CÓDIGO DE PRÁTICA PARA CARREGAMENTO E DESCARREGAMENTO SEGUROS DE GRANELEIROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÓDIGO DE PRÁTICA PARA CARREGAMENTO E DESCARREGAMENTO SEGUROS DE GRANELEIROS"

Transcrição

1 CÓDIGO DE PRÁTICA PARA CARREGAMENTO E DESCARREGAMENTO SEGUROS DE GRANELEIROS O texto, no anexo da Resolução A.862(20) é uma consolidação do Código BLU, que inclui a sua única emenda, adotada pela Resolução MSC.238(82) que entrou em vigor em 01/01/2007.

2 RESOLUÇÃO A.862(20) Adotada em 27 de Novembro de 1997 CÓDIGO DE PRÁTICA PARA CARREGAMENTO E DESCARREGAMENTO SEGUROS DE GRANELEIROS A ASSEMBLÉIA, RELEMBRANDO o Artigo 15(j) da Convenção sobre a Organização Marítima Internacional relativo às atribuições da Assembléia com relação às regras e diretrizes referentes à segurança marítima, RELEMBRANDO AINDA que, através das Resoluções A.713(17) e A.797(19), adotou medidas para aumentar a segurança de navios que transportam cargas sólidas a granel, RELEMBRANDO TAMBÉM que, ao adotar a Resolução A.797(19), solicitou ao Comitê de Segurança Marítima que realizasse, com elevada prioridade, o seu trabalho sobre a segurança de navios que transportam cargas sólidas a granel e que elaborasse, logo que possível, as exigências e recomendações abrangendo padrões de sobrevivência, padrões de projeto e construção, administração e formação, padrões operacionais e as exigências relativas às vistorias e aos aspectos referentes à interface navio/terra, OBSERVANDO que, através da Resolução MSC.47(66), o Comitê de Segurança Marítima, em sua sexagésima sexta sessão, adotou emendas à Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar (SOLAS), 1974, para incluir uma Regra 7 revista do Capítulo VI tratando do carregamento e descarregamento de carga a granel, OBSERVANDO AINDA a aprovação pelo Comitê de Segurança Marítima, em sua sexagésima sexta sessão, da MSC/Circ.743 sobre as comunicações entre administrações marítimas e autoridades portuárias, através da qual os Governos em cujos territórios estiverem localizados terminais de carregamento e descarregamento de carga sólida a granel são convidados a introduzir regulamentos portuários que estejam de acordo com o parágrafo 5 operativo daquela circular, ESTANDO PREOCUPADA com a contínua perda de navios transportando cargas sólidas a granel, algumas vezes sem deixar vestígios, e com a grande perda de vidas sofrida, TENDO EM MENTE que diversos acidentes ocorreram em decorrência do carregamento e do descarregamento inadequados de graneleiros e que a elaboração de procedimentos para carregamento e descarregamento seguros pode impedir que estes acidentes ocorram no futuro, 2

3 RECONHECENDO a necessidade de aumentar a segurança no carregamento e no descarregamento de graneleiros, RECONHECENDO AINDA que esta melhoria pode ser obtida através da criação de um código de prática para o carregamento e descarregamento seguro de graneleiros, ACREDITANDO que a utilização de tal código de prática segura melhoraria a segurança marítima, TENDO CONSIDERADO a recomendação feita pelo Comitê de Segurança Marítima em suas sexagésima sexta e sexagésima oitava sessões, 1. ADOTA o Código de Prática para Carregamento e Descarregamento Seguros de Graneleiros, apresentado no Anexo da presente Resolução; 2 RECOMENDA aos Governos que implementem este Código na primeira oportunidade e que informem à IMO qualquer não-conformidade; 3 RECOMENDA AINDA aos Governos em cujos territórios estejam localizados terminais de carregamento e descarregamento de carga sólida a granel que introduzam regulamentos portuários no sentido de que:.1 seja exigido que os operadores de terminais cumpram os códigos e as recomendações pertinentes da IMO sobre a cooperação entre os navios e o porto;.2 seja exigido que os operadores de terminais designem um representante do terminal, como estipulado na seção 1.6 do Anexo da Resolução A.797(19);.3 o Comandante seja sempre responsável pelo carregamento e descarregamento do navio com segurança, cujos detalhes devem ser confirmados com o operador do terminal sob a forma de um plano de carregamento ou descarregamento acordado;.4 no caso de não-conformidade com os planos de carregamento ou descarregamento acordados, ou em qualquer outra situação que coloque em perigo a segurança do navio, o Comandante tenha o direito de parar o carregamento ou o descarregamento; e.5 as autoridades portuárias tenham o direito de parar o carregamento ou o descarregamento de cargas sólidas a granel quando a segurança do navio que transporta tais cargas estiver em perigo. 3

4 4 SOLICITA ao Comitê de Segurança Marítima que mantenha este Código sob exame e que o emende, como for necessário; 5. REVOGA a MSC/Circ.690 e a DSC/Circ.3. ANEXO CÓDIGO DE PRÁTICA PARA CARREGAMENTO E DESCARREGAMENTO SEGUROS DE GRANELEIROS Sumário Introdução Seção 1 - Definições Seção 2 - Adequabilidade de navios e terminais Seção 3 - Procedimentos entre o navio e a terminal antes da chegada do navio Seção 4 - Procedimentos entre o navio e o terminal antes do manuseio da carga Seção 5 - Carregamento da carga e manuseio do lastro Seção 6 - Descarregamento da carga e manuseio do lastro Apêndice 1 - Sumário recomendado para os folhetos de informações sobre o porto e o terminal Apêndice 2 - Plano de carregamento ou descarregamento Apêndice 3 - Lista de verificação de segurança navio/terminal Apêndice 4 - Diretrizes para o preenchimento da lista de verificação de segurança navio/terminal Apêndice 5 - Modelo para as informações sobre a carga 4

5 Introdução 1 Este Código de Prática para Carregamento e Descarregamento Seguros de Graneleiros foi elaborado pela Organização Marítima Internacional para reduzir ao mínimo as perdas de graneleiros. 2 O propósito do Código é ajudar as pessoas responsáveis pelo carregamento ou descarregamento com segurança de graneleiros a desempenhar as suas funções e promover a segurança dos graneleiros. 3 O Código abrange primordialmente a segurança dos navios que carregam e descarregam cargas sólidas a granel e reflete questões atuais, as melhores práticas e as exigências legais. Questões mais amplas relativas à segurança e à poluição, tais como as abrangidas pela SOLAS, MARPOL e Convenções de Linhas de Carga, não estão especificamente contidas no Código. 4 As recomendações deste Código fornecem uma orientação aos armadores, Comandantes, embarcadores, operadores de graneleiros, afretadores e operadores de terminais para o manuseio, carregamento e descarregamento com segurança de cargas sólidas a granel. As recomendações estão sujeitas às exigências do terminal e do porto, ou a regras nacionais. As pessoas responsáveis pelo carregamento ou descarregamento de graneleiros também devem estar cientes destas regras e exigências. 5 Os Comandantes e os terminais que estiverem carregando ou descarregando cargas sólidas a granel que ofereçam riscos químicos devem consultar também os Capítulos II-2 e VII da SOLAS e a MSC/Circ.675 (Recomendações sobre o Transporte Seguro de Cargas Perigosas e Atividades Correlatas em Áreas Portuárias). 6 As exigências de cada terminal e de cada autoridade portuária devem estar publicadas nos livretes de informações do terminal e do porto. Os tipos de informações normalmente fornecidas nesses livretes estão relacionados no apêndice 1. Os livretes devem ser dados aos Comandantes dos navios, quando possível, antes da chegada a um porto ou terminal, ou na chegada. 7 É recomendado que uma cópia deste Código seja disponibilizada para todo navio, afretador e terminal de carregamento ou descarregamento de granéis, de modo que as recomendações sobre os procedimentos operacionais estejam rapidamente acessíveis e que as respectivas responsabilidades sejam identificadas. 8 Na eventualidade de um conflito entre este Código e o Código Internacional para o Transporte Seguro de Grãos a Granel (Código Internacional de Grãos), devem prevalecer as disposições do Código Internacional de Grãos. 5

6 SEÇÃO 1 DEFINIÇÕES Para os efeitos deste Código, adotam-se as seguintes definições: 1.1 Calado aéreo significa a distância vertical da superfície da água até o ponto mais alto do mastro ou da antena. 1.2 Mínero-petroleiro (OBO ou O/O) significa um navio cujo projeto é semelhante ao de um graneleiro convencional, mas que é equipado com canalizações, bombas e instalação de gás inerte, de modo a possibilitar o transporte de cargas de óleo em espaços designados para isto. 1.3 Sistema transportador significa todo o sistema para a entrega da carga, do local de armazenagem em terra, ou do ponto de recebimento, até o navio. 1.4 Trabalho a quente significa a utilização de fogo e de chamas desprotegidas, ferramentas elétricas ou rebites quentes, esmerilhamento, solda com maçarico, combustão, corte, solda elétrica ou qualquer outro trabalho de reparo que envolva calor ou que gere centelhas, que possa levar a um risco devido à presença ou à proximidade de uma atmosfera inflamável. 1.5 Luzes indicadoras de adernamento significa luzes, visíveis no convés, que acendem para mostrar que um navio está adernando. 1.6 Comandante significa o Comandante do navio ou um oficial do navio designado pelo Comandante. 1.7 Lote significa a quantidade de carga despejada através da abertura de uma escotilha como uma etapa do plano de carregamento, isto é, do momento em que a dala do carregador é posicionada sobre a abertura de uma escotilha até que seja movimentada para a abertura de outra escotilha. 1.8 Representante do terminal significa uma pessoa designada pelo terminal, ou por outra instalação na qual o navio esteja carregando ou descarregando, a quem cabe a responsabilidade pelas operações realizadas por aquele terminal, ou por aquela instalação, com relação àquele navio específico. 1.9 Rechego (carregando a carga) é o nivelamento parcial ou total da carga no interior dos porões, por meio de dalas ou de calhas de carregamento, máquinas portáteis, equipamentos ou trabalho manual Rechego (descarregando a carga) é a arrumação, por meio de pás ou de vassouras, de quantidades menores da carga existente nos porões por meios mecânicos (tais como pás mecânicas), ou por outros meios, para colocá-las numa posição conveniente para a descarga. 6

7 1.11 Trimar (o navio) é o acréscimo, a retirada ou a transferência de peso num navio para obter os calados necessários a vante e a ré. 7

8 SEÇÃO 2 ADEQUABILIDADE DE NAVIOS E TERMINAIS 2.1 Generalidades Todos os navios designados para carregamento devem possuir a certificação regulamentar adequada e válida, inclusive, se exigido, o documento de conformidade 1 para navios que transportam cargas sólidas perigosas a granel. É recomendado que o período de validade dos certificados do navio seja suficiente para que eles continuem válidos durante os tempos de carregamento, viagem e descarregamento, mais uma reserva para compensar atrasos na atracação, mau tempo ou ambos O armador, administrador ou operador do navio, quando oferecendo um navio para uma determinada carga ou para um determinado serviço, deve assegurar que o navio:.1 esteja mantido em boas condições e capaz de suportar o mar;.2 tenha a bordo uma tripulação devidamente habilitada;.3 tenha a bordo pelo menos um oficial proficiente nos idiomas utilizados tanto nos portos de carregamento como nos de descarregamento, ou tenha um oficial que seja proficiente no idioma inglês; e.4 esteja livre de defeitos que possam prejudicar a segurança da navegação, o carregamento ou o descarregamento do navio É essencial que um navio contratado para transportar uma carga sólida a granel seja adequado para o propósito pretendido, levando em conta os terminais em que irá carregar ou descarregar O afretador e o embarcador, ao aceitar um navio para uma determinada carga ou para um determinado serviço, devem assegurar-se de que o navio:.1 seja adequado para ter acesso às instalações de carregamento ou descarregamento planejadas; e.2 não possua equipamentos de manuseio de carga que possam restringir a segurança das operações de carregamento ou descarregamento. 2.2 Navios Os navios designados para carregamento de carga a granel devem ser adequados para a carga pretendida. Os navios adequados devem ser:.1 estanques ao tempo e eficientes em todos os aspectos para todos os perigos normais do mar e da viagem pretendida; 1 Aplicável a navios construídos em 1 de Setembro de 1984 ou depois. 8

9 .2 dotados de um livrete de estabilidade e de carregamento aprovado, escrito num idioma compreendido pelos oficiais do navio envolvidos e utilizando expressões e abreviações padrão. Se o idioma não for inglês, nem francês, nem espanhol, deve conter uma tradução para um destes idiomas;.3 dotados de escotilhas com aberturas de tamanho suficiente para permitir que a carga seja carregada, armazenada e descarregada satisfatoriamente; e.4 dotados dos números de identificação de escotilhas utilizados no manual de carregamento e no plano de carregamento ou descarregamento. A localização, o tamanho e a cor destes números devem ser escolhidos de modo que sejam claramente visíveis pelo operador do equipamento de carregamento ou descarregamento É recomendado que todos os navios dos quais seja exigido que façam cálculos de esforço devam ter a bordo um instrumento de carregamento aprovado, para o cálculo rápido desses esforços Todas as máquinas de propulsão e auxiliares devem estar em boas condições de funcionamento. Os equipamentos de convés relacionados com as operações de amarração e de atracação, inclusive âncoras, cabos, espias de amarração, cabos de reboque e guinchos devem estar em boas condições de funcionamento Todas as escotilhas, sistemas de operação das escotilhas e dispositivos de segurança devem estar em boas condições de funcionamento e só devem ser utilizados para a finalidade a que se destinam As luzes indicadoras de adernamento, se houver, devem ser testadas antes do carregamento ou do descarregamento e devem estar funcionando Os equipamentos de manuseio de carga do próprio navio devem estar adequadamente certificados e mantidos, e só devem ser utilizados sob a supervisão geral de pessoal do navio adequadamente qualificado. 2.3 Terminais Os operadores dos terminais devem assegurar-se de só aceitarem navios que possam atracar com segurança em suas instalações, levando em consideração questões como:.1 profundidade da água junto ao cais;.2 tamanho máximo do navio;.3 dispositivos de amarração;.4 defensas;.5 acesso seguro; e 9

10 .6 obstáculos às operações de carregamento/ descarregamento Os equipamentos do terminal devem estar apropriadamente certificados e mantidos, de acordo com as regras e/ou normas nacionais relevantes, e só devem ser operados por pessoas devidamente qualificadas e, se apropriado, certificadas Quando houver equipamentos de pesagem automática, estes devem ser aferidos a intervalos regulares O pessoal do terminal deve ser formado em todos os aspectos do carregamento e descarregamento de graneleiros com segurança, de maneira compatível com as suas responsabilidades A formação deve destinar-se a proporcionar familiaridade com os riscos em geral relativos ao carregamento, descarregamento e transporte de cargas a granel e aos efeitos adversos que operações inadequadas com a carga possam exercer sobre a segurança do navio Os operadores do terminal devem assegurar que o pessoal envolvido nas operações de carregamento e descarregamento tenha o devido descanso, para evitar cansaço. 10

11 SEÇÃO 3 PROCEDIMENTOS ENTRE O NAVIO E O TERMINAL ANTES DA CHEGADA DO NAVIO 3.1 Troca de informações: Generalidades É importante que sejam fornecidas ao navio informações sobre o terminal, de modo que o carregamento ou o descarregamento possa ser planejado. Da mesma forma, o terminal precisará de informações sobre o navio, para permitir que sejam feitos preparativos para carregá-lo ou descarregálo. É importante que as informações sejam trocadas com uma antecedência suficiente para permitir que os preparativos sejam feitos Antes de ter início o carregamento, deve haver um acordo entre o Comandante e o representante do terminal quanto à razão de carregamento e à ordem em que a carga deve ser distribuída, de modo a cumprir o plano de carregamento final. De uma maneira geral, este acordo deve basear-se em uma ou mais das seguintes opções:.1 as limitações ou restrições quanto aos procedimentos de carregamento, se estas estiverem especificadas no manual de carregamento do navio ou no livrete de trim e estabilidade, ou em ambos;.2 se não existirem as restrições mencionadas em.1, e se o navio tiver um instrumento de carregamento que tenha sido aprovado, o plano de carregamento deve ser elaborado com base no instrumento e deve haver um protocolo em vigor, de modo que o carregamento continue sempre dentro dos limites aprovados de esforços do navio; e/ou.3 se nem.1 nem.2 puderem ser atendidos, deve ser seguido então um procedimento conservador Devem ser fornecidos os detalhes de quaisquer reparos necessários que possam atrasar a atracação, o início do carregamento ou do descarregamento, ou que possam atrasar a saída do navio após o termino do carregamento ou do descarregamento O Comandante deve assegurar-se de que receba do embarcador da carga pretendida os detalhes sobre a natureza da carga exigidos pelo Capítulo VI da SOLAS 1974, como emendada 2. Quando forem necessários outros detalhes, tais como rechego da carga ou medição contínua da água na carga, etc., o Comandante deve informar ao terminal. 2 o modelo para informações sobre a carga que é apresentado no apêndice 5. 11

12 3.2 Informações fornecidas pelo navio ao terminal Para planejar a disposição apropriada e a disponibilidade da carga, de modo a atender ao plano de carregamento do navio, devem ser fornecidas as seguintes informações ao terminal que fará o carregamento:.1 A hora estimada de chegada do navio (ETA) ao largo do porto, o mais cedo possível. Esta informação deve ser atualizada como for apropriado..2 Por ocasião da informação inicial do ETA, o navio deve fornecer também detalhes relativos ao seguinte:.2.1 nome, indicativo de chamada, Número IMO do navio, seu Estado da bandeira e porto de registro;.2.2 um plano de carregamento informando a quantidade de carga necessária, a armazenagem por escotilha, a ordem de carregamento e a quantidade a ser carregada em cada lote, desde que o navio possua informações suficientes para elaborar tal plano;.2.3 calados na chegada e calado proposto para a partida;.2.4 tempo necessário para retirar o lastro;.2.5 comprimento total do navio, a boca e o comprimento da área de carga, da braçola de vante da escotilha mais de vante até a braçola de ré da escotilha mais de ré em que será carregada a carga, ou da qual será retirada a carga;.2.6 distância da linha d água à primeira escotilha a ser carregada ou descarregada e a distância do costado do navio à abertura da escotilha;.2.7 localização da escada de portaló do navio;.2.8 calado aéreo;.2.9 detalhes e capacidades dos aparelhos do navio para manuseio de carga;.2.10 número e tipo das espias de amarração; e.2.11 qualquer outro item relativo ao navio que seja solicitado pelo terminal..3 Para os terminais de descarregamento são necessárias informações semelhantes, com relação ao ETA, ao plano de descarregamento e aos detalhes do navio Os navios que chegam aos terminais de carregamento ou descarregamento em condições de parcialmente carregados devem informar também:.1 deslocamento e calados no momento da atracação; 12

13 .2 porto de carregamento ou de descarregamento anterior..3 natureza e armazenagem da carga já a bordo e, quando houver a bordo carga perigosa a granel, o nome do material, a Classe IMO e o Número ONU ou o Número BC..4 distribuição da carga a bordo, indicando a que deverá ser descarregada e a que deverá permanecer a bordo Os mínero-petroleiros (OBO ou O/O) devem fornecer as seguintes informações adicionais:.1 natureza das três cargas anteriores;.2 data e local em que foi descarregada a última carga de óleo;.3 informações quanto ao conteúdo dos tanques de resíduos e se estes tanques foram tornados totalmente inertes e vedados; e.4 data, local e nome da autoridade que emitiu o último certificado de desgaseificação que abranja as canalizações e as bombas Logo que possível, o navio deve confirmar que todos os porões em que a carga deverá ser carregada estão limpos e livres de resíduos da carga anterior que, em combinação com a carga a ser carregada, possa criar um risco As informações sobre o plano de carregamento ou descarregamento, e sobre os calados planejados para a chegada e para a partida, devem ser continuamente atualizadas e transmitidas ao terminal à medida em que as circunstâncias mudarem. 3.3 Informações prestadas pelo terminal ao navio Ao receber a informação inicial do ETA do navio, o terminal deve fornecer ao navio as seguintes informações, logo que possível:.1 nome do cais em que será realizado o carregamento ou o descarregamento e as horas estimadas para a atracação e para o término do carregamento ou do descarregamento;.2 características dos equipamentos de carregamento ou descarregamento, inclusive a razão nominal de carregamento ou descarregamento do terminal e o número de unidades de carregamento ou descarregamento a serem utilizadas; 3 Deve-se referir ao capítulo sobre minero-petroleiros no Guia Internacional para Petroleiros e Terminais (ISGOTT) e, em especial, à seção sobre as listas de verificação relativas à substituição total da carga e à seção sobre descarga de carga a granel. 13

14 .3 características do cais ou do píer de que o Comandante pode precisar ter conhecimento, inclusive a localização de obstáculos fixos e móveis, defensas, cabeços e dispositivos de amarração;.4 profundidade mínima junto ao cais e nos canais de acesso ou de saída;.5 densidade da água junto ao cais;.6 distância máxima entre a linha d água e a parte superior das tampas ou das braçolas das escotilhas de carga, a que for pertinente para a operação de carregamento, e o calado aéreo máximo;.7 dispositivos para as pranchas e para o acesso ao navio;.8 qual bordo do navio deverá ficar voltado para o cais;.9 velocidade máxima de aproximação ao cais permitida e disponibilidade de rebocadores, seu tipo e potência de tração;.10 a seqüência de carregamento para diversas parcelas de carga e quaisquer outras restrições se não for possível receber a carga em qualquer seqüência ou em qualquer porão que seja conveniente para o navio;.11 quaisquer propriedades da carga a ser carregada que possam representar um risco quando colocada em contato com a carga ou resíduos existentes a bordo;.12 informações antecipadas sobre as operações de manuseio da carga planejadas ou alterações nos planos de manuseio da carga existentes;.13 se os equipamentos de carregamento ou descarregamento do terminal são fixos, ou se há qualquer limite para os seus movimentos;.14 espias necessárias para a amarração;.15 alerta sobre dispositivos de amarração não usuais;.16 quaisquer restrições com relação à retirada de lastro;.17 calado máximo para navegação permitido pela autoridade portuária; e.18 quaisquer outros itens relativos ao terminal, solicitados pelo Comandante As informações sobre as horas estimadas de atracação e de partida e sobre a profundidade mínima da água junto ao cais devem ser continuamente atualizadas e transmitidas ao Comandante por ocasião do recebimento das sucessivas informações sobre o ETA. 14

15 3.3.3 O representante do terminal deve estar convencido de que o navio recebeu o mais cedo possível as informações contidas na declaração de carga, como exigido pelo Capítulo VI da SOLAS 1974, como emendada. 15

16 SEÇÃO 4 PROCEDIMENTOS ENTRE O NAVIO E O TERMINAL ANTES DO MANUSEIO DA CARGA 4.1 Princípios O Comandante é sempre responsável pelo carregamento e descarregamento do navio com segurança, cujos detalhes devem ser confirmados ao representante do terminal sob a forma de um plano de carregamento ou descarregamento. Além disto, o Comandante deve:.1 assegurar que a lista de verificação constante do apêndice 3 seja preenchida mediante consulta ao terminal, antes de iniciar o carregamento ou o descarregamento;.2 assegurar que o carregamento ou o descarregamento da carga e a descarga ou a admissão de água de lastro estejam sob o controle do oficial do navio encarregado;.3 assegurar que a disposição da carga e da água de lastro seja monitorada durante todo o processo de carregamento ou descarregamento, para assegurar que a estrutura do navio não sofra esforços excessivos;.4 assegurar que o representante do terminal fique ciente das necessidades de harmonização entre as razões de retirada do lastro e de carregamento da carga para o seu navio;.5 assegurar que a água de lastro seja descarregada em razões que estejam de acordo com o plano de carregamento acordado e que não cause um alagamento do cais nem das embarcações vizinhas;.6 manter a bordo oficiais e tripulação suficientes para atender ao ajuste das espias de amarração, ou para qualquer situação normal ou de emergência, tendo em mente a necessidade da tripulação ter períodos de descanso suficientes para evitar o cansaço;.7 assegurar que os planos de carregamento ou descarregamento tenham sido transmitidos e acordados com o representante do terminal;.8 assegurar que o representante do terminal fique ciente da necessidade de arrumação da carga;.9 assegurar que as informações adequadas sobre a carga a ser carregada (apêndice 5) tenham sido recebidas, para permitir que se obtenha uma armazenagem e um transporte seguros;.10 assegurar que haja um acordo entre o navio e a terra quanto à medida a ser tomada em caso de chuva, ou de outra mudança nas condições do tempo, quando a natureza da carga puder oferecer risco em caso de tal mudança; e 16

17 .11 assegurar que nenhum trabalho a quente seja realizado a bordo do navio enquanto o navio estiver atracado ao cais, exceto com a permissão do representante do terminal e de acordo com quaisquer exigências da administração do porto O representante do terminal é responsável por carregar e descarregar a carga de acordo com a seqüência de escotilhas e com as arqueações apresentadas no plano de carregamento ou descarregamento do navio. Além disto, o representante do terminal deve:.1 preencher a lista de verificação apresentada no apêndice 3, consultando o Comandante, antes de ter início o carregamento ou o descarregamento;.2 não se desviar do plano de carregamento ou de descarregamento, a menos que tenha anteriormente consultado e obtida a aprovação do Comandante;.3 rechegar a carga, quando carregando ou descarregando, de acordo com as exigências do Comandante;.4 manter um registro do peso e da disposição da carga carregada ou descarregada e assegurar que os pesos no porão não divirjam do plano;.5 fornecer ao Comandante os nomes e os procedimentos para contatar o pessoal do terminal ou o agente do embarcador que terá a responsabilidade pela operação de carregamento ou descarregamento e com quem o Comandante manterá contato;.6 evitar danos ao navio causados pelos equipamentos de carregamento ou descarregamento e informar ao Comandante se ocorrer algum dano;.7 assegurar que não seja feito nenhum trabalho a quente a bordo ou nas proximidades do navio enquanto o navio estiver atracado ao cais, exceto com a permissão do Comandante e de acordo com quaisquer exigências da administração do porto; e.8 assegurar que em todas as etapas haja um acordo entre o Comandante e o representante do terminal com relação a todos os aspectos da operação de carregamento ou descarregamento. 4.2 Procedimentos Os procedimentos a seguir são considerados importantes com relação ao carregamento da carga:.1 o Comandante e o representante do terminal devem indicar a sua aprovação ao plano de carregamento, antes do início do carregamento, assinando o plano nos espaços existentes: 17

18 .2 o Comandante deve informar, no plano de carregamento acordado, a ordem em que os porões devem ser carregados, o peso de cada lote, o peso total em cada porão e a quantidade de carga para a finalidade de ajustar o trim da embarcação, se necessário;.3 o representante do terminal, ao receber o plano de carregamento inicial do navio (ver 3.2.1), deve informar ao Comandante a razão nominal de carregamento na qual o navio pode esperar receber a carga e o tempo necessário estimado para terminar cada lote;.4 quando não for possível para o navio descarregar totalmente a sua água de lastro antes de chegar à etapa de ajustar o trim no processo de carregamento, o Comandante e o representante do terminal devem chegar a um acordo com relação aos momentos em que o carregamento pode precisar ser interrompido e a duração dessas interrupções;.5 o plano de carregamento deve ser elaborado de modo a assegurar que todas as razões de bombeamento de lastro e de carregamento sejam cuidadosamente consideradas para evitar esforços excessivos ao casco;.6 as quantidades de carga necessárias para obter o calado e o trim de partida devem prever toda a carga a ser escoada do sistema transportador do terminal, que deverá estar vazio ao término de um carregamento. O representante do terminal deve informar ao Comandante a tonelagem nominal contida no seu sistema transportador e quaisquer necessidades para esvaziar o sistema transportador ao término do carregamento; e.7 os dispositivos de comunicação entre o navio e o terminal devem ser capazes de responder às solicitações de informações sobre o processo de carregamento e de atender prontamente caso o Comandante ou o representante do terminal determine que o carregamento seja interrompido. Deve-se ter atenção à disposição da carga no sistema transportador e ao tempo de reação em caso de uma parada de emergência Os procedimentos a seguir são considerados importantes com relação ao descarregamento da carga:.1 o representante do terminal, ao propor ou ao aceitar o plano de descarregamento inicial, deve informar ao Comandante a razão nominal de descarregamento e o tempo necessário estimado para cada etapa da descarga;.2 o Comandante deve informar a ordem dos porões e o peso a ser descarregado em cada etapa da descarga; 18

19 .3 o representante do terminal deve dar ao navio um aviso com antecedência máxima, quando pretender aumentar ou reduzir o número de unidades de descarregamento utilizadas; e.4 os dispositivos de comunicação entre o navio e o terminal devem ser capazes de responder às solicitações de informações sobre o processo de descarregamento e de atender prontamente caso o Comandante determine que o descarregamento seja interrompido. 4.3 Implementação O plano de carregamento ou descarregamento deve ser elaborado num modelo como o apresentado no apêndice 2. Exemplos preenchidos daquele modelo são apresentados também no apêndice 2. Pode ser utilizado um modelo diferente, desde que contenha as informações essenciais para atender às exigências deste Código. As informações mínimas para esta finalidade são aquelas contidas no quadrado feito com linhas grossas no modelo apresentado como amostra O plano de carregamento ou descarregamento só deve ser alterado quando um plano revisto tiver sido elaborado, aceito e assinado por ambas as partes. Os planos de carregamento devem ser mantidos pelo navio e pelo terminal por um período de seis meses Uma cópia do plano de carregamento ou descarregamento acordado e quaisquer alterações posteriores devem ser apresentadas à autoridade adequada do Estado do porto. 19

20 SEÇÃO 5 CARREGAMENTO DA CARGA E MANUSEIO DO LASTRO 5.1 Generalidades Quando o plano de carregamento da carga for acordado, o Comandante e o representante do terminal devem confirmar o método das operações com a carga para assegurar que o casco, a parte superior do tanque e as estruturas a eles associadas não sofram esforços excessivos, e trocar informações para evitar qualquer dano estrutural ao navio causado pelos equipamentos de manuseio de carga O representante do terminal deve alertar o Comandante quando a carga for pesada, ou quando a carga de cada escavadeira for grande, de que poderá haver impactos de grande altura e localizados na estrutura do navio, até que a parte superior do tanque esteja totalmente coberta pela carga, principalmente quando forem permitidas quedas livres de grande altura. Como estes impactos podem causar danos estruturais, deve ser tomado um cuidado especial no início da operação de carregamento em cada porão de carga Deve ser mantido sempre um monitoramento da operação de manuseio da carga e mantidas comunicações eficazes entre o terminal e o navio, principalmente durante o ajuste final do trim do navio Quaisquer necessidades com relação à arrumação da carga devem estar de acordo com os procedimentos do Código de Procedimentos Seguros para Cargas Sólidas a Granel, da IMO (Código BC), ou do Código Internacional de Grãos, como apropriado Para monitorar efetivamente o andamento da operação de carregamento da carga, é essencial que tanto o Comandante como o representante do terminal tenham informações rapidamente acessíveis sobre a quantidade total carregada, bem como sobre as quantidades por lote Ao término do carregamento, o Comandante e o representante do terminal devem concordar por escrito que o navio foi carregado de acordo com o plano de carregamento, inclusive com quaisquer alterações acordadas. 5.2 Deveres do navio O Comandante deve informar ao representante do terminal qualquer alteração do plano de retirada de lastro, ou qualquer outra questão que possa afetar o carregamento da carga. 20

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

MARPOL 73/78 ANEXO III REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS DANOSAS TRANSPORTADAS POR MAR SOB A FORMA DE EMBALAGENS

MARPOL 73/78 ANEXO III REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS DANOSAS TRANSPORTADAS POR MAR SOB A FORMA DE EMBALAGENS MARPOL 73/78 ANEXO III REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS DANOSAS TRANSPORTADAS POR MAR SOB A FORMA DE EMBALAGENS Regra 1 Aplicação 1 A menos que expressamente disposto em contrário, as

Leia mais

MARPOL 73/78 ANEXO III REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS DANOSAS TRANSPORTADAS POR MAR SOB A FORMA DE EMBALAGENS

MARPOL 73/78 ANEXO III REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS DANOSAS TRANSPORTADAS POR MAR SOB A FORMA DE EMBALAGENS MARPOL 73/78 ANEXO III REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS DANOSAS TRANSPORTADAS POR MAR SOB A FORMA DE EMBALAGENS Regra 1 Aplicação 1 A menos que expressamente disposto em contrário, as

Leia mais

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código.

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código. PREÂMBULO 1 O propósito deste Código é estabelecer um padrão internacional para a operação e gerenciamento seguros de navios e para a prevenção da poluição. 2 A Assembleia adotou a Resolução A.443(XI),

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS TERMO DE REFERÊNCIA PARA OS ESTUDOS DE AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA DAS INSTALAÇÕES PORTUÁRIAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 IDENTIFICAÇÃO 3- CARACTERIZAÇÃO DA INSTALAÇÃO PORTUÁRIA 4 - PLANO DE TRABALHO 4.1 - CONHECIMENTO

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE

REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE Assunto página 1. Normas Aplicáveis 2 2. Tipo de Carga 2 3. Embarcações Excluídas 2 4. Estabilidade 2

Leia mais

1 - O novo capítulo IX que se segue é adicionado ao anexo: «CAPÍTULO IX Gestão para a exploração segura dos navios. Regra 1 Definições

1 - O novo capítulo IX que se segue é adicionado ao anexo: «CAPÍTULO IX Gestão para a exploração segura dos navios. Regra 1 Definições Decreto n.º 21/98 Emendas ao anexo da Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS 74), adoptadas pela Conferência SOLAS 1994, que se referem à introdução dos novos capítulos

Leia mais

Certificados de Capacidade dos Pescadores

Certificados de Capacidade dos Pescadores 1 CONVENÇÃO N. 125 Certificados de Capacidade dos Pescadores I Aprovada na 50ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1966), entrou em vigor no plano internacional em 15.7.69. II Dados

Leia mais

Marinha do Brasil Diretoria de Portos e Costas

Marinha do Brasil Diretoria de Portos e Costas Diretrizes para o Controle e Gerenciamento da Água de Lastro dos Navios, para Minimizar a Transferência de Organismos Aquáticos Nocivos e Agentes Patogênicos Resolução A.868(20)-IMO Marinha do Brasil Diretoria

Leia mais

MARPOL 73/78 ANEXO II REGRAS PARA O CONTROLE DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS LÍQUIDAS NOCIVAS A GRANEL. Capítulo 1 Generalidades

MARPOL 73/78 ANEXO II REGRAS PARA O CONTROLE DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS LÍQUIDAS NOCIVAS A GRANEL. Capítulo 1 Generalidades MARPOL 73/78 ANEXO II REGRAS PARA O CONTROLE DA POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS LÍQUIDAS NOCIVAS A GRANEL Capítulo 1 Generalidades Para os efeitos deste Anexo: Regra 1 Definições 1 Data de aniversário significa

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº. 116.2013, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE LAVAGEM DE PORÕES DE NAVIOS GRANELEIROS NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS O DIRETOR-PRESIDENTE DA

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO Emendas de 2014 à Convenção do Trabalho Marítimo, 2006 Aprovada pela Conferência na sua centésima trigésima sessão, Genebra, 11 de junho de 2014 Tradução não oficial

Leia mais

PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000

PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000 PROTOCOLO SOBRE PREPARO, RESPOSTA E COOPERAÇÃO PARA INCIDENTES DE POLUIÇÃO POR SUBSTÂNCIAS POTENCIALMENTE PERIGOSAS E NOCIVAS, 2000 AS PARTES DO PRESENTE PROTOCOLO, SENDO PARTES da Convenção Internacional

Leia mais

Segurança no Trabalho com Produtos Químicos

Segurança no Trabalho com Produtos Químicos 1 CONVENÇÃO N. 170 Segurança no Trabalho com Produtos Químicos I Aprovada na 77a reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1990), entrou em vigor no plano internacional em 4.11.83. II Dados

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 348, DE 2007 (MENSAGEM N o 437, de 2006) Aprova o texto consolidado da Convenção Internacional para a Prevenção

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções

Tobogã com Escalada Mega. Manual de instruções Tobogã com Escalada Mega Manual de instruções Código do produto: MT.10812 Recomendado para crianças de 03 a 15 anos Parabéns! Você acaba de adquirir um brinquedo da Mundi Toys. Prezando pela sua segurança

Leia mais

2 PRESCRIÇÕES GERAIS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS

2 PRESCRIÇÕES GERAIS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS 2 PRESCRIÇÕES GERAIS PARA O TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS As prescrições a seguir, exceto indicação em contrário, são aplicáveis ao transporte de produtos de qualquer classe. Elas constituem as precauções

Leia mais

Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos

Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos Operações e tarifas portuárias: jargão e conceitos São Paulo, Brasil (Revisado em 24 de julho de 2007) Este relatório é de uso exclusivo do cliente. Nenhuma parte pode ser reproduzida, mencionada ou circulada

Leia mais

ANEXO IV AO PROTOCOLO AO TRATADO PARA A ANTÁRTIDA SOBRE A PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO MARINHA. Artigo 1.

ANEXO IV AO PROTOCOLO AO TRATADO PARA A ANTÁRTIDA SOBRE A PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO MARINHA. Artigo 1. ANEXO IV AO PROTOCOLO AO TRATADO PARA A ANTÁRTIDA SOBRE A PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO MARINHA Para efeitos do presente Anexo: Artigo 1 Definições a) "Descarga" significa qualquer forma

Leia mais

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A STANDARD LME-12:001905 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Requisitos... 3 3 Normas de Operação Segura... 4 3.1 Procedimentos de Evacuação em Incêndio... 4 3.2 Caminhos de Escape Designados... 4 3.3 Pontos

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXXI Trabalhos com segurança em telhados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Anexo B Diretrizes Ambientais para Embarcações

Anexo B Diretrizes Ambientais para Embarcações Anexo B Diretrizes Ambientais para Embarcações Apêndice I Lista de Verificação para Recebimento de Óleo Lubrificante e Retirada de Resíduos Oleosos das Embarcações. 1.0 OBJETIVO Estabelecer as orientações

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

Climbing and Working at Heights

Climbing and Working at Heights STANDARD LME-12:001900 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Requisitos... 3 3 Locais e gerenciamento do local... 4 3.1 Edifícios e Telhados... 4 3.2 Estruturas de suporte de antenas... 4 3.3 Zonas de queda...

Leia mais

MARPOL 73/78 ANEXO V REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR LIXO DOS NAVIOS

MARPOL 73/78 ANEXO V REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR LIXO DOS NAVIOS MARPOL 73/78 ANEXO V REGRAS PARA A PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO POR LIXO DOS NAVIOS Para os efeitos deste Anexo: Regra 1 Definições 1 Lixo significa todos os tipos de rejeitos de mantimentos, rejeitos domésticos

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA ABS GROUP

ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA ABS GROUP ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA E ABS GROUP Este ACORDO é celebrado em consonância com o estabelecido nas Normas da Autoridade Marítima para Reconhecimento

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

Decreto n.º 45/92 Emendas de 3 de Maio de 1990 ao anexo da Convenção sobre Facilitação do Tráfego Marítimo Internacional

Decreto n.º 45/92 Emendas de 3 de Maio de 1990 ao anexo da Convenção sobre Facilitação do Tráfego Marítimo Internacional Decreto n.º 45/92 Emendas de 3 de Maio de 1990 ao anexo da Convenção sobre Facilitação do Tráfego Marítimo Internacional Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA Montagem Estrutura Metálica Em uma obra de estruturas metálicas, a montagem é considerada uma das fases mais importantes por representar uma

Leia mais

Contrato de Engajamento de Marinheiros

Contrato de Engajamento de Marinheiros 1 CONVENÇÃO N. 22 Contrato de Engajamento de Marinheiros I Aprovada pela 9ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1926), entrou em vigor no plano internacional em 4.4.28. II Dados referentes

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel

Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel Produto : Logix, WMS, 12 Chamado : PCREQ-1926 Data da criação : 03/07/2015 Data da revisão : 24/07/15 País(es) : Todos Banco(s) de

Leia mais

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial A. Introdução Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial Princípios éticos para as pesquisas médicas em seres humanos Adotado pela 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinque, Finlândia, junho do 1964

Leia mais

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países,

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países, Acordo sobre Navegação Marítima Comercial entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da Bulgária Assinado em 19 de agosto de 1982 Aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE

REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério das Finanças Direcção Nacional das Alfândegas PROCEDIMENTOS À CIRCULAR Nº /DESP/DTA/DNA/07 (Anexo A a que se referem os pontos 13º e 16º da circular) REF ACTIVIDADE RESPONSABILIDADE

Leia mais

a) garantindo que todos os produtos químicos sejam avaliados com o fim de determinar o perigo que apresentam;

a) garantindo que todos os produtos químicos sejam avaliados com o fim de determinar o perigo que apresentam; Convenção 170 PRODUTOS QUÍMICOS A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho convocada em Genebra pelo Conselho da Administração do Departamento Internacional do Trabalho, e congregada

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA N O 393/DPC, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA N O 393/DPC, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013. WS/FB/22.1 080.1 DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA N O 393/DPC, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013. Celebra acordo de delegação de competência firmado entre a AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA e a Sociedade Classificadora

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1

Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1 Síntese dos direitos dos passageiros do transporte em autocarro 1 O Regulamento (UE) n.º 181/2011 (a seguir designado por «Regulamento») é aplicável a partir de 1 de março de 2013. Estabelece um conjunto

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento

Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento 1. Introdução 1.1. O presente Anexo Diretrizes Técnicas e Parâmetros do Arrendamento tem por objetivo tratar dos seguintes aspectos do Arrendamento:

Leia mais

Alojamento a Bordo de Navios (Disposições Complementares)

Alojamento a Bordo de Navios (Disposições Complementares) 1 CONVENÇÃO N. 133 Alojamento a Bordo de Navios (Disposições Complementares) I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), em complemento à Convenção n. 92, de 1949,

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz

Leia mais

Manual do Usuário Nokia Power Keyboard SU-42

Manual do Usuário Nokia Power Keyboard SU-42 Manual do Usuário Nokia Power Keyboard SU-42 Edição 1.0 PT-BR Sobre sua capa para tablet Conheça o novo Nokia Power Keyboard. Com o Nokia Power Keyboard, é possível: protege seu tablet contra impactos

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE OPERAÇÃO COM RETROESCAVADEIRA SINOPSE GERAL DO CURSO

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE OPERAÇÃO COM RETROESCAVADEIRA SINOPSE GERAL DO CURSO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE OPERAÇÃO COM RETROESCAVADEIRA SIGLA: CORE SINOPSE GERAL DO CURSO DURAÇÃO MÍNIMA: 7 dias MÁXIMA: 17 dias CARGA HORÁRIA

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA TRATAMENTO FÍSICO Consiste na remoção de todas impurezas físicas visíveis na água ou depositadas nas superfícies internas das piscinas, como por exemplo, as folhas, os insetos, poeiras, argila, minerais

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Manual de Instalação e Operações

Manual de Instalação e Operações Manual de Instalação e Operações Acionador On/Off Bivolt Sistema de Aquecimento para banheira de hidromassagem PARA SUA SEGURANÇA: Antes de Instalar este produto, leia atentamente este manual de instruções.

Leia mais

Esclarecimento 13/2014

Esclarecimento 13/2014 Segurança Alimentar Registo de temperaturas e controlo metrológico de registadores automáticos Esclarecimento 13/2014 Resumo: A manutenção da cadeia de frio é essencial para a segurança de alguns géneros

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO CURSO DE OPERAÇÃO DE TRATOR E DE PÁ-CARREGADEIRA SIGLA: COTPC SINOPSE GERAL DO CURSO DURAÇÃO: 2 SEMANAS CARGA HORÁRIA TOTAL:

Leia mais

0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 17h.

0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 17h. 1 ANO DE GARANTIA SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR Manual de Instruções L I G U E G R Á T I S 0800-55 03 93 Segunda à Sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 17h. M.K. Eletrodomésticos Ltda. Estrada

Leia mais

Manual de Instruções Depósito Horizontal D.H.

Manual de Instruções Depósito Horizontal D.H. Manual de Instruções Depósito Horizontal D.H. Atenção: é recomendável que este manual seja lido por todos que participarão direta ou indiretamente da utilização deste produto. CONHEÇA O NOSSO PRODUTO ASSUNTOS

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

Anexo IV da MARPOL 73/78

Anexo IV da MARPOL 73/78 Anexo IV da MARPOL 73/78 (atualizado até a Resolução MEPC.176(58), em vigor a partir de 01/07/2010) Regras para a Prevenção da Poluição do Ar Causada por Navios ANEXO VI REVISADO DA MARPOL Regras para

Leia mais

BANQUETA EM ABS MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo ABS 801 e ABS 802. Leia com atenção e guarde este manual para consultas futuras.

BANQUETA EM ABS MANUAL DE INSTRUÇÕES. Modelo ABS 801 e ABS 802. Leia com atenção e guarde este manual para consultas futuras. BANQUETA EM ABS MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia com atenção e guarde este manual para consultas futuras. Modelo ABS 801 e ABS 802 BANQUETA EM ABS LEIA COM ATENÇÃO ESTAS INSTRUÇÕES E GUARDE ESTE MANUAL PARA

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO PORTO DO PECEM

ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO PORTO DO PECEM ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGO PORTO DO PECEM Perda de carga e equipamentos Falhas ao estudar as condições meteoceanográficas. Falha mecânica (Guindastes, empilhadeiras,. Encalhe em bancos de areia e/ou

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

GARRAFEIRA. Modelo RV 8. Manual de Instruções

GARRAFEIRA. Modelo RV 8. Manual de Instruções GARRAFEIRA Modelo RV 8 Manual de Instruções Índice I. Indicações gerais de segurança...3 II. Especificações técnicas.......4 III. Partes principais, desenhos....5 IV. Esquema elétrico.....5 V. Instruções

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções (Party Cooler s Thermomatic) Modelo: 40 litros & 77 litros Obrigado por escolher a série dos Party Cooler s da Thermomatic. Para garantir o uso correto das operações, por favor, leia

Leia mais

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO

RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO RECEPTOR DE SINAIS DE SATÉLITE GPS ELO588 MANUAL DE INSTALAÇÃO Dezembro de 2011 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406082 Revisão 0.0 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO 1... 1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1 ONDE

Leia mais

Guia de iniciação rápida do Router CJB25R0PMAJA

Guia de iniciação rápida do Router CJB25R0PMAJA Guia de iniciação rápida do Router 1 CJB25R0PMAJA Segurança e utilização... 3 1. Descrição geral... 4 1.1 Conteúdo da embalagem... 4 1.2 Aplicação... 5 1.3 Apresentação geral do dispositivo... 6 1.4 Ligar

Leia mais

DOCUMENTOS E AVISOS DE AFIXAÇÃO OBRIGATÓRIA PELOS EMPREGADORES

DOCUMENTOS E AVISOS DE AFIXAÇÃO OBRIGATÓRIA PELOS EMPREGADORES DOCUMENTOS E AVISOS DE AFIXAÇÃO OBRIGATÓRIA PELOS EMPREGADORES info@qualityassociados.com.br Existem documentos e avisos que, por determinação legal, devem obrigatoriamente, permanecerem afixados em local

Leia mais

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996

PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 PORTARIA DNC Nº 27, DE 16.9.1996 - DOU 17.9.1996 Estabelece condições mínimas de segurança das instalações de armazenamento de recipientes transportáveis de GLP. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE COMBUSTÍVEIS,

Leia mais

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX

QUALITY FIX DO BRASIL INDÚSTRIA, COMÉRCIO, IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO LTDA. MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX MANUAL DO USUÁRIO CONECTORES QUALITY FIX 1 Sumário Treinamento específico e essencial.... 3 Manutenção, serviço e armazenamento.... 3 Inspeção... 3 Uso... 4 Tempo de vida do Produto.... 4 Garantia... 4

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

Seção 1 Disposições gerais

Seção 1 Disposições gerais Código Marítimo Internacional para Cargas Sólidas à Granel (IMSBC) Como adotado pela Resolução MSC.268(85) em caráter obrigatório a partir de 01/01/2011, de acordo com a Regra VI/1-2 da Convenção SOLAS.

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil,

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil, Página 1 DECRETO Nº 93.413, de 15 de outubro de 1986 Promulga a Convenção nº 148 sobre a Proteção dos Trabalhadores Contra os Riscos Profissionais Devidos à Contaminação do Ar, ao Ruído e às Vibrações

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

ANEXOS DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 6.6.2016 COM(2016) 371 final ANNEXES 1 to 4 ANEXOS da DIRETIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativa a um sistema de inspeções para a segurança da exploração de ferries

Leia mais

Definições (NORMAM-2)

Definições (NORMAM-2) Definições (NORMAM-2) Embarcação - Qualquer construção, inclusive as plataformas flutuantes e as fixas quando rebocadas, sujeita a inscrição na autoridade marítima e suscetível de se locomover na água,

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Sistematizar os procedimentos de execução de trabalho em altura acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Esta instrução de

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO

INFORMAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS À IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS SUSPEITAS DE CONTAMINAÇÃO E CONTAMINADAS POR SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS NO ESTADO DE MINAS GERAIS INFORMAÇÕES GERAIS A FEAM - Fundação Estadual do

Leia mais

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. DESENVONVIMENTO DE EQUIPAMENTOS E PROCEDIMENTOS

Leia mais

Comitê Consultivo Governamental

Comitê Consultivo Governamental Comitê Consultivo Governamental Regras de auxílio viagem do GAC 23 de junho de 2015 Histórico O orçamento da ICANN determinou o auxílio viagem para 30 membros do GAC em cada encontro da ICANN. Esses membros

Leia mais

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm

http://www81.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/20.htm Page 1 of 5 20.1 Líquidos combustíveis. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele

Leia mais

Manual do Usuário Carregador Sem Fio DT-601 da Nokia

Manual do Usuário Carregador Sem Fio DT-601 da Nokia Manual do Usuário Carregador Sem Fio DT-601 da Nokia Edição 1.1 PT-BR Componentes Conheça seu carregador sem fio. 1 Cabo USB 2 Luz indicadora 3 Área de carregamento Não há níquel na superfície deste produto.

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos

DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos Adotado da 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinki, Finlândia, Junho 1964 e emendas da

Leia mais

TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO

TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO TERMOS DE SERVIÇOS DE ACOMPANHAMENTO Estes Termos de Serviços de Acompanhamento (i) regem os Serviços de Acompanhamento executados pela Parte Contratante UL para o Cliente, algumas vezes também referido

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO

ANEXO I CONDIÇÕES GERAIS DE CONTRATAÇÃO 1 PRODUTOS 1.1 Serviço de manutenção preventiva mensal e corretiva, quando necessário, para o elevador da Unidade Operacional da Anatel no Estado de Santa Catarina UO031, situada à Rua Saldanha Marinho,

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais