de Estudos em Regulação

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 005/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: Celesc Distribuição S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Nota Técnica nº 025/2014

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA MOTIVADORES Níveis elevados de perdas não técnicas das empresas Restrições mais rígidas (ambientais,

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

WORKSHOP FIESP - Energia/Smart Grids. Welson R. Jacometti CAS Tecnologia S/A

WORKSHOP FIESP - Energia/Smart Grids. Welson R. Jacometti CAS Tecnologia S/A WORKSHOP FIESP - Energia/Smart Grids Welson R. Jacometti CAS Tecnologia S/A V4.3-27022015 A CAS presente no seu dia a dia e da sua empresa A CAS Tecnologia é uma empresa que aplica tecnologia, engenharia

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais

Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA Análise dos Sistemas de Medição do Consumo de Energia Elétrica em Plantas Industriais Proposta de Trabalho

Leia mais

As Muitas Faces da Demanda Geraldo Guimarães Jr. Presidente Divisão América Latina. Metering, Billing/CRM Latin America 2008, Rio de Janeiro, Brasil

As Muitas Faces da Demanda Geraldo Guimarães Jr. Presidente Divisão América Latina. Metering, Billing/CRM Latin America 2008, Rio de Janeiro, Brasil As Muitas Faces da Demanda Geraldo Guimarães Jr. Presidente Divisão América Latina Os Desafios Desequilíbrio entre oferta e demanda de energia está aumentando; Horários de pico de demanda expõem as redes

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Pedro Uczai) Dispõe sobre incentivos à utilização da energia solar e dá nova redação ao artigo 82 da Lei nº 11.977, de 7 de julho de 2009. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Infraestrutura do ITA (PG-EIA) é um dos pioneiros do país em sua área e lançou as bases para

Leia mais

Gestão de Ativos de Distribuição

Gestão de Ativos de Distribuição Gestão de Ativos de Distribuição Smart Grid na Cemig Denys Cláudio Cruz de Souza Superintendência de Desenvolvimento e Engenharia da Distribuição O que é Smart Grid? Sistema elétrico inteligente, que integra

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

Automação Soluções para Smart Grid. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Automação Soluções para Smart Grid. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Soluções para Smart Grid Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas A qualidade das soluções em sistemas elétricos e eletroeletrônicos, agora também para Smart Grid. A WEG desenvolveu

Leia mais

A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS

A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS A ESCOLHA CERTA EM COMUNICAÇÕES WIRELESS Descrição As necessidades de telemedição (ou telemetria) e telecomando têm sido cada vez mais utilizadas nas mais variadas aplicações, principalmente onde o volume

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta

Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta Utilização de grupos geradores diesel em horário de ponta James Masseroni 1 Cristina Maria de Oliveira 2 Resumo: Como tentativa de reduzir o pico de carga que ocorre no final da tarde e início da noite,

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AES BRASIL

CONTRIBUIÇÃO AES BRASIL CONTRIBUIÇÃO AES BRASIL Consulta Pública 015/2010 A) Caracterização dos empreendimentos A1. Qual seria a melhor forma de caracterização de uma pequena central geradora distribuída, além da fonte primária

Leia mais

Arquitetura Smart Grid Agosto de 2011

Arquitetura Smart Grid Agosto de 2011 Arquitetura Smart Grid Agosto de 2011 AGENDA: Introdução Background Solução Corinex Propriedades do Sistema AMI Compromisso, Teste de Campo e Set Up Sumário de Resultados Próximos de Passos Background

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

Capítulo VIII. Antecipando o futuro para atender à demanda de smart grid. Smart grids Redes Inteligentes

Capítulo VIII. Antecipando o futuro para atender à demanda de smart grid. Smart grids Redes Inteligentes 40 Apoio Smart grids Redes Inteligentes Capítulo VIII Antecipando o futuro para atender à demanda de smart grid Por Flavio Roberto Antonio* As distribuidoras possuem uma necessidade de modernização não

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

Copyright 2015 PromonLogicalis. Todos os direitos reservados. WorkShop Smart Grid

Copyright 2015 PromonLogicalis. Todos os direitos reservados. WorkShop Smart Grid Copyright 2015 PromonLogicalis. Todos os direitos reservados. WorkShop Smart Grid Transformação do Negócio Planejamento Estratégico Negócio P&D Tecnologias Aplicações Processo Automação Self healing

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA: VANTAGENS E DESVANTAGENS Wilson Pereira BARBOSA Filho 1 (wilson.filho@meioambiente.mg.gov.br) Abílio César Soares de AZEVEDO 2 1 Mestre em Gestão Ambiental. Fundação Estadual do meio

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Gerenciamento de ativos de software com o CA IT Asset Manager como posso administrar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? agility made possible

Leia mais

Como faço para ter eletricidade solar em minha casa?

Como faço para ter eletricidade solar em minha casa? Como faço para ter eletricidade solar em minha casa? Guia de microgeradores fotovoltaicos EXPEDIENTE ÍNDICE Projeto Editorial e Conteúdo Revisão Textual Paula Scheidt Revisão técnica Giovanni Secco Projeto

Leia mais

Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras

Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras Tecnologias da Elipse Software permitem controlar os sistemas de refrigeração e distribuição de energia elétrica aos

Leia mais

Ricardo Teixeira Sales Engineer ITRON BRAZIL

Ricardo Teixeira Sales Engineer ITRON BRAZIL Ricardo Teixeira Sales Engineer ITRON BRAZIL 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL AMR AMI nas distribuidoras de água Objetivos da Medição Criação dos dados Melhora

Leia mais

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES GRUPO DE ESTUDOS DE GERAÇÃO HIDRÁULICA GGH É necessário o aprofundamento dos estudos para o uso de unidades geradoras hidráulicas que permitam a otimização do uso da água Geradores

Leia mais

Sistema de Supervisão de Rede Óptica

Sistema de Supervisão de Rede Óptica WORKSHOP sobre TELECOMUNICAÇÕES DO RIO MADEIRA Soluções para LT de Longa Distância Sistema de Supervisão de Rede Óptica Paulo José Pereira Curado Gerente de Tecnologia de Rede Óptica 17/03/2010 Sumário

Leia mais

Monitoramento de data centers

Monitoramento de data centers Monitoramento de data centers Os data centers são hoje um ambiente complexo, com inúmeras variáveis para gerenciar. Os métodos usados pelas empresas são específicos e incapazes de fazer comparações adequadas

Leia mais

FMC: Alinhando Tradição com Inovação através da Integração de Pessoas e Processos com Soluções de TI

FMC: Alinhando Tradição com Inovação através da Integração de Pessoas e Processos com Soluções de TI FMC: Alinhando Tradição com Inovação através da Integração de Pessoas e Processos com Soluções de TI Com o crescimento acelerado, uma das mais tradicionais empresas do Brasil em produtos agrícolas precisava

Leia mais

29/09/2010. Carlos Alberto FRÓES Lima, MsC Gilberto De Martino JANNUZZI, PhD FEM- Planejamento Energético Unicamp Brasil

29/09/2010. Carlos Alberto FRÓES Lima, MsC Gilberto De Martino JANNUZZI, PhD FEM- Planejamento Energético Unicamp Brasil Carlos Alberto FRÓES Lima, MsC Gilberto De Martino JANNUZZI, PhD FEM- Planejamento Energético Unicamp Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Metering, smart

Leia mais

/ Carregadores de Bateria / Tecnologia de Soldagem / Energia Solar. / Carregadores de Bateria para Intralogística.

/ Carregadores de Bateria / Tecnologia de Soldagem / Energia Solar. / Carregadores de Bateria para Intralogística. / Carregadores de Bateria / Tecnologia de Soldagem / Energia Solar / Carregadores de Bateria para Intralogística. / Desde 1946, desenvolvemos com paixão e vigor Carregadores de Bateria inovadores. Em

Leia mais

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE 1ºTri 00 3ºTri 00 1ºTri 01 3ºTri 01 1ºTri 02 3ºTri 02 1ºTri 03 3ºTri 03 1ºTri 04 3ºTri 04 1ºTri 05 3ºTri 05 1ºTri 06 3ºTri 06 1ºTri 07 3ºTri 07 1ºTri 08 3ºTri 08 1ºTri 09 3ºTri 09 1ºTri 10 3ºTri 10 1ºTri

Leia mais

Geração Distribuída Solar Fotovoltaica

Geração Distribuída Solar Fotovoltaica Geração Distribuída Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo 8º Smart Grid Fórum São Paulo (SP) 17/11/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Focos Principais Representar e promover o setor

Leia mais

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE

Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE Richard Lee Hochstetler Instituto Acende Brasil Mercado de Energia: O Futuro dos Ambientes de Contratação Livre e Regulado Rui Altieri Presidente do Conselho de Administração da CCEE MERCADO DE ENERGIA:

Leia mais

Smart Grid Advantage

Smart Grid Advantage Smart Grid Advantage A evolução das Redes Inteligentes Ricardo Van Erven Gerente Geral América Latina GE Digital Energy Smart Grid Forum, SP 27 Novembro, 2013 Áreas urbanas de > 10 milhões 53% Áreas rurais

Leia mais

O Papel dos Sistemas Integrados de Gerenciamento de Distribuição nas Implementações do Smart Grid. Brasil & Austrália

O Papel dos Sistemas Integrados de Gerenciamento de Distribuição nas Implementações do Smart Grid. Brasil & Austrália O Papel dos Sistemas Integrados de Gerenciamento de Distribuição nas Implementações do Smart Grid HERING, Ricardo (1), BOARDMAN, Eathan (2) AREVA T&D de Energia Ltda. ULPH, Ian IRU Consulting Pty. Ltd.

Leia mais

Gerenciamento de Energia

Gerenciamento de Energia Gerenciamento de Energia Mapa do Cenário Brasileiro Capacidade total de quase 88.500MW; Geração de 82.000MW; Transmissão de 80.000Km maiores que 230kV; mais de 530 usinas e subestações; 47 milhões de consumidores.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

VERO: VIRIDIS ENERGY RESOURCE OPTIMIZATION

VERO: VIRIDIS ENERGY RESOURCE OPTIMIZATION VERO: VIRIDIS ENERGY RESOURCE OPTIMIZATION 2 MELHORE A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE SUA EMPRESA COM O VERO GERENCIE SEUS GRIDS E MEDIDORES Faça leituras automáticas, aferições e monitoramento de medidores.

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

A Telefonica Vivo no mercado de M2M. Gerente Sr. Marketing e Desenvolvimento de Negócios 06.05.2014

A Telefonica Vivo no mercado de M2M. Gerente Sr. Marketing e Desenvolvimento de Negócios 06.05.2014 A Telefonica Vivo no mercado de M2M Gerente Sr. Marketing e Desenvolvimento de Negócios 06.05.2014 Índice 1. M2M & a junção das indústrias conectadas_ 2. Posicionamento da Telefonica Vivo_ 3. Principais

Leia mais

Os desafios da implementação dos projetos-piloto de smart grid no Brasil

Os desafios da implementação dos projetos-piloto de smart grid no Brasil Os desafios da implementação dos projetos-piloto de smart grid no Brasil Luiz Carlos Neves *, Alexandre Bagarolli O conceito de smart grids (redes elétricas inteligentes) vem sendo amplamente discutido

Leia mais

SMART GRIDS: PHYSICAL-LAYER SECURITY. Proposta de trabalho de graduação. Aluno: Lucas André Pequeno Paes Orientador: Daniel Carvalho da Cunha

SMART GRIDS: PHYSICAL-LAYER SECURITY. Proposta de trabalho de graduação. Aluno: Lucas André Pequeno Paes Orientador: Daniel Carvalho da Cunha UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO 2012.2 SMART GRIDS: PHYSICAL-LAYER SECURITY Proposta de trabalho de graduação Aluno: Lucas André Pequeno Paes

Leia mais

35º Fórum de Debates Brasilianas.Org A Energia Elétrica no Brasil. 3º painel: Tecnologias de transmissão e distribuição

35º Fórum de Debates Brasilianas.Org A Energia Elétrica no Brasil. 3º painel: Tecnologias de transmissão e distribuição 35º Fórum de Debates Brasilianas.Org A Energia Elétrica no Brasil 3º painel: Tecnologias de transmissão e distribuição Daniel Senna Guimarães Gestor do Projeto Cidades do Futuro dsenna@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 1 1 3 2 1 3 3 4 1 4 4 1 5 5 3 6 5 3 7 5 3 CONSOLIDAÇÃO DAS DEMANDAS DO SORTEIO Nº 017/2011 - EDITAL DE CREDENCIAMENTO Nº 02/2009 avaliação inicial do "Desenvolvimento de Sistema Integrado de Geração de

Leia mais

Projeto Smart Energy Paraná e a sua Plataforma Tecnológica

Projeto Smart Energy Paraná e a sua Plataforma Tecnológica Semana da Engenharia 2014 Projeto Smart Energy Paraná e a sua Plataforma Tecnológica Celso Fabricio de Melo Junior IEP Dez/2014 Projeto Smart Energy Paraná e a sua Plataforma Tecnológica O PSE Paraná Conceito

Leia mais

Programa Smart Grid da AES Eletropaulo. - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013

Programa Smart Grid da AES Eletropaulo. - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013 Programa Smart Grid da AES Eletropaulo - A Energia das Metrópoles do Futuro - Maria Tereza Vellano 27 de novembro de 2013 1 Agenda Institucional Projeto Smart Grid Eletropaulo Digital Motivadores Objetivos

Leia mais