e um relógio o E também SÓ LÂMINA exposiç ão de nuno ramos S ESC apr esenta Realização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "e um relógio o E também SÓ LÂMINA exposiç ão de nuno ramos S ESC apr esenta Realização"

Transcrição

1 ual ao de m relógio bmerso em gum corpo Realização e um relógio o E também S ESC apr esenta SÓ LÂMINA exposiç ão de nuno ramos

2 "Igual ao de um relógio Submerso em algum corpo Ao de um relógio vivo E também revoltoso"

3 Serviço Social do Comércio 2 Reimpressão 2010

4 SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Presidência do Conselho Nacional do SESC Antonio Oliveira Santos Direção-Geral Maron Emile Abi-Abib Divisão Administrativa e Financeira João Carlos Gomes Roldão Divisão de Planejamento e Desenvolvimento Álvaro de Melo Salmito Divisão de Programas Sociais Nivaldo da Costa Pereira Consultoria da Direção-Geral Juvenal Ferreira Fortes Filho Luís Fernando de Mello Costa Projeto e Coordenação Gerência de Cultura / Divisão de Planejamento e Desenvolvimento Marcia Leite Lucia Helena Mattos - Coordenadora Assessoria externa Paulo Venâncio Filho - Produção de texto e curadoria Projeto Gráfico Assessoria de Divulgação e Promoção / Direção-Geral Christiane Caetano Equipe Marcella Marins Mesquita - Revisão de conteúdo Mario Saladini - Programação visual Guarim de Lorena - Fotos das obras Trechos da obra Uma faca só lâmina, de João Cabral de Mello Neto, utilizados de acordo com o estabelecido no art. 46 da Lei 9.610/98, em seu inciso VIII.

5 O SESC E SEU TRABALHO COMO DIFUSOR DA CULTURA NACIONAL 03 SESC - Exposição Só Lâmina A cultura reflete a diversidade das identidades regionais do Brasil. Música, artes cênicas, cinema, artes plásticas e literatura integram o cotidiano dos brasileiros. O SESC garante a democratização do acesso a essas variadas modalidades, nacionalmente, através de projetos como o ArteSESC, difusor das artes plásticas em exposições itinerantes que percorrem o país. Para a entidade, cultura não significa apenas entretenimento, mas uma nova compreensão da realidade. Em sua postura de articulador, o SESC investe tanto no estímulo à produção artístico-cultural, viabilizando espaço e estrutura para o trabalho do artista, como na qualificação de público, e em sua interação com os produtores culturais, por intermédio de um trabalho educativo que permeia todos os serviços e atividades ofertados pela instituição. Ao longo do tempo, os projetos do SESC tornaram-se referência, conquistaram credibilidade e foram além de seus objetivos iniciais, transformando-se muitas vezes em principal evento cultural e meio de contato do público com as artes. Esta é a contribuição permanente do empresariado, por intermédio do Serviço Social do Comércio, à cultura da sociedade brasileira. Antonio Oliveira Santos Presidente do Conselho Nacional do SESC

6 ArteSESC em conexão com o contemporâneo O SESC é hoje reconhecido como um dos principais agentes de difusão das artes plásticas no país. Desde 1981 o ArteSESC vem realizando mostras itinerantes em centros urbanos e cidades do interior, tornando mais conhecidos os acervos de instituições culturais e a produção de artistas provenientes de várias partes do país, ao exibi-los nas unidades do SESC ou, eventualmente, em espaços da comunidade. Fazem parte do acervo de exposições do projeto reproduções de obras de artistas como Portinari e Margareth Mee. Com essas atividades, o SESC procura estabelecer as condições do diálogo necessário entre artistas plásticos e o público interessado nesse segmento. Atualmente, a programação busca dar visibilidade à produção artística moderna e contemporânea, marcando uma nova fase do projeto. Ser um artista plástico moderno ou contemporâneo significa estar em conexão com o que acontece em sua época, mostrando em suas obras os avanços das discussões e propostas da arte que se manifestam em diferentes modos no mundo. Diante deste cenário, o ArteSESC escolheu para itinerar a partir de 2008 artistas que proporcionam uma mudança nas tendências da arte brasileira e retomam uma postura mais crítica e política sobre a realidade cotidiana do país.

7 Exatamente por ter influenciado singularmente a arte no Brasil, o SESC convidou Nuno Ramos para participar do projeto com a exposição Só Lâmina. Nuno se configura como um artista da experimentação, na qual a ausência de regras é menos um desafio às normas. Seus objetivos e suas instalações com materiais não estáveis como parafina, sal, vidro e mármore servem de impulso para suas infinitas experimentações. SESC - Exposição Só Lâmina 05 Só Lâmina reflete a postura do ArteSESC de estar antenado com as novas tendências, favorecendo uma produção artística nas suas diferentes linguagens. Maron Emile Abi-Abib Diretor-Geral do Departamento Nacional do SESC

8

9 Paulo Venâncio Filho SESC - Exposição Só Lâmina 07 Este conjunto de três trabalhos, Só Lâmina, Carolina e Luz Negra, da obra já extensa e ainda em andamento de Nuno Ramos, serve de sintética e econômica introdução ao mundo plástico do artista, sem perda da potência da obra. Três trabalhos, três grandes direções que eventualmente se cruzam e mostram tanto a atualidade quanto o substrato inquieto e transformador que se mantém há mais de vinte anos. dos interesses de Nuno. De que modo ele vem transformando esse interesse em legítima versão própria, metamorfoseando-o plasticamente? Visitação, afinidade, homenagem, apropriação, não há um termo que defina com exatidão o que está sendo realizado. Acima de tudo, me parece, trata-se do franco reconhecimento da pressão que o moderno ainda exerce entre nós. Do artista, da obra, de uma obra, de uma imagem ou fragmento qualquer, de onde vem o impulso inicial? Creio que de todos esses Só Lâmina é o mais recente capítulo de um ciclo de enfrentamento ao qual Nuno tem se proposto já faz algum tempo. É um verdadeiro e convicto choque com os grandes modernos brasileiros: Drummond, Bandeira, Goeldi, Nelson Cavaquinho e agora João Cabral de Mello Neto. Literatura, música e artes plásticas mostram a amplitude elementos que ainda estão à disposição de quem os queira elaborar pois, para o bem ou para o mal, ainda não se enrijeceram e estão como que num estado de latência cultural. É desta possibilidade disponível, flexível, maleável que Nuno se apropria para dar outra forma. A constante metamorfose é uma das características do seu trabalho,

10 Assim como uma bala Do chumbo mais pesado No músculo de um homem Pesando-o mais de um lado Igual ao de um relógio Submerso em algum corpo Ao de um relógio vivo E também revoltoso Relógio que tivesse O gume de uma faca E toda a impiedade Da lâmina azulada Assim como uma faca Que sem bolso ou bainha Se transformasse em parte De vossa anatomia

11 2. Qual bala que tivesse Um vivo mecanismo Bala que possuísse Um coração ativo 1. Assim como uma bala Enterrada no corpo Fazendo mais espesso Um dos lados do morto

12 4. Igual ao de um relógio Submerso em algum corpo Ao de um relógio vivo E também revoltoso 3. Assim como uma bala Do chumbo mais pesado No músculo de um homem Pesando-o mais de um lado

13 7. Qual uma faca íntima Ou faca de uso interno Habitando num corpo Como o próprio esqueleto 6. Assim como uma faca Que sem bolso ou bainha Se transformasse em parte De vossa anatomia 5. Relógio que tivesse O gume de uma faca E toda a impiedade Da lâmina azulada

14 9. 1a8 S/ Título, 2007 Alumínio, pelúcia, espelho, acrílico e tinta óleo 1,55 x 0,75 m a 11 S/ Título, 2007 Alumínio, pelúcia, espelho, acrílico e tinta óleo 1x1m 8. De um homem que o tivesse E sempre, doloroso De homem que se ferisse Contra seus próprios ossos

15 De um homem que o tivesse E sempre, doloroso De homem que se ferisse Contra seus próprios E sempre, doloroso De homem que se ferisse Contra seus próprios =Qual uma faca íntima Ou faca de uso interno, Habitando num corpo Como o p róprio esqueleto Assim como uma bala Enterrada no corpo Fazendo mais espesso Um dos lados do morto Qual bala que

16 penso até que já existe um universo metamórfico só seu, distinguível através de certos materiais, fenômenos, processos. Pois em Só Lâmina trata-se de metamorfosear a áspera poesia de João Cabral. Para começar, o construtivo rigor do poeta não é o que se esperava encontrar junto à fluência plástica de Nuno, a sua incorrigível vocação picassiana. Mas a escolha certamente não é arbitrária ou voluntarista. Aparentemente por mais afastados, há um paralelo entre a brutalidade fria de Uma faca só lâmina e o método plástico de Nuno. Numa outra chave, só para exemplificar, recordemos Balada, o trabalho de Nuno que é simplesmente um livro, alvo e vazio, perfurado por uma bala. Balada: corpo que se oferece à bala. Nele a violência seca e sintética do tiro fica encravada, no grosso das páginas, chumbo dentro do papel, ali no lugar das palavras que o livro não tem. É bala lâmina que atravessa Balada. Assim como uma bala/enterrada no corpo, só bala mais nada. do crescente, cimitarra, semi circular que os desenhos e esculturas de Nuno já vinham, faz algum tempo, apresentando. Forma-lâmina, a lâmina e seu corte, que corta e recorta, ela mesma o objeto. Operação e resultado do corte que estrutura o desenho. De modo que esta série de onze desenhos manifesta não só a destreza plástica da lâmina, mas também o raciocínio seco do corte: onze desenhos, onze facadas de uma mesma lâmina. Ora o corte é limpo, precisão racional de um mundo claro e transparente, ora o corte é sujo, obscuro, corta o informe irracional e ambos estão assim lado a lado, latejantes. E este método da lâmina, ávido, pede a ação incessante do corte. Continuar o corte, tudo o que seja para cortar; seja palavra, metal, vaselina, espelho ou papel. Na mesma faca, duas lâminas: por um lado o poema de Cabral aceitando a matéria tal qual ela é: simples palavra escrita no papel, por outro Nuno a exigir da matéria ir além, até quase onde ela não é: líquido que é sólido, pesado leve, duro mole, belo feio. Só Lâmina, vai então de certa forma, continuar a explorar, através do poema de João Cabral, aquela forma cortante A mesma ambivalência e oposição dos estados físicos estão sempre presentes e atuantes nos desenhos, como tam-

17 bém nas pinturas e esculturas e nada mais é do que a forte estrutura do trabalho. Notável é a escolha dos materiais que Nuno utiliza: matérias de construção, destinadas a conter, estabilizar e sustentar. Pedra, areia, vidro, metal. No entanto, a matéria parece estar sempre invertida vazando da forma, indo além dos limites e indefinindo-os, escorrendo e fazendo extravasar, estrutura desestruturante que se sustenta pelo próprio desmoronamento. O mesmo ocorre também nas instalações sonoras. Difícil é conter o som. O som vaza e desaparece, sai da palavra e se perde no espaço. Palavra, som, espaço formam uma equação paralela a da superfície, forma e matéria das telas e desenhos. Assim, se apropriando da poesia, Nuno quer ultrapassar a palavra apenas lida, em silêncio, e dar som e imagem à palavra que não tem. É do que Carolina fala; da palavra falada. Este trabalho que é um extenso fragmento do interminável perguntar e responder que corta e recorta, da enunciação mental ao murmúrio da cidade, fala a língua do cubismo sonoro. O que é dito e respondido agora, em São Paulo, ou em qualquer outro lugar? Para onde vaza esse som que é parte da vida e do sentido de todos e da cidade? E se houvesse alguém para tudo isso ouvir? Não é isso que Carolina diz e não responde? Em Só Lâmina os versos atingem a proporção de verdadeiros anúncios estampados em agressivas placas de alumínio. São desenhos auto falantes, pois gritam e ensurdecem visualmente. Integrar o som - música, fala, ruído. É o que Nuno vem fazendo também já desde algum tempo. A matéria som, interessa especialmente quando vaza de um continente, seja palavra, música ou ruído, e volta a ser apenas som. Ou de outro modo, e válido para todo o trabalho, a matéria qualquer que seja é provocada a vazar de seu continente, o que implica o volume e, portanto, a espacialização do som ou até mesmo a ideia implícita de escultura sonora o som seria afinal a matéria ideal do trabalho. Penso que o mundo para Nuno se estru- SESC - Exposição Só Lâmina 11

18 tura num antagônico e constante fluxo de capturar e evadir das formas. colagem, essa quase simples gosma mascada, falada e colada. Realizada, parece, no ritmo do irritante regressivo rasgar, quebrar, colar, o infrutífero e cansativo, também vivo, desmontar poesia e remontar imagem. A excitante Pois vejamos. Em Luz negra a música que vaza do chão, faz soar alto a voz sepultada de Nelson Cavaquinho. As caixas acústicas que tocam Juízo final estão enterradas no solo. É como se a violenta contenção deformasse a cacofonia visual quase não dá tempo ao olhar, absorve-o sem parar, super sintético artificial cafona o nunocabral caótico caos. Nada menos que a colagem moderna levada à exasperação dos tempos atuais. matéria sonora e desse à tão característica subterrânea voz do cantor, o seu verdadeiro lugar. Próprias de Nuno são essas poderosas visões plásticas, como Nelson sob a terra e Drummond sobre a água. Quem sabe exista aí o projeto de uma outra espécie de land-art, uma fusional natureza/cultura. A matéria de um melado grudento lento cola, cansa e escorre pelo olhar esbugalhado. São desenhos para olhares vazados. Cortada, a vista escorre pelos lados de uma, duas, três, onze, inúmeras facadas. Por lâminas cimitarras de cortantes recortes, recorrentes desastres plásticos de palavras estampadas, ditas e caladas. Letreiro popular Ocorre-me chamar de Collages-Melées esses desenhos- ou/e vidraça quebrada? Um dadá trash cortante, belo pelo avesso, tal um bicho de pelúcia, uma página de poesia e

19 um espelho rapidamente batidos no liquidificador. Ingredientes de hoje, quando não há mais object trouvées para se encontrar. Só escrevendo assim, improvisando neste tema de Nuno, d aprés João Cabral, consigo seguir seu fluxo, rapidamente juntando à vontade: imagens, associações, relações, impressões vagas e fortuitas, tentando apreender este processo plástico. Parece que vale tudo: espelho, vaselina, folha de ouro, pelúcia, metal, tinta. Tudo é o mesmo e diferente na absoluta não hierarquização da matéria. O aspecto lixo luxuoso do desenho de Nuno não quer ser agradável, mesmo assim, e por isso mesmo, chega a ser tão atraente, espelho partido de um mundo afluente e desgovernado. Quase sempre caótico, sem direção, desconexos, tais materiais se agridem, chocantes, irritantes, desagradáveis ao tato, ao olhar, aos sentidos. Mas para isso precisam também ser belos, fortes, excitantes, alegres, como são. O choque Nuno/Cabral, destes assim chamados desenhos, traz o desafio de uma eloquência plástica ante uma contenção poética, ou o excesso diante da contenção, que são os momentos fortes, eventualmente o próprio cerne do trabalho. Disso resultam estes desastres verbo-visuais como displays do poema, transtornos plásticos vigorosos de resultado instável, de um todo quebrado e desconjuntado que um dia já foi goeldiano. Facada a facada, Nuno destroça a anatomia dos oito versos iniciais de Uma faca só lâmina. Cada verso um desenho, cada linha escrita no alumínio recortado, cada letra na tinta espatifada assim como, assim como... SESC - Exposição Só Lâmina 13 Sequência do vídeo Luz Negra

20 Foto da instalação Carolina - A instalação varia de acordo com o espaço.

21 Assim como uma bala Enterrada no corpo Fazendo mais espesso Um dos lados do morto Assim como uma bala do chumbo mais pesado no músculo do homem pesando-o mais de um lado Assim como uma faca que sem bolso ou bainha se transformasse em parte de vossa anatomia Qual uma faca íntima ou faca de uso interno habitando num corpo como o próprio esqueleto SESC - Exposição Só Lâmina 15 Qual bala que tivesse um vivo mecanismo bala que possuísse um coração ativo De um homem que o tivesse e sempre, doloroso de homem que se ferisse contra seus próprios ossos. 1 Igual ao de um relógio submerso em algum corpo ao de um relógio vivo e também revoltoso...seus próprios ossos. Ossos como destroços flutuantes numa superfície plana, desenhos da impermanente estabilidade das coisas espelhadas numa poça d água qual forma disforme. Relógio que tivesse o gume de uma faca e toda a impiedade de lâmina azulada 1 MELO NETO, João Cabral de. Uma Faca Só Lâmina, Poesias Completas; , pág. 187, Rio de Janeiro Livraria José Olympio Editora, 1979

22

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS

TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS 1 TRIANGULAÇÃO DE IMAGENS Profa. Teresa Cristina Melo da Silveira (Teca) E.M. Professor Oswaldo Vieira Gonçalves SME/PMU 1 Comunicação Relato de Experiência Triangulação de Imagens foi o nome escolhido

Leia mais

COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL

COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL COMO FAZER CAMISETAS USANDO STÊNCIL por: Danelectro Olá, amigos! Como vocês já devem ter percebido, o mundo moderno está repleto de coisas iguais. Carros, computadores, móveis, comida: tudo é fabricado

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

A interdisciplinaridade nos Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ: alguns problemas estruturais. Marcelo Jacques de Moraes

A interdisciplinaridade nos Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ: alguns problemas estruturais. Marcelo Jacques de Moraes A interdisciplinaridade nos Programas de Pós-Graduação da Faculdade de Letras da UFRJ: alguns problemas estruturais Marcelo Jacques de Moraes Historicamente, os Programas de Pós-Graduação da Faculdade

Leia mais

Plano de Patrocínio LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO A CULTURA TRANSPARÊNCIA PROCESSO: 125.533/10 C.E: 239/10

Plano de Patrocínio LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO A CULTURA TRANSPARÊNCIA PROCESSO: 125.533/10 C.E: 239/10 Plano de Patrocínio LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO A CULTURA TRANSPARÊNCIA PROCESSO: 125.533/10 C.E: 239/10 Resumo Executivo TRANSPARÊNCIA A proposta ora apresentada prevê a exposição de pinturas da artista

Leia mais

ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES

ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES ARTEBR EXPOSIÇÃO LUGARES A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte e educação,

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

Modelo ARTES PLÁSTICAS

Modelo ARTES PLÁSTICAS Modelo ARTES PLÁSTICAS Módulo Programação Serviço Social do Comércio Departamento Nacional Divisão de Planejamento e Desenvolvimento 2ª reimpressão 2008 SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO Administração Nacional

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19

1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19 1. Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim não 4 19 Você conhecia a história do bairro de Pinheiros? sim 17% não 83% 2. O que achou da transformação do Largo de Pinheiros? Diferente, muito

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE / PRIMAVERA

PROJETO MEIO AMBIENTE / PRIMAVERA Escola Estadual Leontino Alves de Oliveira PROJETO MEIO AMBIENTE / PRIMAVERA Rio Negro MS, Setembro de 2012. Identificação Escola Estadual Leontino Alves de Oliveira Cidade: Rio Negro MS Período: Setembro

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL. DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO ARTE OBJETIVOS GERAIS Conhecimento da Arte enquanto auto expressão e conhecimento, apreensão e comunicação

Leia mais

ARTEBR SITE A HISTÓRIA VAI COMEÇAR

ARTEBR SITE A HISTÓRIA VAI COMEÇAR ARTEBR SITE A HISTÓRIA VAI COMEÇAR A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria e assessoria em arte

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA QUESTÃO 1) Atente para a ilustração e os fragmentos de texto abaixo. Utilize-os para responder aos itens da questão 1. [ 1 ] Em muitos parques

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação :: LINHAS DE AÇÃO Apoio aos Municípios Tecnologia e Informação em Resíduos Capacitação Promoção e Mobilização Social :: PRESSUPOSTOS DA COLETA SELETIVA Gestão participativa Projeto de Governo Projeto da

Leia mais

Projeto Girassol de Ideias Fábio Pereira da Silva Valéria Cristiani de Oliveira Vivian da Silva Francini

Projeto Girassol de Ideias Fábio Pereira da Silva Valéria Cristiani de Oliveira Vivian da Silva Francini Projeto Girassol de Ideias Fábio Pereira da Silva Valéria Cristiani de Oliveira Vivian da Silva Francini A favor da comunidade, que espera o bloco passar Ninguém fica na solidão Embarca com suas dores

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 71 A Gestão Social no Brasil 13 de Fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

Literatura e Redação conexões possíveis

Literatura e Redação conexões possíveis Literatura e Redação conexões possíveis Desde 2005, a UFSC vem explorando os temas extraídos das obras literárias, de leitura obrigatória, para elaboração das propostas de Redação. O gêneros textuais cobrados

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares.

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares. O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da exposição Entre Silêncio e Paisagem, de Daniel Neto e Elenir tavares. Abertura 23 de outubro, às 19 horas.

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

A PINTORA Era madrugada, fumaça e pincéis estampavam a paisagem interna de um loft. Lá fora uma grande lua pintava as ruas semi-iluminadas com um fantasmagórico prateado. Uma mão delicada retocava a gravata

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental

Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Alunos de 6º ao 9 anos do Ensino Fundamental Resumo Este projeto propõe a discussão da Década de Ações para a Segurança no Trânsito e a relação dessa com o cotidiano dos alunos, considerando como a prática

Leia mais

Dicas para seu Cartão de Visita

Dicas para seu Cartão de Visita O Cartão de Visita O cartão de visita é um pequeno cartão contendo os dados de contato de uma pessoa ou corporação. Para muitos, ele é a primeira ferramenta de marketing. Após um contato profissional,

Leia mais

ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS

ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS ARTEBR EXPOSIÇÃO DE FERNANDO VILELA CIDADES GRÁFICAS A empresa ARTEBR desenvolve projetos em arte, educação e literatura para diversas instituições culturais brasileiras. Atua nas áreas de consultoria

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

POR VITOR SOUZA CONTEÚDO ORIGINAL DE: WWW.CACHORROSURTADO.BLOGSPOT.COM

POR VITOR SOUZA CONTEÚDO ORIGINAL DE: WWW.CACHORROSURTADO.BLOGSPOT.COM POR VITOR SOUZA CONTEÚDO ORIGINAL DE: WWW.CACHORROSURTADO.BLOGSPOT.COM COPYLEFT 2010 O QUE SÃO? É UMA FORMA DE ARTE QUE CONJUGA TEXTO E IMAGENS COM O OBJETIVO DE NARRAR HISTÓRIAS DOS MAIS VARIADOS GÊNEROS

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO

CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO O escoamento das plataformas é feito através de dutos que podem ser denominados dutos rígidos ou dutos flexíveis, de acordo com o material de que são constituidos.

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas

Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas Programa Educativo da Bienal na exposição Em Nome dos Artistas O Programa Educativo da Bienal é responsável pela relação direta da Bienal com o público. Sob curadoria de Stela Barbieri, o programa tem

Leia mais

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina.

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina. 7 12 Anos ESTAS IMAGENS SÃO UM RODOPIO!///////////////////// 3 CINEMA EM CASA!//////////////////////////////////////////////////// 4 QUE FEITIÇO É ESTE?/////////////////////////////////////////////////

Leia mais

NOSSA SAÚDE. Ministério da Educação e Cultura. Com o apoio do povo do Japão

NOSSA SAÚDE. Ministério da Educação e Cultura. Com o apoio do povo do Japão A HIGIENE E A NOSSA SAÚDE Ministério da Educação e Cultura Com o apoio do povo do Japão O QUE SÃO CUIDADOS DE HIGIENE? É tudo o que fazemos para cuidar da limpeza do nosso corpo, como tomar banho, lavar

Leia mais

DOT Educação Infantil trabalho com profissionais e traça as diretrizes politicas de educação infantil no município. Diretrizes das Politicas publicas:

DOT Educação Infantil trabalho com profissionais e traça as diretrizes politicas de educação infantil no município. Diretrizes das Politicas publicas: Registro Reunião Ampliada Grupo de Trabalho em Educação Rede Nossa São Paulo Tema: Políticas públicas em Educação Infantil Data: 06/12/2014 Local: Câmara Municipal de São Paulo GT de Educação Rede Nossa

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha

RELATO DE EXPERIÊNCIA. Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ EVARISTO COSTA RELATO DE EXPERIÊNCIA Sequência Didática II Brincadeira Amarelinha Professoras: Maria Cristina Santos de Campos. Silvana Bento de Melo Couto. Público Alvo: 3ª Fase

Leia mais

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS

http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS http://crayonstock.com/19707 Zoonar 12 SEGREDOS PARA CONQUISTAR CLIENTES COM IMAGENS Constantemente, somos bombardeados por incontáveis conteúdos visuais. Imagens ilustram websites, redes sociais, folders,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira*

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira* ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. A partir das coisas Alda Mirian Augusto de Oliveira* Pensar a arquitetura reúne seis conferências de Peter Zumthor, proferidas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS DE MODA VOLTADOS PARA A SUSTENTABILIDADE VIABILIZADOS PELO USO DE RECURSOS CONSTRUTIVOS

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS DE MODA VOLTADOS PARA A SUSTENTABILIDADE VIABILIZADOS PELO USO DE RECURSOS CONSTRUTIVOS DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS DE MODA VOLTADOS PARA A SUSTENTABILIDADE VIABILIZADOS PELO USO DE RECURSOS CONSTRUTIVOS Danielle Paganini Beduschi (IC), Patrícia de Mello Souza (Orientador), e-mail: beduschi.dani@gmail.com,

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Uma Cidade para Todos Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Colaboração Nuno Oliveira, coordenador do Serviço de Psicologia do 1º ciclo do Ensino Básico da EMEC - Empresa Municipal

Leia mais

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC

PALÍNDROMO Nº 7 /2012 Programa de Pós Graduação em Artes Visuais CEART/UDESC ENTREVISTA MUSEO DE ARTE LATINOAMERICANO DE BUENOS AIRES MALBA FUNDACIÓN CONSTANTINI Entrevista realizada com a educadora Florencia González de Langarica que coordenou o educativo do Malba até 2012, concedida

Leia mais

PROJETOS DE DEMOCRATIZAÇÃO CULTURAL

PROJETOS DE DEMOCRATIZAÇÃO CULTURAL PROJETOS DE DEMOCRATIZAÇÃO CULTURAL Semana Cidades Catraca Livre: Cultura e Educação São Paulo, junho de 2010 AGENDA A B C PRODUÇÃO X ACESSO À CULTURA PROJETOS CULTURAIS ELABORAÇÃO DE PROJETOS CULTURAIS

Leia mais

guia multicultural da mata atlântica para crianças o dia em que o curupira jantou com o saci... PAPELERACULTURAL

guia multicultural da mata atlântica para crianças o dia em que o curupira jantou com o saci... PAPELERACULTURAL guia multicultural da mata atlântica para crianças o dia em que o curupira jantou com o saci... PAPELERACULTURAL Apresentação Guia multicultural da Mata Atlântica e de sua diversidade para as crianças.

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Matemática na Vida. Série: Razão e Proporção Conceito no dia a dia

Matemática na Vida. Série: Razão e Proporção Conceito no dia a dia Matemática na Vida Série: Razão e Proporção Conceito no dia a dia Resumo Com uma câmera nas mãos, o nosso curioso personagem Euclides, procura compreender os mistérios da Matemática por de trás de situações

Leia mais

O excesso da imagem e a questão do ouvir. A Era da Iconofagia. Erika Ventura Gross Nicolle Brandão Simão

O excesso da imagem e a questão do ouvir. A Era da Iconofagia. Erika Ventura Gross Nicolle Brandão Simão O excesso da imagem e a questão do ouvir. A Era da Iconofagia. Erika Ventura Gross Nicolle Brandão Simão A cultura do ouvir e a Sociedade da imagem Mundo da visualidade O valor do som é menor que o valor

Leia mais

soluções do futuro para o seu presente

soluções do futuro para o seu presente soluções do futuro para o seu presente PORTFÓLIO conheça a solução com excelência para seu lar EMPRESA A JR ALUMINIUM é uma empresa especializada na criação, fabricação e instalação de Esquadrias de Alumínio

Leia mais

COMO TER UMA IMAGEM DE SUCESSO

COMO TER UMA IMAGEM DE SUCESSO COMO TER UMA IMAGEM DE SUCESSO www.estilloconsultoria.com.br O QUE A SUA APARÊNCIA DIZ SOBRE VOCÊ? COMO GERENCIAR A MINHA IMAGEM O conceito de gerenciamento de imagem se aplica a qualquer pessoa que precisa

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE Cuidando de quem cuida Instituto de Capacitação e Intervenção Psicossocial pelos Direitos da Criança e Adolescente em Situação de Risco O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

Leia mais

O TEMPO DIRÁ: CULTURA E POESIA!

O TEMPO DIRÁ: CULTURA E POESIA! REVISTA INTER-LEGERE WWW.CCHLA.UFRN.BR/INTERLEGERE O TEMPO DIRÁ: CULTURA E POESIA! TIME WILL TELL: CULTURE AND POETRY! Lenina Lopes Soares Silva 1 Esse tempo nunca passa Nem é de ontem, nem é de hoje Mora

Leia mais

ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO

ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Dirlene A. Costa Gonçalves Professora Escola para Surdos Dulce de Oliveira, Uberaba-MG. dirlenecosta12@hotmail.com

Leia mais

ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR. Em Torno do Acervo Abril a Setembro 2013 Serviço Educativo. coordenação / documentação Teresa Santos

ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR. Em Torno do Acervo Abril a Setembro 2013 Serviço Educativo. coordenação / documentação Teresa Santos ATELIER-MUSEU JÚLIO POMAR Em Torno do Acervo Abril a Setembro 2013 Serviço Educativo coordenação / documentação Teresa Santos O Atelier-Museu Júlio Pomar é um espaço dedicado à conservação, ao estudo e

Leia mais

MÓDULO 5 O SENSO COMUM

MÓDULO 5 O SENSO COMUM MÓDULO 5 O SENSO COMUM Uma das principais metas de alguém que quer escrever boas redações é fugir do senso comum. Basicamente, o senso comum é um julgamento feito com base em ideias simples, ingênuas e,

Leia mais

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina.

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina. 12 18 Anos ESTAS IMAGENS SÃO UM RODOPIO!/////////////////////////////////////// 3 CINEMA EM CASA!////////////////////////////////////////////////////////////////////// 4 BRINQUEDOS ÓPTICOS///////////////////////////////////////////////////////////////

Leia mais

PROJETO PLANETA NA MENTE, CONSUMO CONSCIENTE!

PROJETO PLANETA NA MENTE, CONSUMO CONSCIENTE! PROJETO PLANETA NA MENTE, CONSUMO CONSCIENTE! ENFOQUE De acordo com o dia mundial sem compras, 27 de novembro de 2012, criamos o PLANETA NA MENTE, CONSUMO CONSCIENTE!. Trata-se de uma Campanha que tem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

Exercícios de aquecimento. 1. Introdução

Exercícios de aquecimento. 1. Introdução Exercícios de aquecimento 1. Introdução Os exercícios de aquecimento são práticas de rotina necessárias para que o músico se prepare para performances em público, gravações, estudos, etc. Esses exercícios

Leia mais

1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO

1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO BEM VINDO AO GUIA DE 10 PASSOS DE COMO MELHORAR MUITO A SUA VIDA FINANCEIRA! APROVEITE! 1 USE SUA RAZÃO E DEIXE AS EMOÇÕES POR ÚLTIMO Quando se trata do nosso dinheiro, a emoção sempre tende a ser um problema.

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

dim i e m nsão ã o h uma m n a a c p a ac a i c d i ad a e c m o p m etênci c a

dim i e m nsão ã o h uma m n a a c p a ac a i c d i ad a e c m o p m etênci c a Importância da Imagem Pessoal na Profissão Profa Elaine C. S. Ovalle Todo ser humano tem necessidade de se destacar naquilo que realiza. O maior responsável pelo desenvolvimento pessoal é o próprio indivíduo.

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR EXPLORA. Luz 1º CEB. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Caderno do aluno Recursos online

GUIÃO DO PROFESSOR EXPLORA. Luz 1º CEB. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Caderno do aluno Recursos online GUIÃO DO PROFESSOR EXPLORA Luz 1º CEB Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Caderno do aluno Recursos online Introdução O Explora é uma verdadeira floresta de fenómenos naturais.

Leia mais

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional

O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O primeiro guia online de anúncios de Guarulhos a se tornar franquia nacional O guia online Vitrine de Guarulhos é um dos produtos do Grupo Vitrine X3, lançado no dia 11/11/11 com o objetivo de promover

Leia mais

ARTES VISUAIS PROVA DE CRIAÇÃO. 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração da prova: DUAS HORAS E 30 MINUTOS.

ARTES VISUAIS PROVA DE CRIAÇÃO. 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração da prova: DUAS HORAS E 30 MINUTOS. ARTES VISUAIS - HABILIDADE ESPECÍFICA II - PROVA DE CRIAÇÃO - 2 a Etapa ARTES VISUAIS 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II PROVA DE CRIAÇÃO SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se

Leia mais

Análise spot publicitário

Análise spot publicitário Análise spot publicitário Trabalho Realizado por: Carlos Nunes carlosmmnunes@gmail.com Nº 20240 Para a disciplina: Multimédia Scriptwriting Leccionada por: Profª Joana Carvalho Porto, 13 de Abril de 2011

Leia mais

UMA CONVERSA AO REDOR DO FOGÃO SOBRE CAPTAÇÃO DE RECURSOS 1

UMA CONVERSA AO REDOR DO FOGÃO SOBRE CAPTAÇÃO DE RECURSOS 1 UMA CONVERSA AO REDOR DO FOGÃO SOBRE CAPTAÇÃO DE RECURSOS 1 Dois problemas se misturam A verdade do Universo e a prestação que vai vencer Raul Seixas Rodrigo Alvarez O Mosteiro pode acabar * O mosteiro

Leia mais

ENTRETANTOS, BOLETIM ONLINE

ENTRETANTOS, BOLETIM ONLINE Entretantos, 2014 Grupo: BOLETIM ONLINE Integrantes: Cristina Barczinski, Elaine Armênio, Maria Carolina Accioly, Mario Pablo Fuks, Nayra Ganhito e Sílvia Nogueira de Carvalho. Interlocutora: Sílvia Nogueira

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Ao final do estudo deste módulo, você será capaz de: Caracterizar o ambiente escolar; Enumerar pontos sensíveis no ambiente escolar;

Ao final do estudo deste módulo, você será capaz de: Caracterizar o ambiente escolar; Enumerar pontos sensíveis no ambiente escolar; 1 Módulo 1 O ambiente escolar Apresentação do Módulo Os fatos frequentemente divulgados na mídia reforçam a necessidade de conhecimento do ambiente escolar. Mais do que conhecer, é preciso criar mecanismos

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Informação-Prova de Equivalência à Frequência Informação-Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO PROVA ESCRITA E ORAL Prova de Equivalência à Frequência de Espanhol, 11º ano (Iniciação) Prova 375 (ter como referência quadro III do Desp.Norm.5/2013)

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Sumário ÁGUA, SOLO E SER HUMANO...52 AMBIENTE E SERES VIVOS... 10

Sumário ÁGUA, SOLO E SER HUMANO...52 AMBIENTE E SERES VIVOS... 10 Sumário 1 AMBIENTE E SERES VIVOS... 10 Módulo 1 Explorar o Pantanal...10 O que já sei......11 Atividade prática...11 Uma visão panorâmica do ambiente...12 Hora da leitura Águas comandam a vida no Pantanal...15

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

NOTÍCIAS. Parque da Cidade é o escolhido para grandes eventos em Natal. V.4 - N.4 - Setembro de 2015

NOTÍCIAS. Parque da Cidade é o escolhido para grandes eventos em Natal. V.4 - N.4 - Setembro de 2015 V.4 - N.4 - Setembro de 2015 Vilma Lúcia da Silva 05 Assessora de Comunicação do Parque da Cidade Parque da Cidade é o escolhido para grandes eventos em Natal Só no mês de setembro o Parque da Cidade recebeu

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Técnicas de Memorização.

Técnicas de Memorização. Como Estudar? Técnicas de Memorização. Aprendizagem: dreamstime As estratégias de estudo que adquiriste no ensino secundário devem ser adaptadas ao ensino superior. Existem disciplinas com forte componente

Leia mais