Projeto Instalação Sala 3D v. 1.0 Pearson Sistemas do Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto Instalação Sala 3D v. 1.0 Pearson Sistemas do Brasil"

Transcrição

1 / 2 v..0 Pearson Sistemas do Brasil Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág./2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

2 2/ 2 Índice Analítico. Introdução Obras civis Tubulação da Sala 3D Materiais utilizados Tablado auditório Rack Energia Tomadas equipamentos Iluminação Iluminação da Sala 3D Facilidade operacionais Armazenamento e Transporte de Material Climatização Ar-condicionado Sala padrão Imagens da Sala... 7 Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.2/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

3 3/ 2. Introdução Este documento tem por objetivo definir e detalhar as características do ambiente onde será executado o projeto de implantação das Salas 3D. Os requisitos abordados abrangem basicamente os dados de instalação dessas salas. Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.3/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

4 4/ 2 2. Obras civis Serão necessárias obras civis para a implantação das salas 3D. 2.. Tubulação da Sala 3D A tubulação utilizada poderá ser externa (aparente) ou interna (embutida), devendo ser separada em 02 (duas) tubulações (rede lógica e rede elétrica) e tendo como diâmetro (Ø) mínimo 2 (duas polegadas) para rede lógica e ¾ (três quartos de polegada) para rede elétrica, utilizando curva longa de 90º ou caixa de passagem 4 x 4 nas curvas. A rede lógica deve ser utilizada tanto para os cabos de projeção como para os cabos de som. Para a rede que será exclusivamente para o som, deve-se utilizar tubulação de ¾ de polegada e, para a rede dos projetores, deverão ser utilizados tubos de no mínimo 2 (duas polegadas), pois serão passados dois cabos de vídeo para os projetores e dois cabos RCA. (Ver figura, 2 e 3). Para a tubulação das caixas do fundo da sala, deverá ser verificada pelo parceiro a necessidade de tubulação, dependendo do tipo de tubulação e do tipo do forro da sala. Caso o forro seja de PVC ou gesso, poderá descer uma tubulação do teto até a altura das caixas, e o cabeamento poderá seguir por dentro do forro. Recomenda-se a instalação do eletroduto e de caixas de passagem, em conformidade com a norma NBR540/990, na sua versão mais atualizada. Dependendo das dificuldades, pode ser necessária a utilização de projetos específicos os quais serão de responsabilidade do Sistema Pearson. Obs.: Na figura, as caixas de lógica e elétrica dos projetores devem ser fixadas observando o centro da tela escolhida para projeção. A distância deve ser solicitada à equipe de projetos do Sistema Pearson. Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.4/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

5 5/ Materiais utilizados Tubulação da sala Externa: - Eletroduto galvanizado, tubo galvanizado ou perfilado Interna: - Tubo PVC/mangueira lisa (não utilizar tubo/mangueira corrugado) Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.5/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

6 6/ 2 FIGURA Tubulação de 2 polegadas que será utilizada para a passagem dos cabos de lógica até os projetores. Por essa tubulação também deverão ser passados os cabos de som. Tubulação de ¾ de polegada que será utilizada para a passagem dos cabos elétricos até os projetores. Tomadas que deverão ser disponibilizadas próximas aos locais, devidamente identificadas e com dois disjuntores distintos. Um dos disjuntores deverá ser utilizado para o cabeamento que irá alimentar os projetores, e o outro será utilizado para os outros equipamentos da sala. Tubulação de ¾ por onde deverão passar os cabos de som das caixas laterais. Tubulação de ¾ que deverá ser utilizada para levar os cabos de som do subwoofer e da caixa central. Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.6/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

7 7/ 2 FIGURA 2 Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.7/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

8 8/ 2 FIGURA 3 Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.8/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

9 9/ 2 FIGURA 4 Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.9/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

10 0/ Tablado auditório Para o ambiente de projeção é recomendado que seja construído um tablado padrão para o auditório com degraus que tenham 90 cm de comprimento. A altura será definida de acordo com a altura da sala, mantendose um limite mínimo entre o último degrau e o forro da sala de,80 m. (Ver figuras 5 e 6). FIGURA 5 FIGURA 4 Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.0/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

11 / 2 3. Rack Será necessário um rack para a instalação de equipamentos e dispositivos de som na sala 3D. 3.. Rack Rack não é um equipamento fornecido no Kit 3D, neste exemplo temos um rack que atende a todas as necessidades, é uma sugestão da Pearson para uma possível produção do parceiro. As proporções devem ser mantidas para que não haja problema referente ao tamanho dos equipamentos que serão instalados. (Ver figuras 7 e 8). FIGURA 7 FIGURA 8 Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág./2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

12 2/ 2 4. Energia Serão necessárias obras para a alimentação do rack de equipamentos e dos dispositivos de imagem e som instalados na sala 3D. 4.. Tomadas para equipamentos Para alimentação de energia do rack de equipamentos e de seus dispositivos serão necessárias, no mínimo, três tomadas padrão, três pinos com aterramento. A figura 0 informa a posição das tomadas dentro da sala de projeção (ver figuras e 0). FIGURA 9 Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.2/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

13 3/ 2 A energia dos projetores e do subwoofer deverá ser feita com cabo PPP 3 x 2,5 mm e conectores 2P + T ( macho e fêmea). Na extremidade onde ficarão os projetores e no local onde ficará o subwoofer deverão ser utilizados plugs 2P+T fêmeas, onde serão ligados os cabos de energia dos equipamentos. A outra extremidade (local próximo ao rack) deverá ser conectorizada com plugs 2P+T macha que serão ligados ao nobreak (fornecido junto com o kit 3D) (ver figuras, 2, 3, 0 e ). FIGURA 0 Obs: Recomendamos tomadas 0 v/27 v. Será necessária a instalação de um disjuntor 0 A; é recomendado que o quadro de energia que alimentará a sala seja exclusivo. Para o rack de equipamentos (ver figuras 5 e 0). Recomendados: - Disjuntores: Cutler Hammer, Siemens ou Merlin Gerim Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.3/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

14 4/ 2 5. Iluminação Serão necessárias obras para a padronização da sala quanto à iluminação. 5.. Iluminação da sala 3D O ambiente durante a projeção deve ser totalmente escuro; assim sendo, toda iluminação externa proveniente de portas, janelas etc. deve ser evitada, pois compromete o efeito 3D. As janelas podem ter uma pintura especial em preto utilizar cortinas do padrão black-out, e todas as frestas devem ser tapadas. Toda a sala deve ser pintada com tinta de cor escura. Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.4/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

15 5/ 2 6. Facilidade operacionais Durante a execução do projeto de instalação da sala 3D, serão oferecidas algumas facilidades operacionais. 6.. Armazenamento e transporte de material A contratante deverá prover facilidades para o transporte, se aplicável, e armazenamento dos equipamentos dentro de suas instalações. A equipe de instalação deverá encontrar as caixas de equipamentos próximas ao seu local de instalação. Os equipamentos deverão ser armazenados, em um local com cobertura e protegido contra umidade. A contratante deve disponibilizar um funcionário para auxiliar o técnico durante a instalação; este funcionário será responsável pela fixação dos projetores e pela passagem dos cabos. Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.5/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

16 6/ 2 7. Climatização Serão necessárias obras para a padronização de climatização da sala. 7.. Ar-condicionado A sala 3D deverá ser climatizada com aparelhos de ar-condicionado modelo parede ou Split, devendo sua capacidade ser calculada conforme a área da sala. O projeto de climatização será de responsabilidade da contratante e deverá estar concluído até a data de instalação da sala. Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.6/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

17 7/ 2 8. Sala padrão A sala 3D padrão foi definida por meio de estudos de caso em projetos, chegando a uma definição que se enquadra perfeitamente às necessidades do nosso sistema de projeção; todas as distâncias entre os equipamentos, as cadeiras, o quadro de projeção e o rack de equipamentos estão dentro dos padrões. e essas proporções devem ser mantidas conforme o tamanho da sala do parceiro. Destaca-se nas imagens a seguir que o rack de equipamentos deve ficar sempre do lado oposto à porta. O objetivo dessas imagens é destacar como deve ser uma sala de projeção 3D dentro dos padrões da equipe de projetos e implantações da Pearson. A execução deste projeto é de responsabilidade da contratante e deverá estar concluída até a data de instalação da sala. 8.. Imagens da Sala Figura Sala padrão Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.7/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

18 8/ 2 Figura Sala padrão 2 Figura Sala padrão 3 Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.8/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

19 9/ 2 Figura Sala padrão 4 Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.9/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

20 20/ 2 Figura Sala padrão 5 Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.20/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

21 2/ 2 Figura Sala padrão 6 Figura Sala padrão 07 Pearson Centro de Serviços Compartilhados Rua Deolinda, 70 Jardim Macedo Ribeirão Preto SP Brasil Pág.2/2 Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6)

Centro de Serviços Compartilhados TE. Projeto Instalação ADV OP07 PBSL_105

Centro de Serviços Compartilhados TE. Projeto Instalação ADV OP07 PBSL_105 Projeto Instalação ADV OP07 PBSL_05 / 28 Manual de Instalação Lousa Interativa ADV OP07 PBSL_05 Suporte Central v.. Pearson Sistemas Brasil Pearson, Centro de Serviços Compartilhados - Avenida Presidente

Leia mais

Centro de Serviços Compartilhados TE. Projeto Instalação INT OP08 PBSL_105

Centro de Serviços Compartilhados TE. Projeto Instalação INT OP08 PBSL_105 Projeto Instalação INT OP08 PBSL_05 / 30 Manual de Instalação Lousa Interativa INT OP08 PBSL_05 Suporte Superior v..0 Pearson Sistemas Brasil Pearson, Centro de Serviços Compartilhados - Avenida Presidente

Leia mais

Centro de Serviços Compartilhados TI. Manual de Instalação da Lousa DIGI III Simples s/ Kit

Centro de Serviços Compartilhados TI. Manual de Instalação da Lousa DIGI III Simples s/ Kit / 5 Versão. Pearson Sistemas do Brasil Departamento de Qualidade em TI Fone +55 (6) 3603 9272 Pág./5 2/ 5 Índice Analítico Lousa DIGI III... 3. O presente manual visa orientar a instalação da lousa DIGI

Leia mais

MIT Manual de Infraestrutura

MIT Manual de Infraestrutura Copel Telecom MIT Manual de Infraestrutura BEL Fibra 04 de junho de 2014 Sumário Requisitos mínimos de infraestrutura para o cliente... 3 Instruções Gerais... 3 Passos para instalação... 3 Edificações

Leia mais

UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO. Módulo 2

UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO. Módulo 2 UNIDADE MÓVEL SOBRE A PLATAFORMA DE UM ÔNIBUS BIARTICULADO Módulo 3 Módulo FRENTE MEDIDAS: Comprimento Total 2,0 m Comprimento módulo, m Comprimento módulo 2,00 m Comprimento módulo 3,0 m Largura 2,3 m

Leia mais

O que é Padrão de Entrada?

O que é Padrão de Entrada? 1 O que é Padrão de Entrada? O padrão de entrada é o conjunto de condutores, eletrodutos, poste, caixa de medição e demais acessórios utilizados na sua montagem, padronizados pela Cosern e de acordo com

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PLANILHA DE SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 9 INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 9.1 RAMAIS ALIMENTADORES 9.1.1 Barramento de cobre Ø5,16mm (0,187kg/m) m 10,00 25,20 252,00 1,69 9.1.2 Chave seccionadora de média tensão, com fusível incorporado, sem carga, uso

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

ANEXO II PLANILHA DE QUANTITATIVOS E PREÇOS DOS SERVIÇOS

ANEXO II PLANILHA DE QUANTITATIVOS E PREÇOS DOS SERVIÇOS 1 REDE ELÉTRICA 13105.8.6.1 ATERRAMENTO completo para pára-raios, com hastes de cobre com alma de UN 30,00 417,99 12.539,70 16120.3.2.1 aço tipo "Copperweld" Cabo de cobre nu (seção transversal: 25 mm²)

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Praça da Biblia R22 e R23, Centro Sinop/MT. Sinop/MT,30 de julho de 2014

MEMORIAL DESCRITIVO. Praça da Biblia R22 e R23, Centro Sinop/MT. Sinop/MT,30 de julho de 2014 MEMORIAL DESCRITIVO ASSUNTO: Projeto de instalações elétricas para implantação de iluminação pública nas dependências internas da Praça da Biblia Quadra R22 e R23 com a instalação de projetores embutidos

Leia mais

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal

Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal Padrões de Entradas de Serviço para Atendimento à Resolução ANEEL 384/2009 e Programa Luz Legal DDI/SCD/SED Maio/2010 Notas sobre esta revisão (maio/2010) Este manual, originalmente desenvolvido para Entrada

Leia mais

V. 1.0 Pearson Sistemas Brasil

V. 1.0 Pearson Sistemas Brasil / 0 V..0 Pearson Sistemas Brasil Pearson, Centro de Serviços Compartilhados - Avenida Presidente Kennedy, 2295 Lagoinha. Ribeirão Preto SP Brasil Pag./0 2/ 0 Índice Analítico.Introdução... 3 2. Material

Leia mais

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas

Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Curso Técnico em Eletroeletrônica Instalações Elétricas Laboratório 07 Esquemas de ligação de eletrodutos Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino 2016 Lab07: Eletrodutos Tarefa: Desenhar na planta de residência

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ESTIMATIVA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ESTIMATIVA MÊS DE REFERÊNCIA DOS S: MAIO / 2009 ITEM MATERIAL UN QUANT. 1 REDE DE DISTRIBUIÇÃO: Rede de distribuição a ser executada parte no sistema embutido e parte no sistema aparente com eletroduto de pvc, fiação,

Leia mais

PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO

PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO Ferramentas utilizadas PROCEDIMENTO DE EXECUÇÃO Furadeira Parafusadeira Serrote Estilete Escada Linha de marcar Nível a laser / mangueira de nível Trena metálica Lápis de carpinteiro Martelo Tesoura para

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA.

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA. PROJETO DE INSTALAÇÕES ELETRICAS DE BAIXA TENSÃO MERCADO DO SÃO JOAQUIM BAIRRO SÃO JOAQUIM, TERESINA - PI TERESINA PI AGOSTO/2014 MEMORIAL DESCRITIVO INST. ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1.0 IDENTIFICAÇÃO Obra:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CASA DE MADEIRA

MEMORIAL DESCRITIVO CASA DE MADEIRA 1 MEMORIAL DESCRITIVO CASA DE MADEIRA 1 - Base: 1.1 - Fundação: 1.1.1 - Brocas com diâmetro mínimo de 20 cm em concreto estrutural, executadas manualmente, com profundidade média de até 3,00 m. 1.1.2 -

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTOR EXTERIOR EMD 950

MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTOR EXTERIOR EMD 950 MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTOR EXTERIOR EMD 950 2 AVISOS O ar aspirado não deve ser canalizado por uma conduta já utilizada para evacuar fumos produzidos por aparelhos alimentados por outras fontes de energia

Leia mais

MATERIAL UNITÁRIO SERVIÇO UNITÁRIO TOTAL MATERIAL TOTAL SERVIÇO TOTAL DO ITEM QUANTIDADE DESCRIÇÃO UNIDADE ITEM

MATERIAL UNITÁRIO SERVIÇO UNITÁRIO TOTAL MATERIAL TOTAL SERVIÇO TOTAL DO ITEM QUANTIDADE DESCRIÇÃO UNIDADE ITEM ITEM DESCRIÇÃO UNIDADE QUANTIDADE MATERIAL UNITÁRIO SERVIÇO UNITÁRIO TOTAL MATERIAL TOTAL SERVIÇO TOTAL DO ITEM 1 PATCH CORD 4P CATEGORIA 6 - VERMELHO 1,5 METROS pç 280 2 PATCH CORD 4P CATEGORIA 6 - VERMELHO

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO UNIDADE DE MEDIÇÃO DE ÁGUA (U.M.A.) (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m3/h e 3,0 m3/h)

ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO UNIDADE DE MEDIÇÃO DE ÁGUA (U.M.A.) (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m3/h e 3,0 m3/h) ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO UNIDADE DE MEDIÇÃO DE ÁGUA (U.M.A.) (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m3/h e 3,0 m3/h) A presente orientação indica configurações de instalação da Unidade de Medição de Água (U.M.A.)

Leia mais

BALANÇA DE FLUXO PARA CARREGAMENTO DE VEÍCULOS MODELO CVJ-750 BICA ALIMENTADORA MODELO: BA-500 MANUAL DE INSTALAÇÃO E INFRA-ESTRUTURA

BALANÇA DE FLUXO PARA CARREGAMENTO DE VEÍCULOS MODELO CVJ-750 BICA ALIMENTADORA MODELO: BA-500 MANUAL DE INSTALAÇÃO E INFRA-ESTRUTURA BALANÇA DE FLUXO PARA CARREGAMENTO DE VEÍCULOS MODELO CVJ-750 & BICA ALIMENTADORA MODELO: BA-500 MANUAL DE INSTALAÇÃO E INFRA-ESTRUTURA BALANÇAS JUNDIAÍ INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Rua José Rabelo Portela,

Leia mais

ANEXO VII. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços de Pontos de Rede Itens 01. 7) Anexo VII ao Orientador nº 362/2012. Fls.

ANEXO VII. Registro de Preços Ponto de Rede. Planilhas de Serviços de Pontos de Rede Itens 01. 7) Anexo VII ao Orientador nº 362/2012. Fls. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CASA CIVIL EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMATICA S.A - IPLANRIO Processo 7) Anexo VII ao Orientador nº 362/2012 ANEXO VII Registro de Preços Rede Planilhas de Serviços

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 8 Projeto em cabeamento

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. UNIDADE 8 Projeto em cabeamento APRENDIZAGEM INDUSTRIAL UNIDADE 8 Projeto em cabeamento Projetos de cabeamento O serviço de execução do cabeamento em uma rede não consiste apenas no lançamento dos cabos. Quando um cliente solicita uma

Leia mais

Caixa de passagem e ligação

Caixa de passagem e ligação Caixa de passagem e ligação AR14 A prova de tempo e jatos potentes d água Características Construtivas Caixa de passagem e ligação fabricada em liga de alumínio fundido copper free de alta resistência

Leia mais

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO Para que a Celpa ligue a sua luz pela primeira vez, você precisa estar com o padrão de entrada de energia instalado corretamente. Chamamos de Padrão de Entrada Celpa

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Luminária de Emergência Com 16 LEDs de Alto Brilho. Código AFLMLED-24 (Uso em Conjunto a Central de Iluminação de Emergência 24 Volts.) Luminária para Iluminação de Emergência com 16 LEDS de alto brilho

Leia mais

Item (Pág. 26) Foi inserida a Norma NR 10 Segurança em instalações e serviços em eletricidade.

Item (Pág. 26) Foi inserida a Norma NR 10 Segurança em instalações e serviços em eletricidade. O presente documento contém as alterações, correções e inclusões da versão anterior, contempladas na versão 1.2, que entrará em vigor a partir de 1º de novembro de 2014. TEXTO Item 10.3.2 (Pág. 26) Foi

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE IX MONTAGEM ELÉTRICA

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE IX MONTAGEM ELÉTRICA MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE IX MONTAGEM ELÉTRICA Montagem Elétrica Os serviços de montagens elétricas estão presentes em todas as instalações que produzem ou utilizam energia, compreendendo: Geração nas

Leia mais

LABORATÓRIO DE CLP, REDES INDUSTRIAIS E AUTOMAÇÃO. 1. Descrição Física

LABORATÓRIO DE CLP, REDES INDUSTRIAIS E AUTOMAÇÃO. 1. Descrição Física LABORATÓRIO DE CLP, REDES INDUSTRIAIS E AUTOMAÇÃO 1. Descrição Física O laboratório deve dispor de estrutura mínima de uma área igual ou superior a 50m 2 ; com sala de apoio uma área igual ou superior

Leia mais

MODALIDADE DE CONTRATAÇÃO:

MODALIDADE DE CONTRATAÇÃO: MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Reforma do Cinema e Banheiros Coletivos da Área Social II LOCAL: Hotel Sesc Porto Cercado Poconé/MT ÁREA: 103,73 m² MODALIDADE DE CONTRATAÇÃO: Empreitada global OBJETIVO O presente

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 4

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 4 Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic Revisão: 4 Guia Prático de Instalação Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os produtos Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação em

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO. COREN Subseção de Floriano

MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO. COREN Subseção de Floriano MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO COREN Subseção de Floriano ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. NORMAS TÉCNICAS 3. DESCRIÇÃO DOS SITEMAS 3.1. Entradas de energia e telefone 3.2. Quadros de distribuição local 3.3. Dispositivos

Leia mais

Caixa de passagem e ligação

Caixa de passagem e ligação Caixa de passagem e ligação AR14 A prova de tempo e jatos potentes d água Características Construtivas Caixa de passagem e ligação fabricada em liga de alumínio fundido copper free de alta resistência

Leia mais

K50 INSTALAÇÃO DO PRODUTO SOBREPOR. Fonte de Alimentação Remota. Suporte de Fixação. Forro. Detalhe do perfil aplicado no suporte de fixação

K50 INSTALAÇÃO DO PRODUTO SOBREPOR. Fonte de Alimentação Remota. Suporte de Fixação. Forro. Detalhe do perfil aplicado no suporte de fixação SOBREPOR Pressionar o perfil no suporte de fixação até o click 1 chave Allen Alicate de corte 1. Faça a furação no local de instalação conforme sua marcação. Recomendamos que o suporte fique de 5 a 8 cm

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: INCÊNDIO Modelo: 3.000 m2 MAIO 2011 SUMÁRIO 1. Apresentação... 03 2. Extintores... 04 3. Iluminação de Emergência...

Leia mais

RELATÓRIO DE AS-BUILT ACESSO VIA SATÉLITE

RELATÓRIO DE AS-BUILT ACESSO VIA SATÉLITE 1. DADOS CADASTRAIS 1.1 DADOS SOBRE A LOJA DO BOTICÁRIO Código da loja ( BPCS ): 3849 Razão Social: SAGITARIUS COM. ESS. COLONIAS LTDA CNPJ: Inscrição Estadual: Endereço: RUA: GOV. PEDRO DE TOLEDO 913

Leia mais

Remoção de entulho de obra com caçamba metálica - material volumoso misturado por alvenaria, terra, madeira, papel, plástico e metal. total 10.

Remoção de entulho de obra com caçamba metálica - material volumoso misturado por alvenaria, terra, madeira, papel, plástico e metal. total 10. PREFEITURA MUNICIPAL ARTUR NOGUEIRA PREFEITURA PREFEITURA MUNICIPAL MUNICIPAL ARTUR FONTE CÓDIGO ÍTEM SCRIÇÃO UNID. QUANT. VALOR VALOR TOTAL 1- Serviço Preliminar 20308 1.1 Fechamento provisório de vãos

Leia mais

MEMÓRIA DE CÁLCULO DOS QUANTITATIVOS SOLICITADOS

MEMÓRIA DE CÁLCULO DOS QUANTITATIVOS SOLICITADOS MEMÓRIA DE CÁLCULO DOS QUANTITATIVOS SOLICITADOS Obra: Reforma de 04 quartos/enfermaria e 01 copa do posto um do HC. Endereço: Rua General Câmara nº 70 Centro Carazinho-RS Item 1.6 Remoção de louças sanitárias

Leia mais

MANUAL DE INFRA-ESTRUTURA MEDLIQ MMD1 CONDIÇÕES DE INFRA-ESTRUTURA INDISPENSÁVEIS PARA UMA CORRETA INSTALAÇÃO DO APARELHO MEDIDOR MEDILIQ MODELO MMD1.

MANUAL DE INFRA-ESTRUTURA MEDLIQ MMD1 CONDIÇÕES DE INFRA-ESTRUTURA INDISPENSÁVEIS PARA UMA CORRETA INSTALAÇÃO DO APARELHO MEDIDOR MEDILIQ MODELO MMD1. 1/5 CONDIÇÕES DE INFRA-ESTRUTURA INDISPENSÁVEIS PARA UMA CORRETA INSTALAÇÃO DO APARELHO MEDIDOR MEDILIQ MODELO MMD1. REQUISITOS INDISPENSÁVEIS: 1. Todas as linhas de tubulações, e caixas de passagem, deverão

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Introdução ao Cabeamento Estruturado Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Novembro de 2012 1 / 20 Redes não Estruturadas Estatisticamente, cerca de 70%

Leia mais

Nosso negócio é criar soluções para ambientes

Nosso negócio é criar soluções para ambientes ILUMINAÇÃO Nosso negócio é criar soluções para ambientes Há 14 anos atuando no mercado, a Base home solutions é uma das principais empresas especializadas em criar, desenvolver e fabricar componentes

Leia mais

arente Linha Aparente p a A h Lin

arente Linha Aparente p a A h Lin Linha Aparente Linha Aparente Linha Aparente Canaleta metálica... 03 Tampa de encaixe... 03 Tampa de pressão... 14 Canaleta meia-lua... 21 Poste condutor... 22 Tampa de encaixe A Linha Aparente da Valemam

Leia mais

D.A.E. Divisão de Água e Esgoto Rua 07 nº 55 - Centro Itirapina SP Cep Fone: (19)

D.A.E. Divisão de Água e Esgoto Rua 07 nº 55 - Centro Itirapina SP Cep Fone: (19) D.A.E. Divisão de Água e Esgoto Rua 07 nº 55 - Centro Itirapina SP Cep 13530-000 Fone: (19) 3575-1901 PROCEDIMENTO PASSO-A-PASSO PARA A INSTALAÇÃO DA CAIXA DE PROTEÇÃO DE HIDRÔMETRO: PROCEDIMENTOS À SEREM

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forro NexaLux. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Forro NexaLux. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Forro NexaLux Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os produtos Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação em ambientes

Leia mais

CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE CUIDADO! ELETRICIDADE PLANTA BAIXA MEDIDAS EM: cm BEP 1 x Ø4" VISTA FRONTAL MEDIDAS EM: cm VISTA CORTE LATERAL: A-A" MEDIDAS EM: cm Av.

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Forros Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os forros Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação

Leia mais

CATÁLOGO DE MATERIAIS

CATÁLOGO DE MATERIAIS CATÁLOGO DE MATERIAIS CENTRO DE MEDIÇÃO E ENTRADAS DE ENERGIA OBJETIVO Montagem e execução de entradas de energias Montagem de Caixas de Luz Data: 2014 Página 2 SUMÁRIO Produtos Caixa de luz para 1 Relógio

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO Sistema de Ar-Condicionado Tipo Split. ÌNDICE 1. INTRODUÇÃO 1.1 NORMAS TÉCNICAS 1. 2 ORIENTAÇÕES INICIAIS 2. SERVIÇOS 3. EQUIPAMENTOS E MATERIAIS 4. REQUISITOS PARA FORNECEDORES

Leia mais

CC-MD41 AMPLIAÇÕES DE SUBESTAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉRICAS DO CENTRO DE PESQUISA

CC-MD41 AMPLIAÇÕES DE SUBESTAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉRICAS DO CENTRO DE PESQUISA CC-MD41 AMPLIAÇÕES DE SUBESTAÇÃO E INSTALAÇÕES ELÉRICAS DO CENTRO DE PESQUISA INTRODUÇÃO O presente Memorial descreve e especifica os requisitos mínimos para serviços de ampliação de subestação e instalações

Leia mais

Forros Removíveis. Procedimentos de montagem FORROS

Forros Removíveis. Procedimentos de montagem FORROS Forros Removíveis Procedimentos de montagem FORROS FERRAMENTAS PARA EXECUÇÃO Nível a laser / mangueira de nível Parafusadeira Tesoura para metal Furadeira Serrote Lápis Trena metálica Escada Linha de marcar

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO. PREGÃO ELETRÔNICO nº 25/08

EDITAL DE RETIFICAÇÃO. PREGÃO ELETRÔNICO nº 25/08 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO Serviço de Licitações e Contratos EDITAL DE RETIFICAÇÃO PREGÃO ELETRÔNICO nº 25/08 O TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª

Leia mais

CANTEIRO DE OBRA 1. ESPECIFICAÇOES TECNICAS DOS SERVIÇOS

CANTEIRO DE OBRA 1. ESPECIFICAÇOES TECNICAS DOS SERVIÇOS CANTEIRO DE OBRA 1. ESPECIFICAÇOES TECNICAS DOS SERVIÇOS 1.1- FUNDAÇÕES Blocos em concreto simples 0.45mx0,40mx0,24m 1.4- COBERTURA Em telhas recicladas de tetra pack e alumínio. Uma cobertura ecologicamente

Leia mais

Aula 03. Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido

Aula 03. Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido Aula 03 Dimensionamento da Tubulação de Distribuição de Ar Comprimido 1 - Introdução A rede de distribuição de ar comprimido compreende todas as tubulações que saem do reservatório, passando pelo secador

Leia mais

Projetos Elétricos. Divisão dos Circuitos, Quadro Geral e Eletrodutos. Evandro Junior Rodrigues. Novembro /07/ / 49

Projetos Elétricos. Divisão dos Circuitos, Quadro Geral e Eletrodutos. Evandro Junior Rodrigues. Novembro /07/ / 49 Projetos Elétricos Divisão dos Circuitos, Quadro Geral e Eletrodutos Novembro 2016 01/07/2016 1 / 49 Introdução Simbologia; Desenho das iluminações e tomadas em uma planta baixa; Quadro Geral Critérios

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTOR INTERIOR CE 100 Q MOTOR EXTERIOR CE 100 P

MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTOR INTERIOR CE 100 Q MOTOR EXTERIOR CE 100 P MANUAL DE INSTRUÇÕES MOTOR INTERIOR CE 100 Q MOTOR EXTERIOR CE 100 P BEST 2 AVISOS O ar aspirado não deve ser canalizado por uma conduta já utilizada para evacuar fumos produzidos por aparelhos alimentados

Leia mais

Separata ao Boletim do Exército

Separata ao Boletim do Exército Separata ao Boletim do Exército MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO SECRETARIA-GERAL DO EXÉRCITO SEPARATA AO BE Nº 45/2015 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 105-DCT, DE 7 DE DEZEMBRO

Leia mais

Ficha Técnica. Quadros Sistema VDI

Ficha Técnica. Quadros Sistema VDI Quadros Sistema VDI Ficha Técnica Localização no Website TIGRE: Obra predial Eletricidade Quadros Sistema VDI Função: Abrigar tubulações, fiações e dispositivos das instalações de Telefone (Voz), Rede

Leia mais

Sistema elétrico Polvo Barbi Toda produtividade e qualidade da indústria levada para sua obra

Sistema elétrico Polvo Barbi Toda produtividade e qualidade da indústria levada para sua obra Sistema elétrico Polvo Barbi Toda produtividade e qualidade da indústria levada para sua obra Desenvolvido na França o sistema POLVO BARBI permite um alto nível de industrialização da instalação elétrica

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE PASSAGEM DE DUTOS MPD 01

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE PASSAGEM DE DUTOS MPD 01 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE PASSAGEM DE DUTOS MPD 01 NÚMERO: 132019 DESENHO: DT-576 EMISSÃO: MARÇO /2013 VALIDADE: MARÇO /2018 REVOGA: 112006 CÓDIGO ERP: Modelo A: 11990197-8 (CON) 10900153-2 (PER)

Leia mais

Guia de boas práticas de instalação. Série CT 500

Guia de boas práticas de instalação. Série CT 500 Guia de boas práticas de instalação Série CT 500 Série CT 500 Neste guia iremos ilustrar boas práticas para instalação dos leitores e das controladoras CT 500 da linha Intelbras. Índice 1. Material e componentes

Leia mais

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 7ª MEDIÇÃO

RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 7ª MEDIÇÃO RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 7ª MEDIÇÃO OBRA: Construção da nova sede da Vara do Trabalho de Pato Branco. CONTRATADA: MG EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. Vistorias realizadas entre os dias 15/04/2011 e 25/05/2011,

Leia mais

SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA IMPLANTAÇÃO E COMPLEMENTAÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSAS PRAÇAS DE PORTO ALEGRE ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA IMPLANTAÇÃO E COMPLEMENTAÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSAS PRAÇAS DE PORTO ALEGRE ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA IMPLANTAÇÃO E COMPLEMENTAÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSAS PRAÇAS DE PORTO ALEGRE ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. GENERALIDADES O presente projeto tem como finalidade

Leia mais

Manual de Instruções FK 50

Manual de Instruções FK 50 Manual de Instruções FK 50 Parabéns pela aquisição do identificador de forças de mola Feinmetall. Entre em contato conosco caso tenha perguntas, pedidos, ou sugestões. Leia este manual atentamente antes

Leia mais

Configurações e Dados Dimencionais

Configurações e Dados Dimencionais TROPICALRIO TST / TDT Luminária Troffer TST /TDT - Luminária Troffer Modelos Especificações Combinações básicas TST - Troffer Simples com interligação lateral através de dutos flexíveis padronizados nos

Leia mais

Normas para cabeamento estruturado

Normas para cabeamento estruturado Normas para cabeamento estruturado Recomendações normativas para cabeamento estruturado em edifícios comerciais e em data centers. Frequentemente observamos projetos de cabeamento estruturado sendo feitos

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Forros Nexacustic Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os produtos Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação em

Leia mais

POSTES DE DIVISA - ALTERNATIVAS E ORIENTAÇÕES

POSTES DE DIVISA - ALTERNATIVAS E ORIENTAÇÕES 1. Objetivo Complementar as normas referentes ao atendimento e ao fornecimento de energia elétrica em baixa tensão, quanto aos aspectos de localização e disposição dos materiais e equipamentos nas montagens

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/1)

CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG 2333 (2016/1) ENG 2333 (2016/1) Aula 12 Forros FORROS Definição: Revestimento da face inferior da laje ou de telhados de modo a constituir a superfície superior de um ambiente fechado FORROS FORROS Critérios de escolha:

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO VENTILADOR DE TETO MODELO: Obrigado por adquirir o. Antes de utilizar o seu produto leia atentamente este manual de instruções. Após a leitura guarde-o em local seguro para consultas futuras. Este aparelho

Leia mais

Iluminador Light Tech

Iluminador Light Tech Iluminador Light Tech VM150, VM250, HL250 e FT150 LIGHT TECH ILUMINAÇÃO LTDA. Rua Maestro Callia, 77 04026-040, V. Clementino, São Paulo - SP Fone / Fax (11) 5572-1554 www.lighttech.com.br Instalação e

Leia mais

Iluminador Light Tech

Iluminador Light Tech Iluminador Light Tech VM150, VM250, HL250 e FT150 LIGHT TECH ILUMINAÇÃO LTDA. Rua Maestro Callia, 77 04026-040, V. Clementino, São Paulo - SP Fone / Fax (11) 5572-1554 www.lighttech.com.br Instalação e

Leia mais

QUADROS SISTEMA VDI. Localização no Website TIGRE: Obra predial Eletricidade Quadros Sistema VDI. Corpo Reforçado com mais entradas para eletrodutos.

QUADROS SISTEMA VDI. Localização no Website TIGRE: Obra predial Eletricidade Quadros Sistema VDI. Corpo Reforçado com mais entradas para eletrodutos. QUADROS SISTEMA VDI Localização no Website TIGRE: Obra predial Eletricidade Quadros Sistema VDI NOVEMBRO/2009 Função: Abrigar tubulações, fiações e dispositivos das instalações de Telefone (Voz), Rede

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO VENTILADOR DE TETO MODELOS: SUNNY, SUNNY CONTR FHARO Obrigado por adquirir o. Antes de utilizar o seu produto leia atentamente este manual de instruções. Após a leitura guarde-o em local seguro para consultas

Leia mais

NOVO. Sistema de condução para climatização com. Calhas U23X. matéria-prima cor. Branco

NOVO. Sistema de condução para climatização com. Calhas U23X. matéria-prima cor. Branco NOVO Sistema de condução para climatização com 31 matéria-prima cor U23X 31 U23X Para a fixação e condução de tubos em instalações de climatização com aparelhos do tipo split Desenho inovador que facilita

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO. Título PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título ATENDIMENTO DE LIGAÇÃO DE CONSUMIDORES JUNTO À FAIXA DE PRAIA DA ORLA MARÍTIMA Código NTD-00.074 Data da emissão 05.12.2005 Data da última revisão 18.01.2008 Folha

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Infraestrutura de Redes de Computadores Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Infraestrutura de Redes de Computadores Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Cabeamento Residencial

Leia mais

Uma idéia quente. Manual de Instalação Lareiras

Uma idéia quente. Manual de Instalação Lareiras Uma idéia quente Manual de Instalação Lareiras Indice Garantia dos Seviços Advertencia...03 Dados técnicos distancias mínimas recomendadas...04 base...04 Chaminé de alvenaria...05 de metal...06 de metal

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Forros Minerais OWA. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Forros Minerais OWA. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Forros Minerais OWA Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Forros Minerais OWA Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: SEMPRE manter as mãos limpas para manusear os forros

Leia mais

Fixação Ferragens Bricolagem

Fixação Ferragens Bricolagem Fixação Ferragens Bricolagem ABRAÇADEIRA DE NYLON MEDIDA 2,5 x 00 mm 9 78989095 0 3, x 40 mm 922 7898909223 0 2,5 x 0 mm 923 7898909232 0 3, x 0 mm 9234 78989092343 0 4,8 x 0 mm 923 7898909237 0 4,8 x

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRICO SESC ESTAÇÃO 504 SUL AV. W3 SUL ENTREQUADRA 504/505 BRASÍLIA - DF

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRICO SESC ESTAÇÃO 504 SUL AV. W3 SUL ENTREQUADRA 504/505 BRASÍLIA - DF SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRICO SESC ESTAÇÃO 504 SUL AV. W3 SUL ENTREQUADRA 504/505 BRASÍLIA - DF ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DAS CORTINAS PARA O AUDITÓRIO E SALA DE VIDEOTECA DA UNIDADE. Página 1 1.1 - OBJETIVO

Leia mais

Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado

Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado A prioridade desta norma é prover as especificações do projeto e direção para todas as instalações do prédio relacionadas

Leia mais

CONCORRÊNCIA COMPAGAS 010/2014 ADEQUAÇÃO E CONVERSÃO DE INSTALAÇÕES ANEXO L - PLANILHA DE PREÇOS UNITÁRIOS

CONCORRÊNCIA COMPAGAS 010/2014 ADEQUAÇÃO E CONVERSÃO DE INSTALAÇÕES ANEXO L - PLANILHA DE PREÇOS UNITÁRIOS Descrição Unid. Qtde. Valor Unit. Valor total Valor Unit. Valor Total Máximo Máximo Proposto Proposto 1. Levantamentos e Relatórios 1.1 Levantamento Técnico dos aparelhos a gás (CENSO) em edificações residenciais

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 004 DE 25 DE MARÇO DE 2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 004 DE 25 DE MARÇO DE 2015. Página 1 de 6 INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 004 DE 25 DE MARÇO DE 2015. Institui normas acerca dos procedimentos para novas ligações em condomínios verticais e/ou horizontais. O PRESIDENTE DO SERVIÇO AUTÔNOMO

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482

Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 17 - Projetos de Instalações Telefônicas Porto Alegre - 2012 Tópicos Projetos de instalações telefônicas Simbologia Caixas de

Leia mais

ENG2333 CONSTRUÇÃO CIVIL II

ENG2333 CONSTRUÇÃO CIVIL II ENG2333 CONSTRUÇÃO CIVIL II Prof. Eng Civil Bruno Rocha Cardoso Aula 02: Instalações Elétricas O Projeto O trabalho do Eletricista não é um processo Contínuo 1) Eletrodutos ou Conduítes 1) Eletrodutos

Leia mais

KIT DE ILUMINAÇÃO COM FIBRAS OPTICAS PARA DECORAÇÃO

KIT DE ILUMINAÇÃO COM FIBRAS OPTICAS PARA DECORAÇÃO MANUAL DE INFORMAÇÕES AO USUÁRIO E CONDIÇÕES DE GARANTIA A Fibra Óptica Brasileira KIT DE ILUMINAÇÃO COM FIBRAS OPTICAS PARA DECORAÇÃO ATENÇÃO: Não utilize este equipamento sem antes consultar este manual.

Leia mais

INFORMAÇÕES IMPORTANTES Leia atentamente!

INFORMAÇÕES IMPORTANTES Leia atentamente! Descritivo das facilidades da sala 204 (auditório) Prédio 99A Portal TECNOPUC Rede Wi-Fi (wireless) c/ velocidade de 54 Mega bits por segundo - Domínio VISITANTES: Para usuários tecnopuc (de 001 a 015);

Leia mais

TELA DE PROJEÇÃO ELÉTRICA STANDARD

TELA DE PROJEÇÃO ELÉTRICA STANDARD TELA DE PROJEÇÃO ELÉTRICA STANDARD MANUAL DE UTILIZAÇÃO CARACTERÍSTICAS: 1 As Telas de Projeção Elétricas Standard foram projetadas em tubo de alumínio extrudado, pintura eletrostática, mancal injetado

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 29/2011 Instrução Técnica nº 29/2011 - Comercialização, distribuição e utilização de gás natural 689 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

Padrão de entrada PCI-3

Padrão de entrada PCI-3 Padrão de entrada PCI-3 padrão de entrada Relação de Materiais Item Qtde. Un. Descrição 01 01 pç 02 Fornecido e instalado pela EDP 03 Variável m Poste com caixa incorporada tipo PCI-3 (ver nota 4) Ramal

Leia mais

Geodigitus Pág. 1. INCLINÔMETRO DIGITAL Ver. 1.02

Geodigitus Pág. 1. INCLINÔMETRO DIGITAL Ver. 1.02 GEODIGITUS - Equip. Eletrônicos - Fone: (31) 3498-4585 www.geodigitus.com.br - geodigitus@geodigitus.com.br Franmar Eletrônica do Brasil Ltda. Av. Nossa Sra. do Carmo 1650 lj43 Bairro São Pedro 30330-000

Leia mais

Roteiro da Aula. Automação Predial e Domótica. Iluminação Elétrica. Iluminação Natural. Iluminação Natural. Iluminação Natural 03/05/17

Roteiro da Aula. Automação Predial e Domótica. Iluminação Elétrica. Iluminação Natural. Iluminação Natural. Iluminação Natural 03/05/17 Roteiro da Aula Automação Predial e Domótica Sistemas de Automação Residenciais Fabricia Neres Iluminação elétrica; Iluminação natural; Tomadas Comandadas Climatização; Home Theater Sonorização ambientes;

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Luminária de Balizamento Acrílico - Iluminação a LED e Suporte Especial de Embutir Uso Conjunto a Centrais de Iluminação de Emergência em 12 volts. Código AFLPA33X15E-12 A Luminária de Balizamento é constituída

Leia mais

Manual técnico Caixas de bornes KL

Manual técnico Caixas de bornes KL Manual técnico Caixas de bornes KL 1 4 6 5 3 7 2 A caixa pequena com aprovações recebidas mundialmente, disponível para pronta entrega em diversos tamanhos padrão. O sistema de acessórios práticos torna

Leia mais

Memorial Descritivo Empreendimento: Quinta do Palácio - Casas

Memorial Descritivo Empreendimento: Quinta do Palácio - Casas Memorial Descritivo Empreendimento: Quinta do Palácio - Casas Emissão inicial Responsável Data Revisão Eng. Mariana Bronstrup Eng. Mariana Bronstrup Eng. Mariana Bronstrup 28/09/2016 03/03/2017 10/04/2017

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Código do Projeto: 1541-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial

Leia mais

DRYWALL. tetos e revestimentos) de edifícios de quaisquer tipos, consistindo de chapas aparafusadas em estruturas de perfis de aço galvanizado.

DRYWALL. tetos e revestimentos) de edifícios de quaisquer tipos, consistindo de chapas aparafusadas em estruturas de perfis de aço galvanizado. DRYWALL DRYWALL Drywall é uma tecnologia que substitui as vedações internas convencionais (paredes, tetos e revestimentos) de edifícios de quaisquer tipos, consistindo de chapas de gesso aparafusadas em

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de unidades consumidoras do Grupo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Objetivo: O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os métodos de execução e os materiais a serem utilizados nas instalações de

Leia mais