AUDITORIA DE SEGUROS DE SAÚDE EM ATENDIMENTO DOMICILIÁRIO INTRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUDITORIA DE SEGUROS DE SAÚDE EM ATENDIMENTO DOMICILIÁRIO INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 Carneiro CV, Dantas RA, Pagliuca LMF AUDITORIA DE SEGUROS DE SAÚDE EM ATENDIMENTO DOMICILIÁRIO HEALTH INSURANCE IN-HOME AUDIT AUDITORÍA DE SEGURO DE SALUD EN ATENDIMIENTO DOMICILIARIO Cláudia Vieira Carneiro I Rosane Arruda Dantas II Lorita Marlena Feitag Pagliuca III RESUMO: Os seguros de saúde acompanham o serviço de assistência domiciliária por meio de auditorias. Objetiva-se caracterizar o perfil dos auditores de seguros de saúde que atuam na área da assistência domiciliária e descrever o processo de auditoria por eles realizado. Estudo exploratório-descritivo desenvolvido em 2005 mediante entrevista com sete auditores, em Fortaleza CE. As atividades envolveram visitas domiciliares, análise de contas, projeto de inclusão, monitoramento de pacientes, atividades educativas, uso de material de alto custo e auditoria analítica. No domicílio, são avaliados energia elétrica, limpeza, equipamentos, medicações, equipe de profissionais, condições psicológicas e socioeconômicas do paciente, prontuário, satisfação dos familiares, necessidade da assistente social, desmame para alta. Na assistência domiciliária, o auditor, devidamente qualificado, transmite segurança à família e ao paciente, além de ser o elo entre o seguro de saúde e a empresa. Palavras-chave: Auditoria; assistência domiciliária; seguro de saúde; administração. ABSTRACT: Health insurances follow home assistance services by means of auditing. We aim both at characterizing the profile of health insurance in-home auditors and at describing the audit conducted. This is an exploratory-descriptive study developed in 2005 by means of interviews with seven auditors, in Fortaleza-CE, Brazil. Activities involved home visits, accounts analysis, inclusion projects, patients monitoring, educational activities, use of high coast material, and analytical audit. At patients residences, evaluation comprised the following items: home energy, cleanliness, equipment, medications, patients psychological and socioeconomic status, patients records, family satisfaction, social assistant needs, weaning expectations for discharge. On in-home assistance, the duly qualified auditor conveys assurance to the patient and to his/her family in addition to being the link between the health insurance and the company. Keywords: Audit; in-home assistance; health insurance; administration. RESUMEN: Los seguros de salud acompañan el servicio de asistencia domiciliario a través de auditorías. El objetivo es caracterizar el perfil de los auditores de seguro de salud con actuación en el área de asistencia domiciliaria y describir el proceso realizado por los mismos. Estudio exploratorio-descriptivo desarrollado en 2005 mediante entrevista con siete auditores, en Fortaleza CE Brasil. Las actividades constaban de visitas domiciliarias, análisis de cuentas, proyecto de inclusión vigilancia de pacientes, actividades educativas, uso de material de coste elevado y auditoría analítica. En el domicilio, se analizan la electricidad, limpieza, equipamientos, medicaciones, equipo de profesionales, condiciones psicológicas y socioeconómicas del paciente, satisfacción de los familiares, prontuario, necesidad del asistente social, destete para alta del paciente. En la asistencia domiciliaria, el auditor, debidamente calificado, transmite seguridad a la familia y al paciente, además de ser un eslabón entre el seguro de salud y la empresa. Palabras Clave: Auditoría; asistencia domiciliaria; seguro de salud; administración. INTRODUÇÃO A transição epidemiológica, ocorrida pela diminuição da mortalidade decorrente da queda das patologias infecto-contagiosas, deu lugar às doenças crônico-degenerativas. Tal situação, em conformidade com o aumento do número de idosos em condição de dependência, cuja demanda de hospitalização costuma ser prolongada, onera o sistema de saúde vigente e exige novas estratégias de atuação dos serviços de saúde. Como observado, o aumento do número de anciãos tem criado vários desafios sociais, políticos e econômicos. Isto significa maiores custos e gastos I Administradora, especialista em auditoria em saúde. Endereço: Rua Ana Bilhar, 491 Apto Bairro: Meireles. Fortaleza-Ce CEP: II Doutora em enfermagem, especialista em Administração Hospitalar e Gestão de Qualidade em Sistemas de Saúde, professora adjunta da Universidade Federal do Acre. Endereço: Rua Buriti, 287 Jardim de Alah Bairro: Estrada Dias Martins. Rio Branco AC CEP: III Doutora em enfermagem, professora titular da Universidade Federal do Ceará Endereço: Avenida Trajano de Medeiros, 2840 Bairro: Dunas. Fortaleza-Ce CEP: R Enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2007 jul/set; 15(3): p.343

2 Auditoria em seguros de saúde médico-sociais, necessidade de suporte familiar e comunitário, probabilidade de cuidados de longa duração em face da prevalência de doenças crônico-degenerativas, com conseqüentes incapacidades. Conforme se nota, a velhice não se reduz à assistência médica, mas abarca também medidas de amparo social e econômico 1. Nos últimos anos, por exigência dessa clientela, o atendimento domiciliário vem crescendo, como boa estratégia para manutenção da saúde com custos razoáveis e bem-estar para o cliente. Muitos seguros de saúde têm contratado empresas especializadas nesse atendimento. Tais empresas costumam ter pacientes de vários seguros, os quais acompanham o serviço contratado mediante auditorias e, a partir delas, avaliam principalmente os custos, o atendimento prestado e a satisfação do cliente. Apesar de necessários, são poucos os casos de visitas de auditores dos seguros de saúde aos domicílios de pacientes, sobretudo em virtude do tempo e do custo. Quando ocorrem, segundo a vivência das autoras, costumam ser realizadas por auditores médicos e enfermeiros e ter caráter clínico. De modo geral, são rápidas, enfocam principalmente a satisfação do cliente e a sutil verificação sobre a oferta do serviço contratado. Além disso, inexistem regulamentações que definam a atuação do auditor na assistência domiciliária. Conforme é de conhecimento das autoras, o auditor, ao avaliar o serviço prestado a um paciente em domicílio, deve estar atento à apresentação do serviço e à satisfação da família. Deve também relacionar o estado do paciente com o que foi orçado, com base em justificativas que demonstrem a necessidade do suporte oferecido e confirmar se o previsto no contrato está sendo oferecido. Quanto à auditoria presencial, é realizada nos hospitais e demonstra ser eficaz no domicílio, pois existe proximidade com o paciente e seus familiares, os quais acompanham diariamente a assistência. Isto contribui para a diminuição de fraudes, garante a satisfação do cliente e possibilita a comunicação efetiva entre o seguro de saúde, a família e a empresa. Ao mesmo tempo propicia conhecimento ao auditor para possibilitar-lhe argumentar com os profissionais da assistência sobre os tratamentos necessários ao paciente e o custo desses tratamentos, ou seja, favorece a definição de parâmetros e instrumentos adequados de avaliação. Tal definição contribui para dinamizar o tempo e o custo da visita, aumentar a produtividade dos auditores e subsidiar a sistematização da auditoria presencial pelos profissionais dos seguros de saúde, dinamizando custo e tempo. Pelas razões ora aduzidas, tem-se como objetivos caracterizar o perfil dos auditores de seguros de saúde que atuam na área da assistência domiciliária e descrever o processo de auditoria por eles realizado. METODOLOGIA Estudo exploratório-descritivo, realizado no primeiro semestre de 2005, tendo como população os auditores de sete seguros de saúde que contratam empresas de assistência domiciliária em Fortaleza - Ceará. A amostra foi determinada pelos auditores dos três seguros de saúde que primeiro autorizassem a execução da pesquisa. Como critério de inclusão desses profissionais exigiu-se deles a assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. De acordo com o recomendado, o estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Estadual do Ceará, conforme os termos da Resolução nº 196/96, do Conselho Nacional de Saúde 2. A coleta de dados aconteceu por meio de cinco visitas para conhecer a estrutura do setor de auditoria e entrevistar os profissionais. O tempo de conversa foi de pelo menos 40 minutos com cada um, com a possibilidade de retorno para esclarecimento de informações. Utilizou-se um formulário semiestruturado constante de dados de identificação e do processo de auditoria na instituição, o qual foi respondido manualmente pela autora segundo as falas dos auditores. Antes de iniciar a coleta, foi realizado um teste piloto com um profissional de saúde auditor que o avaliou e concordou com os questionamentos existentes no formulário. Durante a entrevista, utilizou-se o método de observação não estruturada para contextualizar os aspectos descritos na entrevista. O observador foi guiado pelas indagações da pesquisa, com liberdade para observar as classes de fenômenos ou o surgimento de determinados tipos de comportamentos 3. A análise dos dados envolveu o agrupamento das respostas conforme a seqüência do processo de auditoria dos seguros de saúde e a categorização dos principais assuntos, utilizando-se de literatura sobre atendimento domiciliar e auditoria para argumentação e embasamento. RESULTADOS E DISCUSSÃO Foram entrevistados sete profissionais em três seguros de saúde. Todos eram do sexo feminino, com idade entre 30 e 52 anos. Em relação à formação, quatro eram enfermeiras, duas assistentes sociais e p.344 R Enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2007 jul/set; 15(3):343-8.

3 Carneiro CV, Dantas RA, Pagliuca LMF uma médica, das quais seis apresentavam como maior titulação uma especialização. No primeiro seguro, a equipe foi formada por três profissionais: enfermeira, médica e assistente social. No segundo, existiam duas enfermeiras e uma assistente social. Já no terceiro, houve a participação de apenas uma enfermeira. É importante enfatizar que existiam outros auditores na equipe, entretanto eles não concordaram em participar do estudo. O tempo de experiência em auditoria ficou entre um mês e 18 anos. Nos extremos, encontrava-se a médica, com maior tempo de experiência, e uma assistente social, com menor tempo de serviço. As quatro enfermeiras tinham entre dois e cinco anos de experiência e a outra assistente social, cinco anos. Para análise das falas, determinaram-se três categorias, conforme o assunto principal: atividades do seguro de saúde em relação à assistência domiciliária; critérios avaliados pelo auditor na visita domiciliar; conhecimento necessário para atuar na área da auditoria domiciliar. Atividades do Seguro de Saúde em Relação à Assistência Domiciliária As atividades de auditoria no seguro de saúde envolveram a avaliação do serviço com base nos contratos estabelecidos com as empresas prestadoras do serviço, como descrito sobre as atividades das enfermeiras, a seguir: Auditoria de Home Care, visitas domiciliares, auditoria de faturas em contas. Avaliamos se o projeto de inclusão está sendo seguido, se tem 24 horas de suporte para atendimento, transporte de ambulância para possível emergência, corpo clínico qualificado. (Enfermeira 1) Auditoria externa e interna buscando a internação domiciliar. A empresa faz avaliação da proposta de custo domiciliar, em relação aos serviços executados, satisfação do cliente, avaliação de recursos humanos. As auxiliares de enfermagem são avaliadas até o 3º dia útil de internação do paciente. (Enfermeira 3) O contrato efetuado entre a empresa e o seguro de saúde costuma ser chamado de projeto de inclusão e a proposta de custo domiciliar é parte integrante desse projeto. Como mencionado na literatura, o acesso a determinada modalidade de atendimento do seguro de saúde, como a de procedimentos que envolvam a incorporação de novas tecnologias, pode ser restringido ou ampliado conforme as modalidades de pagamentos dos usuários e/ou de reembolso dos serviços 4. Segundo se observa, as atividades dos auditores no seguro de saúde envolvem verificação do que está sendo ofertado no contrato, mediante auditoria interna e externa, analisando principalmente a presença do serviço de emergência e corpo clínico qualificado, além da disponibilidade de profissionais durante 24 horas. Para cumprir suas atividades, os profissionais de nível superior de empresas de assistência domiciliária revezam-se em visitas domiciliares durante a semana, mas apenas os técnicos de enfermagem permanecem no domicílio 24 horas 5. No entanto, segundo algumas empresas preconizam, os celulares desses profissionais devem permanecer ligados ininterruptamente, sobretudo o do médico e o do enfermeiro, o que é avaliado pelos auditores conforme observado pela autora. As enfermeiras destacam a avaliação do corpo clínico e se direcionam, em particular, para os profissionais de nível médio, os técnicos de enfermagem. Conforme evidenciado, um dos principais problemas das empresas de assistência domiciliar envolve a falta de profissionalismo e o despreparo desses profissionais, sobretudo no referente a aspectos culturais e relacionamento com o cliente 5. Nesse caso, a qualificação em destaque se resume à qualidade percebida, resultante da comparação entre a qualidade esperada e a experimentada pelo cliente. A qualidade percebida é boa quando a experimentada ultrapassa ou alcança as expectativas do cliente, ou seja, a qualidade esperada 6. Os técnicos de enfermagem desenvolvem no domicílio ações que otimizam os recursos da empresa para o atendimento da clientela e, tão importante quanto o sistema técnico, ou mais ainda, é o sistema social referente aos mesmos 7. Com o intuito de ir além da qualidade percebida, seria interessante para os auditores buscar contratos com empresas que se preocupem com a qualificação dos técnicos de enfermagem. Outras atribuições são observadas, como mostra a fala das enfermeiras entrevistadas. Acompanhamento e monitoramento de pacientes em assistência domiciliar. Atividades educativas, eventos, ciclos e debates. (Enfermeira 2) Autorização de internação e material de alto custo. As visitas de auditoria em Home Care são realizadas mensalmente ou quando solicitadas em intervalo menor. Não há visitas na empresa como rotina, o que ocorre são avaliações de proposta. (Enfermeira 4) Uma das maiores dificuldades nesse tipo de serviço é a forma de avaliar os custos, muitas vezes realizada com base nos prontuários entregues pela R Enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2007 jul/set; 15(3): p.345

4 Auditoria em seguros de saúde empresa ao seguro de saúde, o que pode ser considerado um risco, pois o auditor está confiando plenamente no descrito pela empresa e abre margem para fraudes e falhas. No entanto, o auditor deve partir do princípio de que os prestadores são honestos. Conforme afirma a literatura, a principal ferramenta de auditoria é a ética, base de qualquer relacionamento, seja comercial e pessoal. Porém, infelizmente, com certa freqüência, o auditor estará na zona de conflito entre a ética médica e a ética econômica 8. Outro aspecto é o fato de o prontuário ser do paciente. Portanto, deve permanecer no local da assistência. Em alguns casos ele realmente permanece e apenas uma cópia é enviada às empresas, preenchida com o uso da folha de carbono. O auditor tem o direito de acessar, in locu, toda a documentação necessária, sendo-lhe vedada a retirada dos prontuários ou cópias da instituição. Contudo, caso seja exigido, pode examinar o paciente, desde que devidamente autorizado por este ou sua família 8. No caso das assistentes sociais, conforme a fala de uma delas, as atividades foram comuns entre ambas, apesar de exercerem suas funções em seguros de saúde diferentes. Acompanhamento, monitoramento e treinamentos. Participação na admissão de pacientes acima de 60 anos, e encaminhamento de outros setores da instituição, e livre demanda (atendimento através de ligações telefônicas). Encaminhamento de custo médico e avaliação do domicílio. São realizadas duas visitas, uma de acompanhamento e outra de avaliação. Se for internamento de longa permanência, visitas semanais no domicílio. São avaliados o atendimento profissional e o levantamento da expectativa da família. (Assistente Social 1) Ao observar as atribuições das assistentes sociais, percebe-se que elas formam a comissão de frente do plano, em alguns casos, juntamente com a enfermeira, chegando a desenvolver atividades similares, embora diferenciadas na forma de avaliação. Este é um ponto importante, pois a correta apresentação da proposta do serviço de assistência domiciliária à família, deixando claros seus direitos e deveres, é um elemento decisivo para a escolha dessa modalidade de tratamento, já que evita conflitos durante a assistência 5. À semelhança das outras profissionais, a médica verifica os serviços realizados por prestadores, se existe transporte para paciente de urgência e emergência, faz avaliação dos atendimentos e procedimentos, conforme a fala a seguir. Análise de atendimento de procedimentos, de contas, de serviços realizados por prestadores, da avaliação do serviço e do transporte de paciente em urgência e emergência. Auditoria analítica. Admissão de pacientes em internamento hospitalar com o quadro clínico estabilizado, mas que necessitam ainda de assistência de saúde (profissionais). Visitas são realizadas uma vez por semana em domicílio por médico e/ou enfermeira. Avaliamos se está sendo realizado o que está proposto: curativos, fisioterapia, psicólogo, alimentação parenteral. (Médica) A atuação da médica difere pelo direcionamento da sua análise, voltada para as atribuições dos profissionais desta área e suas prescrições. A auditoria do ato médico é um mecanismo de controle e avaliação dos recursos e procedimentos adotados, visando sua resolubilidade e melhoria na qualidade da prestação dos serviços 8. De maneira geral, todas as profissionais desenvolveram atividades de auditoria operacional. Nessas atribuições, destacam-se na auditoria interna as seguintes: a análise de custos, a autorização de internação, a avaliação do prontuário e o uso de material de alto custo. Como observado, apenas a médica demonstra claramente desenvolver, entre outras funções, auditoria analítica. Todas as outras avaliações envolveram auditoria externa em que os profissionais dos planos em discussão avaliam as empresas de assistência domiciliária. Todas as atividades descritas fazem parte da função de auditor, as quais envolvem: verificar se as normas externas estão sendo seguidas; efetuar auditoria das diversas áreas das demonstrações contábeis e em áreas operacionais; emitir um parecer ou opinião sobre as visitas domiciliares, no sentido de verificar se estas refletem adequadamente a posição financeira e a satisfação do cliente; estabelecer programa de treinamento para manter alto nível de competência e profissionalismo do pessoal de auditoria 9. Critérios Avaliados pelo Auditor na Visita Domiciliar As auditoras, conforme citado no item anterior, realizam visitas domiciliares no desenvolvimento de suas atividades na auditoria. Durante sua estada na casa do paciente, elas devem avaliar vários detalhes, descritos nas falas a seguir. Condição de energia elétrica, ambiente limpo, fácil acesso, locação dos equipamentos, local das medicações (se estão bem condicionadas), materiais descartáveis, material estéril, se auxiliares atendem às exigências de conduta e avaliação técnica de equipe de profissionais. p.346 R Enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2007 jul/set; 15(3):343-8.

5 Carneiro CV, Dantas RA, Pagliuca LMF Condições do paciente, medicação utilizada e se a qualidade do serviço prestado está satisfatório. (Enfermeira 1) Condições do ambiente e higienização. Disponibilidade da família, necessidade da assistente social, condições psicológicas e socioeconômicas. (Enfermeira 2) Desmame para alta. Condições de equipamentos, satisfação da família, avaliação do paciente e da família, qualidade (auxiliar de enfermagem). (Enfermeira 3) De acordo com a fala, apenas uma enfermeira citou observar desmame para alta. Este se refere aos procedimentos de orientação da família e do cuidador, preparando-os para a alta domiciliar do paciente, momento em que a família assumirá os cuidados. Quando o paciente encontra-se estável, com possibilidade para alta, a família necessita ser instruída pelos profissionais da empresa de assistência domiciliar. No entanto, durante todo o internamento, a família deve participar dos cuidados básicos ao doente. Conforme a experiência das autoras, a qualidade no processo de assistência domiciliar está em proporcionar condições para se poder alcançar resultado eficaz, ou seja, melhoria e estabilidade clínica do paciente para o desmame (alta), diminuição do sofrimento nos casos terminais, treinamento efetivo de cuidadores, otimizar recursos e racionalização de custos 10. Ao se referir à visita, as assistentes sociais a descrevem praticamente da mesma forma que as enfermeiras. Voltam-se, entre outras questões, para o atendimento das necessidades do paciente e do aprendizado diário da família. Instalação do paciente de modo geral. É um relatório muito minucioso, tem que conter as condições de materiais, equipamentos e atendimento do profissional. (Assistente Social 1) Se o ambiente é favorável para a recuperação do paciente, se a empresa que está prestando serviço atende às necessidades, se a família está tendo o cuidado de aprender. (Assistente Social 2) Insatisfação do usuário, solicitação da própria família. Identificação das condições de ambientes, das condições clínicas, dos serviços realizados e da proposta de mudança. (Médica) Por sua vez, a médica, além das questões já citadas, avalia as condições clínicas, com liberdade para propor mudanças no tratamento. Segundo observouse, apesar da complexa abordagem relatada pelas profissionais, elas não possuem instrumento predefinido para avaliação do domicílio. Isto pode contribuir para a omissão de detalhes e a falta de objetividade nos relatórios enviados ao plano. Apenas uma assistente social afirma utilizar um instrumento de análise, o qual deixa dúvida se é padronizado pelo plano, já que é usado por uma única pessoa. CONCLUSÃO As principais atividades das auditoras envolveram os seguintes aspectos: visitas domiciliares e análise de contas; avaliação do seguimento do projeto de inclusão; acompanhamento e monitoramento da assistência prestada; atividades educativas, eventos, ciclos e debates; participação na autorização de internação domiciliar e auditoria analítica. No domicílio do cliente, são avaliadas as condições de energia elétrica, necessidade da permanência dos aparelhos, o ambiente, o acesso ao paciente, a locação e as condições dos equipamentos, a localização das medicações, materiais descartáveis e/ou estéreis, a avaliação da equipe profissional, as condições do paciente, o prontuário, a satisfação dos familiares, a disponibilidade da família para participar nos cuidados ao seu ente, a necessidade da assistente social, as condições psicológicas e socioeconômicas e o desmame para alta. A avaliação da auditoria diz respeito ao atendimento global do cliente em assistência domiciliária. No referente ao custo, fundamento básico da auditoria, pouco se comentou, mas, conforme se observou, a médica e as enfermeiras atuam nesse contexto. Em qualquer instituição, a auditoria é uma ferramenta indispensável. Na assistência domiciliária o auditor é um elo entre o plano de saúde e a empresa, e sua atuação é de fundamental importância. Devidamente qualificado, o auditor transmite segurança à família e ao paciente. Desse modo, exerce papel decisivo no relacionamento entre empresa e paciente. REFERÊNCIAS 1. Marin MJS, Caetano FB, Palasson RR. Avaliação da satisfação dos usuários do programa interdisciplinar de internação domiciliar. Espaço para a saúde. [citado em 04 nov 2004]. Disponível em espaçoparasaude. 2. Conselho Nacional de Saúde (Br). Resolução nº196/ 96. Normas de pesquisa envolvendo seres humanos. Bioética. 1996; 4(2): Polit DF, Hungler BP. Fundamentos de pesquisa em enfermagem. Porto Alegre (RS): Artes Médicas; Correia JF. Atendimento domiciliar: novo enfoque R Enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2007 jul/set; 15(3): p.347

6 Auditoria em seguros de saúde na satisfação dos usuários vinculados à Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil - Unidade Ceará [monografia de especialização]. Fortaleza (CE): Universidade Estadual do Ceará; Dantas RA. Satisfação dos clientes em atendimento domiciliário de uma empresa em Fortaleza [monografia de especialização]. Fortaleza (CE): Universidade Estadual do Ceará; Urdan AT. A qualidade de serviços médicos na perspectiva do cliente. Rev Adm Empresas. 2001; 41(4): Nascimento IJ, Leitão RER, Vargens OMC. A qualidade nos serviços de saúde pública segundo enfermeiros que gerenciam Unidades Básicas de Saúde. R Enferm UERJ. 2006; 14: Gurgel Filho N. Ferramentas de auditoria. Fortaleza (CE): Gráfica Sena Ltda; Attie W. Auditoria: conceitos e aplicações. São Paulo: Atlas; Ribeiro CA. A qualidade no processo da assistência domiciliar. Rev Bras Home Care. 1999; 55(5):36-7. Recebido em: Aprovado em: p.348 R Enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2007 jul/set; 15(3):343-8.

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE

MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA HOME CARE Elaborado por: Ana Paula de Menezes Assistente Social da CASSIND APRESENTAÇÃO A internação domiciliar ou home care é compreendida como a instalação de uma estrutura

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000

PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000 PORTARIA CRN-3 nº 0112/2000 A Presidente do Conselho Regional de Nutricionistas 3ª Região, no uso de suas atribuições legais, que lhe conferem a Lei Federal nº 6583/78 e o Decreto Federal nº 84444/80 e,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

Manual do Usuário. Cuidados com o prontuário

Manual do Usuário. Cuidados com o prontuário Manual do Usuário Este manual foi feito para orientar os usuários dos serviços de internação domiciliar da HN Home Care Home Care, tanto para a modalidade de plantão de enfermagem de 12h, quanto para o

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

Prezados Associados,

Prezados Associados, Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o FISCO SAÚDE traz agora guias de procedimentos por assunto. O conteúdo está distribuído

Leia mais

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM

A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM A PROMOÇÃO DA SAÚDE DO ADOLESCENTE NA ATENÇÃO BÁSICA COMO DESAFIO PARA A ENFERMAGEM Górki Pires de Andrade gorkipires@hotmail.com Jessica Rabelo Holanda jeholanda2010@hotmail.com Kelianny Pinheiro Bezerra

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Autores: Ilse Maria Tigre de Arruda Leitão, Sherida Kananini Paz de Oliveira, Roberta Meneses Oliveira, Nayane Silva Mendes, Renata

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes

AUDITORIA EM ENFERMAGEM. UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes AUDITORIA EM ENFERMAGEM UNIPAC UBERLÂNDIA CURSO GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: Administração ll Profa : Amanda Cristina de Oliveira Mendes Conceito AUDITORIA é uma avaliação sistemática e formal de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES ATENDIDOS EM UM PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL DA REGIÃO CENTRO-OESTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS SEGUNDO A CLASSIFICAÇÃO DE RISCO André LUÍS RIBEIRO DOS SANTOS 1 ; Ricardo

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil

Gestão de Qualidade. HCFMRP - USP Campus Universitário - Monte Alegre 14048-900 Ribeirão Preto SP Brasil Gestão de Qualidade O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, visando a qualidade assistencial e a satisfação do cliente compromete-se a um entendimento

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL

GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. N 21/00 GLOSSÁRIO DE TERMOS COMUNS NOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N 91/93 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC: Rodrigues de Abreu Código: 135 Município: Bauru Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no 2º semestre letivo de 2001 para os alunos matriculados no 4º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 38/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ENFERMAGEM, REGIME SERIADO SEMESTRAL, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES Julianny de Vasconcelos Coutinho Universidade Federal da Paraíba; email: juliannyvc@hotmail.com Zirleide

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO

Título: Autores: Unidade Acadêmica: INTRODUÇÃO Título: AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA EM SAÚDE AO IDOSO NO MUNÍCIPIO DE ANÁPOLIS-EFETIVIDADE E RESOLUTIVIDADE Autores: Júlia Maria Rodrigues de OLIVEIRA, Marta Rovery de SOUZA. Unidade Acadêmica:

Leia mais

MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE 1 MODELO DE GESTÃO PARA ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Cristina Diamante Elizabeth Maria Lazzarotto Lorena Moraes Goetem Gemelli 1 INTRODUÇÃO: Na maioria das organizações de saúde, os profissionais

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 O CUIDADO PRESTADO AO PACIENTE ONCOLÓGICO PELA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Aline Paula

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC: DR. JOSÉ LUÍZ VIANA COUTINHO CÓDIGO: 073 EIXO TECNOLÓGICO: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: QUALIFICAÇÃO: MÓDULO: COMPONENTE CURRICULAR: C.H. SEMANAL: PROFESSOR:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Faculdade de Medicina Departamento de Cirurgia Grupo de Educação e Estudos Oncológicos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Faculdade de Medicina Departamento de Cirurgia Grupo de Educação e Estudos Oncológicos E D I T A L Nº 04/2007 Seleção ao II Curso de Especialização em Mastologia A Coordenação do, extensão do Departamento de Cirurgia da da Universidade Federal do Ceará FAZ SABER aos interessados que estarão

Leia mais

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços

CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços CEMIG SAÚDE Prestadores de serviços Maio de 2014 2 A pesquisa Amostra 639 entrevistas A PESQUISA Intervalo de confiança 95% Margem de erro 7% por segmento Data da coleta 13 a 22 de Maio de 2014 3 DESCRIÇÃO

Leia mais

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421

PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 PARECER COREN-SP 028/2014 CT PRCI n 100.954 Ticket n 280.428, 282.601, 283.300, 283.647, 284.499, 287.181, 290.827, 299.421 Ementa: Realização de treinamentos, palestras, cursos e aulas por profissionais

Leia mais

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO

SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO SAÚDE MENTAL DO ENFERMEIRO E O SETOR DE EMERGÊNCIA: UMA QUESTÃO DE SAÚDE NO TRABALHO Valesca Boarim da Silva 1 Regina Célia Gollner Zeitoune 2 Introdução:Trata-se de nota prévia de estudo que tem como

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE INTRODUÇÃO LÍVIA CRISTINA FRIAS DA SILVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE X ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE Ms. Maria de Fátima Lires Paiva Orientadora São Luís 2004 INTRODUÇÃO Sistema Único de Saúde - Universalidade

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES Conceitos CONSULTAS Atendimentos sem urgência por ordem de chegada. Não existe dentro do Pronto-Socorro e em nenhum local do hospital prévia marcação de

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br Psicologia Intensiva uma especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br PSICOLOGIA INTENSIVA O intensivismo é uma especialidade que apresenta um caráter interdisciplinar voltado

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

Briefing Auditoria Médica ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE

Briefing Auditoria Médica ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE Paginas: 1/1 ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA BENEFICENTE ESPÍRITO SANTENSE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS ESPECIALIZADAS NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AUDITORIA MÉDICA NAS DEPENDÊNCIAS DO HOSPITAL JAYME SANTOS NEVES 1 OBJETO

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM.

PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL: ARTICULAÇÃO DA DIMENSÃO ASSISTENCIAL E GERENCIAL, ATRAVÉS DO INSTRUMENTO PROCESSO DE ENFERMAGEM. Gabriela Marchiori CARMO AZZOLIN * Marina PEDUZZI** Introdução: O pressuposto

Leia mais

PROJETO VEM CUIDAR DE MIM

PROJETO VEM CUIDAR DE MIM PROJETO VEM CUIDAR DE MIM APRESENTAÇAO DA ENTIDADE O Asilo Dr. Carlos Romeiro, Instituição de Longa Permanência, com sede na rua dos Vicentinos, nº 33, Bairro Queluz, Conselheiro Lafaiete MG, Obra Unida

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

POLÍTICA DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS

POLÍTICA DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS POLÍTICA DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS Versão aprovada na 2ª reunião do Conselho Deliberativo da Cemig Saúde em 22.10.2010. Em POLÍTICA DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS 1- Introdução

Leia mais

Balanço Social UNINORTE 2015

Balanço Social UNINORTE 2015 Balanço Social UNINORTE 2015 Diretora Acadêmica Vanessa Voglio Igami Diretora Administra va Ká a Cris na Do o Gasparini Diretora Comercial Indira Maria Kitamura Diretor Financeiro Fábio Ricardo Leite Secretária

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 019/2001

PORTARIA NORMATIVA N 019/2001 PORTARIA NORMATIVA N 019/2001 Dispõe Sobre a Hospitalização Psiquiátrica e dá Outras Providências O PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA DOS SERVIDORES DO ESTADO DE GOIÁS IPASGO, usando

Leia mais

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR

A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA EQUIPE MULIDISCIPLINAR DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE MEDIANEIRA - PR 1.1 1.2 Cheile Kátia da Silva 1. Michelly Laurita Wiese 1.3 INTRODUÇÃO: De acordo com

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Ata de Reunião. Aprovado por: Mara Januário Queiroz Cabral

Ata de Reunião. Aprovado por: Mara Januário Queiroz Cabral Título: Reunião Extraordinária do Colegiado Gestor Data: 06/05/2014 Página: 1 de 6 Pauta: 1. Apresentação das duas candidatas a direção da EEUFMG; 2. Medicamentos trazidos de casa para o HC pelo paciente

Leia mais

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados

Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Experiência: Centro de Pesquisas do HCPA: inovando a gestão da pesquisa por meio de laboratórios compartilhados Hospital de Clínicas de Porto Alegre Administração Central Responsável: Sérgio Carlos Eduardo

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO CURRICULAR

NORMAS DO ESTÁGIO CURRICULAR ANEXO C UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE COMISSÃO COORDENADORA DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Fone: (31) 3899-2526. E-mail: cobio@ufv.br NORMAS DO ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ADMINISTRAÇÃO DE ENFERMAGEM AVALIANDO O QUE ESTUDAMOS 1. A Supervisão de Enfermagem é fundamental para o desenvolvimento dos recursos humanos, através da educação

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM AUTORES: Roberta Meneses Oliveira, Ilse Maria Tigre de Arruda Leitão, Marina Castro Sobral, Sarah de Sá Leite, Ariane Alves Barros,

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

O PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE ASSISTENCIA E INTERNAÇÃO DOMICILIAR-PAID NO MUNICIPIO DE CASCAVEL -PR

O PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE ASSISTENCIA E INTERNAÇÃO DOMICILIAR-PAID NO MUNICIPIO DE CASCAVEL -PR O PERFIL DOS PACIENTES ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE ASSISTENCIA E INTERNAÇÃO DOMICILIAR-PAID NO MUNICIPIO DE CASCAVEL -PR ROSANI DA ROSA BENDO 1 LAIS PRISCILA FAGHERAZZI 2 MARA LUCIA RENOSTRO ZACHI 3 INTRODUÇÃO:

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO Thatianny Tanferri de Brito PARANAGUÁ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA. Faculdade de Enfermagem Universidade Federal de Goiás ttb.paranagua@gmail.com;

Leia mais

Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial

Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial Potencializando um grupo de idosos em uma comunidade rural: pesquisa convergente assistencial Ana Rita Marinho Machado. UFG/ Campus Goiânia. anaritamachado.doutorado@yahoo.com.br Denize Bouttelet MUNARI.

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO Edital 01/2015 Serviço de Inclusão Produtiva

PROCESSO SELETIVO Edital 01/2015 Serviço de Inclusão Produtiva PROCESSO SELETIVO Edital 01/2015 Serviço de Inclusão Produtiva A Casa de Acolhimento e Orientação à Crianças e Adolescentes (CAOCA), em parceria com a Secretaria de Assistência Social de Vitória (Semas),

Leia mais

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista

Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Fazendo a diferença nos Serviços de Saúde: Visão do Técnico Especialista Tec. de Enfermagem Claudia Sterque claudiasterque@yahoo.com.br 11 de novembro de 2010 VISÃO DO TÉCNICO ESPECIALISTA Quando comecei

Leia mais

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AMBULATÓRIO DE ESPECIALIDADES MUNICÍPIO: DATA: / / IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE: Nome: CGC: Endereço: Bairro: Telefone: Responsável pela unidade (formação): TURNO

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA 1 de 8 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/11/2012 1.00 Proposta inicial LCR, DSR,MGO 1 Objetivo Agilizar o processo de transferência seguro do paciente/cliente, para

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002.

LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. LEI MUNICIPAL Nº 1559/02, DE 16 DE JULHO DE 2002. Cria e extingue cargos na estrutura do Quadro Permanente de Cargos, lei Municipal 1338/98, e dá outras providências. WOLMIR ÂNGELO DALL`AGNOL, Prefeito

Leia mais

ANEXO III METAS DE PRODUÇÃO: POR SERVIÇO. AÇÕES METAS INDICADORES RESULTADOS 1. Recursos Humanos: 1.

ANEXO III METAS DE PRODUÇÃO: POR SERVIÇO. AÇÕES METAS INDICADORES RESULTADOS 1. Recursos Humanos: 1. ANEXO III METAS DE PRODUÇÃO: POR SERVIÇO AÇÕES METAS INDICADORES RESULTADOS 1. Recursos Humanos: 1. 1. 1. Prestar serviços ao CONSAVAP na Manter o sistema funcionando 100% de efetividade no Serviço operante

Leia mais

O USO DA INFORMÁTICA NA REDE BÁSICA E HOSPITALAR DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO (S.P.)

O USO DA INFORMÁTICA NA REDE BÁSICA E HOSPITALAR DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO (S.P.) O USO DA INFORMÁTICA NA REDE BÁSICA E HOSPITALAR DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO (S.P.) Cristina Maria Galvão * Namie Okino Sawada * GALVÃO, C. M.; SAWADA, N. O. O uso da informática na rede básica e hospitalar

Leia mais

COMO SOBREVIVER À RESOLUÇÃO NORMATIVA 259/11?

COMO SOBREVIVER À RESOLUÇÃO NORMATIVA 259/11? COMO SOBREVIVER À RESOLUÇÃO NORMATIVA 259/11? HOW TO SURVIVE THE NORMATIVE RESOLUTION 259/11? CÓMO SOBREVIVIR A LA NORMATIVA RESOLUCIÓN 259/11? RESUMO: Este texto é fruto de uma pesquisa bibliográfica.

Leia mais

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS.

Orientadora, Docente do Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS. ATUAÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA PACIENTES COM DIABETES NA ATENÇÃO BASICA UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 BOEIRA, Giana 2 ; CADÓ, Thaís 3 ; FRIGO, Letícia 4 ; MANFIO, Francieli 5 ; MATTOS, Karen 6 ; PIAIA, Eveline

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM

EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM EDUCAÇÃO PERMANENTE E CONTINUADA: INSTRUMENTO PARA A PRÁTICA DE ENFERMAGEM Eliese Denardi Cesar 1 Luciane Stanislawski de Souza 2 Roberta Mota Holzschuh 3 Graciela Gonsalves Borba 4 Janaína Kettenhuber

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM BÁSICA (EBA) DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM I Sistema de Informação em Enfermagem DUTRA, Herica Silva Profa.

Leia mais

A AUDITORIA DE ENFERMAGEM E AS GLOSAS HOSPITALARES 1

A AUDITORIA DE ENFERMAGEM E AS GLOSAS HOSPITALARES 1 A AUDITORIA DE ENFERMAGEM E AS GLOSAS HOSPITALARES 1 Cledir Tania França Garcia 2, Carla Denise Viana 3, Luciane Zambarda Todendi De Bragas 4. 1 Pesquisa Institucional desenvolvida na Associação Hospital

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO:

PARECER TÉCNICO I ANÁLISE E FUNDAMENTAÇÃO: PARECER TÉCNICO ASSUNTO: Solicitação de parecer acerca de Técnico de Enfermagem lotado no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de transtorno mental acompanhar paciente internado em outra instituição,

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE O PROGRAMA SAÚDE DA FAMILIA NA COMPREENSÃO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE VIDAL, Kiussa Taina Geteins; LIMA, Flávia Patricia Farias; SOUZA, Alcy Aparecida Leite; LAZZAROTTO, Elizabeth Maria; MEZA, Sheila

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM. Adelita Eneide Fiuza. Gustavo Costa de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM Adelita Eneide Fiuza Gustavo Costa de Oliveira RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR II NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE VILA GAÚCHA Porto Alegre

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 Fase 2 e 3 Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DIPLOMA CONFERIDO: BACHAREL NÚMERO DE VAGAS: 100 VAGAS ANUAIS NÚMERO DE ALUNOS POR TURMA: 50 ALUNOS TURNOS

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015 1 A Coordenação do Curso de Administração, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições e em cumprimento ao Art. 5 o do Regulamento de Monitoria, Anexo da Resolução de 21 de dezembro

Leia mais