SEGUROS DE GROSSA AVENTURA: A COMPANHIA DE SEGUROS INDEMNIDADE À ÉPOCA JOANINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGUROS DE GROSSA AVENTURA: A COMPANHIA DE SEGUROS INDEMNIDADE À ÉPOCA JOANINA"

Transcrição

1 Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP Tel.: (21) SEGUROS DE GROSSA AVENTURA: A COMPANHIA DE SEGUROS INDEMNIDADE À ÉPOCA JOANINA Leandro Megliorini * O presente trabalho tem o objetivo de apresentar as conclusões parciais de nossa pesquisa, ainda em desenvolvimento, sobre História de Empresas. Trata-se de resgatar não apenas parte da história de uma empresa, a Companhia de Seguros Indemnidade, como de também trazer parte da dinâmica que permeia o comércio de seguros e entendê-lo no conjunto maior qual seja o da reestruturação do comércio a partir da nova sede do Império português. Além, é claro, de trazer novos elementos que encenam junto ao processo de emancipação e formação do Estado Imperial brasileiro. O processo desencadeado pela transferência da Corte para os trópicos lançou possibilidades, no que concerne tanto ao aumento de rendas quanto de poder para diversos segmentos sociais. Aproveitadas com êxito ou não, os negociantes investiram em algumas destas possibilidades, notadamente aquelas mais dinâmicas, tais como comércio de especulação, bancos e companhias de seguros. Palavras-chave: História dos Seguros, Companhia de Seguros, Negociantes. A transferência da Corte portuguesa para o Rio de Janeiro, ocorrida em , abre espaço para diversos campos de investigação. As medidas que a Coroa tomou para reestruturar o Império a partir da nova sede promoveram expressivas modificações sobre o Brasil. Logo de início põe-se fim ao exclusivo comercial, ou pacto colonial, através da Abertura dos Portos às nações amigas. Entre uma série de concessões que se seguiu daí por diante, antes limitadas no nível colonial, está a autorização para a formação de companhias de seguros. Para além do abastecimento, uma seguradora se insere na questão da instrumentação do próprio comércio, também uma das atividades dos negociantes daquela época. Dito de outra forma, juntamente com comércio externo, o tráfico de escravos, o abastecimento e a navegação de cabotagem, * Mestrando em História na Universidade Federal Fluminense.

2 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 2 as companhias de seguros eram uma das atividades mais lucrativas e também um recurso de investimento no próprio comércio dos negociantes de grosso trato. 1 A maior parte dos seguros feitos nesta época era de âmbito marítimo, em que pese o valor do tráfico de escravos africanos, iluminando dois pontos importantes. Em primeiro lugar, esta foi uma fatia relevante dos seguros feitos na época. Talvez não a maior, mas certamente de peso para as companhias nacionais. A crescente pressão internacional para a extinção do comércio de africanos fez com que companhias estrangeiras passassem a não segurá-lo mais. Isto parece sinalizar que a tese de que após o fim do exclusivo comercial houve uma re-colonização do Brasil pelos ingleses 2 está, pelo menos no terreno dos seguros, insegura. O que remete ao segundo ponto, que seria a insistência daquela sociedade em reproduzir sua estrutura, que encontra na escravidão sua forma mais clara. A constituição de empresas que lograssem uma certa continuidade da estrutura social, ou uma manutenção do status quo, parece corroborar com o projeto arcaizante da sociedade. A atividade comercial lusitana tinha por fim último a permanência de uma sociedade arcaica, não chegando a assumir contornos revolucionários que desempenhava em outros países 3 Autorizada em 28 de fevereiro de 1810, mas somente entrando em operação dois meses depois, a Companhia de Seguros Indemnidade possuía um capital subscrito por seus acionistas de 500 contos de réis. Inserida nos quadros da época, dentro de uma economia fundamentada na agro-exportação e numa sociedade escravista, a Indemnidade estava submetida à Casa dos Seguros e ao Alvará de 11 de agosto de 1791 que regulava seu comércio. Contendo 24 artigos, o Regulamento trazia as bases da contratação dos seguros. Previa, por exemplo, entre outras coisas, que o tratamento dispensado a portugueses e estrangeiros era o mesmo, desde que estivessem estabelecidos no território português. Para assinar apólices como seguradores os comerciantes deviriam possuir boa fama e crédito comprovados. Além, é claro, de estabelecer os limites temporais sobre a validade dos seguros e o modo como se pagariam estes ou os prêmios. As Casas dos Seguros de qualquer Praça do Império português surgem na medida em que é constituída a primeira companhia na localidade, com exceção a de Lisboa dada sua característica de ser fruto de um processo mais longo. Assim, o mesmo alvará que autoriza a Indemnidade também nomeia Elias Antônio Lopes, como provedor dos seguros, e João Fernandes Lopes, para escrivão dos seguros. 1 Palavras do regente D. João: Para que contribuam a animar as especulações e tentativas do commercio (...) hei por bem prestar o meu Imperial Beneplacito para o estabelecimento da Companhia de Seguros. COLEÇÃO Leis do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, Alvará de 24 de fevereiro de Autoriza o estabelecimento da Companhia de Seguros - Boa Fé. 2 MANCHERTER, Alan. A proeminência inglesa no Brasil. São Paulo: Brasiliense, FLORENTINO, Manolo; FRAGOSO, João. O Arcaísmo como Projeto: mercado atlântico, sociedade agrária e elite mercantil do Rio de Janeiro, c Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001 p.53

3 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 3 Subordinada à Real Junta do Comércio, Agriculturas, Fábricas e Navegação, além das responsabilidades dispostas nos 24 artigos do Alvará de 1791 e de julgar em primeira instância as causas entre seguradores e segurados, competia à Casa dos Seguros do Rio de Janeiro a cobrança de 5% sobre os prêmios, pagos pelos seguradores. Valor que seria divido entre o Tribunal da Real Junta Comércio, a provedoria, escrivão e demais funcionário da Casa. Entender como se organizava e atuava uma empresa nesta época, uma prática comercial dos negociantes de grosso trato, parece trazer a luz não apenas um objeto pouco estudado, como também parte das relações destes homens entre si bem como a relação deles com outros segmentos sociais neste. Os mecanismos pelos quais os seguradores acumulavam riqueza iam além do interesse econômico, uma vez que o fato de lidar com a venda de garantias sinaliza um avanço em direção a relação de interdependência entre a aqueles que contratam e prestam o serviço. A Companhia de Seguros Indemnidade Uma empresa seguradora, nesta época, não é uma empresa apenas no sentido de investimento, empreitada, forma como foi analisada a questão do tráfico por alguns autores. Através desta prática era comum, ao findar uma negociação, extinguir-se a associação. Sabe-se da existência de seguros desta forma no período em questão, feitos por Seguradores Particulares (ou seguros avulsos). Neste caso, negociantes se associam para segurar um objeto e, terminado o seguro, a associação se desfaz. Agostinho da Silva Hoffman, antes da criação da Companhia de Seguros Permanente em , aparece em algumas apólices como representante de diversos seguradores particulares para feitura de seguros 5. Este tipo de empresa não é o objeto que se pretende apresentar aqui, portanto passemos para o outro tipo: a companhia anônima. Esta seria uma sociedade anônima propriamente dita, porém com todas as especificidades de sua época. A primeira questão que parece ser interessante é a diferenciação entre sociedade anônima e mutualidade. Embora, talvez, na prática suas diferenças se diluam, particularmente, durante o período de Antigo Regime, a teoria é relevante para se fazer uma outra distinção do objeto. definição: Segundo um dicionário de seguros, o verbete sobre companhia anônima de seguros traz a seguinte Entidad mercantil que se dedica a la práctica del seguro privado. Su característica fundamental, por la que se diferencia notablemente de la mutualidad, radica en que ha de procurar retribuir, en forma de dividendos, el capital aportado por sus accionistas. 4 Riva Gorenstein fala que esta companhia é fruto de uma outra, a Companhia de Seguros Particular, que teria precedido e dado origem àquela. Ver Riva Gorenstein. Comércio e política: o enraizamento dos interesses mercantis portugueses no Rio de Janeiro ( ). In: MARTINHO, Lenira Menezes e GORENSTEIN, Riva. Negociantes e Caixeiros na Sociedade de Independência. Rio de Janeiro: Biblioteca Carioca, p Real Junta do Comércio, cx , Arquivo Nacional.

4 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 4 En este sentido, mientras en la compañía anónima existen dos sectores de personas netamente diferenciados (socios o accionistas y asegurados o clientes), en la mutualidad ambos grupos coinciden, al ser inseparable la condicione de socio o de la de asegurado. Por ello, en cierto sentid, o objeto básico de una mutualidad es eminentemente social (mejor servicio al coste más reducido posible), en tanto que una compañía anónima el objetivo básico es fundamentalmente económico (máxima retribución posible del capital accionista).[grifos nossos] 6 Com esta definição fica clara a diferença entre mutualidade e sociedade anônima. A primeira se destina a amortizar os males entre os sócios-segurados, preocupa-se com um aspecto social; a segunda possui um caráter essencialmente econômico, preocupa-se com o enriquecimento dos acionistas. No entanto, a organização dos estabelecimentos ligados aos seguros parece confundir o público com o privado. Isto fica claro quando verificamos a Casa dos Seguros, que não era apenas um órgão regulador, mas também uma companhia de comerciantes portugueses que tinha dentre suas atribuições a de avaliar os prêmios dos seguros em todas as praças portuguesas. Uma seguradora da época joanina é uma instituição lato sensu. Se nos parágrafos acima talvez não tenha ficado clara a distinção entre sociedade e companhia, isto resulta do fato de que, além de todos os possíveis problemas de conotação entre as línguas, no período em que estamos falando companhia e sociedade são sinônimas. Isto é comprovado com outro dicionário, onde o autor acrescenta ainda interessantes esclarecimentos. Sociedade: Esta palavra no commercio se diz genericamente de huma caza de negocio, em que há dois, ou mais interessados; entende-se também collectivamente do contrato, ou escriptura feita entre os socios. No primeiro sentido a palavra sociedade he synonima a de companhia (...); acrescentarey somente neste, que nas condições, na administração e na liquidação da sociedade he que o negociante carece de toda a sua prudencia adquirida pela experiência e pela lição pois que, em primeiro lugar, ha poucos contratos em que a boa fé e a probidade se fação mais necessarias; segundo, que uma sociedade mercantil he susceptivel de todas as condiçoens, em que as partes querem concordar, e que neste amplo arbitrio se devem precaver todas as circunstancias que poderem alterar, ou prejudicar a boa fé do contrato. Os pontos essenciais, ou geraes nestes contratos são 1º. a declaração da entrada que cada socio se obriga a trazer na sociedade para formar o capital della; 2º. o tempo da duração da mesma sociedade; 3º. Os nomes de baixo dos quaes ha de correr a razão da firma della; 4º. Se todos os socios ou tão somente parte delles terão a faculdade de assignar e uzar a firma da casa; 5º. Se se ha de dissolver, ou continuar no caso da morte de algum socio; 6º. A repartição dos ganhos e perdas; 7º. E ultimamente a prohibição (ou não) nos socios de fazer negocio algum que não seja por conta da mesma sociedade(...)" 7 Estes pontos essenciais são encontrados em todas aquelas companhias de seguros de cujas condições (ou regulamentos) se tem notícia. São as formas e os modos de operação da empresa, dando 6 MATRÁN, Julio Castelo; LOZANO, António Guardiola. Diccionário MAPFRE de Seguros. 3ª edição. Madri: Editorial Mapfre S.A., 1992(1ª Edição de 1988). p Agradeço ao Prof. Dr. Carlos Gabriel Guimarães pela indicação desta obra. SALES, Alberto Jaqueri de. Diccionario Universal de Commercio. Tradução e adaptação manuscrita de BRULONS, Jacques Savary des. Dictionnaire Universel de Commerce. 3 vols., 1813

5 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 5 um caráter institucional à ela. Neste sentido, é relevante examinar as condições da Companhia de Seguros Indemnidade. Companhia de Seguros Indemnidade Condições da Companhia de Seguros - Indemnidade - Confirmadas por sua Alteza Real o Principe Regente Nosso Senhor, pela immediata Resolução de 5 de Fevereiro de 1810, estabelecida nesta praça do Rio de Janeiro pelos negociantes abaixo declarados. 1º Esta Companhia denominar-se-ha - Indemnidade - e principiará no seu exercício logo que esteja preenchido o fundo que a constitue. A sua duração é sem limite de tempo; e o seu Capital de quinhentos contos de reis. Nenhum accionista será admittido com menos de quatro acções. 2º A responsabilidade dos accionistas é in solidum, tanto pelo capital de suas acções, como por tudo o mais que expuzerem a riscos. 3º Entrará immediatamente cada socio para a caixa com dez por cento do seu interesse; ficará sujeito a fazer as ulteriores entradas que as circumstancias exigirem: todo aquelle que não satisfizer a esta condição, perde o lucro vencido; responde pela perda que lhe competir nos acontecimentos adversos; e paga os juros da demora. 4º Nenhum accionista admittirá socios em suas acções sem consentimento da pluralidade dos interessados. 5º Cessa de ser socio todo aquelle que morre natural ou civilmente, ou aquelle, que faltar a estas condições por todos assignadas; e nem elle, nem seus herdeiros podem pedir contas, em quanto se não liquidarem os riscos pendentes, a que fica obrigada a herança. 6º Tomará esta Companhia todos os Riscos maritimos, individuados nas suas apolices; cujas clausulas ficam a aprazimento dos contrahentes. Desconta tãobem Letras que tenham pelo menos tres boas firmas, não excedendo o seu vencimento quatro a seis mezes; o que todavia se fará havendo fundo sufficiente em cofre sem immediata applicação. 7º Terá esta Companhia tres Directores, dos quaes um será tambem caixa, eleitos segundo o artigo XIV, que tomarão os Seguros conforme a Procuração que lhes será dada, ficando ao caixa todos os documentos concernentes para uma Escripturação regular e em dia: todos tres respondem in solidum pelo dinheiro, ou Letras, que devem existir em Cofre. 8º O Caixa faz o pagamento das perdas, e avarias legalisadas e approvadas pelos outros dous Directores: Tem a seu cargo as cobranças: Convoca para uma Sessão geral no ultimo de Dezembro de cada anno todos os socios; e o caixa fará os dividendos que as circumstancias permittirem, de modo que nunca fique deteriorado o credito da Companhia na diminuição dos fundos a que devem sempre responder os riscos pendentes; deverá tambem convocar os socios extraordinariamente, quando as circumstancias e o interesses da Campanhia o requererem. 9º Em remuneração de seus respectivos trabalhos receberão os Directores e o Caixa nos primeiro anno 1:800$000 partivel por todos, e pago pelo cofre da Companhia. Tambem farão por este cofre as despezas de livros, Escripturario, Caixeiros e gastos judiciaes; mas, findo o primeiro anno, receberão somente seis por cento do premio que grangearem; será esta quantia repartida por todos, e as despezas ficarão sendo à sua custa, menos as judiciaes que hão de ser sempre por conta da Companhia.

6 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 6 10º Poderá cada socio ou Director retirar-se da Companhia ou Administração, quando lhe aprouver, comtanto que o participe por escripto aos Directores seis mezes antes da conferencia geral, para nelle se prover sobre a substituição da sua falta. 11º Não se correrá risco em cada navio a mais de cinco por cento do capital que constitue a Companhia. 12º Os premios serão pagos em letras, segundo o prazo convencionado entre as partes, a contar da assignatura das apolices, que os Directores devem expedir com a brevidade possivel. 13º Todos os negocios da Companhia serão decididos a pluraridade de votos dos interessados, assim na sessão annual, como nas extraordinarias, depois de convocados officialmente. 14º Preenchido o fundo desta Companhia, ajuntar-se-hão todos os accionistas que a compoem; e nomeação em plena sessão o Caixa e os dous Directores que a devem reger. 15º Em tudo que não é expresso nestas condições se sujeitam os interessados ao regulamento dado às casas de seguros de Lisboa, e aos usos e costumes maritimos estabelecidos pelos codigos das nações mais civilisadas. Lista dos acionistas da Companhia de Seguros Indemnidade, e das Acções com que entrarão, e perfizerão seu capital Diretores, e Caixas Dias Viuva e Filhos, Caixa Quarenta Ações 40:000$000 Francisco José Fernandes Barboza, Director Seis Ações 6:000$000 Manoel José da Silva Idem 6:000$000 Accionistas Amaro Velho da Silva Quarenta 40:000$000 Francisco Xavier Pires Idem 40:000$000 Antonio Gomes Barrozo Idem 40:000$000 Antonio da Cunha Trinta 30:000$000 Amaro Velho da Silva, Sobrinho Vinte 20:000$000 João Gomes Barrozo Dezesseis 16:000$000 Manoel Velho da Silva Doze 12:000$000 Joaquim Antonio Alves Idem 12:000$000 D. Anna Maria de Souza Dez 10:000$000 Manoel Guedes Pinto Idem 10:000$000 Manoel Caetano Pinto Idem 10:000$000 João Gomes Vale Dez 10:000$000 José Luis Alves Idem 10:000$000 Thomas Gonçalves Idem 10:000$000 José Marcelino Gonçalves Idem 10:000$000 Antonio Ferreira da Rocha Idem 10:000$000 José Luiz da Motta Idem 10:000$000 Antonio da Silva Caldeira Idem 10:000$000 Domingos Francisco de Araújo Rôzo Idem 10:000$000 Domingos Gonçalves de Azevedo Idem 10:000$000 Domingos Antunes Guimaraens Oito 8:000$000 Antonio José da Costa Barbosa e Companhia Oito 8:000$000 João da Silva Pinto Oito 8:000$000 João Rodrigues de Barros Idem 8:000$000 José Ignácio Vaz Vieira Idem 8:000$000 Miguel Ferreira Gomes Idem 8:000$000 João Ignácio Tavares Idem 8:000$000

7 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 7 Lourenço Antonio Ferreira Idem 8:000$000 Manoel Bernardes Pereira da Veiga Seis 6:000$000 Carlos José Moreira Idem 6:000$000 João Fernando Vianna Idem 6:000$000 Francisco José da Rocha Idem 6:000$000 José da Costa de Araujo Barros Idem 6:000$000 Manoel Joaquim Ribeiro Idem 6:000$000 Joaquim José da Rocha Idem 6:000$000 Manoel Gomes Fernandes Idem 6:000$000 José Antonio dos Santos Xavier Idem 6:000$ :000$000 Sobre a lista dos acionistas algumas coisas são intrigantes. Primeiramente destaca-se o volume daqueles que são mais abonados. Personagens que podem disponibilizar mais de vinte contos de réis para aplicar num negócio que possui um risco a se relevar precisavam ter uma fortuna considerável para fazê-lo. Embora o risco fosse calculado e eles só precisassem levantar inicialmente dez por cento do fundo da companhia, o que se percebe é que eram figuras abastadas. Esta constatação corrobora com a visão de três grandes obras. Os trabalhos de Riva Gorenstein, Manolo Florentino e João Fragoso mostram de formas diferentes como alguns destes sócios eram muito ricos. Particularmente, a viúva Dias, Francisco Xavier Pires, Antonio Gomes Barrozo, João Gomes Barrozo, Antonio da Cunha, Amaro Velho da Silva (Tio), seu sobrinho com mesmo nome e ainda mais um integrante de sua família, Manuel Velho da Silva. Ressalte-se ainda que os três autores citados acima tomam como ponto de análise uma característica marcante da economia da época: a concentração 8. Esta tese também pode ser comprovada na medida em que diante dos 40 sócios, apenas os 8 mencionados há pouco possuem mais de 45% do capital da empresa. Se a observação for feita com atenção às famílias, então será apenas a família Velho da Silva responsável por quase 15%, seguida dos Gomes Barrozo com 12% das ações da Companhia de Seguros Indemnidade. Duas famílias dominando quase 27% da empresa denota outra característica do período, ou outra face da concentração, aquela feita no âmbito de uma pequena comunidade de negociantes, na qual estes que se aventuram nos seguros são os mesmos que investem grosso trato, bancos e outras setores tão dinâmicos da economia. 9 Cabe ainda um último comentário acerca dos sócios. Naquela lista encontramos o nome de uma figura, que embora não tenha sido muito expressiva, possui uma enorme importância para mostrar outro tipo de concentração. Acima ficou dito que uma pequena parte dos acionistas da empresa, precisos 20%, subscrevia quase a metade dos fundos da empresa. Mas os negociantes poderiam ser acionistas de outras seguradoras, o que caracterizaria ainda uma concentração, porém de forma mais extensa, da atividade nas mãos de poucos. Este é o caso de José Ignácio Vaz Vieira, que entra como sócio da Indemnidade com a soma de oito contos de réis. Segundo Florentino e Fragoso, este mesmo 8 GORENSTEIN, R. Op. Cit. p ; FRAGOSO, João Luís. Homens de Grossa Aventura ( ). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1998 p ; FLORENTINO, M. Em Costas Negras. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, p Ver também em GOUVÊA, Maria de Fátima S. Redes de Poder na América Portuguesa: O caso dos Homens Bons do Rio de Janeiro, Rev. bras. Hist., 1998, vol.18, no.36, p

8 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 8 negociante aparecerá como acionista da Companhia de Seguros Providente, estabelecida na praça do Rio de Janeiro em 30 de junho de 1814, com a monta de seis contos de reis. 10 Além de exemplificar a concentração no ramo dos seguros nas mãos dos mesmos acionistas, concomitantemente é flagrante a prosperidade do investimento, uma vez que o negociante não teria se arrependido de investir quatro anos antes na Companhia de Seguros Indemnidade. A Operação O seguro marítimo podia ser contratado em meio a uma viagem através de informações de terceiros. Mas em geral se fazia e por viagem, tendo validade durante todo o trajeto de ida e volta, salvo quando houvesse expressa exceção ou extrapolassem os limites impostos pelo Regulamento da Casa dos Seguros. Em 7 de setembro de 1816, Manoel Joaquim de Azevedo contratou o seguro da Companhia de Seguros Indemnidade no valor de 22:000$000 de Réis. Pela apólice nº , ficavam segurado o Casco e Aparelhos da Sumaca Urânia, capitaneada por Antônio Manuel Sodré, no valor de 8:000$000 de Réis, e o restante, 14:000$000 de Réis, pela Factura de mantimentos que faria comércio com os portos de Benguela e Angola. O prêmio cobrado pela seguradora variava conforme o desempenho da negociação. Se não houvesse infortúnio o segurado pagaria 5% do valor segurado, 1:100$000 no prazo máximo de seis meses. Havendo perda de natureza coberta pelo seguro, o prêmio seria elevado a 13%. O que na verdade seria um contra pagamento dado o caráter de o prêmio ser pago posteriormente. Assim, se ocorresse uma perda total, os 98% que teria direito o segurado segundo a legislação, passaria para 85%. Isto gera uma redução do reembolso ao segurado para a companhia, bem como parece animar o investidor no comércio marítimo, pois teoricamente a perda de uma negociação segurada seria amenizada. O destino do objeto segurado, costa africana, bem como o alto valor sobre as mercadorias(factura), quase o dobro do seguro sobre a embarcação, indica possivelmente que o interesse era o comércio de escravos. Uma apólice emitida em Setembro de 1816, cujo o número de ordem é 2.849, indica algo mais. Sabendo que a empresa entrou em operação em abril de 1810, e se houve estabilidade no setor de seguros no período, anualmente a média entorno de 400 apólices! 10 As análises de Florentino e Fragoso não se aprofundam muito no tema de seguros. Eles não chegaram a constatar a presença deste negociante como acionista da companhia Indemnidade. No quadro que expõem Vaz Vieira surge apenas como acionista da companhia Providente. Cf. FRAGOSO, João e FLORENTINO, Manolo. Op. Cit. p. 200

9 Usos do Passado XII Encontro Regional de História ANPUH-RJ 2006: 9 Considerações finais Longe de arriscar conclusões finalizadas, sabemos que o tema dos seguros começa a dar seus passos de forma vagarosa. 11 Diante do que ficou parece difícil ignorar a relevância que as companhias de seguros tiveram na época joanina, uma vez que de um lado está a transferência da sede do Império português e a conseqüente necessidade de reorganizar/reestruturar o comércio a partir do Rio de Janeiro, e de outro as novas demandas, seja pela quantidade ou pela qualidade, que passaram a integrar o mercado da praça carioca com os imigrantes reinóis. Embora até o momento a historiografia não tenha dado uma atenção especial ao tema de seguros nesta época, ele nunca passou despercebido. Vimos que Gorenstein, Florentino e Fragoso já haviam esbarrado nesta matéria de modo residual. Tentamos lograr como a Companhia de Seguros Indemnidade, a partir de sua localização enquanto empresa, suas Condições e através de uma mostra empírica 12 de sua operação, participou das atividades comerciais no sentido de incitar o aumento das negociações marítimas. O seguro torna-se elemento de ampla importância para aqueles que pretendiam investir seus cabedais no comércio, tanto na cabotagem, como no externo, mas principalmente no que tange a aquisição de escravos africanos onde o risco era muito elevado, tornando-se um dos alicerces para a continuidade do comércio de almas. A comunidade mercantil da Praça do Rio de Janeiro deveria preocupar-se na responsabilidade pela montagem do sistema de seguros marítimos, indispensável à operacionalização de um tipo tão arriscado de comércio Saulo Santiago Bohrer também desenvolve uma pesquisa ligada aos seguros no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Fluminense. 12 Os limites deste trabalho quanto ao número de páginas não permitem inserir mais questões ligadas a movimentação da empresa em cena. Maiores exemplos trariam outras problemáticas que tornaria o trabalho denso. 13 FLORENTINO, Manolo. Op. Cit. p. 129

BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL

BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração e Objeto Artigo 1º A BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto Artigo 1º A UPTICK PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se rege pelas leis e usos do comércio,

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

I Aprovada na 20ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1936), entrou em vigor no plano internacional em 22.9.39.

I Aprovada na 20ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1936), entrou em vigor no plano internacional em 22.9.39. 1 CONVENÇÃO N. 52 Férias Remuneradas I Aprovada na 20ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1936), entrou em vigor no plano internacional em 22.9.39. II Dados referentes ao Brasil:

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

PÁGINA JURÍDICA > ARTIGOS DE PROFESSORES > DIREITO COMERCIAL III - RESUMO Nº 2 SOCIEDADES ANÔNIMAS - GENERALIDADES

PÁGINA JURÍDICA > ARTIGOS DE PROFESSORES > DIREITO COMERCIAL III - RESUMO Nº 2 SOCIEDADES ANÔNIMAS - GENERALIDADES PÁGINA JURÍDICA > ARTIGOS DE PROFESSORES > DIREITO COMERCIAL III - RESUMO Nº 2 SOCIEDADES ANÔNIMAS - GENERALIDADES Prof. Marcos Raposo - 2002 1.-. A primeira necessidade do homem econômico é buscar os

Leia mais

PROGRAMA DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA OU SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES

PROGRAMA DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA OU SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES PROGRAMA DE OUTORGA DE OPÇÃO DE COMPRA OU SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES O presente Programa de Outorga de Opção de Compra ou Subscrição de Ações é regido pelas disposições abaixo. 1. Conceituação 1.1. O Programa

Leia mais

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares

23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares 23. Convenção sobre o Reconhecimento e Execução de Decisões relativas a Obrigações Alimentares Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns para regulamentar o

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO ATA Nº 106

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO ATA Nº 106 CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO ATA Nº 106 (4ª Reunião Extraordinária 03/ Março / 2015) De acordo com a deliberação nº2 do Conselho de Gestão, de 28 de outubro de 2010, o Conselho Técnico-Científico da ESSA

Leia mais

Contrato de Engajamento de Marinheiros

Contrato de Engajamento de Marinheiros 1 CONVENÇÃO N. 22 Contrato de Engajamento de Marinheiros I Aprovada pela 9ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1926), entrou em vigor no plano internacional em 4.4.28. II Dados referentes

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA UFV CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 0 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil oferecido pelo Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

CAPITULO I DA INCIDENCIA

CAPITULO I DA INCIDENCIA Regulamento a que se refere o decreto n. 13.051, de 5 de junho de 1918, para execução do art. 1º, n. 35, e art. 60 da lei n. 3.446, de 31 de dezembro de 1917. CAPITULO I DA INCIDENCIA Art. 1º O imposto

Leia mais

Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA.

Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA. Ata n. 25 da Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Medeiros Neto BA. Aos quatro (04) dias do Mês de Março (03) do ano de Dois Mil e Treze (2013), às 17:35 horas, com a presença de nove (09) vereadores,

Leia mais

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único.

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA ROMÉNIA SOBRE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS

ACORDO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E O GOVERNO DA ROMÉNIA SOBRE PROMOÇÃO E PROTECÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS Decreto n.º 23/94 de 26 de Julho Aprova o Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Roménia sobre Promoção e Protecção Recíproca de Investimentos Nos termos da alínea c) do n.º 1 do

Leia mais

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA O GOVERNO

Leia mais

As primeiras Aulas do Comércio do Brasil no Século XIX. Aluna Doutoramento: Wilde Gomes Araujo Orientadora: Prof.ª Dra. Lúcia Lima Rodrigues

As primeiras Aulas do Comércio do Brasil no Século XIX. Aluna Doutoramento: Wilde Gomes Araujo Orientadora: Prof.ª Dra. Lúcia Lima Rodrigues As primeiras Aulas do Comércio do Brasil no Século XIX. Aluna Doutoramento: Wilde Gomes Araujo Orientadora: Prof.ª Dra. Lúcia Lima Rodrigues LISBOA/2013 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL: Mostrar como se deu

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Segundo Acordo Complementar à Convenção entre Portugal e o Luxemburgo sobre Segurança Social, assinada em 12 de Fevereiro de 1965

Segundo Acordo Complementar à Convenção entre Portugal e o Luxemburgo sobre Segurança Social, assinada em 12 de Fevereiro de 1965 Decreto n.º 9/79 de 30 de Janeiro Segundo Acordo Complementar à Convenção entre Portugal e o Luxemburgo sobre Segurança Social, de 12 de Fevereiro de 1965, assinado em Lisboa em 20 de Maio de 1977 O Governo

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores 10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns relativas

Leia mais

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I 1 CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Denominação, Sede, Natureza Jurídica, Duração e Fins Artigo 1º A CÂMARA PORTUGUESA DE

Leia mais

ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA ABS GROUP

ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA ABS GROUP ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA E ABS GROUP Este ACORDO é celebrado em consonância com o estabelecido nas Normas da Autoridade Marítima para Reconhecimento

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tipo M - Mudança de regime juridico estatutario

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tipo M - Mudança de regime juridico estatutario 16/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 6 5. Informações Complementares... 7 6. Referências... 7 7.

Leia mais

REPÚBLICA DA NAMÍBIA. Lei de Investimentos Estrangeiros

REPÚBLICA DA NAMÍBIA. Lei de Investimentos Estrangeiros REPÚBLICA DA NAMÍBIA Lei de Investimentos Estrangeiros Promulgada em 7 de julho de 1992 e com emenda pela Lei 24 de 1993, Emenda da Lei de Investimentos Estrangeiros de 1993 LEI Para a disposição ao fomento

Leia mais

Instrumento de Protocolo e Justificação de Incorporação de Ações dos Acionistas da Ibi Participações S.A. firmado com o Banco Bradesco S.A.

Instrumento de Protocolo e Justificação de Incorporação de Ações dos Acionistas da Ibi Participações S.A. firmado com o Banco Bradesco S.A. Bradesco S.A. Banco Bradesco S.A., com sede na Cidade de Deus, Prédio Vermelho, 4 o andar, Vila Yara, Osasco, SP, CEP 06029-900, CNPJ n o 60.746.948/0001-12, com seus atos constitutivos arquivados na Junta

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China 15. CONVENÇÃO SOBRE A ESCOLHA DO FORO (celebrada em 25 de novembro de 1965) Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer previsões comuns sobre a validade e efeitos de acordos sobre

Leia mais

ANEXO II DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

ANEXO II DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES ANEXO II DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES O presente regulamento estabelece as regras do Plano de Opção de Compra de Ações ("Plano") da DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. ("Companhia"),

Leia mais

Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil.

Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil. FL 46 ACTA DE / /20 Acta da reunião ordinária da Câmara Municipal do Concelho de Vila Velha de Ródão levada a efeito em vinte e quatro de Maio de dois mil. Acta º12 --------Aos vinte e quatro dias do mês

Leia mais

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima.

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima. Decreto n.º 53/79 de 12 de Junho Acordo sobre Transporte e Navegação Marítima entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil O Governo decreta, nos termos da alínea

Leia mais

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES 2 AdminIP Manual do Usuário Módulo Administrador IES Brasília 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 1 SISTEMA ADMINIP... 4 1.1 O que é o AdminIP?... 4 1.2 Quem opera?... 4 1.3 Onde acessar?... 5 1.4 Como acessar?...

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1 AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1 Documento 123 Requerimento do Bacharel Antonio José Pereira Barroso, provido no lugar de Ouvidor-geral das Alagoas, ao rei Dom João V, a pedir certidões das ordens

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento SINERGIA é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO

ACORDO DE COOPERAÇÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO DEFINE O ACORDO DE COOPERAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESPIRITO SANTO - CREA/ES, PARA CONCESSÃO

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

*50425D34* Mensagem n o 342. Senhores Membros do Congresso Nacional,

*50425D34* Mensagem n o 342. Senhores Membros do Congresso Nacional, ** Mensagem n o 342 Senhores Membros do Congresso Nacional, Nos termos do disposto no art. 49, inciso I, combinado com o art. 84, inciso VIII, da Constituição, submeto à elevada consideração de Vossas

Leia mais

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação 27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação Os Estados signatários da presente Convenção: Desejosos de estabelecer disposições comuns sobre a lei aplicável aos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS DELIBERAÇÃO CEE Nº

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS DELIBERAÇÃO CEE Nº GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO E NORMAS DELIBERAÇÃO CEE Nº 253 /2000 Fixa normas para matrícula de alunos na Educação

Leia mais

Certificados de Capacidade dos Pescadores

Certificados de Capacidade dos Pescadores 1 CONVENÇÃO N. 125 Certificados de Capacidade dos Pescadores I Aprovada na 50ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1966), entrou em vigor no plano internacional em 15.7.69. II Dados

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno INFORMAÇÃO UCCI N 048/2005 UNIDADE DESTINO: Secretaria de Administração

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Prazo E S T A T U T O Art. 1º - A Mercantil do Brasil

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE. Empresa Geral do Fomento, S.A. ARTIGO PRIMEIRO. Tipo e Firma

CONTRATO DE SOCIEDADE. Empresa Geral do Fomento, S.A. ARTIGO PRIMEIRO. Tipo e Firma CONTRATO DE SOCIEDADE de Empresa Geral do Fomento, S.A. ARTIGO PRIMEIRO Tipo e Firma A sociedade é constituída segundo o tipo de sociedade anónima e adopta a firma Empresa Geral do Fomento, S.A. ARTIGO

Leia mais

Regime Jurídico dos Certificados de Aforro, Série A

Regime Jurídico dos Certificados de Aforro, Série A Regime Jurídico dos Certificados de Aforro, Série A Decreto n.º 43454 de 30 de Dezembro de 1960 1. O artigo 30.º do Decreto-Lei n.º 42 900, de 5 de Abril de 1960, previu nova modalidade de renda vitalícia

Leia mais

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA LINX S.A.

PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA LINX S.A. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA LINX S.A. Este Plano de Opção de Compra Ações da LINX S.A. ( Companhia ), aprovado pela Assembleia Geral Extraordinária da Companhia realizada em 27 de abril de 2016

Leia mais

Fls.1 JOSE NARCIZO CRUZ

Fls.1 JOSE NARCIZO CRUZ Fls.1 JOSE NARCIZO CRUZ Termo de aforamento de José Narcizo Cruz, de seis braças e um quarto de frente com quinze e meia de fundo que lhe conceda a Câmara na rua da Matriz desta cidade, esquina da travessia

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO

PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO PERGUNTAS E RESPOSTAS RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA SOBRE A PROPOSTA DE REGULAMENTO-QUADRO DO BCE RELATIVO AO MECANISMO ÚNICO DE SUPERVISÃO 1 QUANDO É QUE O BCE ASSUMIRÁ A SUPERVISÃO DOS BANCOS? O BCE assumirá

Leia mais

ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem. Capítulo I. Denominação, sede e objeto.

ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem. Capítulo I. Denominação, sede e objeto. ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem Capítulo I Denominação, sede e objeto Artigo 1 É constituída por tempo indeterminado, com sede em Lisboa, na Rua Rodrigo

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO EMPRESA INCORPORADA: HFF PARTICIPAÇÕES S.A. EMPRESA INCORPORADORA: BRF BRASIL FOODS S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO EMPRESA INCORPORADA: HFF PARTICIPAÇÕES S.A. EMPRESA INCORPORADORA: BRF BRASIL FOODS S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO EMPRESA INCORPORADA: HFF PARTICIPAÇÕES S.A. EMPRESA INCORPORADORA: BRF BRASIL FOODS S.A. 25 DE FEVEREIRO DE 2010 PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA HFF

Leia mais

---ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA NÚMERO VINTE E UM.-- ---VINTE E UM DE MAIO DE DOIS MIL E UM. ---------

---ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA NÚMERO VINTE E UM.-- ---VINTE E UM DE MAIO DE DOIS MIL E UM. --------- ---ACTA DA REUNIÃO ORDINÁRIA NÚMERO VINTE E UM.-- ---VINTE E UM DE MAIO DE DOIS MIL E UM. --------- ---No dia vinte e um de Maio de dois mil e um, nesta Vila de Estarreja, Edifício dos Paços do Concelho,

Leia mais

EMBAIXADA DO BRASIL EM BERLIM EDITAL 01/2015

EMBAIXADA DO BRASIL EM BERLIM EDITAL 01/2015 EMBAIXADA DO BRASIL EM BERLIM EDITAL 01/2015 A Embaixada do Brasil em Berlim faz saber aos interessados, por meio da Comissão de Seleção designada pela Embaixadora do Brasil, que realizará processo seletivo

Leia mais

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996.

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996. RESOLUÇÃO N 008, DE 17 DE ABRIL DE 1996, DO DIRETOR DA FMTM. Fixa diretrizes e normas para os Cursos da Central de Idiomas Modernos - CIM. O DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS

CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS CONVENÇÃO SOBRE O ESTATUTO DOS APÁTRIDAS Aprovada em Nova Iorque, em 28 de Setembro de 1954 Entrada em vigor: 6 de Junho de 1960, em conformidade com o artigo 39.º As Altas Partes Contratantes, PREÂMBULO

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO

CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO CONVENÇÃO SOBRE ASILO DIPLOMÁTICO Os Governos dos Estados Membros da Organização dos Estados Americanos, desejosos de estabelecer uma Convenção sobre Asilo Diplomático, convieram nos seguintes artigos:

Leia mais

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx Instituto de Investigaciones Dr. José María Luis Mora México Guimaraes, Carlos Gabriel Angelo Alves Carrara

Leia mais

Diário Oficial Eletrônico

Diário Oficial Eletrônico ESTADO DO PIAUÍ CONSÓRCIO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA PLANÍCIE LITORÂNEA PIAUIENSE Diário Oficial Eletrônico DA PLANÍCIE LITORÂNEA PIAUIENSE D0e nº 58/ CRIADO PELA RESOLUÇÃO PLENÁRIA Nº 003, DE 19 DE

Leia mais

REDISCUTINDO A PRESENÇA INGLESA NO IMPÉRIO BRASILEIRO: O CASO DA FIRMA INGLESA CARRUTHERS & CO., 1822-1854.

REDISCUTINDO A PRESENÇA INGLESA NO IMPÉRIO BRASILEIRO: O CASO DA FIRMA INGLESA CARRUTHERS & CO., 1822-1854. Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP 22250-040 Tel.: (21) 9317-5380 REDISCUTINDO A PRESENÇA INGLESA NO IMPÉRIO

Leia mais

Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP

Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP Convenção Multilateral de Segurança Social da Comunidade de Países de Língua Portuguesa - CPLP A República de Angola, a República Federativa do Brasil, a República de Cabo Verde, a República da Guiné-Bissau,

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 6910 Diário da República, 1.ª série N.º 187 25 de Setembro de 2009 Artigo 110.º Entrada em vigor 1 O presente decreto -lei entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. 2 O certificado de conformidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Através do Decreto -Lei n.º 212/2006, de 27 de Outubro (Lei Orgânica do Ministério da Saúde), e do Decreto -Lei n.º 221/2007, de 29 de Maio,

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A JURISDIÇÃO, LEI APLICÁVEL E RECONHECIMENTO DE DECISÕES EM MATÉRIA DE ADOÇÃO (Concluída em 15 de novembro de 1965) (Conforme o seu artigo 23, esta Convenção teve vigência limitada até

Leia mais

CONTRATO PARA A GESTÃO DE CURSOS DE LINGUA ITALIANA DO ISTITUTO ITALIANO DI CULTURA DI SAN PAOLO

CONTRATO PARA A GESTÃO DE CURSOS DE LINGUA ITALIANA DO ISTITUTO ITALIANO DI CULTURA DI SAN PAOLO 1 CONTRATO PARA A GESTÃO DE CURSOS DE LINGUA ITALIANA DO ISTITUTO ITALIANO DI CULTURA DI SAN PAOLO (A) Istituto Italiano di Cultura di San Paolo, com sede na Av. Higienópolis, 436 São Paulo SP, CEP 01238-000,

Leia mais

TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ: 02.558.154/0001-29 NIRE 3130002551-9 Companhia Aberta

TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ: 02.558.154/0001-29 NIRE 3130002551-9 Companhia Aberta TELE NORTE CELULAR PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ: 02.558.154/0001-29 NIRE 3130002551-9 Companhia Aberta Assembleia Geral Extraordinária Realizada em 9 de março de 2009 1. Data, Hora e Local. Realizada, em primeira

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010

C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 C 213/20 Jornal Oficial da União Europeia 6.8.2010 COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A COORDENAÇÃO DOS SISTEMAS DE SEGURANÇA SOCIAL Estatutos da Comissão Administrativa para a Coordenação dos Sistemas de Segurança

Leia mais

MARCOPOLO S.A. C.N.P.J nr. 88.611.835/0001-29 NIRE Nº. 43 3 0000723 5 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

MARCOPOLO S.A. C.N.P.J nr. 88.611.835/0001-29 NIRE Nº. 43 3 0000723 5 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Reunião: Política de Negociação de Valores Mobiliários (Portuguese only) MARCOPOLO S.A. C.N.P.J nr. 88.611.835/0001-29 NIRE Nº. 43 3 0000723 5 Companhia Aberta ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

1º Todos os recrutas menores de dezesete annos assentarão praça nas Companhias de Aprendizes Marinheiros.

1º Todos os recrutas menores de dezesete annos assentarão praça nas Companhias de Aprendizes Marinheiros. INSTRUCÇÕES, A QUE SE REFERE O DECRETO DESTA DATA, SOBRE A ADMISSÃO, E ENSINO DOS RECRUTAS, PARA OS CORPOS DE IMPERIAES MARINHEIROS, E FUZILEIROS NAVAES Art. 1º Todos os recrutas, destinados a servir nos

Leia mais

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração.

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. Art. 1º - A Fundação de Ensino Superior de Passos, sucessora da Fundação Faculdade de Filosofia

Leia mais

Principais alterações na Lei das Sociedades por Ações introduzidas pela Lei nº 12.431, de 27 de junho de 2011

Principais alterações na Lei das Sociedades por Ações introduzidas pela Lei nº 12.431, de 27 de junho de 2011 Setembro de 2011 Ano 02 nº 011 Principais alterações na Lei das Sociedades por Ações introduzidas pela Lei nº 12.431, de 27 de junho de 2011 Em 27 de junho de 2011, o Congresso Nacional publicou a Lei

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes USIMINAS RELAÇÕES COM INVESTIDORES Perguntas Frequentes 1. O que é código de negociação e quais são os códigos de negociação das ações da Usiminas? "Código de negociação" ou "ticker symbol" é um conjunto

Leia mais

ESTATUTO PESSOAL REGRAS SOBRE CASAMENTO ESTRANGEIRO

ESTATUTO PESSOAL REGRAS SOBRE CASAMENTO ESTRANGEIRO CONCURSO MANAUSPREV LINDB (AULA 2) Estatuto pessoal Aplicação da lei no espaço: casamento sucessão bens obrigações Prof. Caupolican ESTATUTO PESSOAL (DL 4657/42) Art. 7º A lei do país em que for domiciliada

Leia mais

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010

LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 LEI Nº 382/2010 DE 05 DE JULHO DE 2010 Disposição sobre a consignação em folha de pagamento O MUNICÍPIO DE BOA ESPERANÇA faz saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta CNPJ/MF nº 02.950.811/0001-89 NIRE 33.300.285.199

PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta CNPJ/MF nº 02.950.811/0001-89 NIRE 33.300.285.199 PDG REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES Companhia Aberta CNPJ/MF nº 02.950.811/0001-89 NIRE 33.300.285.199 ATA DA ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA REALIZADA EM 08 DE MAIO DE 2012 1. DATA, HORA E LOCAL:

Leia mais

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL I - DENOMINAÇÃO E OBJETIVO Artigo 1 - O IC Clube de Investimento é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 03, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999.

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 03, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999. INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 03, DE 9 DE FEVEREIRO DE 1999. O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N o 477, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o Seguro Garantia, divulga Condições Padronizadas e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Assinado em 04 de abril de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 54, de 16 de agosto de 1983

Leia mais

Convenção de Mediação. I. Nome:, estado civil:, capacidade:, titular do bilhete de identidade n.º: II. Nome:, estado civil:, capacidade:,

Convenção de Mediação. I. Nome:, estado civil:, capacidade:, titular do bilhete de identidade n.º: II. Nome:, estado civil:, capacidade:, Convenção de Mediação Entre: I. Nome:, estado civil:, capacidade:, titular do bilhete de identidade n.º:, contribuinte fiscal n.º:, residente em: ; II. Nome:, estado civil:, capacidade:, titular do bilhete

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 3.0 - Julho/2014) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

LEI Nº 4.594, DE 29 DE SETEMBRO DE 1.964

LEI Nº 4.594, DE 29 DE SETEMBRO DE 1.964 Regula a profissão de Corretor de Seguros. CAPÍTULO I Do Corretor de Seguros e da sua Habilitação Profissional Art. 1º O corretor de seguros, seja pessoa física ou jurídica, é o intermediário legalmente

Leia mais

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho Publicado em DR I.ª Série n.º 129 de 9 de Julho AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho ASSUNTO: AQUISIÇÃO OU AUMENTO DE PARTICIPAÇÕES QUALIFICADAS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Havendo a necessidade de se adequar

Leia mais

Comunicado Cetip n 007/2015 16 de janeiro de 2015

Comunicado Cetip n 007/2015 16 de janeiro de 2015 Comunicado Cetip n 007/2015 16 de janeiro de 2015 Assunto: Leilão de Alienação de Direitos Sobre Créditos Acumulados de ICMS Módulo de Negociação por Leilão Cetip Net Plataforma Eletrônica. O diretor-presidente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31/2012

RESOLUÇÃO Nº 31/2012 RESOLUÇÃO Nº 31/2012 Fixa normas e condições de afastamento de docentes da UFES para aperfeiçoamento em instituições nacionais ou estrangeiras em nível de pósgraduação de natureza presencial. O CONSELHO

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA OHL BRASIL PARTICIPAÇÕES EM INFRA-ESTRUTURA LTDA. POR OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA OHL BRASIL PARTICIPAÇÕES EM INFRA-ESTRUTURA LTDA. POR OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA OHL BRASIL PARTICIPAÇÕES EM INFRA-ESTRUTURA LTDA. POR OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. Por este instrumento, OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A., companhia aberta

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix I - Do Objeto e suas finalidades Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59, de 28.06.80 - DCN de 03 de julho de 1980

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59, de 28.06.80 - DCN de 03 de julho de 1980 Convênio sobre Transportes Marítimos entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da China Assinado em 22 de maio de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59,

Leia mais

II. MESA: Presidente: Paulo Roberto Lopes Ricci Secretário: Luiz Cláudio Ligabue

II. MESA: Presidente: Paulo Roberto Lopes Ricci Secretário: Luiz Cláudio Ligabue BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. (subsidiária integral do Banco do Brasil S.A.) ATA DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA REALIZADA EM 31 DE DEZEMBRO DE 2012 I. DATA, HORA E LOCAL: Em 31 de dezembro de 2012

Leia mais

VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. CNPJ/MF n.º 64.571.414/0001-64 NIRE 35.300.338.421 AVISO AOS ACIONISTAS

VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. CNPJ/MF n.º 64.571.414/0001-64 NIRE 35.300.338.421 AVISO AOS ACIONISTAS VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. CNPJ/MF n.º 64.571.414/0001-64 NIRE 35.300.338.421 AVISO AOS ACIONISTAS Nos termos do artigo 157, parágrafo 4º da Lei n.º 6.404, de 15 de dezembro de 1976, conforme

Leia mais

CIRCULAR SUACIEF nº 013/2012 Em 11 de abril de 2012. Assunto Sobre a autorização de impressão de NF para Micro Empreendedor Individual - MEI.

CIRCULAR SUACIEF nº 013/2012 Em 11 de abril de 2012. Assunto Sobre a autorização de impressão de NF para Micro Empreendedor Individual - MEI. CIRCULAR SUACIEF nº 013/2012 Em 11 de abril de 2012 Assunto Sobre a autorização de impressão de NF para Micro Empreendedor Individual - MEI. Senhor Inspetor, Em reunião da qual participei hoje e onde estavam

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx

América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx América Latina en la Historia Económica. Revista de Investigación ISSN: 1405-2253 alhe@mora.edu.mx Instituto de Investigaciones Dr. José María Luis Mora México da Silva Almico, Rita de Cássia Carlos Gabriel

Leia mais